FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

12. Da morte não sei o dia.


Fic: A Marca de Uma Lágrima.


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

12. Da morte não sei o dia.


Harry tomou delicadamente a mão de Hermione assim que ela abriu a porta de casa e olhou-a firme nos olhos.
— Hermione, eu preciso falar com você.
— Harry... Oi. Entre...
Hermione afastou-se e o rapaz caminhou em direção à mesa coberta de livros e papéis.
— Você estava estudando?
— Não... eu...
— O que é isto? — perguntou Harry levantando uma folha de fichário.
— Nada... é...

Há o instante da chegada
E o momento da partida.
Quanta vida eu já vivi?
Quanta resta a ser vivida?

São dois espelhos quebrados,
Dois vezes sete de má sorte,
Lá vivi quatorze anos,
Quanto resta para a morte?

É fácil vê-la chegando
Em cada instante que passe,
Pois se começa a morrer
No momento em que se nasce.

Vou caminhando pra morte,
Não decidi meu nascer.
Da morte não sei o dia,
Mas posso saber!

— É do Augusto dos Anjos. Acabei de copiar...
— Do Augusto dos Anjos? Quando ele tinha quatorze anos? - Hermione suspirou e jogou-se na poltrona, abraçando as pernas e apoiando a testa nos joelhos.
— Está bem, Harry. Se você quiser conversar sobre poesia, vamos conversar sobre poesia.
Harry ajoelhou-se em frente à poltrona e, com as mãos, obrigou Hermione a erguer o rosto para ele.
— Olhe para mim, Hermione. Acho que seria bom conversarmos depois daquela loucura toda. Durante o interrogatório, eu senti que você tinha alguma coisa a dizer. Alguma coisa que a incomodava...
— É claro — sorriu a menina. — Um cadáver de 120 quilos incomoda qualquer um.
— Não brinque, Hermione. Você manipula a todos que eu sei. Mas comigo é diferente. Você não consegue me enganar.
— Eu não quero enganar ninguém.
— Só a você mesma, não é?
— Você veio aqui para brigar comigo, é?
— Eu só queria te ouvir. Passamos por isso juntos e talvez você precise me dizer alguma coisa.
— Mesmo que eu tivesse alguma coisa a dizer, de que adiantaria? A polícia já encerrou a investigação, não foi? Já concluíram por suicídio, não concluíram?
— E você? Chegou a alguma outra conclusão?
— Não importa se cheguei ou não, Harry. O que importa é a conclusão da polícia. E eles já têm a deles.
— Talvez sim, talvez não, Hermione. Ouvi dizer que eles acharam muito estranho o fato de não haver qualquer impressão digital no frasco de veneno. Só no envelope plástico.
— Como assim?
— É isso aí. Dona Minerva resolveu suicidar-se, calçou luvas, foi ao laboratório às escondidas, pegou o veneno, tirou as luvas, colocou o veneno num envelope plástico, livrou-se das luvas, fechou-se na diretoria e tomou alguns miligramas de cianureto. Isso tudo parece lógico?
— Ela poderia não ter usado luvas. Poderia ter usado um lenço, que na certa está agora em alguma bolsa.
— Poderia sim. Mas, por quê?
— Por que o quê?
— Por que dona Minerva se preocuparia em não deixar impressões digitais no frasco de linamarina?
— Não sei, Harry. Por que dona Minerva se mataria?
— Aí está outra pergunta sem resposta. Por que ela teria decidido suicidar-se?
— Sei lá... um momento de loucura, o nervosismo causado pelo tal regime para emagrecer...
— Ora, Hermione, se gordura fosse motivo para suicídio...
— Eu me mataria, não é?
— Como?
— Ah, deixa pra lá!
— Que mania você tem de dizer que é gorda, Hermione! Você é bem mais magra que a Gina que...
— Deixe também a Gina pra lá!
— Está certo.
Harry esperou que uma pausa longa refizesse os dois daquela discussão. Depois, perguntou bem baixo, como se acalmasse uma criança:
— Me diga, Hermione, por que você se lembrou do regime de dona Minerva? Afinal, que eu saiba, ninguém toma cianureto para emagrecer...
— Ou linamarina...
— Ou isso: linamarina. Por quê, hein, Hermione?
— Por causa do bombom.
— Do bombom? Que bombom?
— Não se lembra? Em cima da mesa dela havia um papel de bombom.
— Acho que não notei. Fiquei o tempo todo na entrada da sala, agarrado por aquele brutamontes do Brucutu.
— Pois eu notei. Coitada! Acho que ela fazia regime só na frente dos outros. À noite, fechava-se com seus bombonzinhos para repor todas as calorias perdidas...
— Coitada da dona Minerva...
— Coitada...
— Outra coisa: por que você se surpreendeu quando o professor de química falou o nome do veneno?
— Cianureto?
— Você sabe que não. Quando ele falou "linamarina".
— Eu me surpreendi? Talvez... Achei estranho um veneno ter nome de mulher.
— Você já tinha ouvido falar antes em linamarina?
— Não.
— Eu acho que você sabe de alguma coisa, Hermione.
— Não sei de nada, Harry. Não me pressione, por favor.
— Eu quero ajudar, Hermione. Fale comigo.
— É melhor sair, Harry. Não tenho nada a dizer.
— Por favor...
— Me deixe em paz, Harry!

***


Hermione, porém, não conseguiu ficar em paz. Por que um cadáver de 120 quilos haveria de desabar sobre todos os seus problemas? Por que aquilo, ainda por cima? Por que uma morte tão real, tão mastodôntica, a concretizar todas aquelas idéias sombrias que, cada vez mais, apareciam em seus poemas e ocupavam seus pensamentos?
E ela sabia de alguma coisa. Sabia mesmo? O que ela tinha visto? Alguém de avental branco, há quase um mês, mexendo no frasco de linamarina? E estaria mexendo mesmo? Não poderia ser qualquer outro frasco ao lado daquele? Quem acreditaria nela? A polícia? Como ficaria o seu testemunho depois que confessasse estar escondida no laboratório, na penumbra, sem óculos e lavada em lágrimas? E será mesmo que ela gostaria de expor-se assim, a todo mundo, a Draco, a Gina, a Harry, à professora Tonks, à professora Bellatrix? Sem óculos, no escuro, chorando por um amor impossível para ela, mas que ela mesma ajudara a criar para outra garota?
Mas ela sabia de alguma coisa. Seria justo calar-se? Adiantaria falar? Ah, se ela tivesse Draco... Se tivesse aquele peito forte sobre o qual debruçar-se, procurando apoio, sentindo aquele cheiro bom, aquele calor a abrasar-lhe os lábios, o gosto salgado daquela pele penetrando-lhe o organismo, misturando-se ao seu sangue, fazendo dos dois um único ser...
Mas ela estava só. Não tinha ninguém.

Da morte não sei o dia,
Mas posso saber!

***


Continuar

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2021
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.