FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. Capítulo 01


Fic: Desejo-te DM-HG Long


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 1


Estava fazendo a ronda pelo castelo. Já estava quase no final do meu horário e eu agradecia por isso. Os corredores eram iluminados pelas fracas luzes bruxuleantes dos archotes. Enrolei com mais força o cachecol em meu pescoço. Era uma noite extremamente fria. A ronda não resultava em nada e já estava pronta para voltar pelo corredor quando ouvi sussurros vindo de trás de uma porta. Abri-a vagarosamente com o objetivo de pegar os infratores no pulo. Porém, não esperava ver aquela cena.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

Enquanto todos festejavam o final da guerra, um certo rapaz de olhos verdes observava calado os fogos que explodiam em diversas cores.

- Finalmente acabou, Harry.

- Eu sei – respondeu sem desviar os olhos do céu.

- Gina conversou com você?

- Sim, Mione. Você já sabia? – retrucou ainda sem desviar seu foco de atenção.

- Soube pouco antes de você. Esses dois irmãos... – ela murmurou.

- Tinha certeza que finalmente você e Rony se acertariam... – olhou para a amiga e percebeu que ela também fitava o céu.

- Pois é... Parece que Luna não é tão distraída assim...

- Não fique assim, Mione. – ele falou tentando consolar.

- Estou bem, Harry. Acho que de alguma forma sempre soube que eu e ele sempre seríamos grandes amigos. – Hermione falou com uma voz que não convenceu ao amigo.

- Eu sinto muito.

- Eu também. – a garota falou e ouviu um suspiro do amigo.

- Só achei que finalmente poderia namorar Gina. Realmente não há muito que se possa fazer. - Harry concluiu.

- Pois é. Não tinha idéia que ela e Dino poderiam voltar. – Hermione falou e colocou uma de suas mãos sobre o ombro de Harry. Apenas os sons dos fogos eram ouvidos agora.


§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

O trem movia-se a toda velocidade e uma aura de paz habitava os vagões barulhentos. Hermione estava saindo da reunião que tivera com os monitores quando foi impedida de continuar seu caminho pelos braços de Ron.

- Não quero brigar com você, Mione.

- Realmente estou bem, Rony. Quero que seja feliz e não guardo nenhum rancor por estar com Luna – ela sorriu sincera, conseguindo esconder o nó que subiu pela garganta. Saíram para fazer a ronda pelos vagões.


§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

Olhar aquela cena marcou uma mudança fundamental em minha vida. Se eu fosse uma garota trouxa de 18 anos sei que continuaria estudiosa, mas algumas questões fariam parte da minha vida mais cedo. O quê? Ou melhor, quais. Por exemplo, nunca namorei. Beijei Vítor quatro anos atrás e Rony há poucos meses, mas namoro mesmo, nunca. E eu sentia meu corpo ansiar por toques, beijos e carinhos.

Olhar aquela cena despertou em mim um desejo que foi escondido por um amor infantil, pela guerra, por medo de morrer e de perder pessoas que amo. Aquela cena despertou o meu desejo sexual.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

O ano começou com professores novos e animados. As salas de sétimo anos eram as mais cheias, já que muitos haviam retornado para completar seu ensino. A perspectiva de estar na mesma sala que Gina e Dino, assustou Harry, mas foi melhor que imaginava. Em poucos dias a relação entre os cinco grifinórios e a corvinal era bem próximo. No entanto, como a maioria dos trabalhos era em dupla, Harry e Hermione estavam mais próximos que nunca. Mesmo quando as duas casas não se juntavam para as aulas, eles acabavam fazendo companhia muitas vezes.

Aproveitando seu quarto de monitora-chefe, Hermione muitas vezes ficava lá estudando com seu amigo. Depois de algumas semanas tornou-se comum ele dormir por lá.


§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

- Logo tem passeio para Hogsmead! – exclamou Rony animado.

- Ah sim e terão muitos outros pela frente, Ron – falou Hermione – Com o fim da guerra, a idéia é que esses passeios sejam feitos quinzenalmente!

- Jura, Mione? – perguntou Harry – Que bom!

O grupo terminou o café e foi para a sala. A aula de DCAT era terrivelmente chata desde que fora assumida por Snape. O professor pareceu esquecer toda aliança que houve ao lutarem lado a lado. E parecia fuzilar Harry por ele ter conhecido um pouco de seu passado. Os estudantes conversavam em voz baixa, esperando a chegada do professor.

- Ei, Hermione – cochichou Harry – Percebeu como o Malfoy está bem quietinho? Não nos provocou nenhuma vez. – ele apontou com a cabeça e Hermione olhou o rapaz loiro ao fundo da sala. Estava sozinho.

- Também! Com o pai morto e a mãe internada! – ela disse ainda encarando o sonserino.

- Ela ajudou-me. Disse que eu estava morto. – ele falou ainda mais baixo.

- Eu sei, Harry, mas ela foi castigada pela própria irmã ao descobrirem. – voltou a encarar o loiro. – Ele deve ter sofrido! Lembra das memórias que assistimos?

- Ainda acho que ele é um covarde – intrometeu-se Rony.

- Isso porque você tem a sensibilidade de um trasgo – brincou Harry. Os três riram da brincadeira.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

A fresta foi suficiente para eu ver Malfoy totalmente nu. Ele estava transando com a Parkinson. O corpo dela tremia sobre a mesa, enquanto ele agarrava-a de forma possessiva. A garota gemia, chamando o nome dele. Os olhos fechados. Eu estava de frente para Malfoy que beijava a namorada. De repente ele separou-se do beijo e me viu. Ele ficou encarando-me. Pareceu levar vários minutos, mas não. Eu ainda estava parada com a mão na maçaneta. Pensei por um milésimo de segundo a detenção que os dois levariam. Poderiam ser expulsos, porém Malfoy não parou de movimentar-se sobre o corpo dela. Ele estava em pé. Olhou-me e sorriu de lado. Um sorriso desafiador. Reparei involuntariamente no peito definido e suado. Respirei profundamente para oxigenar meu cérebro e sai mais silenciosa do que entrei, deitei na minha cama. Mesmo com olhos fechados a imagem do corpo dele não saiu da minha cabeça. Senti um calor subir entre minhas pernas e desejei estar no lugar da Parkinson.

Tirei meus sapatos com o pé e voltei a respirar fundo. Adormeci com as vestes de Hogwarts e acordei tendo a certeza que sonhei a noite toda com o Malfoy. Eu estava suada. Loiro filho-da-puta.

As imagens da noite anterior estavam presentes em meu corpo e não sei como conseguiria encarar o sonserino. Saí de meu quarto com a cabeça baixa.

Quando o vi foi pior que imaginei. Ele lançou o mesmo sorriso irônico e sedutor. Cafajeste. Desviei minha atenção para meus amigos que acabavam de chegar.

A semana passou lenta e por mais que eu lançasse olhares para o Malfoy, nenhum deles era retribuído. Eu já estava ficando irritada. Como ele sorri daquele jeito para mim e depois... Depois, é como sempre foi. Eu, uma sangue-ruim. Ele, um sangue puro. No entanto... Sim, ele havia me lançado um sorriso mesmo que por pouco tempo. Ele e a mãe ajudaram a Ordem... E se eu...

- Hermione? – acordei dos meus devaneios e percebi que devia estar com uma cara engraçadíssima.

- Fala, Harry – falei mais baixo para não sermos ouvidos pelo professor.

- Está com uma cara... Parece que teve uma grande idéia ou sei lá.

- Ah sim – pensa Hermione – Eu pensei em um cronograma de estudo. É isso. Sabe? Para me organizar... – ele me olhou com aquele jeito que diz: Impossível você ser mais organizada. No entanto, Harry não discutiu. Eu sabia que a desculpa era boa.

O plano que passou pela minha cabeça era excelente e seria posto em prática dentro de alguns dias. O passeio para Hogsmead viria bem a calhar. No entanto, só saberia mais tarde naquele mesmo dia que as coisas fugiriam um pouco do meu controle. Sem que eu pudesse evitar mais uma pessoa foi envolvida.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§


O grupo estava terminando de almoçar. Gina, Dino, Rony, Luna, Hermione e Harry riam das lembranças dos anos anteriores. Os dois casais decidiram terminar a tarde com um passeio mais romântico. Hermione e Harry decidiram continuar no Três Vassouras.

- Que tal quebrarmos algumas regras? – sugeriu a garota.

- Você quer quebrar regras? Como monitora-chefe? – ele perguntou assustado.

- Ah, Harry! É algo que eu sempre tive vontade de fazer... É meio bobo, na verdade...

- Conta que estou ficando curioso! – ele exclamou ao ver a cara da amiga.

- Quero beber! – ele olhou-a sem entender – Beber muito, sabe? Amanhã é domingo. Compramos algumas coisas, pegamos outras na cozinha,... Compramos garrafas de vinho e uísque de fogo! – a boca de Harry abria a cada palavra ouvida. Não conseguia acreditar.

- E como vamos entrar com tudo isso? – a resposta foi apenas o dedo indicador da amiga no broche de monitora-chefe.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

O plano era simples. Como monitora-chefe, não seria revistada. Aplicada como era, não seria suspeita. Harry animou-se com a idéia. A cada dia a amiga mostrava-se mais divertida e espontânea. Saíram para as compras.

- Chamaremos o resto do pessoal?

- Não, Harry! Eles ficarão se agarrando pelo meu quarto. Quero ficar comendo, bebendo e falando besteiras!

- Você está maluca, Hermione Granger.

- Não estou maluca! Só passamos sete anos difíceis e acho que devemos curtir um pouco! Diversão, sem preocupação.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

Organizei meu quarto para a chegada de Harry. Retirei todos os livros da mesa e a cobri com uma toalha. Depois coloquei os aperitivos e algumas bebidas. Transfigurei cerveja amanteigada em cerveja trouxa. Acendi algumas velas. Tirei o uniforme da escola e optei por uma calça jeans azul clara, uma blusinha branca e uma rasteirinha. Já havia enfeitiçado o quarto para ficar mais aquecido. Ouvi uma batida na porta e fui abrir. Estava ansiosa por aquela noite.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

- Boa noite, Harry! – ele olhou a amiga e não podia negar que ela estava bem bonita. Lembrou-se da garota de onze anos com dentes salientes e cabelos rebeldes que entrou na cabine em que estava com Rony. Sem dúvida, ela é a que mais havia mudado. Seu cabelo agora descia pelas costas, cortado em camadas. Os dentes haviam sido concertados durante um incidente anos antes. Vê-la com roupas trouxas lembrava a Harry que sua amiga estava virando uma mulher e era uma garota linda e gostosa. Não era a primeira vez que a via assim, mas os pensamentos sempre voltavam a cada vez que a via mais... a vontade. Envergonhando-se com esses pensamentos entrou calado no quarto – Tudo bem?

- S-sim. Bela decoração, Mione. – ele sorriu timidamente.

- Venha! – eles saíram do pequeno hall que havia e foram para o quarto.

- Nossa! – Harry exclamou ao entrar no aposento.

- Então, quer começar com o quê? – ela perguntou – Ah, e para avisar... Essas cervejas são trouxas. Transfigurei-as.

- Acho que começarei por elas então... – o grifinório deixou sua mochila no chão.

- Trouxe sua capa? – ela perguntou abrindo as garrafas e entregando uma a ele.

- Sim, mas de qualquer forma acho que vou dormir aqui.

- Melhor mesmo! – ela ficou descalça e sentou na cama. Fez um gesto chamando-o e Harry sentou na frente dela. – Então, como estão as coisas entre você e Gina? – ele parou de encarar a amiga, respirou fundo e deu um grande gole na cerveja. Achou o gosto mais amargo comparada à cerveja amanteigada, mas gostou.

- Acho que as coisas estão voltando ao normal, Mione. Quero dizer... Na nossa relação.

- Ainda gosta dela? – Hermione perguntou.

- Não sei. Não me incomodo como antes, mas não posso dizer que ver os dois juntos me anime muito...

- E os treinos para o quadribol? – ela perguntou mudando de assunto.

- Começam na próxima semana. Estamos todos ansiosos pelo Campeonato. Terei que escolher novos jogadores... Precisamos vencer a Sonserina.

- Claro – ela sorriu vendo a empolgação voltar no tom de voz do amigo.

- E você e Rony? – ele perguntou.

- Fiquei triste no começo, mas nunca tivemos nada realmente, Harry. Acho que foi paixão infantil. A minha cerveja acabou,... Quer mais?

- Deixa que eu pego. – ele adiantou-se. Eles começaram a beber mais. Da cerveja passaram para o vinho. Bebiam na garrafa. Rindo e conversando como nunca fizeram antes. – Vamos fazer um jogo? – Harry perguntou já sentindo o álcool quebrar algumas barreiras.

- Que jogo? – ela perguntou fazendo um rabo com o cabelo.

- Chama Verdade ou Viro.

- Verdade ou Viro? Não seria Verdade ou Desafio? – ela perguntou em tom de desconfiança.

- Sim, não era a senhorita que queria beber hoje? – ela fez um gesto de rendição – Como é?

- Fazemos a pergunta, escolhemos responder ou não. Se respondermos temos que falar a verdade. Se não quisermos responder, viramos um copo de uísque de fogo.

- Eu começo! – ela disse levantando-se. Depositou a garrafa vazia de vinho sobre a mesa e voltou com o uísque e dois copos.

- Nada disso! A idéia foi minha! Não vale mentiras, ok? Bom... Deixa eu pensar... Se não fosse bruxa o que estaria fazendo em sua casa uma hora dessas?

- Provavelmente não estaria em casa. Queria estar em alguma danceteria com meus amigos. Minha vez! Pretende morar no Largo Grimmaul ao se formar?

- Não – ele virou o conteúdo fazendo uma careta. Sentiu-se triste ao lembrar do padrinho – Não precisa se desculpar, Mione – ele adiantou-se – Bom... Como foi beijar Krum?

- Estranho. – ele riu da resposta da amiga – Não ria! Eu estava brava com Rony, com a auto-estima baixa e carente. Dizer que foi estranho não quer dizer que não gostei! Foi bom ter beijado um cara mais velho. E por falar em mais velho... Pensa em retomar o contato com a Chang?

- Não! Muito ciumenta! Mudamos o foco? – ele perguntou notando o rumo que a brincadeira estava tomando.

- Sim... Deixa eu ver... – ela colocou o dedo no queixo em um gesto típico de pensar.

- Ei, é minha vez! – Harry protestou.

- Não! Você perguntou se mudamos o foco. – e piscou – Se Gina pedisse para voltarem a namorar aceitaria?

- Não – a resposta rápida surpreendeu o rapaz. – Como disse, sinto um pouco de incômodo ao vê-la com Dino, mas não sinto mais aquela tristeza, sabe? Isso passou definitivamente. Acredito que no momento não seria possível reatar o namoro. Quem mais você beijou além do Krum e do Rony? – Hermione hesitou.

- Ninguém – virou o copo. Sentia-se uma tola. – Está interessado em alguém? – Harry encheu seu copo e o virou. Hermione esperou pela resposta – Não acredito que não vai me responder isso! Agora fiquei curiosa!

- Qual seu maior arrependimento?

- Acho que devia ter curtido mais minha adolescência. Sei que tivemos mil problemas, guerra, mistérios, perdas,... Só que acho que poderia ter curtido mais, sabe? Outro dia acordei e percebi: tenho 17 anos e aí?

- Entendo... Um brinde à nossa maioridade e à nossa adolescência pouco vivida! – eles brindaram. – Sua vez.

- Bom... V-você e Gina... Sabe? – ela gaguejou e olhou para baixo. Harry começou a rir da vergonha da amiga. Havia entendido, mas queria fazê-la falar.

- Não, não sei, Mione...

- Ah, Harry! Vocês... já... já...

- Já...?

- Fizeram amor? – ela perguntou de uma vez, sentindo-se corar. Hermione sabia que sua vergonha era mais pela imagem que surgiu na sua cabeça do que pela pergunta em si.

- Não, Hermione. – Harry pensou em interrogá-la da mesma forma, mas já imaginava a resposta. Um silêncio caiu sobre o ambiente. Os dois sentiram-se subitamente sem graça. Até que Hermione levantou-se, mas sentiu-se tonta e foi amparada por Harry. Ele viu quando ela desequilibrou-se e com os reflexos rápidos de apanhador, segurou-a. O garoto olhou-a profundamente. Nunca havia reparado no tom de castanho.

- Obrigada. Eu já venho, vou ao banheiro. – ela disse e afastou-se rapidamente dos braços dele. Ao chegar ao banheiro, apoiou-se na pia e olhou-se no espelho. Abriu o armarinho e tomou uma poção revigorante. Abriu a torneira e jogou água no rosto. Não entendia. Só sabia que quando foi amparada por Harry sentiu uma vontade louca de beijá-lo. Fez xixi, lavou as mãos, jogou mais uma vez água no rosto e voltou para o quarto.

- Está tudo bem? – ele perguntou com um tom de preocupação.

- Sim, efeitos da bebida – ela sorriu tentando disfarçar a timidez – Se quiser tem uma poção revigorante no banheiro. Não melhora 100%, mas já é alguma coisa...

- Eu já venho. – Hermione aproveitou que estava sozinha e jogou seu corpo sobre a cama. Apoiou a cabeça em um dos braços e o outro usou para tampar sua visão. Afinal, o que estava sentindo? Ela quis conhecer o sabor dos lábios do seu amigo. Do seu melhor amigo. Sentiu a cama balançar e assim que sua visão estava descoberta encontrou um par de olhos verdes brilhantes sobre si.

Harry voltou para o quarto e decidiu seguir seus instintos ao ver o corpo de Hermione sobre a cama. O peito dela subia e descia. Os lábios úmidos. Deitou-se e observou quando ela o encarou.

- Faça sua pergunta de novo – ele disse seriamente.

- Como assim?

- A única pergunta que não respondi. Faça-a – Hermione nunca ouviu Harry falar daquele jeito. Ela obedeceu.

- Está interessado em alguém?

- Sim. – houve um breve silêncio – Não vai me perguntar por quem? – ele ainda deitado de lado, apoiando-se sobre um de seus braços.

- Por quem? – ela apenas obedecia.

- Você é inteligente, Hermione. Tenho certeza que tem idéia da pessoa – ele falou aproximando-se dos lábios dela. Harry sentiu seu corpo responder ao breve toque. Sentia a respiração pesada da amiga. Ao ouvir seu nome ser murmurado pelos lábios que desejava, não pode se conter e beijou-a. Momento maravilhoso esse em que o álcool faz com que desejos e vontades percam seus bloqueios. Bloqueios que caem e resta apenas o impulso. Era isso que movia o casal de amigos. Hermione abriu rapidamente seus lábios e sentiu a língua quente de Harry invadindo sua boca. Ela sentia que o corpo dele mudava de posição. Ele subia em cima dela, apoiando os braços ao lado de sua cabeça. Eles se separam por um segundo e se encararam. O grifinório assustou-se com o que estava fazendo e levantou-se rapidamente. Já havia passado uma das alças da mochila no ombro e estava quase alcançando a maçaneta da porta do quarto quando ouviu a voz de Hermione:

- Fique. – ele virou. Ela estava em pé e aproximava-se dele.

- Sabe o que acontecerá se eu ficar. – um passo dado pela garota em sua direção foi o suficiente. A mochila foi jogada de qualquer jeito. Uma de suas mãos a puxou pela cintura e a outra lhe apertou a nuca. Harry nunca poderia imaginar que o gosto de sua amiga fosse tão bom. Os braços de Hermione cruzaram atrás de Harry. Os lábios mais uma vez se desgrudaram e a morena tomou a iniciativa de explorar o pescoço nu e másculo que estava ao seu alcance. Passara tanto tempo sem isso. Fora tanto tempo quieta, comportada. Velou seus desejos. Velou suas necessidades. No entanto, tudo estava sendo desvelado naquele momento. Uma mistura de bebidas, vontade de mudar e um homem que a desejava como mulher.

O toque de Hermione estremeceu o corpo de Harry. Ele apertou-a mais. Queria senti-la mais perto. Sem pensar, ele levantou-a e as pernas dela foram parar em torno da cintura dele. Caíram juntos na cama e ele admirou o rosto dela por alguns instantes. Ela era realmente bonita. Estava mais bonita naquele momento. Os dedos vacilantes percorrem a face da garota, que fechou os olhos.

Hermione sentiu o toque de Harry em seu rosto e fechou os olhos. Era bom ser tocada dessa forma. Os lábios dele foram novamente de encontro ao seu. Depois, os lábios dele começaram descrever outro caminho. Desceram pelo pescoço, pelo ombro até chegar ao seu colo que estava descoberto. A camisa que usava era decotada. Harry hesitou alguns instantes.

Ele não sabia como continuar. Sabia na teoria. Mas estava ali, meio bêbado, meio sóbrio beijando sua amiga de maneira totalmente impensada até aquele instante. Subiu seu rosto e encarou-a. Viu um brilho que jamais havia visto nos olhos castanhos. Suas mãos tocaram o seio dela ainda sobre o tecido. E ela gemeu. Harry era um homem. Um adolescente que tinha hormônios. E ao ver a garota tão entregue, gemendo ao seu toque, todas as suas dúvidas foram definitivamente embora. Ele levantou puxando Hermione consigo. Era um momento de entrega. Os dois sabiam. Harry tirou os óculos e o jogou no chão sem preocupações. Ela puxou a camiseta que ele usava. Seus lábios foram ao encontro do peito nu. Os lábios percorriam um caminho que não era guiado por sua consciência. Os dedos de Harry estavam perdidos entre os fios cacheados. Era sensacional sentir os lábios dela na sua pele. Nunca havia ido tão longe. Percebeu quando o contato foi quebrado.

Hermione respirou fundo. Voltou a encarar o verde. Brilhava com um desejo nunca visto por ela. Ela mesma direcionou sua mão para a parte de baixo de sua blusa. Puxou-a vagarosamente. Se não estivesse sob influência de álcool teria ficado envergonhada. Ela não usava sutiã.


O que dizer daquela situação? Tão vulnerável. Tantos desejos recolhidos. Fui jogada novamente na cama e vi outro brilho nos olhos de Harry. Agora ele me trataria como mulher. Não como sua amiguinha Hermione.

Seus lábios desceram possessivos pelo meu pescoço até atingiram meus seios. Ele se afastou por uns instantes, apreciando-os. Depois os devorou. Eu sentia-me mole e agradecia por estar deitada.

Senti que os dedos incertos dele tentavam desabotoar a minha calça. Éramos novatos naquilo. Impulsionados pelo álcool e pelo desejo. Tirei as mãos dele tomando para minha a tarefa de tirar a minha própria calça. Isso fez com que ele puxasse a dele. Harry era lindo. Não havia como negar. Observei o corpo dele. Meus olhos indo do membro já rijo até os olhos. Ele me olhava com lascívia. Senti seus dedos quentes abaixando minha calcinha.

Não havia mais palavras. Não havia mais volta. Queríamos aquilo. Abri minhas pernas. Senti-o aproximando-se vagarosamente. Não sabíamos muito bem o que fazer. Deixamos que nosso instinto guiasse nossos corpos. Senti o pinto dele roçando em mim. Duro. Algo dentro de mim arrepiou-se. Senti umas vibrações dentro de mim que só senti quando vi o Malf...

Abri os olhos que nem percebi que haviam se fechado. Encarei os olhos verdes e não azuis que estavam sobre mim. Lindos.

- Mione... – ele disse num gemido. Então o senti entrando. Sua língua contornou meus lábios. Ele beijava-me de maneira calma e sedutora. Uma sedução que nunca havia visto no meu amigo. Senti meu lábio inferior sendo mordiscado. Sorri.

Eu comecei a mexer minha cintura fazendo com o que ele aprofundasse aquele toque. Aquela enfiada que estava me deixando louca. Ele sorriu. E gemeu. Nossos movimentos tornaram-se mais acelerados. Em determinado momento senti uma pontada forte de dor. Mas a sensação de prazer e o toque exigente dele em meu seio deram lugar apenas ao prazer. Senti que todo meu corpo explodiria. De repente senti algo totalmente novo. Não comandava mais meu corpo. Os movimentos de Harry tornaram-se mais bruscos, mais deliciosos. Segurei-o pelos ombros sem perceber que o arranhava. Um grito incontrolável saiu da minha garganta. Pouco depois, Harry penetrou-me com mais força, deu uma estocada profunda, gemeu, gritou e deixou seu corpo cair sobre o meu.

§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

Graças a minha querida Almofadinhas Marota Potter o capítulo será publicado inteiro!!!!
O próximo cap ainda não está escrito... Enquanto isso podem acompanhar minhas shorts:
Mudanças - http://fanfic.potterish.com/menufic.php?id=31562
The way you look tonight - http://fanfic.potterish.com/menufic.php?id=31615

E tb podem acompanhar outras fics que foram apagadas da Feb pelo meu site:
http://artemisgranger.sites.uol.com.br/

Em breve:
Postagem do último capítulo de Amor Improvável II
Atualização de Retalhos de uma Memória


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2021
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.