FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

25. Descobertas e gemialidades


Fic: ***A POÇÃO DA FELICIDADE*** # Ficção H² completa # Agradeço sinceramente por todas as visitas!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Photobucket - Video and Image Hosting



― Por essa - começou um ruivo.

― Eu não esperava - completou o outro, fazendo um esforço para parecer pouco chocado com a notícia que acabara de receber. Era quase o princípio de um novo dia e os Weasley se viram acordados por uma coruja insistente que não sossegou até os dois estarem de pé para receber a carta que Ronald lhes enviara poucas horas antes. A ave dava visíveis sinais de ter feito um esforço descomunal para chegar até ali, porém nada a demoveria da missão de entregar uma mensagem tão importante como aquela.

― Precisamos fazer alguma coisa - Fred coçava a cabeça enquanto olhava pela janela da loja de gemialidades, tentando ainda compreender se a correspondência fazia sentido. Ele terminara de lê-la em voz alta para que o irmão pudesse acompanhar. Jorge encarou o gêmeo idêntico como se buscasse a resposta frente a um espelho e, ao mesmo tempo, procurasse a solução para algo verdadeiramente difícil.

― Bom, temos de avisar ao papai, mas antes precisamos responder a Rony - disse Jorge, levando as mãos ao queixo. - Mamãe não pode saber disso, Fred.

― E você acha que papai contaria? - Os dois se entreolharam novamente, procurando avaliar as chances daquilo acontecer. Fred passou às mãos de Jorge a correspondência, ao que este pegou de forma imediata o pergaminho já amarrotado, relendo-o e buscando algum indício de falsidade, contudo, nenhum foi encontrado. Aquela era verdadeiramente a letra de Ronald e as notícias expressavam a mais fiel realidade.

― Não, papai não contaria! - falaram ambos, no mesmo momento, em uníssono.

Realmente, as chances do senhor Weasley falar a Molly o que estava ocorrendo, quando soubesse, eram bem remotas, mas havia a máxima possibilidade de que ela mesma percebesse o segredo oculto, principalmente, dada a existência daquele relógio tão especial que a Toca tinha. Certamente, o ponteiro, àquela altura, já estaria marcando “perigo mortal” para vários dos integrantes daquela família.

― Escrevo para papai - informou Jorge, procurando uma pena próxima, pergaminho e tinta.

― Respondo a Rony e aproveito para enviar alguns utensílios de primeira necessidade... sinto que ele e todos os outros vão precisar - ponderou Fred, fazendo o mesmo que o irmão. Terminaram as cartas pouco depois. Jorge procurou uma coruja nos fundos da loja e remeteu a correspondência para o pai sem demoras, a fim de ajudar o irmão a preparar uma caixa endereçada a Rony. Somente não usaram a mesma ave da escola porque dificilmente ela conseguiria viajar rápido a Hogwarts depois de ter feito um percurso tão longo horas antes e de forma bem veloz.

― Melhor guardarmos no esconderijo as outras coisas que fizemos...

― Sim, Fred, será mais seguro. Aliás, mesmo antes do papai saber, um de nós terá de se ausentar da loja. Isso não pode ficar assim e Rony não tem como resolver sozinho.

― Eu vou e você fica para evitar suspeita... se alguém questionar...

― “Fred foi comprar matéria prima para as gemialidades”, ou “está testando as vomitilas na versão com sabor. Satisfação garantida e gostinho de morango enquanto descome” é o que vou responder - continuou Jorge agora sorridente. – Ou então...

― “Não é da conta de vocês”, se ao invés dos clientes, forem os comensais a perguntar - riu Fred, sem perder o humor, já pegando algumas mudas de roupa e as acondicionando numa pequena bolsa de couro que possuía um fundo falso, no qual colocou antes alguns frascos pequenos de diversas cores. - Estou pronto! Vou aparatar em Hogsmeade e lá vejo como falar com Rony, mas é melhor que a encomenda dele siga separado de mim, caso alguém esteja monitorando as cartas ou os nossos passos.

― Assim que papai responder, arrumo um modo de encontrá-lo sem deixar a Gemialidades Weasley fechada - afirmou Jorge enquanto acenava para o irmão que logo em seguida desapareceu.

No salão principal de Hogwarts, o burburinho anunciava o despontar de mais um dia aparentemente normal, exceto pela ausência inesperada de Dumbledore à mesa dos professores e pelo atraso de Rony que ainda não se sentara entre os amigos. Hermione acompanhou a mudança de horário apreensiva com a falta de Rony e preocupada com o semblante cansado de Harry. Certamente ele havia passado mais uma noite em claro.

― Parece que quem me recomendou dormir ontem não seguiu o próprio conselho - sussurrou Mione carinhosamente ao ouvido de Harry, de forma que apenas esse a escutasse. O garoto fez um esforço para demonstrar uma paz que não tinha naquele instante, mas o sorriso com que respondeu à morena revelava a sinceridade da alegria que sentia simplesmente por estar ao lado dela.

― Parece que não segui mesmo – Potter riu, fitando os olhos da namorada. Ele se deteve por mais alguns momentos, observando-os e tentou se controlar para não seguir o ímpeto imediato que teve de beijar Hermione em pleno salão principal, mas já era tarde demais. Um encontro de lábios calmo e intenso aconteceu de modo tão natural que se fez irrecusável.

― Mi, vem comigo? - foi o máximo que o garoto conseguiu dizer antes de se levantar e oferecer a mão àquela que todos conheciam publicamente como sua melhor amiga. Mione se ergueu em uma resposta instantânea, aceitando a oferta daquela conhecida e aconchegante mão. Assim, eles partiram dali, deixando para trás um salão principal ruidoso e perplexo, com exceção dos integrantes da Armada de Defesa e alguns grifinórios que já tinham imaginado a existência daquele romance.

Harry e Hermione seguiram de mãos dadas até a sala precisa e, segundos depois, cruzaram a porta que deu entrada para a sala de reuniões da AD. Havia, entretanto, uma pequena diferença. A um canto da sala, existia uma confortável poltrona com espaço apertado para duas pessoas. O moreno se sentou calmamente e Mione o acompanhou, ficando muito próxima dele. Ela observou o garoto nos olhos, avaliando sua expressão de tranqüilidade aparente, e acolheu entre as mãos a face de Harry que correspondeu com um longo e demorado abraço.

― Não devia ter feito isso - disse o menino se desvencilhando momentaneamente de Hermione.

― O quê? - questionou a garota. - Beijar-me na frente do salão principal inteiro?

― Uhum. Não é seguro para você... o Snape...

― Xiii - a morena fez um gesto, pedindo silêncio, beijou o garoto amorosamente e voltou a observá-lo. - Harry, não há nada seguro para nenhum de nós. Voldemort não quer mais apenas você e não pense que tudo é em razão de o conhecermos. Se não fosse você, seria outro e outros próximos a essa outra pessoa. E quem garante a você que não seríamos nós do mesmo jeito?

― Mi, mas...

― Harry, você sabe que não há “mas”. Sei que sabe disso. Há instantes em que as escolhas nos cabem, porém há também momentos em que somos nós mesmos os alvos da escolha! Aí, não nos cabe optar porque somos a opção, cabe-nos somente fazer tudo que estiver ao nosso alcance para justificar o fato de termos sido escolhidos.

― Tudo poderia ter sido tão diferente...

― Sim, meu garoto, poderia - Hermione tocou com ternura o queixo de Harry, levantando-o para que o rapaz a encarasse e ela pudesse ter melhor visão daqueles olhos verdes. - Poderia, mas não foi e as presenças importantes que temos hoje nas nossas vidas são frutos das escolhas que fizemos e do fato de termos tido a benção de sermos escolhidos também. Você sabe que eu não trocaria uma existência sem sua presença pela ausência de Voldemort na minha vida! - O garoto se deu por vencido e abraçou Mione mais uma vez.

― Agora, toda a Hogwarts sabe que estamos juntos, inclusive os professores - Potter parecia considerar o que aquilo representava.

― Isso aborrece você? - Hermione o observou com um leve levantar de sobrancelha.

― Não me aborrecia quando não era verdade e os outros comentavam. Agora, pelo menos, elas comentarão sendo verdade e, sinceramente, acho até melhor - riu Harry. - Depois, isso facilita tudo.

― Como assim? - inquiriu Hermione, fingindo não compreender.

― Bem, agora, eu posso beijá-la em público sempre! - o maroto sorriu vitorioso, arrancando também um longo riso da face de Hermione.

― Harry...

― Já sei, está preocupada com o sumiço de Rony? - perguntou o moreno ainda sorrindo.

― Anda praticando legilimência?

― Não, mas acho que nosso elo é tão forte que sabemos o que o outro pensa - respondeu Potter com segurança.

Hermione assentiu com a cabeça concordando e completou: - Precisamos ver como Rony está. Ele não apareceu no salão principal.

― Confesso que achei melhor ele não ter aparecido mesmo, considerando o que eu fiz, mas acredito que ele acordará logo - Harry contou à namorada o que acontecera na noite anterior e decidiu convocar imediatamente a primeira reunião da Armada de Defesa para logo à tarde. Somente depois, os dois seguiram para o primeiro horário de aulas que teriam naquela manhã.

No dormitório masculino, Ronald ainda dormia profundamente e assim permaneceria se um caixote não tivesse despencado sobre sua cabeça, acordando-o.

― Ai! - resmungou Rony. - Imaginava que quando acordasse o mundo cairia sobre minha cabeça, mas literalmente isso também já é demais - o ruivo fulminou com o olhar a coruja que sobrevoava o teto de seu quarto, agora, muito mais feliz sem a pesada caixa que carregava. Ronald abriu o caixote, que tinha a marca da loja dos gêmeos Weasley, e continha um sortimento de enxaguante bucal mágico. Rony tentou entender se seus irmãos pensavam que ele estivesse com a praga dos dentes soltos, que assolou a população bruxa pelos idos de 1701 a 1710, deixando muitos mágicos desdentados. Ele procurou pela resposta dos irmãos na caixa, mas nada encontrou. - Ei! - gritou o ruivo. - Só tem isso para mim?

A coruja deu um vôo ameaçador em direção ao chão como se fosse se chocar contra o próprio Rony, que desapareceu embaixo da cama, enquanto a curiosa e temperamental ave pousava sobre o colchão, levantando a patinha pomposamente para que lhe retirassem a correspondência. Ronald voltou-se para a coruja, ainda mais irritado, e ao tirar a carta, teve a infeliz idéia de comentar: - Por que os Weasley só tem corujas velhas, idiotas, ou loucas? Primeiro o Errol, depois o Pichi e agora... - aparentemente, a coruja não gostou muito, uma vez que quase arrancou um pedaço considerável do dedo de Rony, antes mesmo dele concluir a idéia em voz alta. Então, a ave saiu em disparada pela janela e o ruivo julgou melhor ler o que se tratava.


Rony,

Ficamos preocupados, mas não apenas conosco! Depois de tudo que você nos contou, estamos certos de que você, Gina e os outros correm tantos riscos ou mais do que nós. Avisamos ao papai para que algum integrante da Ordem proteja vocês, mas não podemos aguardar que isso aconteça e por isso eu chegarei hoje a Hogsmeade. Aliás, dará mais trabalho se eu e Jorge estivermos separados! Não saia dos limites do castelo, nem permita que Gina saia. Deixe que eu entre em contato.

Seu irmão, Fred Weasley.

PS.: Algumas dessas gemialidades só devem ser usadas se houver extrema necessidade! Compartilhe-as com a AD e cuidado com o Filch (tivemos que disfarçá-las em frascos de shampoo bucal mágico do Dr. Dentão! Mas não as use como enxaguante dentário, salvo se quiser ficar sem dentes).



Rony releu a carta e passou a imaginar se a coruja não a tivesse entregue e ele, acidentalmente, fizesse uso do shampoo bucal do Dr. Dentão. Ponderou isso por alguns instantes, enquanto guardava o caixote de gemialidades disfarçadas, e prometeu matar o irmão assim que o encontrasse, afinal, fora este quem escolhera a coruja louca para fazer a entrega. Apressadamente, Rony se arrumou, dirigindo-se direto para a sala de aula. Não chegaria atrasado, mas certamente em cima da hora. No caminho, encontrou Draco Malfoy tomando estranhamente a direção inversa. O garoto parecia mais descorado que o habitual, no entanto com a mesma língua ferina de sempre.

― Atrasado, traidor? - questionou Draco, sarcástico.

― Não é da sua conta, Malfoy! Vou me atrasar é se ficar perdendo meu tempo conversando com você que, pelo visto, não apenas vai se atrasar para a aula, mas vai deixar de comparecer a ela - o Weasley encarou Draco, avaliando ameaçadoramente as possíveis razões.

― Não é da sua conta também o que faço! - falou Malfoy, exasperado. - Mas pelo menos espero que não se atrase para o casamento do Potter e da sangue-ruim! Parece que eles estão bem adiantados, porque o noivado foi hoje em frente a todo o salão principal. São perfeitos um para o outro, não é? Aposto que, para completar o casamento dos horrores, eles vão chamar você para padrinho... o traidor do sangue, a sangue-ruim e o eleito - dizendo isso Draco desapareceu, deixando um Rony atônito.

― Eles ficaram juntos na frente de toda a Hogwarts? Mas como isso é possível? Não era um segredo? Por que não me contaram? Tenho certeza de que não queriam me magoar outra vez - tomado por este turbilhão de pensamentos, Ronald entrou na classe e se sentou maquinalmente na cadeira. Sem prestar atenção ao seu redor, o ruivo não reparou quando os amigos o chamaram para se sentar próximo deles, permanecendo mais afastado.

Harry e Hermione estranharam a desatenção de Ronald, entretanto preferiram esperar o encerramento da aula para que pudessem conversar reservadamente. A manhã de trabalhos passou lenta e foi somente a caminho do almoço que Harry, após pedir para Mione seguir antecipadamente ao salão principal, conseguiu se reunir com Rony, puxando-o para o interior de uma sala aparentemente vazia.

― O que está havendo, Rony?

― Como assim? Havendo o quê? - questionou o ruivo, incrédulo.

― Hermione e eu estamos tentando chamar sua atenção a manhã inteira e, inclusive, perguntar se percebeu, pela sua moeda, que teremos a primeira reunião da AD daqui a pouco, mas você simplesmente se recusa a olhar para mim e para ela!

― Vocês poderiam ter me dito, sabe? - Ronald falava um pouco pesaroso. - Saber pelo Malfoy que vocês estão pensando em casamento e que toda a Hogwarts sabe disso antes de mim...

― Rony, o Malfoy falou o quê? Mione e eu não estamos pensando em casamento! Como pode acreditar numa coisa dessas? Ah, com certeza, já estou vendo... será agora mesmo... esse é o momento ideal para o meu casamento e Voldemort estará vestido de bruxa de honra no altar!

A imagem do Lorde das Trevas vestido de bruxa de honra pareceu tão ridícula para Rony que, somente aí, ele se deu conta de que toda a história de Draco não fazia o menor sentido se levada literalmente aos termos como foi contada.

― Desculpa, mas não entendi como ele descobriu, nem como todos realmente podem saber. Toda a escola parece cochichar quando você e Mione passam.

― Sim, de fato, terminei cometendo um deslize no café da manhã e todos já estão sabendo, Rony, mas esteja certo de que, quando houver algo realmente sério, não esconderemos nada de você! Falaríamos a você primeiro se isso fosse verdade!

Ronald respirou mais aliviado com a cumplicidade sincera do amigo. A certeza que tivera de não estar atrapalhando o rumo do relacionamento de Harry e Mione fez o ruivo se animar consideravelmente até com a possibilidade de vê-los juntos em público.

― Obrigado. Sabe? Isso é muito importante para mim.

― Ele sabe - uma voz etérea e distante soou de um canto escuro da sala, anunciando que o lugar não estava completamente vazio. Os olhos azuis da menina da Corvinal fitaram os de Harry e Rony de maneira profunda e avaliadora, porém sem perder o afastamento que mais aproximava Luna das estrelas.

― Luna? - Harry se assustou ao notar que ele e Ron não estavam a sós.

― O que você faz aqui? - perguntou Rony, tentando não parecer grosseiro.

― Ah... os sonserinos me trancaram de novo para que eu perdesse o almoço e lançaram um feitiço na porta. Agora, ela só abre por fora. Tentei avisar que estava aqui, mas não quis interromper. Desculpem-me.

― Esses alunos da sonserina! - o ruivo falou em tom de reprovação enquanto fechava os punhos, tendo uma clara lembrança da face de Malfoy.

― Você está bem, Luna? - perguntou Potter, preocupado.

― Ah, sim, claro! - respondeu Lovegood tranqüilamente. - Bem, fiquei feliz em ver que você e Hermione assumiram que estão juntos, Harry. Mas se quer saber, acho que outra bruxa de honra para o casamento de vocês será bem melhor, quando ele for acontecer! - a garota sugeriu sorridente e se voltou para o ruivo. - Também acho que isso vai ser mesmo importante para você, Rony. Nesse caso, encarar o presente será o melhor modo de não se prender ao passado. Estarei na reunião hoje à tarde. Pensei que não conseguiria sair da sala até amanhã - Luna acenou para os dois e deixou uma sala silenciosa.

Rony e Harry apenas conseguiram, depois de se observarem longamente com olhares expressivos, prosseguir a conversa que tomou rumo diferente. O Weasley contou exatamente o que vira na penseira de Snape, enquanto a face de surpresa de Potter era pouco a pouco substituída por uma indignação sem tamanho.

― Verdadeiramente, não é de se estranhar que Você-Sabe-Quem tenha interesse no Senhor Olivaras, sabe? Ele desapareceu e provavelmente já se pode imaginar a razão: é o melhor fabricante de varinhas do mundo mágico e, se Você-Sabe-Quem pretende formar um exército, ele precisa das varinhas certas para cada um dos integrantes desse exército - disse Rony com ar triste e pensativo. - Não queria que os meus irmãos tivessem o mesmo destino ou fossem alvos de um interesse parecido.

Harry encarou o ruivo por alguns minutos e desferiu alguns tapinhas consoladores nas costas dele.

― Rony, você fez bem em avisar aos seus irmãos e é bom mesmo que seu pai já saiba. Isso foge ao nosso controle porque nós precisamos estar preparados para um ataque, mas Fred e Jorge têm que ser protegidos de alguma forma, já que Voldemort tem interesse em capturá-los e com certeza utilizá-los em algo.

― Fred e Jorge têm fabricado algumas coisas poderosas, sabe? Mas, não imaginava que Você-Sabe-Quem fosse... - o ruivo parou de falar por um instante e se lembrou dos muitos prejuízos que Voldemort já causara a sua família. Pensou em Gina, no pai que quase fora assassinado por uma cobra e se inquietou ainda mais com a possibilidade de ver como todos estavam seriamente em perigo.

― Rony, melhor irmos logo à sala de reuniões da AD. Precisamos discutir como agiremos daqui para frente. Fred já deve estar em Hogsmeade e nesse fim de semana teremos passeio para lá, então poderemos vê-lo sem chamar a atenção de ninguém.

O Weasley concordou com a cabeça, contudo pediu que Harry seguisse sozinho, pois, antes de se dirigir à sala da Armada, precisava buscar o caixote que o irmão lhe enviara. Enquanto caminhava em direção ao quarto, o ruivo não conseguiu desvencilhar a mente de uma pesada preocupação com sua família. Tinha realmente que cuidar de Gina e não sabia sequer como fazer isso, uma vez que passara a maior parte dos últimos tempos discutindo com a irmã, principalmente quando o assunto era Dino. O ruivo apanhou a caixa e saiu decidido quanto a uma coisa: as brigas entre ele e Gina por aquilo precisavam terminar. Coincidência ou não, a caminho da sala precisa, Rony se deparou com a irmã e Thomas, que pareciam pouco dispostos a deixarem o que faziam para almoçar. O Weasley se controlou de maneira espantosa para não transparecer o imenso ciúme que o consumiu diante daquela cena.

― Gina, preciso falar com você - o ruivo arriscou uma abordagem amena, a fim de evitar que aquilo se transformasse em mais uma discussão. Instantaneamente, Dino se recompôs, parando a uma pequena distância de Gina, que encarava Rony com uma face de visível irritação e mágoa.

― O que você quer? Veio trazer as exigências de Fred e Jorge, que agora já devem saber de mim e Dino?

― Fred pediu que cuidasse de você - o ruivo começou, no entanto foi interrompido de maneira imediata.

― Eu sei me cuidar sozinha! Não espero que você haja como se fosse minha mãe! Eu já tenho uma, lembra? Por sinal, é a mesma sua, Rony!

O ruivo dispensou o caixote que trazia nas mãos sobre o assoalho, evitando corresponder à grosseria de Gina, e encarou Dino com um olhar abatido, optando por se dirigir apenas a ele.

― Dino, tenho de ir à sala da AD, mas antes preciso que me faça o maior favor que eu poderia pedir a você em minha vida. Cuida de minha irmã pra mim. - Um silêncio invadiu o corredor no qual os três se encontravam. Thomas via a sinceridade nos olhos do Weasley e contra isso nem Gina foi capaz de lutar. A garota apenas observou o ruivo com profundidade enquanto ele terminava. - Sabe, tenho falhado como irmão, mas não suportaria passar pela situação que vivi no segundo ano... Quase perdi Gina! A dor que senti quando soube que ela havia sido levada pelo monstro da Câmara Secreta... Agora... Bem... agora, descobri que Você-Sabe-Quem está atrás de Fred e Jorge, por isso escrevi aos dois naquela noite. Eles já sabem disso e também da ameaça que sofremos, mas a maior preocupação de Fred foi exigir que eu cuidasse de Gina e isso eu não tenho conseguido fazer. Eu nem consigo me aproximar dela sem brigarmos. Sei que ela já cresceu, mas sei também que sempre somos mais fortes quando temos alguém por perto. Bom, se não puder ser eu, para mim é suficiente que seja alguém de quem ela goste e não a deixe só! - Rony se abaixou lentamente para apanhar a caixa; tinha nos olhos um brilho emocionado quando se virou para deixar a irmã e Thomas.

― Rony, faço isso sim, mas acho que você pode continuar fazendo também - ponderou Dino, no instante em que tomava das mãos de Ronald a caixa. - Pode deixar que eu levo isso para a AD enquanto você e Gina conversam. - Thomas saiu em passo acelerado, deixando Gina e Rony que, pela primeira vez em muito tempo, encararam-se nos olhos. A face endurecida da ruiva foi, aos poucos, cedendo lugar para a ternura fraterna que estava sempre presente quando ela observava o irmão.

― Por que não me disse, Rony?

― Eu tentei, Gina... juro que tentei, mas não consegui e nem sei a razão.

― Acho que você ficou sem ter a Mione para brigar e terminou me colocando sem perceber nesse espaço que ela deixou vazio, não foi?

Rony apenas abraçou Gina com toda força que conseguiu. Aquela era a única resposta que poderia dar. Os olhos de ambos estavam marejados e não se poderia explicar o tamanho do sentimento que existia ali.

― Desculpa, Gina.

― Só se você me desculpar também, porque confesso que não tenho tornado as coisas fáceis. Mas, sabe, acho que hoje é meu dia de cuidar de você, Rony, mesmo que Fred tenha exigido o contrário.

Assim, apesar de tomados por uma preocupação, os dois irmãos deixaram o corredor ainda abraçados e talvez mais unidos do que jamais estiveram.

Há vários quilômetros dali, o senhor Weasley compartilhava a apreensão dos filhos. Logo que recebeu a carta de Jorge, Arthur saiu imediatamente da Toca, sob pretexto de resolver um assunto urgente no Ministério da Magia. Detestava a idéia de omitir algo para Molly, no entanto fazia isso na esperança de não deixá-la ainda mais nervosa, sobretudo ante as notícias que dia após dia preenchiam as páginas do Profeta Diário.

O Senhor Weasley achava possível que ainda aquela noite Fred e Jorge já se encontrassem sob a vigilância de membros mais experientes da Ordem da Fênix apenas pelo aviso que dera a Minerva, mas algo o dizia para falar pessoalmente com o conhecedor da ordem de captura de seus filhos e havia boas chances de que aquela conversa se realizasse antes do dia se encerrar.


Continua...


Arwen Undómiel Potter

***************************************
Fanfic escrita por Arwen Undómiel Potter
Capítulo revisado pela beta-reader Andy “Oito Dedos”

***************************************
Agradecimentos:


Meus queridos,

Quanta saudade de vocês! Muitas saudades mesmo! Do ambiente aqui, de escrever, de ler cada novo comentário que surge e sempre tem para mim um valor mais que especial. Quero, de logo, agradecer a imensa compreensão de todos vocês pela enorme demora na postagem do capítulo 25, mas meu pai precisava muito de mim nesse período e sei que todos me entendem! Agradeço também os inúmeros e mails que recebi nesse tempo com o apoio de muitos de vocês (sem palavras para agradecer as vibrações positivas que me enviaram!). Graças a Deus, meu pai está se recuperando a cada dia e já voltou para casa, então, mais do que nunca tenho de compensar o tempo que passamos separados, não é? Sinto-me em débito grande e peço desculpas pela demora, apesar de saber que compreenderam o motivo! Mas, é muito bom estar de volta à companhia de todos vocês! Vamos aos agradecimentos pelos comentários ao capítulo 24:

Minha querida ALINE BRAGA, você é uma das pessoas mais meigas e perceptivas que já conheci! Também acredito que família é a coisa mais importante nessa vida e, por isso mesmo, agradeço profundamente o seu desejo para que meu pai melhorasse! Graças a Deus está dando tudo certo e, aos poucos, tenho retomado minha tão amada rotina! Aliás, escrever faz parte dela (risos). Fico feliz que esteja gostando dos novos capítulos (sem pessoas como você eles não teriam melhorado!). Acredito que, se a ficção cresceu, devo isso muito ao carinho, estímulo e as valiosas sugestões que colho aqui e me inspiram a continuar! Dentre elas, as suas têm um lugar especial! Muito obrigada por estar sempre me ajudando e apoiando! Fica com Deus, minha linda!

FLAVIA FABIANO, muito obrigada mesmo pela sua presença tão constante aqui! Espero continuar merecedora do seu carinho pela ficção, assim como pela sua grande dedicação em participar sempre! Sua presença é sempre bem vinda e agradeço a sua paciência em relação ao tempo de postagem dos capítulos, apesar da ansiedade! Querida, um grande beijo para você!

LADY.MALFOY, agradeço a ti também pelo desejo de melhoras. De fato, carinho de filha é muito importante e não saí do lado de meu pai nenhum minuto. Obrigada pelo apoio e por ter esperado, querida! Aí está o capítulo 25 para você! Grande beijo.

RAAH BLACK, obrigada pelo desejo de melhoras, querida! Esteja certa de que seu apoio foi também importante e agradeço que, apesar da ansiedade, tenha esperado e entendido! Beijos para ti.

MRS. RADCLIFFE minha querida, meu pai já está melhor e saiba que estou, mais uma vez, muito feliz por você ter apreciado outro capítulo (o 24). Como você, achei a sinceridade de Rony tocante e também me conforta a idéia de que Gina esteja bem! Bom, os nomes do bilhete de Malfoy eram “Fred e Jorge”, mas confesso que dava a entender também que poderiam ser Harry e Mione, portanto, sua aposta teve uma razão de ser... veremos o que o futuro reserva a todos eles! Beijos, querida, e fica com Deus!

POLIANA COSTA, valeu, querida, pelo apoio! Sou grata pelo seu carinho e paciência comigo nesse período e também por você ter lido a estória! Meu pai já está melhor graças a Deus! Eu espero corresponder ao seu comentário generoso, bem como poder desfrutar da sua presença aqui mais vezes! Francamente, obrigada por tudo, Poliana! Um super beijo.

DANNY EVANS, sinceramente, agradeço de coração seu apoio e as orações pelo meu pai! Você é uma pessoa especial (tenho sorte em contar com pessoas como você!). Graças a Deus meu pai está bem melhor mesmo! Quero te agradecer também por você ler essa fic! Você só parou de ler quando chegou ao fim? Puxa, a fic já está um pouco grande e só tenho a agradecer tamanho empenho que você teve em lê-la! Espero ter satisfeito a sua curiosidade, mesmo com atraso! Mais uma vez, obrigada pelo apoio e compreensão! Grande beijo.

SUELEN GRANGER, obrigada pela participação, querida, e desculpa a demora! Abração para ti!

BIANCA GRANGER POTTER, não deu para atualizar logo, querida, mas agradeço o seu comentário e assim que der passo sim na sua. Beijos.

DEH_DI-LUA, obrigada pelo aviso de atualização, querida, assim como pelo comentário! Beijão para você!

ANA CAROLINA_PATIL, ou, Ana, não precisa agradecer, querida! Foi um prazer comentar a sua ficção! Realmente gostei muito de NUANCE! Certamente, tornarei lá também e sinta-se a vontade para ler a minha quando puder! Um beijão, querida!

MARCIA SILVA, seja bem vinda, querida! Obrigada pelo comentário! Ah, sim tem quem não goste e ainda bem (risos), pois isso faz com que me empenhe em melhorar o que está por vir e aperfeiçoar o que já passou (capítulos anteriores). Assim que puder, revisarei a fic toda e deixarei os primeiros capítulos mais gordos (como você gosta). Sabe, querida, é que a fic ganhou um tamanho que eu realmente não esperava e só pôde melhorar pelas contribuições de vocês que lêem. Acredito que os últimos capítulos estão melhores pela ajuda que tive com os comentários preciosos que recebi e ainda recebo! Só tenho a agradecer a todos e a você por ler, mesmo não tendo afinidade com o shipper! Muito obrigada e Kisses for you too, Marcia!

H², uma pena não ter conseguido te prender, querido ou querida! Mas, agradeço mesmo seu comentário e certamente revisarei os primeiros capítulos da ficção. Acho verdadeiramente que eles podem melhorar muito! Mesmo assim, quem sabe numa próxima? Um beijão para ti!

BRUNA S. C, de fato é muito bom rir mesmo, assim como é sempre um grande prazer te ouvir! Você achou interessante o sonho de Rony, não foi? Confesso-te que há muito que se extrair desse sonho... muito mesmo, Bruna! Encontro você novamente em Cold Feelings (sua nova ficção que será sucesso!). Um super beijo.

ALBERTOANTUNES, você é uma graça, querido! Desculpa por não ter atendido logo o seu pedido de continuação! Obrigada por ser sempre carinhoso e pode deixar que se, algum dia, houver um livro, darei seu autógrafo com muito prazer! Por hora, há uma longa distância (muito que aprender), mas me deixa transbordando de felicidade sua confiança de que isso é possível! Beijos, querido!

PROSERPINE GRANGER, ô minha querida, mil perdões! É verdade, revelei a detenção, mas não contei os nomes, porque queria que vocês descobrissem! Acho que você percebeu a pista deixada, pois notou que não eram nomes de integrantes da Armada de Defesa (antiga A5 + Lilá). Aliás, por isso Rony se preocupou em escrever para Fred e Jorge imediatamente... Confesso que também me deixa intrigada esse pedido de ajuda de Malfoy a Snape... Bem, quanto à última frase de Ron (“preciso de sua ajuda”)? Ela é dita três vezes e há uma razão para isso... Confesso que Rony precisa da ajuda de Lilá para três coisas: 1ª ele acabara de descobrir que seus irmãos estavam sobre grave ameaça e precisava mesmo de apoio naquele momento para lidar com isso... as outras duas? Acho que do jeito que você é esperta vai perceber antes do fim (aliás, notou muitas coisas...), mas esteja tranqüila que isso ficará mais claro... Até lá, saiba que me deixa infinitamente feliz sua participação tão rica aqui e sua percepção aguçada! Não posso dizer mais nada (risos). Pode monopolizar minha página sempre que desejar, pois me deixa bem contente ler o que você escreve! Um beijo para você, querida!

HP SUZANA HH, espero que ainda tenha unhas (risos). Querida, tenho certeza de que entendeu a minha demora! A intenção era terminar o capítulo e postá-lo logo uma semana após, mas muitas coisas impediram... espero, mesmo com atraso, ter satisfeito a sua curiosidade! Um beijo grande e sinceras desculpas!

ANA LÍVIA minha flor, obrigada por se fazer sempre presente! Estou feliz em saber que se surpreende com a fic! Um super beijo para ti!

GABIXINHA, oi querida! Agora está tudo bem! Alegra-me saber que gostou do capítulo 24 e de Harry e Mione! Um beijão para você, querida!

JULIA_GRANGER_POTTER querida, realmente a detenção, no capítulo 24, foi terrível... pelo menos, já sabemos os nomes, não é? Saiba que adoro seus comentários, mesmo quando você acha que está sem inspiração! Obrigada mesmo por ele! Beijos para ti!

ANNA ROSA, esteja certa de que acredito em você! Entendo perfeitamente que, às vezes, somos forçados a deixar de fazer aquilo que gostaríamos para realizar aquilo que devemos fazer. São momentos difíceis, mas há sempre a certeza de que passarão! Estou muito feliz de poder contar novamente com sua presença aqui (sinceramente, percebi sua ausência, mas tinha certeza de que havia um bom motivo). Agora, apenas tenho de me alegrar pelo seu retorno e também agradecer por você gostar tanto dessa ficção que veio lê-la logo que pôde! Espero compensar seu esforço! Também gostei muito da Gina e do Dino se reaproximando, assim como do Rony com sua sinceridade mais sensível. Acredito que em breve outros adultos tomarão conhecimento do que está acontecendo... não posso antecipar muito, mas você está certa... as coisas estão sérias para somente a AD resolver tudo... veremos o que acontece, querida! Um beijo especial para você e até logo!

Mais uma vez, torno a agradecer todos os comentários, votos e, principalmente, a presença e o apoio de todos vocês, seja na escrita dessa ficção, seja na minha vida! Agradeço por fazerem parte dela dessa forma tão especial! Vocês foram incríveis nesse momento que passei e espero retribuir o carinho de todos escrevendo sempre que puder! É um imenso prazer e um compromisso que tenho com vocês!

Um beijo muito grande em todos e fiquem sempre com Deus!

Até mais,

Arwen Undómiel Potter.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.