FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. 14 de novembro, apartamento


Fic: Até as últimas consequências - FIC DE AMIGO SECRETO 2008


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 Reik - Me Duele Amarte


---------------------------------------


00:30, 14 de novembro, sábado, apartamento

Pressionou a faca sobre o tomate mais uma vez, ainda mais firme do que das vezes anteriores, retirando mais uma fatia finíssima para, logo em seguida, retirar muitas outras iguais àquela. Estava visivelmente irritada, seus atos rudes naquela cozinha demonstravam isto perfeitamente bem. Soltou um suspiro cansado, levando para longe uma mecha de seus cachos que insistia em cair diante de sua visão, com as costas da mesma mão que segurava a faca. Sentiu dois pares de olhos grudados em si. Ele estava irritando-a mais do que o normal.

- Por que foi mesmo que nós voltamos mais cedo, Granger? – ouviu-o dizer-lhe, quebrando o silêncio quase constrangedor que havia entre eles.

Estavam no pequeno apartamento que dividiam em uma cidade interiorana da Inglaterra. Sounthend não era o melhor lugar para se viver, nem tão pouco o lugar em que eles gostariam de estar, mas não havia opções para eles. Estavam em tempos de guerra, eram membros importantes da Ordem e precisavam de um lar suficientemente seguro. Na realidade, aquele apartamento não era completamente desprezível dessa forma, recebiam muitas visitas ali e era onde passavam a maior parte do tempo.

- Você não precisava ter vindo, Malfoy. – respondeu áspera a ele, dedicando-se quase completamente ao sanduíche natural que preparava - Poderia ter ficado com as suas garotas.

Draco revirou os olhos diante do comentário, terminando de lavar as últimas folhas de alface. Estampou o seu tão costumeiro sorrio no canto dos lábios, o mesmo que deixava Hermione terrivelmente fascinada e o mesmo que esboçava em casos de puro deboche. Mudaram-se para aquele apartamento há cerca de três anos e meio, assim que terminaram os estudos em Hogwarts e assim que a guerra havia explodido catastroficamente no mundo bruxo, obrigando muitas pessoas a escolherem definitivamente o lado em que desejariam lutar. Draco tivera possibilidades diante de si, poderia ter escolhido lutar ao lado das trevas, como havia sido orientado desde muito pequeno, mas havia sido capaz de perceber a tempo o quanto aquela escolha seria errônea, desistindo da mesma e optando por se juntar à Ordem, onde seria bem mais reconhecido e, por mais incrível que parecesse, respeitado.

- Minhas garotas? – riu divertido, aproximando-se dela e ajudando-a com o sanduíche, detestava os métodos de vida trouxa que ela fazia tanta questão de aplicar à própria vida deles. - Elas só queriam uma rodada a mais de bebida, Hermione.

- Você perdeu a oportunidade de levar uma delas pra cama, Draco. – atiçou-o, suas expressões estavam irritadiças, não havia nenhum sorriso ou mesmo demonstrações de divertimento.

- Eu não me importo. – respondeu a ela, seu sorriso faceiro brincando distraidamente no canto de seus lábios.

Não havia amizade alguma entre eles, apenas um sentimento de cumplicidade e um tipo de relação improvável que nem mesmo eles saberiam definir. Há muito haviam deixado de se detestar como nos tempos de Hogwarts, quando os princípios básicos de cada um deles falava mais alto em todas as situações possíveis. Hoje, se tratavam com um tipo de respeito e consideração mútua, sem xingamentos e ofensas, sem olhares superiores e sem manifestações de preconceito por questões de sangue. Haviam, finalmente, percebido o quando podiam ser mais parecidos um com o outro do que imaginavam.

Hermione fitou-o de soslaio por alguns instantes, observando-o curvado sobre a pia com os cotovelos apoiados contra a mesma, os cabelos loiros aparados reluzindo o tipo de brilho que a encantava profundamente, os olhos azul acinzentados vagando pelos azulejos e emanando um tipo de divertimento que ela desconhecia. Era uma madrugada incrivelmente quente e visualizá-lo vestindo apenas uma camiseta regata e uma calça jeans azul desbotada parecia a sua visão perfeita do paraíso. Draco era realmente encantador, sua beleza extrapolava todos os limites possíveis, até mesmo os da razão. Era algo espontâneo e do qual Draco fazia questão de usar a seu favor.
Quando havia sido mesmo que ele se transformara em um homem tão atraente? Ainda tinha viva em sua mente as lembranças do sonserino magricela e irritante que adorava ofendê-la pelos corredores e inferiorizá-la desmedidamente, quando ainda eram meros estudantes em uma escola bruxa aplicada.
Observou-o remexer distraidamente em alguns copos sobre a pia, seu meio sorriso estendendo-se por toda a extensão de seus lábios. Sabia que ele diria algo agora, e que iria constrangê-la profundamente.
Desviou seus olhares dele e focou-os novamente no trabalho que voltava a executar sobre a pia, queria estar a mais distraída possível quando a voz rouca dele ecoasse novamente muito próxima de seus ouvidos.

- Você sabe que eu não quero qualquer uma na minha cama, Granger.

Previu que isto aconteceria, Draco vinha fazendo isto com ela muito freqüentemente. Sentiu seu corpo todo queimar diante das recordações que invadiam sem permissão alguma sua mente, transportando-a para as lembranças mais recentes que tinha do loiro. Ruborizou de leve e, sem conseguir evitar, afundou sua faca sobre os legumes impiedosamente o bastante para que errasse o alvo e cortasse o próprio dedo. Sentiu a ardência sobre o local, retirando o dedo dali rapidamente e fitando o estrago que havia feito com seu desleixe. Era inevitável não sentir-se desconfortável diante dos fatos e sabia que ele fazia tudo isto de propósito, queria obrigá-la a não esquecer, de forma alguma, o quanto estavam diretamente ligados agora.
Suspirou irritada com sua reação tão incrivelmente ridícula diante das palavras dele, foi quando Draco se endireitou ao lado dela e puxou-a para próximo, visualizando o corte que ela havia feito em seu dedo. Antes que Hermione pudesse protestar ou impedi-lo, Draco capturou o dedo dela e levou-o em direção à sua boca, pressionando seus lábios sobre o corte e deixando que seus olhares caíssem de encontro aos dela, que estavam assustados.
Aquela atitude havia sido imprevisível para ela, e não entendia muito do que ele estava fazendo. Estancar o sangue que escorria de seu dedo com os próprios lábios não parecia algo apreciador para ela, mas aquele contato havia sido suficientemente forte para que muitos do seus pêlos se arrepiassem e causassem um tipo de euforia tão bem conhecida em seu estômago.
A troca de olhares que estavam mantendo era tão profunda a ponto de Hermione poder, até mesmo, ler muito dos pecados de Draco, assim como ele parecia conseguir penetrar sua mente e tomar conhecimento de muitas das dúvidas que a atormentavam internamente. Não era algo que eles faziam por realmente desejarem, era espontâneo na verdade. Era um tipo de capacidade que haviam adquirido desde que estiveram tão próximos, há algum tempo atrás, quando descobriram que eram capazes de manterem uma relação diferente da que havia entre eles e de qualquer outra que pudessem imaginar ser possível existir entre duas pessoas de personalidades tão fortes e diferenças tão visíveis.
Com um meio sorriso audacioso esboçado nos lábios, Draco afastou o dedo de Hermione de seus lábios e ergueu-o a altura de sua face, segurando a mão dela pelo punho. Hermione estava estupefata diante da cena, sem qualquer tipo de reação, e ele parecia perceber isto perfeitamente bem.

- Você não devia brincar com essas coisas, sabia? – disse a ela, sorrindo agora largamente e percebendo que havia conseguido estancar o sangue no dedo dela. – Ou então a cozinha simplesmente não é o seu lugar.

- Por que fez isso? - indagou curiosa, ameaçando alargar um sorriso nos lábios - Por acaso você tem presas ai, e eu nunca reparei nelas?

- Eu só quis ajudar.

Vê-lo dizer isto, causou um tipo de desconforto ainda maior em seu estômago, adorava a forma educada e, muitas vezes, doce, com que ele se dirigia a ela, era um tipo de tratamento que ele sempre negara.

- Obrigada. – respondeu quase sussurrante, sem conseguir desfazer o contato visual que havia entre eles, apenas retirando sua mão do domínio dele. - Não teria sido mais fácil se...

Antes mesmo que pudesse terminar seu questionamento, Draco retirou sua própria varinha do bolso traseiro de sua calça e apontou-a para o dedo dela, murmurando um feitiço mudo e observando o corte cicatrizar no mesmo instante, sem deixa marcas algumas de que havia existido. Hermione sorriu fracamente, era sobre aquele método que ela iria sugerir em sua fala interrompida. Fitou-o novamente, desfazendo os traços do leve sorriso que havia esboçado em seus lábios e observando a expressão marota de Draco.

- Eu gosto de inovar, Granger. – sorriu para ela, afastando-se e apoiando-se contra a pia, enquanto vasculhava nos bolsos de sua calça pelos seus maços de cigarro, um tipo de vicio que se repudiava por ter, agora. - E você tinha deixado de ser tão irritante desse jeito, sabia?

Ouviu-a suspirar irritada com seu último comentário quando, no mesmo instante, alcançou sua carteira de cigarros e retirou um dos cigarros dali, depositando-o sobre os lábios entreabertos. Precisava do isqueiro agora e não fazia a mínima idéia de onde o havia posto.
Aquela noite poderia ser dada por encerrada, na verdade, não havia mais resquícios algum de que ela havia valido a pena. Uma festa trouxa mal sucedida, bebidas em exagero que ainda pareciam fazer efeito em seus organismos, tudo faria um grande sentido agora se não estivessem tão irritados. Hermione encostou seu quadril contra a pia e abocanhou um grande pedaço do sanduíche natural que havia acabado de preparar, suspirando pesadamente e deixando que sentisse apenas o gosto das alfaces, do pão e tomates, fechando os olhos por alguns instantes e limpando qualquer pensamento raivoso que estivesse surgindo em sua mente.
Ainda neste ato, Hermione ouviu o ruído fraco do isqueiro de Draco e, logo em seguida, sentiu a fumaça altamente tóxica invadir suas narinas, precisando conter uma tosse que ameaçava desprender-se de sua garganta. Mastigou toda a porção de sanduíche que havia em sua boca, engolindo-a em seco. Ouviu passos pesados aproximando-se de si, e cada vez mais próximos. Antes que pudesse abrir os olhos e fitar quem quer que estivesse vindo em sua direção, sentiu dois lábios úmidos selarem um beijo rápido em seus lábios, enquanto mãos acariciava-lhe os cabelos de forma suave.

- Eu estou indo dormir, Mione. – uma voz rouca soou ao pé de seu ouvido, baixo para que somente ela escutasse. – Nós conversamos melhor amanhã, certo?!

E um novo beijo rápido foi depositado contra seus lábios, assim como mais algumas leves caricias foram feitas em seus cabelos. Hermione abriu os olhos no momento em que ele já se afastava dela, permitindo que apenas uma rápida troca de olhares fosse feita entre ela e Harry. Ainda sentia a irritação angustiante bombeando seu sangue de forma frenética por suas veias, de modo que parecia querer explodir diante da raiva que estava sentindo dele.

- Vocês discutiram de novo, Granger? – Draco indagou a ela, tragando mais uma vez em seu cigarro e deixando que a fumaça escapasse devagar por entre seus lábios, sem fitá-la ainda.

- Isso é alguma novidade pra você? – respondeu a ele retoricamente, observando-o e percebendo que ele havia estado ali o tempo inteiro.

- Nem um pouco. – deixou que um sorriso faceiro escapasse de seus lábios, tragando mais algumas vezes antes de prosseguir. - Eu só queria entender por que vocês ainda estão juntos.

- Por favor, não comece. – pediu manhosamente a ele, tudo o que menos precisava era escutá-lo gabar-se de si mesmo, obrigando-a a remoer muitas das lembranças que relutava para conter.

Permaneceram em silêncio por alguns instantes a mais, cada um preso ao seu próprio momento de distração, seus pensamentos vagando serenamente por muitas das lembranças que afloravam em cada um deles. Foi o momento perfeito para que Hermione deixasse que sua visão recaísse sobre o loiro a sua frente novamente, observando-o atentamente e da forma tão critica como costumava fazer. Cada pequeno detalhe, cada pequeno traço facial e físico, nada disso passava despercebido pelos seus olhos. Adorava admirá-lo dessa forma, sem o menor tipo de precaução ou temor por ser pega no flagra. Suas constatações, a cada vez que se perdia dessa forma sobre a fisionomia do sonserino, eram sempre profundas e extremamente atormentadoras, era inevitável não admitir a si mesma o quanto ele era infinitamente atraente. Os cabelos recentemente aparados, o brilho que reluzia dos mesmos, era fascinante a tonalidade loira deles, a mesma de sua barba que agora ela reparava estar por fazer. Suspirou ainda mais profundamente, um tipo de desabafo por querer tocá-lo e não ter a mínima certeza se poderia fazer isto.

- Discutiram por ciúmes de novo, Granger? – perguntou a ela, tragando uma nova vez e despejando toda a fumaça bem diante da face dela, obrigando-a a fechar os olhos e conter mais tosses.

- Talvez. – respondeu duvidosamente, afastando toda a fumaça para longe de si com as mãos.

- Você não precisa passar por isso. – disse a ela, sério, aproximando-se agora bem mais do que em qualquer outro momento anterior.

Qualquer tipo de aproximação ousada demais como aquela era motivo para que Hermione se sentisse extremamente desconfortável e precisasse relutar com seus indesejáveis impulsos de querer tê-lo ainda mais próximo do que poderia. A parte desagradável de dividir aquele apartamento com Draco era o fato de que estar perto dele era um tipo de tentação inadmissível para ela e, ao mesmo tempo, impossível de não ser levada em consideração. Draco colou seu corpo ao dela, segurando-a pela cintura com apenas uma mão já que a outra estava ocupada mantendo o seu cigarro aceso entre os dedos. Roçou sua face de leve contra a face dela, roçando, conseqüentemente, sua barba não-feita e eriçando muitos dos pêlos dela, era uma forma nova de atiçá-la que ele havia acabado de descobrir.
Harry deveria estar bem longe dali agora, deitado no quarto que era dele e de Hermione, e era exatamente por ter essa certeza que ela permitiu que Draco ousasse daquela forma. Sentiu-o mordiscar o lóbulo de sua orelha de forma provocativa, enquanto alisava audaciosamente sua barriga por baixo de sua blusa, sua mão tão macia tentando invadir sua calça jeans de forma petulante.
Suas respirações começavam a se tornar ofegantes com aquela simples aproximação e sabiam que se quisessem poderiam extrapolar todos os limites novamente, da forma como eles já haviam experimentado fazer antes. Correr riscos sempre foi algo com a qual ela esteve acostumada, mas não era algo que estimava verdadeiramente, principalmente quando agindo de maneira espontânea. Sentiu a respiração do louro colidir sensualmente contra sua face e sabia que ele diria algo agora. Fechou os olhos, apoiando cada uma de suas mãos sobre os ombros dele, ainda sentindo o roçar da barba do rapaz em suas bochechas, e esperou pacientemente até que ele desse continuidade ao diálogo iniciado anteriormente. Não importaria o que ele viesse a dizer, estava decidida a dar qualquer tipo de atenção a ele e, se necessário, retribuir-lhe da forma que mais achasse conveniente.

- Ele não é a pessoa certa pra você. – disse ele, muito próximo ao ouvido dela, sua voz soando rouca e provocativa.

Hermione permaneceu em silêncio, sentindo apenas as mordiscadas leves que ele dava em seu pescoço, acariciando-a cada vez mais atrevidamente por baixo de sua blusa e brincando distraidamente com o cós de sua calça. Ela sabia bem quais eram as reais intenções dele, e resumia-se basicamente em desnorteá-la de prazer e excitação o suficiente para que ela cedesse a ele novamente. O que ele queria dizer com seu noivo não ser a pessoa certa para ela? Quem ele era para querer opinar a respeito de seu relacionamento com Harry? Talvez o sonserino ousado com quem ela se relacionou uma vez apenas e que estava prestes a repetir a experiência. O sonserino que conseguia, no menor dos contatos ousados, transportá-la para uma realidade onde podia apenas entregar-se de todas as formas possíveis aos pensamentos mais pervertidos e às sensações inebriantes ao extremo que a invadia sem permissão alguma.

- E quem seria? – perguntou a ele, sentindo sua voz fraca pelo tempo em que permaneceu em silêncio, ecoando diretamente no ouvido dele e provocando-lhe uma corrente de arrepios que ia desde os pêlos da nuca até os do baixo ventre, o que foi o suficiente para excitá-lo por definitivo. - Posso saber?

Aquele tipo de pergunta tinha apenas uma resposta para ele, e estava na ponta de sua língua, desde o primeiro instante em que percebeu que ela era capaz de proporcionar-lhe os maiores prazeres que já havia sentido com alguém, alguma vez antes. Um tipo de descoberta que o perturbava terrivelmente, não era o tipo de sentimento que deveria nutrir por ela, sabia perfeitamente bem disso.

- Eu sou a pessoa ideal pra você, Granger. – respondeu a ela, sua voz baixa o bastante para que se tornasse até mesmo inaudível.

Hermione sentiu as águas se tornarem turvas nas profundezas de seus sentimentos e pensamentos, ainda precisava acostumar-se com a sinceridade das palavras que Draco lhe dirigia, mesmo sabendo que ele não era digno de confiança alguma. Apenas o fato de ouvi-lo se referir a ela dessa maneira era suficiente para que ela acreditasse que ele poderia mesmo ter se tornado uma pessoa melhor do que sempre fora em tempos de Hogwarts.

- Eu realmente queria que você fosse... – sussurrou próxima à curva do pescoço dele, abraçando-o firmemente e sentindo a retribuição pelo abraço. - Mas você não é, Draco.

Talvez aquelas fossem as palavras mais difíceis que já houvesse precisado dizer a alguém, mas era um tipo de verdade incontestável. Sentiu uma pontada forte em seu peito, sabia que não havia ferido os sentimentos dele com a rudeza de suas verdades, mas os seus sentimentos pareciam estar em frangalhos, agora.

- Você nunca vai saber se não me der uma chance, Granger. – não iria desistir fácil de seus objetivos.

Mesmo indesejavelmente, Draco afastou seu corpo do dela o bastante para que apenas se fitassem. Aproveitou a oportunidade e tragou novamente em seu cigarro, mandando a fumaça para bem longe dela dessa vez.

- Nós já tivemos uma chance, Draco. – disse a ele, certo tom de irritação em sua voz.

Ele teria se esquecido disso? Estaria ignorando este fato?

- Não, eu digo uma chance de verdade, agora. – fitou-a profundamente, esperando por algum tipo de reação dela que demonstrasse alguma aceitação quanto a sua idéia.

Hermione respirou fundo por alguns instantes sentindo um desconforto ainda maior. Não resistiria a ele nem mesmo se desejasse, era tentador demais ouvi-lo sugerir algo como uma nova chance, mesmo quando a culpa por ter traído Harry a invadia de forma absurda, sufocando-a aos poucos, e sabia que chegaria um momento em que não suportaria mais essa situação.
Separou-se dele em um ato rude, focando toda a cozinha com seus olhares vagos e extremamente inexpressivos. Draco não parecia abalado com absolutamente nada, ao menos não externamente. Hermione o visualizou tragar o seu cigarro mais uma vez e sentiu um tipo de necessidade até então desconhecida por ingerir toda aquela toxidade. Alcançou o cigarro dos dedos de Draco e depositou-os sobre seus próprios lábios, sugando o máximo que conseguiu. Foi inevitável não conter uma tosse, seu organismo ainda precisaria se acostumar com aquele tipo de droga.
Draco sorriu diante da atitude de Hermione, puxando-a para próximo e beijando-a nos lábios demoradamente, sem invasões de línguas, apenas um beijo firme. Havia se passado tanto tempo desde o último beijo deles que temiam não lembrarem mais do gosto um do outro.
Lembranças surgiram atormentadoras em suas mentes, em um ritmo exagerado, sem que eles pudessem impedi-las de se firmarem em torno do momento.
Separando os lábios por um breve espaço de tempo, Draco sentiu a necessidade de dizer-lhe algo que parecia engasgado dentro de si, um desejo que estivera adormecido em seu peito e agora mostrava-se vivo dentro de si.

- Você vai ser muito infeliz com o Potter... – ouviu-o dizer-lhe entre beijos - E quando perceber isso, você vai vir atrás de mim.

Era algum tipo de profecia? Hermione esperava, sinceramente, que não, mesmo que seu íntimo gritasse por sim.


...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Camila Rosa em 10/06/2011

Achei bem confuso, porque para mim, estava rolando tudo entre Draco e Hermione, ai do nada aparece o Harry, que é noivo da Hermione.

Acho que faltou informações.

Adorei, achei interessante.

 

beijos

Nota: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.