FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo



______________________________
Visualizando o capítulo:

12. A volta do Capitão


Fic: Ruivinha meu amor Segunda temporada:


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

A volta do capitão



Harry, desesperado por voltar logo à ativa no quadribol, convocou treinos todas as noites, assim deixando os amigos todos cansados, pois todos eles faziam parte do time. McGonagall estava feliz em ver o desempenho do capitão que ela escolheu de ultima hora. Todos os alunos da grifinória, sem exceção a nenhum, participavam do treino, mesmo que fossem apenas assistir Harry berrar com os amigos para lá e para cá. Estavam feliz em ter o moreno de volta, mas a felicidade de todos não chegava a felicidade de Gina, ao ter ele ao lado novamente. O primeiro jogo veio logo após duas semanas de treinos puxados e cansativos. Mas valeu a pena ter cansado um pouco. O primeiro jogo já seria contra a turma sonsa, ops, da Sonserina, e Snape estava confiante que Harry ia cair da vassoura, pois achava que o menino ainda estava fraco para jogar quadribol num dia de ventania como estava aquele. Bom, não aconteceu o que Snape queria, e sim, bem o que ele não queria. O time já entrou em campo com força total, fazendo a galera vibrar nas arquibancadas.

-E é isso. Nós vamos ganhar da Sonserina, ou não me chamo Harry Potter! – Harry disse confiante, antes de sair do vestiário. O time sorriu pela disposição do maroto à vencer. Mas eles não sabiam que Harry tinha se esforçado desse jeito apenas para mostrar a Snape que Harry Potter é filho de Tiago, e que era melhor em tudo o que fazia. Talvez não era melhor em poções, mas também não era o pior. Queria humilhar Snape e fazê-lo engolir as palavras que tinha dito. E seria nesse jogo que ele ia começar a infernizar a vida do professor já com uma grande diferença de pontos.
“Aquele ranhoso vai ver só!” pensou Harry sorrindo ao ver a arquibancada estourar em gritos de encorajamento ao vê-lo entrar em campo. “Vai se arrepender de ter falado do meu pai”.
Apertou a mão de Terencio Higgs, capitão da Sonserina, e montou em sua vassoura com um objetivo: vencer de lavada as cobrinhas domésticas da escola.

O jogo começou quente. Gina pegou a goles no mesmo instante que Madame Hooch tinha lançado e voou direto para as balizas, sempre desviando dos adversários, mas chegando perto das balizas, um balaço foi jogado em sua direção, fazendo-a ter de mudar o percurso e desviar do balaço. Teve de jogar a goles para Teddy, que jogou para Ana e voltou para Gina que ainda estava perto das balizas e aparentemente ninguém estava prestando atenção nela. Disso, um gol para Grifinória. E foi assim até chegar nos 70 pontos, então um artilheiro sonserino conseguiu tirar a goles da ruivinha e fazer um gol em Rony, que até agora tinha defendido todas que tinham vindo em seu caminho. Então sonserina fez mais dois gols, mas mesmo assim a animação dos marotos e das meninas ainda não esfriou. Daniel e Lucy tinham combinado de atirar balaços realmente muito fortes nos sonserinos, assim fazendo talvez alguns caírem da vassoura e conseguindo a goles para a Grifinória. Os pontos subiram para 150 e então Harry viu o pomo brilhando na arquibancada verde. Olhou para o apanhador da Sonserina que parecia mais perdido que coruja em dia de nevasca e seguiu rumo ao pomo. Mal sinal, o apanhador não estava tão desligado assim. Ele viu Harry seguindo direto à um lugar, foi ao mesmo rumo que ele. Harry, vendo que o inimigo também corria na mesmo direção que ele, mas vendo também que o outro apanhador seguia seus movimentos, decidiu fazer uma virada brusca e despistá-lo do pomo. Isso fez com que ele também perdesse a bolinha dourada de vista. O jogo voltou a ser observado pelo capitão, que agora estava um pouco mais atento com tudo o que brilhava de longe.

Mais uma vez, o jogo foi para 230 x 40. Sonserina tinha feito um gol entre o desespero de Harry pelo pomo. Mais uma vez Harry vê o pom0o e começa a voar no sentido contrário, assim desviando a atenção do outro apanhador. O outro, vendo Harry voar reto para um direção, foi rápido para o mesmo sentido. Harry vendo que seu plano tinha dado certo até demais, deu uma guinada na vassoura e voltou-se para a direção em que o pomo estava, acelerando sua Firebolt-X que tinha ganhado do pai de aniversário. Em menos de 5 segundos, Harry já segurava o Pomo em suas mãos, com o locutor Grifinório berrando a plenos pulmões, mesmo que com megafone, que a Grifinória tinha ganho de 380 x 40. Sonserinos enfiaram suas presas entre as pernas e seguiram cabisbaixos para a sala comunal das masmorras. É claro, uma festa especial no salão comunal com a participação especial de Minerva McGonagall e Alvo Dumbledore. Com a permissão dos mesmos para os marotos correrem em Hogsmeade, para comprar alimentos e cerveja amanteigada.

A festa estava animada do mesmo modo que tinha começado. Só que já eram duas da manha e eles ainda faziam a mesma baderna que faziam no começo da festa. Minerva já não agüentando mais de sono, entrou de supetão na sala comunal. Suas narinas se alargaram e ela ficou vermelha, Harry, os marotos, e as meninas perceberam o perigo que aquela mulher exalava.
-Sei que é muito bom ter nosso apanhador e capitão de volta no time para ganhar o campeonato das casas, mas isso já é um absurdo. TODOS PARA SEUS DORMITÓRIOS. AGORA! – ninguém esperou mais nenhuma palavra. Subiram correndo as escadas para os dormitórios, temendo uma detenção. Apenas ficaram as meninas e os marotos.
-E os senhores? – perguntou ela, ainda irritada.
-Nós vamos arrumar essa bagunça, Dona Minnie. – respondeu Daniel. É claro que eles não queriam arrumar TODA aquela bagunça, eles queriam ficar mais um pouco um na presença do outro.
Minerva fez que não com a cabeça, chacoalhou a varinha e logo toda aquela bagunça ao existia mais. Os marotos e as meninas ficaram desconcertados, e a única coisa que podiam fazer era voltar para seus dormitórios.


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.