FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

13. Grifinória versus Corvinal


Fic: Marotos Lendo Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

– Grifinória versus Corvinal.


– Quadribol! – Tiago disse se animando um pouco – Se eles não vencerem esse jogo, acabaram as chances de ganhar a taça de quadribol...
– Espero não ter que te silenciar nesse capítulo. – Lily disse com um suspiro.
    Severo revirou os olhos para Tiago e começou a ler.


Parecia o fim da amizade entre Rony e Hermione. Estavam tão zangados um com o outro que Harry não conseguia ver como poderiam, um dia, fazer as pazes.


– Pelo que a gente vê aqui – Alice disse olhando para Rony e Hermione sentados lado a lado – vocês recuperaram a amizade muito bem...
    Hermione corou ligeiramente, o que não passou despercebido a Tiago.


Rony estava enfurecido porque Hermione nunca levara a sério as tentativas de Bichento para devorar Perebas, não se dera o trabalho de vigiá-lo de perto e continuava fingindo que o gato era inocente, sugerindo que Rony procurasse Perebas embaixo das camas dos garotos. Por sua vez, Hermione insistia ferozmente que Rony não tinha provas de que Bichento devorara Perebas, que os pêlos talvez estivessem no dormitório desde o Natal, e que o garoto alimentara preconceitos contra o gato desde que Bichento aterrissara na cabeça dele na Animais Mágicos.
Pessoalmente, Harry tinha certeza de que Bichento comera Perebas, e quando tentou mostrar a Hermione que todas as evidências apontavam nessa direção, a garota zangara-se com ele também.
— Tudo bem, fique do lado do Rony, eu sabia que você ia fazer isso! — disse ela com voz aguda. — Primeiro a Firebolt, agora Perebas, tudo é minha culpa, não é? Então me deixe em paz, Harry tenho muito trabalho a fazer.


– Acho que a quantidade de matérias que você estava fazendo estava te deixando estressada demais... – Remo disse cuidadoso.
– Parece que sim. – Hermione respondeu com um suspiro.
– Mas eu concordo com a Hermione... – Sirius disse levantando a cabeça cuidadoso – Os pêlos do gato podiam realmente ter estado no dormitório desde o natal. E o sangue pode ser qualquer outra coisa, Rony não me parece a pessoa mais cuidadosa do mundo...
– Então você acha que Perebas poderia estar vivo? – Tiago perguntou encarando Sirius com cuidado.
– É uma possibilidade... – Sirius deu de ombros – Ou o rato morreu mesmo e Rony estava certo...
– O Rony estava certo... – Tiago disse rindo um pouco – Essa frase não me parece correta... Hermione estava certa faz muito mais sentido.
    Hermione, Rony e Harry não conseguiram deixar de rir.


Rony estava realmente sofrendo muito com a perda do rato.
— Vamos, Rony, você vivia dizendo que Perebas era chato — disse Fred para consolá-lo. — E seu rato estava doente havia séculos, estava definhando. Provavelmente foi melhor para ele morrer depressa, de uma engolida, provavelmente nem sofreu.
— Fred! — exclamou Gina, indignada.
— Ele só fazia comer e dormir, Rony, você mesmo dizia — argumentou Jorge.
— Ele mordeu Goyle para nos defender uma vez! — disse Rony, infeliz. — Lembra, Harry?
— É, é verdade — confirmou o amigo.
— Foi o ponto alto da vida dele — disse Fred, incapaz de manter a cara séria. — Que a cicatriz no dedo de Goyle seja uma homenagem eterna a memória de Perebas. Ah, sai dessa, Rony, vai até Hogsmeade e compra um rato novo. Que adianta ficar se lamentando?


– Fred e Jorge tem muito mais noção de como animar os outros do que Percy... – Lily disse dando de ombros.


Numa última tentativa de animar Rony, Harry o convenceu a ir ao último treino do time da Grifinória, antes da partida com Corvinal, para poder dar uma volta na Firebolt quando terminassem. Isto pareceu, por um momento, desviar os pensamentos de Rony em Perebas ("Grande! Posso tentar fazer uns gols montado na vassoura?"), e os dois saíram para o campo de Quadribol juntos.


– Harry venceu! – Tiago disse com um grande sorriso – Dar umas voltas em uma vassoura dessas pode animar qualquer um que goste de quadribol.
– Pena que você não pode vê-la! – Rony disse encarando Tiago animado – A aerodinamica é perfeita e ela muda de direção ao mais leve toque, é como se fosse pilotada pela mente!
– Será que vamos ter que silenciar o Rony também? – Remo perguntou rindo.
– Por que vocês não trouxeram ela? – Tiago disse babando e ignorando Remo completamente.


Madame Hooch, que continuava a supervisionar os treinos da Grifinória para vigiar Harry, ficou tão impressionada com a Firebolt quanto todo mundo que a vira.
A professora pegou a vassoura antes da decolagem e expôs aos jogadores sua opinião profissional.
— Olhem só o equilíbrio deste modelo! Se a série Nimbus tem algum defeito, é uma ligeira queda para a cauda, observa-se que depois de alguns anos isto se transforma num arrasto. Atualizaram o cabo também, mais fino do que as Cleansweeps, lembra as antigas Silver Arrows, uma pena que tenham parado de fabricá-las. Foi nelas que aprendi a voar, e também eram excelentes vassouras...


– Finalmente encontramos alguém que pode manter uma conversa com Tiago sem que nenhum dos dois fique entediado. – Remo disse rindo.
– Eu e Madame Hooch temos conversas muito interessantes, se faz questão de saber. – Tiago bufou cruzando os braços sobre o peito.
– Então você passa muito tempo com ela? – Lily disse e um ligeiro tom de ciúmes pode ser percebido em sua voz.
– Passo o tempo necessário... – Tiago deu de ombros – Eu sou capitão do time, ela é instrutora de voo e juiza...
    Lily revirou os olhos, mas não disse mais nada.


E a professora continuou nessa disposição por algum tempo até que Olívio a interrompeu:
— Hum... Madame Hooch? Será que a senhora podia devolver a vassoura a Harry? Temos que treinar...
— Ah, certo... Tome aqui, Potter — disse ela. — Vou me sentar ali adiante com Weasley...
Ela e Rony deixaram o campo e foram se sentar na arquibancada, e o time da Grifinória se agrupou em torno de Olívio para ouvir as últimas instruções para o jogo do dia seguinte.
— Harry, acabei de descobrir quem vai jogar como apanhador na Corvinal. É a Cho Chang: uma garota do quarto ano e muito boa... Para ser sincero eu tinha esperanças de que ela não tivesse voltado à forma, ela teve alguns problemas com contusões... — Olívio fez cara feia para assinalar seu desagrado pela plena recuperação de Cho Chang, depois continuou: — Por outro lado ela monta uma Comet 260, que vai parecer uma piada ao lado da Firebolt. — Olívio lançou um olhar de fervorosa admiração à vassoura de Harry, depois disse: — Muito bem, pessoal, vamos...


– Eu detesto essa garota. – Gina bufou irritada.
– Por que? – Lily perguntou curiosa.
– Eu tenho meus motivos. – Gina respondeu cruzando os braços sobre o peito – Só espero que ela não apareça muito...
    Harry encarou os próprios pés constrangido.


Então, finalmente, Harry montou na Firebolt, e deu impulso para levantar vôo.
Foi melhor do que ele jamais sonhara. A Firebolt virava ao menor toque; parecia obedecer a seus pensamentos em vez de suas mãos; ela atravessou o campo a tal velocidade que o estádio se transformou em um borrão verde e cinza;
Harry mudou de direção tão instantaneamente que Alicia Spinnet soltou um grito, e no instante seguinte ele entrou em um mergulho absolutamente controlado, raspando o gramado com as pontas dos pés antes de tornar a subir nove, doze, quinze metros no ar.
— Harry, vou soltar o pomo! — gritou Olívio.
O garoto virou a vassoura e apostou corrida com um balaço em direção às balizas; venceu-o com facilidade, viu o pomo disparar das costas de Olívio e em dez segundos já o tinha seguro na mão.
O time aplaudiu enlouquecido. Harry tornou a soltar o pomo, deu-lhe um minuto de dianteira e disparou atrás dele, desviando-se dos outros jogadores; depois, localizou-o próximo ao joelho de Katie Bell, fez uma volta em torno da garota e apanhou o pomo mais uma vez.
Foi o melhor treino que ele já fizera; os jogadores, inspirados pela presença da Firebolt na equipe, realizavam movimentos impecáveis, e, no momento em que voltaram ao chão, Olívio não teve uma única crítica a fazer, o que, como Jorge Weasley enfatizou, era a primeiríssima vez que acontecia.


– Só espero que vocês não tenham gastado toda a inspiração no treino – Tiago disse preocupado – Vocês tem que jogar ainda melhor para garantir a taça.


— Não vejo o que é que vai nos deter amanhã! — disse Olívio. — A não ser que... Harry, você resolveu o seu problema com o dementador, não resolveu?
— Resolvi — disse Harry pensando no seu débil Patrono e desejando que ele fosse mais forte.
— Os dementadores não vão aparecer outra vez, Olívio. Dumbledore explodiria — disse Fred, confiante.
— Bem, esperemos que não — disse Olívio. — Em todo o caso... Bom trabalho, pessoal. Vamos voltar para a Torre... Dormir cedo...
— Eu vou ficar mais um pouco; Rony quer dar uma volta na Firebolt — avisou Harry a Olívio, e, enquanto os outros jogadores se dirigiam aos vestiários, Harry foi ao encontro de Rony, que saltou a barreira que separava o campo das arquibancadas com o mesmo fim. Madame Hooch adormecera onde estava.


– Não acho que ela consiga vigiar muita coisa enquanto dorme... – Alice disse mordendo o lábio.
– O que acha, Alice, que eu vou pular no meio do campo de quadribol e matar o Harry? – Sirius perguntou, levantando a sobrancelha irritado.
– Não... – Alice disse com cuidado – É só que mandaram ela vigiar o treino para que nada de ruim acontecesse ao Harry... E ela dormiu, ela não pode vigiar muito enquanto cochila.


— Manda ver — disse Harry, entregando ao amigo a Firebolt.
Rony, uma expressão de êxtase no rosto, montou na vassoura e disparou pela crescente escuridão, enquanto Harry andava em volta do campo, observando-o. Já anoitecera quando Madame Hooch acordou assustada, ralhou com os garotos por não a terem acordado e insistiu que voltassem ao castelo.
Harry pôs a Firebolt no ombro, e ele e Rony saíram do estádio sombrio, discutindo o desempenho suavíssimo da vassoura, sua fenomenal aceleração e suas curvas precisas. Estavam na metade do trajeto para o castelo quando Harry, olhando para a esquerda, viu uma coisa que fez seu coração dar uma cambalhota no peito — um par de olhos que luziam na escuridão.


– Parece que aquele cachorro que gosta de quadribol não resistiu em dar uma olhada no treino... – Remo disse sorrindo satisfeito.
– Devia querer dar uma boa olhada na Firebolt. – Tiago disse rindo – Se eu fosse um cachorro que gosta de quadribol, não resistiria.
– Mas você não é um cachorro! – Sirius disse fazendo Tiago, Remo, Harry, Rony, Hermione e Gina caírem na gargalhada. Neville, Alice, Frank, Lily e Severo apenas os observaram confusos, não haviam visto graça nenhuma no que Sirius disse.


Harry paralisou, o coração martelando as costelas.
— Que foi? — perguntou Rony.
Harry apontou. Rony puxou a varinha e murmurou:
— Lumus!
Um raio de luz se projetou pelo gramado, bateu no pé de uma árvore e iluminou seus ramos; lá, agachado entre as folhas que brotavam, estava Bichento.


– Que pena. – Tiago disse com um suspiro – Então não é o nosso cão que gosta de quadribol.
– Mas ele deve estar por perto. – Sirius disse com um meio sorriso – Afinal, ele é um cachorro que gosta de quadribol.
    Mais uma vez a maioria dos presentes caiu na gargalhada, deixando os outros completamente confusos.


— Dá o fora daqui! — bradou Rony curvando-se para apanhar uma pedra caída no chão, mas antes que pudesse fazer mais alguma coisa, Bichento havia desaparecido com um único movimento do longo rabo amarelo-avermelhado.
— Está vendo? — exclamou Rony, furioso, largando a pedra no chão. — Ela continua deixando o gato andar por onde quer, provavelmente comendo uns dois passarinhos como guarnição para acompanhar o Perebas...
Harry não comentou nada. Inspirou profundamente sentindo o alívio invadi-lo; por um momento tivera certeza de que aqueles olhos pertenciam ao Sinistro. Os dois garotos retomaram, mais uma vez, a caminhada para o castelo. Um pouco envergonhado pelo momento de pânico, Harry não comentou nada com Rony, nem olhou mais para a esquerda nem para a direita até chegarem ao bem iluminado saguão de entrada.
Harry desceu para tomar café na manhã seguinte com os outros garotos do dormitório, todos os quais pareciam achar que a Firebolt merecia uma espécie de guarda de honra. Quando Harry entrou no Salão Principal, as cabeças se voltaram para a vassoura, e houve muitos comentários excitados. Harry viu, com enorme satisfação, que todo o time da Sonserina fazia cara de assombro.


– Nem mesmo Lucio Malfoy mimaria o filho a ponto de dar a ele uma Firebolt. – Sirius disse rindo satisfeito – Mas para mim seria como dar ao meu afilhado doze anos de presentes atrasados... 
– Acho melhor você compensar um pouco mais. – Remo disse levantando uma sobrancelha para Sirius – Não sei se uma Firebolt vale doze anos.
– Vale. – Harry disse sorrindo para Sirius com carinho – Até mais do que doze anos.


— Você viu a cara dele? — perguntou Rony com vontade de rir, virando-se para olhar Malfoy. — Ele nem consegue acreditar! Genial!
Olívio, também, usufruía da glória que a Firebolt refletia.
— Ponha ela aqui, Harry — sugeriu o capitão, ajeitando a vassoura no meio da mesa e girando-a cuidadosamente de modo a deixar a marca visível. Os alunos das mesas da Corvinal e da Lufa-Lufa não demoraram a ir olhá-la de perto. Cedrico Diggory se aproximou para cumprimentar Harry por ter adquirido uma substituta tão esplêndida para sua Nimbus e a namorada de Percy, Penelope Clearwater, da Corvinal, chegou a perguntar se podia segurar a Firebolt.
— Ora, ora, Penelope, nada de sabotagem! — disse Percy cordialmente, enquanto ela mirava a Firebolt.
— Penelope e eu fizemos uma aposta — contou ele ao time. — Dez galeões no vencedor da partida!
A garota tornou a pousar a vassoura, agradeceu a Harry e voltou à sua mesa.
— Harry, não deixe de ganhar — recomendou Percy num sussurro urgente. — Eu não tenho dez galeões. Estou indo, Penny! — E correu para comer uma torrada com a garota.


– Como se qualquer um de nós tivesse dez galeões para apostar assim. – Gina disse com uma risada.
– Mamãe pelo menos nunca nos daria todo esse dinheiro. – Rony deu de ombros.
– Pelo menos ele apostou no time vencedor. – Tiago disse categórico.


— Tem certeza que você sabe montar nessa vassoura, Potter? — disse uma voz arrastada e fria. Draco Malfoy chegara para dar uma espiada, seguido de perto por Crabbe e Goyle.


– A imagem da inveja. – Frank disse com um meio sorriso – Agora ele deve ter se arrependido mesmo de não ter jogado quando Harry ainda tinha uma Nimbus 2000.
– Assim é ainda melhor. – Tiago disse com um olhar selvagem – Harry vai destruir esse metidinho.


— Acho que sim — disse Harry, descontraído.
— Tem muitas características especiais, não é? — disse Malfoy, os olhos brilhando de malícia. — Pena que não venha com um pára-quedas, para o caso de você chegar muito perto de um dementador.
Crabbe e Goyle deram risadinhas.
— Pena que você não possa acrescentar braços na sua, Draco — retrucou Harry. — Assim ela poderia apanhar o pomo para você.


– Genial! – Sirius disse rindo com gosto.
– Uma resposta digna de Tiago! – Remo disse completamente satisfeito.
– Um verdadeiro maroto. – Tiago disse com orgulho.


Os jogadores da Grifínória deram grandes gargalhadas. Os olhos claros de Draco se estreitaram e ele se afastou. Os dois garotos observaram Draco se reunir aos demais jogadores da Sonserina, que juntaram as cabeças, sem dúvida para perguntar a ele se a vassoura de Harry era realmente uma Firebolt.


– Ou para planejar algum tipo de trapaça. – Sirius deu de ombros – É o tipo de coisa que um sonserino faria depois de uma resposta dessas.
– Isso é um pouco preconceituoso, não? – Lily perguntou com cuidado, não era fã de sonserinos, especialmente dos da época de Harry, mas ainda acreditava na não generalização das casas.
– Toda a minha família foi da sonserina. – Sirius disse dando de ombros – Esse é o tipo de coisa que qualquer um deles faria.


As quinze para as onze, o time da Grifinória saiu em direção ao vestiário. O tempo não poderia estar mais diferente do que o do dia da partida com Lufa-Lufa.
Fazia um dia claro e frio com uma levíssima brisa; desta vez não haveria problemas de visibilidade e Harry, embora nervoso, estava começando a sentir a excitação que somente uma partida de Quadribol era capaz de produzir. Eles ouviram o resto da escola entrando, mais além, no estádio. Harry despiu as vestes negras da escola, tirou a varinha do bolso e enfiou-a na camiseta que ia usar por baixo do uniforme de Quadribol. Só esperava que não fosse preciso usá-la. De repente lhe ocorreu uma dúvida: Se o Profº. Lupin estaria no meio da multidão, assistindo à partida.


– Espero que sim. – Remo disse sorrindo – Vivendo tanto tempo com Tiago qualquer um aprende a gostar de quadribol.
– Antes de entrar em Hogwarts, Remo mal sabia as regras. – Sirius disse com um meio sorriso.
– Eu era uma criança introvertida... – Remo murmurou – Preferia ficar no meu quarto lendo, não tinha amigos para jogar comigo, e meu pai não era fã...
– Eu também não tinha amigos. – Tiago deu de ombros – Mas meu pai era fanático por quadribol, sempre me levava aos jogos e me ensinou a jogar desde cedo.


— Vocês sabem o que temos de fazer — disse Olívio quando o time se preparava para deixar o vestiário. — Se perdermos esta partida, estaremos fora do campeonato. Vocês só têm que voar como fizeram no treino de ontem, e vamos nos dar bem!
Os jogadores saíram do vestiário para o campo debaixo de tumultuosos aplausos. O time da Corvinal, vestido de azul, já estava parado no meio do campo. A apanhadora, Cho Chang, era a única menina da equipe. Era mais baixa do que Harry quase uma cabeça, e, por mais nervoso que estivesse, ele não pôde deixar de reparar que era uma garota muito bonita. 


– Muito bonita? – Gina murmurou amargamente – A garota tem cara de pato!
    Quase todos os presentes gargalharam enquanto Gina cruzava os braços sobre o peito e Harry encarava os próprios pés envergonhado.
– O que quer dizer com cara de pato? – Alice perguntou gargalhando.
– Ela tem os olhos muito separados e a boca dela é para frente como um bico de pato. – Gina respondeu levantando as sobrancelhas maldosamente.


Cho sorriu para ele quando os times ficaram frente a frente, atrás dos capitães, e o garoto sentiu uma ligeira pulsação na região do baixo ventre que ele achou que não tinha relação alguma com o seu nervosismo.


    Gina bufou irritada.
– Agora acho que sei por que a cara de pato deixa Gina tão irritada. – Sirius riu observando Gina e Harry curioso.
– Pare de olhar para a cara de pato e se concentre em encontrar o pomo. – Tiago disse quase tão irritado quanto Gina – Esqueça que ela é uma garota, isso é quadribol!
    Severo revirou os olhos antes de continuar lendo.


— Wood, Davies, apertem-se as mãos — disse Madame Hooch, eficiente, e Olívio apertou a mão do capitão de Corvinal. — Montem nas vassouras... Quando eu apitar... Três, dois, um...
Harry deu o impulso para subir, e a Firebolt voou mais alto e mais veloz do que qualquer outra vassoura; ele sobrevoou o estádio e começou a espiar para todos os lados à procura do pomo, prestando atenção aos comentários que estavam sendo irradiados pelo amigo dos gêmeos Weasley, Lino Jordan.
— Foi dado início à partida, e a grande novidade é a Firebolt que Harry Potter está montando pelo time da Grifinória. Segundo a Qual Vassoura, a Firebolt será a montaria escolhida pelos times nacionais para o Campeonato Mundial deste ano...


– Copa mundial? – Tiago perguntou com os olhos brilhando – Espero sinceramente que você vá pelo menos em um jogo! Você ia adorara assistir quadribol profissional!
    Harry sorriu para Tiago feliz.


— Jordan, você se importa de nos dizer o que está acontecendo no campo? — interrompeu-o a voz da Profª. McGonagall.
— Certo, professora, eu só estava situando os ouvintes... A Firebolt, aliás, tem um freio automático e...
— Jordan!
— Ok, Ok, Grifinória tem a posse da goles, Katie Bell da Grifinória está voando em direção à baliza...
Harry passou veloz por Katie, à procura de um reflexo dourado, e reparou que Cho Chang o seguia muito de perto. Não havia dúvida de que a garota era um excelente piloto — não parava de cortar sua frente, forçando-o a mudar de direção.


– Garota sem personalidade! – Gina murmurou – Em vez de procurar o pomo sozinha fica perseguindo o apanhador adversário...
– Gina tem razão. – Tiago disse franzindo a testa – É uma estratégia muito fraca.
– Ela sabe que não tem capacidade de encontrar o pomo sozinha, – Gina disse maldosa – mas é um bocado burra de achar que conseguiria vencer Harry numa corrida pelo pomo, ela não conseguiria nem quando ele tinha uma Nimbus, imagina com a Firebolt.
– Não conheciamos esse seu lado. – Lily disse com uma ligeira risada observando como Gina estava enciumada.


— Mostre a ela sua aceleração, Harry! — berrou Fred ao passar disparado em perseguição de um balaço que seguia na direção de Alicia.
Harry impulsionou a Firebolt quando contornaram as balizas da Corvinal, e Cho ficou para trás. No momento exato em que Katie conseguia marcar o primeiro gol da partida e o lado do campo da Grifinória enlouquecia de entusiasmo, Harry viu... O pomo estava perto do chão, esvoaçando próximo à barreira.
Harry mergulhou; Cho percebeu o seu movimento e disparou atrás dele. O garoto foi aumentando a velocidade, tomado de excitação; os mergulhos eram sua especialidade, estava a três metros...
Então um balaço, arremessado por um dos batedores de Corvinal, saiu a roda, Harry nem viu de onde; ele mudou de rumo, evitando o balaço por um dedo, e, naqueles segundos cruciais, o pomo sumiu.


    Tiago, que havia chegado mais para a ponta do sofá animado, voltou para seu lugar com um suspiro decepcionado.
– O batedor deles pelo menos sabe o que está fazendo. – ele disse dando de ombros – Mas tenho certeza de que Harry vai apanhar o pomo, ele é muito melhor do que a cara de pato.
    Gina não resistiu em trocar um sorriso com Tiago.


Houve um grande "ooooooh" de desapontamento da torcida de Grifinória, mas muitos aplausos de Corvinal para o seu batedor. Jorge Weasley deu vazão ao que sentia lançando um segundo balaço diretamente contra o autor do arremesso, que, por sua vez, foi forçado a dar uma cambalhota em pleno ar para evitar a colisão.
— Grifinória lidera por oitenta pontos a zero, e olhe só o desempenho daquela Firebolt! Potter agora está realmente mostrando o que ela é capaz de fazer, vejam como muda de direção — a Comet de Chang simplesmente não é páreo para ela, o balanceamento preciso da Firebolt é visível nesses longos...
— JORDAN! VOCÊ ESTÁ GANHANDO PARA ANUNCIAR A FIREBOLT? VOLTE A IRRADIAR O JOGO!


    Todos riram da reação da professora McGonagall.
– Oitenta a zero. – Tiago disse sorrindo satisfeito – Os artilheiros da Corvinal não são nada comparados às da Grifinória, nem um gol até agora.
– Elas são ótimas. – Gina disse para Tiago com um meio sorriso – Angelina poderia jogar profissionalmente se quisesse.
– Gina. – Hermione chamou a atenção da menina.
– O que a Angelina vai fazer da vida dela realmente não tem nada haver com a história! – Gina bufou revirando os olhos – Só disse que ela joga bem demais!


Corvinal começou a jogar na retranca; já tinha marcado três gols, o que deixava Grifinória apenas cinqüenta pontos à frente e se Cho apanhasse o pomo antes deles, Corvinal ganharia a partida.
Harry reduziu a altitude, evitando por um triz um artilheiro de Corvinal, e esquadrinhou nervosamente o campo, um lampejo de ouro, um adejar de asinhas, o pomo estava circulando a baliza de Grifinória...
Harry acelerou, os olhos fixos no pontinho dourado à frente, mas nesse instante, Cho apareceu de repente, bloqueando sua visão...
— HARRY, ISSO NÃO É HORA PARA CAVALHEIRISMOS! — berrou Olívio quando o garoto deu uma guinada para evitar a colisão. — SE FOR PRECISO, DERRUBE-A DA VASSOURA!


– Olívio tem razão! – Tiago gritou nervoso – Se essa cara de pato fosse um homem você não teria parado desse jeito! Esqueça que ela é uma garota e jogue!
    Gina concordou com Tiago enfática.


Harry se virou e avistou Cho; a garota estava sorrindo.
O pomo sumira outra vez. Ele apontou a vassoura para o alto e logo chegou a sessenta metros sobre o campo. Pelo canto do olho, ele viu Cho seguindo-o... Ela resolvera marcá-lo em vez de procurar o pomo sozinha. Muito bem, então... Se queria segui-lo, teria que arcar com as conseqüências...
Harry mergulhou outra vez, e Cho, pensando que ele avistara o pomo, tentou acompanhá-lo; ele desfez o mergulho abruptamente; Cho continuou a descida veloz; ele subiu mais uma vez, como uma bala, e então viu-o, pela terceira vez, o pomo cintilava muito acima do campo, do lado da Corvinal.


– Isso! – Sirius disse satisfeito – Mostre para ela toda a potencia da Firebolt!
– Já estava na hora de tratar essa sem sal como uma jogadora. – Gina disse levantando uma sobrancelha para Harry.


Harry acelerou; a muitos metros abaixo Cho fez o mesmo.
Ele foi reduzindo a distância, se aproximando mais do pomo a cada segundo... Então...
— Oh! — gritou Cho, apontando.
Distraído, Harry olhou para baixo.
Três dementadores, três dementadores altos, negros, lá embaixo, olhavam para ele.


– Isso não faz sentido. – Remo disse pensativo – O normal é você sentir os dementadores antes de vê-los...
– Mas mesmo assim. – Sirius disse olhando para Harry apreensivo – Espero que ele consiga realizar o feitiço do patrono.
– E que isso não faça ele perder o pomo. – Tiago disse mordendo o lábio, e depois, quando reparou no olhar que Lily estava lhe dando, completou – Quero dizer, se for seguro para ele continuar jogando, é claro.


Harry nem parou para pensar. Enfiou a mão pelo decote de suas vestes, sacou a varinha e berrou:
— Expecto patronum!
Uma coisa branco-prateada, uma coisa enorme, irrompeu de sua varinha. Ele percebeu que apontara diretamente para os dementadores, mas não parou para ver o efeito; sua mente continuava milagrosamente clara, ele olhou para a frente estava quase lá.


– Você conseguiu! – Sirius sorriu vitorioso – Não duvidei de você em momento algum.
– Pena que não sabemos qual forma ele tomou... – Tiago bufou – Mas sabemos que é uma coisa grande.
– O mais esquisito é a mente do Harry continuar clara. – Remo disse pensativo – Isso não faz o minimo sentido, mesmo sendo poucos dementadores, ele devia estar sentindo alguma coisa.


Estendeu a mão que ainda segurava a varinha e conseguiu fechar os dedos sobre o pequeno pomo que se debatia.


– Isso! – Tiago comemorou esquecendo imediatamente os dementadores  – Com essa vitória ainda temos chance de ganhar a taça! 
– Você não está lá jogando... – Frank disse rindo.
– Mas é como se estivesse! – Tiago disse sorrindo de orelha a orelha – Harry precisa sentir o que é vencer o campeonato.


Soou o apito de Madame Hooch. Harry se virou no ar e viu seis borrões vermelhos voando em sua direção; no momento seguinte, o time o abraçava com tanta força que ele quase foi arrancado da vassoura. Ouvia-se lá embaixo os brados da torcida da Grifinória em meio aos espectadores.
— Aí, garoto! — Olívio não parava de berrar. Alicia, Angelina e Katie, todas, tinham beijado Harry; Fred o abraçara com tanta força que ele achou que sua cabeça ia saltar do corpo. Em completa desordem, o time conseguiu voltar ao campo. Harry desmontou a vassoura, levantou a cabeça e viu um bando de torcedores da Grifinória saltar para dentro do campo, Rony à frente. Antes que desse por si, fora engolfado pela turma que gritava aplaudindo-o.
— Sim! — gritava Rony, puxando com força o braço de Harry e erguendo-o no ar. — Sim! Sim!
— Grande partida, Harry! — disse Percy, feliz. — Dez galeões para mim! Preciso procurar Penelope, com licença...
— Parabéns, Harry! — bradou Simas Finnigan.
— Brilhante! — berrou Hagrid por cima das cabeças dos alunos da Grifinória que acorriam.
— Foi um Patrono impressionante — disse uma voz no ouvido de Harry.


– Eu sabia que estaria assistindo. – Remo disse sorrindo satisfeito – Mas isso não faz muito sentido, Harry não sentiu nada em relação aos dementadores... E todos estão tranquilos demais e felizes demais...


Harry se virou e viu o Profº. Lupin, que parecia ao mesmo tempo abalado e satisfeito.
— Os dementadores não me afetaram nada! — exclamou Harry excitado, — Eu não senti nada!
— Foi porque eles... Hum... Não eram dementadores — explicou o professor. — Venha ver...
Ele desvencilhou Harry da aglomeração até poderem ver a lateral do campo.
— Você deu um grande susto no Sr. Malfoy — disse Lupin.


– É claro, – Sirius revirou os olhos – sabia que eles estavam armando alguma coisa...


Harry arregalou os olhos. Amontoados no chão estavam Malfoy, Crabbe, Goyle e Marcos Flint, o capitão do time da Sonserína, lutando para se despir das vestes negras e longas com capuzes. Pelo jeito Malfoy estivera em pé nos ombros de Goyle. Parada ao lado deles, com uma expressão de fúria no rosto, estava a Profª. Minerva.
— Um truque indigno! — bradava ela. — Uma tentativa baixa e covarde de sabotar o apanhador de Grifinória! Detenção para todos e menos cinqüenta pontos para Sonserina! Vou falar com o Profº. Dumbledore, não se iludam! Ah, aí vem ele agora!


– Maravilhoso! – Tiago disse sorrindo satisfeito – O final perfeito para o jogo!
– Agora é só esperar a final, Grifinória versus Sonserina... – Frank disse com um meio sorriso – Espero que o Harry destrua o Malfoy na final.
– Ele vai destruir! – Sirius disse confiante encarando Harry com orgulho.


Se alguma coisa podia selar a vitória de Grifinória, era isso.
Rony, que pelejara para chegar até Harry, se dobrava de tanto rir, ao contemplar Malfoy tentando sair da veste, a cabeça de Goyle ainda presa lá dentro.
— Vamos, Harry! — Disse Jorge procurando se aproximar. — Festa! Sala Comunal da Grifinória, agora!
— Certo — respondeu Harry, sentindo-se mais feliz do que se lembrava de ter se sentido havia muito tempo. Ele e o restante do time abriram caminho, ainda de vestes vermelhas, para fora do estádio e de volta ao castelo.
A sensação era de que já tinham ganhado a Taça de Quadribol; a festa durou o dia inteiro e se prolongou até tarde da noite. Fred e Jorge Weasley desapareceram algumas horas e voltaram com braçadas de garrafinhas de cerveja amanteigada, abóbora espumante e vários sacos de doces da Dedosdemel.
— Como foi que você fez isso?! — gritou Angelina Johnson quando Jorge começou a atirar sapos de menta nos colegas.
— Com uma ajudinha de Aluado, Rabicho, Almofadinhas e Pontas — murmurou Fred ao ouvido de Harry.


– Ficamos felizes em ajudar. –  Tiago disse com uma piscadela.
– Disponha! – Remo completou curvando-se ligeiramente.
    Severo revirou os olhos antes de voltar a ler.


Somente uma pessoa não participava da comemoração. Hermione, por incrível que pareça, estava sentada a um canto, tentando ler um enorme livro intitulado Vida Doméstica e Hábitos Sociais dos Trouxas Britânicos.  


– Eu continuo sem entender o objetivo de ler sobre a vida doméstica e hábitos dos trouxas britânicos se você cresceu entre os trouxas britânicos... – Neville disse franzindo a testa.
– Eu achava interessante o ponto de vista dos bruxos. – Hermione deu de ombros.
– Nunca me interessei muito no ponto de vista dos bruxos sobre os trouxas. – Lily suspirou – A maioria dos bruxos que eu conheço acha que trouxas são burros e cegos, não é nada agradável ouvir isso...


Harry se afastou da mesa em que Fred e Jorge começavam a fazer malabarismos com as garrafinhas de cerveja amanteigada e foi até a amiga.
— Você ao menos foi ao jogo? — perguntou ele.
— Claro que fui — respondeu Hermione numa voz estranhamente aguda, sem levantar a cabeça. — E estou muito contente que a gente tenha ganhado, e acho que você jogou realmente bem, mas tenho que ler isso aqui até segunda-feira.
— Vamos, Mione, venha comer alguma coisa — convidou Harry, enquanto olhava para Rony e se perguntava se ele teria suficiente bom humor para guardar a machadinha de guerra.


– Eu seria capaz de apostar que não. – Alice deu de ombros – Rony é bem cabeça-dura, não é?
– Olha quem fala. – Rony revirou os olhos e fez todos rirem.


— Não posso, Harry. Ainda tenho quatrocentas e vinte e duas páginas para ler — respondeu a garota, agora num tom ligeiramente histérico. — De qualquer modo... — a garota olhou para Rony, também —, ele não quer a minha companhia.
Quanto a isso, não havia o que discutir, porque Rony escolheu aquele momento para dizer em voz alta:
— Se Perebas não tivesse sido devorado, ele poderia ter comido uma mosca de chocolate. Ele gostava tanto...
Hermione caiu no choro. Antes que Harry pudesse dizer alguma coisa, ela meteu o enorme livro embaixo do braço e, ainda soluçando, correu para a escada do dormitório das meninas e desapareceu de vista.


– Desculpa... – Rony mordeu o lábio encarando Hermione com carinho – Não queria te fazer chorar.
– Mas fez... – Gina disse revirando os olhos para o irmão – Você realmente deveria prestar mais atenção no que diz, palavras machucam...


— Será que você não podia dar a ela um tempo? — perguntou Harry a Rony em voz baixa.
— Não — respondeu o garoto com firmeza. — Se ela ao menos mostrasse que lamenta, mas jamais vai admitir que errou, a Hermione. Continua a agir como se Perebas tivesse tirado férias ou qualquer coisa do gênero.


– Mostrasse que lamenta? – Lily perguntou ligeiramente irritada – A garota acabou de correr para o dormitório chorando! Isso não é lamentar o bastante para você?
    Rony baixou os olhos arrependido, mas não disse nada.


A festa da Grifinória só terminou quando a Profª. Minerva apareceu vestida com o seu robe de tecido escocês e os cabelos presos numa rede, à uma hora da manhã, para insistir que todos fossem se deitar. Harry e Rony subiram as escadas para o dormitório, ainda discutindo a partida. Por fim, exausto, Harry se enfiou na cama, ajeitou o cortinado de sua cama para esconder um raio de luar, se deitou de costas e sentiu que adormecia quase instantaneamente...
Teve um sonho muito estranho. Estava andando por uma floresta, a Firebolt ao ombro, seguindo uma coisa branco-prateada. Ela avançava entre as árvores e Harry só conseguia avistá-la entre a folhagem. Ansioso para alcançá-la, apressou o passo, mas ao fazer isso, a coisa que ele perseguia acelerou também.
Harry começou a correr e, à frente dele, ouviu cascos que ganhavam velocidade. Agora ele estava correndo desabalado e, à frente, ouvia a coisa galopar. Então ele fez uma curva para dentro de uma clareira e...


– Acho que o patrono de Harry tem cascos... – Remo disse encarando Tiago.
– Talvez seja igual ao meu. – Tiago disse com um sorriso enorme – É normal? O filho ter o mesmo patrono que o pai?
– Não exatamente – Remo deu de ombros – geralmente o patrono reflete parte da alma do bruxo, se o do Harry for mesmo um cervo, como o seu, isso significa que você é grande parte dele... E se for considerar que o da Lily é uma corsa, faz todo o sentido.
    Tiago e Lily trocaram um sorriso cúmplice que deixou Severo ainda mais irritado do que já estava.


— AAAAAAAAAAAIIIIIIIIIII! NAAAAAAAAÃO!
Harry acordou subitamente como se alguém o tivesse esbofeteado.
Desorientado na escuridão total agarrou as cortinas ouvia movimentos a sua volta e a voz de Simas Finnigan do outro lado do quarto:
— Que é que está acontecendo?
Harry achou ter ouvido a porta do dormitório bater. Finalmente, encontrando a 
abertura das cortinas, puxou-as para um lado com violência e, na mesma hora, Dino Thomas acendeu o abajur. Rony estava sentado na cama, as cortinas rasgadas dos dois lados, uma expressão de absoluto terror no rosto.
— Black! Sirius Black! Com uma faca!


– O que? – Sirius e Tiago gritaram ao mesmo tempo completamente espantados.
– Estou esperando a brilhante explicação de Potter para Black ter entrado no dormitório da Grifinória com uma faca. – Severo disse completamente satisfeito – Talvez ele tenha se enganado no caminho para a cozinha, e estava apenas procurando um pãozinho...
– Se eu fosse você, eu realmente evitaria irritar Tiago agora. – Remo bufou irritado recebendo um aceno de concordancia de Lily, que sentia todo o corpo de Tiago tremer de raiva.
– Apenas continue lendo Severo. – Lily disse segurando a mão de Tiago com carinho – Por favor.


— Que!
— Aqui! Agorinha mesmo! Cortou as cortinas! Me acordou!
— Você tem certeza de que não sonhou, Rony? — perguntou Dino.
— Olha só as cortinas! Estou dizendo, ele esteve aqui!
Todos os garotos saltaram das camas; Harry alcançou a porta do dormitório primeiro que os outros e desceu correndo as escadas.
Portas se abriram às suas costas e vozes cheias de sono chamaram.
— Quem gritou?
— Que é que vocês estão fazendo?
A sala comunal estava iluminada com o brilho das chamas que se extinguiam na lareira, ainda atulhada com os restos da festa. Estava deserta.
— Você tem certeza de que não estava dormindo, Rony?
— Estou dizendo que vi Black!
— Que barulheira é essa?
— A Profª. McGonagall nos mandou para a cama! — Algumas garotas tinham descido, vestindo os robes e bocejando. Os garotos também foram reaparecendo.
— Que ótimo, vamos continuar? — perguntou Fred Weasley animado.
— Todos de volta para cima! — falou Percy, que entrou correndo na sala comunal prendendo o distintivo de monitor-chefe no pijama enquanto falava.
— Percy... Sirius Black! — disse Rony com a voz fraca. — No nosso dormitório! Com uma faca! Me acordou!
A sala comunal mergulhou em silêncio.
— Que bobagem! — exclamou Percy parecendo espantado. — Você comeu demais, Rony... Teve um pesadelo...


– Talvez seu irmão, como monitor-chefe, devesse simplesmente acreditar nos alunos quando se trata de assuntos sérios assim. – Alice disse dando de ombros.


— Estou lhe dizendo...
— Agora, francamente, já é demais!
A Profª. Minerva estava de volta. Ela bateu o retrato ao entrar na sala comunal e olhou furiosa para todos.
— Estou encantada que Grifinória tenha ganho a partida, mas isto está ficando ridículo! Percy, eu esperava mais de você!
— Com certeza eu não autorizei isso, professora! — defendeu-se Percy, se empertigando, indignado. — Estava justamente dizendo a todos para voltarem para a cama! Meu irmão Rony teve um pesadelo...
— NÃO FOI UM PESADELO! — berrou Rony. — PROFESSORA, EU ACORDEI E SIRIUS BLACK ESTAVA PARADO AO MEU LADO SEGURANDO UMA FACA!
A professora encarou-o.
— Não seja ridículo, Weasley, como seria possível ele passar pelo buraco do retrato?


– Com as senhas que Neville perdeu... – Frank colocou a mão na testa com um suspiro – Sabia que isso não seria bom.


— Pergunte a ele! — respondeu Rony apontando um dedo trêmulo para o avesso do retrato de Sir Cadogan. — Pergunte se ele viu...
Com um olhar penetrante e desconfiado para Rony, a professora empurrou o retrato e saiu. Todos na sala procuraram escutar prendendo a respiração.
— Sir Cadogan, o senhor acabou de deixar um homem entrar na Torre da Grifinória?
— Certamente, minha boa senhora! — exclamou o cavaleiro.
Fez-se um silêncio de espanto, tanto dentro quanto fora da sala comunal.
— O senhor... O senhor deixou? Mas... E a senha?
— Ele sabia! — respondeu Sir Cadogan com orgulho. — Tinha as senhas da semana inteira, minha senhora! Leu-as em um pedacinho de papel!


    Neville respirou fundo.


A professora tornou a passar pelo buraco do retrato e encarou os alunos atordoados. Estava branca como giz.
— Quem foi — perguntou ela com a voz trêmula —, quem foi a criatura abissalmente tola que anotou as senhas desta semana e as largou por aí?
Fez-se um silêncio absoluto, quebrado por gritinhos quase inaudíveis de terror. Neville Longbottom, tremendo da cabeça às pontas dos chinelos fofos, ergueu a mão no ar.


– McGonagall deve ter ficado uma fera com você. – Alice disse mordendo o lábio nervosa.
– Vocês nem imaginam. – Neville suspirou.
– Vamos continuar lendo logo. – Tiago disse irritado, queria saber exatamente o que estava acontecendo e por que Sirius entraria no dormitório da Grifinória com uma faca no meio da noite.
    Remo pegou o livro que Severo havia pousado na mesa de centro e abriu com cuidado: – Capítulo XIV – O ressentimento de Snape.




É isso ai gente! Minhas férias acabaram oficialmente e agora vou tentar voltar a postar regularmente. Espero que tenham gostado desse capítulo e que não tenham me abandonado nesse tempo. Não tenho mais nenhum capítulo pronto, mas estou voltando a escrever normalmente.


Ainda não respondi os comentários desse capítulo, depois eu volto aqui e acrescento as respostas. Não deixem de comentar, eu não deixo de responder, mesmo que eu demore.


Quem quiser fazer parte do grupo da fic, onde posto novidades, prévias e enquetes: https://www.facebook.com/groups/742689499098462/ 


Quem acertou a frase da semana?

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 17

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Luana Mendes Potter em 15/09/2014

Olá! Adorei a parte do quadribol neste capítulo, é incrível ver o quanto o Tiago esquece que aquilo já aconteceu e fica torcendo pela Grifinória :) Já fiquei imaginando uma cena com o Tiago chamando o Harry para conversar, para perguntar sobre a cara de pato, naquela situação bem constrangedora de "e as namoradinhas?" HAHAHAHAHA

Esse livro é muito angustiante para o Sirius, porque tudo que ele tem é a confiança que jamais faria algo para ferir Tiago e sua família, mas como se defender de algo que ainda não aconteceu, num mundo onde todos acreditam em sua culpa?

Também vejo o Pedro como um traidor que não merece uma segunda chance. Ele não gosta de ninguém, nem de seu milorde, e tudo que quer é encontrar pessoas mais fortes que ele, e se aproveitar disso. Literalmente um rato.

Ansiosa para Lily descobrir logo que não são só os braços de Tiago que são confortáveis. Imagino o primeiro beijo deles após uma discussão, porque a Lily apesar de ter um bom coração, é bem esquentada... Será o primeiro beijo do Tiago? Ou ele, assim como seu filho, encontrou uma cara de pato por aí...

Só me resta esperar pela continuação da história ;)

P.S.: Se eles conseguirem mudar o futuro, e viverem felizes para sempre, não deixa o Sirius sozinho não, cria uma motoqueira bem irada pra conquistar esse coração rebelde <3 

P.S.2: Mals ae se errei alguma coisa ao comentar, é a primeira vez que faço isso (Y) 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por 1988bookworm em 08/09/2014

acertei a frase da semana o/ o/

 Adorei o capitulo, mas sempre sofro quando o Roni briga com a Mione... 

estou realmente ansiosa pelo próximo capitulo!! pq apesar de eu gostar do Snape, e sempre ter confiado nele (bom, sempre é exagero... mas aprendi a confiar nele depois do primeiro livro quando descobri que ele salvou Harry e não o contrário). E apesar de entender os sentimentos mistos do Snape em relação ao Harry (não que da prieira vez que eu li eu entendesse, mas sempre achei que se o Dumbledore confiava nele, ele era digno de confiança e que o primeiro livro tinha provado que as aparencias enganam) eu frequentemente xingava o Snape pela maneira com que ele tratava o Harry, e sempre fui fã dos marotos, então a parte em que os marotos insultam o Snape com o mapa é uma das minhas parte preferidas do livro... lembro q gargalar com o liro na mão a primeira vez que li :D

enfim, acho que o meu comentário ficou totalmente confusi, mas a essa hora meu cerebro já está dormindo, então não posso exigir mta coisa..

Beijão Juh 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Alice McEvans Potter em 07/09/2014

Continua pf! Eu ameeeei a sua fic!

Não para ;( todos param!

Bjs

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Day Caracas em 07/09/2014

James como sempre o nosso viciado em quadribol. Fazer oque, eu o amo mesmo assim e a Lily com ciúmes é hilario e fofa demais, ahhhh, eles são muito perfeitos. E a Gina com ciume tbm não tem preço, eu odiei o que fizeram com ela no filme, toda personalidade dela sumiu, ela é tão perfeita no livro. E James e Gina do mesmo lado, kkkkkkkk, eu sempre pensei que eles seriam muito proximos, é bom ve que estava certa, sempre os achei parecidos.

E os Marotos como sempre sendo inteligentes, é claro que teriam que ve que a Mione tava certa e o Sirius é que é o cachorro, e sim, Sirius, a vassoura vale todos os anos, na realidade, so vc existir ja vale todos os presentes existentes, sim, eu so muito apaixonada pelo Sirius, me julgue, mas esse homem é perfeito.

Fiquei com raiva do Rony nesse livro, quem ee pensa que é pra fazer a Mione passar por tudo aquilo, tadinha, so tentava ajudar.

Serio, apesar de amar o livro eu odeio le o que o Sirius teve que passar. :/

Ameiiii como sempre Ju. Ate o proximo 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por sasa lovegood em 07/09/2014

Jesus! Quando vc publicou la no grupo que percebi que não havia comentado! HAHAAHAHA e olha que li no primeiro dia! Mas tem importancia naum, eu li de novo!
Então vamos lah... Gina com ciúmes OMG! Imagina no CdF e OdF???? Haahahahahaha querendo muito ver isso! Adoro a Gina brava, acho que os filmes retratam ela muito diferente do que o livro diz, e gostode ve-la fumegando!

Queria comentar, não só pelo concurso (até pq tá dificil pra mim). Mas pq sei que para os autores isso é um incentivo e fico muito feliz de ver meu nome depois tbm! mostra que vc leu todos o que gasta muito tempo seu.
Mil desculpas por sumir! Minha vida tá muuuuuito corrida! Facul + Estágio + curso + 3 projetos. Hahahahaha... não tô tendo tempo nem pra comer direito. Mas jamais deixo de ler a fic, sempre que vc posta um novo cap passo aqui e leio. Andei tendo uns problemas e acho q a melhor coisa é manter a mente ocupada, ai me enchi de trabalhos!

Ufaaa acho q hoje me empolguei, hahahahaha #dayoff
Parabéns como sempre vc arrasa!
Um beijo!! 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Izabella Bella Black em 06/09/2014

Oi, sei que demorei muito para comentar, mais é que quando você postou o capitulo não estava com cabeça para comentar e fiquei de comentar depois, mais só fui lembrar agora. O capitulo ficou perfeito como sempre, eu adoro esse livro e as reações e conversas dos personagens só deixa ele ainda melhor. Adorei o intusiasmo do Tiago com o quadribol, já no começo. A Alice tem razão o Rony e a Hermione recuperaram a amizade muito bem, mais se for parar para pensar eles brigam muito e depois fazem as pazes. O rony estando certo é uma coisa estranha de se ouvir, fico feliz que eles estão levantando a possibilidade de que Perebas esteja vivo. Qualquer um tem mais noção de como animar outra pessoa que o Percy. Imagino que o Tiago fai ficar chateado ao saber que o Harry perdeu a firebolt em RDM. A Lily com ciumes do Tiago tambem foi muito legal, e mais legal ainda é que é de uma professora. Imagino que a Gina vai azarar o Harry ate o final do quinto livro, afinal quem gosta de sentir ciumes? Mais a Gina ciumenda é legal. Alice ate que esta um pouquinho melhorzinha, mais tem horas que elas esquece e fala o que pensa. Eu sempre achei que o Neville sabia que os marotos eram animagos, mais parando parar pensar agora ele não percebeu em nenhum capitulo que o cachorro que gosta de quadribol é o Sirius. E Snape depois ainda diz que é inteligente, ele nunca conseguiu descobrir que os marotos eram animagos, pelo menos na epoca da escola. Imagino que a Lily já deve estar ficando um pouquinho brava sobre esse cachorro, já que ate mesmo o filho dela sabe do que os marotos estão falando, mais ela não. A conversa do Sirius, Remo e Harry sobre a firebolt valer os doze anos de presente, foi muito legal. Concordo com Tiago pelo menos o Percy apostou no time vencedor. Com toda certeza a resposta do Harry para o Malfoy foi muito legal, eu adorei essa parte quando li o livro pela primeira vez. Verdade todos que convivem com Tiago acabam aprendendo a gostar de quadribol. Esse cara de pato foi engraçado, ri muito quando li isso. Tiago vai adorar saber que o Harry foi sim a capo mundial de quadribol. Remo foi bem rapido ao perceber que não eram dementadores de verdade no jogo, dessa vez. Eu fico imaginando como seria o Tiago incinando sobre quadribol para o Harry e a cena que me vem na cabeça é muito engraçada e é claro com a participação do Sirius e do Remo. É claro que os marotos ficam felizes em ajudar a quebrar regras, se não ficassem eu acharia que eles estariam doentes. A Alice pelo o que percebemos no livro anterior é bem cabeça dura. Snape não sabe mesmo a hora de ficar quieta, nessas horas eu queria dar uns tapas nele, será que ele não percebe que a situação já bem delicada sem precisar das palavras amargas dele? Só espero que Sirius não fique se culpano e tenha um pouquinho de paciencia para esperar o final do livro. Acho que é só. Beijos.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por GuhLestrange em 05/09/2014

Estou terminando o primeiro livro da sua fic e realmente estou gostando muito, parabéns! Vim aqui no último capítulo, pois acho que será mais provável que você leia. Não trate come algo negativo, é só um conselho: tente usar menos a expressão "dar de ombros", dei uma olhada nesse capítulo e achei muitas vezes essa expressãp, assim como em todos os capítulos do primeiro livro. Tente substituí-la algumas vezes por
algo com significado semelhante. Bom, é só um conselho, mas estou amando a fic, continue até o último livro, por favor!! Hahahah

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por julia weasley potter 21 em 03/09/2014

Nossa estou adorando sua fic to ansioooosaaa para o próximo cap por favor posta logo.... beijos

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Marinamadson em 03/09/2014

Estou amando a sua fic! Por favor continue o mais rápido possível!

=D

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Gi Molly Weasley em 01/09/2014

Ooooooooooooooooooooi! Acabei de ler e posso te dizer que ta incrível! Eu to muito ansiosa pra saber o que vai acontecer quando descobrirem que o Rabicho ta vivo e que ele é o servidor do Voldemort!

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Guilherme L. em 29/08/2014

Outro ótimo capítulo Ju, passou um tempo até vocÊ postar esse, que bom que você voltou a escrever! A fic já passou de 6 meses de existência, não? Um tempo razoável, tenho orgulho de ter pego ela do início, kk. Espero que venha um bocado de inspiração e você poste o mais rápido possível!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Mary Lily Potter em 25/08/2014

Aaaaa que capitul lindooooooo sérioo... Infelizmente errei a fase da semana... :( 
o proximo capitulo promete... To vendo tretas vindo por aí...
adorei a Gina cm ciúmes..  

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Stehcec em 25/08/2014

Ah que lindo, fico tao feliz com cap novo *------*

Esse cap promete em relação ao Tiago, hahahah acho q a Lily irá silenciar ele.
Nada nunca passa despercebido ao Tiago, claro q ele ia perceber o Rony e a Mione.
Realmente vendo agora, acho q a Mione tava extressada por causa do tanto de materia que tava fazendo. Na epoca que li o livro nem pensei nisso.
E sobre ela esta certa, ela SEMPRE está certa.
Vou adorar ver a Gina com ciumes da Cho durante os proximos livros! Já começou e eu adorei.
Muito lindo o Harry dizer q a Firebolt vale mais q 12 anos de atraso. Ainda mais nesse momento que o Sirius está todo fragilizado.
Quando o Harry deu aquela resposta pro Draco eu amei, foi tipo um soco naquela cara lambida dele.
Adorei o Tiago mandando o Harry se concentrar na partida, mas duvido q se fosse a Lily ele não estaria da mesma forma.
Eu achei muito legal a Gina com ciumes, sempre fiquei imaginando oq ela estava pensando qnd o Harry só pensava na sem graça da Cho.
Sempre racho de rir com o Tiago, gente ele ama quadribol, é muito bom ver isso. Sempre me imagino se fosse uma bruxa.
O Snape é sempre desagradavel, e eu estava esperando uma ironia da Alice tambem.
Nossa, eu to tão curiosa e louca pra descobrirem a verdade sobre o livro logo.
Não to te precionando viu Juh. Hahahhahha só a curiosidade que é demais!

Amei o cap como sempre. 
E eu errei a frase da semana :(
Até o próx.
bj

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Cristin em 25/08/2014

Eu sou leitora nova e comecei a ler sua fic a pouco tempo e estou simplesmente adorando, é muito interessante ver o Harry com os pais dele, junto com tantas pessoas que foram importantes na história juntos.
Estou anciosa pra saber como vai ser os próximos capitulos.

Aguadro anciosissima!! 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Adriana Potter em 24/08/2014

Kkkkkkkkkkkk gina ciumenta .Arrasou no capítulo , espero que o sirius n fique bolado com o que aconteceu . Próximo cap "o recentimento de snape" um dos mais aguardados .

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Luiza Snape em 24/08/2014

Espero mesmo que volte a postar com frequência, gosto muito da sua fic, e ainda acredito na mudança dele. 
 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Anna Evans Potter em 24/08/2014

Eu realmente estou adorando a sua fic! E gostaria de saber se você poderia ler a minha… Por favor… É uma fic T/L. Está aqui: http://fanfic.potterish.com/menufic.php?id=46708 . Espero que goste e favorite! Eu vou favoritar a sua ;)

Beijos, e muito obrigada! 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2020
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.



 

 




 
                           

 


Warning: fopen(): Filename cannot be empty in /nfs/c10/h06/mnt/147811/domains/fanfic.potterish.com/html/includes/cache.php on line 39