FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

6. • Epílogo¹ (18/10/08)


Fic: Calculadora JL


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________



• Epílogo ou Matemática de Amar - PARTE 1


[Narrado pela Autora]

Lily sofria mais do que o normal, em pleno dia do seu aniversário, James sofreu o acidente, isso já fazia cinco anos, e ele havia entrado em coma, primeiramente os médicos colocaram em coma induzido e após pararem de induzir o coma sua consciência não havia recobrado, os pais dele haviam entrado em estado de choque e depois começaram a se acostumar, os médicos diziam que eles estavam num coma intermediário, e não entendiam como ele não havia recobrado sua consciência. Os amigos quando descobriram ficaram horrorizados com o acidente, mais ainda sofrem pelo amigo que não tem consciência.

[Narrado por Doutora Lílian Evans, Neurocirurgiã...]
 Blink 182 - I'm Lost Without You


“Por favor me diga que esse dia ruim irá terminar”


Já faz cinco anos que James está em coma, e em nenhum desses dias eu consegui superar o acidente. Eu sempre quis fazer medicina e havia resolvido trabalhar com a parte neurológica, pois eu queria entender o que havia acontecido com James, eu sabia que seu coma era de nível intermediário, isso pelo menos era o que os médicos diziam, pois ele ainda tinha alguns reflexos. Foi na vontade de trazê-lo de volta que acabei esquecendo-me de viver um pouco, me formei na Isaac Newton com as melhores médias de todos os anos, desde que a escola havia sido fundada, tendo em conta que ela era centenária, com um histórico brilhante. Eu consegui bolsas nas faculdades mais prestigiadas, principalmente em Cambridge e Oxford. Acabei limitando meu conhecimento há uma faculdade pública, pois apesar de pertencer à classe média, eu teria que pagar, e a única coisa que eu precisava naquele momento era que James se recuperasse, para não continuar me sentindo amargurada por ter destruído a vida da pessoa que mais amava.
Meus amigos não me abandonaram em nenhum momento em que precisei, pelo contrário me reconfortaram e me ajudaram insanamente em todos os momentos. Logo após que James se acidentou eu entrei em depressão, algo mais profundo, algo que nunca consegui entender, e eles me reergueram como um castelo de areia que se reconstrói após uma onda destruí-lo e eles jamais desistirão de acreditar em mim.
Eu trabalhei como residente no hospital onde James está internado em todos os dias eu parava lá a observá-lo, pois eu esperava um dia observa-lo e ver o brilho dos olhos azuis dele, fazer os meus olhos verdes voltarem a ter vida, pois eles não brilhavam mais como antes, mantinham-se entristecidos. Eles, meus olhos, são os reflexos de uma alma que espera todos os dias que o seu amor acorde e levante-se, mas todos os dias a esperança morre e volta a viver no próximo dia, como uma fênix. [N/B: Que drama. =’(]
E eu me formei em Neurocirurgiã com as melhores notas, sendo honrada com empregos em diversos lugares e com os melhores salários para uma neurocirurgiã recém formada, mas eu não aceitei nenhum dos convites, assim como nunca aceitei sair com rapazes, namorar ou ficar, pois eu vivia pra James. Eu poderia vê-lo acordar e nunca mais ele querer ficar comigo, mas me contentariam em apenas ver os olhos deles.
- Doutora Lílian, a senhora tem paciente agora. – eu ouvia me chamarem, era minha secretária Amy.
- Mande entrá-lo. – eu disse.
Meu consultório era em frente ao hospital de James, pois eu queria estar sempre preparada pra quando ele saísse do coma, eu tinha certeza que mais cedo ou mais tarde ele iria sair. Ou pelo menos eu acreditava que ele iria sair.
- Senhor Black, pode entrar, a Doutora Evans está lhe esperando. – Amy disse.
Eu não conseguia acreditar que Sirius Black estava ali! Que cachorro, ele marcou hora pra conversar comigo. E isso que dá se tornar uma médica prestigiada, tu não tem tempo para os amigos só pra seus pacientes, ok, eu me afastei dos meus amigos nesses últimos meses, mas em compensação ganhei vários prêmios. Prêmios ao invés de amigos? O que aconteceu comigo, daqui a pouco cobrarei dos pais de James pelo que faço.
- Doutora Evans, tenho tido problemas, minha melhor amiga não conversa mais comigo, e tem se afastado de todos os amigos e isso tem dado uma forte dor de cabeça em mim, que preciso urgentemente curar. – ele me disse com seu sorriso mais lindo, porque eu não me apaixonei por ele? Porque me apaixonei por James, eu não estaria sofrendo agora, mas James é mais lindo e bem mais fofo e romântico.
- Me desculpe Senhor Black, mas isso não é assunto da minha área e da área de amigas idiotas que se esquece de tudo. – eu disse com um sorriso.
- Eu vim pra te convidar pra sair um pouco. A Lene está a semana inteira aqui, e tenho certeza que ela gostaria muito de te ver. Após um mês de viagem ela vem nos visitar e queria que você estivesse lá. – ele me disse.
- Eu queria tanto ir vê-la, mas tenho consultas marcadas até o fim do dia, e ainda vou ir ver os sinais de James - eu disse.
- Lily você só trabalha! Vamos lá! Cancele todas as consultas dizendo que está estressada. Pegue e vá, liberte-se da corrente que te prende no trabalho. – ele me disse. Quer saber? Eu vou entrar de férias por uma semana.
- Amy! – eu disse pelo telefone enquanto ela aparecia em minha sala. – Por favor, cancele todas as consultas até semana que vem, vou entrar de férias. – eu disse a ela, que ficou me encarando estranhamente após minhas palavras.
- E o paciente Potter? O que digo pra família dele? – ela disse. Porque ela tinha que me lembrar dele? Ele era a ferida aberta em minha mente.
- Eu irei visitá-lo todos os dias, assim como irei visitá-lo. Agora peço que avise ao hospital que irei acompanhada de Sirius Black.
- Mas Doutora Evans, ele está em coma há 5 anos, você acredita que ele ainda poderá acordar? – Amy me perguntou
- Creio que sim, pois o coma não é profundo e cada vez ele está respondendo melhor aos exames motores e fisiológicos. – eu disse com firmeza, não queria deixar meu medo transparecer.
- Tchau doutora Evans, estarei desmarcando as consultas e o hospital está sabendo que você está indo. – Amy disse.
Eu e Sirius saímos da minha clínica e lentamente atravessamos a rua e fomos entrando no hospital, onde todos os enfermeiros já me esperavam de maneira certa, com as roupas prontas, pois ele estava na UTI, e haviam deixado a ficha do James a frente. Vesti-me com as tradicionais vestes brancas de UTI e Sirius com uma de enfermeiro.
Fomos entrando na UTI onde podia ver James deitado como normalmente em sua veia o soro que o alimentava e todos os aparelhos que o deixavam respirando e medindo seus batimentos.
- Sirius, o James teve uma lesão axonal difusa, os neurônios dele se esticaram em decorrência de movimentos bruscos de aceleração e desaceleração. – eu disse.
- Como? – ele me perguntou.
- Durante o acidente ele teve que manter-se consciente um tempo após enquanto seus neurônios mandavam respostas imediatas aos órgãos que doíam e aos demais órgãos. Como o coma dele é de nível 7 na escala de Glasgow, intermediário, cada vez que a pontuação aumenta é uma ótima notícia, mas tivemos pouco crescimento desde que ele foi internado, pois conforme a ficha ele teve um coma de nível 5 então no último exame há quase uma semana ele havia melhorado, pois eu mudei o tratamento, antes de começar a tratá-lo o médico resolveu mantê-lo em coma induzido por um ano e isso fez com que os exames não fossem realizados. – eu disse.
Sirius me olhava com uma cara de surpreso, não era pra tanto, pois eu havia informado muitas coisas.
- Resumindo, os neurônios se aceleraram e desaceleraram rapidamente e fez que entrasse em coma, mas o médico resumiu deixá-lo de coma para que os neurônios voltassem a se fortificar diríamos. E o coma dele chegou a ser mais grave e cada vez mais vem melhorando. – ele me disse.
- Exatamente. Ele diminui em dois meses dois pontos, pode haver uma melhora repentina agora que ele não é dopado, mas assim também pode haver uma piora. – eu disse. Esse tratamento era novo, pois o tipo de lesão que ele havia tido era um tratamento difícil.
Quando terminei de falar nos aproximamos de James, ele estava pálido.
- James, pode me ouvir? – eu perguntei.
- Sim, os unicórnios são brilhosos! – ele me disse.
Eu anotei em meu papel o número 4.
Eu peguei minha lanterninha e abri os olhos azuis de James e coloquei a luz para ver se os olhos seguiam não, os olhos dele não seguiram minha lanternazinha. Enquanto eu anotava um 1 em meu papel.
Peguei e bati em seu joelho que respondeu como reflexo, assim como em seu cotovelo, eu podia ver uma melhora em seu estado físico, mas ele continuava em coma, anotei em meu papel um 5.
- Six ele está num nível 10, ele ainda está em coma intermediário, mas creio que falta pouco pra acordar, e vai ser ótimo quando acordar. – eu disse.
- Six, cuide da Lily. – nós ouvimos uma voz falando confusamente. Era ele. Suas falas estavam melhorando.
Nós saímos lentamente da UTI. Six havia ficado chocado com a situação de James.
- Enfermeiros eu virei semana que vem fazer os exames novamente, fiquem avisados que qualquer coisa que acontecer me ligue, pois estarei de férias aqui na cidade. – eu disse.
Após longos minutos eu saí daquele hospital infernal, havia uma felicidade em meus olhos, pois eu sabia que ainda havia esperança dele acordar.


[Narrado por Isabela ;)]

Como a família de James havia deixado Lily cuida-lo após ela ser a causadora do acidente dele eu não sabia, mas ela cuidava-o todos os dias tornando minhas visitas raras. Ele havia se tornado minha obsessão, pois eu queria casar com ele, para demonstrar a todos “minha família perfeita”.
Eu pagava aos enfermeiros, mais do que tudo para poder vê-lo todos os dias, e havia feito contatos importantes dentro do hospital, eu havia me tornado uma zumbi por ele, uma zumbi famosa, mais certo como política, que havia feito carreira tão prestigiosa diante dos jovens. Eles acreditavam em mim como bom exemplo, mas ninguém nunca soube dos problemas que tive. Ouvia meu celular tocar, de maneira que me assustava, pois estava distraída em meus pensamentos.
- Senhorita Montreal. Aqui é John, enfermeiro do hospital.
- Olá John o que gostaria?- eu perguntei.
- Eu gostaria de avisar que a Doutora Evans saiu de férias e pediu para se caso Potter acordar, avisá-la, gostaria de saber se gostaria de ser avisada antes. – ele me disse.
- Claro que gostaria, mas faça o favor de Lílian Evans ficar sabendo depois de mim. – eu disse a ele.
- Tentarei ao máximo avisa-la, mas só com uma boa quantia financeira, ou a imprensa ficará sabendo de todas as suas sujeiras. – ele me disse.
Como podia ser capaz de cobrar mais do que ele cobra por esses serviços, se ele não sabia tanto sobre mim, maldita hora que fui me envolver com um enfermeiro, e daí olha no que deu, sou chantageada por um enfermeirozinho.
- Ok, eu aceito sua condição, mas nada pode sair falando do que aprontei pela imprensa, pois pode acabar com a minha campanha. Eu estou saindo como uma boa cidadã. – eu disse com um sorriso maior do que minha própria face.
- OK Bella, agora tenho que terminar. Beijos – ele me disse.
- Abraço, e vote em mim, não se esqueça 17171. Bye – eu disse.
Eu sabia que a qualquer momento eu poderia ver o motivo da minha obsessão. Pobre enfermeiro acreditava que eu iria me apaixonar por ele, mas ele jamais vai ter Isabela como sua namorada, pois eu sou do James.


[Narrado por Lily Evans... FÉRIAS *__*]

Finalmente tirei férias, por mais incansável que seja meus dias lá no hospital, eu precisava descansar, pois eu havia me esquecido de meus amigos, e isso era a pior coisa que podia ter feito. Quando sai do hospital, ainda via o Sirius abalado pela aparência tão frágil de seu melhor amigo, eles não o visitavam, pois havia certo medo de vê-lo como eu o via, eles sentiam certo nojo em pensar ver seu amigo, cheio de agulhas intravenosas em suas veias, com sondas, e aparelho para que pudesse respirar. Eles não entendiam o sofrimento que era tudo aquilo, só eu sabia e podia imaginar o quão difícil era aceitar, que ele tinha tudo isso, e sabe que o tratamento cada vez mais progredia.
- Lily, acorda, nós chegamos à nossa rua. – Sirius me disse.
Eu deveria estar tão concentrada em meus pensamentos que não percebi que havia chegado a minha antiga rua, eu me mudei para um apartamento logo depois de sair da faculdade, meu destino era me afastar de tudo que me lembrava James dentro dos dias de seu acidente, minha casa após minha formatura havia sido abandonado, pois minha irmã havia engravidado, e meus pais se mudaram pra mais perto dela, mas pelo destino, ela acabou perdendo o bebê, mas meus pais gostaram tanto daquela cidade que ficaram por lá, me deixando sozinha aqui. Na minha família ser caçula não significa ser o protegido dos papais, até porque Petúnia sempre será a protegida.
Eu olhei para minha antiga casa, havia nela certo ar de quem nunca mais esteve ali, foi ali que deixei todas as lembranças do meu passado. E era ali que eu voltei, porque Sirius me trouxe. Já era tarde, havia se passado maior parte do dia, pois apesar de não ter feito pouco, eu havia demorado muito em hospital e nos exames.
- Lily eu sei que faz tempo que não vens para cá, mas creio que podes tentar aceitar isso aqui como sua casa novamente e vender aquela porcaria de apartamento, voltar a conviver com as pessoas que mais te ama, pois foi à única que mudou de lugar. – Sirius me disse.
- Eu sei Sirius, creio que há certo problema com este lugar, por mais que eu tenha mais recordações boas daqui, mas eu sempre me lembro do acidente. – eu disse.
- Lily está na hora de parar de viver intensamente a James, até porque você já fez seus esforços, ele é importante para todos nós, você não tem noção, mas o que pedimos é que conviva mais, viva mais, pois assim como ele pode acordar, pode ser que um dia ele não acorde. – me disse Sirius abrindo a minha casa.
Eu entrei dentro dela, cada canto de minha casa me trazia uma lembrança diferente, um momento em que vivi ali dentro. Foi quando encontrei um álbum ali no canto da sala. Era o álbum de fotos da minha infância e adolescência, em todas as fotos havia os meus amigos.
- Sirius, obrigado por me fazer reviver tudo. – eu disse.
- Lily você merece, pois você sonha em um dia recuperar tudo, e eu sei que isso ainda irá acontecer. – Sirius me disse confiante de suas palavras.
Logo após ver o álbum percebi que havia certo grau de limpeza na casa, como se tivesse vindo alguém aqui e organizado. Eu fui passando em cada cômodo lentamente, primeiro terminei de registrar cada detalhe da minha antiga sala, que tinha em suas paredes um tom rosado, escolha de Petúnia, com os sofás e objetos todos combinando, após passei pelo corredor onde havia um pequeno armário, tudo em tons pastéis, mas eu odiava isso. Chegando a cozinha eu percebi os tons laranja que dominavam a cozinha, que secretamente era meu cômodo favorito do andar debaixo, só pela cor. Na cozinha havia uma surpresa uma super torta de chocolate, que me esperava, eu sabia que devia existir algo pro trás de tudo aquilo.
Eu saí da cozinha e me dirigi à escada, lentamente, pois eu ainda tinha medo de escadas, acho que eu deveria ter buscado um psicólogo para me curar do meu medo. No segundo andar havia os quartos, todos com banheiros. O meu era o último do corredor, o primeiro era o antigo quarto da minha mãe que era amarelo, eu odeio amarelo, o segundo era de Petúnia e nele não havia mais nada que me lembrasse dela, a não ser as paredes rosa pink, e eu cheguei ao meu tão aconchegante canto. Ele tinha paredes verde limão e laranja, meus móveis eram verdes com flores laranja, assim era ele inteiro. Quando abri meu armário pra ver todas as minhas roupas de lá saiu, Lene e Mandy saltitando como gazelas (?).
- Lily! – as duas gritaram juntas.
- LENE E MANDY NO MEU ARMÁRIO SOCORRO MEU PADIM CÍCERO!- eu gritei me arriando, como era bom vê-las novamente.
- Sua louca, nós abandonou, se não fosse o Sirius aposto que não me veria, tu sabe o quanto é difícil à rotina da melhor cantora do país? Eu tenho que me esconder e quando venho visitar os meus amigos e você some. – Lene me disse xingando /ironia on/ até mete medo /ironia off/.
- Mazá! Era por isso que tinha se escondido no meu armário! Eu sabia que ao invés de Medicina deveria ter feito criminalística, pois sou uma detetiva nata (?). – eu disse orgulhosa.
- Lily, acorda pro mundo mulher! – Mandy me disse.
Nós nos olhamos e caímos na gargalhada, essas conversas eloqüentes não ocorriam fazia anos, eu acho que já estava no momento certo de eu voltar a ver meus amigos.
- Cadê o Remo e a Polie? – eu perguntei desconfiada.
- Primeiro. Senhorita Lily, coloque seu biquíni favorito e desça para a piscina. – Sirius me disse.
Eu pedi para que todos saíssem do meu quarto, eu queria ver todas as roupas lentamente, e escolher qual eu colocaria, faria todas as minhas mais antigas manias, como observar pela janela o quarto de James. E dela eu pude ver um local contrastante com o meu, lá não havia ninguém não por querer, mas por não poder. E eu decidi sair da janela, pois nada iria poder me fazer ver o sorriso dele. Peguei um biquíni preto e desci para a piscina, onde se encontrava Sirius, Mandy, Lene, Remo e Polie. Eu estava louca para ouvir as novidades, por mais conversas que eu tive com eles, eu não me lembrava de tudo o que eles haviam me dito.
- Bom, eu e o Sirius terminamos faz uns seis meses, o motivo foi que teve uns problemas, e muitos boatos maldosos sobre nós e terminamos, apesar de às vezes ainda me questionar se foi a decisão certa. – Mandy disse. – Eu to trabalhando em um jornal da melhor rede de editoriais do país.
-Eu to solteiro desde que Mandy terminou comigo, não consigo pensar em outra além dela. Bom Lily, tu sabe que eu trabalho como administrador de empresa. E sou um dos solteiros mais cobiçados, quem mais com olhos azuis, pele branca, cabelos pretos e charmosos tem no mundo, me diz? Vai dizer que eu não sou lindo. – dizia Sirius
- Bom, o Sirius continua convencido como sempre foi. Eu acabei gravando o CD, no início mal conheciam, e daí vazou uma música pela Internet e fiquei conhecida. E agora tenho que me esconder. Eu conheci vários caras, mas nenhum deles me agradou e sei lá! Desde que não me apareça nenhuma menina cantando – I KISSED A GIRL A LIKE IT eu agradeço. E continuo Isabela e gostosa como sempre fui. – Lene disse.
- Eu e o Remo após a formatura fomos viajar pelo mundo durante meio ano, conhecer alguns países e suas belezas, e a partir de nossa experiência no mundo lançamos alguns livros contando história de alguns países, após voltarmos nos casamos sem nenhuma testemunha a não ser Mandy e Sirius, e eu tenho que contar pra todos que estou grávida de três meses. – Polie disse. [N/B: :OO Eu to grávida e nem sabia! :OO uhsuhauhasush *-*’]
- MEU AMOR VOCÊ ESTÁ GRÁVIDA? EU VOU SER PAI? – Remo perguntou.
- NÃO REMO! TU VAI SER UM BODE E ELA UMA GORDA! – Sirius disse.
- SIM! – disse Polie abrindo o sorriso mais perfeito.
- Bom, eu descobri que vou ser pai, me tornei um empresário bem sucedido da Rinchester. Casei-me com a mulher mais perfeita do mundo e estou hoje em volta de amigos. – ele disse com um sorriso de orelha a orelha.
Todos olhavam para Lily, esperando que ela contasse sobre a vida dela após a formatura, pela primeira vez em anos eles se reencontravam todos no mesmo local do início da adolescência e do final.
- Eu me formei neurocirurgiã, e todos os dias eu procuro ver a luz nos olhos azuis do James, mas cada dia minha esperança morre, e eu tenho medo de um dia ela morrer, pois ele é tudo pra mim, e eu consegui fazer com que a vida dele se destruísse, e eu preciso vê-lo preciso senti-lo, toca-lo, o ouvir falar, mesmo que não seja comigo, mesmo que ele guarde uma raiva de mim, eu quero poder ter certeza de que ele é feliz. – eu disse com uma lágrima começando a rolar do meu olho, eu sabia que ia chorar.
- GINCANA DA PISCINA! PRIMEIRA PROVA... TOCAR A LILY NA PISICINA. – Gritou Sirius.
Todos começaram a correr atrás de mim, e eu fugindo, só o Six pra me alegrar. E foi quando senti alguém me pegar, [N/A: sem maldades ok?], era os guris que tinham conseguido me alcançar e me tocar na piscina...
-1,2,3... LILY NA PISCIIIINA! – gritou Remo.
Eu me senti voando como uma pena, mas uma pena gorda, e senti tão forte o impacto com a piscina, a falta de costume me fez esquecer-se da minha segunda natureza que era nadar, era a água, a que me relaxava e me trazia a paz, ali eu sentia que nada de ruim acontecia.
Quando parei de mergulhar, vi o Six e o Remo pulando, Polie pegando sol, Mandy se enchendo de protetor pra não ficar um pimentão. Eu me esqueci do protetor! O.o Eu vou ficar um tomate, e depois a Mandy e eu vamos formar a dupla Tomate e Pimentão. [N/A: O.o Nova dupla sertaneja do momento! õ/ N/B: Yohoo! õ/ (?)].
Aproveitamos a noite inteira, a piscina, e quando finalmente cansamos passava das 23:30, foi quando decidi subir para tomar um banho. Eu peguei e tirei lentamente a minha roupa, e debaixo da água quente que tinha o meu chuveiro eu descansei, eu renovei as forças que eu havia perdido. Sai do banho, peguei arrumei minha cama, e fui para o antigo quarto de meus pais, arrumar a cama deles para Remo e Polie. E fui ao quarto que era de Petúnia e arrumei para Mandy, pois Sirius tinha seu quarto aqui, as paredes eram brancas com detalhes pretos. Todos se encontravam na mesa discutindo quem seriam os padrinhos do filho(a) de Remo e Polie.
- Eu e Mandy – dizia Sirius, apesar de ser convencido, Sirius tinha paixão por criança.
- Não, eu acho injustiça com a Lily, que sempre apoiou o namoro e a Lene. - Polie disse.
- Mais simples os filhos da Mandy serão afilhados da Lene, os da Lene serão da Polie, os da Polie serão meus! – eu disse.
- Ah não vale, eu serei a última – disse Polie.
- Por quê? – eu perguntei.
- Filhos da Lene! – ela disse.
- Aiin como vocês me amam... até vou me afogar num copinho de coca-cola. – ela disse indo pegar o copo de coca cola.
- NÃO MARLENE MCKINNON! - eu disse. – Eu prometo nunca mais te trair e nem te abandonar! – eu disse rindo.
- Assim podeee! – Lene me respondeu rindo.
Todos riam, era algo tão gostoso, tão bom, que eu sempre queria continuar, mas eu precisava me lembrar que tinha um paciente especial pra cuidar.
- Assim pode, mas quanto ao padrinho? - Remo perguntou confuso.
- Assim, se caso o James volte, ele será o padrinho do primeiro que nascer depois disso. O Sirius é o primeiro padrinho temporariamente, depois o Remo, e assim vai. – disse Polie.
- Assim ta bem. – eu disse. – Pessoal eu vou dormir.
- Boa Noite Lily! – disse Mandy, Remo, Polie e Lene.
- Lily eu posso falar contigo? – perguntou Six.
- Sim, Six.- eu disse e ele foi me seguindo.
- Amanhã, me ajuda a fazer uma surpresa pra Mandy? Eu quero reconquistá-la, é que eu a amo de verdade e precisei me separar dela pra saber disso. – disse Six.
- Claro que ajudo. – eu disse. – Vamos ao shopping e convida a Lene que está começando a me vir idéias.
- Tah bom Lily. Boa noite dorme bem. – Six me disse.
- Vou dormir bem sim. - eu disse.
Peguei e entrei em meu quarto, que estranhamente tinha cheiros de orquídeas, minhas flores favoritas. Peguei meu pijama verde, coloquei-o e deitei-me. Fiquei em pensando se um dia podia ser feliz, se um dia teria James, e foi com isso que adormeci.

Enquanto dormia sonhei com fatos estranhos, não era nada objetivo, era algumas cenas que vinham em minha cabeça sobre James.
Ele me beijava, saia correndo, e eu o seguia, aparecia alguém com uma capa longa e preta, como se fosse a morte e dava a mão pra ele, virando de costas para mim, pude perceber nele marcas de sangue em suas costas, e quando ele virou-me para olhar ele não tinha a parte da frente do seu corpo, era só a carne que aparecia e o seu coração parecia que ia estourar! Eu pude ouvir.
- Tchau Lily.
Só tive uma única reação enquanto ele se afastava. Gritar:
- AH! NÃO SE VÁ JAMES! – eu gritei o mais que pude.

Foi quando acordei deitada em minha cama, o sol saia para mais um dia, e eu estava assustada com aquele pesadelo. Eu ouvia barulhos, como quem caminhava rapidamente, foi quando entraram pra dentro [N/A: De novo! N/B: UHASUHASUHSA] do meu quarto, todos me olhando, vendo o suor em meu rosto assustado.
- Lily, você está bem? – perguntou Polie.
Eu não consegui falar, aquele sonho havia sido muito assustador.
- Lily, tu está bem? Para de nos assustar e fale com a gente! – dizia Mandy.
- Oh, desculpe, meus amigos, eu tive um pesadelo por isso fiquei dessa maneira. Podem voltar a dormir, não me importo. Eu ficarei acordada. – eu disse.
Todos iam se retirando do meu quarto, enquanto eu via as horas. Não era tão tarde, era por volta das oito e meia da manhã. Foi quando percebi que Lene e Six continuavam ali parados, me olhando.
- Vocês não vão voltar a dormir? – eu perguntei.
- Não, por que nós três vamos ao shopping fazer compras. – disse Sirius. Foi impressão minha ou isso soou GAY? O.o Se alguém mais achou ligue para: 0800-ISSOFOIGAYSIRIUS-24, se você acha que não foi gay ligue para: 0800-ELEÉPERVETIDO-69. E se concordem levantem a mão e se não concordam levantem o pé! Skosaksoaskasoksaoasks [N/B: Doida! :p]
- VAMOS AO SHOPPING! – eu gritei! Foi quando taparam minha boca! Estão me seqüestrando! Meu papai do céu me proteja e se não der, como sempre fui nerd me mande pro céu, porque inferno é lugar de safadeza (6).
- Sabe Lily, ESTAMSO tentando fazer uma surpresa, mas se você ficar gritando, as pessoas irão se auto convidarem para ir com nós, e daí surpresa não existe mais. Sakas? – me disse Six.
- O me desculpe caros colegas. – eu disse.
- Lily, antes que me esqueça! SHUT UP PLEASE! – Lene me disse.
- Hey Lene, eu te amo! – eu disse. De alguma maneira me deu um aperto no coração, estou com medo.
- Oiin! Que coisa linda da titia Lene! – Lene me disse.
- Senhoritas, se lembrem tem o Six – ele disse fazendo carinha de cachorro sem dono.
- Vamos pro shopping, mas deixem-me fazer uma ligação. – eu disse.
- Não, você está de férias, e bom, os médicos estão cuidando bem de James. – Sirius disse.
- Eu pago a conta do meu celular, por isso posso usá-lo quando quero. – eu disse. Mostrei pra eles quem manda!
- Bom, ontem pra garanti que você viesse, eu e Sirius cancelamos ligações do seu celular. Não podemos contar como, mas conseguimos isso. – Lene disse. Eu vou matar os dois de maneira bem cruel e dolorosa, pra eles sentirem como é se meter com uma ruiva estressada e louca das idéias. Pega-los e coloca-los numa esfinge de cão dos Estados Unidos.
- COMO VOCÊS PUDERAM FAZER ISSO COMIGO? EU VOU ME AFOGAR NUM COPINHO DE SUCO, JÁ QUE COCA COLA DÁ CELULITE E DEIXA OS PEITOS CAÍDOS COMO O DA LENE! – eu disse. Eu nem sou escandalosa. ;)
- Lílian Evans reaja! – me disse Lene acertando um tapa na cara!
Hoje é o dia, tire Lílian Evans para louca, quer ajudar-me bata, me toque na paredee me chame de lagartixa, entre outros.
- Como vocês foram capazes? Mas eu ainda recebo ligações? – eu perguntei.
- Sim, você só não poderá ligar! – disse Six
- Eu digo que vocês ainda irão me pagar. – eu disse com uma carinha de má! (6) Realmente eu sou diabólica Muahahaha.
Logo após isso tomamos um café da manhã super bom, feito pelo cozinheiro, ou melhor, trazido da padaria, pois o dia que um dos Mckinnon Black cozinharem, eu desaprenderei a nadar. E num clima de amizade saímos pro shopping, mas Lene estava usando uma peruca loira, bem cat. E isso que dá ser famoso, tem que colocar peruca pra ninguém te achar na rua, ou será porque além de peito caído ela ta com os cabelos caindo? Asksaoaskasosakasoksaoasksaoksasaosak.
O shopping como sempre estava lotado, pois havia algo acontecendo de muito importante, mas não sei o que era, fomos direto preparar a surpresa apaixonante de Six.

[Narrado por James... ou pela alma dele! :/]

Eu continuava num pesadelo que nunca teria fim, eu não sabia o que ia acontecendo da minha vida, nem que caminho tomar, eu via imagens em todos os momentos, parecia estar em outro lugar, ou pelo menos na minha própria consciência. Eu via luzes, ou pelo menos duas por dia, uma era pra eu seguir, e na outra tinha minha vó me dizendo para ir ao encontro dela, bom, sendo assim, as duas eram pra eu seguir.
Eu não sabia quanto tempo estava tendo aqueles mesmos pesadelos, eu não sabia como eu iria sobreviver, eu conseguia as vezes sentir um pouco de dor, não sabia como, mas me repassava as cenas do acidente. Isso me trazia uma dor e solidão, eu parecia ouvir todos os dias uma voz harmoniosa de um anjo, eu pelo menos acreditava. Aquelas cenas me corroíam por dentro, cada dia e noite, a cada momento, eu precisava descobrir uma maneira de sair daqueles pesadelos, e eu tentava mais uma vez...
- AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH! – eu gritei. Vi-me em um hospital, com traje de hospital, algumas agulhas intravenosas em meus braços. Eu procurava entender como eu estava, pelo que percebia numa sala, diferente das normais de um hospital, uma mais sério, pelas cores e objetos lá presentes. Foi quando vi um médico aparecendo em meu quarto(?), como poderia chamar aquele local onde me encontrava?
- Senhor Potter, finalmente recobrou a consciência. – me disse o médico.
- Olá, me chame de James. Recobrar a consciência? Como, eu só estava dormindo, pelo menos eu sempre achei isso, e...
- Não senhor Potter, você esteve em coma durante um tempo, e finalmente conseguiu acordar, a sua médica tinha razão ou esperança. Chamarei um enfermeiro e irei encarregá-lo de ligar para doutora Evans avisando que acordastes.
- Médico, por favor, quanto tempo estive em coma? Quem é a doutora Evans? – eu disse angustiado, precisava de respostas o mais rápido que eu podia.
- Senhor Potter, permita-me examiná-lo que depois eu lhe falo tudo. – me disse o médico. Será que ele não entendia o desespero que eu estava por ter respostas urgentes, por que eu fiquei em coma por tempo indeterminado, pelo menos pra mim.
Ele começou a bater em meus joelhos, não sei o porquê, acho que era para ver se eu tinha reflexos. Sorte que no dia do acidente eu estava de cinto, se não eu teria perdido minha coluna e teria que usar uma cadeira de rodas.
- Sorte que o senhor usou cinto de Segurança, se não você poderia ter se dado mais mal. – o médico me disse. Eu leio pensamentos agora, vamos ver... Uhuuuuu... Eu não li pensamento, que saco, estava contente por ter uma habilidade mental melhor do que dos outros.
Foi quando ele começou a me fazer perguntas:
- Senhor, qual é seu nome?
- James Potter.
- Senhor, qual o nome de sua mãe?
- Vivian Evans Potter.
- Ok, normal. – o médico falou.
- Eu vou lhe pedir que siga a luz, com seus olhos, ok? – o médico me disse.
- Tudo bem doutor. – eu disse.
Ele começou a balançar uma lanterninha pra cima e pra baixo da direita pra esquerda, era totalmente alucinógeno, será que tomei chá de cogumelo?
- Você está bem, mas ficará em observação no hospital até quinta. – disse o médico
Foi quando entrou um enfermeiro loiro e alto, que me lembrava Isabela, como será que ela está? Ou melhor, será que a Lily não matou ela?
- Enfermeiro John, ligue para Doutora Evans e avise-a que o paciente Potter, saiu de coma. Faça isso o mais rápido que puder. – o médico disse em um tom grave.
- Ok doutor Montgomery! – disse o enfermeiro que se chamava John.
Agora havia descoberto o nome dele, era Montgomery.
- Doutor, eu gostaria de saber quanto tempo fiquei em coma, e quem a médica Evans?
- Doutora Evans, é simplesmente a melhor neurocirurgiã da atualidade, não entendo até hoje porque ela não cobrou nunca de seus pais pelo serviço dela. Ela é simplesmente brilhante. Se não fosse tão jovem, eu convidaria para sair... – disse Doutor Montgomery, pelo jeito a doutora Evans era uma trintona.
- Mas como ela é? Qual é o nome dela? Ela é muito velha? – eu perguntei, não podia ser a Lily, pois ela precisaria de no mínimo 4 anos pra se formar, e eu não devia ter ficado em coma todo esse tempo.
- Ela é ruiva e os olhos delas são de uma cor indefinida, o corpo é esguio, com curvas tentadoras, e é alta. O nome dela é Lílian. Ela deve ser um pouco mais nova que tu, mas como foi brilhante em sua faculdade saiu de lá com prestígio. – me disse o médico.
Será que era a Lily, minha vizinha. Que disse que me amava?
Foi quando, percebo o médico saindo, e sem poder falar mais nada, me calo.


[Narrado por Isabela] [N/b: Vaca!]

Eu estava em meio há um comício no shopping da cidade, quando meu celular começou a tocar, finalmente poderia sai da chatice que era, por que havia começado de manhã, e já passou das 17 horas e ele ainda não acabou. O celular que me salvou!
- Senhorita Isabela, como está? Aqui é John, seu primo! – ele me disse.
- Vou bem, mas porque diabos você me liga? Você não é meu primo! Pelo menos eu não te considero como da família! – eu disse.
- Apesar dessa cordialidade comum sua, eu gostaria de lhe avisar, que James Potter saiu de coma, e que doutora Evans ainda não fora avisada. – ele me disse.
- Já estou indo pra aí! – eu disse, saindo do shopping a caminho do meu conversível rosa, e saindo as pressas pro hospital. Se a doutora Evans não havia sido avisada, muito menos a família de James havia sido. Então...
Quando me dei conta já estava em frente ao hospital, entrei lá com pose de rainha, ou melhor, pose de vereadora daquela cidadezinha.
- Olá Isabela! – eu ouvi uma voz por trás me chamando.
Era John, que já trazia roupas preparadas pra mim.
- Olá John. Me leve até o quarto o quanto antes. – eu ordenei.
- Se vista e me acompanhe. – ele me disse.
Subi por longos andares, eu já sabia de cor como chegar lá, mas precisava da ajuda dele, por que se fosse pega ficaria sem resposta.
- James! – eu cheguei abraçando-o.
- Isabela? – ele me perguntou.
- Sim, você ainda se lembra de mim, que ótimo! – eu disse. – Senti tanto sua falta, não sabe como foi interminável a espera por ti ao longo desses cinco anos.
- Eu estava de coma durante cinco anos! – ele disse
- Sim, cinco intermináveis anos, mas por sorte, sua mãe foi uma gênia, quando decidiu tirar a Lílian de seu caso, pois ela não curava você nunca, ela até te induziu ao coma durante um ano. – eu disse cinicamente.
- Lily me induzia ao coma? – ele me perguntou.
- Sim, ela logo após o acidente sentiu-se culpada e se formou como médica, até hoje não entendo como, pois na faculdade ela era tão promiscua, pra não dizer vagabunda. – eu disse.
- Lily vagabunda? – ele me perguntou.
- Sim, ela mudou totalmente após o acidente. – eu disse.
- Não posso acreditar, eu ainda tinha esperança dela ter me esperado. – ele disse.
- Eu te esperei todo esse tempo James, e vou esperar até quinta, esperar você ser liberado para começarmos uma nova vida. – eu disse.
- Tudo bem Isabela. – ele me disse.
- James eu vou indo, mas não comente com ninguém o que lhe falei, pois todos vão tentar-te dizer que é o contrário. Beijos – eu disse beijando em sua boca.
- Tchau Isabela! – ele me disse.
Eu havia disseminado o veneno nas correntes dele, ele jamais acreditaria na casta Lily!


[Narrado por Lily]

Quando deram 20 horas, saímos do shopping, pois havíamos passado o dia inteiro lá, e sabe, cansa, a surpresa estava armada pra quinta. E nós faríamos algo que Mandy jamais esqueceria.
Meu celular estava fora de área o dia inteiro, não sabia o porquê, mas ele estava sem área. Maldito celular!
Após o longo caminho de carro, que durou cinco minutos, chegamos em casa, e encontramos todos, conversando e revendo fotos. Pude perceber que na casa dos Potter não havia nenhuma luz ligada, como se eles estivessem saído. Estávamos todos cansados, pois pelo que Polie contara, eles ficaram o dia na piscina, aproveitando o sol.
Comemos e fomos dormir.

Quarta havia um lindo dia de sol, e aproveitamos a piscina, eu estava cada vez mais relaxada, como se não houvesse mais nada pra fazer. E assim decorreu-se mais um dia.

Quinta havia chegado de maneira rápida. Em todos os jornais havia notícias, sobre acidentes e tals, mas fiquei com preguiça de ler, estava sendo preguiçosa demais durante todos esses dias de férias. Acordamos bem cedo, eu, Six e Lene, e fizemos um café da manhã para Mandy, enquanto isso Polie e Remo saíam de casa. Eles iriam ao hospital fazer uma ecografia, pois Polie estava de três meses, e queria saber como estava o bebe! Meu afilhado!*___* A casa hoje seria só de Sirius e Mandy. Sirius havia colocado em cada canto, uma mensagem, uma carta para Mandy, todas escritas por ele, e no caminho até o quarto dela havia várias pétalas de rosa. Ela com toda certeza amaria.
Eu e Lene após o café da manhã, fomos ao shopping, esquecer de tudo. E por lá passaríamos o dia até as 18 horas, que seria o momento de voltar para casa.


[Narrado por James]

Nem acreditei quando vi minha mãe, ruiva como sempre fora, com seus olhos azuis brilhando. Deveria ser a maior felicidade pra ela me ver acordado.
- Mamãe! – eu disse.
- James, meu filhinho! Que saudades eu tinha de você! – ela me disse.
- Mamãe, eu vou sair com minha noiva. Não precisava ter se incomodado de vir me buscar. – eu disse.
- Noiva? E a Lily nem me avisou, mesmo estando do lado de casa. – ela me disse.
- Não é a Lily, é a Isabela. – eu disse.
- Filho, mas a Isabela foi uma das causas do seu acidente. Lily esteve em todos os momentos com você – minha mãe me dizia.
- Mamãe aceite, irei me casar com Isabela, por que a Lily não presta. – eu disse em tom forte.
- Se é o que você quer, eu te respeito nessa decisão. – ela me disse.
- Senhor Potter, irei assinar sua saída, pois a Doutora Evans está de férias. A secretária dela me avisou ontem sobre isso. – Doutor Montgomery me disse.
Foi quando Isabela chegou:
- Meu amor, já pode ir? Vamos, pois amanhã temos o jantar de noivado. Podem ir senhores Potter. – Isabela disse.
Eu não sentia nem metade do que sentia por Lily com Isabela, mas era o que devia fazer!
- Pais eu espero vocês lá! – eu disse me levantado e saindo com Isabela.
Eu saia daquele hospital, e pude ver milhões de câmeras na porta, querendo me entrevistar.
- Senhor Potter é verdade que amanhã será seu jantar de noivado com Isabela? – me perguntava um repórter.
- Prefiro não falar nada a respeito, mas haverá um jantar de noivado amanhã! – eu disse.
Pelo jeito eu seria a manchete amanhã.
- James – eu ouvi minha mãe gritando.
- Sim mamãe! – eu disse.
- Sábado lá em casa churrasco, quero você lá! – ela disse.
- Sim mãe, eu estarei lá!
Lá ia eu pro inferno, de jantar de noivado, pois estava tendo que ajudar em todos os detalhes do jantar as pressas.
As cores e detalhes fúteis, eu ainda não sabia como aceitei me casar com Isabela.

N/A: Gente, o capítulo final, na verdade vai ser dois! õ/
James acordou a pedido na verdade pra salvar a minha vida de vocês ! *__*
EU AMO VOCÊS! *__* Quase 700 coments! Eu nem imaginava! /autora chorando/
A última parte já esta escrita e já ta com a beta!Mas não sei quando vem! Vai depender da beta e do meu humor! 
Beijos PESSOAS MAIS ESPECIAIS *__*
Beta TE AMO ♥
Beijos e Tchau!

N/B: Ok! Todo mundo sabe que eu odeio a Isabela! ¬¬
Não vou mais falar nada sobre ela! U_U
Okok! Ameeeeeeeeeei a primeira parte! *-*
Gente ta demais! õ/
JAMES ACORDOU! *________*
AEAEAE! Ashuhsahasuhuash
Mas ta acabando a fic! =’(
Pouxaaa! u_u

Então beijãão Nath! Amo tu autoraa! õ/

E COMENTEM!

;*

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.