FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

14. Capítulo XIV


Fic: The Devils bride - Epilogo postado


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Oi, oi povo!!! Quem foi que acertou o bolão hein?rs
Bora ler mais um capítulo!!


 


RiemiSam: É, não culpo a Hermione de se aproveitar do marido... Eu também faria isso, rsrsrs
Sim, esse é um problema complicado, vamos torcer para que nada aconteça e descubram o segredo dele....


 


MRC: Opa, está na hora de acertar na mega sena, hein!rs
Sobre suas outras questão, aconselho que leia o capítulo. Não vou comentar, garanto... vai ser interessante...
Tenho Face e Irei adiciona-la, pode deixar ^^


 


Carla Cascão: Hei, você já me mandou um pouco do frio? Hoje o dia estava bem melhor, valeu! Manda mais!! Rsrsrs
Sim, a MRC estava certa. Vai formulando suas teorias aí, porque tem muita coisa à ser resolvida...


 


Lembre-se, comentar nunca é demais!


 


Bjs, uma boa leitura!
 








*****





 


Os dois cavalgaram em silêncio a princípio porque Hermione desejava que o marido devesse desfrutar o prazer de estar ao ar livre. E havia muito a ser apreciado.


A temperatura mantinha-se fria, porém suportável, sob um céu de anil pássaros cantavam e pulavam nos galhos secos das árvores. Feliz por se ver livre das sombras do castelo, ela inspirou fundo, cheia de contentamento. Como era possível Draco não se sentir mais vivo em contato com a natureza? Embora tivesse pedido aquele passeio como presente de natal ao marido, bem no fundo estava certa de tê-lo presenteado, dando-lhe oportunidade de escapar a um interior abafado e sombrio.


Depois de um certo tempo ela começou a descreve a paisagem, inclusive detalhes que normalmente não prestaria atenção: o reflexo do Sol nas poças de água, o brilho das pedras úmidas, os formatos variados dos galhos secos contra o céu, o buraco feito por um camundongo, sob um tronco oco.


Seu plano era levar o marido até a cascata que Blaise tinha lhe mostrado, porém ainda não haviam sequer penetrado na floresta quando Draco puxou as rédeas do cavalo.


― Já estamos na floresta ― ele falou num tom acusatório.


― Sim. Quero lhe mostrar uma coisa.


― Me mostrar? ― aquelas duas únicas palavras carregavam todo o sarcasmo do mundo.


― Eu queria levá-lo a um lugar especial, um lugar lindo dentro da sua propriedade.


― Hermione... ― o loiro murmurou, a voz pesada de emoção. ― Você parece se esquecer... Não na floresta. ― porque lá não poderei defendê-la, ele pensou, incapaz de falar alto aquilo que jamais imaginara que um dia viria a dizer.


Filho bastardo de um conde, Draco aprendera desde cedo a cuidar de si mesmo, a lutar para atingir seus objetivos, a provar o seu valor. E provara sua capacidade vezes sem conta, até que finalmente o rei lhe dera Dunmurrow como recompensa pelos serviços prestados.


Não era a mais próspera das terras, entretanto poderia sentir perfeitamente satisfeito se não fosse pela grande ironia do destino. Agora que conseguira alcançar seus propósitos, não tinha como manter o que lhe pertencia por direito. Oh, claro que havia Blaise e seus homens, acampados não muito longe do castelo, e sempre de prontidão. Mas será que sem o lorde para liderá-los, eles, seriam capazes de defender Dunmurrow com o empenho necessário?


A pergunta o assombrava constantemente, porém nunca com tanta força quanto agora, quando a realidade da sua situação se mostrava tão impiedosa. Já não estaria defendendo apenas um solo rico, aldeões esforçados e um velho castelo, mas sim uma mulher única e perfeita, uma criatura mais preciosa do que a própria vida. Ter consciência da sua incapacidade para protegê-la o fazia odiar a si mesmo.


― Tem um lago logo adiante, uma espécie de piscina...


O tom hesitante e magoado de Hermione deveria ter esfriado sua raiva, contudo não foi o que aconteceu. Oh, Deus, será que aquela mulher não percebia os perigos que podem se esconder no meio das árvores? Embora Filch os seguisse, a uma distância discreta, acompanhado de mais seis soldados, dezenas de coisas poderiam acontecer em questão de segundos, como o ataque de animais selvagens, por exemplo. A dor de ser deficiente era tão grande que chegava a ser insuportável.


― Sim, eu sei ― Draco falou afinal.


― Então você conhece o lago com a cascata? Quer dizer que já esteve lá?


― Sim, já passeei por aqueles lados.


― Pensei que você nunca havia visto suas terras.


― Vim a Dunmurrow assim que consegui alguns dias livres, pois estava ansioso para conhecer o tesouro que me viera parar nas mãos. ― um tesouro que perdera todo o brilho e do qual abriria mão em troca da visão. Mas nada daquilo era culpa dela, portanto não fazia sentido deixar transbordar a amargura guardada no peito. Também devia à esposa o presente de Natal.


― Era um lugar lindo quando o vi no verão passado, a grama verde e macia rodeando toda a piscina. Certa vez tomei banho lá e a água era clara e limpa.


― Eu sabia que devia ser um ótimo lugar para se tomar banho! Venha, vamos, não está longe.


Agindo contra o bom-senso, o loiro cedeu ao desejo da esposa e deixou o cavalo levá-lo para dentro da floresta.


― Aqui estamos. ― os dois puxaram as rédeas e ficaram imóveis. Malfoy podia ouvir o ruído da água deslizando sobre as pedras e do vento balançando os galhos ressecados. Se quisesse, poderia criar a imagem em sua mente com facilidade, mas preferia não fazê-lo. Portanto permaneceu muito quieto, recusando-se a partilhar o prazer da esposa e desejando voltar para o castelo mais depressa possível.


― Draco! ― a voz feminina, baixa e cheia de contentamento, arrancou-o dos pensamentos sombrios. ― Eu estou vendo!


― Vendo quem? ― ele indagou alarmado.


― O veado branco!


Será que sua mulher o acreditava capaz de se deixar influenciar por contos infantis?


― Por favor, não deboche. Ele está bem ali, do outro lado das árvores, todo branco, uma cabeça grande, coroado de chifres enormes. E está olhando diretamente para nós...


Se o movimento não doesse tanto, teria revirado os olhos. Que história esquisita sua esposa estava inventando? Com certeza ela seria mais feliz assumindo o papel de castelã, com todos os seus intermináveis deveres, do que brincando de faz-de-conta no meio da floresta. Talvez ela achasse que a falta de visão o tinha tornado menos inteligente.


― Chega, vamos embora. ― então um barulho no meio de um arbusto chamou-lhe a atenção.


― Desvie para a esquerda, Draco! Ele está correndo bem na nossa direção!


Ele? O quê? De repente tudo em que conseguia pensar era em javalis, tão comuns naquela época do ano. Santa Mãe de Deus... Enquanto puxava as rédeas do cavalo para a esquerda com uma das mãos, a outra pousava sobre o punho da espada, mas não teve coragem de desembainhá-la temendo ferir a esposa, pois não sabia a posição exata onde ela se encontrava.


O som de cascos atiçou seus sentidos de uma maneira terrível. O cavalo de Hermione, apavorado, dava pinotes e coices para o ar descontroladamente. Agarrado ao punho da espada, Draco sentia-se preso a um sonho apavorante, onde descobria-se cego e indefeso diante do perigo. Então a pior parte do pesadelo ganhou vida. A castanha gritou e logo ouviu-se o som de um peso caindo na água. E depois um silêncio total e apavorante, mais apavorante do que qualquer ruído.


― Hermione? ― Draco chamou-a, porém não obteve resposta alguma. Ou ela havia sido raptada por um cavaleiro rápido e solitário ou então se encontrava no fundo do lago, incapaz de responder. A dor que a ideia lhe causava era tão grande que Malfoy atirou a cabeça para trás e gritou, tentando aliviar, a angústia que ameaçava sufocá-lo. Os soldados que os acompanhavam não demorariam muito a chegar, mas cada minuto era vital. Quanto tempo sua esposa aguentaria sob as águas frígidas? Ninguém sobreviveria a uma imersão prolongada.


Sem hesitar um segundo, ele desmontou, arrancou elmo e a capa e os atirou para o lado. Então começou caminhar na direção do lago, esforçando-se para formar uma imagem mental dos arredores. Porém, aquele mesmo homem que se mantivera sob um controle de ferro mesmo nas batalhas mais sangrentas, agora sentia-se ameaçado pelo pavor de perder a. única coisa que lhe era preciosa no mundo. Ele gritou outra vez, cheio de medo e frustração, amaldiçoando sua deficiência. Então um movimento na água chamou-lhe a atenção. Agarrando-se esperança de que se tratava da esposa, e não de uma ave ou de um animal qualquer, mergulhou.


A água estava gélida e o obrigou a vir à tona para respirar. Enchendo novamente os pulmões de ar, voltou a mergulhar na direção em que ouvira o som. Daí a instantes tornou a emergir, ofegante. Nada. Naqueles breves instantes, Draco rezou com mais fervor do que fora capaz de fazê-lo desde que ficara cego.


As súplicas pareceram diminuir a intensidade do pânico e ele procurava se convencer de que seria capaz de salvá-la porque o lago não era tão grande assim. Com todas as suas forças tentava ignorar o outro pensamento, apavorante e insidioso, de que seria obrigado a enfrentar a vida sem Hermione. Inspirando fundo, mergulhou e estendeu os braços para a frente, ansioso para encontrar algo que não fossem as plantas e algas que teimavam em impedir o seu progresso.


Dali a segundos veio novamente à superfície para respirar e retornou à busca, movendo-se o mais rápido possível, as mãos tateando as profundezas num desespero mudo. Se ao menos pudesse ter certeza de que se mantinha na direção certa sem se desviar, sem voltar atrás, sem explorar a mesma área vezes e vezes sem conta...


Seria imaginação sua ou seus dedos, quando afastara algumas plantas, haviam mesmo esbarrado numa coisa escorregadia, talvez um membro frio e inerte? Com movimentos frenéticos, afastou a vegetação até tocar num dos tornozelos de Hermione. Atordoado pela falta de ar e pela boa sorte, Draco pegou o corpo da esposa e tomou impulso na direção da superfície.


Inspirando o ar aos borbotões, ele nadou com braçadas fortes e vigorosas na direção da margem. Então, erguendo-a nos braços, procurou terreno firme, tentando não escorregar nas centenas de folhas e gravetos úmidos que infestavam a área. Enfim encontrou um lugar que julgava firme o suficiente, o mais afastado possível das margens.


O frio intenso castigava-lhe o corpo molhado, penetrando-o até aos ossos. Porém o extremo desconforto em nada se comparava ao terror que lhe ia na alma, ao medo que apertava seu coração com garras afiadas. Oh, Deus, será que as preces fervorosas haviam sido em vão? Será que todos os seus esforços haviam servido para nada a não ser levar o corpo sem vida da esposa para casa?


― Não! ― Malfoy gritou para o infinito. Não permitiria que a morte dela se transformasse num fato consumado. Agindo como se a simples força da sua vontade pudesse revivê-la, colocou-a de pé, apoiando a figura inerte de encontro ao peito, e começou a massagear as costas frágeis com movimento rápidos e vigorosos, tentando, desesperadamente, fazer a água sair dos pulmões enquanto procurava não se entregar ao pânico crescente.


― Hermione, Hermione, amor, meu amor, por favor... Por favor, respire!


Quando enfim a ouviu cuspir e tossir, engasgada, o loiro experimentou uma alegria e um alívio tão grandes que teria chorado de pura alegria.


― Draco... ― murmurou, ainda tendo enorme dificuldade para respirar. ― O que aconteceu? Estou congelando!


Dominado por uma emoção fortíssima, Malfoy teve vontade de cair de joelhos e agradecer aos céu, a graça alcançada. Então abraçou-a, como se nada no mundo pudesse afastá-los.


― Meu lorde! ― ao ouvir a voz de Filch, Draco ergueu a cabeça. Embora parecesse uma eternidade desde que sua esposa caíra nas águas geladas do lago, tinha consciência de que pouco tempo se passara. Seus homens haviam chegado o mais rápido possível e não mereciam qualquer tipo de repreensão. Na verdade, eram mais do que bem vindos.


― Filch! Me dê a sua capa. É para minha lady. ― imediatamente o servo ordenou aos soldados para manterem distância e fez o que lhe foi pedido. ― Minha lady irá para o castelo antes de mim. E jamais voltará a cavalgar naquele maldito palafrém[1] outra vez.


― Foi por causa do veado! ― Hermione apressou-se em protestar, os dentes batendo de frio. ― O danado do veado branco veio correndo bem na minha direção, como se quisesse me fazer mal! Juro, em nome da Mãe de Deus, que nunca, nunca mais, acreditarei nas histórias ridículas de Molly.


Draco sorriu, feliz por estar abraçando uma mulher enfurecida, não a criatura fria e inerte que arrancara do fundo do lago. Viva, e cuspindo fogo, estava sua lady, graças a Deus.


― Um talismã! Uma promessa de futura boa sorte! Quanta bobagem! ― resmungando, ela afastou-se do marido e começou a caminhar na direção do cavalo que Filch lhe oferecia.


Ao sentir o vazio entre os braços, Draco teve a sensação de que jamais poderia controlar os tremores que o sacudiam de alto a baixo, embora não soubesse dizer se tremia de frio ou se tratava apenas de uma reação ao desastre que quase acontecera. Esfregando os braços numa tentativa de aquecer-se, percebeu, pela primeira vez, que, contrariando toda a lógica, salvara a esposa de morrer afogada. O feito o impressionava.


Gelado até aos ossos, Malfoy piscou algumas vezes sentindo-se repentinamente atordoado. No meio de toda a confusão do resgate, percebera algo diferente. Algo que lhe fora sussurrado pelo vento, algo quase inacreditável e maravilhoso demais para ser ignorado.


Pela primeira vez, em meses, seus olhos estavam livres da dor.


― Um veado branco... que bobagem! ― Hermione tornou a resmungar.


― Talvez sim... ― Draco sussurrou para si mesmo. ― E talvez não.


 


 


 


Sentada junto à lareira dos aposentos principais, Hermione aguardou que Filch trouxesse água quente. Quando a banheira de madeira já estava cheia, Draco despiu-se, sem qualquer embaraço, e dispensou o servo.


― Pode sair agora. Minha esposa me ajudará no banho. ― se o Cavaleiro Vermelho pudesse vê-la agora, ensopada e desgrenhada como um rato afogado, provavelmente pensaria duas vezes antes de jogar-se num lago gélido para salvá-la. Ao fitar o marido, nu em toda a sua beleza viril, foi tomada de uma emoção intensa. Não se cansava de admirá-lo.


Consciente da sua cegueira, o loiro não demonstrava qualquer pudor em relação ao próprio corpo. Por isso expunha-se com elegância e naturalidade, uma verdadeira estátua talhada em músculos e tendões, pele dourada e membros bem torneados. O fogo lançava um brilho avermelhado sobre a figura imponente, quase fazendo-a perder o fôlego. Mais do que nunca, naquele momento, Draco Malfoy encarnava o próprio Cavaleiro Vermelho. Grande, poderoso e mortal.


― Venha, Hermione, venha para a água. Você precisa de ajuda para tirar as roupas molhadas?


― Não. ― realmente não lhe passava pela cabeça chamar Molly. A criada nunca poria os pés no covil do barão Malfoy. Segundos depois livrava-se do vestido e ficava inteiramente nua a poucos passos de distância do marido. Uma sensação de frio e calor percorreu-a de alto a baixo, excitando-a de uma forma insidiosa e sutil. Os dois já haviam partilhado de uma intimidade total muitas vezes, mas quase sempre protegidos pela escuridão...


Havia alguma coisa erótica no reflexo avermelhado que o fogo da lareira lançava sobre o peito forte do marido, sobre os ombros largos, os cabelos claros...


― Você quer que eu o ensaboe? ― ela perguntou baixinho, a voz rouca, cheia de expectativas.


― Sim, mas entre logo nesta banheira antes que você fique enregelada e morra de frio.


― Você quer que eu entre nesta banheira... com você?


― Isso mesmo. Por acaso você está sofrendo de um ataque repentino de modéstia e timidez, esposa? Trata-se da mesma mulher que ainda ontem me forçou a ficar imóvel enquanto me dava um prazer intenso com a boca e as mãos? ― sorrindo sensual, Draco pegou-a pelo pulso e Puxou-a na direção da banheira.


Seria impossível resistir. Ao sentir os dedos fortes tocarem-na, a castanha entrou na banheira e sentou-se defronte ao marido, a água cobrindo-a até a altura dos ombros. Apesar de grande, a banheira não tinha espaço suficiente para acomodar duas pessoas, especialmente quando uma delas tinha uns bons dois metros de altura.


Assim Draco flexionou os joelhos para aumentar o espaço.


― Devo ensaboá-la primeiro?


Por um momento, percebendo a luz do fogo refletida nos olhos cinzas, Hermione poderia jurar que o marido era capaz de vê-la. Então, antes mesmo que tivesse chance de responder, ele segurou um de seus pés e começou a ensaboá-lo, devagar e carinhosamente.


Fascinada, não conseguia desviar o olhar da figura sólida, por alguns instantes satisfeita que ele não podia enxergá-la. Cada movimento de Draco traduzia o prazer com que a tocava e logo ela sentia o calor do desejo correr em suas veias como uma droga potente. Quando as mãos masculinas, escorregadias e experientes, tocaram-na nos seios, gemeu alto, incapaz de controlar a onda avassaladora de paixão.


― Draco, Draco...


Ele se inclinou ainda mais para a frente e, pela primeira vez, Hermione realmente o viu tomar um de seus mamilos na boca. Pela primeira vez, pôde perceber os cabelos louros espalhados sobre a sua pele enquanto ele sugava o mamilo com força, fazendo-a se contorcer de puro prazer. Num movimento inconsciente, ergueu os quadris, procurando alívio para o ardor entre as coxas. Logo o marido a massageava no ponto escondido da feminilidade.


Draco continuou acariciando-a sob a água enquanto deslizava a língua pelos seios empinados, saboreando cada centímetro da pele quente e macia. Transtornada pelas sensações imperiosas que pareciam virá-la pelo avesso, a castanha forçou os quadris na direção das mãos masculinas, gemendo alto ao sentir os dedos firmes a penetrarem num movimento rápido e preciso. Sem que pudesse controlar, atingiu o êxtase, o corpo inteiro sacudido por tremores incontroláveis.


Abraçando o marido com força, apoiou a cabeça de encontro ao pescoço molhado, surpresa com o poder que emanava daquele homem, um poder que, sabia agora, não tinha nada a ver com feitiçaria ou com as forças do mal. Era, simplesmente, o poder do amor.


― Agora me deixe... ensaboá-lo, querido.


Embora percebesse os sinais de extrema tensão sexual no rosto do marido, ela se entregou à tarefa devagar, querendo desfrutar de cada instante de intimidade. Era maravilhoso sentir o corpo sólido sob seus dedos, os músculos firmes e bem torneados, as pernas atléticas, cobertas por uma camada de pelos dourados e, entre as coxas... Hermione fechou os dedos ao redor do membro intumescido, ele fechou os olhos e jogou a cabeça para atrás, abandonando-se por completo às sensações.


Ver o prazer estampado no rosto do marido, observar a intensidade da emoção que o consumia, era uma experiência nova e eletrizante. Será que a paixão masculina, uma vez livre das rédeas, a subjugaria...? De repente Malfoy abriu os olhos e puxou-a pelos quadris, acomodando-a sobre o pênis quente e pulsante. A água caía pelas bordas da banheira ensopando o chão enquanto ele a guiava num ritmo capaz de incendiar o sangue.


― É tão bom, querida... tão bom... ― murmurou deslizando as mãos pela pele molhada, acariciando seios e apertando os mamilos com força.


Com um sentimento que beirava a reverência, Hermione observou o rosto do marido, que, de olhos fechado parecia completamente transtornado.


― Me beije ― ele pediu, a voz rouca e urgente traindo o estado de excitação.


Os lábios de ambos se encontraram com sofreguidão, as línguas ávidas se contorcendo num duelo apaixonado. Draco repetia com a língua os movimentos de penetração feitos por seu membro ereto. Ao redor de ambos, a água borbulhava enquanto a fricção de seus corpos escorregadios os arrastava para um estado de excitação sexual quase insuportável.


Finalmente a castanha interrompeu o beijo para gritar o nome do homem amado. Então ela atingiu o orgasmo, as ondas de prazer chegando a ser dolorosas em sua intensidade. Segurando-a com firmeza pelos quadris Draco a manteve imóvel e enterrou seu membro até as profundezas do corpo feminino antes de lançar a semente da vida nas entranhas da esposa, um grito de prazer triunfante ecoando pelo silêncio do quarto e rompendo a escuridão como um raio de luz.


Hermione estava enfraquecida e ofegante quando finalmente saíram da água já fria e foram para a cama. No mesmo instante aconchegou-se ao corpo viril e reconfortante, sentindo-se completamente serena pela primeira vez desde que pusera os pés dentro do castelo Dunmurrow. Eu te amo, Draco, ela repetiu para si mesma e sorriu feliz. Quem teria imaginado que a sua escolha de marido acabaria se provando tão correta?


Jamais lhe passara pela cabeça apaixonar-se pelo Cavaleiro Vermelho e nunca imaginara as delícias que encontraria na cama, e no banho, conjugal. Ela corou ao pensar na maneira como o loiro a tinha amado. Embora as vezes anteriores houvessem sido maravilhosas, hoje à noite ele fora positivamente exuberante. Talvez porque ambos tivessem percebido o quão preciosa é a vida. Depois da experiência terrível de se ver à beira da morte por afogamento, Hermione passara a apreciar o simples fato de existir com um respeito renovado. E não havia um modo melhor de celebrar a bênção da vida do que amar o marido.


― Obrigada por me salvar ― murmurou carinhosa.


― Você valia a pena o esforço ― ele respondeu, apertando-lhe as nádegas.


Descansou a cabeça no peito largo, contente com as palavras um tanto desajeitadas do marido. Apesar do Cavaleiro Vermelho não tocar no assunto, ela sabia muito bem que o casamento forçado não fora de seu agrado. Porém não tinha dúvidas que, desde então, os sentimentos masculinos haviam se tornado mais ternos. Ou então por que um homem cego se atiraria num lago gelado em pleno inverno? Só de pensar no perigo que o obrigara a correr, sentia-se literalmente apavorada.


― Você poderia ter se afogado ou morrido congelado.


― Creio que nadar um pouco me fez muito bem.


Alguma coisa no tom de voz do marido chamou-lhe a atenção, levando-a a fitá-lo. Um sorriso tranquilo brilhava nos lábios sensuais.


― Como? ― indagou intrigada. Desde o início esperava uma repreensão por tê-los arrastado para o meio da floresta, expondo-os a toda sorte de imprevistos. Draco estava coberto de razão quando a alertara para os perigos de uma cavalgada ao ar livre. Entretanto, apesar da tragédia que quase acontecera, ele parecia bastante satisfeito. O que era de se estranhar.


― Pela primeira vez, desde a batalha em que perdi a visão, não sinto dor. Meus olhos não estão doendo ― ele falou num murmúrio que era quase para si mesmo.


― Por quê? Na sua opinião, o que teria causado isso? O frio? A água? ― Hermione sentou-se na cama e fitou o marido fixamente, como se aquela face viril pudesse revelar algum segredo. Mas como sempre a cama estava envolta na escuridão total e o rosto amado não dizia nada.


― Talvez a baixa temperatura tenha diminuído pouco a intensidade da dor ― ela falou afinal.


― Foi o que pensei a princípio, porém cada centímetro de meu corpo ficou aquecido durante o longo banho de imersão, e ainda assim continuo sem sentir nada, nem o menor desconforto.


Ela sorriu. Então ali estava a explicação para a noite um tanto diferente das outras. Pela primeira vez Draco não estivera lutando contra a dor constante que o incomodava desde o acidente.


― Se não foi por causa do frio... Só pode ter sido a água! Você costuma banhar os olhos com frequência?


― Eu o fazia no início, contudo as várias soluções que tentei não tiveram o menor efeito. A dor continuou.


― Isso foi a um bom tempo atrás ― ela protestou. ― Se você tinha mesmo estilhaços de pedra cravado nos olhos, alguns deles poderiam estar enterrados tão fundo que levaria meses até serem expulsos pelo seu organismo. A água provavelmente os puxou para fora. Talvez sua visão possa retornar! ― entusiasmada com a possibilidade, a castanha ergueu a voz, entregando-se à esperança.


Entretanto a reação do loiro foi inversa. Ele ficou rígido, o corpo inteiro tenso.


― Por favor, não alimente expectativas altas ou a decepção será maior. Eu não acredito em milagres.


― Não? ― ela perguntou desafiante, recusando-se a ter o entusiasmo diminuído. ― Você não acreditava na lenda do veado branco e veja só o que aconteceu! Pois o animal apareceu e não causou mal algum me atirando dentro do lago, mas apenas o bem.


― Você é supersticiosa demais, esposa.


Talvez, Hermione pensou, porém lembrava-se com exatidão do jeito com que o animal a olhara e o pensamento a fez sorrir. Há coisas em que vale a pena acreditar e no Natal tudo se torna possível, mesmo aquilo que o bom senso considera irrealizável.


 


 


 


As coisas começaram a acontecer de maneira gradual. Foi logo alguns dias depois da Epifania que Draco percebeu algo diferente. Toda manhã, Hermione costumava abrir as cortinas do quarto (quer ele quisesse ou não), antes de se preparar para enfrentar as tarefas do dia.


Como ela dava tanta importância ao seu corpo, parecendo não se cansar de admirá-lo, o loiro sabia que podia convencê-la a voltar para a cama se expusesse à claridade. Por isso aceitava que as cortinas fossem abertas sem reclamar. Mas assim que a esposa saía, chamava Filch e o fazia escurecer novamente o ambiente. Na verdade tinha um medo mórbido de que alguém aparecesse de repente e descobrisse o seu segredo traindo-o e entregando-o ao inimigo. Se isso acontecesse, o paraíso construído dentro das paredes de Dunmurrow não tardaria a virar um inferno. A escuridão o protegia.


Hoje era um dia como outro qualquer. Porém ao ouvir o barulho das cortinas sendo abertas e perceber a leve corrente de ar, ele tomou consciência de uma outra coisa: luz. A percepção foi tão brusca e inesperada que o deixou imóvel sobre a cama, sem saber como lidar com a sensação estranha. A sensação de que a escuridão o assombrava há meses perdera um pouco da intensidade.


― Draco, tenho que me apressar! ― Hermione falou, trazendo-o de volta à realidade. ― Hoje vou começar a organizar a tecelagem. Talvez muito em breve todos possamos ter algumas roupas novas para nos aquecer.


― Pois eu prefiro você sem uma única peça de roupa sobre o corpo ― Malfoy resmungou.


Ela riu, o som cristalino e encantador passando primeira vez despercebido aos ouvidos do marido. Ele só conseguia prestar atenção àquela luz tênue e abençoada. O que causara isso?


― Ah, se ao menos eu pudesse ficar mais um pouco.


― Não me provoque, mulher. ― sentiu os dedos delicados da esposa tocarem-no no peito, um perfume suave inebriando seus sentidos como um vinho potente.


Pouco depois ela se afastava para terminar de vestir-se, deixando-o verdadeiramente desapontado.


― Prometo que hoje à noite teremos todo o tempo do mundo.


― Talvez durante o jantar. ― ágil, Malfoy conseguiu beijá-la antes de lhe dar permissão para sair do quarto. ― Tome cuidado para não se esquecer da hora.


― Não se preocupe, querido. Eu jamais perderia a hora. Quer que eu mande Filch entrar agora?


― Não. Eu mesmo o chamo quando precisar.


Ao ouvir a porta sendo fechada, Draco, pela primeira vez, sentiu-se satisfeito com a ausência da esposa. Apesar de sempre sentir uma falta terrível de Hermione, hoje de manhã precisava estar só consigo mesmo, porque ainda não se sentia pronto para partilhar a recente descoberta.


Sequer chamou o servo. Apenas permaneceu imóvel como se tivesse criado raízes. Tinha medo de se mexer porque o movimento poderia destruir a luz. Quem sabe não estava apenas imaginando? Quem sabe a tênue claridade não passava de uma faceta da sua cegueira, destinada a atormentá-lo? Será que o quarto voltaria às escuras se fechasse os olhos por alguns segundos? Seu coração batia tanto no peito como se estivesse se preparando para enfrentar a mais terrível das batalhas e, na verdade, sentia-se mais assustado agora do que em nenhum outro momento de sua vida.


Contudo sabia que precisava agir, tomar uma atitude. Bem devagar, mas com firmeza, fechou os olhos. Então contou até a dez e tornou a abri-los. Não, não se tratava de imaginação. O mundo, que estivera imerso numa escuridão total por tanto tempo, agora se tornara mais claro.


Draco voltou a cabeça na direção da janela e a claridade intensa fez seus olhos lacrimejarem. O que significaria essa mudança? Trêmulo, encostou a cabeça no travesseiro e voltou a fechar os olhos. Mas desta vez os fechou procurando se proteger de uma emoção proibida... procurando se proteger da esperança.


 


 


 


Draco não disse uma única palavra sobre o assunto à esposa. Também permaneceu calado quando, alguns dias depois, começou a enxergar sombras e formas no meio do cinza. Mandou que Filch colocasse castiçais nos aposentos principais e se Hermione achava sua atitude estranha, ela não fez qualquer comentário. Com certeza acreditava que o marido procurava uma maneira de agradá-la e ele nada fez para tirar-lhe essa impressão.


Ao ouvir o barulho de passos, Draco ergueu a cabeça na direção do som. E lá estava: sua esposa, de pé, diante da lareira. Foi preciso uma enorme força de vontade para manter a compostura enquanto enxergava os contornos da figura esguia pela primeira vez na vida. Sem que conseguisse controlar, deixou escapar um gemido rouco, atordoado pela violência da emoção.


Hermione interpretou o ruído de outra forma, achando que o marido estava ansioso para possuí-la.


― Você não quer esperar pelo nosso jantar? ― indagou faceira, a voz bela e musical inundando-o de prazer.


― Não ― respondeu num tom rouco e ansioso, os pensamentos voando na direção da paixão. ― Quero possuí-la agora, sobre o tapete, no meio do quarto. ― só de imaginar o corpo da esposa sobre o seu, a luz do fogo iluminando a pele acetinada, sentia a virilidade imediatamente enrijecida.


― Mas Filch... ― ela protestou sem muita convicção ― Que Filch se dane... aliás, os dois! ― sorrindo, Draco levantou-se da cama e caminhou na direção da mulher. Então tomou-a nos braços, as mãos se fechando ao redor dos seios firmes, a boca se apossando dos lábios úmidos.


E sobre o tapete, diante da lareira, entregaram-se ao desejo que não tinha fim.


 






[1] Cavalo em que os soberanos e nobres desfilavam na Idade Média. Cavalo manso, normalmente destinado às senhoras.


 



Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Anne Lizzy Bastos em 30/01/2014

Adorando. O Draco vendo é demais!!!! Adorei.

Eu não esperava.que o segredo dele fosse esse, mas fiquei realmente surpreendida.
Adorei
 o capitulo. 
  

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Janaína Ferreira em 24/12/2013

Estou adorando o rumo que a história está tomando. Continua!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por RiemiSam em 17/12/2013

Alegre pelo Draco estar começando a enxergar e triste porque está indo para o final da história. Eu acho esse casal perfeito juntos. O perfeito do imperfeito..rs Acho que essa é a graça dos dois. Eu só comentei hoje porque faz alguns dias que não entrava na Floreios.  Caso não poste até o Natal. Um feliz Natal e um 2014 com muita Paz, Saúde e Inspiração. Um grande e fraterno abraço dessa leitora que te acompanha. 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Carla Balsinha em 16/12/2013

alô querida!Primeiro,peço-lhe desculpas,por não ter comentado antes,mas na semana passada fui comprar os presentes para a famíia,para além disso,o meu pegou uma tremenda constipação.mas é tão teimoso amiga!agora já está melhor....
Ora ainda bem,que gostou do frio enviado e obrigada pelo calorzinho sentido ontem!soube mesmo bem!
Mas,que marido este!também quero um assim!^^
Pois é Draco,os milagres existem e aparecem quando menos se espera....Mas,quando é que ele diz á hermione que está a voltar a ver??!
Beijinhos grandes.
Carla Cascão

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por M R C em 12/12/2013

que fofooooo, que homemmm meu deusss!!!!!!!

arriscar a própria vida pra salvar sua esposa , uauu ! que cena linda.

ver a superação e a força de vontade de um homem cego pra salvar o amor de sua vida.

confesso que esse draco se tornou muito diferente do que eu imaginva que seria no inicio da fic. me surpreendeu de uma forma positiva.

eu pensava que o cavalheiro vermelho seria um homem bruto e intragável que fosse cedendo à hermione ao longo do tempo. Mas decobrir que na realidade ele sempre foi um homem de bom coração, e por que não dizer, meigo?! isso foi uma agradável supresa, sem dúvidas.

 

e to pasmaaaaaa....parece que ele de fato vai voltar a enxergar tudo.

tadinho....que bom....fiquei tão feliz com esse final...ele enxergando a forma da esposa....que lindo lindo lindo.

to apaixonadíssima por esse persongem...sério...que homem ! hahahahhaha

 

me adicione no face simmm. to no aguardo.

beijos

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.