FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

20. Doze anos depois


Fic: Jogo de sedução


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

O dia amanheceu ensolarado e calmo. Pássaros cantavam despreocupados sobre a copa das árvores. Hermione já estava acordada, mas ainda mantinha os olhos fechados. Queria passar mais um pouco de tempo sentindo aquele cheiro bom, o cheiro que a fazia se sentir tão feliz.

Por mais que quisesse ficar ali por mais tempo, se forçou a levantar. Tinha ainda muitas coisas para resolver. Caminhou lentamente para o banheiro e tomou um banho não muito demorado. Passou pelo quarto sem fazer barulho.

Chegou na cozinha com o estômago roncando. A mesa do café já estava posta. Como ela gostava de ter alguém para fazer os serviços domésticos por ela! Não tinha muita habilidade com essas coisas, por mais que não admitisse que era fraca em algum assunto.

- Bom dia, Fraulein! – a morena disse à elfa-doméstica que acabara de entrar na cozinha.

- Bom dia, Sra. Malfoy. – a pequena de grandes olhos verdes fez uma grande reverência – O café da manhã já está pronto.

- Eu já percebi – Hermione respondeu com um sorriso -. E está exatamente como eu gosto. Obrigada Frau, você é um anjo.

- Eu não fiz nada mais que a minha obrigação, senhora. – a elfa disse fazendo uma reverência, mas Mione não pôde deixar de notar um brilho de orgulho em seu olhar.

- As crianças já acordaram? – perguntou, pegando um biscoitinho de manteiga sobre a mesa.

- Ainda não, senhora.

- Bem, então eu vou acordá-los. Eles não podem se atrasar. – ela disse sorrindo e se retirando do cômodo.

Subiu as escadas e seguiu pelo corredor até alcançar uma porta entreaberta e entrou calmamente. Deitado sobre a cama, bem protegido pelas cobertas, estava um belo menino loiro e com queixo levemente pontudo.

Hermione sentou-se ao lado dele e com um sussurro disse: - Vamos, Scorpius, acorde.

- Ahn, mãe. Só mais cinco minutinhos.

- Cinco minutinhos pra você nunca são só cinco minutos. Vamos, acorda. Você não vai querer se atrasar para o seu primeiro dia de aula, vai? – ela disse docemente, abrindo as cortinas do quarto.

Foi só ela dizer isso que o menino pulou da cama rapidinho e correu pro banheiro, falando coisas desconexas sobre Hogwarts e Expressos e varinhas e salas secretas. Hermione sorriu e saiu do quarto.

Encaminhou-se para uma porta branca, que ficava em frente ao quarto de Scorpius. Uma menininha de cabelos castanhos bem lisos dormia docemente. Assim como tinha feito com o filho, sentou-se do lado da pequena.

- Rosa? Bom dia minha filha, já está na hora de acordar. – e deu-lhe um beijinho na bochecha rosada.

A menina abriu os olhos lentamente, os mesmos olhos cinzentos do pai, e deu um pequeno sorriso preguiçoso.

- Vamos levar seu irmão hoje para a escola. Então se arrume logo pra tomarmos café todos juntos ok? A pequena Rosa sacudiu a cabeça afirmativamente e coçou os olhinhos. - Só não pode voltar a dormir. – disse sorrindo e saindo do quarto.

Ela agora morava na mansão Malfoy. No começo ela não gostava do lugar, achava-o sombrio e assustador. Depois de um tempo morando lá, porém, começou a mudar alguns detalhes da decoração até o lugar se tornar verdadeiramente aconchegante para ela.

E tinha Draco, que a fazia esquecer de qualquer outro propósito para que aquela casa já tinha servido. Ele, seu marido, tinha feito ela apagar as lembranças horríveis do lugar e construir novas e lindas lembranças de sua vida. Naquela mansão ela tinha passado seus primeiros anos de casada, tinha tido seus filhos, tinha recebido sua família e amigos. Ela podia chamar aquela mansão de seu lar.

Caminhou novamente em direção a uma porta. Quando a abriu, olhou com muita ternura a pessoa deitada sobre a cama. Lentamente, deitou-se na cama e sussurrou no ouvido do loiro:

- Bom dia, meu amor. – e começou a depositar pequenos beijinhos sobre o rosto dele.

- Eu acho que posso me acostumar a ser acordado todo dia assim. – Draco disse com a voz rouca e se virando para a esposa.

- Você é tão bobo. – ela respondeu sorrindo.

- E você é tão linda. – ele disse posicionando-se sobre ela e dando-lhe um longo beijo na boca.

- Hum... Draco. Agora não é hora disso. – ela respondeu, rindo-se, quando o beijo começou a se tornar mais ardente.

- Por que não? – ele respondeu, beijando o pescoço dela.

- Você sabe muito bem que temos que ir a Londres hoje. – ela disse afastando o marido.

- Ah, sim. Finalmente o Scoop vai começar em Hogwarts. – Draco disse se levantando da cama e se espreguiçando.

- Ah, meu amor. É tão difícil pensar que eu vou ter que passar tanto tempo longe dele. – Mione disse com lágrimas nos olhos – Ele ainda é tão pequenino.

- Ele já tem onze anos, a mesma idade que a gente tinha quando fomos pra lá. – ele disse sorrindo.

- Eu sei, só não achei que fosse ser tão difícil.

- Ele nem foi ainda, Mione! – Draco disse sorrindo. – Não se preocupa com isso! A gente vai sentir falta dele, mas você vai ver como as férias de Natal vão chegar logo.

- Tomara que passe rápido mesmo. Tomara. – disse enxugando uma lágrima que não conseguira segurar.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Os quatro Malfoy se encontravam na frente da parede que separava as plataformas nove e dez.

- Você tem certeza que eu não vou me machucar ao passar por ai? – Scoop disse preocupado.

- E pra que eu ia querer fazer com que você se machucasse, filho? – Mione disse sorrindo.

- Não sei. – ele disse olhando para a parede. Parecia tão sólida.

- Se você quiser, eu passo primeiro pra você ver como não tem problema. – disse Draco calmamente.

- Eu posso ir com você, papai? – Rosa disse animada.

- Não precisa. Eu passo primeiro. – respondeu o pequeno e, sem dizer mais nada, fechou os olhos e passou pela parede.

Hermione não pôde deixar de sorrir. Orgulhoso que nem o pai.

- Uau! – Rosa exclamou – Eu quero ir também papai.

- Nós vamos logo depois da sua mãe. Hermione passou pela barreira e sentiu novamente o ar da plataforma nove e meia.

O mesmo ar esfumaçado, a mesma locomotiva vermelha, a mesma massa de crianças: algumas animadas outras nervosas. Scoop olhava tudo impressionado.

- Ai mamãe, em que casa você acha que eu vou cair? – ele perguntou depois de ver um garoto passando com vestes azuis – Eu não queria ir pra Lufa-Lufa.

- Se você realmente não quer, então eu acho que você não vai pra lá. Mas se fosse, você cairia na casa que já foi de bruxos excepcionais, meu filho.

- Nhá, mesmo assim. Eu não quero.

- Não quer o que? – Draco perguntou a se juntar a eles.

- Não quero ir pra Lufa-Lufa.

- Mas porque isso? – o pai perguntou, rindo.

- Eu quero ir pra Sonserina. – ele disse levantando o queixinho pontudo – Ou pra Grifinória. – ele emendou rapidamente, mas sem conseguir convencer ninguém.

- Eu já ouvi falar que o dormitório da Grifinória é bem mais confortável que o da Sonserina. – disse Draco sorrindo.

- É mesmo! - Rosa disse empolgada – Eu li em ‘Hogwarts, uma História’ que o melhor dormitório é o da Corvinal, mas o da Grifinória é melhor que o da Sonserina. – e se virou para os pais - Por que eu não posso ir agora pro colégio? Eu já até sei em que casa eu quero ficar! Eu quero ir pra Grifinória, que nem a mamãe.

- Você sabe que só pode ir quando tiver onze anos. – Mione disse calmamente. Quantas vezes já não tinha tido essa conversa com ela?

- Mas ainda falta tanto! – ela disse fazendo beicinho.

- Faltam três anos. Não é tanto assim. E não existe isso de dormitórios melhores. Todos são igualmente confortáveis.

- Mas eu li... - Tem certeza que foi em ‘Hogwarts, uma História’? – Mione perguntou, já sabendo a resposta.

- Pensando bem, acho que não. Acho que li no livro que eu comecei agora... – ela contava empolgada pra mãe.

- Mas que conversa chata. – Scoop disse pra Draco – Eu quero procurar logo um vagão, pai.

- Oh, pelas longas e prateadas barbas de Merlim! – Hermione disse num sobressalto – Olha quem está ali, Draco.

Os dois pequenos Malfoy olharam para a direção em que seus pais olhavam, mas não conseguiram identificar um rosto conhecido.

- Quem, mamãe? – Scoop disse, esticando o pescoço.

- Venham, crianças. Tem alguém que a mamãe gostaria que vocês conhecessem. – Hermione disse sorrindo abertamente.

Caminhou em direção a um pequeno grupo, composto por três pessoas: uma mulher com longos cabelos loiros, um homem loiro com belos olhos verdes e uma pequena criança também loira, mas de olhos azuis.

- Mas que falta de criatividade a de vocês. Todos com o cabelo igual. – Hermione disse rindo.

A loira se virou, confusa, mas quando viu quem falara, abriu um sorriso. - Mione! – Luna abraçou a amiga com força.

- Que bom te ver. Faz tanto tempo, né? – Hermione disse sorrindo. - Desde o seu casamento. E, pelo visto, já tem mais de onze anos, ne? – a loira disse olhando para o loirinho e a moreninha, que a encaravam com curiosidade, e dando um abraço caloroso em Draco.

- Sim, sim, amiga. Já fiz doze anos de casada. O tempo voa, não? Esses são meus filhos: Scorpius e Rosa. Esse vai ser o primeiro ano do Scoop em Hogwarts e a Rosinha entra daqui a três anos. – e se virou para os filhos – Esses são uns dos melhores amigos da mamãe e do papai. – disse indicando o casal - Eu conheci a Luna no tempo de Hogwarts, mas ela se mudou pra Croácia antes de vocês nascerem.

- Muito prazer. – disse Rosa com o belo sorriso e a polidez do pai.

- É. – foi a única coisa que o loirinho disse. Ele parecia bem intrigado com o colar de rolhas que a amiga de sua mãe usava.

- Mas agorra voltamos a morrar em Inglaterra – disse Palek Kovach, marido de Luna, em tom animado – Eu sempre gosstei daqui e agorra decidimos colocar pequena Xenófila em Hogwarts, que nem a mãe.

- E porque vocês não avisaram a ninguém sobre isso? Desde quando vocês já estão morando aqui? Por que não nos procuraram? – Draco perguntou.

- Na verdade acabamos de chegar. Ainda nem fomos para nossa casa nova. Achamos que não ficaria bem pra nossa Nola mudar tanto de ambiente em tão pouco tempo.– Luna disse calmamente.

- Ai, Lu. Você continua a mesma maluca de sempre, sabia? – Mione tinha uma grande ternura na voz.

- E você parece a mesma também. Temos que combinar de nos encontrarmos... É tanta conversa pra por em dia.

- Com certeza. E se você precisar de ajuda com a mudança é só me avisar.

- Obrigada, Mi. Mas e a Gina? Como anda? Da ultima vez que a vi ela estava tão mal por ter terminado o namoro com o tal Pepino. Hermione riu.

- Se eu te contar, você nem acredita. Sabe que a Gina casou com o...

- Mas será que vocês não tem nada mais pra fazer do que fofocar sobre a minha vida? – elas ouviram uma voz divertida atrás delas.

Antes que pudessem falar qualquer coisa, Scoop exclamou: - Al! Que bom que você chegou!

Um grupo de cinco pessoas se aproximava sorridente. Gina, de mãos dadas a Harry, acompanhada de seus três filhos: Alvo, Lílian e Tiago.

As crianças se juntaram em um grupo independente e convidaram Nola a conversar com eles. Draco deu um breve aceno com a cabeça para Harry, que retribuiu com educação, e sorriu para a ruiva, que o abraçou carinhosamente. Não puderam conversar por muito tempo, entretanto, porque o horário de partida já ia chegando e os pais queriam dar suas últimas recomendações aos filhos.

- Não fica nervoso, meu filho. Você já conhece o Al, que vai entrar junto com você. Fique com ele e não deixa de conversar com ele só porque vocês caíram em casas diferentes, ouviu? Mamãe foi da grifinória e papai da sonserina, não se esqueça disso. Podem até ser casas rivais, mas não tem porque você ficar alimentando as rivalidades entre os alunos.

- Ta bom, mamãe. – ele disse entediado, mas logo acrescentou com os olhinhos castanhos brilhando – Você realmente acha que eu vou pra Sonserina?

- Eu acho que sim. – ela deu um pequeno suspiro - Mas se você for pra qualquer outra casa, mesmo assim mamãe vai ficar muito orgulhosa de você.

- Vamos, Scoop, procurar um vagão. – Al disse ao amigo. O Malfoyzinho sorriu para a mãe e depois seguiu contente o amigo.

- Você não consegue se acostumar com a idéia de ele ir pra Sonserina, né? – Draco disse baixinho pra esposa, olhando seu filho entrar no trem com Harry e Alvo.

- Sinceramente, essa idéia não me agrada muito. Você sabe que eu nunca gostei muito da sua casa. Mas dizem que tudo está melhor por lá depois da Batalha Final, espero que seja realmente verdade.

Logo Scoop voltou e Mione o abraçou.

- Vamos sentir tanta falta de você, filho.

- Eu vou escrever sempre, mamãe. E vocês vão escrever pra mim, ne?

- Sempre que você quiser. – Draco disse sorrindo.

- Então vocês podem me escrever uma vez na semana. Acho que fica mais fácil contar tudo de uma vez só.

- Mas olha só, Draco. Ainda nem foi pra escola e já está se sentindo todo independente. – Hermione não soava chateada, seu tom era de divertimento.

- Ora, mamãe. Você sabe que eu não sou mais criança. – ele disse, indignado.

- Mas pra mim vai ser sempre o meu pequenino. – e deu um beijo na bochecha do filho.

- Deixa a sua mãe parecer meio brega, Scoop. Isso só mostra que ela te ama. – Draco disse se abaixando e ficando da altura do filho – E eu também te amo. Então faça o favor de responder as nossas cartas, senão eu mando os centauros irem pessoalmente agarrar você e te trazer de volta pra casa.

- Mas você me disse que eles eram inofensivos, mamãe. – o menino ficou assustado.

- Ele não está falando sério. – disse Hermione – Os centauros são perfeitamente inofensivos se você não os tratar mal. E você não vai ter contato com nenhum deles a não ser que entre na Floresta Proibida, mas você já sabe as recomendações sobre entrar na Floresta, não?

- Claro que sei, mãe. Nada de entrar na Floresta, a não ser na companhia de algum professor. – ele disse sério, mas lançando um olhar furtivo para Al.

- Já são quase onze horas. É melhor vocês irem logo para seus vagões. – falou Draco.

- Não esquece de mandar nossas lembranças para a Diretora McGonnagal e pro Neville. – Hermione disse ao filho.

- Ta bom, mamãe.

- Não é pra esquecer! – ela disse dando um último abraço no filho.

- Esquecer eu não vou, só não sei se vou falar.

- Não seja teimoso Scoop. Deixa de vergonha e faz o que eu pedi, por favor.

- Vou pensar, mamãe. Eu juro.

- Se não quiser falar, eu te libero. – Draco disse baixinho só pro filho ouvir.

- Obrigada, pai. – o menino sorriu aliviado – Não ia pegar bem eu falar pra diretora da escola que meus pais tão com saudades.

- Eu sei, Scoop. Mas não conte pra sua mãe que eu incentivei seus planos de burlar o pedido dela. – disse dando uma piscadinha.

- Pode deixar. – o menino sorriu e deu um beijo no pai.

Os apitos começaram a indicar que o trem estava pra sair. Scoop abraçou carinhosamente a irmã e se dirigiu para o trem. Já na janela de seu vagão, viu seus pais sorrirem olhando para ele, viu Harry, que falava alguma coisa para Al, e Gina, que acenava para ele sorrindo.

Al, Scoop e Xenófila partiram, no mesmo vagão, para suas aventuras em Hogwarts. Fora do trem, Hermione segurava forte na mão do marido, tentando esconder as lágrimas de ver seu menino ir embora. Despediram-se dos amigos e, sem largar a mão de Rosa em nenhum momento, o Sr. e a Sra. Malfoy voltaram pra casa.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Gina entrou no restaurante olhando para o relógio. O relógio acusava uma e quarenta, estava indubitavelmente atrasada. Olhou em volta a procura da mesa e logo a encontrou.

- Desculpem o atraso, senhoras. – disse sorrindo.

- Já estávamos pensando que você não vinha. – respondeu Hermione, levantando-se para abraçar a amiga.

- Desculpem, mas tive problemas com a babá da Lílian. Acreditam que a insolente queria levar o namorado pra minha casa? Só me faltava ela ficar atracando com o homem no sofá enquanto a minha menina ficava sozinha. – a ruiva falou, abraçando Luna e sentando, cansada, na cadeira.

- Eu também passo por essas coisas. Essas babás são muito abusadas. – Mione concordou – Mas o que importa agora é que você chegou. Fizeram seus pedidos (‘Cerveja amanteigada pra todas’, como Luna anunciou ao garçom) e conversaram como não faziam há tanto tempo.

- A partir de agora, menos reclamações e mais fofocas. Me contem, meninas, tudo sobre vocês. Como estão suas vidas? – mas antes que as outras pudessem falar qualquer coisa, a loira emendou - E como você voltou com o Harry?

- Ai, Lu, eu também não imaginei que um dia fosse voltar pra ele, mas tanta coisa aconteceu. – Gina respondeu sorrindo.

- Ainda bem que nós temos bastante tempo então. – a loira disse.

- Bem, o que aconteceu foi que eu percebi que ele não era tão imbecil quanto eu imaginei que fosse e ele percebeu que estava sendo um idiota, deixando a fama subir a sua cabeça. – ela disse calmamente.

- E eu também dei uma ajudinha. – Mione disse dando uma piscadela.

- Vocês podem ser mais vagas, ou esse é o máximo que vocês conseguem? – Luna disse fingindo irritação.

As três riram.

- Bem, você sabe qual foi a reação das nossas famílias quando souberam da aposta que fizemos. – Mione disse pensativa.

- Nossa. A aposta! Parece até que foi ontem que estávamos sentadas num barzinho falando sobre a nossa solterice. Agora olha pra nós! Todas casadas e com filhos... O tempo voa mesmo. – Gina comentou, também pensativa.

As amigas ficaram um tempo em silencio, lembrando de um passado em que elas não se desgrudavam e que queriam curtir a vida da melhor maneira. Bons tempos aqueles. Bons tempos.

- Mas então... Continuem a história! – Luna disse depois de um tempinho.

- Então. Você lembra de que, quando voltamos da Copa e o Draco me pediu oficialmente em namoro, tanto a minha família quanto a família da Gi desaprovaram a nossa relação, ne? – Mione não gostava de lembrar dessa época.

- É, eu lembro. O Rony nem olhava mais na cara da Mi. – Luna disse chateada – E ele duelou com o Draco, não?

- Duelou e perdeu. Ai que piorou tudo, ne? Orgulhoso como ele é. – Mione respondeu.

- Mas foi ai que o Harry mostrou o seu melhor lado e me fez começar a sentir menos ódio dele. - Gina começou a falar novamente – Ele logo veio falar comigo e com a Mi que não tinha que nos perdoar pelo que tínhamos feito porque não ia nos julgar por uma besteira daquelas.

- E ele também ajudou todo mundo a ver que eu e o Draco nos amávamos de verdade. Fez de tudo pra que todo mundo aceitasse nosso relacionamento. Você sabe como o Harry é influente com as nossas famílias. E ele fez isso sem nem mesmo gostar do Draco, o que é mais impressionante. – a morena adicionou.

- Mas tudo isso aconteceu quando eu ainda estava aqui. Como eu não fiquei sabendo disso?

- Ele não nos contou o que estava fazendo. Simplesmente ia falando com a minha família, principalmente com o Rony, que, sim, nós erramos, mas que a gente não se orgulhava do que tinha feito A gente só ficou sabendo das intervenções dele quando o Rony foi conversar com ela e eles fizeram as pazes. Ele pediu desculpas e tudo, imagina? – a ruiva não pode deixar de dar uma risadinha ao falar isso – E acabou contando sobre o Harry. E depois a Mi me contou tudo.

- Menina, mas que atitude nobre do Harry. To começando a achar que não o tratei tão bem quanto ele merecia, lá na estação. – Luna disse dando um leve tapinha na testa e fazendo as amigas rirem.

- Então eu voltei a ser amiga dele e, depois de um tempo, conversamos sobre a possibilidade de voltarmos a namorar. Aí resolvemos colocar um véu sobre o passado e começar tudo de novo. Sem excesso de vaidade por causa da fama ou preocupações com antigos relacionamentos.

- E vocês estão felizes? – Luna perguntou com carinho.

- Muito felizes, amiga. O Harry me completa e eu completo ele. E foi ele que me deu meus filhos e eu vou amá-lo pra sempre por causa disso. – a ruiva tinha um brilho intenso no olhar.

- Então eu fico feliz por você, amiga. E porque eu não fui convidada pro casamento de vocês? – a loira lembrou, repentinamente.

- Desculpa, Lu. Eu realmente queria ter chamado, mas as duas corujas que eu te mandei voltaram com as cartas e se recusaram a voltar a entregar cartas a você. Eu não sei bem o que aconteceu.

- Oh... Seu casamento foi perto de junho? – ela perguntou, parecendo se lembrar de algo.

- Foi sim. Na verdade foi só seis meses depois da Mione.

- Ah, então eu já sei o que aconteceu. – ela disse sorrindo e ficando meio vermelha – Eu e o Palek já estávamos tentando engravidar. Eu me lembro vagamente de algumas corujas que ficavam dias do lado de fora da janela de casa, mas não dávamos muita importância a elas.

- Mas como vocês fizeram isso, Luna! E se fosse uma urgência? – Mione perguntou meio assustada, meio rindo.

- Palek dizia que, como estávamos há pouco tempo na casa, as únicas corujas que podiam chegar eram as que traziam o jornal. E como não nos importávamos muito com a situação da Croácia naqueles dias, a gente só abria as janelas pra elas muito eventualmente, quase nunca. Ainda mais que fazia muito frio por lá – Luna disse rindo bastante.

-Bem... Eu ia ter gostado de ver você aqui. – Gina disse – Por mais que a gente tenha feito uma cerimônia muito pequena e meio as pressas, eu senti a sua falta.

- Mas por de tanta pressa?

- Porque eu engravidei, então casamos rápido para a festa acontecer antes da minha barriga crescer. Até hoje, só a minha mãe e a Mi, e o Harry, claro, que sabem que o Tiago não é realmente prematuro.

- Safadinhos, você e o Harry, hein! – Luna disse, dando uma palmadinha na mão da amiga – Por isso que o seu menino é mais velho que o Escorpião.

- Scorpius. – Hermione corrigiu automaticamente.

- Mas por que raios você deu esse nome pro seu filho? – Luna perguntou, indiscreta como sempre.

- Idéia do Draco. Parece que tem alguma coisa a ver com tradição da família. E no final eu acabei gostando do nome, é tão forte como o nome do Draco. – a morena disse, balançando levemente os ombros.

- E como é ser uma Malfoy agora? – Luna continuou perguntado - Esse sobrenome ainda é muito associado a magia negra,não?

- Ela é Hermione Granger Malfoy, uma das melhores amigas do Harry desde o colégio até hoje. Acho que ninguém ousaria dizer que ela faz parte de alguma organização maligna. – Gina disse sorrindo.

- E você está gostando de morar na sua nova mansão? – a loira ainda perguntava.

- Agora gosto. Mudei muita coisa por lá até se tornar um lugar mais bonito e menos frio. Mudei os jardins, as paredes, as cores, as tapeçarias e cortinas, quase todos os móveis. Na verdade, pouca coisa restou daquele mausoléu, que só me traziam más lembranças. – todas ficaram em silêncio, e Luna olhava intensamente para Hermione, lembrando dos momentos que foram presas e torturadas quando capturadas pelos servos de Voldemort – O Draco selou, ele mesmo, o porão e nunca mais eu passei nem perto daquela parte da casa. – Mione disse, finalmente, e o assunto morreu ali.

- E você, Gi? Está morando onde? – Luna perguntou, mudando de tom, como se aquele pequeno momento anterior não tivesse acontecido.

- Grimmald Place. Também reformamos tudo por lá, está tão bonita! – Gina disse animada.

O rumo da conversa voltou a vida de casada delas e elas contavam histórias sobre suas casas, maridos, filhos, vida profissional.

Gina trabalhava como sócia na empresa de Draco, que ia melhor do que nunca nos negócios. Hermione obteve tanto sucesso com sua livraria que criou uma rede que se expandiu para outras comunidades bruxas de todo o mundo. Luna continuava a ser dona d’O Pasquim e voltaria a ser a editora-chefe da revista agora que tinha voltado a Inglaterra. Harry era chefe das sessão dos aurores no Ministério e Palek começaria seu novo emprego como correspondente de esportes do Profeta Diário.

- E o Rony? O que aconteceu com ele? – Luna perguntou.

- O Rony casou com uma apanhadora do Harpias de Holyhead, acredita? E está trabalhando nas Gemialidades Weasley como gerente dos negócios. O filho mais velho dele, o Hugo, só entra daqui a dois anos em Hogwarts, por isso que ele não estava esperando a saída do Expresso. Ele teve três filhos além do Hugo e mais uma menina. Acho que os homens Weasley gostam de famílias grandes. – Gina disse feliz.

- Eu não consigo imaginar o Rony casado. – Luna disse dando uma risadinha saudosa.

- E eu não consigo imaginar como você casou antes de nós! – Mione disse rindo – A mais tarada do grupo e a primeira que se amarrou.

- Quem disse que eu era tarada? – Luna perguntou se fingindo de ofendida.

- Ninguém precisa me dizer, eu lembro. – a morena retrucou.

- E eu sou testemunha. – Gina alfinetou.

- Eu que sou a tarada, não? Você teve quatro filhos – disse apontando pra Gina – e você teve dois – disse apontando pra Mione – Eu só tive a Nola.

- Isso não quer dizer nada. Você pode até feito uma filha só, mas isso não quer dizer que você não faça outras coisas. – Mione disse rindo.

- Não quer dizer, mesmo! – Luna disse rindo.

- Ih, gente. Olha quem está passando ali. – Gina disse baixinho e indicando uma mulher com a cabeça.

Pansy passava com Zabini a caminho de uma mesa. Hermione amarrou a cara.

- Ela está com ele agora? – a loira perguntou para as amigas.

- Agora esses dois são o Sr. e Sra. Blaise Zabini. – respondeu secamente. - Mas todos sabem que a talzinha da buldogue trai o Blaise. Menos o próprio Blaise, claro. – Gina acrescentou.

- E eles tiveram filhos? – Luna perguntou.

- Só um. – disse Gina.

- Que ela ainda teve a coragem de dizer que era do Draco, só pra tentar me separar dele. Eu sabia que ela não ia desistir fácil de conquistar ele, mas não sabia que ela jogaria tão baixo.

- Mas que história é essa?

- Ela descobriu que o Draco viajou pros Estados Unidos a trabalho por dois meses e meio e, antes de ele voltar, ela apareceu na minha casa, dizendo que tinha encontrado ele por lá e que ele tinha tido uma recaída por ela e que aquele “encontro mágico” deles tinha gerado um bebê. – Hermione disse mal-humorada.

- E você acreditou? – Luna perguntou, perplexa.

- Eu não quis acreditar plenamente, mas ela descreveu a viagem dele muito bem. Eu fiquei desconfiada. Mas eu depois descobri a farsa dela e ela sossegou depois da humilhação que passou ao ser desmascarada. E eu espero que seja pra sempre que ela tenha saído de nossas vidas.

- Vamos parar de falar nela? Ela não merece que a gente gaste nosso tempo falando dela. - Gina falou, sendo apoiada pelas amigas.

- Vamos pedir alguma coisa pra comer? Estou faminta. – disse Mione, com a voz voltando a soar animada.

As amigas voltaram a conversar animadas, recordando de seus momentos no passado e contando suas expectativas para o futuro.

Elas se conheceram no colégio, ainda meninas, e enfrentaram situações perigosas ainda na adolescência. Passaram juntas por seus primeiros amores e suas primeiras desilusões. Cresceram juntas e continuaram juntas e amigas até o fim.

Fizeram uma aposta que, no início pareceu boba, mas que mudou todo o rumo de suas histórias. Um simples jogo que era pra ter uma única ganhadora e que fez cada uma delas construir seu próprio futuro. Uma aposta que não teve uma vencedora, mas que definiu grandes vitórias para as três mulheres envolvidas.

Elas continuaram ali sentadas sem se preocupar com horários nem com quem estava a volta. Simplesmente ficaram conversando, como se ainda fossem as mesmas jovens descompromissadas de antes, até o anoitecer.

Tinha sido um belo dia de sol. Uma lua cheia brilhava estonteante no céu estrelado de Londres naquela linda noite de verão.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

N/A: Aí está o final da fic. Espero que voces tenham gostado. Nao teve muita açao, mas eu quis dedicar esse ultimo capitulo ao destino que os personagens tiveram depois de passar por tudo o que passaram.

Eu realmente espero que voces tenham gostado, pois eu me empenhei bastante para escrever. Desculpem pela demora... tomara que voces tenham achado que valeu a pena esperar.

Deixem seus comentários sempre! =] Uma grande motivaçao minha ao escrever era ver o quanto as pessoas gostavam da história. Muito obrigada a todos que comentaram durante a minha longa saga pra terminar a fic. Sem voces eu ja teria parado de escrever, porque voces me incentivavam a querer dar um fim a historia.

Mil beijos para todos que leram a fic até o final. Sentirei saudades de escrever essa minha pequena versao do mundo criado pela maravilhosa JK....

E, de novo, eu peço que voces nao deixem de comentar.

Beijos e abraços
Tita Weasley ^.^

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.