FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. InFelicidade


Fic: Zona de Risco


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________



----------------------------------

N/A: Oie…desculpa a demora por att!! ^^ booom... esse cap. não é NC! =(

----------------------------------


- Senhores! Oh, Merlim. Procuramos por vocês pelo castelo inteiro. – McGonagall se aproximava em desespero. – Onde estavam... nos deixaram preocupados.

Eles caminhavam lado a lado pelos corredores, varinhas em punhos e já vestindo suas roupas. Havia uma expressão de tristeza em suas faces, mas havia um brilho diferente em seus olhos, o de satisfação.

Havia sido apenas uma transa. Aquilo estava me torturando por dentro, mas estávamos livres da biblioteca, isso era motivo suficiente de felicidade. Os feitiços já haviam sido desfeitos quando repusemos nossas roupas e testamos a porta e as vidraças. Estávamos livres, e não tínhamos a menor idéia do que havia acontecido do lado de fora daquela biblioteca.

-É uma longa história, prof.ª McGonagall. – Hermione se aproximou, depois de um abraço caloroso da vice-diretora. – Aonde estão os outros?

-O que aconteceu, afinal?Onde está a Ordem? – Draco se aproximou, indagações surgindo frenéticas.

McGonagall não teve muito tempo de responder a todas essas perguntas, mas, na verdade, ela não teria feito isso muito facilmente.

-Hermione! Mione!

Era a voz de seu melhor amigo que ecoava pelos corredores. Quando Hermione virou sua cabeça na direção de onde o som vinha foi pega de surpresa pelos braços fortes de Rony, que a abraçavam firme. Hermione tinha lágrimas escorrendo por sua face, ao menos tinha a certeza de que seu amigo sobrevivera. Mas onde estavam os outros? Draco observava a cena sem expressões certas em seu rosto, apenas um olhar de alivio por ver que Hermione estava derramando lágrimas de felicidade por ter seu amigo em seus braços.

- Senhor Malfoy... – a vice-diretora interrompeu seu transe.

Draco virou sua face muito depressa para ela, esperando pelas noticias que receberia. A face da diretora não era a das mais agradáveis, isso lhe causou um aperto em seu coração.

- Tenho uma noticia desagradável para lhe dar.

Draco sentiu um nó se formar em sua garganta, sua saliva secar em sua boca e um vento frio percorrer sua espinha. Seus olhos estavam vidrados no da profª. Hermione já havia se separado de Rony e agora o abraçava de lado, de forma que pudesse prestar atenção no que a diretora diria.

Essa falta de informação estava me torturando. Mas eu estava temendo por Draco. Ele receberia uma noticia desagradável, eu não queria vê-lo sofrer.

- Seu pai, Sr. Malfoy... Fizemos o possível... mas ele não resistiu. A Ordem foi rude, mas não havia escolhas. – sua voz era sussurante.

Draco soltou um suspiro demorado, fitando o chão abaixo de seus pés.

Eu senti uma coceira em meu nariz, eu estava prestes a derramar uma lágrima pela morte de meu pai. Mas eu deveria prever que isso pudesse ter acontecido. Era esse o destino dos aliados a Voldemort. Eu senti uma mãozinha quente e frágil segurar a minha e apertar calorosamente, como se estivesse tentando me tranqüilizar. Eu sorri internamente, porque ela havia conseguido. Mas a lágrima escorreu pelo meu rosto assim mesmo. Eu não tinha vergonha de chorar diante deles, eu havia perdido meu pai. Eu não era seco, como o Weasley deveria estar pensando agora. Mas então a voz do ruivo quebrou o silêncio... e ela soltou minha mão. A paz se foi...

- Mione. – sua voz era sofrida, ela prestava atenção a cada letra que ele pronunciava. – Você promete que vai ser forte?

Por que ele estava falando isso? Rony... pare com isso... está conseguindo me assustar. Eu senti meus olhos se encherem de lágrimas...

- Onde está a Gina? – Hermione perguntou, assustada.

- Está bem... em repouso na enfermaria... – Rony a tranqüilizou. – Não é ela, Mione... é o Harry.

Não!

- Mione... – sua voz era sofrida. – O Harry se foi...

NÃO!

Hermione sentiu seus joelhos fraquejarem e seu corpo pender para o chão. Seus olhos estavam completamente embaçados de lágrimas, e não conseguia ver nada além delas. Sentia apenas os braços fortes de Rony em volta de sua cintura e segurando-a firme contra seu peito. Agora ela estava em prantos, sussurrando infinitas negações. Aquilo não soava real para ela. Draco a observava com os olhos lacrimejantes. A tristeza dela era sua tristeza.

- Pansy? Blás? Aonde eles estão? – Draco virou-se para a diretora, indagando em súplicas.

- Passam bem na enfermaria.

Uma resposta curta e grossa. Eu senti alivio em meu peito. Eu estava feliz, e triste... ELA estava triste.

- Seja forte, Mione. – a voz de Rony era embargada.

- NÃO!!!!!!!!!!!

Sua negação soou mais alto do que em qualquer outro momento, e foi o suficiente para tornar aquela situação ainda mais difícil. Rony derramava lagrimas agora.

Eu estava morrendo por dentro, vendo-a daquela forma. Eu queria abraçá-la, confortá-la... Eu observei o exato momento em que o ruivo a soltou, com os olhos inchados e lágrimas e seguiu para uma parede próxima, apoiando-se lá e chorando o pranto mais desesperado que eu já tinha visto. Então minha visão se focou em Hermione novamente, e eu tive que ser rápido o suficiente para ampará-la antes que ela caísse sobre o chão. Eu a acolhi em meus braços, afundei sua cabeça em meu peito, acariciei seus cabelos e derramei lágrimas junto com ela, enquanto ela se enlaçava por si só em meu corpo.

Hermione estava completamente cega de tristezas. A perda de seu namorado estava sendo mais sofrida do que seria um crucios contra ela mesma. A única reação que ela teve foi se soltar depressa dos braços de Draco e correr desesperada pelos corredores a frente dela. Sabia que Harry estaria na enfermenaria...

Seu corpo estaria lá, estirado sobre uma cama qualquer, imóvel. Eu sabia que Draco estava me seguindo, eu podia ouvir os passos dele atrás de mim, e a sua voz chamando meu... primeiro nome. Eu estava cega... eu so via lágrimas e só sentia dor. Eu segui correndo o mais rápido que pude. E lembrei que havia sido numa corrida como essas que eu havia cruzado meu caminho com Draco... Eu cheguei a enfermaria, passei depressa por todas as camas, procurando por seu corpo. Eu o avistei, ao longe. Inconsciente.

- Hermione... – Draco ainda chamava por ela, tentando alcançá-la.

Rony e a Prof. ª McGonagall caminhavam logo atrás.

Ela debruçou sobre o corpo morto do Potter, e derramou milhares de lágrimas ali. Ela gritava, ela implorava para que ele acordasse. Eu a vi chacoalhar o corpo dele em um ato desesperado, e eu continuava a morrer com essas visões. Então, eu avistei ao meu redor, todas as camas ocupadas, e reconheci boa parte dos alunos ali. Eu vi os olhos de Blás se estreitando para observar o choro gritante de Hermione... eu vi Pansy, em uma cama próxima, estava acabando de despertar de um sono, ainda muito atordoada. Hermione se afastou, por fim, da cama e do corpo do Potter, ainda em prantos. Eu me aproximei dela, devagar, tentando tranqüiliza-la. Eu não disse nada, eu simplesmente enlacei um dos meus braços a sua cintura, limpando suas lágrimas com a minha outra mão. Ela já diminuía seu pranto e eu vi em seus olhos, quando ela me fitou, um misto tão indecifrável de sentimentos. Então, eu pressionei meus lábios contra os dela. Forte, pressionei por longos segundos, impedindo-a de se afastar de mim. Eu esperava passar um pouco do meu alivio por ter meus amigos vivos para ela, através daquele beijo. Eu esperava que ela não se sentisse solitária, eu queria que ela soubesse que eu estava ali. Não para substituir ninguém, só para ajudar a preencher o vazio em seu peito. Se aquele ato de beijá-la havia parecido rude para o momento, eu não sei, mas eu sabia que tínhamos uma platéia.


Eu estava completamente arrasada. A dor que invadia meu peito estava me matando, estava me cegando, estava me torturando. Eu havia perdido meu namorado para aquela guerra estúpida, ele estava inconsciente sobre uma cama da enfermaria bem a minha frente, e eu não podia fazer mais nada senão, chorar sua morte. Eu estava me sentindo tão culpada. Se eu ao menos tivesse estado com ele, lutado com ele. Mas não. Eu havia passado todo o tempo presa em uma biblioteca com Draco... vivendo experiências. Eu não estava arrependida por isso, e não estava me sentindo culpada por isso. Traição é uma palavra tão grosseira. Eu não me considero uma traidora. Os lábios de Draco estavam firmes em meus lábios, e eu permiti que eles estivessem ali, porque ele estava conseguindo me tranqüilizar. Eu o tinha... e o eu o queria.

---*---*---

Hermione Granger... eu repudiei este nome por anos. E agora eu acho que a amo. De verdade, porque eu não consigo me imaginar longe dela, eu simplesmente quero tê-la em meus braços. Eu a abracei firme, o mais forte que eu pude naquele momento, era como se eu estivesse tentando passar algum tipo de esperança pelo calor do meu corpo. Eu não devo ter tido muito sucesso, porque ela voltou a chorar . Eu a queria tanto... Então eu senti a mão dela entrelaçar os dedos nos meus, e apertar firme. Nossas alianças de compromisso estavam indo de encontro umas as outras novamente, e aquilo me causou um certo desespero. Sua voz soou, em seguida, tão embargada...mas foram as palavras mais marcantes da minha vida...

- Nós podemos sim dar um jeito nisso. Eu te amo, Draco.

Eu sorri com a declaração dela. A guerra havia acabado, eu ouvia McGonagall explicar isso a alguém. Ela dizia algo sobre o Potter ter sacrificado sua vida e derrotado Voldemort, abrindo mão de sua própria vida em prol disso. Era injusto eu não sentir gratidão ao Potter por isso...

- Vamos correr riscos, Malfoy... – Hermione o fitou, com os olhos cheios de lágrimas e a voz rouca. – Não somos o casal perfeito...

Draco sorriu, puxando a face dela pelo seu queixo e trazendo-a para perto dele, de forma que ele pudesse sussurrar suas palavras.

- Nós já enfrentamos zonas de riscos maiores. Granger.

Então nos beijamos outra vez. [2]

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

N/A: Oieee!! E então... o que acharam?! Aahh... muito drama neh?! HAUa... eu não sei o q deu em mim pra escrever isso!!! Mas eu espero, sinceramente, que eu mereça alguns comentariosinhos!!
Heheeh

Gente, valeu mesmo pelos comentários!!!! Pela força, por tudo!! Hehehe

Cap. pequeno né?! Mas é pq a short jah tava td pronta aqui... :X
Mas eu vou dar um presentinho pra vcs...!
Epílogoooo!!!
e vai ser NC!!!
Hehehe

Bem caprichadoo!!
Vou começar a escrever logo logo... mas pra isso preciso de coments! Hehehe

Mais uma vez... valeu pela presença aqui na fic! \o


----------------------------------
Propaganda:

• Era para ter sido apenas um jogo
http://fanfic.potterish.com/menufic.php?id=17868

• Renaissance – Fora de Controle [Dramione] – Crik_Snape e Ju Fernandes
http://fanfic.potterish.com/menufic.php?id=30410

----------------------------------


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 25/12/2013

Hahahahaha! Me admirei que a Pansy não soltou nenhum berro! kkkkk
Rony devia estar chocado e o Blás sorrindo feito um bobão! kkkkk
Amei o cap! Muuuuito bem escrito! Pena pela morte do Harry, mas foi melhor assim! ;) 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.