FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. For Me, This is Heaven


Fic: Teenage WASTELAND - AVISO ON!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Teenage WASTELAND! - "They're all wasted..." Copyright 2008 by Nat W. Todos os direitos reservados. Trama, personagens originais e enredo. Proibida reprodução através de quaisquer meios. Harry Potter é propriedade de J.K. Rowling, Warner, Bloomsbury, Scholastic e Rocco.


__________________________________________




Capítulo I
For Me, This is Heaven



- James! Harry gritou assim que terminou de subir as escadas e chegou em frente à porta do quarto do filho mais velho.


 James praguejou assim que ouviu o pai subindo as escadas com raiva, parecendo que ia botar tudo a baixo. “Droga”, ele disse baixinho, enquanto se enrolava mais ainda nas cobertas e passava a mão no queixo, de onde escorria um filete de baba (N/A: Ew!). Ele sabia o que era. Provavelmente eles já estavam atrasados pro almoço na Toca, costume de todos os domingos. Mas era domingo, um dia santo! Pra que diabos acordarem tão cedo?! Já não bastava acordar cedo de setembro a julho e ir direto para a sala de aula, ouvindo “um ser qualquer” – em respeito ao professor Bins – falar uma outra merda qualquer?


- James Sirius Potter! Saia do quarto, agora! Gritou Harry novamente, perdendo a paciência.


 Ta bem; chamá-lo pelo meio do nome já não era um bom sinal. Não pelo seu pai, que nunca perdia a calma. Se fosse sua mãe, Gina, tudo bem. James levantou da cama e foi se arrastando até a porta, pisando em revistas, roupas e tropeçando num par de tênis que estavam jogados no chão. Seu quarto era uma bagunça. Papeis amassados no chão, e acumulando-se na lixeira ao lado da escrivaninha. As únicas coisas que se encontravam sempre no mesmo lugar era seu pomo de ouro, que ficava dentro de uma caixinha de couro, e uma foto dele e de Louise – sua namorada –, na cabeceira da cama.


- Espera ai... Disse ele, bocejando.


 Assim que abriu a porta, seu pai entrou com tanta rapidez que acabou o empurrando, fazendo com que ele batesse a cabeça na porta do armário.


- AI! Merda... Ele disse, esfregando a cabeça e fazendo uma cara de dor.


- Ótimo, vai ver isso faça você acordar. Harry disse, escondendo algo atrás de si.


- Muito obrigada... é exatamente assim que eu gosto de acordar. Com alguém gritando no meu ouvido e uma porrada na cabeça... Resmungou ele, enquanto achava os óculos debaixo do lençol.


- Chega de piadas, James. O que eu vou falar é sério!


- Ta, fala. James disse, olhando meio preocupado para o pai, sentando na cama.


- Eu quero que você me fale a verdade, ouviu? De quem é isso? Perguntou Harry jogando uma caixa para ele. Ah, ele conhecia aquela caixa. Boas lembranças, muito boas.


- Pai... Ele começou, rindo pra quebrar o gelo, mas foi interrompido.


- Não são do Al, são? Perguntou ele, meio que com receio. – Eu achei isso atrás da pia do banheiro.


- Não... são minhas. As camisinhas são minhas. James disse, levantando e pondo a mão no ombro do pai, que respirava com alivio.


- Por favor, ache outro lugar pra guardar isso, ta? Se sua mãe vir ela tem um troço!


- Ok, relaxe! James disse rindo, guardando a caixa dentro da gaveta da escrivaninha.


- Ah, e não comente isso com o seu irmão, não quero que ele fique com idéias na cabeça!


- Qual é, você acha que ele não sabe o...


- Eu sei que ele sabe o que é, James... só não fale nada com Albus, ouviu?


- Ta... James disse, levantando da cama e pegando uma toalha que estava jogada numa cadeira.


- Ótimo, agora não demore pra se arrumar... já devíamos estar na casa de sua avó! Harry disse, antes de sair do quarto.


- Ah... hoje vai ser um dia e tanto... James comentou maroto, olhando com interesse para a gaveta aonde tinha guardado a caixa.


~




Nada como um almoço em família num dia de domingo. Principalmente se a família da qual você faz parte são os Weasley.  O sol forte do meio dia batia na superfície do lago cristalino e esquentava o pequeno píer de madeira, as árvores, umas maiores do que as outras, faziam uma sombra aconchegante e a brisa da tarde passava pelo jardim levantando as folhas do chão. No quintal da casa, uma mesa enorme tinha sido posta e coberta por uma toalha branca. Talheres e pratos já estavam arrumados, esperando apenas que todos se sentassem e começassem a comer.


 Molly simplesmente adorava os fins de semana em que todos se reuniam. Com a correria do dia a dia, e os netos longe pela maior parte do ano, às vezes a casa ficava mais vazia do que o aceitável, apesar dela e Arthur gostarem de um bom descanso. Criar sete filhos e ainda ajudar a criar os inúmeros netos fora e era uma tarefa prazerosa, mas relaxar era tão bom quanto.


 Para sermos mais específicos, eram doze netos no total. Havia James, Albus e Lily, filhos de Harry e Gina. Lily era parecida com a mãe tanto fisicamente, como na personalidade. Adorava provocar os irmãos mais velhos, principalmente Al, mas também era um amor de menina. O que mais chamava atenção, além da sua alma festeira, eram os seus olhos verdes como os da avó paterna. Albus era todo o pai. Gostava mais de ficar na dele, apesar de não ser introspectivo. James era uma mistura perfeita dos pais. Maroto e brincalhão como a mãe, mas às vezes sério e poucas vezes responsável, como o pai.


 Rose e Hugo eram Ron e Hermione novamente. Rose era estudiosa, responsável, e bonita como a mãe, tinha aquele ar piadista do pai, os olhos chocolate como os de Hermione e os cabelos ruivos e lisos. Já Hugo era tímido, seus cabelos formavam cachinhos perfeitos e castanhos e os olhos azuis eram como os de Ron. Faziam uma bela dupla, e apesar de estarem discutindo e se desentendendo pela maior parte do tempo, eles amavam um ao outro.


 Eram todos netos mais do que perfeitos. Havia também Louis, Dominique e Victorie, o trio de cabelos platinados, filhos de Fleur e Gui. Molly e Lucy, as filhas praticamente idênticas de Percy e Penélope, e por ultimo mais não menos importante, Fred e Roxanne, um calmo até demais e a outra um furacão, filhos de George e Angelina.


 Os gritos animados dos garotos eram ouvidos com facilidade de dentro da casa, onde os adultos conversavam. Eles estavam travados em um jogo de quadribol improvisado no jardim, com as balizas penduradas nos galhos de uma árvore. As meninas assistiam tudo atentamente. As meninas “vírgula”, pois Rose tinha se metido no meio do jogo e já tomava conta de tudo, ordenando que eles fizessem isso e aquilo. Só faltava Lily chegar e elas duas ganhavam dos dois times sem ajuda de ninguém. E falando em uma das crias de Harry Potter...


- Lils! Lucy exclamou assim que viu a ruiva aparecer do outro lado do jardim.


- Potter, arraste essa sua bunda magrela até aqui! Exclamou Rose pra Albus, que olhou em choque para ela e apontou para os pais que estavam ao lado dele.


 Harry e Gina riram da brincadeira da afilhada. Rose era toda o pai. Enquanto eles dois entravam na casa, James, Albus e Lily seguiam para o meio do jardim, onde estavam todos os primos, agora já no chão e não com as vassouras no ar.


-Muito bem, muito bem... quem sentiu a minha falta? Perguntou James, enquanto chegava arfando e com o seu sorriso mais sedutor.


- Eu não senti.


- Nem eu.


- É, nem eu...


- Nossa, que consideração... já disse que eu tenho a maior sorte de ter vocês como primos? Perguntou ele irônico, e pegando uma vassoura que estava recostada no tronco de uma árvore pra bater nos primos.


- Caramba que fome... Reclamou Louis. – Que horas a gente almoça? Perguntou o loiro.


- Assim que o Ted e a Vic chegarem. Disse Dominique pra o irmão mais novo.


- Então a gente só almoça amanhã... Victorie demora anos pra se arrumar! Reclamou ele da irmã mais velha.


- Eu falei com aquele gay – vulgo Ted Lupin – hoje de manhã e ele disse que os dois têm “grandes novidades”... Disse Fred de onde estava deitado, esboçando um desenho num papel.


- Imaginem só... ela só pode estar grávida do jeito que eles mandam ver feito coelhos. Brincou Albus, fazendo o pessoal rir.


- Falando em mandar ver... procriar, se é que vocês me entendem...


- A gente sempre te entende, James. Disse Hugo revirando os olhos.


 Todos eles estavam agora sentados em baixo de uma sombra de uma árvore meio que enorme, na beira no lago. Lily estava deitada com a cabeça no colo de Rose, e ao lado das duas estavam Dominique e Lucy. Ao lado das quatro estavam Roxanne e Hugo, e na árvore da frente, Fred e Louis. Apenas James e Al continuavam em pé.


- Albus, meu irmãozinho querido, eu gostaria de introduzir você a uma coisa que nós, os mestres, chamamos de camisinha! Disse James seriamente, passando o braço pelos ombros do irmão.


- Meu Deus...


- Nojento!


- Potter...


- Repete... porque eu acho que não entendi. Disse Albus, olhando incrédulo para o irmão. – Você acha que eu não sei o que é uma camisinha? Perguntou ele.


- Eu sei que você sabe o que é, é claro... se não soubesse, o nosso problema seria maior do que eu pensava! O negócio é o seguinte... quando é que você e sua namorada vão consumar esse relacionamento abençoado por Deus? Perguntou ele. As palavras escolhidas por ele fizeram o pessoal rir.


- Não é da sua conta, James. Disse ele sem-graça.


- Ahh, qual é! Não fique tímido... primeiro de tudo, você sabe como colocar uma camisinha? Perguntou ele com ar de professor. – Alguém aqui sabe? Perguntou ele para os primos, que observavam tudo segurando o riso.


 Apenas Fred e Louis levantaram a mão, o último já estava rindo descontroladamente.


- Muito bem... e você Hugo Weasley, não adianta se esconder porque eu sei que você também sabe! Exclamou ele apontando para o primo, que arregalou os olhos.


- Hugo! Exclamou Rose para o irmão, fingindo malicia.


- Nem comece... Resmungou ele.


- Bom, sendo assim... o que acham de uma demonstração? Algum voluntário? Perguntou ele, recebendo olhares arregalados e os gritos de protesto das meninas.


- Meu Deus! James, você é doente! Exclamou Dominique, antes de se levantar.


- Doido. Seu irmão não tem jeito, Lils... Disse Rose para Lily, que ria da merda que o irmão estava armando.


- Eu não fico mais aqui! Disse Roxanne levantando.


- Não, Roxy... você é a minha preferida! Gritou ele fingindo estar desesperado.


- Entre quem? Perguntou ela, levantando uma sobrancelha e deixando o lugar junto com as meninas.


 Salvos pelo gongo. Assim que as meninas chegaram no meio do jardim, com James ainda gritando no pé do ouvido delas, insistindo que aquela seria “...uma experiência única na vida de vocês!”, Victorie e Ted apareceram na outra extremidade do jardim – bem ao lado da casa – e acenaram para elas.


- Vic! Gritou Dominique para a irmã, com alivio. – Não sabe como é bom ter você aqui! Disse ela, assim que conseguiu alcançá-la, lhe dando um abraço.


- Nossa, o que houve?! Perguntou Victorie, rindo e retribuindo o abraço.


- Nada! Disse James, que tinha acompanhado as garotas até a frente da casa. Logo atrás dele estavam Hugo, Fred, Albus e Louis. – São apenas as novidades que vocês querem contar... estão nos deixando curiosos!


- Ta... mas vão ter que esperar um pouco. Disse Ted. – Vamos contar na hora do almoço...


- Que seria... agora? Disse Roxanne, apontando pra mesa e depois pra porta da casa, da qual Molly sai correndo, enxugando as mãos no avental e indo abraçar a neta mais velha e o namorado.


 A matriarca da família aproximou-se do grupo e foi direto abraçando Victorie e Ted juntos, num de seus famosos abraços de “quebrar as costelas”. Quando finalmente foram soltos, o que não faltaram foram as broncas de como estavam magros e pálidos, e que deviam comer algo imediatamente. Ted e Victorie apenas riram educadamente, acostumados com aquelas coisas toda vez que iam para a Toca.


- Venham almoçar, crianças. Disse ela, referindo-se ao grupo todo, mesmo que dois deles tivessem 23 anos.


 Ao atravessarem o jardim, já se depararam com os pais sentados na mesa, e o “banquete” posto com os melhores e maravilhosos pratos da Sra. Weasley. O melhor dos almoços de fim-de-semana era a hora em que todos se sentavam à mesa; era aconchegante. As conversas eram as melhores e as pessoas também.


 Numa normal família britânica, você observaria a mesa divida entre dois lados. Num lado, estariam os adultos, conversando sobre coisas mais sérias e assuntos maciços. No outro, você ouviria os risos altos e as brincadeiras constantes dos jovens, que sempre acabavam em guerras de comida, mesmo que a comida fosse deliciosa demais pra ser desperdiçada daquele jeito. Nesse caso, a família Weasley não era normal, pois só havia crianças naquela mesa. Não havia uma linha que separava as duas gerações.


- E então, quem ganhou a partida? Perguntou Ron, sentado ao lado de Hermione e servindo-se do empadão de carne.


- Eu ganhei pai! Exclamou Rose sorridente.


- Você, e quanto à sua dupla, hein? Sua ruiva traidora! Brincou Louis, atirando um pedaço do pão de alho na cabeça da prima.


- Admita Loira, eu fiz praticamente tudo ali... quase que não foi preciso, porque Hugo e Fred jogam mal pra caramba!


- HEY! Exclamou Hugo indignado, sentado em frente à irmã.


- Ok, eu admito que sou melhor com um lápis e um papel na mão do que com um bastão na mão. Disse Fred, servindo-se.


- Ui. Disse Albus rindo junto com o irmão.


- Cala a boca pervertido. Disse Fred rindo, atirando o torrão de açúcar que ia colocar no suco em James, que o pegou com a boca.


- Tudo bem, os homens – tirando o meu querido primo Fred – têm certa dificuldade quando o assunto é se expressar verdadeiramente. Disse ela, fingindo indiferença. As mulheres na mesa riram. Lucy, Dominique, Lily e Roxanne bateram palmas para a prima.


- Foi de mim que ela tirou essa inteligência. Disse Hermione, orgulhosa.


- Me tire dessa, viu! Disse James, bebendo o suco de abóbora.


- Eu também! Disse Albus, junto ao irmão.


- Tire todos nós dessa, sobrinha! Disse George, fingindo estar indignado. – Somos homens decentes. Disse ele, fazendo Angelina tossir ao lado dele.


- Nós somos homens decentes, você... eu já não tenho certeza. Disse Harry, rindo.


- Ora ora, ele colocou as mangas de fora! Disse Carlinhos brincando com o cunhado.


- Nem vem Harry, você roubou a nossa irmãzinha e sabe disso! Disse Gui, rindo.


- É isso ai. Disse George.


- Ok, vocês tem consciência de que eu estou aqui, não é? Falam de mim como se eu não existisse. Reclamou Gina, mas rindo da brincadeira toda.


 As brincadeiras no meio do almoço eram inevitáveis. Principalmente da parte de James, Albus e Rose, que viviam arranjando alguma coisa pra falar não importasse de quem. Era bom demais e não passava rápido, dava pra aproveitar cada momento meticulosamente. Depois do banquete, vinha a sobremesa. Os bolos e os pudins eram a melhor parte, porque além do almoço maravilhoso, Molly fazia os melhores doces que se existia.


 O sol ainda batia quente na grama verde da Toca e o almoço já acabava. Quem diria, que aquele domingo seria mais especial do que qualquer outro domingo que eles já tiveram juntos. E foram muitos.


- Família, a conversa está ótima... mas, Ted e eu temos algumas coisas importantes para contar. Disse Victorie de repente, virando toda a atenção para ela e Ted.


- O que houve? Perguntou Molly curiosa.


- Victorie Weasley, não me diga que você está grávida. Disse Gui alarmado.


- PAI! Dominique, Louis e Victorie exclamaram na mesma hora.


- Não, pai... eu não estou grávida... Disse Victorie suspirando alto, morrendo de vergonha.


 Os cabelos de Ted, que estava ao seu lado, passavam de um castanho escuro para preto e a pele estava branca quase transparente.


- Sr. Weasley, Victorie e eu decidimos esperar que toda a família estivesse reunida pra darmos a notícia... nós dois estamos noivos. – A face de Ted se iluminou e ele sentiu o sangue voltando ao rosto, só de pronunciar a palavra noivos. – Eu pedi a mão da sua filha em casamento. Concluiu ele, controlando-se para não pular em cima da mesa, de tanta felicidade. Apesar de ser filho de Remus, ele tinha os surtos parecidos com os que Tonks tinha.


 O silêncio na mesa durou apenas um segundo, pois no momento seguinte, não havia nada que pudesse parar os Weasley de gritar de felicidade. Ted e Victorie foram engolfados por abraços dos que estavam mais próximos, e não demorou para que a Sra. Weasley os abraçasse com aquele famoso “abraço quebra-costelas e outros ossos do corpo”.


- Parabéns, minha querida! Disse Arthur, abraçando a neta.


- Obrigada, vô!


- E você rapaz, trate de cuidar muito bem da minha neta.


- Pode deixar, Sr. Weasley... eu já cuido muito bem dela. Disse Ted sorrindo, e abraçando a loira pela cintura.


- Faça das suas palavras as minhas, papai... Disse Gui, aparecendo ao lado de Arthur.


 Ted congelou novamente, mas sorriu ao abraçar o pai da sua noiva. Victorie sorria ao seu lado, confiante e aliviada pelo pai ter parado de forçar a barra com ele.


- Parabéns, aos dois! Disse Gui, mais descontraído e abraçando a filha.


- Obrigada papai! Não sabe como eu fico feliz em ouvir isso! Disse ela, soltando-se do abraço.


- Eu sei o quanto. Disse ele, e depois virando-se para o novo genro. – Então, Ted... quais são os planos para o que vem pela frente?


- Ainda estamos nos organizando... Victorie já conseguiu se estabelecer no Saint’s Mungus, e eu estou quase terminando o meu curso no Ministério. Quanto ao casamento, eu recebi regras estritas de não me envolver na decoração senão...


 Gui riu junto com a filha e Ted. Já tinha passado da hora desses dois juntar as trouxas. Assim que a conversa deles três terminara, James veio correndo à eles e pulou em cima de Ted que cambaleou para o lado.


- Iai, Lupin... pronto pra se acostumar com a vida na rédea curta? Sem mais noites atrás de rabos de saia... é bom você se comportar, porque qualquer passo em falso e você já era, meu amigo! Disse James bem-humorado, abraçando-o.


- Pode deixar... pra falar a verdade, eu fico feliz em ser homem de uma só. É uma sensação única. Disse Ted, assim que Victorie saiu para falar com as tias, a mãe a avó.


- Meu Deus, o que ela fez com você? Perguntou Albus, juntando-se ao grupo com os outros primos.


- Lavagem cerebral. A única resposta! Eu nunca desistiria da minha vida atrás das mulheres... Merlin, isso sim que é único! Disse Fred rindo, e batendo na palma da mão de Albus.


- Al, eu vou contar tudo isso pra Emily! Exclamou Rose, vitoriosa.


- Rose, nem se atreva. Disse ele sério. – Eu tava só brincando.


- Falando em Emily... Disse James, mas não conseguiu completar a frase porque os gritos de protestos foram mais altos.


- James, nem pense nisso! Exclamou Roxanne.


- Seu pervertido. Resmungou Dominique.


- Nem todo mundo tem um passado de cafetina que nem o seu, James. Disse Hugo balançando a cabeça. – Se não fosse Louise, você já teria aberto um bordel em Hogsmeade junto com Peter.


- Nossa, vocês sempre tiveram essa imagem de mim? Perguntou ele, fingindo estar ofendido.


- Sempre, desde que você era um bebê já estava atrás de garotas. Disse Ted, brincando.


- Não brinca?! Exclamou ele, surpreso. – Então quer dizer que desde pequeno eu já era um garanhão? Perguntou ele à si mesmo.


 Era incrível como aquele garoto tinha um ego enorme. A conversa prosseguiu num ritmo animado. Logo depois do almoço, Ted e Victorie já tinha indo embora pra curtir o fim-de-semana juntos antes que começasse a jornada de trabalho da loira.


 Antes que o sol fosse embora, como todo domingo eles faziam, James se lembrou da última caída no lago antes do começo das aulas. Foi uma correria até o pequeno caís da Toca, meio torto e com algumas toras de madeira soltas, mas ainda firme e forte. Os meninos tiravam a camisa no meio do caminho e as meninas apenas corriam cutucando a barriga deles, fazendo com que eles ficassem pra trás. James pegou Dominique pela cintura e jogou ela no riu com tudo, pulando logo atrás.


- James, seu idiota! Disse ela rindo e jogando água nele.


 As próximas foram Rose, Lucy, Roxanne e Lily, que caíram no lago espirrando água pra todos os lados, deixando vários anéis na água. Louis, Albus e Hugo pularam logo atrás de Fred, tentando afundar as meninas na água, que conseguiam escapar e faziam o mesmo com eles. Depois disso não demorou muito para que o céu fosse tomado por um alaranjado e a lua aparecesse sem que ninguém desse conta. Aos poucos, eles foram saindo do lago e correndo para a casa para se secar.


- Merlin, o que houve com vocês? Perguntou Molly, assim que viu todos entrarem molhados dentro da casa, já apinhada de gente.


- Fomos dar uma nadada bem rápida... Comentou Lucy, se abraçando pra ver se passava o frio. – Mas, esquecemos alguns detalhes como, sei lá... toalha?


- Venha aqui, querida! Disse Molly, apontando a varinha para a neta e secando-a e repetindo o mesmo com os outros.


- Cara, que frio! Reclamou Louis, vestindo um casaco que tinha trazido.


- Já está ficando tarde, acho que é melhor irmos! Disse Fleur. Era possível ver a alegria irradiando do rosto da veela.


- É. Concordou Gui.


- Ainda preciso pegar umas coisitas a mais antes de fechar o malão, e depois é só partir pra liberdade! Exclamou James, satisfeito e se espreguiçando no sofá junto com Lily.


- Muito bem James Potter, e que coisas são essas, exatamente? Perguntou Gina, suspeita.


- Nada de mais... Mentiu ele, maroto e piscando pro irmão, que tentava esconder o riso.


- Gi, me lembre de trancar o meu armário antes de dormir. Disse Harry, alertando a esposa.


 O pessoal riu.


- Eu não acredito que vocês não confiam em mim! Exclamou James.


- Oh, como ele é um menino ingênuo! Disse Rose, bagunçando os cabelos do primo.


- Não é questão de confiança, Jamie. Disse Gina rindo e depois chamando os três filhos para irem embora. – Vamos, amanhã vocês precisam acordar cedo.


 A escuridão tomava conta do céu e a luz da lua iluminava a Toca, brilhando junto com as estrelas salpicadas no manto negro. As férias haviam acabado, mas isso não significava que eles não iam se divertir até o próximo verão. Pelo contrário, muita coisa estava por vim. Muita!




N/A: Hello ya'll! Eu não aguentei e postei :P Bem, alguns de vocês leram a prévia, e apenas uma pessoa se expressou em relação à mesma, mas... anyway, aqui esta o primeiro capítulo. Não está muito grande, e nem uma maravilha, mas tentei fazer uma boa dosagem de humor, já que vai ter mais drama presente pela frente [Rimou! (:]. Espero mesmo que tenham gostado, e dessa vez comentem, porfavor! Vão fazer o meu dia, melhor, a minha semana! ;) No final de cada capítulo eu vou responder aos comentários. Ah, e pra quem gostou desse, o segundo já tá pronto! Com 15 comentários eu posto (: Sintam-se livres para criticar, e é claro, elogiar. Paz e amor, no woman no cry.


L.R.Lolliwer's: Obrigada pelo comentário na prévia! ;) Espero que goste desse capítulo! :*




xoxo. Nat W.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.