FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

6. Aulas


Fic: New Age


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Após a reunião noturna com os professores onde o moreno deixou claramente as diferenças entre si e “seus pais” ele voltou à sala comunal da Sonserina onde encontrou Blaise e Draco esperando por ele. Depois de algum tempo conversando com os dois meninos ele havia aprendido um pouco sobre os dois, antes de irem para o quarto designado, porem diferente das outras casas cada alunos tinha que apenas dividir com uma única pessoa ou teria um quarto sozinho como no caso dos três.


Na manha seguinte ele acordou antes das 6 da manha e como disse escreveu uma carta ao conselho de governadores explicando o acontecido e a forma como a professora havia exigido informações sigilosas de um aluno, usando sua posição e a do diretor como desculpa.


Logo após ele saiu para dar uma volta pelo do castelo e fazer alguns exercícios matinais. Uma hora depois quando terminou ele voltou para os alojamentos da Sonserina e tomou um banho para tirar o suor do corpo e foi a sala comunal que já tinha umas poucas pessoas que o enviaram olhares avaliativos ou zombeteiros, como se quisessem dizer que ele não pertencia ali.


Zombando internamente ele se sentou em uma poltrona e tirou um livro sobre runas demoníacas e começou a ler memorizando os símbolos efeitos e usos enquanto usava sua habilidade para dividir sua mente para pensar em varias formas e formulas diferentes para usa-las.


Alguns minutos depois vários alunos começaram a descer a ir para o salão principal onde comeriam o café da manha. Apesar comer não era uma necessidade para seu corpo ele seguiu os outros para pegar o horário das aulas.


Enquanto andava pelos corredores ele percebeu os sussurros dos outros alunos e os olhares que enviavam em sua direção. A maioria era ou sobre sua cicatriz ou sobre ele esta se tornando um bruxo das trevas.


Franzindo o cenho mentalmente em desgosto ele decidiu ignorar os insetos em seu caminho e entrou no salão principal se dirigindo a mesa da Sonserina e sentando ao lado de Draco e Blaise, e em frente à Pansy Daphne e Tracy.


- Bom dia Potter. Draco cumprimentou enquanto enchia seu prato com ovos mexidos.


- Bom dia Malfoy, Zabini, Parkinson Greengrass e Davis. Disse pegando um pouco de ovos e bacon enquanto lia seu livro de runas, recebendo olhares curiosos de algumas pessoas na mesa.


- O que?  Perguntou levantando uma sobrancelha.


- Acho que falo por todos quando pergunto que livro você esta lendo. O titulo parecem símbolos estranhos e é ilegível. A herdeira Greengrass disse sem emoção na voz.


Sabendo que o livro só podia ser lido por alguém com sangue de demônio nas veias o moreno fechou o livro e o guardou no bolso da calça para evitar chamar mais atenção. – Bem é um livro sobre um assunto que eu gosto e que só pode ser lido pelo dono e é isso.  Respondeu calmamente recebendo olhares cortantes dos cinco jovens curiosos.


Sorrindo levemente o jovem Esper começou a comer silenciosamente ate que sentiu uma presença familiar se aproximar. Logo ele viu professor Snape entregando o horário de aula para os alunos e vindo em sua direção. Quando se aproximou ele lançou um olhar duro e frio e entregou o horário sem dizer uma palavra e se afastou entregando o horário para o resto dos alunos.


- Ele não parece gostar muito de você. Blaise disse olhando para o moreno como se perguntasse o porquê disso.


- Bem vamos apenas dizer que ontem não foi um bom primeiro dia. Falou desinteressado. – Então Zabini me diga um pouco sobre sua família.


XXXX


Enquanto os todos comiam seu café da manha despreocupadamente. Albus Dumbledore estava concentrado pensando no rumo que seus planos tomaram. Há alguns anos tudo estava indo do jeito que estava planejada, o jovem Harry viveria uma vida oprimida em um lar abusivo onde ele se tornaria fraco e tímido, as magias que ele colocou nele também ajudariam com isso.


Ele viveria sem amor e sem conhecimento de sua fama e fortuna para que não se tornasse muito independente ou arrogante e se tornasse alguém sem muita alto estima.


Depois ele viria a hogwarts onde faria amizade com o jovem Weasley que manteria ele afastado de más influencias e o faria preguiçoso para que ele não se tornasse muito capaz, e também o ajudaria a em pequenos testes que ele criaria para testar a força do jovem Harry, e manteria vigia sobre o menino e manteria outras garotas afastadas para sua irmã, onde ele conheceria toda a família Weasley e se sentiria amado e querido.


 E quando fosse a hora ele lutaria com Tom Riddle o cansando antes de sofrer uma morte trágica nas mãos do senhor das trevas, depois ele apareceria e mataria Tom e seria clamado como o maior bruxo existente e a família Weasley seria rica e famosa com a fortuna dos Potters graças a um contrato de casamento que ele criou como seu guardião legal.


Tudo estava indo certo ate cinco anos atrás quando de alguma forma todos seus planos começaram a ruir. Os Dursley que eram pagos para manter o menino manso foram encontrados mortos com queimaduras por todo o corpo e o menino foi dado como desaparecido. Quando Arabella Figg uma mulher aborto que ele havia recrutado para manter os olhos em Harry o avisou desse fato ele rapidamente foi ate a casa dos Dursley e tentou achar qualquer vestígio do menino, porem sua busca havia sido infrutífera e ele não achou nada.


Meses depois de alguma forma o menino assumiu o controle da casa dos Potters e se emancipou tirando seu controle sobre ele e sua fortuna, e fez algo para que os duendes se recusassem a dizer algo sobre ele ou revelar seu paradeiro antes de desaparecer. Tirando todo o dinheiro do cofre de seu cofre, do cofre de Molly e do cofre da ordem como compensação deixando apenas os objetos e míseros 350 galeões os quais os duendes pareciam tentados a tirar.


E agora antes de vim a hogwarts ele cancelou o contrato de casamento com a filha mais nova de Molly e aceitou propostas de casamentos antigas com as casas Greengrass, Bones e Bell aumentando a influencia politica de sua própria casa e uma semana após a família Parkinson cedeu seu acento na suprema corte a casa dos Potters devido a extensas dividas entre as famílias e  ainda corria o risco de ser feita uma casa escrava com os membros obrigados a obedecer o jovem Harry como escravos.


E ainda havia o fato de que Harry era alguém seguro de si e independente, ele lembrava muito Tom quando veio a hogwarts anos atrás, ele ate foi classificado na mesma casa e fez amizade com um Malfoy. Essa foi uma possibilidade que ele não havia calculado.


E isso o assustava, todos seus planos e todos seus anos de sutis manipulações estavam prestes a ruir porque ele não havia calculado a possibilidade do menino se tornar igual a Tom. Um novo lorde das trevas logo após o outro seria terrível para a comunidade magica britânica, ainda mais com Voldemort tentando recuperar seu poder. E se os dois se unissem definitivamente seria uma combinação fatal.


Ele tinha que impedir isso de alguma forma.


XXX


Do lado do diretor, Severus Snape e Minerva Mcgonagall também estavam imersos em pensamentos envolvendo certo moreno de olhos verdes. O primeiro em sua mente pensava com desgosto em como o menino era parecido com seu “pai” James Potter, apesar de a aparência ser bem diferente, a arrogância e a personalidade pareciam se iguais e isso o deixava com certa raiva e ressentimento no coração.


Raiva por ter que agir civilizado com o menino na frente de outras pessoas para que a casa não perca pontos e ganhe a taça novamente. Raiva por não poder usar outra pessoa para ensinar uma lição ao menino sem sofrer consequências já que ele era o senhor de sua casa como o anel em seu dedo indicava, já que uma mera “lição” poderia acabar com um duelo de honra sendo feito onde 1- o menino seria morto e o lorde das trevas prevaleceria ou 2 – o menino de alguma forma venceria o oponente possivelmente o matando e ele teria que assumir a responsabilidade, e nenhuma das duas opções, era atraente para ele.


E ressentimento pelo menino ser o filho da única mulher que amou com outro homem e apesar de ser classificado em uma casa diferente parecia ser mais parecido com o maldito homem do que com sua mãe.


Já a professora de transfiguração sentia culpa por ter deixado o menino em um lugar onde ela sabia que ele não seria bem cuidado, onde mais tarde desapareceria sem deixar vestígios e reapareceria totalmente diferente do que ela havia esperado. Ela se sentia traída pelo menino ir para a casa em que o homem que assassinou seus pais, dois de seus mais queridos alunos foi classificado, ressentida pelo fato de que o menino se mostrou totalmente diferente de Lily e James como mostrou na noite anterior e com raiva, pois o menino como havia dito enviou uma carta para o conselho de governadores de hogwarts e eles a enviaram uma carta criticando suas ações e a punindo tirando-a da posição de vice-diretora temporariamente depois de anos no cargo.


No entanto apesar dos diferentes pensamentos ambos pensavam em como seria o menino se ele fosse deixado com outra família ao invés dos Dursley. Talvez ele fosse mais igual a sua mãe ou fosse mais uma mistura de ambos. Mas no final essa era apenas uma pergunta na qual eles nunca teriam a resposta.


XXXXx


Na mesa da Sonserina, uma menina loira de olhos verdes gelados com feições finas e nobres olhava o jovem Potter silenciosamente enquanto o avaliava internamente. Desde que ela se encontrou com ele no trem por causa de Draco ela instantaneamente começou a olhar e analisar a pessoa que seria seu futuro noivo. Como uma puro-sangue ela sabia que algo assim ocorreria cedo ou tarde quando sua família buscaria mais laços políticos e econômicos com outras famílias e a ofereceria sua mão em casamento para alguma outra família rica e nobre.


Apesar de já esperar algo assim ela se surpreendeu quando seu pai deu a noticia de que a casa dos Potters aceitou a proposta de sua família e a fez noiva de Harry Potter o herói do mundo bruxo britânico. Apesar de estar feliz por não ter que se casar com alguém velho por causa do contrato ela ainda não estava satisfeita inicialmente, ela pensou nele como alguém que seria arrogante e mimado por causa de seu status como uma celebridade, no entanto todos os seus pensamentos sobre o menino mudaram quando o conheceu no trem.


Ao invés de um menino mimado e pretencioso, ela conheceu alguém totalmente diferente, ele era confiante sim, mas não arrogante, seus olhos traziam uma certa malicia que não era esperada e suas palavras e ações diziam claramente que ele se não se importava com a opinião dos outros sobre si e não mudaria.


E isso foi algo que a interessou, ter uma pessoa segura de si com poder para politico e magico para se manter era muito melhor que ela podia esperar, mas por enquanto ela iria observar o moreno atentamente.


XXXXX


Na mesa da lufa-lufa uma menina ruiva com um rosto arredondado e olhos castanhos olhava para um determinado moreno de olhos verdes que estava sentado na mesa da Sonserina conversando com o herdeiro Malfoy.


Corando ela abaixou a cabeça pensando em uma forma de se aproximar e falar com o moreno sobre o contrato de casamento existente entre suas famílias. Como sobrinha da chefe DELM e herdeira da casa dos Bones ela sabia que haveria propostas de casamentos, pedindo sua mão, apesar de não gostar da situação e querer se casar com alguém que amasse ela não tinha como recusar ou anular algo que seus  pais fizeram enquanto ainda estavam vivos.


Enquanto ela sabia que seus pais não a casariam com algum velho ou alguém fora da sua faixa de idade, ela nunca imaginaria que seus pais a noivariam com Harry Potter, o menino-que-sobreviveu e uma das pessoas mais famosas do mundo bruxo.


Apesar da supressa com o contrato o que mais a surpreendeu e amedrontou foi o fato de seu pretendente ser selecionado para a casa dos assassinos de seus pais e de seus próprios e ainda fazer amizade com o filho de um conhecido ex-comensal da morte.


Desde o final da classificação das casas ela havia ficado preocupada em como abordar alguém foi enviado para um lugar aonde apenas bruxos das trevas iam. Ela temia que ele usasse o contrato para limitar ela e mantê-la do jeito que ele queria ou força-la a fazer algo e isso a assustava, pois sua tia havia deixado claro que queria que ela estivesse no mínimo próxima a seu futuro marido antes do natal, ou ela a puniria severamente.


E sua tia não foi uma mulher que ela gostaria de desafiar.


XXXXX


Na mesa da Grifinória uma menina de cabelos castanhos com olhos escuros olhava curiosamente para um menino moreno de olhos verdes sentando-se à mesa da Sonserina próximo ao herdeiro Malfoy.


Ontem quando o quando Harry Potter foi selecionado para a Sonserina ao invés da Grifinória, ela havia ficado tanto surpresa e chateada, surpresa, pois ninguém esperava que o herói do mundo bruxo fosse para o poço das cobras ao invés da cova dos leões como seus pais.


No entanto foi uma surpresa interessante, pois agora ela teria que desvendar completamente quem era Harry Potter, o seu futuro marido.


XXX


Logo o café da manha chegou ao fim e os alunos começaram a andar em direção as suas aulas, com os mais velhos guiando os primeiros anos para que eles pudessem memorizar as passagens do castelo.


Logo eles chegaram a aula de transfiguração onde um gato estava sentado em cima da mesa olhando os alunos entrarem, assim que o jovem esper moreno entrou o gato olhou para ele e estreitou os olhos.


Sorrindo friamente Harry ignorou a professora transformada e se sentou ao lado da herdeira Greengrass na primeira cadeira enquanto esperou a aula começar.


Depois de alguns minutos quando todos estavam em seus lugares sentados à porta se abriu novamente revelando um menino ruivo com sardas e um menino de pele escura com cabelos curtos.


- Ainda bem, parece que a professora ainda não chegou. O menino ruivo disse entrando na sala. Para a surpresa de muitos o gato encima da mesa saltou e se transformou na mesma mulher que os guiou na primeira noite. – Isso foi incrível. O ruivo exclamou surpreso.


- Fico feliz que tenha apreciado senhor Weasley, agora porque você e o senhor Thomas não chegaram no horário marcado. Perguntou severamente para o menino que engoliu em seco.


- Nós perdemos professora. O menino de pele escura disse.


- Então talvez eu deva transfigurar um em um mapa para que o outro possa chegar às aula na hora , agora sentem-se. Ordenou severamente antes de voltar sua atenção para a turma. – Transfiguração é uma das matérias pouco perigosas que vocês aprenderão em hogwarts. Disse severamente para a turma silenciosa, mostrando sua habilidade em manter uma sala quieta. – Eu só irei avisar uma vez brinquem na minha aula e vocês saíram e não iram voltar. Disse tocou a ponta da varinha na mesa a transformando em um porco e depois de volta ao normal, surpreendendo os alunos.


Depois de uma breve palestra teórica a professora entregou um palito de fosforo para todos os alunos e instruiu-os a transfigura-los em agulhas. Logo o silencio na sala foi quebrado pela voz dos alunos que falavam o nome do feitiço.


Bufando internamente o moreno varreu os olhos pela classe vendo que poderia ter algum talento, dos Grifinórios apenas Aron parecia saber o que estava fazendo mesmo que ainda não tivesse terminado a tarefa de proposito, a maioria dos Sonserinos parecia no mesmo barco, dentre eles Malfoy, Parkinson e os idiotas Crabbe e Goyle, os únicos que pareciam ter conseguido algo foram Greengrass, Zabini e Davis.


Tirando uma simples varinha preta das vestes ele transfigurou o fosforo em uma agulha perfeita e começou a equilibrar a agulhar no dedo indicador.


- Cinco pontos para a Sonserina por terminar a tarefa senhor Potter. A voz da professora soou mesmo que um pouco de contragosto fosse perceptivo em sua voz.


Assim que a turma percebeu as palavras da professora muitos do sonserinos deram olhares rápidos enquanto alguns grifinórios o fuzilaram com o olhar. Mantendo o rosto em branco o moreno zombou mentalmente e começou a transfigurar a agulha em um prego, depois em um parafuso, então um lápis, depois um pedaço de tora e por fim uma mini escultura de uma súcubos com os braços cruzados e as asas de morcego para cima.


A cada nova forma os outros alunos assistiam com fascinação o modo como o moreno mudava a forma de um objeto para outro com facilidade ate que parou em uma mini estatua de uma mulher com asas de morcego e os braços cruzados escondendo os seios.


Em frente a classe a professora estava com o queixo levemente caído na demonstração de talento do moreno na arte da transfiguração, recuperando a postura antes que qualquer aluno percebesse ela adotou uma postura seria e se aproximou da mesa em que o jovem Potter sentava junto com a herdeira Greengrass.


- Foi uma boa demonstração senhor Potter. Disse seriamente sem deixar passar a supressa que sentia na voz. – Tome mais 40 pontos para a Sonserina por tal demonstração. Mas se posso perguntar por que escolheu tal... forma para o final?  Perguntou olhando avaliativamente a súcubos tomando nota nas formas bem definidas e no rosto que carregava uma expressão de ... êxtase?


Sorrindo cinicamente o moreno olhou para a professora que observava a estatua. – Bem foi apenas algo que veio a cabeça na de mais na verdade. Disse guardando sua varinha, pegando a súcubo e estendendo o braço com a mini estatua na direção da professora. –Se quiser pode ficar com ela, você parece ter gostado. Disse com um sorriso leve fazendo a professora o olhar nos olhos desconfiada por alguns segundos antes de pegar a estatua e agradecer.


 Após a aula de transfiguração foi herbologia em conjunto com a Corvinal tendo Pomona Sprout como professora. Apesar da alegria que a mulher tentava passar a seus alunos poucos pareciam gostar de sua aula, com exceção de Harry quase todos reclamavam por se sujarem com terra mesmo a herdeira Greengrass que foi irônico dado seu nome.


A aula de Feitiços foi ensinada pelo professor Flitwick, que era um pequeno bruxo de descendência goblin que tinha que ficar em uma pilha de livros para ver sobre a mesa. Ele era um professor descontraído, e teve uma rica sensação de humor e sempre foi justo com seus alunos, mesmo aqueles que não estavam na Corvinal. Ele era um homem emotivo, tendo verdadeira paixão em ajudar seus alunos a aprender seu ofício e teve um gosto particular pelo jovem Harry que mostrou grande talento em sua classe sempre sendo o primeiro a dominar algo e ainda usando feitiços ainda não ensinados ou usando os aprendidos de forma criativa como levitar os dezenas de livros criando uma espécie de cercado e levitando o professor para dentro dele.


Defesa Contra as Artes das Trevas foi uma grande decepção, apesar de não ser uma das classes de Harry estava realmente interessado, mas foi ensinado por um tolo gaguejando, Professor Quirrell. Para uma classe que deveria ter ensinada perfeitamente, Quirrell não podia ensinar corretamente. Ele levou o dobro do tempo para instruir qualquer coisa, e levou a classe duas ou três vezes mais tempo para ensinar nada, porque levou um bom tempo para descobrir o que Quirrell estava dizendo.


História da Magia foi ensinada pelo professor Binns, o unico fantasma á ensinar. Binns falava e enquanto eles anotavam nomes e datas. Para Harry, foi terrivelmente aborrecido nesta classe, até que ele começou a ler de forma independente em classe; pegar um livro proprio e ler sobre outros assuntos além de Rebeliões Goblin, que era a única coisa Binns sempre falava. No geral, foi a melhor da classe para dormir ou fazer outra coisa , sendo basicamente, um período livre, desde que ele poderia ignorar Binns.


Poções foi uma das ultimas aulas a serem ensinadas na semana tendo Snape como professor. Assim como a professora de transfiguração ele tinha a habilidade de manter a classe silenciosa. Depois de um discurso meia boca sobre por uma rola na fama, engarrafar a gloria e fermentar a morte ou algo parecido, ele começou a fazer perguntas difíceis para o herdeiro Longbottom e o menino Weasley e zombou quando ambos não puderam responder nenhuma, depois ele escreveu algumas notas no quadro e mandou eles prepararem uma poção cura furúnculos.


Enquanto ele observava e elogiava as poções feitas pelos sonserinos ele criticava e perturbava os grifinórios os fazendo cometer erros que custavam pontos a sua casa, apesar dele próprio não ligar Harry achou bem divertido assistir o alarido que todos faziam sobre a perda ou ganho de pontos.


Na noite de sexta os sonserinos e grifinórios estavam na torre de astronomia esperando a professora chegar.


- Porque nos temos que ter uma aula tão tarde? Draco perguntou bocejando como muitos dos alunos ao redor. – Será que eles não sabem que nos temos que dormir bem?


Sorrindo com a indignação e sonolência do companheiro de casa Harry deu um tapinha do ombro dele. – Ora Draco deixe de reclamar, ninguém precisa ficar ouvindo você reclamando sobre seu sono de beleza.  Riu fazendo alguns outros alunos rirem junto do herdeiro Malfoy que apenas enviou um olhar de indignação para o moreno antes de bocejar novamente.


- Eu não sei como você pode estar tão disposto há essa hora Potter. A Herdeira Greengrass resmungou ao seu lado mantendo o mesmo rosto sem emoção de sempre, no entanto o sono ainda era perceptível em seus olhos.


Virando o rosto para a menina sonolenta o moreno abriu um sorriso matreiro e passou o braço pela cintura da loira e puxou ela mais para perto de si. – Coitada da minha pobre Daphne, será que energia à noite te incomoda? Perguntou sorrindo ganhando uma risada de Zabini e Draco que perceberam o sentido oculto na pergunta.


Antes que a menina pudesse dar uma resposta à porta se abriu deixando uma rajada de vento gelado entrar na sala fazendo os alunos tremerem de frio fora Aron que usava um colete grosso por baixo do uniforme, Harry que estava acostumado e Daphne que se apertou mais a Harry para se aquecer fazendo o moreno sorrir ainda mais.


Logo a porta foi fechada e a professora se adiantou ficando próxima a uma tocha revelando-se uma bela mulher de vinte e tantos anos de pele e olhos escuros com os cabelos cor de ébano preso em um coque destacando seu rosto. Assim como a maioria dos bruxos ela usava roupas que escondiam quase totalmente seu corpo, algo que Harry achou um desperdício.


Abrindo um leve sorriso a professora começou a falar. – Boa noite a todos eu sou a professora Aurora Sinistra e vou ensinar astrologia a vocês. Agora sem conversa eu quero que cada um pegue seu telescópio e comecem a observar as estrelas, constelações e planetas nessa classe nos vamos, aprender sobre seus nomes e movimentos. Disse melodiosamente. – Agora comecem.


Logo cada aluno começou a montar seus telescópios, vendo os modelos arcaicos e ultrapassados por no mínimo séculos o moreno riu baixinho e tirou um telescópio modelo C8-SGT XLT GoTo e começou a montar, o telescópio além de ser de ultima geração era encantado á funcionar com magia e tinha diversas runas que aumentavam seu desempenho em 450 vezes que o normal.


Assim que acabou de montar o telescópio ele se preparou para testa-lo ate que uma voz o interrompeu.


- Oque você acha que esta fazendo? Alguém perguntou com raiva atrás de si fazendo o demônio moreno franzir o cenho, se virando para a pessoa que o interrompeu ele viu a mesma menina do trem, com um misto de raiva e inveja no rosto.


- Pois não? Perguntou educadamente.


- Oque você que esta fazendo? Perguntou novamente de forma rude. – Esse não é um telescópio que pode ser comprado no beco diagonal e você não pode usar um telescópio trouxa aqui. Disse ainda rude botando as mãos na cintura.


Sentindo uma forte vontade de arrancar a cabeça da menina o moreno sentiu WISE tentar acalma-lo e respirou fundo antes de olhar para a menina.


- Escute garota, eu sequer te conheço e nem sequer sou da sua casa, então não venha falar comigo nesse tom, menina. Sibilou com veneno. – Considere-se com sorte que eu tenha muita paciência para lidar com aqueles que não sabem seu lugar no mundo. Cuspiu, fazendo a menina se encolher.


Antes que mais palavras pudessem ser ditas a professora Sinistra se aproximou com um rosto severo olhando para os dois.


- Algum problema senhorita Granger e senhor Potter. a professora perguntou seriamente olhando para os dois.


- Sim, ele esta usando um telescópio trouxa e não um vendido no beco diagonal como os outros. A Menina disse apressadamente como se esperasse o apoio da professora.


Franzindo a testa a professora olhou para o referido telescópio e se surpreendeu com o modelo desconhecido. – Senhor Potter esse é o seu telescópio? Perguntou tocando o aparelho enquanto o observava atentamente.


- Sim professora, é um dos melhores modelos e foi melhorado magicamente com runas. Disse abrindo um sorriso leve para a professora. – Porque não testa ele? Ofereceu com um sorriso elegante.


Meio hesitante a professora se curvou levemente e começou a observar se surpreendendo com a qualidade de visão superior e os detalhes mais nítidos.


- É incrível, as formas e detalhes são muito mais nítidos e claros, a visão é linda. Disse animada e surpresa enquanto virava o telescópio de um lado para o outro observando tudo oque podia.


Tenho certeza que ambos estamos tendo uma bela visão” Pensou enquanto observava os quadris e a bunda da professora que estava levemente empinada em sua direção.


Eu concordo plenamente, olha só essa bunda durinha e empinada.WISE comentou animado em sua mente. “Se essas malditas roupas bruxas não cobrissem tanto nos dois teríamos uma visão sinistra” Disse fazendo o moreno rir mentalmente no trocadilho.


Depois de alguns minutos observando a bunda da professora o moreno pigarreou chamando a atenção da professora. – Me anima que tenha gostado tanto mais eu ainda vou precisar do telescópio para fazer minha lição, não? Perguntou sorrindo matreiramente para a professora que corou levemente.


- Mas é claro senhor Potter me desculpe é que eu nunca pude observar as estrelas de formas tão nítida e detalhada. Desculpou-se com uma dica de vergonha na voz.


- Bem se você gostou tanto eu posso deixar ele aqui para você usar a vontade. Ofereceu recebendo um sorriso animado da professora.


- Eu ficaria grata, senhor Potter. Tome 50 pontos para a Sonserina. Disse antes de sair para dar atenção para outros alunos deixando a menina Granger com um olhar idiota no rosto.


 Próximo a si Zabini e Draco riam baixinho da menina enquanto Daphne e Tracy tinham um olhar divertido no rosto.


Após a aula de astrologia os alunos da Sonserina foram de volta para as masmorras onde foram para os seus dormitórios ou para a sala comunal. Não querendo perder tempo com seus companheiros de casa, o moreno voltou direto para o seu quarto e voltou a ler o livro sobre runas demoníacas ate sentir o sono chegar. 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por rosana franco em 23/12/2012

Agora não adianta chorar o Harry ja tem sua personalidade formada!!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.