FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

10. O quarto de Percy


Fic: O preço do amor- Capítulos revisados-AGORA COM CAPA!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Professor Dumbledore finalmente terminara de devolver sua memória, quando um barulho atraiu a atenção de todos.


 


- ONDE VOCÊ PENSA QUE VAI? – a Sra. Weasley gritou, ao olhar furiosamente na direção de Rony.


 


Embora não tivesse feito nada, Rony imediatamente deu um pulo pra trás. Até que ele percebeu que todos olhavam atrás dele, o que o fez se virar para ver seu pai congelado a poucos passos da porta, saindo da cozinha.


 


- A lugar nenhum, Molly – o Sr. Weasley bradou – Lugar nenhum.


 


- Você estava indo procurar aquela POÇÃO TROUXA AVERMELHADA! – a Sra. Weasley aumentou o tom de voz ao avançar no marido num ataque de fúria – AH, PELO AMOR DE DEUS! Isso é tudo que precisamos agora. Você roubar e se cegar.


 


- Não... não, eu não ia – o Sr. Weasley protestou, ao recuar da esposa.


 


Hermione não conseguiu se segurar. Começou a rir.


 


- Você não vai achar isso engraçado quando ela se dirigir a você – Rony sussurrou ao seu lado – É melhor nós sairmos daqui. Rápido – ele disse, puxando-a na direção da porta – E... eu calculo que seja melhor esconder aquelas coisas do papai.


 


Quando eles entraram no corredor, Hermione se dobrou de rir. Rony apenas ficou parado olhando para ela.


 


- Ah, isso machuca – ela choramingou, segurando com força as costelas. Uma lágrima desceu pelo seu rosto de segurar o riso – Faça parar.


 


- Você tem sido um pouco doida, Hermione – Rony riu – Eu acho que mamãe está certa. Você precisa dormir um pouco – ele disse ao tentar levá-la pelo corredor – Não é tão engraçado assim – Rony disse enquanto ela continuava a rir.


 


- É sim – Hermione falou em meio aos risos – Você o viu acovardado tentando mentir para ela? – ela perguntou seus olhos saltando divertidos – Aí, de repente, eu vi.


 


- Viu o que? – Rony perguntou ao segurar no braço de Hermione e ajudá-la a subir as escadas para o segundo andar.


 


- O que o Gui quis dizer.


 


- Do que você está falando? – Rony perguntou, fitando Hermione com uma expressão que ele normalmente reservava para Olho-Tonto Moody – O que o Gui quis dizer sobre o quê?


 


- Nós.


 


- Nós? Hermione, você não está fazendo sentido – Rony disse ao abrir a porta do quarto de Percy e guiá-la para dentro – Venha – ele fez sinal para Hermione segui-lo em direção a cama – Você precisa descansar.


 


‘Por que ela pediu a Dumbledore a memória de volta? Por que ela talvez quisesse lembrar todas aquelas coisas horríveis que aconteceram?’ Rony se perguntava ao puxar os lençóis para que Hermione pudesse subir na cama. ‘Ela estava tão assustada com aquela cobra, mesmo sem a memória. Não, não era a cobra que a deixou com medo’, Rony pensou, ‘era... ele. Era... ’ Ele mentalmente se forçou a dizer ‘... Voldemort. Eu iria querer esquecer. Não, isso não é verdade. Da mesma forma que eu odiei assistir aquilo, eu fiquei satisfeito por ver. Eu NUNCA vou esquecer o que eles fizeram a ela. Mas também não quero esquecer o que ela fez por mim. Ela se recusou a dizer praquela cadela deformada qualquer coisa sobre mim, mesmo sabendo que eles usariam a Maldição Cruciatus para obter a informação. Quantas vezes ela sofreu aqueles malditos feitiços por mim? Perdi a conta... ’


 


- Ron? – Hermione perguntou, tirando-o de seus pensamentos. Ele a viu parada bem ao lado dele, todos os traços de diversão já tinham sumido – Você está bem? – ela perguntou, os olhos castanho-escuro procurando pelos dele.


 


- Eu? – ele respondeu assustado com a pergunta. ‘Por que ela estaria preocupada comigo?’


 


- A cor sumiu do seu rosto – ela disse, estudando-o de perto – No que você estava pensando?


 


- Nada importante – Rony respondeu, olhando para o chão ao se afastar da cama e ir em direção à porta.


 


- Não vá – Hermione disse depressa ao soltar a faixa em torno de sua cintura e deslizar o roupão de Gina pelos ombros – Por favor – ela acrescentou, ao colocar o roupão na cadeira perto da mesa de madeira velha de Percy.


 


Rony teve que se esforçar para não olhar para o corpo dela. Foi preciso fazer força para manter os olhos focados nos dela, mas de algum jeito ele conseguiu.


 


Infelizmente, Hermione pareceu perceber sua luta e, ao invés de subir na cama, ela deu um passo em sua direção.


 


- Por que você não tranca a porta? – ela disse.


 


- O q... Por quê? – ele gaguejou.


 


Hermione sorriu para ele.


 


- Exatamente como o seu pai – ela respondeu, seus olhos se tornando vivos e dançando com uma risada abafada – Se você se acovardar, eu juro, não vou ser capaz de parar...


 


- Eu não sou covarde – Rony disse indignado.


 


- Então por que você está recuando? – Hermione perguntou.


 


- Eu não – Rony protestou, mas mesmo com as palavras saindo de sua boca, ele percebeu que suas costas estavam praticamente contra a porta fechada. ‘DROGA!’, ele pensou e se forçou a diminuir a distância que tinha criado entre eles. Ficando bem de frente pra ela, Rony continuou a olhar nos seus olhos. ‘Você está muito perto’, sua mente gritava. ‘Ela está bem aí, vestindo nada a não ser sua blusa. Tudo que você tem que fazer é tocá-la e. ’, seus olhos se deslocaram. ‘SAFADO!’, ele xingou internamente ao perceber que seu olhar tinha desviado para os seus seios e estava agora em suas coxas expostas. Ele imediatamente trouxe seu olhar de volta para o rosto dela e a viu sorrir conscientemente para ele.


 


‘Caraca’, ele pensou.


 


- Tudo bem, Ron? – Hermione perguntou inocentemente – Você parece um pouco... vermelho. Talvez você devesse... se sentar – ela disse, segurando sua mão e o puxando para a cama de Percy. ‘Não tão obviamente lá, Hermione’, ela pensou ao tentar com esforço não corar. ‘O que estou fazendo? O que há de errado comigo? Quando eu comecei a parecer Lilá Brown? Ah, santo Deus! Eu estou cantando ele. Eu vou parecer uma completa idiota. Apesar de que é do Ron que estamos falando. Ele provavelmente nem percebeu, a menos... Eu fui tão óbvia que até mesmo ele percebeu. ’


 


Antes que Rony sequer tivesse tempo de perceber, ambos estavam sentados na ponta da cama, sua mão ainda segurando a dela, e agora descansando em...


 


‘CARACA!’, sua mente gritou. ‘Ela colocou bem onde eu estava olhando. Bem na sua maldita coxa. ’ Incapaz de se impedir, seus olhos saltaram para olhar sua mão e deu de cara com a pele dela exposta. ‘Você não pode fazer isso’, o lado sensível de seu cérebro prevenia. ‘Não assim. Ela está vulnerável. Você não pode tirar vantagem dela. Ela vai se arrepender. Você vai se arrepender. Não, eu não vou’, a outra parte do cérebro gritou. ‘Beije-a. BEIJE-A AGORA!’, ela mandou.


 


Incerto do que fazer, Rony olhou nos olhos de Hermione. Ele quase pediu para que não tivesse feito isso ao ver o desejo neles. Sua pulsação acelerou ao vê-la inconscientemente molhando seus lábios com a língua.


 


‘Ela vai me beijar’, ele pensou uma fração de segundo antes de perceber que já estava se inclinando para beijá-la primeiro. Sabendo o que estava prestes a fazer, Rony congelou à milímetros de seus lábios.


 


- Hermione? – ele sussurrou.


 


- Sim? – ela perguntou, os olhos fechados agora.


 


- Eu não quero me aproveitar de você.


 


Rony não estava esperando que ela desse um risinho. ‘Hermione NÂO dá risinhos’, ele pensou. ‘Bem, isso não é verdade. Ela dá risinhos com Gina às vezes, mas são só coisas de menina. Ela nunca deu risinhos para mim ou Har... ’ Toda a consciência abandonou sua mente ao senti-la pressionar seus lábios nos dele e beijá-lo gentilmente. Não era como os beijos que eles tinham dado mais cedo. Não era cheio de paixão e desespero. Era suave e gentil, tão cheio de amor que fez seu coração doer quase tanto quanto seu corpo doía.


 


- Eu sei que você nunca se aproveitaria de mim – Hermione sussurrou, antes de beijá-lo levemente de novo – Nem eu quero me aproveitar de você. Eu não quero que você pense no que isso é – ela disse suavemente. Ela parou, a boca a meros milímetros da sua, esperando.


 


Rony sentiu cada respiração saindo pelos seus lábios inebriantes passando gentilmente por ele. Embora ele estivesse perto demais dela para ver aqueles lábios, principalmente devido o fato de que seus olhos ainda estavam fechados, eles eram claramente visíveis em sua mente. Tudo que ele queria era beijá-los; prová-los; prová-la. Ele hesitou por um longo momento, depois cedeu à tentação, se inclinou e cobriu a boca dela com a sua.


 


Ele a beijou com amor, considerando o quão suaves realmente eram os lábios dela; quão suave seu corpo inteiro era quando ela o tocou de leve. Então Hermione intensificou o beijo. O estômago de Rony se agitou de desejo quando ela abriu a boca e ele sentiu sua língua cruzar levemente seu lábio inferior. Gemendo baixo, Rony abriu sua boca em retribuição e foi agradavelmente surpreendido ao senti-la empurrar sua língua e hesitantemente roçar a dele. Foi só por um momento, mas foi o bastante para libertar alguma coisa dentro dele. Quase dois anos preso em frustrações e desejos reprimidos surgiram se agitando quando o beijo dela destruiu a barreira que ele tinha construído.


 


Quando o beijo deles esquentou mais, Rony lentamente colocou uma mão às costas de Hermione e soltou o prendedor que amarrava seu cabelo. Deixando-o cair no chão, ele enterrou sua mão em seus cabelos ainda úmidos, caindo pelos ombros. Conduzido por sua própria necessidade de saboreá-la, Rony usou sua outra mão, que ainda estava na cintura dela, para pressionar o corpo de Hermione contra o seu, pouco antes de empurrar sua língua em sua boca.


 


Por um segundo ou dois, Hermione pareceu incerta quanto a reagir a isso. Ela só sentou lá, seu corpo pressionado firmemente contra o dele e deixou-o acariciar sua língua com a dele. Então ela agiu num impulso, chupando com força a língua dele, baixando totalmente a guarda de Rony. Ele gemeu alto dentro de sua boca e se afastou para olhar para ela.


 


Enquanto os olhos quentes de Hermione se abriram trêmulos e lentamente voltaram ao foco, Rony reconheceu a emoção dentro deles. Era a mesma emoção que ele estava sentindo; a mesma chama de desejo. Seu corpo instantaneamente respondeu a ela, e seus já apertados jeans se tornaram imensamente mais apertados.


 


Respirando pesadamente, Rony fechou os olhos e desejou ser forte, mas seu corpo estava começando a lutar com ele. Tudo que ele queria fazer era puxá-la para perto e beijá-la de novo, mas em vez de ceder ao impulso, Rony se levantou e deu um passo para longe dela. ‘Não faça isso’, a parte sensível de sua mente gritava. ‘Se você beijá-la de novo, você não vai conseguir parar. ’


 


- Você... você deveria dormir um pouco – Rony disse, finalmente com confiança o bastante para abrir os olhos e olhar para ela de novo.


 


- Eu não preciso dormir, Ron – Hermione respondeu, seus olhos escuros e ardentes.


 


Incapaz de parar, seus olhos recaíram para seus seios e ele via hipnotizado, como eles se levantavam e abaixavam rapidamente cada vez que ela respirava fundo. ‘Caraca’, ele gemeu internamente. ‘Ela não está dizendo o que eu acho que ela está dizendo. Está?’


 


- Desculpe – Hermione disse, percebendo a hesitação dele e a interpretando como alguma coisa mais – A última coisa que eu queria era te deixar desconfortável – ela continuou ao se levantar da cama – Eu acho que eu só... não fui eu mesma agora. Eu estou passando por um momento difícil e focando em algo, mas... você... e – ela rapidamente cobriu a distância entre eles, se inclinando e beijando-o suavemente de novo – como é certo este sentimento. Eu tenho certeza que vou estar muito envergonhada de manhã, mas agora... Eu só... nós já perdemos tanto tempo e... eu não quero perder mais. Mas se você não quer... – ela acrescentou.


 


- Eu quero – Rony praticamente gritou – Não há nada que eu mais queira nesse mundo.


 


- Mas? – Hermione perguntou desconfortavelmente.


 


- Eu não quero que você se arrependa – ele respondeu honestamente.


 


- Há tantas coisas das quais eu me arrependo, Rony. Mas isso – ela disse, beijando-o de novo com amor – nunca poderia ser uma delas – quando ela se afastou e olhou para ele, estava horrorizado por ver que ela tinha lágrimas nos olhos.


 


-Mione... – Rony gaguejou – Eu não quis... Desculpe. Eu... por favor não chore – ele disse abraçando-a e puxando-a para si – Eu não quis magoá-la. Eu nunca quis magoá-la. Eu... eu te amo.


 


- Eu sei – Hermione murmurou – É por isso que eu estou... chorando. Você é tão inacreditavelmente doce – ela disse, tocando seu rosto – Ron, eu quero que você saiba que você tornou o que seria facilmente o pior dia da minha vida no melhor. Quando eu lembrar de hoje, não vou lembrar como sendo o dia em que os Comensais da Morte me pegaram. Eu sempre vou lembrar como a noite em que você disse que me amava.


 


Hermione secou as lágrimas de seus olhos, depois se inclinou para frente e descansou sua cabeça no ombro de Rony, abraçando-o.


 


- Obrigada – ela sussurrou – Você tem sido realmente incrível. Você não deixou de ficar ao meu lado a noite toda. Eu quero que você saiba o quanto eu gosto disso. O quanto eu gosto de você. Eu não digo isso para você quase nunca, e eu realmente deveria.


 


Rony estava feliz por ela não estar olhando para ele e não poder ver como ele estava profundamente corado com essas palavras.


 


- Você está sempre lá por mim – Hermione continuou – Você olha por mim. Você me protege. Cuida de mim. E eu amo você por tudo isso. Eu não saberia o que fazer se eu te perdesse.


 


- Eu não vou a lugar algum – Rony respondeu.


 


- Você vai ficar comigo essa noite? – Hermione perguntou ao se afastar para olhar para ele – Por favor, Ron. Eu não vou fazer nada que te deixe desconfortável. Eu prometo. Eu só quero ficar... com você. Ficar perto de você. Você me faz sentir segura e... amada. Eu preciso que você... Eu preciso que você me abrace. Por favor. Só até eu dormir.


 


Em vez de responder com palavras, Ron tirou seus sapatos e subiu na cama, chegando para o lado e deitando. Ele lançou à Hermione um daqueles sorrisos tortos que ele mesmo desconhecia, derretendo o coração dela, enquanto ele dava um tapinha do seu lado na cama, fazendo sinal para ela deitar. Sem dizer uma palavra, Hermione se sentou, colocou seus pés na cama e se juntou a ele. Ela colocou sua cabeça em seu peito e, quase instantaneamente, a mão dele estava em seu cabelo, acariciando gentilmente.


 


- Seu coração está batendo tão rápido – ela disse, levantando a cabeça e se virando para olhar nos olhos dele – Você está bem?


 


- Estou ótimo – ele respondeu.


 


- Não, não está – Hermione disse – Você está frustrado por... agora pouco – ela disse com um sorriso cheio de culpa – É minha culpa. Desculpe. Eu não sabia que eu causava um... forte efeito em você.


 


- Eu sobrevivo – Rony garantiu, tentando com esforço esconder seu embaraço.


 


- Ron? – Hermione disse suavemente – Eu sei que prometi que seria boazinha, mas... se você quiser... – ela parou por um momento e mordeu o lábio, ponderando se deveria ou não terminar seu raciocínio – Eu gostaria de... hum... ajudar você – ela terminou finalmente, ficando profundamente vermelha.


 


Rony gemeu e se mexeu desconfortavelmente quando seu jeans mais uma vez se tornou dolorosamente apertado.


 


- Você não tem que fazer isso – ele disse, incapaz de olhar nos olhos dela. ‘Como ela consegue parecer tão inocente e tão sedutora ao mesmo tempo?’


 


- Eu sei que eu não tenho – Hermione respondeu – Eu disse que eu gostaria, mas... você vai ter que... me mostrar o que fazer – ela admitiu, seu rubor se tornando mais declarado.


 


Ao olhar para ele, Hermione viu o rosto de Rony corar e rapidamente se tornar uma sombra brilhante de vermelho que ela sabia ser igual à dela.


 


- Por que você está com vergonha? – ela perguntou – Se alguém deveria estar, sou eu. Eu fui a única que admitiu que quero... tocar você. Isso me torna... uma mulher promíscua?


 


- Não – Rony riu, notando que o rosto dela estava realmente vermelho ao perguntar.


 


- Então você está certo – Hermione respondeu, beijando-o levemente na bochecha e se aninhando novamente nele.


 


‘Espere um minuto’, Rony pensou.


 


- Você sabe que quando eu disse não, eu só quis dizer que você não é uma mulher promíscua, certo? – ele perguntou.


 


- Hum hum – ela respondeu contra o peito dele.


 


- Ah, então tá – Rony deixou sua cabeça cair no travesseiro, incerto do que ele deveria fazer.


 


Hermione mordia os lábios para não sorrir enquanto ela estava lá ouvindo as batidas fortes de seu coração. Ela não queria afastá-lo então ela preferiu apenas esperar e ver o que ele ia fazer.


 


- Hermione?


 


- Sim? – ela perguntou.


 


- Você se importa se... quer dizer... – ‘CARACA, por que isso é tão difícil?’, ele pensou – Você se incomodaria se eu... tirasse minha calça?


 


Hermione se ergueu nos cotovelos, se virando e olhando em seu rosto


envergonhado.


 


- De modo algum – ela disse. Reconhecendo que ele estava mortificado, ela rapidamente baixou os olhos – Eu olho para o outro lado se você quiser – ela disse se virando e encarando a porta para deixá-lo com um pouco de privacidade – Você pode se cobrir com a colcha – ela disse ao sentir que ele tinha se levantado – Eu só vou usar o lençol.


 


- Tudo bem – ele concordou.


 


Hermione sentiu a cama balançar quando ele se sentou de volta e virou para encará-lo de novo.


 


- Melhor? – ela perguntou, puxando o lençol para cobrir as pernas.


 


- Sim – Rony respondeu, deitando de costas para que ela pudesse descansar sua cabeça em seu peito.


 


Assim que ela o fez, ele colocou seu braço em volta dela, preparado para abraçá-la, embora soubesse que seu braço ficaria dormente em poucos minutos. ‘Talvez a sensação de formigamento me distraia’, ele pensou.


 


- Você está confortável agora? – Hermione perguntou nervosamente.


 


- Sim, estou bem – ele mentiu.


 


- Boa noite, Ron.


 


- Noite – ele respondeu, sem se importar em fechar os olhos.


 


Rony estava deitado no quarto enluarado, olhando para o teto, há bons 10 ou 15 minutos, julgando que seu braço estava agora frio e dormente. Estava dolorido na verdade, mas ele não queria perturbar Hermione se ela estivesse realmente dormindo.


 


O que, é claro, ela não estava. Hermione estava tão agitada quanto ele. Ela estava deitada lá há 15 minutos ouvindo o coração dele batendo devagar e sua respiração firme, mas ela não tinha dormido.


 


- Mione? – ela ouviu Rony sussurrar – Você está dormindo?


 


Ao invés de respondê-lo, Hermione fechou os olhos fingiu que estava dormindo, só para o caso de ele checar.


 


- Você pode parar de fingir – ele disse baixinho ao puxar o braço gentilmente por debaixo dela e rolar para o lado – Eu sei que você não está.


 


- Como? – ela perguntou se levantando nos cotovelos para olhá-lo.


 


- Você não estava respirando fundo o bastante – Rony disse.


 


- Então por que perguntou? – ela indagou.


 


- Por que você não respondeu? – ele jogou de volta.


 


- Eu não queria que você achasse que tinha que ficar – ela respondeu.


 


- Eu não quero ir – Rony admitiu – Você se importa se eu ficar aqui a noite toda?


 


- Você não tem que fazer isso, Ron.


 


- Eu sei que não tenho. Eu quero.


 


- Ah, tudo bem – Hermione respondeu – Eu gostaria disso.


 


- Hermione?


 


- Humm?


 


- Você deve estar exausta. Por que não dorme? – ele perguntou.


 


- Eu não sei. Talvez tenha a ver com o fato de que... – ‘Eu não consigo parar de pensar em você...’ – você continua me fazendo perguntas.


 


- Ah, desculpe. Eu vou me calar agora.


 


Hermione fechou os olhos, se aninhando nele e esperou, sabendo o que aconteceria.


 


- Hermione? – Rony disse baixinho.


 


- Sim? – ela respondeu.


 


- Eu não consigo dormir.


 


Lá estava, ela deu risinhos de novo. Rony achou isso muito deslocado. Muito anti-Hermione.


 


- Talvez você devesse começar seu ensaio sobre Transfiguração – ela respondeu com um sorriso afetado.


 


ISSO, no entanto, era muito Hermione.


 


- Tenho certeza que isso vai fazer você dormir – ela provocou.


 


Rony suspirou alto.


 


- Rasguei meus livros – ele admitiu.


 


- Ah, bem, você pode pegar o meu emprestado depois.


 


- Sério? – ele perguntou incapaz de esconder o espanto na voz.


 


- Meus livros, Ron – Hermione esclareceu – Não meu ensaio.


 


- Nem uma espiada? – ele perguntou desanimado.


 


- Não!


 


- Mione?


 


- O quê?


 


- Eu não quero fazer dever de casa – Rony choramingou.


 


- O que você quer fazer? – ela perguntou com os olhos ainda fechados.


 


- Posso... beijar você de novo? – Rony perguntou timidamente.


 


A pergunta certamente chamou sua atenção. Rony a sentiu se afastar e abrir os olhos para olhar para o rosto dele. Ela tentou segurar um sorriso quando viu a ansiedade em seus olhos e a vergonha em seu rosto, mas não conseguiu por muito tempo.


 


- Eu pensei que você nunca fosse perguntar – ela respondeu se entregando e sorrindo radiante.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.