FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

10. Parque Parte 1


Fic: A fã pottermaniaca virando cupido


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

—Amanhã a gente bola — falou Gina, também bocejando.
Eu fiz que sim com a cabeça e fomos dormir, pensando na melhor maneira de fazer eles ficarem juntos. Talvez depois desse beijo não fosse tão difícil, não é?

POV Hermione
Ai que dor de cabeça! Maldito Malfoy. Me diz que eu sonhei aquilo e que eu nunca beijei o Draco... Quero dizer o Malfoy!
Levantei e notei que todos já estavam de pé, pois suas camas estavam vazias. Ótimo, eu odeio ser a ultima a acordar!
Levantei e fui para o banheiro e arrumei meus cabelos para parecerem um pouco menos uma palha de aço. Estava vestindo a mesma roupa desde quando eu cheguei: uma camisa branca e saia cinza. A gravata e a capa da grifinória se encontravam no quarto.
Desci as escadas, e fui para a cozinha. Diferente de ontem, apenas Rony, Harry e Malfoy estavam na mesa. Meus amigos conversavam animadamente, e eu só peguei parte da conversa, como “Quadribol” e “Copa”, por que no momento minha mente estava nos olhos cinza do outro lado da cozinha.
Draco estava comendo distraidamente quando eu entrei, mas agora me olhava nos olhos docemente. Meu olhar desceu para seus lábios que exibiam aquele sorriso zombeteiro de sempre, eu senti uma vontade de beijar novamente aquela boca, mas obviamente me controlei, indo simplesmente sentar no lado oposto a Malfoy e comecei a me servir.
— Bom dia meninos — disse sorrindo para Harry e Rony
—Aleluia! —riu Rony — a gente achou q você tinha morrido!
Eu dei uma risada e falei para Rony:
—Só tive um sono meio perturbado
Pude ver pelo canto do olho que Malfoy havia erguido uma sobrancelha e sorria de lado para mim. Lutei para não corar. O que estava acontecendo comigo? Malfoy me drogara! Não era possível!
—Onde a Gina e a Bianca estão? —perguntei tentando me distrair
—Elas estão conversando na sala. Não querem falar o assunto para ninguém — suspirou Harry
Mordi o lábio. Aquilo não podia ser bom!
POV Draco
Como a Granger consegue ficar bonita até depois de acordar? Espera, eu não pensei nisso! O cabelo dela está todo bagunçado, e ela tem olheiras leves nos olhos, e uma cara cansada! Ela não esta bonita! Então porque eu pensei aquilo?
Ela me olhou com aqueles olhos escuros dela. Por que eles tinham que ser tão profundos? Não desviei o olhar, e logo ela estava levemente corada.
Bom uma coisa foi boa na chegada dela: O Potter e o Weasley iam parar de falar! Nossa como alguém agüentava esses dois falando? Comecei a prestar atenção no que eles falavam para a Hermione.
“Então é isso que a Bianca e a Weasley fêmea estão fazendo! Bolando alguma ideia maluca! Isso...” Fui tirado dos meus pensamentos por ela. Sim. Pela Granger. Era só um simples movimento porque ela me deixara assim? O fato é que vê-la mordendo o lábio me fez ter uma vontade enorme de beijar ela novamente. O que essa sangue-ruim fez comigo?

POV Bianca
Dei uma risadinha, o nosso plano era genial! Isso seria lindo!
Eu e Gina sorrimos uma para a outra e fomos para a cozinha.
—Ah! Que bom que acordou Mione —disse Gina — teve uma boa noite?
Então a ruiva sorriu maliciosamente, deixando Hermione confusa e levemente corada.
—Bom —eu comecei — eu e a Gina estivemos conversando e achei que seria legal sairmos hoje. Mas não para um lugar qualquer. Estávamos pensando em visitar Hogwarts.
Todos os quatro nos olharam como se fossemos duas doidas, e o primeiro a falar foi Malfoy:
—Ah é claro! —falou sarcasticamente— por que não pensamos nisso? Fomos mandados para cá para ficar longe de Hogwarts, e nós não temos como chegar lá. É realmente uma idéia brilhante!
Revirei os olhos.
—Posso terminar de falar? Obrigada. Eu estava falando do parque de Hogwarts. Vocês lembram que eu falei que a história tinha seu próprio parque? Então eu achei que vocês fossem gostar de ir para lá.
Todos pareceram gostar da idéia.
—Então deixe eu falar os detalhes — falei entusiasmada — primeiro, vocês têm que ir vestidos com os uniformes de Hogwarts para não chamar a atenção.
—Mas isso não vai chamar mais a atenção dos trouxas? —perguntou Rony — quero dizer, cinco pessoas iguais aos personagens, vestidos iguais a eles, andando por ai vão chamar muita atenção.
—Bom —eu falei — na verdade vocês chamariam mais a atenção indo com uma roupa normal. Eles me olharam confusos.
— Se algum fã de Harry Potter visse vocês andando com roupas de trouxas, tentando não chamar a atenção, automaticamente pensariam que são vocês de verdade indo para lá. É a nossa mente é meio confusa. Mas entenda, se vocês forem vestidos com os uniformes, vão parecer fãs usando cosplay, o que é bem comum.
—Faz sentido —murmurou Harry —Mas a cara da Gina me diz que essa não é a única condição.
Gina sorriu culpada e me olhou, como se pedisse para falar aquela parte, eu obviamente deixei.
—Bom. —começou a ruiva sorrindo muito — como a Bianca disse, se nós fossemos de uniforme, chamaríamos menos a atenção, mas ainda chamaríamos muita atenção. Então Bianca teve a idéia de nos separar: eu, Harry, Rony e Bianca iríamos andar juntos, como nós teríamos a Bianca, não chamaríamos tanta atenção, e ela pode cuidar de todo assunto trouxa. Agora o outro “grupo” que seria a Mione e o Malfoy, bem... esse é mais complicado. Vocês têm que fingir que são um casal.
Draco quase cuspiu o café dele. Hermione arregalou os olhos. Rony olhou com raiva para nós, mas eu falei antes que alguém nos interrompesse.
— Entendam! A Gina tem que ficar com o Harry, eles estão namorando. E alguém tem que ficar com o Draco. Não pode ser o Rony, por que eles acabariam se matando, e não pode ser eu, por que eu irrito o Draco muito facilmente falando qualquer detalhe de Harry Potter. Então a resposta mais obvia seria Hermione. E eu tenho q ficar com os três, por que eles não tem como se virar tão bem no mundo trouxa. Mesmo que Harry tenha sido criado como um, ele não tem muita cultura trouxa.
—Isso eu entendo — falou Hermione —mas por que eu tenho que fingir que namoro o Malfoy?
—Por que Dramione não é um casal oficial, o que chamaria menos a atenção dos fãs, e faria parecer ainda mais um Cosplay.
Ninguém parecia poder descordar. Era o plano perfeito! É claro que haviam milhões de outros jeitos de separar nós cinco seguindo os meus critérios, mas quem liga? Eles pareciam não notar. Ou tinham gostado dos grupos.
POV Hermione.
Sério. Eu sou muito azarada! Depois de ontem eu vou ter que me fingir namorada do Malfoy? Ah NÃO! Tudo bem que ele é lindo, e que beija muito bem, e que tem um físico invejável, e que tem olhos profundos, e que o cabelo dele é macio, e que ele tem “aquela pegada” e que aquele hálito de hortelã dele é incrível, e que os lábios dele são quentes e macios, e que… HERMIONE JANE GRANGER PARE AGORA DE DELIRAR! Eu não gosto dele. Não. Não. Não.
Onde estava antes de perder a cabeça? Ah é!
Todos nós subimos as escadas para o quarto e fomos pegando nossas vestes. Eu estava indo colocar minha gravata quando meu olhar recaiu sobre o loiro a minha frente com os cinco primeiros botões da camisa abertos. Corei fortemente quando ele me lançou um olhar malicioso. Felizmente ninguém pareceu perceber. Sério ele não havia fechado a camisa desde ontem?
Quando ficamos prontos eu olhei para nós. Todos vestidos suas respectivas vestes e varinhas. A porta do quarto se abriu e Bianca entrou vestindo uma roupa igual a nossa, com o emblema da grifinória estampado em sua capa e segurando uma varinha.
—Onde você achou essa roupa? — perguntou Gina maravilhada
—No parque! Eu também tenho a cópia da sua varinha e da varinha da Mione.
No fundo eu acho que ninguém ficou surpreso. Não até Bianca tirar duas caixas do Olivaras do armário e mostrar para nós.
—Ok, isso é exatamente igual as nossas varinha — falei espantada.
Mas não tive muito tempo para continuar a falar, nós íamos aparatar. Bianca deu uma localização exata para apararmos dentro do parque, e assim não pagávamos o ingresso. Geralmente eu falaria o quanto isso é errado, mas como nenhum de nós tinha dinheiro trouxa o suficiente…
Aparatar seria o mais difícil, pois nenhum de nós já tinha passado no teste. Mas Dumbledore falou que podíamos aparatar, então lá fomos nós. Eu segurei a mão de Bianca para ela poder aparatar, e Gina a de Harry.
Tudo ficou borrado, senti meu corpo girando e saindo do lugar. Senti meus pés tocarem algo firme. Abri os olhos tonta, e olhei em volta. Eu estava embaixo de uma estátua de Poseidon, perto de um pé de pedra. Bianca estava se levantando do chão, com uma cara enjoada, mas extremamente feliz. Do outro lado Harry, Gina, Rony e Malfoy estavam levantando.
—Pensei que estávamos indo para Orlando — falei para Bianca
—E estamos! Essa é a saída de um brinquedo eu nunca fui nele, mas ele só abre a noite, então achei o local perfeito para aparatarmos sem chamar a atenção. A parte do Harry Potter é logo ali. A gente se separa quando chegar lá.
Começamos a andar. O parque estava cheio de gente, e todos lançavam olhares admirados para nós. Bianca foi nos guiando até uma entrada. De acordo com ela, o parque do Harry Potter ficava DENTRO do parque universal studios, então, como já estávamos na Universal, era só andar até a nossa parte. Bianca parou em fronte a um portal. Nele havia uma placa escrita em inglês “por favor respeite os limites de feitiços” [N/a Link da foto: fav . me / d4jgazi . ] Dei uma risadinha e passamos pelo portal. O parque era assustadoramente bem feito. Bem a nossa frente uma parte do expresso de Hogwarts estava parado, e se seguíssemos andando iríamos entrar num verdadeiro beco diagonal/ Hogsmead.
—Então tá —falou Gina — Mione e Malfoy, vocês vão ficar primeiro nos brinquedos e nós vamos rodar por ai e fazer compras. Quando vocês terminarem os brinquedos, nós vamos procurar vocês e ai invertemos ok?
Concordei com a cabeça.
—E não se esqueçam que são namorados — falou Bianca.
Bufei, mas não disse nada. Não ia adiantar.

“Alem do que, você até que gostou da idéia hein?” Aquela voz maldita ecoou na minha cabeça
Não. Eu não gostei.
Haahaha eu adoro suas piadas!
Eu vou te ignorar!
Você está apaixonada pelo Malfoy! Lálálálálálálá
Ignorando!

Voltando para a realidade. Todos pareciam olhar para nós, era estranho. Sempre achei que o mundo trouxa era meu refugio da realidade. Onde eu não era conhecida como “A-amiga-do-menino-que-sobreviveu”. Um menino passou por nós. Ele não devia ter mais que 9 anos. Estava montado numa vassoura de plástico correndo por entre todos, segurando uma varinha e gritando “Estupefaça”. Ele parou olhando para nós.
—EI! —disse o menino — adorei a fantasia de vocês!
—Obrigado — disse Harry
—Mas a sua cicatriz da do lado errado tio! —disse o menino e depois saiu correndo de novo.
—Não está não! — falou o meu amigo indignado
[N/a Cena totalmente copiada de: Avatar a lenda de Aang o SERIADO, não o filme :p]
Eu dei uma risadinha novamente.
Gina, Bianca, Harry e Rony saíram andando em direção a uma loja que era uma replica quase perfeita da dedos-de-mel. Eu e Malfoy seguimos em direção a uma replica menor, também quase perfeita, de Hogwarts. A mão dele encontrou a minha, e ele entrelaçou nossos dedos. Como ontem, enquanto víamos o filme, nossas mãos pareciam se encaixar perfeitamente.
Não tive coragem de olhar ele. Sabia que devia estar corada, era estranho demais andar de mãos dadas com ele. E as pessoas olhando também não ajudavam.
—Ei, se você ficar com essa cara de quem comeu e não gostou ninguém vai acreditar que estamos juntos. —murmurou ele no meu ouvido
Meus joelhos cederam com sua voz levemente rouca tão perto. Mas eu ainda pensava. Fiz de tudo para não parecer que eu quase caio, e dei um sorrisinho, indo falar no ouvido dele.
—Não é fácil fingir que adoro você sabia?
—Ontem a noite você não pareceu ter problemas em fingir que gostava de mim. —ele falou sorrindo para mim maliciosamente
Corei até a raiz dos cabelos.
—Já disse Malfoy — falei baixinho —Aquilo NUNCA aconteceu! Você é uma criatura vil e desprezível!
Ele apenas riu. Sim ele RIU! Ele era perturbado ou o que?
—Sei sei —ele falou com um sorriso — como se você fosse resisti a alguém como eu.
Eu olhei para ele incrédula com o tamanho de seu ego, mas ele estava rindo. Soltei uma risada, não sei por que, e dei um tapa de leve no seu braço.
—Seu chato — disse ainda rindo sem motivo
Ele deu a língua para mim.
—Mas eu sou lindo! Confesse!
—Nunca!
—Então você me acha lindo, mas não vai confessar?
—Eu nunca disse isso!
—Mas pensou!
Bufei, mas não pude conter um sorrisinho. Estávamos na frente de um portão, com os javalis alados [N/a foto : fav . me / d45wwxj ] que era a entrada para o castelo. Do nosso lado, havia uma montanha russa pequena chamada “vôo no hipogrifo”
—Vamos à montanha russa primeiro? —perguntei
—A... Eu não acho uma boa idéia.
—Por quê? —perguntei, então dei uma risada — você não tem medo dessa montanha russa pequena ai tem?
—Não! — respondeu ele confiante.
—Então por que você não quer ir?
—Por que… eu não gosto de hipogrifos tá!
Eu não agüentei e ri.
—Sério? Sério mesmo?
—É meio um trauma dês do nosso terceiro ano...
—Mas você também simplesmente PEDIU para ser atacado né Draco? E esse é um robô! Vamos vai!
Ele olhou para mim e eu puxei ele pela mão até a fila. Um cara que trabalhava no parque vestia um uniforme da corvinal. Ele devia ter uns 18 anos no máximo, e era bem bonito. Cabelos castanhos desalinhados, e olhos azuis.
—Bela fantasia — ele disse em inglês para nós gentilmente.
Malfoy me puxou pela cintura e passou o braço em volta dela, me puxando possessivamente para mais perto dele.
—Obrigado — disse Draco seco para o cara.
Quando entramos na fila, ele me soltou e voltou a segurar a minha mão. Senti que faltava algo em volta da minha cintura, mas ignorei a sensação.
—O que foi aquilo Malfoy? —perguntei assustada
—O que foi aquilo? —ele disse irritado — o cara estava de quase te devorando com os olhos!
Então eu dei uma enorme gargalhada
—Ciúmes? —falei respirando rápido por conta da risada.
—De você? Não. É só que eu sou seu namorado, tenho que cuidar do que é meu.
—Somos namorados por um dia Malfoy.
—E daí? Um Malfoy nunca vai ser chifrado!
Dei um sorriso. Quem diria? Draco Malfoy com ciúmes de mim? Na nossa frente na fila, tinham bem umas 100 pessoas, e calculei que demoraria meia hora para entrar no brinquedo.
—Não é que a Bianca estava certa —falei para Malfoy —sobre nossas roupas.
Draco concordou.
—Ela pode ser meio esquisita, mas não é burra. E tem um excelente gosto para meninos.
—Seu ego um dia vai explodir — respondi revirando os olhos
—Você não deixaria isso acontecer — brincou ele
—Não, eu sempre vou te lembrar da realidade.
—Qual realidade? A que eu sou lindo, maravilhoso, perfeito e que você gosta de mim?
Dei uma risada sarcástica.
—Eu disse realidade, não seus sonhos.
Tínhamos andado um pouco na fila. A mão dele ainda estava entrelaçada na minha, e eu não queria mover ela tão cedo.
—Vamos conversar! Essa fila vai demorar muito! —pedi
—Conversar sobre o que?
—Qualquer coisa! Eu não quero ficar entediada! Tipo... Qual sua matéria favorita, e a menos favorita?
—Uh... As favoritas são poções e astronomia. As que eu menos gosto são adivinhação e trato das criaturas mágicas, mas essa ultima é só por causa do seu amigo.
—Hagrid é uma ótima pessoa! — falei irritada
—Ele pode até ser, mas é um péssimo professor Hermione, e isso você não pode negar.
Oi? Espera eu parei de prestar atenção no que ele falou depois que ele me chamou pelo primeiro nome. Ele parecia tão suave quando saia da boca dele. O que estava acontecendo? A sim ele falou do Hagrid.
—Ele pode não ser o melhor, mas é um bom amigo.
—Bons amigos não querem dizer bons professores — rebateu ele
—Ok —disse rendida — você está certo! Ele não é um bom professor! Feliz?
—Muito — Draco sorriu contente — E quais são as SUAS matérias favoritas e as menos favoritas?
Pensei por um instante
—Bom, eu adoro Runas–Antigas e também adoro astronomia. E definitivamente ODEIO adivinhação. Mas aquela professora maluca também não ajuda em nada!
—O que? Você está reclamando da professora que é a Trellawney? Magina! Ela é genial! Mês passado ela falou que em duas horas, por culpa de júpiter e do sol, eu ia cair dois lances de escada e passar 1 semana na enfermaria. Duas horas depois eu estava confortavelmente sentado no meu sofá lendo o livro.
Dei uma risada enorme.
—Ela é brilhante não é mesmo? —falei entre risos
—Genial! Melhor só podem ser as irmãs patil e a Brow acreditando em cada palavra daquela velha charlatã!
—Nossa nem me fale nelas! — disse revirando os olhos — elas ficaram me atazanando por MESES por culpa dessa velha maluca que é nossa professora.
—Esse é MAIS um motivo pelo qual eu AMO a sonserina, nenhuma menina vem me irritar com essas conversinhas!
—Ah é! —falei segurando uma risada — por que desse ser INCRIVEL conversar com o Crabbe e com o Goyle! São tão inteligentes não?
Draco sorriu de lado
—Quem disse que eu falo alguma coisa para aqueles armários?
—Eles são seus amigos — disse surpresa
—Não, eles só me protegem por que os pais deles tinham uma divida com meu pai. E por que eles são burros demais para se virarem sozinhos.
—Encantador — eu murmuro baixinho
—Quem eu? Já sabia, mas obrigada!
Olhei para ele e notei um brilho brincalhão em seus olhos, sorri, mas revirei os olhos. Acima de nós, os berros das pessoas se divertindo na montanha russa. Os trilhos passavam bem por cima de nossas cabeças.
—Sabe — disse ele —se a idéia da Weasley e da Bianca era nos juntar, esse não é exatamente o lugar mais romântico.
—Eu acho perfeito — disse sem ter noção do que falava — se estivéssemos em um lugar romântico não estaríamos conversando. Estaríamos envergonhados, evitando nos olhar.
Ele ergueu uma sobrancelha.
—Então acha que vamos nos apaixonar?
—NÃO! —eu disse sentido meu rosto esquentar — estou dizendo que entendo o lado delas.
—Sei Hermione — falou abrindo um sorrisinho sarcástico típico dele — Você tem tanta certeza que não vai se apaixonar por mim?
—Claro que tenho! — falei, mas no fundo eu sentia algo que dizia que eu não tinha certeza. MERLIN o que esse menino colocou no meu café? — E você, tem certeza que não vai se apaixonar por mim?
Ele apenas sorriu e disse olhando nos meus olhos:
—Não. Venha a fila esta andando.
Eu fui literalmente puxada por ele pela fila. Ele tinha tido aquilo mesmo? Ele parecia nunca ter dito aquilo, e continuou conversando comigo.
—Então Granger eu estou curioso. No terceiro ano, como você fazia todas as matérias?
—Como você sabe que eu fiz todas as matérias?
—Eu... Bem... Por que eu estava nelas.
—Oi?
—Eu... Eu tinha um vira-tempo. Minerva me deu um me fazendo prometer que só usaria para a escola.
—Você está brincando? —falei perplexa — eu também!
Ele arregalou os olhos.
—Como assim? Ela também te deu? Você ainda está com ele?
—Não — falei olhando para baixo — Minerva tirou ele de mim no final do terceiro ano. Depois que eu salvei Sirius e o Bicuço.
—Foi assim que o Black e aquela galinha mutantes fugiram! Devia saber que você estava incluída nisso.
Sorri.
—É claro! Foi uma noite muito esquisita. Foi no dia em que eu te dei um tapa! É eu amei esse dia!
—É, eu não — ele falou revirando os olhos —você é forte PRA CARAMBA!
— Obrigada! —disse fazendo uma cara de anjinho. — E você? Ainda esta com o seu?
—Não. A minerva o tirou de mim quando eu comecei a usar ele para poder passear em Hogsmead.
Revirei os olhos, com um sorriso. Típico dele fazer isso. Estava chegando a nossa vez. Tinha que confessar que não era tão ruim a companhia do Malfoy. Quando faltavam umas dez pessoas eu senti um frio na barriga. Malfoy apertou mais minha mão. Quando chegou a nossa vez, uma pessoa de não menos que 30 anos apontou nosso acento. O carrinho da frente tinha a cara do hipogrifo, o final, tinha uma calda. O nosso era o ultimo. A cadeira era dupla e meio pequena, de modo que eu fiquei do lado de Malfoy.
Ele passou os braços pelo meu ombro e me puxou mais para perto. Eu segurei na barra e o carrinho começou a se mexer. Ele ficou inclinado para a subida, e no meio dela, um robô de Bicuço estava deitado num ninho, se curvando para nós. A subida era pequena, e a queda era sempre em curva e inclinada. Eu berrava alegre, sentindo o vento. Por incrível que pareça, meu medo de altura não me afetou naquela montanha.
Ela acabou tão rápido que eu fiquei com vontade de ir de novo. Mas haviam mais atrações.
—Eu adorei — disse animada assim que saímos
Ele deu uma risada
—Foi boa, mais falta emoção! Aquela deve ser melhor!
Ele apontou para uma montanha russa com 2 trilhos diferentes: um azul e um vermelho. Os carrinhos quase se chocavam, davam lupins, parafusos e quedas. Calculei que devia ter cerca de 40 metros de altura [N/a na verdade 38 metros *-* eu fui umas 4 vezes nela ;) ]
—Ahh... não —disse assustada —muito forte
—Você não tem medo de uma montanha russa tem?
—Não da montanha-russa... da Altura dela — disse envergonhada
Ele riu.
—Vamos para o brinquedo dentro do castelo e depois nós dois VAMOS nela ouviu?
Suspirei fundo e me fui andando de mãos dadas com Draco até aquele portal com os javalis novamente. Passamos por lá e fomos para um amontoado de gente. Parecia que todos os pertences deveriam ser guardados em um armário. E isso incluía nossas varinhas.
Nós ficamos numa fila em frente a um computador. Quando era nossa vez, coloquei meu polegar no visor e um armário se abriu. Guardei minha varinha e minha capa lá, Malfoy fez o mesmo, relutante em deixar a varinha. Fechamos a porta, vimos se estava bem fechada e gravávamos o numero: coluna 79; numero 1016 [N/a numero do meu armário de escola O.o]
Uma menina de 13 anos pediu para tirar uma foto conosco. Era ela ruivinha e muito fofa. Obviamente deixamos e antes dela ir ela disse:
— Vocês são muito fofos juntos! Da pra notar que estão realmente apaixonados!
E então ela saiu em direção a um dos armários.
Olhei para Malfoy corada e ele me olhou dando um sorrisinho de lado:
—Viu? Sou um excelente ator!
—Você? Sou eu que tenho que fingir que te adoro!
Ele deu uma risadinha e me abraçou possessivamente pela cintura. E me levou até o começo da fila. Passei meu braço pelo ombro dele. Uma placa avisava que a fila demorava cerca de 1 hora.
Bufei. Uma hora?!
—Parece que vamos ter muito tempo para conversar — disse ele
—é — disse cansada —parece que sim.
—Então... — ele disse tentando puxar assunto — você sente falta da sua vida trouxa?
—Como? — perguntei confusa.
—Bom, antes de você receber a sua carta você devia estudar numa escola normal, ter suas amigas e seus pais deviam ter planos para você.
—Na verdade eu sinto muita falta das minhas amigas —confessei —eu só vejo elas um mês por ano, se tanto! Elas dizem que eu estou diferente e misteriosa. Mas eu fiz amigos maravilhosos em Hogwarts.
—Ah é — disse ele sarcástico — a ruiva maluca que acha que devíamos namorar, o Testa - rachada e o esfomeado. Ah é! Esqueci do gordo atrapalhado e da lunática.
—Não fale assim deles! — respondi irritada — eles são pessoas incríveis! Melhores que as cobras e as vadias que te seguem!
Ele deu risada da minha irritação, o que não ajudou muito.
—Calma! Eu estava só brincando!
Bufei, cruzando os braços e revirando os olhos, mas ele não tirou a mão da minha cintura, pelo contrário, me puxou ainda mais para perto dele.
—Vai, continua a falar.
Eu respirei fundo e continuei.
—Da escola eu não sinto muita falta. Nem se compara a Hogwarts em NADA! Hogwarts tem tudo melhor. E lá eu era zoada por “fazer coisas estranhas”. E eu era muito nova quando recebi a carta, eu não tinha planos.
—Meus pais têm planos para mim dês de que eu nasci. Eles querem que eu continue com os negócios da família.
—Tipo o que? Mata nascidos trouxas? —disse seca.
Ele abaixou os olhos, e eu senti um enorme remorso, e desejei nunca ter dito aquilo.
—Draco — minha voz era suave — eu sinto muito, não deveria ter dito aquilo. Me desculpa.
—Tudo bem. —ele disse me olhando nos olhos — é a verdade. Eu cresci aprendendo a odiar toda a sua raça.
Os olhos dele tinham um brilho triste. Mas logo voltaram ao normal. Aquele ar de Draco Malfoy.
—Como você acha que vai ser o brinquedo? —perguntou ele
Demorei um tempo para assimilar a pergunta. Ele havia mudado de assunto muito rapidamente.
—Não sei — respondi sincera
—Espero que seja mais realístico que aquele hipogrifo!
—Se o hipogrifo fosse mais realístico você iria ter um ataque lá em cima!
Ele levantou apenas uma sobrancelha.
—E se a montanha russa fosse mais divertida você morreria de medo! —rebateu ele.
—Eu não tenho medo!
Nunca soube mentir muito bem. Ele deu uma risada.
—Você enfrenta o Lorde das trevas e praticamente cospe na cara dos comensais, mas tem medo de altura? Sério mesmo?
Abaixei os olhos, corada. E ele deu uma risada. Não parecia estar debochando de mim, mas sim achando graça que eu pudesse ser tão corajosa numas coisas e uma covarde nas outras.
—Eu vou na sua montanha russa assassina depois. Feliz? — Cedi, vencida
Ele abriu um sorriso igual a o de um garoto que ouve que vai ganhar o que pediu no natal.
—Muito!
A fila nos levou para uma sala cheia de gente esperando. A sala era enorme, e era uma imitação das estufas de Hogwarts. Plantas estranhas se mexiam no teto, e dentro de grades. Quantas pessoas estavam naquela estufa? 100? E a fila ainda continuava.
—Aqui é mais abafado que em Hogwarts — comentou o Loiro alargando a gravata e desabotoando os primeiros botões da camisa dele.
Fiquei estática, olhando para cada movimento que ele fazia.
—Não precisa babar —ele falou rindo —
Revirei os olhos, mas senti meu rosto corar.
—Como se tivesse algo ai para eu babar.
Ele sorriu travesso.
—Então anteontem, você me comendo com os olhos foi imaginação minha?
Eu corei fortemente, mas antes de pensar eu algo para responder ele colocou a boca perto do meu ouvido e sussurrou.
— Não se preocupe, vai ser mais um dos nossos segredinhos Hermione.
Assim que terminou de falar ele mordeu de leve o lóbulo da minha orelha. Minha boca ficou seca e eu não conseguia falar nada. ”Merlin, como ele conseguia ser tão chato e tão sedutor ao mesmo tempo?” Espera! Eu não pensei nisso! Definitivamente não!
Ele sorriu olhando para mim, cheguei a pensar que iria me beijar de novo, mas mesmo assim não consegui me mover. Porem, infelizmente, quero dizer felizmente ele se afastou, quero dizer em parte. Sua mão voltou para minha cintura.
—Então, o que está achando da imitação trouxa do nosso castelo? — perguntou ele casualmente.
Como ele fazia isso? Um segundo atrás ele estava quase me agarrando, e agora volta a falar como se nada tivesse acontecido!
— Muito boa —respondi ainda meio atordoada com a mudança de assunto —bem real para falar a verdade.
—Claro que não chega aos pés da verdadeira — disse ele
—Nada chega aos pés da verdadeira Hogwarts, sabia que ela tem mais de...
—70 passagens secretas? — ele completou— Embora nenhuma delas tenha sido registrada.
Franzi as sobrancelhas.
—Eu tenho cultura Granger — disse ele olhando para o nada.
— Você leu Hogwarts uma história? —estava realmente surpresa.
—Não — ele respondeu achando graça — aquele livro é enorme e tem cara de chato. Ouvi os gêmeos Weasley falando sobre isso uma vez.
—Espiando os Weasley? —respondi sorrindo — De qualquer maneira, o livro é interessante, embora não tenha todos os fatos do castelo.
—Eu não espiono gentalha —disse ele revirando os olhos cinza azulados — e meu Merlin aquele livro é gigante! O que pode faltar nele?
—Os Weasley não são gentalha. —disse tão casualmente quanto ele — E o livro não fala nada sobre os elfos-domesticos!
—Sim ele são. E Elfos não são importantes.
—Não e Sim! Não vou discutir com você sobre os Weasley, mas os elfos-domesticos são seres vivos também! Não merecem ser escravizados e maltratados.
—Concordo sobre a parte de maltratados, mas se eles querem servir a casa, e fazem isso extremamente bem, não vejo problema em ter alguns elfos em Hogwarts ou em qualquer casa.
Bufei. Ninguém me entendia! Nem mesmo Harry ou Rony.
—Vai não fica emburrada! —pediu o loiro — ainda temos muito tempo de fila e eu não to afim de ficar entediado!
Revirei os olhos.
—Ótimo! Assunto?
Ele abriu aquele sorriso galanteador dele.
—Sempre tenho.
Ele começou a conversar comigo sobre Percy Jackson. Conversar normalmente com ele foi a coisa mais estranha que eu já fiz, e isso bate transformar todas as portas da escola em patos roxos com bolinhas verdes na quarta série. É eu também não sei. Mas a conversa com o Malfoy estava sendo... divertida.
Passamos por toda a estufa e, seguindo a fila entramos numa enorme porta de carvalho. Bom, era de se esperar que depois de meia hora parados no calor, nós finalmente fossemos entrar no brinquedo. Mas NÃO! A fila nos levava por um tour em Hogwarts. Passamos andando devagar, por culpa do amontoado de pessoas Por dentro de corredores escuros de pedra. Logo na entrada pequenas ampulhetas estavam penduradas na parede. As ampulhetas que marcam os pontos das casas. Grifinória parecia estar empatado com a sonserina.
—Isso são as ampulhetas? —perguntou ele mudando de assunto — estranho. Elas são tão maiores na vida real!
—É né? Ficou meio pequeno demais...
Seguimos andando, sempre seguindo o amontoado de pessoas na fila falando alto. Algumas ainda comentavam sobre nossas “fantasias”
O corredor escuro nos levou para a frente de um espelho. O espelho de Ojesad. Olhei para ele e me vi sendo abraçada na cintura carinhosamente pelo Draco, ambos sorriam para mim, felizes. OI? Á é claro! É apenas um espelho normal! Não O espelho de verdade. Ele está apenas refletindo nós. Espera. Estamos felizes? Não, era só minha impressão. O que era aquilo atrás de nós no reflexo? Parece algo...ou alguém!
—ahhhh — gritei dando um pulo e olhando para trás.
Uma estatua feia de um bruxo (ou bruxa) de um olho só, que parecia pular em cima de nós. No espelho de aparecia velha, a imagem demorava a aparecer, provavelmente a estatua estava lá com o intuito de assustar.
Malfoy começou a dar risada.
—É só uma estatua!
Corei e voltei a olhar para o espelho. Vem cá essa fila não anda mais não?
—Esta vendo seu maior desejo Hermione? —perguntou Malfoy — não sabia que seu desejo era simplesmente ficar abraçada assim comigo.
—Se esse é o meu sonho —respondi —é o seu também.
—Não, o meu é esse.
Então ele fez a ultima coisa que eu esperava depois de dizer isso. Ele me puxou para perto e me beijou.
Aquela sensação voltou. Quente, macio, bom. Dei passagem sem notar e quando vi, ele tinha me abraçado mais fortemente e eu tinha passado os braços pelo pescoço dele, com uma mão o puxando mais para perto e a outra se enroscando nos cabelos dele. Algo me dizia que eu nunca ia cansar de beijar-lo, daquele gosto.
Era tudo tão perfeito. Era normal sentir seu estomago se contrair com só um beijo? De onde vieram tantas borboletas? Quando eu tinha fechado os olhos? Não sei. Só pensava em nos e o quanto era bom estar beijando ele.
O cara atrás de nos na fila, na maior cara de pau, cutucou a gente e apontou que a fila tinha andando. Eu me soltei de Malfoy num pulo muito corada. Murmurei “i’m sorry” para o senhor e andei, evitando olhar ou tocar o Malfoy.
—Eu não acredito que você… — comecei, mais fui interrompida pela mão dele tocando meu ombro.
—Granger, só por hoje, não fala nada. Deixa, só por hoje, acontecer.
—Por que você fez isso? —perguntei num fio de voz.
—Não sei — respondeu ele, me parecendo sincero — Mas só por hoje Granger, vamos ver o que acontece.
Olhei diretamente para os olhos dele. Onde estava meu cérebro? Acho que caiu enquanto eu beijava a fuinha, por que eu falei.
—Tá.
Ele sorriu de lado e minha mão procurou a mão dele instintivamente. Ele entrelaçou seus dedos com os meus e sorriu um pouco.
—Tem noção do quanto é estranho ter me pedido isso não é? — perguntei para ele.
Ele deu uma risada.
—Sabe o quanto é estranho ter aceitado o meu pedido não é? —respondeu ele marotamente.
—Touche — respondi
Ele sorriu e deu um leve selinho sobre meus lábios, que começaram a formigar.
Lálálá
Ai não! Você não voltou para irritar minha vida voltou?
Eu? Sou apenas uma voz na sua cabeça. Uma voz com espírito de Afrodite a deusa do amor!
É SÓ IGNORAR A VOZ.
Ignorar não vai mudar o fato de você estar amando tudo isso! Ah isso me lembra a propaganda do Mcdonalds! Amo muito tudo isso! Agente bem que podia ir comer lá um dia né? Tudo bem que o hambúrguer não tem gosto de nada mas é bom e....
Não estou ouvindo! LÁLÁLÁ
A fila andou. Agora ela resolve andar rápido? O polegar de Malfoy começa, ao que me parece inconscientemente, a acariciar as costas da minha mão.
—Então… — digo sem-graça
—Qual será a próxima coisa que vamos ver do castelo? —perguntou ele curioso.
Já falei que eu não sei como ele muda de assunto tão fácil né?
—Não sei, mas parece que já vamos entrar nela.
E de fato a fila nos levou para a sala de defesas contra as artes das trevas. Um esqueleto de dragão pendia no teto. A fila passava por dentro da sala, de modo que ficamos parados. No fundo da sala havia uma porta que deveria levar para a sala do professor. A porta se abriu sozinha. Isso faz parte do brinquedo né? Ouvimos passos andando pela escada que dava para a sala do professor, só que não víamos ninguém. Então uma mão saiu do ar e tirou um pano de cima de três pessoas. Eu, Harry e Rony saímos debaixo da capa da invisibilidade. Era uma espécie de holograma, mas era tão real! Devia ter uma tela lá, quase nem dava para ver.
—Se você não estivesse do meu lado — disse Draco num tom de voz mais baixo — eu acharia que era você ali, do lado do Cicatriz e do pobretão.
—Ciúmes? —perguntei sorrindo.
—Só por hoje. —respondeu ele
Nossos hologramas começaram a falar conosco. Eles falaram algo sobre Hogwarts estar em perigo, que eles não deveriam estar ali, e que somente nós poderíamos salvar-la. Queria saber uma novidade! Aquela escola só fica em perigo! Rony disse algo como “são apenas trouxas” e eu disse “mas são a nossa única esperança!”
A sala pareceu tremer. Um rugido foi ouvido de longe. Os hologramas se entreolharam, e falaram que precisavam ir, nos desejaram sorte,vestiram a capa e saíram andando. A porta abriu de novo, e depois se fechou, como se tivéssemos passado por lá.
— A tecnologia trouxa me assusta — disse Malfoy — Nunca imaginei que veria duas Hermiones! E era tão real! As expressões, a voz, o que cada um fala!
—Eu sei... — disse concordando — Muito bem feito! Faz nos sentir como se fossemos mesmo a ultima esperança de Hogwarts!
—Mas você É a ultima esperança! —disse ele me olhando
—Harry é a ultima esperança.
—Eu quero ver ele se virar sem você!
—Isso foi um elogio? —perguntei divertida
—Hoje vale tudo — disse ele sorrindo e dando mais um selinho em mim.
A fila andou, saímos da sala de DCAT para ir para a sala de Dumbledore. Menor que a real, mas muito bem feita. Objetos delicados nos armários, e nos tetos. As paredes cheias de quadros, e até uma penseira! Aonde Dumbledore deveria estar sentado estava vazio, mas logo acima da mesa, uma ala que parecia uma biblioteca se encontrava o próprio. Ou melhor, um holograma. Era possível ver que era uma gravação, mas ainda assim, me senti próxima do próprio! Ele dava as boas vindas para nós, e explicava toda a história de Hogwarts. Infelizmente a fila andou rápido e não pude ouvir tudo. A próxima sala era apenas um corredor cheio de quadros. Todos se mexiam, mas apenas quatro falavam. Os fundadores de Hogwarts. Não, nem perto da aparência verdadeira, mas mesmo assim eu reconheceria eles em qualquer lugar. Salazar reclamava que Hogwarts estava cheia de trouxas, e que já bastavam os nascidos-trouxas. Rowena e Godric diziam que os trouxas achavam que era tudo apenas tecnologia e Helga dizia que todos eram iguais. Tipico. Eles falavam em inglês obviamente, mas, também obviamente eu entedia.
—Mas parece que temos alguns bruxos aqui! —disse Rowena, e pude jurar que ela estava olhando diretamente para mim.
—Besteira Rowena! — diz o Salazar — só tem trouxas!
Draco dá uma tossida para disfarçar uma risada e Salazar olha diretamente para ele e sorri.
—Acho que posso estar enganado!
Os trouxas nem se tocaram que falavam da gente. Helga olhou para nós também e posso jurar que me lançou uma piscadinha.
—Não é lindo que casas inimigas como grifinória e Sonserina se unirem?
Corei. Godrico lançou um olhar para nós desapontado.
—NÃO! — gritaram ambos os homens.
Rowena deu uma risada
—Não dêem ouvidos a eles, são dois orgulhos que no fundo são melhores amigos!
A fila andou e eu olhei para Malfoy,
—Estanho — murmurei assustada.
—Não. —ele respondeu — estranho é o Potter de vestido, isso foi SINISTRO!
Dei uma risada.
—Tem magia então por trás disso!
—Acho que só têm nos quadros, os outros não pareceram nada mágicos só bem feitos! Menos o espelho, ele foi bem real!
Corei mas concordei com ele. Não sobre a parte do espelho, mas sim sobre a parte dos quadros.
Se prestássemos atenção, podíamos ouvir o que quer que tenha dentro do brinquedo funcionando. Ainda não tinha idéias do que seria, e me parecia que Draco também não.
Olhei para meu relógio. Estávamos á 1 hora na fila! Passou até que rápido. [N/a também né? Beijando um gato desses ‘¬¬]
Continuamos andando. A nossa esquerda era possível ver mais umas 50 pessoas esperando e o carrinho do brinquedo. Eram 4 cadeiras, coladas uma do lado da outra, de modo que todos olhassem para o mesmo lugar. Cada encosto era meio fechado, dava a impressão de que você não poderia olhar para o lado, nem ouvir a pessoa do lado. Em cima da pessoa, descia um enorme, por falta de palavra melhor, cinto de segurança. [N/a e por falta de foto melhor (aviso essa foto NÃO É minha) http:// fav . me / d2yf3j3 ]
Faltava pouco agora! Que frio na barriga! Passamos pelo chapéu seletor, que cantava feliz. E faltavam apenas 5 pessoas para chegar nossa vez.
—Pronta? —perguntou o loiro do meu lado.
—Sim! —disse animada — vai ser incrível!
—Eu sei que vai.
Ele me beijou rapidamente, mas o bastante para as 5 pessoas pegarem seus acentos. Lá fomos nós. O carrinho que cabia 4 foi embora com apenas nós dois. E lá fomos nós.
XxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxX
#se esconde#
em minha defesa foram 2 semanas sem internet! espero que gostem!!
Nossa que capitulo GIGANTE! Me desculpem! Mas eu não sabia como dividir ele! Sem contar que eu tb sei que ele ficou mtoo sem graça, mas esse e o próximo vão focar mais no romance dos dois, se alguém quiser eu posso tentar colocar mais comedia nele ok?
Todas as fotos (menos a que eu avisei) são minhas, e sim, o parque é mesmo assim, e os brinquedos também. Não os quadros não são vivos (eu acho q não) mas eles realmente conversam sobre os trouxas e bruxos no castelo, pelo menos foi o q eu entedi!
Awwwwwwww vcs não AMARAM o draco fofo assim? Hahaha mais não vai durar mto não!
um beijo enorme pra todo mundo que ta comentando/lendo
e eu tive que responder:

julialovehp : eu tb amo elas *-*
Miss Perfection: #morta de alegria
Sarah-Malfoy:hahaha que bom que esta amando! e sim bianca e gina são más, mas amamos elas assim né? beijooos

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.