FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Querido diário...


Fic: Salvação e Morte, by Rê Malfoy - AVISO ON


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

“O tempo acaba com tudo... Destroi quase tudo. O tempo só não apaga as memórias... Quisera eu fosse ele capaz disso...


Mesmo que digam que, com o tempo, meu peito vai deixar de doer. Que, com o tempo, eu vou te esquecer... Sei que tudo não passa de uma mentira. Uma mentira em que eu gostaria imensamente de acreditar. Como uma cega e tola.


O tempo apenas esconde a nossa dor, pondo-a num cantinho escuro do nosso inconsciente, pois coisas novas surgem e ocupam nossa mente. Problemas aparecem, a vida simplesmente segue seu curso. Com isso, lentamente, consigo esquecer minha dor...


Meus dias não são mais simples borrões. Não com tudo o que anda acontecendo. Os ataques até então não noticiados pelo Profeta finalmente vieram à tona. Funcionários do Ministério encontram-se sobre forte investigação. A proibição que recebemos de irmos procurar as Horcruxes...”.


Hermione Granger respirou fundo, piscando lentamente à meia luz. Ainda conseguia se lembrar bem como fora a reação de Harry. Jamais vira o amigo tão irritado, nem mesmo quando ele soubera do seu namoro com...


Voltou os olhos para o pequeno diário. Não queria se lembrar dele...


“Mas a dor existe. Ela sempre existirá. Mesmo que eu não me lembre ou lute para não me lembrar. Ela sempre estará ali, dentro de mim, esperando apenas um momento. Um deslize  para me lembrar que ela existe.


E que ela machuca...


Hoje, fiz algo que jamais pensei ser capaz de fazer. Mas que foi necessário...


Hoje, eu alterei a memória de meus pais. Apaguei da mente deles a existência dos últimos dezessete anos. Desde o momento em que souberam sobre mim...”


Lágrimas rolaram, silenciosas, pela face da morena. Hermione, porém, não se importou. Já estava acostumada a elas...


Não poderia arriscar e deixá-los desprotegidos. Eles jamais teriam uma chance. Já haviam sido atacados uma vez, não poderia confiar que aurores os mantivessem seguros.


Aurores. Ordem da Fênix. Nada mais disso faz sentido para mim...


Harry também não acredita, mas, ainda assim, permanece ao lado deles. Morando com os Weasley... Eu jamais conseguiria...


Amo todos eles. Sempre amarei. Mas os cinco dias que tive de passar com eles, para minha completa recuperação, foram mais que suficientes.


Cochichos pelos corredores. Olhares de soslaio. Eles achavam que eu não sabia. Mas eu sabia. Sempre soube...


Sempre soube que eles estavam preocupados comigo. Desde quando toda minha desgraça começara no dia da formatura de Hogwarts. Desde quando ele...” 


Parou um momento, respirou com certa dificuldade. Optou por não continuar a frase, riscando com força a última palavra, como se, naquele simples gesto, pudesse riscá-lo de sua vida.


Mas não poderia. Jamais poderia.


Foi a única solução.” Escreveu, mas dizendo em voz baixa as mesmas palavras, num pequeno mantra. “E estou melhor assim. Na medida do possível, claro. Longe de todos...


Saber que meus pais estão bem e felizes na Austrália é algo que me conforta em momentos de saudades. Quando a saudade é de Harry, de Rony, de Gina ou de todos os outros Weasley, eu sempre posso aparatar na Toca. Revê-los. Ficar um tempo.


Não mais que um dia. Pois a preocupação deles jamais mudará. Assim como o meu distanciamento emocional também não.


Então, não acredito mais no tempo, pois ele nunca irá curar nada.
Porque ele não foi capaz de me fazer esquecer por completo. Porque, por mais que meus dias estejam movimentados, com pesquisas e treinos, eu jamais consegui esquecer meu sofrimento. Principalmente à noite. Quando a saudade e a dor são maiores...


Nunca mais dormi direito. Isso quando durmo, mas, infelizmente, o cansaço costuma me dominar apenas quando os primeiros raios de sol entram pela janela do quarto. As únicas noites em que durmo bem são aquelas em que me entrego ao álcool. Quando sinto a gostosa dormência em meu corpo... Sinto-me leve e penso em quase nada. Nestas noites, praticamente não escrevo. Nestas noites, Danny quem me leva para cama.


E ele jamais reclamou. E isso só me faz perceber o quanto ele não me merece...”


Ergueu a cabeça, sorriu ao ouvir a chave na porta pelo lado de fora. Eram quase 22 horas, então, só poderia ser ele.


- Oi. – o moreno disse, na sua habitual voz calma – Que faz no escuro?


- Gosto do escuro. – foi a resposta simples – Fiz o jantar.


Daniel Minsk ergueu as duas sobrancelhas, surpreso, enquanto apoiava a mochila e dois livros que trazia num braço na poltrona.


- Qual a ocasião? – perguntou, sentando-se ao lado dela, um olhar divertido e confuso.


A garota simplesmente deu de ombros.


- Achei que merecia. – tornou a dizer de forma simples – Você sempre faz tanto por mim... – acariciou a bochecha dele com o polegar – E eu só dou trabalho.


Danny revirou os olhos, mas sorriu.


- Nunca me deu trabalho. – disse, apertando o nariz dela levemente, fazendo-a sorrir – Pelo contrário! Nunca estive tão feliz. – confessou, sorrindo carinhosamente para ela – Os últimos meses foram ótimos tendo você aqui.


- Obrigada por ter deixado eu me mudar... – a morena disse, mas ele pôs um dedo em seus lábios, impedindo-a de continuar.


- Já disse milhões de vezes que não precisa me agradecer. – disse, fingindo estar zangado – Bom, vou tomar um banho, trocar de roupa e venho jantar. Janta comigo, certo?


Hermione sorriu, mas assentiu com um aceno de cabeça.


Queria fazê-lo feliz, pois Daniel merecia. Além do mais, as únicas refeições que fazia era quando estava com ele, o que não eram muitas, devido ao horário puxado que o lufa-lufa tinha por conta da escola de curandeirismo e medibruxaria.


- Volto já. – ele prometeu e reclinou-se na direção dela, depositando um delicado selinho nos lábios de Hermione.


A morena sorriu e viu-o se retirar.


Mais uma vez, não sentira nada com o pequeno gesto.


Mais uma vez, confirmara o quanto estava destruída por dentro...


************************************************************************************


- Como faremos? – Rony perguntou, um tanto confuso e preocupado – Quero dizer, sabe que... – e fez um gesto com dois dedos, indicando que ambos estavam sendo vigiados.


- Eu sei, eu sei! – Harry disse, emburrado – Ainda não sei direito como faremos, mas precisa ser logo!


O ruivo assentiu, sem nada dizer. Repassou, então, os acontecimentos dos últimos dois meses em sua mente.


A explosão do expresso de Hogwarts. A morte de diversos alunos, entre eles diversos conhecidos e amigos. Zacharias Smith fora o único do sétimo ano da Lufa-Lufa a falecer, juntamente com mais seis alunos de anos inferiores da Casa. Na Corvinal, não houve mortes, mas quase todos os alunos ficaram imensamente feridos. Padma Patil, gêmea de Parvati, sofrera queimaduras extensas por todo o corpo, as quais deixariam cicatrizes para sempre. Na Sonserina, diversas mortes também aconteceram, sendo, porém, a mais significativa a de Pansy Parkinson. A morena falecera ao ser atingida em cheio por uma explosão que destruiu a parte central do trem. Juntamente com ela, sete alunos da Grifinória morreram.


As mortes mais sentidas pelo trio grifinório foram às dos companheiros de Casa, Simas Finnigan e Lilá Brown. Vidas perdidas nas mãos dos comensais da morte...


Mortos e feridos. Sangue e destruição por todos os lados. O dia seguinte ao final do ano letivo ficou conhecido por todo o mundo bruxo como Segunda-feira Negra.


Rony, Hermione e Harry foram proibidos de irem ao enterro dos amigos, pois Lupin e Moody tinham medo de uma nova emboscada. Fora quando o desentendimento entre todos eles começara...


Fora quando Rita Skeeter publicara sobre todos os atentados acontecidos ao longo do ano e que o Profeta vinha sendo proibido de informar. Fora quando saíra a história de vida de Alvo Dumbledore. Fora quando Harry tornara-se o Indesejável número 1.


Olhou para as mãos, analisou o desiluminador deixado pelo antigo Diretor. Aquilo fora uma das poucas coisas boas que acontecera naquele verão.


- Hermione virá para o fim de semana? – Harry perguntou, quebrando o silêncio.


Rony deu de ombros.


- Mamãe ainda aguarda a carta dela. – o ruivo explicou – Mas não sei... Mandei uma coruja ontem para Danny, pedi que viesse com ela, mas ele ainda não me respondeu. – suspirou – Espero que ela venha. Sabe que não seremos nada nessa busca sem ela.


- Provavelmente, morreremos na primeira semana. – o outro comentou, num humor mórbido – Mas espero que ela venha. Tenho saudades dela. Não há vemos há quase um mês!


Rony assentiu. Porém, sabia bem porque a amiga se isolara.


Hermione Granger jamais seria a mesma depois do seu relacionamento com Draco Malfoy. E o último lugar em que poderiam esperar encontrá-la seria ali, com eles, numa casa onde tudo o que falava e respirava era a ansiedade e alegria pelo casamento que se aproximava.


O casamento de Gui e Fleur...


************************************************************************************


- Sinto muito, Bella. – Snape disse, sério, afastando-se da mulher.


O grito que se ouvira fora de cortar o coração. Um grito gélido de dor. De desespero. De raiva.


Voldemort ordenou que todos saíssem da sala, deixando ele e a comensal à sós. Belatriz sempre fora louca e adepta a maldições imperdoáveis. Não poria em risco a integridade de seus comensais enquanto estes ainda pudessem lhe ser uteis.


E sabia que Belatriz acabaria lançando diversas maldições assim que pudesse erguer uma varinha.


Jamais aceitaria a morte da filha...


************************************************************************************


- Mione? – Danny perguntou, no que ouviu um pequeno gemido, indicando que a morena ainda estava acordada – Você já decidiu? Sobre... o casamento?


Hermione remexeu-se na cama, um tanto quanto desconfortável.


- Terei de ir. – respondeu, segurando o travesseiro com ambas as mãos, o corpo envolvido pela grossa coberta – Molly jamais me perdoaria se não fosse ao casamento do filho.


O rapaz assentiu com um aceno de cabeça. Mirou o teto do quarto por um instante, em silêncio, antes de continuar.


- Viu Narcisa? – perguntou, porém já sabendo a resposta.


- Sim. – Hermione, voltou-se na cama, deitando de lado, virada para ele – Ela está com um barrigão enorme já.


- Quase sete meses, não é mesmo? – a morena assentiu – Os bebês estão bem?


- Uhum. – Hermione respondeu – E não precisa se preocupar, não tive notícias dele. – acrescentou, sabendo que aquela era a verdadeira pergunta que Danny sempre evitava fazer.


- Malfoy desapareceu do mapa. – o rapaz comentou, soltando um longo suspiro em seguida.


- Não quero falar sobre isso. – Hermione disse. A voz firme, porém baixa.


Danny virou-se para ela, acariciou-lhe a face.


- Sabe que te amo, não sabe?


- Sei.


- Mas você ainda o ama. – não era uma pergunta.


- Amo.


Silêncio.


- Daniel, por favor. – a garota pediu mais uma vez, a voz embargada.


- Me desculpa. – o rapaz respondeu, aproximando-se dela, abraçando-a carinhosamente – Queria apenas fazer você esquecer. Poder diminuir um pouco sua dor.


- Você já faz isso. – Hermione respondeu, fitando-o, pacientemente – Todo dia. Quando não me critica. Quando me dá espaço. Quando respeita a minha escolha... – afastou uma mecha que caíra sobre os olhos azuis claros – Se eu não enlouqueci por completo, Danny, devo isso a você.


Minsk assentiu, sem, porém, nada dizer. Puxou-a mais para si, deixou-a se aconchegar em seus braços.


Dormiram juntos como vinham fazendo nos últimos meses. Mais um dia chegando ao fim...


************************************************************************************


“Não sei se isso é verdadeiro, muito menos quanto tempo irá durar. Se apenas esse segundo ou um minuto... Mas eu queria que durasse para sempre...


Finalmente, depois de todo esse tempo, de toda essa tormenta, de toda
essa tempestade... O tempo finalmente se abriu e apareceu um raiozinho de Sol na minha vida.
E eu me sinto um pouco mais segura. Me sinto um pouco mais feliz.  Como nunca mais estive desde aquele dia em que você partiu.


Não é uma felicidade plena, mas ela é gostosa. É como se eu tivesse
encontrado um lugar em que eu me encaixasse de novo. E é ele quem faz eu me sentir assim...


Queria tanto amar Danny. Queria tanto...


Queria poder voltar a sentir por ele o que sentia quando eu ainda estava com você. Mas bastou você me deixar pra que eu morresse por dentro. Para que qualquer sentimento que pudesse existir dentro de mim morresse também.


Ele me faz lembrar que eu venho em primeiro lugar e, mesmo sem dizer, sei que ele sabe que um dos meus maiores erros foi te amar.


Eu só não sei como não percebi antes...


Nunca deveríamos ter tentado. Fomos um erro, meras peças de um destino trágico.
Me pergunto ainda se algum dia foi real.... Tudo me parece tão distante, tão surreal...


Mas eu não preciso mais de você. Não precisarei mais. Todos os dias, um dia de cada vez.


Porque ele está me ensinando que sou eu quem mando na minha vida. Que sou eu a única que pode traçar meu destino.


E, neste momento, eles precisam de mim..


Não posso abandonar Harry e Rony.


Pois eu não sou como você...”


************************************************************************************


N.A.: Pois é, cap tenso, curtinho, mas espero que tenham gostado. Próximo cap, casamento de Fleur e Gui! Retorno de Julie Cooper e mais tensão. Consegui cumprir o prazo, então, e deem um desconto pro próximo, ok? RS vou tentar postar até o final do mês, pq estou com prova nos próximos dois domingos, então, escrita fica meio difícil. Mas até o final do mês sai o 3º. Dando, dou uns spoilers pelo Fandom no facebook. Bjus!!!


N.B.: “pois eu não sou como vc” – que forte.... Aff Rê.... que cap tenso.... forte... triste... drama´tico.. e LINDO!!!! Amei mesmo.... mas super triste.... não tinha como ser diferente...


Beijos, Ártemis

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 9

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Scarlett em 29/03/2012

Mto triste esse cap...

Peninha do Dany, sempre consolando a Mione...

Quero noticias do Draco!!! E q os gemeos Malfoy venha ao mundo logo, louca pra conhecer eles...

Mione tem d melhorar logo, destruir as Horcruxes e salvar o Draco \o/

 

Amuh essa fic, esperando o proximo!!!

 

 

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por hermione22 em 23/03/2012

Ta otimo mais quero noticias do draco

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Wiggin em 23/03/2012

Leitor novo....
Muito bom a tua fic...li Gelo e Fogo e agora a cont. que tá bem tristezinha........massssssss é só o começo...kkk
bem, tomara que ela fique "forte" logo e essa amizade um pouco "colorida" com o Danny, eu achei bem interressante, pois ele está ajudando demais ela nessa fase meio deprê.
espero que ela reconheça a ajuda dele no final e agradeça-o de forma cincera.
gostei...bjssss

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Artemis Granger em 18/03/2012

é tenso de maissss, triste e deprê :-(

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Mohrod em 18/03/2012

simplesmente perfeito! Como sempre! ;DD
Adorei saber notícias da Narcisa. Mas ler essas coisas que a Hermione escreveu, me deixaram pra baixo... xD
Quero saber o que vai ser do próxino capítulo!
Posta logo!
Beijo 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Déborah Rogers Poynter Potter em 17/03/2012

OMG! ESSE:     Pois eu não sou como você...” 
  
Vez meu coração pular! Nossa! Quero só ver a Mione quando estiver meio que muito recuperada. Acabando com todo mundo. Hehe. O Draquito vai chorar. kkkkkkkkkkkkkkk Amei o segundo cap, pequeno, mas MUITO SINBOLICO E INTENSO, MUUUUITO INTENSO! POSTA LOGO, Bjus

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Mandy em 17/03/2012

Muiito tenso e emocionante esse cap ^^ 
Muito anciosa para o próximo mas como assim a Belatrix perdeu o bebê fiqueii muiito curiosa pra saber dessa parte?!  kkkk
Então fico no aguardo até o final de março.

BeijOs 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Rê Malfoy em 17/03/2012

Nada, sou eu escrevendo! Vai ter seus momentos engraçados e melhor, sexy! hahahahaha

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Artemis Granger em 17/03/2012

quem teve vontade de chorar ou chorou com esse cap levanta a mão!!!!!!!!!!!

\o/

mto triste.,.. tenso... e saber que praticamente a fic toda será assim.....

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.