FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

12. Capítulo 12 - Editado


Fic: O Início de uma Vida Sexual


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 12

Tiago afastou o cabelo dos olhos e, por alguns segundos, tentou imaginar onde estava; o estupor envolvia-o em uma névoa de nuvem prateada e ele sentia como se estivesse, de alguma forma, no paraíso. Tentou se mover na cama e então seu braço tocou em algo que fez com que ele desviasse o olhar e visse ela.

Seus olhos brilharam com ternura ao encará-la. Lílian... o seu amor. Seu eterno amor. Sorriu, ao lembrar onde estavam e o que haviam feito na noite anterior.

Fora exagero todo o nervosismo que antecedera aquela noite; visto que, no fim, tudo dera certo. Perfeito, como ele queria que fosse com a sua doce ruiva.

O cabelo escarlate dela espalhava-se pelo tecido em um belo contraste; seus fios mostravam-se como uma cascata vermelha em águas cristalinas; ele alisou-os por uns instantes e, então, curvou-se para o lado, selando um beijo em seus lábios.

Os olhos dela tremeram por alguns segundos e, então, ela os abriu; eles se fixaram em Tiago deixando que o brilho verde reluzisse em sua retina. Tiago sentiu-se repleto de felicidade, fazendo com que a noite anterior viesse à tona como uma lembrança viva em ambos.


[início do flashback]


Uma semana conturbada havia se passado desde que Lílian tomara sua decisão. Sim, a decisão de enfim perder a virgindade. Fazia algum tempo que ela já pensava em quando aconteceria. Mas só dessa vez resolvera dizer a ele.

Sempre sonhara que aquele momento seria perfeito. Imaginava carinhos, sorrisos, abraços e beijos. E sabia que seria assim; tinha plena confiança em todo o carinho e cuidado que Tiago teria com ela. Lílian sabia que, naquele sentido, tudo que ele pudesse fazer para o momento dar certo, ele faria.

Trocaram muitos bilhetes durante as aulas. Escreveram muitas “obscenidades”, brincadeiras, lembranças de tudo o que tinham passado. A vergonha do início. A falta de jeito. O aprimoramento das “técnicas”. Mas acima de tudo todo o amor que sentiam um pelo outro.

Isso só fazia com que Lílian se sentisse mais segura e Tiago, temeroso. Sabia o quanto aquilo era importante. Não queria que desse tudo errado, que a machucasse. E se broxasse na hora? Sacudia a cabeça quando esses pensamentos lhe vinham à mente. Mas por mais que tentasse, sempre voltavam...

E o fim de semana se aproximava. Eles estavam mais próximos do que nunca. Haviam se afastado dos amigos para ficarem mais tempo juntos. Conversando, trocando juras de amor. Era como uma preparação para o momento que estava chegando.

Não foi nem um, nem dois almoços que eles perderam por ficarem se agarrando em salas de aulas vazias. Mas foi no terceiro encontro que a coisa desandou para Tiago. Dali a dois dias eles teriam uma tarde inteira para passar na Sala Precisa. Para a tão esperada primeira vez.

Eles estavam se beijando, apertados numa sala, ambos agitados, passando as mãos loucamente pelos corpos um do outro. Tiago estava sem pensamentos. Só conseguia sentir a vibração produzida por eles, os toques se espalhando por toda a sua pele e fazendo-o sentir que a região do baixo ventre oscilava. Seus pensamentos, então, escaparam e ele só conseguiu imaginar o fatídico dia... o que aconteceria... com um murmúrio rouco, ele desvencilhou-se de Lílian, afastou-se silenciosamente e saiu.

Ambos ficaram sem reação no dia seguinte. Conversaram um tanto formalmente e Lílian ficou preocupada com o que poderia ter acontecido.

Ela caminhou emudecida por todo o trajeto até o Salão Principal, onde deveriam jantar naquele momento. Tiago e os Marotos iam atrás, Sirius zoando com a cara de Pedro, e Tiago e Remo tendo um papo sério mais para o canto.

Lílian enrubesceu de pensar no que os dois poderiam estar conversando e o pior de tudo, sobre quem...

Logo eles sentaram-se à mesa da Grifinória, Tiago e Lílian, lado a lado, não trocaram uma palavra.

- O que foi que houve com eles? – perguntou Sirius a Remo um pouco longe do casal.

- Hum... Não sei se devo te contar... – Remo disse misterioso. – O Tiago disse que se eu te falasse você ia "zoar" com ele...

- Ah não! – Sirius exclamou um pouco alto. – É por isso mesmo que você tem que me falar! – falou arregalando os olhos de curiosidade.

- Não sei não... você não é do tipo digno de se confiar... – ele levantou a sobrancelha - Você é um pouco exaltado demais...

Sirius fez que estava decepcionado e fingiu estar magoado. Remo então falou:

- Tá bom! Eu também tô morrendo de vontade de te dizer isso... – um sorriso maquiavélico apareceu em seu rosto. – Te lembra o que ele fez comigo quando soube que eu e Letícia tínhamos, hum, você sabe...?

Sirius deu gargalhadas.

- Sim, ele pegou no seu pé as férias inteiras! – sorriu malicioso – E ficava te interrogando o tempo todo.

- E você se lembra porquê?

- Porque você e a Letícia tinham...

- Não! Não é isso... – interrompeu Lupin - eu quis dizer... por que ele ficou pegando no meu pé?

- Porque você disse que estava com medo, antes de fazer sexo com ela? – arriscou.

- Ah... é bem isso... mas dispenso o linguajar, Almofadinhas...

Sirius piscou para ele, mostrando que fizera por gosto.

- Agora, imagine... – disse Remo pausadamente – Tiago está passando pela mesma coisa...

- O QUÊ?! – berrou Sirius, fazendo a mesa da Grifinória inteira se virar para eles.

- Shh... eu disse que você era um escandaloso!

- Mas... mas... ele não ia me contar que ele e a Lily vão...?

- Ah não... ciúmes agora não, tá? – brincou Remo.

- Não é ciúmes... – disse tentando se explicar.

- Eu sei que não, seu besta. Venha, vamos sair daqui para que parem de nos olhar.

Os dois saíram do salão. Sirius ainda irritado por ser sempre o ultimo a saber das coisas, mas também, não era por menos.

Enquanto isso, um casal comia sem trocar nem sequer um olhar.

- Poderia me passar a omelete, por favor? – pediu Tiago, se pronunciando pela primeira vez.

Lílian parou por um instante e respondeu na voz mais doce do mundo.

- Claro, meu amor.

Ela estendeu o braço e passou o prato com as omeletes para ele. Mas Tiago estava imóvel, e nem sequer piscou.

Depois do que pareceu mais ou menos um minuto, ele murmurou:

- Me desculpe, Lily.

- Você não tem que pedir desculpas... você não fez nada.

- Eu fui muito rude com você...

- Não, não foi. – negou ela.

- Fui sim, e tudo por causa desse medo idiota.

- É normal sentir medo, meu amor. – ela disse suavemente.

- Como você pode ser tão compreensiva? – perguntou admirado.

- Eu te amo. – ela respondeu simplesmente.

- Eu te amo muito. – ele declarou.

- Vai dar tudo certo, ok? – Lily o tranqüilizou.

- Nós não estamos trocando de papéis? – ele indagou – Eu não deveria estar tranqüilizando você por estar nervosa?

- Eu não estou nervosa.

- Mesmo? – ele perguntou.

- Sim. Eu confio em você. Sei que não tenho motivos para ficar nervosa. – ela sorriu meigamente – Talvez eu esteja apenas um pouco... ansiosa.

Tiago ficou impressionado com o que Lílian havia dito. Não resistiu por muito tempo antes de beijá-la.

O que ela disse não fora em todo uma verdade. Ela sentia medo, sim. Estava nervosa, sim. Mas sabia que o seu nervosismo não deveria ser nada perto do que Tiago estava sentindo. Ela sentiu que não precisava dizer isso à ele naquele momento, pois faria com que ele apenas se sentisse mais perturbado.
E apesar de todos os sentimentos que aquilo poderia causar nela... Lílian sabia que queria, mais do que tudo, que aquilo acontecesse.

Tiago e Lílian vinham cochichando e sorrindo por todo o caminho até a Sala Precisa. Os dois caminhavam lentamente, apenas aproveitando a presença do outro consigo. O sentimento de que a partir desse dia seriam um só tomava conta de ambos.

Os dois já haviam planejado tudo. A primeira vez deles aconteceria hoje, no décimo quarto dia do mês, que era o dia que marcava imensamente a sua história de namoro. Eles não poderiam negar que estavam mais do que nervosos, mas tentavam ao máximo deixar a mente fluir e levar tudo na maior normalidade possível.

Então eles chegaram.

Quando Tiago girou a chave na maçaneta, Lílian sentiu um medo crescente dentro de si e vacilou por alguns instantes, o cérebro trabalhando freneticamente, tentando filtrar se deveria ou não sair correndo. Mas desistiu no segundo que ergueu os olhos e viu o olhar seguro de Tiago.

Ele também estava nervoso e isso transparecia pelo suor reluzente em seu rosto. Porém, com suas mãos ligadas às dela, Lílian sentia que ele lhe passava todo o seu amor de alguma maneira. Uma maneira que só ele sabia fazer...

Tiago apressou-se em abrir a porta e curvou-se para frente, em sinal de respeito, fazendo com que Lílian entrasse na frente. O que viu surpreendeu-a, fazendo com que ela fincasse os pés no chão por alguns segundos, incrédula.

O quarto não estava como normalmente era; uma névoa prateada e gélida perolava, girando no ar calmamente. O frio atingiu-a por alguns instantes, mas então, Lílian sentiu o toque macio e quente do seu namorado e compreendeu o que ele queria com aquilo. Deviam estar próximos, o tempo todo, para passar o calor de um corpo para o outro... a garota desviou novamente o olhar para o quarto, para ver os demais detalhes; uma cama retangular, simples, com lençol de linho branco. Diversas pétalas vermelhas espalhadas pelo quarto acentuavam o clima romântico que o envolvia.

Era perfeito... e ela sabia disso.

Um ano inteiro os dois tinham feito mais do que jamais imaginariam fazer. Era praticamente impossível imaginar que ainda houvesse qualquer tipo de inibição entre os dois, no entanto, naquele momento, ambos pareciam extremamente inexperientes.

E lá estavam eles. Ambos eufóricos e nervosos com tudo aquilo. Tiago já tinha arquitetado tudo para que nada desse errado. Enquanto Lílian, nervosa demais para pensar, deixava-se levar pelo momento. Ele ergueu-a no ar, investindo um beijo para que descontraísse e levou-a para a cama, deitando-a com suavidade.

Tiago deitou-se sobre ela e carinhosamente. Ele a beijava enquanto subia sua blusa com calma. Logo seu sutiã branco rendado foi revelado e Tiago começou a beijar-lhe a barriga e os seios.

Lílian respirava aceleradamente. Tiago lambia-lhe os seios carinhosamente, mas às vezes era um pouco ousado. Lílian já podia enxergar uma marca vermelha provocada por ele.

Já ansiosa, a garota ajudou-o a retirar todo o seu sutiã. Tiago tirou sozinho a própria camisa e deitou-se sobre ela novamente, agora corpo a corpo.

As mãos de Tiago deslizavam por todo o corpo de Lílian, marcando com fogo e paixão a pele macia da garota, à medida que sentia os bicos dos seios dela lhe roçarem o peito. A mão esquerda agora apertando o seio de Lílian, enquanto a direita descia sua saia até os joelhos.

Ele levantou-se para retirar totalmente a saia dela, e aproveitou para acariciar-lhe em seu ponto fraco, o clitóris.

Ainda sobre a calcinha Tiago roçava os dedos naquela área erógena sem cessar. Lílian contorcia-se de leve, louca para que ele lhe tirasse tudo.

E foi o que ele fez. Com a própria boca e com um pouco de ajuda das mãos Tiago conseguiu livrá-la da ultima peça de roupa que a separava de todo o prazer do mundo.

O garoto surpreendeu-a quando rapidamente já enfiava sua língua em sua vagina. No que Lílian despreparada soltou um gemido espontâneo. Tiago mexia com a língua, brincava com os lábios. Lílian não resistia. Quando estava quase tendo um orgasmo ela recobrou a sanidade e disse para ele que parasse.

Ele deitou-se novamente sobre ela. E beijou-a fazendo Lílian sentir seu próprio gosto nos lábios dele. Logo ela virou-os ao contrário, fazendo com que ficasse sobre ele. Com as unhas ela arranhou-o do pescoço ao umbigo, lá depositou um beijo e então abriu-lhe as calças.

Ele ajudou-a a tirar a peça, e ela prontamente começou a acariciar seu membro duríssimo, também sobre a cueca. Ele então entendeu o que era essa vontade fulminante de que ela logo o livrasse daquela agonia e tirasse sua cueca de vez.

Mas ela continuou, beijando sobre a cueca, mordendo sobre a cueca. Até que Tiago não agüentou e ele mesmo puxou a cueca para baixo, mostrando para ela sua imponência.

Lílian já sabia o que fazer. Abocanhou o pênis do garoto rapidamente e chupou-o de cima a baixo durante muito tempo.

Tiago então pediu para que ela parasse.

Um desejo mútuo e incontrolável tomou conta de ambos. Uma coisa ficou clara. Estava na hora.

Lílian voltou a sua posição inicial e Tiago postou-se sobre ela. Os dois se encontravam completamente nus. Foi impossível evitar o toque repentino de seu pênis no sexo dela; dois estranhos e desconhecidos, que se encontravam pela primeira vez. Primeira vez.

Tiago não pôde deixar que todo aquele medo de que algo desse errado tomasse posse de si novamente. Aquela seria a noite mais importante da vida dos dois, ele sabia disso. Ele então olhou fundo nos olhos verdes e apreensivos da ruiva sob si, eles lhe passaram muita segurança e de repente sentiu-se forte de novo para que pudesse fazer tudo certo.

Respirou fundo. Os músculos foram cedendo e seu corpo estava cada vez mais próximo do de Lílian. Com um breve susto os dois sentiram o leve toque do membro de Tiago na vagina de Lílian novamente. Eles se olharam mais profundamente. Tiago pressionou de leve seu membro contra a vagina dela, que quase não cedeu a investida. Ele respirou novamente e investiu um pouco mais. Dessa vez sentiu sua glande umedecer com o liquido quente e lubrificante da vagina da garota. Seu membro pulsou de excitação e Tiago aproveitou a euforia para tentar pressionar um pouco mais seu corpo contra o dela.

Foi com uma satisfação inexplicável que ele sentiu ter sua cabeça engolida pelo sexo de Lílian. Abriu os olhos que haviam se fechado para apreciar a sensação e viu que Lílian o olhava com uma face que expressava dor e satisfação. Tiago começou a indagar-se se estaria machucando-a, então tranqüilizou-a enquanto lhe dava um breve selinho nos lábios.

- Vai ser tudo perfeito, como nós dois imaginamos! Não fique nervosa, meu amor, eu vou cuidar muito bem de você esta noite.

Lílian respirou fundo enquanto sentia o membro de Tiago lhe pedir permissão para entrar. Ela tentou relaxar o máximo que pôde, deixando o caminho mais livre para ele.

Tiago percebeu que apesar de tentar demonstrar calma, Lílian estava com muito medo, o que dificultava a sua penetração.

Então ele a beijou.

Lílian sentiu a língua macia do namorado percorrer sua boca e percebeu que ela era tão doce quanto sempre fora, ela se perdeu em seus encantos, deixou-se levar, e milagrosamente não sentiu mais dor nenhuma.

Tiago a beijava ao mesmo tempo em que colocava seu membro cada vez mais dentro do corpo da amada.

Não havia mais dores, nenhum nervosismo, e ele sentia cada milímetro seu adentrando o corpo dela, apreciando cada segundo.

Ele chegou até onde achou que deveria, então parou de beijá-la e vislumbrou a face surpresa de Lílian que não havia percebido todo o avanço de Tiago sobre ela.

Os dois suspiraram aliviados. O “pior” já havia passado. Tiago olhou bem dentro dos olhos dela e lentamente foi saindo de dentro daquele corpo quentinho, sentindo todo o prazer da volta, e depois entrando mais uma vez sem pressa.

Lílian sorriu para garantir que não estava doendo. Tiago mais uma vez saiu, logo sentindo falta do aconchego apertadinho da vagina da namorada. Repentinamente, eles perceberam que não era preciso se preocupar em demasia como estavam fazendo, era apenas uma questão de deixar que o corpo cedesse ao prazer, como todas as vezes em que eles se encontraram, naquela mesma Sala Precisa, sobre aquela mesma cama.

Lílian cerrou os dedos sobre o lençol de linho com força, conforme sentia o membro de Tiago investindo dentro dela, cada vez mais forte; seu clitóris estava sendo acariciado pelos pequeninos pêlos pubianos do garoto, o que fez ela começar a gemer baixinho.

Um doce suor reluziu nas costas da garota e ela sentiu um arrepio escaldante percorrer-lhe toda a sua espinha dorsal, conforme seu corpo oscilou mais uma vez no colchão, levando as investidas de Tiago.

O garoto foi alternando o ritmo, acelerando suavemente a cada segundo, até que seu corpo todo movia-se em um ritmo único e forte, um ritmo universal; ofegando de prazer, Tiago parou de repente, sentindo que o orgasmo se aproximava e, então, desvencilhou-se de Lílian e deitou-se sobre ela, beijando-a novamente.

Seu beijo macio e doce queria dizer muita coisa, principalmente o quanto a desejava. Ela estreitou os olhos levemente, arranhando-lhe as costas com as unhas grandes e abrindo as pernas lentamente, sentindo que o membro dele entrava novamente em seu sexo.

Tiago recomeçou a investir dentro dela, sentindo a flexibilidade a cada golpeada, do líquido que Lílian liberava. Alguns segundos se passaram, em que eles ofegaram, gemendo levemente e, então, em uma última investida forte, Tiago sentiu a visão pipocar em luzes ofuscantes e liberou seu fruto em jorros prazerosos dentro de Lílian. A garota oscilou sob ele, deixando os braços caírem ao seu lado, exausta...

Fora verdadeiramente perfeito e eles sabiam disso. Agora, não eram apenas namorados, mas também amantes. Tiago colou seu corpo ao lado da amada e beijou-a levemente, sentindo a alegria pulsar em seu peito fortemente.

Não queria sair daquele momento... jamais... abraçou-a, enlaçando os braços musculosos sobre ela e, sentiu as pálpebras pesarem, até que todo seu ser cedeu ao cansaço e eles dormiram...


[fim do flashback]

Lílian voltara à realidade, terminando sua lembrança com os mínimos detalhes da noite anterior, e sentindo mais do que nunca uma louca vontade de fazer tudo aquilo novamente.

- Tiago... – chamou Lílian, tentando despertá-lo. – Tiago! Saia da Potterlândia e volte logo para a Terra, querido.

Tiago sorriu com o canto dos lábios, despertando de seus pensamentos.

- Você me faz sonhar, cara Lilly.

- Ah é, Potter? – disse ela com cara de safadinha. – Então eu quero que esses sonhos virem realidade!

E dizendo isso ela o empurrou para o lado, enquanto saia de baixo dele.
Ela pediu para que ele se deitasse de frente e ele obedeceu observando-a.

- Agora... – disse ela num tom falso mandão. – Fique bem quietinho aí, senhor. Sou eu quem controla a situação hoje.

E dizendo isso ela se postou sobre o corpo dele e mirou o membro dele bem no meio da sua vagina. Entorpecida pela total possessão do corpo abaixo do seu, e sem pensar, Lílian largou o todo o peso de seu corpo sobre Tiago.

Foi uma sensação rápida. Um grito de dor, proveniente da forte penetração, seguida de um gemido alto de Tiago.

Lílian olhou para ele e viu que ele estava surpreso e extasiado com aquilo. Revigorada pela repentina euforia do namorado, Lílian levantou novamente até o topo, mas sem deixar a glande escapar da vagina e logo sentou-se de novo sobre ele, dessa vez apreciando a face do namorado transmitir um prazer inacreditável.

Lílian subiu de novo, parou para observar a expectativa do namorado, e então desceu lentamente, apreciando desde a cara contorcida de prazer de Tiago, até seu próprio gemido espontâneo. E assim foi. Quatro, cinco, seis investidas fortes de Lílian, cada uma mais sedenta e prazerosa que a outra. Nove, dez, onze e Lílian gritava pedindo por mais. Vinte, vinte e quatro, trinta, e Lílian já não sabia até quando agüentaria tanto prazer. Suas mãos apertavam os ombros musculosos de Tiago com força, e ela não saberia dizer se isso lhe provocava dor ou não.

Tiago não conseguia acreditar que aquela pessoa que agora lhe dava tanto prazer era mesmo a sua Lily. Apesar de tudo que puderam experimentar juntos ao longo daquele ano, Tiago nunca, jamais, tinha visto Lílian tão descontrolada. Não que isso fosse ruim. E realmente, Lílian estava numa espécie de transe que misturava posse, dor e prazer, transe do qual ela não conseguiria sair, nem mesmo se quisesse.

- Não para... não pára... – suplicava Tiago.

Ela rebolava, subia, descia gemendo, e tudo que o prazer mandava.

- Continua... Isso... Assim...

E Lílian atendia, como se fosse uma ordem.

- Agora... Não pára! Eu acho que vou gozar...

O orgasmo se aproximava. Não só para Tiago, Lílian também sentia que explodiria na próxima investida que fizesse.

E como se fosse por um instinto natural, Tiago segurou Lílian pela cintura, ao mesmo tempo que ela começava a ter um orgasmo profundo. Ele a ajudou a não parar nem um instante, jorrando seu líquido com vontade, enquanto Lílian agüentava até o ultimo momento de seu orgasmo.

Ambos se declararam exaustos por fim. Lílian nem mesmo saiu de cima de Tiago, adormeceu ali mesmo sobre seu peito nu.

Tiago ainda teve tempo de acariciar os cabelos de Lílian e se sentir completo por tê-la junto de si. Daqui até a eternidade.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 22/03/2013

AMEI! SIMPLES ASSIM! AMEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEI!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.