FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

4. A QUEDA


Fic: AMOR DO PASSADO - REEDITADA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Hermione chegou em casa ofegante, não tanto pela subida da colina que dava os fundos da casa, mas porque aquele encontro a havia deixado desestabilizada... ela não sabia explicar, o magnetismo daquele homem, aqueles olhos... ela tinha a nítida certeza de que conhecia aqueles olhos de algum lugar... mas da onde? Ela devia estar delirando, fazia tempo que nem saía de Aberdeen... 


Chegou em casa e não encontrou ninguém... achou bom pois não teria que dar explicações porque havia chegado tão rápida e seca....


Se dirigiu ao quarto, trocou de roupa, colocando uma blusa branca com decote “V”, que valorizava seus seios , e uma calça jeans surrada,prendeu o cabelo, não se olhou no espelho, este era um hábito que ela evitava a todo custo...

Já que estava em casa e sem a mínima vontade de escrever... este último romance dela havia sido particularmente difícil de escrever, ela estava esgotada. Reviver a história de Neferatri e Ramsés II havia sido um pouco difícil para ela. Seu pai era um arqueólogo e doutor em egiptoligia – formado pela universidade do Cairo, e ela fora educada por eles, acostumando-se a ficar cercada de objetos de arte, e participava da acaloradas discussões sobre arte e sobre cada dinastia egípcia que o pai mantinha com Sr. Hastings, ela herdara isto do pai, o Egito estava em seu sangue.

Quando se decidira a escrever sobre Nefertari, ela sabia que isto significava mexer em anotações pessoais e objetos colecionados pelo pai referentes a XIX dinastia, período que compreendia as das de 1279 a 1213 A. C . – tempo que durara o reinado de Ramsés II , um dos faraós mais influentes de todas as dinastias e particularmente o seu período preferido, ela era expert nesse assunto.

Descrever o romance explosivo de Neferari com Ramsés, exigira dele não só dados técnicos mas também uma visita ao Egito para poder “sentir “ a história. Visitara o templo de Abu- Simbel e também a tumba de Nefertari em Luxor e um templo construído em sua homenagem, pelo faraó, perto de Abu Simbel... tudo em nome do amor..
Ela havia visitado também o vale dos reis e rainhas. Pode desta maneira dar uma descrição mais acurada de tudo..

Na contracapa do livro, estava a transcrição de um poema que o próprio faraó havia escrito em homenagem à sua esposa favorita:


A PRINCESA RICA EM ENCANTOS,
SENHORA DO AFETO, MEIGA DE AMOR, DONA DE DUAS TERRAS.
POETISA DE LINDO SEMBLANTE
A MAIOR NO HAREM DO SENHOR DO PALACIO.
TUDO QUE DIZEIS SERA FEITO PARA VOZ.
TODAS AS COISAS BONITAS DE ACORDO COM VOSSO DESEJO.
TODAS AS VOSSAS PALAVRAS TRAZEM ALEGRIA A FACE.
PORISSO OS HOMENS ADORAM OUVIR TUA VOZ." 

RAMSES II - XIX - I DINASTIA


Para ela foi um prazer, ver todo aqueles monumentos especiais, e fora tratada com toda deferência pois, o próprio curador do museu do Cairo a acompanhara nas visitas, ele a conhecia há muito tempo, desde a época em que seu pai prestava serviços no Cairo.

Ela queria passar para o papel toda importância e todo significado do amor do regente por uma das mulheres mais belas do Egito. Além de colocar dados históricos, Hermione descreveu o que ela achou que seria um relacionamento desta mangnitude. Imagine um faráo poderoso casado com alguém que não fazia parte da nobreza de elite das terras do Alto e Baixo Egito. Neferatri era pra ele o que Touya sua mãe havia sido para Sethi seu pai, além de esposa, seu braço direito, seu guia e seu amor até o fim.

Ela sabia que rezava a tradição que o faraó tivesse um harém de esposas que além de satisfazer o rei ainda podia dar-lhe filhos próprios para a linha de sucessão. Mas ela sabia, como todos que estudavam; que Nefertari tinha sido a esposa preferida, que além de ocupar seu posto como esposa principal, ainda participava com suas opiniões políticas. Chegando a ter papel essencial nas decisões do faraó.

Hermione olhou para a capa de seu novo livro, ali havia o famoso busto de Nefertari , que hoje estava exposto no museu de Berlim e ficou imaginando como teria sido a reação à este novo livro, pois fora um livro escrito, com um amor e um furor próprios dos escritores e para ela este livro tinha um significado especial, era uma das histórias de amor mais belas que ela conhecia, uma história que ela ansiava viver pelo menos por um tempo...
Não somente o amor que povoava seus sonhos, sonhos misteriosos que ela tinha desde criança...

O livro estava cheis de capítulos recheados de história e estórias.... partes onde estratégias militares eram descritas com uma precisão incrível e também partes que descreviam a sede de amor de Ramsés por sua esposa favorita.

Com o livro nas mãos ela desceu as escadas em direção à biblioteca, estava agora dispo,sta a mexer nas coisas do pai, depois de tanto tempo, ela precisava ver os objetos que ele havia deixado. Sabia que quase todos estavam catalogados, mas havia muita coisa que precisava ver.
Tinha verdadeiras preciosidades ali. Coisas arrematadas em leilão pelo pai. Pois o Egito fora saqueado várias vezes, especialmente na época de Napoleão Bonaparte e a maioria dos objetos famosos e valiosos estavam hoje espalhados pelo mundo.

O que seu pai pôde adquirir, ele adquiriu, mas tudo com o intuito de preservar, e tudo deveria ser doado, quando Hermione quisesse ao museu do Cairo... voltando ao Egito, o lugar de onde nuca deveriam ter saído...


Para entrar na biblioteca, que mais funcionava como um acervo era necessário exame de retina e exame de impressões digitais... só ela tinha acesso. .. Ela se encaminhou para a sala e a abriu... entrou naquele ambiente lotado de história... pergaminhos e objetos repousavam em caixas climatizadas com iluminação especial e sensores contra abertura . Somente Hermione tinha cada senha.

Ela olhou saudosa todos os objetos e todas as anotações do pai bem como suas anotações onde decifrava particularmente uma caixa contendo hieróglifos que informavam a maneira correta de abri-la.... ela e o pai trabalhavam nesta caixa meses antes do acidente e estavam quase decifrando as escritas, pois alguns hieróglifos estava quase apagados..., quando o pai dela morreu. Ela perdera toda vontade de voltar ao trabalho, olhou a caixa a examinou novamente e voltou a colocá-la no lugar. Ainda não estava preparada para isso, talvez um outro dia...

Ouviu um barulho e voltou a depositar a caixa em cima da mesa, no mesmo instante o Sr. Hastings estava entrando com o Draco Malfoy pela porta.

Hermione sorriu e o recebeu na porta da biblioteca e disse:

--- Que bons ventos o trazem aqui meu amigo – disse Hermione se encaminhando pra ele e o beijando carinhosamente.

---- Vim ver se estava tudo bem... fiquei sabendo de seu encontro com nosso vizinho e vim também fazer um convite...disse Draco olhando espantado à sua volta...

Hermione o olhou com curiosidade e o puxou para dentro da biblioteca orientou ao Sr. Hasting a pedir para Jane trazer café com biscoitos para os dois.

Draco entrou na sala e deu um assovio longo! Estava encantado!

--- Nossa Mione, você nunca me trouxe aqui, isto aqui é um verdadeiro museu de primeiro mundo disse se encaminhando para um das caixas de vidro onde tinha um colar particularmente precioso, de ouro, pedras preciosas e lápis lazuli, e uma beleza indescritível. 

– Garota você tem uma pequena fortuna aqui, não tens medo?

Draco, o meu pai gastou uma fábula para poder fazer desta sala uma fortaleza quase impenetrável... e além do mais as pessoas pensam que tudo esta já disposto em seus respectivos museus, e não aqui no meio de uma fazenda em Aberdeen. Nunca abri esta sala pra ninguém, sinta-se privilegiado.

--- Fico lisonjeado Mione. Mas mudando de assunto, sei do seu encontro com o Sr. Potter.

--- Ah então este é o sobrenome dele? Ficaste sabendo do primeiro ou do segundo encontro?

--- Porque teve um segundo? Meu Deus ... como ele te tratou?

--- Um pouco mais suave, estava no lago me preparando para um mergulho quando ele chegou... me senti observada e não foi difícil identificá-lo, mas o deixei à vontade para nadar...

--- Quero saber se ele foi grosseiro com você...

--- Você o conhece Draco? Da onde?

-- Longa história, pra resumir, ele me ajudou a incorporar uma firma de diamantes e éramos amigos do Sr. O”Connor que tinha um carinho todo especial por ele...

--- Espere aí – Potter – não foi aquele magnata que ficou seqüestrado e ficou 40 dias num cativeiro sobre tortura?

--- Ele mesmo, eu próprio participei das negociações com os seqüestradores, mas conseguimos localizá-lo em uma cabana no meio do nada, extremamente fraco, e muito machucado... por isso dê um desconto à ele... ele ainda é meio arisco a se relacionar com estranhos...

Hermione ficou pensativa e se lembrou da cicatriz que ela tinha visto mais cedo, e pensou se fazia parte da tortura, mas não perguntou ao amigo...

A Sra. Jane chegou com o café com biscoitos e eles ficaram conversando um pouco mais. 

--- Vou fazer um sarau em casa daqui a uma semana, e não aceito não como resposta viu senhorita, é meu aniversário e faço questão de sua presença.

--- Draco vou ter que declinar o convite porque sabes que não saio de casa, ainda mais para me expor a uma festa desta magnitude, sei que você não se contenta com pouco, portanto meu amigo nem pensar. Não posso ir, sinto muito.

Draco se levantou e se sentou perto de Mione e disse:

--- Querida já está na hora de deixar o passado no passado. Já passou, Louis já teve o que merecia e hoje deve estar bem longe daqui... e passando a mão nos cabelos dela disse, você é uma mulher linda, e não se dá conta disto... e sei que não gostas de se expor, portanto vai ser um baile de máscaras e faço questão que você vá, por favor... você não pode faltar... me diz que vai..

--- Não tenho nem roupa apropriada para isso Draco... será um baile de máscaras somente?
Não sei não, te darei minha resposta em breve meu querido... prometo pensar no assunto.
Se eu puder levar uma amiga, quem sabe eu me anime:


--- Fique à vontade para levar quem quiser... você tem carta branca na minha casa ..

Draco se encaminhou para a escrivaninha onde estava a caixa de metal com os hieróglifos que Mione tinha pego há pouco. No centro havia uma flor de lótus em baixo relevo.
Ele tentou abri-la e Mione explicou que não tinha como abrir,s somente tentando decifrar o que está escrito... e ela estava trabalhando nisto há algum tempo...

--- Draco a olhou e disse, gostaria de ter metade da sua inteligência amiga 

Hermione o olhou com os olhos marejados e disse:

--- E eu metade de sua coragem... e vontade viver cada momento...

-- Mione eu vim te pedir um favor, sei que sua agente é uma advogada implacável, eu não a conheço pessoalmente mais sei que ela é fora de série , e estou enrascado com um acidente que tive em uma das minhas minas na África do Sul, e preciso de um advogado para me defender. O acidente na mina aconteceu apenas 3 dias depois de eu ter assinado o contrato de compra, portanto não tenho culpa do que aconteceu, pelo contrário eu havia pessoalmente interditado esta mina para poder fazer as conteções necessárias pensando na segurança dos funcionários quando tudo aconteceu..

-- Vou falar com ela sim, aliás, é ela que vou convidar pra ir comigo, se eu for... à sua festa e vocês podem se conhecer lá..

Quando Draco ia retrucar, Sr. Hastings chegou bufando na sala e disse:

--- É melhor virem correndo, parece que o novo vizinho sofreu uma queda de um cavalo e está lá perto da cerca inconsciente.

Draco e Hermione foram correndo até o local, o cavalo estava a certa distância e Harry jazia inconsciente no chão. Draco se adiantou e viu que a calça dele esta rasgada e um filete de sangue escorri por ela, Sr. Hastings acalmou o cavalo e o levou para o celeiro e disse: 

_ O cavalo se assutou com alguma coisa e pateou bastante antes de derubá-lo.

Hermione prática como sempre disse:

- Vamos levá-lo para minha casa agora e ver o que podemos fazer. Hastings chame o médico para poder atender ao Sr. Harry.

Draco o carregou para o interior da casa e Mione orientou a levá-lo direto para seu quarto enquanto ela ia buscar materiais de primeiro socorros.

Chegando no quarto, Draco havia tirado a camisa do amigo e também a calça que estavam sujas e cheias se sangue. Deixando- o somente de cueca. Aquela cena fez Hermione corar...

Draco percebeu e disse:

--- Querida deixe que eu cuido dele, se quiser pode esperar lá fora...

--- Nem pensar Draco, não sou tão pura assim posso muito bem ver um homem, nestas condições e além do mais sou mais apropriada a cuidar das feridas dele. Esqueceu do meu curso de enfermagem? Eu que cuidava do papai e de seus ajudantes nas escavações portanto deixe-o comigo.

Harry estava voltando a si, Hermione viu o ferimento na perna direita, se sentou ma cama e começou a limpá-lo, o moreno gemeu e segurou o pulso dela.

--- Posso saber o que está fazendo? Disse Harry com uma careta de dor., ele ainda estava totalmente desorientado .. as cenas de tortura do seqüestro voltaram a sua mente e ele teve o impilso de se levantar...

Hermione falou com firmeza pra ele, e o empurrou delicadamente fazendo-o deitar novamente e tirando-o do torpor:

--- Você está ferido e estou cuidando do seu ferimento, então por favor fique calmo, e me deixe trabalhar. Dizendo isto ela se concentrou em limpar o ferimento dele que estava sangrando bastante.

Harry estava com escoriações em ambas pernas, onde o cavalo havia batido a pata, e havia também arranhões no peito, ela passava o remédio dizendo:

--- Vai arder um pouco, agüente firme mas, preciso desinfetar, antes que infeccione...

Ela foi o mais delicada possível, mas realmente estava doendo muito, e Draco já vnha entrando com o médico.

--- Olá Srta. Granger, este é nosso paciente, deixe-me ver o que temos aí? Podem me contar o que aconteceu?

Desta vez a voz de Harry voltou e ele disse:

-- Eu estava andando à cavalo quando uma cascavel cruzou nosso caminho, o cavalo ficou assustado, pateou um pouco e me jogou de costas e antes de sair em disparada pisou na minha perna e no meu tórax.

Hermione observava de longe, aquele homem podia ser grosso, mas era lindo... que corpo... que energia desprendia daquele dle, uma masculinidade latente, ela sem querer ficou observando aquela perfeição, apesar de todas as cicatrizes ele era muito atraente.... ela não sabia explicar, mas seu coração batia a mil....

--- Fez um bom trabalho aqui Mione – disse o médico. Vamos enfaixar aqui, provavelmente esta faixa terá que ser trocada à noite, e o Sr. Vai mancar por uns dias, e nada e abusos. Vou receitar uma injeção e alguns remédios e logo o Sr. Estará novo de novo...

--- Sr. Potter, vou lher aplicar uma injeção particularmente dolorida, portanto vire-se. Harry hesitou um pouco e olhou para Mione que continuou impassiva. 

--- Não precisa ficar constrangido Sr. Potter, seu muito bem o que o Sr. tem aí atrás, não é novidade nenhuma pra mim. Fui enfermeira quando trabalhava com papai e aplicar injeções se tornou minha especialidade.,.. – ela estava adorando aquilo, ver aquele homem mal educado e prepotente totalmente vulnerável, ainda mais na sua cama.

O médico, preparou duas injeções uma contra infeção e outra anti-tetânica, e Harry relutantemente se virou e o médico abaixo um pouco a cueca dele, revelando uma de suas nádegas. Hermione tentou se virar, mas a curiosidade falou mais alto e ela ficou observando Harry se encolher quando a agulha entrou, e viu que o rosto dele se contraía enquanto o líquido entrava.

Draco a observava de longe e ela percebeu e corou.

---- O que foi Draco, já vi isto milhares de vezes... não é nenhuma novidade pra mim...

---- Hum hum... sei Mione...


--- Sr. Potter, eu sei que é dolorido, mas uma é contra infecção ea outra é anti-tetânica, por causa da ferradura do cavalo. Temos que prevenir. Hermione, você vai se encarregar do Sr. Potter por hoje? Ele pode apresentar febre por causa da vacina anti-tetânica...

--- Não precisa doutor, disse Harry tentando se levantar mas sentindo uma tontura que o fez deitar novamente.

O médico disse:

--É melhor não removê-lo hoje, esperem até amanhã, quando dos ferimentos estiverem melhor, não gostaria que ele se locomovesse. Algum problema Mione?

--- Nenhum doutor, o Sr. Harry vai ficar o tempo necessário. Não se preocupe. Me dê os remédios que devo ministrar que eu cuidarei de tudo.

Harry tentou se levantar dizendo:

--- Nem pensar que vou ficar aqui, dando trabalho aos outros, posso muito bem me cuidar sozinho e além do mais ..... não conseguiu terminar a frase pois sentiu uma tontura imensa e foi apoiado por Mione.

--- Deixe de ser teimoso... você vai ficar e está decidido. Já pedi para avisar a sua irmã e não ouse tentar se levantar novamente, senão o prenderei na cama – disse fuzilando-o com os olhos...

Ia saindo do quarto para deixar os três homens à sós quando Luna chegou toda ofegante e foi logo ver o estado de Harry que estava totalmente pálido com o esforço.

Passou as mãos nos cabelos do irmão e comentou:

- Como você está meu querido? É parece que hoje é o dia dos tombos, Lucy também caiu e luxou o tornozelo, estou lá em casa tomando conta dela. Vou me encarregar alguém de ficar com ela e posso ficar aqui com ele Srta. Granger. 

Hermione respondeu:

---Claro que sim Luna e por favor me chame de Hermione somente. Mas seria bom que ele ficasse aos meus cuidados terei que trocar o curativo dele e fazer a assepsia do ferimento novamente para evitar infecções.

Um brilho momentâneo passou pelos olhos de Luna que prontamente respondeu:

--- Claro que sim Hermione. É melhor realmente eu não tenho muito jeito para estas coisas mesmo. Mas promete me chamar caso necessite de algo? 

--- Prometo sim, fique tranqüila, vou devolvê-lo são e salvo.

Luna abaixou-se e disse ao ouvido do irmão:

--- Se comporte, e seja educado com a Srta. Granger ouviu? 

Harry a olhou nos olhos e disse:

-- Eu não mordo irmãzinha... a não ser que ela me provoque..

Harry olhou para Draco como se pedisse ajuda, mas esse respondeu:

--- Concordo com o médico e com a Mione, o seu tombo foi feio, é melhor ficar e a Mione não vai deixa-lo sair daqui hoje de jeito nenhum, então conforme-se e comporte-se...

Dizendo isto piscou para Harry e disse que se precisasse de algo era só telefonar. Despediu-se de Hermione e acompanhou o doutor e Luna até lá fora.

Sobraram somente Harry e Hermione no quarto.

O silêncio estava constrangedor quando foi quebrado por ele:

--- Jamais imaginei que isto pudesse acontecer, se tivesse imaginado não teria sido tão grosso com você ontem – disse ele tentando sorrir

--- Calma Harry, não sou uma pessoa rancorosa, e não vou descontar a sua falta de tato, nos meus cuidados com você, não se preocupe. Agora vou descer e preparar algo para seu almoço – dizendo isto ela se encaminhou para ele e ajeitou carinhosamente os travesseiros nas costas dele.

--- Este é o seu quarto? Perguntou ele admirado, olhando o quarto que era decorado todo com objetos de arte, papiros, estatuetas e muitos livros...

--- Sim, sei que não se parece muito com o quarto de uma moça, mas se parece com o quarto de filha de um arqueólogo com uma artista. Gosto deste clima, à noite ligo somente a luz do criado mudo e o ambiente muda totalmente, parece que estou no Cairo, prestes a ir a sacada do quarto e mirar a grande pirâmide de Queóps.

--- Sei o que quer dizer. Também sou fascinado pelo Egito e era um fã incondicional de seu pai. Aliás o encontrei em vários leilões pelo mundo e posso dizer que ele tinha um faro para os objetos de arte mais preciosos. Ele somente ficou sentido quando arrematei uma paleta de um escriba da XVI dinastia. Eu também tenho minhas fraquezas, acho que se existe reencarnação, fui escriba em minha encarnação passada. Coleciono pequenas preciosidades referentes a esta classe tão distinta.

--- O Sr. me impressiona Sr. Potter. Jamais imaginei que tivesse esta sensibilidade. Aliás o Sr. me provou que sensibilidade não é seu forte. Mas agora me lembro do papai ter comentado que a paleta do escriba no leilão de Paris fora arrematada por um preço exorbitante, de um magnata que não queria se expor... então era o Sr.

--- Harry, por favor me chame de Harry.

--- Ok Harry, que assim seja, eu vou até a cozinha e já volto e nem tente se levantar daí sem ajuda entendeu?

--- Você é muito mandona sabia?

--- E você muito teimoso sabia? E não está em posição de exigir e nem fazer nenhuma peripécia portanto comporte-se, sua perna pode voltar a sangrar novamente, o corte foi bem profundo.

Dizendo isto saiu, toda trêmula, aquele homem a tirava do sério....

Ele ficou no quarto admirando tudo que havia nele, e se espantou ao ver que o espelho que tinha na penteadeira Luix V havia sido tampado , e que ele não via itens comuns das mulheres modernas, perfumes, maquiagens, pincéis de maquiagem, cremes, nada...

Estava muito sonolento e adormeceu, um sonho pertubador....

“”””

Ele se via sentado em posição de lótus, com uma paleta de madeira nas mãos e várias tintas à sua disposição. Numa das extremidades havia várias cavidades para conter as tintas na forma sólida. A tinta preta era feita com carvão e a vermelha com ocre dessa cor finamente moído. Ambas eram misturadas com uma solução fraca de cola de forma a endurecerem ao secar. Ao escrever o escriba misturava água à pasta do pigmento O cálamo era feito de uma haste de junco, com cerca de 15 a 25 centímetros de comprimento. Sua ponta era cortada obliquamente e depois mordida pelo escriba para quebrar as fibras. Os cálamos eram guardados em uma ranhura cavada na parte central da paleta.

Ele se via escrevendo em uma das tábuas alguns hieróglifos que ele sabia exatamente o que dizia, quando entrou uma sacerdotisa do templo de Hathor, com uma túnica branca envolta no corpo perfeito, com os olhos pintados e um lenço dourado sobre os cabelos cacheados.


--- Iset , você veio – disse Harry, ou melhor o escriba sentado, que cuidadosamente colocou seus materiais de trabalho de lado e se levantou pra ir ao encontro de sua amada.

--- Shhh quer que nos descubram? Saí do templo com a desculpa de deixar estas flores aqui para a deusa Isis e não posso me demorar...

--- Mas para um beijo você tem tempo minha amada? - Sem esperar resposta ele a beijou sofregamente. Depois afastou o lenço dos cabelos e o rosto dela era lindo... era perfeito... era conhecido... ele a amava. Quando ia toca-la de novo acordou com o movimento de alguém sentando na sua cama e olhando profundamente para ele.
""""""""''
Era Hermione, meu Deus... era ela a mulher de seu sonho... ele deveria estar sob efeito dos remédios...

--- Hey, desculpe te acordar, mas já faz um bom tempo que você estava dormindo e preciso te dar os medicamentos que o médico recomendou e dizendo isto pousou a mão na testa dele para ver se ele estava com febre e disse:

--- Estou bem, não se preocupe, é só o efeito dos remédios com certeza...

--- Bom primeiro você precisa de um banho. Vou trocar os lençóis enquanto se banha e depois trarei seu jantar. Depois do banho vou fazer um novo curativo, você se mexeu durante o sono e isto deve ter aberto a ferida novamente. Veja você sangrou disse ela levantando o lençol. Sua irmã mandou algumas roupas pra você..

Ele ficou rubro com aquela súbita intimidade, pois ela foi tão espontânea, já ia retirando a faixa de sua perna que estava ensopada de sangue. Ele sem nada pra dizer falou:

--- Arruinei seu lençol... me desculpe

Ela o olhou carinhosamente e disse:

--- Não tem problema nenhum, tenho milhões destes, o qu importa é você ficar bom, este corte ainda vai dar trabalho. Mas tenho aqui um ungüento que meu pai fazia e vou usa-lo em você. Espere, vou encher a banheira e te ajudar a se encaminhar para ela.

Ela foi ao banheiro, e ele estava encantado com aquele cuidado todo. Como uma pessoa podia agir com a outra quando praticamente acabara de ser insultada por ele?

Ela voltou e ajudou-o a se levantar. Ele era grande e pesado, mas ela consegui o levar até o banheiro.

Ele virou-se para ela e disse, pode deixar que eu faço isso sozinho, Srta. Granger


--- Ah sim com certeza, com esta tontura e com uma perna só te sustentando, ora Sr. Potter, ou melhor Harry, não é hora pra se ter pudores, já sou bem crescidinha.

Ele a olhou de maneira enigmática e se apoiou na pia, e começou a tirar lenatmente a última peça de roupa que tinha no corpo.........

A respiração de Hermione estava irregular, e ele a olhava com aqueles olhos verdes profundos e disse:

-- Não consigo fazer isto sozinho...nem com você me olhando...

Ela se encaminhou para ele e segurou-o pelos braços ... e..

X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X--X-X-X-X-X-X

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.