FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

10. Capítulo 10 - Editado


Fic: O Início de uma Vida Sexual


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 10

A água morna da ducha caía levemente sobre o seu corpo. Tiago Potter relaxava após um exaustivo treino de quadribol. Decididamente aquela não era a melhor quinta-feira de sua vida. Ele estava completamente irritado, pois os sonserinos haviam despejado os grifinórios do campo meia hora antes do tempo combinado.

- São ordens de Dumbledore! Ele acha que vocês estão ocupando demais o campo e fazendo assim com que os outros times sejam prejudicados... – disse Carlos Martel, o capitão "trasgo" do time da Sonserina.

Tudo mentira! Tiago sabia. Certamente Dumbledore nem estava sabendo de nada, e os sonserinos estavam fazendo aquilo apenas para zoar com a cara dos grifinórios.

Que ódio! Seu idiota! Pensou ele sobre si mesmo. Como eu pude ser tão ingênuo a ponto de acreditar numa baboseira dessas?

E foi resmungando baixinho desse jeito, que Tiago não ouviu alguém entrar silenciosamente no vestiário. Fazia tempo, muito tempo que Tiago estava se martirizando em baixo daquela água. Todos os seus companheiros já haviam retornado ao castelo há horas e ele acreditava estar sozinho... acreditava... mas realmente não estava...

Tiago desligou a ducha. Ficou alguns minutos parado, de olhos fechados, apenas apreciando a sensação de frescor em sua pele. O calor que emanava de seu corpo, subia em forma de vapor pela repartição do box em que se encontrava. Abriu os olhos lentamente e percebeu que esquecera de pegar a toalha.

Seu corpo estava repleto de gotículas de água, e ele já estava começando a sentir frio. Abriu o box lentamente e caminhou até a outra extremidade, onde se encontravam diversas toalhas brancas amontoadas umas sobre as outras. Ele pegou a primeira que viu e começou a secar-se lentamente. Cada parte do corpo, com extremo cuidado.

Enrolou a toalha da cintura, e voltou ao lugar onde deveriam estar as suas roupas. Mas elas haviam desaparecido. Olhou em volta, para o caso de ter deixado em algum outro lugar próximo... mas não... elas não estavam à vista...

Tiago abaixou-se e pôs-se a olhar em baixo do banco... quem sabe elas não caíram por aqui? Pensou ele consigo mesmo. Santa ingenuidade... pois no momento em que Tiago ousou levantar-se duas mãos cobriram seus olhos.

- Lílian? – perguntou ele, lembrando-se da mania que a namorada tinha de fazer isso, todas as vezes que chegava de surpresa. – Você me deu um susto sabia? Achei que poderia ter sido algum sonserino querendo me sacanear ao roubar as minhas roupas. – Tiago suspirou aliviado e foi retirando as mãos sobre os seus olhos lentamente e se virando para ver a namorada...

Seu queixo caiu completamente no momento que ele viu quem realmente era.

Larissa Stine, típica garota fútil, com carinha de anjo, mas que pelo que Tiago tinha ouvido falar, de anjo, era só a cara mesmo.

E era exatamente isso o que Tiago estava vendo, uma garota de olhos azuis, cabelos loiros ondulados e o corpo completamente descoberto.

- Eu sabia que você ficaria nesse estado, quando me visse dessa forma! – disse ela sorrindo enquanto fechava delicadamente a boca de Tiago que continuava aberta em espanto. – Pode dizer, eu sou muito mais perfeita do que você imaginava... não é?

Tiago não soube o que responder, em primeiro lugar não entendia o quê aquela garota estava fazendo ali, e em segundo, porquê ela estava nua?

- Tudo bem, eu sei que você está sem reação meu amor, mas a hora do espanto já passou, agora é hora de se deliciar comigo, enquanto eu sou toda sua... – disse ela se aproximando de Tiago.

- Toda minha? O que afinal você está fazendo aqui? – perguntou Tiago enquanto dava um passo para trás para fugir da garota.

- Ora, não é obvio? Eu quero ter você... quero transar com você... te sentir dentro de mim... – dizia a garota enquanto dava ênfase as palavras mais sórdidas. – Resumindo: eu quero fazer tudo que aquela ruivinha sem sal com certeza ainda não fez com você... quero fazê-lo tirar o atraso, de tantos meses com uma garota tão puritana... estou te dando a chance de aproveitar o que tem de melhor em Hogwarts... que é claro, sou EU!

- E o que te faz pensar que eu teria algo com você? – questionou Tiago a ela, sem deixar transparecer o cinismo da frase na voz.

- Ora... eu não penso... eu tenho certeza! Olha só o meu corpo! Eu sou divina, você não acha? Ninguém resiste a mim... – disse ela sorrindo presunçosa. – E nem que você não quisesse, depois do que eu vi hoje, você não escapa de mim... – ela disse vindo em direção a ele, maliciosamente. – Você tem um belo corpo sabia? Faríamos um belo casal... você e esse seu membro gigante e suculento... eu e minha vagina apertadinha e também deliciosa... – concluiu ela se aproximando mais e mais de Tiago.

No momento que a garota estava prestes a agarrá-lo ali mesmo, Tiago teve uma idéia. Porquê não entrar no jogo dela? Quem sabe...

- Hum... meu bem... será que você não viu a minha varinha por aí?

- Vi sim, baby...

- Poderia me dizer onde está, coração? É porque sabe né, eu gostaria de trancar o vestiário... para ter mais privacidade...

- Ah, claro! – disse ela ingenuamente. – A varinha e as suas roupas estão na terceira gaveta do armário ali do canto. – disse ela apontando o local.

- Obrigado benzinho. – respondeu Tiago.

Tiago caminhou tranqüilamente até a gaveta, e pegou a varinha. Depois voltou a caminhar até onde a garota se encontrava. Ela sorriu vitoriosa, certamente pensando no quão bom seria o que estava prestes a provar...

Sem nem pensar duas vezes a garota começou a avançar sobre Tiago, que esperou que ela o tocasse, para por em ação o plano.

- Não encoste em mim! – berrou no momento que o dedo da garota deslizou sobre o seu peito, e afastando as mãos dela de si, logo depois.

- Mas... mas eu pensei que você queria... Ti. – disse ela com uma cara de que não estava entendo.

- EU querer algo com você? – perguntou ele com um olhar sarcástico. – Não... você realmente não pensou que eu te quisesse não é? – ele agora ria da cara da garota. – Eu nunca conheci alguém em minha vida tão pretensiosa quanto você! Nesses poucos minutos que você dirigiu a palavra a mim, a única coisa que eu consegui sentir por você foi NOJO... somente isso... porque nem pena você merece... por ser tão... tão... barata! Você não se dá valor não, garota? E quem você acha que é para falar mal da Lílian? Ela é a pessoa que eu AMO! Não sei se você sabe o significado dessa palavra, mas é isso que EU sinto por ela! E eu acho melhor você sair agora da minha frente, antes que eu desconte a minha raiva em você com um feitiço!

E ele não precisou dizer duas vezes, no segundo seguinte a garota já havia pegado suas roupas e ido embora com lágrimas nos olhos.

Mas agora quem estava com lágrimas nos olhos era ele, tudo bem que fosse verdade tudo o que ele havia dito, mas ele poderia ter resolvido isso de uma forma mais pacífica. Sentou-se no banco e colocou os cotovelos sobre os joelhos, enterrando sua cabeça entre as mãos.

Malditos sonserinos, que o deixaram com raiva. Maldita Stine, que piorou ainda mais o seu humor... e maldito vestiário! Sempre palco das piores cenas! Já não bastava o sonho que tivera há algum tempo atrás, ainda tinha que passar por um semi-assédio sexual.

Riu de si mesmo. Com trauma de vestiário? Essa é boa... e foi rindo que ele se levantou e pôs-se a vestir suas roupas. Estava pensando se contava ou não para Lílian o que havia ocorrido, quando duas mãos taparam seus olhos pela segunda vez naquele dia.

- Vejo que uma vez não lhe foi suficiente... – disse Tiago com um tom venenoso na voz.– Teve que voltar para experimentar mais uma vez não é mesmo? – perguntou ele retirando agressivamente as mãos frágeis que estavam sobre seus olhos, e se virando com a varinha em punho, pronto para começar a xingar novamente a menina. Mas...

Lílian olhava Tiago com olhos arregalados... como assim? Experimentar mais uma vez? Do que é que ele estava falando?

- Li... Lily querida! – disse ele assustado com o que tinha feito. – Ai me... me desculpa... eu... eu achei que era uma outra pessoa e...

Lílian pareceu aliviada por saber que o problema não era com ela... mas logo depois assumiu uma postura desconfiada.

- Outra pessoa? – perguntou enciumada. - Quem é essa outra pessoa?

- Uma garota... – respondeu ele naturalmente, não notando os olhos de fúria da namorada.

- Ah é mesmo? – sorriu falsa. – Isso eu percebi! – falou com raiva. – Você acaba de me confundir com ela... QUEM É A SUA OUTRA, TIAGO POTTER?

- Outra? Não! Lí-lian... você entendeu errado... eu não...

- EU ENTENDI ERRADO? VOCÊ ACABA DE ME DIZER QUE ACHAVA QUE ERA UMA GAROTA E... – Lílian não conseguiu mais terminar de falar, pois Tiago havia comprimido seus lábios contra os dela, numa tentativa frustrada de beijo.

Lílian o empurrou com toda a sua força, sentindo pela primeira vez na vida, nojo de Tiago Potter.

E ele que pensou que conseguiria fazê-la ouvi-lo se a acalmasse com um beijo, se mostrou imensamente enganado, quando um barulho seco foi ouvido. A mão de Lílian havia voado em cheio em direção ao seu rosto, deixando uma marca visível dos dedos da garota no local.

Lílian ainda se virou repleta em ódio para cuspir umas últimas palavras àquele ser desprezível.

- E eu que pensei que você havia mudado pra ficar comigo... – começou ela. – Eu cheguei a acreditar que você realmente me amava... – lágrimas lhe brotavam no canto do olho. – Que seria fiel enquanto estivéssemos juntos... – o olhar dela chegava a dar medo. – Mas não adianta Tiago, você é irrecuperável. – ela o olhou com repugnância. – Você não teve consideração por mim... você sabe tudo o que eu estou passando e nem assim você se importou! – uma lágrima lhe escorreu pela face. – Você é digno de pena, Potter!

E dizendo isso, a garota saiu desvairada porta afora. Deixando Tiago parado com cara de quem não sabia o quê fazer.

Ela havia entendido tudo errado! Ele havia rejeitado aquela garota! E ela ainda pensou que ele houvesse feito algo com ela. O que ele poderia fazer para consertar esse erro agora? Ele sabia que ela não iria escutá-lo. Ela estava muito magoada. Mas imagine ele! Ela disse que ele era irrecuperável e digno de pena! E ele nem havia feito nada à ela! A única coisa de que tinha certeza era de que a amava, e agora ter de passar por isso?

Mas talvez ela ainda esteja afetada, com os acontecimentos de domingo passado... pensou ele.

Encontrar Narcisa e Lucio Malfoy se agarrando naquele corredor escuro decididamente havia abalado Lílian Evans.

Narcisa havia jurado à Lílian e Letícia que, pela amizade delas, nunca mais voltaria a se encontrar com Malfoy.

Mas Narcisa havia mentido. E Lílian não poderia perdoá-la por isso, pois se ela havia se encontrado com aquele traste de novo, era porque decididamente ela não era mais a sua amiga de sempre.

Olhe só o que o dinheiro não faz com uma pessoa. Narcisa deixou-se levar pelos bens materiais de Lúcio pois, as garotas sabiam, Narcisa ainda amava Sirius, e amaria para sempre.

E doeu, doeu muito falar aquilo tudo com Narcisa, Letícia e Lílian choravam a cada palavra, a garota não era mais a mesma. Era fútil, mesquinha, arrogante, tudo o que ela nunca fora na vida. A amizade delas terminou por ali. Depois de uma falsa promessa, depois de uma mudança de atitude. E foi só, acabou. Elas não mais se deram oi, elas fingiam que a outra não existia.

E Tiago sabia o quanto aquilo era doloroso para Lílian. Ela, Letícia e Narcisa eram amigas há sete anos. Assim como ele e os marotos. Decididamente, não se imaginava sem a amizade de algum deles.

Mas apesar de toda essa história, e de todo o sofrimento da namorada, Tiago ainda achava que aquela reação dela fora por demais precipitada. Ela havia o julgado sem nem ao menos lhe dar tempo de explicar a situação.

-----------x----------

Um, dois, três... quantos dias mesmo?
Já estava perto de uma semana... uma imensamente agonizante semana.

Lílian Evans, vivia agora, como uma foragida. Sempre se escondendo pelos cantos, sempre tentando ao máximo não encontrar com Potter em lugar algum. E tirando as aulas, as quais ela não poderia deixar de freqüentar, seu plano se saía perfeito.

Ela agora adotara a pose de durona. Mas tudo isso era só fachada, já que na verdade ela não conseguia enganar ninguém com isso. Nem muito menos a si mesma.

Tiago Potter, como Lílian percebeu instantaneamente, não desistiria de tentar fazê-la acreditar nas baboseiras dele. Ele já havia tentado de tudo: cartões, flores e até mesmo berradores, que só contribuíram para o aborrecimento da garota, ou pelo menos ela dizia assim.

Mas não adiantava. Tudo bem que ela conseguisse enganar os outros, mas consigo mesma, a coisa era diferente. Ela não poderia dizer que aquilo tudo não doía. E que muitas vezes havia até se sentido tentada a perdoá-lo. Mas não. Ela era forte. E não poderia fazer isso consigo mesma.

--------x--------

Tiago não agüentava mais isso tudo.

Se humilhando eternamente. Pagando por um crime que não havia cometido. Mas o pior de tudo era ter de ficar sem ela.

Tudo bem que ela estivesse errada o julgando daquela forma, mas ele não podia deixar de lutar por Lílian. Foram sete longos anos de tentativas frustradas, para logo agora, perdê-la novamente?
Ele tinha que arriscar mais, tinha que elaborar um plano perfeito, algo que a fizesse entender a verdade...

E Tiago Potter pensou.

...

E pensou.

...

E pensou mais um pouco.

...

Até que uma idéia brilhantemente brilhante, das mais brilhantes possíveis surgiu em sua mente.

- É isso! – disse Tiago depois de um longo tempo de reflexão. – Como eu não havia pensado nisso antes?

- Nisso o quê? – disse Sirius extremamente curioso, chegando de fininho.

- Sirius Black! – disse Tiago contentíssimo. – Exatamente de quem eu precisava... – ele alargou o sorriso. – Vem cá, eu quero te contar o meu plano!

--------x--------

- Saia! Saia! Saia! Jáááá! Xôôôô! Você não sabe respeitar os patrimônios da nossa escola!

- Ma... mas... Mas Madame Pince! Eu só... eu... eu... – gaguejou Lílian.

- Sem mais desculpas senhorita! Retire-se agora daqui! – exigiu Madame Pince com um olhar gélido.

- Ok, ok! – disse Lílian levemente irritada enquanto recolhia seus livros e seu sanduíche, e saía da biblioteca.

Mas era só o que me faltava! Resmungou consigo mesma. Expulsa da biblioteca por comer um sanduíche! Hunf! Eu não tenho culpa de não poder (leia sentir-se bem em) comer no Salão Principal, junto com outras... pessoas...

Lílian dobrou o corredor à esquerda, e então parou para guardar devidamente os seus livros. Madame Pince havia a expulsado tão rapidamente da biblioteca, que não dera tempo nem de ela respirar direito.

Livros guardados. Lílian resolveu recostar-se na parede para terminar o seu sanduíche, o que ela não sabia era que aquela simples paradinha lhe custaria praticamente toda a sua paciência.

--------x--------

Tiago Potter seguia rapidamente pelos corredores do castelo. O Mapa do Maroto na mão esquerda, enquanto a varinha, na mão direita, iluminava seus passos.

Ele seguia em direção a biblioteca, pois o pontinho Lílian Evans estava parado muito próximo ao local.

...

Ele virou a esquerda, e pronto! Lá estava ela.

Malfeito Feito... ele sussurrou, enquanto se aproximava de Lílian.

Ela deveria estar muito concentrada em seu sanduíche, pois não tinha percebido que ele se aproximava.

Tiago chegou de mansinho, e cutucou Lílian no ombro.

- Aaaaaaaaahhhh! – foi o grito que Lílian deu, sendo logo abafado pela mão de Tiago.
- Shhh! – disse ele tentando acalmá-la. – Eu só quero conversar com você. Não precisa acordar o castelo todo por isso, não é?

Lílian não respondeu. Aquele contato físico estava fazendo seu coração disparar.

Tiago retirou a mão da boca da garota, que continuava estática.

- Eu só queria te entregar uma coisa... – ele disse baixinho.

- Eu não aceitarei nada que venha de você! – disse Lílian cortante.

- Mas Lílian, essa é a prova! A única coisa que pode provar para você que eu nunca te traí na vida!

- Eu já disse que não! – e agora ela já estava berrando. – EU NÃO ACREDITO EM NADA DO QUE VOCÊ ME DIZ! VOCÊ MENTE! VOCÊ NÃO PRESTA!

- Li... Lily... por favor!

- NÃO INSISTA! EU NÃO QUERO MAIS OUVIR NAD...

- Hem, hem... – ouviu-se uma tosse forçada. – Parece que temos uma detenção por aqui... – ele sorriu maligno. – Vejamos... sábado, oito horas da noite, na minha sala...

- Mas... mas... – Lílian tentou explicar.

- Rá! Rá! Rá! – gargalhou Filch toscamente. – Nada do que você diga vai livrá-la desta detenção senhorita Evans... e nem muito menos você Potter! Agora tratem de voltar para a Sala Comunal, antes que ganhem mais um dia de detenção.

Lílian saiu enfurecida pelo mesmo corredor, sem nem esperar mais nada. Era incrível com o Potter conseguia estragar até uma simples ação de comer um sanduíche.

-----------x----------

Tiago Potter achou melhor não seguir mais a garota, e arriscar mais uma gritaria que lhe causasse outra detenção. Ele, então, começou a caminhar para a outra ponta do corredor, mas não sem antes ouvir:

- Oito horas, na minha sala! Tenho um serviço muito especial para vocês...

Tiago suspirou pesado e colocou as mãos nas vestes, onde encontrou a coisa que há pouco tentava entregar à Lílian...

-----------x-----------

Já eram cinco para as oito, e Tiago Potter corria enlouquecido pelos corredores. Havia se atrasado ao voltar para buscar a "prova" de sua inocência. Ele já havia quase chegado na sala de Filch, quando se lembrou que seria melhor tentar mostrar a prova à Lílian mais uma vez.

Estava no corredor certo, e já enxergava aqueles lindos cabelos flamejantes de longe. Não demorou muito e ele chegou ao lado dela, que fingiu que não havia visto o garoto.

- Olá, Lílian! – disse Tiago alegremente.

Mas não houve resposta.

Tiago entendeu que a tática dela seria ignorá-lo. Mas isso não quer dizer que ela não vá ouvir, não é mesmo? Pensou esperto.

A porta se abriu. Filch sorria debilmente para eles, enquanto os dois entravam no local.

Alguns segundos de silêncio, e então, depois da batida da porta, Filch disse:

- O que eu tenho para vocês dois hoje, é uma tarefa muito especial...

Ele caminhou ao redor deles e parou atrás de sua escrivaninha.

- Vocês dois vão limpar e lustrar todas as minhas algemas...

Lílian soltou uma exclamação de incredulidade.

- Eu mesmo faria isso, se não fosse a grande quantidade de alunos fora da cama numa hora dessas... – ele sorriu desdenhoso. – Vocês dois não saem daqui até terem terminado a tarefa! E se, por acaso, eu achar que o trabalho de vocês foi malfeito, terei de utilizar as algemas em punição...

Lílian arregalou os olhos. Aquele maníaco, louco e com problemas mentais estava insinuando que iria prendê-la no teto? Ou quem sabe talvez deixá-la presa na perna da escrivaninha?

- Dumbledore nunca permitiria uma coisa dessas! – disse Tiago desafiador.

Filch não respondeu. Apenas caminhou até a porta e disse antes de sair:

- Espero que façam um bom trabalho!

Tiago arriscou um olhar a Lílian, que fingiu não perceber nada e começou a umedecer o pano. Tiago logo fez o mesmo, e se surpreendeu com a quantidade de trabalho pela frente. Decidiu então que era melhor esperar Lílian se cansar um pouco para tentar falar com ela mais uma vez...

...

E graças a Merlin todas as correntes do teto já estavam limpas e lustradas. Tiago e Lílian limpavam agora, um em cada canto da sala, as algemas do tipo normal.

Os pensamentos de Lílian voavam longe, enquanto ela tentava imaginar para quê Filch usaria aquele tipo de algemas... fantasias sexuais? Um sorriso brotou em seu rosto só de pensar. Mas logo um brilho estranho, vindo das algemas fantasmagóricas acima de sua cabeça, fez um arrepio subir por sua espinha.

E se ele usasse aquilo para prender alunos nas masmorras? Ou... coisa pior?

Seus devaneios foram interrompidos pela voz de Tiago.

- Lílian... Lílian...

Sim, ela havia escutado. Mas continuaria fingindo que não até o quanto agüentasse.

Continuou limpando a algema que segurava na mão direita.
- Não adianta fingir que você não está me ouvindo.

Mas ela continuou se fazendo de surda.

- Já disse que não adianta! Você sabe que eu posso falar tudo o que eu quiser e que você vai ser obrigada a ouvir, mesmo que não queira!

Sim, ela teria de concordar. Não importava o quanto ela se fizesse de surda, ela estaria escutando tudo o que ele tinha para dizer, querendo ou não.

Arriscou um olhar à direita para ver o que ele estaria fazendo. Ele já havia terminado toda a sua tarefa, e a olhou bem fundo dentro de sua íris verde, fazendo com que seu coração falhasse entre uma batida e outra. Mas ela logo se recompôs, terminando de lustrar a penúltima algema.

- Lílian, por favor, me ouça... – pediu Tiago suplicante, enquanto ela largava a algema pronta no lugar e pegava a última que havia restado.

...

- Lílian... por favor... eu só quero conversar com você... só uma chance de te mostrar a verdade... – a voz de Tiago agora estava embargada em lágrimas contidas. Mas Lílian apenas virou a algema do outro lado e começava a lustrá-la.

...

Lílian pôs a algema no mesmo lugar onde havia posto todas as outras e suspirou aliviada por ter terminado tudo.

- Olha, eu realmente te peço desculpas por estar fazendo isso, mas é o único jeito... – foi o que Lílian, sem entender nada, ouviu Tiago dizer enquanto se aproximava.

CLAC! CLAC!

E Lílian sentiu seu pulso sendo preso por uma das algemas, e malditamente ligado ao pulso de Tiago.

Lílian estava estupefata. Não, aquilo realmente não estava acontecendo...

- Me desculpe... – foi só o que Tiago conseguiu murmurar. – Mas agora é melhor sairmos logo daqui, antes que Filch chegue e dê por falta de uma de suas algemas.

Lílian não respondeu. Mas dessa vez era por falta de argumentos, ou pragas, para dizer àquele ser desprezível.

Tiago e Lílian seguiam lado-a-lado, não que ela quisesse isso, mas não se tinha nada a fazer. Ela não dizia nada, não protestava, e sua mente já lhe dizia indiretamente, onde ele estava levando-a.

Sim... era a mais velha e manjada Sala Precisa. A mesma de muitos encontros... de muitas lembranças...

O que ele queria levando-a naquele lugar? Que ela sofresse mais do que já sofria? Ou então...

E algo doeu no coração de Lílian. E se ele está querendo abusar de mim... sexualmente?

É claro! Sussurrou uma voz em desespero dentro dela mesma. Como eu não havia pensado nisso antes? Ele pode muito bem estar revoltado por eu não ter transado com ele... e... ele me traiu não é mesmo? Ele pode muito bem estar pensando em me usar agora... e...

Mas a porta a sua frente foi aberta, e todos os pensamentos conflituosos em sua mente foram por água abaixo. Na sua frente, dentro da sala, encontrava-se apenas... uma bacia...

Ou pelo menos foi o que ela pensou.

Os dois entraram no local, que era pequeno e continha apenas o objeto, com Tiago fechando a porta com a mão que lhe restava.

- Pronto. – ele disse finalmente enquanto a levava até o lado da bacia. – Agora, já que você não quer me escutar, você vai ver com seus próprios olhos...

Lílian não sabia o que aquela bacia poderia mostrar para ela, mas ela então percebeu, que não se tratava de uma bacia comum, e sim, de uma penseira.

Ela já havia lido sobre isso em alguns livros, mas ainda não tinha visto nenhuma assim, tão de perto; e o efeito era... fantástico. Uma luz quase sobrenatural meio líquida, meio gasosa pairava dentro do recipiente. E Lílian sentia tanta, tanta vontade de encostar naquilo...

Tiago retirou um frasco do bolso, o mesmo que ele teria dado à Lílian se ela não tivesse gritado, e depositou o conteúdo na penseira, onde ele girou, girou e depois voltou ao estado normal.

- Você sabe o que deve fazer, Lílian? – Tiago perguntou calmamente, no que ela sacudiu a cabeça em sinal negativo. – Então repita o que eu vou fazer... – e dizendo isso, Tiago se curvou para o líquido, até encostar o nariz na superfície, e com um solavanco, cair na escuridão.

Logo depois Lílian apareceu ao seu lado, e os dois se encontravam no local da briga, o vestiário.

Tiago viu o box onde antes ele estivera salpicado de gotas na porta, e com uma densa camada de vapor saindo por cima.

E então eles viram, surgindo pela porta do vestiário, ela: Larissa Stine. Que caminhou lentamente até as roupas de Tiago e as escondeu no armário, para logo depois se despir rapidamente e se esconder atrás da porta.

Lílian observava tudo cautelosa. Ela viu Tiago sair do banho, buscar a toalha, se secar e voltar para se vestir e não encontrar as roupas.

Tiago viu a si próprio se agachando a procura das roupas, e viu quando Larissa saiu, sorrindo maliciosamente, de seu esconderijo.

E toda a cena se repetiu. A cada palavra presunçosa de Larissa, Lílian reprimia uma careta de nojo. E depois, quando Tiago começou a chamá-la de meu amor, benzinho, uma chama de ciúmes se acendeu em seu peito. E se ele tivesse trazido Lílian até ali para assisti-lo transando com aquela garota? E se ele quisesse simplesmente magoá-la mais? Mas todas as suas preocupações se evaporaram no momento em que Tiago vociferou com Larissa, e o mais tocante, disse em alto e bom som que amava Lílian plenamente, o que fez com que seu coração apertasse de tal forma que a fez chorar abertamente. E ela continuou chorando, quase urrando de tanto desespero quando viu-se chegando ao vestiário e ralhando com Tiago, concluindo assim, o maior erro de sua vida.
Ao terminar tudo Tiago a puxou de volta. E quando seus pés bateram no chão de pedra novamente, ela desabou em cima de Tiago, ainda chorando incansavelmente.

Tiago acariciou seus cabelos, e era tudo o que ela precisava para saber que ele a desculpava.

Isso a tranqüilizou, mas ao mesmo tempo a fez chorar mais ainda, por pena. Ela fora burra, estúpida, e todos os piores adjetivos do mundo, justamente com a pessoa que ela mais amava nesse mundo.

Tiago carregou Lílian até uma cama de dossel, que havia surgido magicamente, e lá se deitou ao lado da garota em prantos, enquanto retirava a chave, para que pudesse libertá-los, do bolso.

Logo após tê-los soltado. Tiago fez Lílian sentar-se, recostando-a no espaldar da cama, e depois a abraçou forte.

- Calma Lily... – Tiago sussurrou em seu ouvido. – Eu estou aqui ao seu lado, e nunca mais vou sair. Está tudo bem. Já passou, meu amor. Já passou...

E dizendo aquelas palavras que lhe transmitiriam confiança, Tiago conseguiu fazer com que Lílian se acalmasse.

A garota deu uns últimos soluços e depois, na tentativa de se desculpar, começou a dizer frases desconexas, onde misturava perdão, fui burra, me desculpe, eu te amo, sem saber direito o que ela deveria dizer. Tiago pressionou seus lábios nos dela, para fazê-la se calar; ato esse, que provou que ela realmente não precisava dar nenhuma desculpa.

O corpo de Lílian se arrepiou. Nossa, como era bom sentir aquilo tudo novamente, e somente agora ela sabia o quanto aquilo lhe fazia falta. Um beijo sedento, cheio de saudade. As línguas se roçavam loucas não querendo deixar-se nunca mais. Os corações batendo em ritmo enérgico com o novo contato dos corpos dos dois.

Lílian estava eufórica. A saudade que seu corpo tinha do de Tiago, fazia com que ela não controlasse seus movimentos, apertando fortemente qualquer parte do corpo de Tiago que conseguisse alcançar, beijando, mordendo tudo, enlouquecida.

Tiago não tinha mais ar para respirar. Seu coração batia rápido e sem parar só de ter Lílian novamente em seus braços. Mas não era somente o coração que parecia querer pular para fora, uma outra parte de seu corpo também estava completamente... feliz. O que não passou despercebido por Lílian, que já por cima de Tiago, desabotoou a calça do garoto de uma vez só. Revelando que o garoto estava tão excitado, que sua glande aparecia por cima do elástico da cueca.

Levemente constrangido, Tiago desvencilhou-se de Lílian, segundos antes de ela tentar abocanhar seu membro. O que a fez olhá-lo com cara de quem não entendia porque ele não havia a deixado fazê-lo.

- Não ache que depois de tanta desavença você pode simplesmente chegar... e fazer o que quiser... – disse Tiago com um sorriso malicioso. – Eu acho que agora eu vou fazer você pagar um pouco pelo o que me causou... – disse ele ainda sorrindo maliciosamente.

Lílian não sabia se ele estava brincando ou não. Ficou então, parada, sem saber como proceder, enquanto ele buscava no chão as algemas e depois prendia seus pulsos um ao outro.

Ele beijou sua testa. E depois desceu da cama e ficou admirando-a, de pé, como se a analisasse.

- Sabe... – ele disse, novamente malicioso. – Você fica linda de qualquer jeito, mas eu acho que sem essa roupa, você ficaria muito melhor...

E dizendo isso, ele caminhou até a beirada da cama e se sentou. Depois puxou uma das pernas de Lílian para o seu colo e pôs-se a tirar seu sapato e sua meia.

Lílian olhava para tudo desconfiada...

Tiago agora cheirava e acariciava os pés da garota, lhe provocando algumas cócegas. Logo depois ele começou a beijar e morder o pé da garota, de olhos fechados, como se saboreasse.

Lílian ria com o toque. Que agora já havia passado para o outro pé, e subia gradativamente pela perna, até a coxa.

Tiago começou a despir outras peças de Lílian, como a saia e a blusa. E depois de tê-la somente de calcinha e sutiã na cama, ele se levantou e voltou a ficar de pé analisando-a.

- Eu já te disse que você é perfeita? – ele perguntou em tom natural, que fez com que Lílian corasse até a raiz dos cabelos. – Com essa lingerie branca... você fica tão... magnífica... que chega a ser quase sobrenatural...

E dizendo isso Tiago se despiu da camisa, dos sapatos e da calça, ficando apenas com a peça íntima, que era inflada pelo enorme volume interno. E então ele voltou para cima da cama e deitou-se sobre Lílian, beijando seu pescoço com fervor. E Lílian tinha certeza, de que se pudesse usar as mãos já teria arranhado Tiago Potter inteiro de tanto tesão.

E ele desceu os beijos para o colo, depois os seios, a barriga e até a virilha. Onde parou após ouvir um gemido que pedia por mais.

- Ah... você gosta disso, safadinha? - e ele sorriu ainda mais malicioso. – E se eu fizer... isso? – ele disse, enquanto puxava a calcinha dela para o lado, e dava uma leve chupada no clitóris da garota. O que fez com que ela gemesse com gosto. – Gosta? – perguntou novamente. – Eu quero ouvir você dizer, em alto e bom som, se gosta ou não... vamos... me diga! – ele ordenou enquanto lhe chupava o clitóris avidamente, no que a garota gemia enlouquecida. – Você não está me obedecendo... – disse Tiago parando de repente e a olhando contrariado. – Acho que teremos de ter uma penalização aqui... – disse ele para si mesmo. – É... teremos... teremos, sim... – ele parou momentaneamente para pensar e então ordenou: - Vire-se!

Lílian obedeceu prontamente, cada vez mais entretida naquela "brincadeira", virando-se de bruços.

- Esse... – disse Tiago enquanto dava um tapa na nádega direita dela. – É por me desobedecer... – disse sério. - E agora... – disse enquanto se baixava e começava a beijar e mordiscar a bunda dela. – Se eu por acaso lhe pedir alguma coisa, eu espero que você... sinceramente... obedeça... – disse enquanto lambia e apalpava tudo o que lhe era de direito. – Vire-se!

Lílian obedeceu mais uma vez. Era estranho estar fazendo aquilo com Tiago, mas era uma brincadeira que com certeza lhe dava muito, muito tesão. Tiago prontamente lhe arrancou o sutiã, e iniciou uma sessão de carícias comprometedoras... fazendo Lílian perder a cabeça novamente.

Ah se ela pudesse usar as mãos...

Tiago chupava ferozmente os seios de Lílian, que gemia de leve. Uma lambida forte do bico, um gemido forte, uma pergunta:

- Então, você gosta disso, não é safadinha? – ele perguntou sensualmente, e dessa vez ela não hesitou em concordar.

- Gosto... – ela disse sussurrando. – Gosto muito...

- Então vamos ver se você gosta mais para baixo... – Tiago disse enquanto ia descendo com a língua desde o bico do seio até o umbigo.

Tiago foi beijando e lambendo ao redor do umbigo. E então, ainda brincando em sua barriga, ele utilizou as duas mãos para lhe despir a calcinha.

Lílian corou um pouco, ao ver que o garoto a observava mordendo o lábio inferior, como se ele se segurasse para não abocanhá-la. Logo após, Tiago começou a abrir as pernas de Lílian, para ter uma vista melhor da parte íntima da garota. Dessa vez, ele introduziu rapidamente a língua na vagina dela, para logo depois sair da cama novamente e observá-la nua e de pernas abertas sobre a cama.

Era impossível resistir...

E Tiago, não conseguindo mais agüentar, abaixou a cueca e pegou em seu membro completamente ereto, começando a se masturbar continuamente.

Lílian poderia ter achado estranho, ou até mesmo nojento. Mas ela na verdade... estava gostando daquilo. Se Tiago se masturbava com a simples visão do corpo dela, era porque ele a achava no mínimo atraente... e isso era excitante...

Tiago agora estava se aproximando, Lílian não sabia direito o que ele iria fazer, mas era tanta excitação crescendo sobre ela, que ela tinha quase certeza de que acabaria fazendo qualquer coisa...

Tiago foi subindo sobre Lílian, e ela realmente pensou que ele iria penetrá-la. Mas ao invés disso, Tiago continuou subindo até mais ou menos a altura dos seios da garota. Um pouco depois de absorver a situação, Lílian sentiu que Tiago começava a esfregar sua glande ao redor de seus bicos, alternando entre um e outro, provocando-a.

E então, quando ele já não conseguia mais segurar a vontade de introduzir seu membro entre os seios dela, Tiago começou a apertá-los um contra o outro, para logo depois penetrá-los.

Então era assim que se sentiria dentro dela? Se perguntou Tiago mentalmente, enquanto ia e vinha nos seios de Lílian. Nossa... isso é bom demais...

Tiago introduzia e tirava. Penetrava, e tirava novamente. Entrando e saindo, entrando e saindo, entrando e saindo, sem parar... até que sentiu que gozaria em segundos. Ele rapidamente parou o que estava fazendo e guiou seu membro até os lábios de Lílian, no que a garota os abriu e começou a chupar seu membro com voracidade.

E foi com um gemido de Tiago, que mais parecia um grito, que a boca de Lílian se encheu de líquido quente, branco e viscoso, no que ela rapidamente engoliu e lambeu os cantos da boca para limpá-lo.

E antes que Lílian tivesse se dado conta, Tiago já estava lhe beijando a virilha novamente, e ela esperava ansiosa o que viria a seguir.

Tiago introduziu a língua na vagina de Lílian, que continuava completamente molhada, depois alternando entre a vagina e o clitóris, entre lambidas, beijos e mordidas.

Lílian gemia. Estava amando tudo aquilo, e tinha certeza de que se pudesse usar as próprias mãos, estas agora estariam sobre a cabeça de Tiago, emaranhada em seus cabelos, ajudando-o na tarefa.

Não que ele precise... pensou ela. Tiago é perfeito...

Uma lambida aqui, outra ali. E Lílian gemeu e estremeceu completamente com o melhor orgasmo de sua vida, para logo depois, exausta, respirar fundo e agradecer aos céus por ter voltado com o homem mais maravilhoso do mundo.

- Pronto. – disse Tiago com carinho. – Agora que você já pagou por todos os erros cometidos... – Tiago piscou para Lílian. – Acho que você pode voltar a ser a minha princesa, e não mais a minha safadinha... – ele disse, no que Lílian riu com gosto.

Tiago pegou novamente a chave, que estava largada pelo chão, e abriu as algemas de Lílian, que logo que foi solta, agarrou-se no pescoço de Tiago enchendo-o de beijos carinhosos.

E depois de muito se beijarem, Tiago disse:

- Lily, minha princesa, não acha que é melhor você se vestir agora?

- Hum... não... – ela disse corando.

- Ah é? E se você ficar doente por causa do frio? – questionou Tiago.

- Não vou... – respondeu Lílian ligeiramente maliciosa. – Você me esquenta!

- Hum... – Tiago sorriu com o comentário. – Então acho que você tem que vir mais para perto... – sugeriu.

- Mais do que eu já estou? – perguntou Lílian, que achava que não existia espaço nem mais para uma agulha entre os dois.

- Estou brincando, minha boba... – disse ele acariciando seu rosto e lhe dando um selinho. – Eu te amo sabia?

- Eu mais ainda... – disse Lílian.

- Não, eu mais...

- Eu mais... – repetiu.

- Nos amamos igualmente! – finalizou Tiago.

- Tudo bem... – disse Lílian divertida. – Igualmente eu aceito...

E então os minutos se passaram. Olho no olho, Lílian e Tiago observavam um ao outro, sem dizer uma palavra. As íris verdes completamente perdidas nas castanho-esverdeadas.

- Meu amor... – disse Lílian timidamente, sem perder o contato dos olhos. – Eu... eu estou pronta...

- Pronta? – perguntou Tiago vagamente, tão perdido no olhar dela que sequer havia entendido.

- É... – Lílian corou de repente. – Pronta... pronta para perder a virgindade com você...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 22/03/2013

OMG! *-------------------------------------------------*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.