FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo



______________________________
Visualizando o capítulo:

2. A carta de Dumbledore


Fic: Só Queria Dizer Que Te Amo --- R/Hr D/Hr ---


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

2º capitulo-A Carta de Dumbledore

Ao chegar a estação King’s Cross era chegada a hora da despedida. Todos se despediram entre abraços. A Sra. Weasley até chorou. Os tios de Harry já estavam esperando. Os pais de Hermione também. Finalmente, cada um foi para sua casa.

Harry queria ler a carta de Dumbledore sozinho, e disse que depois deixaria os dois lerem quando estivessem todos n’A Toca.

Harry sabia que a Ordem viria dali a alguns dias para deixar seus tios em segurança, e escolta-lo até A Toca. No 2º dia que estava na Rua dos Alfeneiros, leu a carta de Dumbledore. Olhou para a carta em cima da escrivaninha novamente, e leu pelo que parecia ser a décima vez.

“Harry,

Eu já tinha receios do que aconteceria, por isso tentei lhe contar todo o possível, sobre Tom. Espero que você tenha aprendido o suficiente comigo, e, que, termine o trabalho que na verdade, começamos juntos. Sim, porque quem destruiu a primeira foi você.

Bem, mas eu não escrevi está carta para falar disso. No meu testamento deixei coisas para o Sr. Weasley e para a Srta. Granger, assim como para você. Creio que entenderão a utilidade de tudo mais tarde.

Harry escrevo esta carta, porque tenho certeza que depois da minha morte, você pensa em não voltar mais para Hogwarts. Eu peço que volte.

Não, não estranhe meu pedido. Eu sei que a pouco pedi para você completar a missão que na verdade foi destinada a você, e não a mim. Na verdade foi destinada para vocês. O Sr. Weasley e a Srta. Granger o ajudarão, porque é para ser assim. Mas eu peço que fique em Hogwarts. Uma hora ou outra você terá que sair, sim. No meio do ano talvez. Mas, eu acho que a Srta. Granger saberá o momento certo para sair.

Há ainda muitas coisas que tem que acontecer enquanto vocês três estiverem em Hogwarts. Porque depois de terminada a guerra, creio que vocês conseguirão completar seu ultimo ano calmamente.

Há muitas coisas para serem feitas, então, desculpe pelos poucos recursos que deixei. Acho, Harry, que apesar de poucos, serão úteis. O quanto, você descobrirá no devido tempo.

E sobre as coisas que eu deixei para vocês três, cabe a vocês descobrir por que.

Espero que compreenda e faça tudo que eu disse.

Afetuosamente,

A. P. W. B. Dumbledore”





Aquela carta estava realmente estranha e mais confusa do que esclarecedora. Mas faria a vontade de Dumbledore. E, sairia de Hogwarts quando Hermione decidisse. Ele sabia que devia fazer o que Dumbledore mandava.

Quando Harry dobrara a carta, vira pela primeira vez, uma outra coisa escrita na letra fina e inclinada do diretor.

“P.S.:Srta. Granger, a memória é uma coisa inabalável. Às vezes nos lembramos de coisas ou a descobrimos por simples sonhos. As vezes precisamos evitar coisas mesmo que para isso quebremos algumas regras. Faça o que sabe que deve fazer. Não tenha medo, as marcas não ficaram para sempre, seja qual forem.”

“P.P.S.: Sr. Weasley, não tenha medo das coisas, não abandone ninguém, por nada, mesmo que essa pessoa tenha feito algo muito errado ou que o tenha magoado muito. Às vezes todos sentem vontade de fugir. Mas você é forte o bastante para não fugir de nada. Você, por ter crescido no meio de 5 irmãos e 1 uma irmã, sabe melhor como lidar com muitas situações e pessoas, apesar de não demonstrar isso. A guerra deixará muitas marcas, mas uma delas lhe ficará marcada para sempre.”


Harry não sabia o que pensar. Aquilo não era muito típico de Dumbledore. Mas, a letra com toda a certeza era sua.


Rony estava nervoso. Quando Harry e Hermione chegariam? Estava preocupado se eles chegariam em segurança, não sabia como eles viriam. Acordou subitamente certa manhã. Olhou em seu relógio. Era cedo ainda. 08h00min. Então, ouviu a voz de sua irmã.

-Ele ainda está dormindo! Eu não acho uma boa idéia acorda-lo! Deixe pelo menos ele dormir até as 9!

-Não!-Ele escutou a voz que o fez se acalmar. A voz que ele estava esperando escutar a semana inteira. -Se ele esteve tão preocupado quanto eu nesses dias, ele vai ficar feliz em me ver!

Rony decidiu fingir estar dormindo, fechou os olhos no momento em que a porta abriu. Hermione sorriu ao ver o garoto dormindo. Era tão bom vê-lo. Ela sabia que n’A Toca ele estaria em segurança, mas, vê-lo foi diferente das outras vezes. Ela não soube muito bem o porquê. Sentiu uma súbita vontade de acordá-lo. E, talvez por estar em guerra, e por sentir que precisava fazer as coisas antes que fossem tarde de mais. Pulou em cima de Rony com um sorriso, e disse:

-Acorda Rony!

Rony abriu os olhos, e em seu rosto havia um sorriso.

-Mione!

Os dois se abraçaram. Eles sentiram muita falta um do outro esse tempo que estiveram longe. Eles já haviam ficado muito mais tempo sem se ver, mas com a Guerra, era maior a preocupação.

-Bem, é o primeiro dia da semana que o Rony acorda de bom-humor... - interrompeu Gina, que estivera parada na porta do quarto. A garota estava com um sorriso maroto. -Gente, parece que vocês não se viam há anos...

-Bem, irmãzinha, mas é que com a guerra, tudo bem, nós dois estamos seguros aqui. Mas eu não sabia como a Mione estava... Quando você chegou?-perguntou Rony, voltando-se para Hermione.

-Agora. -Respondeu Gina por Hermione - Ela chegou, deu um “oi” para todos, e logo perguntou por você. -Hermione sentiu as bochechas esquentarem, mas sorriu.

-Como você veio?-perguntou novamente Rony

-Ah! Olho-Tonto foi me buscar. Nós dois tomamos a poção polissuco. Então, andamos um bom pedaço, até que era seguro aparatar, e aparatamos pra um lugar, um pouco longe daqui, mas ainda estávamos com a poção polissuco e não teve problema. Mas no caso do Harry não da para ser assim. Ele não tem 17 ainda para apartar, e na noite em que ele completa 17 Voldemort com certeza já estará lá, terão que pega-lo antes dos 17, porque logo que Harry sair da casa dos tios a proteção se acaba. Mas, não tenho a mínima idéia de como irão fazer.

-O que você falou para os seus pais?-perguntou Gina

-Ah! Eu disse que no Mundo Bruxo estava tendo uma Guerra, e eu precisava protegê-los, então, disse que voltaria para hogwarts, porque lá seria o lugar mais seguro para mim, e que ficando em casa talvez eu fosse um perigo para eles mesmos. Eles relutaram muito, mas no fim eu acabei os convencendo... Eu usei o feitiço Fiel do Segredo na casa... eu sou a Fiel, então, tenho certeza de que não há perigo. Fizemos uma reunião de familiar. Alguns faltaram, mas paciência. Toda família sabe que sou bruxa agora. Pelo menos papai e mamãe puderam falar com alguém conhecido. Caso a Guerra ficar mais... Grave do que já está, mandá-los-ei viajar, com novas identidades.

Os três ficaram em silencio por algum tempo.

-Vocês não vão voltar para Hogwarts, certo? Vocês irão com o Harry, pra sei lá aonde, não vão?-Antes que um dos dois respondesse, Gina continuou com firmeza:- Eu vou junto!

Os dois se olharam.

-Gina... -começou Rony, mas Hermione, o atropelou.

-Ainda não sabemos de muita coisa direito, temos que esperar o Harry. Mas acho que quando sairemos falaremos algo pra você... Agora, se não se importa, eu precisava falar com Rony a sós.

Com um olhar desconfiado e um sorriso maroto nos lábios, Gina saiu do quarto. Murmurando um “Tudo bem...”.

-Não se preocupe, -Começou Hermione, vendo a cara de Rony- já pensei em tudo: sairemos à noite, logo em seguida ao casamento. Na noite em que formos embora ninguém saberá, deixaremos bilhetes para ninguém ficar preocupado. Acho que é a melhor maneira. E a Gina não vai. Porque é muito perigoso pra ela, principalmente porque ela não tem 17 e não pode usar magia.

Rony esboçou um sorriso de agradecimento.


Dias depois, Rony e Hermione que todos esses dia ficaram cuidando dos preparativos do casamento, a pedido da Sra. Weasley, haviam conseguido finalmente, uma folga e, estavam conversando no quarto de Rony, Hermione separava alguns livros dela e de Rony, era o que dizia para Rony: “Coisas que podem ser necessárias”.

-Tem certeza que não está pegando nenhuma “Pra se distrair?”-perguntou Rony.

Hermione olhou feio pra ele.

-Ta bom, não está, entendi!

Então a Sra. Weasley entrou no quarto.

-Em dois dias iremos pegar o Harry. Ele já sabe. Acho que precisarão da ajuda de vocês. Primeiro alguns membros da Ordem, colocarão os tios de Harry em segurança, depois, vocês dois, Lupin, Tonks, Quim, ah! E mais umas pessoas irão escoltar Harry até aqui. Mais tarde Lupin e Tonks virão aqui falar com vocês.

A Sra. Weasley falou isso rapidamente, sem deixar os dois fazerem perguntas, e em seguida saiu do quarto sussurrando “Meu Deus, isso não vai dar certo, eu sei. Eu disse para eles manterem os dois fora disso, são jovens de mais...” e fechou a porta.

-Como será que...?-Rony não precisou completar pelo olhar de Hermione.

A pergunta simplesmente ficou no ar. Hermione também não sabia a resposta.


No dia seguinte, logo após o almoço, Tonks chegou.

-E aí, gente, beleza?-os seus cabelos não estavam mais sem vida, ao contrario, naquele dia ela escolhera Rosa Pink.

-Boa Tarde Tonks-Falaram Rony e Hermione juntos.

-Tonks, querida, quer comer alguma coisa?

-Eu quero sim, não comi nada hoje...

-E então? Quando Lupin chega?

-Bom, eu não sei... Havíamos marcado aqui entre uma e duas horas da tarde.

-Você e Lupin estão juntos?-perguntou Hermione com um sorriso.

-Ah! Eu estou tão feliz! Quer dizer, a gente não se casou nem nada, mas pra mim só estar com ele é o bastante.

Hermione sorriu.

-Vocês nem sabem quem vai dar aula de Defesa Contra as Artes das Trevas esse ano pra vocês?! Eu já sei!

-Quem?-perguntou Hermione.

-Eu!!!

-Que legal!-Disse Rony.

-É... só que ela falou que se ela não achar ninguém para substituí-la até o inicio das aulas vai ficar com o cargo de diretora e professora até arranjar alguém. E adivinhem!? Eu serei a diretora da Grifinória!

-Você sabe quem serão os Monitores-Chefes?- Disparou Hermione na mesma hora.

-Seeeiii!-falou Tonks com os olhos brilhando, parecia estar animada.

-Quem?-perguntou Hermione.

-Aaaah! Vocês saberão mais tarde!

-Por favor!

-Não, não mesmo! Eu não vou contar! Obrigada, Molly. -Disse Tonks que começava a comer. - Agora, Molly contou a vocês?

Rony fez que sim com a cabeça.

-Mais ou menos. –Disse Hermione.

-Falei oque me mandaram falar!-Reclamou Molly.

-Ótimo. Então é só esperar o Remo.



(N/A.: Tudo bem, demorei dois meses pra postar... mas parentemente ninguém leu, ninguém esperou... então nao faz diferença. O terceiro capitulo sairá esse mês ainda!)

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.