FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

13. Angelina Johnson


Fic: Flawless Curse


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Dois dias haviam passado desde que eu e Fred começamos a ser amigos – como ele havia proposto. Agora, definitivamente, poderia afirmar que o conheço há anos. Incrível como as milhões de perguntas – em geral simples e quase sempre desnecessária, do tipo “Qual seu sorvete preferido?” – trouxe uma sensação de conforto entre nós. Cada dia que eu passo em sua companhia é como se um elo de uma corrente fosse selado, formando uma ligação quase indestrutível chamada confiança. Eu gostava de quando ele perguntava sobre minha vida trouxa e ria abertamente sobre os “estranhos costumes trouxas”.        



            As nossas conversas tornavam-se sérias quando confessávamos nossos medos e sonhadoras quando respondíamos sobre o que esperávamos do futuro. Confesso que fiquei surpresa ao ver que o Weasley não era apenas aquele garoto brincalhão conhecido por mim. Ele era mais. Tinha um “Q” de maturidade e seriedade em sua fala, uma certa profundidade em seus olhos, que eriçavam meus pelos – mesmo que estivéssemos apenas nos olhando. A cada sorriso seu, um calafrio percorria meu corpo mesmo com a lareira ligada.



            E hoje, cá estava eu, esperando George e Fred chegar.  A mesa estava posta e o cardápio de hoje era totalmente trouxa: lasanha à bolognesa, salada de grãos e arroz branco.  Os murmúrios tornavam-se cada vez mais altos e eu sabia que eles estavam subindo as escadas. Depois de vários sorrisos e elogios pelo almoço, como de costume, George abandonou a mesa e foi para a loja.  Quando chegamos na sala para conversar, como nas duas últimas tardes, Fred me encarou.



            - A Angie vai vir amanhã. – ele falou simplesmente e avaliou minha reação



            - Tudo bem, já entendi. – respondi um instante após entender o que estava implícito em sua fala – Eu fico no Caldeirão Furado enquanto ela estiver aqui, assim eu não atrapalho vocês. – sorri fracamente e ele ficou espantado



            - Não, eu não quis dizer isso. – seus olhos encontraram os meus e amoleceram-se – Eu quis dizer que ela vai vir e só. Não é para você sair ou coisa do tipo.



            - Fred, tudo bem, eu sei que vocês querem ter suas...- parei por um instante e escolhi a palavra certa para usar -...intimidades. Não posso ficar hospedada no seu quarto enquanto a sua namor... – tentei continuar e fui interrompida por um “hum,hum”



            - Olha só, Hermione, se eu realmente quisesse fazer alguma coisa com a Angie que você não pudesse ver, eu sairia daqui. – ele sorriu e tocou no meu ombro – Vamos lá, só vamos nos ver.  Não é como se fossemos dois selvagens. – ele riu e indicou a poltrona para nos sentarmos – Só avisei para você porque acho que estamos dividindo o mesmo teto e amigos compartilham isso, certo?



            Assenti a sua pergunta e durante toda nossa breve conversa, fiquei tensa. Ele pareceu perceber porque tentou descontrair o máximo possível. Apesar das inúmeras perguntas sobre eu estar bem, ele sabia que alguma coisa estava errada. E eu também. O nome dessa coisa era ela: Angelina Johnson. Ainda que odiasse Adivinhação, consegui prever de que isso não daria certo.



 



 



            Acordei as seis em ponto. Sem delongas adentrei no banheiro e tomei banho. Vesti uma calça jeans e uma blusa de lã branca, sequei os cabelos e prendi uma mecha para o lado com um grampo.  Coloquei a mesa do café da manhã e adicionei um prato a mais, afinal, não sabia o horário que Angelina chegaria. Para minha surpresa, apenas George tomou café comigo. Segundo ele, o irmão estava esperando a Johnson chegar na estação de metrô. Senti falta de ver sua cadeira, de frente para a minha, desocupada. Ao contrário do que imaginei, eles não chegaram para o café da manhã. Retirei a mesa e, com um humor fúnebre, comecei a ler uns livros que encontrei na biblioteca.



            Lembrei da sensação que tive ao saber que na casa daqueles dois bobalhões havia uma biblioteca recheada de livros – contidos apenas na Seção Restrita de Hogwarts – prontos para me ensinar vários ramos da magia que eu jamais pensei que pudesse existir. Lembrei, então, com certa nostalgia da promessa que ele havia feito de me ensinar. Eu estava disposta a cobrar suas aulas -  e não demoraria muito.



            George avisou que hoje almoçaríamos em um restaurante trouxa e devido a isso, eu ficaria isenta de cozinhar. Nem bem meio dia e eu desci as escadas com um casaco pesado nos braços e uma bolsa à tiracolo.  O percurso até o restaurante foi um pouco lento – não podíamos usar magia na parte trouxa porque corríamos o risco de sermos vistos – então caminhamos e conversamos todo tempo. George, assim como o irmão, também era engraçado e agradável. Mas não tinha olhos que derretiam como safiras.



            O restaurante era um tanto quanto luxuoso. As cadeiras adornadas de madeira com design moderno faziam conjunto com as mesas que eram cobertas por toalhas extremamente brancas e aparentemente macias, os quadros abstratos e paredes alternadas com tons neutros e pasteis, deixavam o ambiente elegante e confortável. Pensei o por quê de estarmos em um lugar sofisticado como esse e antes que pudesse responder, George disse com um movimento de ombros despreocupado “Angie adora essas coisas chiques trouxas. Ela se sente importante.”.



            Não demorou muito para encontrá-los. O impotente Adonis estava ao lado de uma fiel cópia da Cleópatra – olhos um pouco puxados, cabelos lisos e negros escorridos que combinavam perfeitamente com o tom negro de sua pele – e, meus olhos, diretamente, pararam nas mãos superpostas. Ela se mostrou simpática com minha presença e conversamos ao longo do almoço. Percebi que, embora gostasse de parecer chique, Angelina não sabia nada – ou quase – sobre os costumes trouxas. Tal fato fez com que ela cometesse algumas gafes - que não passaram desapercebidas pelos garçons e tampouco pelo maitre.



            Terminamos de comer e caminhamos até o apartamento. Ajudei Verity abrir a loja, assim, Fred, George e Angelina poderiam conversar enquanto eu estivesse trabalhando. Em alguns momentos de devaneios, relembrei o almoço e dos olhares que Fred me lançou: totalmente amigáveis, diferentes daqueles que eram proferidos na ausência dos outros. Entretanto, ele também olhou para Johnson da mesma forma – ou talvez, um pouco mais friamente. Qualquer que fosse o olhar, em momento nenhum, houve uma sensação de desconforto entre nós quatro. Decidi, então, que estava tudo nos conformes.



            Às quatro horas, George desceu e agradeceu pela ajuda e disse que eu poderia subir. Pensei em subir e ver o que estava acontecendo e interrompê-los o que poderiam fazer. Uma pessoa sentimental faria isso. Uma racional, simplesmente, esperaria um tempo, e após algumas horas, subiria.  Subi o primeiro degrau e, ao levantar a perna para o segundo, recuei. Sentei na beira da escada e fiquei esperando o tempo passar. 5 minutos...10 minutos...15 minutos...e algo dentro de mim começou a formigar. Aos 20 minutos eu já estava no último degrau, prestes a tocar na porta. Um grito estridente aguçou meus ouvidos e, discretamente, encostei um par de Orelhas Extensíveis – encontrado no meu bolso - na porta.



            - Eu não acredito que ela está aqui, Friedrich. – bravou Angelina – Caramba! E você nem me contou. – silêncio – Quanto tempo?



            - Sei lá, Angie, o que isso importa? Ela é nossa amiga.



            - Ela poderia muito bem ter ficado no Caldeirão Furado. Ou melhor: por que ela saiu da Toca? – ela gritou – Sua mãe nunca me deixou ficar na Toca! Quanto mais aqui no apartamento. Ela me excomungaria.



            - Angie, mamãe não sabe disso. – e com um tom ameaçador – E nem vai saber.



            - E por quê não, Friedrich? O que me impede de dizer?



            - Eu.



            - Você está acobertando as bizarrices dessa garota! Não, eu não acredito nisso. Escolhe: ou eu ou ela. – ouvi seu salto fino tocar no chão e meu coração disparar com a pergunta, encostei  as orelhas um pouco mais na porta



            - Não há uma competição entre vocês as duas. Nós temos alguma coisa e com a Hermione é só amizade. – ele disse cansado.



            Por mais que eu soubesse que essa era a verdade, senti os meus joelhos dobrarem e baterem no degrau, meu braço pendeu e bateu na porta. A antiga discussão silenciou-se e eu senti a porta abrir. Como se não bastasse tamanha humilhação de estar ajoelhada na frente da porta, Angelina me olhou dos pés a cabeça. “Desculpa, tropecei no degrau e acabei caindo. Desculpa por ter atrapalhado, de verdade.” E dito isto saí de cabeça baixa até a sala. Minha vontade era ir até o quarto e abafar os ouvidos com um travesseiro e chorar. Chorar? Não sei o por quê, mas um aperto no peito quase sufocante me dominou.  Eu sabia que eles continuavam conversando, só que desta vez tinha um adicional: um feitiço silenciador que impedia intrusos. No caso, eu.



N/A: Postei super cedo hoje porque vou viajar de tarde e, provavelmente, só volto amanhã a noite! Tentarei escrever outro capítulo durante esse passeio rápido para tentar postar ou domingo ou durante a semana.


Mariana: O Fred se importa com ela e, aos poucos, deixa isso óbvio mas ele é um garoto e está em dúvida. Se você perceber, foi quase a mesma situação de Rony: ou ficava com a Hermione, sua amiga e companheira ou caia nas garras da Lilá porque tinha uma certa atração. A diferença é que ainda não está tão claro assim ainda...


Melissa: A cada dia que passa a Hermione nos surpreende, né? Quem diria que aquela menina compenetrada nos estudos...ahahaha Meu sonho era ter os dois gêmeos e, já que não posso ter, deixo a Angie e a Katie se divertirem por mim!


Boa leitura a todos! :)

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por MarianaBortoletti em 14/08/2011

Que máximo! Angelina criadora de casos, Hermione sem perceber realmente que sente algo especial, Fred entre as duas... Não sei porque, mas tenho a impressão de que a Angelina vai estragar essa estada da Hermione no apartamento dos gêmeos.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Yabble em 14/08/2011

Preciso que mais! Adorando. ♥

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Melissa Resende em 13/08/2011

Com certeza ela nos surpreende! ihaoisha Pois é.. as quietinhas são as piores.. aoishoiahsoia OOOoW QUE RAIVA DA ANGELINA! Já até to vendo as besteiras que ela vai tentar.. grrrrr! E acho q to louca mas.. eu achei um momento George/Hermione e previ coisas.. mas sei lá.. acho que lançaram um confundus em mim..! aoishaishoia MUITO ANSIOSA PELO PROXIMO CAPITULO!!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.