FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

17. A Grande Batalha


Fic: Os Novos Marotos 4 De volta a Hogwarts


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________



A Grande Batalha


O céu estava negro, o que era estranho, pois era de dia. Os galopes apressados de um centauro em uma floresta fazia com que vários pássaros pousados nas árvores voassem longe deixando apenas algumas corujas o fitando seriamente.

O centauro apressado parara subitamente frente uma névoa branca, em suas mãos uma carta repousava e em sua face o semblante de assombro era notável.

- O que queres em nossa floresta Centauro?

Uma mulher bela de longos cabelos roxos, lábios vermelhos carnudos e olhos extremamente azuis, falara em tom severo enquanto saía de dentro da névoa, revelando seus trajes acinzentados.

- Trago uma carta a sua Alteza Veela! – O centauro falara sério.
- E de quem se trata à carta? – A mulher tornava a perguntar.
- Mériot! O Líder dos Centauros da Floresta Proibida!

A face da mulher tornara-se pálida ao ouvir tais palavras, logo virara de costas ao centauro e com um sinal das mãos, fizera a névoa abaixar indicando o caminho ao centauro. Este atravessara em galopadas, logo a névoa surgira e a mulher desaparecera na mesma.


Cold havia acabado de sair do quarto de sua filha quando vira um centauro passar no meio da aldeia das veelas como um tufão. O loiro franziu o cenho logo tratando de correr atrás do mesmo.

- O que me trazes centauro? – A rainha Akari perguntara assim que o centauro ficara frente a sua morada.
- Uma carta urgente de Mériot, majestade. – O centauro esticava a carta e fazia uma leve reverência.
- Mériot? – Cold aparecia por detrás do centauro. – Este não é o líder dos centauros da floresta proibida?

Akari suspirara fundo abrindo a carta depressa e tratando de ler o conteúdo, Cold continuava intrigado observando a face do centauro. Jamais vira um centauro com uma imagem de assombro na face, logo vira que o mesmo assombro aderira a face de Akari.

- Algum problema Akari? – Cold aproximava-se da rainha.
- Bruxos das trevas, aos montes! – Akari falava nervosa. – Ocupam a Floresta Proibida, estão sobre comando de Voldemort e Grindelwald, irão atacar Hogwarts ao amanhecer.

Os olhos castanhos do loiro arregalaram-se categoricamente, o homem estava preste a sair correndo atrás de seus amigos, mas mal virara de costas e dera de cara com seu filho mais velho e os outros.

- Voldemort planeja atacar Hogwarts? Escutei errado? – Johnny colocava-se a frente.
- Não Sr.Weasley, o senhor escutou corretamente... – Akari falara calmamente estendendo-lhe a carta que fora apanhada de bom grado.
- Isso é loucura! – Megan exclamara revoltada.
- Creio que eles não só atacarão Hogwarts... – Miguel comentara olhando de canto para James.
- Certamente o Ministério da Magia também está em perigo... – James murmurara.
- Temos que tomar alguma atitude! Não podemos ficar aqui parados! – Draco exclamara.
- Não suporto ficar parado esperando algo acontecer! – Blake resmungara. – É frustrante!
- E o que quer que façamos Blake? – Harry começara. – Todos aqui sabemos que Carter e Amy são os mais poderosos, sem eles...
- Não termine essa frase rapaz! – Cold cortara o moreno. – Todos são poderosos aqui! Vocês são capazes de lutar sem os dois facilmente!
- Acontece que nós sequer enfrentamos os Lordes das Trevas ainda Tio Cold... – Suzan argumentava.
- Então será uma boa hora de enfrenta-los... – Miguel tocava o ombro da filha. – Certamente se Grindelwald e Voldemort estão querendo atacar Hogwarts ao amanhecer, o Ministério será atacado ao mesmo tempo! E com isso...
- Eles se dividirão! – James gritara com um imenso sorriso nos lábios. – Os safados se dividirão, assim conquistam mais espaço! Eles crêem que todos nós vamos para o Limite dos Mundos para a batalha final!
- Devemos nos dividir também... – Cold sorrira maroto.
- Nos dividir? Mas... De começo pelo que eu saiba o plano era ficarmos juntos... – Blake erguia uma sobrancelha.
- Dividir e conquistar... – Draco sorrira abertamente.
- Quer dizer que pela primeira vez na vida temos um plano? – Johnny mostrava o maior sorriso eu tenho 32 dentes na boca.
- Acredite Pulguento, um dia isso tinha de acontecer... – Cold dava leves tapinhas no ombro do amigo.
- Finalmente estamos evoluindo, até temos planos hoje em dia! – Miguel coçava a cabeça.
- Nunca tivemos planos antes pelo fato do Pulguento ser um péssimo estrategista! – James sorria maroto.
- Hey! – Johnny fazia bico arrancando gargalhadas de todos.

Akari olhara ternamente para aquela situação, logo notando Hana, Sora e Ame ao seu lado. As quatro trocaram olhares singelos, jamais haviam visto pessoas tratarem uma guerra com tanta naturalidade e calma. Ela podiam ver o assombro nos olhares dos pais daqueles guerreiros, mas eles faziam de tudo para tranqüilizar os filhos, para que eles não temessem tanto o inesperado.

A noite caíra como luva, Draco e Blake estavam treinando seus poderes enquanto Megan e Harry assistiam e gargalhavam, já que Draco sempre dava um jeito de congelar a bunda de seu amigo, que saia correndo e gritando “TÁ GELADOOOO”. Suzan se encontrava na beira do lago estalando os dedos fazendo mini-chamas surgirem destes mesmos.

- A cada dia que passa fica mais parecida com sua mãe... – Miguel sorria e sentava-se ao lado da filha.
- Sinto falta dela... – A garota encostava a cabeça no ombro do pai.
- Aposto que ela também sente sua falta querida... – Miguel respirava fundo. – Você e Blake amadureceram rápido, principalmente seu irmão...
- Essa situação toda teve um lado positivo então, serviu para colocar alguma coisa naquela cabeça oca... – Suzan rira divertida.
- Como você e Draco estão?
- Como o senhor sabe? – Suzan arregalava os olhos.
- Bem, eu posso ser um pouco lento ás vezes, mas não sou bobo... – Miguel piscara maroto.
- Nós estamos juntos... – A ruivinha corava levemente. – Mas desde que vocês foram resgatados que Draco vêm me evitando...
- A guerra muda muita coisa... – Miguel coçava a cabeça. – Creio que Draco têm medo de se distrair, por isso está a evitando, isso aconteceu com Cold uma época... Mas acredite querida, só por ele estar um tanto distante não quer dizer que ele não a ama.
- Eu sei...
- Está preparada para lutar no Ministério amanhã?
- Isso eu não faço idéia, ando nervosa com essa situação toda...
- Você vai se sair bem Suzan, é uma grande bruxa e uma excelente guerreira!

A garota sorriu ternamente para o pai deitando-se em seu colo, sentia-se bem ali com ele, só Merlim sabia a saudade que ela sentia do colo quentinho de seu pai.



Ashlee estava lá sentada abaixo da árvore, passara a noite em claro, detestava se sentir inútil. Enquanto todos estavam fora daquela barreira ridícula de Hogwarts lutando, treinando e protegendo o mundo, ela estava lá naquela escola olhando o tempo passar. Aquilo sim era patético.

- Ashlee Potter! – Lily resmungara frente a irmã.
- Fala sério Lil, vai ver se eu tô dormindo! – A garota resmungara levantando-se.
- Você não dorme a dois dias! Isso é sério sabia? Não vai ajudar em nada você ficar acordada e de péssimo humor!
- E não vai também ajudar em nada você ficar atrás de mim que nem uma babá! – Ashlee encarava a irmã nos olhos.
- Eu só quero ajudar Ash! Mas você não deixa!
- Talvez seja pelo fato de eu não querer ajuda alguma, já pensou nessa possibilidade?
- Mamãe não está mais em Hogwarts, você é minha única família Ash! E eu estou te vendo se acabar e eu não quero que isso ocorra!
- Lily coloca algo em sua cabeça: VOCÊ NÃO É A MAMÃE!
- Mas é que...

O sol já estava no alto quando um barulho estrondoso fizera com que Ashlee se jogasse em cima da irmã mais nova a fazendo se abaixar, na direção das duas uma feitiço havia sido lançado, ambas trocaram olhares assustados olhando de onde viera tal ataque, foi quando viram: a proteção de Hogwarts havia sido rachada e de uma rachadura um bruxo havia lançado um feitiço.

- CORRE!!! – Ashlee gritara para a irmã.

Ás duas começaram uma correria em direção aos portões do castelo de onde saiam os professores ainda trajados com roupas de dormir e suas varinhas empunhadas, Ashlee empurrara Lily para dentro do castelo.

- Ashlee! Mantenha todos trancados! – Samantha gritara para a garota.

Ashlee apenas concordara, e olhara para trás vendo que todos os professores inclusive Tonks estavam ao lado de fora. Ash sorriu para Lily e para os alunos que se aglomeravam frente a porta, foi então que a grifinória lançou um feitiço na imensa porta de madeira e ferro a trancando. Os alunos estavam trancados do lado de dentro do castelo, enquanto Ashlee Potter corria de volta para a batalha.

- O QUE FAZ AQUI POTTER? VOLTE PARA O CASTELO IMEDIATAMENTE! – Rachel berrara nervosa.
- DESCULPE PROFESSORA, NÃO GOSTO DE SEGUIR ORDENS!

A barreira de Hogwarts havia sido destruída, e vários bruxos adentraram a área da escola, um show de luzes começara, os feitiços começaram a ser lançados de forma majestosa.

- Que coisa mais impressionante, mesmo após anos Hogwarts não muda,como será que Dumby se sentiria se eu destruísse sua preciosa escola? – Voldemort sorria canalha.
- Quer ter a honra de ser o primeiro a acertar o castelo Voldemort? – Grindelwald sorria de volta.
- Hey! Os dois! – Ashlee gritara fazendo os dois lordes virarem-se. – Qual quer ter a honra de ser eliminado por uma Potter?
- Potter? – Voldemort cuspira o nome pela boca. – Uma fedelha Potter? Como queira criança, será morta pelo 3º Lorde das Trevas, Lorde Voldemort!

Ashlee sorrira de canto assim que um duelo entre ela e Voldemort começara a ser trajado, Grindelwald já ia atacar o castelo quando Tonks o deteve e uma luta entre os dois fora travada.

- ASHLEE VOLTE PARA O CASTELO! – Rachel berrara desesperada ao ver a garota perder a vantagem em seu duelo contra Voldemort
- NÃO ENCHE KIAN! – Ash respondera sendo acertada em cheia no estômago.
- ASHLEE! – Rachel berrara logo defendendo-se de um ataque de outro bruxo.
- JÁ DISSE PARA NÃO ENCHER!!! ESTUPEFAÇA!!!
- Acredite garota, lhe darei uma morte honrosa, afinal este é meu dever como Lorde. – Voldemort olhara ao fundo dos olhos de Ashlee que estava tentando levantar-se. – Avada...

Ele jamais terminara aquela frase, afinal um imenso cachorro saltara em suas costas e a mordera em cheio fazendo jorrar sangue, o cachorro logo saltara frente ao mesmo e transformara-se em um lindo rapaz. Os olhos de Ashlee encheram-se d’água ao ver Blake a sua frente trajado em uma armadura amarela com os olhos da mesma cor.

- Nunca mais, eu disse NUNCA MAIS AMEAÇE A MINHA NAMORADA! – O rapaz falara dentre os dentes.
- Blake... – Ashlee murmurara.
- Volte ao castelo Ashlee... – Blake falara sem a olhar a fazendo ter arrepios.
- Ora vejam só se não é um dos guerreiros, pretende me enfrentar sozinho rapaz? – Voldemort alfinetava.
- Ele não está sozinho Tom! – Harry Potter I surgira ao lado de Miguel e Harry fazendo Blake sorrir de canto.
- Harry? Ora como está velho, me lembra Dumbledore... – Voldemort falava irônico. – Está vendo Harry como a imortalidade é preciosa, assim eu jamais fico como você, velho e inválido!
- Creio que eu não esteja inválido Tom, pois se estivesse eu não teria vindo aqui apenas para ver sua derrota... - Harry sorrira.

Megan logo fizera seu bumerangue surgir em suas mãos e o sacando em direção de Grindelwald que quase acertara Tonks com um feitiço, o bumerangue tocara a nuca do bruxo e voltara para a mão da ruiva que sorrira de canto.

- O grandão ali é meu. – Megan murmurara fazendo uma leve ventania surgir e ela ir rapidamente em direção ao bruxo.

Miguel sorrira vitorioso sacando sua varinha e correndo em direção a batalha, Harry Potter sorria para a neta que ainda estava sentada ao chão.

- Creio que deixarei Blake brincar um pouco com você Tom, com sua licença... Me acompanha Ashlee?
- Mas vovô... – Ashlee protestava encarando Blake.
- Cumpra as ordens de seu avô Ashlee! – Blake falava mais uma vez sem a olhar. – AGORA!

A garota levantava com tudo e corria em direção ao avô que num mexer de varinha fizera com que ela e Tonks que estava um tanto ferida fossem parar na Ala Hospitalar do castelo.

- Como sente-se Tonks? – Harry perguntava colocando a diretora na maca.
- Acho que estou velha para esses duelos Harry... – A diretora murmurara. – O que faz aqui?
- Sou o único que conhece o feitiço de proteção do castelo Tonks... – Harry sorria levemente.
- Entendo... – Tonks sorria de volta.

Harry retirara um pingente e entregara a diretora que suspirara fundo e o girara, Ashlee pôde ver uma luz branca sair do pingente e tocar o castelo inteiro como um véu de proteção.

- Você disse que era um feitiço... – Tonks murmurava.
- É um feitiço, mas é um feitiço guardado! – Harry piscara. – Sua escola está a salvo Tonks, descanse agora...

A senhora apenas cerrara os olhos e Harry fechara as cortinas olhando para a neta com carinho.

- Ele está mudado vovô... – Ash falara num lamento.
- Não, não... Ele continua o mesmo, creio que ele não quer se distrair, qualquer distração pode ser fatal no campo de batalha...
- Me sinto tão... Inútil...

A garota abraçara o avô firmemente e chorara, chorara com todas as forças que possuía, detestando toda aquela situação.


Megan nunca se sentira tão cansada quanto naquela momento, parecia usar todas suas forças, entretanto parecia ser em vão, era como se Grindelwald absorvesse todo seu poder, quanto mais ela tentava mais ela falhava.

- Cansada pequena? – Grindelwald sorria malicioso.
- VAI PRO INFERNO! – Megan berrara erguendo seu bumerangue.

“Isso é ridículo, quanto mais eu ataco, mais ele fica forte, quanto mais poder eu... Espera aí! É isso! Ele absorve meus poderes, assim eu fico fraca e ele continua forte! Bem se ele quer absorver todo meu poder...”

- Vamos brincar Grindelwald!

Megan sorrira com o canto dos lábios fazendo o lorde ficar com uma cara confusa, a garota simplesmente cerrou os olhos, sua armadura laranja brilhara intensamente e uma ventania começara, Megan começava a reunir todo seu poder naquele momento.

Blake e Voldemort enquanto isso travavam uma batalha mortal, Blake fazia com que vários espinhos saíssem da terra e cortassem o Lorde que lançava vários feitiços que cortavam a pele do rapaz, ambos estavam feridos fisicamente e pareciam cansados.

- Está na hora de acabarmos com isso Voldemort... – Blake murmurara.

Voldemort berrara um avada kedrava em vão, afinal o sonserino a sua frente fizera uma imensa árvore surgir a frente do ataque o evitando, em seguida algumas raízes emergirão do chão e começaram a enrolar Voldemort, como uma cobra gigantesca em um apertão. Blake possuía os olhos mais amarelos do que nunca, e erguera seu machado que brilhava.

- BLAKE! MEGAN! O QUE PENSAM QUE ESTÃO FAZENDO? – Miguel berrara assustado, notando que no céu o Sol começava a ser escondido pela lua.

O poder de Blake começara a causar um leve terremoto e o de Megan fazer uma extensa ventania, ambos possuíam poder por demais.

- A profecia está se cumprindo... – Miguel murmurara boquiaberto.



Hermione Malfoy estava lá no imenso salão do Ministério da Magia, ao seu lado direito segurando sua mão estava Draco Malfoy seu marido, e ao seu lado esquerdo Johnny Weasley. Atrás de si vários aurores se encontravam, e no meio deles Ronald Weasley. Fora quando as portas do Ministério foram colocadas a baixo e Kitsume, o único Lorde mulher adentrara junto de Inferis e bruxos de Azkaban.

Fora tão rápido, a mulher entrara e um Leão saltara de trás de Hermione colocando-se a frente, em seguida uma garota ruiva com um arco e flecha em suas mãos apontando para a mesma fizera com que a mulher sorrisse de canto.

- E eu que pensei que faria surpresa... – A mulher falara. – ATAQUEM!

O berro da mesma fizera com que seus vários subordinados saíssem de trás de si e partissem para a batalha, o leão transformara-se em Harry II, e Suzan começara a atirar suas flechas flamejantes nos Inferis que logo caiam queimados. Harry e Suzan trocaram olhares e logo partiram para cima de Kitsume que já havia derrubado vários Aurores.

- Que covardia, dois contra uma moça como eu! – Ela ironizava.

Harry trocara um olhar novamente com Suzan, ele com a espada e ela com as flechas, Kitsume parecia manter todo o controle daquela situação para o desespero dos mesmos. Eles sabiam que apesar de tudo deveriam manter a calma e a sanidade, mas era difícil com as gargalhadas daquela mulher. Aquilo era irritante por demais e eles começavam a perder a cabeça.

Os cabelos e Suzan começaram a flutuar assim que um imenso fogo começara em uma de suas flechas, uma água começara a escorrer com intensidade da espada de Harry assim que uma luz começara também a emergir de seu corpo. Kitsume tremera por dentro, algo estava mudando naqueles dois guerreiros.

- MAS AQUILO É... – Berrara Draco Malfoy.
- PODER POR DEMAIS!- Hermione gritara ao derrubar um Inferi.

Todos começaram a notar que o salão do ministério sempre iluminado pela luz do sol, naquelas manhãs, estava ficando escuro, Johnny abrira a boca ao ver o Sol pela janela começar a ser coberto pela Lua. A profecia estava se cumprindo.



Amy estava sobre seu pégasus, e ao seu lado James e Draco, todos apenas aguardando Carter e Cold, a garota olhava fixamente para frente e parecia mais séria do que o normal, sabia que aquele dia seria definitivo e que mortes estavam prestes a ocorrer, engoliu em seco com o pensamento que logo fora desviado com a presença de Cold e Carter.

- Como se sente Carter? – James perguntara.

Carter não respondera, estava trajado de negro e montara em um cavalo negro com asas de esqueleto, o que fez Amy sentir calafrios, Draco também não parecera muito disposto a puxar conversa com o amigo, mas o loiro logo fora tranqüilizado com um sorriso de seu pai.

- Vamos, creio que não podemos deixar nossos amigos das trevas nos esperando, seria muita falta de educação! – Cold piscara maroto tocando seu pégasus.

Amy logo o seguira, e atrás da garota Draco e James. Carter olhara para trás e vira Akari o observando séria, o rapaz fizera um sinal com a cabeça e avançara com o cavalo atrás do mesmo.

O caminho era estranho e assombroso, após muitas horas eles haviam chegado a uma gruta, Cold parecera hesitar por um instante, mas logo sentira a mão de James em seus ombros e relaxara um pouco.

- Fora aqui que eu vira Amy pela última vez James... – Cold murmurara. – Não quero que seja assim novamente...
- Não vai ser meu amigo... – James o confortara. – Vamos entrar!

Draco, Carter e Amy saltaram dos animais e logo seguiram os dois adultos a frente, Draco podia observar que nem Carter e nem Amy faziam questão de se encararem, o loiro apenas continuava sério e alerta, podia ver seu pai a frente sempre olhando para os lados esperando pelo pior, quando eles viram algo se mexer na parede.

- Draco, Carter, Amy... – Cold murmurara. – Sigam a frente, aja o que houver não olhem para trás e não voltem! Quero que terminem a missão! Vão até o final da gruta, duelem com quem tenham que duelar, usem todos seus poderes e voltem vivos para casa! É uma ordem!
- Mas pai... – Draco começava.
- Obedeça seu pai Draco! – James falara com o cenho franzido.
- Tomem cuidado. – Carter falara sério e correra em direção.
- Vocês dois o que estão esperando? Vão! – Cold falara nervoso.

Amy e Draco trocaram olhares tristes e logo correram atrás de Carter que estava muito a frente. Eles podiam escutar alguns gritos e ver algumas luzes, certamente James e Cold estavam duelando com alguém muito poderoso. Não olharam para trás, apenas correram até o final da gruta, e lá chegaram.

Era um local imenso e aberto, cercado por imensas paredes feitas de rocha, ao meio um véu prateado que balançava de um lado para o outro.

- Como vai Trent? Feliz em ter chegado são e salvo até aqui? – Akuma aparecia com uma capa jogada em suas costas de qualquer jeito.

Carter não respondera apenas encarara Akuma com os olhos verdes brilhando intensamente, logo ao lado de Akuma, Medon surgira, segurando em suas mãos Cold e James, deixando os três jovens com faces de horror. Medon jogara os dois homens contra a parede e ambos deslizaram e caíram inconscientes ao chão.

- Nunca foram poderosos, sempre tiveram sorte! – Medon falara em deboche.

Amy fizera pose de ataque, mas logo a mão de Carter aparecera em sua frente como para a evitar de fazer algo.

- Como os velhos tempos, a La Blanck querendo confrontar-me... Tsc, tsc, tsc... Não aprendeu de primeira? – Medon sorria canalha.
- Medon, onde estão seus modos? – Akuma gargalhava. – Nossos visitantes não me parecem muito a vontade...
- Por que não nos deixam a vontade então? – Draco alfinetara sacando sua espada.

Akuma e Medon trocaram olhares, ambos apontaram suas varinhas fazendo surgir um homem a frente, este possuía um belo porte e os olhos malignos, seus dentes caninos logo sugiram e ele avançara em direção de Draco.

- DRACO! – Carter falara algo pela primeira vez.

Draco saltara e num instante já estava em uma travada luta com o ser criado por Medon e Akuma, Akuma não esperara nem um segundo para partir para cima de Carter, que tentara se desvencilhar para atacar Medon que já estava duelando com Amy.

Era algo sobrenatural, Carter sentia que a magia de Draco aumentava rapidamente enquanto ele lutava com aquele ser, Amy parecia enfurecer-se na batalha com Medon, Carter cerrara os olhos, sabia que ele ali era o mais controlado. Akuma não era tão poderoso quanto os outros lordes e em um simples movimento Carter sacara sua foice e decapitara Akuma.

A cabeça de Akuma rolara até os pés de Medon que olhara assustado para Carter, o corpo de Akuma caíra ao chão e jorrara sangue, Amy olhara horrorizada para Carter, principalmente quando ele correra em direção a Medon e junto do mesmo atravessara o véu prateado.

- CARTER! – Draco berrara logo sendo atacado pela criatura.

Amy estava paralisada, parecia não saber como agir ou o que fazer, apenas olhava para a cabeça de Akuma próxima aos seus pés, até que a garota batera em sua face com força e sem pensar duas vezes atravessara o véu também.

O corpo de Draco tomara uma cor azulada e ele erguera a cabeça para cima assim que toda a gruta começara a congelar. Cold levantara cambaleante e olhara para o filho, a criatura que lutava com Draco estava congelada.

Cold levantara-se e tentara andar até Cold, mas fora repelido pelo poder do rapaz, James abrira os olhos e sentara-se com dificuldade, a gruta estava extremamente fria e Draco parecia fora de si.

Todos os guerreiros não pareciam os mesmos, Voldemort estava morto enforcado pelas raízes feitas por Blake. Este tinha a cabeça para cima e os olhos abertos olhando para o Sol que estava quase tampado pela Lua, seu corpo brilhava num tom amarelado.

Megan havia acertado o coração de Grindelwald com seu bumerangue, este estava caído ao chão com o mesmo incrustado em seu peito, morto. A garota também olhava para o céu, com o corpo brilhando num tom alaranjado.

Suzan e Harry haviam acertado Kitsume juntos, a espada de Harry no estômago da mulher e três flechas de Suzan no pescoço da mesma. Suzan e Harry após matarem a mulher caminharam até a janela do ministério e ficaram observando o Sol e a Lua se fundirem, ambos com o corpo brilhando, Suzan num tom róseo e Harry num tom vermelho.

Ninguém conseguia chegar perto deles sem se ferir, ninguém conseguia tocar nos guerreiros, a verdade é que o poder deles estava sendo emanado para outro lugar.


- O que está havendo mamãe? – Maya com uma barriga imensa caminhava até Gina que observava o céu pela janela.
- Creio que a profecia esteja se cumprindo filha... – Gina murmurara.
- Temos que fazer algo! – Lana caminhava de um lado para o outro na sala de estar da mansão Potter.
- Não há o que se fazer neste momento... – Mel tentava manter a calma.
- Temos que confiar em nossos maridos e filhos, é a única coisa a ser feita no momento... – Sophie falava sabiamente recebendo um olhar aprovador de Luna.



"Quando a noite cair e a Lua cheia habitar o céu, ela ficará escura, o eclipse lunar, 7 guerreiros, 7 sentimentos, o barulho das espadas cruzadas e os das flechas atiradas, uma batalha que definira o fim ou o começo, bruxos poderosos do passado ao presente, e o presente se unira ao futuro e ao passado."


Amy podia escutar isso enquanto atravessara o véu, quando abrira os olhos notara que não estava em lugar algum, ao seu redor tudo era branco, vira quatro almas passar por si rapidamente, tremera de medo e segurara firmemente a Lança La Blanck, não sabia onde estava, não sabia como voltar e não via Carter junto de Medon em lugar algum, olhava para os lados aflita, ali não havia nada, até sentir alguém lhe puxar pela cintura.

- Sou eu... – Carter murmurara.

Ela virara com tudo assustada apontando-lhe a lança, Carter a olhara no fundo dos olhos e a garota relaxara guardando a lança em suas costas.

- Não devia ter vindo aqui, é perigoso por demais Amy... – Ele lhe dera as costas andando.
- Como se você soubesse algo sobre perigo Trent. – Ela falara séria caminhando atrás dele.

Ambos pararam subitamente ao ver Medon e as quatro almas o cercando, Medon tinha um sorriso sádico e diferente nos lábios que fizera Carter e Amy engolirem em seco, era como se algo de terrível fosse acontecer, e aconteceu.

- Parece que seus amigos conseguiram destruir quatro Lordes, entretanto não conseguiram o quinto... – Medon sorrira mais uma vez e numa agilidade imensa, as quatro almas dos outros Lordes invadiram seu corpo.

Um vento forte começara e este começara a cortar a pele de Amy e Carter, Medon estava com os olhos cor de sangue e com o corpo deformado, seu poder havia aumentado por demais e ele não tardou até lançar feitiços sem a varinha. Carter e Amy sacaram suas armas e logo começaram uma luta inválida com aquele bruxo.

Medon lançara Amy para longe a fazendo rolar ao chão e vomitar sangue, Carter partira com tudo para cima do mesmo com sua foice que fora destruída com um só golpe de Medon, que sorrira e quebrara o braço do rapaz que urrara de dor e fora lançado longe. Amy sacara a lança La Blanck, e rapidamente ela conseguira cortar um pedaço da bochecha de Medon, mas ele segurara a lança da garota e sorrira a mesma a segurando pelo pescoço e a erguendo do chão.

- Acha mesmo capaz de me vencer com esses ataques patéticos La Blanck? Esperava mais de você... – Medon partia a lança da garota com a outra mão.

Ele começara a apertar o pescoço da garota fortemente e ela podia sentir a vida ir se esvaindo de seu corpo a cada segundo, era como se Medon lhe sugasse as energias e o espírito.

- Mais uma vez eu serei a causa de sua morte... – Ela murmurara próximo ao ouvido da garota.

Ele estava preste a mata-la quando sentira algo lhe rasgando as costas, soltara Amy de qualquer jeito no chão e virara-se para encarar Carter que empunhava a varinha para o mesmo.

- Nunca deveria baixar a guardar Medon, pode se ferir assim... – Carter debochava.

Amy tossia como nunca ao chão, ergueu os olhos e vira:

Medon havia destruído a varinha de Carter, e com um pedaço da Lança La Blanck, ele fincara ao coração do mesmo. Carter caíra para trás assim que Medon retirara o pedaço da lança.

- Apenas para finalizar Trent... AVADA KEDRAVA!!!

A magia emanada pelas mãos de Medon atingira Carter, e lá estava ele ao chão, morto.

Os olhos de Amy estavam avermelhados, mas ela não chorava, sua boca estava aberta, mas ela não gritava. Ela estava em choque, pois Carter Trent estava morto.

- Ora não fique tão triste assim, você será a próxima! – Medon aproximava-se da garota como uma serpente preste a dar o bote.

Amy baixara a cabeça, Carter não podia estar morto, não, ele não podia! Era impossível! Ele era poderoso demais para morrer simplesmente! Aquilo era inaceitável.

- Não aceito... – Ela murmurara.
- Como? – Medon erguia ambas sobrancelhas.
- Ele não morreu, não aceito! – Ela levantava-se segurando ás lágrimas.
- Ora, não me digas que acredita que Trent ainda esteja vivo...
- EU JÁ DISSE! EU NÃO ACEITO!

O berro de Amy ecoara naquele lugar vazio e branco, Medon sorrira canalha ao ver a face dela ganhar um tom avermelhado.

- Ele não pode morrer, ele não está morto eu já disse eu não PERMITO! – Várias lágrimas saltaram dos olhos azuis da garota.

Um tremor atingira aquele lugar, Medon assustara-se olhando aos lados, algo estava estranho.


Todos os bruxos estavam as ruas olhando atentamente para o céu, a Lua e o Sol estavam fundidos fazendo uma eclipse solar, e em tal eclipse fizera com que a imagem de Amy, Carter e Medon no limite dos mundos fosse mostrada a todos no mundo mágico.

- Carter está... – Lily murmurara encostando a cabeça no ombro de Jay.
- Impossível... – Jay abraçava a namorada.
- O que vai acontecer agora? Amy tem que manter a calma! – Dean falara aflito. – Se ao menos Blake e Megan saíssem desse estado estranho!
- Temos que ter fé... – Miguel tocava o ombro do filho. – Ela é a única capaz de nos ajudar agora.
- Amy... – Ashlee murmurara derramando uma lágrima.

Não só os olhos de Ashlee derramaram lagrimas, mas o de vários alunos de Hogwarts, mas tais lágrimas não chegavam a pingar, tornavam-se pequenos cristais que voavam em direção ao céu. Os corpos de Blake, Megan, Suzan, Draco e Harry brilharam mais intensamente e seus brilhos voavam em direção ao céu junto das lágrimas de cristal emanadas pelos outros bruxos.


- Tenha uma morte honrosa La Blanck... – Medon aproximava-se da garota.

Amy cerrara os olhos sendo apanhada pelo pescoço e sentindo algo frio invadir-lhe a barriga, sabia que podia ser sua lança quebrada sendo usada contra si mesma, ela podia sentir o sangue, podia sentir a morte chegando aos poucos.


Medo, Sombra, Dúvidas.

- Não sei se tenho permissão para ficar ao lado do bem Sr.Malfoy.
- Não se precisa de permissão Carter...

Amor,Tristeza, Rancor

- Amy jamais me perdoará por ter ido para as trevas...
- Você a salvou, isso é mais do que suficiente.

Morte.

- Eu morreria por ela.

Morte.

- EU NÃO ACEITO!!!

Morte.

Ele estava em um lugar diferente, não era o céu, não era o inferno, sua alma parecia ainda presa, mas ele sabia que estava morto, até ver uma mulher muito parecida com Amy entretanto mais velha aproximando-se.

- Vai permitir que ela morra? Não morra Carter, não permita que ela morra... – A mulher murmurara.
- Eu levei um Avada Kedrava... Já estou morto...
- Você não pode morrer papai! – Caios surgira ao lado da mulher e dera a mão a ela. – Se morrer eu não vou existir...
- Caios... – Carter murmurara. – Pensei que fosse apenas uma visão...
- Nem tudo que lhe mostraram é mentira Carter e nem é verdade... – A mulher sorrira. – Ela precisa de você, está morrendo.
- Amy...
- Sim, Amy está morrendo...
- Preciso voltar, mas... Estou fraco... – Ele cerrara os olhos.
- Você é forte papai! Sei que consegue!
- Você consegue Carter... – A mulher sorria.

Vida.


As luzes emanadas e os cristais de lágrimas tocaram o corpo de Carter, Medon ainda olhava fixamente o corpo de Amy que perdia a vida em seus braços, seus olhos avermelhados pareciam deliciar-se com aquele momento. Até que o corpo de Carter brilhara.

Ele ganhara vida em alguns segundos e logo suas roupas negras foram substituídas por trajes brancos, a Foice do Destino antes destroçada estava inteira em suas mãos, Medon largara o corpo de Amy ao chão e olhara para Carter.

- Impossível! – Medon exclamara.
- Nada é impossível quando se tem magia... – Carter sorrira de canto.

Amy abrira os olhos levemente e vira Carter, seus lábios deram um leve sorriso, e ela vira Carter e Medon entrarem em uma luta sangrenta. Ela não sabia o porque mas sentia-se cansada por demais para se levantar, então agarrou o pedaço de sua lança e com toda a força que lhe restara a enfeitiçou e a lançou em direção as costas de Medon.

Uma magia branca cercara Medon, Carter então enfiara sua Foice do Destino no coração do mesmo, cada alma que Medon absorvera saíra de seu corpo, e cada uma que saía se autodestruia, Carter se machucava muito a cada explosão de alma, até que todas saíram restando apenas a de Medon, os olhos verdes vivos de Carter fitaram pela última vez os vermelhos de Medon.

- Dessa vez nem o inferno irá te aceitar... – O garoto murmurou retirando a foice do destino de dentro de Medon.

Carter correra até Amy que estava inconsciente ao chão e então uma passagem se abrira, Medon explodira junto com as outras almas e Carter e Amy caíram dentro da gruta inconscientes.

James segurara o corpo inerte e machucado de Draco em seu colo enquanto Cold corria para amparar Carter e Amy.

O mundo bruxo inteiro aplaudia, eles haviam vencido, o bem havia acabado com o mal pela última vez.

Em Hogwarts, Blake e Megan eram levados inconscientes para o St.Mungus assim como Harry e Suzan no Ministério. E Carter, Draco e Amy. Tudo estava em seu devido lugar... Ou melhor... Quase tudo.


No Próximo capitulo:

Ashlee: BLAKE!!!
Blake: Ei ei ei, ow, ow! Cuidado com a loça ainda tô ferrado!

Draco: Eu não me lembro de nada desde que entramos naquela gruta pai...
Cold: Talvez nunca iremos saber Draco, e não é melhor assim?
Draco: Não era eu lutando...
Cold: Há coisas que é melhor não serem explicadas Draco.

Maya: A BOLSA ESTOUROU COLD!!!
Cold: AI MEU DEUS! ALGUÉM ME AJUDA A RESPIRAR!!!!

Harry: Nem acredito que voltamos a Hogwarts!
Megan: Mas o que é...
Harry: COMO ASSIM NOSSOS PONTOS ESTÃO ZERADOS?

Suzan: Você anda distante...
Draco: Todos se conformaram com o que aconteceu, eu quero saber o que houve comigo Suzan...
Suzan: Não é melhor deixar isso de lado? Draco já fazem dois meses!
Draco: Carter também não deixou de lado!

Ashlee: Você e Carter não conversam mais...
Amy: As coisas mudaram Ashlee...
Ashlee: Verdade, mudaram por que vocês quiseram...

Lily: Suzan e Draco não estão bem...
Dean: Os sete mudaram depois da guerra, meu pai disse que isso poderia acontecer.
Lily: Seu irmão não mudou muito...
Dean: Blake mudou bastante, ás vezes ele nem parece ele mesmo.

Blake: Quando eu sair de Hogwarts, vou viajar com Draco e Carter por uns tempos...
Ashlee: Para onde vão?
Blake: Encontrar respostas...

Amy: Decidi que não irei terminar Hogwarts.
Maya: COMO É QUE É?
Cold: O que pretender fazer?
Amy: Quero ir para a Florestas das Veelas por tempo indeterminado.

Suzan: POR QUE ESTÁ FAZENDO ISSO CONOSCO?
Draco: VOCÊ NÃO ENTENDE QUE SOMOS UM PERIGO? SOMOS UMA ARMA SUZAN!
Suzan: NÃO É DISSO QUE ESTOU FALANDO! ESTOU FALANDO DE NÓS!
Draco: O que tem nós?
Suzan: Você anda tão obcecado com o que aconteceu que não vê o que está acontecendo! Draco eu... Eu quero terminar!

Harry: Nossa aposta chegou ao fim Draco...
Draco: Perfeito final de ano...
Carter: Isso não vai ser muito agradável...
Blake: Quem disse que tudo deve ser agradável?





Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.