FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

3. Um domingo de espera.


Fic: A Marca de Uma Lágrima.


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

3. Um domingo de espera.


Como eu fui idiota! Como eu sou idiota, fiquei escondida naquele jardim, como uma idiota, imaginando, como uma idiota, que Draco estava dançando com a Gina a festa inteira. Pobrezinho, vai ver ficou o tempo todo me procurando... até me encontrar no jardim, bêbada como uma idiota!
— Idiota... — xingou o inimigo rachado. — E se ele ficou mesmo com Gina a festa inteira?
— Cale-se! E por que ele foi me procurar no jardim? Por que me beijou? Ah, eu posso morrer agora, mas aquele beijo ninguém vai tirar de mim!
Aquele beijo... Hermione ainda sentia os lábios queimando e as narinas embriagadas com aquele cheiro de sonho.
Tia Narcisa tinha se incumbido de levá-la para casa e Hermione acordara, naquele domingo, com enjôo de ressaca e gosto de Draco na boca.
A manhã começou mal, naturalmente, com a mãe piorando da enxaqueca e lamentando-se pelo que diriam os vizinhos ao ver sua filha — uma fedelha! — chegar em casa bêbada como uma porca.
— Ah, se seu pai fosse vivo, você ia ver o que ia lhe acontecer!
— Mas papai está vivo!
— Não. Para mim, ele está morto. Com aquela sujeitinha, para mim ele está morto!
— Mortos não mandam cheques, mamãe...
Tudo, afinal, tinha passado, menos a lembrança daquele beijo. Menos a lembrança de Draco. Pensou em telefonar para ele, mas se telefonasse, o que iria dizer? Na certa acabaria nervosa, fazendo alguma de suas gozações, e estragaria tudo. Não, tudo não. Não havia o que pudesse estragar o que tinha começado com aquele beijo. Aquele beijo fora um compromisso. Não por ter sido um beijo. Mas por ter sido um beijo como aquele.
Hermione tinha pressa. É claro que tinha pressa. Era preciso reencontrar Draco para não o largar nunca mais. Mas era domingo, dia de sair com papai. Esta era outra razão para esperar mais um dia, o dia que separava a descoberta do seu sonho e o reinicio das aulas. O início de uma nova vida. Uma vida com Draco.
Pensou em escrever. Uma carta. Ou mais. Um texto onde ela poria de tudo, desde versos nascidos da paixão até pequenas confissões, como se ela quisesse pôr-se a limpo, exibir sua alma nua, preencher um passaporte para que Draco a tomasse, levasse embora e nunca mais a deixasse partir.
Escrever, ela sabia. No colégio, ninguém podia disputar com ela na hora de falar e de escrever. Ah, se pudesse ela usaria aquele domingo apenas para pensar, para repassar cada momento daquele encontro estonteante, daquela felicidade imensa.
Os domingos, porém, não eram de Hermione, nem para escrever, nem para pensar. Os domingos eram de papai.
Quando a buzina soou, Hermione deu uma última olhada para o inimigo, mostrou-lhe a língua e foi ao encontro do pai de todos os domingos.

***


— Papai, você me acha linda?
O restaurante estava lotado, como acontece com os restaurantes aos domingos. Há quantos domingos, em quantos restaurantes Hermione já almoçara com o pai, desde que a "sujeitinha" o havia arrancado de casa? Talvez esse número não tivesse tanta importância, agora que a menina observava que, a cada domingo, caía a qualidade do restaurante.
Mas ainda era em dinheiro que o pai lhe falava todos os domingos, e era em dinheiro que ele estava falando quando foi surpreendido pela pergunta da filha.
— Hein? É claro que eu acho. Você é a princesa do papai. A garotinha mais linda do mundo!
— Ah, não. Como garotinha não, papai. Quero saber se você me acha uma mulher linda!
Hermione estava feliz como nunca, naquele domingo. Queria fazer algo de bom, algo grande, para dividir sua felicidade com alguém.
— Papai, eu quero conhecer a Lúcia.
Lúcia. A sujeitinha. Imagem de bruxa e megera inculcada em sua cabeça pelos lamentos da mãe. A mãe abandonada à sua enxaqueca e à pensão mensal que garantia à menina as refeições de todos os dias, mas que já estava comprometendo a qualidade dos almoços de domingo.
— A Lúcia? Mas você sempre se recusou a...
— Isso foi antes, papai. O antes acaba passando. Hoje eu me sinto diferente. Acho que quero fazer todas as pazes que puder. Vamos começar pela Lúcia?
O pai passou o guardanapo pelos lábios e pareceu subitamente interessado no exame do paliteiro.
— Sabe, Hermione... Eu estava esperando o momento certo para te contar... É que... eu não estou mais com a Lúcia...
"Não está mais com a sujeitinha?", pensou Hermione. "Então o serviço de informações da mamãe perdeu essa fofoca?"
— Talvez sua mãe tivesse razão... A Lúcia era... bem... Mas eu encontrei alguém realmente fora de série. O nome dela é Helena. Você vai adorar! Hoje, não é possível, porque ela foi visitar os pais, já que eu ia sair com você. Mas, no próximo domingo, eu vou...
Hermione pôs a mão sobre a mão do pai e sorriu:
— É melhor não fazer planos, papai. No domingo que vem, talvez não seja mais Helena. Pode ser Márcia, ou Cristina, ou...
— Hermione! Você não devia...

***


— Como será que papai encontrou essa Helena? E a Lúcia? E a mamãe? Será que pegou alguma delas bêbada, caída na grama de algum jardim? Será que tudo começou com um beijo? Um beijo como o de Draco?
À noite, abraçada ao travesseiro, um só nome ocupava todo o ser de Hermione.
— Draco...
Não conseguia lembrar-se do primo em meio às pálidas recordações dos garotos de sua infância. Teria sido aquele que se divertia batendo nos menores? Ou seria aquele outro que teimava em tirar sua calcinha?
— Quer tirar minha calcinha agora, Draco?

***

N/A: Não preciso dizer que eu me rachei com esse capítulo né?

Mas tipo eu to triste porque quase ninguém comentou T_T

Vou entrar em depressão *chora compulsivamente*

Mas ainda teve quem salvou a pátria *abana uma bandeira Brasileira gigante*

Então eu agradeço.

Carla Gisele: Eu também amo esse Shipper eles são D+... Agora se ele beijo o Draco ou o Harry eu não posso falar, mas garanto não foi sonho ... u.u ... Yo no dejareis oste esperando mucho tiempo. Besos.

Serena Denouement: Bruh, amiga to começando a achar que to estragando você com meus elogios (apesar de você os merecer) qualquer dia desses, seu EGO explode. Ai tipo quem vai ter que limpar sou eu por ser uma das principais culpadas. Mas eu mesmo assim te adoro my friend. You a Crazy, by it like you.

Bom turminha esse foi o capitulo três espero que gostem, COMENTEM E VOTEM, para fazer essa doida (eu) um pouco mais feliz!!!

Beijos Gaby...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2021
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.