FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

3. Capitulo 3


Fic: Melhores Amigos - EM ANDAMENTO


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Obs1:PRESENTE PARA TODOS!!!SOU EU QUEM ESTÁ DE ANIVERSÁRIO, MAS SÃO VOCÊS QUEM GANHAM!!!BJUX!!!!!E OBRIGADA A FERNANDA POR ME PRESENTEAR COM ATUALIZAÇÕES MARAVILHOSAS!!!



CAPITULO III

Enquanto olhava sem ver os atores no palco, Hermione lembrou-se do que Luna havia dito no casamento de Gina:
— Você vai saber quando encontrá-lo.
Mas ela não havia sabido. Fora preciso a interferência de Will, que estava longe de ser o homem mais perceptivo, para mostrar o óbvio e agora a vida dela mudara para sempre.
O que faria? Todas as outras vezes em que não soubera o que fazer, ela falara com Harry. Hermione temia estragar a amizade para sempre. Harry estava com Aisling, lembrou-se. E ela teria que aceitar o fato de serem apenas amigos e fazer um esforço para gostar de Aisling. Não seria fácil, mas ela tentaria.
Talvez não conseguisse dizer a Harry como a sua vida havia mudado, mas contaria a ele sobre Will. Era idiota continuar fingindo. Nunca mentira para Harry antes e aquilo não era certo. Se fossem amigos, como sempre haviam sido, ela simplesmente admitiria que Will não era o homem ideal.
Mas nas semanas que se seguiram, não pareceu haver opor­tunidade. E apesar da determinação de tentar gostar de Aisling, achava que não seria capaz de agüentar a compaixão da outra. Ou, ainda pior: sua compreensão.
Assim, quando recebeu o e-mail de Harry dizendo que Aisling ia sair com velhos amigos e sugerindo que eles dois se encon­trassem para um drinque na noite seguinte, Hermione concluiu que seria sua melhor chance de endireitar as coisas. Algumas delas, pelo menos.
Perfeitamente, respondeu ela por e-mail. "Parece que faz anos que não conversamos e eu tenho muito o que lhe contar. A hora de sempre, no lugar de sempre?"
"Também tenho novidades", respondeu Harry na mesma hora. “Até amanhã”.
No dia seguinte, excepcionalmente, chegou ao bar dez minu­tos adiantada. Enquanto esperava, pediu uma bebida e sentou-se, girando o copo nervosamente nas mãos.
Hermione sentiu o coração disparar. Era uma sorte que ele não tivesse ido direto para ela porque ela não teria conseguido nem falar. Torcera tanto para que aquilo fosse uma ilusão, mas a verdade era que estava mesmo apaixonada por ele.
Harry podia não ser o mais bem vestido, mas sua presença transpirava poder e ele foi servido em bem menos tempo que Hermione. No instante seguinte, virou-se, com uma garrafa de cer­veja na mão, em busca de uma mesa.
Hermione engoliu em seco e acenou para atrair a atenção dele.
— Hermione! — exclamou ele, surpreso, inclinando-se para bei­já-la. — Você chegou na hora? O que aconteceu?
"Eu estou apaixonada por você."
Ela sentiu o rosto formigar onde ele beijara. Estava profun­damente envergonhada.
— Estava tudo tranqüilo no trabalho e eu saí mais cedo — disse ela.
— Tranqüilo, no mundo das relações públicas? — perguntou ele, sentando-se de frente para ela. — Não é possível! Saúde — disse, estendendo a garrafa para ela. — Você está ótima.
— Você também.
— Como vai você? — perguntou ele.
— Ótima. E você?
— Bem.
Aquilo era terrível. Hermione sentiu vontade de chorar. Sempre havia sido tão fácil conversar com ele. Eles pediam uma bebida e passavam o resto da noite rindo, falando e se provocando e agora estavam ali, sendo educados um com o outro.
— Você ainda vai para as lhas Seychelles?
Harry assentiu. Era evidente que estava sentindo o clima estranho.
— Em duas semanas — disse.
— Sorte a sua. Eu gostaria de poder dar uma fugida em novembro. Fica tão cinzento por aqui.
Agora estavam reduzidos a falar do tempo! Harry nem tentou entrar naquele assunto. Em vez disso, bebeu um gole da cerveja e deixou um silêncio incômodo se instalar.
Hermione brincou com o copo. Deveria estar contando a ele sobre Will, mas não sabia como fazê-lo sem dizer-lhe que seus senti­mentos haviam mudado e se Harry insistisse muito no assunto, logo perceberia o que havia mudado e o porquê e... Deus... talvez fosse melhor não dizer nada...
— E então? — perguntou Harry meio tenso. — Quais são as novidades? Você disse que tinha muito o que me contar.
— Comece você — disse Hermione rapidamente. — Você disse que também tinha novidades.
— É. E tenho.
Ele parecia quase tão hesitante quanto ela. Era evidente que também não sabia por onde começar. Hermione sentiu um ligeiro frio no estômago.
— É bom ou ruim? — perguntou, tentando suavizar as coisas.
— Bom — disse Harry depois de uma pequena hesitação.
— Você não parece muito seguro.
— Mas é bom. Definitivamente bom.
— Tem algo a ver com trabalho? — perguntou ela, curiosa.
— Não — respondeu ele, dando mais um gole na cerveja.
— E então? — pressionou, soando como a velha Hermione e não a Hermione tímida e retraída, sentada diante dele apenas um mo­mento antes. —Você vai me contar ou eu vou ter que adivinhar?
— Aisling e eu vamos nos casar.
Harry estremeceu ao ver que pronunciara a frase como se sentisse culpa ou algo assim. Devia ter falado com mais cuidado.
Ele olhou para Hermione, sem saber como ela reagiria. Ela pa­recia petrificada e por um segundo ou dois, sua expressão era totalmente neutra. Então, os olhos castanhos baixaram para o vinho e ela olhou a taça alguns momentos até Harry começar a imagi­nar se ela o ouvira.
— Hermione? — chamou. Mas ela já havia erguido os olhos e havia um sorriso radiante em seu rosto.
— Ora... parabéns! — exclamou, num tom que combinava com o sorriso. Em seguida, debruçou-se na mesa para beijá-lo.
— Quando isso aconteceu? — perguntou ela, recostando-se na cadeira. Apesar do sorriso que começava a incomodar Harry, ela parecia exatamente a mesma.
Havia algo errado naquele sorriso, mas Harry não saberia dizer o quê.
— Na semana passada.
Haviam acabado de assinar um grande contrato e todos na empresa haviam saído para comemorar. Quando chegaram em casa, Harry tentou dizer a Aisling o quanto apreciara o que ela havia feito. Não havia dúvida de que a atuação dela fora deci­siva. Ela era muito hábil em marketing e sua experiência com clientes como a CBC havia mudado os rumos da empresa, le­vando-os a uma nova fase, muito mais próspera. Fora impor­tante assinar aquele contrato e se eles conseguissem fechar o acordo também com a CBC, o futuro estaria garantido.
— Nós não teríamos conseguido sem você — dissera ele, em­balado pela euforia dos funcionários. — Nós formamos uma equipe e tanto.
— Acho que você e eu formamos uma equipe e tanto, o que quer que estejamos fazendo — dissera ela, sorrindo. — Por que não tornamos isso permanente?
Harry não conseguira pensar em por que não. Aisling era bonita, inteligente e tinha os mesmos interesses que ele. Harry sabia que podiam viver juntos. Aisling era muito fácil de se conviver.
Hermione, por exemplo, o deixaria louco. Ela nunca fecharia as gavetas e nem as tampas das garrafas e deixaria roupas espa­lhadas por todo lado. Depois, abarrotaria o banheiro de Harry com cosméticos, monopolizaria seu telefone e dominaria a cozi­nha para preparar pratos elaborados, metade dos quais termi­naria no lixo.
Não havia nada parecido com Aisling. Harry não conseguia pensar em alguém que se adaptasse tão bem a sua vida quanto ela.
Fazia anos que Hermione dizia que ele não tinha jeito para ro­mance, mas Harry não se incomodava. Os românticos, como Hermione, tinham aquela visão rósea e, na opinião de Harry, totalmente equivocada dos relacionamentos. Eles queriam que tudo fosse perfeito e a vida estava longe disso.
Hermione olhava para ele, com dor nos olhos castanhos.
— Por que você não me contou?
— Eu quis falar pessoalmente — disse Harry, num tom es­tranho. — Ainda não contei para ninguém.
— Por que não?
— Eu queria que você fosse a primeira a saber. — Ele olhou-a, ansioso. — Eu sei que é um pouco repentino, mas o que você acha?
O sorriso de Hermione oscilou um pouco mas ela respirou fundo e disse:
— Eu acho que é uma ótima notícia, Harry. Fico muito feliz por vocês.
— Você gosta dela, não é?
— E claro — mentiu Hermione, com o sorriso cada vez mais fixo no rosto. De repente, um novo silêncio ameaçador se instalou. — E quando vai ser o casamento? — perguntou ela, apressada.
— Nós ainda não marcamos a data.
— E vocês vão fazer uma cerimônia tradicional ou algo di­ferente?
— Isso depende de Aisling. Mas acho que ela ainda não pla­nejou nada.
Hermione estava começando a sentir o maxilar doer pelo esforço de manter o sorriso.
— Eu posso ser sua madrinha? É um bom papel para a me­lhor amiga, não?
Harry olhou-a e sorriu, assentindo.
— Bem, isso exige mais um drinque. — Ela esvaziou o copo com uma ponta de desespero. — Desta vez, eu vou tomar um champanhe!
— Eu vou buscar — disse Harry, levantando-se. — Você fica aqui.
Hermione sentiu um alívio imenso por poder parar de sorrir. Tam­bém estava tremendo. Precisara de todas as suas forças para parecer feliz quando se sentia tão arrasada por dentro.
Ela sabia que aquilo estava para acontecer. No momento em que ele hesitara em contar as novidades, havia pressentido. Mas em vez de gritar de desespero, Hermione mantivera o sorriso, por mais difícil que fosse.
Harry não podia saber o que ela estava sentindo. Não podia nem desconfiar. Ele ficaria constrangido, e apesar de aquilo não mudar seus sentimentos por Aisling, talvez não se sentisse à vontade para comemorar e Hermione não achava aquilo justo. As­sim, quando Harry retornou com uma garrafa de champanhe num balde de gelo, ela voltou a estampar o sorriso no rosto.
— Pronto. Agora estamos entrando no clima — disse ela, quando ele tirou a rolha da garrafa sem nenhum sinal de afetação e serviu duas taças. — Parabéns, Harry.
— Obrigado, Hermione — disse ele, relaxando. — Eu sei que é besteira, mas estava preocupado em contar-lhe.
— Não devia. Você sabe que eu só quero a sua felicidade.
— Nós ainda vamos ser amigos, não é?
— É claro. Mas agora, quem vai se casar comigo quando eu fizer quarenta anos e ninguém mais me quiser? — Hermione man­teve o sorriso para mostrar que estava brincando. — Eu tinha confiado em você!
— Isso não vai acontecer — respondeu ele. — Desde que eu a conheço, sempre houve uma fila de homens desesperados para mostrar o quanto a desejam. E quanto a Will?
Hermione estudou seu champanhe.
— Ah, bem, digamos que o primeiro lugar da fila está vago. A expressão de Harry mudou e ele colocou o copo na mesa.
— Como?
— Eu lamento mas as minhas notícias não são tão emocio­nantes como as suas. Will e eu terminamos.
— Mas você parecia tão feliz com ele. Você o achava perfeito! O que aconteceu?
— Ora, você sabe... — Hermione deu de ombros.
— Não — disse Harry. — Conte-me.
— Não foi nada em especial — disse ela, evitando olhá-lo.
Havia decidido contar a Harry a verdade sobre Will, mas aqui­lo havia sido antes de ele dizer que ia se casar com Aisling. Agora, tudo havia mudado. Se Harry achasse que a decisão havia sido mútua, começaria a se perguntar por que Hermione estava tão infeliz e ela não queria que ele entrasse nesse terreno. Harry a conhecia bem demais.
Não. Era melhor que ele achasse que ela ainda amava Will. Isso explicaria por que ela estava diferente e lhe daria uma boa desculpa para parar de sorrir, o que seria um alívio imenso.
— Will não está pronto para se comprometer — disse ela a Harry. Isso, pelo menos, era verdade. Os dois nunca haviam dis­cutido o fato e Will não parecia mais ansioso para se casar que a própria Hermione. — Ele gosta muito de ser um solteiro cobiçado.
Aquilo também era verdade. Will a achava atraente e ela combinara bem com o estilo de vida dele, mas nunca a amara. Essa era uma das razões por que continuavam se dando tão bem.
— As coisas estavam ficando intensas demais para ele — explicou.
— E esse não é o seu estilo? — perguntou Harry, erguendo a sobrancelha.
— Eu sei. Irônico, não é? Por todos esses anos, eu dispensei homens que começaram a me sufocar e agora estou provando do meu próprio veneno. — Hermione forçou um sorriso. — Só falta você me dizer que é bem feito!
— Não. Vou lhe dizer que nunca achei Will bom o bastante para você. Eu sei que você o achava perfeito, mas ele nitida­mente não tem gosto. Você vai achar alguém muito melhor — ele afirmou, confiante.
— O problema é que eu não quero alguém melhor — disse ela baixinho. — Só há um homem que eu quero.
— Hermione... — Harry franziu o cenho. — Isso parece grave.
— Eu acho que é. — Ela girou o copo entre os dedos, incapaz de encará-lo. — Eu sei que já me apaixonei antes, mas isso é diferente. É mais do que gostar de um homem que tem um carro bacana e que pode me divertir. Isso é como querer alguém com cada fibra do meu ser e querer estar com ele e tocá-lo, sabendo que eu perdi a chance. É tarde demais — concluiu ela, triste.
— Será que é mesmo?
Hermione ergueu os olhos do copo e encarou-o, tão querido e co­nhecido e, de repente, tão incrivelmente belo. E tão comprome­tido com Aisling.
Ela engoliu em seco e assentiu, incapaz de falar. Sem dizer nada, Harry se levantou, sentou-se ao lado dela e abraçou-a.
— Pobre Hermione — disse, gentilmente. — Você está sofrendo?
Para seu horror, Hermione sentiu uma lágrima e depois outra no canto dos olhos. Aflita, tentou afastá-la com ás costas das mãos, mas elas só passaram a escorrer mais rápido.
— Eu vou superar — disse, insegura.
— Eu não sabia, Mi — Harry falou, abraçando-a com mais força, o que só piorou a situação.
Hermione sentiu vontade de recostar-se nele, mas corria o risco de perder de vez o controle. Queria beijá-lo e implorar para que ele não se casasse com Aisling. Diria que ele era o único homem que amava, o beijaria com paixão e faria amor com ele ali mes­mo, desde que ele jurasse que nunca mais a deixaria.
A idéia de como o contido Harry reagiria a uma cena tão me­lodramática foi suficiente para fazer Hermione sorrir.
— Eu vou ficar bem — ela afirmou, afastando-se um pouco para pagar um lenço.
— Você quer que eu mate Will? — perguntou Harry. — Se quiser, eu mato.
— Obrigada, mas acho que isso não ajudaria — disse ela, sorrindo. — Até porque a culpa não é dele. Ele não tem culpa sobre o que eu sinto.
— Ele poderia lhe dar uma chance.
Hermione meneou a cabeça.
— Eu tive a minha chance e a desperdicei. — Ela enxugou o rosto com o lenço e tratou de restaurar o sorriso. — Eu sinto muito — falou, empertigando-se na cadeira. — Não pretendia fazer esse escândalo. Devíamos estar comemorando o seu noiva­do. — Ela estendeu o copo. — Vamos tomar mais champanhe!
Harry completou as taças obedientemente, mas estava preo­cupado com Hermione. Pelo menos, agora sabia o motivo da tensão por trás daquele sorriso.
Não estivera brincando totalmente quando se oferecera para matar Will. Odiava vê-la sofrer. E qual seria o problema com Will para rejeitar alguém como Hermione? Uma mulher linda, in­teligente, espirituosa, de pernas maravilhosas e com hipnóticos olhos castanhos? Era verdade que às vezes ela conseguia ser muito frívola, mas quando queria, era muito inteligente e perspicaz. Agora, por exemplo, estava ligeiramente corada e seus olhos brilhavam de dor, mas ela continuava fingindo que estava tudo bem. Harry teve o impulso de abraçá-la de novo, mas como havia sentido uma certa resistência antes, preferiu não agir.
Além do mais, não eram os braços dele que ela desejava, certo?
— Vamos fazer uma festa para comemorar o seu noivado — disse ela.
— Você sabe que eu não sou muito de festas.
— Está bem — concordou ela. — E que tal um jantar, como o que fizemos para Luna e Gina quando elas ficaram noivas? Será que Aisling vai gostar?
Aisling! De repente, Harry deu-se conta que esquecera completamente de Aisling nos últimos minutos.
— Ah, sim, é claro que sim — disse, meio sem jeito.
— Ótimo. Então, está combinado. Que tal no próximo fim de semana? Vou falar com Luna e Gina e lhe mandarei um e-mail com a data — Hermione ergueu a taça novamente. — Saúde!
Hermione era a única culpada por não reconhecer a importância de Harry antes. Mal podia pensar nos vários anos em que se pavoneara com os homens mais lindos da cidade, certa de que Harry estaria lá se ela se entediasse, se quisesse conforto ou uma boa risada.
O fato era que ele havia sido seu melhor amigo por anos a fio e agora ela agiria a contento. Guardaria seus sentimentos para si, se alegraria por ele e faria o que estivesse ao seu alcance para comemorar.
Hermione planejou um jantar espetacular que ninguém jamais esqueceria, mas acabou tendo que ligar para Gina para implorar para a amiga vir ajudá-la antes que todos chegassem.
— Tem que ser uma coisa tão sofisticada? — perguntou Gina, erguendo as sobrancelhas ao estudar o cardápio que Hermione havia elaborado há dias.
— Eu quero que seja memorável.
— Certamente será, ainda mais se você não conseguir fazer. O que é uma croquembouche, pelo amor de Deus?
— Uma pilha de profiteroles cheios de creme. Na receita tradicional, as carolinas ficam equilibradas com fios de açúcar caramelado, mas eu pensei em usar chocolate — disse Hermione. — Só que parece que não deu muito certo.
Aflita, ela contemplou a pirâmide que passara horas fazendo na noite anterior. As bolinhas leves como uma nuvem da receita haviam ficado com o aspecto de panqueca. Seria um pesadelo recheá-las com creme e quase impossível empilhá-las.
— Sei... — Gina examinou-as sem dizer nada e voltou ao cardápio. — O que mais? Canapés, suflês individuais, lagosta... Você não poderia ter escolhido pelo menos um prato que não fosse complicado?
Hermione suspirou.
— Na hora, eu achei que fosse uma boa idéia.
— Harry ficaria feliz até com uma lata de feijão!
— Eu sei — disse ela, guardando alguns livros de receitas para limpar um pouco a área. — Mas ele tem que saber que eu fiz um esforço especial por Aisling.
Gina colocou o avental e amarrou-o nas costas.
— Porque você odeia o fato de ele estar se casando com ela.
— Sim... não! — corrigiu-se Hermione, depressa. Em seguida, parou, percebendo que era uma besteira tentar enganar Gina. — Está tão óbvio assim?
— Para nós, está, querida. Nós a conhecemos há muito tempo.
Hermione mordeu o lábio.
— Harry também.
— Sim, mas é diferente. Apesar de ele poder ser muito perceptivo às vezes, ele continua sendo um homem e provavelmen­te nem desconfia que você não gosta de Aisling.
— E eu não quero que ele saiba, Gina. Ele vai ficar magoado.
— Você não acha que Aisling é a pessoa certa para ele?
— Você acha?
Gina pensou por um momento.
— Eu mal posso acreditar que ele vá se casar com ela — admitiu. — Acho que eu e Luna sempre acreditamos que você e Harry acabariam juntos.
Hermione, que estava abrindo a embalagem que continha cogu­melos, ficou grata por estar de costas para Gina.
— Agora é tarde demais para isso — disse, num tom forço­samente despreocupado.
Gina pegou uma tábua e os cogumelos e começou a cortá-los em silêncio.
— Talvez Harry não se case com ela.
— Harry é um homem de palavra — disse Hermione, resignada. — Se ele resolveu se casar com Aisling, é o que vai acontecer.
— Mas Aisling pode mudar de idéia — sugeriu Gina, espe­rançosa.
Mas não havia o menor sinal daquilo quando Aisling e Harry chegaram para o jantar. Ela estava deslumbrante num vestido de seda verde, cheia de planos para o casamento e com um anel de brilhante no dedo.
— É lindo — Hermione elogiou, admirando a jóia.
— Harry me levou à joalheria no fim de semana. Eu levei horas para decidir qual era o que queria, não foi, Harry?
— Horas — concordou ele. Aisling riu e abraçou-o.
— Pobre Harry. No fim, ele estava ficando entediado. Você sabe como ele é, Hermione!
Hermione entregou a Aisling uma taça de champanhe sem olhar para Harry.
— Sim — disse. — Eu sei como ele é.




Obs2:Oiiii pessoal!!!!Capitulo postado como prometido!!!!Espero que tenham gostado!!!!Bjux!!!!Adoro vocês!!!!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.