FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Conectados


Fic: CONECTADOS - O horror está on-line - Atualizada!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 2: Conectados


 


_ Há quanto tempo o irmão daquele imbecil morreu? – pergunta Dino ao abrir o laboratório de informática.


_ Não tem dois dias. Eu já teria feito, mas a Hermione chegou querendo ir naquela porcaria de festa. – esbraveja.


_ Melhor, daqui não tem erro. Invadisse o servidor? – o cúmplice lhe mostra três folhas repletas de números e letras, superficialmente desordenados e inúteis. Aquele trabalho seria fácil.


 


Cinqüenta minutos depois um perfil funesto ganhava espaço na web, o irmão de Dennis Creewey inscreveu-se no orkut, alegando em seu perfil intimidades conhecidas apenas pelos familiares. Em um ponto quilômetros distante da universidade, o acadêmico da terceira fase de Administração cai de joelhos, desalentado e aos prantos sem acreditar no que seus olhos focalizavam. Seu irmão morto em um atropelamento há 48 horas havia lhe adicionado no orkut. O pesadelo estava tomando formas reais.


 


“Se Deus teve seis dias para criar o homem a sua imagem e semelhança, Lúcifer teve dois mil anos para corrompe-lo.”




_ Emprego mais imprestável! Ah! Não acredito... Que ainda tem gente nesses laboratórios?! – reclama Ron, manuseando as chaves de todos os laboratórios.


Aquela era a sua noite semanal de ronda, na qual via-se obrigado a esperar todo e cada aluno ou professor encerrar as suas atividades para fechar o compartimento e poder se recolher. Engraçado como a última luz acesa era particularmente a do lado pertencente ao Design Gráfico, por isso, o técnico de manutenção já possuía idéia concreta dos acadêmicos que ainda “usufruíam” das instalações da faculdade.


_ Boa noite! – saúda os conhecidos.


_ Boa noite, Rony! – Dino responde ao cumprimento normalmente, enquanto Draco permanece calado.


_ Vocês ainda tem muito trabalho para esta noite?


_ Estamos terminando um trabalho integrado entre o jornalismo e o design gráfico. Nova projeto visual para o jornal da universidade. – responde Dino cautelosamente. – E você ainda trabalhando? – finge indignação.


_ É, hoje eu sou responsável pelo desligamento dos equipamentos de todos os laboratórios deste setor do campus. Mas, vocês avisaram o professor responsável? Dino, você sabe que para usar depois do horário... – é interrompido.


_ Fica tranqüilo, você sabe que eu tenho carta branca com o professor Snape! - Ron concorda, não era de hoje que sabia do prestigio que o futuro designer dispunha entre os mestres – Então, é o único que falta pra você trancar? – ele torna a acenar afirmativamente -  Ah! Problema resolvido. Deixa comigo a chave geral que eu fecho tudo e amanhã na primeira hora te entrego.


Dino encaminhando-se até a porta para verificar que se o rapaz havia realmente saído do prédio e certifica-se que ninguém os incomodará novamente, enchaviando a porta do laboratório, ao voltar se confronta com o semblante pasmado do cúmplice.


_ Você devia ignorar o Ron um pouco mais, acho que ele não ficou muito chocado com a sua indiferença.


_ Ah, qual é!?! Ele passou a maldita festa dando em cima da minha namorada, e você quer o que? Que eu corra pra cumprimenta-lo e o trate como meu melhor amigo? – irrita-se o futuro jornalista.


_ Você não me vê por ai xingando o Harry só porque ta saindo com a Gina. Mas, caso


você ainda não tenha notado o Ronald acabou nos ajudar.


_ Como assim?


_ Acorda, Draco! Em que universo paralelo você acredita que eu pedi permissão para usar esse laboratório? E ele sabia disso, então trata de pelo menos olhar ele na cara. Por no que fim das contas, a gente ficou devendo uma.


Ronald se dirigia, sem mais distrações, para o alojamento destinado às Engenharias. Entretanto, para sua completa surpresa depara-se com o talentoso novato, Neville, cujo provindo nada mais, nada menos do que de um estudo, contrariando todas as noções acadêmicas de festa ou encontro romântico.


_ Ta fazendo o que uma hora dessas? – o bolsista suspende o espanto.


_ Voltando de uma monitoria mais longa do que o planejado. – responde o frustrado adolescente.


_ Monitoria? Ainda calouro? Uau, não é por menos que te tratam como um gênio!


_ Ah! Nem me lembre desse “tratamento especial” – segue seu rumo meio atordoado.


_ Algum problema?


_ Quem me dera se fosse só um ou algum problema. Mas, graças a essa porcaria de super- atenção e aquele seu amigo, eu to com mais problemas do que sequer posso contar.


_ Que amigo? – interessa-se Ron.


_ O capital do time de futebol do campus.


_ Hum! Harry?... – sorri, aquela perseguição era típica do atleta – Acho que eu posso te ajudar. Mas, vou precisar de um favor em troca. - Neville o encara desconfiando – Garanto que é a sua especialidade. Você conseguiria descobrir e rastrear todas as ação feitas em um  computador?


Start! O jogo havia definitiva e finalmente principiado nas duas frentes de combate. O pântano encoberto pela dinâmica universitária viria a tona, espalhando terror e lodo.


_ Que coisa é essa? – Draco apontava o monitor que inadvertidamente acendia e apagava. O companheiro de atrocidades ri, hora de compartilhar suas preciosas descobertas.


_ Uma conexão adjacente à Internet? – digere ainda a montanha de informação o aprendiz de jornalista.


_ Sim e não. Uma rede de comunicação praticamente independente à Internet. A forma perfeita de fazermos qualquer coisa sem corrermos o menor risco! – empolga-se o guitarrista.


_ Rede de comunicação com o que?


_ Isso é mesmo importante? – Draco o pressiona –  Parece que esse prédio foi o primeiro da faculdade lá em 76, 77, durante a Ditadura Militar. Os militares estavam começando a mexer com computadores, com algo que viria a ser a Internet. Tava na cara que quando se espalhasse pelo país não iriam ter o menor controle, então estavam tentando se adiantar. Tentando criar uma rede paralela invisível, mas potente o suficiente para se infiltrar em qualquer sistema...Casas, escritórios, repartições...E como, a computação tava engatinhando para as faculdades primeiramente, os militares se instalaram exatamente aqui. – diz gesticulando que fora o local referente a sua narração. A tenebrosa revelação transfigura o rosto outrora passivo de Draco em pânico puro.


_ Ah, qual é? Você não precisa de desesperar. Apesar de altamente repressora a idéia não passou de um ideal. No inicio dos anos 80, quando a Internet estava realmente tomando formas reais e os meios necessários para essa “teoria da conspiração” se concretizar estavam progredindo, a Ditadura já estava agonizando por aqui. O projeto foi considerado “inconstitucional”, ou qualquer coisa que isso possa significar, e conseqüentemente abandonado. O que nos traz diretamente para os dias atuais. Há uns cinco meses quando foi celebrado os 50 anos da Universidade, o “magnífico” – ironiza – reitor quis se auto-promover e decidiu reformar o primeiro prédio sede. E bom, como você deve ta imaginando...Era esse! Como homenagem ou sei lá o que, ele preservou alguns detalhes do projeto original, incluindo algumas máquinas. E por ser de longe o curso mais bem conceituado daqui, o prédio foi repassado para o Design Gráfico. – pausa momentaneamente a explanação.


_ O que não explica muito coi-... – questiona a veracidade Draco.


_ Calma jornalista, eu estou chegando no melhor da história. – o comparsa ri – Sem idéia do quanto aqueles computadores eram raros, o pessoal da manutenção e uns “experts” ficaram completamente fascinados e fissurados. Queriam a todo custo botar aquelas velharias novamente em funcionamento. E depois de... – vez do futuro profissional de comunicação interromper.


_ Como você sabe de tudo isso? – indaga ele extremamente inquieto.


_ Me admira você, o jornalista responsável pela cobertura dos 50 anos da faculdade e pela reinauguração não ter descoberto. – o ego do amigo despenca após tamanha ofensa - Como eu estava dizendo... Depois de restaurado o computador principal, ou melhor, como diziam os milicos: “o cérebro”, continha todas essas informações no HD. Pra minha sorte e azar de uns outros, entrei nesse laboratório na hora exata pra apreciar esse pequeno tesouro. Quando eu entrei aqui, há um mês, pelo menos cinco estavam tentando decodificar o último arquivo necessário pra colocar em funcionamento. Por coincidência, o nosso amigo baterista...


_ Blaise? – espantasse Draco.


_ Exato. O Blaise, como um bom analista de sistema, era praticamente o chefe de toda a operação e me colocou a par de tudo. Acho que isso esclarece tudo, não? – conclui Dino.


_ E como vocês tem certeza de que está tudo cem por cento?


_ Me diga você, ou será que na última semana você não notou nada de estranho no seu computador? – sorri vitorioso o guitarrista.


_ Como é que é? – brada assustado o cúmplice.




“...Ilusão solidificada ao chuvisco nocivo do inferno


A morte...


Mil facas de gelo perfurando teu pulmão no inverno


Não é forte...”


 


“...Ilustre macabra fogueira


O anjo negro molda tua sepultura


Meu ódio te acariciou, mesmo quando você não queria


Sou surdo, e das profundezas, escuto emanar tua voz escura...”


 


 


Tarde e longe demais...Se proíbem as crianças de brincarem com o fogo, o que fazer quanto ao desconhecido? O sobrenatural?


 


 


 


 


_________________________________________________________________


 


Muito tempo depois, passando para deixar novidades. A fanfic está totalmente editada com os dialogos menos carregados de girias e mais fáceis para o entendimento, espero que assim facilita a leitura e desperte mais o interesse de todos. Com o fim da faculdade espero voltar a postar em breve. Qualquer dúvida deixem em comentários que logo responderei. Obrigada por não abandonarem a história, tentarei corresponder em breve.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.