FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. A Escola Phoenix


Fic: Amor X Paixão


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

AMOR X PAIXÃO


II – A ESCOLA PHOENIX


Rony brincava com a comida, estava sem fome (milagre) e sem perceber, Luna se aproximou dele.


-Olá! – ela disse, sonhadora.


-O-oi! – Ron se assustou, não vira ela chegar.


Harry notou que ela estava muito bonita, seus olhos não eram tão esbugalhados como eram e o corpo dela tinha se desenvolvido bastante. Como ele sabia que Rony estava na seca a muito tempo, Harry deu uma desculpa qualquer e se dirigiu para o corujal, para visitar Edwiges.


-Você gostaria de ir comigo a Hogsmeade no sábado? – Luna perguntou, timidamente.


Rony fora pego de surpresa, nem imaginava que ela lhe perguntaria isso, mas como fazia tempos que ele não saia com ninguém, ele aceitou, e é claro que Ron também considerou que ela era bonita.


*-*-*-*-*-*-*


Hermione foi até o corujal, e se escondeu atrás de um barril cheio de água, pois pensou que se Draco estava escrevendo no almoço, era uma carta, que ele mandaria por uma coruja, após a refeição.


Um ruído na porta a avisou que alguém estava chegando, e era ninguém mais, ninguém menos que Draco.


-Acho que a Shadow será perfeita para este trabalho. – Draco murmurou, se dirigindo para a janela. – Aqui está você, leve esta carta para o Ministro do Ministério da Magia, Frederick Hoosevelt.


Hermione viu ele amarrar o pergaminho na perna de uma coruja pequena, preta, e a soltar logo em seguida.


-Em pouco tempo, o gigante será despedido desta escola, huahuahuahua...


Hermione apertou os punhos com raiva daquele idiota que na noite anterior se atrevera a beija-la, e só esperou ele sair do corujal para correr até a janela e berrar:


-Accio! – ela apontou a varinha para o pequeno ponto preto que voava longe, sobre a floresta.


Rapidamente, a coruja voou para sua mão, Mione desamarrou a carta e a guardou no bolso do casaco.


-Esse imbecil me paga! – ela murmurou, se dirigindo para a porta, mas alguém a impediu de sair.


*-*-*-*-*-*-*


Gina estava sentada na beira do lago, aproveitando seus últimos minutos antes das próximas aulas, quando um barulho de carruagens se aproximando a fez virar-se para trás.


-Mas o que é isso? – ela murmurou, vendo pelo menos dez carruagens passando pelo portão da escola.


Elas pararam não muito longe de Gina, e quando estacionaram, uma mulher baixa, gorda, de cara amável desceu do primeiro veículo.


-Vamos crianças, não podemos perder tempo! – a mulher falou, chamando-as.


Gina ficou observando, curiosa, os adolescentes que saiam das carruagens. “Nunca vi tanto garoto bonito junto, em toda a minha vida”, ela pensava, embasbacada com a beleza deles, e também das garotas, que pareciam mais um bando de patricinhas.


A ruiva seguiu eles, que entraram no castelo guiados pela mulher simpática.


*-*-*-*-*-*-*


-Harry? – Hermione estranhou, quase esbarrando nele.


Ele ficou surpreso de encontra-la ali, mas sua raiva não havia sumido, então ele assumiu sua pose de machão.


-O que você fazia aqui? – Harry perguntou, grosso.


-Eu estava garantindo a permanência do Hagrid em Hogwarts.


Harry já imaginava que ela tinha posto seu plano em ação, mas agora era muito cedo até para a Srta.-Sabe-Tudo.


-O que você fez? – ele perguntou, tentando disfarçar sua admiração por ela.


-Que eu saiba, você acha que eu passei para o lado do Malfoy, então eu não devo satisfações a você, com licença.


Hermione retirou-se apressada, sem ver o quão triste Harry estava, ao brigar com sua melhor “amiga”.


*-*-*-*-*-*-*


Rony estava conversando animadamente com Luna e Neville, quando olhou para a porta do salão principal, e por ali entraram vários garotos e garotas, da mesma idade dele, e mais uma mulher que ia a frente.


-Alunos de Hogwarts – Dumbledore levantou-se e falou. - Dêem boas-vindas aos alunos da Escola de Magia e Bruxaria Phoenix, dos E.U.A!


Todos, ainda surpresos, bateram palmas, e observaram a “mulher gorda” ir até a mesa dos professores e conversar com o diretor.


-O que será que eles fazem aqui? – Neville sussurrou.


-Sei lá! – Rony respondeu no mesmo tom.


-Será outro torneio Tri-Bruxo? – perguntou Luna, ansiosa.


-Não... – Neville pensou um pouco. - Senão o diretor teria nos avisado, e depois de tudo o que aconteceu acho que não vamos ter outro tão cedo.


Os dois amigos só concordaram, enquanto que Dumbledore pedia silêncio, para falar outra vez.
-Esta é a diretora da escola Phoenix, Sra. Nora Feeling - ela acenou, sorrindo. – Ela e sua escola estão aqui para participarem do Baile de Inverno, que será uma festa de formatura para eles, que acabaram de se formar.


Todos comemoraram, felizes. Estavam ficando nervosos com a proximidade dos N.I.E.N.’s e este baile seria uma boa oportunidade para descontrair um pouco e esquecer os problemas.


*-*-*-*-*-*-*


Hermione observou tudo o que aconteceu no salão principal escondida nas escadas. Chegara ali no instante que os alunos chegaram, e não queria ser vista.


Harry também viu tudo das escadas, só que um pouco mais afastado de Hermione, para ela não vê-lo.


Quando Dumbledore terminou de falar, os dois de dirigiram para o salão, passando por trás das mesas, para ninguém enchergá-los. Pararam ao lado de Ron e Cia.


-Onde “você” estava? – Rony perguntou, se dirigindo para o amigo.


-Eu estava visitando Edwiges – Harry falou, sem dar bola para Mione.


Gina chegou também, e rapidamente puxou Hermione pelo braço e as duas se afastaram dos amigos que apenas as olharam intrigados.


-O que foi? – Mione perguntou, vendo a cara feliz da amiga.


-Você viu quantos alunos bonitos tem naquela escola? – disse Gina, ofegante.


Hermione que até então nem tinha olhado direito para a cara dos americanos, notou que eles realmente eram “lindos”.


-E o que que tem isso? – indagou, sem entender.


-Simples... – Gina falou como se estivesse explicando algo para uma criança. – Nós somos garotas solteiras e eles são lindos... Então finalmente nós vamos tirar o atraso, minha querida!


Hermione gargalhou, não sabia que a ruiva gostava tanto de garotos, nem que pensasse em meter ela no meio.


-Nós? – perguntou, ainda rindo. – Você acha que eu quero ficar com alguém da outra escola?


-Você não quer? – Gina fez cara inocente. – Ou você já está interessada em alguém?


Hermione olhou para Harry e para Draco, os dois observavam a multidão de pessoas no meio do salão. Ela sabia que sentia algo por eles, só não sabia o quê.


-Eu não! – disse, querendo fugir do assunto. – Se você quer ficar com algum deles fique, eu não tenho nada com isso!


Gina passou a mão no cabelo, fazendo charme para um garoto loiro, de olhos azuis, que a observava. Hermione logo entendeu que a amiga já tinha achado a ”vítima”, então foi para perto de Luna, que estava mais afastada de Rony, Harry e Neville.


-Queridos alunos... – Dumbledore começou. – O baile será realizado daqui três semanas, e os monitores-chefes de Hogwarts e de Phoenix irão organizar e supervisionar os voluntários que ajudarão na decoração e nos demais trabalhos para o baile ser realizado. Os alunos de Phoenix estarão preparando tudo para a grande noite, já que os outros alunos ainda têm aulas. Agora os elfos irão guiar os alunos visitantes até os seus aposentos, enquanto que os de Hogwarts esperarão as aulas da tarde... Obrigado.


Falando isso, os elfos conduziram a Sra. Feeling e seus alunos através de uma porta que havia atrás da mesa dos professores. O resto dos estudantes foram para suas salas comunais, esperarem o reinício das aulas.


*-*-*-*-*-*-*


Hermione entrou na sala comunal da Grifinória cabisbaixa, odiava brigar com os amigos, principalmente se tratando de Harry, que havia a ajudado tanto no ano passado, tentando a fazer esquecer o que acontecera, mesmo não tendo muito sucesso com isso. Sentou-se na poltrona de sempre, em frente a lareira, enquanto que Rony, Luna, Neville e Gina conversavam num canto mais afastado .


*-*-*-*-*-*-*


Harry resolvera ir também para a sala comunal. Ele não conseguia parar de pensar em Hermione, e em tudo o que houvera no ano anterior. Se odiava por ter feito aquilo, acabou estragando a amizade deles, pois foi por causa daquilo que ele não parava de pensar nela. Quando viu ela entrando na sala, ele quase teve uma troço, estava brigado com Hermione, mas queria muito fazer as pazes.


-Olá! – ele disse, sentando-se na poltrona ao lado dela.


Mione levantou a cabeça para ver quem a tinha chamado, e ao ver Harry ali, com um sorriso amarelo nos lábios, teve vontade de abraça-lo e esquecer que tinham brigado.


-Oi! – ela respondeu, abaixando a cabeça.


-Eu lhe peço desculpas por tudo que eu disse...


Mione sentiu uma imensa alegria ao ouvir aquelas palavrinhas mágicas, mas tinha que dar um gelo nele, para não pensar que poderia a ofender de novo.


-Agora você pede desculpas? – ela olhava para o fogo que queimava fracamente na lareira.


Harry pensou que ela ficaria feliz ao ouvir o que ele disse, mas estava enganado. Mas, também, como ele poderia esperar compreensão depois de tudo o que ela passara? Depois do que fizeram a ela?


-Eu realmente sinto muito, não devia ter agido daquela maneira, o Malfoy estava mal, e precisava ser levado urgentemente para a enfermaria, o que você fez não teve nada a ver com o fato de estar do lado dele ou não.


Mione sabia que Harry não tinha feito por mal, mas aquilo a magoou, em pensar que ele duvidava do caráter dela.


-Você achou mesmo que eu estava do lado do Malfoy? – ela perguntou com a voz fina, cansada.


-Bom... Pensando bem, eu acho que apenas fiquei com raiva de você estar ajudando ele, não porque você poderia estar do lado dele.


-Eu estava com pena do coitado, apesar de tudo, ele é humano... Ou não?


Harry riu, sentindo-se mais aliviado depois da conversa com Mi.


-Olha, eu te perdôo, mas espero que isso nunca mais aconteça, certo?


-Certo!


Harry se agaichou na frente dela e a abraçou, fortemente, sentindo o doce perfume que Hermione emanava.


Ela ao sentir aqueles fortes braços a sua volta, teve calafrios, e o empurrou delicadamente.


-Você quer saber o que eu fiz com a carta da doninha? – ela perguntou, olhando-o nos olhos.


-Quero! – Harry ajoelhou-se na frente dela.


-Eu esperei ele sair do corujal, depois de enviar a carta, e trouxe a coruja que Draco enviou com um feitiço, então joguei ela na lareira do meu quarto.


-A coruja? – ele perguntou assustado.


-Não, a carta né?


-Ahhh...


Eles levantaram-se e foram para a sala do Snape, teriam dupla aula de poções.


*-*-*-*-*-*-*


Rony caminhava ao lado de Harry, sabia que ele tinha feito as pazes com Mione e Rony também queria acabar com a briga, mas estava com vergonha de pedir desculpas.


-Fala com ela de uma vez, Rony! – Harry sussurrou, para Hermione não ouvi-lo.


-Tá... Eu vou tentar!


Ron se aproximou da amiga pelas costas, e bateu no ombro dela.


-Que foi? – ela perguntou, sem olhar para trás.


-Posso falar com você? – Ron olhou para Neville, que estava ao lado. – A sós?
-Tá!


Hermione já tinha esquecido a briga, e estava pronta para perdoa-lo, mas gostaria muito de ouvir seu amigo admitir que tinha errado. Os dois foram caminhando mais atrás, para os outros não ouvirem.


-Eu queria te pedir perdão pelo que eu disse, Mi. – Ron estava com a cabeça baixa, morrendo de vergonha.


-Tudo bem – ela falou, colocando a mão esquerda no ombro dele. – Eu sei que você não fez por mal.


Ron sorriu, e eles continuaram conversando até entrarem na masmorra que servia de sala de aula. O professor já os esperava.


-Estão atrasados! – ele disse, sem levantar os olhos de um pergaminho que lia, sentado em sua mesa. – Menos dez pontos, por cabeça!


Harry estava acostumado com a implicância de Severo, já nem se importava mais, logo estaria livre das aulas dele e de todos os outros professores. Sentou-se na sua mesa de sempre, ao lado de Ron, e Hermione e Neville sentaram-se na frente deles.


-Abram o livro na página 382, “Antídoto para picada de basilisco” – Snape disse, escrevendo no quadro. – Depois de lerem, façam o antídoto e me entreguem uma amostra por dupla, com o nome dos dois.


Hermione leu rapidamente a receita no livro e já começou a separar os ingredientes necessários, enquanto que Neville aprontava o caldeirão.


-Odeio quando Snape nos manda entregar amostras – Ron bufou, colocando um líquido vermelho no caldeirão. – A gente sempre erra a poção.


-Acho que você colocou de mais – Harry afastava a fumaça que subia até o teto com as mãos. – Era pra despejar três gotas, não o frasco inteiro.


Hermione olhou para trás e viu a besteira que eles tinham feito, teria que ajuda-los, mais uma vez.


*-*-*-*-*-*-*


Quando terminou as aulas, Hermione e Harry combinaram de irem até a casa de Hagrid o avisarem que Draco sabia sobre Groupe. Como Rony tinha ido dormir cedo, eles foram sozinhos.


Os dois caminhavam pelos jardins do castelo, olhando a lua cheia que brilhava no céu, até que pararam na frente da cabana do professor.


-Como o céu está lindo! – Hermione suspirou, encostando a cabeça no ombro de Harry.


Ele sentiu sua pernas tremerem e um impulso de toma-la em seus braços, mas sacudiu esses pensamentos da cabeça, quando viu Hagrid abrir a porta da casa.


-Olá! – Ele disse, com um enorme roxo ao redor dos olhos e se apoiando numa bengala. – Entrem.


Hermione acordou dos devaneios, e seguiu Harry para dentro da cabana.


-O que os trazem aqui? – perguntou Hagrid, colocando um prato com biscoitos na mesa.


-Bem... O Malfoy descobriu que você escondia seu irmão na Floresta – Hermione disse, sentando-se na frente dele. – E ele iria entrega-lo, mas eu o impedi roubando uma carta que Draco ia mandar ao ministério.


Harry permaneceu em pé, ao lado da amiga, e jurou ter visto um vulto passar pela janela, mas não deu bola, e se concentrou na conversa.


-Eu agradeço, Hermione – o gigante sorriu. – Mas hoje a tarde eu mandei Groupe para o Tibet, onde Dumbledore me disse que havia outros gigantes, que não se incomodariam em recebe-lo.


-Que ótimo! – exclamou Mione. – Assim o Ministério não tem como provar nada.


Harry estava incomodado, sentindo como se alguém os vigiasse, então foi até a porta e a abriu, dando de cara com uma pessoa muito indesejável.


*-*-*-*-*-*-*


Gina estava observando a lua, da janela da torre de astronomia, quando alguém chegou por trás dela.


-Olá! – o mesmo garoto do almoço a cumprimentou, com um belo sorriso.


-Oi!


Gina não acreditou que ele estava ali, justo no momento que ela pensava nele.


-O céu está lindo, não? – o garoto se apoiou no batente da janela.


-Sim... – Gina olhava embasbacada para ele, apreciando a beleza do rosto do garoto.


-Qual seu nome? – ele perguntou, sorrindo.


-Virginia Weasley, mas pode me chamar de Gina – ela se derreteu por ele. – E o seu?


-Rick Hoosevelt.


-Hoosevelt? – Gina se espantou. – O Ministro Hoosevelt?


-Sim – ele enrubesceu.


-Nossa... – a ruiva estava surpresa. – Não sabia que o Ministro tinha um filho americano.


-Minha mãe é americana e eu me criei lá, enquanto que meu pai trabalha aqui ela trabalha num jornal bruxo dos E.U.A.


-Legal... – foi só o que Gina conseguiu dizer, não acreditava que estava conversando com o filho do Ministro da Magia.


Rick estava encantado com ela, não parecia em nada com as garotas de seu país. Todas garotas que ele conhecia só queriam sair com ele por causa do seu pai, que era muito rico também.


-Você gostaria de ser meu par no Baile de Inverno? – ele foi direto ao assunto.


-C-claro! – Gina gaguejou.


-Ótimo! – ele exclamou, beijando a mão dela. – Espero me divertir muito nesse baile.


*-*-*-*-*-*-*


Hermione não acreditou que Draco estava ali, escutando toda a conversa deles, agora sim estava brava, e sentiu nojo ao lembrar-se do beijo que haviam dado.


-O que você faz aqui, Malfoy? – perguntou Harry, cerrando os punhos.


Draco sorria, com sua pose impassível de sempre, tinha escutado o que eles conversaram, pois havia seguido Hermione, achando que ela iria se encontrar com Harry.


-Eu estava passando por aqui e resolvi visitar o nosso professor – Draco disse, sem pensar.


-Que cara-de-pau! – exclamou Hermione, com raiva. – Você ia entregar o Hagrid e agora fala que veio visitá-lo? Conta outra!


Hagrid caminhou até a porta e parou entre eles, antes que Mione resolvesse partir para cima de Draco.


-Acho que está na hora de vocês irem dormir – ele disse, os empurrando para fora. – Amanhã vocês têm aula, devem descansar, boa noite!


Hagrid fechou a porta, sem deixa-los protestar. Malfoy já voltava para o castelo quando Hermione o puxou pelo braço.


-SEU IMBECIL! – ela soltava faíscas pelos olhos. – Você só queria brincar com meus sentimentos, não é?


-E se eu dissesse que sim? – Draco estava mentindo, gostava dela, mas não conseguia admitir isso.


-SEU... SEU IDIOTA, DEMENTE, DESGRAÇADO! – Hermione gritava, socando-o no peito.


Draco adorava vê-la brava, aliás, adorava ver qualquer um bravo. Ele segurou os braços dela e a puxou para perto. Mas, antes que o pior acontecesse, Harry o empurrou e ficou na frente de Hermione.


-O que você pensa que está fazendo? – perguntou Harry, com o ciúme o corroendo por dentro.


-Eu é que pergunto, Pottinho! – Draco o provocou, sorrindo maliciosamente.


Harry, vermelho de raiva, acertou um soco bem no meio da cara de Draco, e ele, por sua vez, acertou outro em Harry. E assim, os dois se engalfinharam no chão, esquecendo-se completamente do meio bruxo de brigar: duelando.


-PAREM! – Hermione estava desesperada, tentando separa-los. Quando ela viu sangue na grama, temeu que fosse de Harry, então empunhou a varinha e gritou, apontando para Draco. – Estupefaça!


Draco desmaiou, e Harry que estava em baixo dele, o empurrou, tentando se levantar.


-Harry! – Hermione correu e o ajudou a ficar de pé. – Você está ferido!


Saia sangue do supercilio e da boca dele, enquanto que apenas o nariz de Draco sangrava.


-Não é nada! – Harry se apoiou nela.


-Vamos! – ela e Harry entraram no castelo e foram para a ala hospitalar, deixando Draco jogado no chão.


*-*-*-*-*-*-*


-O que aconteceu? – Gina perguntou, entrando na enfermaria com seu mais novo amigo.


Harry estava deitado numa cama, e ao seu lado permanecia em pé Mione. Madame Pomfrey atendia um aluno mais afastado, ele tinha a mão em forma de um bule.


-Harry brigou com Draco – Hermione respondeu, olhando curiosa para Rick. – Como você soube que nós estávamos aqui?


-Eu vi da torre de astronomia. – Gina notou os olhares curiosos dos amigos. – Ah! Esse é Rick Hoosevelt, acabei de conhecê-lo.


-Prazer! – ele disse, sorrindo.


-Eu sou Hermione Granger e esse é Harry Potter – ela apontou para um Harry todo quebrado.


-Harry Potter? – Rick espantou-se. – O que matou o Lord das Trevas?


-Sim – ele respondeu, vermelho.


Gina puxou Hermione para um canto, deixando os dois conversando.


-Eu não acredito! – Mi sussurrou. – Você conseguiu ficar com ele?


-Não, mas ele me convidou para ir ao Baile de Inverno – Gina sorria, feliz da vida.


-SORTUDA! – Hermione exclamou, e Harry e Rick olharam para elas, intrigados.


-Elas são loucas ou o quê? – perguntou Rick, rindo.


-Você vai se acostumar com isso, elas são assim mesmo.


Harry achou-o legal. Apesar de ser filho do Ministro, Rick não era arrogante e nem esnobe, o que era um milagre. E Rick tambem gostou de ter conhecido o Potter pessoalmente, achava que ele fosse um convencido, mas estava enganado.


-Outro? – Madame Pomfrey perguntou, vendo Filch entrar na enfermaria com Draco. – O que houve com esses garotos?


Os quatro amigos riram da cara do Malfoy, ele estava todo sujo de grama, sem falar que estava no colo do zelador.


*-*-*-*-*-*-*


Depois de Harry estar curado, os amigos subiram para a sala comunal da Grifinória, e Rick foi junto, para eles conversarem mais um pouco.


-Vocês viram a cara dele? – Harry ria, sentando-se numa poltrona. A sala estava vazia.


-Nunca pensei que veria um Malfoy no colo de Filch... Huahuahuahua... – Mione se jogou ao lado dele.


Hermione e Harry riam e riam. Hermione porque tinha se vingado de Draco, que pensou que poderia brincar com ela e depois jogar fora. Harry porque vira o rival passar por palhaço na frente de Mione.


-Bem... Acho que vou dormir, estou com sono. – Rick bocejou. – Tchau para vocês, boa noite!


Gina suspirou ao vê-lo passar pelo quadro da mulher-gorda, estava completamente encantada.


-Ai ai... – ela subia as escadas. – Boa noite queridos!


Os dois nem notaram os amigos irem embora, ainda riam de Draco.


-Você viu quando ele ficou vermelho? – Mione perguntou, enxugando as lágrimas que saiam dos olhos, de tanto rir.


-Aham! – Harry notou que eles estavam sozinhos. – Er... Por que você perguntou para Draco se ele queria apenas brincar com seus sentimentos?


Mione imediatamente parou de rir. “E agora? Conto ou não conto? Ele é meu amigo e decerto vai entender...”


-Bem... – ela começou, sem encára-lo. – No primeiro dia de aula, Draco me beijou...


-O quê? – Harry não deixou Hermione terminar de falar, estava pasmo. – Você beijou aquele idiota?


-Na verdade foi ele que me beijou – Mione estava vermelha de vergonha.


-Isso não interessa, o que importa é que vocês se beijaram! – Harry estava indignado, “Como ela pode fazer isso? Como?”


-Eu sei que é difícil de acreditar, mas aconteceu, e eu me arrependo muito de ter deixado... Beijar aquele nojento não estava nos meus planos.


Ele não sabia o que fazer ou dizer, nunca poderia pensar que sua amiga (que agora já estava virando outra coisa) seria capaz de beijar Draco Malfoy, e o mesmo valia para a doninha, “O que será que Draco pretendia com isso?”


-Mas porque Draco te beijaria? – Harry perguntou, mas para si mesmo do que para Hermione.


-Quer dizer que ninguém pode me beijar a não ser que queira algo em troca? – falou ela, magoada. – Só porque eu não tenho um corpo como o da Cho não quer dizer que alguém não possa se interessar por mim.


Ele se arrependeu de ter perguntado essa besteira, pois Mione entendeu de outra maneira. Ao ver ela se levantar, furiosa e quase chorando, Harry tentou dizer alguma coisa, mas nada do que ele dissesse iria adiantar. Conhecia a amiga muito bem, e o melhor a ser feito era esperar ela esfriar a cabeça.


-Eu pensei que você fosse diferente depois do que houve no ano passado, mas estava completamente enganada – Hermione correu até a porta que dava na torre dos monitores-chefes e a abriu. – Você não passa de um convencido idiota.


Dizendo isso, ela foi embora, fechando a porta com um estrondo, deixando o amigo espantado com o ataque de fúria dela.


Depois de um certo tempo, Harry se recompos, praguejando enquanto subia as escadas para o dormitório. “Eu sou uma anta! Por que eu tinha que perguntar aquilo? Por quê?”


*-*-*-*-*-*-*


No dia seguinte, Hermione acordou com os olhos vermelhos de tanto chorar. Pensava que Harry a achava bonita, o pegara várias vezes olhando para o corpo dela, mas agora achava que era só imaginação dela. Levantou da cama e tomou um longo banho, era sábado e os alunos de Hogwarts teriam que mostrar Hogsmeade para os de Phoenix, e como Hermione era monitora-chefe, ela organizaria os grupos com Draco Malfoy, a pessoa que ela menos queria ver hoje.


Colocou uma calça jeans justa, uma camisa de gola vermelha e um casaco preto, o que a deixou muito bonita. Depois desceu para o salão principal, e lá encontrou com Gina, que parecia babar olhando para Rick, que estava sentado numa mesa improvisada por Dumbledore.


-Oi, Ginny! – Hermione falou, sentando-se ao lado dela. – Quer um babador?


A ruiva notou que parecia uma idiota, de boca aberta, observando Rick.


-Ai, que vergonha! – disse Gina, ruborizando. – Tava muito na cara que eu olhava para ele?


-Claro! – a outra riu. – Você parecia hipnotizada.


-É que eu nunca me senti assim por um garoto, acho que foi amor à primeira vista.


Hermione estava feliz pela amiga, que amava e era amada. Já Mione não sabia se amava Harry ou se o odiava, mas a primeira alternativa era a mais correta, pois foi só olhar para ele que estava sentado ao lado de Rony, que seu coração bateu mais forte.


*-*-*-*-*-*-*


Harry contara tudo o que aconteceu no dia anterior para Ron, no café da manhã, mas parecia que o amigo não tinha escutado, pois olhava para Luna a toda hora, e só confirmava com a cabeça quando ele perguntava alguma coisa.


-Rony? – ele chamou, pela décima vez. – RONY!


-Hã? – o ruivo levou um susto. – Que foi?


-E então? – Harry tentava manter a calma. – O que eu faço?


-Er... Sei lá! Convida ela para ir ao baile!


Harry adorou a idéia. Se ela aceitasse, ele poderia aproveitar a chance e dizer tudo o que estava entalado na garganta desde o verão anterior. Procurou por ela e a viu conversando com Gina. “É agora!”. Ele caminhou até elas e sentou-se na frente de Mione.


-Hermione... – ele chamou, a fazendo parar de conversar com a amiga.


Era como se o coração dela queressse saltar pela boca ao ouvir a voz dele. Se não fosse por Dumbledore começar a falar, ela poderia ter desmaiado.


-Hoje iremos à Hogsmeade – o diretor falava, em pé, com a Sra. Feeling ao seu lado. – E os monitores-chefes irão organizar grupos de alunos para irem à cidade, já que os estudantes de Phoenix não conhecem nada por aqui. – ele parou para tomar um gole de água. – Agora eu gostaria que todos os alunos formassem duas filas, de meninos e meninas, para que a Srta. Granger e o Sr. Malfoy possam separar os grupos.


Todos levantaram-se e formaram duas filas no meio do salão principal (inclusive os alunos de Hogwarts). Hermione e Draco se postaram na frente deles e começaram a organizar tudo, enquanto que os professores assistiam a tudo sentados na mesa dos professores.


-Você, você, você e você – Hermione apontava para as duas filas. – Esperem lá fora com a Srta. Brown, o Sr. Finnigan e a Srta. Parvati Patil.


E assim foi, os dois organizaram 49 grupos de alunos, mas faltava um, e Hermione teve que suportar a idéia de passar o dia ao lado de Harry (ela gostava dele, mas ainda estava magoada).


-Vocês quatro e a Srta. Weasley, o Sr. Potter, o Sr. Weasley, a Srta. Chang e a Srta. Lovegood venham comigo.


Harry ficou feliz por estar no mesmo grupo que Mione e seus amigos, teria a chance de falar com ela, para a convidar para irem ao baile juntos.


Os alunos de Phoenix que iam com eles eram Rick Hoosevelt (claro), Mary Smith, Alice Roberts e Fred Fortman. Eles caminhavam pelas ruas de Hogsmeade calmamente, Gina conversava com Rick e Alice, Ron com Luna e Mary, Hermione com Harry, Cho e Fred, que era muito bonito: loiro de olhos verdes e alto, e tinha um sorriso encantador, tanto que Harry já estava com ciúme.


-Qual carreira você vai seguir? – Cho perguntava à Fred, já com segundas intenções.


-Bem... Eu ainda não sei se quero ser jornalista ou auror.


Hermione tava de saco cheio de ouvir Chang dando em cima do coitado, tudo bem que ele era lindo, mas ninguém merece ficar ouvindo os papinhos chatos dela. Mione também notou que Harry parecia estar com ciúme, não falou nada desde que saíram do castelo, e constantemente olhava com cara feia para Fortman.


-Eu estou com sede... – Fred disse, com um olhar de “socorro” para Mione.


-Vomos até o Três Vassouras – ela falou – Vocês podem ir, depois a gente se encontra.


Os dois sumiram no meio da multidão, e Harry ficou ainda com mais raiva. Não tinha perguntado se ela gostaria de ser o par dele, e nem tinham se acertado. Harry sentiu alguém enlaçar um braço no seu e viu que era Cho (ela não perde tempo 0.o)


-Faz tempo que a gente não conversa, né? – disse ela, se esfregando nele.


-É... Nunca mais te vi, você andou sumida. – Harry não tava a fim de conversa, queria ir atrás de Mi, mas ia demorar para Cho largar dele.


*-*-*-*-*-*-*


Gina tinha gostado de Alice, que era tímida, mas muito legal. As duas e Rick conversavam alegremente, sentados na sorveteria, enquanto que o resto tinha ido ver as vitrines das lojas.


-Vocês já se conheciam? – a ruiva perguntou, tomando um gole do seu milk shake.


-Nós estudávamos na mesma sala – respondeu Alice. – Rick sempre foi um gênio, e eu pedia pra ele me ajudar com matemática, pois sou um desastre.


-Não é pra tanto – Rick sorria, deixando a ruiva encantada. – Até que você se dava bem com a matéria... Até! Hehehe...


Alice ficou vermelha, o considerava seu melhor amigo, e estava acostumada com as gracinhas dele. Percebeu que Gina estava apaixonada por ele, por isso inventou uma desculpa e deixou os dois sozinhos.


-Você é linda, sabia? – Rick colocou sua mão sobre a de Gina. – Estou louco para ir ao baile com você.


-Eu também – ela sentiu suas pernas tremerem. – Acho que vou me divertir muito nessa festa.


-Se depender de mim vai. – ele sorriu, malicioso.


*-*-*-*-*-*-*


Rony estava encantado com Luna, achava que ela fosse uma excêntrica, mas ela não era isso, pelo contrário, era tímida, e isso o fazia gostar mais e mais dela.


Seu coração batia forte quando Luna estava perto, não via mais nada a não ser ela, e tinham que o chamar mais de uma vez para que Ron percebesse que estavam falando com ele.


-Eu vou ali falar com a Alice, já volto – Mary cansou de falar com os dois e eles não darem bola, pois pareciam hipnotizados, e isso a deixava louca. Quando viu sua amiga achou melhor ir conversar com ela do que ter um monólogo com os dois.


-Olá, Alice! – ela disse, tocando no ombro da amiga.


-Oi – a outra respondeu, cabisbaixa. – Também te deixaram de lado?


-Aham – Mary apontou a mesa em que Rony e Luna estavam. – Eles não prestavam atenção em mim... Acho que está na hora de nós arranjarmos um namorado, que a situação tá crítica, huahuahuahua...


*-*-*-*-*-*-*


Hermione e Fred estavam sentados numa mesa no fundo do Três Vassouras, tomando cervejas amanteigadas.


-Aquela garota é uma atirada, né? – ele disse, rindo. – Não aguentava mais ouvi-la tagarelar no meu ouvido.


-É... – Hermione lembrou-se do que aconteceu no ano passado, e fechou a cara. – Ela se atira em cima de qualquer um que passa.


-Então eu sou qualquer um? – disse Fred, fingindo estar ofendido.


-Não, é que ... Bem, você me entendeu... Não entendeu?


-Eu entendi – ele riu do vermelhão dela.


Hermione gostou de Fred. Ele era engraçado, simpático e muito bonito, o que era uma raridade por ali. Conversando com ele, ela esqueceu da briga que tivera com Harry, e nem se lembrou de voltar e procurar os amigos.


-Sabe... – Fortman começou. – Você é a primeira amiga que eu faço aqui na Inglaterra...


-E você é o meu primeiro amigo dos Estados Unidos... – ela olhou para a porta do pub e seu sorriso foi por água abaixo. – Era só o que faltava!


Fred olhou para a mesma direção que ela e não entendeu a cara de aborrecimento de Hermione.


-O que houve? – ele perguntou, e quando ela abriu a boca para responder um garoto de cabelos platinados sentou-se ao lado dela.


-Olá, Granger! – Draco disse, lançando um olhar mortal para Fred. – Não vai me apresentar o seu amiguinho?


Na mesma hora, Hermione se arrependeu de ter entrado no Três Vassouras, se pudesse nem teria vindo ali.


-Este é Fred Fortman – falou, tentando esconder o seu desafeto pelo garoto que acabara de chegar. – E este do meu lado é o querido monitor-chefe de Hogwarts, Draco Malfoy.


-Prazer! – Fred estendeu a mão para cumprimentá-lo, mas Draco o ignorou completamente, e acabou pegando o seu copo para disfarçar.


-Fortman, você poderia sair para eu falar com a Granger? – Malfoy disse, ignorante.


-Claro...


-Que isso! – Hermione tinha a face vermelha de irritação. – Quem vai sair daqui é o Malfoy.


-Não precisa, eu falo com você depois, tchau.


Fred saiu do pub, odiando o garoto insolente que acabara de conhecer, mas como não queria causar problemas, foi embora para procurar os amigos de Phoenix.


-E então? – Mione perguntou a Draco, segurando-se para não pular no pescoço dele. – O que você queria falar comigo?


Ele tomou um gole da cerveja amanteigada intocada de Fred. Depois, olhou para ela maliciosamente, se aproximando mais.


-Eu quero que você seja meu par no Baile de Inverno. – disse, de uma só vez.


-QUÊ?! – Hermione levou um susto e quase caiu da cadeira. – Você “quer que eu seja seu par”? Me poupe, Malfoy, nem que eu fosse louca iria a festa com você.


Draco mantinha sua pose, e fingiu não notar os olhares curiosos de todos.


-Tudo bem, eu sei que você espera ir com o Potter, mas vá desistindo, porque eu ouvi a Chang dizer que iria convidá-lo.


O coração dela deu um salto. Como Draco poderia saber que ela esperava ser o par de Harry? E se o que ele disse era mesmo verdade, quer dizer que Hermione deu a chance perfeita de Cho pedir à ele, já que os deixou sozinhos.


-Pela sua cara de espanto, eu vejo que estava certo. – Draco riu da cara dela, sem deixar de ser irritante.


-Olha aqui, Malfoy! – ela se levantou, irada. – Você não tem nada que se meter na minha vida, o que eu faço ou deixo de fazer só diz respeito a mim! – ela virou as costas para ele. - Tchau, doninha!


Draco não deu bola para o último comentário dela, apenas disse, alto o suficiente para ela ouvir:


-Se você se arrepender, é só me procurar que o convite ainda está de pé.


*-*-*-*-*-*-*


Hermione saiu do pub pisando duro. Estava cansada das investidas de Draco, que a enojava. Ela não o entendia: num dia ele demonstrava interesse por ela, e no outro evidenciava a aversão que Mione sempre achou que Malfoy sentia por ela. Foi caminhando pelas ruas de Hogsmeade, pensando nesse assunto, e quando ouviu a voz de Cho perguntar o que ela tanto temia, Hermione saiu correndo, com a esperança de ter Harry como seu par no baile destruída. “Com certeza ele vai aceitar, e eu terei que ir sozinha...”


-Olá outra vez! – Draco a puxou pelo braço, e Hermione limpou a lágrima que teimava sair de seus olhos.


-O que você quer? – ela perguntou, ríspida.


-Calminha, Granger! – ele passou um braço pelo ombro dela e sussurrou. – Então você já pensou melhor sobre o meu pedido?


Hermione pensou por um instante: “Se Harry vai com a Cho, por que eu não posso ir com o Malfoy? E eu aproveitaria para tentar fazer ciúme nele...”


-Tudo bem – ela disse, tirando o braço dele de cima dela. – Eu aceito ir com você!


-Ótimo! – ele sorriu, vitorioso. – Mas olha só quem vem vindo aí...


Ela olhou para o trás e viu Harry e Cho vindo na direção deles, então respirou fundo e sorriu, relutante. “Eu vou mostrar para ele que eu também posso ser admirada pelos outros...”


-Oi, Mi! – ele disse, olhando feio para Draco. – O que ele quer? Está te aborrecendo?


-Não... – ela começou a andar. – Estávamos só concordando que já está na hora de todos voltarmos para Hogwarts.


Harry não entendeu e olhou para Draco, desconfiado, que apenas virou-se e foi embora,


-Vamos, Harry? – Cho perguntou, o puxando na mesma direção que fora Mione.


-Claro...


*-*-*-*-*-*-*


Quando todos já estavam acomodados, em seus lugares, as carruagens partiram rumo à Hogwarts. Na terceira carruagem, ia Hermione, Harry, Ron, Luna, Gina e Fred.


Durante o caminho, ninguém conversou: Gina e Fred trocavam olhares comprometedores, Ron e Luna suspiravam, Hermione olhava para a paisagem além da janela e Harry estava pensativo...“Será que eu não vou tomar coragem e pedir para ir com Mione no Baile de Inverno? Ou eu aceito o convite de Cho e vou com ela? O que eu faço? Oh dúvida cruel...”


*-*-*-*-*-*-*


N/A: Oie! Até que eu naum demorei pra postar o II cap. né? Bom, mas ele tá aki e, sinceramente, naum ficou do jeito q eu esperava, mas mesmo assim, comentem e me mandem e-mails, para eu saber c vcs estaum gostando e o q devo melhorar!!! Mto obrigada por lerem a fic... Vcs me deixam mto feliz!!!!!!!!!!!!


N/A2: E agora? O q será q Harry irá fazer? Será q ele vai tomar vergonha na cara e pedir à Hermione p/ ela ser o seu par? Ou ele irá com a Changalinha? As respostas para estas perguntas estaraum no próximo capítulo! Bjuxxx... Xauuuuuuuuuuuuu!



















































Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.