FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

14. O Incidente e o Acidente


Fic: •Casais Predestinados• Cap. 14 ON [Atualizada!. ]


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Cap. 14 - O incidente e o acidente

Já fazia um mês que Rony não estava mais com Hermione, ele não podia estar pior, suas notas caíram muito desde então e abdicou do time de Quadribol, porque estava indo muito mal. Ele de todas as formas tentara reatar com ela, mas não fora possível, ela não acreditava nele. Perdera sua amizade e acabara com o amor deles, estava acabado literalmente.
“Ai, meu Merlin. Por que eu fiz isso? Que droga” pensava Rony desolado.
Rony sempre tentava relembrar o que tinha acontecido de várias formas: mágica, truques, lembranças recentes, mas nunca sabia como estivera de manhã na cama de Rachel. Então, ele chegou à conclusão que a culpa era dele e de mais ninguém, que o jeito era seguir em frente sem Mione. Fora para o Salão Principal e encontrara Harry e Gina namorando e Mione sentada na frente deles comendo e no lado revistas sobre diversos assuntos de cada matéria.
Sentou-se ao lado de Hermione, esta nem olhou para a cara dele e saiu dali. Rony olhou para Harry e Gina que o retribuíram com um olhar reprovador. Ele sentiu-se mais triste ainda. Posicionou a cabeça em seus braços e chorou discretamente. Ficou ali por minutos.
Harry e Gina ficaram conversando e de esguelha olhava para Ron. Ele continuava a choramingar, quando ia sair de lá, chega Rachel e lhe dá um selinho.
- Olá, amor! – disse Rachel sentando ao lado dele.
- Não me chame de “meu amor” – murmurou Ron.
- Por quê?
- Por que não temos nada, está lembrada?
- Não percebi quando ficamos juntos, Ron – disse Rachel empalidecida.
- Você sabe que não temos nada e pronto! – disse Ron levantando-se para ir embora.
- Como pode afirmar isso com tanta certeza? – disse Rachel cheia de si.
- Eu tenho certeza que nunca trairia a Hermione e você sabe muito bem disso. – disse Ron
- Acho melhor você não acreditar muito em si mesmo. Olha o que aconteceu, você está sem ela e não tenho como acrescentar “aparentemente” antes. – disse Rachel não escondendo sua imensa felicidade.
- Mas não por muito tempo! – disse Ron retirando-se da mesa, mas dando tempo de ouvir Rachel dizendo: “Isso é o que veremos!”.

Hermione caminhava pelos corredores de Hogwarts entristecida, seu horário da semana tinha virado rotina total: acordar, tomar café, assistir aulas, conversar com seus amigos comendo no Salão Principal, estudar e ler diversos livros. Sentia saudades de Rony, mas não queria admitir para si mesma.
Andava decididamente distraída pelos corredores com os livros, portanto sofrera um baque tão grande que seus livros caíram de suas mãos e foram parar no chão úmido da escola. Um rapaz disponibilizou ajudá-la a pegar os livros e lhe devolveu, levantando-se para olhá-la.
- Ah... Seus... Livros... Mione?! – era Rony, seu ruivo.
- Obrigada! – disse Mione do jeito mais sem graça do mundo e partindo para a biblioteca.
Rony a seguiu cautelosamente. Hermione chega na biblioteca e estava bastante cheia. Pegara seus devidos livros e achara um lugar vago. Estava estudando concentrada e nem percebeu que Rony sentara no lugar vago em frente a ela. Ele ficava admirando-a a ler, ela percebeu e tentava continuar a ler, mas era impossível; a forma como ele a olhava a deixava sem graça. Sentiu suas bochechas corarem, para tentar controlar-se fora pegar um livro mais interessante que Hogwarts – A História porque esse já tinha lido várias vezes.
Procurava nas prateleiras e fingia que não via Rony aproximar-se. Ele fingia que procurava um livro, até que agarra Hermione e a beija calorosamente. No momento do beijo ela colocava suas mãos em sua nuca e acariciava seu cabelo, aquele cheiro dele era muito bom, fazia suas narinas quererem mais. Sentia-se muito bem nos braços do ruivinho, só depois de se sentir muito feliz é que sentiu o contrário. Antes de soltá-lo, ele sussurrou em seu ouvido:
- Mi, precisamos conversar. – disse Ron num tom insistente.
- Não precisamos. Você já me deixou bem claro isso. – disse Mione decidida a não escutá-lo.
- Eu só queria te perguntar se você acredita em mim!
- É claro que sim! – disse Mione sem pensar.
- Então, porque quando eu disse que não fiquei com a Rachel você não acreditou? – disse Ron enfatizando o não.
- É muito difícil acreditar em você, Ron. Por mais que eu tente! Toda vez que eu vejo você com ela me dá ciúmes, angústia. É pior do que te ver com a Lilá. Eu confiava em você, Ron. – disse Mione triste.
- Eu sei, Mione. Desculpe-me, mas você acha que eu também não fiquei louco de ciúmes quando te vi com Julian?! – disse Ron.
- Hum... é... Mas, é muito diferente! – disse Mione.
- Diferente? Só porque com você foi apenas um beijo e comigo provavelmente você acha que dormi com ela. Bom, pois eu te digo que nem sempre o que você acha é a razão de tudo. Só por causa de um beijo que acontecera foi o começo de tudo, o que mais eu não queria que estivesse acontecido.
- Rony, você é um idiota! Agora, a culpa é minha?! – disse Mione alterando a voz.
- É claro que sim! Pensou que eu faria o que você achava que eu iria fazer. Contudo, fiz o que fiz e agora acabou!
Hermione desabava a chorar, iam brigar mais uma vez após o rompimento deles.
- Você acha que eu não acreditei em você, ou seja, que não confio em você? – disse Mione.
- Se você acha que acreditar é isto, então eu não sei mais o que é acreditar e nem sei mais em quê e o quê acreditar – disse Ron nervoso.
- Eu te odeio, Ron. – disse Mione empurrando Rony e saindo dali chorando com os livros na mão.

Rony caminhava em direção ao Salão Comunal e encontra Harry e Gina conversando:
- Harry, você acha que Rony traiu a Mione?
- É claro que não, tudo obra daquele Rachel.
- A Mione me falou que ela o viu á noite com ela.
- Isso me deixa com dúvida, acho melhor perguntarmos pro Ron.
Ron aparece entre eles e sorri. Eles retribuem.
- E então, o que vocês estavam falando?
- Nada não, a gente nem conversa muito né Gina – disse Harry fingindo ter malicia.
- Vou para o meu quarto, cansei disso tudo. – disse Ron desabafando-se.
Ron dirige ao dormitório e adormece no mesmo instante.

Rachel falava com um garoto sextanista da Sonserina, Breno, este a olhava com admiração e desejo. Ela nem se importava com isso; para ela era apenas mais um objeto.
- Breno, muito obrigada pela sua ajuda. Depois vem a recompensa. Por enquanto, nosso próximo plano será incluído quando este de agora não sair como eu desejo. Layke, você está me entendendo? – disse Rachel arqueando as sobrancelhas.
- É claro, Rachel. – disse Breno feliz.
- Agora vamos para o lago. – disse Rachel.

Ron acordara horas depois, levantou-se, mas não saiu do quarto. Ficou contemplando o teto, o chão fixamente entediado. Entediado porque não tinha mais nada do que se preocupar, não tinha nada mesmo. Seu melhor amigo vai se casar com Gina e depois iriam se afastar dele para curtir a lua-de-mel, sua irmã ia voltar daqui a um ano quando seu sobrinho estivesse nascido para que Harry pudesse ir a luta com Voldmort sozinho. Sua Hermione, não era mais sua. Agora o peso que podia não sentir mais a palavra “Sua Hermione” o deixava revoltado. Queria voltar a ser como era antes, mas o fluido pensamento despencou quando uma coruja bateu as asas na janela.
Pegou a carta da coruja e leu o remetente: Artur Weasley.

Ronald,

Hoje como premiação que já faz bastante tempo que exerci meu cargo me deram um carro trouxa. Não é demais? Quero compartilhar com você. Encontro-te no Sagão de Entrada ás quatro da tarde, não tem como não dizer não. Até mais.
De seu pai, Artur Weasley.


Rony não ficara muito animado, mas fora se encontrar com o pai. Viu Hermione chorando perto dali e aproximou-se dela.
- Mione, por que você está chorando? – disse Ron já sabendo, mas perguntara mesmo assim.
- Como você é burro, por você! Mais uma vez por você. Cansei disso tudo! – disse Mione desabafando-se.
Ron levanta seu rosto, lágrimas dominavam o rosto de sua amada sem parar, um olhar entristecido, conhecia muito bem aquele olhar. Sentia tudo aquilo também.
- Não chore, Mione. Será que podemos conversar depois é que agora tenho um compromisso?
- Ron, já disse não temos mais nada para conversarmos – Mione já ia saindo de lá quando Rony a segurou pelo braço e a encarou cariosamente, tirando as lágrimas de seu rosto.
- Temos muito que conversar sim! Mas, agora já vou indo, estou atrasado para o meu compromisso. – dizendo isso, Ron deu um longo beijo na testa de Mione e saiu.

Hermione secara suas lágrimas e foi se encontrar com Harry e Gina no Salão Principal.
- Olá!
- Oi, Mione – disse Harry e Gina em uníssono.
- Tudo bem com você? – disse Gina com uma sincera preocupação.
- Ah, sim... Ótima e você? – disse Mione tentando afirmar pra os dois e principalmente para si mesma. – Eu só vim estudar aqui um pouco porque a biblioteca hoje está muito cheia, estou abarbada.
- Tudo bem, está ótimo. – disse Gina olhando-a com mais preocupação.
- Ela está tentando deixar tudo isso para trás, rezando para que consiga esconder todos seus ressentimentos o máximo possível, portanto, não quer nem contar para a melhor amiga. – alterando o tom da voz propositalmente com Harry, percebendo que Mione estava se afastando.
- Chega dessa história, Gina – disse Mione.
- Não, eu quero saber o que se passa nessa cabecinha. – disse Gina irritada.
- Tudo bem, vamos lá para o nosso dormitório.
Logo chegando no quarto, Mione conta para sua amiga suas dúvidas e sua vontade de não desconfiar de Rony, o que era meramente impossível.
- Mione, eis a questão: acreditar no Rony ou na Rachel?
- Eu não sei, os dois podem estar falando a verdade, como também podem estar mentindo.
- Isso que é dúvida. Oh, dúvida cruel! – disse Gina zombando-se da amiga que mantinha uma cara inexplicável.
- A minha razão fala pra eu seguir a Rachel, mas o meu coração para acreditar no Ronald.
- Você ama o meu irmão?
- Amo, é claro. – disse Mione raciocinando devagar.
- Hum... Você deve saber se ele te ama da mesma maneira que você! – disse Gina olhando o horizonte, pensando.
Mas, antes que elas chegassem a uma conclusão, Harry aparece entre elas agitado dizendo:
- Rony, sofreu um acidente. Vamos pegar um transporte.
Hermione chegara no hospital chorando, pedindo o diagnóstico para o médico:
- Como está os Weasleys, doutor? – disse Mione gaguejando de tanto chorar.
- Um apenas sofreu pequenos arranhões e o outro está em estado instável.
- Como assim? – disse Gina.
- Não se sabe ainda se ele vai reagir. Ele está num estado muito duvidoso, não sabemos se ele está vivo ainda ou morto. Temos que fazer alguns exames para ter absoluta razão se ele vai acordar.
- Eu sei, Doutor. Tem previsto para ele acordar?
- Por enquanto, não. Torçamos para que seja logo. – disse o Doutor tentando reconfortá-los com palavras.
- Será que podemos vê-lo Doutor? – disse Mione acalmando-se.
- Pode sim, apenas um por um. – disse o doutor olhando para eles para saber quem iria.
- Vá você, Mione – disse Gina chorando no ombro de Harry.
Mione entra no quarto e vê Rony dormindo serenamente, não se mexia, ficava flexível. Ela pensava nas coisas que pensara a respeito dele nesses últimos dias. “Eu já vi o Rony beijando a Rachel já, uma vez, melhor, já vira Rachel o beijando, dando em cima dele. Mas, na segunda vez foi diferente, ele a beijou ou ela talvez... Que seja! Os dois se beijaram e talvez não foi apenas isso, ele entrou na Sala Precisa com tanta animação e agarramento para cima dela que... Hermione para de pensar nessas coisas. Você realmente acredita nele? É claro! Mas eu vi... você o deixou se explicar? Não, mas como sempre ele vai negar para não discutirmos. Hermione o que você disse quando ele dizia coisas que simbolizavam que não tinham acontecido nada? Terminei com ele! Na hora, nem quis ouvir, mas nesse momento não vou poder escutá-lo, porque ele está nessa cama totalmente instável. E agora?! “
Ela deitando em sua cama, preparando-se para dormir ela pensava na sua grande ausência. “Ah! Rony, como eu sinto sua falta. Eu queria que nada disso estivesse acontecido também, pois assim ainda estaríamos juntos. Com Certeza!” Hermione pausou por um momento seu pensamento e levantou-se, andou devagar até a cama e apoiou sua mão na dele e sussurrou:
- Eu te amo tanto – subitamente começou a chorar de tanto desespero, encostou sua cabeça no ombro dele chorando.
O médico entra no quarto e pede que se retire. Ela se retira andando devagar ainda chorando e encontra Harry e Gina. Hermione pula no pescoço da amiga e começa a chorar mais ainda, trêmula.
- Ah... Gina... Ele está muito mal, não mexe e eu não posso fazer praticamente nada. Gina, eu o amo tanto seu irmão.
- Hermione, não se preocupe ele vai se recuperar. Vai dar tudo certo entre vocês. Nós temos que ir!– olhando para Mione sorrindo sinceramente diz bondosamente.
- Vamos, Hermione!
- É melhor irmos! Qualquer notícia ele vai nos dar.
- Está bem, vamos. – disse Mione dando-se por vencida.

Eles não voltaram para Hogwarts, ficaram na Toca esperando por notícias. Artur sofrera apenas alguns arranhões pelo seu corpo e teve alta antecipada, Rony estava já estava há uma semana naquele quarto sem melhoras. Mione já começara a ficar nervosa. Estava no quarto com Gina, Harry estava entediado e preocupado, então achara melhor dormir.
- Gina, quando ele vai acordar hein? Já faz dias que eu estou indo lá, sempre a mesma coisa. Não abre os olhos, não abre a boca. Não se mexe de jeito nenhum. Isso é revoltante! – disse Mione irritada.
- Calma cunhadinha! Ele vai acordar sim, talvez esteja cansado demais para agüentar a dura vida também né, ter uma namorada igual a você é melhor ficar dormindo – disse Gina zombando da amiga.
- Não brinque com isso, Gina. Este é um assunto sério. Deve ser tratado com amigos, familiar e com a... Namorada.
- Mas vocês já não terminaram? Você já não deu um belo fora nele e na Rachel?
- Terminamos sim. –disse Mione triste –Mas isso não impede de querê-lo de volta.
- Mas ele e Rachel? Você não os viu se beijando?
- Vi sim, mas com certeza foi igual à primeira vez. Ele não teve nada a ver. Preciso esclarecer tudo o mais breve possível. Você sabe, Gina... O meu amor por ele é maior que qualquer coisa. Ninguém vai conseguir nos separar. Eu te garanto, cunhadinha – Disse Mione numa felicidade instantânea.
- Você ainda quer continuar com meu irmão? Ficar com ele? - disse Gina transparecendo felicidade.
- Ficar? Ficar! Ficar com Rony? Ah, com Rony eu quero ficar, ser, estar, permanecer, parecer, continuar! Viver com ele! Não dá para viver sem ele! – disse Mione falando rápido demais e saindo uma lagríma incoerente nos olhos pelo rosto. Gina a olhou:
-Vem cá. –disse Gina estendendo os braços
As duas se abraçaram e aparecera Harry para que fossem jantar.

No jantar, nenhuma palavra foi dita entre eles. Todos pegavam suas comidas e só se ouvia o barulho dos talhares.
- Quando o seu carro vai estar pronto querido?- perguntou Molly tentando discutir o assunto do acidente.
- Amanhã. Alguém de vocês teve alguma notícia sobre o Rony? - disse Artur preocupado.
- Eu tive. Amanhã o doutor nós dará a resposta cedo, por enquanto, é só aguardar. – disse Harry sorridente.
Mione desabou em lagrímas e subiu para o quarto. Harry a acompanhou.
- Mione, o que você está fazendo?
- Arrumando as malas, quero estar com Rony quando ele acordar.
- Ah, Mione, você ama mesmo o Rony né? – disse admirando-a carinhosamente.
- Amo muito se você quer saber. – dizendo isto, aparatou.


Mione entrou no quarto e colocou suas coisas ao lado da cama de Rony. Pegara um livro e lia concentrada. Olhava para Rony ás vezes e rezava para que acordasse logo. ”O seu amor pode estar mais perto do que você pensa... Olhava para Rony. ” Se não o encontrou, você é pateticamente cega” olhava para Rony e rezava. Adormeceu com o livro na mão com a alguma felicidade que restava em si.
Hermione acordara dez da manhã, com uma enfermeira examinando-o, sabendo que não ia dormir novamente, foi ler outro livro.
“Aquele seu amor se tornará o amor de sua vida e começara a olhar de uma forma diferente e dirá que te ama” olhava para Rony desconsolada rezando mentalmente.
Hermione deitou-se na cama com Rony e pensara de uma forma feliz. Fecha os olhos e coloca a sua mão na dele. Vê lucidamente algo se mexendo entre ela e olha para sua mão...Era a dele, olha para Rony e sorri.
- Oi, meu amor...Ops... Mione – disse ainda meio zonzo, mas feliz por ter acordado e ver Hermione ao seu lado.
- Oi, Rony. Como você está? – disse Hermione timidamente, demonstrando felicidade.
- Eu vou bem. Descansado o bastante, parece que eu durmi a vida inteira. –disse Rony reclamando com tom de deboche.
- Exagerado. Vejo que já voltou ao normal. – Hermione pausou e continou a dizer. – Senti sua falta. – disse Hermione abaixando a cabeça.
- Também senti e ainda sinto. Mas, olha...Você sabe que eu sempre fui assim quando namorávamos... – disse Rony ficando triste, relembrando-se do passado.
- Namorávamos, não Rony –disse Mione feliz, deixando um suspense no ar. – ao contrário, estamos namorando é o jeito mais certo. Quando estamos namorando - acrescentou Mione percebendo a cara de abobalhado dele.
- Nós terminamos, quer dizer, VOCÊ terminou comigo. – disse Rony meramente arrasado.
- Precisamos conversar. O que houve na festa foi um grande erro que cometi, eu não devia ter beijado Julian. Eu me arrependo gravemente por isso, mas você me vingou beijando a Rachel – disse Mione irritada.
- Eu não beijei a Rachel, eu nunca faria isso. Nunca a beijaria. – disse Rony sério.
- Mas eu vi você beijando, Ron. Você vai negar?
Hermione olha para Ron e o vê abrindo a boca e fechando várias vezes tentando responder.
- Você vai negar que esteve com ela á noite?
Ron, enfim respondeu.
- Não! – disse Ron abaixando a cabeça não a encarando, derrotado.
- Eu sabia! Você me traiu. – disse Mione desabando em lagrímas, o seu autocontrole extravassou rapidamente. Suas pernas e braços estavam trêmulos e sua boca se mexia freneticamente.
Não! – disse Rony alterando a voz, desesperado. - EU NUNCA TE TRAÍ, NUNCA TE TRAIRIA. COM NENHUMA. EU TE AMO! AMO-TE, MIONE!
Por que você esteve com ela, então Rony? – disse Hermione chorando cada vez mais. Não entendendo a situação.
- Eu não me lembro de estar com ela, só me lembro acordado na cama dela. – disse Ron se contorcendo de tanto chorar.
Hermione ouviu essas palavras e chorava cada vez mais. Agora sua face era de puro ódio daquela que o roubou.
- Você não acredita em mim? Não acredita que não tenho nada com Rachel? –disse Ron chorando desesperado. Dizer o quanto você significa pra mim não vale nada para você? Será que as minhas palavras não são o bastante para que você acredite em mim? Você tem que acreditar em mim, Mione. Eu não sou capaz de te magoar. Eu sei que não te mereço, mas eu quero provar que posso te fazer feliz. – disse Rony desesperado, chegando o mais perto de cair da cama.
Ron a olhou e via tristeza nos seus olhos. Mione olha para ele, chorando. Ela encaminha-se para a porta do quarto, mas quando vai sair do quarto Ron a olha a impedindo pelo braço.
- Você perdeu a confiança em mim? Você não me ama mais? – disse Ron chorando e segurando Mione com força, apesar de sua mão estar tremendo.
- Ron, você está me machucando. Deixa-me em paz.
- Não vou te deixar em paz enquanto dizer que não me ama. Assim pode ficar livre de mim.
- Eu não te amo – disse Mione não o encarando.
- Assim não! Olha nos meus olhos e diga que não me ama.
Hermione o encara com lagrimas nos olhos fixamente, depois finalmente responde.
- Eu não consigo. Eu te amo tanto. – disse Mione definitivamente o olhando admirada. Aproximando dele e o beijando carinhosamente. Pode sentir lagrímas quentes de Rony caindo em seu rosto. Ela o abraça e diz em sussurro no ouvido dele: “Eu confio inteiramente em você”.
- Vou levantar-me daqui. – disse Ron indo a direção ao sofá mais próximo e sentando-se. Mione senta no outro sofá ao lado de Rony. Ele coloca sua mão sob a mão dela e sorri.
- Você é a única amiga verdadeira que eu tive e agora é minha namorada. Seremos confidentes para sempre.
- Concordo plenamente com você, Ron. - disse Mione apoiando-o, rindo da frase do namorado.
- Hey... Há quanto tempo fiquei no hospital?
- Sete dias.
- Agora faz exatamente um mês e sete dias que estou sem você e o quadribol. Isso para mim é um inferno. – disse Ron razoalmente entristecido.
- Você saiu do Quadribol, Ron? Mas como? E Por quê? Você ama o quadribol!
- Mas é claro que sim, sem você minha vida não faz sentido algum. – disse Ron fazendo charme.
- Ah, Ron. E agora? – disse Mione o repreendendo.
- Tudo bem, o time está bem sem mim, até ficou muito bom. – disse sorrindo falsamente.
-Você volta, eu sei que volta. Você não ficar um minuto sem jogar Quadribol. – disse Hermione olhando para Rony dando um selinho.
- Estou gostando desse seu jeito tão observador, Hermione – disse rindo.
- Então, agora fico mais aliviada. –disse Hermione entrando na brincadeira.
- Como você está, Mione?
- Eu estou bem, você sabe que sou uma aluna dedicada, mas não fui hoje. Tomara que não tenha passado nada muito importante. - disse Mione feliz.
- Ah, é?! Ninguém percebeu que você é uma aluna dedicada apenas à escola inteira.
- Seu bobo – disse Hermione rindo dando outro selinho.
- Tudo bem, eu estou acostumado. Mas agora temos que nos divertimos mais, tirando em ir á festas desconhecidas.
- Claro, Ron. - disse sorrindo acanhada.
- Onde estão Harry e Gina?
- Eles já devem estar chegando, mas quando não chegam... – disse Mione aproximando de Rony e o beijando. -Estava com saudades do seu beijo. – disse Mione aparentemente envergonhada.
- Eu também – e a beija apaixonadamente puxando-a pra si. Abraçam-se e ficam-se movimentando conforme um ritmo de dança parada.
- Que bom que você está aqui comigo! – disse Ron sorrindo acanhadamente.
- Também acho. – e o beija.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.