FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

4. O novo hóspede da Toca.


Fic: O Mistério dos Sonhos.


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Image Hosted by ImageShack.us



Capítulo 4 - O novo hóspede da Toca.

A fumaça ainda estava presente, embora não fosse muito densa.
Todos ali estavam surpresos, e olhavam abobadamente um para o outro. Afinal, nenhum deles havia imaginado passar por tal situação.
- SE AFASTA DELA MALFOY! - Ron ordenou, vermelho de fúria.
- Calm... Calma Ron. - Hermione pediu.
- ANDA MALFOY! SAI DE PERTO DELA! ANTES QUE EU ACABE COM VOCÊ!!!
- Ron... Eu...
- Quero ver você tentar. - provocou Malfoy.
Ron não esperou um minuto sequer, para tentar avançar em Malfoy. Porém, ele foi detido pelos braços do pai.
- ACALME-SE RON! Deixe Hermione falar. - disse o Sr. Weasley.
Ron continuou se debatendo nos braços do pai por alguns instantes, mas logo parou, encarando a castanha.
O Sr. Weasley também olhou para a menina, que parecia um tanto confusa e nervosa.
Ela ainda observava a fumaça baixar, e tentava desesperadamente processar as últimas informações. Era muita coisa para a pobre garota.
Em apenas um dia... Seu inimigo aparecerá do nada em seu bairro... Ela o levou para casa... Conversou como ele... Apresentou-o aos seus pais... Lhe ofereceu estadia... Lhe ofereceu ajuda! E ainda, após acordar no meio da madrugada, devido aos seus pesadelos... Ela quase o beijará!
"Quase beijei Malfoy?" , a menina pensou e sacudiu a cabeça, afastando o pensamento. "Ok, Hermione! Se concentra! Malfoy está do seu lado sem camisa e... Isso não ajuda muito!" , ela pensou, olhando o loiro rapidamente.
"O QUE EU TÔ PENSANDO?! Está louca Hermione?! O Sr. Weasley e o Ron estão na sua sala, vendo o Malfoy do seu lado... E você decidi reparar que o ... IMPRESTÁVEL TÁ SEM CAMISA?! PENSA! PENSA!"
- Mione?! Está tudo bem? - a voz do Sr. Granger invadiu a sala, junto com a luz, que a Sra. Granger acabará de acender.
Todo o cenário ficou visível. E uma nova onda de confusão se instalou, antes mesmo que a primeira se resolvesse.
- SR. WEASLEY? RONY? - exclamou atordoado.
- Pai... Mãe... Eu...
- Me desculpe a invasão. - o Sr. Weasley disse se aproximando da escada e esticando a mão ao Sr. Granger. - É um prazer revê-lo. Espero não estar incomodando. - disse apertando a mão do ancião.
Ron aproveitou o afastamento do pai , para ir até Hermione. Ele a pegou pelo braço, sem fazer força, e a afastou do loiro, que apenas sorria marotamente.
- Você está bem? - ele sussurrou para garota, sem retirar os olhos de Malfoy.
- Estou. Não se preocupe. - ela disse calmamente, olhando com ternura para o menino.
- Decidimos vir de madrugada, porque seria mais seguro. - explicava o Sr. Weasley, enquanto o Sr. e a Sra. Granger se sentavam.
- Mais seguro? Por quê? - o Sr. Granger perguntou.
- Bem...
- Porque assim os outros não nos vêem papai. - Hermione interrompeu o Sr. Weasley desesperadamente.
Este a encarou, mas não desmentiu a garota. Acreditava que ela tinha os seus motivos.
- Mas... Vocês não iam pela chaminé? - perguntou a Sra. Granger. - Como é mesmo querida? Pó - de - Flu? - arriscou a senhora.
Hermione ficou sem saber o que dizer. Estava sem explicações. Eles não podiam saber.
- Não, não! Nós iremos aparatar! - disse o Sr. Weasley salvando a castanha. - Só não vim dessa forma, porque meu "querido" filho, reprovou no teste do ano passado. E eu não tive coragem de trazê-lo. Acabei de acordar. Ainda estava meio sonolento. Era capaz de eu deixar uma parte dele para cada lado. - o Sr. Weasley sorriu divertido.
"Não seria uma má idéia", pensou Draco com um largo sorriso.
- Entretanto, estou melhor agora. E Hermione é muito esperta... Passou no teste. Pode ir sozinha, não pode querida?
- Ahhh... Claro que sim. - Hermione pronunciou-se. - Posso levar o Ron também se quiser, Sr. Weasley. - ela sorriu, agradecendo silenciosamente o ruivo.
- E quem irá levar Draco? - o Sr. Granger perguntou subitamente.
- Como assim? - Ron exclamou em tom audivel.
Hermione agarrou o seu braço e o encarou, pedindo silêncio.
- Acho que ele não irá, meu bem. - a Sra. Granger sussurrou. - Não lembra do que Mione disse. Ron e ele não se dão muito bem.
- Ele irá conosco sim. - o Sr. Weasley quebrou o silêncio.
- Irá?! - Ron exclamou mais uma vez inevitavelmente. E pode sentir os dedos de Hermione pressionarem o seu pulso.
- Não sabia que estaria aqui, mas... Agora. Não custa nada levá-lo conosco. - o Sr. Weasley sorriu de maneira peculiar.
Malfoy sabia exatamente porquê. Ele achava que havia o capturado. Entretanto, o loiro não achou graça disso. Ele próprio se perguntava se isso não havia acontecido?
Vendo os dois Weasley ali, ele se lembrava do quanto Hermione e ele eram diferentes. E distantes. Se perguntava se estava fazendo a coisa certa? Se devia mesmo confiar nela?
- Devemos ir logo. - disse o Sr. Weasley.
- Ahhh... Tome pelo menos alguma coisa conosco. Me sentiria muito desgostosa sendo tão má anfitriã. - disse a Sra. Granger, com sua costumeira gentileza.
- É! Beba algo conosco, enquanto as crianças se arrumam.
- Ok... Não farei desfeita. Além disso, há muito não conversamos. - o Sr. Weasley finalizou animadamente.
- Hermione... Suba com Draco para arrumar suas malas. - a Sra. Granger dirigiu-se a menina. - Leve Ron, com você. Estaremos na cozinha.
Os três adultos se retiraram da sala, deixando apenas o som de suas altas vozes, que iam sumindo com a distância.
Ron virou-se rapidamente para Malfoy, que o encarou com raiva.
- Ron! Espere, por favor! - Hermione exclamou, segurando o braço do rapaz.
Ele a encarou.
- Hermione... Será que você pode me explicar o que tá acontecendo aqui?! - ele perguntou com um misto de fúria e magoa.
Malfoy mal abrirá a boca para fazer uma de suas piadinhas, e Hermione o interrompera.
- Malfoy... Você sabe onde fica o seu quarto. Suba para arrumar suas malas. Quero falar com Rony. - ela disse ligeiramente embaraçada.
- Achei que viria junto. Preciso falar com você. - disse naturalmente, fazendo com o ruivo ficasse ainda mais nervoso.
- Suba Malfoy. - ordenou Hermione. - Falo com você daqui a pouco.
Ele a olhou emburrado. Como uma criança de cinco anos, que acaba de ser mandada para o quarto de castigo.
Entretanto, ao se aproximar de Ron, sua expressão mudou rapidamente. Seu olhar se tornou raivoso, e em seus lábios, surgiu um sorriso malicioso.
- Não demore. - ele sussurrou ao pé do ouvido da menina. E Ron, quase tentara o atacar novamente.
- Não ligue! - ela disse detendo-o, enquanto o loiro subia com um sorriso vitorioso.
Rony a encarou com amargura, vendo o garoto subir as escadas. E então se afastou com hostilidade.
- É claro que eu não deveria me importar! UM DOS SERES MAIS DEPRESIVÉIS DA FACE DA TERRA ESTÁ NA CASA DA MENINA QUE EU... DA MINHA MELHOR AMIGA! E ELA AINDA O DEFENDE! PORQUE EU DEVERIA LIGAR, NÃO É MESMO?! - exclamou com raiva.
Hermione o observou, sem dizer uma única palavra. Nunca o virá daquele jeito.
Ele se virou para ela, percebendo sua surpresa. Respirou, tentando se acalmar. E então encarou a garota.
- O que... O que aconteceu, Mione?
A castanha abaixou a cabeça, envergonha com o tom de magoa que sentira na voz do amigo. Respirou fundo... Procurando forças. E logo foi em direção a ele... Na esperança de poder explicar.
- Ron... Eu... Eu sei que pode ser difícil de acreditar, mas... Eu... Eu pretendo... Pretendo ajudar Malfoy. - ela finalizou quase sem voz.
- O QUE?! POR QUÊ?!
- Porque ele me pediu. - ela disse confiante. - Me contou tudo o que aconteceu. Ele não teve escolha! Precisa de ajuda.
- HERMIONE... É O MALFOY!!!
- Eu sei. - ela disse baixinho.
- NÃO PODEMOS CONFIAR NELE!
- Por que não?! Estávamos errados a respeito de Snape... Achávamos que era fiel... E nos enganamos. Por que Malfoy não pode ser o mesmo caso... Só que ao contrário?!
- EU NUNCA CONFIEI EM SNAPE! VOCÊ CONFIOU! VOCÊ ERROU! NÃO EU!
- OK! MAS, VOCÊ CRIOU COMO BICHINHO DE ESTIMAÇÃO UM CARA QUERIA DECEPAR A CABEÇA DO HARRY! E ISSO LHE DÁ TANTO DIREITO DE JULGAR QUANTO EU!
- ERA DIFERENTE!
- NÃO, NÃO ERA! VOCÊ NÃO SABIA PORQUÊ DESCONFIAR... E EU NÃO SEI PORQUÊ CONFIAR! Mas... Vou mesmo assim. - ela finalizou, num quase sussurro.
Ele a encarou com a face confusa e magoada.
- Por que está fazendo isso? O que ele fez com você, Mione?
A menina sorriu com ternura, vendo a preocupação do ruivo.
- Ele não fez nada a mim, Ron. E se quer saber... Ainda nem confio nele. Mas... Ele não tem ninguém... Não tem rumo algum. Precisa de ajuda. E tenho certeza que Dumbledore ficaria feliz se viesse de nós... E não dos outros.
O menino a olhou, ainda confuso, porém um tanto mais calmo.
- Nós não podemos confiar nele, Mione. Quase matou Dumbledore. Foi responsável pelo ataque a escola. É um Malfoy! Não posso confiar nele...
Hermione tocou os ombros do garoto, evitando que ele continuasse.
- Então, confie em mim. - ela disse mirando os olhos azuis do rapaz.
Este ainda se encontrava em interrogativa, e não sabia ao certo o que dizer.
Olhou para menina a procura de respostas, mas encontrou apenas um sorriso. Um sorriso que o calou completamente.
- Vou subir. - Hermione disse, aproveitando a calmaria. - Não conte nada a seu pai. Prefiro falar com todos ao mesmo tempo. - disse ela indo em direção as escadas.
O menino a seguiu apressadamente.
- Vou com você. Não quero ele sozinho com você. Pode ser perigoso.
- Não se preocupe Ron. Ele passou o dia todo comigo. Se fosse para fazer alguma coisa, já teria feito. - ela disse sorrindo. - Além do mais... Prefiro falar com ele a sós. Não quero ver vocês dois brigando.
- Não acredito que está mesmo defendendo Malfoy! - disse ao mesmo tempo que irônico, zangado.
- Não acredito que está mesmo com ciúmes do Malfoy! - ela disse em um tom zombeteiro, deixando o menino vermelho.
Entretanto, ao notar suas próprias palavras ela também ruborizou. E o silêncio tomou conta da situação.
- Eu vou subir. - ela disse, abaixando a cabeça envergonhada. - Seu pai está com pressa.
- Não demore. - o ruivo disse, enquanto observava a menina subir as escadas.
Ela chegou no corredor, e adentrou no quarto de hospedes, sem ao menos bater na porta.
O loiro estava sentado em sua cama amarrando os sapatos.
- Não bate não, Granger? - questionou sarcástico. - Aposto que esperava me ver mais à vontade.
- Me poupe Malfoy. Não temos tempo para brincadeirinhas. - ela disse zangada, se aproximando do loiro. Que já se encontrava de pé.
- Entendo... - ele meditou. - Seu namoradinho chegou para acabar com a nossa diversão.
- Ora, Malfoy! Pare com a palhaçada! Ron não é meu namorado e... Quem disse que estávamos nos divertindo?! - ela perguntou zangada.
- Bem... - ele dizia, enquanto se aproximava perigosamente. - Íamos começar a nos divertir no momento em que ele chegou.
Hermione atingiu um tom rosado, com a vergonha que sentiu ao se lembrar da cena a qual Malfoy se referia.
Abaixou a cabeça evitando o profundo olhar que o sonserino lhe lançava.
- Não sei do que está falando. - ela disse se afastando do rapaz. - Não íamos fazer nada! Absolutamente nada! - ela finalizou, dando as costas para ele.
Ele a encarou divertido, deu alguns passos em direção a ela, se aproximando e afastando os cabelos da menina do pescoço.
- Tem razão Granger... - ele sussurrou em seu ouvido, causando na menina, arrepios involuntários. - Eu só estava brincando mais uma vez. - Então ele se afastou, voltando ao seu tom hostil de voz. - Estava apenas me divertindo! Afinal de contas, você ainda é uma sangue-ruim! E eu nunca... Beijaria uma sangue-ruim. - ele disse, como se fosse tudo muito engraçado.
Ela se virou para encará-lo, com raiva. Era muita humilhação.
- Pois, isso me dá ainda mais orgulho e felicidade em ser uma. - disse com determinação, e rancor. - Nunca serei vítima desse veneno, que as pessoas insistem em acreditar que é saliva.
Malfoy abriu a boca para dar uma resposta do mesmo nível da castanha, mas ela não permitiu.
- E não ouse a retrucar! Pois, caso não se lembre... É a sangue-ruim aqui que tá te ajudando! Então... Vamos baixando o narizinho. - ela terminou em tom de estresse.
Ele a encarou com um misto de raiva e vergonha. Porém, não se atreveu a rebater. Apenas resmungou.
- Não sei porquê me rebaixo a tanto. - disse com a cabeça baixa, em um muxoxo audível.
- Você está no fim do poço Malfoy. Mais para baixo impossível. - ela ironizou.
- Foi para isso que veio Granger? - ele perguntou com azedume, sentando se na cama novamente.
- Não... Não foi. - o encarou seriamente. - Temos que resolver uns assuntos antes de partimos, não é mesmo?
- Como o quê? - ele perguntou desinteressado. - Achei que tinha dito para fazermos as coisas por impulso. - ele disse maliciosamente.
- Agir sem pensar é burrice. - ela disse, fingindo não compreender ao que o loiro se referia. - Temos que agir com base em planos. É assim que as coisas funcionam.
- E você já tem esses planos?
- Bem... Basicamente sim. - ela disse, mirando-o. - Você dirá que veio me pedir ajuda.
- COMO É QUE É?! - ele exclamou, pondo-se de pé.
- Olha o narizinho... Abaixa ele, vai!
Ele a encarou com desdém, devido ao tom zombeteiro da menina. Porém, sentou-se novamente.
- Por que tenho que dizer isso? - perguntou emburrado.
- Lhe dará um ar de arrependimento. Além de glorificar o seu caráter. - ela disse, sentando-se ao lado do loiro. - Afinal, você é um Malfoy e eu sou uma sangue-ruim...
O loiro sentiu algo descer-lhe rasgando pela garganta. As palavras saindo da boca dela, pareciam tão duras e frias. Ele não sabia o porquê, mas elas lhe atingiam de alguma forma.
- ... e você vir me pedir ajuda, é prova de que mudou de alguma maneira. Faria com que acreditassem que além de arrependido, está disposto a mudar. – continuou naturalmente, sem notar qualquer efeito no rapaz. - Depois de dizer isso, irá contar à história que contou a mim. Sem omitir nenhum detalhe. - ela alertou. - Fale como e porquê tudo aconteceu. Se eles tiverem perguntas... Responda. E não fique nervoso! Aja naturalmente. Passe confiança a eles. - aconselhou. - O resto... Deixa comigo.
Draco distraiu-se por um momento, viajando em seus próprios pensamentos.
Se perguntava o quão grosseiro poderia ser, para fazer piadinhas da menina, mesmo vendo o esforço, que esta, fazia para ajudá-lo.
"Sou mesmo um idiota.", pensou consigo.
- Bem... Vou arrumar minha mala. - a menina disse, ignorando a viagem e o silêncio do garoto. - O Sr. Weasley está nos esperando. - disse se levantando.
- Acha que vai dar certo? - disse Draco, acordando repentinamente.
- Bem... - a menina o mirou. - Tentaremos ao máximo. - ela sorriu.
Malfoy não sabia ao certo porquê, mas se sentira bem com aquilo. Se sentirá... Querido.
- Obrigado. - ele disse sinceramente.
A menina sorriu em resposta, e se dirigiu à porta.
- Tenho que ir. - disse, abrindo-a.
- Hey, espere um pouco. - o loiro exclamou, a seguindo para fora do quarto. - Sabe... Agora que eu te observei... Assim, toda zangada... - ele dizia pausadamente, com um sorriso maroto nos lábios. - ... Vestindo essa camisola... - a menina fechou o robe rapidamente. - Eu acho melhor tomar cuidado.
- Com o quê?! - ela perguntou assustada.
- Bem... Pode ser que da próxima vez... - ele se aproximou. - Eu leve aquela brincadeira mais a sério. - sussurrou ao ouvido da menina.
Hermione se afastou apressadamente do garoto, e pôs- se em direção ao seu quarto em passos rápidos.
- SOU UMA SANGUE-RUIM MALFOY! NUNCA SE ESQUEÇA DISSO! - ela exclamou, sem voltar a mirá-lo. Acreditando que suas palavras fariam o menino mudar de idéia.
Draco apenas ria, enquanto a via partir.
"Foi à última vez... Não vou mais judiar dela." , pensou. "É que... Não deu para resistir." , ele riu sozinho.

Se passaram alguns minutos e, Malfoy e Hermione apareceram ao pé da escada. Somente Ron os esperava.
Hermione desceu apressadamente, distanciando-se de Draco e se aproximando de Ron.
- Eu já falei com ele. Por favor, não se exalte. - ela sussurrou para o ruivo.
Ele encarou Malfoy por um instante, e depois tomou rumo à cozinha.
- Vou chamar meu pai. - ele disse emburrado.
A castanha virou-se para Draco, que a encarava risonho.
- O que é? - perguntou curiosa.
- Você manda mesmo no Weasley pobretão, não é? - riu-se o loiro.
- Cala a boca, Malfoy! - ela exclamou em baixo tom. - Não quero ver você comprando briga com o Ron, entendeu? Nem com ele, nem com ninguém. - ordenou a menina.
- Ok. - concordou, ainda rindo. - Não vou comprar. Mas... Se eles quiserem. O que eu vou poder fazer?
Hermione abriu a boca para retrucar, mas antes que pudesse se pronunciar, todos retornaram a sala.
- Bem... Acho melhor parar de incomodá-los. - disse o Sr. Weasley, adentrando na sala. - Se todos estiverem prontos, podemos ir.
- Ora... Mas, não foi incomodo nenhum. Deveriam vir mais vezes. Com mais tempo. - disse a Sra. Granger.
- É verdade. Venha nos visitar em outra ocasião... Traga sua esposa. - completou o Sr. Granger.
- Fico muito grato com o convite. Tenho certeza que Molly ficará animada. - ele sorriu. - Mas, agora, infelizmente temos que ir. Foi um prazer visitá-los. - disse apertando a mão do Sr. Granger, e em seguida beijando a face da Sra. Granger.
- Estão todos prontos? - o ruivo perguntou, se virando para os garotos.
Hermione se afastou dos meninos, indo apressadamente até os seus pais. Os encarou por um breve momento antes de lhes aplicar um forte abraço.
Queria senti-los e vê-los como nunca havia feito antes. Pois, não tinha idéia... De quando o faria de novo.
- Eu amo vocês. - ela disse, ao soltá-los do abraço, observando-os com seus olhos castanhos, marejados de lágrimas.
- Ora, nós também te amamos querida. - exclamou com ternura o pai.
- Ficaremos a sua espera o ano todo, minha menina. - sorriu carinhosamente a mãe.
- Sentirei saudade. - a menina disse, prendendo o choro.
- Não fique assim. - a mãe a abraçou. - É o seu último ano... Aproveite. - a mulher sorriu.
E assim, arrancou um sorriso à menina também. Que logo após um novo longo abraço, se distanciou dos pais, indo em direção ao próprio malão.
- Até mais, Sr. e Sra. Granger. - disse Ron estendendo a mão ao casal.
- Venha sempre que quiser meu garoto. - sorriu o Sr. Granger.
Ron recebeu um abraço da Sra. Granger, e logo depois foi até Hermione.
- Draco! Foi muito bom hospedá-lo aqui em casa. - a mulher dizia, enquanto o abraçava. - Espero que venha mais vezes. Será sempre bem vindo.
- Obrigado, Sra. Granger. Sou muito grato pela gentileza com que me recebeu. Espero não ter incomodado. - ele disse gentilmente.
"Oh, Deus! Como é falso!" , Hermione pensou com um sorriso.
- De maneira nenhuma. - negou a Sra. Granger.
Malfoy sorriu.
- Até mais Sr. Granger. - o garoto esticou a mão para o homem.
- Até mais Draco. - o Sr. Granger sorriu, apertando a mão do loiro.
Logo estavam todos em posição.
Hermione estava entre Malfoy e Ron, enquanto o Sr. Weasley ficava de olho no loiro.
Eles se deram as mãos, e Draco automaticamente fez careta para Hermione, ao pegar a mão do Sr.Weasley. A menina o repreendeu com olhar.
- Obrigado por tudo e até mais. - o Sr. Weasley despediu-se, antes de pronunciar o feitiço.
Hermione encarou os pais uma última vez. Sentindo um aperto no peito... Uma dor muito forte.
- Adeus. - ela disse a si mesma, quando sentiu-se corpo sair do lugar, e as faces de seus pais desapareceram.
Tudo ficou escuro.

Eles se sentiram como sugados por um cano, moviam se para todas as direções. E ainda sim, se sentiam comprimidos.
Não demorou muito e a luz voltou... Estavam na Toca.
Todos os Weasley se encontravam na cozinha esperando por eles. Cada um possuía um sorriso particular. Entretanto, todos eles desapareceram, ao perceberem a presença do mais novo dos Malfoy.
Gui e Carlinhos se mostravam curiosos, embora sem muita expressão. Enquanto, os gêmeos, ao mesmo tempo em que surpresos, riam das possíveis armadilhas em que o loiro cairia. Gina levara a mão à boca, em uma expressão surpresa. E comprimira uma exclamação, enquanto encrava Ron, a procura de respostas... Que não vieram.
De todos, a Sra. Weasley era a mais difícil de descrever. Parecia surpresa sim... Mas, não demonstrava medo, raiva ou curiosidade. Estava impassível.
- Bem... Esperava uma recepção mais calorosa. - sorriu o Sr.Weasley, entregando o casaco à mulher.
- Como foi a viagem, querido? - disse a Sra. Weasley beijando o marido. Porém, sem tirar os olhos de Draco.
- Muito...
- O que Malfoy faz aqui, pai? - perguntou Fred, antes que o pai terminasse sua frase.
- Eh... Ele foi capturado? - completou Jorge.
- Bem... - o Sr. Weasley. - Eu acredito que sim, mas...
- Como foi? - perguntou Fred.
- O senhor o fez? - concluiu Jorge.
Malfoy encarou e Hermione e sussurrou pelo canto da boca.
- Tenho mesmo que ficar aqui? - perguntou com nojo.
- Fique calmo... E quieto. - a castanha respondeu da mesma forma.
O loiro emburrou.
- Silêncio meninos! - pediu a Sra. Weasley com atenção. - Deixem o seu pai falar.
Todos encararam o Sr.weasley com atenção.
"Bandos de coelhos!", pensou Malfoy com desdém.
- Bem... Sinto dizer Molly querida, mas... - ele parou por um instante. - Talvez, não seja eu quem deva contar a história.
Todos ficaram surpresos e ainda mais atentos.
- Hermione querida... - o Sr.Weasley pegou a menina pela mão, e com um gesto de varinha a Sra. Weasley sumiu com o malão da menina. - Será que podia nos explicar o que aconteceu?
- HERMIONE?! - exclamaram os gêmeos e Gina ao mesmo tempo.
- Crianças, por favor! - pediu a Sra. Weasley com impaciência.
Todos observavam Hermione com muita atenção. Apesar, de todo alvoroço se dar por Malfoy, ele se sentia como se nem estivesse presente.
"Como ela vive no meio disso?!" , pensou com uma careta de desentendido. "Nem a pior sangue-ruim merece algo parecido."
- Ahhh... - a garota suspirou, diante da pressão que sentia.
Olhou ao seu redor, e notou a atenção que tomava. Gelou sem saber o que fazer.
"Não posso explicar na frente de todos. Dará confusão!”, pensou aflita. "Preciso pensar em alguma maneira..." , pensou olhando para cada rosto que a encarava. "Ok. Respire... Respire... Apenas, respire." , ela voltou sua atenção para o Sr.Weasley.
- Sr.Weasley, será que não poderia conversar com o senhor em particular. - ela finalmente disse, causando um murmúrio geral.
- O QUÊ?! - exclamou Fred.
- Eu quero ouvir! - reclamou Jorge.
- Vocês dois são muito chatos. - disse Gui, dando um tapa na cabeça de cada um.
- AÍ! - exclamaram ambos.
- Parem com isso. - ordenou Carlinhos.
- Eh, deixem a Mione falar com papai sozinha. - brigou a mais nova dos presentes. - Imaginem o que ela passou?
- Mas...
- FIQUEM QUIETOS! - o Sr.Weasley ordenou, calando a todos. Incluindo Fred, que acabara de tentar começar um novo argumento. - Vamos até a sala comigo Hermione. - ele mirou a menina. - Creio que não se importará com a presença de Molly.
- Oh, não. Claro que não.
- Ótimo. - sorriu o homem. - Gui e Carlinhos... Controlem os meninos, por favor. - o Sr.Weasley disse, saindo da cozinha ao lado da esposa e de Hermione.
Todos ficaram no mais profundo silêncio. Pareciam meditar sobre o que estava acontecendo, e sobre o que poderiam fazer.
- Orelhas Extensíveis! - exclamou Jorge alegremente.
- Como se os "certinhos" ai, fossem deixar a gente usar. - suspirou Fred desiludido.
- Ahhh... É. - desanimou Jorge.
- Não fiquem assim pirralhos. Logo saberemos o que aconteceu. - disse Gui, entre risos, para dois garotos emburrados.
Malfoy, ainda se encontrava, praticamente invisível, encostado sobre o próprio malão, próximo a janela. Observava tudo com um misto de curiosidade e nojo.
- Estou preocupada com a Mione. - lamentou-se Gina.
- Ela está bem. - a voz de Ron surgiu do canto da pia, onde largava um copo vazio.
Até o momento, o ruivo passara tão despercebido quanto Draco.
- Você sabe o que aconteceu? - perguntou Jorge curioso.
- Conte para nós maninho. - disse Fred, com falsa gentileza, puxando uma cadeira para o irmão.
- Não há muito o que dizer. - ele disse com um olhar sombrio.
Parecia distante e desconexo. Havia uma ironia que ele nunca usara, em suas palavras. Talvez, fosse conseqüência da raiva que sentia.
- Mas, nos diga mesmo assim. - insistiu Fred.
Ele olhou para Malfoy, que se surpreendeu com o olhar.
Nunca virá Ron daquele jeito. Mesmo assim, retribuiu com desdém.
O ruivo virou-se para os irmãos, que o encaravam ansiosamente.
- Malfoy é um de nós agora. - disse naturalmente.
- O QUÊ?! - exclamaram todos. Nem mesmo Gui ou Carlinhos, puderam se conter.
- Mas, como?! - Gina perguntará, sem acreditar.
- Pergunte a ele. - Ron apontou Draco, se levantando. - Talvez, se descobrirem... Hermione tenha alguma chance. - suspirou dando as costas para todos, e subindo as escadas apressadamente.
Malfoy foi finalmente notado... Todos os olhos estavam voltados para ele.
O loiro se sentiu acuado. Não que fosse covarde, mas... Estava cercado! E estava na casa deles!
Entretanto, ninguém avançou em sua direção ou lhe dirigiu a palavra... Ficaram em silêncio.
- Fred... Traga as Orelhas. - ordenou Carlinhos, sem tirar os olhos do loiro.
- O que está havendo? - perguntou Gina.
- É o que vamos descobrir. - respondeu o irmão mais velho.
Não demorou muito e Fred voltará com uma caixa de Orelhas Extensíveis.
Cada um dos Weasley retirou uma da caixa e colocou entre a parede, que os separava da sala, onde Hermione e o Sr. Weasley conversavam.
Draco os observou curioso. Não entendera absolutamente nada!
- Não dá para ouvir! - reclamou Gina. - Hermione está falando baixo.
- Talvez, se você ficar quieta. - retrucou Jorge.
A menina lhe mostrou a língua com desdém.
- Fiquem quietos vocês dois. - brigou Gui.
- Eh... Olha, papai vai falar. - avisou Fred.

- Hermione... O que diz não faz muito sentido.
- Eu sei! - a garota disse insistente. - Mas, é verdade! Malfoy está em apuros!Voldmort quer a cabeça dele, tanto quanto nós! Ele não sabe o que fazer! Por isso, me procurou. - terminou envergonhada.
- Bem... Mas, é justamente isso que não faz sentido. - reclamou o ruivo. - Por que ele procuraria logo você?
Hermione abaixou a cabeça, procurando alguns argumentos aceitáveis.
"Por que ele procuraria a mim? Boa pergunta! ELE NUNCA PROCURARIA A MIM!", pensou com raiva.
- Eu não sei. - a garota desistiu. - Não tenho a mínima idéia. Talvez, porque sabia que mesmo que eu me negasse a ajudar, não poderia fazer nada contra ele. Não tenho permissão para usar magia... E estaria totalmente sozinha. Não teria reforços. - concluiu sabiamente.
- É... Faz sentido. – concordou o Sr.Weasley, embora sem muita convicção.
- Sr. Weasley entenda. - pediu a menina. - Se Malfoy não achasse que podia confiar em mim... Não teria permanecido em minha casa. No começo... Eu usei isso para mantê-lo em casa até o senhor e o Ron chegarem, mas... Agora. Me sentiria horrível, traindo ele desse jeito. Acho que ele merece uma chance. - a menina disse com esperança.
Houve um minuto de silêncio.
O Sr. e Sra. Weasley olhavam um para outro apreensivos.
- Hermione... Creio que isso não fica a nosso critério. - disse o Sr. Weasley lentamente. - Não podemos decidir isto sozinhos.
- Eu sei. - a menina concordou suplicante. - Mas...
- Malfoy poderia ficar conosco até a manhã. - a Sra. Weasley interrompeu.
- O QUÊ?! - exclamou o Sr. Weasley, com a mesma expressão que Ron fizera, ao ouvir a história de Hermione.

- MALFOY VAI FICAR! - exclamou Fred inconformado.
- Só pode ser brincadeira! - tentou Jorge.
- Ela está mentindo para Mione! Como pode ser tão cara-de-pau?! - Gina exclamou indignada.
- Fiquem quietos, senão não dá para ouvir! - reclamou Gui.
Malfoy estava cada vez mais curioso. Sem ao menos notar, ele se aproximará da parede na esperança de ouvir alguma coisa. Mas, não ouviu nada.
Olhou a mesa e visualizou a caixa de Orelhas Extensíveis. Ainda havia dois ou três pares. Ele hesitou por um instante, mas logo já estava com uma delas, recostado sobre a parede.

- Não é uma opção? - perguntou a Sra. Weasley, sem querer realmente uma resposta. - Amanhã, será a festa de casamento de Gui. Minerva e todos os outros estarão aqui. Podemos permitir que ele fique aqui conosco hoje... E amanhã... A Ordem poderia tomar a decisão.
- Isso seria mara...
- Loucura! - exclamou o Sr. Weasley, antes que a castanha concluísse. - É um Malfoy! Não é de confiança! E além do mais... Nenhum de nossos filhos gostam dele! - exclamou revoltado.
- Ora, Arthur! Eu também não gosto de suas bugigangas trouxas e nem por isso as jogo fora! Os meninos tem que aprender a viver com o que não gostam. - disse seriamente. - Além do mais... Viviam com Malfoy em Hogwarts. Não vai ser tão difícil.
- Era diferente! - retrucou o Sr. Weasley.
- Pois, que fosse. Eu digo que ele pode ficar! - brigou a mulher.
- Mas, eu...
- Sr.Weasley... - Hermione o chamou humildemente. - Eu... Eu sei o quanto deve ser difícil para o senhor... Acolher o filho de um Comensal, que o importunou uma vida inteira. Eu sei, porque... Senti a mesma coisa. - ela dizia calmamente. E muitas vezes suspirava, devido ao nervosismo.
Do lado de fora da sala, todos ouviam atentamente. Especialmente Malfoy, que parecia querer atravessar a barreira de tijolos, tamanha era a sua atenção.
- Malfoy nunca foi um dos mais simpáticos comigo. Muitas vezes me fez perder a compostura. Sempre tivemos um péssimo relacionamento. Ajudá-lo seria a última coisa que eu pensaria em fazer... E mesmo assim... Eu fiz. E vou continuar fazendo... Porque, ele precisa. E numa época como essa, acredito que o certo é ajudar a todos que lhe recorrem. - disse com pesar, mas determinação. - Sei que ele não merece, e que não é de total confiança. Eu nem ao menos sei porquê diante de todos esses argumentos, alguém o ajudaria, mas... Eu aprendi, com uma das pessoas mais sábias que conheci... Que todos merecem uma chance. - ela terminou com dor, ao relembrar Dumbledore.
O silêncio permaneceu, tanto na sala quanto na cozinha.
Hermione encarava os pés nervosa, enquanto retorcia os dedos. Tinha medo dá resposta que viria. Não tinha certeza de que seus argumentos seriam válidos. E não sabia o que faria se o Sr.Weasley decidisse mandar Malfoy diretamente para Ordem. Ele seria preso. Mandado imediatamente a Azkaban. Ela não podia permitir isso... De maneira nenhuma.
Do outro lado, na cozinha Malfoy, que deveria realmente se preocupar com isso... Nem ao menos se importava. Não parava de pensar em tudo o que ela acabará de dizer.
E sobre como ela estaria ao seu lado de qualquer maneira.
"Ela se importa comigo.", pensou sorrindo.
Não um de seus sorrisos casuais. Sarcástico... Irônico. Era um sorriso... Sincero.
- Ele pode ficar. - a voz do Sr.Weasley interrompeu os pensamentos de todos.
Hermione abriu um longo sorriso, enquanto gesticulava algumas palavras de agradecimento, sem que sua voz realmente saísse.
- Mas, é só até a Ordem decidir o que fazer. E você que se resolva com os garotos, Molly. Não vou dizer nada.
- Pode deixar, Arthur. Eu me entendo com os garotos. - ela disse com um sorriso.
- Obrigada Sr. Weasley. - Hermione finalmente conseguiu dizer.
- Não têm porquê agradecer Hermione. Estou dando uma chance a ele, porque você tem razão... É o que Dumbledore faria. - ele disse simplesmente. - Mas, não pense que eu não vou ficar de olho nele, porque eu vou! - alertou.
- Sim, senhor. - sorriu a menina.
Logo o ruivo saiu da sala em direção a cozinha.

- Isto não pode ser verdade! - exclamou Fred saindo de perto da parede.
- Papai deve estar maluco! - concordou Jorge.
- Papai sabe o que está fazendo. E não cabe a vocês, questionar a decisão dele. - disse Carlinhos calmamente.
- Eu concordo com você, mas... De certa forma, os meninos também têm razão. Ele não é de confiança. - Gui disse pensativo.
- É! - concordaram os gêmeos, simultaneamente.
- Pode ser que não seja. Mas, vamos ter que dar a ele uma chance, ok? - pediu Carlinhos com autoridade.
Malfoy já havia se afastado da parede e jogado o artigo de Gemialidades Weasley de volta na caixa. Ele aproveitou a confusão e voltou para o lado de seu malão, sem que ninguém notasse.
Entretanto, sua presença não ficou invisível por muito tempo.
- O que você fez à Mione? - Gina perguntou ao loiro, acabando com a discussão ao seu redor. Pois, todos queriam ouvir.
Draco, mesmo sem saber ao certo como reagir, não hesitou.
- Eu não fiz nada à ela. - disse naturalmente.
- Mentira! - exclamou a ruiva com uma ligeira raiva. - Você fez algo! O que foi?!
- Já disse não fiz nada Weasley! Não lhe devo explicações. - ele respondeu mal - humorado.
Gina não se conteve e ergueu a mão para acertar a face de Draco.
Ele quase pode sentir os dedos da menina queimando o seu rosto. Mas, o Sr. Weasley chegou antes que isso acontecesse.
Ele não disse nada. Nem falou com Malfoy, nem brigou com Gina. Apenas segurou o braço da filha, e exclamou em alto tom.
- Molly!
- O que é Arthur? - perguntou a Sra. Weasley, chegando alguns segundos depois.
- Gina ia bater em Malfoy. - disse naturalmente.
- O quê? E você não fez nada?
- Eu disse... " Você se resolva com os garotos... Eu não vou dizer nada". Lembra? - o homem disse naturalmente.
E então, largou a mão da filha e se retirou do local, deixando a Sra. Weasley chocada.

Foram longos minutos, talvez até uma hora, até que a Sra.Weasley finalmente convenceu os filhos de que nada do que eles fizessem, iria fazer com que ela mandasse Malfoy embora.
Todos foram dormir revoltados, porém nenhum questionou a mãe.
Draco recusará a oferta feita pela Sra.Weasley de dormir no quarto de Ron. Não tanto por seu orgulho... Veio mais de seu bom senso.
Dessa forma, ela lhe arrumou o sofá, que era o único local vago. Arranjou uns lençóis, um cobertor e um travesseiro. Não demorou muito e já estava tudo pronto.
- Boa noite Malfoy. Se precisar, pode me chamar. - despediu-se a Sra.Weasley.
- Obrigada Sra.Weasley. Mas, não pretendo incomodá-la mais. - ele disse educadamente, antes da mulher subir as escadas.
Hermione estivera o observando escondida na passagem para a cozinha. Esperava pelo momento em que a Sra. Weasley fosse embora, para que ela pudesse falar a sós com Draco.
O garoto retirava a camisa, se preparando para dormir, quando a castanha o surpreendeu.
- Gostei de ver! - ela disse entrando de repente na sala. - Tratou muito bem a Sra.Weasley. Fiquei orgulhosa. - a menina sorriu.
- Não sabia que espiar os outros, além de ser mal-educado, é crime, Granger? - disse zangado.
A menina corou. Porém, como de costume, não ficou quieta ouvindo reclames.
- Quem é você para falar de educação? - rebateu zangada. - Crime, então? Nem vamos comentar!
- Ahhh... - suspirou o garoto. - Estou cansado, Granger. Tem como implicar comigo, amanhã? Garanto que já fizeram o bastante por hoje. - ele disse desgostoso.
Hermione o olhou constrangida. Não era essa intenção dela, ao tentar falar com ele.
- Não vim implicar... Só queria saber se está bem.
- Estou.
- Não precisa de nada?
- Não. Se precisar eu chamo a Sra.Weasley. Ela já me ofereceu.
- Tudo bem, então. - a castanha disse, envergonhada. - Vou dormir.
Malfoy a viu tomar o rumo das escadas, e nesse instante se sentiu culpado por descontar sua frustração na garota.
- Hermione, espera. - ele chamou embaraçado.
- O quê? - ela perguntou assombrada.
- Me desculpe. Toda essa agitação... Pessoas de quem não gosto, me encarando com desdém por todos os lados! Eu... Fiquei de mau - humor. Desculpe, ter descontado em você. - ele disse sinceramente, com uma certa vergonha.
- Não tem problema. - disse a menina, sem dar muita atenção. - Mas, não foi isso que... É que você... Você...
- Eu o quê? - perguntou o garoto confuso.
- Você me chamou de Hermione. - disse, como se nem mesmo ela acreditasse.
O menino corou, sem saber o que dizer.
- Você deve ter ouvido errado, Granger. - tentou ele.
- Não! Eu ouvi. Você me chamou de Hermione. Tenho certeza! - insistiu a menina.
O rapaz a encarou derrotado.
- E o que tem de errado nisso? - exclamou rabugento. - Tive um dia cheio... E chato! Estou um pouco confuso. Só isso.
- Não... Não tem problema nenhum... É só que foi... Estranho. - concluiu a garota. - É como se nós fossemos... Íntimos, sei lá.
- Seria assim tão ruim? - perguntou sério.
- O que?
- Se tivéssemos mais intimidade. - disse naturalmente, deixando a garota surpresa e sem reposta.
- Eu... Eu não sei. Nunca pensei nisso. - ela pensou nervosa.
A castanha ainda estava na escada. Um degrau a mais que Draco, tornando os dois quase da mesma altura.
Estavam próximos, e suas respirações eram praticamente a mesma. Não fosse a leve distância entre suas faces. Seus olhos refletiam um no outro... Como se vissem pela primeira vez.
Malfoy não conseguia dizer uma só palavra para que a conversa continuasse. Estava preso aos olhos da castanha e obcecado por seus lábios. Aproximava-se deles... Cada vez mais.
- O que está havendo Malfoy? - a menina perguntou confusa, sentido as mãos do loiro tomarem a sua cintura. - O que está fazendo?
- Eu não sei. - respondeu num sussurro.
Ele se aproximou calmamente, fazendo com que ela fechasse os olhos sem ao menos notar.
Ela sentia a respiração lenta do loiro lhe chegar ao rosto, e isso lhe causava ligeiros arrepios. Podia sentir a proximidade dos lábios finos dele.
Tudo o que nunca imaginou... Estava acontecendo. E por mais estranho que pareça... Ela não se atrevia em evitar. Poderia ser o seu maior erro... Ou seu primeiro grande acerto. Poderia! Mas, não foi.
- Mione! Você não vem dormir?! - Gina exclamou do alto da escada, observando os dois com um olhar zangado.
- E ainda me perguntam porquê eu odeio os Weasley. - Malfoy resmungou num sussurro, antes mesmo de abrir os olhos e acenar cinicamente para Gina, que o encarou com uma face muito semelhante a do pai e a do irmão.
- Vou dormir. - Hermione disse baixinho, sem voltar a olhar o garoto. - Boa noite.
- Boa noite... Hermione.
A castanha parou no meio da escada ao ouvir seu nome. Virou-se para o loiro surpresa e confusa. Ele apenas sorriu. Antes, de virar as costas, e se encaminhar para o sofá.
Talvez, tão distante e confuso quanto ela.
- Hermione! Vamos?! - perguntou Gina impaciente.
- Ahhh... Claro. - a menina despertou. - Vamos sim. Estou com sono.
- Pois, acho bom segurar. Porque você tem muita coisa para me contar antes de dormir. - brigou a ruiva.
Hermione não questionou. Apenas, se deixou ser guiada pela amiga em direção ao quarto. Não estava muito bem. Ou talvez, ... Estivesse ótima.
A verdade é que estava confusa.

"Eu queria aquele beijo... Não queria?"

Fim do capítulo.

______________________________________________________________________

AGRADECIMENTOS:


Lih Potter Malfoy : Brigado pelo elogio! ^-^ Sinto me muito feliz. Suas fics também são lindas!!! Espero que escreva uma nova em breve!!! Continue lendo... E comentando. ^-^ B-jos!!! =*

taaa_hp : Perfeito??? *autora chora de emoção* Nossa, eu fico HIPER FELIZ de ouvir isso!!! E desculpa... Eu sei que eu ando demorando para posta. Mas, vou tentar evitar isso daqui para frente. Brigado mesmo!!! ^-^ Espero que continue deixando elogios... Eu adoro!!!! xD B-jinhos!!! =*

_}i{_ Laura Malfoy _}i{_ : Ameaça de morte??? Ahhh... Tinha que ser a Laura!!! Huahuahuahua... xD Eu não sei do que Você tá falando não!!! * fingindo de desentendida* Quanto ao resto... Outro perfeito??? Assim, eu não resisto!!! xD Valeu mesmo!!! Ahhh... E não precisa dizer. Eu sei que você secava o Draco sem problemas... xD Ahhh... Tadinho do Ron e do Sr.Weasley!!! Não fizeram por mal!!! xD E eu nem demoro, não tá!!! Só um pouquinho!!! ^-^ Para de me ameaçar!!! E eu chequei o e-mail!!! xD Huahuahua... Te Adoro!!!

joy malfoy : Como você adivinhou??? Huahuahuahua... xD Ah... MARAVILHOSA!!! Tenho que repetir a palavra para acreditar!!! xD Valeu mesmo!!! =^-^= Será que eu demoro tanto assim???
Eu li sua fic!!! Hiper fofa!!! Já tô indicando!!! Continua passando aqui, ok? B-jinhos!!! =*

Srta. Granger Malfoy : Perfect!!! Ahhh... Vocês tão me acostumando mal!!! ^-^ D/H é tudo mesmo!!! Conquista todo mundo!!! Huahuahuahua... O mundo está conspirando contra o beijo!!! xD E aqui está a atualização!!! Nem precisa mais espera!!! =] Eu já lia sua fic, antes de Você dizer!!! Huahuahuahua... =] Desculpa!!! Eu ando lendo!!! Amei o último capítulo!!! Mas, andei meio com pressa, por isso não comentei. Mas, ela já foi indicada aqui!!! E vou indicar de novo, caso o povo não tenha notado!!! ^-^ Continue deixando sua marquinha por aqui!!! Eu vou deixar um coment na sua já, já!!! ^^ B-jos!!! =*

Laís Potter Black : Que isso!!! Uma fic linda é igual a sua... Tam mais é que aparecer mesmo!!!! xD Já atualizei!!! ^-^ E amei o seu cap novo!!! Se isso é falta de criatividade... Eu não sei o que é ter!!! xD
Brigada por tudo!!! Continue lendo minha fic!!! Sua presença aqui, é muito importante para mim... Você sabe!!! ^-^ B-jinhos!!! =*

stefanihp : =^-^= Outro perfeito!!! Aiaiaiaia... Que felicidade!!! Que bom que gostou do suspense... Porque ainda vai ter muito disso pela frente!!! Huahuahuahua... xD
A campanha _}i{_Laura_Malfoy_}i{_ = POSTA SUA FIC!!!! só acaba quando a fic for postada!!! Então... Continue participando!!! ^^ Tá postado!!! xD Te Adoro!!! Bjos!!! Bjos!!! E mais bjos!!! =*

Srta. Granger Malfoy : JÁ ATUALIZEI!!!!JÁ ATUALIZEI!!!!JÁ ATUALIZEI!!!!JÁ ATUALIZEI!!!!JÁ ATUALIZEI!!!!JÁ ATUALIZEI!!!!JÁ ATUALIZEI!!!!JÁ ATUALIZEI!!!! xD Brigado mesmo pelo carinho!!! B-jinhos!!! =*

_}i{_Laura_Malfoy_}i{_ : Já poooooooooooossssssssssssssssssstttttttttteeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!xD E Você vai publicar sim!!! Já tem um pedaço do seu capítulo aqui!!! Huahuahuahua... xD Santa??? Huahuahuahuahuahua... xD Quer me matar de tanto rir??? Te conheço Laurinha!!! Esqueceu? xD Te Adoro!!! E espero que poste logo, viu? Se não vou ter que postar eu mesma!!! >=-[
B-jinhos!!! =*

Sonekinha_89 : É esse o espírito!!! Continue participando da campanha!!! ^-^ B-jinhos!!! =*

MI Andrade :
Atualizei!!!Atualizei!!!Atualizei!!!Atualizei!!!Atualizei!!!Atualizei!!!Atualizei!!!Atualizei!!! xD
Agradeço muito a atenção!!! ^-^ Espero que continue lendo, mesmo a autora sonsa aqui demorando para postar!!! xD B-jinhos!!! =* E continua comentado, please!!! =^-^=

stefanihp : É isso aí amiga!!! Por isso eu te adoro!!! xD B-jinhos!!! =*

Mione Malfoy : Aiaiaiaiaia... Que vergonha!!! Eu fico muito... Muito... Mais, muito feliz mesmo de você estar gostando tanto. Estou hiper agradecida pela propaganda que fez na sua fic!!! =^-^= Que tá bem tá perfeita!!! ^^ Passo sempre lá para ver se tem cap novo!!! ^-^ Espero que tenha gostado do novo cap!!! B-jinhos!!! E continue elogiando... xD
=*

_}i{_Laura_Malfoy_}i{_ : Já discutimos esse assunto. Você vai postar sim!!! >=-[ E eu já atualizei!!! Não reclama!!! xD B-jinhos, miga!!! =*

MiOneka MalfOy : Não acredito que você tá mesmo aqui???!!! Sou sua fã!!! AMO SUA FIC!!! =^-^=
Pode deixar que eu vou mostrar isso para Laura!!! Ela vai postar de qualquer jeito!!! NÃO QUERO QUE DESTINO ACABE!!! xDAmei você ter aparecido aqui!!! ^-^ Espero que depois de ler, tenha gostado da fic!!! Esse cap novo... Talvez, seja o melhor até agora!!! Passe aqui para dizer o que achou quando o ler. Vou ficar muito feliz!!! ^-^ B-jinhos!!! =*

stefanihp : De novo aqui??? Huahuahuahua... Zoera!!!! Quanto mais aparecer melhor!!! Te adoro!!! =^-^= Isso mesmo... _}i{_Laura_Malfoy_}i{_ = POSTA SUA FIC!!!! Huahuahua... xD Eu já atualizei!!! E nem demorei tanto!!! >=-[
Também te adoro!!! =^-^= Bjos!!!! =*

Priscila Paula de Oliveira Souza : É isso aí amiga!!! _}i{_Laura_Malfoy_}i{_ = POSTA SUA FIC!!!! Huahuahuahuahua... xD B-jinhos!!! =*

Mione Malfoy : Que bom que lembrou!!!! =^-^= Continue participando da campanha!!! B-jinhos!!! =*

stefanihp : Brigada mesmo!!!! Você também merece!!! Tudo o que deseja!!! =^-^= Amei o seu presente também!!! Já tem nome... Inácio!!! xD Tá aqui comigo agora!!! =^-^= TE ADORO MUITO!!! B-jos, bjos, e mais bjos!!! =*

_}i{_Laura_Malfoy_}i{_ : Ok!!! Ok!!! Eu já atualizei!!!! Mas... E você??? Quando vai postar??? xD Bjinhos!!! =*

Giuliana Goldhèr : Que bom!!! Espero que além de ter lido... Você tenha gostado!!! =^-^= Continue deixando sua marquinha por aqui!!! B-jinhos!!! =*

Laís Potter Black : =^-^= Brigado por participar da campanha!!! o capítulo tá postado!!! espero que goste!!! =^-^= B-jos!!! =*



Leiam:

Destino. Por MiOneka MalfOy
http://www.floreioseborroes.net/menufic.php?id=14687


E Se Fosse Verdade; por Mione Malfoy
http://www.floreioseborroes.net/menufic.php?id=15937


Big Girls Don't Cry, por joy malfoy
http://www.floreioseborroes.net/menufic.php?id=16427

Uma Vingança (Quase) Perfeita
http://www.floreioseborroes.net/menufic.php?id=15657


By Mione #

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.