FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

14. Contra a Parede


Fic: Nove Meses Para Amar


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


                           
       
 
NOVE
MESES PARA AMAR


                                     
CAPITULO
XIV


CONTRA
A PAREDE



 


-
Hermione não se esqueça que vamos ao tal medico trouxa hoje. Às seis horas
hein?


-
Não irei esquecer Sra. Weasley. Respondeu Hermione com a boca cheia de
torradas, para depois desaparatar.


Como
se fosse mesmo conseguir esquecer! A Sra. Weasley a lembrara disso
constantemente nos últimos dias. Não que ela também não estivesse ansiosa
pela consulta. Estava e muito, afinal desde que madame Pomfrey a examinara, dois
meses atrás, ela não tinha mais noticias sobre a saúde do neném.


E
constantemente ela tinha pesadelos, em que havia gargalhadas cruéis e o choros
desesperados de bebê, reclamando de fome. Isso a assustava muito
(principalmente depois que começara a comer demais).


Hermione
aparatou no Ministério, fazendo a mesma rotina que a levaria ate a Yard; passou
pelo átrio, desceu nos elevadores e entrou no Departamento de Mistérios (hoje
de uma cor amarela ofuscante); entrou na sala vai-e-vem e desaparatou no beco.


Não
tinha nem cinco minutos que chegara na sala que ocupava, e Vanessa chegou com
uma bomba nas mãos.


-
Dumbledore descobriu quem era os dois comensais da morte, que estava na casa
ocupada por Voldemort.


-
Quem?  - Hermione chegou um pouquinho para frente.


-
Pedro Pettigrew e Minor Nott. Isso te lembra algo? – Vanessa tinha as
sobrancelhas erguidas sarcasticamente.


-
Mas... ele está morto Vanessa. Isso seria impossível!


-
Seria. Mas foi com o testemunho de Pettigrew e Nott que colocamos aquele desgraçado
em Azkaban. Esta lembrada?


-
Claro que estou. O Julgamento foi amplamente divulgado pelo Profeta. Mas como isso foi possível?


-
Será seu trabalho descobrir a possibilidade disso Hermione. – declarou
Vanessa sombriamente.








-
Entendeu então essa parte Draco? – Gina (que estava no corpo de Carol) às
vezes ria do loiro. Ele era bem obtuso para esse tipo de conhecimento.


-
Pode ser – respondeu ele rabugento – essa maquina é retardada demais. Ainda
não entendo o que deu em Lucio para usar isso!


Gina
riu baixinho, e como estava em pé atrás da cadeira de Draco, abaixou-se e
falou dentro do ouvido dele:


-
Vai ver, ele sabia que teria dificuldades de se entender com esse tipo de
aparelhagem.


Draco
sentiu um arrepio descer seu corpo, desde os cabelos ate a ponta do pé. Havia
sido assim, desde que Blair começara a trabalhar para ele: estava sentindo uma
atração inressistível pela garota, e ela sabia; usava de todos os truques que
conhecia para atiçá-lo e quando ele tentava avançar, ela corria. Brincava
deliberadamente com ele. E ele estava gostando disso! E muito.


-
Talvez tenha razão Carol. Aquela cabeça maluca, pode muito bem ter planejado
isso mesmo.


Draco
se levantou e foi ate a janela. Olhou para a rua abaixo e viu bruxos–empresários
passando lá em baixo. Estava se sentindo estranho, e meio vago. E tinha uma
ligeira desconfiança de que a lembrança de uma certa ruiva, é que provocava
essa sensação nele. E isso não era nada bom mesmo...


-
É lógico que tenho razão! Os Wes...- Gina congelou na hora. O que ela estava
dizendo? – Os Blair sempre têm razão.


Draco
levantou os olhos da janela e observou mais atentamente a garota à sua frente.
Não era a primeira vez que ela parava no meio de uma frase e se corrigia. Agora
por exemplo, ela quase dissera Weasley. E por que diria isso? E muita coisa
nela, lhe parecia estranhamente familiar; sendo que ele só a encontrara uma vez
antes e de passagem pelo colégio.


-
Você é decididamente estranha Blair. Decididamente.


-
É eu sei. – concordou Gina nervosamente; já dera bandeira demais. –
podemos voltar ao trabalho Malfoy?


- Claro. – concordou ele muito suavemente. Mas alguma coisa no modo
como ela disse seu sobrenome, o fez se lembrar estranhamente de Gina (de novo não!
Pensou incomodado).








Harry
estava encurralado. Pela direita se aproximava um dementador, deslizando por
cima do pântano. E do lado esquerdo, ele via voando veloz em um dragão Dente
de Víbora Peruano, que mesmo sendo a menor raça que existia, era rápida no vôo
e tinha uma "sede" incrível de presas humanas. Suas escamas
acobreadas pareciam roubar toda a luz do sol e se refletir ali, cegando
temporariamente quem olhasse para cima.


O
Dente-de-Víbora Peruano soltou um jorro particularmente longo de fogo na direção
de Harry, deixando-lhe como única saída pular na vala aberta a sua frente.


Mas
pular na vala, não foi uma atitude muito inteligente: escondidos ali dentro,
havia dois Barretes Vermelhos, que com seus bastões, miravam, Harry ameaçadoramente.


Então
um frio pegajoso e úmido começou a tomar conta de seu corpo. Harry, olhando
por cima da borda da vala, viu um jorro de fogo do dragão de crista negra,
congelar no ar; logo o bicho estava indo embora, voando para longe.


Os
Barretes Vermelhos também não se demoraram. Ao que parecia, aonde chegava um
dementador, todas as criaturas iam embora.


Com
a vala agora vazia, e sem ameaças de bastonadas, Harry se deitou ali e esperou.
E se sua idéia desse certo, ele conseguiria surpreender o "horripilante
demônio das trevas".


O
frio foi aumentando, os barulhos cessaram e no silencio que ficou Harry pode
ouvir, distintamente o som de uma matraca, que sugava o ar e sua alegria:
anunciando a morte.


Quando
ele achou que o dementador se aproximara o máximo possível do seu esconderijo,
se levantou num pulo e mirando bem no peito da coisa (vendo o nitidamente o
rosto de Hermione) ele berrou:


-
EXPECTO PATRONUM!


E
um veado prata, refulgente, saiu de sua varinha, galopando ate à coisa e
acertando-o com a galhada onde normalmente fica o coração.


Mas
ao invés de sumir, o dementador tropeçou e caiu no chão. Então Harry
entendeu: aquele não era um dementador de verdade.


Com
mais um aceno de varinha e um outro feitiço ("riddiculus") Harry viu o bicho-papão-dementador se
transformar em uma bailaria de cabaré do século passado.


Com
uma risada estrondosa, a coisa finalmente sumiu.


 -
ISSO FOI BOM POTTER! – disse o professor Murkh Jerrys, de Defesa Contra as
Artes das Trevas, que era um homem corpulento e bruto: como nenhum outro que
Harry já vira (parecia mais um trasgo que aprendera a falar). Era também muito
rigoroso nos exercícios que passava.


Harry
sabia que aquele era um dos maiores elogios que o professor fazia, por isso se
sentiu realmente satisfeito. Com um suspiro cansando ele deixou a sala onde
fazia os exercícios e foi se juntar ao resto da turma.


-
Agora, quero como trabalho extra, uma pesquisa sobre dementadores. Trabalho
cientifico – completou ele de um modo ignorante e decadente. Com um ultimo
aceno a turma foi dispensada.


Sozinho,
já que ainda não fizera muitas amizades, Harry foi se arrastando ao longo da
alameda Amarela. Quando virou na direção dos dormitórios e banheiros, ele
escutou claramente uma mulher gritar dentro de uma sala de aula. Ele não teria
parado, se não tivesse reconhecido a voz que gritava.


-
Estou dizendo que você é a pessoa mais idiota do mundo! – foi o ultimo berro
que Harry escutou, antes da porta se abrir com violência. Finalmente ele via
agora quem era a mulher que conversa com seu instrutor na semana passada!


Hannah,
era a estranha figura que atendera ele quando chegara ao CTA. O garoto não a
via desde o dia que ela lhe fizera assinar muitos papeis. Mas os cabelos cor de
rato e os olhos empapuçados ainda estavam lá. Era uma mulher feia, e sempre de
mal-humor.


Logo
atrás dela, saiu o Sr. Woodcrofth, com uma cara também de poucos amigos.


-
O que esta fazendo por aqui Potter? – pelo tom de voz, Harry viu que ele
estava profundamente aborrecido.


-
Estou indo tomar banho antes das aulas da tarde, senhor – Harry tentou falar
com a voz mais neutra possível, mas a curiosidade o consumia: "O que é
que aqueles dois tinham, que brigavam tanto?"


-
Pois então continue seu caminho moleque.


Harry
continuou e logo chegava à alameda Azul. Queria muito discutir o assunto com
alguém, mas Rony não iria se interessar e Hermione, bem Hermione era um caso a
parte. E ele tinha certeza que ela nem falaria com ele.


 -
Ola Harry – chamou uma voz animada do outro lado da rua.


 -
Como vai Neville? – Harry tinha uma voz baixa e fraca. Tanto que Neville teve
que atravessar a rua para falara com ele.


-
O que disse Harry? – a animação do outro, feria os ouvidos de Harry. Ele
queria tomar um banho e se deitar. Somente isso.


-
Você esta bem? – perguntou Neville preocupado, ao ver que Harry não
respondia sua pergunta – você não me parece bem.


-
Acabei de ter uma aula pratica de Defesa Contra as Artes das Trevas. Estou moído.


Neville
o olhou assustado.


-
É tão ruim quanto andam dizendo?


-
É desgastante. Tem uma tensão que te deixa muito mal. – de repente Harry
teve uma idéia: Se não podia contar com Rony e Hermione, Neville certamente
seria uma boa companhia. O colega ficara muito melhor, menos trapalhão e mais
esperto.


-
Hum... escute Neville. Eu agora estou muito cansado, mas será que podemos nos
encontrar amanhã no café? Tem uma coisa que eu realmente queria discutir cm
você.


-
Tudo bem. Se eu fosse você mataria as aulas da tarde e iria para cama. Não
esta se agüentando em pé.


-
É provavelmente farei isso. E se vierem me chamar, eu vou comer um daqueles
doces dos gêmeos e fingir que estou doente de verdade.


Neville
riu e seguiu para os refeitórios. E Harry pensou que comer uma Vomitilha não
seria mesmo má idéia.








-
É como estou dizendo para você Rony – explicou Carol (no corpo de Gina) meio
aborrecida – mesmo que ela, teoricamente, não namore bruxos não quer dizer
que você não deva tentar!


Rony
bufou. Gina estava insistentemente irritante.


-
Já disse para parar de me aborrecer Gina. Essa garota, com ou sem suas
esquisitices, não é mais do meu interesse.


-
Então ótimo! – Carol estava realmente aborrecida – se você quer bancar o
palhaço e sofrer pelos cantos, eu não vou fazer mais nada!


Rony
meio que cuspiu o suco de abóbora gelado que estava tomando.


-
Eu... Eu... – sua voz tremeu e suas orelhas ficaram da cor de carne crua – não
sofro pelos cantos!


-
Não sofre – zombou Carol – é claro que não. Só fica com olhos de
cachorro pidão para cima de mim!


Rony
franziu as sobrancelhas.


-
Você?


-
É... Não... – agora era a vez de Carol gaguejar – para cima da Carol,
Rony. Você me deixa tão nervosa que acabo me confundindo!


Ele
ainda a olhou um tanto desconfiado, mas em seguida largou essa besteira de lado
"devo estar biruta!"


-
Rony! – chamou Lupin, com uma voz animada, da oficina – venha ate aqui ver
isso.


O
garoto foi, não sem antes olhar mais uma vez para irmã e imagina que ela se não
era ela que estava ficando doida.


Carol
suspirou aliviada; e tomou um bom gole de suco para se acalmar.


-
Ufa! Se ele fosse menos tapado, teria percebido alguma coisa estranha! – disse
baixinho para a cozinha vazia.








-
O que esta fazendo Hermione? – perguntou Vanessa da porta. Ela nunca batia
antes de entrar.


-
Lendo o interrogatório de Alexander Jonas- ela ergueu os olhos do papel –
novamente.


-
E quanto àquela outra pesquisa? O já descobriu alguma coisa? Hermione olhou
indignada para a chefa.


-
Claro que sim! Mas não quero falar disso agora! – Vanessa foi se sentando na
linda poltroninha branca em frente à mesa de Hermione – Eu estava lendo essa
baboseira aqui e descobri algo realmente interessante.


-
O que? – Vanessa se acomodou melhor. Meio que relaxou na cadeira.


-
O Sr. Jonas disse que pediu um empréstimo para terminar a faculdade...


-
Isso.


-
Bom, eu falei com o reitor de Oxford e depois das ameaças, que você me ensinou
a fazer, o homem me disse que foi um doador anônimo que pagou as mensalidades.


-
Anônimo é?


-
Pois é. E não me disseram mesmo quem era ele. Acho que terá de conseguir um
mandado Vanessa. Somente assim eles vão falar alguma coisa que preste.


-
Hum... – Via-se que estava aborrecida. Os olhos, normalmente azuis, estava
mudando para violeta lentamente. – irei providenciar isso. Amanhã estaremos lá!Mais
alguma coisa? E a pesquisa?


-
Eu tive uma idéia, e sei que será bem difícil de fazermos isso, mas acho que
será o único modo.


Um
leve arquear de sobrancelhas foi à resposta que Hermione obteve. Ela sabia que
Vanessa detestava enigmas. Fora por isso que virara detetive: para descobrir os
enigmas.


-
Acho que uma exumação do cadáver e um exame trouxa de DNA resolveriam esse
problema. Então teríamos uma pista sobre essas mortes.


-
Vou pensar sobre isso. – disse Vanessa abruptamente. Se levantou e estava já
na porta, quando Hermione com uma voz vacilante perguntou:


-
E Greg? Você já o afastou?


-
Não se preocupe com ele Hermione.


Mas
pelo tom de voz de Vanessa e pela batida na porta, Hermione achou que era para
se preocupar.








Às
seis horas se aproximavam e Molly já se achava no Átrio do Ministério
esperando por Hermione e Gina. Ela olhava de modo desfocado para a fonte (que no
momento tinha o rosto de Dillys Derwent). Detestava esperar e Gina sabia disso.


Quando
a fonte mudou de rosto novamente, Gina e Carol chegaram.


-
Ora ate que enfim! Vocês duas hein? Francamente! – ralhou ela em voz baixa
– e Hermione não é muito melhor afinal, já que também não sabe chegar na
hora.


-
Oh por favor – começou Gina (que ainda estava no corpo de Carol) e parou de
repente – eu quero muito ir ao banheiro. Inventou apressadamente, por que a
Sra. Weasley olhava para ela de um modo estranho.


-
Sinto muito querida. Mas só quando chegarmos ao consultório do médico, e se
chegarmos!


Como
a Sra. Weasley estava extremamente irritada, nenhuma das duas falou mais nada.
Embora Carol ainda sentia uma louca vontade de rir do furo da amiga.


Hermione
finalmente chegou, meio ofegante e pediu desculpas. Que lógico foram
prontamente aceita, mas a Sra. Weasley deu um longo sermão pelo caminho ate o médico.


O
consultório era exatamente como essas coisas trouxas tinham que ser: tinham
paredes pintadas de creme e quadros lindíssimos, mas as cadeiras da sala de
espera eram realmente desconfortáveis.


Hermione
que entrava no quarto mês de gravidez, estava começando a se sentir incomodada
com cadeiras daquele tipo; Eram de plástico branco e parecia que iria cair a
qualquer momento.


-
Hermione Granger – chamou a secretaria da Drª. Cabbot. Quando as quatro se
levantaram, muito firmemente a mulher falou: - somente uma acompanhante por
favor.


Gina
e Carol, é claro foram escolhidas... para ficarem na sala de espera. Elas não
fizeram caras agradáveis ao ver a Sra. Weasley passar com Hermione para o
consultório.


A
Drª Cabbot era uma pessoa mediana: nem alta nem baixa, nem gorda nem magra, nem
feia nem bonita. Parecia simplesmente uma pessoa comum demais, e não tinha
nenhum traço realmente marcante.


Foi
uma consulta agradável, com a medica deixando Hermione o mais a vontade possível
(embora isso tenha sido ligeiramente arruinado pela Sra. Weasley que escondia
sua irritação com a trouxa de modo não muito eficaz). Hermione tirou todas as
duvidas e recebeu bons conselhos (se tiver com sono, não resista: durma!).


-
Venham por aqui. É onde fica nossa aparelhagem de ultra-som. – a voz a drª
também não tinha diferenciação: tudo normal demais.


Uma
adolescente ajudou Hermione colocar uma longa camisola de exames (que não
serviu de muita coisa, já que teria que estar nua), e a levou para a maca.


A
drª fez vários exames de toques (particularmente embaraçosos) antes de
espalhar um gel transparente sobre a barriga ligeiramente protuberante de
Hermione.


E
então Hermione viu: o coração de seu filho ou filha batendo forte, a mãozinhas
(que a drª apontou no monitor), viu o formato dele pequenininho e lagrimas de
alegria vieram aos seus olhos. Quando se virou viu a Sra. Weasley enxugando
lagrimas também.


-
É lindo Hermione. Muito lindo mesmo! – disse Molly emocionada.


-
Você quer que eu grave para o futuro papai ver Hermione – perguntou a medica,
depois que as duas se recuperam do acesso de choro.


-
Eu quero sim – Hermione fez uma pausa, pensando se devia ou não falar, por
fim decidiu pela verdade – mas não é para o pai: ele não aceita o bebê.
Quero mostrar a outras pessoas.


Ao
ouvir a confissão de Hermione, a medica não alterou em nada seu comportamento.
Mas, no final da consulta, depois de entregar a fita, e Hermione e a Sra.
Weasley já estarem na porta, a medica sugeriu amavelmente:


-
Se você quiser Hermione, pode mandar seu ex-namorado vir falar comigo. Pode ser
bastante proveitoso.


-
Vou pensar drª Cabbot, mas obrigado assim mesmo. E ate o mês que vem.


-
Ate Hermione – ela se despediu normalmente, como tudo o que fazia.








Sirius
e Lupin ficaram como dois babões na frente da tv, assistindo aos dez minutos de
fama do bebê. Parecia que eles é que eram os mais interessados nisso tudo.


-
Ei olhe Aluado – disse Sirius apontando com o dedo, o coração minúsculo do
bebê – olhe como bate forte! (ele disse a mesma coisa nas outras três vezes
que vemos esse vídeo – resmungou Gina) vai ser um campeão da grifinória!


-
É, e faremos um Mapa do Maroto muito melhor! Revisado e reeditado – sonhou
Lupin.


-
Agora chega! – disse Gina, já em seu corpo mesmo – vocês já virão o
suficiente para encher o Tamisa de baba. Nós estamos indo e vamos levar tudo
embora....


 -
Não vão não! – esbravejou Sirius, ainda olhando a tela como besta – isso
pode ficar aqui mais alguns dias não pode Hermione? Queremos ver mais ele... é
tão lindo.


-
Ahhh... Sirius, os outros Weasley também querem babar em cima da fita – disse
Hermione desapontada – acho que seria cruel com eles, não acha?


-
Não. De verdade. Mas então podemos fazer uma copia da fita, e você pode
deixar aqui com a gente... – sugeriu ele com uma cara esperançosa: era quase
impossível resistir quando ele fazia assim, ficava parecendo tanto um cachorro
sem dono...


-
Vamos fazer o seguinte Sirius – sugeriu Gina, que tivera uma ótima idéia –
nós levamos tudo embora, e o pessoal lá de casa vê o vídeo. Então sábado
eu trago uma copia da fita e você compra seu próprio aparelho trouxa. O que
acha?


Sirius
concordou. Sabia que Gina entendera suas intenções.


-
Que bom então que estamos acordados – alegrou-se Hermione que nada percebeu,
(estava em um dos seus horários de sono). – Vamos embora Gina. Quero dormir e
amanhã tenho muito que trabalhar.


Em
cinco minutos elas juntaram tudo e aparataram para a toca (usando o cinto de
segurança de Hermione).


-
Será que essa idéia vai dar certo Almofadinhas? – Lupin expressou sua
preocupação.


-
Não sei Aluado, mas não posso permitir que Harry aja como um idiota para
sempre. Tem limites.


Lupin
achou melhor não dizer nada.








-
Vamos Rony, deixe de ser medroso. Eu só quero ir lá fora um pouquinho –
suplicou Carol, que não pudera ir com as meninas na casa de Sirius e Lupin.


-
Se você não esta com medo, vá sozinha então – retrucou Rony de maus modos.
Estava tentando estudar um complicado diagrama de motor de motos.


-
Você pode estudar lá fora Rony – por Merlin que ela tentava não perder a
paciência com ele: mas o cara era cabeça dura! – e eu poderei ver a lua.
Vamos, por favor.


-
Rony isso é modo de tratar uma visita? – ralhou a Sra. Weasley na porta da
cozinha – acompanhe Carol até lá, afinal não foi essa educação que sua mãe
lhe deu!


Como
sempre acontecia, Rony obedeceu a mãe (não que tivesse isso calado,
escutava-se nitidamente seus resmungos enquanto saia da cozinha com os diagramas
flutuando no ar à sua frente).


-
Obrigado Rony – Carol respirou profundamente – precisava mesmo de ar fresco.


-
Não sei porque – replicou azedamente – você passa o dia todo na rua, então
para que mais ar fresco?


Carol
ia responder, mas como poderia denunciar seu disfarce ficou quieta.


"Pelo
menos ela calou a boca!" Pensou Rony aliviado.


-
Então o que é isso que esta fazendo? – ela perguntou, como se tivesse
adivinhado seus pensamentos e resolvido contrariá-los. – e o que há de tão
complicado em lançar feitiços voadores em motos? – Carol espiou o grande
diagrama que Rony estudava.


Ele
quase gemeu de frustração! "o que há de tão complicado?..."


-
Garota – começou ele, falando entre os dentes – eu não quero conversa com
você! Só estou aqui porque minha mae, delicadamente pediu. E não olharia na
sua cara, se não estivesse passando as férias na minha casa. Não depois das
suas fotos e saídas com aquele ridículo trouxa...


-
Oohh! Então você vai finalmente falar o que esta sentindo – Carol estava bem
magoada com as palavras ferinas dele – isso é realmente bom, porque é bem
chato ver as pessoas fazerem cara feia e ranger os dentes sem entender o que se
fez.


-
E ainda precisa de explicação? – Rony parou de fingir que o diagrama era
interessante – você aparece no jornal com um almofadinha trouxa, depois faz
uma visita com ele na mesma fabrica em que trabalho! Mas é muita cara de pau a
sua mesmo.


-
Acha que só porque me roubou um ou dois beijos pode começar a sentir ciúmes
de mim Ronald Weasley – Carol se levantara de um pulo. – pois esta muito
enganado. Saiba que é o primeiro bruxo que eu...


-
Sei... que você beija é? – ironizou ele, com bastante sarcasmo – eu me
esqueci! (Rony deu uma palmada na testa) você não namora bruxos não é mesmo?
Ou somente os bruxos pobres? Porque eu fiquei sabendo que você anda visitando
Malfoy, e que passa muito tempo no escritório dele.


Os
dois estavam em pé, se olhando com as expressões mais ferozes que suas raivas
permitiam. "ele é um rematado imbecil!" e no mesmo momento que pensou
isso, Carol lascou um bom tapa na cara de Rony.


-
Isso é para você nunca mais ousar falar que sou interesseira. Seu... seu
nojento!


Como
estava preste a chorar, Carol correu para dentro de casa. Rony ficou lá,
debaixo da arvore, no jardim escuro, pensando se ela era mesmo interesseira.


-
Imagine, nem se deu ao trabalho de negar as acusações! – resmungou ele
baixinho, juntando as suas coisas.








Arthur
estava simplesmente boquiaberto! Os trouxas eram fantásticos...


-
Como eles se dão bem sem magia não é mesmo? – ele perguntou a todos e a
ninguém em especial.


Estavam
os Weasleys, Hermione e Carol no barracão do Sr. Weasley vendo ao filme de dez
minutos do bebê. E o que mais parecia encantado era o dono do barracão. Mas não
com o bebê em si, estava muito mais impressionado com as invenções trouxas!


-
É lógico que é lindo ver seu filho, minha querida – assegurou ele a
Hermione (Fred e Jorge tinham insistentemente falado que o pai não ligava para
o bebê, só para as coisas trouxas) – mas é que essas maravilhas eu ainda não
tinha visto. É muito interessante.


Hermione
apenas riu e deixou para lá. Sabia que o Sr. Weasley estava mesmo emocionado
com seu filho, assim como todos naquela fabulosa família.


-
Eu sinto muito gente – despediu-se Hermione, abrindo a boca – mas estou com
sono demais. Vou-me deitar, ate amanha.


Todos
entraram em casa juntos, menos o Sr. Weasley que ficou para investigar mais
aquelas maravilhas. Dentro de casa, eles se espalharam: a Sra. Weasley se sentou
na sala para terminar um tricô; Fred e Jorge se sentaram na cozinha para
conversar sobre a loja; Rony subiu para o quarto (sem nem ao menos dizer
boa-noite); e Carol chamou Gina para um passeio. Hermione também, mas como
estava cansada demais não aceitou.


Portanto
era calmamente que as duas davam uma volta pela Toca.


-
Eu acho que não quero mais me disfarçar Gina – falou Carol emburrada. Ela
fizera boas representações ao ver o vídeo, mas agora podia deixar o mal-humor
aflorar.


-
Mas... mas... porque? – Gina estava meio congelada. "não!" gritava
seu corpo. "graças à Merlin!" dizia a razão.


-
Simplesmente não sei o que sinto pelo Rony, Gina. Acho seu irmão lindo e
gostoso ... – Carol deu uma pausa (e nesse momento elas escutaram uma janela
bater forte dentro da casa.) Olharam assustadas, mas não tinha nada fora do
comum – mas simplesmente não sei o que sentir por ele. Em um momento penso
que não posso namorá-lo e em outro só quero sentir os lábios dele nos meus.
E no prazer que isso me dá.


Temos
o mesmo problema, pensou Gina, mas não disse nada. Só suspirou audivelmente.


-
É eu sei que é confuso – Carol parecia tão perdida que não viu o olhar
distraído de Gina – e eu me sinto mal. Porque mesmo que eu o faça me
perdoar, o que será bem difícil, não sei se poderei ficar com Rony.


Ao
ouvir o nome do irmão, Gina saiu do "dracotranse" em que estava.
"o que era mesmo que estavam falando? Ahh sim! De seu irmão"


-
Mas... você não pode para de se disfarçar Carol. Isso não lhe daria chance
nenhuma com ele.


-
Você escutou o que disse? – Carol parou de caminhar e ficou na frente de Gina
– eu não sei se quero ter essa chance!


-
Mas mesmo assim... você... você não pode... – Como Gina a convenceria a não
mudar de idéia? Se Carol parasse de se transformar, ela, Gina teria que parar
de ver Draco!


-
Porque não posso? – Carol ergueu as sobrancelhas. Gina sabia que teria que
contar a verdade.


-
Eu... eu... – por pouco Gina não disse que se sentia levemente interessada em
Malfoy – eu quero fazer Malfoy pagar uma divida comigo. E para isso preciso
que você continue a se disfarçar.


Carol
pensou um pouco antes de responder:


-
Tudo bem Gina. Você fica me devendo essa. E eu tenho uma idéia que vai poder
lhe ajudar muito nessa sua vingança.


Gina
sorriu, as idéias de Carol eram sempre boas.








O
que as duas não sabiam, era que a dois metros dali, encolhido perto da janela
Rony escutara uma parte da conversa (mas a Sra. Weasley o descobriu e o mandou
dormir). Mas escutara o suficiente para ficar feliz:


"Simplesmente
não sei o que sinto pelo Rony, Gina. Acho seu irmão lindo e gostoso" 
- ela me acha lindo e gostoso. Lindo e gostoso. As palavras ficaram se repetindo
ate Rony pegar no sono.


Harry
acordou se sentindo mais cansado do que quando fora dormir. Isso porque ele
descobrira que não tinha mais nenhum dos doces dos gêmeos, portanto não pode
fingir que estava doente. Tivera, então que agüentar as estafantes aulas da
tarde do dia anterior (transfiguração).


Ele
se arrastou pesadamente para a fila que ia para o refeitório. Estava cansado
demais e tinha a sensação que as coisas somente piorariam.


-
Ola Harry – saudou Neville que parecia bem disposto – eu terei minha
primeira aula de Defesa Contra a Arte das Trevas (Harry gemeu ao ouvir isso)
hoje à tarde.


Sem
receber nenhuma reposta, Neville continuou: - O que é que você queria falar
comigo Harry?


Como
que despertado de um transe, Harry contou tudo o que sabia de esquisito sobre o
instrutor Woodcrofth e Hannah, a mulher da secretaria. Que achara a conversa
deles estranha demais e logo depois do ataque comensal e também o grito de
ontem. E que ao que tudo indicava eles não se conheciam.


-
Isso é realmente estranho Harry – disse Neville pensativo – você acha que
eles podem estar de alguma forma ligados ao ataque naquela casa?


-
Eu não sei Neville, é que... só me pareceu suspeito.


-
Então porque você não fala para Hermione? – Harry fez uma cara de quem
achava Neville louco – é que, caso não saiba, saiu uma matéria no Profeta sobre ela hoje.


-
Deixa-me ver, anda!


De
posse do jornal, Harry leu a pequena reportagem falando de Hermione.


Anunciado ontem à noite pelo Ministro da Magia, em sua coletiva à
impressa, o nome das responsáveis pela investigação dos estranhos
assassinatos ocorridos na casa onde Você-Sabe-Quem matinha seu quartel General.



Hermione Granger e Vanessa Wolf, as duas inomináveis (denominação
para quem trabalha no Departamento de Mistério) serão as encarregadas do caso.
A Srta Wolf é uma funcionaria antiga, com mais de quinze anos de trabalhos;
agora o que a comunidade bruxa deve se perguntar é se uma recém-formada de
Hogwarts deveria assumir tão grande responsabilidade... Isso parece mais uma
imprudência do ministro...



A
reportagem (logicamente assinada por Rita Skeeter) vinha cheia de criticas a
atitudes do Ministro. Mas Harry ficou feliz por Hermione, já que ela parecia
ter se dado bem no emprego.


-
Então vai falar com ela? – perguntou Neville que estivera observando-o
enquanto lia o jornal.



- Vou pensar nisso Neville. Seriamente.



 


Draco
apertava insossamente uma letra ou outra no teclado. Tinha uma mão apoiada no
rosto e parecia babar em cima do computador. Estava com muito sono, tanto quanto
era possível uma pessoa estar.


-
Malfoy – gritou uma voz na sala de Sally – quer falar para essa mulher me
deixar entrar?!


O
rebuliço despertou Draco do estado de sonolência em que se encontrava. Quando
ele chegou na porta, viu uma cena que para sempre ficaria em sua memória.


Virginia
Weasley tentava de todo o modo passara pela eficaz segurança de Sally. Faltava
somente as duas se engalfinharem ali (embora Gina não fosse boba de puxar
briga; a outra bruxa podia usar magia e ela não).


-
Bom dia Weasley – desejou ele numa voz fria e cheia de sarcasmo. As duas
mulheres pararam na hora de tentar se atropelarem.


-
Sr. Malfoy! – arquejou Sally dando as costas soberbamente a Gina – eu tentei
dizer a Srta., que era um homem de negócios muito ocupados. Mas ela
simplesmente não me houve.


-
Tudo bem Srta. Mansfields – retrucou Draco tentando parecer controlado –
pode deixar que eu mesmo cuido dela.


Gina
apertou os olhos em triunfo para a secretaria e seguiu Draco para dentro da sala
dele. Mas sabia, que a batalha ainda não estava ganha. Simplesmente mudara o
oponente e campo de batalha...


-
O que pensa que esta fazendo aqui Weasley? – ele tinha dado a volta na mesa e
quis manter uma pose seria e distante (embora fosse extremamente complicado, já
que Gina usava uma saia jeans particularmente curta) – não disse que nunca
mais iria me ver?


-
Não pense que estou aqui por que quero Malfoy – respondeu Gina em um tom de
desdém comparável ao dele. – Apenas perdi uma estúpida aposta com Carol
Blair e estou pagando ela.


Draco
perdeu a fala por alguns segundos. "como elas ousavam apostar sobre
ele?"


-
Vocês... vocês apostaram sobre mim? – ele aumentou a voz estranhamente.
Estava muito indignado.


-
Mas é claro que não! – Gina descartou a idéia como se fosse absurda –
apostamos outras coisas, que não lhe interessam, e como ela ganhou, terei que
lhe dar essas aulas de computador.


Draco
deu uma risadinha desdenhosa.


-
Achou mesmo que iria querer aulas com você? – ele jogou a cabaça para trás,
a olhando como se fosse um verme – nem mesmo que eu fique com trasgos dançantes!


Gina
se indignou! "como ele poderia falar isso?" então uma idéia malévola
brilhou dentro dela. Gina respirou fundo e partiu para o ataque:


-
Então você prefere os trasgos é Malfoy? – Gina foi chegando perto da mesa
– não foi isso que me pareceu quando eu fui agarrada no Baile de Formatura.
– ela o acuou na cadeira – ou quando você me seguiu no Expresso de Hogwarts
– Draco sentou (lê-se por isso tombar) na cadeira e Gina foi chegando mais
perto.


-
Ou quando você me chantageou com a gravidez de Hermione, para que namorássemos.
– ela deu uma risada de escárnio e repetiu a cena de pouco tempo atrás
(novamente por cima dele, o prendendo em uma cadeira) – ou quando me fez usar
aquela ridícula saia machista por todo o colégio.


Gina
parou para respirar e ver os olhos meio arregalados de Draco.


-
Não esqueci nada do que aconteceu conosco Malfoy. E nem perdoei nada do que
aconteceu. Mas sei que você é esperto e compreende que me desafiar no momento
não será uma boa escolha. Você precisa de mim – ela foi chegando a cabeça
mais perto dele -  e eu pagarei minha divida.


-
No dia que eu for um hipogrifo sem asa... – começou Malfoy.


-
Nesse dia, felizmente não nos veremos mais – cortou Gina sarcástica –
agora podemos passar às aulas?


Draco
ainda olhou para a mulher a sua frente (não que estivesse em uma boa posição
para avaliar) e teve que se render ao inevitável: precisava dela, e insultá-la
não seria a melhor maneira de obter ajuda.


"Maldita
Carol Blair! Maldita Weasley!" Pensou com selvageria. Mas em voz alta disse
apenas:


-
Essa você ganhou Weasley. Vamos às malditas aulas.


Gina
saiu de cima da cadeira e com um sorriso vitorioso começou o dia.








Oxford
era uma cidade que vivia em função da universidade. Mas como estavam no verão,
período das férias escolares, havia hordas de turistas de todos os lugares do
mundo.


Vanessa
e Hermione seguiram de carro ate a cidade (temos sempre que agir do modo mais
trouxa possível Hermione – respondeu ela à sugestão de aparatarem). Na
entrada quase que Vanessa atropelou um jovem de bicicleta, mas depois de
resolvido esse transtorno elas conseguiram chegar na universidade.


A
universidade de Oxford era tão antiga quanto à cidade e Hermione ficou
encantada com os muros de pedra que datavam a Idade Média.


-
Imagine a biblioteca desse lugar Vanessa! – exclamou ela ao entrarem no saguão
da diretoria.


-
É maravilhosa mesmo. Quem sabe um dia você não ganha um curso aqui? –
Hermione olhou tão encantada para Vanessa, que esta teve que rir de sua cara.
– Mas vamos ao que interessa não é mesmo?


Depois
que saíram do saguão, elas entraram em uma sala no fim do corredor. Era lá a
sala do reitor da universidade, mas primeiro teriam que passar pelo "leão
de chácara" da secretaria.


-
O reitor não poderá atendê-las.- disse a senhora muito empertigada. – ele
esta bastante ocupado no momento.


-
Nós sabemos disso Sra. Mollaw – disse Vanessa suavemente – mas temos um
mandado de busca e apreensão. Por isso acho que ele terá um tempo para nos
receber.


Os
óculos tremeram horrivelmente na ponta do nariz anormalmente grande da mulher.
Com um murmúrio inaudível ela sumiu para dentro da sala do reitor.


-
Você é má Vanessa. – riu-se Hermione – deixou a coitada tremendo.


-
Detesto secretarias intrometidas! – disse Vanessa fazendo pose.


O
reitor saiu da sala, seguido de perto pela Sra. Mollaw. Era um homem alto, mas
com a constituição daqueles que passam anos enfiados em bibliotecas.


-
Em que posso ajudá-las? – ele tinha uma voz bem educada e fria.


-
Somos os detetives Granger e Wolf - Hermione tomou a dianteira - da Yard, reitor
Hendricks (eles apertaram as mãos). Estamos fazendo algumas investigações
preliminares e queremos o histórico escolar e qualquer outro documento de um
aluno da universidade.


Como
o reitor continuou olhando-as, sem convidar para sentar ou entrar em seu escritório,
Hermione continou o discurso:


-
Portanto agradeceríamos se pudesse cooperar em tudo que puderem.


-
Posso ver o mandado de vocês? – ele tinha uma expressão ainda mais gelada.


Vanessa
passou o papel para ele, orgulhosa de Hermione. Ela fizera do jeito certo.


-
Alexander Jonas, aluno de administração. É parece que está tudo em ordem com
o papel. Sra. Mollaw pegue a ficha desse aluno, vocês poderão usar aquela sala
ali. – ela apontou para outra porta.


-
Obrigado reitor Hendricks. – disse Vanessa. As duas seguiram para a sala.
Esperaram no mínimo vinte minutos antes da Sra. Mollaw chegar com duas pastas
cheias de documentos.


-
Aqui esta. – disse da má vontade, quase jogando as pastas em cima da mesa.
– bom trabalho!


-
Se não tivéssemos esfregado o mandado na cara deles, você veria como iríamos
ser tratadas.  – resmungou Vanessa ao se sentar para começar a
trabalhar.


-
Seriamos escorraçadas, eu imagino. Hermione lia concentrada, o primeiro papel
que puxara da pasta.


Vanessa
fez um ultimo som grosseiro e o silencio imperou na sala. Estavam absortas em
descobrir as mentiras de Alexander Jonas.








-
Vai me dizer onde é que ela esta?


Carol
pulou na cadeira de susto. Rony a olhava aborrecido da porta.


-
Quer me matar do coração! E do que, Merlin, que você esta falando?


-
Não se faça de desentendida Blair. Quero saber onde é que Gina foi!?! E não
me venha com evasivas! – detestava que os outros tivesse segredos para ele.


-
Se ela não quis lhe dizer, não serei eu que falarei. – Carol olhou com
estremo nojo para ele (resolvera mudar de tática) – e agora pode ir saindo
que tenho muito que fazer.


-
Não de as costas para mim – Rony virou a cadeira giratória em que Carol se
sentava – quero saber onde Gina esta e quero saber agora.


O
sangue de Carol ferveu. "Quem ele pensa que é?!"  E com uma força
tirada da indignação ela se levantou da cadeira e empurrou Rony na parede (o
que não é uma coisa muito fácil, já que ele é mais alto e forte que ela),
mas como foi pego de surpresa se deixou encostar na parede.


Carol
então o beijou. Não uma coisa doce e singela como fora ate ali. Foi animal e
cheio de paixão. Agressivo, descontando toda a frustração que sentia naquele
toque de lábios. Quando se soltaram Rony a olhava com olhos do tamanho de
pires.


-
E isso é a única coisa que vai sair da minha boca Weasley. – declarou ela
arfante e triunfante, saindo da sala e indo de encontro ao Sirius, que esperava
para apreender as "técnicas trouxas".








 
- Se eu pegar mais uma folha dizendo o quanto esse cara é perfeito, quebrarei
metade desse escritório – ameaçou Vanessa.


Hermione
riu. Vanessa ficava muito engraçada frustrada.


-
Não se preocupe Vanessa. Vamos achar alguma coisa, afinal passamos a manha toda
analisando esse bando de coisas inúteis. Talvez agora depois do almoço, eles
comecem a trazer coisa que preste.


A
Sra. Mollaw entrou trazendo mais pastas. Ainda conservava a mesma cara de
mau-humor.


-
Você acha que posso fazer um feitiço de cola-permanente e deixar essa cara
dela para sempre? – perguntou Vanessa, quando a mulher saiu da sala.


-
Se quiser enfrentar o Ministério depois – respondeu Hermione distraída –
mas eu acho que você não devia fazer isso, porque... – ela parou no meio da
frase e ficou olhando para o papel que estava lendo, com olhos assombrados.


-
Porque? – perguntou Vanessa. Que ao não receber resposta olhou para Hermione
– o que? O que achou ai?


-
A resposta que viemos buscar. – um frêmito de excitação passou pelo corpo
dela - descobrimos agora quem pagou a faculdade para Jonas. E você não vai
acreditar Vanessa.


Vanessa
adiantou e pegou o papel. Ao ler o nome que estava ali, deixou um palavrão
sair:


-
Mas é absurdo! Que motivos ele teria para fazer isso?


-
Jonas é filho dele Vanessa. Olhe a aparência do cara. É idêntico ao irmão!
Estava na nossa cara e não quisemos ver isso! – concluiu ela indignada.


-
Vamos Hermione, você esta delirando. Só sabemos que ele pagou a faculdade de
Jonas. Não podemos afirmar nada com relação à paternidade.


Hermione
revirou os olhos.


-
Se quiser uma prova vamos voltar para Londres e te darei mais provas.


As
duas se levantaram e arrumaram toda a bagunça que haviam feito. Agradeceram a
Sra. Mollaw e foram embora.


A
cabeça de Hermione fervia com as novas possibilidades que essa descoberta
provocava.


-
É tão impossível, que realmente é possível! – disse ela para si mesma
dentro do carro.








Sábado
chegou trazendo novas esperanças para Harry. Fazia um lindo dia de verão e em
menos de dez minutos ele estaria sendo dispensado para mais um final de semana
em casa.


Ele
entrou na fila que levava à secretaria para entregar seu crachá e pode
perceber que Woodcrofth disse a Hannah que ouvira a discussão entre os dois.
Ela tinha um olhar assassino, cravado nele.


-
Acho bom você tomar cuidado Harry – alertou Neville quando já estavam fora
do CTA – me disseram que essa mulher é uma das piores desse Centro. E pelo
olhar que ela te deu... Eu ficaria alerta.


Harry
não levou o aviso a serio. O que ela poderia lhe fazer? E alem do mais a
conversa que ouvira não fora nem um pouco elucidativa, pelo contrario:
deixara-o com mais duvidas.


-
Em todo caso, ate segunda Neville. Bom final de semana. – Harry desejou e logo
desaparatou para casa.


A
chegada em casa não foi, definitivamente, como ele imaginara. O apartamento
estava vazio e pelo estado da mesa da cozinha, Sirius e Lupin já tinham tomado
café.


Harry
pegou umas bolachas de cima da mesa, e foi para sala. Esperara encontrar Sirius
e Lupin e comentar o que acontecera na semana com eles.


Frustrado
ele se sentou na sala e reparou uma coisa: os dois haviam comprado um vídeo
cassete! Harry saiu do sofá e se sentou no tapete. Estava analisando a nova
aquisição dos dois malucos quando a campainha tocou.


-
Ola Gina – disse ele ao ver quem era. – como vai?


-
Bem. Estou procurando Sirius ou o Lupin. Onde eles estão? – ela disse da
porta. Sem entrar no apartamento.


"Devia
ganhar um premio por mentir tão bem!" Pensou Gina satisfeita.


-
Eles não estão em casa Gina – "é eu sei! Combinei isso com eles!"
– mas entre e...


-
Obrigado Harry. Mas não tenho tempo. Só queria mesmo é entregar essa fita,
como combinei na quarta. – ela colocou uma fita da capa preta nas mãos do
garoto – entregue para mim, sim?


-
Mas não quer entrar? – perguntou ele desapontado.


-
Não posso. Eu tenho um encontro agora e não quero me atrasar. Só digam a eles
para não babarem feitos bobos – ela riu, como se Harry tivesse entendido a
piada – ate depois Harry.


Ele
fechou a porta e ficou olhando para fita. "O que será que os faria babar
feito bobo?" Harry não conseguia pensar em Sirius fazendo papel de idiota.


Curioso
ele pôs a fita no vídeo. Pensando vagamente que aquela fita deveria ser o
motivo da compra do aparelho.


De
tudo o que Harry pudesse pensar que estaria dentro da fita, com certeza não foi
o que apareceu na tv. Ele parou petrificado, com uma bolacha no caminho da boca.


-
Santo Merlin! Eu não posso acreditar – disse ele com a voz fraquinha.


Estava
olhando para o pulsar do coração de seu filho. E vendo o formato que ele
tinha. Depois a imagem passou para uma Hermione sorridente e a medica falando
algo que ele não entendeu.


Estava
vendo a barriga dela, já meio crescida e linda. O sorriso feliz e a Sra.
Weasley chorando.


Novamente
o bebê apareceu, mostrou o contorno das mãos e pés. E também o coração
batendo depressa.


Durante
10 minutos o mundo parou para ele. E pela primeira vez se deu conta que não
estaria perdendo nada com aquela gravidez; e sim ganhando!


Quando
o vídeo acabou, uma lagrima solitária caiu no rosto dele.


Harry
nem reparou.








Esgueirando
pelas ruas tortas de Londres, um homem de capuz continuava seu caminho, tentando
a todo custo escapar do sol. Era necessário que ninguém o visse ali.


Ele
entrou em um casebre tosco e mal iluminado, que cheirava fortemente a esgoto.
Deu quatro pancadinhas em outra porta e uma pessoa abriu-a para ele.


Assim
que se viram seguros dentro de uma sala escura como o breu, o homem de capuz, o
Informante, falou rapidamente as novidades.


-
Então ela esta grávida? – repetiu uma voz rouca, como se não fosse usada há
muito tempo.


-
Sim. Deve ter poucos meses, mas a barriga esta bem pronunciada. - repetiu o
Informante.


-
Interessante. Muito bom isso ter acontecido nesse momento. Mais um Potter no
mundo, e o melhor... Um recém nascido!


-
Não, acho que você se engana - contradisse o Informante - o nome dela, tenho
certeza, é Hermione Granger.


-
E o filho foi feito sozinho!?! - estorvou-se a voz rouca e pouco usada - ela é
namorada de Potter! Todo o mundo bruxo sabe disso!


Houve
um segundo de retumbante silencio. Em que a tensão pareceu vibrar dentro da
sala escura.


-
Mas eu me esqueço - continou a voz sarcástica - voc não faz parte
desse mundo! É um aborto não é mesmo?!


O
Informante apertou os olhos, até que sobrou somente uma linha fina de cor da íris.


-
Feche essa sua boca seu grande estúpido! Somos da mesma família. Por isso não
fale nesse tom superior comigo.


-
Falo como quiser - continuou o outro petulante - sou um bruxo...


Mas
ele nem teve tempo de continuar; Em uma confusão apertada e escurecida, o
Informante apertou o arrogante Bruxo na parede.


-
Continue nessa linha de raciocínio, e não verá o próximo dia nascer. Porque
existem muitas maneiras de matar sem ter que usar essa sua "farpinha de
madeira". - o Informante soltou o Bruxo. E este, com um gesto brusco, se
ajeitou dentro das vestes pretas.


-
Você está certo. Não podemos brigar. São nossas diferenças que nos une, não
podemos permitir que nos separe! Depois desse discurso melado, os dois homens se
abraçaram.


-
Acho que isso é tudo. É melhor ir agora. Eles podem notar minha ausência.


O
Informante se despediu e virou-se para ir embora. "Um dia irá me pagar por
todos os insultos que proferiu, desgraçado!"


"Se
o idiota imbecil, acreditou naquele discurso ridiculamente meloso, ele é mais
burro que eu imaginava!" Pensou o Bruxo antes de fechar a porta e
desaparatar dali.








N/A¹:  Agradecimentos especiais para: Ângela Oliveira (imagine se
vc visse o nome antigo entaum, fia, nunca que ia que ler!); Leon Crawfort
(descobrir eu não sei, mas axo que eles ficaram desconfiados hein?); Tonks
Black (Tonks Power, Girl!); Pelúcia (ainda bem que vc gostou, pk eu amo sua
fic!); Stella (ei fia, num fique histérica naum... me mande um mail dizendo que
quer, e eu te coloco na minha lista de contatos... assim sempre vai receber
aviso de atualizações).


Agradecimentos
mais que especiais para Nina (que deu a idéia da fonte com a cara de
personalidade bruxas, e um ou outro palpite certeiro) e a SarahBlack (que
conversa direto comigo no msn, leiam a fic dela: Uma História Diferente – no potterish)


Pro
pessoal do Potterish um beijão tb... (como o site num funciona, naum poderei
colocar o nome aki)


N/A²: Desculpe, desculpinha, desculpão!!! Naum queria demorar na
atualização, mas motivos importantíssimos (leiam a prox. N/A) me tiraram essa
escolha. Não prometerei mais agilidade, quase nunca consigo cumprir essa
promessa. Mas vou tentar ser mais rápida!


N/A³: Quem lê minha outra fic (Sempre Há Um Amanhã) sabe que no
inicio da semana eu fui injustamente
acusada de plagio. Eu fiquei realmente stressada com isso. E fui em todos os fóruns
que sou associada (animagos; BD; potterish e Sobresites) colocar a boca no mundo
contra essa pessoa! E para explicar tb, aos leitores, o que tava acontecendo.


N/A4: É eu sei que esse cap complicou mais ainda a marafunda! quem é
que Rabicho e Nott botaram na cadeia? O que Woodcrofth tem com a Hannah? Quem
pagava a faculdade para Jonas? Quem são os dois homens conversando no final? O
que a Gina vai fazer com o Draco? e a Carol e o Rony vaum chegar em que lugar? E
o Harry? o que ele vai fazer agora que viu seu filho? a Hermione poderá
perdoa-lo? NAUM DEIXEM DE LER OS PROXIMOS CAP!!!! (que chamada de novela
mexicana hein?). bom,  axo que isso era tudo o que tinha para falar, então:
Xauuuuuuuuu!!!!!!!!


 


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.