FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

24. A Volta e a ida


Fic: Harry Potter e a grande batalha


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Harry suspirou e sorriu. Apesar de ter acordado á exatas 48 horas, o moreno já recebera alta, sob a condição de continuar o tratamento na Ala Hospitalar. Sirius concordara em acompanhar o rapaz até a escola e guia-lo até a segurança da Enfermaria.


-Como já disse, Sr. Black, não permita que o senhor Potter ande por muito tempo carregando sozinho o próprio peso!- Um médico de seus cinqüenta anos, com algumas mexas grisalhas, dizia, enquanto alisava o bigode.


-Pode deixar...-Sirius falou, sorrindo, enquanto pegava a mala, na qual levara algumas roupas para o moreno logo que ficara sabendo que ele acordara.- Esse moleque não dá um passo sem a minha ajuda!- Completou marotamente. O médico sorriu, antes de fazer um gesto com a cabeça e sair do quarto.


-Ele é meio molóide ou é só impressão?- Harry perguntou, enquanto se levantava com alguma dificuldade e se apoiava em Sirius.O bruxo mais velho riu e começou a caminhar lentamente, para que Harry pudesse acompanha-lo sem se esforçar muito.


-Não faço idéia, mas que pareceu que ele é molóide, parece!-Sirius respondeu. Harry riu de fraquinho.


Respirou fundo logo que alcançaram a rua e permitiu que a brisa morna de inicio de verão brincasse com seus cabelos. Soltou o ar pela boca e olhou ao redor. Era tão bom sentir o sol tocar sua pele diretamente, depois de semanas sendo aquecido só por cobertas. Definitivamente, agora ele sabia como as pessoas viam o mundo após ter ficado á beira na morte. Uma brisa mais forte bateu, fazendo com que seus cabelos "voassem" para o lado bruscamente. Cerrou levemente os olhos, para evitar que alguma poeira entrassem nos orbes verdes.


Acompanhou Sirius até um carro preto, com as janelas filmadas, impedindo de ver dentro do veiculo.


-Peguei emprestado com o ministério!- O padrinho explicou, enquanto o motorista saia e guardava a mala do Harry no porta malas.- eles concordaram veemente que você deveria ter tratamento especial por ter salvado o mundo e as bundas gordurosas deles.- Sirius completou em um sussurro maroto. Piscou um olho para Harry, que ria, e ajudou o afilhado a entrar no carro.




Engoliu o chocolate rapidamente, para não engasgar, e começou a rir feito louca. Raquel estava na enfermaria, visitando os amigos, que logo receberiam alta, quando Rony lhe oferecera um Sapinho de Chocolate e o ruivo começara a contar piadas, nada que fosse realmente engraçado, mas a morena estava se sentindo boba, fazendo com que sentisse vontade de rir de qualquer coisa.


Se engasgou com a própria saliva, fazendo com que tossisse e risse ao mesmo tempo. Rony deu tapinhas nas suas costas tentando ajuda-la, enquanto ele, Hermione e Biatriz riam dela.


-Você está realmente bem?- Biatriz perguntou, entre uma risada e outra. Raquel deixou a coluna ereta e jogou a cabeça pra trás, enquanto dava leves tapas no próprio colo. Assim que conseguiu parar de tossir, continuou rindo.


-To ótima!- Raquel falou, se lembrando de responder. Puxou o ar com força e o soltou pela boca, enquanto Biatriz sorria e revirava os olhos. Hermione também.


-Ela sempre foi assim?- A monitora perguntou para a prima que confirmou com um aceno de cabeça.


-Sempre!- Biatriz falou, para reforçar sua resposta.- Costumava ser mais boba, mas quando veio pra cá começou a criar juízo.- Completou dando uma piscadela para Hermione.


-Não fale muito, Bia!- Raquel falou, sorrindo traquinas.- Você não era Santa até vir pra cá!- Continuou, aumentando o sorriso.- quantas detenções você recebia por rir alto demais? Cinco, ou talvez seis, por semana, não é?- perguntou rindo. Biatriz encolheu os ombros.


Nesse instante a porta se abriu e por ela entrou uma Madame Pomfrey apressada, carregando uma pequena mala. A enfermeira caminhou até o leito vazio, ao lado da cama de Rony, colocou a mala na mesa de cabeceira e começou a arrumar a cama. Rony, Hermione, Lílian, Biatriz e Raquel se entreolharam confusos. Quem estaria indo se "hospedar" na enfermaria? Quem será que conseguira se machucar sozinho chegando a ponto de ter que ficar internado?


Assim que terminou de arrumar o leito, Madame Pomfrey foi até a porta e ficou lá parada, como se estivesse esperando algo, por alguns minutos. Até que a enfermeira abriu uma das portas por completo e por ela entrou Harry, sendo amparado por Sirius.


Raquel segurou o ar nos pulmões. Sabia que Harry estava bem, mas não podia imaginar que em menos de 72 horas o moreno receberia alta de St.Mungos e ficaria na enfermaria de Hogwarts. Soltou o ar e pegou mais quando seu corpo começou a clamar por oxigênio e uma respiração saudável.
Sirius guiou Harry até o leito que Madame Pomfrey indicara. O moreno sorriu para o padrinho e se sentou, para logo em seguida se deitar, a mando da enfermeira, e suspirar.


-Odeio isso...-Ele sussurrou, visivelmente começando a ficar irritado com tantos tratamentos que, obviamente, estava tendo que fazer.
Sirius sorriu compreensivo e seguiu Madame Pomfrey até a sala dela e ambos se trancaram lá. Assim que ouviu o barulho da porta se fechando, Harry levantou a cabeça levemente e olhou para o local, sorriu travesso e se sentou na cama.


-Vocês acreditariam se eu dissesse que minha bunda deu graças a Merlin quando eu caminhei até aqui?- ele perguntou para os amigos, enquanto sorria. Todos retribuíram e Rony jogou um Sapinho de Chocolate para o moreno, que o pegou no ar e sorriu agradecido.


-Harry...Você pode me falar uma coisa?- Lílian perguntava, enquanto surrupiava um bombom da irmã.


-Diga...- O moreno falou antes de dar uma dentada, que arrancou a cabeça do sapinho.


-Comida de hospital é ruim?- Lílian perguntou, enquanto amassava o papel do bombom.


-Horrível...-O moreno respondeu, dando mais uma dentada no doce.


-O QUE O SENHOR PENSA QUE ESTÁ FAZENDO, SENHOR POTTER?- Madame Pomfrey gritou, saindo da sua sala e pegando Harry comendo chocolate.


Ao ouvir o grito da enfermeira, o moreno se encolheu e, no susto, deixou o Sapinho de Chocolate cair.


-Hm...Comendo chocolate?- ele respondeu incerto.


-O problema não é nem esse!- Ela falou rígida, enquanto parava na frente do Menino Que Sobreviveu e colocava as mãos na cintura.- Quem disse que o senhor podia sentar?- ela perguntou, enquanto batia o pé no chão. Harry passou a mão pelo cabelo num gesto nervoso. Sentiu o olhar divertido do padrinho sobre si e seu olhar adquiriu um brilho traquinas.


-O Sirius!- Respondeu, levantando os olhos para encarar a enfermeira - É tudo culpa do Sirius.- olhou para o animago por cima do ombro, a tempo de ver o homem arregalar os olhos e a cor fugir do rosto do bruxo mais velho.


-Senhor Black!- Madame Pomfrey exclamou e arrastou Sirius até a sua sala para conversarem.




-Vai ficar em Hogwarts até quando?- Lílian perguntou. Ela e Raquel estavam sentadas em um tronco de arvore, na frente do lago naquele final de tarde, conversando, depois de voltarem da visita que fizeram aos amigos na enfermaria.


Ao ouvir a pergunta da amiga, Raquel suspirou e ficou observando o efeito que a luz do sol se pondo fazia sobre a água cristalina do lago.


-Não sei quanto tempo mais a Madame Maxime vai ficar aqui...-A morena respondeu, ainda olhando para o lago- Parece que ela está fazendo um acordo com o Dumbledore, ou algo do gênero.- completou, incerta.
Lílian olhou a amiga por um tempo, antes de, também, começar a observar o lago.


-E como o Harry fica nessa história?- Perguntou sem encarar a amiga.- Você ainda o ama?- Raquel respirou fundo.


-Sabe...Eu andei pensando sobre isso, esses dias...-Sussurrou após um tempo em silêncio.- Cheguei a conclusão de que entre eu e o Harry só pode existir amizade! Nada mais que isso!


Lílian suspirou resignada e olhou com repreensão para a amiga.


-Quel...Eu sei que você ainda o ama!- Começou- E não me interrompa!- Pediu ao ver que ela ia falar- Eu não sei por que você fica se engando! Volte pra ele! Seja feliz! Tenho certeza que ele te ama!- Raquel suspirou e deitou na grama.


-Você quer saber a verdade? É eu aindo o amo! Mas minha magoa é maior que meu amor! E eu não vou voltar a ter uma relação amorosa com ele!- completou com a expressão fechada.


-Quel...Por Merlin! Dê uma chance á vocês! O Harry está sofrendo muito por causa disso tudo! E tenho certeza que você também!- Lílian pediu, indo se deitar ao lado da amiga.


-Por Merlin, digo eu!- Raquel falou, começando a se chatear com aquela conversa.- Lily, tudo bem que você diga o que ELE está sentindo, afinal, ele pode ter te contado! Mas, por Deus, não tente dizer se EU estou ou não sofrendo com tudo isso!- Respondeu rispida.


-Ótimo! Me desculpe por querer o melhor pra você!- Lílian exclamou, parecendo magoada.Se levantou e começou a caminhar em direção do castelo.


-Droga.-Raquel sussurrou, antes de se levantar e ir atrás da amiga, concertar a burrada que fizera, ou pelo menos tentar.-Lily!- Chamou, correndo até a morena e parando na frente dela.-Me desculpa tá lega!?- Falou, Lílian fingiu não ouvir e virou a cara.- Droga! Será que você pode fazer o sacrificio de me ouvir?- estourou. Lílian a encarou parecendo surpresa.
Após a surpresa inicial, Lílian se desviou da amiga e continuou seu caminho, mas não escapou de ouvir uma última frase de Raquel.


-ÓTIMO!- Ela gritou, começando a chorar- Depois não venha dizer que quem não sabe ser amiga aqui sou eu!- Lílian parou de caminhar e virou para encarar a morena. Percebeu que ela chorava. Sentiu um nó se formar em sua garganta. Caminhou até a amiga e a abraçou.


-Merlin...-Sussurrou- Me desculpe!- Pediu, passando a mão pelas mexas castanha de Raquel.- Desculpe por mexer numa ferida que ainda está aberta e por insistir nisso, mesmo você não querendo!


-Tudo bem...-Raquel sussurrou entre um soluço e outro.- Mas...Droga...O Potter é um idiota sabia?- perguntou sorrindo travessa, enquanto as lágrimas anda caiam por seu rosto.


-Por quê?- Lílian perguntou confusa.


-Pra contar o que ele ta sentindo pra você...-Provocou e Lílian riu.


-Não começe, pirralha!- Advertiu e Raquel riu, enquanto secava as lágrimas.


-Não é só por que você é um dia mais velha que eu que você pode me chamar de pirralha!- Devolveu. Foi a vez de Lílian rir.


-Você pediu!- Lílian brincou, começando a fazer cocegas na amiga, que começou a gargalhar.




Harry suspirou e voltou a olhar pela janela. Agora entendia por que preferia ficar em St.Mungos. Lá pelo menos eles davam algo para os pacientes ficarem fazendo. Já ali, na Ala Hospitalar, não havia absolutamente nada para se fazer, a não ser ficar admirando o pôr do sol pela janela.


Harry bocejou e se afundou nas cobertas.


Merlin, aquilo era tedioso.


Se aconchegou melhor na cama, da maneira como pôde e ficou observando o teto braco, esperando a vontade de dormir vir. Permitiu que sua mente vagasse por momentos que ele não lembrava a alguma tempo: Dos momentos que passara com Raquel.


Merlin, aquela garota era tudo na sua vida! Na sua opinião, ela era perfeita para si. Sentiu um aperto no peito ao se lembrar de quando ela o pegou beijando Cho Chang. Merlin sabia o quanto se arrependia de ter aceitado conversar com a oriental naquele dia.


Sentiu os olhos se encherem de lágrimas. Se Cho Chang queria ver ele sofrer por uma garota, ela vira.


-Porcaria...-murmurrou- Preferia ter morrido á ter que sobreviver e ficar vivendo com essa dor...- se deitou de bruço, sem deixar muito peso em cima do ombro e ficou observando o dia dar lugar a noite pela janela.
Vivendo...Hunf...Não era isso que ele estava fazendo! Ele estava sobrevivendo! Era isso que estava fazendo...Não podia viver se não era feliz!
Harry abaixou os olhos. Não tinha mais sentido continuar com aquilo tudo! Por que mater uma farça dizendo que ia se casar com Cho por amor, sendo que a pessoa que amava era Raquel? Merlin, sua vida estava de cabeça pra baixo.


-Não da pra viver desse jeito...-Sussurrou. Olhou para o lado. Rony e Hermione dormiam tranquilamente. Biatriz havia sido liberada mais cedo. Céus, como tinha inveja dos amigos. Brigavam, brigavam e brigavam, mas se acertavam em menos de uma hora!


Merlin, como queria um relacionamento assim com Raquel. Poderiam ter suas brigas, mas sempre se acertava, Suspirou.


Por que continuar vivendo e sofrendo se era melhor morrer e não sentir mais nada?


Respirou fundo e soltou o ar pela boca.


-Se não posso ser feliz, pra quê viver?- sussurrou para si mesmo, enquanto ficava observando a lua cheia.


Procurou sua varinha com os olhos e a encontrou em cima da sua mesa de cabeceira, em meio aos doces que recebera. Estendeu a mão para pega-la, mas antes que seus dedos pudessem tocar a fina madeira, a porta da sala de Madame Pomfrey se abriu e por ela apareceu Sirius.


-O que está fazendo, Harry?- Ele perguntou, fechando a porta atrás de si e caminhando até o afilhado, que parou a mão no meio do caminho para olhar para o amigo de seus pais.


-Nada...-Sussurrou e continuou o caminho, só que pegando um doce, para disfarçar.


Sirius suspirou e conjurou uma cadeira. Colocou o movel ao lado da cama de Harry e se sentou, enquanto o moreno se ajeitava na cama e comia em silêncio.


-Eu te conheço muito bem, garoto...-Sirius falou após um tempo.- Sei que está mentindo...-Completou e Harry levantou os olhos para encarar o padrinho- Você é igualzinho ao Tiago quando mente...


-Como assim?- Harry perguntou com a boca cheia. Sirius sorriu nostalgico.


-Assim como ele, você pára no meio de suas ações erradas quando é pego e fala que não é nada...Seria convincente se não fosse pelo brilho nos olhos!- Sirius explicou- Quando você mente, Harry, seu olho brilha de forma culpada!- Terminou e Harry abaixou os olhos, encarando as próprias mãos.


-Por que eu nunca consigo guardar algo só pra mim?- ele perguntou em meio a suspiro desanimado.


-Talvez por que tudo o que você quer guardar para si seja, no minimo, preocupante...-Sirius respondeu, enquanto se ajeitava melhor na cadeira.- Anda, Harry...Me conta o que está acontecendo com você e o que você queria fazer.- Sirius pediu.


-Como você pode saber que está acontecendo algo comigo?- Harry perguntou, parecendo indgnado.


-Preciso mesmo responder?- Sirius respondeu com outra pergunta, parecendo chateado pelo afilhado estar enrolando para falar o que estava acontecendo.


-Desculpa...-Harry sussurrou.


-Harry conta logo! Já deu pra ver que algo estremamente errado!- Sirius precionou. Harry torceu os próprios dedos e mordeu o lábio inferior, parecendo cogitar o pedido do padrinho.


-Ta legal, você venceu...-O moreno respondeu em meio a suspiro cansado.


Sirius o olhou, parecendo preocupado.


-Diga...-pediu, passando as mãos pelos cabelos


-Sirius...-Harry começou, estralando os dedos tensos.- Por que eu tenho que continuar vivendo se eu não tenho mais a mulher que amo? Não tem sentido!- Falou de um folêgo só.


-Você não ia...Ia?- Sirius perguntou assustado.


-Ia, Sirius...-Harry respondeu, evitando olhar nos olhos do padrinho.


-Por Merlin, não acredito que você ia fazer uma coisas dessas!- Sirius falou, ainda assustado.


-Só não ia, como vou...-Harry respondeu. Sirius respirou fundo e adquiriu um olhar severo.


-Harry...-Sussurrou num tom perigoso, o que fez Harry se encolher.- Não faça uma coisa dessas por ninguém!- Falou, ainda no tom perigoso- Não vale a pena! Por que se matar para satisfazer a si mesmo e deixar uma penca de neguinho vivo e sofrendo por sua causa?- explodiu.- Você quer se matar? Ótimo! Se mate! Mas vai ter que me matar antes!- Completou num tom brando- E olhe pra mim quando estou falando!- Mandou e Harry obedeceu, hesitante.


-Sirius...-Harry começou, ainda hesitante- Você não sabe o quanto eu amo a Raquel! Sem ela eu não vejo sentindo em continuar vivo!


-Deixa de besteira, moleque!- Sirius falou, se levantando. Rony resmungou alguma coisa, mas não acordou- A Raquel não é a única mulher do mundo!


-Pode não ser a única no mundo...-Harry respondeu- Mas é a única que consegue dar alguma sentindo para a minha vida!- Completou.


-Harry, existe uma frase trouxa que diz: Só se esquece um amor com outro!- Sirius falou, se acalmando- O que eu quero dizer é que o melhor que você tem a fazer é esquecer a Raquel! Eu sei que não é fácil, mas é a sua única saida! A Raquel já está trabalhando para te esquecer! Faça o mesmo.- completou.


-Não quero esquece-la...-Harry sussurrou chateado.


-Harry, se o destino de vocês for ficarem juntos você vão ficar, mais cedo ou mais tarde!- Sirius falou, se sentando ao lado do moreno na cama e passando o braço por cima dos ombros dele, o abraçando como um pai faria- Mas só não me dê a dor de te ver morto...Por favor.-Pediu em um sussurro.
Harry suspirou e olhou para o padrinho. Se sentiu culpado ao ver o sofrimento que causara ao bruxo que era como um pai para si.
Merlin, tudo que não queria era ver o padrinho sofrendo.


-Certo...Você venceu...-Harry sussurrou.- Só para constar...Eu vou me casar com a Cho...Depois da formatura...-Informou e Sirius pareceu surpreso com aquela noticia..- Eu não a amo como deveria, mas talvez, com o tempo, ela me ensine como faze-lo...-Completou.


-Harry, antes de fazer o que está pensando, fique ciente de uma coisa: jamais brinque com o sentimento das pessoas. Se você acha que não vai conseguir amá-la, então não case com ela!- Sirius advertiu.


-Sirius, eu vou aprender a ama-la. Tenho certeza disso! Ela me ama, então vai ser mais fácil pra mim aprender a retribuir isso!


-Não é assim, Harry!- Sirius falou, se levantando e andando de um lado para o outro- Não entendo por que você fica tentando se enganar! Harry, você mesmo disse que não queria esquecer a Raquel, e acaba de me dizer que vai aprender a amar a Cho! Por Merlin, você está uma maquina de confusão!


-Obrigado pelo elogio!- O moreno falou sarcastico e Sirius sorriu de fraquinho.




Raquel suspirou e se espreguiçou. Colocou os braços atrás da cabeça e continuou observando o céu noturno, que estava estrelado e a lua cheia parecia flutuar num mar gelido, porém bonito.


Estava pensando em Harry, para variar um pouco. Estava se perguntando se fizera bem em ir embora e fugir dos problemas que tinha ali em Hogwarts. Ficou atenta quando ouviu um barulho de passos amassando a grama e de galhos secos se partindo.


Se sentou na grama, assustada e olhou para trás. Fechou a cara ao ver que era Draco Malfoy.


-O que você quer?- perguntou, antes de voltar sua atenção ao lago que estava á sua frente.


-Pelo o que eu sei, o jardim é publico a todos os alunos.- Malfoy respondeu, enquanto se sentava ao lado da morena.


-E desde quando você é tão educado?- Ela perguntou num resmungo, jogando o corpo pra trás, de modo que ficou deitada.


-Seu problema, Escobar...-Malfoy começou e Raquel virou a cabeça para encara-lo- É que você não percebe quando os outros mudam! Quero mostrar a todos que o Malfoy de antes morreu!- Completou e Raquel gargalhou.


-Tá legal!- Ela falou, parando de rir e se sentando novamente- E você quer que eu acredite que o todo mal, Draco Malfoy resolveu mudar?- Perguntou, sorrindo- Vai esperando!- Terminou, voltando a deitar. Malfoy sorriu pelo canto do lábio e também se deitou.


-Vejo que anda na defensiva quando o assunto é mudança de comportamento...-Ele comentou e Raquel riu.


-Não estou na defensiva! Só que eu sei que uma mudança tão derrepente vinda da sua parte é sujeira! Alguma você está armando, Malfoy, eu só não sei o que é! E nem pretendo descobrir!- Ela falou, antes de fechar os olhos e se perder em pensamentos.


-O que você quer que eu faça para te provar que mudei?- Ele peruntou após um tempo. Raquel abriu um dos olhos e olhou para ele, antes de sorrir.


-Que tal se matar? Seria um favor que você faria á humanidade!- Ela respondeu, abrindo os dois olhos e bocejando logo em seguida.


-Já deu pra ver que vai ser dificil te provar que eu realmente mudei. Você não sabe compreender as pessoas. O seu defeito, Escobar, é ser precipitada! Você não quer saber o que aconteceu realmente, antes de chegar a uma conclusão!- O loiro revidou, se sentando. Raquel imitou o movimento dele.


-O que você quer dizer com isso, Malfoy?- Ela perguntou, começando a se irritar.


-Você sabe muito bem o que eu quero dizer!- ela ergueu uma sobrancelha em confusão e ele continuou- O nome Harry Potter te diz algo?- Raquel permitiu que um sorriso fugisse para o seu lábio.


-Ora, Malfoy, isso é um acontecimento totalmente diferente!- Ela respondeu- Além do que, isso que você falando, não interessa a ninguém que não seja eu e o Harry, portanto não fale da minha vida pessoal, que eu não falarei da sua!- Completou e antes que o loiro falase alguma coisa continuou- E pare de me enrolar e fale logo o que você quer e saia da minha frente!- mandou com um tom de voz letal.


-Eu quero que você e o Potter fiquem juntos! Eu amo a Cho e não quero que o Santo Potter me roube ela, também! Ouça o que ele tem a dizer, faça o que quiser depois, mas faça com que ele não se case!- Ele falou e Raquel fez uma cara sarcastica antes de começar a rir


-Você é patético, Malfoy!- Ela comentou, parando de rir- Se eu ouvir o que o Potter tem a dizer, tenha certeza que não será por você! E eu não vou impedir que ele se case com a Chang, pelo simples e mero fato de que ela o ama e eu sei muito bem o que é ser trocada!- Continuou- Ela pode ser minha inimiga, mas não desejo que sofra por causa de outras pessoas. Eu quero faze-la sofrer por causa de minhas palavras, não por causa dos meus atos.


-Então, quer dizer que você prefere perder o Potter para a Cho, por que está agindo covardemente? Eu sei que você o ama! Isso não é segredo! Lute por ele se não quiser sofrer no futuro!


-Não me faça rir, Malfoy!- Raquel falou, deixando todo o sarcasmo de lado- Eu sei muito bem que você não se importa se os outros vão sofrer no futuro ou não! A questão é, quem vai sofrer sou eu, não você! E não me diga o que fazer, pois isso vai mostrar que você não mudou em absolutamente nada! Não que eu tenha realmente acreditado nisso!- Completou.


-Já que você não quer me ouvir, perca o Potter para a Cho. Mas escreva o que eu vou lhe dizer: Mais dia, menos dia Potter ficara sozinho, pois a Cho será minha!


-Isso não da minha conta Malfoy!- Raquel respondeu- Vá falar com o Potter! É a ele que essa conversa interessa, não a mim!- voltou a se deitar e ficou olhando para o céu.


-Faça o que bem entender! Só não venha dizer que eu não avisei!- O loiro sentenciou antes de se levantar e ir rumo ao castelo.


-Como se eu fosse falar com ele!- Raquel resmungou antes de bufar e voltar a pensar.




Os dias passaram em um piscar de olhos e Madame Pomfrey finalmente decidira dar alta a Harry, que saiu quase saltitando da enfermaria.
Caminhou distraido pelos corredores com as mãos nos bolsos, enquanto sentia a brisa fresca da manhã brincando com seus cabelos. Respirou fundo e sorriu. Era tão bom poder, finalmente, andar por si só e ir aonde queria sem ter que avisar ninguém.


Assim que alcançou o sanguão de entrada, parou num canto e encostou na parede, indeciso. Ia para o jardim ou para o Salão Principal? Sentiu seu estômago reclamar por comida e foi para o Salão. Entrou discretamente, mas nem por isso não foi notado. Todos os alunos olharam para ele para logo, a maioria começar a aplaudi-lo. Harry sentiu o rosto corar e andou apressado até a mesa de Grifinória, se sentou e abaixou a cabeça, esperando os colegas pararem de bater palmas. Logo os alunos ficaram quietos e Dumbledore se levantou.


-Bom dia a todos.- O velho bruxo começou- De fato, este bruxo que acaba de voltar ao cotidiano merece aplausos, mas creio que ele não estivesse esperando por essa recpção...-Dumbledore comentou risonho, o que fez com que Harry corassem ainda mais. Rony teve um repentino acesso de tosse.- Harry é, de fato, um dos bruxos, se não o mais, poderosos da nossa sociedade! É claro que ele merece muito mais que aplausos, mas creio que como todo herói ele não quer esse tipo de rechonhecimento. Admiro muito os que aqui estão por terem aplaudido o senhor Potter, sendo que dias atrás eu poderia jurar que era inimigo desse excelente bruxo!- Olhou para Malfoy, que encolheu os ombros.


"Creio também, que não só o senhor Potter, mas todos que participaram da guerra, mereçam uma comemoração da nossa parte, como um pequeno agradecimento. Devemos muito mais do que respeito a esses bruxos. Devemos nossas vidas! Nosso pequeno acredicimento será um baile a gala, onde todos devem estar acompanhados. Será sexta próxima, ás 20 horas! É tudo! Tenham um bom dia!"- e se sentou.


Harry levantou, finalmente, os olhos e os fixou em Rony, que tinha um expressão fechada. Embora o ruivo já tivesse seu par garantido, ele não gostava muito de bailes, pelo fato de não saber e não gostar de dançar.
Suspirou e começou a se servir. Não estava com animo para bailes, mas iria nesses por diversão. Para se distrair um pouco.


-Então, Harry...-A voz de Rony chamou sua atenção.- Já tem um idéia de com quem você vai nesse baile?


-Nem idéia...-O moreno respondeu, antes de dar uma mordida em uma torrada e começar a encher sua taça com suco.


-Chama a Raquel.- Uma nova voz falou, de trás deles. Harry se virou e viu Biatriz.- posso me sentar com vocês? Malfoy está insuportavel hoje! Não que ele seja suportavel normalmente, é apenas possivel de se ignorar!- Ela falou risonha. Harry sorriu e foi um pouco para o lado, dando espaço para que a morena se sentasse.


Hermione levantou levemente os olhos do livro que lia e encarou brevemente a prima, antes de voltar sua atenção ao livro.


-Malfoy nunca foi facil de se ignorar...-Comentou e Rony a encarou como se ela fosse louca.- É mais fácil se imaginar que ele não existe!- Completou, antes de morder a própria torrada e Rony suspirar aliviado.- Está tudo bem, Rony?- Perguntou ao perceber o suspiro do namorado.


-Tudo ótimo!- Ele respondeu sorrindo. Harry revirou os olhos antes de levar a taça aos lábios.


-Onde tá a Lily?- Perguntou derrepente. Biatriz bufou e continuou comendo, enquanto Rony a olhava estranho e Hermione continuava sua leitura.


-Dormindo...-Biatriz respondeu.- Ela e Merlin são os únicos que sabem como ela consegue!- completou num resmungo e Harry sorriu.


-É tão simples...-O moreno respondeu, enquanto pegava um biscoito. Biatriz o encarou, como que esperando que ele explicasse como. Harry encolheu os ombros- O sono simplesmente vem!- Explicou e piscou um olho para a amiga, que sorrio.


-O papo está bom, mas está na hora da aula!- Hermione lembrou, enquanto guardava o livro na mochila e se levantava. Rony, Harry e Biatriz imitaram seu movimento e se levantaram.


-Qual a primeira aula?- Rony perguntou.


-Poções com a minha turma!- Biatriz respondeu.


-Ninguém merece...-Rony e Harry resmungaram- Nada contra você, Bia...-Harry continuou- Mas a Soncerina é um saco!


-Eu que o diga!- a morena resmungou antes de andar mais rápido e alcançar Hermione, que estava mais a frente.




Todos os alunos já estavam na sala. Os caldeirões fumegavam, enquanto um cheiro de ovo podre impregnava a masmorra. Snape andava pela sala olhando as poções e ralhando com ou outro aluno.


Harry respirou fundo o cheiro de podre e o soltou pela boca. Enxugou o suor que caia por sua testa, com a manga da veste e levantou os olhos da sua poção, para poder ler as instruções que estavam no quadro.


-Mione, me empresta pó de unha de dragão...-Pediu em um sussurro.- Não estou achando a minha!- completou e Hermione lhe passou um frasco com um pó branco brilhante.


Mordeu o lábio inferior e colocou a quantidade necessaria, antes de devolver o ingrediente da amiga.


O barulho da porta da masmorra abrindo, atraiu a atenção de todos.


-Está vinte e dois minutos atrasada, Srta. Granger!- Snape falou, enquanto olhava a poção de Draco, de forma que ficava de costas para a porta.


-Desculpe, professor!- Lílian pediu ofegante.- Tive um pequeno problema no caminho!- Ela completou, lançando um olhar mortal á Draco, que sorriu pelo canto do lábio.


-Não interessa!- Snape falou- Vinte e dois pontos a menos para a Grifinória!- Lílian permitiu que seus lábios se abrissem para prostetar, mas os fechou antes que isso acontecesse.- E serão mais trinta que sua casa perdera se a senhorita não se sentar!- O mestre de Poções completou num tom de voz letal. Lílian bufou e se sentou ao lado de Neville.


Harry lançou um olhar mal humorado ao professor, que não lhe deu atenção, e continuou a preparar sua poção.


Viu pelo canto dos olhos que Snape estava se aproximando de sua mesa, que dividia com Rony e Hermione. Suspirou. Sabia que sua poção estava errada, a final não estava com cabeça para ficar pensando em poções que, tinha certeza, não usaria em sua vida.


Viu a silueta de Snape parar da frente do seu caldeirão, mas continuou de cabeça baixa, de modo que sua atenção ficasse totalmente voltada á poção.


-Me diga uma coisa, senhor Potter. O senhor sabe ler?- o mestre perguntou e Harry finalmente levantou a cabeça.


-Sei, senhor!- Respondeu, sem se deixar abalar pelo olhar de desaforo que o professor lhe lançava.


-Leia a terçeira linha, Potter!- Ele falou. Harry correu os olhos até o quadro e leu a terceira linha- Em voz alta!- Snape completou e Harry bufou.


-Mexer a mistura três vezes em sentido horário e anti horário antes de adicionar o Pó de Unha Dragão!- Leu e revirou os olhos. Sabia muito bem o que esquecera. Não precisava que ninguém lhe falasse isso.


-Suponho, então, que o senhor saiba que sua poção do sono matara quem a beber, certo?- Snape falou, cerrando os olhos. Harry fez cara de pouco caso.


-Perfeitamente!- Respondeu displicente.


-Perfeitamente?- Snape repetiu, erguendo uma sobrancelha- É isso que o senhor tem a dizer, senhor Potter?- perguntou.


-É!- Harry respondeu, antes de bocejar.


-Pois fique sabendo, senhor Potter, que Poções é uma matéria muito séria e que não é para qualquer um fazer! Não sei por quê Dumbledore colocou o senhor nessa aula!-Snape falou num tom de quem diz que tem a razão.


-E eu não sei como o Dumbledore colocou alguém como você para ensinar Poções!- O moreno respondeu com o tom desafiador, porém com a expressão de desinteresse.


-Repita o que disse, senhor Potter!- Snape esbravejou.


-Foi exatamante o que você ouviu, Snape!- Harry respondeu.


-Professor Snape!-o mestre falou.


-Que seja...-Harry falou fazendo um abano com a mão. Hermione segurou o ar, enquanto Rony segurava a risada.


-Um mês de dentenção para você, Potter!- Snape falou, antes de girar nos calcanhares e ir até a sua mesa- E sua casa perdera 60 pontos por sua idiotice!- Completou, enquanto se sentava.


-Então tire pontos de Sonserina e me dê dentenção!- Biatriz falou, se levantando.- Pois, caso você não tenha percebido, minha poção está mais incorreta que a de Harry!-Completou.


-Ninguém falou com a senhorita, senhorita Granger!- Snape falou, enquanto escrevia algo em seu pergaminho.


-Mas eu estou falando com você! E como professor o senhor tem o dever de me dar atenção!- Ela falou. Sabia que o que estava fazendo era idiotice, mas era melhor tentar igualar um pouco as coisas ali. Podia ser soncerina, mas isso não queria dizer que ela queria que a casa dos leões perdesse o campeonato das casas.


Snape pousou a pena e levantou os olhos para encarar a morena, que não se abalou. Lentamente o professor se levantou e caminhou até a aluna.


-Quem a senhorita acha que é para dizer o que eu devo ou não fazer?- ele perguntou num tom letal.


-Alguém muito melhor que você!- Biatriz respondeu. Snape riu.


-Não me desafie, garota!- Snape advertiu.


-Por quê? O que você vai fazer? Me matar?- Ela perguntou friamente- Pois fique sabendo que essa sua cara feia e esse seu cabelo seboso não me dão medo!- Ela falou sarcastica.


-Olha aqui, ô molequa, fique sabendo que eu não admito que falem assim comigo!- snape falou num sussurro perigoso, que causaria medo em muitos, mas que só dava vontade de cair na gargalhada em Biatriz.


-Então não fale nesse tom com seus alunos!- Biatriz sussurrou venenosamente- Se você quer ser um bom professor você tem que fazer muito mais do que explicar bem! Você tem que ser imparcial! Não pode favorecer uns e prejudicar outros! Se você quer ser respeitado por seus alunos, Severo, eu sugiro que, primeiro, você respeite os seus alunos!- Um burburinho de concordacia veio da parte dos alunos de Grifinória.


-Silêncio!- Snape esbravejou.


-Não vejo por que tenhamos que te obedecer, Snape!- Lílian falou, se manifestando pela primeira vez. A morena se levantou e se postou ao lado da irmã.- Se você fosse, ao menos, gentil com todos, você poderia contar com nossa obediencia!- Ela continuou, enquanto apertava a mão da irmã gemea.- Se acha que nosso silêncio durante sua aula é obediencia e respeito, você está muito enganado!Tudo o que você tem aqui é medo e ódio!- Terminou.


-Estão todos dispensados!- Snape falou, girando nos calcanhares e indo se apoiar em sua mesa.- Senhor Potter e senhoritas Lílian e Biatriz Granger, os senhores irão me acompanhar até a sala de Dumbledore.- Completou. Os outros alunos começaram a sair. Rony lançou uma pisacadela de parabéns para eles, enquanto Hermione lançava um olhar severo a eles, antes de sair da mão dada com o namorado.


Harry terminou de guardar seu material juntamente com Lílian e Biatriz, e jogou a mochila em cima de um ombro só, enquanto umidecia os lábios com a ponta da lingua.


Puxou o ar com força e o soltou pela boca. Sabia que estava ferrado, mas não se importava. estava cansado de ter que aturar Snape lhe tratando tão injustamente, por longos sete anos.


Colocou uma mão no bolso enquanto a outra segurava a alça da mochila. Bocejou novamente.


-Vamos!- snape falou e começou a caminhar para fora da sala, sendo seguido pelos três alunos.


-Aí, ninguém merece um cara desses...-Lílian murmurrou.


-Pois é...-Biatriz concordou no mesmo tom.


-É um mala sem alça e molhado...-Harry comentou.


-Fiquem em silêncio!- Snape falou e os três se entreolharam e giraram os olhos.


-Definitivamente, ninguém merece.- Biatriz resmungou e assim os três permaneceram em silêncio.


Conforme passavam pelos corredores, viram que os alunos que não tinham aula naquele dia, observavam eles com curiosidade. Afinal, não é todo dia que se vê três alunos do sétimo ano sendo guiados pelos corredores de Hogwarts por Severo Snape.


Harry não se importou com os comentários que começaram a surgir entre os alunos ao seu redor e continuou seguindo o professor, enquanto cerrava os olhos e colocava a mochila corretamente nas costas. Cruzou os braços sobre o peito.


Não entendia por que Snape ficara tão estressado com os cometários dele, de Lílian e Biatriz, sendo que eram todos verdadeiros. Snape devia saber disso, afinal eles não eram os únicos alunos que falavam o que haviam dito na cara do mestre.


Certo, Gina fizera a mesma coisa na semana passada, mas até aí. Sabia que provavelmente, Sirius iria lhe mandar uma carta com um sermão, ou então mandaria um berrador o elogiando.


Nunca sabia que caminho o padrinho iria tomar em relação a Snape. Não sabia se o maroto iria tomar o caminho do mal humorado e responsável, onde madaria uma carta de três rolos passando uma lição de moral, ou se o animago assumiria seu lado levado e mandaria um berrador, onde falaria, ou melhor, gritaria para quem quisesse ouvir, sua opinião sobre Snape.


-Suco de abacaxi!- A voz gélida de Snape o tirou de seu devaneio á tempo de ver a gargula que guardava a entrada da sala de Dumbledore, se mover e revelando a escada giratória.-Subam!- ele mandou. Harry manteve a expressão relaxa e subiu no primeiro degrau, fazendo com que a escada começasse a se mover. Biatriz e Lílian suspiraram antes de imitiar o moreno e subir na escada. Snape subiu atrás das duas.


Assim que alcançaram a porta de mogno da sala de Dumbledore, puderam ouvir vozes que discutiam algo sobre datas e horários. Formaturas e turmas. Harry ergueu uma sobrancelha. Com quem Dumbledore estaria falando sobre estes assuntos se todos os professores estavam dando suas respectivas aulas?


Snape deu três batidas secas na porta e as conversassões dentro da sala cessaram. A voz calma de Dumbledore chegou até eles, dando a permisão para que eles entrassem. Snape abriu a porta e deu passagem para os três alunos, que entraram sendo seguidos por ele.


Harry correu os olhos pela sala e pôde ver Raquel e Madame Maxime sentadas na frente da mesa de Dumbledore, os encarando. Raquel permanecia com os lábios entre abertos e com a expressão confusa, enquanto seus olhos iam de Biatriz para Lílian, dessa para Snape e de volta para Biatriz. Sentiu-se corar quando o olhar da morena encontrou com o seu.


Oh, Merlin. O olhar dela ainda lhe causava as mesmas sensações, porém eles estavam diferentes. Não olhavam mais com o amor e paixão de antes. Agora era algo como amizade e respeito. Nada mais que isso. Sentiu um nó se formar em sua garganta ao constatar que o que Sirius lhe falara era verdade. Ela estava trabalhando para esquece-lo, enquanto ele estava ali, sofrendo. Respirou fundo e balançou a cabeça, voltando a sua atenção ao que Dumbledore começava a perguntar.


-O que houve, Snape?- O diretor perguntou, parecendo cansado. Snape respirou fundo e começou a contar o que acontecera nas masmorras, deixando de mencionar, é claro, a forma como respondera aos alunos.


-Eles foram grossos e faltaram com o respeito comigo, enquanto eu estava sendo educado!- O mestre de Poções finalizou.


-Educado?- Biatriz perguntou, rindo- Se sua definição de educado é ser grosseiro, sim você estava sendo educado!- Ela continuou- Se toca, Severo! Você não é educado nem consigo mesmo, quanto mais com os alunos!- Completou.


-Acho que a Granger está com a razão!- Raquel falou, com o tom de voz imparcial, enquanto se recostava e sorria amavel para Dumbledore.- Eu já tive aulas com o professor Snape, e ele não é exatamente o que podemos chamar de educado e imparcial com os alunos!- Continuou, enquanto passava os dedos nos cabelos e começava a prende-los- Ele prejudica Grifinórios e favorece Sonserinos!Você acha que isso é ser imparcial, Dumbledore?- Completou.


-Não se meta nisso, senhorita Escobar!- Snape "mandou", num sussurro mal humorado.


-Se não, o quê?- ela perguntou- Você vai me dar uma dentenção?- Perguntou, dando uma piscadela para Madame Maxime, que pareceu compreender o recado, pois não interferiu a moça- Francamente, Severo, não sou mais aluna dessa instituição, portanto você não tem mais autoridade sobre minha pessoa!- Terminou, enquanto mandava um beijo para o mestre de poções.


-Mas eu ainda sou mais velho que você, e sendo assim a senhorita me deve respeito!- Ele devolveu.


-Oh, sim!- Raquel falou, sarcastica.- Para se ter respeito da parte de outras pessoas, Severo, você deve respeita-las! Como você não me respeita como eu gostaria que fizesse, eu não irie te respeitar!- Completou.


-Chega, Severo!- Dumbledore falou quando viu que o subordinado fizera menção de retrucar.-Suponho que com tantas pessoas afirmando a mesma coisa sobre você, seja verdade!


-Ora, Dumbledore, você não vai acreditar neles, não é? Afinal, eles são amigo e pode muito bem ter combinado isso!


-Eu não teria tanta certeza!- Raquel interfiriu novamente- Caso o senhor não tenha tomado conhecimento, Severo, eu e o Harry brigamos a alguns meses e não nos falamos a um bom tempo e evitamos ficar no mesmo local. Caso você não tenha reparado ele, Biatriz, Lílian, Hermione e Rony andam juntos desde que eu estou aqui, me dando poucas oportunidades de falar com alguns deles, sendo assim creio que seja quase impossivel que tenhamos armado isso tudo! Mesmo por quê, Gina Weasley falou a mesma coisa semana passada.


-Quem me garante que a senhorita não tenha combinado com as senhoritas Granger's no momento em que ficaram sozinhas?


-E o que me levaria a fazer isso, Snape?- Harry perguntou.- Não vejo motivos para fazer o que a Raquel quer! Eu nem falo com ela, quanto mais fazer armações com ela! Poupe-me!- Finalizou.


Dumbledore sorriu abertamente. Snape bufou e se sentou no sofá do canto da sala, com a expressão fechada.


-Acho que já resolvemos o assunto, Severo!- Dumbledore falou, enquanto apoiava os cotovelos na mesa e juntava as pontas dos dedos.-Já conversamos sobre esse mesmo assunto e creio que teremos que voltar a tratar sobre ele!- Snape bufou novamente e cruzou os braços sobre o peito- Mas faremos isso em outra hora!


-Sim, senhor!- Snape respondeu em um resmungo.


-Se isso for tudo o que você tinha a me dizer, Severo, devo pedir que você e os senhor Potter e as senhoritas Granger se retirem. Tenho mais alguns assuntos a tratar com a senhora Maxime.- Ele completou. Snape se levantou e saiu.- Suponho que já tenhamos falado tudo o que deviamos, senhorita Escobar! Se a senhorita não se importar, será que poderia se retirar?- perguntou educadamente.


-Tudo bem!- Raquel respondeu sorrindo.- Até mais!- E a morena saiu, sendo seguida por Hary,Lílian e Biatriz.


-Valeu por livrar a nossa cara, Quel!- Lílian falou passando os braços por cima dos ombros da amiga, assim que alcançaram o corredor. Raquel sorriu.


-Relaxa!- Ela respondeu, enquanto passava o próprio braço pelos ombros da amiga- Eu já estava querendo ferrar o Snape a algum tempo, mesmo!- Ela completou e deu uma piscadela para a amiga.


-Então, Quel, já sabe quando Madame Maxime vai embora?- Biatriz perguntou, depois de um tempo de caminhada.


-Ela está decidindo isso com o Dumbledore, provavelmente.- Ela respondeu sorrindo- Não tenha pressa para não me ver mais, Bia, eu sei que você me odeia!Eu também te odeio!- E piscou um olho. Biatriz riu, enquanto Lílian ria.


Harry sorriu de leve. Estava mais atrás do grupo e observava as três amigas. Elas provavelmente eram assim na antiga escola, isso se não fossem piores.


Andou um pouco mais rápido, fazendo com que ficasse emparelhado com as garotas.


-Então, Harry, vai com quem no baile?- Biatriz perguntou, enquanto ajeitava a mochila em cima dos ombros.


-Que baile?- Raquel e Lílian perguntaram juntas, com a expressão curiosa.


-Vai ter um na sexta! Ás oito!- Biatriz esclareceu.


-Eu sei lá com quem eu vou...-Harry respondeu, encolhendo os ombros. Lílian e Biatriz se entre olharam de forma sapeca.


-Quel, amor da minha vida, que cê acha que ir nesse baile?- Lílian perguntou num sussurro no ouvido da amiga.


-Eu não sei nem se vou estar aqui...-A outra respondeu no mesmo tom.


-Se você estiver...-Lílian revidou.


-Não tenho roupa pra ir.- Ela comentou, corando levemente.


-Eu te empresto.- Lílian solucionou.


-Tudo bem!- Raquel exclamou sorrindo.


Biatriz sorriu diante a resposta de Raquel e se virou para Harry. Parou na frente do moreno e o segurou pelos ombros. Piscou um olho para Lílian e fez Harry parar.


-Que foi?- O Menino Que Sobreviveu perguntou confuso.


-Você TEM que ir com a Quel no baile!-Ela falou e tanto Harry quanto Raquel arregalaram os olhos.


-Como é?- Eles (Harry e Raquel) perguntaram em unissomo.


-Exatamente o que vocês ouviram!- Lílian respondeu- O que custa? A Quel tá passando um tempo em Hogwarts, vai ter baile e o Harry não tem par!- Ela falou, enumerando nos dedos- Não custa nada vocês irem juntos! Como colegas!- Completou com um olhar pidão.


Harry e Raquel se olharam e voltaram a olhar para Lílian.


-Eu tenho opção?- Raquel perguntou com o cenho franzido.


-Não!- Biatriz e Lílian responderam juntas.


-Então...A gente...-Harry começou.


-Vai junto!- Raquel completou e ela e Harry se olharam novamente.




Suspirou e colocou as mãos no bolso. Finalmente as aulas do dia tinham terminado. Era o dia do baile, então os alunos só teriam aula durante a manhã para que pudessem se arrumar durante a tarde.


Harry estralou o pescoço e saiu da sala de Transfiguração acompanhado de Rony, Hermione e Lílian. Começaram a caminhar em direção ao Salão Principal para almoçarem perdidos em uma conversa de banalidades.


Por onde passavam viam garotas cochichando entre si, garotos convidando os pares de última hora e meninas discutindo que vestido usariam áquela noite. Bufou. Incrivel que quando tinha baile o número de garotas aumentava. Olhou para o lado esquerdo e viu algumas das garotas mais faceis de Hogwarts olhando para ele, como que esperando ele ir convida-las. Sorriu amarelo e continuou seu caminho. Viu uma das garotas sair do grupinho e correr em sua direção.


-Harry...-Ela chamou, ofegante assim que o alcançou. Harry parou e Rony, Hermione e Lílian encostaram na parede para espera-lo.


-Catherine, certo?- Harry perguntou meio sem jeito.


-Sim!- ela respondeu, feliz por ele se lembrar do seu nome. Harry sorriu.- Escuta, quer ir ao baile comigo?- Ela perguntou, retribuindo o sorriso. Harry coçou atrás da cabeça. Não que Catherine fosse feia. Os cabelos castanhos caiam até sua cintura e formavam pequenos cachos nas pontas. Os olhos amendoas estavam realçados, graças ao lápis preto que ela passara. Os lábios vermelhos naturalmente, tinham um leve brilho á mais.


-Sinto muito, Cath, mas já tenho par.- Harry respondeu sorrindo amarelo. Catharine tirou o sorriso dos lábios e pareceu desconcertada.


-Oh, tudo bem!- Ela falou sem jeito, enquanto desviava os olhos e forçava um sorriso.- Fica pra próxima!- Ela completou e Harry concordou com um aceno de cabeça. Catharine sorriu e se afastou.


-Ninguém merece...-Harry resmungou num sussurro, enquanto ele e os amigos voltavam a caminhar.


-Criou fama, meu amigo!- Rony comentou risonho, enquanto dava tapinha nas costas do moreno, que lançou um olhar mortal ao ruivo.


Continuaram o caminho, enquanto Harry reclamava, Rony tirava uma da cara do amigo e as meninas riam.


Logo que chegaram no Salão Principal, viram Biatriz acenando, rindo, para eles da mesa da Grifinória, enquanto Raquel devorava seu almoço, entre uma risada e outra.


Harry, Rony, Hermione e Lílian caminharam até elas. Harry se sentou ao lado de Raquel, enquanto Rony, Hermione e Lílian se sentavam de frente a ela.


-Qual a graça, garotas?- Rony perguntou, enquanto se servia. Ao ouvirem a pergunta do ruivo, Raquel e Biatriz se olharam e cairam na gargalhada.


-Cara...Foi uma coisa tão estúpida, mas ao mesmo tempo tão cômica!- Biatriz respondeu, enquanto tentava parar de rir para pode respirar.


-O que aconteceu?- Hermione perguntou interessada, com um sorriso doce nos lábios.


-Malfoy...-Raquel murmurrou, antes de gargalhar com mais vontade.


-O que tem ele?- Lílian perguntou, começando a achar graça em como as amigas se divertiam á custa dos outros.


-Ele teve a capacidade de...-Biatriz começou, mas não terminou.


-Ele tece a capacidade do quê?- Harry perguntou, enquanto levava sua taça até os lábios.


-De escorregar e cair de cara no chão!- Raquel respondeu de um folêgo só, voltando a rir. Harry cuspiu o suco que estava na sua boca, enquanto começava a rir, sendo acompanhado por Rony, Hermione e Lílian.


-Não creio que ele teve a capacidade de!- Lílian exclamou entre uma risada e outra.


-E onde ele está agora?-Rony perguntou.


-Enterrando a cabeça em algum lugar!- Raquel respondeu, enquanto enchugava as lágrimas que caiam por seu rosto devido ás risadas.-O nego conseguiu ficar um pimentão!- Ela completou, enquanto levava a taça aos lábios e tomava um gole do seu suco.


-Merlin sabe como eu queria estar aqui com uma maquina fotográfica!- Harry comentou, enquanto tomava um gole do seu suco para poder molhar a garganta.


-Não se preocupe tanto, Harry!- Raquel falou- Se não me engano Colin conseguiu tirar uma foto de um bom ângulo! É só pedir uma cópia a ele!- E piscou um olho, enquanto sorria.


-AH! Eu também vou querer!- Rony exclamou, enquanto sorria.


-Parece que só assim Malfoy consegue ser idolatrado!- Biatriz zombou. Os olhos de Raquel adquiriram um brilho traquinas.


-Oh, não.- Lílian sussurrou para si mesma- O que você ta tramando, Quel?- Perguntou á amiga.


-Só estou pensando que seria interessante mandar essa foto para a coluna de micos do Profeta Diário! Eles iriam adorar ter o mico de um Malfoy!- Completou com um sorriso maldoso nos lábios.


-E a pessoa mais indicada para escrever sobre esse mico seria Rita Skeeter, a reporter mais sensacionalista que aquele jornal possui!- Hermione falou com um brilho brincalhão no olhar.


-Harry, fomos uma má influência para a Mione!- Rony comentou, enquanto um sorriso maldoso cruzava seus lábios.


-Sem dúvida!- Harry respondeu, enquanto balança a cabeça de cima a baixo, como que para dar mais certeza a sua frase.


-Vocês dois são impossiveis!- Hermione comentou, enquanto levava uma garfada da sua comida a boca- Vocês levam qualquer um pelo mal caminho!- Ela completou depois que engoliu.


-Somo dois pedaços de mal caminho, Mione!- Rony exclamou um pouco esganiçado. Todos riram.


-E que pedaços de mal caminho!- Lílian comentou e piscou um olho para os garotos, que sorriram enquanto um leve rubor aparecia em seus rostos.




Naquela mesma tarde, Colin entregara algumas cópias da tão esperada foto para o grupo de amigos, que ficaram admirando-as por um tempo, enquanto brincavam e riam. Depois de um tempo nisso eles redigiram uma carta para Rita Skeeter, com a foto junto.


-Agora é só esperar.- Mione falou, enquanto via Edwiges sumir no horizonte, pela janela da sala comunal.


-Será que ela publica até amanhã?- Raquel perguntou, enquanto se virava e se encostava na mesa.


-Esperemos que sim!- Harry falou, enquanto se acomodava no sofá vermelho sangue.


-Qual será a cara do Malfoy quando ver a reportagem?- Lílian perguntou.


-Sei lá. Só espero que seja bem cômica, para que possamos tirar um foto dele para recordação!- Raquel respondeu.


Os outros riram da observação da morena e ficaram conversando por mais um tempo, até que Lílian arrastou, literalmente, Raquel e Hermione para os dormitórios para que elas pudessem se arrumar para o baile.


Os garotos ficaram no Salão Comunal, conversando.


-Não sei por que elas têm que ir se arrumar quatro horas antes!- Rony resmungou, enquanto afundava no sofá e ficava olhando para o teto.


-E você acha que eu entedendo?- Harry perguntou, enquanto estralava os dedos.


-Vai saber! De repente!- Rony respondeu, jogando as pernas para cima do sofá e se deitando, enquanto apoiava a cabeça no braço do movel. Harry riu, enquanto se ajeitava na poltrona. Algumas garotas do quinto ano olhavam para os dois tão relaxados e trocavam comentários entre elas, para logo em seguida explodirem em risadinhas.


Ambos ficaram um tempo em silêncio, enquanto se perdiam nos próprios pensamentos. Tanto Harry quanto Rony tinham conciencia de que as meninas do quinto ano- que ainda não haviam ido se arrumar para o baile- estavam olhando para eles. Elas, provavelmente, tinham esperanças que um dos dois, ou até mesmo ambos, fossem até elas e as beijassem.


-O que você vai fazer depois que se formar, Harry?- Rony perguntou antes de de espriguiçar.


-Pode ter certeza que não vou ser garoto de programa!- Respondeu sarcastico e Rony entendeu que ele falara isso por causa da garotas que os observavam. O ruivo riu.


-Sério...-Ele falou e Harry sorriu.


-Sei lá...Acho que vou ser Auror...-Respondeu vagamente.- E você? perguntou ao amigo.


-Não faço a menor idéia...-Rony resmungou.




-O que acha desse, Lily?- Raquel perguntou, colocando um vestido vermelho em frente ao corpo. Lílian analisou detalhadamente e torceu os lábios.


-Vermelho não é bem a sua cor, Quel!- Observou. Já estavam quase prontas. Banhos tomados, penteados feitos, maquigem selecionada. Lílian e Hermione já colocavam os vestidos. Só faltava Raquel escolher um.
Raquel suspirou e jogou a roupa em cima da cama de Lílian. Caminhou até o armário de Hermione. Era hora de mudar um pouco o seu alvo. Abriu as portas do movel com certa violencia. Olhou todas as roupas dali. Pegou todos que lhe agradaram e os colocou em cima do encosto de uma cadeira. Pegou o primeiro e colocou diante o corpo.


-Amarelo?- Hermione perguntou.- Não!- finalizou. Raquel bufou e jogou a veste em cima da cama da dona.


Pegou o segundo e o colocou em frente ao corpo. Lílian e Hermione soltaram gritinhos satisfeitos.


-Perfeito!!!-Lílian exclamou, empolgada.


Raquel sorriu aliviada e se vestiu. Depois cada uma foi para a frente de um espelho e começou a fazer sua maquiagem.




Harry e Rony suspiraram. Harry colocou os braços em cima do encosto do sofá e jogou a cabeça pra trás de modo que ficou encarando o teto, enquanto Rony se sentara na ponta do sofá, curvou o corpo levemente pra frente. Apoiou os cotovelos nos joelhos e a cabeça nas mãos.


Ambos já estavam prontos e aguardavam pacientemente as garotas descerem. Ouviram passoas nas escadas do dormitórios das meninas e logo viram Lilá aparecer pelo arco.


-Lilá...-Harry chamou e a morena olhou para ele- A Líly, a Mione e a Quel já estão prontas?


-Já, já elas descem, Harry!- Lilá respondeu sorrindo. Harry retribuiu e agradeceu com um aceno de cabeça.


-Elas já vão descer...-O moreno comentou.


-É! Daqui a pouqinho...-Rony respondeu- Foi o que nos falaram a meia hora!-o ruivo completou.


Harry suspirou e ficou na mesma posição que Rony. Pegou um pedacinho do pergaminho esquecido por eles em cima da mesa e começou a brincar com o papel.


Logo mais passos foram ouvidos nas escadas, e tanto Harry quanto Rony levantaram a cabeça, dessa vez para ver as garotas aparecem atravez do arco. Eles se levantaram.


Rony permitiu que seu queixo caísse ao ver Hermione. A morena usava um vestido simples, mas que valorixava suas curvas. Branco que ia até o seu tonozelo, gola alta e sem amnga. Uma leve capa da mesma cor saia dos ombros do vestido e ia até o chão. Os cabelos estavam presos em um rabo de cavalo alto, enquanto uma espécie de correntinha jazia em sua testa, presa aos seus cabelos. Nas orelhas brincos de pérolas brancas e no pescoço um delicado colar de pequenas pedrinhas de brilhante. Uma maquiagem leve.


Lílian não ficava muito atrás da prima, Rony reparou. Ela usava um vestido azul escuro. este ia até o seu pé, arrastando um pouco no chão. Um decote em V, as mangas eram de um tecido da mesma coir, porém tranparentes. Na cintura um delicado cinto, feito de pequeninas pedras brilhantes. Os cabelos estavam presos em uma trança elegante. No pescoço uma gargantilha que lhe dava um leve ar selvagem. Nas orelhas um brico delicado, na mesma cor do vestido, em forma de estrela. A maquiagem também era leve.


Harry não pôde segurar o queixo, quando viu Raquel surgir atrás das duas amigas. A morena usava um vestido negro que ia até o chão, fazendo com que uma grande quantidade do tecido arrastasse. Uma capa caia de seus ombros e se juntavam ao vestido no chão. Os cabelos estavam soltos, formando cachos definidos que caiam até o sua cintura. Usava uma luva três quartos da mesma cor. Nas orelhas um pequeno brinco em forma de um coração negro com uma flecha o atravessando. No pescoço uma gargantilha com o pingente na mesma forma que o brinco. Usava uma maquiagem um tanto pesada. Os lábios estavam mais vermelhos que o normal, devido a grande quantidade de batom que passara. Os olhos castanhos estavam realçados pelos lápis e pela sombra negra que ela passara.


-Uau...-Harry balbuciou e caminhou até a morena que o encarava, parecendo deslumbrada. E não era pra menos. O moreno usava uma veste negra de um tecido que parecia ser aveludado, os cabelos estavam a "ala natural", apontados para todos os lados,a cicatriz em forma de raio aparecia parcialmente sob as medeixas escuras. Os olhos verdes brilhavam mais que o normal. Seu corpo exalava uma essencia de colonia masculina e de loção pós barba.


Raquel sorriu docemente e entralaçou seu braço com o que Harry lhe oferecia.


Rony e Hermione caminhavam logo atras do amigos, com os braços dados. E Lílian ia um pouco mais atrás do grupo, sorrindo. Com um pouco de sorte Harry e Raquel voltariam a serem, pelo menos, amigos aquela noite.
Caminharam em silêncio pelos corredores e logo entraram no Salão Principal, onde o baile acontecia.


Como sempre a decoração estava deslumbrante. As mesas das casas e dos professores haviam desaparecido dando lugar a varias mesinhas de oito e quatro lugares. No centro uma pista de dança e onde ficava a mesa dos professores estavam um palco, onde instrumentos estavam postados, mas ninguém estava ali. O céu estava estrelado e a lua minguante brilhava naquele mar gélido, de um azul marinho profundo.


As paredes haviam ficado magicalmente transparente, dando a impressão de que estavam em campo aberto. Finas gotas de água, que pareciam ser douradas, caiam em harmonia, mas desapareciam antes de tocar nos alunos.


Logo que começaram a caminhar pelo Salão um garoto do sexto da Lufa- Lufa veio até Lílian e eles entrelaçaram os braços.


O grupo continuou caminhando e se sentou em uma das mesas de oito lugares e se perderam em uma conversa animada, enquanto esperavam o baile começar oficialmente. Aos poucos o Salão foi se enchendo e o barulho aumentando.


A variedade de cores era grande, mas a que mais se destacava era a branca. Parecia que a maioria dos alunos decidiram ir de branco para representar a paz que o mundo bruxo começava a viver. Parecia que aqueles jovens decidiram ir com aquela cor para mostrar que estavam aliviados por finalmente saberem como era viver sem serem ameaçados constantemente por um maniáco sedento por poder e por sangue, onde mataria até um bebê inocente se este se mostrasse muito perigoso, como acontecera á 16 anos.


Era como se a paz houvesse reinado na Terra pela primeira vez, desde o nascimento desse magnifico planeta. A euforia do futuro da comunidade mágica era visivel, uma vez que a felicidade, a comoção e o triunfo estavam estampados nos rostos e olhos de cada aluno daquela instituição. Os sorrisos denunciavam que a ansiedade por aquele momento havia finalmente terminado, para durar por anos se dependesse deles, os alunos da escola de Magia e Bruxaria Hogwarts.


Logo uma música leve começava a tocar, porém logo se tornou animada. Raquel tamborilhava os dedos na mesa no ritmo da música. como que falando para Harry que queria dançar, mas o moreno fingia não perceber o movimento dela.


-Será que vai demorar muito pra Bia dar o ar da graça dela?- Raquel perguntou se recostando na cadeira e cruzando os braços. Lílian sorriu para a amiga e voltou sua atenção para o garoto que a acompanhava.


Logo puderam ver Biatriz se aproximando de braços dados com um garoto do quinto ano da corvinal, o qual parecia deslumbrado com seu par. E não era pra menos.


Biatriz usava um vestido vermelho sangue, o qual tinha alguns detalhes em dourado na barra. O decote era em um V bem abertos e os braços estavam cobertos pela manga da roupa. O vestido possuia um corte lateral, que ia de sua coxa até o final da veste, deixando sua perna bem torneada a mostra. Os cabelos estavam presos em um coque alto. Usava uma maquiagem leve. Um brinco em forma de argola, balançava em suas orelhas e uma corente de ouro com um delicada pedra de diamente pendurada.


A morena logo alcançou a mesa e se sentou em uma das cadeiras vagas, e convidou seu par a se sentar na última cadeira livre. O garoto, que era loiro, sorriu para todos e se sentou.


Depois de mais alguns segundos de conversa uma música lenta começou a tocar, fazendo com que Rony e Hermione; Lílian e seu par; e Biatriz e o corvinal se levantaram para dançar, deixando Raquel e Harry sozinhos.




Ya sabía que no llegaría


Ya sabía que era una mentira


Cuanto tiempo que por él perdí


Que promesa rota sin cumplir




Eles se entreolharam e sorriram levemente, em um convite silêncioso para dançar. Se levantaram e caminharam de mãos dadas até a pista de dança. Se posionaram no centro desta. Harry colocou suas mãos na cintura de Raquel, que passou seus braços por cima dos ombros do moreno e eles começaram a balançar seus corpos levemente de um lado para o outro.
Raquel sentia suas pernas bambas. Sabia que não devia estar ali com Harry, que deveria continuar a construir suas barreiras para esquece-lo, mas mesmo assim, admitia que ainda o amava e que provavelmente levaria esse amor para o tumulo, pois o moreno parecia não querer sair de seu coração, como se houvesse entrado em sua alma, se trancado e jogado a chave fora e ela tentava fazer com que ele abrisse, sem ter sucesso. Sentiu que suas pernas cederiam sob seu peso e se abraçou mais a Harry.


O Menino Que Sobreviveu sentiu um arrepiu subir por sua espinha quando sentiu o corpo da amada colado ao seu. Sentiu sua coração disparar ao ver que estava embriagando-se no leve cheiro de jasmim que saía dos cachos castanhos da quase mulher. Apertou mais seus braços na cintura dela e curvou levemente sua coluna, fazendo com que seu queixo encostasse no ombro direito de Raquel. Sentiu que suas pernas tremiam levemente. Era tão ruim estar tão perto, mas ao mesmo tempo tão longe da pessoa amada, falar com essa pessoa sem poder toca-la como gostaria, queria poder sussurrar para a morena que estava ali dançando consigo que a amava sem ter o receio de que ela falasse que já havia o esquecido e saísse correndo para longe de si, para nunca mais voltar. Foi nesse instante que Harry compreendeu: Não poderia deixar de ama-la, por mais que tentasse, por mais que quisesse.


Sentia a pele macia de Raquel por baixo do tecido fino do vestido. Pôde costatar que a pele dela ainda era quente, como sempre fora. Gostaria de saber se os lábios ainda era mãcios como outrora e se eles ainda conservavam o mesmo gosto de morango, que faziam com que ele tivesse vontade de mordiscar os lábios da morena. Levantou a cabeça e no meio do processo raspou sua bochecha com a macia dela.


Raquel e Harry se encararam nos olhos, de forma tão intensa que quem olhasse de fora pensaria que ambos poderiam saber o que se passava na mente do outro, que poderiam ler a alma um do outro.


-Sabe...-Raquel começou, enquanto continuavam a dançar- Ás vezes eu penso que tudo poderia ter sido tão mais fácil pra nós, Harry... Que nosso amor poderia ter construido uma bela história, onde o final é como o de contos de fada. Com os famosos "e viveram felizes para sempre", mas não foi bem assim, não é? Acho que meu destino é sofrer pelas pessoas que amo e nunca ser feliz! Ou talvez, eu só não tenha encontrado a pessoa certa, afinal ainda sou nova, tenho muita vida pela frente, não é?- Ela concluiu em um sussurro.




Son amores problemáticos


Como tú, como yo


Es la espera en un teléfono


La aventura de lo ilógico




-Ás vezes eu pendo a mesma coisa...-Harry confessou em um sussurro- Mas acho que podemos tentar investir nesse "e viveram felizes para sempre". Eu sei que posso soar ridiculo, mas por mais que eu tente eu não consigo te esquecer. Tenho esperança que me casando com a Cho, eu consiga te esquecer e, aos poucos, aprender a ama-la.- concluiu.


-Não se iluda com um futuro amoros entre nós, Harry.- Raquel pediu em um sussurro- Eu admito que quando falei que só estava te usando para me divertir, eu estava mentindo! E também admito que ainda te amo, mas eu sinto que não sou capaz de te perdoar pela traição ainda! Pode ser que daqui um dia ou daqui a um século, eu não sei quando vou conseguir, Harry! Eu não sei quando o meu amor por você vai superar a mágoa que você me causou. Por mais que eu tente eu sinto que se tentasse manter uma relação com você eu seria do tipo que proibi o nego de olhar pro lado!- Harry sorriu diante a giria que ela usou-Eu não quero isso pra mim! O máximo que eu consigo manter com você é amizade.-Ela pediu, passando uma mão no rosto dele, num gesto carinhoso.


-Eu não me arrependo de ter ficado com você e nem do que fiz com você...-Harry informou- Eu só me arrependo do que eu fiz pra você naquele dia! Eu sei que não vai me ajudar muito, mas...Me perdoe por ter feito aquilo com você.- ele pediu.


-Eu já disse que te perdoei, Harry, mesmo sem saber o que realmente aconteceu naquele dia eu te perdoei! Sabe por quê?- Ele negou com a cabeça- Por que eu pude ver que você estava arrependido de sabe-se lá o quê! Mas é como eu disse: Minha mágoa supera meu amor. um dia, talvez, eu vá até você e te fale que finalmente minha mágoa sumiu, mas enquanto isso não acontecer eu quero que você seja feliz, nem que seja com a Cho, pois sua felicidade será a minha.- Finalizou sorrindo de fraquinho.


-Eu digo o mesmo. Enquanto você não conseguir fazer a mágoa sumir, seja feliz com quem quer que seja. Não se prenda a mim, a única pessoa desse mundo que não te merece nesse mundo.- ele pediu- E sua felicidade será a minha.- Finalizou piscando um olho para ela.


-Amigos oficiais?- Ela perguntou sorrindo.


-Amigos oficiais!- ele exclamou e ela selou com um beijo na bochecha dele.




La locura de lo mágico


Un veneno sin antídoto


La amargura de lo efímero


Porque él se marchó




Continuaram a dançar, agora com os corações mais leves. Lílian, Biatriz, Hermione e Rony observavam os dois de longe e sorriram ao ver que ao menos amigos eles deviam ter aceitado ser.


Agora a paz daquele grupo de amigos estava completa. Para eles não adiantava só o mundo estar livre de um maiáco retardado, tinha que haver paz entre eles. Era verdade que não era exatamente o que eles queriam, mas era melhor isso do que ficarem a margem de brigas diárias.


Concordavam que nos últimos dias não houvera uma única briga entre Raquel e Harry, que o que havia era respeito e coleguismo, nada mais que isso, mas esse sentimento não mudava o fato de que eles poderiam começar uma guerra nuclear a qualquer momento. (Autora exagerada? Eu? Qué isso!^^")


Continuaram a dançar, mas se entre olhavam e sorriam. A amizade entre os dois morenos (Raquel e Harry) era o começo para uma possivel reconcilhação que se dependessem do resto do grupo saíria ainda áquela noite.


Quando aquela música terminou de tocar, uma agitada a sucedeu fazendo com que o grupo se juntasse em uma rodinha e que começassem a dançar. As garotas com passos sensuias e os garotos com passos timidos, mas que de certa forma completava os das meninas. Todos riam com os passos errados ou com os mal feitos dos outros e até dos possiveis tombos que as garotas quase tiveram por tentarem fazer passos dificeis em cima de saltos.


mais algumas músicas e no lugar da cantora que estava entrou as Esquisitonas, que começaram a tocar músicas mais ágitadas que as anteriores.


-Quel, Bia...-Lílian chamou ofegante, enquanto eles voltavam a mesa, para descansar um pouco.


-Fale, razão do meu existir...-Raquel respondeu rouca, devido ao fato de ter que praticamente gritado no meio da pista para ser escutada.


-Que cês acham de mostrarmos o que é música agitada?- Lílian perguntou, enquanto as três diminuiam o passo para ficar mais atrás.


-Oh, não!- Biatriz respondeu num gemido- Eu dou valor aos meus pés!- ela resmungou.


-E eu á minha voz!- Raquel revidou.


-Por favor!- Ela insistiu com um olhar de cão sem dono. Raquel e Biatriz se entreolharam e suspiraram.


-Você vai ficar me devendo voz!- Raquel resmungou, antes de começar a seguir Lílian até o palco.


-E a mim será pés sem calos!- Biatriz informou. Lílian simplesmente riu e se encostou no palco, esperando a música acabar.




-Cadê aquelas três?- Rony perguntou. Haviam acabado de chegar a mesa e dado por falta das três garotas. Estavam sentados esperando elas aparecerem a bons cinco minutos, mas parecia que elas haviam evaporado no ar.


Nesse momento a música acabara e a banca ficara em silêncio por um tempo, enquanto o vocalista abaixara na ponta e parecia conversar com alguém. Harry olhava a cena parecendo desinteressado, mas adoraria saber com quem ele falava.


-Atenção, pessoal!- O cantor falou se erguendo, parecendo incerto de como falar. Todos se calaram e viraram para ver o que ele queria. (santa ignorancia!)- Têm uma "banda" amadora aqui, pedindo para que As Esquisitonas libere algum tempo para que elas poçam mostrar "o que é música agitada!- Ele explicou e Harry e Rony se entre olharam começando a entender onde as meninas haviam ido.- Vocês acham que devemos ceder!?- ele perguntou e um urro de concordancia veio dos alunos.


As Esquisitonas saíram do palco, indo se postar do lado deste e logo três garotas subiram no palco. Hermione se engasgou com o suco que bebia ao ver quem eram.


-Olá, pessoas!- Raquel falou com a voz magicalmente ampliada, enquanto caminhava até o centro do palco. O barulho do bota que usava produzia um barulho seco ao bater na madeira.- Em primeiro lugar: Saibam que isso foi idéia da Lílian!- Advertiu e alguns riram.


Harry sorriu. Definitivamente, essas três eram loucas. Loucas por pedirem para cantar, loucas por o fazerem diante Hogwarts toda e loucas por usarem roupas identicas, que consistia em uma calça preta justa com algumas correntinhas penduradas ao longo da perna. Uma blusinha de ombro único, também preta e um sobre-tudo por cima. Uma gargantilha que dava três voltas no pescoço delas e em cada uma tinha um simbolo diferente. No de Raquel era uma folha preta com algumas manchas em vermelho. No de Biatriz era uma estrela azul, que também tinha algumas manchas de vermelho e o de Lílian era um sol, que por sua vez tinha metade do seu desenho pintado de vermelho, enquanto a outra metade era dourada.


-Deixemos que Lílian dê uma explicação básica sobre isso.- Biatriz anunciou, com sua voz também amplificada por meio de magia.


-Ta legal!- Lílian falou emburrada- A idéia original era só subir aqui e começar a cantar feito um bando de loucas, mas já que insistem!- Todos riram.-Seguinte povo: A gente tentou montar uma banda a alguns anos, mas nunca deu certo. A única coisa boa dessa tentativa foi que nós três aprendemos a dançar e a cantar! O que fez nossos pais darem graças a Merlin!- piscou um olho, o que arrancou mais risadas- Bom...Vamos aproveitar o que sabemos e vamos tentar mostrar o que é música de verdade! Nós não escrevemos nenhuma das letras. São todas de bandas trouxas!- Informou.


-Podemos começar?- Raquel perguntou e Harry notou que a amiga estava começando a se empolgar com a idéia. Um urro de concordancia veio da "pláteia".


Lílian e Biatriz sacaram as varinhas e conjuraram algumas notas que logo começaram a fazer alguns acordes lentos, que logo se tornaram agitados.


As três pararam no centro do palco , formando um circulo, uma de costa para a outra. Se agacharam e quando a música ficou mais animada começaram a se erguer os corpos fazendo movimentos como se fossem cobras. Raquel caminhou, jogando as coxas para a frente, no ritmo da música indo até a ponta. Esticou os braços fazendo com que eles ficassem na altura dos ombros e começou a cantar:


-You say that I can trust you, i don’t know,but every time I’m near you I lose control, i must be out of my mind.- Pegou um impulso e deu uma mortal voltando a ficar no lugar que estava no começo. Lílian e Biatriz se postaram ao lado da morena e as três caminharam como se tivessem desfilando até a ponta e começaram a cantar juntas:




"To let you in maybe I should try to find my strength within. It’s only a matter of time and I will surrender. Just give me a little more time."




As três deram as mãos e começaram a saltidar fazendo circulos no lugar, até que Lílian se soltou das outras duas e foi rodando até uma das pontas do palco e, enquanto as outras duas continuavam a saltitar, ela continuou a cantar:




"To open my mind it’s only a matter of time and I will surrender, Surrender to you. Fears, I leave them far behind to resist you, I don't know how love is so touching me unkind should I lay my part on the line now."




Caminhou pra trás e deu uma estrelinha, indo se postar, agachada, atrás das amigas que começavam a mortais costantes para trás, indo assim pararem ao seu lado. Biatriz se levantou, enquanto Lílian e Raquel permaneciam agachadas e fingiam que iam levantar, mas ficavam só no movimento que imita uma cobra.


Biatriz fez uma cara sensual e caminhou até o primeiro degrau da pequena escada que levava até o chão do Salão. Abriu os braços, fazendo com que eles ficassem nas alturas dos ombros e deu uma rebolada básica, enquanto começava a cantar:




"When, temptation comes along I can't hide it I can't fight it feelings inside are getting strong
cannot deny it You find it."




As outras duas finalmente levantaram e caminharam até o lado da morena, que abaixara os braços. As três começaram a bater palmas enquanto balançavam o corpo de um lado pro outro e começaram a cantar juntas:




"It's only a matter of time and I will surrender just give me a little more time to open my mind
it's only a matter of time and I will surrender surrender to you."




E para encerrar a coreografia, Biatriz se agachou, de modo que suas pernas ficaram abertas e seus joelhos apontassem um para cada lado. Raquel e Lílian subiram cada uma em um dos joelhos da morena e se inclinaram, fazendo com que sua bochechas se encostassem, enquanto levantavam uma das penas e sorriam.


Todos bateram palmas, enquanto alguns riam delas.


-Saibam que eu estou morrendo de vergonha!- Biatriz exclamou, enquanto se levantava e jogava um dos braços pra cima com o punho fechado.


-Eu estou morrendo de satisfação, Bia!- Lílian falou, mostrando a língua para a irmã.


-E eu de dor de garganta!- Raquel exclamou, revelando que sua voz estava indo embora. Sorriu e as três começavam a sair do palco, enquanto iam transfigurando as roupas com as quais dançaram em suas roupas de gala.
Alguns conhecidos sorriam para elas e dava tapinhas em suas costas, enquanto As Esquisitonas voltavam a tocar.


-Nunca mais eu vou na sua, Lily!- Raquel falou, enquanto se sentava ao lado de Harry na mesa.


-Também te amo!- Lílian respondeu sarcastica, mandando um beijinho no ar para a amiga.


-Eu sabia que a Quel era loca, mas agora acho que as três são.- Rony resmungou.


-Eu ouvi bem?- Raquel perguntou- você disse que acha?- Ela perguntou- Eu tenho certeza!- e piscou um olho para ele.


Depois disso os amigos ficaram conversando, rindo e dançando o resto da noite. Era, de fato, uma noite marcante para todos, onde as coisas começavam a caminhar para voltar tudo a normalidade. caminhava devargar, é verdade, mas devagar se vai longe.




O dia seguinte amanheceu nublado, mas isso não impedia que os pássaros cantassem alegres e que alguns alunos já estivessem acordados, jogando Snap Explosivo, xadrez bruxo, ou até namorando.


Os fracos raios raios de sol passavam pela janela do dormitório do sétimo ano da Grifinória e atingiam em cheio o rosto de um jovem de cabelos rebeldes e negros.


Harry ainda dormia e não era surpresa para ninguém, uma vez que o jovem fora durmir mais de três da madrugada. Porém o fraco sol parecia desperta-lo, aos poucos.


Harry resmungou algo ilegivel e se virou, cobrindo a cabeça com o travesseiro e se acomodando melhor em baixo das cobertas. Estava quase voltando a dormir, quando algo maciço e pesado caiu em cima de si.


-Hora de acordar, Bela Adormecida!- Uma voz feminia, animada demais para ter acordado agora, exclamou e Harry foi obrigado a abrir um olho para ver quem era; Raquel.


-Amor da minha...-Ele resmungou, com a expressão fechada.-Eu sei que você se orgulha do seu corpo, mas por melin, você não é nenhuma pena, onde possa pular em cima dos outros sem que eles não sintam seu pequeno peso.


-Está me chamando de gorda?- ela perguntou numa finginda zanga.


-Você acha?- Harry perguntou, enquanto a morena saia de cima dele, e ele se sentava na cama.


-Bom, foi o que pareceu.- ela respondeu, encolhendo os ombros. Harry sorriu.


-Você acha que eu seria capaz de tal atrocidade?- ele perguntou com fingida incredulidade. Raquel sorriu diabolicamente.


-Eu não acho isso, meu amor!Eu tenho certeza de que você seria capaz!- E mostrou a lingua pra ele.


-De onde você tira essas idéias absurdas?- Ele perguntou se levantando.


-De um lugar chamado cerebro. Pelo visto você não teve o disprazer de conhecer, nem de explorar o seu, mesmo porque não vale apena, ele nunca vai ser tão vasto e criativo quanto o meu!- ela respondeu, fazendo uma cara de triunfo.


-É melhor eu ficar quieto enquanto ainda tenho um teco de dignidade.- Harry respondeu, passando a mão pelo rosto. Raquel riu.


-Certo. Vê se fica pronto logo. Tô te esperando na sala comunal.- e saiu.


Depois de cinco minutos, Harry finalmente desceu, totalmente pronto e bocejando.


-Finalmente!- Raquel exclamou se levantando do sofá- Já estava achando que teria que ir buscar a noiva.- resmungou sarcastica.


Harry mostrou a língua.


-Eu tenho que manter o chame, meu bem!- Exclamou fingindo ter seu lado feminino mais aguçado. Raquel, Lílian, Hermione e Rony riram e eles foram para o Salão Principal, perdidos em uma conversa de banalidades.
Assim que se sentaram na mesa de Grifinória, continuaram a conversar e a rir alto, chamando a atenção de alguns alunos próximos.


-Nunca viram?- Lílian perguntou para esses alunos, fingindo estar bebada. Alguns riram dela, mas todos deixaram de prestar atenção no grupo.


-Gente..-Raquel chamou depois de um tempo em silêncio.-Vamos sabem que os odeio, né?- perguntou sorrindo.


-Sabemos.- Rony exclamou sorrindo.


-E por eu odiar vocês, eu vou ter que voltar para a França hoje.-Continuou, tirando o sorriso dos lábios.


-Oh, Droga!- Lílian exclamou, apoiando o cotovelo na mesa e a cabeça na mão, olhando para a amiga que estava ao seu lado.- Por tão cedo?- Raquel riu.


-Meu amor, eu estou aqui a muito tempo!- Raquel explicou- Já perdi uma semana de aula. Se eu perder mais tempo, Madame Maxime me mata!- explicou.


-Você vai nos mandar cartas?- Hermione perguntou.


-É claro!- Raquel exclamou- Sempre que eu tiver tempo, isso é!- completou, coçando atrás da cabeça, sem jeito.


-Se você não nos mandar cartas, Quel, eu juro que te mando um berrado!- Harry avisou, sorrindo marotamente, mostrando que estava louco para mandar o tal berrador. Raquel sorriu traquinas.


-Querido, faça isso e eu terei a cara de pau de falar a todos daquele colégio que sou a única privelegiada que recebe um berrador com a sua linda voz!- Falou marota, piscando um olho para o moreno.


-Acho que melhor eu ficar quieto enquanto dá, né?- Ele falou.


-Oh, sim! Se você dá valor a sua dignidade é melhor ficar quieto!- Raquel respondeu e mandou um beijinho no ar para Harry.


-Quando você viaja, Quel?- Lílian perguntou, interrompendo a "briga" dos dois morenos. Raquel olhou para o relógio de pulso.


-Daqui a pouco.- Ela respondeu- Vou á sala de Dumbledore e de lá vou para Beauxbatons via flu.- Terminou, antes de dar um dentada em uma torrada.


-Cadê a pinga?- Lílian perguntou e todos a olharam confusos.- Pra fazer uma despedida digna!- ela explicou sorrindo.


-Vai suco de abobora mesmo!!!- Raquel falou e piscou um olho para Lílian- Não estou nem um pouco a fim de ficar bebada, querida.- Completou.


-Então tá. Suco de abobóra!- Lílian falou, colocando mais na taça dos amigos.


O café da manhã seguiu animado dessa forma. Todos rindo e pondo a "fofoca", como Rony falara, em dia. Mas como tudo que é, infelizmente dura pouco, e o café tambem terminou logo, fazendo com que a hora da partida de Raquel chegasse.


-Quel, mande noticias pra nós, por favor.-Lílian pediu, quase chorando.


-Pode deixar!- A morena respondeu sorrindo- Vou ver se consigo vir na formatura de vocês!- Avisou, dando uma piscadela para os amigos.


-Não vá se esquecer da gente!- Hermione pediu. Raquel sorriu.


-Impossivel, afinal, você são amigos maravilhosos! Nunca vou esquecer de vocês!- Completou- Mas agora eu tenho que ir!- Deu um beijo na bochecha de cada um- A gente se vê!- Falou, fazendo um aceno de despedida com a mão e saiu correndo para a sala de Dumbledore.


-Ela é bem...Direta, ou é só impressão?- Rony perguntou e todos riram.
Admitiam que Raquel iria fazer falta nesses últimos meses de aula, mas a saudade que iria ficar ia ser amenizada com trocas de cartas e, talvez, alguns berradores.




N/A: Wow! O maior o capítuloda GB, até agora!


Vinte páginas. Espero que não tenha ficado monotono!^-^


Bom, a música que as meninas cantam é a Surrender da Lasgo.^_^


A música que eu coloquei pro povo dança, naquela Hora em que o Harry e a Raquel voltam a ser amigos é a Amores Estranõs da Laura Pausini.^-^


Espero que tenham gostado e COMENTEM!!!


Bjkss =***

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.