FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

11. Capítulo 11


Fic: Um Vizinho Perfeito Fic Completa


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Hermione seguiu o conselho de Draco e demorou um bom tempo relaxando na banheira. Precisava daquele tempo para se acostumar àquela nova atitude dele. Ou seria aquilo, ponderou ela, apenas um lado de sua personalidade que ele ainda não havia tido oportunidade de demonstrar?

Como poderia imaginar que Draco tinha um lado tão romântico? E como poderia prever que o fato de ele lhe demonstrar isso dificultaria ainda mais o controle de seus próprios sentimentos?

Amava-o de qualquer maneira, sob qualquer circunstância. Mas não havia mulher que resistisse a todas aquelas demonstrações de gentileza e romantismo. Deus, até onde seu amor iria chegar? Seria possível conseguir amá-lo ainda mais? Difícil. Mas não impossível.


Tinha noção de que Draco estava fazendo aquilo para se desculpar, por havê-la magoado. Na verdade, ele não tinha idéia do que realmente havia feito a ela. Contudo, o mais importante, pelo menos para ela, era o fato de ele querer se desculpar de alguma maneira. Como poderia negar um pedido de desculpas vindo de Draco?

Uma noite tranqüila, com um jantar íntimo e casual, seria perfeita para eles. Draco não gostava de multidões e, no momento, ela própria também não estava com disposição para ir a um lugar mais agitado. Por isso, comer pizza diante da tevê lhe pareceu um bom programa. Ela e Draco teriam a chance de rir e de conversar sobre amenidades.

Mais tarde, talvez até fizessem amor no sofá enquanto um filme em preto-e-branco estivesse sendo exibido na sessão da madrugada. Finalmente as coisas voltariam a ser simples entre eles.

Sentindo-se mais calma e relaxada, vestiu um longo robe de seda azul, escovou os cabelos e começou a descer a escada. Foi então que uma música suave lhe chegou aos ouvidos. Um som envolvente e sedutor. Não ficou surpresa. Afinal, Draco gostava daquele tipo de música e até tocava aquele estilo com seu sax.

Porém, ao descer mais alguns degraus, viu o candelabro sobre a mesa com suas velas acesas. Draco estava ao lado da mesa, esperando-a com um sorriso charmoso. Havia trocado de roupa e estava trajando uma calça e uma camisa pretas, além de haver feito a barba.

Ao vê-la, ele lhe estendeu a mão. Hermione se aproximou devagar e pousou a mão sobre a dele, encantada com a maneira como a chamas das velas se refletiam sobre os cabelos e os olhos dele.

- Está se sentindo melhor?

- Sim, muito. O que está acontecendo aqui?

- Nós vamos jantar.

- Mas o cenário está um pouco elaborado para... - Hermione se interrompeu quando Draco levantou-lhe a mão e roçou os lábios sobre seus dedos, deixando-a sem fôlego por um instante. - Pizza - completou ela.

Draco sorriu.

- Gosto de olhar seu rosto à luz de velas - explicou. - Gosto do efeito das chamas no brilho de seus olhos. - Puxando-a delicadamente para si, beijou-a nos lábios. - E sobre sua pele. - Roçou os lábios sobre a face dela. - Acho que esqueci de quanto você é delicada e acabei indo longe demais em minha falta de consideração.

- O quê? - Hermione estava se sentindo ligeiramente zonza.

- Tenho sido descuidado com você, Hermione. Mas não serei esta noite. - Dizendo isso, beijou a mão dela, provocando-lhe um arrepio. - Tenho algo para você - falou ele, pegando uma pequena caixa com um laço cor-de-rosa que havia sido deixada sobre o balcão.

Hermione levou as mãos às costas, em um gesto instintivo.

- Não quero nenhum presente, Draco. Não preciso de presentes.

Ele franziu o cenho, surpreso com o tom defensivo na voz dela. Somente depois de alguns segundos, foi que se deu conta de que ela estava pensando em Pansy.

- Não estou lhe oferecendo isso porque você precise, ou porque tenha pedido - explicou a ela.- Quero lhe dar isso porque me fez lembrar de você. - Ele entregou a caixinha a ela. - Abra antes de se decidir. Por favor.

Sentindo-se meio infantil, Hermione pegou a caixinha e retirou o laço com cuidado.

- Bem, quem não gosta de presentes? - disse, com bom humor. - Além do mais, você esqueceu meu aniversário.

- Esqueci?

Draco se mostrou tão chocado que a fez rir.

- Sim, ele foi em janeiro, e o fato de que você ainda não me conhecia não serve de desculpa para não ter me dado um presente. Então este aqui...

Hermione se interrompeu de repente, olhando para o inusitado par de brincos repousados sobre o veludo da caixinha. Dois pingentes de hematita mostrando vários peixinhos sobrepostos. Feito um pequeno cardume de sardinhas prontas para entrar na lata.

- Eles são ridículos. - Hermione riu, encantada.

- Eu sei.

- Mas eu adorei.

- Eu sabia que você ia gostar. - Draco sorriu, satisfeito.

Com um brilho de felicidade no olhar, ela segurou os pingentes junto às orelhas.

- Que tal?

- Adoráveis e inusitados, como você.

Hermione enlaçou os braços em torno do pescoço dele e o beijou com uma paixão que fez Draco sentir o sangue esquentar. Então ouviu um soluço.

- Ah, meu Deus. Não, não faça isso.

- Sinto muito. - Hermione soluçou novamente, escondendo o rosto junto ao pescoço dele. - É que flores, candelabros e peixinhos... Muita coisa de uma vez, entende? - Respirando fundo, tentou se acalmar e deu um passo atrás. - Muito bem, já passou - declarou, passando as mãos pelo rosto, com ar decidido.

- Graças a Deus. - Draco passou o polegar pelo rosto dela, enxugando uma lágrima que insistira em surgir. - Pronta para o champanhe?

- Champanhe? Ora, é difícil não se estar pronto para tomar champanhe.

Hermione ficou olhando Draco ir até a cozinha e começar a abrir o champanhe deixado em um balde com gelo. O que dera nele afinal? Tinha de haver um motivo para todo aquele contentamento...

- Já sei! - exclamou ela, de repente. - Você terminou o roteiro! Oh, Draco, você conseguiu terminar?

- Não, não terminei.

A rolha do champanhe finalmente saltou e ele serviu a bebida.

- Oh. - Voltando a se sentir confusa, Hermione franziu o cenho. - Então, o que estamos celebrando?

- Você. - Draco tocou o copo no dela, em um brinde. - Apenas você.

Ele pousou a mão sobre o rosto de Hermione, antes de levar seu próprio copo aos lábios dela.

Hermione provou a bebida, fechando os olhos por um instante para apreciar melhor aquele sabor todo especial. A maneira como Draco a estava fitando quando ela voltou a abrir os olhos deixou-a entontecida.

- Não sei o que lhe dizer.

- Não precisa dizer nada - respondeu ele. - Apenas aproveite a noite que preparei para você. - Hermione sentiu um arrepio de expectativa.

- Puxa, quais serão as surpresas que me aguardam? Já estava me sentindo feliz demais com as que tive até agora.

- Eu ainda nem comecei... - Draco tirou o copo da mão dela e o deixou de lado, antes de envolvê-la em seus braços. Roçando os lábios nos dela ao ritmo da música, ele sussurrou: - Nunca a tirei para dançar.

- Não. - Hermione fechou os olhos. - Nunca.

- Então dance comigo, Hermione.

Como se aquele fosse o gesto mais natural naquele momento, ela levou a mão ao ombro dele e encostou a cabeça em seu ombro, deixando-se levar pelo ritmo da música. Iluminados apenas pelas suaves chamas das velas, os dois ficaram ali durante algum tempo, desfrutando aquela agradável atmosfera de intimidade.

Ao sentir os lábios de Draco roçando seu queixo, Hermione levantou o rosto de modo que seus lábios encontrassem os deles. Sua pulsação estava acelerada, mas seus movimentos, ao ritmo da música, eram lentos, quase preguiçosos.

- Draco... - murmurou, equilibrando-se na ponta dos pés para beijá-lo com mais intensidade.

- Deve ser o jantar - falou ele, ainda com os lábios junto aos dela.

- Hum?

- O jantar. A campainha.

- Oh.

Hermione tivera a impressão de ouvir uma campainha, mas o ruído lhe parecera tão distante que ela pensara que o som houvesse vindo de outro apartamento.

- Espero que não fique desapontada - disse Draco, enquanto abria a porta. - Não é pizza.

- Oh, tudo bem. Qualquer coisa está bom para mim.

Como ele queria que ela se preocupasse com comida com todo seu corpo ardendo de desejo por ele? Entretanto, não conseguiu esconder o ar de espanto ao ver garçons uniformizados entrando no apartamento.

Aturdida, ficou observando os homens arrumarem as iguarias sobre a mesa com eficiência e discrição. Eles partiram em menos de dez minutos, e somente então Hermione conseguiu voltar a falar.

- Isso... parece estar maravilhoso.

- Venha sentar-se. - Draco lhe segurou a mão e indicou um lugar para ela, antes de se inclinar e beijá-la na nuca.

Hermione se lembrava de haver comido alguma coisa, mas não tinha muita certeza do que fora e nem de como o fizera. Era como se seu poder de observação houvesse decidido abandoná-la de repente. Toda sua atenção estava centrada em Draco, e somente nele. Só conseguia se lembrar da maneira como os dedos gentis haviam tocado os seus e de como aqueles lábios macios haviam roçado a pele sensível de sua mão em determinados momentos. A maneira charmosa como ele sorrira e servira mais champanhe, que ela bebera até sentir a cabeça ficar leve, muito leve.

Também se lembrava com clareza da maneira como ele a carregara nos braços, com infinita gentileza, até o andar de cima. E de como ele a colocara com todo cuidado sobre a cama, em meio aos lençóis perfumados. Acendeu as velas do candelabro, como já havia feito antes, mas dessa vez se aproximou de uma maneira diferente. Uma maneira permeada por uma espécie de magia carinhosa e sensual que Hermione não saberia ao certo como definir, apenas sentir.

Um beijo intenso e apaixonado iniciou o ritual de amor. Draco ofereceu a ela mais do que conseguia se imaginar capaz de oferecer a alguém, e encontrou na resposta sem reservas de Hermione mais do que poderia sonhar.

Fizeram amor lentamente, sem pressa, sem receios. Para ambos, aquele delicioso compartilhamento íntimo foi uma espécie de descoberta mútua, algo que viveria apenas na lembrança dos dois.

Quando Draco abriu o robe de Hermione, ficou algum tempo admirando suas formas perfeitas, lisonjeando-a com aquele olhar de indisfarçável desejo.

- Você é tão linda, Hermione - disse, fitando-a nos olhos. - Quantas vezes deixei de lhe dizer isso? De lhe mostrar isso?

- Draco...

- Deixe que eu lhe faça isso. Deixe-me vê-la sentir prazer ao ser tocada como eu deveria tê-la tocado antes. Assim... - murmurou ele, percorrendo toda a extensão do corpo macio e cheio de curvas com a ponta do dedo indicador.

Hermione conteve o fôlego e fechou os olhos, envolvida por uma sensual onda de prazer. Então ele inclinou a cabeça, traçando com os lábios e a língua a mesma trilha de fogo que seu dedo havia deixado.

Gemidos de prazer irromperam na garganta de Hermione, emergindo por entre seus lábios entreabertos. Vulnerável ao toque das mãos e dos lábios experientes de Draco, estremeceu completamente quando uma onda mais intensa de prazer arrebatou-a de repente.

Draco continuou a doce tortura, sentindo-se satisfeito ao vê-la gemer e arquear o corpo em meio ao poderoso abandono sensual. Mas ainda não era suficiente. Queria oferecer mais a Hermione. Muito mais.

Ao se unir a ela por completo, deixou que o desejo, dessa vez permeado por uma infinita ternura, conduzisse seu corpo e o de Hermione por aquela escalada de sensualidade. Com movimentos intensos e ternos ao mesmo tempo, Draco a arrastou consigo para aquele universo de prazer que sempre guardava uma surpresa, nunca se revelando exatamente da mesma maneira.

Quando Hermione acordou, sorriu ao ver que Draco continuava ali, a seu lado, abraçando-a com o mesmo carinho com que a envolvera quando os dois haviam adormecido nos braços um do outro, exaustos depois do amor.

- Definitivamente, essa foi a primeira colocada na lista moderna dos "Dez Tipos de Noites Românticas Possíveis de Acontecer na Vida de uma Mulher" - disse Gina; trocando a fralda de Tiago com sua costumeira habilidade, enquanto o bebê insistia em dar suas opiniões naquela linguagem que somente ele mesmo entendia. - Ganhou de longe do passeio de carruagem no Dia dos Namorados, com uma dúzia de rosas brancas e um par de brincos de diamante que minha prima, Mafalda, ganhou. Ela vai ficar indignada.

- Nunca alguém me deu tanta atenção - confessou Hermione, abraçada a um dos ursinhos de pelúcia da vasta coleção de Tiago. - Não foi apenas o... Você sabe.

- Mas o "você sabe" também foi maravilhoso, certo? - indagou Gina, fechando a fralda.

- Foi indescritível. Você se lembra daquela cena em Corações em Chamas, quando Martin e Alessa finalmente descobrem que haviam sido separados durante anos pelo tio cruel e ambicioso?

- Oh, meu Deus. - Gina revirou os olhos, pegando Tiago no colo. - Se me lembro! Fiquei acordada até as duas horas da manhã lendo aquele livro, e acabei acordando Harry. - Sorriu com ar maroto. - Ficamos um pouco cansados no dia seguinte, mas valeu. a pena. - Ela levou Tiago para a sala e colocou-o sobre o tapete, para ele engatinhar. - Foi mesmo tão bom assim?

- Foi melhor.

- Não acredito.

- Foi como se Draco houvesse me oferecido não apenas seu coração, mas também sua alma. E eu fiz o mesmo em relação a ele.

- Puxa. - Gina sentou-se na cadeira mais próxima. - Isso foi lindo, Mione. Lindo mesmo. Você também deveria escrever um romance qualquer dia desses.

- Mas não foi apenas isso que me impressionou. Foi todo o conjunto, entende? - Brincando com Tiago, ela prosseguiu: - Estou tão apaixonada, Gina. Não acredito que seja possível amar tanto assim sem ter esse sentimento transbordando por você. Ele parece grande demais para ficar contido apenas aqui, dentro de mim.

- Oh. - Gina exalou um longo suspiro. - Quando vai contar a ele?

- Não posso. - Também suspirando, Hermione pegou o martelinho de plástico de Tiago e começou a batê-lo na mão, produzindo um ruído que chamou a atenção do bebê.

- Não sou corajosa o suficiente para dizer-lhe algo que ele não quer ouvir.

- Mione, o homem está louco por você.

- Ele tem sentimentos em relação a mim, e talvez se eu conseguir esperar e convencê-lo de que não pretendo magoá-lo, Draco se permita sentir algo mais.

- Magoá-lo? - Gina franziu o cenho. - Hermione, você nunca magoou ninguém. Mas talvez, dessa vez, esteja magoando a si mesma.

- Ele tem motivos para ser cauteloso - disse ela, levantando a mão antes que Gina fizesse alguma pergunta. - Não posso lhe contar, mas sei que ele tem motivos para agir assim.

- Tudo bem. Eu entendo.

- Obrigada. Agora preciso ir, ainda tenho uma porção de coisas para fazer. Precisa de alguma coisa?

- Na verdade, preciso sim. Mas só se você for sair.

- Acrescentarei seu pedido à minha lista. Já vou pegar algumas coisas para a sra. Figg e prometi, à sra. Peebles que lhe traria algumas uvas verdes do mercado, se elas estivessem boas. Deixe-me pegar a lista... - falou ela, procurando o papel nos bolsos.

- Só vou lhe pedir isso porque vai sair de qualquer maneira e porque é você. - Gina mordeu o lábio, então sorriu. - Não conte a ninguém que vai comprar isso para mim, está bem?

- Pode deixar. - Distraída, Hermione finalmente encontrou a lista dentro da carteira.

Hermione acabou demorando mais tempo do que imaginara. Quando entregou os itens para a sra. Figg, as uvas à sra. Peebles, uvas que ela achara tão bonitas que comprara uma porção para si mesma, e finalmente bateu à porta de Gina, já passava das cinco horas da tarde.

Fez um ar de frustração quando a amiga não respondeu. Pelo visto, Gina havia precisado sair por algum motivo. Carregando as compras, voltou para o elevador e foi para o andar de cima.

Um inevitável sorriso surgiu em seus lábios quando ela viu Draco esperando por ela no corredor.

- Oi!

- Olá, vizinha. - Ele pegou os pacotes e beijou-a nos lábios. - Ei, o que traz aqui dentro? Tijolos?

Hermione riu, procurando as chaves.

- Mantimentos, produtos de limpeza e algumas outras coisinhas. Comprei algumas coisas para você também. As maçãs estavam muito bonitas é mais saudável comê-las enquanto está trabalhando do que ficar se empanturrando com doces e coisas do gênero.

Encontrou as chaves com um breve "A-ha!" e destrancou a porta.

- Oh, e também um pouco de amoníaco, para limparmos aquelas suas janelas.

- Maçãs e amoníaco. - Draco colocou os pacotes sobre a mesa. - O que mais um homem pode querer?

- Torta de nozes, diretamente da doceria. Sinto muito, mas não consegui resistir.

- Pois ela terá de esperar.

Dizendo isso, Draco a tomou nos braços e rodopiou com ela.

- Ei, está mesmo de bom humor, não? - disse ela, sorrindo ao beijá-lo. - Se seu sorriso for além disso, talvez acabe tendo problemas no maxilar.

- Terminei de escrever a peça, Hermione - declarou ele.

- Terminou? - Ela o abraçou com força. - Oh, Draco, isso é maravilhoso!

- Nunca terminei um roteiro tão rapidamente. Ele ainda precisa de alguns ajustes, claro, mas o principal está pronto. Está tudo lá. E você teve muito a ver com isso.

- Eu?

- Assim que parei de tentar afastá-la e me isolar para escrever, o conteúdo simplesmente fluiu.

- Posso ler o roteiro?

- Sim, depois que eu burilá-lo um pouco mais. Agora vamos jantar para comemorar.

- Jantar? Só se estiver disposto a celebrar um acontecimento tão importante assim com espaguete e almôndegas.

- Para mim, está ótimo. - Sem se importar em parecer sentimental, acrescentou: - Desde que seja com você, aquela que um dia pagou um jantar a um músico faminto.

- Ah, meu Deus, você colocou isso na peça? E sobre eu haver lhe pagado para jantar comigo? Oh, Deus, estou perdida.

- Você vai gostar, não se preocupe.

Hermione arregalou os olhos.

- Então eu apareço mesmo na peça? Com que nome eu apareço?

- Zoé.

- Zoé? - Ela apertou os lábios, pensativa. - Gostei.

- Nada que fosse muito comum iria combinar com você - Draco explicou.

- Você parece tão feliz. - Aproximando-se, Hermione acariciou os cabelos dele. - E é tão bom vê-lo feliz.

- Venho me sentindo assim com muita freqüência ultimamente. Agora vamos.

- Ei, primeiro preciso guardar as compras. Depois me arrumarei um pouco e poderemos sair.

- Então vá se arrumar enquanto eu guardo as compras - sugeriu ele.

- Está bem – Hermione concordou, já se dirigindo à escada. - Mas tome cuidado para guardá-las nos lugares certos, sim?

- Pode deixar comigo - Draco respondeu, começando a tirar os itens de um dos pacotes.

Ele havia ficado impaciente durante aquela última hora, esperando Hermione voltar para poder lhe contar a novidade. Queria que ela fosse a primeira pessoa a saber. Também estava ansioso para dizer que, de alguma maneira, em algum momento ao longo das últimas semanas, tudo havia mudado em sua vida. Por mais que houvesse lutado contra aquilo e tentado ignorar o que estava sentindo, nada havia resolvido. Chegara à conclusão de que pela primeira vez depois de muito, muito tempo, voltara a se sentir feliz.

Hermione tinha razão, ele estava feliz. E não era apenas por causa da peça. Hermione era o motivo principal de sua felicidade, sempre fora.

Isso havia transparecido em sua peça, por meio das falas das personagens, e dos contextos que ele havia criado. Era impossível resistir ao brilho da personalidade de Hermione, e isso estava lá, em sua peça, para que todos pudessem ver e aplaudir.
A felicidade entrara em sua vida juntamente com Hermione, com seus biscoitos, sua conversa animada, seus risos e seu jeito encantador.

O que sentia por ela o preenchera por inteiro, como que salvando-o de um destino solitário e desafortunado. Sim, ela o havia salvado. E, por isso, a última frase de sua peça era: "O amor cura".

Com algum tempo e certo esforço, tivera a chance de construir ao lado dela o tipo de vida em que deixara de acreditar ao sofrer aquela desilusão no passado.

Pensativo, começou a tirar os itens do segundo pacote de compras. E então, ao pegar uma determinada caixa, sentiu todo aquele mundo recém organizado cair de repente sobre sua cabeça.

- Eu ia trocar de roupa, mas decidi não perder tempo para começar nossa comemoração. - Hermione desceu a escada rapidamente, com os brincos que Draco havia lhe dado de presente balançando nas orelhas. - Só preciso ligar para Gina antes de sairmos, para ver se ela já voltou.

- O que diabos é isso, Hermione? - Pálido de fúria, Draco mostrou a ela o kit para teste de gravidez. - Você está grávida?

- Eu...

- Você acha que está grávida e não me disse nada? O que pretendia fazer? Esperar o momento, o lugar e o humor certos para me contar?

O brilho de animação que Hermione trazia no olhar desapareceu de repente.

- È isso o que você pensa, Draco?

- O que diabos você acha que eu devo pensar? Sai por aí, toda sorridente, e depois eu encontro isso. - Ele mostrou a caixa. - E depois vem me dizer que não mente, que não brinca com os sentimentos de ninguém. O que mais posso deduzir a seu respeito?

- Isso faz de mim alguém como Pansy, não é? - Toda a felicidade que havia preenchido o coração de Hermione ao longo do dia de repente pareceu se transformar em cinzas. - Uma pessoa calculista e enganadora. Alguém disposta a usá-lo em, proveito próprio, é isso?

Draco disse a si mesmo que precisava se acalmar, antes que acabasse fazendo alguma besteira ou perdendo o controle da situação.

- Isso é entre mim e você. Não diz respeito a ninguém mais. Quero uma explicação.

- Imagino se essa questão seja mesmo entre mim e você, sem envolver ninguém mais - replicou ela. - Vou lhe dar uma explicação, Draco. Comprei maçãs para você, uvas para a sra. Peebles, alguns itens para a sra. Figg e esse kit de gravidez para Gina. Ela acha que está esperando um irmãozinho para Tiago.

- Gina?

- Isso mesmo. - Hermione continuou a sentir um aperto no peito. - Não estou grávida. Portanto, pode ficar tranqüilo.

- Sinto muito.

- Eu também. Sinto realmente muitíssimo. - Ela teve de se esforçar para conter as lágrimas ao pegar a caixa e examiná-la. - Gina estava tão feliz quando me pediu para comprar isso. Tão esperançosa. Para algumas pessoas, a idéia de ter um filho é sinônimo de felicidade, mas para você... - Ela colocou a caixa sobre a mesa e olhou para Draco. - Para você é uma ameaça, uma lembrança ruim do passado.

- Foi uma reação impensada, Hermione. Reconheço que fui precipitado.

- Cruel, seria a palavra mais apropriada. O que teria feito se eu estivesse mesmo grávida, Draco? Começaria a me acusar, dizendo que montei uma armadilha para arruinar sua vida? Ou, quem sabe, começaria a pensar que dormi com outro homem e que nos divertimos muito à sua custa.

- Não, eu não diria isso. - A simples idéia o fez estremecer. - Não diga tolices. Claro que eu não pensaria isso.

- Tolices? Tolice sobre o quê? Se ela fez, por que eu não o faria? Por que diabos eu não faria? Você acabou de trazê-la para cá e de colocá-la bem aqui entre nós, Draco. E foi você quem permitiu isso.

- Tem razão. Hermione, eu...

Ela deu um passo atrás quando ele tentou tocá-la.

- Não toque em mim! Não suportarei ser tocada por alguém que me considera como uma mulher qualquer. Fui sincera com você durante todo esse tempo, Draco, e você não tinha o direito de me magoar desse jeito. Também fui idiota por permitir que você me magoasse. Mas agora chega. Vá embora, por favor.

- Não irei embora antes de esclarecermos essa situação.

- Ela já está esclarecida. Não o culpo pelo que aconteceu. Na verdade, também tive culpa nessa história. Você foi sincero comigo. "Isso é tudo que posso lhe oferecer. Não peça nada além disso", você mesmo disse. Eu me envolvi porque quis, mas isso não voltará a acontecer. Preciso de alguém que me respeite e que confie em mim. E não aceitarei nada menos do que isso. Portanto, vá embora. - Ela foi até a porta e a abriu com um gesto firme.

- Vá embora daqui.

Apesar da fúria nos olhos de Hermione, eles estavam marejados de lágrimas e as mãos fechadas sobre suas coxas estavam trêmulas. Apesar de a porta haver sido aberta, Draco continuou olhando-a.

- Eu estava errado. Completamente errado, Hermione. E sinto muito por isso.

- Eu também. - Ela começou a tamborilar os dedos sobre a porta, então respirou fundo. - Eu menti. Não fui sincera com você em absolutamente todos os momentos, Draco. Mas serei de agora em diante. Estou apaixonada por você e lamento que tudo tenha de terminar assim.

Draco tentou argumentar uma última vez, mas Hermione passou correndo por ele e foi para o quarto, onde se trancou.

Aflito, ele passou a mão pelos cabelos e voltou para seu apartamento. Não precisava ser assim. Não precisava.

~~~ // ~~~


Aiiiii nãoooo! *lágrimas nos olhos*
Isso foi demasiadamente triste! =/
Aff... o Draco é um cabeça dura.... e de novo conseguiu magoar a Mione! :,(
E de novo supostamente por causa da Pansy! *revira os olhos*
E mais uma vez ele tirou conclusões precipitadas né! aiai.. q dilema! ¬¬’
Bom amores do meu coreee, gostaria de avisar q o próximo cap é o ultimo.. ou seja provavelmente virão mtas emoções! o/ bom, esperamos q sim né! ;)

RESPOSTAS:

• Mira O'Connel •: Aeee finalmente o Draco ‘cabeça-dura’ meio q admitiu pra si mesmo q está apaixonado pela Mione! \o/ mas infelizmente ele acabou tirando conclusões precipitadas né.. =/ aiai o q será q os aguarda? *suspense* Espero q tenha gostado do cap.. apesar de ter sido sad!¬¬

Carolyne: Aee q bom, fico trii feliz por ter comentado e claro, por ter acompanhado a fic desde o começo! :D siim, é verdade.. o vovozinho da Mione é super fofix né! e ele amaa uísque, então digamos q a Mione quase conseguiu suborna-lo se não fosse pelo fato dele ser um casamenteiro incurável né... huhu *-* a Mione tem mesmo uma família nota 10 hein.. haushasuahsuahsua a tal reunião de família tbm foi 10... e o Draco finalmente abriu o coração pra Mione né.. pena q ele é cabeça dura e estragou tudo de novo... =/ aiai homens! ¬¬’ Espero que tenha curtido o cap flor! ;)

Mione03: Tudo bem flor, no problem.. sei mto bem como é ter variaaas coisas pra fazer... e é realmente boring! ¬¬’ ‘Oo minina tu fica dando idéia agora eu vou ficar cheia de idéias na cabeça tbm! u.u hausahsuahsuashau se bem q eles nem deve ter digamos assim curtido mais o porsche, do jeito q o Draco tem ciúmes dele! ¬¬’ hasaushaushausa ah é mesmo, a Mione foi curta e direta... como ela ser sincera, eu admiro a sinceridade dela! :D Pois é, historia realmente triste... confesso q me deu mais raiva ainda da Pansy! :x e coitada da Mione além de já estar com o coração arrasado... o Draco consegui ser mais romântico e depois age de cabeça quente outra vez! aiai q triste né! =/ Vamos ver no q vai dar então né! ;) bjoo ;**

Teresa: Aeee! o/ no problem honey.. eu entendo, ultimamente todos estão numa correria né.... aiai q saudades das férias *suspira* .. enfim fico feliz com o seu comment e mais feliz ainda em saber q os caps estão sendo emocionantes para os readers tanto quanto está sendo pra mim! *-* é realmente uma linda historia né! :D siim, eu concordo o cap foi bem triste... very deep... com certeza a Mione ser o certo pra ele... e ele pra ela né... já q ambos possuem personalidades diferentes... é tipo assim.. um completa o outro! :D eu achei tão fofo a demonstração de romance do Draco! *__* aiai pena q o Draco é bem cabeça dura e já brigou com a Mione de novo! =/ bjooo ;**

Carolzitah: Pois é, a reunião familiar foi super legal né... foi bem engraçado o Matt contando sobre a ‘Lulu’ haushasuahsuashaushaushausa ahhh é vc tem razão as vezes parece q os homens são bem lentos pra entender as coisas! ¬¬’ omg... trinta caps? ‘Oo uau.. seria mesmo interessante a possibilidade *pensando* enfim... parece q o Draco cabeça oca finalmente viu q a Mione ta completamente apaixonada por ele... mas agora infelizmente eles brigaram de NOVO! Aff... é mto triste! =/ Draco cabeça dura.... tirou conclusões precipitadas... coitada da Mione né.... ^^’ Bom, espero q tenha gostado do cap! Nossa q legaaaal! Ouvi dizer q a trilogia tbm é ótima né? :D Bjos ;**

Cαяσℓiиα: Cap postadinho flor! o/ Euuu tbm quero matar a Pansy vacaaa! :x *levanta a mão bem alto* ela é uma grande estragadora de relacionamentos né... aff e agora mais uma vez por causa dela, o casal mais q perfeito brigaram de novo... e o Draco magoou mesmo a Mione! =/ Siim, parece mesmo q o Draco apesar de parecer sério e durão.. ele tem um grande coree mole e quer sim um filho! *-* aii q fofix... :DD *pensando: Omg eu criei um monstro!* hausahsuahsuahsau brincadeira.. :P enfim... tipo assim eu cheguei até a dar as idéias meio malucas... mas então esperamos pra ver oq vai dar no próximo e ultimo cap né! :D *olhos brilhando* mesmo já sabendo... eu continuo ansiosa do mesmo jeito como os de mais readers! ‘Oo hehe :P bom, o livro não é bom não... é ótimooooo.. mesmo.. tipo assim, é quase a mesma coisa da fic.. oq muda mesmo é o cast! ;) por tanto eu recomendo sim.. a NR é uma excelente escritora! *-*

Rhaissa.Black: Cap postadinho! huhu o/ ‘Oo to vendo q daqui a pouco vai dar briga!! Afinal, everybody wants Matt!! haushasuahsuahsuahsaushausa aiai quem mandou ele ser tão irresistível tbm! u.u a historia do Draco foi mesmo triste... e ele mais uma vez deixou a Pansy atrapalhar... afinal tirou conclusões precipitadas... praticamente acusou a Mione.. e a afastou! =/ é melhor eles se entenderem logo pq é mta emoção pros nossos pobres corações né! ¬¬’ espero q tenha o curtido o cap flor! ;) bjooo ;** P.S: pode deixar q eu continuo passando lá na sua fic sim, for sure! ;) to mto ansiosa pra saber oq vai acontecer! ¬¬’

Gabih Potter Granger!* : Pois é, vamo lá... vamos acabar com a Pansy ‘vaca’ Parkinson! \o/ * com cara de quem está prestes a cometer um assassinato* putz.. ela consegue acabar com a vida de todo mundo hein... primeiro do Draco, depois da irmã do Draco, e agora da Mione e do Draco de novo... aai =/ cadeira elétrica pra ela gente! ¬¬’ hausahsuahsuahsuashaushausha merlindecuecaa ta chovendo candidatas pro Matt hein! O cara arrasa corações...*suspira* enfim... a family da Mione é super fofix né! *-* pode ficar tranqüila pq o patriarca da família não aprovou a dançarina de mesa, oq aumenta a possibilidade do Matt ainda estar solteiro! o/ hausahsuahsuashau aain.. quanto as cenas hotsdemais por enquanto esta na falta já q o Draco brigou com a Mione de novo! :x q anta! ¬¬’ Espero q tenha curtido o cap! ;D bjão P.S: Pode deixar flor, prometo q assim q eu tiver um tempinho a mais eu vou ler a sua fic inteirinha e com a devida atenção e carinho (sinto mto por não já ter voltado lá, é pq o tempo anda curto ultimamente) mas eu prometo voltar! o/ Omg.. merlindecuecaa estava de mal com vc? ‘Oo vamo nos vingar dele gente! (y) hasuahsuahsuahsua ¬¬’

Manu Malfoy: ‘Oo isso foi uma intimação né? bom, como eu ser uma pessoa boazinha e com bom senso,é claro, eu postei os caps q prometi! o/ haushasuahsuahsua é, o Draco ta de parabéns, deixou a Mione dirigir por 45 segundos e vc viu né... aposto q do jeito q ela sabe enrolar o Draco ela vai acabar conseguindo pegar o porsche pra ela! \o/ hasuahsuahsuahsua garota esperta! :p Omg.. hahaha gostei dessa: vovô cachaceiro hasuahsuahsaushau ¬¬’ pois é, o Matt assim como a Mione tem uma imaginação super fértil! e sobre a tatuagem... o Matt consegui mesmo deixar todo mundo curioso né... do jeito q alguns e especialmente moi tem imaginações férteis.. garanto q vamos ficar tentando imaginar onde é a tal tatoo! Haha u.u aiai agora to com mta raiva da Pansy! :x por causa dela o do Draco cabeça dura a Mione ta super magoada! =/ aff... homens ¬¬’ Eu ser + velozes + furiosos das fics? *-* Aai eu sempre quis estar nesse filme.. e agora consegui *emocionada* aiai deixa eu ir lá pegar o porsche do Draco emprestado (escondida é claro) haushasuahsuahsuasa uhull vou pilotar o humilde carro do Draco! \o/ hausahsuahsuashaushaushausa ¬¬’ pq eu ser veloz e furiosa (?) hasuahsuahsua yeah! \o/ espero q tenha curtido o cap flor! ;) bjão pra ti ;**

Lily Black. ♥ x)~: No problem honey! ;) aeee teve reunião de família neah? :D hausahsuahsuahsuasha aiii fico feliz q tenha dado tudo certo no teste de jazz! Parabéns flor! ;) siim o vovô da Mione é uma raposa, vc viu só... kkk ele deixou o Draco num beco sem saída *literalmente, claroo* :P hausahsuahsuahsau é mesmo, só de lembrar disso eu morro de rir.. como o Matt ter um incrível senso de humor... apesar de ser fechado como o Draco! Hausahsuahsuashaushau éé, exatamente... tbm tentei imaginar o Draco arregalando os olhos e se engasgando.. hausahsuahsuasha hilário! :P pois é, a Pansy é uma super destruidora de vidas! :xx pobre Mione.. =/ vc viu só como o Draco agiu de modo precipitado! =/ anta cabeça dura! ¬¬’ despedaçou o coração da Mione por completo! =/ será q tem volta? *suspense* sabe, mesmo já sabendo.. eu to mtoo ansiosa pelo próximo e ultimo cap! Vê se pode uma coisa dessas! ¬¬’ haha :P espero q tenha gostado do cap flor! ;) bjoo ;** ♥


Obrigada pelos comments amores! ;)

P.S: Eu escrevi uma shortfic... pra quem gosta, é D/G! dêem uma passadinha por lá e comentem, pls?! *-*

>>> http://fanfic.potterish.com/menufic.php?id=27351

Um beijo enorme pra todos! ♥ ♥

Até o próximo e ultimo cap! ;*

xoxo - Lay ~

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.