FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

3. Richard Marcus Raziel


Fic: O Sucessor


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Hermione está às margens de um rio, apoiada no parapeito lendo o Profeta Diário.

“Onda de Terror e Morte assola o mundo bruxo!”, “Ministério da Magia da França é atacado e artefatos misteriosos são roubados!”, “Dumstrang vira ruínas!”, “Pirâmides no Egito são destruídas e artefatos secretos somem!”,

“Onda de Terror no Vaticano, documentos sigilosos são roubados”, “Milhares de chineses são mortos e torturados e livros antigos somem deixando ministério chinês em crise”

-Droga! Aqueles malditos não perdem tempo. Quem será esse Herdeiro ? –fala pensativa pra si mesmo, enquanto põe o jornal na bolsa –Maldição, porque não consigo pensar nisso ao invés de pensar nele! Já faz uma semana, que o encontrei, talvez não fosse ele mesmo, Malfoy estava certo! –fala tristemente ficando com a voz embargada.

Voa, minha ave

Voa sem parar

Viaja pra longe

Te encontrarei em algum lugar

Harry e Hermione estavam voando na Firebolt até uma colina de onde poderiam ver todo o castelo.

Permaneço em ti

Como sempre foi

Mais perfeito e mais fiel

Mesmo sozinho sei,

Que estás perto de mim

Quando triste olho pro céu

-O pôr-do-sol aqui é lindo, não? –Harry fala maravilhado olhando o horizonte, ao lado de Hermione.

-Sim, o mais lindo que já vi! –Hermione fala maravilhada, e seus olhos brilhavam com o espetáculo que via.

-Eu sempre venho aqui pensar, eu olho pro horizonte e começo a refletir sobre as coisas que aconteceram comigo em todos esses anos. –Harry fala olhando pra ela e fazendo um gesto pra se sentarem.

-E no que anda pensando ultimamente? –Hermione pergunta sorrindo docemente.

-Em quando nos conhecemos. –fala pensativo.

-Péssima lembrança, eu era tão feia e metida, insuportável! –fala fazendo careta.

-E eu um garoto inocente, magricelo, que não entendia nada a sua volta, e achava tudo maravilhoso, como se eu nunca mais pudesse ser infeliz! Como estava errado. –fala com certo ar melancólico.

-Você não poderia adivinhar, aliás esse era um dos seus charmes! Você tinha um sorriso lindo, e seu ar inocente e perdido no meio daquelas maravilhas que nos pegaram ao chegar a Hogwarts, deixava um brilho em seus olhos capaz de encantar qualquer um ou diria “uma”. –fala relembrando o dia em que se conheceram.

-Você também não era tão insuportável assim, tinha um gênio difícil, mas era inteligente, educada, se preocupava comigo de um jeito que ninguém nunca tinha se preocupado. E eu até te achei bem bonitinha. –fala divertido, fazendo-a rir.

Quando eu te vi

O sonho aconteceu

Quando eu te vi

Meu mundo amanheceu

Mas você partiu sem mim

E sei que estás em algum jardim

Entre as flores

-Estamos aqui falando dos momentos que vivemos, da nossa amizade, do nosso namoro, vimos o pôr-do-sol, o anoitecer, estamos olhando as estrelas, mas não acho que você me trouxe aqui pra ter uma DR romântica! –Hermione fala com ar desconfiado e olhando-o.

-Não consigo esconder nada de você não é? –fala sorrindo docemente, e fazendo-a se levantar.

-Você sabe que não, mas quais são suas verdadeiras intenções? –pergunta curiosa.

-Eu andei pensando e você sabe que não consigo ficar muito tempo longe de você, estamos cada vez mais unidos e fazendo mais planos, então acho que chegou a hora de você fazer uma escolha. –Hermione fica um pouco surpresa e espantada com aquela conversa, mas ao vê-lo se ajoelhando sorri um pouco constrangida. –Hermione Jane Granger, aceita ser minha esposa, pro resto de nossos dias? –pergunta nervoso e ansioso.

-Esse pro resto de nossos dias, significa que não há a possibilidade de divórcio? –pergunta com a sobrancelha erguida e em tom duvidoso, fazendo-o ficar um pouco abatido.

-Bom, na verdade eu tava pensando só em formalizar a nossa promessa de ficarmos juntos pra sempre. –fala cabisbaixo.

-Nesse caso... eu aceito! –fala sorridente fazendo- o pular de alegria e beijar-lhe intensamente.

-Nossa, calma, senão você mata a noiva antes de casar! –fala rindo e tentando recuperar o fôlego.

-Desculpa, mas é que nunca estive tão feliz em toda minha vida! ...Eu sei que a nossa vida não será fácil, e que poderemos brigar e discutir, mas eu nunca vou me afastar de você, por pior que pareça o momento saiba que ao final vamos estar sempre juntos, mesmo que a guerra nos force a ficar longe, mesmo que tenhamos que nos separar por grandes períodos, eu prometo voltar pra você, pros seus braços, pois apenas com você junto a mim é que eu me sinto vivo, completo, e só assim, bem pertinho de você é que eu posso ser feliz. –fala abraçando-a fortemente, mas olhando profundamente em seus olhos, pra que ela visse que ele repetia algo que estava escrito em seu coração.

Anjo, meu tão amado anjo

Bem sei que estás

E eu do brando sono

Ei de acordar

Para os seus olhos ver

Uma vez mais

O verdadeiro amor espera

Uma vez mais

-E eu prometo te esperar, o tempo que for preciso, pois só com você poderei ser feliz, porque é pra você que eu vivo! Pra estar nos seus braços e te fazer feliz! –fala deixando uma lágrima escapar, antes de ser beijada docemente pelo seu noivo.

Quando eu te vi

O sonho aconteceu

Quando eu te vi

Meu mundo amanheceu

Mas você partiu sem mim

E sei que estás em algum jardim

Entre as flores

-Eu estou cumprindo minha promessa, mas e você, onde está que não volta pra mim? –pergunta olhando sua aliança de noivado, e deixando uma lagrimar rolar pelo seu rosto, pra depois se misturar às águas do rio.

-Pensando em que? –Hermione se assusta ao ouvir aquela voz tão familiar. –Está muito chateada comigo? –ele pergunta meio nervoso e mordendo o lábio inferior.

-Não, mas você me deve algumas explicações, Harry! –ela fala se virando, pra olhar aquele homem misterioso que ela julgava ser seu noivo.

-Porque me chama de Harry? –pergunta confuso, mas sem parecer chateado.

-Como assim? Como você queria que eu te chamasse? –Hermione fala irônica e revirando os olhos.

-Richard? –ele fala dando a ela um cartão com um nome, escrito em dourado, e um telefone escrito em prata.

-Ah, Richard... –ela fala olhando o cartão em que estava escrito Richard M. Raziel –esse telefone é do seu escritório ou da sua casa? –pergunta curiosa e desconfiada.

-É um telefone que você pode usar sempre que quiser falar comigo, vai estar sempre a sua disposição quando quiser me achar! Você vai querer me achar, ou ainda ta chateada por eu ter sumido? –pergunta novamente tenso.

-Se você me der uma boa explicação pro seu sumiço, eu posso aceitar suas desculpas! –fala olhando-o criticamente e pondo o cartão na bolsa.

-Eu tive que sair, estava meio confuso, você era alguém que só aparecia nos meus sonhos, e estava diferente, era mais jovem, então de repente eu a vi na minha frente, a mesma cicatriz, os mesmo cabelos, o mesmo perfume, o mesmo gosto, as mesmas sensações. –fala pensativo e se colocando ao lado dela olhando o rio.

-Hum, entendo, você sonhava comigo, mas não se lembra de mim? –Hermione fala tentando organizar os fatos.

-Esses sonhos são lembranças? Neles você também me chama de Harry, porque? –pergunta cada vez mais confuso.

-Você não se lembra mesmo? Não lembra de nada e nem de ninguém? –Hermione pergunta como se tudo começasse a fazer sentido.

-Não, eu tive um problema há uns anos, meu pai foi assassinado e eu tinha uma ligação muito forte com ele, então quando soube da notícia de sua morte, eu tive uma espécie de ataque e fiquei em coma por quase três anos, então a uns dois anos e meio eu acordei e ainda tenho problemas de memória, só lembro de alguns momentos com ele, e um pouco de minha infância e adolescência. –fala com um ar triste na voz.

“Pai, como assim? Será que ele não é o Harry, não, não... eu não posso ter me enganado, é ele, tem que ser ele, tem algum mistério nisso, mas eu vou descobrir”

-Me fala um pouco mais de você? Do que você lembra? –pergunta interessada.

-Lembro de algumas coisas. Eu cresci num lugar afastado, era uma propriedade grande e sem vizinhos, morava com meu pai e alguns empregados dele, era meu pai quem me educava e apesar de ter muitas coisas a fazer, sempre tinha tempo pra mim, ele dizia que eu era o maior feito dele, e que no dia que eu assumisse seu lugar, seria muito melhor que ele! –fala pensando numa conversa com o pai.

“Voldemort em sua forma de espectro, estava em seu trono numa sala escura e de decoração mórbida, quando um menino de uns cinco anos entra em sua sala. Ele era magro e baixo, tinha cabelos negros e rebeldes, olhos verdes muito escuros e a pele bem branca e fria.

-Ola papai, como foi sua viagem? –Richard fala sorrindo em frente ao pai.

-Boa, consegui as informações que queria, e ainda matei um antigo inimigo e uma traidora! –fala com um sorriso maléfico.

-E eles sofreram muito? –pergunta excitado querendo saber mais detalhes.

-Sim meu filho, gritaram como bebês! –fala rindo maléficamente, se divertindo com a lembrança da cena.

-Você é incrível papai, um dia quero ser como o senhor! –fala orgulhoso e com um sorriso frio e maldoso.

-Você será bem melhor que eu, será mais poderoso e inteligente! O Melhor Rei das trevas que esse mundo verá! –fala com orgulho e sorrindo ao ver o olhar frio e maldoso da criança.”

-Você disse que era ele quem te educava, você não convivia com outras pessoas? –pergunta curiosa e olhando-o fixamente.

-Sim, eu convivia com os amigos de meu pai, alguns deles é que me ensinavam algumas coisas, mas sempre sob a vigilância dele. Ele era muito rígido com os estudos, eu era bastante cobrado, mas entendo sua preocupação.

“Richard e Voldemort estavam numa biblioteca com um espaço amplo no meio, onde havia uma carteira em que Richard estudava, e enfrente uma mesa onde Voldemort lia algo em um pergaminho, quando Lucius Malfoy entra.

-Bem na hora Lucius, meu filho está pronto pra aprender o Crucio! –fala sorridente, enquanto Malfoy se aproximava da mesa de Voldemort.

-Eu não acredito! Estava ansioso por essa lição papai! –um garoto de dez anos parece vibrar com a notícia.

-Então jovem mestre, fique de pé em minha frente! –Malfoy fala em tom professoral, apontando a direção em que o menino devia estar.

-Pronto! Agora o que eu faço? –pergunta na posição indicada e a varinha erguida.

-Só há um meio de aprender essa maldição, príncipe Marcus, portanto preste atenção e se concentre! –fala de forma rígida e o garoto acena positivamente pra ele. - Crucio -Malfoy lança a maldição cruciatos no menino fazendo-o cair se contorcendo de dor e gritando muito.

-Silêncio Marcus! Eu te proíbo de gritar! –Voldemort fala rispidamente, fazendo o filho parar na mesma hora de gritar, mesmo que com muito esforço deste. –Agora que está agindo como um homem, se concentre e tente levantar, pois só assim te reconhecerei e permitirei que use esta maldição! –fala autoritariamente, enquanto o menino tentava resistir.”

-Ele devia ser um pai rigoroso! Vocês se davam realmente bem?

-Sim, tínhamos gostos afins e ele também passava algum tempo comigo, me contando histórias de nossos antepassados e também brincando comigo, nos divertíamos muito! –fala sorrindo e se lembrando de um desses momentos.

“Richard e Voldemort estavam no que parecia uma cela de torturas e um bruxo estava preso a uma mesa com seus pulsos e tornozelos presos por algemas mágicas.

-Vamos filho, já fizemos esse traidor do próprio sangue falar o que queríamos, então torture-o, ele é todo seu! –Voldemort fala com um sorriso diabólico, enquanto via os olhos verdes do garoto, que aparentava ter seus treze anos, escurecerem e ganhar um ar maléfico, junto com o sorriso insano que surgia em seus lábios.

-Eu vou fazê-lo gritar bastante, papai! –dizendo isso pega a varinha e aponta pro tronco nu do bruxo - Flagrate - ele faz um movimento com a varinha, e a inscrição incandescente, Lord Marcus, aparece indo da cintura até perto do pescoço do bruxo. Pai e Filho divertem muito com os gritos de dor do homem, com risadas tão frias e diabólicas que seriam capazes de amedrontar o mais corajoso guerreiro.”

-E sua mãe? Você não lembra dela? –Hermione pergunta tentando juntar as peças.

-Ela me abandonou depois que nasci, era uma traidora miserável, meu pai nunca a perdoou por tê-lo abandonado no momento mais difícil de sua vida, então nem sei e nunca fiz questão de saber quem era ou procurá-la! –fala raivoso e dando as costas pra Hermione pra que ela não visse o olhar de fúria dele.

-Me desculpe, não queria te fazer lembrar de coisas tristes. –fala pondo a mão no ombro dele, fazendo sua expressão mudar totalmente, e ficar serena como antes.

-Então porque não damos um passeio e você me fala de você, afinal acho que agora é sua vez! –fala empolgado.

-Tudo bem, vamos caminhar pelas margens do rio e tomar um chá mais adiante? –sugeri sorridente.

-Claro, adorei a idéia. –fala oferecendo o braço para caminharem juntos, e ela aceita.

Os dois caminham e conversam animadamente, ficam horas passeando e ela fala apenas por alto de seu passado, se concentrando mais no presente, falando sobre ser auror e morar com sua amiga Gina Weasley.

-Gina!... Gina! –Hermione chama pela amiga ao chegar em casa com Richard. –Acho que ela não está, a essa hora deve estar organizando a festa de boas vindas do Rony, aquele amigo que te falei.

-Sei, você disse que ele chega essa semana. Ele é jogador de quadribol né? –pergunta se aproximando dela.

-É, ele e a esposa chegam amanhã, você quer ir à festa comigo? –pergunta esperançosa.

-Não dá, eu tenho que viajar essa noite, você me desculpa? –fala sinceramente.

-Claro, a culpa não é sua, mas você vai que horas e quando volta? –pergunta um pouco nervosa.

-Não se preocupe, eu não conseguiria ficar muito tempo longe de você, e quanto à hora que eu vou, ainda é bem cedo, da pra gente aproveitar bastante o nosso tempo juntos! –fala sedutoramente, a enlaçando pela cintura e no fim beijando-lhe sensualmente.

-Você não disse que queria vir pra conhecer minha amiga? –fala depois do beijo.

-Mas ela não está! E já que estamos sozinhos, poderíamos visitar o seu quarto, sabe que adorei a decoração dele! –fala cinicamente e com um sorriso maroto, que a faz rir.

-Sempre gostei desse seu jeito de dizer que me quer, não sei porque mas essa sua falta de vergonha na cara as vezes é irresistível! –fala entre risos e depois o beija, sendo erguida nos braços por Richard que a leva pro quarto.

Mais tarde Hermione está dormindo coberta por lençóis, quando Richard que está sem camisa e sapatos, mas que parece ter saído do banho, a abraça e beija no pescoço e rosto a acordando.

-Boa noite! –fala suavemente no ouvido dela.

-Boa noite meu amor...tomou banho? –pergunta depois de virar-se pra ele e ver que este já estava quase pronto pra sair. –Já vai embora? –fala com ar triste.

-Eu tenho que ir, mas juro que assim que voltar, eu venho te ver e ainda trago um belo presente! –fala tentando animá-la, mas visivelmente chateado por ter que ir.

-Meu maior presente é você! Fica pelo menos mais um pouquinho, nem que seja pra tomar banho comigo. –pede com jeito manhoso, fazendo-o sorrir charmosamente.

-Hum... proposta tentadora... acho que um atraso de uma hora não vai matar ninguém. –fala pensativo olhando pra morena a sua frente.

-Uma hora! Você já está atrasado? –pergunta um pouco preocupada.

-Agora não, mas daqui duas horas vou começar a ficar! –fala maliciosamente e a beijando logo a seguir.

No dia seguinte Hermione chega a Toca e vai cumprimentar os Weasley que estavam na cozinha: Molly e Arthur, Gina, Fred e Jorge com suas namoradas Lisa e Linda.

-É impressão minha ou tem alguém de bom humor aqui heim? –Gina pergunta em falso tom de inocência.

-Bom, se você tivesse o trabalho de voltar pra casa, saberia! –responde inocentemente.

-Então temos novidades? –Gina pergunta animada.

-Se formos pro seu quarto eu te conto! –Hermione fala ansiosa.

-Já vão começar de segredinhos logo de manhã é? –Fred fala implicando com as duas.

-Ta curioso pra saber da fofoca é? –Gina devolve a provocação.

-Virou fofoqueiro maninho? To te estranhando heim! –Jorge fala provocando o irmão.

-Ah num enche, só to estranhando a Mione ta toda animadinha, tem anos que não vejo ela assim. –fala se justificando e arrancando olhares reprovadores de todos.

-Tudo bem, amanhã à noite vocês vão entender tudo, durante a reunião dos antigos membros da ordem. –fala seriamente deixando todos curiosos.

-Mas deixa isso pra depois! Depois a gente desce pra acabar de arrumar tudo, mãe. –Gina fala puxando Hermione pra fora da cozinha.

Chegando no quarto Hermione conta tudo o que aconteceu e fala detalhadamente da conversa com Richard.

-Então esse cara não é o Harry! Minha nossa Mione que confusão. –Gina fala perplexa.

-Por mais que seja estranho e tenha evidencias contrárias, eu ainda acredito que ele seja o Harry, meu coração me diz isso, e nada nem ninguém vai me tirar isso da cabeça, aliás aposto que se você o visse entenderia! –fala determinada.

-Então vamos deixar esse assunto só entre nós Mione, não comenta com ninguém até a gente ter algo mais concreto ta bom? –Gina propõe preocupada com a amiga.

-Tudo bem, eu andei fazendo uma pesquisa e meu Anjo dos Mistérios , assim que voltar, vai me dar uma prova definitiva da identidade dele! –Hermione fala em tom de quem planeja algo.

-Hum, pra mim, independente do resultado você está apaixonada por ele, até apelidinho já deu! –Gina provoca a amiga.

-Não é apelidinho! Eu fiz uma pesquisinha rápida sobre ele, só pra ver se achava algo sobre o passado e presente dele, e descobri que Raziel significa Anjo dos Mistérios , bem propício não? –fala em tom divertido.

-Realmente, vendo por esse ângulo, mas o que mais você descobriu? –pergunta deixando o lado profissional falar.

-Muito pouco, mas nada de muito suspeito, a única coisa que me incomoda é o cartão que ele me deu. Dá uma olhada nele! –fala pegando o cartão na bolsa e dando a amiga.

-Ta em branco! –Gina exclama após olhar atentamente o cartão.

-Não está não! –fala colocando o cartão na bolsa –Ele está protegido por uma magia que não conheço, mas muito eficiente, só eu posso ler o cartão, e não posso escrever os números e nem falá-los, nem mesmo se eu tentar codificar. Só posso discar no telefone, e se alguém ver, não consegue identificar os números que disquei! –fala com um pouco de frustração.

-Hum... então ele não queria que você descobrisse sobre o telefone dele, nem passasse pra ninguém fazê-lo. E ele sabe que você é auror, talvez ele seja um comensal! –Gina fala meio receosa.

-Não, eu só acho que ele não quer que eu o ache... sei que ele não é casado, mas esse problema de saúde que ele tem, talvez o deixe receoso, acho que ele não quer por ninguém numa vida que ele também não entende muito. –fala pensativa.

-Então você acha que essa doença é séria mesmo? –Gina fala desconfiada.

-Pesquisei muito sobre isso e existem vários casos no mundo trouxa e bruxo, sobre traumas emocionais que provocam efeitos parecidos, apesar de no caso dele o feito ter sido bem forte, mas a relação que ele tinha com o pai era muito forte, era a única família que ele tinha e os dois pareciam muito próximos, além do fato da morte dele ter sido de um jeito tão traumático, mas nos tempos da guerra as coisas eram assim mesmo, não podemos julgá-lo. Mas mesmo que haja muitas provas da existência dele, e que tudo que ele me disse seja possível de ser verdade, nada me “prova” que ele não é o Harry, quer dizer ele lembra de coisas que vivemos, não é possível que não seja ele! –fala um pouco confusa e pensativa.

-Isso tudo é mesmo confuso, mas você disse que assim que ele voltar, vai ter uma prova definitiva, posso saber qual? –pergunta curiosa.

-Lembra que o Snape falou de que poderíamos saber se é ou não o Harry pelo sangue ou cabelos, enfim, qualquer parte do corpo dele?

-Lembro, você vai fazer alguma poção? –Gina pergunta intrigada.

-Sim, já comecei a fazer, mas demora dois meses pra ficar pronta! –fala meio chateada.

-Não seria mais rápido o meio trouxa? –Gina pergunta curiosa.

-Claro que não, até por que eu não teria com o que comparar, e aliás, essa poção me dá a localização dele, através dela eu posso enfeitiçar um objeto pra localizá-lo! –fala sorrindo triunfante, pela grande idéia.

-Então enquanto esperamos, vamos tentando chegar há alguma solução, quem sabe quando você me apresentar ele, eu não possa ajudar! –Gina diz animada.

-Se você resolver não passar mais nenhuma noite fora, quem sabe! –fala ironicamente, e recebendo como resposta um travesseiro jogado por Gina.

À noite Hermione, Gina, Luna e Rony estão na sala, conversando sobre o “suposto” Harry, contando inclusive sobre o último encontro.

-Eu não acredito Mione! Olha se você ta gostando desse cara, eu te dou a maior força, afinal já vai fazer cinco anos, e ele inclusive vai ser dado oficialmente como morto no fim do ano, acho que ta na hora mesmo de você recomeçar sua vida, tenho certeza que é o que o Harry gostaria que você fizesse. –fala compreensivo e dando força pra ela.

-Já eu acredito! Se esse tal Richard estava em coma durante a guerra, o espírito do Harry pode ter entrado nele, e agora que reencontrou a Mione, ta tentando tomar conta do corpo desse cara definitivamente, afinal vocês viviam fazendo juras de amor eterno! Não duvido que mesmo precisando voltar em outro corpo, ele voltaria, mas esse Richard deve ser um bruxo forte pra estar rivalizando tão duramente com o Harry né! –Luna fala pensativa, mas firme em sua opinião, o que deixa todos olhando-na como a antiga Di-lua, dos tempos de Hogwarts.

-Bom, todos já disseram sua opinião então eu vou indo que amanhã levanto cedo pra trabalhar! –Hermione fala apressadamente, antes que Luna inventasse outra teoria.

-Eu também vou, tchau maninho, tchau Luna! –Gina fala se despedindo do casal, assim como Hermione, antes de aparatarem em casa.

Ao chegarem em casa são recebidas por uma Wink aflita e preocupada.

-Que bom que vocês chegaram, Wink já tava muito nervosa! –a elfa domestica fala angustiada.

-O que houve Wink? Aconteceu algo? –Hermione pergunta preocupada se ajoelhando com Gina na frente da elfa.

-Essa carta chegou, Dobby veio de Hogwarts trazendo, parece muito urgente! –ela dá o envelope que se encontra lacrado com o símbolo da Ordem da Fênix.

N/A: Oi, aí está o cap 3, esperam que estejam gostando! Eu vou tentar normaliar o meu horário pra postar até domingo o próximo cap.

N/A²: E aí o que vocês acham do Richard? O que acham da postura da Hermione? Espero comentários analizando o tema central, e também deixo uma pergunta importante no ar - O que aconteceu com Harry Potter? - estou ansiosa pra saber o que vocês acham disso!

N/A³: Pra quem ficou intrigado com o nome, aí vai a justificativa para a escolha dele: Richard = Senhor, poderoso; Marcus = Deus da Guerra; Raziel =Anjo dos Mistérios. Podem mandar comentários dizendo se gostaram ou não do nome!

Agradecimentos a todos que mandaram comentários!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2021
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.