FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

7. VII • Toccata e Fuga


Fic: A Honrosa Face do Desejo


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Nos Capítulos Anteriores:

Ele detestou a sensação de culpa que o invadiu. Não tinha por que se sentir assim. A culpa era dela. Armara-lhe uma arapuca. Mas a verdade era que se sentia péssimo. A jovem tímida e risonha que o adorava não existia mais. Em seu corpo surgira uma mulher quieta e pálida que não queria sequer olhar para ele.
— Talvez você devesse se deitar, Hermione. — sugeriu a velha meio sem jeito. — Está realmente pálida.
Hermione não argumentou. Era óbvio que não a queriam junto a família.
— Como queira, senhora — respondeu, apática, e voltou para o quarto.
Draco ficou inquieto. Embora sua avó estivesse comentando sobre o andamento dos negócios relativos à fazenda, ele só conseguia pensar em Hermione .
— Há quanto tempo ela está desse jeito, vovó? — indagou abruptamente. — Hermione não demonstra interesse por nada na casa?
Alicia começou a falar, mas a avó a silenciou com um olhar; — Nós a recebemos bem, apesar das circunstâncias de se casamento, mas ela prefere sua própria companhia.
Alicia pediu licença e se afastou. Draco terminou o café e foi até o quarto de Hermione. Mas, diante da porta, hesitou. A situação não estava nada boa entre eles. Recolheu a mão que estender em direção ao trinco e voltou atrás. Mais tarde falaria com ela, mais tarde...
-----------------------------------------------------------------XXX

Mas os negócios atrapalharam. A cada vez que se encontravam ou ele estava atrasado ou pronto para sair. Não conversava. Limitava-se apenas a indagar sobre sua saúde.
Hermione começou a prolongar sua permanência no quarto. Che¬gou a pedir a Carisa para lhe trazer as refeições a fim de não ver mais ninguém. Receava que o confinamento pudesse preju¬dicar sua sanidade mental, mas acabou não se importando sequer com esse problema. Nem mesmo a gravidez lhe parecia real, apesar de já estar percebendo que a cintura engrossara.
Na noite em que Draco finalmente a procurou, chovia a cân-taros. De calça preta e camisa branca aberta no peito, estava perigosamente atraente, e seus cabelos estavam úmidos.
— Nega-se a fazer o mínimo esforço para se juntar a nós? — ¬perguntou sem preâmbulos. — Minha avó sente que sua aversão está aumentando a cada dia.
— Sua avó me odeia tanto quanto você — Hermione respondeu, virada para a janela.
O rosto de Draco endureceu.
— Depois de tudo que aconteceu, esperava encontrar em mim um marido satisfeito?
— Não sei o que esperava. Eu vivia de sonhos. Depois que eles se realizaram, aprendi que a realidade é muito diferente de castelos no ar. O que pensamos que queremos não é necessaria-mente aquilo que precisamos. Eu deveria ter ido para a América. Eu nunca deveria... Eu deveria tê-lo impedido.
— Impedido? — Draco esbravejou. — Mas se foi o seu maldito plano que nos trouxe a esta situação!
— Você não tinha de fazer amor comigo — Hermione falou baixinho. — Eu não te forcei.
Incapaz de conter a raiva, Draco começou a gritar palavras de ira.
— Está bem, está bem — Hermione se levantou, cambaleante. — A culpa foi toda minha. Planejei envolvê-lo e consegui, e agora ambos estamos pagando pelo meu erro. Não tenho palavras para exprimir meu arrependimento nem para suplicar o suficiente para que me perdoe. Como o divórcio está fora de questão, temos de acertar nossa situação de alguma forma, Draco.
— Temos? — ele repetiu, arrogante.
Ela deu um passo em um último e desesperado esforço para alcançá-lo. Seus olhos apaixonados procuraram os dele. Era jovem e sedutora, e Draco estava próximo o suficiente para sentir-lhe o perfume. As lembranças o dominaram e enfraqueceram sua vontade.
Percebendo o quanto ele estava vulnerável naquele momento, Hermione se armou de coragem e prosseguiu. Ergueu as mãos e apoiou-as no peito moreno
—Draco, estamos casados. Não podemos esquecer o passado e recomeçar... esta noite?
Não. Não iria se deixar enredar outra vez.
Apertou os ombros de Hermione e afastou-a, a expressão severa„ os olhos frios.
— Sua proximidade me causa repulsa, sra. Malfoy. Prefiro dormir sozinho pelo resto dos meus dias a partilhar minha cama com você. Sinto nojo em sua presença.
Mais do que as palavras, foi o tom com que foram ditas. Re-pulsa. Nojo. Ela não podia mais. Primeiro a avó e a irmã tratando-a como se fosse a criatura mais desprezível sobre a face da Terra, depois a fria chegada de Draco, e agora aquilo. Era demais. Ela estava esperando um filho que ele não queria por sentir nojo de sua mãe. Seus olhos ficaram marejados. Levou uma das mãos à boca.
Seu rosto se contorceu e ela saiu correndo através da porta que ele deixara aberta. Mais sentiu do que viu as duas mulheres na sala, quando se dirigiu para a porta da frente.
A casa era térrea, mas havia um lance de escadas para atingi-la. Com os degraus de pedra escorregadios devido a chuva, ela perdeu o passo. Quando voltou a si, estava no hospital, cercada por al¬gumas pessoas vestidas de branco.
— Olá — cumprimentou-a o médico. — A senhora bateu a cabeça e quase perdeu o bebê, mas está bem, agora.
— Estou mesmo grávida?
— De dois meses e meio. Não é uma linda surpresa?
— Gostaria que fosse. — Hermione suspirou. — Por favor, não diga a meu marido. Ele ficará muito preocupado.
— Sinto muito, mas ele já sabe. A senhora chegou aqui em estado crítico. Foi um milagre a queda não ter afetado a criança. De qualquer forma, teremos de fazer alguns exames.
Hermione mordeu o lábio e chorou. Todo o sofrimento acumulado aflorou ao mesmo tempo. O casamento forçado, o ódio da família de Draco contra ela, o ódio dele...
— Não quero que ele saiba que continuo grávida — implorou. — Por favor, não conte nada. Não quero que meu bebê nasça entre tanta hostilidade. Eles o tirarão de mim e eu nunca mais o verei. Ninguém pode imaginar o quanto eles odeiam a mim e a minha família!
— Procure entender. Minha posição não permite mentiras.
— Não estou pedindo que minta. Se eu puder sair amanhã, e se o senhor não contar, eu direi que perdi o bebê.
— Não posso mentir — o médico repetiu.
— Não há possibilidade de evitar encontrar-se com ele, ao menos?
Os ferimentos estavam doendo e Hermione mal conseguia falar.
— Tentarei.
Ela se deitou e tocou a cabeça. O médico examinou-a nova-mente e lhe deu uma injeção antes de mandar que a instalassem em um quarto privativo para que passasse a noite em observação.
Estava quase dormindo quando notou Draco aos pés da cama. Seu rosto estava na penumbra e ela não conseguiu distinguir-lhe as feições, mas a voz estava embargada.
— Como está se sentindo?
— Disseram que vou me recuperar.
Virou a cabeça para que Draco não a visse chorar.
Havia uma imensa tristeza nos olhos de Draco, mas Hermione não teve condições de notar.
— Eu... sinto muito sobre o bebê. Uma das enfermeiras me contou que a queda causou um grande estrago. — Ele colocou as mãos nos bolsos e ergueu os ombros. — A possibilidade de uma gravidez não me havia ocorrido.
Como poderia? Livrara-se dela no dia do casamento e quando voltara, não ficara mais de dois minutos em sua presença.
— Não precisa mais se preocupar. Felizmente não terá de se sentir atraído para uma outra armadilha. Você odiaria ficar ainda mais preso a mim por causa de um filho.
Ele empalideceu. Viu-a, naquele instante, como era: uma criana infeliz que perdera o homem a quem adorava. O pensamento o perturbou.
— Minha avó precisou tomar um calmante quando soube. Você deveria ter me contado!
— Eu não sabia — Hermione mentiu. — Agora não importa mais. Nada mais importa. Estou tão cansada. Por favor, me deixe em paz. Preciso dormir.
Ele ainda se demorou alguns minutos, fitando-a. Atraíra-o para uma armadilha e culpava-a por isso, mas estava triste pela criança, porque era o responsável. Culpava-se, também, pela palidez e pelos ferimentos no rosto de Hermione. Ela parecia outra pessoa. Havia envelhecido anos naquelas semanas.
Seus olhos se estreitaram. Fora ela quem procurara. Decidira se casar com ele, sem levar em conta seus sentimentos. Forçara-o a um casamento, cujo divórcio era impossível. Seria difícil per¬doar. Só que, por algum tempo, ela precisaria de cuidados. Teria de pensar em uma solução. Talvez a enviasse para Barbados onde tinha uma propriedade. Ainda não sabia se teria condições de suportar a evidência de sua crueldade todos os dias, pois a perda do bebê pesava horrivelmente em sua consciência. Não havia percebido o quanto queria um filho até agora, quando era tarde demais.
Não dormiu, cogitando no que fazer. No entanto, na manhã seguinte, quando foi visitá-la, Hermione já havia resolvido o pro-blema.
O passado e o presente se unindo, Draco viu quando Hermione abriu os olhos. Poderia ter sido há cinco anos. Havia a mesma dor, a mesma amargura em seus olhos. Ela o viu e estremeceu. Os olhos que antes o adoravam, agora estavam cheios de ódio.


____________
Aguardem...||_______________________
Estou gostando muito dos Comentários.|||_________________________
Continuem assim... 100 leitores! Manifestem-se e saiam da escuridão!||||!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.