FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. Capítulo Único


Fic: Corra Lily, corra!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Essa história começa em uma manhã chuvosa de domingo em Hogwarts. Fazia frio e Lily Evans acabava de acordar e descia para a sala comunal da Grifinória. Era uma menina de cabelos acaju e os olhos mais verdes da escola inteira. Naquela manhã Lily estava particularmente de mau-humor. Havia tido um sonho com o seu mais desprezado admirador: James Potter.
James Potter era, sem exageros, o astro de quadribol da Grifinória, que esse ano (como nos últimos seis) era a favorita para ganhar a Taça. Era um moreno alto, magro, com olhos escuros, usava óculos e tinha uma mania adorada por boa parte das meninas da escola, que consistia em despentear o cabelo com a mão (não que este pudesse realmente permanecer penteado, se tentasse). Basicamente, James tinha só um defeito grave: Apaixonara-se por Lily Evans, a garota mais difícil de Hogwarts (pelo menos na sua opinião).
- Bom dia, Lily! – disse James sorrindo.
- E o que é que tem de bom? – rebateu a garota.
- Parece que alguém levantou do lado errado da cama hoje. – disse o garoto de cabelos pretos e lisos ao lado de James, Sirius Black, um dos amiguinhos do Potter (como Lily gentilmente se referia).
Sem dar atenção, a garota deixou-se cair numa das poltronas da sala comunal. Não percebera que James fazia sinal para o seu amigo Sirius deixa-los sozinhos. Sentou-se ao lado de Lily.
- Que manhã bonita, não acha? – comentou o garoto.
Lily lançou um olhar para fora da janela a seu lado. Chovia forte e um relâmpago seguido de um trovão cortou o céu.
- Er... Eu... Gosto de chuva – disse James ao ver a expressão de Lily.
- Potter, você não tem nada melhor pra fazer? Algo como maltratar criancinhas, ou azarar o Snape, ou ganhar uma Taça de Quadribol? – disse Lily irritada.
James levantou-se desapontado e se dirigiu ao buraco do retrato. Lily bufou enquanto ele saia. Era verdade que não se importava mais tanto com as tentativas frustradas de James ao tentar puxar assunto com ela; já se acostumara. Nem respondia mais com grosseria quando ele a chamava para sair. Mas hoje, seu mau-humor não permitia nenhum tipo de aproximação amigável.
Outro raio cruzou o céu e a chuva apertou ainda mais. Lily desceu para tomar café da manhã sem esperar suas amigas. James Potter não estava lá nem nenhum dos seus amiguinhos, constatou ao dar uma boa olhada na mesa. ”Menos mal”, pensou. Degustou tranqüilamente seu suco de abóbora e seu pedaço de bolo. Como era domingo e já havia terminado todos os seus deveres durante a semana (Lily era um exemplo de estudante), subiu novamente para a sala comunal de sua casa.
Estava olhando pela janela já fazia algum tempo quando ouviu:
- Lily! Lily! É você que tá aí?
Lily virou o rosto e viu a cabeça de Remus Lupin flutuando na lareira. Remus era mais um dos amiguinhos do Potter, porém também era seu amigo. Loiro, olhos castanho-claros, era bonito mas tinha a aparência de estar sempre cansado. Não conseguia imaginar o porquê de a cabeça dele estar ali na lareira.
- O que é que está acontecendo, Remus?
- Que bom que é você, Lily! – respondeu parecendo aliviado – não quero que ninguém mais saiba que estou aqui.
- E onde, exatamente, você está? – perguntou desconfiada.
- Bem... Em Hogsmeade.
- O QUE? Mas o que é que você tá fazendo aí, Remus! Melhor, como é que você foi para aí? Ah, não me diga, deixe-me adivinhar... Foi o Potter! Só pode ter sido coisa dele!
- Calma Lily – disse o garoto interrompendo o ataque de fúria de Lily – não é culpa do James... Pelo menos não totalmente.
- Ok Remus, de que tipo de culpa nós estamos falando? – perguntou Lily sentando-se no chão em frente à lareira.
- O James, já faz um tempo, não vai com a cara daquele tal de Amos Diggory da Lufa-Lufa...
- Hum, você diz aquele que me chamou pra sair ano passado? – Interrompeu Lily.
- Esse aí, é por isso que o James não vai com a cara dele... Mas aconteceu outra coisa – acrescentou quando viu o rolar de olhos da garota – O Diggory e o James acabaram discutindo um com o outro semana passada e a coisa meio que saiu de controle e eles acabaram meio que... bem... marcando um duelo.
- Marcaram um o quê?! – disse Lily pondo-se de pé devido ao espanto.
- Duelo, Lily. E sabe do que mais? O motivo é você.
- EU?! – disse deixando o queixo cair.
- Sim. – disse Remus – Só que, olha, calma, não é um duelo de varinhas, espadas ou seja lá o que você estiver pensando pra fazer essa cara... É de quadribol.
Tinha que ser. Iam disputar ela numa partida de quadribol. Homens!
- Tá legal Remus, eu agradeço toda essa informação que está me dando, mas e daí? Eu não estou ligando.
- É que eu preciso da sua ajuda. Eu e o James precisamos.
- Ah, claro, vocês saem da escola ilegalmente, vão para Hogsmeade ilegalmente, vão praticar um duelo ilegalmente e querem o que? Que eu os acoberte? Eu não posso fazer isso! Sou monitora-chefe!
- O James também é. E eu sou monitor. – disse meio ofendido.
- Como se o James Potter fosse exemplo de algo mais do que baderna!
- Lily, esquece, é algo mais simples, mas só você pode fazer porque não posso confiar isso à outra pessoa.
- Ok. Eu prometo que vou ouvir, mas não sei se posso fazer isso. – disse Lily voltando a sentar.
Remus narrou uma história que envolvia um Diggory falando mal de Lily, um James lívido de fúria por isso, uma discussão seguida por azarações e logo por socos e o combinado de um duelo.
Lily Evans ouviu tudo com mais atenção do que gostaria. Lembrou de ter visto o Potter com o lábio inchado a convidando para sair, mas não tinha dado importância a isso.
- Certo, eu ouvi a história, o que é que vocês querem de mim agora? – perguntou a garota.
- O James, esperto como ele só, parece que ficou meio abalado com o encontro de vocês aí hoje mais cedo e acabou saindo atrasado e na pressa ele conseguiu perder os óculos...
- Mas que grande idiota! – Lily não agüentou ficar calada.
- Lily, por favor, não tem como a gente achar a tempo sem a sua ajuda!
- Espere aí, você tá querendo que eu procure?!
- Simplificando... É, é isso aí. Não temos mais ninguém a quem recorrer.
- Mas... mas... mas e o Black?
- Ele é o padrinho, tá aqui de olho no James pra ninguém se aproveitar da falta de visão dele.
- E o Pettigrew?
- Mandamos ele dar uma boa olhada aqui por Hogsmeade, porque o James não sabe exatamente onde perdeu.
- Mas e você?!
- Eu estou aqui lhe pedindo ajuda porque a passagem que dá pra Hogwarts tá inacessível agora. Lily por favor, o James precisa da sua ajuda!
Lily suspirou. Por que o Potter sempre a metia nessas confusões? Teve aquela vez no terceiro ano em que ele derramou essência de Murtisco em cima dela; A vez em que ele resolvera pedir para sair com ela na frente da escola toda na festa do Dia das Bruxas; A vez em que por culpa dele ela acabou conseguindo o seu primeiro “A” em Hogwarts...
Só que James Potter também a tinha ajudado. Tinha lhe defendido da grosseria de Snape várias vezes; Tinha ajudado a consertar a sua poção na última aula do Slughorn... Certo, não tinha sido assim muita ajuda, mas ela não podia deixar ele na mão agora. Não seria justo já que era, mesmo que sem querer, culpa dela que ele não tivesse a droga dos óculos.
- Tá bem... Me diz por onde ele andou.
- Muito obrigado, Lily! Ele passou por aqui, olha – Remus mostrou-lhe um mapa de Hogwarts e traçou o caminho de James – Entendeu?
- Sim, sim, deixa comigo...
- E você precisa vir nos entregar aqui...
- Fazer o que... – Lily deu de ombros.
- Só tem mais uma coisinha... – começou o garoto – você tem uma hora para achar, porque o duelo começa às onze horas...
- Eu não tinha ouvido nada sobre isso! – gritou Lily.
- Eu tenho que ir, Lily. Boa sorte, te esperamos aqui! Obrigado mesmo por me ajudar! Até mais!
Um segundo depois Remus Lupin havia sumido.
”Por que é sempre comigo que essas coisas acontecem?”, pensou Lily.
Não tendo muito tempo, a garota começou a procurar pela sala comunal, o ponto de partida da trajetória de James. Olhou sofás, embaixo das poltronas, no chão... Nada.
Desceu. Olhou pelo corredor que Remus lhe apontara no mapa, curvando-se para ver melhor.
- Lily, tá tudo bem? – Perguntou Alice, uma de suas colegas.
- Hã... Sim... sim, só estou com um pouco de dor nas costas. – disse fingindo dor e pondo uma mão acima dos quadris – Acho que vou para a Ala Hospitalar...
- Eu ajudo você...
- NÃO! – berrou involuntariamente – É... Não precisa se desviar do seu caminho, eu sei que deve estar indo ver o Longbotton, eu vou tranqüilamente sozinha, obrigada.
Lily disparou pelo corredor, ainda olhando para o chão e com a mão nas costas, enquanto Alice ficava sem entender muito.
Desceu mais um lance de escadas fazendo o mesmo, olhando em todos os cantos. Já havia se passado quinze minutos. Foi mais rapidamente em direção a estátua da bruxa de um olho só, que de acordo com Remus, era uma passagem secreta que levava a vila de Hogsmeade. Olhou para se certificar de que estava sozinha e esgueirou-se por ali, depois de bater na estátua com a varinha e repetir o que Remus lhe ensinara. A entrada era apertada, mas passara sem muitas dificuldades.
- Lumus.
Acendeu a sua varinha e começou a procurar dentro do túnel, sempre consultando o relógio. Não sabia o tamanho da passagem, mas devia ser bem grande de acordo com o mapa que vira. Apertou o passo, tentando olhar bem por onde andava, para não passar pelos óculos sem vê-los. Andou e andou em meio àquela escuridão. Não havia nada.
Começou a correr, não daria tempo! Pensou que talvez já tivessem encontrado os óculos em algum outro lugar... Foi aí que os viu. Lá, bem onde o túnel começava a subir, com aros redondos e desengonçado (parece que alguém havia pisado neles). Pegou-o nas mãos e o concertou com um gesto de sua varinha. Agora tinha que subir e passar pelo alçapão, como Remus havia lhe ensinado. Disse que ela poderia sair dali facilmente, o problema seria voltar para a passagem sem ser notada. Mas não era algo com o que se preocupar naquele momento.
Depois de passar pelo alçapão e estar dentro da loja da Dedos de Mel (a mais cobiçada loja de doces do povoado), abriu a porta que dava para a rua com cuidado. O balconista dormia a sono solto – não havia muito movimento quando os estudantes não podiam sair.
”Ai... Lily Evans, 17, ex-monitora chefe preza em Azkaban por invadir uma loja de doces com a desculpa de levar os óculos para um garoto poder duelar – Já estou vendo a manchete no Profeta” pensou preocupada. Andou de forma sorrateira pela rua, encharcando-se com a chuva que caia torrencialmente, procurando o local indicado. Consultou mais uma vez o relógio pra constatar que não havia mais tempo. Correu até chegar perto da Casa dos Gritos, onde ninguém costumava ir porque diziam ser assombrada.
- Lily! Aqui! – Lily avistou Remus acenando para ela.
- Nem acredito que eu estou mesmo aqui... – disse desolada e sem fôlego, devido à corrida.
- Desculpe fazer você vir até aqui... E você tá atrasada – ignorou o olhar mortífero que ela lhe lançava - O James e o Diggory acabaram de levantar vôo nas vassouras, eles resolveram jogar no campo que tem mais pra entrada de Hogsmeade. Lily, o James não tem chance nem de ficar em cima da vassoura sem os óculos!
- Mas que droga! – disse Lily tirando uma mecha de cabelos molhados do rosto – Pra que lado?
- Pra lá – apontou – O que você vai fazer...?
Sem ouvir mais nada Lily desatou a correr. Correu o mais rápido que podia, fazendo a água das poças que se formavam ao longo do caminho saltar. Mais raios cortaram o céu. Estava cansada, ofegante. Maldito Potter, pensou, Ele vai me pagar por isso... Ninguém faz Lily Evans correr à toa!
Suas pernas doíam. Não agüentava mais. Nunca havia sido do tipo esportista, nunca correra mais do que o suficiente para pegar o trem a tempo, ou fugir das bolas de neve de suas amigas no inverno. Diminuiu a velocidade assim que os avistou lá no alto, em meio a um campo aberto, somente a grama e poucas árvores em volta. Gritou de onde estava:
- Seus idiotas! Querem morrer? Voando num campo em um dia cheio de raios como hoje!
Não pareciam tê-la escutado. Voltou a correr para chegar mais perto. Assim que pôs os pés no gramado do campo a vassoura de James deu uma guinada ao enganchar as cerdas em uma das árvores próximas. Sem perceber Lily prendeu a respiração, esperando vê-lo cair, o que não aconteceu, pois logo o garoto voltou a equilibrar-se. Ele desceu com a vassoura para perto dela.
- É melhor sair daqui, estamos jogando! – disse, aparentemente não a reconhecendo.
- E vai jogar como se não consegue nem reconhecer com quem está falando? – disse irritada.
James fez uma expressão de surpresa e disse meio sem fôlego:
- Lily?
- Não, o Papai Noel.
Estava bufando de raiva! Como aquele idiota sem óculos podia estar tão calmo quando ela passara a última hora esgueirando-se, correndo feito louca numa passagem secreta desconhecida, estando ilegalmente fora da escola no dia mais chuvoso do ano inteiro! Tudo para poder entregar a droga dos óculos do Potter. Ela não merecia isso. Mas então por quê? Por que ela não conseguia ficar brava?!
- O... Que você tá fazendo aqui, Lily? Tá chovendo pacas! – perguntou com cuidado. James ficava meio sem jeito quando Lily estava brava.
- Toma. – empurrou os óculos nas mãos dele.
- Ei, Potter! Que eu saiba o combinado eram só os padrinhos! A Evans não estava incluída! – gritou Amos Diggory enquanto descia de sua vassoura também.
- Fica quieto, idiota! – ouviu-se um Sirius empurrando o garoto para longe dos dois.
- Meus óculos! Puxa, Lily! Achei que eu tivesse perdido... – disse colocando-os.
- E perdeu. Eu os encontrei.
- Fica bem mais fácil ganhar do Diggory assim. Claro que eu também ganharia sem eles, só que assim a coisa fica bem mais rápida, entende.
Lily rolou os olhos.
- Ah, o ego. – disse virando-se para ir embora.
- Espere... – James deu um passo e segurou o braço de Lily, que se virou – Obrigado. – colocou uma mecha de cabelos atrás da orelha da garota e sorriu.
"Droga", pensou enquanto andava para se sentar ao lado de Sirius que já havia soltado um Amos muito irritado. "Maldito Potter..." , sua cabeça repetiu ao não conseguir esquecer o sorriso que o garoto lhe dera – a única parte de James que não a fazia querer odiá-lo.
Sem realmente dar-se conta do que fazia, ficou para assistir o desfecho do “duelo”, o qual James fora o vencedor. E sem notar, estava sorrindo.
"Definitivamente, maldito Potter!"

*** ***

- Sabe, você às vezes é brilhante, Padfoot. – disse James, no dormitório aquela noite.
- Não é só às vezes meu caro Prongs. – disse um Sirius orgulhoso.
- Não esqueçam da minha parte. – Disse Remus deitado em sua cama lendo um livro.
- Claro que não, Moony, quem diria que você ia conseguir levar um plano do Padfoot adiante sem reclamar! – disse James sorridente.
- Isso só foi possível porque o plano dele era bem, digamos, inocente. – disse Remus.
- Acha que fazer a Evans correr na chuva até Hogsmeade pra levar os óculos do Prongs é inocente? – perguntou confuso Pedro.
- Em vista de todos os outros, acho que é uma boa descrição – riu James.
- Ei, do que estão reclamando? Deu certo! – disse Sirius se atirando na cama de Remus.
- É, Prongs, foi um bom progresso. Nós não mentimos pra ela, vocês iam mesmo duelar... Só dei uma ajudinha derrubando seus óculos na passagem e pedindo pro Moony inventar algo pra Lily ir buscar. – disse Sirius orgulhoso.
- E ela caiu direitinho – disse Pedro rindo.
- Direitinho é pouco, Wormtail, ela caiu totalmente e mal questionou, de acordo com o Moony! – disse Sirius.
- Eu fiquei feliz com a surpresa de ver a Lily lá de repente só pra me entregar os óculos... Mas não sei exatamente no que isso vai me ajudar... – disse James pensativo.
- Elementar, meu caro amigo – disse Sirius – Lily Evans, que supostamente o despreza, que recusou sair com você nos últimos três anos, agora literalmente corre por você! – disse Sirius saindo da cama e dando tapinhas nas costas de James.
É... Talvez isso fosse melhor do que James pensava.
- Corra, Lily, corra! – gritou Sirius enquanto imitava Lily Evans correndo e sendo acompanhado pelas gargalhadas dos amigos e um grande sorriso de James.






-------------------------------------------------------------------------------------






N.A: ‘E no outro dia, todos estavam de cama por causa da gripe.’ Correr na chuva, não é recomendado =P.
Eu deixei como se tivesse a Dedos de Mel ali na época do James e da Lily, mas eu não estou certa, acho que não tinha, mas vou deixar assim, me perdoem.
Eu comecei a escrever ontem quando não tinha nada pra fazer, e deixei pra terminar hoje... Infelizmente minhas idéias meio que evaporaram da noite pro dia e ela terminou diferente do que eu havia imaginado hahaha, mas espero que gostem mesmo assim =) E comentem, né!
Obrigada a Josicreusa, Lisi Black, Ninha Padfoot, Nandinhah Evans Potter por gostarem do meu título hahaha
A idéia veio de um amigo que assistiu Corra Lola, corra e me contou que a Lola passava o filme correndo.
o/


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.