FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo



______________________________
Visualizando o capítulo:

30. Quando se ama demais


Fic: Quatro faces - H.Hr - D.G


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Cap. 30_

Harry e Hermione não sabiam exatamente como tinham chegado em seus quartos depois disso. Nenhum dos dois conhecia aquele lugar, mas sentiam, deduziam, que lá deveria estar o outro anel.
Na manhã seguinte, contaram a Rony e a Gina o que tinha acontecido na noite anterior.

_Mas... _Rony começou com a boca cheia de pão e suco _Quem teria tirado o anel de lá?

Mione arqueou as sobrancelhas _Achei que tivesse ficado óbvio. _Rony imitou-a dizendo isso só com o movimento dos lábios. Ela não se importou _Voldemort pegou para transformar em uma horcrux.

_Na verdade não precisa ser tão óbvio. _Gina comentou pensativamente _Quer dizer, qualquer curioso que achasse o lugar podia ter pegado.

_E por que teria pegado apenas uma? _Hermione perguntou curvando-se para frente.

_Eu concordo com a Hermione. Não é um tijolo fácil de achar. Alguém não mexeria nele por acaso. _e ele também se curvou para frente _O que não entra na minha cabeça, é a imagem. Por que ela apareceu? E onde fica aquele castelo?

Rony recostou-se na cadeira. _Não pergunte para mim, cara. Eu nem estava lá. _Gina deu de ombros, indicando que também não podia saber.

_Ela apareceu quando nós tocamos no anel. _Hermione respondeu em dúvida _Juntos.

Harry e Gina a olharam, intrigados. Mione deu de ombros. _Não sei explicar. _ela concluiu.

Então Harry pulou da cadeira e pegou Hermione pela mão. _Vem. _ele começou a puxa-la pelo salão _Vamos ver se acontece de novo. _Hermione deixou-se conduzir, sem muita certeza de se ia dar certo ou não. Gina e Rony pularam de suas respectivas cadeiras e os seguiram. Correram até o quarto de Mione, onde os dois haviam guardado a aliança na noite anterior e abriram a caixinha de jóias da garota. A mesma onde ela guardara o medalhão.

Hermione segurou-o delicadamente. Gina e Rony pararam na porta. Harry aproximou-se e tocou o anel. De leve, a princípio, mas vendo que nada acontecia, apertou-o entre seus dedos.

Mas, ainda assim, nada aconteceu.

_Eu não entendo. Por que não funciona?

Harry inclinou a cabeça meigamente para a namorada. _Talvez precise estar de noite. Talvez um de nós precise estar com muito sono. _com um sorriso encantador, ele puxou uma Hermione confusa para si e envolveu-a em seus braços.

Rony mastigava um último pedaço de pão que trouxera do salão. Gina deu-lhe uma cotovelada, indicando que era hora de eles saírem. Rony fez uma careta de dor, mas segui a irmã para fora do quarto, deixando os dois sozinhos.

_Você acha que isso está nos deixando neuróticos? _Hermione perguntou erguendo a cabeça. _Harry puxou-a docemente e sentaram-se na beirada da cama.

_Acho que nós temos que lutar pelo que achamos que é certo. É só isso que estamos fazendo. _com uma das mãos, ele afastou uma mexa de cabelo que caia nos olhos da garota _Eu só queria que você não se desgastasse tanto. Que você dormisse e comesse melhor.

Hermione aninhou-se em seus braços. _Como quiser, neném. _ela disse, imitando a fala de Godric e fazendo Harry rir _Eu amo você. _então ela ergueu os olhos, séria. Por uns minutos eles apenas se encararam _Eu amo muito você. _ela sussurrou finalmente. Harry baixou o rosto e beijou-a. Mione ergueu uma mão e passou-a pelo pescoço do namorado. Mas a aliança ainda jazia esquecida em sua mão e, assim que tocou Harry, queimou-a.

_Ai! _ela exclamou, soltando a aliança na cama e afastando-se.

_O que foi? _Harry perguntou e levantou-se, olhando em volta.

_A aliança me queimou. _Hermione respondeu apontando. Então eles notaram que ela estava com um leve brilho alaranjado. Harry ia pegá-la, mas Hermione segurou seu pulso. Quase no mesmo instante, a aliança vibrou, como se pedisse socorro, e emitiu mais uma vez uma imagem. Mas, desta vez, Harry reconheceu o lugar. Era a casa dos Riddle. Logo após, a imagem sumiu.

_É a casa dos Riddle. Será que ela quer que nós vamos até lá? _Harry perguntou em dúvida.

_Eu não sei. Mas... Por que ela não funcionou antes? _Hermione perguntou incrédula. _O que foi que nós fizemos de diferente?

Harry deu de ombros. _Você disse que me amava.

Hermione olhou-o como se isso não fizesse sentido. Mas, pensando melhor, começou a ver algum sentido nisso.

***

Draco estava planejando seu plantão de dúvidas da semana. Desde que Gina voltara com ele, ele era obrigado a dar realmente aulas. Aulas. Aulas de verdade. Com conteúdo. Como se todas aquela alunas não fossem sair dali felizes e contentes só de ganharem um de seus sorrisos.

Aulas. Gina tinha cada idéia absurda.

Estava tão concentrado no que estava fazendo, que não viu uma coruja negra entrar silenciosamente pela janela. Estava tão distraído, que a coruja precisou bicar seu pulso para que ele lhe desse atenção.

_Ai! _ele exclamou puxando o pulso _Oh, não. _só então ele se deu conta de que coruja era aquela _Você de novo? _ele perguntou como se a coruja fosse responsável pelas mensagens que trazia. A coruja não pareceu ofendida. Largou a carta em cima da mesa e saiu pela janela.

Sem muito ânimo (sem ânimo nenhum, para ser exato), Draco abriu a carta e começou a lê-la.

“Vocês acham que escaparam?
Estão muito enganados.
Isso não chegou ao fim ainda.
Lucius Malfoy”

Draco ficou preocupado, mas desistira de se afastar de Gina. Sem ela, ele ficava muito mais fraco. Ela era praticamente força. Vida.

Com desprezo, Draco amassou a carta e jogou-a na lareira. Ele já havia combinado com Gina de não saírem mais para as visitas em Hogsmeade.

O que Lucius podia fazer? Invadir o castelo?

***

Harry e Mione não perderam nem um minuto. Sem, sequer avisar alguém, saíram de Hogwarts pela passagem da bruxa e foram para Hogsmeade.

_A aliança só se revela para nós, Harry. Eu achei que você tinha percebido. _Hermione comentou enquanto eles corriam a toda velocidade pelas ruelas do povoado

_Não. Eu achei que ela só se revelava quando nós... _Harry hesitou sem graça _quando nós revelávamos o nosso amor. De uma forma verdadeira e intensa.

Hermione parou de correr e inspirou o ar com força para recuperar o fôlego. Já haviam chegado a estação. _Ou as duas coisas. _ela concluiu. Harry sorriu para ela.

Hermione não soube explicar o que sentiu no momento. Eles estavam indo para o covil das cobras. Sozinhos. Era como ser um coelho e pular dentro de uma armadilha de caça. Subitamente, ela atirou-se nos braços de Harry, abraçando-o com força.

_O que foi? _ele perguntou, docemente, passando a mão em seu cabelo.

_Eu não sei. _ela perguntou com a voz abafada. Não queria admitir que tinha medo. Seus olhos se enchiam de lágrimas, sem que ela soubesse o porquê, e ela não quis mostrar isso a ele.

Afastou-se, e, sem olhar para ele, passou a mão pelo rosto livrando-se de algumas lágrimas que escaparam. _Vamos. _ela concluiu enfática, marchando para dentro do terminal de flu.

_Hermione! _Harry exclamou sem entender. Mas, como ela não voltou, ele entrou atrás dela. Mione estava no balcão, pagando pelo uso de uma lareira. Ainda sem encara-lo, ela pegou um pouco de flu em um vaso e foi até o fogo crepitante de uma das inúmeras lareiras do local. _Hermione, você está bem?

Finalmente, ela ergueu os olhos para ele. _Que nome eu digo? Para ir para lá, quero dizer.

Harry arregalou os olhos. _O que houve? Por que você está agindo assim, tão mecanicamente?

_Mansão Riddle? _Ela perguntou e, jogando o pó no fogo, entrou na lareira _É, suponho que seja. _E, sem esperar resposta, disse o nome em voz alta, sendo envolvida pelas chamas verdes e sumindo logo em seguida.

Harry não entendeu, e, o mais rápido que pôde, foi atrás dela. Como ela podia se arriscar a ir à frente?

Hermione cambaleou meio tonta e suja de fuligem para fora de uma lareira, em um lugar que ela não conhecia. Recompô-se bem a tempo de ver Harry saindo da lareira enquanto tossia fuligem.

_O que houve? De repente você ficou... Estranha. _ele comentou indo atrás dela, enquanto ela atravessava a sala, cuidadosamente.

_Nada. _ela resmungou em voz baixa _Eu não tenho nada. _Deu mais uns passos e alcançou a soleira da porta. Encostando-se a parede, levou um dedo aos lábios _Shhh.

Harry juntou-se a ela. Da sala seguinte, um barulho de tecido sendo arrastado, podia ser ouvido. Hermione e Harry sacaram as varinhas e encolheram-se mais nas sombras. Mas isso não foi o suficiente para bloquear o frio que começou a invadir o lugar.

De repente, Mione se sentiu vazia. Sua vida não parecia fazer sentido e a única coisa em que ela conseguia pensar era nos pais. Em como eles eram e em como eles faziam falta. Lembrou-se também de Krum. De todas as noites que passara sofrendo por Rony. Do primeiro ano, quando ela era considerada esquisita e sempre era rejeitada. Tudo parecia bem mais cinza. O frio aumentava. Ela não sabia o que estava acontecendo.

Mas Harry sim. A partir do momento em que sentira o frio, ele soube o que tinha do outro lado da parede e que se aproximava cada vez mais. Forçou-se a pensar em Hermione. Na casa que eles teriam juntos. Então, um dementador, cruzou o limiar da porta. Sugando o ar, com força, fazendo um ruído de quem anuncia a morte. Harry lembrou do primeiro beijo que dera em Hermione. Em como sua alma se aquecera com aquilo.

_Espectro Patronum! _e produziu o patrono mais brilhante que já produzira.

Hermione desmaiou ao lado do garoto, pouco antes do dementador bater em retirada.

_Merlim, Mione! _Harry chamou-a, alarmado, ajoelhando-se ao seu lado, erguendo-a e apoiando-a em seus joelhos _Mione. _ele chamou mais uma vez e beijou-lhe o rosto _Hermione, por favor, fala comigo. _ele pediu, já tomado pelo pânico, que ele já conhecia tão bem, desde que descobrira que gostava dela. O medo de perde-la era uma constante em sua vida.

Lentamente, bem lentamente, Hermione abriu os olhos. _Ah, céus, Hermione, graças a Merlim. _ele abraçou-a com força. _O que houve com você?

Hermione não soube o que dizer, e começou a chorar. Harry afastou-a delicadamente, para olha-la nos olhos. _Por favor, me diz o que está acontecendo? Deixa eu ajudar você.

Hermione levantou-se do chão, bruscamente. _Eu quero sair dessa casa! _ela exclamou ainda chorando. Sem muita delicadeza, ela puxou a varinha e abriu a velha porta que dava para o jardim. Saiu correndo pelo gramado esquecido e ressecado. O sol queimava fortemente, o que indicava que a essa hora o almoço devia estar sendo servido. As pessoas certamente já estavam sentindo falta deles. Mas Hermione não conseguia pensar em nada disso. Só na possibilidade da haver outros dementadores na casa. Na de haver comensais. Na possibilidade de deixar que alguma coisa acontecesse a Harry.

Harry alcançou-a na metade do gramado. Segurou firmemente seu braço e girou-a. Ela ainda chorava tão desesperadamente, que seu rosto estava lavado de lágrimas. Ela deixou-se cair em seus braços. Harry, ainda sem entender por que ela estava assim, abraçou-a.

_Eu estou com medo, Harry. _ela conseguiu finalmente dizer, entre soluços sufocados. _Eu não sei por que, mas eu estou com muito medo. É como um pressentimento. Parece que algo muito ruim vai acontecer.

_Está tudo bem, ok? _ele respondeu com a vez mais confortadora que possuía _Vai ficar tudo bem, vai dar tudo certo. _ele afastou-a novamente, para olhar em seus olhos _Eu estou aqui com você. Eu nunca deixaria acontecer nada com você.

_Eu não temo por mim, Harry. É por você.

Harry não soube o que dizer, então não disse nada. Apenas abraçou-a novamente. Mas Mione afastou-se, rapidamente.

_O que foi? _ele perguntou, enquanto ela procurava alguma coisa nos bolsos.

_A aliança. Está queimando novamente. _ela respondeu mostrando a aliança na palma da mão. Harry estendeu a mão e tocou-a levemente. Então, como acontecera antes, a aliança vibrou, ergueu-se um pouco e emitiu uma imagem holográfica.

Ambos ficaram olhando, admirados, para a imagem. Em destaque, uma caverna, no meio de uma montanha. Uma montanha nua, sem árvores. Uma formação rochosa das mais cruas. Com algo que chamava muita atenção ao fundo: Uma grande montanha, que formava uma imagem parecida com a de uma pessoa, erguendo a mão. Como quem faz um julgamento. A imagem holográfica sumiu. Mas, no horizonte, bem longe, Harry notou algo muito curioso.

De onde estavam, ele podia ver, ainda que bem pequenina, uma montanha com a forma de uma pessoa erguendo a mão. Harry sorriu, contente por saber exatamente aonde ir.

Mas no momento seguinte parou de sorrir. Um frio ainda mais forte que o anterior começou a se espalhar, e, ao virar para trás, Harry viu, pelo menos dez dementadores que se aproximavam deles, sem pressa.

Harry engoliu em seco. Ergueu a varinha com firmeza e começou a repetir para si mesmo, o quanto amava Hermione. Seu primeiro patrono saiu forte, mas não forte o suficiente para afugentar dez dementadores.

“Ele me ama”

Ele esticou a mão livre e agarrou a de Hermione, aquilo era necessário no momento.

“Não. Harry, não! Deixe-o em paz!”

Seu patrono ainda não estava muito forte. Uma gota de suor começou a escorrer por sua têmpora.

“Ele me ama, muito”

_Espectro... Espectro Patronum.

Harry não agüentou. Os dementadores já estavam muito perto. Seus joelhos dobraram. Então, uma luz prateada, imensamente brilhante, passou por seu lado e avançou em todos os dementadores. Ele ergueu os olhos, a tempo de ver uma linda lontra, colocando, literalmente, os dementadores para correr.

Harry fechou os olhos, sorriu e deitou-se na grama. Hermione sentou-se ao seu lado e passou a mão em seus cabelos.

_Eu amo tanto você, Harry.

***

Gina saiu do salão principal olhando para todos os lados. Harry e Hermione tinham que estar em algum lugar. Quer dizer, tudo bem que era domingo, mas eles não podiam simplesmente sumir. Eles precisavam de comida. Se bem que, ela pensou melhor, Harry conhecia a cozinha do castelo. Quem disse que ele precisava da comida do salão.

Trombou em um peitoral forte, na porta do salão, e quicou de volta. Foi rapidamente segurada por dos braços musculosos.

_Não olha por onde anda? _uma voz arrastada perguntou. Gina reconheceu imediatamente.

_Você está me infectando, Malfoy. _ela respondeu com um sorriso irônico, lembrando de como eles haviam se conhecido.

Draco riu. _Então? _ele perguntou puxando-a para fora do caminho dos estudantes que queriam sair ou entrar. Encostou-a na parede e, apoiando uma mão um palmo acima de seu ombro direito, ele debruçou-se sobre ela _Estava me procurando lá dentro?

_Não. Estava procurando a Hermione e o Harry.

_Quando podia ME procurar? _ele perguntou dando ênfase ao me e se afastando _Por Merlim, ruivinha, que falta de gosto.

Ela estreitou os olhos. _Você é tão engaçado.

_Eu sei. _ele respondeu inclinando a cabeça _E sou lindo também, se você não reparou sozinha. _Gina balançou a cabeça, mas, sem mais nem menos, começou a rir.

Draco não pareceu se irritar. Apoiou as duas mãos na parede atrás dela e esperou pacientemente que ela parasse de rir.

Gina parou de rir, e passou a mão no canto dos olhos, impedindo-se de chorar de tanto rir. Draco ficou encarando-a, sério. Então, sem dizer mais nada, ele curvou-se e beijou-a.

***

Testrálios. Às vezes Harry se surpreendia com os lugares que ele encontrava testrálios. Bom, quer dizer, não que ele encontrasse testrálios em cada esquina. Ele só os encontrara em Hogwarts. Mas nunca esperara que fosse os encontrar ali, em uma floresta aparentemente deserta.

Não que ele achasse isso ruim. Na verdade, ele e Hermione já estavam andando o que pareciam séculos e estavam exaustos, até que ele viu o bicho comendo restos de uma carne que Harry não identificou.

E nem queria identificar. Só queria uma caroninha de seu novo amiguinho para a caverna que ele precisava visitar.

A princípio, achou que os testrálios eram todos iguais os de Hogwarts. Isso é claro, até Hermione lembra-lo de que testrálios são seres selvagens e perigosos. E, também, até o testrálio se dar conta da presença deles e resolver que não queria que eles o vissem comendo. Não queria que o vissem de maneira nenhuma, mais necessariamente.

Harry pretendia se aproximar lentamente dele, e monta-lo de súbito. Mas a carne parecia ter perdido toda a graça e o bicho ergueu os olhos. Harry deu um sorrisinho amarelo, antes do bicho começar a rosnar para ele.

_Hermione, fique longe! _ele exclamou sacando a varinha e recuando alguns passos.

_Lo-longe? _ele perguntou hesitante e olhando para todos os lados _De onde, exatamente? _então, Harry lembrou que ela não podia vê-lo. Por uns minutos, pensou que ela teria podido, pois fora no enterro dos pais. Mas talvez isso não fosse o suficiente. Talvez fosse realmente necessário encarar a morte.

_Impedimenta! _ele gritou e um raio saiu de sua varinha. Mas não o suficiente rápido. O testrálio já dera um salto, passando por cima do raio, aterrissou no peito de Harry derrubando-o no chão e pulando para longe. A varinha de Harry voou pela grama. Hermione gritou e sacou sua varinha hesitante.

Harry levantou-se rapidamente, enquanto o testrálio girava para ele novamente. Hermione não sabia o que fazer. Na falta de algo melhor, mirou no nada e gritou “estupefaça”. Por sorte, ou por azar, ela acertou o bichou. Mas o feitiço não fez o efeito que deveria. O testrálio foi derrubado no chão, rolou alguns metros e depois levantou-se ainda mais raivoso. Olhando para Hermione.

Harry entrou em pânico. _Corre! _ele gritou para a garota. Assustada, ela arregalou os olhos e começou a correr a toda a velocidade para o lado oposto do garoto.

O testrálio não lhe deu vantagem nessa corrida. Partiu atrás dela. Harry não hesitou. Partiu em disparada atrás dos dois.

Depois disso, não pensou muito no que estava fazendo. A floresta era desnivelada e várias pedras altas podiam ser encontradas ao decorrer da trilha. Hermione desviou de uma delas. O testrálio atrás. Harry seguiu em frente, subindo-a. E, pulando, do outro lado. Exatamente onde queria.

Por alguns segundos, sentiu-se como em um touro mecânico. O testrálio não ficou nada contente ao sentir algo batendo com força em seu dorso e começou a se debater. Hermione ouviu o barulho e parou de correr, virando-se para eles, mas só via Harry se lançando no ar de um lado para o outro.

Harry segurou no pescoço do testrálio com as duas mãos. _Você não vai me vencer. _ele resmungou baixinho, para que só o bicho ouvisse. Então, parecendo determinado a algo, o testrálio começou a correr, rapidamente, em direção à uma árvore. Harry percebeu o que ele ia fazer segundos antes de acontecer. Pulou para o lado, no mesmo instante em que o cavalo alado batia com as costas na árvore.

Harry caiu de pé na grama. O bicho virou-se novamente para ele, arfando. Encararam-se por uns minutos, então, sem que Harry esperasse, o testrálio se curvou, como se estivesse se rendendo a ele.

Harry sorriu para uma Hermione confusa, que apenas ergueu sua varinha e chamou a de Harry com um accio.

Ela ainda torceu o nariz, mas quando Harry lembrou-a de que era isso ou continuar andando e de que o sol já estava quase se pondo, ela aceitou subir no testrálio que nem enxergava. Foi uma cena quase cômica e Harry certamente teria rido, se não soubesse que isso custaria pelo menos um dia inteiro sem beijá-la.

O testrálio voava incrivelmente rápido. Harry não chegou a ver o sol baixar, apenas via a montanha crescer cada vez mais. Quando deu por si, Mione já descia do testrálio que ela nem enxergava, meio vacilante, e já havia um chão sob seus pés. Harry segurou Hermione, que parecia muito propensa a cair, e o testrálio aninhou-se em um canto, preparando-se para dormir. Mione sentou-se no chão, parecendo nauseada e, só então, Harry olhou para cima. Estavam na entrada de uma pequena caverna. Atrás da montanha onde estavam, uma outra montanha, muito maior, erguia-se forte e imponente. Harry se sentiu intimidado. A montanha parecia real demais. Até falhas profundas próximas de seu topo, lembravam-lhe olhos censuradores.

_Você está bem? _ele perguntou sentando-se ao lado da garota.

_Estou. _ela respondeu e tirou a aliança do bolso _Para onde será que ela vai nos mandar agora?

Harry olhou por cima do ombro da menina, para o horizonte. _Não sei, mas vai ter que esperar até amanhã. _ele olhou para o céu já escuro e para as estrelas que já brilhavam fortemente _Não podemos sair daqui agora.

Mione olhou em volta. Levantou-se e entrou na caverna. _Acho que podemos ficar aqui, essa noite. _com leveza, ela conjurou um ardente fogo em um dos cantos e um confortável cobertor macio. Harry sorriu e entrou também.

_Você é surpreendente. _ele comentou ao ir sentar no cobertor com ela.

_Não, senhor. _ela interrompeu-o e ele voltou a ficar em pé, totalmente _Não seja preguiçoso, conjure um para você, também.

Harry fez um bico emburrado e, resmungando, sacou a varinha. E fez aparecer o cobertor mais fuleira do mundo. Duro e esburacado em todas as partes.

Hermione, que se aninhará em seu próprio cobertor, riu enquanto Harry esticava o cobertor puído no chão. _Acho que tem lugar para você aqui, Harry.

Harry riu também, deitou-se ao lado da namorada, de frente para ela, e começou a passar uma mão por sua face. Hermione segurou a mão dele, como se temesse que ele pudesse ir embora.

_É muito bom sentir sua respiração. _ela quebrou o silêncio depois de alguns minutos durante os quais eles só se encararam _É muito bom sentir seu toque, seu perfume e só saber que você está aqui. _ela fechou os olhos.

_Antigamente, eu achava que... Que eu não tinha direito de amar alguém. Porque sempre ia existir o fato de que eu sou Harry Potter. Quem ia ter coragem de namorar Harry Potter, sabendo de todos os perigos e da profecia? Quem ia querer isso? _ele enrolou no dedo uma mecha do cabelo castanho da menina _Mas você sempre esteve ali. Você sempre estava disposta a correr o risco e estar perto de mim. Você nunca se importou. Como eu pude esperar tanto tempo alguém que já estava do meu lado? Mione? _ela fez “hm?” indicando que estava ouvindo _Você é o que eu tenho de mais importante na vida. Eu amo você.

Harry beijou seus lábios docemente e ela voltou a abrir os olhos. _Eu não quero nunca que isso acabe, Harry. Eu quero acordar todos os dias assim. Desse jeito.

Harry beijou-a novamente, com mais ardor. Ele também queria. Ele não queria nunca mais vê-la perder o sono por outro. Ele queria velar toda a noite por seu sono. De repente começou a sentir que não podia aprisionar tanto amor. Ele deu vazão a esse amor através do beijo. E ele a amava muito.

Hermione retribuiu com paixão. Sua mão passou para seu pescoço e ela foi para mais perto dele. Ele a abraçou pela cintura, e ela pôde sentir todo seu corpo contra do dele. Ele a abraçou com mais força, como se não quisesse perde-la. Como se isso pudesse acontecer. Ela se sentiu anestesiada pelos braços fortes do garoto.

De repente, era como se o mundo não existisse a sua volta. Era como se ela não pudesse sentir ou pensar em mais nada, ao não ser nele. De repente, era como nada mais tivesse importância, ao não ser aquele beijo e aquele abraço.

As mãos dela passaram de seu pescoço para suas costas, deslizando lentamente. Harry a apertou mais contra si. Era como se seu corpo fosse sua energia vital. Ele precisava dela. Ele a amava.

Então, se deu conta do que estava acontecendo. Ele a amava muito. Não queria que aquilo acontecesse daquela maneira. Lentamente, ele se afastou e se obrigou a respirar e a raciocinar. Hermione encarou-o, confusa.

_Eu não sei se você tem certeza do que está fazendo, Hermione.

_Eu amo você. Nunca tive tanta certeza de algo na minha vida.

_É que... Você é especial. Eu quero que nossa primeira vez seja com velas perfumadas, flores e uma música especial. Quero que seja especial para você.

Mione sorriu levemente _Eu não preciso de nada disso, Harry. _ela respondeu com um olhar meigo, passando a mão por seu rosto _Só de você. Você é especial para mim.

E voltou a beija-lo. Harry sentiu, talvez pela primeira vez, que tinha o direito de amar alguém. E de ser amado, sem se preocupar com os riscos.

Ele se sentiu normal. Sentiu-se apaixonado. E apaixonado demais.

O amor os uniu totalmente. Eram apenas um. Unidos de corpo e alma.

A lua brilhava fortemente, pairando absoluta sobre a montanha que abrigava o amor mais puro que já se viu em muito tempo. E, qualquer um que a olhasse naquele momento, conseguiria sentir um pouco daquele amor.


Na:

caroline, brigadaaaa :D vlw pelo coment e pelos elogios :D :D aaah eu tentei dexar eles parecidos msm... É a coragem e a inteligência juntos sabe .... rsrsrs... o anel, adivinha? vai virar horcrux rsrsrsrs... E o castelo eh onde tah ^^ .... Espero q vc tenha gostado desse cap tbm :> Continue comentando, tah? Bjssssss

kamikinha, hauhauahuahauhauhauhauha Se naum dexar suspense, ngm vai kerer ler o resto hehehehe... eeeeeee q bom, q bom, vc gostou! Vlw pelos elogios viu? hhhmmm sabe q eu to lokinha pra escrever o epílogo e ver o q vcs acham? Naum deixa de continuar lendo rsrsrs tah terminando :D Bjssssssss

india, siiiim, vem aventura siiim por aí, rsrsrsrsrs ooohhh o Draco merecia os pontos, neh? Ele abrindo mão do pomo pela Gina S2 S2 ai céus, eu queria rsrsrsrsrsrs, continua lendo, sim, viu? Bjsssssssssss

Ahavene, q isssooo, minha imaginação eh pobre pra caramba hauhauhauhauha... Eu soh escrevo qndo vem uma onda de inspiração inesperada sabe? aí a coisa sai, senaum necas rsrsrs... Aaaaahhhh fico feliz por vc ter gostado do Draco... Eh uma das coisas q eu mais gostei de escrever >.< Continua por aki, viu? Bjsssssssssss

larissa, olha, postei rapidinho hein? claaaaaarooooo q eu naum ia dexar vc enfartar, senaum vc naum ia ler ateh o final hehehehe... adivinhaaaa onde tah o anel? rsrsrs no castelinho sombrio rsrsrsrs... Espero q vc continue lendo sim, viu? Bjsssssss

fafa.lily,Siiim, vai ser a aliança ^^ o moh dozinha neh? huahauhauha... Mas, a Gina viva compensa a perda do pomo rsrsrs.... Aiai, eu sei q sou msm q crio, mas eu amo o Draco... hauahuahuah acho q eu casava com ele se fosse de verdd kkkkkkkkkkkkk... Continua por aki, viu? Bjsssssssss

jack joy, siiiim, vai ser a aliança hauhauhauha, pode dexar, bati na minha iurmã por vc hauahauhauhauhua... mas oh demorou mas xegou, neh? rsrsrsrs... Entaum, qndo o Harry flw akilo, era sobre o q o Hagrid tinha dito msm ^^ E aaaaahhhh brigada pelo elogio rsrsrs... Nouza se um dia eu escrever um livro e virar filme, axu q eu enfarto de felicidade hauhauhauhauha... Puts, nem me fale no Draco... hauhauhauha vc e mais todas queriam um Draco. Eu no meio, claro... Nouzaaa jah perdi a conta de qnts comus eu tenho de Draco casa comigo? hauahauhauha ai ai S2 Continua lendo, tah? Bjssssssssss

Ricardo, oh naum demorei neh? rsrsrsrs, bom talvez um poko >.< mas enfim.... rsrsrs Aaaahh eles taum chegando lah ;) Espero q vc esteja gostando... Dexa coment viu? Bjssssssssssssssss

Shay_Love, menina, brigada... Muito mto obrigada msm ^^nouza, se um dia eu fizer um livro e filme assim ... uau, eu explodo de feliz hauhauhauhauha... Espero q vc tenha gostado desse tbm ^^ Continua dexando sua opiniaum Bjsssssssssssss

Bárbara, vou ler sim, pode dexar... Ainda naum li, pq naum tive tempo, por causa das provas finais e etc, mas vou ler sim com certeza...ei, q bom q bom q voltou :D rsrsrs... Entaum, vai ter mais uns 4 ou 5 cap... Talvez 6... rrsrsrs tah no fim... E eu planejo sim uma outra fic... Vai se chamar a Face Oculta e eu naum vou dizer mais se naum estraga a surpresa hauauhauhauhauha... aaaahhhh q bom q vc gostou do romance deles ^^ E espero q vc tenha gostado desse cap, tbm... Dexa sua opiniaum, viu Bjsssss

sy, q bom q vc gostou!!! Eu tava com medo q ficasse desconexo rsrsrsrs... Espero q vc tenha gostado desse tbm... Vlw pelos coments e por continuar lendo, viu? Naum me abandona naum rsrsrsrs Bjsssssssssss

Lílian, entaum, pro Rony, rsrs... pobre Rony, vai ficar solteirinho da Silva ateh o final... Eh q assim, eu vou contar um segredo bem baixinho... ... Eu sou H/H, mas eu tbm sou R/H >_< hauahuauha parece estranho, mas eu gosto dos dois shippers... E eu naum consigo ver o Rony com outra... Coitado, vai ficar pra titio na fic ^^ eeeeeiii a cena do testrálio naum ficou taum boa qnto a sua, mas realmente ficou melhor do q como tava rsrsrsrs... Vlw pela sugestão.... Sumo naum... Vlw pelas sugestões e continue dando sugestões e opinioes hein? Bjsssssssssssssss

Tamirys, eeeeeeeeeeeeeeee... uma das primeira a ler minhas coisas rsrsrs... O Anne B hauhauahuauha.... ssssiiiim, nóis pra sempre hauahuahauha Bjsssssss

Danny, naaaaaum creioooo!!! Vc naum vai me contar? Nouza to bege. hauahuahuah... aaaahhh q maldade a sua... Vc acha q eu tbm naum fico curiosa pra saber o q vcs acham, naum, he? hauhauhauha... Maldade, maldade >.< eeeeee q bom q ficou parecido... Eu queria msm dexar eles parecidos... e O Draco... bom, ateh eu suspiro com o Draco... rsrsrs Queria um desse, ai ai ... hehehe... e o Rony... bom eh como eu disse pra Lilian rsrsrs... Eu naum consigo =>.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Isis Brito em 05/08/2012

Caraca, até eu tô sentindo todo esse amor... É especial demais pra não perceber... É lindo demais, é perfeito demais... *-------------------*

Parabéns!! Uma das cenas de amor mais lindas que eu já li!! *------------* 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.