FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

3. Entre Leões


Fic: A Vida Continua - by Adriana Swan


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

~~~§~~~A Vida Continua~~~§~~~

Cap. 3
Entre Leões



- GRIFINÓRIA!

O silêncio que se fez a seguir era tão intenso que o tempo parecia ter simplesmente parado. Era possível se ouvir o próprio coração. Mas Scorpius não o ouviu. Assim como não reparou no silêncio. Aliais, se uma carruagem alada pousasse sobre a mesa do professores ele não notaria. Havia alguma coisa errada ali.

- O quê? – sua voz saiu num sussurro.

A diretora a sua frente parecia ter perdido momentaneamente a capacidade de articular palavras. Passado o susto, ela recuperou a pose séria.

- Ande sr. Malfoy. Pode ir para a mesa da Grifinória.

Silêncio. Do que diabos aquela velha estava falando? Como assim Grifinória? Ela não podia ter levado a sério aquela voz vinda sabe-Merlin-de-onde dizendo que ele iria para a Grifinória né?

- Sr. Malfoy! Queira se dirigir para a mesa da Grifinória agora.

- Não vou para Grifinória! – falou mais para si do que para a diretora.

- Ora – McGonagal retrucou de forma severa – e posso saber porque o senhor não vai para Grifinória?

- Por que eu sou um Malfoy! – respondeu ele como se fosse óbvio.

A ex-professora não gostou da resposta, assim como boa parte do salão e quase toda mesa dos professores.

- Devo informa-lhe meu jovem, que dentro de Hogwarts, ser um Malfoy não vai torna-lo diferente, especial OU SUPERIOR a qualquer um de nossos alunos. Agora queira se dirigir a mesa de Grifinória.

- Diretora, a senhora tem que entender minha situação – se levantou e caminhou em direção a ela já beirando o desespero – Eu NÃO posso ir para Grifinória...

- Ora, que insolente! – cochichos já reinavam pelo salão.

- Eu sou um Malfoy, entende? – estava quase desesperado.

- Bem SENHOR MALFOY, ou vai para mesa de Grifinória agora ou vai para FORA DE HOGWARTS.

Scorpius engoliu em seco. Não é que preferisse sair de Hogwarts, na verdade, é que ele havia perdido a capacidade de se mover diante do olhar severo da diretora Minerva McGonagal. Sentiu alguém o pegar pelo braço e o levar até a maldita mesa. Aquilo não podia estar acontecendo...

Rose viu junto com todo o salão o garoto ficar encarando a diretora McGonagal como se fosse desobedece-la, mas por fim, uma linda mulher se levantou da mesa dos professores e correu em auxilio do garoto Malfoy, segurando-lhe o braço e quase o arrastando até a mesa de Grifinória. Alvo que estava sentado diante dela, fez uma careta de desagrado para a prima quando a professora fez o loiro se sentar ao lado de Alvo Severus.

- Bom – ainda com cara de desagrado a diretora concluiu – Que seja servido o banquete!

Imediatamente as mesas foram cobertas por centenas de pratos variados e tão maravilhosos quanto tudo ali. Em questão de milésimos de segundos as centenas de estudantes ali presentes chegaram a mesma brilhante conclusão que fofocariam melhor a respeito do ocorrido se estivessem de barriga cheia. Sendo assim, atacaram a comida.

- Meu pai vai me matar...

O menino balançava a cabeça negativamente, incrédulo. Se não comia? Na verdade, o banquete estava lhe causando náuseas.

- Conhecendo o Draco Malfoy, eu diria que vai mesmo...

Scorpius virou-se para olhar a professora que continuava atrás dele. Ela era muito bonita, devia ter entre 30 ou 35 anos na sua opinião e tinha traços orientais. Falou com ele de forma muito simpática e sorria.

- Você conhece meu pai? – perguntou. Ela afirmou com a cabeça.

- Nunca achei que fosse viver para ver um Malfoy na Grifinória! – comentou ainda sorrindo, mas só conseguiu piorar o ânimo do garoto. – Não esquenta! Até o Draco é capaz de entender...

- A senhora é professora do quê? – Rose que estivera ouvindo a conversa enquanto comia não se conteve e perguntou, levando um olhar mal humorado de Alvo mandando-a não se meter.

- De vôo.

- Mesmo? – agora era a vez de Alvo se interessar pelo assunto – quero muito entrar para o time de Quadribol! Quando meu pai esteve em Hogwarts, ele apanhador. Foi até capitão da equipe...

- Eu sei – ela falou sorrindo – já joguei contra ele. Ah, e você é a cara do seu pai.

Os olhos de Alvo brilharam de tanta felicidade, parecia que ela acabara de dizer que o Natal fora antecipado para a manha seguinte.

- Uau!

- Bom, se eu não me engano, amanha a tarde teremos nossa primeira aula. Espero que mantenham esse interesse pelas aulas depois que elas começarem. Inclusive você mocinho. – disse apertando de leve o ombro de Scorpius – Agora jantem antes que acabe a refeição. Ah, eu sou a professora Chang. Cho Chang.

- Eu achei ela bem simpática Alvo, - falou a garota de cabelos avermelhados sentada quase em frente de Scorpius – acho que vou adorar as aulas de vôo. O que você achou dela?

Lógico que a pergunta não era direcionada a ele que não ia falar com uma menina que sentava ‘naquela’ mesa né. A pergunta era para o menino relaxado ao seu lado que cometera o garfe de ir ao banquete sem pentear os cabelos. Absurdo né. Mas se (isso é claro SE), SE a pergunta fosse a ele Scorpius Malfoy, ele teria 3 respostas.

1º A professora era muito bonita.
2º Com certeza ele iria gostar das aulas de vôo.
3º Se ela achava que seu pai iria entender, ela NÃO o conhecia.

Ao final do banquete (do qual Scorpius se orgulhava de não ter trocado uma palavra com aquele povo estranho) os monitores começaram a guiar os alunos do primeiro ano para a Torre de Grifinória. Ele não acreditava que teria que acompanha-los.

No dormitório ele foi o último a entrar no quarto, que ele achou horrivelmente, asquerojamente, detestavelmente: vermelho!

- Oi! Meu nome é Colin Creevel. Acho que agora somos companheiros de quarto!

Alvo que estava começando a desfazer o seu malão olhou para o garoto loiro ao seu lado. O menino sorria e estendia a mão em comprimento. Alvo também sorriu e segurou firme a mão do menino.

- Oi, sou Alvo Potter!

- É claro que sei quem você é, todo mundo sabe que é o filho de Harry Potter. – Alvo sorriu, mas não conseguiu evitar uma certa timidez.

- Vejam! É o garoto Malfoy! – um dos outros meninos que estavam no quarto apontou para porta, onde Scorpius permanecia parado.

- Você não vai dormir aqui! – afirmou o garoto Creevel com uma confiança inabalável que fez Scorpius rir.

- Mesmo? E quem é que iria me impedir? – falou olhando Colin de cima a baixo.

- Não iria brigar com você Malfoy. Aposto que joga tão sujo quanto o nome de sua família.

- Vejam só, o covarde acha que sabe algo sobre minha família. – desdenhou.

- Sei o bastante pra dizer que – ele apanhou algumas coisas sobre sua cama – NÃO vou dormir nos mesmos aposentos que um Malfoy.

Ao sair, fez questão de esbarrar em Scorpius, ainda parado na porta. O jovem de olhos cinzas riu ao vê-lo passar. que idiotas são esses Grifinórios!

- Ótimo! Sobra mais espaço pra mim! Espero que os sofás da Sala Comunal sejam bem quentinhos! – concluiu rindo de Colin.

Ao se virar notou que os outros meninos faziam o mesmo. Estavam apanhando lençóis, travesseiros e roupa de dormir.

- Muito bem seus idiotas! Vocês não fazem falta. E diferente de vocês que devem dividir um quarto com 5 irmão, pai, mãe e um cachorro, eu estou acostumado a ter uma quarto só pra mim. Vocês só iriam atrapalhar meu sono...

Sem responder as provocações os garotos foram saindo um-a-um. O último deles, Alvo, parou na frente de Scorpius e o encarou zangado. O loiro estava lívido.

- O que está olhando? – falou zangado desejando que Potter saísse logo dali.

- Sabe Malfoy, quando te vi no trem, apanhando, senti pena de você. – Scorpius fechou os punhos indignado.

- Eu não quero a sua pena! – falou ameaçadoramente.

- Não é que você não queira... – Alvo falou com calma – é que você não merece...

E assim como os outros, saiu, deixando Malfoy sozinho com seus pensamentos.

Scorpius, sentou-se na cama. Olhou ao redor o dormitório vazio. Bom começo. Estava sozinho. Mais uma vez sozinho. Que grande merda havia feito. Puxou a carta já toda amassada do bolso das vestes.



Pai,
Estou-lhe escrevendo de Hogwarts! Fico feliz de ter vindo estudar aqui. Diferente do que o senhor falou, as pessoas são simpáticas comigo e já estou até fazendo amigos. Mande um beijo pra mamãe e fique tranqüilo: tenho certeza que serei bem feliz aqui.
Um beijo, com toda saudade do mundo,
Scorpius

P.S.: O senhor tinha razão, o Castelo é lindo pai.



Amassou amargamente a carta na mão e a atirou do outro lado do quarto.

- Meu pai vai me matar...

***

O sol havia nascido a pouco tempo e Pandora Malfoy estava morrendo de sono. Já estava desacostumada a acordar cedo. Desde que vieram para a Inglaterra a um mês ela havia parado de trabalhar. Vestia apenas uma camisola preta de renda e estava sentada na beira da cama, seus pés brincando com as sandálias no chão sem querer calça-las. Pensou se ainda era cedo o suficiente para deitar e voltar a dormir. Acabou descartando a idéia.

- Que vergonha Merlin!

Draco andava de um lado para o outro do quarto esbravejando e agitando a carta que recebera de McGonagal a cerca de 15 minutos. Vestia apenas um calça preta de ceda que costumava usar para dormir. No inicio, quando começara a praguejar e insultar Merlin e Scorpius, Pandora ficou realmente preocupada, mas agora, 15 minutos depois, tudo que ela queria era poder voltar a dormir.

- Eu sei Pan! Eu sei que Merlin está fazendo eu pagar meus pecados, tudo que eu fiz como Comensal da Morte, mas não precisa usar Scorpius para isso! Merlin! Ele é só uma criança...

- Draco, será que você pode parar com esse escândalo?

- Pandora você não está vendo a situação? MEU FILHO está na GRIFINÓRIA! Isso é... isso é um... isso é...

- Besteira? – ela arriscou.

- PANDORA!

- Porra Draco! A intenção da diretora ao nos enviar uma carta contando isso, COM CERTEZA não era te humilhar, mas sim nos comunicar o ocorrido. SÓ ISSO!

Mas Draco não escutou o restante da frase. Parou um momento de andar e olhou para a esposa concordando inteiramente com ela.

- Exato Pan! Muito bem! Como eu não pensei nisso antes? – havia triunfo em sua expressão.

- No quê? – perguntou desconfiada – que a diretora só escreveu para nos comunicar?

- EXATO! – ele sentou-se ao lado da mulher excitado com a idéia. – Me diga Pandora, porque a McGonagal escreveria para mim dizendo em que Casa de Hogwarts Scorpius ficou? Quer dizer, não é obrigação da diretora nos dizer isso, quem devia escrever era o Scorpius contando a infeliz novidade... então me diga Pan, porque foi que a McGonagal se deu ao trabalho de escrever PESSOALMENTE a carta endereçada a mim?

Pandora pensou um pouco, mas o sono não ajudava muito nessas horas. O marido a olhava com ansiedade como se tentasse ler a mente dela, então resolveu ser sincera.

- A diretora escreveu porque... eh... bem... para evitar que você matasse o Scorpius? – falou erguendo as delicadas sobrancelhas.

- Não! Me escreveu porque sabia que eu ia fazer alguma coisa para tirar meu filho daquele lugar! – concluiu de forma heróica.

- Hã? – Pandora arregalou os olhos de forma incrédula.

- Sim! Olhe pode ler! A carta mais parece um pedido de socorro... McGonagal quer que eu faça alguma coisa para ajudar meu filho...

Pandora pegou a carta.

- Acha mesmo? – perguntou descrente.

- Claro! – ele comentou já se levantando.

- E quanto a essa parte que ela diz “espero que haja de forma adulta e lembre que não foi uma escolha de seu filho...”

- Puro protocolo, nada demais. – ele começou a se vestir.

- Mesmo? – ela ergueu os olhos do pergaminho cinicamente e viu que Draco já estava vestido e escolhia uma capa de viagem – O que está fazendo?

- Vou a Hogwarts!

- Por Merlin, o que você vai fazer? Não vai atravessar o país pra brigar com Scorpius por uma coisa que ele não teve culpa...

- A culpa não foi dele foi sua...

- Minha?

- Claro! Eu disse que ele devia ir pra Durmstrang...

- Mas...

- Vou a Hogwarts falar com McGonagal. Isso não vai ficar assim!

Dizendo isso ele saiu. Pandora ainda ficou olhando para a porta da suíte fechada sem acreditar no que ouvia, até que se tocou que estava perdendo um precioso tempo e se levantou da cama de um salto.

- DRACO, ME ESPERA! Merda! Cadê minha varinha?! – e tentou se arrumar o mais rápido possível para acompanhar o marido.



**********

N.A.:
Bem gente, como o cap ia ficar muuuuito grande e eu ia demorar uma eteeernidade a postar resolvi dividir em dois. então o próximo cap sim será o que eu anunciei no cap anterior.

N.A.2:
Não se preocupem com a viajada que eu dei. Vou consertar, mas reconheço que sempre quis ver um Malfoy na Grifinória... mas antes que me azarem, eu prometo que vou consertar ok. ^^

Próximo capitulo: DEFESA CONTRA AS ARTES DAS TREVAS.

Muito abrigada pelos comentes, em especial a Mara! Brigada viu!




~~~~§~~~~ LARA MALFOY ~~~~§~~~~

dúvidas? MSN!

dan_notalone@hotmail.com


************
a sim, comunidade do casal no orkut

Scorpius e Rose
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=42417492

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.