FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

8. Guinevere & Gina


Fic: Escolhas do destino H-G CAP NOVO 6-2-


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 8- Guinevere & Gina

Não sei se sou lenda
Me sinto pequena
Me sinto com frio

Não sei se dará certo
Não sei se tudo acabará bem
Só sei que te amo com a intensidade com que as lendas contam suas histórias
E com você não sinto mais frio, nem me sinto pequena.
Me sinto plena.

***

- MIONE! – Leslie a chamou afobada.
- Quem morreu? – Ela perguntou enquanto levantava os olhos do livro que estava lendo.
- Com licença Rony, mas eu vou seqüestra-la por um momento, sim? – Leslie falou enquanto puxava Hermione.
- Ótimo... Já não basta aqueles dois sumidos fazendo só Merlim sabe o quê, agora tenho agüentar fofoca de meninas... É só o que me faltava – Resmungou ele mal-humorado.

As duas garotas subiram para o dormitório e Leslie começou.

- O Kevin me beijou! –Seus olhos se encheram de lágrimas.
- Meu Deus! Que bom, então vocês finalmente se acertaram?
- Não! Ele me tratou muito mal depois! Disse que me beijar foi o único jeito de calar minha boca e agora vem a pior parte...
- O que?
- Eu gostei da porcaria do beijo! Gostei não! EU AMEI! Droga, Mione... E agora?
- Olha fique calma... – Hermione falou enquanto a deixava repousar a cabeça em suas pernas – Não chore. Se ele te vir com os olhos inchados você vai ser humilhada.
- Ele é um patife, um retardado idiota... Mas eu não vou deixar as coisas assim! Não vou deixar mesmo... Ele que me aguarde.
- O que você pretende fazer?
- Ciúmes. E depois vou dar em cima dele até ele ceder e quando ele vier com papinho meloso o deixo no vácuo. Simples assim. – Ela falou firme e depois voltou a chorar – Eu acho que gosto mesmo dele. M*rda! Quem ele pensa que é pra me fazer sofrer assim?
- Les, você sabe como os garotos podem ser idiotas e...
- Ele não é só um idiota! Ele é um filho da p*ta! Mas ele vai se arrepender e...
- Fica calma... Falar palavrão não vai diminuir a dor. Além do quê você já tem um plano completo, por que não o põe em prática?
- Pois é isso mesmo que eu vou fazer! Sabe o Guto Lernie da Lufa-lufa?
- Claro... Ele é um gato (ainda bem que o Rony não ta aqui).
- Então, ele me chamou pra um encontro. Vou aceitar e vou agarrar ele na frente do Kevin!
- Você não acha que é um plano um tanto quanto vingativo de mais?
- Não. Ele merece isso e muito mais. Aquele troglodita. – Leslie disse e saiu andando como se nada tivesse acontecido.
- E eu pensei que já tinha visto de tudo nessa vida... Vem uma louca dessas e muda todo meu conceito sobre normalidade... – Hermione resmungou antes de voltar para onde Rony estava.

*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*¨*

- Com licença professor Dumbledore. – Harry falou entrando no escritório do bruxo.
- Nós estamos atrasados? – Gina perguntou enquanto mandava um sorriso à ele.
- Não, absolutamente. Vocês estão pontuais. – Ele respondeu enquanto fazia um gesto para eles se sentarem. – Hoje não vamos treinar... Nós precisamos conversar seriamente.
- Aconteceu alguma coisa? – Harry perguntou preocupado e sentiu a mão de Gina se apertar sobre a sua.
- Não, ainda não. Mas temo que se as coisas não forem postas nos seus devidos lugares poderá acontecer.
- O senhor está nos deixando curiosos desse jeito. – Gina murmurou apreensiva.
- Vocês já se perguntaram o porquê de Voldemort ter essa fixação tão grande por Gina? – Dumbledore não esperou resposta e continuou: - O porquê de seus outros amigos não treinarem junto com vocês? Vou tentar explicar-lhes tudo. Mas devo acrescentar que uma parte da história não passa de suposições e eu posso muito bem estar errado.

O casal assentiu e Dumbledore começou a contar a história:

- Creio que vocês já ouviram falar de Guinevere, a esposa do Rei Artur que o traiu com seu melhor amigo Lancelot?
- Sim. – Eles responderam em uníssono
- Essa história é muito contada entre os trouxas, mas sofreu várias modificações...
Diz a lenda, que Guinevere era uma feiticeira e que nasceu em Avalon e depois quando ainda era muito criança partiu para fora de seu lar. Merlim havia previsto que algo muito especial rodeava Guinevere, mas deixou isso pra lá. Ele conhecia diversas feiticeiras com dons extremamente especiais e não ia ser diferente com a linda Guinevere. Só que ele esqueceu de um detalhe... Guinevere era a sétima filha de uma geração só de homens. E o número sete sempre, por todos os séculos, dos séculos, foi o número mágico mais perigoso e poderoso. Merlim não contava que Guinevere fosse destruir o reino de Artur, como também não contava que ela tinha o dom da cura, que era o dom mais puro que alguém jamais adquirira. Só tinha o dom da cura alguém que tivesse o coração puro, cheio de amor e vida. Mas Guinevere havia destruído Artur com sua traição e assim conseqüentemente seu reino. Como aquela pessoa com um coração tão inconseqüente havia conseguido esse dom tão puro? Então a resposta ficou óbvia. Ela não era nem boa nem má. Mas havia pagado por seus pecados. Bem no começo, bem antes de se envolver com Lancelot ela já estava pagando. Guinevere uma vez disse:

Eu era rainha e perdi a minha coroa,
Mulher e quebrei os meus votos;
Amante e arruinei quem amava:
Não há maior massacre.
Há poucos meses atrás eu era rainha,
E as mães mostravam-me os seus bebês
Quando eu chegava de Camelot a cavalo.



Guinevere não podia ter filhos. Era infértil como um planta. Isso a destruiu e destruiu o que sobrou de seu coração também. Tentou de todas a as formas se auto-curar, mas foi impossível. Então ela fugiu. Precisava sair daquele tormento. Precisava ir para um lugar onde as mulheres como ela não fossem vistas como uma sombra a margem da sociedade. Teve que abandonar seu grande amor e se foi. Voltou para Avalon onde foi recebida de braços abertos pelas feiticeiras que lá viviam. Guinevere lutou contra as lembranças de seu passado e se dedicou a cura. Estudou sobre plantas medicinais, sobre o efeito delas e se pôs a curar todos os doentes de Avalon. Seu coração se purificou... Ela conseguiu o perdão divino e seu passado foi quase esquecido completamente. Tanto que Guinevere passou a ser chamada de Rubi devido aos seus longos cabelos ruivos... Não se sabe o que aconteceu com Lancelot depois de ser deixado por sua amada, mas dizem que ele se jogou na frente de uma espada e morreu para salvar Artur, o homem que havia dado amizade e sonho ao pobre Lancelot. E quanto a Artur... Dizem que ele morreu tentando achar Guinevere. Ele a amava e não se importava com os erros cometidos. Só queria mais uma chance de ser feliz. No entanto nunca a achou e, a última imagem que viu antes de morrer, havia sido de uma linda ruiva chorando desesperada para tentar salva-lo. Guinevere afinal de contas havia ido ver Artur, ela o amava como irmão e tentou salva-lo, mas não conseguiu. Ninguém consegue vencer as barreiras da morte. Rubi morreu alguns meses depois... E contam, que até hoje o espírito dela vaga por aí a procura de uma alma boa para passar seu dom. A cura. – Dumbledore finalizou a história com os olhos cintilando.

- Oh Merlim... – Gina murmurou ficando pálida. Seus olhos estavam marejados e suas mãos apertavam fortemente as mãos de Harry. – O senhor não acha que... Acha...?
- Acho – Dumbledore falou firme – Eu tenho quase certeza de que você tem o dom da cura senhorita Weasley.
- O senhor acredita que o espírito de Guinevere realmente vaga por aí e...? – Harry perguntou receoso.
- Acredito. E acredito também que o dom passou para você, Ginevra.
- Mas como...? – Gina perguntou pálida.
- Você sabia que Ginevra é um sinônimo de Guinevere? – Ele não deu chance dela responder. – Que você tem os cabelos iguais aos de Guinevere? Que você assim como ela é sétima filha de uma geração só de homens?Que você tem uma alma pura, sem ódio, rancor, apenas quer justiça? E que quando Harry está com dor na cicatriz você toca e a dor alivia imediatamente?
- Eu não...
- Acho que você foi abençoada com esse dom. – Dumbledore continuou sério. – E isso não é motivo para desespero, só duas pessoas no mundo já tiveram o dom da cura. Você e ‘Rubi. Os curandeiros e médicos, aprendem a curar... É bem diferente de ter a cura dentro de si... Me entende?
- Sim. – Gina respondeu simplesmente. – E o que eu posso fazer quanto à isso?
- No ano que vem... Eu vou te treinar pessoalmente... O que não vai ser uma coisa fácil porque eu vou ter que te ensinar uma coisa que nem eu mesmo sei. – Ele suspirou – Você vai aprender a canalizar a dor, a fechar ferimentos, sanar mal-estares, tudo com a força da mente. Acho também, que a senhorita pode aprender alguma coisa sobre as plantas medicinais... Vai ser muito bom que a senhorita tenha tantas informações.
- Eu vou me esforçar muito, professor. – Ela falou decidida.
- E eu gostaria que você viesse uma vez por semana aqui Harry... No sétimo ano de Gina. – Dumbledore falou - E dessa vez traga seus amigos. Antes eles não podiam vir porque o treinamento era mais pesado e seria desgastante para todos, se todos treinassem. Você e Ginevra têm um papel especial nessa guerra. Espero que tenham entendido isso. Voldemort, já entendeu... Podem ter certeza disso. Ele sabe que você é especial Ginevra. Se não soubesse não teria te marcado assim como fez com Harry e também não teria te escolhido para levar à câmara secreta. Agora vão descansar. Vocês precisam aproveitar os últimos dias do período letivo – Ele sugeriu sorrindo.

Harry e Gina saíram e se encaminharam para o quarto particular de Harry. Eles se sentaram na cama e ficaram um tempo em silêncio. Depois como se houvessem lido a mente um do outro se abraçaram. Sabiam que a guerra não ia ser fácil e sabiam que muitas surpresas ainda surgiriam, mas tudo era uma questão de tempo. Só precisavam de tempo até Voldemort cair. Afinal de contas como Dumbledore dissera: “Ninguém consegue vencer as barreiras da morte”, e Voldemort também não conseguiria. Não se dependesse deles.


<><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><>

- Por que você o beijou? – Kevin perguntou num sussurro baixo, mas letal.
- Bem, que eu saiba não há nenhuma lei que me impeça de beijar outros rapazes Kev. – Leslie disse com extrema calma enquanto enrolava um cachinho no cabelo.
- Fez isso pra me irritar não é? – Sua voz, continuava perigosamente baixa.
- Eu? Oras, não seja arrogante! Por que, sinceramente, você acha que eu, uma pessoa com um cérebro em ordem, faria isso pra irritar você? Francamente dê-se respeito!
- Então é assim? Eu te dou o fora e você, despeitada, vai logo pros braços de um qualquer?!

Leslie riu baixinho antes de umedecer os lábios, num gesto completamente sensual e, depois aproximou-se tanto de Kevin, que seus lábios se roçaram quando ela falou:

- Primeiro, o Guto não é um qualquer, segundo eu não estou despeitada – o que era mentira, mas ele não precisava saber desse detalhe – Terceiro, se alguém está despeitado aqui, é você, que me arrastou até esse corujal fedido, pra tirar satisfações.

“Tudo bem Kevin, respira.” – Ele pensou enquanto via a boca dela se mover lindamente enquanto falava. E pra falar a verdade, ele já não prestava atenção no que era dito há um bom tempo.
Sentiu sua consciência indo passear no Pólo Sul, e quando se deu conta já a tinha agarrado pela cintura e lhe tascado um beijo.
Bem, ele realmente não tinha culpa se aquela loirinha lhe fazia tremer nas bases... E por Merlim ela era linda!!! E beijava MUITO bem!

- Kevin, Kevin... – Leslie murmurou entre os lábios dele – Eu já mencionei que não se pode brincar comigo?
- Hunnn...- Ele resmungou antes de voltar a beija-la como se fosse a única coisa importante no mundo.
- Para. – Les disse enquanto mordia fraquinho o lábio inferior dele – Uh... Insistente você né? – E dizendo saiu sem o deixar seu sorriso exultante. Ele ia cair como um patinho...

<><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><>


Era um lugar escuro. Parecia ter um cheiro podre e enjoativo, mas ninguém que estava lá, pareceu se importar. A grande mesa, rodeada por ouro, era ocupada por vários rostos sérios.
Na cabeceira um lábio ofídico estava curvado em um sorriso exultante. Tudo estava saindo do jeito que ele queria. Tudo ia dar certo.

<><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><><>

Quarto secreto do Harry

- Aiii... – Gina bufou – Que tédio.
- Nada pra fazer. – Harry falou enquanto se sentava ao lado dela.
- Ninguém pra atentar. – Ela continuou.
- Nenhum desocupado para atazanar.
- Nenhuma alma morta pra zoar.
- Acho que vamos ter que nos contentarmos com nós mesmos.- Harry falou com um sorrisinho malicioso. Depois a segurou pela cintura fortemente. Ela o enlaçou em seus braços e se inclinou, roçando seu nariz no pescoço dele. Depois foi depositando suaves beijinhos por toda a extensão de seu rosto e quando chegou na boca, não pode evitar o beijo avassalador que eles trocaram.
- Te amo. –Ela sussurrou e sentiu-se cair na cama em que estavam sentados.
- Te amo. – Ele respondeu enquanto lhe lançava um olhar “predatório”. Gina riu e lhe lançou outro olhar. E no momento em que se inclinou para beija-lo, ele lhe virou na cama e começou a fazer cosquinhas.

Gina já havia percebido que o ato de fazer amor podia ser intenso e arrebatador. Só não sabia que também podia ser divertido. Foi uma revelação para si própria descobrir que era capaz de rir e brincar de luta sobre a cama como se fosse uma criança.
Beijocas estaladas, mordidelas, risadinhas histéricas... Tudo isso era feito.

Sabia que o teria com Harry era especial. Era mágico e sensacional. Mas não sabia que poderia ter absolutamente TUDO com ele.

O amava mais que demais. E sabia que era correspondida.

__________________________________*

N/A: * Se esconde atrás de um muro de concreto* *Pigarreia*

Oi pessoas! *sorrisinho completamente sem-graça* Primeiramente eu peço que me perdoem pela demora. Eu sei que falei que ia atualzar, mas eu simplesmente PERDI COMPLETAMENTE a inspiração. Então eu só pude terminar hoje! E ainda assim o capítulo ficou minusculo! Então eu peço que vcs me entendam e me PERDOEM por favor!

Bem, continuando eu NÃO VOU desisitir da Fic! POr que eu amo escrever mais do que tudo na vida! Okay, amores?

Então eu vou deixar com vcs essa capitulo pequeno e vou tratar de escrever um um pouco maior na próxiam atualização!

Só pra lembrar que a fic vai ter um LONGO período PÓS-Hogwarts!

Então... Obrigada quem comentou... Obrigada quem não comentou...


BIG KISS

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.