FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Capítulo II


Fic: A Noite dos Prazeres


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Quando amanheceu, Hermione ainda estava acordada. A noite anterior poderia ter sido um pesadelo se não fosse pela dor que ainda sentia no lábio.

Sentou-se na varanda da casa, ainda vestida, olhando sem ver as montanhas. Era primavera, e as flores silvestres destacavam-se entre a vegetação dispersa, mas ela não percebia a beleza daquela manhã.

Sua mente voltou para dia em que conheceu Harry, quando tinha dezoito anos e acabava de chegar a Sweetwater com seu tio Don Granger. Fora até uma lanchonete para tomar um suco e Harry estava sentado em uma banqueta próxima.

Recordava como seu coração batera mais rápido quando olhara para ele, era o primeiro vaqueiro que via de perto. Tinha o mesmo olhar desafiante, o cabelo tão alvoroçado como agora e também estava com a barba por fazer. Seus vivos olhos verdes a olhavam insolentemente quando se apoiou na caixa registradora para observá-la melhor. Era evidentemente, a sua absoluta falta de educação.

Ela tentou ignorá-lo a princípio, mas quando a chamou e perguntou se gostaria de sair para dar uma volta pelo povoado com ele, seu caráter, uma mistura de sangue escocês e irlandês, impôs-se. Ainda podia lembrar sua expressão de surpresa quando o enfrentara friamente e lhe dirigira um olhar gelado.

-Meu nome - dissera ela - é Srta. Granger, não, ouça você, e não estou aqui procurando diversão e, se estivesse, não seria com um bárbaro como você.

Então, ele pôs-se a rir.

-Ora, ora. Se não é uma dama do Sul, de onde é preciosa?

-Sou de Charleston. É uma cidade, e fica na Carolina do Sul.

-Eu tinha boas notas em geografia.

-E sabe ler?- perguntou ela.

Isso o tirou do sério. A linguagem que usou a seguir fez com que ela ruborizasse, mas isso não a intimidou.

Levantou-se então, ignorando os olhares daqueles que os rodeavam, dirigiu-se resolutamente para ele e o esbofeteou. Depois, saiu deixando-o atônito. Alguns dias mais tarde, ela ficou sabendo que eram vizinhos. Ele se aproximara de sua casa para falar com seu tio a respeito de um cavalo.

Quando a viu, sorriu e contou ao seu tio o que acontecera no povoado, como se isso o divertisse. Demorou semanas para acostumar-se ao rude humor de Harry e a sua "fina" maneira de comportar-se. Tomava o café ruidosamente e ignorava o uso do lenço e do guardanapo, além de utilizar uma linguagem excessivamente forte para seu gosto. Mas, como sempre estava pelos arredores, não havia outro remédio, se não acostumar-se com sua presença.

Fazia um ano que Hermione morava no povoado, quando foi ver um rodeio. Harry estava lá, evidentemente bêbado, dando uma surra em um vaqueiro e atirando-se para cima dos que tentavam separá-los. Quando ela tocou levemente seu braço, ele parou imediatamente de golpear o vaqueiro e ficou olhando, como se nada tivesse acontecido. Ela segurou sua mão e o levou para outro lado do curral, onde Neville os esperava.

Depois daquilo, Neville ia procurá-la toda vez que seu chefe se metia em encrencas. Mas, depois daquela noite, não iria mais com ele.

Deu um suspiro profundo e entrou em casa. Preparou uma xícara de café e torradas. Enquanto tomava o café da manhã, controlava a hora. Tinha uma entrevista às nove com Gina Weasley, uma jovem do povoado que acabava de se formar em veterinária e precisava de um local para estabelecer-se. Depois do almoço teria que falar com o possível comprador do terreno de Harry. Seria um longo dia. O homem insistia em ver Harry pessoalmente, mas, depois da noite anterior, seria um pouco difícil.

Elas se encontraram em frente ao imóvel a ser visitado. Eram amigas antes de Gina ir para a universidade e se viam ocasionalmente quando ela estava de férias.

-Bom, o que acha? Não está em um bom lugar? Bem no centro do povoado. Posso te oferecer condições muito interessantes se animar-se a pagá-lo em vinte anos.

-Me deixou sem fala – disse Gina - É exatamente o que queria. Tem espaço suficiente até para montar um sala de cirurgia, e aquela sala enorme pode servir perfeitamente como sala de espera. Sim, eu gostei. E também gostei do preço.

-Aliás, tenho aqui toda a papelada – replicou Hermione rindo e tirando uma pasta de sua grande bolsa - Assim pode ir ver Jack no banco e convencê-la a conceder um empréstimo.

-Jack e eu fomos juntos ao colégio – disse Gina-, assim não acho que haverá algum problema. Estou acostumada a devolver o dinheiro que me emprestam. Se não acredita, pergunte a meus colegas de classe!

- Além disso, este é um lugar com muita luz. Garota, já posso vê-la ficando milionária aqui.

-Espero que tenha razão - disse Gina levantando-se e abrindo os braços - Uau, tudo isto é meu!

-Seu e do banco.

-Você é tão jovem, Mione – ela disse enquanto ficava olhando o lábio ferido com curiosidade - Ouvi dizer que a viram com Neville a altas horas da madrugada na caminhonete.

-Estes lugares pequenos! - exclamou Hermione - Sim é verdade, Harry estava aprontando das suas no bar.

-Como nos velhos tempos – Gina respondeu com um estranho alívio - Ele é como um urso selvagem, não é? Acho que agora terei que me ocupar dele.

-Não se aproxime muito dele, poderia transformá-la em pó.

-A mim? Não acho que Harry faria algo assim, é muito educado para isso.

-Essa é boa! – disse Hermione rindo amargamente - É um selvagem. Como se o tivessem tirado das cavernas.

-Pois comigo sempre se portou muito educadamente. Não acha estranho que ele não tenha se casado?

Hermione sentiu como se seu o sangue fervesse.

-Não me parece estranho. É muito rude para viver com uma mulher. Teria que deixá-la sem sentido e apontar uma arma para ela para conseguir convencê-la a se casar com ele!

-Eu pensava que ele fosse seu amigo.

-Era – disse Hermione friamente - Bom, tenho um encontro dentro de uma hora, é melhor que eu vá almoçar. Me alegro que tenha gostado do local.

-Eu também –disse Gina rindo - Me diga uma coisa, você acha que Harry também é selvagem assim na cama? É tremendamente sexy!

Hermione sentiu-se incapaz de olhar nos olhos de sua amiga.

-Se você diz... Ligarei para você quando tiver todos os detalhes da venda preparados. Tudo bem para você? - disse com um sorriso forçado.

-Ótimo. Obrigado de novo.

-De nada.

Hermione pediu uma salada e um café, mas mal prestava atenção no que estava comendo. Seus pensamentos não se afastavam de Harry e das coisas que Gina dissera a respeito dele. Depois, foi ao seu escritório, onde um cliente a esperava impaciente, andando de um lado a outro. Ela piscou para Luna, sua nova secretária.

-Olá, Sr. Malfoy. Desculpe o atraso. Estava concluindo outro negócio.

-Não tem problema - respondeu ele. Era um homem alto e com aspecto digno, vestido com um terno cinza. - Eu gostaria de ir ao rancho, se for possível.

Ela hesitou.

-Acho que seria melhor ligarmos para o Sr. Potter e saber se ele poderá nos receber.

-Sua secretária já fez isso. Ele está nos esperando, iremos em meu carro.

Hermione não gostou do comportamento autoritário dele, mas não podia discutir com um cliente em potencial, esforçou-se para sorrir e o seguiu.

-Sinto muito – disse Luna.

Hermione acenou em despedida e piscou para ela outra vez.

Durante o tempo que durou o trajeto até o rancho, Hermione sentia como se tivesse um nó no estômago. Não queria ver Harry. Por que o destino a atormentava dessa maneira?

O carro dele, estava estacionado perto da casa, coberto de pó e sujeira, o que deixava claro o pouco uso, e a caminhonete que Neville estava acostumado a utilizar para buscá-lo estava estacionada ali perto também. O curral estava deserto e a porta principal da casa estava aberta, embora não desse para ver nada lá dentro.

-Ele mora aqui? - perguntou o Sr. Malfoy enquanto estacionava seu carro diante da rústica casa de madeira

-É um pouco excêntrico.

-É louco – murmurou o Sr. Malfoy . Ele desceu do carro e Hermione o seguiu a contra gosto.

Quando estavam chegando às escadas, Harry saiu de repente. Parecia ainda mais alto do que era com suas botas de trabalho. Usava um jeans surrado e uma camisa azul, desabotoada que deixava ver seu peito peludo. Parecia cansado, mas seus olhos verdes estavam alertas e, pelo menos, parecia que estava de bom humor.

-Sr. Potter? – perguntou o comprador com o melhor de seus sorrisos - Tem uma bela propriedade.

Harry acendeu um cigarro, ignorando por completo a mão que o homem estava oferecendo.

-Parece que não é suficiente um não como resposta, não é? - perguntou Harry com um olhar frio.

Malfoy ficou desconcertado durante alguns segundos, mas terminou por retirar a mão e oferecer outro sorriso.

-Foi assim que fiquei rico. Ouça, vou aumentar minha oferta em dois mil dólares a mais por hectare. É um lugar perfeito para contruir uma casa para quando me aposentar. Bastante água, terra boa, paisagens bonitas...

-Ouça você – disse Harry o interrompendo - Eu não gosto que me provoquem. Estas terras não são minhas e não quero vendê-las, já disse e para ela também - acrescentou olhando para Hermione - Estou cansado de falar, na próxima vez que o ver por aqui, pegarei minha pistola.

-Não pode me tratar assim, seu estúpido...!

-Oh, não! – gritou Hermione cobrindo o rosto com as mãos. Sabia o que ancoteceria a seguir. Estremeceu com o ruído do golpe, com o grito abafado e, finalmente, com o ruído seco de um corpo caindo no chão. Olhou então através dos dedos. O comprador estava tentando sentar-se, e Harry estava de pé perto dele, fumando o cigarro como se nada tivesse acontecido.

-Filho da...! –seguiu-se uma fileira de insultos enquanto se inclinava e agarrava o homem pelo colarinho, o obrigando a levantar-se. Colocou o homem a empurrões no carro e fechou a porta de repente.

Hermione ficou petrificada quando o carro arrancou. Ficou olhando durante um longo instante e então, com um suspiro, começou a andar seguindo o mesmo caminho que o carro.

-Onde diabos acha que está indo? – perguntou Harry.

-Ao povoado.

-Ainda não, quero falar com você.

Ela deu a volta e olhou para ele.

-Mas eu não quero.

Ele a segurou pelo braço e a levou até a casa.

-Eu perguntei alguma coisa?

-Não, você nunca pergunta! Faz o que te dá a vontade! Ele ofereceu um preço bastante generoso. Você vai me custar uma fortuna!

-Eu disse para você não trazê-lo aqui.

-Mas você disse a minha secretária que podia vir!

-É uma tola! O que disse para Luna é que poderia vir se acreditava que estava em seu dia de sorte.

E a pobre Luna não percebera o que aquilo queria dizer na verdade.

-Luna é nova no trabalho - murmurou ela, permanecendo em pé na sala desmantelada.

Não havia eletricidade. Tudo que tinha ali era alguns lampiões a querosene e uns móveis onde ela não teria sentado por nada do mundo.

-Sente-se - disse ele se aproximando de uma poltrona destroçada.

Ela ficou em pé. Estivera naquela casa uma ou duas vezes, com seu tio, e desde que ele morreu, sempre tinha encontrado alguma desculpa para ficar na varanda quando ia lá para falar com Harry.

Olhou-a com uma expressão estranha quando viu a cara com que estava olhando seu reduzido mobiliário. Levantou-se enfurecido e entrou na cozinha.

-Venha cá, ao menos as cadeiras da cozinha parecem melhor para seu delicioso traseiro.

-Sinto muito - disse ela entrando na cozinha - não queria ser tão grosseira.

-O que não queria, era sujar seu precioso vestido com meus móveis - disse ele rindo.

-Bem, o que quer?

-Essa é uma boa pergunta - respondeu ele apagando o cigarro em um cinzeiro - até agora não tinha reparado na besta que poderia chegar a ser.

-Não se preocupe, o que aconteceu ontem à noite tomarei como uma experiência.

-Tem muita? - perguntou ele olhando-a nos olhos - Lutou comigo porque tinha medo?

-Estava me machucando! -disse ela de mau humor.

Harry respirou profundamente e suas pupilas brilharam.

Fez uma breve pausa e suas palavras seguintes a pegaram de surpresa.

-Você disse para Gina que eu era muito selvagem para ter uma mulher.

Hermione ficou boquiaberta. Sentou-se e ficou olhando para ele, não podia acreditar na falta de discrição de Gina.

-Eu... eu nunca pensei..

-Que ela iria me contar? - perguntou ele friamente, tirando outro cigarro do maço e acendendo-o com um impaciente golpe no isqueiro - Ela estava brincando a respeito disso, não falou com má intenção. Ultimamente estive pensando muito nessas palavras e no velho solitário que estou me tranformando.

Levantou os olhos do cigarro e olhou Hermione nos olhos - Quando Gina me disse isso essa manhã, fez me sentir muito mal. Percebi que ela tinha razão, que não sei me comportar entre pessoas civilizadas.

-Harry...

Ele moveu a cabeça.

-Não se desculpe por dizer a verdade. Não dormi essa noite. Sinto muito por ter machucado você, me comportei muito mal. Espero considere o fato de eu ter bebido muito.

-Sim, tinha gosto de uísque - disse ela sem pensar. Ruborizou ao perceber que recordava exatamente o que ele estava pensando.

-Sim! - respondeu-lhe olhando seu lábio ferido - Não sei o que aconteceu comigo. E, ainda por cima, você começou a discutir comigo, o que piorou as coisas. Deveria me conhecer melhor.

-Faz anos que discuto com você.

-Sim, mas verbalmente.

- E o que acha que eu deveria ter feito? Relaxado e aproveitado o momento?

-Ok, já disse que sinto muito. Por Deus, o que esperava de mim? Mal conheci minha mãe e não tive irmãs. Passei toda minha vida entre homens, sobretudo com meu pai, que me dava surras tremendas cada vez que o desobedecia.

Hermione o escutava sem pretar muita atenção, até que suas palavras começaram a penetrar em seu cérebro. Esforçou-se então em fazer desaparecer seu mau humor.

-Meu pai era um peão - prosseguiu ele - e minha mãe não pôde viver com ele durante muito tempo. Fugiu quando eu tinha quatro anos. Ele, ocupou-se então de mim e sua idéia de disciplina, era me surrar quando fazia algo que não gostava. Tive problemas até para ir ao colégio, porque ele não acreditava na educação. Mas, então, eu já era maior que ele e podia me defender.

Isso explicava muitas coisas. Nunca tinha falado de sua infância, e tudo que sabia daquela época de sua vida, eram os vagos comentários de Neville a respeito de quanto a vida de Harry tinha sido dura.

Ela estudou seu rosto com curiosidade.

Harry acariciou então o lábio ferido.

-Sinto tê-la beijado assim.

Ela ficou vermelha como uma maçã. Sentiu como se seus olhos pudessem ver o que havia dentro dela.

-Nunca soube ser delicado – ele continuou - porque nunca soube como é ser tratado assim. E agora tenho trinta e oito anos, estou sozinho e não sei como cortejar uma mulher. E tudo isso se deve à minha selvageria. Essa – disse ele indicando o lábio - é a prova.

Olhou nos olhos dela enquanto a mão que tinha acariciado o lábio caía.

-Você não tem parentes?

-Nenhum – respondeu Harry, levantando-se e dirigindo-se para a janela - Fugi de casa uma ou duas vezes. Ele sempre me encontrava. Em um dado momento, aprendi a me defender e, então, cessaram as surras, mas então, eu já tinha quatorze anos e o mal já estava feito.

Hermione percorreu com o olhar a cozinha, até que deu com o que podia ser uma cafeteira. Então ficou em pé.

-Importa-se se fizer um pouco de café? Acho que estou precisando de um.

-Claro que não, embora me pareça estranho vê-la fazendo essas coisas.

-Por quê? - perguntou ela rindo - Sou uma garota muito caseira. Também sei cozinhar. Ou não se lembra dos jantares que meu tio costumava convidá-lo?

-Já se passaram muitos anos depois disso.

Ela ficou olhando o recipiente que estava enchendo de água. Como poderia confessar que se sentia muito violenta em sua companhia para sentir-se à vontade? Ele a deixava nervosa e não sabia dizer por que, o que piorava tudo.

-Estive muito ocupada para ter visitas - disse, tentando mudar de assunto quando reparou nas cortinas - Deveria colocar cortinas novas.

-Na verdade, preciso de muitas coisas novas, essa casa está caindo aos pedaços.

-Porque você quer –respondeu.

Fez uma careta quando viu a capa de gordura que cobria o teto em cima do fogão.

-Até o momento, não tive nenhuma razão para arrumá-la. Vivo só e não tenho muita companhia, mas contratei uma construtora para que façam uma reforma.

Aquilo era surpreendente. Hermione, virou-se para olhá-lo melhor, totalmente invadida pela curiosidade.

-Por quê? -perguntou sem pensar.

-Tem algo a ver com a razão pela qual trouxe você aqui - admitiu - Preciso de ajuda.

-Quem, você?

-Não brinque, por favor.

-Ok. O que quer que eu faça?

Harry hesitou antes de continuar falando, o que não deixava de ser estranho nele. Suas feições endureceram.

-Diabos! Olhe para mim - disse afundando as mãos nos bolsos do jeans - Você mesma disse para Gina que eu sou muito selvagem para estar com uma mulher, e tem razão. Não sei como me comportar com as pessoas. Não sei que garfo usar em um restaurante. O que quero de você é que me ensine um pouco de etiqueta.

-Eu?

-É claro que é você. Quem mais conheço com um pouco de cultura? Preciso que alguém me eduque.

-Depois de todos estes anos, por que agora?

-Mulheres! Sempre têm que saber tudo, não é?

-Diga alguma coisa, por pouco que seja...

-Ok – Harry suspirou profundamente e se passou uma mão pelo cabelo - Há uma mulher.

Ela não sabia se ria ou chorava. Ficou muito quieta, olhando para ele. Gina! pensou. Tinha que ser ela! Era a única possibilidade que fazia sentido.

Seu aborrecimento irracional pelo que dissera a Gina, sua súbita decisão de reformar a casa, coincidindo com o retorno dela a Sweetwater. Era isso. Estava apaixonado e pensava que Gina apegara-se muito ao jeito de ser dos homens da cidade, para que gostasse de alguém como ele.

Assim estava fazendo o sacrifício supremo de tentar transformar-se em um cavalheiro.

-E então? - insistiu ele olhando-a - Sim ou não?

-Certamente haverá alguém que possa fazer melhor.

-Ninguém como você - seu olhar pousou sobre ela, cheio de avaliação e de algo muito mais profundo que Hermione não foi capaz de ver - É uma dama. Não, não há ninguém que possa me ensinar melhor que você.

Ela ficou olhando a cafeteira fixamente – Encare isso como uma distração, algo para preencher suas horas livres. Não se sente sozinha às vezes?

Hermione levantou o rosto e olhou nos olhos.

-Sim - disse - Principalmente depois que meu tio morreu.

-Não sai com ninguém?

Ela voltou a sentir-se violenta. Havia uma razão para isso, mas não queria falar com ele, pelo menos, não nesse momento.

-Eu gosto de estar sozinha.

-Não é bom para uma mulher viver sozinha. Nunca pensou em se casar?

-Penso em muitas coisas. Como quer o café?

Encheu as xícaras e procurou leite na geladeira. O interior estava tão desordenado quanto o resto da casa.

-Não tenho leite, se for isso o que está procurando.

-Tem centenas de vacas no rancho e não tem leite?

-Isto não é uma granja.

-Mas uma vaca é uma vaca!

-Se quiser o maldito leite, vá e ordenha uma!

Ela então colocou os braços na cintura e ficou olhando fixamente para ele. Harry deu um passo para trás. Hermione deu um suspiro profundo e colocou as xícaras de café sobre a mesa.

-Isso é o que mais eu gosto em você - disse ele sentando-se em uma das velhas cadeiras.

-O quê?

Ele sorriu devagar e seus olhos verdes brilharam.

-Você me enfrenta.

Antes de poder pensar, ela respondeu:

-Pois ontem à noite você não gostou.

-Estava bêbado.

-Por quê?

Ele encolheu os ombros.

-Tudo me aborrecia. Comecei a pensar no quanto estou sozinho... Não esperava vê-la hoje, pensei que não ia querer voltar a falar comigo.

-Todos ficamos deprimidos às vezes, inclusive eu. Está bem, não foi nada - quando disse isto tocou o lábio inferior com a língua - Bem, nada que dure para sempre.

-O que você disse para Gina, era verdade - disse ele.

-Eu não queria dizer aquilo, ou do que o chamei ontem à noite. Não é um homem feio, Harry.

-Veja, finalmente consegui fazer um pouco de dinheiro e o investi em alguns negócios que vão dar bons lucros. Mas não há nada em mim que possa atrair uma mulher, física ou intelectualmente, você sabe.

Ela conteve a respiração. Ele acreditava nisso realmente? Lentamente percorreu-lhe com o olhar todo o corpo, reparando nos poderosos músculos de seus braços, seu peito poderoso e as longas pernas. Devia reconhecer que não estava nada mal. Até suas feições eram atraentes... se estivesse barbeado e bem penteado

De repente, lembrou-se do que dissera Gina a respeito de como ele se comportaria na cama e ficou vermelha. . . Ele a olhou bem a tempo de perceber seu rubor e franziu o cenho.

-Em que você está pensando para ficar assim?

Ela se perguntou o que ele poderia dizer se contasse que Gina e ela estiveram falando de seu possível comportamento sexual.

-Nada. Um pensamento bobo.

-Vinte e seis anos e ainda ruboriza como uma virgem - murmurou ele observando-a - Você ainda é? – perguntou sorrindo.

-Harry James Potter! - exclamou ela.

-Como sabe meu meu nome completo?

-Fiquei sabendo quando meu tio vendeu essas terras.

-Ah, sim! Ainda não me respondeu. Vai me ensinar a me comportar?

-Harry, qualquer mulher que o ame não vai levar em conta seu jeito de ser... - começou a dizer ela diplomaticamente.

-Essa mulher sim .

Hermione de repente sentiu uma onda de ciúmes envolvê-la, sem saber por que. Era ridículo!

-Bem...

-Não sou um idiota, posso aprender.

-Ok, concordo!

Ele pareceu relaxar um pouco.

-Magnífico! Por onde começamos?

Olhou atentamente para ele, pedindo ao céu que a ajudasse, ia precisar de um milagre.

-Você precisa de roupas novas, um bom corte de cabelo, fazer a barba...

-Que tipo de roupa?

-Camisas, meias, alguns jeans, e dois ternos.

-De que tipo? Cor?

-Bem. Eu é que vou saber?

-Tem que ir comigo a Phoenix. Acho que lá encontraremos o que precisamos.

-E por que não vamos à loja do povoado? – ela protestou

-Porque você não ia gostar que nos vejam juntos por lá.

-Ok, iremos a Phoenix.

-Amanhã. É sábado - recordou ele quando ela já ia protestar - Não acredito que não tenha nenhum negócio que não pode esperar até segunda-feira. Você trabalha muito, então, tire um dia de folga. Eu pago seu almoço. Assim, você aproveita a oportunidade e me ensina algo sobre a maneira de comportar-se na mesa.

Aquilo não parecia ser um trabalho para as horas livres, mas, de repente, percebeu que não importava. Esse projeto poderia ser divertido afinal.

Além do mais, ele não era um caso perdido. Seu físico era magnífico. Como não tinha reparado nisso antes? Pegou sua xícara e bebeu o que restara de café enquanto Harry bebia o dele.

-Primeira lição - disse para ele indicando a xícara - beba aos poucos, não de uma vez - quando ele tentou fazer o que ela dizia, e conseguiu, Hermione sorriu para ele. Harry devolveu o sorriso e uma estranha sensação percorreu suas costas. Tinha que tomar cuidado, pensou. Antes de mais nada, o estava preparando para outra mulher, não para ela. E depois se perguntou a razão pela qual esse simples pensamento a deprimia tanto.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.