FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

9. Capítulo 8: Uma reunião nada c


Fic: Férias de Verão


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

CAPÍTULO 8: UMA REUNIÃO NÃO CONVENCIONAL

Ela estava atrasada para a reunião de hoje. Tinha que correr para poder chegar em cima da hora. Como pôde dormir tanto. Será que era a famosa “resistência” da qual falam os psicanalistas trouxas? Ela tinha lido muita coisa sobre psicologia e áreas afins ultimamente e andava com muitos termos dessa área na cabeça. Desceu as escadas correndo, entrou como um furacão na cozinha parou e bebeu um copo de leite em pé mesmo.

- Gina Wesley! Sente e coma alguma coisa!

- Desculpe mãe... não dá tempo – e a ruiva deu um beijo no rosto da mãe. – Tchau pai – e outro beijinho na testa de Arthur Wesley que estava sentado lendo O Profeta Diário.

- Tchau meu amor – respondeu ele – mas você tem que se cuidar. Como disse um filósofo trouxa, ou um médico trouxa... não sei bem quem foi, mas algum trouxa disse: médico, cura a ti mesmo.

- Certo pai – ela sorriu – eu vou me cuidar – CRACK! Desaparatou.

Chegou no St. Mungus correndo e dirigiu-se para sua sala. Mais uma reunião com ele. Isso sempre a deixava apreensiva. Mas tinha que ser feito... a segurança do hospital era muito importante. Uma vez por mês ela tinha uma reunião com o chefe do departamento dos aurores para cuidar disto.

Ela sempre ficava apreensiva. Não que tivesse medo de algo... mas às vezes se tornava angustiante. Uma coisa era estar em um grupo com ele, outra era ficarem sozinhos. Aqueles olhos a observando... Harry Potter sabia muito bem ser objetivo em algumas ocasiões, apenas trabalho! Mas em determinados momentos a tristeza naquele olhar a incomodava. Queria fazer alguma coisa por ele. Queria que ele entendesse toda a situação que foi criada e que não tem volta. Queria que ele seguisse sua vida, assim como ela seguiu a dela, por isso inventou as tais aulas de como lidar com as mulheres. O pior é que ela sabia que ele tentava, mas sempre parecia faltar algo. Ao menos ele não testava as dicas que ensinadas com ela, ia ser no mínimo engraçado. Ele já sorria abertamente, o que por um tempo todos pensavam que jamais ia acontecer. Já brincava com todos e até fazia piadas com sua “fama”... Mas o espaço que continuava sempre vazio.

Gina pensou em como tudo podia ter sido diferente. Naquela época bastava uma simples palavra dele, um simples gesto e tudo teria sido diferente. Lembrou-se da vez em que imaginou que esse gesto tinha chegado.

***FLASHBACK***

Foi um dia antes do casamento do Gui e da Fleur. Os gêmeos tinham encarregado Gina de testar seu mais novo invento: um pó que causava uma crise de soluços irritante. Os gêmeos deixaram isso ao encargo dela para animá-la, já que ela andava meio tristonha devido a decisão de Harry. Foram eles quem consolaram a irmãzinha, para o resto do mundo, ela parecia uma fortaleza. Era assim que tinha que ser.

Já tinha testado em Monstro (Hermione não podia nem sonhar com isso!), mas precisava de cobaias humanas. E quem melhor que Ronald Wesley? Pegou um pacotinho, que devia dar para uns 10 minutos de soluços e soprou no irmão que estava conversando, ou melhor gaguejando com uma prima veela Fleur, Amélie. Todos os outros estavam ocupados com os preparativos para a festa. Imediatamente ele teve uma crise de soluços, que o deixou irritado e com as orelhas vermelhas. Hermione lia um livro no sofá, apenas riu e escondeu seu rosto atrás do livro. Harry que estava ao pé da escada brincando com um pomo de ouro não segurou o riso diante da situação do amigo e achou melhor subir antes que ele o visse. Gina ao contrário, escondida atrás da parede, dava gargalhadas e dizia “Funcionou! Funcionou!” em meio a uma dancinha da vitória. Talvez isso não tenha sido uma boa idéia pois ele percebeu.

- Você hic! fez hic! isso?! hic! Eu te mato hic! Gina!!!!

Gina segurou o riso e disparou em direção as escadas, com Rony em seu encalço. A prima de Fleur estava assustada e Hermione apenas revirou os olhos. Gina subiu as escadas como um raio e esbarrou em Harry que passava pela porta do quarto da garota. Ela estava tão esbaforida que nem percebeu quando entrou no quarto empurrando o moreno. Assim que entrou fechou a porta e pronunciou: Colloportus! A porta estava trancada. Eles tinham a respiração pesada, pois não paravam de rir. Harry olhou pra ela pedindo uma explicação.

- É mais uma invenção dos gêmeos – explicou ela em meio às gargalhadas – E eu não vou abrir esta porta. Acho que estamos presos aqui, ao menos até o Ron se acalmar.

- ABRE hic! ESSA PORTA hic! GINEVRA MOLLY hic! WESLEY!!!!! HARRY hic! NÃO hic! ESCONDE hic! ELAhic! – A voz de Rony foi ouvida do lado de fora.

- Vem Rony – agora era a voz calma de Hermione – Vamos tentar fazer um contra feitiço...

- MAS hic! ELA hic!... EU hic! TENHO hic!

- Depois, quando o efeito passar vocês se acertam – e consegue arrastá-lo para o “quarto laranja”.

Dentro do quarto de uma certa ruiva...

- Ele tá furioso! Quanto tempo dura o efeito? kkkkk – Perguntou Harry.

- Quinze minutos kkkkkkkkkkkkkkkkk.

- Tem certeza – ele limpava as lágrimas dos olhos de tanto rir.

- Tenho, testei no monstro antes.

- Você tá doida?! A Mione vai te matar!

- Não se ela não souber – ela tinha um sorriso zombeteiro nos lábios.

De repente o mundo parou para aquele garoto de dezessete anos. Não havia mais nada lá fora... Somente existia o sorriso se Gina Wesley, o brilho daqueles olhos castanhos. Ela percebeu a maneira como estava sendo observada e corou furiosamente. Então Harry Potter voltou a si.

- Tenho que sair daqui... – disse indo para a porta – agora!

- Não, o Ron...

- Alorrom...

- Não! – ela ficou entre ele e a porta – O Rony tá uma fera... E não é só comigo! Você me “escondeu” aqui, lembra? – disse ela fazendo o sinal de aspas com os dedos.

Ele caminhou para a janela. Precisava de ar... Precisava ficar o mais longe dela possível. Onde não pudesse ver seus olhos, sentir seu perfume. Droga! Se ela era forte e havia superado, ele não era! Ela sabia que era preciso que ele fosse embora, mas algo em seu peito dizia que ela não deixasse isso acontecer. Ela precisava que Harry Potter a olhasse daquela maneira. Precisava daquele brilho verde novamente voltado para si.

- Eu... Preciso... Sair... – havia súplica em seu olhar – será que você não entende?

- Não! – respondeu ela. Ele fechou os olhos em desespero.

- Gi... Não tá sendo fácil pra mim!

- E pra mim está? Desculpa te desapontar Harry, mas não está! – depois se arrependeu do que havia dito, então emendou em tom mais ameno – mas eu não quero ficar me escondendo de você pelos cantos. Isso não é possível!

- Eu sei... Mas é que eu sinto uma vontade louca de... de... – parou em um suspiro.

- De quê? – havia ânsia em suas palavras.

- De te tocar, te beijar, de... Droga! – toda a calma havia ido embora – Ah Gina, eu sou doido por você!

- Então faça!

- O que? – ele olhou assustado para a garota.

- O que você tem vontade. Faça! Agora!

Ele nem ousou pensar. Cruzou o espaço que os separava em uma fração de segundo e encostou a ruiva na porta trancada. Tomou o rosto dela em suas mãos e capturou seus lábios em um beijo quente, forte, cheio de sentimento ao qual ela correspondeu de imediato, jogando seus braços ao redor do pescoço do garoto que logo desceu as mãos para a cintura dela. Obrigada! Meu Merlin! Ela sentia todo o sentimento de tantos anos jorrarem dentro dela. Ela se sentia amada, profundamente amada...

Harry nunca a havia beijado dessa forma, com ardor, com o desespero de quem quer algo em demasia, mas isto lhe é negado. As mãos dele percorrendo seu corpo deixavam-na arrepiada... Era um sentimento gostoso. Na verdade, era maravilhoso. Esperava que ele estivesse sentindo o mesmo com seu toque, hora macio, hora violento como o momento que passavam. E ele estava sentindo o mesmo. A razão do garoto-que-sobreviveu já não existia mais. Ele era somente sensações, e estava adorando ser assim.

Quando precisaram recuperar o fôlego, se olharam com ternura... Ele a trouxe para mais perto e sentou na cadeira da escrivaninha que havia ali, fazendo com que ela sentasse em seu colo, de frente para ele. Gina retirou delicadamente os óculos do rosto do moreno e voltaram aos beijos. Ficaram alguns minutos ali curtindo aquele momento, sem lembrar de casamento ou de Ordem, ou de Voldemort, muito menos de um Rony azarado.

- Gina! – a voz de Molly Wesley foi ouvida do outro lado da porta – Querida, precisamos de sua ajuda...

Separaram-se ofegantes e embaraçados. Olharam-se por um instante. Lábios inchados, roupas amassadas, desejo e juras no olhar.

- Tô indo mãe! – respondeu Gina enquanto se levantava hesitante do colo do ex-namorado.

Ele agora, olhava para o chão. Estava confuso. Como tinha se deixado levar dessa maneira? Olhou pra garota a sua frente, que agora também fitava os seus sapatos. O que ia fazer agora... Foi tudo tão... Maravilhoso! O que dizer numa hora dessas? O monstro em seu peito urrava para que não dissesse nada, apenas a abraçasse e se entregasse novamente. Uma vozinha em sua cabeça gritava para que continuasse ali e a jogasse em cima da cama. Mas precisava dizer alguma coisa! Sabia que ela estava esperando isso.

- É melhor descermos, antes que sua mãe venha nos chamar novamente – foi tudo o que pôde dizer Idiota!!!! Xingava-se mentalmente.

- Tem razão. – disse ela se recompondo na frente do espelho Idiota!, pensou ela, Melhor seria se não tivesse dito nada! – Vamos então? – O olhar dela era duro agora. Estava confusa, estava com raiva... Mas também se sentia amada. Sabia que era por isso que ele estava fazendo isso.

- Alorromora! – murmurou ele.

E desceram como se nada tivesse acontecido.

***FIM DO FLASHBACK***


Talvez se tudo tivesse acabado aqui, as coisas teriam sido diferentes, pensou ela.

- Bom dia minha ruiva! – uma voz masculina tirou a medi-bruxa de seus devaneios.

- Não sou sua ruiva Draco – respondeu ela sorrindo – não mais!

- Quem sabe no futuro? A vida é cheia de surpresas...

Ela sorriu e levantou as sobrancelhas em descrédito. Ele apenas lhe lançou um olhar galanteador... logo após ela explodiu em gargalhadas.

- Só de fazê-la rir, já me sinto um felizardo!

- Tá bom... Agora preciso ir, já tô atrasada.

- Ah, você tem a reunião hoje né?

- É, você sabe se ele já chegou?

- Ele, seria o Potter?

- Sim Draco, é o Harry.

- Ele já chegou sim, e está esperando por você, aliás – acrescentou em tom debochado – ele não cansa de esperar por você.

- Draco!

- Sim? – ele se fez de desentendido.

- Tudo bem – ela revirou os olhos – e aquele paciente, o senhor Wishister?

De repente o tom do louro se tornou sério e profissional. Ele podia ser muito brincalhão e irônico, mas quando se tratava de trabalho tudo mudava.

- Esse paciente não está respondendo às poções que já foram desenvolvidas até agora. Parece ser um caso raro.

- Então, não há nada a ser feito?

- Eu falei que ele não responde às poções que já existem. – enfatizou com brilho nos olhos – Estou pesquisando uma nova erva, da família das brationias, parece que tem efeitos muito poderosos. Farei uma efusão com ela, e depois de alguns testes... acho que posso ministrar a efusão em dois dias.

- Muito bom – disse ela com um sorriso no rosto – estou orgulhosa de você Draco.

- Eu disse que você não ia se arrepender em me dar o emprego. E você não vai!

- Eu tenho certeza disso.

- Agora corre, minha ruiva... senão o Potter pode ficar preocupado. Imagina só... se atrasar para uma reunião importantíssima por causa de um sonserino.

- Draco... dá um tempo! – revirou os olhos e sorriu - Mas tenho que ir mesmo. Tchau! – e ela já ia correndo pelos corredores quando voltou – Ah, depois quero saber mais sobre essa tal erva e sua efusão viu?

- Claro. Podemos fazer uma reuniãozinha após o expediente...

- Tchau Draco! – cortou a ruiva enquanto ia à direção à sala de reuniões.

**********************************

A sala estava vazia. Ou quase. Em um canto dela, sentado em uma larga poltrona azul-marinho estava um homem de cabelos escuros e olhos verdes. Ele passava os olhos por alguns papéis. Eram os relatórios da segurança do hospital St. Mungus. Tudo parecia normal: os números, os relatos, tudo estava em ordem. Mas o homem ali ainda não tinha reparado nisso. Seus olhos podiam estar no papel, mas seu pensamento estava em uma certa mulher, a diretora daquele hospital. Ela estava muito atrasada e isso nunca tinha acontecido antes. Ele estava preocupado. Sabia que Gina não se atrasaria a toa. Era muito responsável. E se tivesse acontecido alguma coisa com alguém na Toca? E se tivesse acontecido alguma coisa com ela? Harry balançava os pés em sinal de nervosismo. Daria mais dois minutos, só mais dois minutos. Então iria perguntar por notícias dela. Só mais dois minutos... não. Dois minutos é muito tempo. Resolveu levantar e procurar por ela imediatamente. E se ela estivesse precisando dele? Levantou-se de um salto, jogou os papéis de qualquer jeito em cima da mesa e... ouviu a maçaneta da porta girar. Levantou os olhos e enxergou um mar de cabelos vermelhos adentrar na sala. Gina Wesley olhou para ele e deu um sorrisinho sem graça.

- Desculpa o atraso – disse esbaforida – fiquei até tarde ontem examinando alguns casos e perdi a hora... Então vim correndo pra cá.

- Tudo bem? Quer dizer... você está bem? Tem dormido direito? Está se alimentando bem?

- Harry... eu agüento isso de todo mundo... mas de você... Olha, eu não preciso de um irmão mais velho sabia? – disse em tom de brincadeira.

- E eu nem quero parecer seu irmão mais velhos Gina. – silêncio... – Bom, não tem problema pelo atraso. Eu aproveitei enquanto você não chegava e dei uma olhada nos relatórios da segurança – mentiu para quebrar o clima.

- Então, o que achou.

Ele pareceu pensar um pouco, pegou discretamente os papeis e correu os olhos por eles rapidamente.

- Parece tudo normal. Alguns casos isolados, talvez... Não deu tempo de examinar tudo detalhadamente.

- Certo então – nessa hora a fome apertou. Gina não havia jantado direito na noite passada e não havia tomado café. Então seriam mais de doze horas sem uma refeição decente. Ela fechou os olhos e respirou fundo. Tinha medo de seu estômago roncar e Harry ouvi-lo.

- Gina... você tomou café? – ele a encarou.

- Não estava com fome – mentiu tentando transparecer descaso.

- Ginevra... – ela o olhou se fazendo de desentendida, ele continuou em tom repreensivo – Você não comeu nada hoje?

- Não... – disse como uma criança que confessa alguma traquinagem.

- Ah, não Gi! – o tom dele foi de acusador a preocupado – Você tem que se cuidar. Se você adoecer, o que vai ser desse lugar?

- Ta bom... assim que a gente acabar aqui eu vou comer alguma coisa.

- Não, você vai tomar café agora!

- E os seus horários? Nossa reunião termina daqui a uma hora, por causa de seu trabalho no ministério. Não quero atrasar você também.

- Podemos tomar café enquanto examinamos os papéis. Assim ninguém perde tempo e você não fica com fome.

- Er... certo – disse após pensar um pouco – Vamos pra cantina...

- Não Gina! Você não vai comer bobagens... nada de tortinhas. – ela olhou intrigada para ele – Sinto muito, eu sei que a comida dos pacientes é ótima, mas a cantina daqui só serve bobagens. Não tem nada nutritivo aqui!

- Certo Molly-Wesley-de-olhos-verdes, e para onde vamos então?

- Vamos a um restaurante aqui perto.

- Você já tem um em mente?

- Não, mas isso não é algo muito difícil de se achar. Se for preciso vamos até minha casa que não é muito longe. Dobby adoraria cuidar da sua alimentação – disse zombeteiro – ele cuida da alimentação de todo mundo.

- Mas, Harry...

- Sem mas, mocinha.

- Certo. Você venceu. Mas só porque estou com fome... E o Dobby cozinha bem ta? – fez carranca.

- Se aparatarmos ainda é melhor.

- Ótimo. Vamos?

- Depois de você.

- Ei, eu não vou fugir sabia?

- Não estou dizendo isso...

- Ei, ei, ei... eu tô brincando! Tchau!

Ela sorriu para ele. CRACK! Ele sorriu sozinho. CRACK!

Gina chegou na casa de Harry e um segundo depois ele apareceu do seu lado.

- Dobby! – chamou.

- Sim Harry Potter meu senhor, o que deseja? Ah, senhorita Wesley! Como vai?

- Bem, obrigada Dobby. – sorriu ela.

- Dobby, a Gina veio tomar café comigo hoje.

- Mas o senhor já tomou café meu senhor.

- Não tem nada não. Eu como de novo. Afinal sou um homem em crescimento Dobby!

- Crescimento? Tem que ter cuidado para não engordar.

Gina sorriu. Harry também.

- Bem reforçado e nutritivo!

- Certo meu senhor. – e saiu para preparar a comida.

- Não precisava incomodar o Dobby...

- Não é incômodo. Que tal analisarmos os relatórios enquanto esperamos?

- Tudo bem.

Eles examinaram os papéis e como Harry havia dito antes, estava tudo em ordem. Graças a Merlin! Pensou ele. Em pouco tempo Dobby chegou com a comida: panquecas, geléia, suco e frutas. Continuaram com o trabalho enquanto comiam, mas desistiram quando perceberam que não havia nada para fazer.

- Ah, essa geléia de morango que o Dobby faz é simplesmente perfeita!

- Ele sabe que você gosta.

- Vou vir tomar café aqui mais vezes. – disse saboreando mais uma panqueca.
- Pode vir. Você tá cansada de saber que essa casa é sua. – Harry falou antes que pudesse pensar no que havia dito.

Gina ficou uns instantes em silêncio, depois sorriu e falou:

- O que uma amizade de muitos anos não faz? Aquele negócio “dê dinheiro, mas não dê o cabimento” né? – sorriu nervoso – Depois de um tempo até nos apossamos da casa dos amigos...

- É. – disse Harry nervoso – Gina, você... sabe será que nós dois... você não quer jantar comigo hoje?

- Não posso... tenho muitos casos para analisar... na verdade, tenho que ir agora e você também né?

- Tenho sim.

Gina entrou na cozinha e encontrou o elfo doméstico lavando a louça.

- Obrigada Dobby, sua comida é ótima! – sorriu a ruiva.

- Disponha sempre senhorita!

Ela voltou para o cômodo onde Harry estava.

- Até logo então – e deu um beijinho no rosto do moreno – Podemos jantar outro dia.

- Claro – disse ele num sorriso sem graça.

- Obrigada Harry... você é especial! – ele sorriu e ela desaparatou.

Harry Potter ficou alguns minutos olhando para o local onde a amiga desapareceu, talvez esperando que ela voltasse.

***FLASHBACK***

Um pontinho de luz vinha em direção da casa nº 4 da R. dos Alfeneiros. Com a aproximação é possível distinguir um cachorrinho brilhante que corre depressa e adentra a casa.

- O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI?! JÁ DISSE QUE NÃO QUERO ESSES FENÔMENOS ANORMAIS NA MINHA CASA!!!!!!!!!

Harry, que estava saindo do banho, veste-se correndo e ainda com os cabelos pingando chega a cozinha, onde vê o cachorrinho sentado de frente a um tio Valter, com sua habitual cor púrpura estampada na face, latindo e abanando o rabinho. Um grande sorriso aparece nos lábios do garoto: “não pode ser...” Ao perceber a presença do bruxo o cachorro se atira em seus braços em nítido sinal de felicidade.

- MENINO, O QUE É ISSO? EXPLIQUE-SE!

Mas o garoto não parou para responder a nenhuma pergunta, apenas guiou o cachorrinho, o patrono do Rony, para as escadas. Antes, porém, pode ouvir um pouco da conversa que se seguiu a sua retirada:

- Deixe o menino, Valter! Ele está tão quieto que nem parece que está em casa. Este foi o primeiro sorriso que ele deu em semanas – A voz de tia Petúnia mais parecia um sussurro.

- Por isso mesmo, deve estar aprontando...

- Acho que não devemos mais perturbá-lo tanto. Já não o fizemos infeliz o suficiente?

- O que é isso? Dor de consciência dezesseis anos depois, Petúnia?

- Não, só acho que ele tem o direito de escolher seu caminho. Se ele quer ser um... bruxo...

- Que seja bem longe de nós então!

- Ele será Valter...

Assim que a porta do quarto se fechou, o cachorrinho subiu na cama de Harry e sentou-se olhando para o garoto que fez o mesmo.

- E aí cara, tudo bem? – Era a voz de seu melhor amigo, Rony Wesley – Ta, eu sei que não... mas olha, amanhã é seu aniversário e finalmente o tal feitiço que te prende aí vai acabar. Ei, meu amigo vai ser maior de idade... ah, eles crescem tão rápido... – e a voz saiu em um tom afetado e irônico, típico do ruivo – Bom, mas agora vamos aos recados: o casamento será daqui a uma semana. Portanto amanhã antes do meio-dia, Tonks e companhia irão buscá-lo. Temos muito que conversar e planejar. A Mione já tá aqui... e os pais dela também (não sei porque, mas isso ta me deixando nervoso pra caramba....). Então até amanhã cara... Ah, gostou do novo “correio”, foi a Tonks que ensinou, parece que somos da Ordem agora, já estamos até nos comunicando como eles!

E o cachorrinho desapareceu como um fio de fumaça no ar. Mas não importava, Harry estava exultante com a idéia de voltar à Toca. De rever seus amigos, de rever Gina... Isso, só olhar para ela, só estar perto dela, isso o faria muito feliz. Apressou-se em arrumar seu malão com todas as SUAS coisas. Fazia questão de deixar as roupas de Duda que lhe foram dadas como esmola. Após guardar tudo resolveu descer e dar a notícia que tanto alegraria o seu “querido tio”.

Eles, Rony e Hermione, haviam cumprido a promessa feita e tinham ido com Harry para a casa dos Dursley. Entretanto não passaram muitos dias lá. Como era de se esperar, seu tio não gostou nada da idéia. Apesar de eles quase não saírem do quarto e quando o faziam, era para ficar nas ruas próximas (lendo e pesquisando), o clima foi se tornando cada vez mais insuportável. Além do mais, os Wesley precisavam de ajuda para os preparativos do casamento (e Rony possuía braços fortes para isso), e os Granger solicitavam a presença de sua filha. Como Harry ainda estava protegido na casa dos tios, então liberou os amigos da promessa e eles, mesmo que resistentes, voltaram para seus lares.

No dia seguinte, tudo ocorreu como Rony dissera. A despedida dos Dursley foi rápida. Entretanto, desta vez Harry viu algo diferente no olhar de sua tia. Remorso, ou pena, quem sabe até carinho. Ele não pôde distinguir, mas de toda forma, sentiu uma vontade repentina de sorrir para ela e o fez. Ela retribuiu, ele pôde ler nos lábios dela a frase “eu confio em você”, então aparatou com Tonks.

Quando chegou na Toca, foi recebido com alegria pelo casal de amigos. Praticamente todos tinham saído para resolver alguma coisa do casamento. Só ficaram lá Rony, Mione e algum pessoal da Ordem.

- Ah, Harry! Você tá bem? – Perguntou Hermione abraçada a ele. – Feliz aniversário!

- Obrigado Mione!

- E aí cara? Finalmente maior de idade!

Harry devolveu o sorriso para o amigo. Recebeu os respectivos presentes e alguns minutos depois, eles subiram para o quarto de Rony e encostaram a porta. Agora era o momento de traçarem os planos.

- Estudei muito. Li vários livros. Revirei “Hogwarts, uma história” pelo avesso e não consegui uma luz sobre o que poderia ser o objeto de Ravenclaw, muito menos o de Grifindor. – argumentou Hermione – estou me sentindo perdida! – completou frustrada, sentando na cama de Rony.

- Eu pensei, sei lá... que podiam ser objetos que representassem as características dessas Casas. – disse Rony

- Eu também pensei por aí – pronunciou-se Harry – Tem que ser algo representativo para o cara-de-cobra...

- Se formos por esse raciocínio, então o objeto de Ravenclaw seria um livro e o de Grifindor... talvez a espada – Hermione falou com cautela.

- A espada? Não sei... será que se pode destruir um Horcrux com outro?

- Não, eu destruí o Diário com a presa do basilisco... mas a espada?

- Ainda precisamos pesquisar muito antes de sair. – disse a morena – De que adianta partir para destruir algo que nem sabemos o que é?

- Sabe, eu andei pensando – o garoto-que-sobreviveu encarou os amigos – vocês podiam ficar aqui, pesquisar e me passar as informações...

- O quê?! – Hermione se levantou.

- O que você tá tentando fazer cara? Se tá tentando proteger a gente pode ir desistindo!

- Nós não precisamos de proteção. Precisamos ajudar você.

- Prometemos isso e vamos cumprir a promessa.

- EU NÃO QUERO VOCÊS SE ARRISCANDO POR CAUSA DE UMA PROMESSA IDIOTA!

- Não estamos “nos arriscando por causa de uma promessa idiota” e sim estamos indo para te ajudar, porque gostamos de você e queremos estar ao seu lado – Hermione empurrava o dedo no peito do amigo.

- Nem tente nos convencer do contrário. Somos maiores de idade e podemos fazer o que quisermos, inclusive “nos arriscar”! E não nos venha com estes motivos nobres idiotas pro nosso lado! – Rony estava vermelho como um tomate.


Um silêncio pesado pairou sobre eles. Harry foi para o fundo do quarto onde sumiu atrás da porta aberta do guarda-roupa enquanto arrumava suas coisas junto das de Rony. Os dois amigos voltaram a sentar um ao lado do outro quando de repente a porta se abriu e Ginny entrou como um furacão, sentou-se na segunda cama de frente para os amigos e de costas para o guarda-roupas tão afogueada que nem percebeu a terceira pessoa no quarto:

- Eu já disse que odeio a Fleur?

- Hoje... ainda não – disse Hermione esboçando um sorriso zombeteiro.

- Então lá vai: Eu odeio a Fleur!!!! – Harry se virou e ficou admirando as costas daquela moça – Principalmente agora que ela e mamãe são amississíssimas...

- Que foi que ela fez agora – interrompeu Rony com o mesmo sorriso de Hermione nos lábios.

- O que foi que ela fez? É melhor perguntar o que ela não faz! Ela inventa cada coisa ridícula! Me fez ir experimentar aqueles vestidos ridículos de dama-de-honra – ela levantou e começou a imitar os trejeitos e sotaque carregado da francesa – Non, non, no! Rrrrrôsa nãem pensarrr! Non dar um bom contrrrast com os cabelos de Ginny! Você non concorrrrd Mollí? - e voltando ao normal – só faltava agora ela querer que eu pinte os cabelos! Então finalmente ela encontrou um vestido “champagne” e achou Lindo! Perrrrfeiti! Non acha Mollí? Non ficou um grrracinhe? Combinou perrrfeitemant com a pele de Ginny e Grrrabielle. Ahhhh, eston parrrecendi dois bonequinhes de porrrcelâne! Grrrrrrr! O vestido tem luvinhas. Vocês acreditam? Luvinhas!E manguinhas de renda!

- Calma Gi, é só por um dia.

- Um dia? Estou há quase dois meses agüentando a encheção de saco dela e você me manda ter calma? É por que não é com você! – a expressão dela tornou-se ilumindada – Peraí. A Fleur tá me enchendo o saco por nada! – os dois amigos se olharam intrigados, Gina se levantou e caminhou em direção a Hermione – você é perfeita pro que ela quer!

- Gina, dá um tempo!

- A pellllle brrranquinhe de Herrrmiounni ser perrrfeita! – Gina passou a analisar Hermione com os olhos estreitos – Ficarrrria uma grrracinhe com o tom de rrrrosa que ela querrr. Com os cachos cainde em cascaquate pelos ombrrrros... parrecerria um bonhequinhe de porrrrcelane! Um anjinhe!! – Gina arregalou os olhos – Vou dar a idéia para ela agora mesmo.

- Nem pense nisso! – Hermione se levantou de um pulo, Rony e Harry apenas riam da situação – Eu não tenho nada a ver com essa história. Além do mais... passei da idade de ser daminha!

- Passou nada! Por que só eu tenho que pagar o mico?

- Ora porque? Porque você é irmã do noivo. Não é óbvio?

- Ah, belo argumento! Você é como se fosse da família. Praticamente cunhad...

A porta do guarda-roupa bateu. Não foi um gesto pensado. Foi totalmente sem querer. Harry não podia acreditar que Gina ia dizer aquilo. Não que ela não devesse dizer. Mas ele acreditava que aquele momento era inoportuno e só ia gerar brigas. Gina virou-se automaticamente com o barulho e a frase morreu em sua garganta. Ela só conseguiu ficar paralisada. Hermione conduziu Rony para fora do quarto, alegando que eles precisavam de um momento a sós. Rony não gostou muito da idéia, mas não ia discutir com Hermione.

Harry olhava para a garota a sua frente e mal conseguia respirar. Reuniu todas as suas forças para não agarrá-la e beijá-la. Isso era tudo o que ele queria. Tudo o que o monstro em seu peito pedia.

- Er... oi.

- Harry? Eu... eu não sabia que... você já tinha chegado.

- Bem, eu... eu acabei...

Mas não pôde completar a frase. Sua visão foi tomada pelo vermelho dos cabelos de Gina. Apesar de Harry ter conseguido se conter, a ruiva não se permitiu isso. Ansiava pelo contato com o corpo do ex-namorado. Precisava dele. Da presença dele. Da visão dos seus olhos refletidos nos dele. Sentiu braços rodearem sua cintura, apertarem suas costas. Um abraço forte... um abraço suave... um abraço para matar aquele demônio frio que era a saudade. Ficaram um tempo assim... apenas quietos... apenas abraçados. Nenhum movimento era sentido a não ser a respiração dos dois.

- Você está bem? – sussurrou ela ao ouvido do rapaz depois de algum tempo.

- Estou me sentindo maravilhosamente bem... agora.

- Feliz aniversário!

- Obrigado.

Ela se afastou um pouco, mas sem sair do abraço, para poder olhá-lo nos olhos. Ele trouxe as mãos para acariciar o rosto dela enquanto fitava seus olhos. Um sorriso dela fez com que o garoto voltasse o olhar para os lábios rosados. Um suspiro fez com que visse que Gina estava de olhos fechados. De repente os olhos se abriram e por alguma razão, que somente a razão podia explicar, o encanto se rompeu. Os braços dele se afrouxaram. Ela sentiu necessidade de trazê-los de volta para rodear seu corpo mas o bom-senso venceu.

- É... você me parece bem – disse ela, ele respondeu com um olhar confiante – Ah, e desculpa pelo abraço. Foi por impulso...

- Ah, não... tá tudo bem...

- Mas amigos se abraçam né?

- Claro... amigos se abraçam.

- Merlin! – ela olhou para o chão e sorriu – a Fleur me perturbou tanto hoje que até esqueci que você tava chegando.

- É. Eu percebi que você está um pouco chateada com ela.

- Um pouco?! Ela tá me deixando maluca! – o clima já estava descontraído – Você viu meu showzinho né?

- Vi. Você leva o maior jeito pra Fleur Delacour – zombou ele.

- Pirou?! Deus me livre! – e olhou para a porta – Acho melhor descermos. Mamãe vai ficar eufórica quando te vir. Vem! – e estendeu a mão para ele que a segurou.

Ela foi na frente, praticamente rebocando Harry que ia atrás dela. Mas quando estavam no corredor ela parou de repente fazendo o garoto dar uma trombada. Gina olhou para ele como se nada tivesse acontecido e perguntou:

- Você não acha que a Mione daria uma ótima dama-de-honra? De vestido rosa e tudo?

- Eu... – hesitou um instante com um enorme sorriso no rosto – eu acho sim.

- Ótimo. Então vamos convencer a Fleur disso!

E dispararam para a cozinha. Naquela noite o jantar foi especial. Todos da Ordem participaram. Era uma data importante. Era o aniversário de 17 anos de Harry Potter.

***FIM DO FLASHBACK***


****************************

E então? Gostaram? Este foi o primeiro capítulo dedicado inteiramente a H/G... ainda não explicou muita coisa, eu sei, mas teremos tempo pra isso.

Bom, primeiro eu queria dar uma notícia... não sei se vocês vão gostar... é que eu andei fazendo um esboço do que eu ainda quero pôr aqui... e de repente tomei um susto! Serão aproximadamente 27 capítulos!!! O que vocês acham? Será que vai ficar muito longa? Sei lá, tenho medo de vocês enjoarem, porque... tipo, não é um fic de ação e geralmente são estas que se estendem mais. Então eu gostaria de sabe opiniões... quem sabe eu tire alguma coisa... No mais, tudo está ótimo comigo, e sempre que posso estou adiantando a história. Agora vamos às respostas:


Nary: Olá minha amiga linda!!! Obrigada por ter comentado... fiquei muito feliz mesmo! Agradeço imensamente os elogios (vindos de uma escritora experiente como você ^.^). Mais uma que passou a ver o óbvio: R/H 4ever!!!! Te adoro muitão!!! Ah, e você merece um ruivo superior kkkkkkkkkkkkk!!!! Bjos...

Kelly: Obrigada!!! É sempre maravilhoso receber o feedback de vocês... Sei que às vezes demoro um pouco a postar, mas estou fazendo o possível. Escrever para mim, é um prazer! Muchos besos!

Paula Eliza Granger: Nossa!!! Que maravilhoso ler seu comentário, obrigada mesmo! Eu gosto mesmo de cutucar os personagens... *autora com sorriso malicioso* E a brincadeira está só começando... ^.^ Beijos...

Priscila: Eita! Que bom que andei mexendo com a imaginação das pessoas... Mas realmente, imagina só: ter aulas de vôo com um ruivo maravilhoso daqueles agarrado na cintura *autora com expressão sonhadora*. E uma massagem daquelas... eu não teria me segurado kkkkkkkkkkkkkkkkk Mas sabe como é, eles dois são meio tapados mesmo. Um dia eles acordam, eu prometo!!! Também prometo ir sempre à sua fic, porque ela está ótima! Aproveito para fazer propaganda dela aqui: LEIAM!!! “DEPOIS DO FUNERAL” É ÓTIMA!!!!! Principalmente pra quem gosta do nosso querido e amado Rony... Beijão!

Emiliana Rosa:
OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! OBRIGADA! ^.^ ^.^ ^.^ Beijos...

daniel m. dos santos: Sério? Você me ama? Posso confessar uma coisa? Acho que também te amo! De verdade... espero ansiosa por seus comentários guri! Tentei postar rápido anteriormente, mas agora atrasei um pouco... final de semana posto outro, prometo! *autora beijando os dedos cruzados* Tem certeza que esta é a melhor R/H que você já leu? Fiquei tão feliz!!! Sabe, é minha primeira fic... aí recebo um elogio deste calibre! Espero não ter decepcionado com H/G deste capítulo... garanto que virão mais. Besos, besos...


E aí pessoal... espero não ter deixado alguém de fora. Sabe como é, não respondi os comentários do capítulo 6, então posso ter me confundido. Beijos a todos que lêem, mesmo sem comentar!!! Mas quem puder... eu fico muito feliz.

Até breve!!!
Nox

















Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lana Silva em 30/09/2011

Ameiiiiiiiiiiiiiiiiii muiiiito Divo *----------------------------*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.