FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

9. Incongruências


Fic: Quatro faces - H.Hr - D.G


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Cap. 09_

Gina estava prensada contra o quadro-negro pelo corpo de Draco. As mãos do garoto se apoiavam na lousa, uma acima de cada ombro de Gina e eles ainda se beijavam com ainda mais ardor do que antes. Gina retirava o que dissera uma vez: Draco não era frio. Ele era quente. Muito quente. Sua pele, seus toques, seus beijos...

As mãos dela deslizavam pelas costas, cintura e pela barriga firme do loiro, enquanto ela tentava pensar no que estava acontecendo. E pensar era um processo muito lento, porque Draco simplesmente a deixava entorpecida.

... Ele era um Malfoy... Ela era um Weasley...

Uma das mãos de Draco saiu de onde estava e se alojou nas costas de Gina, logo acima do cós da saia do uniforme. Com um puxão abrupto, ele a trouxe mais para perto e continuou a beijando como se o fôlego deles não acabasse nunca.

...O pai dele era um comensal... Os pais dela eram da Ordem da Fênix...

As mãos de Gina, então, também saíram de onde estavam e foram parar na nuca de Draco. Ela desencostou da parede e colou seu corpo totalmente ao dele.

...Ele era rico... Ela era pobre... Suas famílias se odiavam...

Draco colocou a outra mão, também, na cintura de Gina e, com um gesto rápido, girou-a. Agora ele estava encostado no quadro-negro e ela debruçada sobre ele, acariciando suas faces com as duas mãos enquanto continuava beijando-o.

...Desde que se conheciam, ele distribuía ofensas gratuitas a ela e a todos seus amigos e parentes... E de todos os pontos de vista que Gina olhava, por mais que ela analisasse, aquilo parecia completamente...

Ele passou da boca para o pescoço. Ela jogou os cabelos e a cabeça para trás, aproveitando cada momento daquilo.

...ERRADO.

De repente essa palavra invadiu a mente de Gina e ela, empurrando Malfoy, recuou assustada.

_O que foi? _ele perguntou sem entender.

_Eu... _ela gaguejou _Eu não posso. _e, virando-se, foi em busca de sua mochila _Isso é errado.

_Ah, é? _ele perguntou com um sorriso sacana, ainda encostado na lousa _Mas é muito bom.

_É. É bom, mas é errado. _e pegando a mochila, saiu da sala sem falar mais nada.

Draco girou no lugar, apoiando apenas um braço na lousa. “Ela vai voltar”._ele pensou encarando a porta _ “Dou 5 segundos pra ela voltar”

“1” _ele começou a contar mentalmente _ “2... Vai voltar, elas sempre voltam ... 3... 4... Uau, ela acabou de bater o recorde. A última demorou 3 segundos ... 5”.

Mas ninguém entrou pela porta. Inconformado e franzindo a testa, ele foi até a porta e olhou para fora. Olhou para os dois lados do corredor e nada. E não é que a Weasley tinha mesmo ido embora?

***

*Sabe, Harry, acho que está mais do que na hora de começar a marcar os treinos de quadribol, não é mesmo? Estamos praticamente às portas do primeiro jogo contra a corvinal. _Rony*

*Puts, Rony, ainda bem que você lembrou disso. Estava quase esquecendo. O que você acha desse final de semana? _Harry*

*Esquecendo de quadribol? Como você pode esquecer de quadribol? O que tem na sua cabeça mais importante do que quadribol? Que absurdo. _Rony*

*Sabe, Rony, ainda que você não consiga entender, existem, realmente, coisas mais importantes do que jogar. NIENS, por exemplo. Agora vocês poderiam, por favor, parar de passar esses bilhetinhos por mim? Eu estou tentando prestar atenção na aula de Feitiços. Eu sei que aula teórica de feitiços não é habitual, mas esse feitiço é muito importante e eu quero realmente prestar atenção.. _Mione*

*Você poderia ter alguma coisa a acrescentar, oras. E, por falar em coisas importantes, Mione, eu vi o classificado de um apartamento legal em Londres, no profeta diário, hoje de manhã. Quem sabe não poderíamos escapar um dia para dar uma olhada. _Harry*

*Do que vocês estão falando? _Rony*

*Não acha muito cedo para se preocupar com isso, Harry? Olha, acho bom vocês pararem mesmo de me desconcentrar. Se eu não conseguir fazer anotações da aula, de quem vocês vão copiar a matéria? Hein? _Mione*

*Não. Não acho muito cedo. A não ser que você não faça questão de ter um teto sobre sua cabeça quando sair de Hogwarts. _Harry*

*O assunto não era quadribol? Acho que este final de semana está perfeito, Harry. Mas... Do que é que vocês estão falando? _Rony*

*Não podemos escapar de lugar algum para coisa alguma. Olha isso, acho que esse nome era importante. Vocês não querem mesmo parar com isso? Como eu vou ter dinheiro para manter um apartamento se eu não tiver uma profissão? _Mione*

*Acho que eu tenho dinheiro suficiente para manter um apartamento. _Harry*

*DO QUE VOCES ESTÃO FALANDO???? _Rony*

*Sinceramente, se você está pensando que eu vou deixar você pagar o apartamento sozinho, Harry, nosso acordo está desfeito. _Mione*

*Nós estávamos pensando em morar juntos quando terminarmos Hogwarts, Rony. Em um apartamento. Em Londres. E, Mione, tudo bem, eu só pensei que eu poderia pagar e, sei lá, depois você me pagava. Não está bom assim? _Harry*

*Vocês vão morar juntos? Por que vocês vão morar juntos? Por que eu não fui convidado pra morar com vocês???? _Rony*

*Sem essa, Harry. Meio a meio, no ato da compra. Ou nada feito. Droga, essa fórmula era importante, também. Por Merlim, parem! _Mione*

*Ok, como quiser, Mione, como quiser. Você não foi convidado, Rony, porque você vai morar com a Lilá. Você vai casar com ela e vocês vão morar juntos em uma casinha na montanha com sete filhinhos ruivos correndo no jardim. _Harry*

*Quem foi que disse que eu vou morar com a Lilá???!!! Ei, essa piada não é da Gina? _Rony*

*Juro, se vocês mandarem mais um bilhetinho pra esta mesa, eu me vingo. O que você acha que a Lilá ia achar se lesse que você não gosta da idéia de morar com ela em uma casinha na montanha, Rony? _Mione*

*Você não teria coragem. Além disso, você não acha que é muito nova, Mione, pra já estar planejando morar com pessoas? _Rony*

*Eu estou avisando, Rony, mais um bilhetinho... _Mione*

*Ei, ei, o que você quer dizer com pessoas. Sou só eu, Rony. Lembra? Harry? Harry Potter? Eu não sou “pessoas” _Harry*

*Há, há. Suas ameaças não me assustam, Mione, você não faria isso. _Rony*

*Rom-Rom, por que ela não faria isso? Hein? O que tem de mais aqui que eu não poderia ler, Rom-Rom? Ei, e por que você não moraria comigo? Ok, eu sei que nosso relacionamento é apenas uma flor em botão, mas eu acho que você não devia desprezar assim a possibilidade de um futuro comigo, Rom-Rom. Estou muito decepcionada com você. Puxa, Harry, Mione, que coisa mais fantástica. Que bom que pessoas nessa escola querem mesmo assumir um relacionamento. _Lilá*

*Há, há. Tinha certeza que ela faria. Hãn, estão me chamando muito de pessoas hoje. _Harry*

*Do que você está falando? Que pessoas estão assumindo relacionamentos?? _Rony*

*Hãn, você entendeu mal, Lilá. Nós só vamos dividir um apartamento. Não temos um relacionamento. _Mione*

*Ah, não? Puxa, isso é uma pena. Porque vocês fazem um casal fabuloso. _Lilá*

*NÃO! Não fazem não!!! Ei, Lilá, sério, a conversa está muito boa, mas olha ali. Acho que a Parvati está chamando você._Rony*

*Temos um relacionamento de amizade. Não é o suficiente? _Mione*

*Ah, tem razão, Rom-Rom. Adoraria continuar conversando com vocês, mas tenho um babado fortíssimo pra contar pra Parvati. Sabem, parece que dois alunos da monitoria andaram brigando durante o plantão de dúvidas. Beijinhos. _Lilá*

*Hm... Rom-Rom... Que adorável... _Harry*

*Não tem graça. _Rony*

*Ah, sim, e por falar em assuntos importantes, (volte a ler o bilhetinho, Mione, acho que isso interessa a você) temos que pensar em um jeito de localizarmos Mundungus. _Harry*

*Achei que fosse óbvio perguntar para alguém, ou melhor, “alguéns”. _Mione*

*Do que você está falando agora? Você não se irrita quando ela começa a falar que tudo é muito óbvio, Harry? _Rony*

*Puxa, mas é mesmo óbvio. Quais são as únicas pessoas que nós conhecemos que mantêm contatos ilícitos com Mundungus?Fred e Jorge. _Mione*

*Uau, Mione, os gêmeos Weasley. Você é um gênio. _Harry*

*Ok. Vocês podem, então, deixar o gênio aqui estudar? PELO AMOR DE MERLIM???? _Mione*

*Uau. Mione tem razão. São meus irmãos. Como é que eu não pensei nisso antes? _Rony*

*Pois é... Podemos mandar uma carta para eles ainda hoje. _Harry*

*É. Podemos. Hm... Harry, essa história de você morar com a Mione, é mesmo só... ... _Rony*

*Rony, qual é, cara? Mione é...*

Harry ergueu a cabeça e viu Hermione correndo a pena freneticamente pelo pergaminho, tentando anotar o máximo de informações possível. Quis escrever linda, fantástica, a mulher da minha vida. Mas abaixou novamente a cabeça e se contentou em escrever:

*...Minha melhor amiga. _Harry*

***

Os dias passaram lentamente. Lentamente, pelo menos, para Gina Weasley. Ela não sabia o que estava acontecendo com ela. Ela odiava Draco Malfoy. Odiava tanto quanto uma pessoa pode odiar. Por que, então, toda vez que ela lembrava do beijo, na sala de monitoria, sentia um calafrio e o estômago saltitando desconfortavelmente.

Passara a evitar todos os lugares que Draco estava. Não estava tendo muito trabalho nisso, levando-se em consideração o fato de que eles quase nunca tinham aulas próximas. Draco, pelo contrário, andava percorrendo os corredores do castelo, sempre que podia, atrás da ruivinha. Algumas vezes fazia isso inconscientemente. Quando dava por si, já estava perto da aula de herbologia da grifinória ou algo do tipo, mas logo se forçava a lembrar que aquilo era por sua Nimbus 3000. Claro. A semente já estava plantada em Gina Weasley, ele precisava, somente, estimular seu crescimento. Por isso a procurava. Ele não queria, apenas, perder a Nimbus 3000. Ela era muito preciosa para ele.

Assim os dias se passaram e o sábado chegou. No quarto de monitor chefe na sonserina, Draco levantou-se resmungando e pensando em como suas mãos iam ficar depois de lavar tantos caldeirões e tubos. E ele que as tratava tão bem com poções hidratantes... Na torre da grifinória, Gina acordava, também, com um sobressalto. Teve a sensação de que tinha que fazer alguma coisa, apesar de não lembrar o quê.

Draco não teve tempo para ir tomar café da manhã. Isso lhe lembrou, vagamente, como tudo isso começara. Correu para a sala do profº Snape, pois já estava atrasado, e o encontrou com Filch, perto de uma enorme tina d’água e uma, maior ainda, tina cheia de instrumentos de latão, prata e alumínio, que exalavam cheiros estranhos e esperavam ansiosamente para serem lavados.

_Tem o tempo que precisar, Draco. _falou profº Snape, antes de abandonar a sala.

Filch entregou a Draco um frasco de detergente e uma esponja e já ia saindo, também, quando Draco perguntou:

_Não tem uma luva, não? _Filch não lhe deu atenção e saiu da sala.

Resmungando algo muito parecido com “para que existem elfos domésticos” e com o nariz torcido de nojo, Draco começou a lavar.

Gina, naquele momento, estava entrando no salão principal. Era muito cedo e, por ser um sábado, a maioria dos alunos ainda estava na cama. Ela se sentiu sozinha, como a algum tempo não se sentia. Há tempos não se sentia sozinha, porque sempre tinha Hermione ao seu lado com um livro na mão, Rony resmungando algo sobre como o Dino Thomas ainda insistia irritantemente para voltar com ela e com Harry lhe ensinando táticas de quadribol ou coisas assim. Mas, naquele momento, tudo isso pareceu vazio, porque a mesa da sonserina estava vazia. “Claro” _ela pensou remexendo com uma colher seus cereais _ “Quem eu queria que estivesse acordado a essa hora da manhã na mesa da sons...” _então ela lembrou quem deveria estar acordado naquele momento, apesar de não estar a mesa. Lembrou que alguém, da sonserina, estava muito bem acordado lavando caldeirões numa detenção.

Não soube exatamente porque isso deveria afetar-lhe. Também não soube porque diabos estava se levantando e colocando uma pilha de torradas em um guardanapo. Nem mesmo porque estava abandonando o salão e caminhando em direção às masmorras.

Na verdade, estava exatamente imaginando que era óbvio o que estava fazendo ali. Estava caminhando. Claro. Caminhando para queimar calorias. Nas masmorras. Porque as masmorras eram, todos sabiam, claro... Eram... Frias. Isso. Masmorras frias, perfeitas para caminhar.

Seus pés a levaram diretamente para a sala de Snape. O que, ela insistia em dizer, se pensasse bem, acharia um motivo. Encostou-se na soleira da porta, silenciosamente, e olhou para dentro. Viu Draco, sentado nos calcanhares, lavando algo grande e pesado em uma tina de água. A todo o momento ele resmungava sozinho e espirrava água em si mesmo. Ele já estava com as roupas meio molhadas, com espuma até os cotovelos e tentando jogar uma mecha de cabelos loiros para longe dos olhos azuis. Ela ainda ficou, alguns minutos, apenas o olhando, até que, sem querer, soltou um suspiro mais audível.

Draco, olhou para trás pronto para xingar quem quer que estivesse ali, mas Gina não era exatamente uma pessoa que ele pretendia xingar. Pela sua Nimbus 3000, claro, como ele mentalmente não cansava de repetir.

_O que é? _ele perguntou sem muita delicadeza _Veio tripudiar sobre os meus restos vitais?

_Na verdade, eu vim manter esses restos vitais com vida. _ela respondeu entrando e sentando-se em uma cadeira _Sabe como é, eu lembrei que o digníssimo Draco Malfoy _disse isso com ironia gesticulando com as mãos como se o reverenciasse _não está acostumado a passar fome. _baixou os olhos para olha-lo mais ternamente e mostrou o guardanapo que trazia. _Trouxe seu café da manhã.

Draco olhou para as torradas, depois para ela, depois para as torradas e para ela mais uma vez.

_Você pôs pó de fura-frunco nessas torradas, não pôs? _ele perguntou com um sorrisinho incrédulo no rosto.

_Ai, Malfoy, você não consegue enxergar um gesto bondoso nem se ele dançar pelado na sua frente, não é? _e deu as torradas para ele. Ele apenas continuou olhando das torradas para ela e dela para as torradas. _O que é? Quer que eu prove? Se eu esganiçar e morrer, prometo que não faço você comer.

_Na realidade, eu não tenho fome. _Draco respondeu olhando com o nariz empinado para as torradas. Mas não teve muito sucesso com a mentira, pois assim que Gina apertou os olhos para retrucar que nunca mais fazia nada para ele, o estômago do sonserino soltou um alto ronco de fome, o que a fez desistir de brigar e inclinar a cabeça, censurando-o com o olhar. _Ou, talvez, esteja. _ele respondeu dando de ombros como ela mesma fizera na quarta feira e começando a comer a primeira torrada da pilha.

Ele sentou em uma cadeira colocando um dos pés sobre a própria, enquanto o outro permanecia no chão. Gina ficou olhando-o enquanto ele comia e de repente lhe ocorreu que fora bem idiota ir até lá. Por que mesmo ela estava lá? Ah, sim, caminhando. Ocasionalmente ela acabara ali e, ocasionalmente, carregava um pacote com torradas nas mãos.

Draco, enquanto comia, ficou pensando que, afinal, ela voltara. Levara três dias, mas voltara. Por que mesmo isso o deixava feliz? Ah, sim, claro, a vaga de capitão e a Nimbus 3000. Então ele terminou de comer e limpou as mãos, enquanto dizia:

_Então, se você veio aqui só pra me trazer comida, pode ir. Não vai ser muito agradável ser visto por uma Weasley enquanto eu estou lavando pratos. _e levantou-se da cadeira.

_Você é tão desagradável, Malfoy. _e, olhando-o com os olhos apertados, levantou-se também para sair.

Chegou a ir até a metade do caminho, mas Draco, que estava mais perto da porta do que ela, deu um passo para o lado no momento que ela ia passar e bloqueou seu caminho.

_O que é agora? _ela perguntou olhando para cima. Seus rostos estavam a apenas centímetros de distância um do outro.

_Por que você fugiu de mim, Virgínia? _ele murmurou, fazendo sua respiração bater no rosto da garota.

_Eu não sei do que você está falando. _ela respondeu olhando para baixo.

_Eu vou perguntar apenas mais uma vez, Virgínia, e eu gostaria de receber uma resposta. _ele retrucou com um olhar sério recaindo sobre ela _Por que você fugiu de mim?

Ela tentou passar por ele, mas ele não deixou. Era incrível como ele parecia ainda mais alto visto de perto. E mais forte. Ela tentou, mais uma vez, desviar pelo outro lado, mas ele bloqueou novamente o caminho.

_Eu pensei que tivesse deixado bem claro, Malfoy. É errado. _ela respondeu com um suspiro resignado.

_Ah, _ele fingiu que fazia sentido _e o que você está fazendo aqui?

_Pensei que isso estivesse claro, também. Vim trazer comida. _ela respondeu dando um passo para trás. De repente a proximidade com o loiro lhe parecia muito perigosa.

_Ah, _ele respondeu no mesmo tom, dando um passo para mais perto dela_ e por que você se preocuparia em me trazer comida?

_Sabe, Malfoy, no momento você está tendo bastante sucesso em fazer eu me arrepender disso.

_Não foi o que eu perguntei, Virgínia. _ele respondeu. Gina não estava conseguindo decifrar sua expressão e deu novamente um passo para trás. Viu-se acossada contra a parede. Por uns minutos ficou calada, mas depois seu rosto tornou-se rígido e ela pareceu se resolver.

_O que você espera que eu responda? _ ela perguntou furiosa avançando para ele _Que eu gosto de você? Que eu vim até aqui por que gosto de você? Sinto muito, Draco, isso você vai continuar querendo.

Então Draco deu um sorrisinho contente e cruzou os braços. E assim ficou olhando para o rosto, que ficava cada vez mais vermelho, da ruiva.

_Mas do que é que você está rindo agora? _ela perguntou irritada se cansando daquilo e cruzando os braços também.

_Você me chamou de Draco. _ele respondeu calmamente com aquele sorrisinho enviesado que ela odiava.

_Não chamei. _ela contestou franzindo a testa.

_Chamou, sim.

_Não chamei!

_Chamou!

_Não cham... _mas se interrompeu e descruzou os braços exasperada _Escuta essa discussão está nos levando a algum lugar? Por que eu tenho, mesmo, mais o que fazer.

_Ah, claro que tem. _ele respondeu com ironia olhando para cima _Por isso que você veio até aqui me trazer comida. Porque você tem mais o que fazer.

Gina soltou um ruído que pareceu um rosnado. _Eu odeio você, Draco!

_Eu pensei que talvez você estivesse apaixonada por mim. _ele respondeu com um olhar risonho _E você me chamou de Draco de novo.

_EU NÃO CHAMEI! E... Eu... _ficou sem saber o que responder. Draco Malfoy a deixava confusa _ Eu não estou... _soltou outra vez algo muito parecido com um rosnado e então, finalmente desviou-se dele e foi até a porta resmungando _Você é um idiota, Draco! Um idiota de marca maior.

Mas ela não chegou a ir até a porta. Segurando-a pelo antebraço, Draco virou-a repentinamente, fazendo-a encará-lo, e segurando-a pelos dois braços, beijou-a.

Gina perdeu a noção do que estava fazendo por uns minutos. Mas, um alarme soou em sua cabeça, indicando situação errada de risco, e ela o empurrou. Passou a mão na boca como se não tivesse gostado daquilo e, sem pensar muito no que estava fazendo, deu um tapa no rosto do garoto.

_Mas, o quê... ? _ele ia perguntar algo, mas a garota saiu marchando para fora, resmungando algo que soava muito parecido com “devia ter o deixado morrer de fome” e “quem ele pensa que é”.

Draco ficou parado olhando para a porta sem entender. Aquela garota era insana. Absolutamente insana. A cabeleira ruiva da menina nitidamente estava afetando os poucos neurônios que ela devia ter. Depois, imaginando quanto tempo ia passar lavando, sentou-se novamente para continuar lavando, enquanto pensava que, dessa vez, ele sabia, a garota não ia voltar, de qualquer forma.

Mas, antes que ele desse realmente conta, os resmungos começaram novamente e foram crescendo. Draco levantou-se imaginando quem estava vindo pelo corredor, quando Gina entrou tempestuosamente na sala, com o rosto fortemente vermelho e vociferando:

_É. Odeio. Odeio você. Muito. _e empurrou-o _E eu não sei quem você pensa que é para me beijar desse jeito. _e empurrou-o.

_Virgínia, Pára!

_Você é muito convencido e arrogante. Nem todas as pessoas do mundo são obrigadas a gostar de você! _e empurrou-o mais uma vez.

_VIRGÍNIA, PÁRA! _ele tentou abraça-la para faze-la parar de reagir daquela maneira.

_E eu não gosto! Eu SEI que não gosto! _e empurrou-o novamente. Só que o chão, totalmente cheio de água e sabão, estava escorregadio e, com mais um empurrão forte da menina, Draco deslizou e, sem apoio, caiu de costas no chão.

Gina, que estava se precipitando com toda vontade para cima dele, se desequilibrou e acabou caindo, também, em cima de Draco Malfoy.

_Minha cabeça! _ele exclamou, passando a mão na nuca dolorida.

Ela não lhe deu tempo para respirar. Fechou os punho e, com toda força que tinha, começou a dar socos no peito do loiro. _Você me tira do sério, Draco! Como você pode me irritar, tanto?!

Os socos não faziam efeito algum. Ele era forte demais e aquilo, definitivamente, não machucava. Mas irritava.

_Agora chega! _ele agarrou os punhos de Gina e, girando no chão, a fez ficar por baixo, no chão molhado.

_Minhas roupas! Seu infeliz! _ela resmungou começando a se retorcer e, com mais agilidade do que força, girou novamente no chão, passando mais uma vez para cima.

_Saco, Virgínia! O que deu em você?! _ela não respondeu, enquanto tentava inutilmente se livrar para bater nele. Ela estava começando a dar muito trabalho, então, sem pensar muito no que estava fazendo, Draco soltou uma das mãos e, segurando a nuca da menina, ele fez a garota baixar a cabeça até atingir seus lábios.

Ela ainda se debateu por mais alguns segundos, mas depois desistiu. Ela não conseguia mais se livrar dele. O apito de “errado e perigoso” voltou a apitar e ela se esforçou para afastar um pouco a boca do loiro.

_Draco pára... _ela murmurou fracamente, enquanto ele a segurava pela cintura, acariciava seu cabelo e beijava seu rosto.

_Você não está se esforçando muito para me fazer parar, não é? _ele perguntou entre os breves beijos que lhe dava.

_Vou me esforçar... _ela respondeu respirando pesadamente e com os olhos fechados _ ...Assim que eu descobrir como...

Ela abriu os olhos e ele encarou-a. _Desista. _e com um giro, passou novamente para cima _E, se você disser que isso é errado, eu não respondo por mim. _e desviando seus olhos do dela, começou a beijar a curva do seu pescoço.

_Draco... Mas pessoas não iam poder saber disso. _ela murmurou.

_É claro que não. Ou você achou que eu ia sair divulgando isso por aí? _ele perguntou como se isso não tivesse importância. Mas para Gina tinha. Ela o empurrou novamente e ele ficou olhando para ela sem entender. _O que foi?

_Sai de cima de mim. _ela respondeu zangada empurrando-o. Ele levantou-se e ficou sentado no chão, enquanto ela levantava e resmungava.

_Ah, Gina, por favor. Eu estou falando do meu pai. Ou você acha que, se ele soubesse, ia ficar contente?

_É... _ela deu de ombros _Meus pais também não iam ficar muito contentes.

_Meu pai iria atrás de você até o fim do mundo.

_Meus irmãos matariam você. _eles se encararam. Então como se acordasse de um transe, ela continuou: _Eu... Tenho que ir, Draco. Tomar café com os outros alunos.

Ele fez que sim com a cabeça, indicando que entendia. Ela saiu e ele voltou para a tina de água para continuar lavando. Mal recomeçara o trabalho e ela entrou novamente na sala.

_Esqueceu alguma coisa? _ele perguntou virando-se para ela.

_Ahan. _ela respondeu e, indo até ele, abaixou-se e beijou-o carinhosamente _Até logo, Draco. _e foi até a porta _Ah, e sim, _e virou-se _eu chamei você de Draco. _e foi embora novamente.

Draco ficou olhando para a porta. Depois, voltou, finalmente, a lavar os utensílios de poção.


Na: aaaeeee atualizadaaaaa
gente, sabe como eh, eu tive alguns problemas com a formatação :D
akela parte que aparece os bilhetes deles durante as aulas, era pra ser em letra diferente, mas eu nao consegui colocar ^^
espero que naum tenha ficado muito confus rsrsrs e desculpa msm

Na 2: Lilían prometo que teraum mts desses, mas ainda vai demorar um pokinhuzinhu : < rsrs mas continua lendo e dexando coments sim, q um dia eu xego lah :D Ps: aha tava escondendo o ouro hein? huahuha axei sua fic mtooo boa!!! Bjssss
Luara brigadaaaa por comentar sempre viu, q bom q vc gosta... e ae oq axou desse cap? Continua vindo, tah? bjsss
Nina aaaaaiii vc naum sabe o qnto me dexa feliiiiz. Um tantaum mto mto rsrsrs. Vlw por ler e comentar, viu. Dexa sua opiniau mais vezes tah?
Albert eles soh vaum ficar juntos juntos msm, lah pelo natal. : < Mas ateh lah ainda tem uns bjs. Uns pekenininhus assim rsrs. Mas óo naum me abandone naaaaum. Continue comentando q um diga xega lah rsrsrs

Vlw gente por continuarem lendo

e preciso pedir? COMENTEM!!!!! comentem bastante q eu posto logo :D :D :D

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Isis Brito em 01/08/2012

Caraca, você se supera muito rápido!!
Eu já tô indecisa se prefiro esse capítulo ou o anterior!! *--------------*

A conversa dos três foi hilária, e ficou ainda mais engraçada quando a Lilá participou, kkkkkkkkk
Só fiquei lamentando pelo Harry... Por que ele não fala logo que gosta da Mione? Ele realmente prefere esconder isso?? :(

E Draco e Gina cada vez mais apaixonados... Ah, adoro esse casal! *---------* 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.