FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. Introdução


Fic: Lembrança de Casamento


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

http://i200.photobucket.com/albums/aa191/evoluxa/ouro.jpg


Linhas:

1.
“Now I’m not saying your not nice
Let me give you some advice
There’s a girl across the room
Who’d kill to be with you tonight
She’s been looking over here
And she’s made it pretty clear
So dont lose your chance with her”
Hillary Duff - Between you and me
2.
“And I know that he knows I’m unfaithful
And it kills him inside
To know that I am with some other guy
I can see him dying”
Rihanna - Unfaithful

Itens:

1- NC17
2- Aliança *bónus: se alguém a beijar antes de cometer o adultério
3- Família
4- Criança
5- Vinho *bónus: se quem comete o adultério NÃO estiver bêbado
6- Tapa na cara
7- Pulseira (bracelete) de prata

Bónus extra:
-->Nomes na versão original
-->Capa



Nota: O bracelete de prata da Bellatrix foi totalmente inspirado (praticamente copiado!) no que a Ac Vanzest usa em “Chuva & Sombra” ... com a total permissão da Just, é claro!

*******************************



LEMBRANÇA DE CASAMENTO


Andromeda amassava manualmente os legumes dispostos sobre a pia da cozinha. Pensativa, ela preparava o prato de comida da pequena Nimphadora, que agora tinha pouco mais de três anos de idade. A menina estava sentada em uma cadeira-alta fazendo graça para chamar a atenção da mãe, que, apesar dos esforços da filha, permanecia absorta na tarefa culinária. Um fraco estalido veio da sala, mas Andy não chegou a percebê-lo; só notou que haviam aparatado em sua casa quando alguém a assustou.

_ Por Merlin! O que foi que fez com o cabelo da sua filha?! – perguntou Sirius, perplexo, ao entrar na cozinha e deparar-se com o bebê, que tinha nas madeixas uma estranha mistura de cores - do cinza-chumbo ao amarelo-canário - e formas - do “liso-escorrido” até o “encaracolado-mola-de-relógio”.

_ Sirius! Não ouvi você chegar... – saudou-o, parecendo cansada e abatida. Viu a filha e suspirou – Ah... Nimphadora! De novo, querida?! Também não sabemos ao certo, mas tudo indica que ela é uma metamorfomaga... – completou a mãe, voltando-se para a filha e, com um gesto de varinha, fez os cabelos da menina voltarem a ser castanho-escuros e levemente encaracolados.

_ Pobrezinha... – declarou Sirius, rindo da tentativa frustrada da prima, pois, segundos depois, mechas de formas e cores variadas voltaram a crescer – é contagioso? – zombou, bagunçando, com um afago carinhoso, o cabelo multicor da menina, que esticava os bracinhos rechonchudos e gritava animada com a chegada do moreno.

_ Sirius! – protestou Andromeda, mas acabou rindo também – Ela faz isso quando quer chamar a atenção. Lembra quando os olhos dela mudavam de acordo com o humor? Pois então, eram os indícios... para falar a verdade, é um dom muito raro...

_ E tem cura? – continuou Sirius, em tom de brincadeira.

_ Continue sugerindo que minha filha está doente e você vai ver o que lhe acontece!! – ameaçou, também em tom de brincadeira.

_ Eu estava só brincando, Andy... – rendeu-se o moreno, aproximando-se da prima e dando-lhe um estalado beijo na bochecha – mas agora, falando sério, ela vai ficar mudando o cabelo assim para sempre?

_ Não... Eu já disse que ela só faz isso quando quer chamar a atenção, não é, sua chatinha? – falou a mãe brincalhona, começando a tentar dar a comida para a filha, que não parava quieta.

Embora Andromeda tentasse insistentemente colocar a colher com a papinha de legumes na boca na filha, a garota parecia não ter a intenção de colaborar com a mãe. Quanto mais Andromeda tentava, mais a menina se esquivava.

_ Six... – ameaçou choramingar a criança, ainda esticando os rechonchudos bracinhos em direção a Sirius.

_ Deixe de ser manhosa, Nimphadora! – ralhou a mãe – você não vai ganhar colo até comer todo este prato de comida!

_ Ah, Andy... não seja chata! – protestou Sirius, dirigindo-se até a menina e pegando-a no colo – não podemos culpá-la por preferir me abraçar a comer essa meleca colorida...

_ São legumes, Sirius!! As crianças precisam de vitaminas para crescerem saudáveis, sabia? – retrucou a mãe.

_ Ela parece bem saudável para mim... – insistiu, começando a brincar com a sobrinha. A cozinha se encheu com os gritinhos agudos e animados da menina, que se divertia enquanto Sirius a lançava ao alto e pegava novamente.

_ Eu decido se minha filha está saudável o suficiente, Sirius – retrucou Andromeda, contrariada, acabando com a brincadeira dos dois ao fazer a filha voltar ao cadeirão com um aceno de varinha.

_ Ok, ok... me desculpe! O que é isso? – perguntou Sirius, pegando um luxuoso envelope de cima da mesa, na tentativa de mudar de assunto, pois a prima mostrava-se levemente irritada, já que a filha insistia em não querer comer.

_ O-o convite de casamento da Cissy... – respondeu, com mais um longo suspiro.

_ Ela vai mesmo se casar com o Malfoy? – perguntou, incrédulo, embora tivesse a resposta bem escrita em garrafais e rebuscadas letras douradas, no papel em sua mão.

_ E você acha que ela teve escolha? – retrucou Andromeda, parecendo aborrecida.

_ Você teve, eu tive... Ela poderia ter tido também, se quisesse... – respondeu, seco – a diferença é que você e eu tivemos a coragem de escolher!

_ Você sabe que não é assim, Sirius... – defendeu, ainda lutando com a filha, que, agora, derrubava a comida por toda a roupa.

_ Não vamos discutir sobre isso, Andy... – declarou, encerando o caso – mas, enfim, você vai?

_ Não. – respondeu, parecendo realmente chateada.

_ Por quê? – quis saber, percebendo a mudança de humor da prima.

_ Ted e Nimphadora não podem ir... – respondeu, tentando dar à resposta um tom casual.

_ Ah, Andromeda!! Veja isso! E você ainda a defende?! – protestou, indignado.

_ Não é culpa dela! – defendeu a irmã mais velha – você sabe bem que nenhum muggle ou half-blood pode entrar no número 12 do Grimmauld Place! Não quero nem pensar nas azarações e feitiços pelos quais que meu marido e minha filha teriam que passar se chegassem perto de lá!

_ O casamento vai ser lá? – perguntou ele de súbito.

_ É claro que vai! A última Black a deixar a família... Aonde mais se poderia reunir todos os puros-sangues do Reino Unido? – confirmou a mulher, desistindo de tentar dar a papinha de legumes à garota, que fazia cada vez mais caretas e bagunça, e entregando-lhe uma suculenta maçã.

_ É mesmo uma pena... pagaria para ver Nimphadora chamando a Titia Druella de Vovó... – zombou.

_ O caso é que minha irmã caçula vai se casar no sábado e eu não estarei presente... – declarou com um fio de voz, descontrolando-se por um momento e atirando o prato na pia.

_ Ei! – chamou ele, aproximando-se da prima e abraçando-a – não fique assim, Andy! Eles não merecem!!

_ Ela é minha irmã, Sirius... a pequena Cissy que eu vi nascer e ajudei a cuidar... – falou, com a voz embargada por lágrimas teimosas, que começaram a escorrer pelo rosto bonito da bruxa.

_ Se ela se importasse com você metade do que você se importa com ela e se realmente quisesse que você fosse... – começou ele, escolhendo as palavras, para não magoar ainda mais a prima – ela daria um jeito...

_ Ela disse que eu posso ir sozinha, sem eles... Ted teria que ficar com Nimphadora só por uma noite, pelo menos durante a cerimônia... – falou, enxugando os olhos com as mãos – mas eu não conseguiria voltar lá sozinha... sentir o olhar deles, o julgamento deles... se ao menos eu fosse “rebelde” como você... – brincou, olhando com ternura para o primo.

_ Acredite, eu não enfrentaria aquela família de novo só para agradar um irmão, nem que Regulus estivesse se tornando Ministro da Magia... Aliás, aquele panaca não teria condições para isso...

_ Narcissa não é assim... ela é jovem ainda, é meiga e delicada... – insistiu Andromeda – se ao menos eu... – começou, mas parou, olhando para Sirius, parecendo inusitadamente feliz, de uma maneira que parecia impossível a alguém que estivera chorando segundos antes.

_ Ah, Sirius... por favor! – pediu, com um olhar suplicante.

_ “Por favor” o quê? – ele perguntou cauteloso, estranhando mais uma súbita mudança de humor.

_ Se você pudesse... com você eu poderia... seria perfeito!! – ela falava frases desconexas, ainda olhando vidrada para o primo – sei que seria um grande sacrifício para você... mas, por favor, Six...

_ Andromeda, você está me assustando... – falou, ainda sem entender – do que é que você está falando?

_ De você ir comigo ao casamento! – respondeu prontamente.

_ Não! – respondeu ele, ainda mais rápido – sem chances, Andy...

_ Ah, Six... por favor... – insistiu a prima.

- Não me venha com “Six”, Andromeda... eu disse NÃO! – reforçou, fechando a cara, emburrado.

_ Sirius, você tem noção do que pode me acontecer se eu for sozinha a esse casamento? – perguntou, exasperada.

_ Tenho. E é por isso que eu estou dizendo que não vale a pena ir! – retrucou, azedo.

_ Por favor, Sirius... – ela pediu mais uma vez.

Sirius permaneceu em silêncio por alguns instantes, visivelmente aborrecido, sem entender como a prima poderia ter lhe pedido uma coisa assim. Para evitar a resposta rápida e impensada que daria a qualquer um que se atrevesse a lhe fazer uma proposta tão absurda, ele voltou sua atenção mais uma vez para pequena Nimphadora, que parecia alheia aos acontecimentos a sua volta e continuava a brincar com a comida, agora rodando a maçã na bancada da cadeira-alta.

Andrômeda olhava ansiosa para o primo. Sabia a gravidade de seu pedido e podia sentir os neurônios dele trabalhando freneticamente. Ele estava dividido em ter que acompanhá-la ao casamento e voltar à odiada casa dos pais ou deixá-la ir até lá sozinha, podendo sofrer todo tipo de insulto e desaforos. As feições do moreno tornaram-se, de repente, extremamente desagradáveis e, com um muxoxo de irritação e um rápido palavrão, ele concordou.

_ Certo... mas só para a cerimônia!! – cedeu, a contragosto, fazendo a prima pular de alegria e se agarrar em seu pescoço, num abraço agradecido.


***




Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.