FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

11. Capitulo 10


Fic: Harry Potter O legado


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capitulo 10 - Um pouco de juventude Mackenzie abriu os olhos e um intenso brilho ofuscou seus olhos. Antes que pudesse se acostumar com o brilho notou uma silhueta contornada por luz, e assim que conseguiu distinguir o branco do preto, também consegui distinguir uma cabeleira loira e assanhada. “Malfoy”. Ele disse cuspindo, “Seu arrogante, prepotente, você...” Malfoy sorriu, irônico e dissimulado antes de interromper. “Mackenzie... Mackenzie, alguém já lhe disse pra não brincar com fogo?” “Não” “Na, na, na, na, na... Mau jeito, mau jeito... Sabe, deveriam ter te ensinado...” “O quê? A não irritar franguinhos mimados” Donald sorriu freneticamente. “Você não sabe na encrenca em que acabou de entrar...” “Sério?” Falou Scorpion com desdém; no que Donald se restringiu a balançar a cabeça. ”Você não tem medo Mackenzie?” ele se pôs severo. “De um fedelho mimado? Não.” A expressão de Scorpion se pôs mais rígida. “Eu vou. Eu vou fazer você desejar nunca ter cruzado meu caminho seu... Idiota” Mackenzie riu doentiamente durante alguns segundos, enquanto tentava em vão desatar o nó que prendia suas mão na cadeira velha em que estava sentado. “Sua criação não lhe permite xingar? Ou você é flor demais para isso?” Malfoy deferiu um soco abrupto e rápido sobre o rosto do moreno a sua frente. Era injusto, o moreno estava preso, não poderia se defender... Mas quem liga? Ele era um sonserino, e não um maldito grifinório bonzinho, e o mínimo que podia era se aproveitar daquela situação... “O que acha agora?” “Que você é o maior covarde que eu já vi.” E recebeu outro soco. Mas este veio acompanhado de um sorriso fugaz. “E agora?” “Você ainda é o maior covarde que eu já conheci” “Ah, obrigado. É uma pena eu não poder continuar aqui lhe dando socos.. Sabe, isso faz maravilhas com o meu humor. Mas eu tenho que assistir duas aulas de poção agora mesmo...” “Malfoy” Donald gritou, e o loiro virou-se maldosamente. ”Que dia é hoje?” O loiro sorriu “segunda-feira.” Donald se surpreendeu, já estava ali há quase dois dias!? Tentou falar com o garoto Malfoy, mas este já não se encontrava em canto algum. Praguejando Donald pensou que teria que começar seus planos o mais rápido possível e se Sorpion Malfoy entrasse na frente, pior para ele... A cidade do Cairo, por algum motivo desconhecido, exercia uma forte atração sobre os bruxos, tanto que, era lá que se encontrava a maior população de bruxos vivendo entre muggles. Seus portos sempre cheios, e as ruas com tantos turistas, não diminuía a beleza em si do lugar que aos pobres moradores parecia de certa forma inóspito. Anne Yorkshire discordava disto. Para ela a cidade do Cairo era o lugar mais lindo do mundo, e com freqüência se dispunha a brigar por horas com qualquer um que discordasse. Com seus cabelos longos e cacheados mostrava um encanto nada convencional aos padrões europeus, mas sem duvida seu ex-marido, um Italiano de um metro e oitenta, olhos azuis e cabelos tão loiros que chegavam a se aproximar do branco não concordava com isso. “Joseph, eu não sei quantas vezes eu vou ter que lhe dizer isso, mas não há, nem a remota possibilidade de nós reatarmos.” Ela disse se levantando da mesa do pequeno restaurante que freqüentava. Para a infelicidade de Anne, Joseph havia descoberto seu amor pelo aconchegante restaurante unicamente freqüentado por bruxos e desde então se pusera a persegui-la se sentado próximo e espionando-a. Mas desta vez ele tinha ido longe demais, ela estava esperando visitas importantes e ele agia como um adolescente mimado... “Você tem outro? Pode me dizer. Leila me contou que viu um homem <> com você, ela mesma ressaltou o <> . Quem era?” “Não era ninguém, e eu realmente agradeceria se você saísse porque eu estou esperando um convidado.” “Eu sabia! Um caso e só tem... um ano que nos divorciamos!” A mulher revirou os olhos, porque não havia se divorciado antes? E após horas pensando chegou a única opção viável, Joseph era um bom pai para Leila. “Não é um caso, é assunto de trabalho e mesmo que fosse não é da sua conta...” “Ora sua...” o homem levantou a mão, mas não conseguiu abaixa-la, porque nesta mesma hora sentiu uma mão firme segurando seu pulso. Joseph virou-se rapidamente puxando a mão, e deparou-se com um homem de aparência jovem, mas que seus poucos cabelos grisalhos não deixavam menti seus pelo menos quarenta anos. Ao lado do homem havia um ruivo, e uma mulher de cabelos castanhos e sedosos. Ele imaginou que se estivesse em outra ocasião não se importaria em flertar com a mulher. “Quem é você?” então ele viu. Viu uma cicatriz em forma de raio na testa do homem, os olhos verdes, e o que para outros seria uma honra, para ele era terrível, porque naquele exato momento ninguém menos que Harry Potter o olhava friamente. “Seu...” Harry não tinha palavras para descrever o asco que sentia pelo homem. “Seu... ignorante. Eu tenho certeza que a senhorita Anne não aprova sua permanência aqui, muito menos sua conduta, então eu espero, e mais tarde espero ter certeza, que você nunca mais vai levantar a mão para qualquer dama que seja. Está de acordo?” O homem balançou a cabeça. E então olhou para o ruivo. È claro, o capitão dos Tornados e o melhor amigo de Harry Potter, Ronald Weasley! Ele lembrava-se do pôster que sua filha tinha no quarto aonde um ruivo levantava o troféu da Liga enquanto a camisa mostrava os potentes músculos, ele lembrava-se, havia ralhado com a filha por ter um pôster de um “rapaz” mostrado os braços no teto do quarto. E naquele momento tudo o que ele se lembrava era que esse mesmo ruivo, no mês passado, havia colocado um jogador em coma após um impacto de vassouras a duzentos quilômetros por hora, e que esse mesmo homem nem ao menos tinha caído da vassoura... “O que voe está esperando?” a linda mulher perguntou. Se o moreno era Harry Potter, o ruivo Ronald Weasley a mulher só poderia ser... Hermione Weasley! Cientista famosa por todo o mundo, conhecida não só pelos bruxos, mas também por muggles... “Meu deus” Joseph sussurrou, e após uma lamuria, conseguiu se libertar e aparatar o mais longe possível. “Harry!” A mulher sorriu enquanto dava um forte abraço no velho amigo. “Por onde andava? Não me diga! Salvando o mundo?” ela brincou. Ao parecer dos amigos, aquela brincadeira feita por outra pessoa seria um incomodo, mas feita por aquela mulher baixinha de voz suave pareceu que não era tão importante assim aos olhos de Harry Potter. “Anne!” ele a abraçou de volta. “Quero apresentar meus amigos, Ronald Weasley” Ronald cumprimentou a mulher. “E Hermione Granger”. Ao ver o olhar bravo do amigo, corrigiu “ Digo, Hermione Weasley.” Ele sorriu. “É um prazer conhece-los, Anne Yorkshire.” Aos quatro trocaram mais alguns sorrisos e sentaram-se na aconchegante mesinha. Um jovem garçonete foi atender, mas não conseguiu falar mais do que “nossa” ao se encontrar frente ao capitão dos tornados,e ao que pode observar depois, ao lado de Harry Potter. “Hum.. eu queria... esse negocio aqui, como se fala?” disse o ruivo apontando para o menu . “E...e... ruivo!” Hermione fez uma careta com a observação. “Quero dizer, e... é o Moussaka senhor.” A garçonete finalmente conseguiu dizer. “De que é feito?” o ruivo perguntou interessado. “Carne de carneiro, berinjela, e tomate, condimentado com azeite, cebola e ervas e fortemente temperado com pimenta e coberto com molho branco.” “Hum.. Isso me parece bom. Traga uma pra mim.. sim? E vocês o que vão querer?” ele perguntou aos demais. “Mas senhor.. Uma porção dá para cinco pessoas.” Ronald sorriu, e virou-se a Hermione que se segurava para não gargalhar ali mesmo. “Acho que vai dar... pra mim...” Tentando ajudar a pobre moça Harry sorriu galante a moça antes de fazer seu pedido. “Para nós três pode trazer Falafel. E para acompanhar um bom *Vinho do Porto.” Assim que a garçonete saiu, ainda um pouco desconfiada se realmente estava acordada, Harry se pôs, mas serio diante da amiga. Soltando um suspiro Anne se desculpou. “Joseph é um tanto ciumento, ex-marido, mas não faria mal a uma mosca. Mas tenho certeza que não foi para falar sobre mim que você trouxe aqui seus amigo..” “Tem razão. Eu tenho uma coisa seria e.. sigilosa para falar.” As orbes negras brilharam. “Você sabe que eu adoro coisas.. sigilosas...” Harry não escondeu nada, nem sobre seus pais, nem sobre os feitiços protetores que havia posto para que não descobrissem sobre o futuro. O que redeu pequenas exclamações, não só de Anne, mas também de Ronald que estava apenas superficialmente interado do assunto. “Armário certo? Eu nunca soube de nada tão.. como eu posso dizer?” “Estranho?” Hermione incitou. “Também, mas eu ia dizer real.” “Real?” os três indagaram. “É. Vejam bem, ao longo de todos os anos que me dedico aos antigos bruxos, poucas são as historias sobre viagens no tempo, e menos ainda são as historias que deixam algum resquício além da mais vaga pista.” “Veja,” Harry começou. “É algo maior do que tudo o que eu já vi. Num momento eu estava conversando com o Ministro Weasley, no outro estava olhando minha mãe com dezesseis anos desmaiada.” “Bill sabe sobre isso?” Ron perguntou após dar mais uma garfada na comida. “Não.. Claro que não. Isso se restringe a mim, McGonagall, meus filhos e a vocês.” Ele disse olhando os outros ocupantes da mesa. “Harry eu realmente preciso ver isso de perto, quero dizer, não posso dizer nada de concreto antes de conversar com os envolvidos.” “Lily Evans, James Potter, Sirius Black e Remus Lupin.” Harry constatou. “Um grupo e tanto” Hermione sorriu. “Quero dizer, eu não posso acreditar que a Lily realmente se casou com o James. A não ser o Remo que bem.. é bem ao eito remo de ser. Quanto ao Sirius, eu sempre soube que era um tipo .. diferente, mas eu nuca poderia imagina-lo do jeito que é…” “Jeito? Que jeito?” Harry perguntou brincalhão. “Você sabe, o seu. Como se carregasse o mundo nas costas, mas eu diria que o humor dele é bem mais.. afável que o seu.” A amiga completou tirando sorrisos de todos os presentes. Lily Evans passou apressada no corredor, atrasada para a aula de Herbologia. Ainda teria muito o que andar até que chegasse a estufa 5. Mas o que Lily não viu, foi o grupo de sonserinos que se aproximava dela, para ser mais exata Blaise Zambine a olhava cobiçosamente. O loiro entrou na frente, enquanto os outros garotos se afastaram e se restringiam a olhar. “Oi” ele disse sorridente. “Oi.” Lily sussurrou se desviando por baixo do braço do garoto. “Ei, eu estou falando com você.” “Bem, e eu estou atrasada, então outra hora você fala comigo ok?” Zambine ficou antônimo, pela falta de atenção recebida da pequena ruiva, mas ele não estava acostumado com isso... “Espere.” A ruiva parou impaciente. “Se você disser que estava comigo o professor Longbottom vai deixa-la entrar.” Ele sorriu ao perceber que a ruiva de lindos olhos verdes havia sorrido e prestado atenção na conversa. “E porque ele faria isso?” Zambine sorriu. “Porque minha mãe é professora, e eu tive que interrompê-la para dar um recado para a próxima aula.” “Mas.. Mas isso seria mentira!” Lily falou inocentemente. “Não, não é. Minha mãe é a professora Luna Zambine, e ela havia me pedido realmente para lhe pedir que fosse a sua sala hoje após o jantar.” “Você é irmão da Sun?” Ele afirmou e notou a ruiva se tranqüilizar. “Bem, se é assim, muito obrigado senhor Zambine.” Ela disse indo devagar a estufa. “Blás.” Ele gritou. “O quê?” “Blás, é assim que meus amigos me chamam.” A ruiva sorriu e deu um beijo na bochecha do loiro antes de sair saltitando rumo a estufa. Mas, o que Lily não percebeu, ou fingiu não perceber, foi à cara de surpreso que o lindo garoto de olhos azuis fez ao receber o beijo na bochecha. Não foi o fato de uma quase desconhecida beija-lo que o assustou, mas sim o fato de beijá-lo tão inocentemente na bochecha, e Blaise já até mesmo tinha se esquecedo da sensação de um beijo, sem segundas ou terceiras intenções... E ali perto, de onde se decorria essa “linda cena” um grupo de quatro garoto observava os passos do garoto loiro. E um desses garotos era James Potter que não gostou, nem um pouco, da aproximação desse novo garoto perto da sua futura mulher. “Calma Prongs, ele é só o Zambine.” Al comentou colocando as mãos no bolso displicentemente. “O Al tem razão, a Lily só foi educada com ele, ela vai se casar com você esqueceu?” Sirius sorriu amigavelmente enquanto seguia pelo longo corredor. “Querem saber o que não me agrada nessa historia?” Lupin disse. “ Nós estarmos cabulando aula. Digo, cabular aula na nossa época já é bem ruim, e cabular aula não sei quantos anos depois deve ser muito pior.” Ele terminou levando os amigos ao riso. “O que foi? Eu estou apenas constatando um fato.” “Moony, meu caro. Você é realmente muito estranho.” James sorriu. “Não, espera, mais estranho é você ter um filho tão descolado e o meu filho ser um careta.” Al franziu a testa. “Ei, meu pai não é careta, ele só está...” “Ficando velho.” Sirius completou. “Não ele só tem 41, e eu acho que.. vocês sabem, ele está bem inteiro para um cara de 41.” O grupo inteiro caiu em gargalhadas. “James, o que você quer ser quando ficar velho?” Remus perguntou olhando para o teto. “Ministro.” Os outros três o olharam assustados. “Brincadeira, eu quero ser um auror.” “Por que?” Al perguntou virando-se para o amigo, Harry sempre havia falado que seu pai era alguém de fibra e todas aquelas coisas, mas outra coisa seria ouvir da boca do próprio James. “Não sei. Pelo pouco que sei dessa época, sei que você-sabe-quem não existe mais, o que é um alivio. E eu espero, digo de verdade, que eu seja um dos responsáveis pela sua queda... O que você me diz disso Al? Eu serei um cara com.. como foi que você disse aquele dia?” ele virou-se para Srius. “Fibra moral, Prongs, fibra moral.” “Isso! Um cara cheio de fibra moral.” Ele riu. “Eu.. Eu tenho certeza que você vai ser um grande homem, todos vocês...” Al disse num quase sussurro. “Você é um *Joe... digo, eu devo ter muito orgulho de ter alguém como você como neto.” Al se silenciou por alguns minutos, incerto do que falar, ele não queria mentir, mas também não poderia dizer a verdade. “Eu tenho certeza que sim...” Al sorriu e passou a mão sobre os ombros daquele que seria seu avô, e ele se sentiu orgulhoso, por que James não iria ser um grande homem, ele já era, e ele sabia, que qualquer um de seus amigos daria a vida por ele, ou vice-versa; o que fez com que Al sentisse, pela primeira vez desde que conhecera a historia de seu pai, a odiar Peter Pettigrew. Alguns corredores acima. Uma outra ruiva, uma outra Lily, uma outra Potter, sentava-se fadigada ao lado da amiga, Jack, que naquele momento tinha cabelos incrivelmente verdes. “Você contou tudo ao Malfoy?” Jack perguntou pela milésima vez naquele dia. “Tudo.” A ruiva assentiu. “Tudo.. tudo mesmo?” “Tudo Jack, sobre o professor Horst, sobre os riscos, e sobre o meu plano...” Jack olhou-a por alguns segundos: “O que ele disse?” “Que, para uma pessoa inteligente eu era muito burra.” A ruiva choramingou. “ E sabe de uma coisa? Eu acho que ele tem razão.” Jack fez uma careta e seu cabelo ficou roxo. “Eu não acho, quero dizer, você sabe que ele pode ser bem estúpido quando quer eu.. eu realmente não estou te conhecendo hoje Lily Potter!” Lily olhou a amiga e deitou-se no chão gelado com um baque. Enquanto contava o numero de rachaduras do teto. “Lily?’ Jack olhou amigavelmente a garota. “Eu sou a sua fã numero 1.” “Sebe Jack, tudo o que eu queria era que nada disso tivesse acontecido. Eu poderia continuar sendo a mesma “menina arrogante” como o Scorpion mesmo disse ontem; eu realmente não me importaria de não aprender essa lição...” “Eu penso.. ou melhor, eu tenho quase certeza que você vai achar uma saída para tudo isso. E também acho que você deveria contar a verdade para todo mundo, e... contar para a Lily o seu verdadeiro propósito, sabe, se você for olhar bem ele é um pouco nobre e tudo mais... Você sabe como sua família supervaloriza toda essa coisa de lado bom da força.” Lily sorriu e abraçou a amiga, o que assustou, de fato, a jovem Jack, que nunca havia visto Lily Potter abraçar ninguém que não seja da sua família. E isso só poderia ser uma coisa, Lily estava amadurecendo... James adora Quadribol, James adora Fire whisky e ... James adora garotas. Não é algo como ser mulherengo ou querer aparecer perante os amigos, é mais como se fosse algo no DNA. James Potter II é um conquistador nato, sempre cercado por beldades ele simplesmente não poderia escolher apenas uma, e por mais que estivesse “afim” de u sua mais nova obsessão, Jacqueline Tonks, ele não agüentara mais, e acabou por se render a um final de semana de festas e luxuria. O que James não esperava, era acordar na segunda, ciente de estar atrasado para aula e não estar no seu dormitório. Ele olhou para o quarto amarelo grande e bem cuidado. Nas paredes fotos, imóveis diga-se de passagem, ocupavam a maior parte do espaço não ocupado por quadros de algum pintor desconhecido. Ele levantou-se e amarrou a toalha na cintura, enquanto tentava, ao menos, se lembrar de como havia parado lá, mas a dor de cabeça não ajudava, nem um pouco. Ele percebeu que na verdade era um *Loft. Então sentiu um delicioso cheiro de .. tacos? “Hola Muchacho!” uma voz doce saiu de trás do balcão. “Pensei que não ia acordar mais.” Ela sorriu. Era uma linda mulher, com longos cabelos negros e lisos, pele morena e olhos negros levemente rasgados, James concluiu, não só pela saudação, mas também pelo conjunto, que ela deveria ser latina. Forçou a cabeça e uma onda de lembranças desceu na sua cabeça. Ele e os amigos em um bar muggle; ele conversando com Maria; Maria o convidando a pegar um táxi; Maria sorrindo para ele... “Nós. Não.. eu.. Não me lembro de nós.. você sabe..” Ela sorriu francamente. “Não! Só foram beijos... Mas depois você bebeu demais e como eu não encontrei mais nenhum amigo seu eu te trouxe pra cá.” “E minhas roupas?” ele falou sentando-se perto do balcão. “Você se molhou na chuva de ontem. Não se preocupe, você se despiu sozinho e caiu na cama antes que eu pudesse dizer qualquer coisa.” James olhou o lugar, e notou que havia apenas uma cama, e que havia cobertas e um travesseiro no carpete. “Oh Merlin! Você dormiu no carpete?” “Calma, não foi nada.. eu...” “Oh sim, foi muito e.. AHg!” ele exclamou batendo a mão na testa, ”Eu deveria estar na escola.” Nesse momento a mulher o olhou intrigada. ”Ei. Quantos anos você tem?” “Dezessete, quero dizer, dezoito em alguns dias. É que eu estudo em um internato e... Ahg, eu estou ferrado!” Maria jogou um calção para James que vestiu-se ali mesmo por cima da toalha. “Eu não sabia que havia internatos por aqui. Digo, perto o suficiente para estudantes fugirem em uma noite de farra.” “E não tem!” ela olhou intrigada. “Digo, eu vim no avião do pai de um amigo...” “E.. O seu amigo sai por ai de avião?” Maria sorriu incrédula. “Não, era o aniversario dele, você sabe, um carinha mimado...” Ele colocou os tacos no balcão “sirva-se” James sorriu e comeu um bocado entes de sentir a boca seca graças à ressaca. Maria virou-se e começou a lavar a louça notando o quente olhar do garoto a suas costas. James passou a mão no cabelo e observou cada curva da mulher. Ela sem duvida era mais velha, vinte, no mínimo, pensou. “Quantos anos você tem?” “Vinte e um.” Ela disse sem se virar. “Foi o que eu pensei. Você é bem legal.” Ele ouviu uma gargalhada. “Serio! Poucas pessoas fariam o que você fez.” “E você é um mentiroso.” Ela disse apontando para o peito forte do jovem. “Me disse que tinha vinte e cinco.” “E você acreditou?” James caçoou. “Não!” ela se defendeu. “Mas eu pensei que você tinha no mínimo vinte!” James sorriu maroto, se ela pensava que ele tinha vinte, afinal de contas ele devia ser mais parecido com um homem do que com um garoto. “Esportes, fazem agente esticar.” Ela olhou incrédula. “Sério! È de família. Cada vez que um Potter começa a praticar esportes ele espicha!” “Mas você não só cresceu na altura.” Ela o desafiou com os braços cruzados. “Tem razão. Uma hora de musculação todo dia também ajuda...” ele sorriu. “ Veja só.” Ele falou mostrando os bíceps numa típica pose de desenho animado. “Do jeito que mamãe queria.” Ele brincou. “E sua mãe, o que acha disso?” “Hã?” “De você desaparecer.” Ela disse sentando-se no sofá-cama em que James acordara. “Ela está preocupada demais cuidada dos gêmeos recém-nascidos.” James sentou-se ao seu lado. “Quantos irmãos?” “Dois bebê, um pestinha de quinze, e uma pequena arrogante de quatorze.. ou será quinze?” Maria sorriu. “Não é um numero comum para uma típica família inglesa.” “Não somos uma típica família inglesa. Mamãe foi a mais nova de sete, e papai filho único. Sete é muito, três é pouco, então quando chegaram os gêmeos papai chegou ao numero de ouro, cinco filhos!” “Todos são como você?” “Bonito?” ele galanteou. “Não! Cabelos meio avermelhados e.. olhos...” de um incrível castanho que lembrava levemente amêndoas recém colhidas Maria pensou. “Os gêmeos são típicos Weasleys, família de mamãe, cabelos vermelhos como o fogo, iguais aos de Lily, minha irmã; mas os olhos são verdes como os do meu pai e do meu outro irmão, Al. Eu fui o único meio termo.” Maria gargalhou complacente. “Você é uma figura!” Ela deu um pulo e por alguns segundo James ficou hipnotizado pelo short curto e blusa grande que a garota usava. “Ei, não me olhe assim, se não vou te dar um ponta pé e te mandar embora.” Com uma gargalhada ela entrou no banheiro. “Ei, quer bater pernas em Londres hoje? Eu tenho folga.” James nem pensou em recusar, afinal, o dia de hoje na escola já estava perdido mesmo,e passar a tarde com a adorável nova amiga muggle não seria de todo ruim.... =-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=- Nome: Harry james Potter Idade: 41 anos Cor dos olhos e cabelos: Olhos verdes como esmeraldas e cabelos negros. Altura: 1,80 m Nasceu em: 1980 no St. Mungus Aonde mora: Tem várias casas, mas a preferida é o Grimuald Place Hobbies: Quadribol, viajar, ler e escrever e assistir Tv com a esposa. Amortentia: torta de caramelo, resina de madeira em cabo de vassoura e algo floral que ele cheirou n'A Toca (Gina) Sangue: Mestiça, seu pai é nascido pura sangue e sua mãe nascida muggle Livro preferido: The Rise and Fall of the Dark Arts Trabalha: Sim, chefe dos aurores (N/A: Sim gente, o clichê sem limite) Programa de TV Preferido: A turma do Pateta Frase: “ Nao são as nossas habilidades que revelam quem realmente somos, são as nossas escolhas... “ Maior segredo: ... (N/A Eu realmente não posso dizer...) Maior desejo: Que os pais estivessem vivos Animago: Não se transforma De quem mais gosta: Gina e dos filhos De quem menos gosta: Tem muitos, mas ele guarda um certo despeito por Draco Malfoy. O que mais gosta de fazer: Assistir desenho animado com a esposa. O que menos gosta de fazer: Dar sermão nos filhos Tipo de música que gosta: Qualquer musica lenta Comida favorita: Feijãozinho de todos os sabores Melhor(es) amigo(s) de Hogwarts: Ron, Mione e Gina E das trevas surge uma suposta escritora de fans fiction... PS: * eu não sei se Vinho do Porto é um bom pedido para comer com Falafel, que é um bolinho de grão de bico. E eu não creio que vocês vão ligar... Mas de qualquer maneira, meu pai sempre fala que vinho do porto dá com quase tudo... anyway... * Joe: Gíria para alguém amigo, companheiro. Também usado para se referir a alguém malandro. * Loft (palavra que significa "depósito" ou "sótão" em inglês), é um tipo de apartamento criado a partir da compartimentação de um grande espaço coberto, sem divisórias (como um galpão ou armazém). N/A: Primeiro, não me matem! Segundo: Era pra mim ter postado de tarde, mas eu fui pesquisar uma coisinha no meu manual (HP 7) e acabei que fui ler os três últimos capítulos e o epílogo ¬¬ Agora que ainda continuo viva... Mil desculpas pela demora, eu estava tão sobre carregada, e eu já tinha feito o capitulo que ficou muito ruim, mesmo, mandei para uma amiga revidar e como minha amiga é muito sincera (até demais né!) disse que tinha sido a maior porcaria que ela já tinha lido, é claro que ela falou com mais educação, mas em base foi isso, então, num momento de inspiração, eu pequei a única parte que prestava do capitulo e deletei todo o resto! Realmente espero que esse tenha ficado melhor! Por isso quero opiniões, e.. Que vocês me digam o que esperam da fic, porque eu estou com um grande dilema sobre essa fic que está me bloqueando, porque quando eu comecei eu já sabia o fim, mas agora, eu não sei.. acho que vou mudar.. enfim, vamos ao comentário sobre o capitulo... Sobre o capitulo: Eu adorei falar sobre o trio, eu adorei falar sobre o Ron e seu fabuloso apetite. Eu acho que eu falei sobre quase todo mundo hoje, mas não falei sobre o castinho do Donald, quero dizer, falei só um pouquinho, mas ainda tem mais... Sobre os marotos nem tem muito o que falar né!? Eu simplesmente os adoro! Eu queria mesmo era que a tia Jô fizesse um livro ou autorizasse um seriado tipo.. One Three Hill, só que sem todos os personagens morrendo... Quanto ao James.. Foi tipo, um surto, eu olhei o capitulo e pensei: Que pequeno, então me lembrei de falar sobre o James, fui na cozinha, fiz brigadeiro, comi, e comecei a escrever sobre o James até onde eu parei... E eu cheguei a uma conclusão, a filha da Anne realmente não vai entrar na fic, no máximo será mencionada vez ou outra, pela mãe. E.. acabei de imaginar o beijo da Lily Potter com um dos personagens que provavelmente será no próximo capitulo, ou não.. RESPONDENDO AOS COMENTS.... Michi o.O : Wow, demorou mesmo, mas em fim aqui está né.. Eu nem deveria responder essa pergunta mas.. como eu estou muito feliz ai vai: Sim, a lily já mexeu com o tempo ok? Bjkas e continua comentando. Cuca Malfoy: Que bom, ai vai o próximo capitulo, e.. não se esqueça de dar sua opinião Alexandra Zabini: Hum.. eu tbem adoro o casal Lily e Scorpion e pode ter certeza que ainda muita areia vai rolar entre esses dois. ribeiro: E.. nesse eu tbem não falei muito da parte que eu parei, but anyway, porque eu não sou boa em fazer”pegadinhas” então eu tenho que fritar meus miolos pra ver se sai alguma coisa.. mas, eu ainda vou pensar numa boa vingança para o malfoy oK? Bjus. comentários? Alícia Spinet: Isso da lily já ter mechido no tmepo deixou você alarmada certo? E.. Ela já mexeu.. Oo.. Sem mais palavras, comenta viu? Minerva Fowl: Hum.. Acho que nos temos isso em comum.. Tia Jô podia me dá o Scorpion.. ¬¬ Brincadeiras a parte (ou não), ainda vai ter muito dele.. Bjus comenta ! Daiana Braga Pereira : Eis a questão, deixar você curiosa (Uu), mas logo logo eu termino com esse mistério (ou não). Bjus comenta! Jessy Evans Potter: Tsc, que povo vingativo eh? Mas.. eu prometo pensar numa boa vingaça.. sabe, o cap de hoje foi só o inicio... Bjkas e comenta! PS eu pensei que ia dar, mas agora eu sinceramente não sei se vai dar tempo, mas vou tentar postar o máximo possível, até porque eu divido o PC com um pirralho viciado que traz a pirralhada toda pra cima do PC, então, eu vou tentar, mesmo, mas não desiste oK? Ah, titulo sujeito a mudanças...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.