FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

21. Fique


Fic: SAVE ME - CONCLUÍDA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Shayne Ward - No Promises


<embed src="http://www.4shared.com/embed/238445164/4e49dc5e" width="420" height="250" allowfullscreen="false" allowscriptaccess="always" />



Hey baby, when we are together, doing things that we love.

Every time you're near I feel like I'm in heaven,

Feeling high

I don't want to let go, girl.

I just need you to know, girl.

I don't wanna run away, baby you're the one I need

Tonight,

No promises.

Baby, now I need to hold you tight, I just wanna die

In your arms

Here tonight

Hey baby, when we are together, doing things that we love.

Everytime you're near I feel like I'm in heaven,

Feeling high

I don't want to let go, girl.

I just need you you to know, girl.

I don't wanna run away, baby you're the one I need

Tonight,

No promises.

Baby, now I need to hold you tight, I just wanna die

In your arms

I don't want to run away, I want to stay forever, through

Time and Time..

No promises

I don't wanna run away, I don't wanna be alone

No Promises

Baby, now I need to hold you tight, now and forever, my ove

No promises

I don't wanna run away, baby you're the one I need

Tonight,

No promises.

Baby, now I need to hold you tight, I just wanna die

In your arms

I don't wanna run away, baby you're the one I need

Tonight,

No promises.

Baby, now I need to hold you tight, I just wanna die

In your arms

Here tonight


Shayne Ward - No Promises (tradução)


Ei, baby, quando nós estamos juntos, fazendo coisas que nós amamos.

Toda vez que você está próxima eu me sinto como se

Estivesse no céu, me sentindo forte

Eu não quero deixá-la ir, garota.

Eu apenas preciso que você saiba, garota.

Eu não quero fugir, baby, você é a única que eu preciso

Esta noite,

Sem promessas.

Baby, agora eu preciso te segurar firme, eu apenas

Quero morrer em seus braços

Aqui, esta noite

Ei, baby, quando nós estamos juntos, fazendo coisas que nós amamos.

Toda vez que você está próxima eu me sinto como se

Estivesse no céu, me sentindo forte

Eu não quero deixá-la ir, garota.

Eu apenas preciso que você saiba, garota.

Eu não quero fugir, baby, você é a única que eu preciso

Esta noite,

Sem promessas.

Baby, agora eu preciso te segurar firme, eu apenas

Quero morrer em seus braços

Eu não quero fugir, eu quero ficar para sempre,

Através dos tempos

Sem promessas

Eu não quero fugir, eu não quero estar sozinho

Sem promessas

Baby, agora eu preciso te segurar firme, agora e para sempre, meu amor

Sem promessas

Eu não quero fugir, baby você é a única que eu preciso

Esta noite,

Sem promessas.

Baby, agora eu preciso te segurar firme, eu apenas

Quero morrer em seus braços

Aqui, esta noite.

Eu não quero fugir, baby você é a única que eu preciso

Esta noite,

Sem promessas.

Baby, agora eu preciso te segurar firme, eu apenas

Quero morrer em seus braços

Aqui, esta noite.

*****************************************************

Capítilo 21


Fique


A espera no St. Mungus foi longa e enervante. Harry ficou lá por duas horas, esperando impacientemente por alguém, qualquer um, para dizer- lhe o que estava acontecendo. Muitos Curandeiros tinham adentrado e saído do quarto de Remo durante o período em que ele esteve lá e ele tinha visto o Sr. e a Sra. Weasley por meros segundos, mal tendo tempo para retornar os seus cumprimentos rápidos enquanto passavam por ele.

Rony tinha desaparecido há uns dez minutos para tentar descobrir algumas notícias e Harry agora estava sentado sozinho em uma incômoda cadeira de madeira, as mãos juntas no colo, e seus olhos perscrutando entorpecidamente o contíguo corredor onde o quarto de Remo estava.

Gina o estivera observando de sua cadeira, afastada do corredor. Ela desejara de alguma maneira poder tê-lo alcançado, mas depois que Rony lhes informara sobre Remo, Harry tinha desaparatado antes que ela pudesse dizer uma palavra. Ele não falara, nem olhara para ela desde que ela chegara no St. Mungus muito tempo depois.

- Eles vão permitir que Harry o veja? – Ela perguntou para Carlinhos, que estava sentado em silêncio ao seu lado. Ele a olhou, esfregando as têmporas em cansaço.

- Eu não sei... Sirius ainda está lá. Eles estão tentando controla-lo pelo que papai me disse.

- Controla-lo? Por quê?

- Bem, estar inconsciente por quase dois anos provavelmente lhe daria muita força.- Carlinhos explicou.- Sem mencionar que hoje é lua cheia.

Os olhos de Gina arregalaram-se com a percepção.

- Eles vão deixar que ele se transforme? Aqui?

- Papai diz que eles estavam tentando acalma-lo o suficiente para dar-lhe um acônito.- Carlinhos disse severamente. – Se Tonks não estivesse lá quando ele acordou, ele poderia ter se machucado mais ainda.

Gina deu um suspiro trêmulo e recostou-se em sua cadeira.

- Ele ficará bem, certo?

- Eu espero que sim. – Carlinhos respirou profundamente e focou sua atenção em Gina. – Então, onde está Olívio?

- Hum?

- Olívio. Seu namorado. – Carlinhos disse com severidade, dando uma palmadinha em seu joelho

Ela revirou os olhos, mas não pôde evitar um leve sorriso pelo tom caçoador.

- Na verdade não tenho muita certeza de onde ele está.

- Como assim, você não sabe? Você não estava no apartamento dele?

- Bem, eu fui lá depois que Rony nos achou, mas ele estava pronto para ir à uma partida de Quadribol.

- Você contou a ele sobre Remo? - Carlinhos perguntou.

- Claro que contei!

- Então por que não o trouxe com você? Pensei que seria bom ter alguém que você ama aqui para te dar conforto.

Gina lançou um olhar rápido a Harry antes de dar de ombros.

- Como eu disse, ele estava pronto para sair... E ele teve que se despedir. – Ela acrescentou rapidamente quando viu os olhos de Carlinhos brilharem em desaprovação. – Ele vai para a Escócia por alguns dias com os amigos para participar de alguns jogos de Quadribol.

- Então o Olívio optou por não vir com você?- Carlinhos perguntou franzindo as sobrancelhas.

- Eu não ligo, tá bom? – Gina disse de mau humor, desejando que essa fosse toda a verdade. Apesar de Olívio ter sido simpático e explicado a ela que ele não podia perder um jogo de Quadribol, não com “o novo time dos Ballycastle”, começando àquela noite. Era crucial, aparentemente, estuda-los já que os Puddlemere jogariam em breve. Se ela fosse honesta consigo mesma, ele nem tinha parecido tão verdadeiro quando se desculpou e a beijou antes que seus amigos chegassem.

Ela olhou novamente para Carlinhos que a estivera analisando bem de perto.

- Bem, independente do que seja mais adequado a você, talvez você devesse ir ver como o Harry está.

Gina ergueu o olhar mais uma vez para Harry, que não tinha se movido de seu assento.

- Tudo bem. – Ela disse antes de ficar de pé e caminhar até Harry, hesitando brevemente antes de sentar-se em uma cadeira perto dele.

Ele não olhou para ela quando ela se sentou.

- Você está bem?

Ele não se moveu, mas levantou o olhar para o dela por um momento.

- Estou bem.

- Tenho certeza de que eles logo o deixarão vê-lo. – Ela lhe assegurou.

- Eu sei. - Ele finalmente se mexeu em seu assento, desejando que ela não se sentasse tão perto dele. A presença dela já estava fazendo um grande estrago em suas entranhas.

- Há alguma coisa que eu possa fazer por você? - Gina colocou uma mão em conforto na dele e franziu as sobrancelhas quando ele a repeliu abruptamente, como se ela o queimasse.

- Você pode... Pode me deixar sozinho por um instante? - Doeu pedir isso, tanto que ele não pôde olhar para ela. Ele nem ao menos queria pensar nela, deixar que ela o confortasse.

- C-claro, eu posso fazer isso, Harry. - Gina ficou de pé, a dor remexendo-se dentro dela enquanto ela se virava e caminhava de volta para Carlinhos.

Harry a fitou, amaldiçoando a si mesmo antes de correr os dedos por seu cabelo. Ele não tivera muito tempo de conversar com Gina antes que Rony chegasse, tirando as vestes antes de se sentar.

- O que a sua mãe disse?- Harry perguntou rapidamente, engolindo em seco quando Rony ergueu seus olhos cansados para ele.

- Tonks está lá com um Curandeiro no momento. Ela ficou bem mal, mas ficará bem.

- E Remo?

- Sirius vai falar com você em um minuto. – Rony explicou, fechando os olhos e recostando a cabeça na parede.- Eu não o vi, mas mamãe não tinha aquele tom de pânico na voz quando falei com ela. E isso é uma coisa boa, certo?

- É. - Suspirando alto, Harry repousou a cabeça nas mãos, enquanto desejava rastejar até a cama. Ele queria tanto apenas dormir e esquecer. Sem pensar que olharia para Remo. - Você contou à Hermione sobre o Remo?

Rony franziu o cenho e olhou ao redor rapidamente.

- Droga. Sinto muito. Acabei esquecendo... - As desculpas de Harry escaparam quando encolheu os ombros.

- Mamãe disse que já falou com ela. Ela está no trabalho, eu suponho. Provavelmente arrumando as malas para ir para a farra. - Rony finalizou.

- Duvido que ela esteja se divertindo agora, Rony. Verdade, ela ia me preparar uma poção do sono.

Rony resmungou algo e cruzou os braços enquanto se esparramava na cadeira. Harry suspirou e olhou ao longe, inclinado-se e juntando as mãos firmemente, seus olhos perscrutando os corredores por qualquer sinal de Sirius.

- Ela parte amanhã.- Rony disse baixinho, quebrando o silêncio.

- Eu sei.

- Então o que eu faço? - Rony perguntou, de repente, se inclinado para ficar ombro a ombro com Harry.- Como faço ela ficar?

Harry piscou rapidamente, voltando à tona pelo tom desesperado na voz de Rony.

- Rony, não acho que haja algo que você possa fazer. - Ele disse cuidadosamente.

Rony o encarou por um minuto, antes de sacudir a cabeça:

- Deve haver alguma coisa...

- Não há.- Harry interrompeu forçadamente. Ele observou enquanto Rony levantava-se abruptamente de sua cadeira:

- Você não sacou, não é? - Rony disse rispidamente. - Ela... Não posso ficar sem ela. A partida dela... é apenas...uma loucura. Ela pirou! Ela vai embarcar naquele trem e ela vai ver como está sendo incrivelmente ridícula...

Harry levantou-se devagar, seu olhar sustentando o de Rony:

- Não... Ela não vai. Ela está entusiasmada com essa oportunidade, Rony. Precisa fazer isso por si mesma.

- Não! - A voz de Rony estava densa com a negação enquanto ele pegava suas vestes rispidamente. - Não!

- Sim! - Harry arrancou as vestes das mãos de Ron, as atirando de volta à cadeira. - Rony, você vai enlouquecer se continuar pensando assim. Hermione te ama. Ama você.- Ele continuou quando Rony olhou-o, zangado. - Mas ela precisa fazer isso. Você não consegue ver? Eu sei que é duro para você, mas você vai ter que aceitar que ela vai partir.

- Não! Não pode...

- Rony! - Harry disse - Você tem que aceitar.

Rony o ignorou e abaixou-se para pegar mais uma vez suas vestes da cadeira.

- Aonde você vai?- Harry perguntou.

Rony vestiu-se rapidamente, olhando para Harry:

- Vou beber alguma coisa... Preciso sair daqui. Preciso clarear a mente.

- Não acho que isso seja uma boa idéia. - Harry disse, agarrando o braço de Rony.

- Você não está em posição para começar a me dizer o que é ou não uma boa idéia. - Rony ralhou, desvencilhando-se. – Eu poderia ficar aqui e despejar todos os meus problemas em você, mas você está ocupado demais chafurdando na sua própria merda que eu acho melhor falar com... Com um daqueles pacientes em coma. Agora cai fora!

Harry observou em surpresa enquanto Rony saía intempestivo, desaparecendo pelas escadas e deixando um ar de fúria para trás.

Finalmente frustrado e a ponto de perder a paciência, Harry saiu determinado a encontrar Sirius. Ele sentiu alívio quando topou com seu padrinho, seu rosto extremamente esgotado e cansado. Harry notou pequenos cortes nas mãos de Sirius e retraiu a impaciência que o acometia.

- Como ele está?

- Não temos muita certeza, ele está perto de se transformar desde que a lua cheia apareceu. Eu acho que seria melhor você ir para casa esta noite.

- Casa? - Harry sentiu a raiva borbulhar dentro dele. - Eu estive sentado neste maldito hospital por duas horas e ninguém me dizia nada. E agora você quer que eu apenas vá para casa?

- Harry, não quero discutir isso com você. - Sirius disse baixinho. – Você não pode vê-lo hoje à noite e eu não posso te dizer mais nada, já que nem eu mesmo sei.

- Posso ficar e ajudar. - Harry disse de repente, incitando-se quando Sirius fechou os olhos e sacudiu a cabeça. – Tenho dezenove anos, Sirius. Estou em treinamento para me tornar um Auror. Sou perfeitamente capaz de ajudar você e ao Sr. Weasley... E Carlinhos e quem mais for ficar.

- Eu falei com o Sr. e a Sra. Weasley e eles acham melhor você levar Rony e Gina e então ir para casa. Pode ficar na Toca, se quiser. Por favor, faça isso por mim, Harry.

Harry teria discutido mais. Ele estava zangado o suficiente para discutir com Sirius a noite toda se fosse preciso. Mas o olhar de seu padrinho o fez encolher os ombros em derrota.

-‘Tá bom. - Ele disse seguramente.

Sirius assentiu e colocou uma mão no ombro de Harry antes de virar-se e dirigir-se para Carlinhos, que lhe lançou um olhar simpático antes dos dois desaparecerem no corredor contíguo ao quarto de Remo. Os olhos de Harry varreram o resto do corredor à procura de Gina, mas achou que ela também já tinha ido. Ele começou a caminhar, sua irritação se alastrando por seu sangue. Eles simplesmente não confiavam nele, ou não o achavam capaz de agir como um adulto. Eles não percebiam quem ele era? O que ele passou cada ano desde que completara onze anos?

A situação entre Rony e Hermione parecia apenas pesar ainda mais. Agora ele estava preso entre seus dois amigos. Por que diabos eles tiveram que se tornar amantes? Eles não percebiam que o traziam para o meio sempre que brigavam?

E Gina...Gina com seus olhos vibrantes e seu cabelo espesso e seus lábios macios... Tudo perdido com Olívio. Ela nem sequer vira o quanto Harry precisava dela. E se viu, não pareceu se importar muito.

Harry apressou-se pelos corredores, imaginando por quê estava tão difícil respirar. Havia um buraco dentro dele, ameaçando engoli-lo por inteiro. Seus olhos pousaram em Gina, que estava saindo do banheiro e trombou com ele. Sem pensar duas vezes, Harry aproximou-se dela.

- Harry... - Sua voz foi diminuindo quando ela viu a selvageria nos olhos dele. A urgência. - Está tudo bem?

Ele a puxou para perto em resposta e segurou seu rosto com as mãos antes de atacar os lábios dela. Ele precisava de contato. Ele precisava sentir alguma coisa...

A língua dele deslizou pelos lábios dela enquanto seu corpo a pressionava na parede. Ela levou as mãos para o peito dele com a intenção de repeli-lo, mas encontrou seus dedos agarrando sua camiseta e apertando.

Os lábios dele eram ferozes, arrancando um suave gemido da garganta de Gina. Ela respondeu às investidas da língua dele com seus próprios comandos, o trazendo firmemente para perto. Ela poderia nunca estar perto suficiente. As emoções que irradiavam deles estavam se concentrando e ameaçando irromper, fazendo com que Harry se afastasse rapidamente. Gina o segurou por um segundo antes que seus braços caíssem para os lados.

Apesar do que estava imaginando, Harry sentiu como se seu peito estivesse congestionado, espremendo cada respiração dele. Gina estava fitando- o, sua respiração descompassada. Ela levou os dedos aos lábios, que estavam vermelhos e inchados.

- Desculpa. Eu não sei por quê fiz isso...

- Não se desculpe. - Gina disse simplesmente, seus dedos ainda sobre os lábios.

- Eu tenho que ir. - Harry disse abruptamente, correndo os dedos trêmulos pelos cabelos.

- Mas...

- Não posso ficar aqui, preciso ir.

Ela assentiu, seus olhos se enchendo se entendimento:

- Tudo bem.

Ele parou e olhou para ela por um momento, seu coração acelerado:

- Você vem comigo? Não quero ir para casa sozinho.

Ela mordeu o lábio por um momento, indecisa. Sua mente gritava para ela dizer não, mas foi como se tivesse sido expulsa e seu coração tinha outros planos.

- Sim, eu vou com você.

O rosto dele disfarçou o alívio que sentiu e ele colocou as mãos nos bolsos para se impedir de segurar a mão dela. Eles caminharam em silêncio e, quando Harry aparatou, Gina permaneceu de pé, fixa, com sua varinha em mão.

Agora era hora de repensar isso. Ela estaria sozinha. Com Harry. Sozinha com Harry. Não tinha certeza se podia confiar nele. Ela tinha certeza que não podia confiar em si mesma. Ela quase se entregara quando ele a beijou. Ela não queria parar.

Então vieram os pensamentos sobre Olívio. Ela sabia que ele não ficaria nem um pouco satisfeito em saber que ela estava passando um tempo com Harry. Sozinha.

Sabendo que era melhor não pensar nas conseqüências, Gina seguiu seus instintos e aparatou para a entrada da casa de Sirius. A porta ainda estava aberta e entrou, seus olhos procurando por Harry. Fechando a porta, Gina reparou nas vestes jogadas nas costas do sofá.

- Harry?

O silêncio lhe respondeu e Gina se dirigiu à cozinha quando ela escutou o barulho de água correndo no banheiro acima dela. Suspirando aliviada, ela tirou uma chaleira do armário e preparou uma xícara de chá. Segurando a xícara com as duas mãos, Gina subiu as escadas. Olhando para o banheiro, ela viu que estava vazio e escuro. Ela foi até o quarto, franzindo as sobrancelhas quando o viu sentado no colchão com o rosto enterrado nas mãos.

- E-eu fiz um pouco de chá. - Ela disse com a voz falha, colocando a xícara no criado-mudo ao lado da cama.

Harry ergueu a cabeça e olhou para a xícara antes de dar-lhe um pequeno sorriso:

- Obrigado, Gina.

Ela sentou-se próxima a ele, cuidadosamente impondo distância suficiente entre eles, senão ela se sentiria tentada a... Não, ela não podia pensar nisso.

- O que aconteceu? Você viu o Remo?

- Sirius achou que seria mais seguro se eu esperasse até amanhã, depois que ele tivesse se transformado. - Harry explicou com raiva. - Enquanto isso, Rony e Hermione estão agindo como mulas teimosas e eu não sei o que dizer a eles para melhorar isso.

- Às vezes você precisa deixar as coisas acontecerem sozinhas.

Harry virou a cabeça para olha-la bem de perto:

- Você acha que isso é possível? Quando todos estão sempre esperando algo de você?

Gina remexeu-se inquieta sob o olhar intenso dele e baixou os olhos para as mãos:

- Rony e Hermione esperam que você os entenda. Sirius espera que você se torne um adulto responsável, o que você já está fazendo. Mas você nunca acha que isso é suficiente.

- Não parece ser suficiente. – Harry replicou - Eu me sinto um nada.

- Você é algo.- Ela insistiu baixinho, encontrando olhar dele. - Você é alguém. Pelo menos para mim.

Sabendo que não havia palavras a dizer, Harry inclinou-se e passou os braços ao redor dela, enterrando o rosto na curva de seu pescoço. Ele aspirou sua essência e de repente se sentiu em paz. Ele se sentiu seguro.

Ela o abraçou por um momento, fechando os olhos firmemente contra a enxurrada de emoções que parecia domina-la. Afastando-se gentilmente, Gina levou a mão à bochecha dele:

- Está tarde. Você deveria dormir.

Cansado demais para argumentar, Harry assentiu:

- Você fica!

Não era uma pergunta. Nem uma ordem. Gina achou que não tinha intenção de partir enquanto ele ainda precisava dela. Ela tirou os óculos do rosto dele e os colocou na mesa, perto do chá intocado, antes de deitar-se nos travesseiros, seus braços fechando-se ao redor dele quando ele deitou ao seu lado. A cabeça dele descansou gentilmente em seu peito e seus braços a abraçaram na cintura.

Gina respirou pesadamente, tentando controlar seu coração disparado. O corpo dele estava tão quente e convidativo que ela quis deslizar os dedos por ele até memorizar cada centímetro de pele e músculos. Sentindo-se quente pelo pensamento, Gina deixou seus dedos deslizarem com gentileza pelos cabelos dele. Ela podia ver seus olhos se fechando e sua respiração tornando-se regular e baixa.

Ele a estava abraçando tão forte, seus dedos envolvendo os lados de sua blusa, como se ele estivesse tentando impedi-la de ir embora. Ela fechou os olhos, desejando que ele finalmente admitisse que a amava. O que ela não daria para ouvir aquelas palavras saírem dos lábios dele...

E mais uma vez era dolorosamente claro para ela. Ela amava Harry. Ela tentara não amar. Ela tentara ficar longe dele e quase conseguira. Mas agora ele estava deitado, tão inocentemente, com ela na cama dele. As pernas estavam entrelaçadas, o coração dele batendo contra o corpo dela. Ela sabia que eventualmente teria que partir, e viver a vida que ela tinha construído para si mesma. E ela sabia que quanto mais tempo ficasse ali deitada com Harry, mais difícil seria.

Depois de um tempo, Gina removeu Harry gentilmente, até conseguir sair debaixo dele. Ele murmurou alguma coisa incoerente, que a fez sorrir enquanto se preparava para sair da cama. Mas ela se assustou levemente quando ele agarrou o seu braço e a parou.

Antes que ela pudesse falar, Harry fechou os olhos levemente e ergueu sua outra mão para trás de sua nuca. Então ele a estava trazendo para perto dele até que a boca dela se fechou na sua. Tão calmamente. Tão perfeitamente. Línguas “brincando” uma com a outra lentamente antes que ele gemesse.

Era um beijo profundo que tinha seu corpo pulsando de necessidade. Mas Harry se afastou lentamente, sua cabeça descansando no travesseiro que ela acabara de deixar. Dentro de momentos, ela podia dizer que ele estava dormindo novamente.

Piscando para livrar-se das lágrimas que ameaçavam, Gina levantou-se da cama e caminhou até a janela, fechando-a por causa da brisa fria que começara a soprar. A lua estava alta e cheia, as estrelas brilhantes.

Por sobre o ombro, ela percebeu que ele não mudara de posição, apesar de sua mão apertar os cobertores onde ela estivera minutos antes. Não esperando que ele acordasse na escuridão, Gina pegou sua varinha e acendeu as duas velas perto da cama dele. O quarto encheu- se da suave luz das velas, que tremeluziram pelas paredes e pelo rosto dele, criando sombras e ilusões. Isso fez com que Gina desejasse desesperadamente apenas enroscar-se nele e dormir a noite toda.

Resignada, Gina caminhou até a porta e, com um último olhar, fechou-a silenciosamente atrás de si.



*****************************************************

N/B: Meu Deus! Esse capítulo foi incrível! Esse capítulo foi demais! Adorei a cena do Harry com a Gina. Acho que no fim, depois de ferrar legal, comer o pão que o diabo amassou e o diabo de quatro, eles merecem paz e sossego né? De preferência uma longa lua-de-mel no Brasil, no Caribe ou na Austrália.(Sonha Henriqueeeee³³³)

N/B2:Quando a Carol me disse que era pra arrumar gelo pra mim, pensei que seria algo mais... Sei lá, picante como pimenta (será que vcs me entenderam??) Carol, a srta traduz incrivelmente bem, acho que se você quiser pode ser tradutora, não?

N/B3: Apenas pra ter uma N/B três mesmo. HUAHUAHUAHUA. Estamos esperando o próximooo! bjs Carol!!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.