FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

47. Capítulo 46


Fic: CIDADE DAS PEDRAS - Draco e Hermione - Concluída


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Hermione Malfoy



 



 



 



 



Estava perdida entre o que era real e o que era sonho. Não sabia o que havia acontecido a ela. Talvez estivesse morta. Tentava buscar suas memórias, mas sempre havia aquele mar escuro onde ela acabava se afundando. Muitas vezes desesperava-se para tentar encontrar a superfície, buscando por ar, como se tentasse vencer a corrente das forças que cercavam, mas perdia-se sem saber pra qual direção ir. Acabava-se por se entregar e era quando ela vinha. Morgana. A intrusa de seus sonhos. Quando a via com tanta clareza, era quando verdadeiramente sentia-se acuada.



 



Fraca.



 



Era o que ela dizia.



 



Um potencial desperdiçado. Falhou como todos os outros.



 



A figura dela já não era mais pavorosa como antes havia sido. Havia se conectado a ela, havia se permitido sentir toda a magia escura que a envolvia. Havia se permitido mergulhar no rancor, no senso de vingança, no desejo de soberania. Havia permitido que a guiasse. Não esperava que fosse acabar afundando naquele mar infinito.



 



Como vai se salvar agora? Como vai se proteger? O mundo sabe quem é.



 



Sentia-se vulnerável. Perdida.



 



Precisa de mim. Só eu posso te fazer forte.



 



Não. Ela havia sido forte sua vida inteira sem precisar se conectar a força de Morgana. Tentou lutar novamente contra o mar que a afundava. Sem saber pra qual direção ir, qual rumo tomar, apenas lutou. Céus. Estava exausta. Era a única certeza que tinha.



 



Transitou entre mundos estranhos. Reviveu lembranças e fantasiou realidades. Sempre voltava para o mar onde afundava. Lutava para tentar encontrar a superfície. Quando se entregava derrotada escutava o pior das faces de sua alma dizer:



 



Fraca.



 



Lutou para encontrar a superfície. Lutou para não afundar. Mas era impossível. Toda aquela escuridão a cercando, a consumindo. Era um castigo? Um castigo por ser fraca? Por não estar sentando no trono de Voldemort naquele exato momento, exigindo que o mundo se ajoelhasse aos seus pés? Transitou entre realidades inventadas novamente. Entre lembranças boas e ruins. Sofreu e riu com os sentimentos que elas lhe traziam e acabou naquele mar outra vez.



 



Fraca.



 



Ela não aguentava mais lutar. Entregou-se a escuridão. Permitiu afundar. Sentiu seu corpo pesar cada vez mais. Aceitou ir. Foi quando começou a notar vozes muito longes numa discussão monótona. Foram se tornando mais audíveis a medida que ela conseguia notar que o mar a sua volta tomava uma tonalidade diferente. Era o mundo real?



 



Ter uma gota de esperança de atingir o mundo realmente lhe trouxe uma esperança desesperadora. Quis lutar, mas seu corpo estava pesado. Não conseguia mover. Não tinha controle sobre seus membros, suas ações. Nada. A aflição não permitiu que pudesse se focar nas vozes que escutava. Talvez fossem familiares. Ela não entendia.



 



Fraca!



 



Escutou novamente e caiu no mar escuro. Afundou sem forças. Apagou.



 



Tempo? Será que tinha qualquer chance de poder conseguir entende-lo, medi-lo? Estava morta? Era isso? Sua alma perdida, será? Quanto tempo duraria? Ela queria o mundo real. Queria a realidade. Nada substituía a realidade.



 



Foi quando abriu os olhos. Demorou alguns segundos para entender que estivera de olhos fechados antes. A claridade foi quase irreal comparado ao mundo de escuridão ao qual estivera presa. Piscou perdida e começou a tomar consciência do restante de seu corpo. Encarava um teto muito familiar. Mas sua memória e suas lembranças estavam bagunçadas. Moveu os membros de seu corpo muito calmamente e sentiu cobertas pesadas a cobrindo. Virou o rosto para ver uma gigantesca fachada de janelas cobertas por longas cortinas finas. Ela conhecia aquele lugar.



 



Whitehall?



 



Tentou sentar, mas seu corpo exclamou de exaustão. Ainda assim, ela insistiu. Um elfo doméstico limpava os livros da enorme parede de estante e ao lado da porta e virou-se para encará-la assim que percebeu a movimentação e os gemidos que escapavam da boca dela ao tentar vencer a fraqueza de seus membros.



 



Kip?



 



Era um dos elfos de sua casa. Ajudava Tryn no jardim e na cozinha. Ele estalou os dedos e sumiu no momento em que a viu consciente. Hermione jogou as cobertas para longe do corpo e notou estar vestida com uma roupa de dormir que não pertencia a ela. Os babados do fino e claro tecido de linho caíam por seus ombros apesar do laço sobre seu colo estar amarrado no máximo. Ela pisou com os pés descalços no piso frio encarando a renda ao final do longo vestido de dormir. Fechou os olhos e respirou fundo tentando se situar e colocar sua cabeça no lugar. Tudo em seu corpo doía. Cada célula parecia protestar de alguma forma.



 



Permitiu passar os olhos pelo quarto e aos poucos sua memória foi construindo tudo que havia passado. A medida que suas lembranças clareavam, seus olhos foram embaçando. A pressão em seu peito começou a esmagar seu coração e quando tudo entrou em ondem em sua cabeça, ela fechou os olhos e deixou as lágrimas rolares.



 



Levantou-se tentando entender como ainda estava viva depois de ter enfrentando a maldição de Brampton numa de suas maiores irresponsabilidades mágicas. Ainda estava surpresa por ter conhecido uma extensão de suas habilidades mágicas que agora tinha medo de pensar que fazia parte dela. Tentava entender ou buscar em qual momento tudo havia saído de seu controle. Quando foi que todo aquele mal que ela havia absorvido para ter Brampton Fort debaixo de seu controle e usar a força da magia a seu favor havia a deixado aterrorizada? Quando foi que seu temperamento fugiu de seu próprio controle? Tudo parecia ter tanta coerência em sua cabeça e agora tudo parecia ter sido o pior dos seus pesadelos.



 



Ela ainda se lembrava o modo como a coerência de todo o pensamento e o sentimento que havia a levado até ali perdera todo fundamento quando Draco caiu aos seus pés assumindo a derrota de não poder mata-la, mesmo tendo o motivo do porque sua família se certificava que pessoas com o sangue dela não existissem no mundo escancarado bem a sua frente.



 



Ainda assim, ela não conseguia colocar sua mente no lugar a respeito do momento em que seu cérebro havia trocado o significado de tudo. Não conseguia se entender, não conseguia encontrar as respostas sobre o que fora e o que era, o que realmente queria, para onde iria, o que faria. Porque tudo estava misturado em sua cabeça. Tudo fazia sentido até Draco...



 



Uma aflição começou a roubar dela o ar e ela cobriu o rosto apoiando-se num dos dosséis da cama. Onde estava Draco? Como que Whitehall ainda estava intacta depois de tudo que havia acontecido? Apressou seu passo sentindo que poderia cair sem forças contra o chão a qualquer momento e foi até uma das janelas. Empurrou a cortina e viu depois do pátio leste a extensão da cidade, seus perfeitos telhados, suas paredes de pedra. Pessoas caminhavam pelas ruas, sem suas capas ou casacos de pesados, aproveitando o sol que brilhava por entre as nuvens brancas que ela rara as vezes havia visto no céu daquele lugar.



 



Não entendia...



 



Seu corpo encolheu minimamente quando escutou a porta se abrindo. Era estranho se ver tão frágil quando se lembrava de ter estado tão forte. Virou-se para receber quem quer que fosse a porta de Whitehall. Qualquer um seria uma surpresa, e ver Neville Longbottom parado ali foi uma para ela. Eles se encararam alguns segundos em silêncio. Hermione notou a maleta que ele carregava junto com seu chapéu e ele a notou de volta. As bochechas dele coraram e ele limpou a garganta para se aproximar desviando o olhar.



 



- É bom de te ver de pé. – Ele disse indo até a cama e pegando um roupão que havia pendurado no dossel. – Tome. – Ele se aproximou e estendeu a peça de roupa sem voltar a colocar os olhos sobre ela.



 



Hermione se aproximou e pegou o roupão notando antes que o linho da camisola que usava era fino o suficiente para que ele pudesse ver atrás do tecido. Vestiu a pesado e aveludado robe amarrando o na cintura e alisando o semblante da Catedral bordado no peito.



 



- Esteve apagada por muito tempo. Mais de uma semana. Honestamente, não sabia se iria mesmo acordar. – Neville retomou a fala enquanto colocava sua maleta e chapéu sobre a mesa próximo a lareira. – Na verdade, estou surpreso que esteja de pé depois de ter enfrentado uma magia tão obscura, lendária e ancestral quanto a maldição de Brampton. Não sei como sobreviveu. Creio que nem mesmo Morgana em pessoa teria a coragem de peitar uma maldição como essa. - Ela não queria ter peitado a maldição de Brampton. A queria apenas como aliada. Queria ter extraído forças dela para poder carrega-la sobre Voldemort, para assustar seus aliados. Não esperava fosse ser completamente domada. – Eu verdadeiramente pensei que não fosse abrir os olhos nunca mais, Hermione. – Ele ergueu os olhos para ela. – Pensei que fosse viver presa no mundo dos sonhos. Talvez uma última vingança da maldição que você conseguiu destruir. – Ele apertou um sorriso. – Sempre se provou muito habilidosa em tudo. Desde que a conheci.



 



Hermione não sorriu de volta. Ainda se lembrava de sentir seu corpo ser puxado para todos os lados, das células de seu corpo quase se desintegrando, da angústia, de não saber exatamente como lutar, de buscar o conhecimento que seu cérebro tinha dificuldade para acompanhar. Morgana não estaria orgulhosa de saber que poderia ter tomado a força daquela maldição para si, mas escolhera lutar contra ela.



 



Fraca.



 



Talvez essa fosse a linha que ela passaria para se dividir do que quer que fosse que havia nela sobre Morgana. Não que achasse que conseguisse. Conectar-se a ela agora era completamente inevitável. Mas tentaria. Ao menos tentaria. E aquele seria um bom começo. Desviou o olhar dele para encarar as cortinas que escondiam a vista do pátio leste e da cidade. Tinha mil perguntas entalas em sua garganta.



 



- Como que a cidade está de pé? – Ela perguntou. Sua voz completamente estranha por não falar por tanto tempo. Tentou limpar a garganta. – Porque as pessoas voltaram?



 



- Foi uma guerra longa. Um império longo. Essa é a única casa que muitos conhecem. As pessoas fizeram uma vida aqui. – Respondeu ele encarando a luz que passava pelas cortinas assim como ela. – É um lugar definitivamente... Estranho. – Aquele comentário soou quase que mais apenas para si. – Eles levantaram o máximo que conseguiram do lugar em poucos dias. Quero dizer, só a parte ao redor da Catedral. Ainda estão trabalhando nas partes mais distantes. Luna havia me dito que era um lugar grande, mas eu não esperava que fosse tão grande. – Voltou seu olhar para ela novamente. – As pessoas dizem que tudo está diferente agora que aparentemente parece não haver mais a opressão da maldição ou a influência de Voldemort. Para mim se parece apenas com uma fria cidade de pedras. – Hermione voltou a encará-lo. – Tenho te acompanhado desde que a colocaram nessa cama. Acho que sou de confiança. Gostaria de fazer alguns testes agora que está acordada. Poderia se sentar? – Sugeriu ele apontando para a cadeira logo ao seu lado. Hermione apenas piscou calmamente e aproximou-se tomando o assento. Neville abriu sua maleta e puxou uma cadeira para próximo dela sentando-se logo a sua frente. – Como se sente? – Começou ele.



 



- Exausta. – Ela respondeu.



 



Ele assentiu como se esperasse por aquela resposta. A instruiu a apoiar o braço sobre a mesa para que ele pudesse medir sua pressão. Hermione o obedeceu e enquanto ele bombeava o apetrecho médico, ela notou que seu anelar, onde sempre carregara o anel Malfoy desde seu casamento, estava vazio. Ela se sentiu completamente nua. Roçou os dedos um contra o outro e a sensação estranha de ter aquele lugar de seu corpo descoberto e exposto tomou conta do seu foco, que só foi quebrado quando escutou a voz de Neville novamente.



 



- Baixa. – Ele comentou enquanto anotava os números em uma pequena agenda. – Mas não completamente anormal. Um bom sinal.



 



- Eu aceitaria uma poção para reanimo. – Sugeriu ela, sabendo que o efeito ajudaria na dor de cabeça que sentia.



 



Neville apertou os lábios de uma forma estranha.



 



- Talvez fosse bom evitar magia por algum tempo. – Ele pareceu incerto. – Seria uma alternativa para dar seu corpo algum descanso. - Ela soltou o ar cansada. Não dava a mínima e ele pareceu notar que ela pouco se importava com o que quer que ele estivesse fazendo ali. Jogou algumas fortes luzes contra seus olhos e estimulou alguns de seus sentidos. – Preciso fazer algumas perguntas. – Ele anunciou quando terminou seu exame e esperou que ela concordasse. Hermione assentiu. Ele limpou a garganta e puxou sua pequena agenda. – Nome?



 



- Hermione. – Respondeu.



 



- Completo. – Pediu.



 



Ela suspirou. Quis fechar os olhos, mas tentou manter-se comportada.



 



- Hermione Jane Malfoy.



 



Houve um silêncio curto entre eles. Sabia que sempre soaria estranho para ele que ela tivesse o sobrenome Malfoy. Talvez para ela também nunca fosse soar certo. Ele ajustou sua postura na cadeira.



 



- Casada?



 



- Sim.



 



- Nome do marido?



 



- Draco Lúcio Malfoy.



 



- Filhos?



 



Seu coração apertou.



 



- Dois. – Respondeu.



 



- Nomes. – Pediu ele.



 



- Scorpius Darion Malfoy e Hera Drina Malfoy.



 



- Onde se conheceram? Você e seu marido?



 



- Hogwarts. Primeiro ano. Nos adiávamos. Qual o objetivo disso?



 



- Verificar se sua memória está intacta ou se foi alterada como mecanismo de defesa. – Respondeu ele. – De que lado esteve durante a grande guerra?



 



- Do lado que esteve contra Voldemort. – Respondeu ela.



 



- Alguma organização em específico?



 



Ela suspirou cansada.



 



- Ordem da Fênix. Lutei por anos até me deixar ser capturada. Foi quando Voldemort me fez uma comensal e me forçou a casar com Draco. – Adiantou ela. – Os jornais irão te contar uma história diferente. Nunca quis me casar com ele, nunca fui agente dupla. Nunca tive um relacionamento com Draco que não fosse o de inimigos enquanto fiz parte da Ordem da Fênix.



 



Neville apertou os lábios e assentiu. Estava visivelmente desconfortável. Ele checou algo em sua agenda, moveu-se inquieto e continuou:



 



- Quem matou Voldemort?



 



Foi involuntário sentir seu sangue esquentar ao responder aquela pergunta para si mesma primeiro. A saliva quase desceu seca por sua garganta.



 



- Harry o matou. – Respondeu.



 



Ele escreveu algo em seu caderno.



 



- Como se sente a respeito disso?



 



Ela ergueu as sobrancelhas surpresa por estar ouvido aquela pergunta.



 



- Eu pensei que isso fosse sobre minha memória.



 



Neville puxou o ar ajeitando-se em sua cadeira outra vez.



 



- Hermione. – Mordeu o canto na boca. – É difícil explicar, mas... – Parecia perdido. – Existem coisas obscuras sobre você que talvez não saiba...



 



- Sei o que sou. – Hermione o cortou. - Morgana conseguiu dividir sua alma em fragmentos ao morrer. Carrego uma parte dela. Sei disso e sei que você também sabe. Uma magia pouco conhecida, mas temida o suficiente para te fazer vir aqui e assumir o papel que está fazendo para se certificar de que não estou pretendendo nada glorioso demais. – Ele desviou o olhar. – Não é necessário que fique desconfortável ou constrangido. Eu sei onde estou. Isso é Whitehall. Estou sendo mantida prisioneira. Não estou?



 



Neville fechou sua agenda. Massageou a ponte de seu nariz e soltou o ar.



 



- Não acredito que esse seja o termo correto. – Ele desviou.



 



Ela suspirou, quase impaciente. Tudo doía, até mesmo respirar lhe parecia um esforço.



 



- Sei o que eu fiz. Sei o estrago que causei. E sei do potencial que tenho em repetir tudo de novo. Você não precisa ser nada menos do que honesto, Neville.



 



Um silêncio desconfortável se instalou entre eles.



 



- É necessário... – Ele limpou a garganta como se estivesse precisando de tempo para encontrar a palavra certa. – Monitora-la.



 



- Entendo. – Ela respondeu. – Por quanto tempo?



 



Neville apertou os lábios.



 



- Pelo resto da vida, Hermione. Sua... condição... não iria pedir menos do que isso.



 



- Não acha que eu poderia aprender a administrar minha... condição? – Seu coração acelerava com a forma como aquilo estava se desenrolando.



 



- Essa é a expectativa, Hermione.



 



- Expectativa? – Perguntou confusa. - Sua?



 



- Sim. – Ele respondeu. – Me sinto no dever de tentar guia-la. Se quiser, obviamente.



 



Hermione estreitou os olhos um tanto perdida.



 



- Por que?



 



- Por que me sinto no dever? Porque eu quem li os códigos no seu sangue, eu quem o decifrei. Eu quem herdei os arquivos de Snape. Eu quem confirmei ao seu marido sua condição. Eu quem a defendi quanto Gina não viu nenhum uso a sua existência. Eu que estive ao seu lado quando se livrou da marca de Voldemort. Me sinto no dever de guia-la porque depois de tudo que passou, merece um amigo. Um que entende que o modo como foi informada sobre sua procedência foi completamente desumano ao seu psicológico e extremamente perigoso a sua condição. O momento em que se tornou consciente do seu sangue, se conectou com uma parte sua que esteve dormente até então. Não teve aconselhamento, informação, mal soube a extensão daquilo que era, foi obrigada a mergulhar em tudo isso com os olhos vendados, enquanto tinha que enfrentar as ameaças de um império, enquanto tentava proteger os filhos depois de já ter perdido uma, enquanto sabia que a família que a acolhia rejeitava seu sangue.



 



Hermione puxou ar com dificuldade ao escutar aquilo. Ajeitou-se, gemendo muito baixo, pelo protesto de cada músculo de seu corpo.



 



- Como sabe de tudo isso? – Perguntou curiosa.



 



- Tive longas horas de conversa com Draco Malfoy. – Ele respondeu.



 



- Porque ele não está aqui também?



 



Neville limpou a garganta.



 



- É um trabalho árduo e continuo colocar o mundo em ordem depois de tudo que aconteceu. Tem o consumido bastante tempo.



 



Hermione captou o redirecionamento daquela resposta imediatamente.



 



- Eu pedi para não ser nada menos que honesto.



 



O homem moveu-se incomodado. Soltou o ar. Inclinou-se e puxou de sua maleta um familiar medalhão. Colocou-o sobre a mesa bem ao lado dela.



 



- Malfoy é alguém difícil de ler. Mas se eu tivesse que chutar, poderia dizer que ele está lutando contra a irresponsabilidade de te querer em casa. – Ele acenou para o medalhão que Hermione havia dado a Narcisa antes de fazê-la fugir de Brampton Fort com Scorpius. – Você quis o deixar primeiro. Ele entende que a consequência de não ser capaz de te matar é te deixar livre. Você está livre para ir, ele sabe que não pode te segurar. O medalhão não foi usado, o portal ainda está ativo. Malfoy chegou a conclusão de que a melhor alternativa para o pior dos casos seria usar de outros para te caçar e isso seria o máximo que ele conseguiria cumprir do dever que herdou dos Malfoy com relação ao sangue que você carrega.



 



Hermione apertou os lábios e fechou os olhos lutando contra o nó em sua garganta.



 



- E seu eu não quiser ir? – Perguntou com a voz trêmula.



 



- Então eu estarei aqui amanha novamente. Iremos conversar, estudar caminhos pelo qual seguir para encontrar a melhor forma de se conhecer de um modo saudável e menos arriscado. Minha esperança é que se entenda da melhor forma possível, para ter capacidade de se dividir, se reconhecer, recuperar sua identidade.



 



- Acha que estou perdida? – Abriu os olhos deixando um par de lágrimas lhe escapar.



 



- Você não acha que está? – Ele devolveu.



 



Ela ponderou relutante e acabou por assentir.



 



- Quero falar com ele. – Disse. – Draco. – Especificou.



 



Neville suspirou outra vez. Massageou outra vez a ponte do nariz.



 



- Hermione... – Ele abaixou os olhos. – Não acho que Malfoy tenha planos de vir até aqui. Ele me pareceu bem convencido de que a melhor forma de lidar com isso é saber que a perdeu.



 



Dessa vez, ela não foi capaz de segurar as lágrimas. Até tentou. Mas acabou tendo que cobrir o rosto. O máximo que conseguiu conter foram seus soluços. Fungou tentando colocar pra dentro seu estado miserável e frágil. Limpou o nariz e o rosto com as mangas do robe grosso sentindo-se uma criança. Céus! Ela entendia. Ela o entendia.



 



- Eu não pensei que fosse ser a maior das derrotas dele. – Ela justificou soluçante tentando limpar a constante cachoeira de lágrimas. – Draco nunca falhou em cumprir um dever. Abriu mão das próprias vontades a vida inteira para servir os interesses de seu sobrenome. Eu era um dever. Um que ele não foi capaz de cumprir. Nem quando eu o implorei por isso, Neville! – Ela estava consciente de seu choro alto e queria se sentir patética por isso, mas tudo dentro dela doía. – O que acredita que eu fosse esperar de um homem que me ensinou sobre e necessidade e a importância de sacrifícios? Eu estive debaixo do mesmo teto que ele! Fui abraçada, tocada, beijada incontáveis vezes. Eu lia claramente o afeto dele. Mas também tive que lidar com as vezes que segurava seus silêncios e evitava meu olhar. Ele vivia o dilema dele e tudo que me restava era a dúvida. Que outra alternativa eu tive senão testá-lo? E ele não me falhou nenhuma vez! – Tudo nela revirava. Fungou limpando o rosto mais uma vez. – Quando Scorpius foi parar nas mãos de Voldemort e nós deixamos Brampton Fort, ele agiu exatamente como esperava que ele fosse agir. Entendeu que o afeto apenas nos colocava debaixo do medo e passou a tomar decisões como se fosse Lúcio Malfoy. Abandonamos o cuidado de Hera, tive que ouvi-lo mapear estratégias como se Scorpius não pudesse ser usado para nos castigar, vi quando ele cortou os fundos da mãe deixando-a sem acesso a um centavo sequer, escutei todas as vezes em que pediu para que eu não fosse fraca quando sabia que eu queria gritar e fugir do meu dever ao lado dele. Tudo em nome da vitória Malfoy. Eu sei que ele não queria nada daquilo, não queria ser parte de nenhuma daquelas decisões, mas ele entendia que era necessário, mesmo que o doesse tanto. O que esperava que eu pensasse diante disso? Esperava que fosse mesmo acreditar que quando chegasse minha vez ele fosse me colocar acima do sobrenome? Faz ideia da sanidade que isso me custou? Tudo em mim parece ter sido feito para me entregar inteiramente a ele, tudo em mim quer ser totalmente dele, e você não sabe o quanto é exaustivo passar o tempo que passei, me segurando, porque meu racional me alertava constantemente que deveria me proteger.



 



Chorou. Já estava quase sem forças. Neville se mostrava extremamente quieto em sua cadeira logo a frente dela.



 



- Sinto muito, Hermione... – Ele soltou quase num sussurro.



 



Ela negou com a cabeça lutando contras as lágrimas.



 



- Não. – Cobriu o rosto novamente e tentou encontrar os pedaços de si mesma esparramados em sua mente para tentar se recompor. – Eu quem sinto! Eu quem sinto muito por não ter acreditado que o que havíamos vivido era real. Por não ter visto que se apaixonar por mim havia o desafiado de todas as formas possíveis. Por não ter entendido o valor da união que tínhamos.



 



- Honestamente, eu acredito que nem ele mesmo entendia. – Neville soltou.



 



Ela deu de ombros. Soluçou. Procurou respirar fundo e tentar acalmar sua respiração.



 



- O estrago foi feito de qualquer forma. – Limpou o rosto uma última vez. – Eu o entendo.



 



Neville puxou o ar. Pressionou os lábios num sorriso cheio de condolências e se levantou. Começou a tirar coisas de sua maleta. Colocou sobre a mesa uma pilha de jornais e outra de cadernos desgastados. Pegou o chapéu e o resto de seus pertences.



 



- Precisa descansar. Irei pedir para um dos elfos da Catedral lhe trazer algo para comer. – Ele começou sua conclusão. – Os jornais podem te ajudar a entender o que tem acontecido. Os cadernos são anotações de Snape. Podemos conversar mais sobre o que encontrar. Estarei aqui amanhã se também estiver. – Acenou com a cabeça desajeitado e deu as costas indo em direção a porta.



 



- Neville. – Ela o parou. Ele voltou-se para ela. - Quero ver meus filhos.



 



O homem abaixou a cabeça e fechou os olhos, soltando o ar como se estivesse exausto do papel que fazia.



 



- Não acho que queira mesmo vê-los. – Foi o que ele disse.



 



Hermione não entendeu.



 



- O que quer dizer? – Perguntou confusa.



 



Neville suspirou.



 



- Não acho que queira segurar seus filhos e depois ter que os ver serem levados embora. – Ele disse pesaroso.



 



Hermione demorou mais do que alguns segundos para processar aquilo. Mas não ficou surpresa no momento em que ela passou a ver o mundo através de lágrimas novamente. Dessa vez, ela já estava tão sem forças que elas apenas pularam de seus olhos livremente enquanto ela se manteve quase sem reação. Tudo em seu corpo tremia.



 



- Sinto muito, Hermione. – Escutou a voz de Neville bem distante.



 



Notou quando ele bateu na porta. Alguém do outro lado a abriu e ele foi embora. Hermione apenas ficou onde estava. Sem forças. Frágil. Sozinha. Quis sumir, desaparecer, deixar de existir. Estava sem forças. Ficou ali por alguns longos minutos, chorou o que precisava até sentir a pele de seu rosto irritada pela insistência dela em tenta-la manter seca. Seu corpo reclamou demais por não estar na horizontal e ela acabou por levantar. Gemeu sentido como tivesse sido atropelada.



 



Foi até o lavatório, onde conseguiu se encarar no espelho. Estava mais abaixo do peso do que se lembrava. Seus olhos estavam fundos e quase sem vida. O desenho de seu rosto não parecia saudável. Estava pálida. Soltou o ar enquanto passava os dedos pelas ondas despenteadas de seu cabelo, agora curto. Queria entender o porque tudo parecia ter acontecido em outro planeta, tudo dentro de sua cabeça.



 



Deu as costas para o seu reflexo não querendo ter que lidar com o conflito de ver uma mulher que nunca pensou que fosse ser. Foi até a banheira e começou a enchê-la notando que seu corpo pedia para ser limpo assim como seus músculos gostariam de algo que pudesse aliviar um pouco da exaustão. As lágrimas já pareciam um acessório natural do qual ela teria que aprender a gostar. Livrou-se da estranha roupa que usava e enfiou-se na água quente assim que estava cheia o suficiente para cobrir o corpo dela. Ainda deixou que a água rolasse por um bom tempo até quase fazer transbordar.



 



Fechou os olhos com a água lhe cobrindo até o queixo. Sentir-se sozinha e perdida. Tentava encontrar sua identidade, mas não conseguia colocar sua cabeça no lugar. Ela se lembrava de ter sido a heroína da Ordem da Fênix. Lembrava-se de ter protegido Harry Potter. Lembrava-se do medo de ter sido capturada. Lembrava-se do dia do seu casamento com Draco Malfoy. Lembrava-se da ânsia de querer salvar seus filhos. Lembrava-se de ter aceitado se fazer uma Malfoy, de ter esperado que isso a tornasse forte. Lembrava-se do crescente medo e ódio por Voldemort. Lembrava-se das incertezas que o silêncio de Draco lhe provocavam, dos embates que vivia entre os dias que ele sorria com ela e os que se afastava cochichando com a mãe a olhando por cima dos ombros. Lembrava-se de ter sido colocada no escuro quando via a crescente divisão da Catedral, de Brampton Fort, do departamento de Draco enquanto tinha o marido em casa lhe falando que tudo estava sob controle. Lembrava-se de ter se sentido vulnerável e furiosa quando tudo desmoronou, quando precisou fugir de Brampton Fort as pressas, quando soube que seu filho estava nas mãos de Voldemort, quando caiu e não soube lutar contra a força da Marca Negra que quase a matou. Lembrava-se de ter visto sua identidade Malfoy ruir a medida que os dias passavam e ela se via cada vez mais distante de seus filhos, de seu marido, do castelo de areia que haviam vivido. Lembrava-se de ter esperado que isso fosse a deixar forte, que isso fosse lhe trazer mais razão e menos sentimento para pode sacrificar o que fosse necessário para finalmente ter um fim. Talvez assim ela pudesse provar a lógica da frieza Malfoy. Mas no fim das contas, qual foi o fim? O fim. Era esse o fim? Voldemort estava morto. Lembrava-se de ter se visto tão frágil, e sem se dar a alternativa de procurar o afeto de sua família para lhe acalentar, procurou por Morgana. Lembrava-se de ter procurado pela força dela, pela maneira dela, pela vingança dela. Lembrava-se de ter se reescrevido, de não ter se deixado derramar mais lágrimas, de não esperar por ninguém. Lembrava-se de como havia sido natural, fácil, rápido, de como aquilo a dominou tão intensamente. Lembrava-se de ter se sentido livre, até se ver acorrentada a todas aquelas forças quando tudo escapou de seu controle, quando desejou querer que o mundo se ajoelhasse por teme-la. Viu-se morrer aos poucos, sair de seu próprio controle, adquirir vontades que se ver completamente reprimida e longe de poder fazer soar sua própria voz. Talvez os Malfoy tivessem razão. Talvez ela fosse perigosa demais para existir. Céus! O desespero de se ver perdida dentro de si mesmo, presa dentro de si mesmo! Ela não sabia qual força vencer. Morgana ou a maldição? Elas se completavam, a usavam e ela se viu completamente fora de controle. Lembrou-se de como a presença de Draco lhe trouxe claridade. Lembrou-se do pedido desesperado que fez a ele, para que pegasse a arma e lhe desse um fim. Lembrava-se de ter almejado com vontade a paz que sabia que viria no momento em que sentisse a maldição que colocara sobre a arma paralisar seus sentidos. A morte. Vinha sempre acompanhada da paz.



 



Soltou o ar e afundou-se por inteiro debaixo da água.



 



Fraca.



 



Almejou pela paz, mas ela não veio. Esperou pelo som do estouro que fosse acabar com todo o seu conflito, a dor de ser tomada pela força de Brampton, a opressão da vingança de Morgana fluindo por ela. O fim não veio para ela. O que se lembrava era a voz profunda e dolorosa de seu marido fazendo ecoar para dentro de sua mente que a amava. De repente tudo pareceu voltar para o seu lugar. De repente ela se achou em algum lugar no meio de toda aquela loucura. De repente se viu forte. De repente ela quis gritar para ele que também o amava, que havia o amado muito antes dele mesmo se dar conta, que havia sido exaustivo ser cautelosa. Mas estava a mil montanhas longe de poder ter a voz, sua voz, para deixa-lo saber disse. Mas nunca teve tanta disposição para vencer todas essas mil montanhas. E foi a pior dor de sua vida inteira. A força daquela maldição era tão palpável e estava tão presente. Mas ela lutou. Ao mesmo tempo que conhecia aquela magia, a matava. Cada elemento. Cada princípio. Cada ligação. Matou um por um na mais árdua e espontânea guerra que seu cérebro e sua capacidade mágica já havia travado. Ela pensou que fosse morrer, que fosse se partir ao meio, que o mundo fosse engoli-la. Mas quando pensou que o fim não fosse chegar, que não era forte o suficiente, sentiu a magia se desintegrar e se dissipar. Lembrava-se de não ter a mínima ideia se estava inteira ou não, mas sentiu os braços de Draco a envolverem. Queria ter dito que o amava, mas sabia que o homem que nunca aceitara uma derrota na vida, estava ali, completamente derrotado, segurando nos braços uma das maiores ameaças a pisar na terra, consciente da própria incapacidade de dar um fim a ela. Que outra escolha ela teria senão se desculpar?



 



Fraca.



 



Não. Não era. Mas, quem era? Hermione Malfoy? Hermione Granger? Hermione, descendente de Morgana? Era vingativa? Poderosa? Heroína? Leal? Honrada? O que era? Quem era?



 



Emergiu da água quando seu pulmão se desesperou por oxigênio. Puxou o ar enchendo o peito. Encostou o rosto contra a porcelana da beira da banheira e chorou deixando as lágrimas rolarem sabendo que não havia ninguém por perto para vê-la tão frágil. Sentiu falta da Hermione, descendente de Morgana, que não se permitia uma lágrima sequer. Sentiu falta da Hermione Malfoy, que se enxergava acima do mundo. Sentia falta da Hermione Granger, ingênua, que apenas queria cumprir seu papel de heroína.



 



Cansada. Exausta. Perdida. Deixou o tempo passar enquanto se permitia externar aquilo que a enchia. Queria deixar de sentir. Mas sabia que a última vez que se empenhara em livrar-se de seus sentimentos, daquilo que a deixava frágil, daquilo que a cegava, acabara se tornando alguém que agora, temia.



 



A exaustão lhe venceu e acabou perdendo os sentidos ao entrar no mundo dos sonhos contra sua própria vontade. Quando voltou a abrir os olhos, a água estava fria, seus dedos enrugados e tudo estava escuro. Saiu da manheira, vestiu o robe da Catedral e arrastou-se para a cama, onde deitou e se aproveitou de como se sentia anestesiada para cair no mundo dos sonhos novamente. Acordou e tudo estava claro novamente. Ela não via o sol bater diretamente contra as janelas, o que dava a entender que não era mais manhã. Estava perdida no tempo. Nos dias. Levantou-se. Seu corpo protestou. Não como antes. Mas ainda dava sinais de sua fragilidade.



 



Arrastou-se pelo quarto até a mesa próximo a lareira. Havia uma jarra de água junto com copo vazio, uma pobre seleção de frutas e torradas. Ela escolheu as torradas depois de molhar a boca com água. Não tinha fome, mas sabia que precisava de algum tipo de alimento. Seus olhos caíram sobre o medalhão, que havia dado a Narcisa, ainda em cima da mesa. Suspirou e o pegou. Seu coração apertou e ela se permitiu sentir sua dor.



 



Foi até o closet e viu uma enorme seleção de roupas finas, caras e escuras. Narcisa havia sido a última ocupante daquele quarto. Ela estava de luto. Hermione passou os olhos por algumas, procurando por uma que fosse, discreta. Todas eram. Soltou o ar frustrada e apertou o medalhão em sua mão. Sentiu inveja da Hermione decidira que dera aquele medalhão para Narcisa. A lógica que havia carregado ali havia sido cega, mas ao menos havia nela algum senso de liberdade, de irresponsabilidade. Soltou o ar irritada e voltou para o quarto. Largou o medalhão sobre a mesa.



 



Seus dedos moveram-se discretamente contra o espaço vazio que havia em seu anelar, onde por tanto tempo carregada o anel da família Malfoy. Vazio. Era tudo que sentia agora. Puxou alguns jornais e foi até a janela. Empurrou a cortina e sentou-se no vão fundo para ver a vida se desenrolar do lado de fora. Ao longe ela pode notar um grupo de bruxos que parecia trabalhar na reconstrução de algumas partes claramente em ruínas. Não sabia quanto tempo exatamente havia se passado desde que desacordara, mas era louco para ela ver as pessoas ali. Andando e vivendo naquela cidade, como se tivesse esperado pelo momento em que pudessem retornar. Havia mais gente na rua do que algum dia houvera quando Voldemort ocupara a torre principal da Catedral. Ela já podia construir a lógica de fazer a cidade bruxa de Brampton Fort entrar no mapa. Era claramente valiosa agora que ela havia conseguido eliminar a maldição das terras. A quantidade de oportunidade juntada a curiosidade alheia abria o mercado, trazia mais pessoas para o local, mas dinheiro, mais investimento, mais interesse. O Ministério daria incentivo, tentaria provar que a cidade era segura, buscaria diversificar seu público para que não fosse apenas o local onde habitava todos os antigos aliado de Voldemort. Não duvidava que em alguns anos, Brampton Fort competiria com todas as principais comunidades bruxas espalhadas pelo norte da Europa.



 



Ela sempre se lembraria daquele lugar como frio, hostil, cinza. Por vezes até mesmo, assustador. Para ela, o espírito de Voldemort sempre estaria ali, procurando uma forma de atormentá-la. Mas apesar do pesadelo que Brampton Fort significava para ela, era impossível não ver aquele lugar como sua casa, seu lar, o lugar onde se transformara, crescera, aprendera, o lugar onde assumira papeis inimagináveis, o lugar onde se casara, onde se tornara mãe, onde se apaixonara pelo homem que havia odiado a vida inteira.



 



Ficou ali. Remoendo seu vazio, tentando encontrar um lugar em sua mente onde podia se firmar para tomar alguma atitude. Mas continuava perdida. Viu a noite cair aos poucos conforme as horas foram passando. Quanto mais o tempo passava, mais se convencia do porque havia suplicado para que Draco pegasse a arma guardada em sua capa.



 



Fechou os olhos e lembrou-se de seus pais, da sua infância, dos anos de Hogwarts. Lembrou-se dos sonhos que havia tido, daqueles que havia amado, dos hormônios da adolescência, das aventuras e dos amigos que agora viviam vidas longe da dela. Aquela guerra havia estragado muita gente. Para ela, havia trazido a superfície o pior que havia dentro de si. Não conseguia confrontar tudo isso agora que havia encontrado o fim.



 



Leu algum dos jornais sob a luz da lareira quando abandonou a janela. O Primeiro Ministro Isaac Bennett fazia seu serviço como porta voz do novo governo. Parecia havia uma discussão sobre a reabertura do parlamento. Provou-se certa quando leu sobre as regulações e abertura da nova cidade de Brampton. Leu uma nota sobre a animadora recuperação de Harry Potter e outra sobre as viagens internacionais de Draco Malfoy, em sua tentativa de reunificar as nações bruxas debaixo da antiga ordem. A prisão de Azkaban tinha uma página quase inteira em sua dedicação. Era composta pela enorme lista com nome de capturados e procurados. Parecia haver uma discussão sobre a aplicação de pena de morte para algum dos nomes. Ficou curiosa com uma nota a seu respeito. Estava em evidência e ela a leu com atenção.



 



“...Após continuas tentativas de reanimo, Hermione Malfoy continua inconsciente em seu quarto na Catedral, onde boa parte dos departamentos do Ministério se instalaram para melhor funcionamento, enquanto a magia de segurança do Ministério ainda não é reestabelecida. Apesar do quadro da Sra. Malfoy ser indefinido, ela continua recebendo os cuidados necessários no único lugar seguro o suficiente para abriga-la, por enquanto. Draco Malfoy continua se recusando a comentar sobre a esposa e apenas pede que respeitem o momento delicado pelo qual a família vem passando. Hoje se completam dez dias desde o anúncio de que a excepcional bruxa sucumbiu a exaustão após batalhar o fim da maldição das terras de Brampton. Essa semana o Ministério da Magia soltou uma nota oficial em agradecimento histórico pelo esforço da brilhante mente por trás da queda de um dos maiores tiranos da história bruxa. Em um depoimento, Draco Malfoy esclareceu que implorou para que a esposa não usasse de sua extraordinária habilidade mágica para deter Aquele-Que-Não-Deve-Ser-Nomeado, mas que não se surpreendeu de vê-la sacrificar-se tão heroicamente. Depoimentos de homens e mulheres que estiverem no centro daquele campo de batalha, detalharam a dificuldade em enfrentar a intensidade da maldição que a controlou. Fontes próximas a família informam que Draco Malfoy está esperançoso, e que acredita que a mulher está lutando para recobrar a consciência do mesmo modo como foi forte e lutou para vencer a maldição....”



 



Hermione ergueu os olhos cansada do que estava lendo. Óbvio que Draco encontraria uma forma de criar uma narrativa para imprensa. Tudo era sempre uma mentira e uma distração na mídia. Tentou desvendar qual seria a história que ele soltaria caso ela resolvesse usar o medalhão. Caso escolhesse provar ao mundo a força do sangue que carregava. Deixou os jornais de lado e fechou os olhos para sentir a dor da prisão que viveria para o resto da vista, sabendo que aquela escolha não seria sua e sim de Morgana.



 



Arrastou-se para a cama outra vez e ficou ali até cair novamente no sono. Teve sonhos estranhos, mas soube que era sonhos. Acordou com a luz em seu rosto a incomodando. A cortina ainda estava aberta e ela levantou para fechá-la. Foi até o banheiro. Encarou-se no espelho. Ainda era uma estranha. Não teve animado para nada, mas teve fome. Comeu um novo prato de torradas e frutas. Sua mente a atormentou e ela chorou, mas dessa vez, conseguiu encontrar uma forma de se controlar, apenas porque estava irritada de ter que limpar o rosto constantemente. Encarou as quatro paredes por um bom tempo e quando pensou em ir buscar os cadernos que Neville deixara, escutou alguém bater na porta.



 



Hesitou por um minuto. Depois esperou para que a pessoa se mostrasse. Mas acabou se levantando e indo até a porta quando percebeu que ela teria que ir receber sua visita. Neville estava do outro lado. Carregava a mesma maleta e seu chapéu. Ela deu espaço para que ele entrasse e ele assim o fez.



 



- Vim ontem, mas você estava dormindo. – Ele anunciou. – Sei que é importante que descanse, portanto decidi não a incomodar. Como se sente? – Perguntou descansando seus apetrechos na mesa, como no primeiro dia.



 



- Cansada. – Respondeu. – Meu corpo inteiro dói.



 



Ele assentiu.



 



- Posso conseguir alguns remédios trouxas, se quiser tentar. Não acho que irá funcionar. Seu esforço não foi apenas físico e sei que ainda deve haver resquícios da magia que derrotou ainda sendo processados pelo seu organismo. É importante que descanse. – Ele informou. Ela assentiu.



 



- Quando foi que se tornou medibruxos? – Ela indagou sentando-se na mesma cadeira que havia sentando quando conversaram pela primeira vez. Neville fez o mesmo.



 



- Posso falar apenas do seu caso. – Ele respondeu. – Não sou nenhum entusiasta. A verdade é que Malfoy não quer ninguém em contato com você, tenho que fazer meu melhor se quiser te ajudar. Tudo que eu tenho é um monte de informações soltas. Malfoy me conseguiu uma autorização do Ministério para ter acesso as coisas de Snape e preciso colocar tudo em ordem...



 



- Pare. – Hermione o cortou e ele engoliu rapidamente as palavras. – Assinou algo com Draco? – Neville fez que não havia entendido a pergunta e Hermione reformulou. – Disse que Draco conseguiu uma autorização do Ministério para que você tivesse acesso aos pertences de Snape. É exclusivo?



 



- Sim. Ninguém além de mim pode colocar as mãos em nada do quarto dele, do cofre, herança, nada. Nenhum pertence de Snape pode ser manuseado por ninguém que não seja eu. – Neville parecia incerto ao dizer aquilo, talvez por estar lendo a reação dela.



 



- Draco te fez assinar acordo de confidencialidade? – Ela perguntou e ele assentiu, confirmando que havia. Hermione fechou os olhos e soltou o ar, não aliviada, mas minimamente preocupada. – O Ministério está envolvido?



 



- Não. É um acordo apenas com os Malfoy. – Ele disse.



 



- Neville... – Ela fez uma careta. – Não deveria assinar coisas com Malfoys. As consequências podem ser cruéis.



 



- Eu sei. – Ele apressou-se a dizer. – Assinei muito consciente do que estava fazendo. Sei ao que estou me prendendo. Malfoy foi quem me procurou e o fiz pela minha própria segurança. Ele quem quis o acordo e foi bem claro quanto aos interesses que tinha. Foi a forma mais fácil dele conseguir agarrar as coisas de Snape antes que o Ministério tivesse posse de tudo. Snape guarda muito sobre você e os seus filhos. Malfoy não queria que isso fosse parar nas mãos do Ministério.



 



- E por que ele confiaria em você? – Ela indagou sabendo que um assunto severamente privado como aquele colocava Neville numa situação delicada dentro de qualquer acordo que pudesse ter assinado.



 



- Talvez pelo mesmo motivo que você confiou a mim o arco do véu. Era bem óbvio que não havia mais nenhuma intenção da parte dos Malfoy em devolvê-lo para o Ministério, mesmo se Voldemort caísse. Você me isolou, colocou o artefato, já da sua família, nas minhas mãos.



 



- Você é inteligente. – Ela justificou.



 



- Sim. Mas também sou passivo. Submisso. Facilmente manipulável. – Pontuou ele. – Você aprendeu a ser uma boa Malfoy e não há dúvidas de que seu marido é o melhor deles. Não sou idiota. Sei que sou uma peça fácil no jogo de um Malfoy. Seu marido precisa ser orientado quanto aos filhos, com provas concretas. Precisa saber como cria-los, como ajuda-los, como torna-los grandes. Eu sou o peão perfeito. Obediente o suficiente e com um cérebro de não se jogar fora.



 



Hermione sabia que o medo era o pior inimigo de Neville.  Era por isso que ele sempre optara por se esconder atrás dos livros, atrás de suas pesquisas, suas curiosidades. Neville havia assinado aquele acordo por medo. Com Snape e Gina Weasley mortos, ele era o único fora da linhagem Malfoy que carregava o segredo de Hermione, Scorpius e Hera. O acordo de lealdade e confidencialidade era uma garantia de sua própria segurança. Ele agora estava debaixo das asas daqueles que poderiam o destruir.



 



- Não pode cometer erros, Neville. Draco não é naturalmente inclinado ao perdão e o mundo que ele faz parte aceita crueldade com muita naturalidade. Não deveria ter assinado nada com um Malfoy, mas entendo o porque o fez. Se for leal, ele irá te proteger a todo custo.



 



Neville assentiu.



 



- Não é como se me afiliar de forma tão oficial a família Malfoy fosse um sacrifício, Hermione. A essa altura, tem gente se matando para conseguir cinco segundos com um Malfoy. – Ele puxou seu caderno, o abriu e a encarou concentrado. – Pronta para conversar?



 



Hermione deu de ombros. Era melhor do que estar sozinha. Ele usou novamente das luzes em suas pupilas. Testou alguns de seus sentidos e fez novamente as mesmas perguntas da primeira vez. Nome. Estado Civil. Filhos. História. Hermione as respondeu, tentando entreter-se com a interação.



 



Então eles conversaram. Neville parecia apenas um curioso e Hermione se deixou ser levada pelo direcionamento dele. Sabia que era mais um objeto de estudo ali do que qualquer outra coisa, mas ela contou sobre nunca ter se achado diferente de nenhum outro bruxo. Contou sobre sua obsessão por se provar merecedora em Hogwarts, apenas porque sabia dos estigmas sobre Nascidos Trouxas. Nunca imaginou que ser capaz de projetar feitiços sem sua varinha fosse uma habilidade especial. Minerva havia lhe dito que aquilo era apenas reflexo de sua extrema dedicação ao conhecimento mágico. Nunca, em um milhão de anos, ela iria sequer ter imaginado que podia carregar uma gota de sangue de uma das mais clássicas figuras bruxas da história da magia.



 



Quando Neville a perguntou sobre como acreditou na revelação de sua descendência, ela trouxe a referência da pedra da família Malfoy, presenteada por Merlin. A pedra não permitia que ela a tocasse. Também contou sobre o efeito que seu sangue teve na transformação da aparência de Lorde Voldemort. Contou sobre ter passado a se explorar e descobrir elementos de si mesma que a surpreenderam. Sobre como estranhos sonhos que sempre tivera desde criança passaram a fazer sentido. Ele pareceu curioso com os sonhos e ambos começaram uma longa discussão sobre detalhes e significância.



 



Chegaram juntos a conclusão de que havia um padrão no modo como Hermione se sentia em seus sonhos e o modo como havia se conectado as suas surpreendentes habilidades. A sensação de algo claramente alienígena, algo que não parecia exatamente parte dela. Um intruso. E foi ali que eles pararam. Neville foi embora e Hermione ficou ali, remoendo sua solidão para o resto do dia. Ousou ler algum dos cadernos de Snape, mas pareciam cheios de códigos e ela não tinha a motivação que precisava pra estuda-los de verdade.



 



Enfiou-se na banheira quente para tentar aliviar a tensão de seus músculos. Comeu duas colheres de sopa. Dormiu. No dia seguinte, Neville voltou. Eles conversaram mais. Especularam. Hermione contou sobre sua vida com Draco. Sobre seu casamento. Sobre os medos e sentimentos daquele início. Dos desafios dos primeiros meses. Sobre a culpa que carregou por tanto tempo, quando desprezava Draco, mas ao mesmo tempo o desejava. Sobre como o usou para alívio físico e como aos poucos se viu querendo mais e mais da atenção dele. Contou sobre sua primeira gravidez. Sobre o peso cruel que se viu carregar quando perdeu a primeira filha. Sobre como aquilo uniu ela e o marido. Chorou outra vez e Neville foi embora.



 



Ela repetiu o mesmo do dia anterior. Acabou por se ver passar horas encarando a vida lá fora pela janela. Lia os jornais que Neville trazia para ela, mas seu interesse por tudo diminuía muito rapidamente. Dormiu e recebeu Neville outra vez no dia seguinte para mais uma rodada de especulações. Dessa vez, Neville trouxe ideias mais consistentes e sugeriu exercícios. Hermione se recusou a fazê-los e eles discutiram mais uma vez sobre os sentimentos dela, seus medos, seus julgamentos. Perguntou pelos filhos e Neville desviou do assunto. Perguntou sobre Draco e ele fez o mesmo.



 



A rotina veio como um alívio para a existência patética que ela tinha dentro daquelas quatro paredes. Neville sempre vinha pela manha e eles passavam horas se debruçando em estudos e documentos de Snape. Hermione ainda se recusou a tentar qualquer atividade mágica. Ela sempre perguntava sobre os filhos e tudo que recebia de volta era que estavam bem, estavam saudáveis e estavam felizes por terem um ao outro. Os dias foram se passando e ela não teve interesse de conta-los ou de saber em que momento do calendário estavam. Ela apenas... existia. Neville tentava lhe passar algumas informações sobre o mundo do lado de fora. Sobre as discussões atuais. Sobre as vidas de seus amigos, Harry, Rony, Luna, família Weasley. Hermione tentava perguntar sobre seu círculo social, mas Neville nunca tinha respostas muito concretas. Não era a vida dele. Morava atualmente numa das novas pousadas no centro, próximo a Catedral e afiliava-se somente com Draco. O que não permitia que fosse inserido propriamente no mundo da elite bruxa.



 



Não soube exatamente quanto tempo se passou, mas numa das visitas de Neville, antes de ir embora, ele parou próximo a porta e, quase que hesitante, disse que poderia tentar ver se conseguia trazer Scorpius e Hera para que ela pudesse os ver. Ela não soube exatamente como reagir além de beirar o choro. Seu estado frágil e sensível e de medo era tudo com o que ela sabia conviver. Sabia que não merecia nenhuma ajuda dele ou nem mesmo a companhia que vinha recebendo. Sem muitas palavras, apenas disse que não saberia como pagá-lo se pudesse ter um segundo com os filhos que fosse. Ele assentiu, informou que tentaria e deu as costas para ir embora.



 



- Neville. – Hermione o chamou antes que ele fosse. Neville parou e tornou a encará-la, sentada no vão da janela, vestida num das roupas de luto que havia no closet de Whitehall, mesmo que não fosse seu tamanho. – Sinto muito. – Ela teve que soltar.



 



Ele não entendeu.



 



- Por? – Indagou confuso.



 



- Eu matei Gina.



 



Neville soltou o ar. Fechou os olhos e pareceu envelhecer oitenta anos em segundos. Ele não parecia preparado para ter que lidar com aquilo.



 



- Sim. – Começou parecendo muito cansado. – Muitos não sabem disso, mas eu sei. – Disse. – Os Weasley também sabem, mas... eles têm um coração bom, Hermione. Sempre vão se importar com você, não acho que na cabeça deles, eles te vejam como menos do que uma outra filha. Mas não espere mais nada caloroso. – Ele disse e ela assentiu.



 



Hermione suspirou. Entendia havia destruído seu relacionamento com os Weasley. Queria poder arrepender-se, mas já era tarde demais.



 



- Sei que a amava. – Disse a ele.



 



Neville abaixou os olhos a soltou um riso fraco. Fez uma careta e negou com a cabeça.



 



- Nós todos a amávamos. Quero dizer, a convivência com Gina era extremamente difícil, Hermione. Mas todos queríamos apenas ajuda-la a sair do buraco a qual se colocou. Era um esforço inútil que nunca trouxe qualquer resultado que não fosse o negativo, mas todos estivemos lá por ela e pelos Weasley. Mas... engana-se ao pensar que eu a amava. Ao menos, não da forma a qual está se referindo.



 



Hermione estreitou os olhos confusa. Era quase senso comum que Neville tinha sentimentos por Gina.



 



- Você nunca negou o fato de todos acreditarem que a queria. – Hermione questionou. – Por que? O que estava tentando esconder?



 



Neville mostrou-se incomodado imediatamente. O silêncio foi estranho entre eles enquanto o homem se movia de acordo com a guerra que acontecia dentro de sua cabeça.



 



- O impacto que você teve na vida de Harry fez com que ele não tivesse olhos para ninguém mais. E a pressão que eu sabia que Gina tinha sobre o psicológico dele, tendo que lidar com alguém que não era menos que obcecado por ele, me fez chegar a conclusão que talvez não fosse a melhor ideia adicionar mais um elemento a essa sopa.



 



Hermione ergueu as sobrancelhas surpresa. Era a última coisa que ela esperava ouvir. Não soube como reagir por alguns segundos.



 



- Oh, Neville. – Ela soltou. Harry estava em Londres, em um péssimo estado, internado no St. Mungus. Muito longe da hospedaria onde Neville morava temporariamente. – Por que está aqui? Sei que iria querer estar ao lado dele.



 



Neville negou com a cabeça.



 



- Harry e eu não somos uma possibilidade, Hermione. Ele nunca vai passar por cima do que vocês dois tiveram. Eu não pretendo parar minha vida por algo que nunca vou ter, nem espero lamentar o resto dos meus dias, como Gina, o fato de que ele nunca irá olhar para mim. Harry é um amigo e agora é disso que ele precisa: amigos. – Ele apressou-se para esclarecer. Parecia muito bem resolvido. Hermione apenas assentiu concordando com a decisão que ele tomara com relação a isso.



 



- Não acha que ele mereceria ao menos saber sobre o que sente? – Questionou dela.



 



- Harry não precisa de mais isso. – Ele informou. – Ele já tem demais no próprio prato. Tem seus próprios monstros pra vencer. De todos nessa guerra, ele foi quem carregou o maior peso e por mais tempo que todos nós. Somos bons amigos e sei que no momento que ele souber o que sinto, as coisas vão mudar, e ele irá sentir que estará perdendo um amigo. Ele não precisa disso. Serei o amigo que ele precisa e fim.  – Neville suspirou. – Guardo o seu segredo, Hermione. Guarde o meu.



 



Hermione apertou os lábios. Assentiu. Sabia que Neville acabaria eventualmente encontrando alguém com quem provavelmente dividiria algo muito mais saudável. Fazia bem em desassociar-se do trabalho que seria ter que lidar com Harry e toda a carga que vinha junto com ele. Qualquer relacionamento com Harry era trabalhoso. Ela bem se lembrava de todo o trabalho que havia sido quando abraçou todas as nuances de Harry Potter e suas sombras.



 



Disse a Neville que torcia para que ele encontrasse alguém em sua jornada. Agradeceu pela tentativa que ele faria de trazer Hera e Scorpius e eles se despediram outra vez. Naquele dia, ele tirou mais tempo do que o usual para encarar a vida acontecendo do lado de fora. A paisagem mudava constantemente a medida que mais e mais pessoas chegavam a cidade. Hermione podia apenas imaginar os investimentos que fluíam para dentro daquele lugar.



 



Levantou-se como sempre, foi até a banheira e tomou seu longo banho. Pegou qualquer outro vestido do closet e o vestiu. Olhou-se no espelho. Era irreconhecível. Aquela estranha figura magra, de olhos fundos e pele malcuidada. Precisava pentear o cabelo, mas não iria. Precisava hidratar seu rosto, mas não iria. Precisava comer mais, mas não tinha fome. Seus olhos estavam opacos. Ele as vezes perguntava: “quem é você?”, para si mesma, enquanto se encarava ali.



 



Deu as costas e ignorou os livros que havia prometido a si mesma que leria. Encolheu-se na cama o resto do dia. Era incrível como sabia que deveria estar indo a loucura. Sabia que deveria estar querendo derrubar todas aquelas paredes, que deveria estar querendo se entreter, ser produtiva, otimizar seu tempo. Mesmo que fosse naquele espaço. Naquele exílio. Mas ela conhecia aquele sentimento. Aquele que a colocava deitava naquela cama sem a vontade de levantar para fazer qualquer outra coisa.



 



Podia fechar os olhos. Chorar até cansar. Dormir. Repetir o mesmo ao acordar. Já havia vivido aquele ciclo quando perdera sua primeira filha. A diferença era que daquela vez, a cama lhe parecia uma prisão que ela não conseguia vencer. Agora, o quarto onde estava era uma gaiola segura de onde ela não queria sair. A cama era o lugar onde ela merecia ficar. Ali ela estava contida, não poderia machucar ninguém ou destruir nenhuma cidade. Ali ela não dava a chance de Morgana ter sua vingança, beber sua vitória. Ali, com o espaço neutralizado, ela não podia praticar magia nem que tentasse. Talvez, com o tempo, aceitasse sua condição e ao invés de querer passar o dia encarando a vida lá fora, ela pensasse em pelo menos começar a ler novamente.



 



No dia seguinte, Neville não apareceu. Hermione estranhou, mas não lhe fez muita diferença. Queria ver os filhos ao mesmo tempo que não queria. Que tipo de mãe era? Mal estava se dando o trabalho de trocar de roupa. Que mulher ela queria que seus filhos vissem quando passassem por aquela porta. Não esperou por ninguém. Mas chorou ao tomar consciência de que não só seria exposta aos filhos como estava agora, como os veria serem tirados de seus braços quando fossem levados embora.



 



No outro dia Neville também não apareceu. Hermione continuou a esperar por ninguém. Colocou-se na banheira tentando aliviar os últimos resquícios das dores que seu corpo ainda sentia. Vestiu mais um dos vestidos pretos que escorriam por seus ombros e não fechavam direito em sua cintura e observou a vida lá fora sentando-se no vão da única janela que usava.



 



Era início de tarde quando sua porta foi aberta e alguém entrou, sem avisar, sem bater, sem respeitar que o espaço fosse dela. Hermione não se moveu ainda encarando a vida lá fora, sabendo que quem quer que fosse, não faria diferença.



 



- Hermione? – A voz feminina e quase perdida soou as suas costas.



 



Hermione fechou os olhos já se sentindo exausta. Com calma, e quase que com preguiça, ela se moveu muito devagar virando-se para encarar Narcisa Malfoy, parada no meio do quarto, com a postura firme de sempre, vestida em sua constante elegância. Elas se encararam, e foi tempo o suficiente para que Hermione conseguisse ler o desconforto da mulher de estar ali, e o modo como lutava para não se desestabilizar ao ver a figura de uma Hermione completamente vazia. Foi imediatamente claro e visível que ela não estava esperando aquela visão.



 



Hermione a viu perder a postura aos poucos, a medida que se encaravam em silêncio. Conseguia ler pouco do dilema que Narcisa parecia remoer parada ali, mas era nítido a luta que acontecia dentro da cabeça da outra mulher. Ela tomou o ar duas vezes e abriu a boca, como se fosse falar algo, mas nada saiu.



 



- Como você está? – Ela finalmente deixou sua voz soar outra vez. Não havia uma gota de confiança em seu tom.



 



Hermione a encarou tentando encontrar uma forma de simpatizar com a figura dela novamente como um dia já havia.



 



- Não me parece ter vindo até aqui com o intuito de saber isso. – Ela devolveu.



 



Narcisa puxou o ar e desviou os olhos, claramente desconfortável.



 



- Eu... – moveu-se minimamente, sem saber para onde ir. – Vim aqui como uma mãe, falar com uma mãe. – Ela pareceu tentar acertar a postura. – Scorpius e Hera estão sendo bem cuidados. Estão saudáveis. Eles não têm autorização para vir aqui e isso não vai mudar.



 



Tudo começou a fazer sentido dentro da cabeça de Hermione. Não podia imaginar que tipo de discussão Neville havia entrado com Narcisa ou Draco sobre levar os filhos até ela, mas sabia que algo havia acontecido. E havia sido o suficiente para fazer Narcisa ir até ela. Apenas assentiu em resposta, mostrando que havia entendido o recado.



 



- Obrigada por cuidar deles. – Foi tudo que respondeu.



 



Narcisa ergueu as sobrancelhas mostrando-se confusa com o que havia escutado.



 



- É isso? – Indagou a encarando. – Não vai brigar pelo direito que tem sobre eles? Ainda mais depois de ter tentando me usar para poder fugir com os dois?



 



Hermione suspirou e fechou os olhos quando encarou o fato de que queria fugir daquela discussão com ela. Puxou as pernas e a abraçou, encostando a cabeça contra o vão do nicho da janela. Não estava pronta para ser acuada sem desmoronar.



 



- Convivi tempo o suficiente como você para entender o porque acredita poder me julgar por querer ir embora com meus filhos. – A encarou. - Para longe de uma família que planejou meu fim desde o inicio. Uma família que tinha o intuito de me usar. Uma família que colocou o próprio filho debaixo de uma mentira.



 



Narcisa pareceu imediatamente ofendida.



 



- Isso foi Lúcio! – Retrucou.



 



- E você! – Hermione devolveu. – Você aceitou!



 



- Eu não tive escolha! Eu nunca tive outra escolha, Hermione! Tinha um papel a cumprir, mas acha mesmo que eu queria...



 



- Minha morte? – Cortou a mulher. – Não acha que consigo ler estampado em sua cara que nunca me quis morta? Não tenho nenhuma dificuldade de ler isso em você. Nunca tive. O problema é que você nunca colocou isso a frente do seu dever, do seu papel como Malfoy. – Soltou o ar exausta, sabendo que não tinha forças para qualquer discussão com a mulher. Tudo nela doía para que pudesse se expor diante daquele confronto. Não demorou a ter os olhos embaçados. Cobriu o rosto querendo soltar um palavrão alto por estar novamente sendo obrigada a sentir as lágrimas cobrindo seu rosto e o nó apertando sua garganta. Limpou as lágrimas com rapidez antes que elas escorressem seu rosto e precisou respirar fundo, não querendo deixar a dor dentro dela vencer. – Me deixe julgá-la por isso se for me julgar por eu querer ir embora com meus filhos.



 



Quando voltou a poder encarar Narcisa, a expressão inabalável da mulher dissolvia. Havia dor em seus olhos e era muito legível. Ela pareceu engolir tudo o que havia preparado para dizer naquela visita que fizera, deu as costas em silêncio e foi até a porta. Parou como se estivesse exausta com a mão na maçaneta. O silêncio foi quase que eterno enquanto Hermione tornava-se consciente de que não queria que a mulher fosse embora.



 



- Eu sei. – Narcisa falou muito baixo, quebrando o silêncio. A voz dela era quase inaudível. – Eu sei que estamos todos quebrados. Draco, você, Scorpius, Hera. – Soltou o ar cansada. – Eu. – Disse. Soltou a maçaneta e tocou a porta como se precisasse de apoio para poder vencer uma batalha que travava em sua cabeça. – Lúcio quem começou tudo isso e eu o avisei que iria nos destruir. Eu estava certa, mas não acho que se ele acordasse e visse tudo isso, entenderia que não restou mais nada de nós mesmos. Ele colocaria a venda sobre os olhos como sempre fez, e se faria ver apenas a vitória, os jornais, as portas abertas para o nome Malfoy. – Ela mantinha a cabeça baixa. – Ele se fecharia para enxergar a dor de ver Draco em ruínas. – Narcisa puxou o ar e Hermione se viu lidando novamente com aquele nó entalado em sua garganta ao escutar sobre Draco. – Nenhuma mãe merece ver o filho assim.



 



- Como ele está? – Ela queria fazer mil perguntas, mas resumiu-se apena a aquela.



 



Narcisa balançou a cabeça de um lado para o outro ainda de costas.



 



- Agindo de modo automático. Faz o que precisa ser feito. Por o mundo em ordem é uma tarefa difícil. Mas eu sei que quando o vejo abraçando Hera ou Scorpius no meio da noite, no chão do quarto dos gêmeos, tentando confortá-los da falta que você faz, ele está completamente derrotado. Eu temo... – Ela soltou o ar e colocou a mão sobre o estomago, como se o pensamento que tivesse a assolando a fizesse passar mal. – Temo que ele irá viver o resto da vida assim. Sendo consumido pela sua memória. Pela família incompleta que restou em suas mãos e agora tem que criar. – Narcisa finalmente ergueu os olhos cheios de dor e encarou. – Sempre tive uma lista de motivos pelo qual deveria odiá-la, pelo qual eu deveria ao menos me sentir ameaçada pelo que era e pela sua imagem. Mas nunca fui capaz. Nem mesmo agora, sabendo que meu filho nunca mais será o mesmo. Que as lembranças que você construiu nele irão o atormentar para o resto da vida. Eu queria estar com raiva ao menos. Cheguei ao ponto de fingir ter raiva, apenas por achar que se eu mentisse vezes o suficiente para mim mesma, acabaria acreditando nisso. Mas, a verdade é que me dói saber que está onde está. Que convive com seus medos. Que mal sabe sobre os próprios filhos.



 



Hermione assentiu limpando as bochechas das lágrimas que silenciosamente lhe escapavam. Ela também lamentava pelo mesmo. Soluçou quando puxou o ar para tentar acalmar o nó na garganta que a torturava. Levantou-se com cuidado, tentando não pesar as partes de seu corpo que ainda reclamavam. Pegou o medalhão ainda jogado em cima mesa e foi até Narcisa, aproximando-se dela muito cuidadosamente. Pegou a mão da mulher e colocou o objeto caro ali. Olhou em seus olhos.



 



- Tem um coração bom Narcisa. – Hermione nunca havia duvidado daquilo apesar de todas as escolhas ruins que ela já havia tomado. – Leve isso a Draco. Por favor.



 



Narcisa negou com a cabeça e abaixou os olhos para a mão de Hermione, cobrindo a sua, com o medalhão entre elas.



 



- Eu não posso fazê-lo mais miserável do que já está. Está tentando te apagar e quer que eu o mande um recado? Não posso fazer isso.



 



- Por favor. – Suplicou Hermione. – Preciso que ele saiba que não vou a lugar algum.



 



Narcisa precisou de um longo minuto encarando a conexão das duas. Hermione torceu para que a mulher não recuasse. Sabia que as chances de ter Narcisa dando as costas e indo embora por acreditar ser a decisão mais prudentes eram altas. Mas depois de um longo minuto, a mulher ergueu os olhos para Hermione e aquela conexão dolorosa das duas, fez com que Narcisa fechasse os dedos em volta do medalhão e o guardasse. A proximidade das duas fez com que Hermione fosse tocada muito suavemente no braço.



 



- Tem se alimentado, Hermione? Precisa comer. – A voz materna de Narcisa sempre fora uma bastante firme, mas Hermione havia aprendido a enxergar o cuidado e preocupação por trás dela.



 



- Não tenho muita fome. – Hermione respondeu.



 



- Você não parece saudável. – Dessa vez, a mulher pareceu estar falando mais consigo mesma do que com Hermione. – Longbottom disse que você estava bem. Estava certa em duvidar da palavra dele.



 



- Estive pior. – Foi o que optou por dizer.



 



Narcisa ergue a mão e passou pelos cabelos da mulher, como se estivesse lamentando por algo.



 



- Seu cabelo continua bonito. – Ela soltou perdida nos próprios pensamentos. – Deveria cuidar melhor de si mesma.



 



- Estou dando o meu melhor. – Já fazia muito ao trocar de roupa.



 



- Sei que pode fazer melhor. – Insistiu a mulher. – E sei bem o quanto esse lugar pode parecer sufocante e deprimente. – Ela passou os olhos pelo quarto como se estivesse procurando por algo. Passou por Hermione, pegou uma cadeira e a arrastou para coloca-la de frente ao espelho de corpo de pé ao lado da cama. – Aqui. – Chamou Narcisa. – Sente-se. – Ordenou e foi até o lavatório. Hermione não entendeu o que a mulher estava tentando fazer, mas hesitante e confusa, ela se sentou e esperou a retorno da outra, que quando apareceu novamente, tinha uma escova na mão. – Penteie o cabelo. Vai se sentir melhor. – Disse, colocando o objeto na mão de Hermione.



 



Hermione soltou o ar cansada.



 



- Não. Eu não...



 



- Vamos. Acredite. Vai se sentir melhor. – Insistiu Narcisa. Hermione sabia que mesmo a mulher se sentia perdida, mas que seu instinto de tentar ajudar vinham com as melhores das intenções.



 



Tentou. Realmente tentou. Tentou por Narcisa, por saber que ela poderia ter lhe dado as costas muito antes. A decisão mais prudente teria sido nunca nem mesmo ter ido aquele quarto vê-la em primeiro lugar. Por isso ela tentou.



 



Gemeu de dor ao erguer o braço com dificuldade. A exaustão de seu músculo mandou todo o tipo de sinal negativo possível para seu cérebro, mas mesmo assim ela tentou. Viu-se quase sem força para segurar a própria escova quando a deslizou pelo cabelo. Tentou só mais uma vez, mas se deu o alívio de descansar o braço logo depois, já quase exausta do esforço. Qual era a finalidade daquilo? Sentir-se melhor? Não precisava se sentir melhor, bem ou contente.



 



- Não consigo. – Gaguejou cansada e imediatamente seus lábios tremeram quando o nó em sua garganta venceu. Limpou a lágrima com pressa e viu Narcisa pegas a escova de sua mão no segundo seguinte.



 



A mulher assumiu a tarefa depois de presenciar o estado verdadeiro ao qual Hermione realmente se encontrava. Ela começou a deslizar a escova pelo cabelo da nora muito cuidadosamente e aquilo fez Hermione se lembrar das dezenas de vezes em que Narcisa havia a ajudado a se vestir nas primeiras semanas após ter tido os gêmeos. Seus olhos foram embaçando cada vez mais, a medida que sentia o cuidado e suavidade de Narcisa ao ajeitar o cabelo dela da melhor forma que conseguia, sem usar a varinha. Ela tirou um grampo de seu próprio cabelo, puxou duas mechas do cabelo da nora e as prendeu atrás da cabeça. O melhor penteado que conseguia. Passou os dedos pelas pontas do cabelo dela, espalhando as ondas que haviam lhe restado e por fim descansou a mão em seu ombro. Hermione ergueu os olhos para ela e viu Narcisa com os olhos brilhantes. Não conseguia se lembrar de ter visto a máscara de Narcisa alguma vez dar espaço para uma lágrima que fosse.



 



- Sinto muito, Hermione. Por tudo isso. – A voz da mulher soou muito baixo e fraca.



 



Hermione segurou a mão da mulher em seu ombro.



 



- Obrigada. – Teve que dizer. – Apesar de tudo, obrigada por ter estado ao meu lado. Por ter cuidado de mim e me compreendido de tantas formas diferentes, nos momentos que eu mais precisei, nos meus estágios mais delicados. Mesmo que fosse do seu próprio jeito e mesmo que eu, muitas vezes, me frustrasse por isso. Obrigada. Não sabe quantas vezes não me senti sozinha no mundo porque você esteve presente, porque me escutou, porque me fez companhia.



 



Narcisa apertou os lábios e assentiu, aceitando as palavras da mulher ao mesmo tempo que deixava uma lágrima solitária pular de seu olho.



 



- Talvez não saiba, mas você preencheu vários vazios que eu carregava. – Ela soltou, como se tentasse, mesmo que perdida, encontrar a mascara inabalável que deixara escorregar a bastante tempo. – Me abriu os olhos outros mundos e me deu dois presentes maravilhosos.



 



Hermione assentiu, sabendo que verbalizar aquelas palavras uma para a outra seria algo que nenhuma delas havia pensado que algum dia que fariam. Mesmo que fosse bem claro que se compreendiam daquela forma. Encararam-se por um bom tempo pelo espelho, até Narcisa finalmente deslizar a mão para longe dela, dar as costas e ir embora, atendendo finalmente ao seu senso de prudência.



 



O silêncio voltou a lhe fazer companhia. Hermione sentiu-se minimamente melhor, não por ter o cabelo arrumado, mas por ter interagido com Narcisa depois de tudo que havia acontecido. Encarou seu cabelo bem penteado. Nada perto de um penteado bem elaborado ou de um que Hermione realmente usaria, mas ao menos não se parecia mais com uma selvagem. Aquilo lhe deu animo para fazer seu caminho até o lavatório e lavar o rosto. Se viu ainda mais pálida e sem qualquer rosado nas bochechas ou cor nos lábios. Não tinha mesmo uma aparência saudável.



 



Esforçou-se para comer a janta quando o preto chegou. Sentiu-se mal com a porção ingerida, mas lutou para mantê-la em seu corpo. Na manhã seguinte Neville tornou a não aparecer e ela começou a se sentir curiosa com o fim que tinha tomado a discussão sobre levar os filhos até ela. Ficou encarando a vida do lado de fora, surpreendendo-se com a imagem de carros passeando pelas novas ruas pavimentadas que sua vista lhe permitia assistir. Bruxos não eram grandes fãs de grandes engenhocas trouxas. Tinham orgulho da variedade de formas que tinham para se transportar. Mas antes da guerra, com o Ministério da Magia usando e incentivando cada vez mais o uso de carros, talvez com o fim de melhor se misturarem aos trouxas, famílias bruxas começaram a adotar automóveis movidos a magia muito frequentemente. Obviamente que com a chegada de Voldemort, meios trouxas foram completamente banidos. Ter carros passeando pelas ruas de Brampton Fort parecia agora uma grande ironia.



 



Comeu todas as refeições que lhe foi servida. Mesmo que não quisesse. Ajeitou o penteado de Narcisa, reforçando o grampo atrás de sua cabeça, como se não quisesse que a significância daquilo fosse perdida caso o penteado se desfizesse. Lavou o rosto. Procurou por algum sinal de saúde e não encontrou em lugar algum. Dessa vez, hidratou os lábios e o rosto, tentando se desfazer da pele ressecada. Procurou por um vestido que fosse lhe caber melhor, e mesmo não tendo encontrado nenhum, encontrou formas de ajustá-lo da maneira que pode.



 



Pela primeira vez, puxou os cadernos que Neville havia deixado em sua mesa. Encarou a capa por um bom tempo. Suas mãos tremiam sempre que se convencia de que deveria abri-los. Puxou o ar decidida, sentou-se na cadeira, puxou o primeiro caderno e o abriu. Encarou as anotações e começou a lê-las com atenção. A maioria das primeiras anotações eram sobre notáveis comportamentos que eles haviam conversado a respeito. Algumas páginas adiante ela viu desenho de runas, mas a maioria delas estavam cruzadas com um grande “x’. Tentou encontrar a linha de raciocínio e logo conseguiu entender que a correlação em criação ali não deu certo. Nas páginas seguintes havia um extenso estudo de aritmância seguido de várias teorias de numerologia, com tabelas e gráficos. Aquela era uma de suas especialidades e não demorou a entender que toda a lógica do estudo era entender a natureza de uma pequena tabela de números que se repetia por várias e várias página. Era o código de seu DNA.



 



Puxou uma folha de um dos jornais velhos e começou a refazer o estudo de números seguindo algumas de suas mais confiáveis teorias. Refazer o caminho da construção de sua natureza faria com se entendesse melhor e mal percebeu quando as horas se passaram e o dia virou noite. Sentiu-se bem por ter passado por cima de seus medos e enxergado todo o seu trabalho apenas como a solução de um enigma.



 



Levantou de sua cadeira com a cabeça latejando. O prato de sua janta estava frio e intocado. Foi até o lavatório e lavou o rosto novamente tentando ver se a água fria conseguiria paralisar seu rápido e continuo raciocínio. Era tarde da noite. Desejou por uma série de poções que não tinha acesso no momento. Encheu um copo de água e encostou-se contra pia, molhando a boca de pouco em pouco a medida que colocava em ordem todas as conclusões imprecisas que havia conseguido desenvolver. Precisava conversar com Neville, mas não sabia se podia apenas pedir pela visita dele ou se deveria esperar.



 



Escutou a porta do quarto abrir e fechar fora do lavatório e ela acendeu um sinal de alerta dentro de sua cabeça. Queria que fosse Narcisa novamente, mas não fazia sentido que ela estivesse ali aquela hora. Hesitou por alguns segundos paralisada, tentando entender quem poderia ser. Esperou por qualquer chamado, mas ele não veio. Neville teria batido antes de entrar. Moveu-se com calma deixando o copo sobre o balcão da pia e saiu do banheiro um tanto quanto apreensiva.



 



Sentiu seu estomago gelar ao ver Draco encostado em sua mesa, com as mãos enfiadas no bolso, a cabeça baixa, os cabelos bagunçados e a roupa desfeita, mangas puxadas, gravata desatada, alguns botões abertos. Era uma figura muito familiar. Se parecia muito com a imagem de quando era tarde da noite e ele ainda não havia tido tempo para tomar banho porque tivera que levar trabalho para casa, ou quando chegava cansado da Catedral e se permitia beber em seu escritório, ou até mesmo quando não tinha tempo de se trocar para ajudar Hermione a dar banho em Scorpius e Hera. Aquele era o Draco fora de seu alinhamento perfeito, fora de sua imagem pública sem defeito. Sabia que era exclusiva por achar tão familiar vê-lo daquela forma.



 



Ele ergueu os olhos para ela e Hermione travou quando seus olhos se encontraram. O silêncio entre eles consumiu a alma dela. Tentou ler cada linha de expressão no rosto dele e todas elas eram uma mistura de raiva, dor, rancor, cansaço. Hermione foi se sentindo mais e mais consciente de sua fraqueza e fragilidade. Aquele constante nó que havia em sua garganta apertou, mas ela o engoliu. Draco tinha total controle da interação que teriam e ela sabia que poderia ser seu fim, porque não havia se preparado, minimamente que fosse, para aquele encontro.



 



Draco finalmente moveu-se, e sem desviar os olhos dela, tirou o medalhão do bolso e o colocou sobre a mesa. Bom. Narcisa havia passado a ele o recado dela. Daria um milhão de sacas de galeões para ter a chance de escutar, cinco segundos que fosse, daquela interação. Não queria apenas ter que lidar com o resultado dela.



 



- Por que quer que eu vá embora? – Ela notou sua fragilidade pelo próprio tom instável de sua voz. Estava fraca.



 



- Você quem quis ir em primeiro lugar. – Ele devolveu. – Por que não vai? Não tenho pretensão alguma de fazer sua vida mais miserável. Por favor. – Ele pareceu quase suplicar. – Você é livre. Sua porta não é trancada. Você não é minha prisioneira.



 



- Sei que não sou. – Quase não conseguia fazer com que sua voz tivesse força o suficiente para chegar até ele. Céus. Ela não sabia lidar com aquilo. Nunca se sentira tão perdida. Havia se perdido em seu relacionamento com ele. A luta deles sempre havia sido para se manterem na mesma página, agora ela nem sabia mais em qual livro estavam.



 



- Então vá. – Ele pediu. - Vá para que eu possa ter a chance de talvez criar esperança em recuperar minha saúde mental. Não posso te ter aqui, tendo que tomar decisões sobre quantas vezes te enviar comida, sobre quantas vezes Longbottom pode te ver no dia, qual medibruxos irá te acompanhar, quando Scorpius e Hera poderão fazer visitas. Eu não quero tomar essas decisões. Eu não quero ter que lidar com você como se fosse minha prisioneira. Vá. Apenas, Vá!



 



Engolir o nó em sua garganta ficou ainda mais difícil. Seus olhos embaçaram, mas ela ainda lutou.



 



- Quão difícil foi se convencer de que dar ordens para me caçar te faria dormir a noite melhor do que me ter aqui? – Provocou, tentando encontrar seu instinto provocador e orgulhoso no meio de seu estado frágil e instável.



 



- Não tente, Hermione. – Ele a cortou rapidamente. – Você quis ir. Você quem pegou esse medalhão no salão de relíquias antes de desaparecer. Você quem ativou a chave de portal nele. Estou te devolvendo aquilo que você queria: ir embora. Vá!



 



- Não quero ir. – Sua voz quase não saiu com a pressão do nó estalado no caminho.



 



- Não foi essa a mensagem que passou. Você quis ir! – A raiva e o rancor era tudo que ela lia dele.



 



- Não quero ir, Draco. – O sussurro de sua voz foi rejeitado por ela mesma. Irritada com sua incapacidade de retrucar também com raiva.



 



- Quantas vezes vai mudar de ideia, então?



 



- Não estou mudando. Quero ficar pelo mesmo motivo que quis ir!



 



- E qual seria o motivo?



 



- Medo! – Como ele não conseguia chegar a aquela conclusão? – Antes, tive medo de você. Agora tenho medo de mim mesma.



 



Draco calou-se, fez uma careta e pareceu quase que imediatamente ofendido.



 



- Medo de mim? – O tom dele abaixou. Soou confuso.



 



Céus. Ele não fazia mesmo a menor ideia?



 



- Seu dever é me matar! – Ela foi extremamente direta. – E até o dia em que te dei a costas, não conseguia me lembrar, ou buscar, um segundo sequer, na sua história de existência, em que você não havia priorizado seus deveres como Malfoy. Como acha que eu deveria lidar com isso?



 



Ele ainda parecia incrédulo.



 



- Em que momento do nosso relacionamento, depois de termos nos acertado, acreditou que eu fosse ter a coragem de levantar a varinha para você?



 



- Para você não existe coragem, existe dever.



 



Ele fez outra careta.



 



- De onde tira essas coisas?



 



- Do que me ensinou! Do que sua mãe me ensinou! De todos os livros e todas as cartas e documentos que tive que ler sobre a história e o legado de família para poder dizer ao mundo que sou parte dela. Do general que sei que é. Do comprometido filho Malfoy que sei que é. Do garoto que levantou a varinha para matar Dumbledore, não por ter coragem, mas para cumprir um dever. Dos dilemas que enfrentava por saber quem eu era. Das vezes que não quis voltar para casa para me evitar. Dos silêncios que haviam entre nós. Como pode não ver? Como pode questionar por eu ter tido medo, como se eu fosse louca?



 



Ele se calou. Precisou de tempo para processar o que havia escutado. Seu olhar deu mais espaço para a dor dessa vez.



 



- Fui honesto com você quanto aos meus dilemas. Mas pensei que tivesse entendido que teria que explodir o mundo ou se voltar contra mim para que eu visse razão em apontar minha varinha pra você, mesmo sabendo o que é.



 



Ela fechou os olhos e assentiu. O nó em sua garganta venceu.



 



- E por isso me desculpei por não ter enxergado isso. – Abaixou os olhos e se preparou para ter que lidar com a costumeira e irritante sensação das lágrimas lhe escorrendo o rosto. – Se ao menos eu soubesse com antes a herança que Morgana me deixou. Se ao menos eu soubesse a fragilidade da minha mente. Acredita que é isso que eu desejei para a vida? Viver longe dos meus filhos? Presa em um quarto por reconhecer minha própria instabilidade? Eu sei o que fiz! Entrei em contato com a extensão de uma habilidade que agora me assusta. Sofri debaixo do que eu mesma criei na minha irresponsabilidade. Beirei o meu fim tentando reverter tudo que eu mesma ergui e me apossei. Não existe lugar onde eu me veja que não seja entre quatro paredes, num ambiente neutralizado onde magia é suprimida. É o único lugar onde eu posso me sentir minimamente salva de mim mesma. Acredita mesmo que eu pedi por isso? Que é isso que eu mais esperei para ter? – Limpou o rosto e deixou o silêncio durar entre eles por um bom minuto. – Eu não quero ir. – Concluiu ao erguer os olhos decidida.



 



Draco ficou em silêncio um bom tempo. Ele vivia seu próprio conflito inteiro ali e Hermione notou que o brilho nos olhos dele intensificava a medida que sua mandíbula travava e suas sobrancelhas se uniam, como se tivesse o direito de ter raiva por ter que sentir dor.



 



- De qualquer forma. Indo ou ficando. – Ele deu de ombros perdido. – Como espera que eu faça agora? – Puxou os cabelos para trás, quase que em agonia.



 



- O que? – A voz dela saiu baixa.



 



- Viva! Como espera que eu durma em uma cama vazia agora? Como espera que eu sente sozinho para uma refeição? Como que irei criar Scorpius e Hera? O que espera que eu diga a eles quando crescerem? Como explicar sobre você? Como espera que eu tenha que lidar com isso sem definhar? Não existe nenhuma forma de eu me proteger da minha própria ruína. Nem se eu aprender a criar uma armadura como o do meu pai. Mesmo se eu me tornar o Malfoy mais cruel da história. Por dentro, eu ainda vou estar morto. – A voz dele estava barganhada.



 



Deus! Ela queria poder aliviar o sofrimento dele, mas mal conseguia lidar com o seu. Apertou os olhos para se livrar das lágrimas presas ali e abraçou o próprio corpo, querendo se fechar em sua dor.



 



- Como espera que eu também viva? Presa. Com medo. Sem qualquer perspectiva. Sem ambição. Uma mãe sem filhos. Sem família. É assim que eu devo lutar contra Morgana? – Limpou o rosto.  Viu uma lágrima silenciosa e solitária pular do olho do marido. – Você é minha família. – Sussurrou com a voz presa.



 



- E você é a minha. – Ele devolveu para ela, num tom não tão diferente.



 



Ela apertou os lábios.



 



- Sim. – Assentiu. – Agora sei que realmente sou.



 



Hermione deu um primeiro passou receosa. Aproximou-se com muito cuidado. Parou de frente para ele, muito próxima, querendo poder sentir seu calor. Relutante, mas de forma muito natural, as mãos dele se colocaram sobre os quadris dela e a puxaram para ainda mais próximos, fazendo seus corpos se tocarem. Ela ergueu a mão e tocou o rosto dele, limpando o caminho de sua lágrima solitária. O contato físico e o contato de seus olhares fizeram com que abandoassem a relutância. Draco soltou o ar e fechou os olhos encostando sua testa na dela. Hermione inalou a presença do marido, o toque, o afeto. Céus, tudo naquilo era verdadeiro. Era real. Havia sido tão estúpida em sempre carregar suas dúvidas escondida no fundo de sua alma.



 



- Tudo sobre nós, desde o começo, foi sempre um ponto de interrogação na minha cabeça. Eu nunca entendi o porque o universo pareceu nos unir. Logo eu e você. – Murmurou, quase por debaixo de sua respiração. - Na minha cabeça, somos dois elementos de espectros tão opostos que não existia sentido em dar propósito a um mundo onde pudéssemos estar juntos. Por isso foi confuso quando me vi completamente imersa nas vontades que meu corpo tinha pelo seu. Foi confuso quando minhas entranhas pareciam torcer com a ideia de te imaginar nas mãos de outra. Foi confuso quando eu quis de você mais toque, mais atenção, mais cuidado. Quando eu comecei a me sentir privilegiada por ser sua esposa. Quando eu me encontrei de uma forma completamente nova no momento em que unimos forças, no momento em que me permiti aprender de você, que permiti te entender. Foi completamente confuso quando nos entregamos um para o outro, quando construímos nosso pequeno lar, quando compartilhamos nossas inseguranças, medos, esperanças, sonhos. Quando desbravamos nossos desafios como pais. Eu não entendi. Nunca fez nenhum sentido em minha cabeça que tudo o que eu vivia, tudo o que sentia, tudo o que construía, tudo que aprendia, era com você. Logo você! – Suspirou. – Não parecia real. Honestamente, nunca pareceu real. Eu sempre esperei pelo momento em que toda essa ilusão fosse se desfazer. Ou talvez pelo momento em que eu fosse acordar, talvez em Hogwarts, com onze anos, e ter que lidar com o fato de que havia tido um sonho bem louco. – Apertou os lábios, quase que com raiva de si mesma. – Lamentar a ideia de perder tudo que havíamos vivido nunca pareceu cruzar minha cabeça mais do que a sensação que eu tinha de que nada era real. Até você me provar que era. Então perder tudo que havíamos vivido me engoliu como uma onda violenta. E eu me sinto tão... Estúpida, por não ter enxergado antes. Por não ter me deixado aceitar e viver tudo que eu queria com você sem reservas.



 



Ele deslizou a mão pelas costas dela. Exalou parecendo cansado. Soltou um palavrão muito baixo para si mesmo.



 



-  Eu não quis vir aqui. – Confessou ele. – Quis fugir da chance de te ver vestida de uma mulher que eu não conheço, para esconder os restos quebrados da que eu amo. – Era incrível como a honestidade dele soava tão real depois de tudo que haviam passado e a desmontava por inteira. – Eu preciso de você. Preciso juntar todos os seus pedaços. Preciso ser a armadura que você irá usar, porque eu sei que quando está mais frágil, é quando consegue ser mais forte e eu não quero que faça isso sozinha. Não mais. Eu nunca deveria ter te deixado fazer isso sozinha.



 



- Draco... – Ela fechou os olhos e balançou a cabeça. – Se fosse só isso...



 



- Eu sei que não é!



 



- Sou uma Horcrux!



 



- Eu sei! – Ele insistiu e ela abriu os olhos para encará-lo. – Sempre foi. E isso nunca te impediu de ser brilhante! De ser amada! De ter amigos, família. De crescer. De aprender a ser amável, cuidadosa, genuína. De ter sua própria vida.



 



- Eu fui longe demais. – Ela continuou a contrapor.



 



- E eu te encontrei! No meio de todo aquele caos, eu te encontrei. Eu te enxerguei por trás de toda aquela camada impenetrável e assustadora. E eu entendi que morreria mil vezes se destruí-la fosse te custar também.



 



Ela balançou a cabeça e as lágrimas começaram a escorrer pelo seu rosto.



 



- Você não entende. – Ela disse com a voz apertada. Colocou as mãos contra o peito dele, tocando-o para agradecer a Deus que fosse, que ele estava bem. – Eu me lembro de tudo. – Ela soltou. – Eu ia te matar, Draco. Tudo que eu enxergava era raiva e dor. Tudo. E eu cheguei... tão perto. – Soluçou.



 



- Não era você.



 



- Sim. Era eu! – Ela se lembrava de tudo. – Era uma versão de mim que não conseguia pensar para além de nada que não fosse minha própria dor, minha própria raiva e meu senso de justiça.



 



Eles se silenciaram. Ela viu Draco digerir aquilo e ele não se afastou ou demonstrou qualquer vontade de se afastar.



 



- Por que não matou? – Ele perguntou. – Disse que ia me matar. Por que não matou?



 



- Porque o amo. – Não precisou fazer qualquer esforço para responder aquilo. Era o único ponto claro que havia no meio da bagunça que se encontrava.



 



Ele processou aquela resposta como se duvidasse do que escutava.



 



- Quão certa está disso? – Indagou ele.



 



Ela soltou o ar entendendo o porque ele tinha todas as razões para duvidar.



 



- Eu sei que já disse amar muitas coisas. – Ela abaixou os olhos. – Eu pensei que conhecia muito sobre o amor. Sobre todas as faces, todas as formas, todos os modelos dele. Talvez eu devesse ter sido muito mais cética como você porque... – Ela molhou os lábios. Queria encontrar as palavras certas para fazê-lo entender, da forma certa, a única certeza que ela tinha naquele momento. – Eu... – Pensou. – Nunca acreditei em destino. Mas... Quando meu corpo travou, incapaz de erguer um dedo contra você, mesmo enxergando tudo através do filtro da raiva e do ódio, eu entendi que o universo nos desenhou juntos. – Tornou a encará-lo. – Juro que nunca pensei no destino dessa forma, Draco. Nunca acreditei que daríamos certo. Nem quando me apaixonei por você, nem quando somente a menção do seu nome me desfazia por inteira. Meu racional sempre entendeu que por mais que nos quiséssemos, tudo sobre nós parecia de alguma forma entrar em conflito em algum momento porque não havíamos sido feitos um para o outro. Mas a verdade é que nossos caminhos foram entrelaçados antes mesmo de existirmos. Não importa o nosso fim, não importa para onde eu vá no mundo, não importa se eu o amo ou o odeio, não importa se você é aquele que vai me matar ou me libertar da Horcrux que carrego, não importa se seremos inimigos ou família, não fui feita para viver uma história que não seja com você. – Limpou o rosto. – E é louco a forma como eu mesma lutei contra isso. Talvez por sentir que o sonho irreal de uma vida perfeita foi roubado de mim o dia que me casei com você. – Soluçou. Céus! Teria sido muito mais fácil escrever tudo aquilo. – Mas nós nos pertencemos e eu fui tola de não acreditar.



 



Draco continuou a encarar os olhos dela enquanto digeria as palavras lançadas a ele. Passou a mão em uma de suas bochechas, ajudando-a a se livrar do molhado que escorria de seus olhos. Suspirou.



 



- Você estaria errada se não tivesse sido tão impossível para mim fugir de você. Porque eu tentei. Deus! Como eu tentei. – Ele disse e ela soltou um riso triste. Fechou os olhos e encostou contra o peito dele. Draco a abraçou. Eles ficaram em silêncio por um bom tempo. – Volta para casa. – Sussurrou para ela, finalmente.



 



Hermione viu a ironia em ver que ele havia ido até ali pedir para que ela fosse embora e agora pedia para que ela fosse para casa. Seu coração apertou.



 



- Eu estou uma bagunça, Draco. – Disse. – Não sei quanto de mim sou eu mesma e quanto é uma projeção de Morgana. Enquanto eu não souber encontrar a linha que nos divide, minha mente estará vulnerável a se enjaular. Exatamente como fez quando dei as costas a você.



 



- Tenho tanto receio quanto você. Mas tudo é uma jornada. – Ele a afastou e segurou seu rosto. – Comece pelos detalhes. – Ele enfiou a mão no bolso, tirou o anel dela dali e o colocou em sua mão.



 



Ela encarou o anel que havia usado em seu dedo por tanto tempo. O anel do passado dele. O anel que dava a ela o nome dele.



 



- Você não gosta de riscos, Draco, e eu não tenho um plano. Honestamente, tenho passado dificuldade em criar coragem para pensar em um.



 



- Não quero que pense em um.



 



- Então quer dizer que está se arriscando? Mesmo depois de tudo que viu?



 



- Está querendo me convencer de que eu não deveria?



 



- Certamente. Acaso não te restou racional algum?



 



- Tem se vendido ao medo. – Ele franziu o cenho como se tentasse ler o que se passava na cabeça dela. – Quem tem te chamado de fraca? Você nunca comprou esse adjetivo.



 



Algo bateu contra ela ao escutar aquilo. Afastou-se.



 



- Você não entende. – Ela assumiu uma defensiva quase que de modo automático.



 



Ele suspirou.



 



- Realmente não entendo. Não entendo nada sobre isso, sobre você, sobre seu passado, seu sangue. Nada. Mas estou disposto a arriscar, mesmo sabendo que posso passar o resto da vida lutando contra. Me acuse de louco. Quem quiser. – Devolveu e Hermione não conseguiu projetar nada em resposta. O silêncio pairou entre eles por pouco tempo. – Vou te deixar com suas escolhas. – Sua voz soou frustrada. – Direi a Longbottom para vir amanha. Não sei o que fiz quando o obriguei a não vir mais.



 



Ele deu as costas com calma e foi embora. Tudo que a restou foi encarar o anel em sua mão, o medalhão e as paredes daquele quarto.



 



 



**



 



 



Fraca.



 



Escutava de longe no escuro.



 



Fraca.



 



Por todos os cantos de sua cabeça.



 



Fraca. Fraca. Fraca. Fraca. Fraca...



 



- Hermione?



 



Ela despertou num soluço. A dor no pescoço a fez gemer imediatamente. Levantou os olhos e enxergou a figura de Neville no lavatório de Whitehall, carregando sua maleta e seu chapéu. Ele parecia confuso e ela logo entendeu. Acabara dormindo encostada na banheira, decidindo se deveria ou não tomar outro banho.



 



- O que houve? – Ele perguntou.



 



Hermione moveu-se devagar, tentando encontrar uma forma de mexer o pescoço sem fazer com que seu cérebro mandasse a mensagem de agonia para quase todo o seu corpo.



 



- Ia tomar banho.  – Fechou os olhos e tentou se alongar. Quando tornou a abri-los, Neville estendeu a mão para ajuda-la a se levantar.



 



- Sei que Malfoy veio aqui ontem. – Ele disse quando ela se equilibrou de pé. – Ele me disse que te devolveu seu anel e pediu para que voltasse para casa. Acredito que recuperou algum tipo de senso ter te visto sobre outra luz. Não posso culpa-lo por se isolar na defensiva depois de tudo que aconteceu. Acho que ele tinha medo de ter que engajar numa vida onde tivesse que te caçar. Estava se preparando para isso. Mesmo que estivesse se consumindo em... honestamente... – limpou a garganta. – Loucura. – Findou.



 



- Não posso ir para casa. – Ela sussurrou encostando-se contra a pia.



 



- Sim. Ele me informou sobre sua relutância. – Disse Neville. – O que não me surpreende. Teimosia é algo que nunca lhe faltou.



 



Ela poderia rir se não estivesse tão longe do humor.



 



- Sabe que tenho motivos extremamente justificáveis. – Tentou massagear o pescoço.



 



- Sim. Motivos do qual Malfoy está também bem consciente.



 



Ela fez uma careta.



 



- Acredita mesmo que eu posso voltar para casa, Neville? Que eu posso escorregar perfeitamente de volta para o meu papel de mãe quando não consigo nem mesmo me decidir se devo ou não tomar banho?



 



- Estou tão vendado quanto você sobre o que deve ou não fazer. Mas sei que ficar aqui não irá te fazer bem algum. Sei que sente que seu julgamento de certo e errado está completamente desalinhado depois de ter acreditado, com tanta certeza, que destruir metade do mundo para poder ter a cabeça de Voldemort era válido. Mas acredito que, abrir mão de sua família por medo de quem é soa muito como a Hermione altruísta quem pensa mais em quem ama do que em si mesma. – Ele apertou os lábios num sorriso sem jeito. – Você teve que fazer muitos sacrifícios até aqui. Foram eles que te colocaram onde está agora. Não acho que deva fazer o maior desses sacrifícios logo agora, estando tão frágil. Você precisa de forças, Hermione, e encontrá-las em algo fora de si não pode ser menos do que saudável. Principalmente depois de ter passado tanto tempo encontrando forças dentro de si mesma.



 



Ela não respondeu nada. Continuou a massagear seu pescoço, até finalmente desencostar-se da pia e voltar para o quarto, para onde Neville a seguiu. Andou de um lado para o outro por um bom tempo, abraçando o próprio corpo vestido no roupão pesado. Pensou em silêncio até finalmente parar e encarar Neville.



 



- Me dê uma poção. – Pediu.



 



Neville não entendeu.



 



- O que?



 



- Uma poção. Ou sua varinha. Qualquer coisa.



 



- Para que fim? – Indagou ele. Curioso.



 



- Apenas me dê algo mágico, Neville.



 



Ele mostrou-se receoso.



 



- Hermione, não sei se está totalmente recuperada...



 



- Eu não acho que um dia vou realmente estar. Não como tem esperado. – Ela o cortou. – Perdi a conta de quantas vezes preciso mergulhar na banheira quase escaldante para aliviar a dor pelo meu corpo. Os dias tem passado e não tenho notado qualquer melhora. Sabe por que? Porque esse quarto está neutralizado e cada parte do meu corpo pede por magia, mas não a tem. Faz ideia da dimensão ao qual eu consegui me expandir? Não tem volta para o que eu experimentei. Minha mente, meu sangue, meu corpo, estão completamente conscientes de onde eu posso chegar, como se tivessem sido acordados. Não posso voltar atrás e fazer cada célula do meu corpo tornar a acreditar que consigo praticar magia simples sem varinha por mera dedicação. – Ventilou ela e viu Neville sem palavras por algum segundo. – Preciso sentir magia novamente. Apenas para ter a certeza do que eu terei que lutar caso eu deixe esse quarto.



 



Neville puxou o ar. Mostrou-se relutante por um longo minuto, até finalmente colocar sua maleta sobre a mesa e abri-la. Ponderou por um tempo olhando sua pequena seleção de poções. Puxou um pequeno frasco e o estendeu a Hermione, que avançou e o tomou da mão do homem.



 



Ela se viu hesitar mais de uma vez quando tirou o frasco. Aquele receio de rever a intrusa que havia dentro de si. Whitehall ainda estava neutralizada, portanto havia aquele obstáculo caso perdesse seus sensos. Mesmo assim, quando dera as costas a Draco, estava bem consciente de si.



 



- Não é a magia, Hermione. É o que faz com ela. – Neville disse.



 



Hermione processou. Sim. Tinha que concordar com o homem. Respirou fundo, contou até três e virou o frasco. Foi instantâneo. Sentiu a reação de todas as propriedades mágicas daquela poção descer por sua garganta, ser absorvida quase que imediatamente pelos tecidos de seu corpo, chegar a sua corrente sanguínea, percorrer suas conexões nervosas e inibir seu sintoma de dor de cabeça. Podia até mesmo dizer quais ingredientes, quantas gramas de cada, qual tempo de cozimento. Era uma magia simples, mas deu a ela aquela sensação de pertencimento, de alimento, de satisfação. Sentiu seus dedos formigaram. Ela queria mais. E o fato de saber que aquele sempre seria um desejo constante, fez com que seus olhos mergulhassem novamente em lágrimas contidas.



 



- Meus filhos. – Ela engoliu o nó em sua garganta. – O sangue Malfoy os protege, certo?



 



Neville limpou a garganta.



 



- Na prática, sim. Ainda estou tentando desvendar a teoria disso tudo. Se eu pudesse estudar a pedra dos Malfoy, herdada de Merlin, quem sabe eu encontraria padrões que pudessem me dizer o porque o sangue deles conseguiu se tornar tão resistente. Mas sei que Malfoy jamais me deixaria chegar perto dela. Sei que temos um contrato, mas entendo o porque ele não iria querer que eu tivesse acesso a uma magia tão ancestral. Aposto que a família Malfoy hoje, vive mais das histórias fantasiosas carregadas pelas gerações de antes sobre a pedra, do que buscam saber do que realmente é composta.



 



- Eles têm documentos. Draco me disso. Mas seria como tentar decodificar o arco do véu. Magia ancestral é tinha uma leitura completamente diferente de como a entendemos hoje. – Hermione colocou o frasco sobre a mesa. – Acha que haveria alguma chance de usar o sangue Malfoy para me salvar do que sou?



 



O homem se sentou pensativo, como se tentasse encontrar as palavras certas.



 



- Não da forma como seus filhos foram protegidos. – Ele começou. – Seus filhos são especiais, irá ter trabalho em protege-los. Não é segredo para ninguém que Voldemort usava o sangue deles e o mundo nunca vai deixar de produzir ambiciosos. Mas entenda, Hermione, se tudo o que sei até o momento sobre sua condição for correto, teríamos que reconstruir todo o seu código sanguíneo e eu não acho que ninguém no mundo sabe como fazer isso sem te fazer morrer. – Findou ele.



 



Hermione tentou conter o nó apertando a garganta, mas novamente, lá estava ela, limpando sua bochecha dá lágrima que escorria.



 



- Como eu posso vencer isso então? Como eu posso vencer Morgana? Como vou poder ser livre? Quando que eu vou poder me ver livre de inimigos muito maiores do que eu? – Jogou para o ar, quase sem qualquer esperança.



 



- Hermione. Morgana não é maior do que você. Ela está morta! O que carrega é uma sombra dela que você mostrou ser capaz de rejeitar. Não precisa vencer Morgana. Ela já foi derrotada anos atrás. E se sente que, mesmo assim, deve luta-la, você tem todas as vantagens para tal. Provou ser mais forte e que desaforo poderia ser pior do que ter a última Horcrux dela carregando o sobrenome Malfoy? De todos os homens no mundo, gerou filhos com Draco Malfoy! Você quebrou uma linhagem que vem se arrastando pelas sombras há séculos! Tive acesso aos seus históricos médicos. Sei que não pode ter mais filhos. A não ser que aprenda a dominar, sem esforço, o funcionamento de seu próprio corpo, como fez quando se livrou da Marca Negra. Mas acabou, Hermione. Você é a última e o fato de estar confinada nesse quarto, sabendo muito bem que pode sair quando quiser, prova que preferiria morrer entre quatro paredes do que dar a chance desse fantasma derrotado qualquer sabor de vingança que for.



 



Ela levou tempo para querer digerir as palavras dele. Era difícil receber aquilo de uma forma positiva quando ainda conseguia sentir os resquícios mágicos da poção que tomara em seu organismo. Seria assim agora? Conseguira se estender magicamente para tão longe que sua percepção mágica agora ficaria ligada no modo sensível constantemente. Ela teria que aprender a lidar com aquilo.



 



Ficou um bom tempo em silêncio. Teria que aprender a se ver maior. Maior do que Morgana. Teria que aprender a rejeitá-la, a reconhece-la dentro de si e separar-se dela. Porque ela tinha uma família e queria ficar ao lado dela. Merecia se vingar de Morgana, por ter que lidar com tudo isso. Por ter que carregar aquela constante sombra de um passado que não lhe pertencia. Tinha em suas mãos a chance perfeita. Poderia sorrir se já não tivesse tido a realização de que o universo havia escrito aquilo muito antes mesmo de existir.



 



- Neville, prepare minha ida para casa. – Ergueu o olhar.



 



Neville soltou o ar. Sorriu e se levantou.



 



- Finalmente. – Foi tudo que ele precisou dizer.



 



 



**



 



 



Voltar para casa havia sido um trabalho mais demorado do que ela imaginara. Teve que esperar para que a imprensa divulgasse sua saída, precisou passar por avaliações médicas falsas, soltou uma nota oficial e esperou. Esperou pela liberação do novo time de Tina Miller, que basicamente cuidava da imagem da família.



 



Olhava-se no espelho, ainda em Whitehall. Estava vestida num de seus caros vestidos, de pé sobre um salto desconfortável, cabelos bem ajeitados num penteado que lhe parecia completamente estranho. Era a primeira vez que usava cabelos curtos em sua vida. A maquiagem estava simples, embora muitos ainda dissessem que era carregada, principalmente a Hermione de anos atrás que jamais sonhara em carregar o sobrenome Malfoy na vida.



 



Era seu dever manter-se conectada com aquela Hermione. Era sua história, de onde havia vindo. Aquela Hermione amava seus pais, seus verdadeiros pais, aqueles que haviam a criado, que haviam lhe dado amor, atenção, que haviam sonhado um futuro com ela. Aquela Hermione que não conhecia seu potencial mágico e se via apenas como uma dedicada bruxa. Aquela Hermione era simples, sonhadora, leal, corajosa. Aquela Hermione via o bem no mundo, via amor em tudo, conectava-se com as pessoas de maneira genuína. O mundo estava livre agora, ela não precisava mais mudar para conseguir resistir as trevas da qual o mundo bruxo havia mergulhado. Ela não precisava mudar para ser uma Malfoy que os princípios da família exigiam. Ela quem havia assinado aquele contrato que a atava ao sobrenome por obrigação. Carregaria com orgulho o troféu de quem quebrava a tradição Malfoy, do mesmo modo que aprenderia a carregar com gosto o título de quem também quebrara sua própria linhagem.



 



Deu as costas ao espelho e encarou o fim de tarde vibrar do lado de fora das janelas bem limpas e enormes de Whitehall. Sentia um calor gostoso em seu peito por saber que faltava pouco para pisar em casa. Sabia que sua família estava de volta em Brampton Fort, na casa que ela conhecia como lar. Levaria meses para restaurar toda a magia de segurança do Ministério, portanto a maioria dos departamentos estavam distribuídos entre Malfoy Manor e a Catedral, os únicos dois lugares daquela guerra que ainda tinham uma boa barreira de segurança erguida. Por causa disso, eles estavam de volta na pequena mansão onde ela e ele haviam iniciado suas vidas juntas.



 



Encarou o relógio. Faltava pouco.  Seus olhos pararam sobre o medalhão ainda em cima da mesa. Percebeu que seu cérebro começava a remoer ideias e ela precisou balançar a cabeça para livrar-se delas. Avançou, pegou o objeto e o lançou contra a lareira apagada. Certo, precisava destruir a chave de portal ali, mas sabia que isso exigiria de sua varinha, mais do que os simples feitiços de ajudes que usava para seu cabelo, seu rosto, suas roupas. Não estava pronta para sentir magia fluindo dela novamente.



 



Neville havia desfeito a neutralidade do quarto alguns dias atrás e desde então ela conseguia sentir tudo. Da simples magia que segurava as paredes daquela edificação até o mais distante carro movido a magia que cruzava a avenida principal do centro. Sua percepção mágica era aguçada e constante, mas aprendia a ignorar aquilo, e a cada hora que se passava ela fazia um trabalho ainda melhor em apenas: ignorar.



 



Precisava de algo simples. Seu cérebro vasculhou todo o banco de dados que tinha a respeito de princípios mágicos. Substancias simples que explicavam a complexidade da natureza mágica e da vida. Água, fogo, terra, ar. Simples o suficiente para ela, poderoso o suficiente para dar fim a relíquia. Puxou sua varinha e sentiu a conexão se firmar imediatamente. Era sua varinha, era bela, porém vivia de aparências e agora entendia o porque aquela varinha havia a escolhido. Se carregava uma varinha, era apenas para manter aparências. Não precisava de uma. Acendeu a lareira, preparando-a para queimar até que o objeto fosse destruído e o portal fechado.



 



Soltou o ar calma sentindo-se surpreendentemente leve. Colocou sua cabeça em ordem e se concentrou em continuar a esperar. Não demorou e Neville apareceu, batendo na porta e entrando. Ele vinha acompanhando de um homem e uma mulher vestidos com o uniforme da guarda do Ministério.



 



- Pronta? – Ele perguntou e ela assentiu.



 



- Iremos te escoltar para o seu carro, Sra. Malfoy. – Informou o casal de guardas.



 



- Eu sei onde a saída leste fica. – Retrucou ela confusa.



 



- Sabemos que sabe. – Respondeu a outra mulher. – É para a sua própria segurança. O mundo ainda está muito divido, existe muita especulação em cima do seu nome e a imprensa está em todo o lugar. Iremos acompanha-la até que pelo menos deixe o prédio.



 



- Sei bem lidar com isso. – Ela teimou.



 



O homem pigarreou e tomou ar para dizer algo, mas a mulher ao seu lado o parou.



 



- Sua família detém basicamente todo o controle sobre o mundo bruxo nesse exato momento. Não pode andar por aí sem proteção. Tudo está muito dividido, há muita especulação em cima de seu nome e a imprensa está em todo lugar. Mais tarde, depois de ter tido tempo para escutar as orientações do novo chefe de segurança, podemos discutir como prefere que sua equipe de guardas seja formada, quais serão as regras e os limites, mas por enquanto somos encarregados de preservar sua integridade física, guardamos sua porta com excessivas rondas e iremos nos certificar que saia dessa extensão do Ministério com segurança.



 



Hermione podia quase revirar os olhos. Certamente eles não sabiam do que ela era capaz. Ou talvez sabiam e fingiam completa alienação. Mas era uma simples tarefa e naquele momento, ela preferia que eles quem tivessem que usar suas varinhas caso preciso. Portanto apenas assentiu um tanto quanto descontente e informou que eles deveriam ir atrás dela. O casal concordou um tanto relutante e ela seguiu caminho.



 



Pouco havia mudado, mas a atmosfera era completamente diferente. Pessoas normais, completamente normais cruzando de uma ala a outra, vestidas formalmente com seus broches do Ministério da Magia brilhando no peito. Todas pareciam extremamente ocupadas. Os olhares voltavam-se imediatamente para ela por onde passava.



 



- O Ministério está em uma reunião que tem durado quase três dias já no salão principal. – Neville cochichou para ela. - Tanto o Primeiro Ministro quanto alguns chefes de departamento e outros líderes de estações tinham tudo em mente de como a transição funcionaria, mas haviam feito tudo nas sombras. Alguns nomes importantes têm resistido a mudanças e ninguém sabe se eles são fiéis soldados de Voldemort, revoltados, tentando se esconder para não pararem em Azkaban, ou se apenas querem discutir a relevância de seus departamentos na nova configuração do Ministério.



 



- Draco tem cuidado disso? – Ela perguntou.



 



- Bennett quem vem observando. Ele tem tido voz e autoridade para mandar prender quem for. Mas o mundo inteiro sabe que quem manda em Bennett é seu marido. – Ele respondeu.



 



Hermione puxou o ar e apenas continuou sem caminho sem dizer mais nada. Neville informou que Draco estava preso em outra reunião que acontecia com a outra metade do Ministério alocadas em Malfoy Manor. Recebeu a informação de que ele lutaria para estar em casa para o jantar. Hermione apenas engoliu a frustração de não o ter ali para lhe fazer companhia no dia de sua liberdade.



 



Toda a imprensa havia sido afastada, mas ela ainda viu alguns flashes dispararem a distancia quando avançou para o lado de fora. Viu o marido de Edmond Miller abrir a porta do carro para que ela entrasse e ela assim o fez, sendo seguida por Neville e por fim, o marido de Tina. O interior do veículo era suficientemente maior do que esperava e optou por sentar-se no assento de frente aos outros dois homens.



 



- É bom vê-la recuperada, Sra. Malfoy. – Edmond começou assim que a porta foi fechada. – Devo confessar que o burburinho é de que todos estavam ansiosos para vê-la de pé em público. – Hermione apertou um sorriso amarelo em resposta. Sabia que ainda estava abaixo do peso e que usava maquiagem para disfarçar a falta de cor em seu rosto.



 



O carro finalmente começou a se mover. Fazia tempo que ela não andava em um carro, mas estranhou imediatamente a falta do som do motor apenas pela referencia que tinha de carros. Óbvio que carros com motor não faziam sentido para o mundo bruxo. Não havia nada mais alienígena para um bruxo do que mecânica, motores, engrenagens.



 



- Hermione ainda precisa de descanso e privacidade. – Neville lembrou a nota soltada pelos medibruxos que a visitaram.



 



– Sei que não me quer por perto. Sei que tudo que quer é ir para casa. Mas meu papel é lembrá-la de que ainda é a Sra. Malfoy e sou muito bem pago para cumprir meu dever. – Ele abriu a pasta que carregava. – Separei os convites mais importantes e que definitivamente precisarão de uma resposta imediata e bem pensada. – Edmond estendeu a primeira carta a ela. – O Ministério está a intimando para fazer parte dos esforços em erguer novamente a magia de segurança. Se conseguiu zerá-la, certamente saberá reativar tudo como antes.



 



Hermione trocou olhares com Neville. Mergulhar em magia novamente a intimidava e por mais que acreditasse que pudesse restaurar o trabalho que tivera para desfazer todos os milenares feitiços de proteção do local, aquilo iria demandar muito de suas recém conhecidas habilidades e ela se sentia muito instável e desconfortável com elas.



 



- Não pretendo colocar meus pés no Ministério tão cedo. – Ela disse.



 



- Então teremos que pensar em como solucionar isso diplomaticamente. Tenho ideias em mentes. Podemos discutir isso mais tarde. – Ele puxou outra carta e estendeu a ela. – Os membros da antiga Comissão estão esperando que vá conseguir inseri-los dentro do Ministério de alguma forma. Posso pedir a Tina que tente arranjar algumas reuniões com membros importantes para discutir qual seria a melhor forma de progredir com a ideia.



 



- Draco não pode fazer isso? – Hermione perguntou.



 



Edmond piscou um tanto confuso.



 



- Até onde sei, sua figura os liderou tanto quando fizeram parte do Império, assim como quando trocaram de lado com a divisão dele. Os membros da comissão não esperam que ninguém além de você tenham seus os melhores interesses em mente.



 



Hermione limpou a garganta. Apertou os lábios e assentiu mostrando que entendia o recado. Não era uma mulher comum. Podia apenas sonhar que voltaria para casa e teria apenas a si mesma com quem se preocupar.



 



- Bem... – Prosseguiu Edmond. Vasculhou sua pasta e estendeu a ela outra carta. – O círculo de famílias tradicionais está exigindo uma reunião fechada. Cada um quer barganhar pelo seu pedaço de poder, posição e status agora que o antigo mundo tem se restaurado e ninguém detém mais controle sobre ele do que os Malfoy.



 



Hermione sentiu-se exausta quase que imediatamente ao ouvir aquilo. Soltou o ar sem paciência.



 



- Vai ser um circo ou uma carnificina. – Comentou ela. – O que Draco tem em mente?



 



Edmond deu de ombros.



 



- Ele está ocupado em segurar o Ministério e todos os contratos feitos na sua busca de alianças pelo mundo quando se voltaram contra o Império. Considerando que sei que irá passar mais tempo em casa, tomei a liberdade de assumir que teria mais disponibilidade para receber as dezenas de visitas que irão bater em sua porta diariamente exigindo um pedaço da pizza. E sendo franco, acredito que é, de longe, a melhor pessoa para lidar com isso. Seu marido é familiar com o mundo da classe alta, ele tem respeito pelo sistema. Você, por outro lado, não tem a mesma paciência. Portanto, qualquer um que souber que terá que sentar para conversar com sua pessoa, saberá que não irá haver rodeios.



 



Hermione suspirou em resposta. Ainda resistente.



 



- Fez um bom trabalho em me convencer, Edmond. – Foi tudo que respondeu.



 



Ele fez um sinal respeitoso com a cabeça e estendeu para ela mais algumas cartas.



 



- A Administração da Cidade de Brampton quer uma reunião e nomeações para compor as agencias responsáveis pela ordem da cidade. Eles têm revisado seu trabalho de quando fez parte do departamento de Nott e me parecem bastante admirados. – Continuou e Hermione apenas mostrava que estava atenta. – Essa outra é uma lista de veículos de imprensa que fizeram pedido para imprimir sua história. Seu marido acredita ser precoce se dirigir a imprensa agora e eu concordo. Recomendo que apenas solte notas oficiais em nome da família. Meu trabalho é encaminhá-las. – Ele disse. Limpou a garganta e continuou. – A nova diretora de Hogwarts quer que faça parte da comissão que irá debater sobre o novo quadro de professores para a escola. O convite foi enviado assim que soltamos a nota de que St. Mungus havia te liberado para voltar para casa...



 



Ele continuou a jogar contra ela os deveres que teria para resolver com urgência. Sua vontade era ignorar tudo aquilo, mas sabia que no dia seguinte ele apareceria com outra pasta cheia de cartas para lhe entregar. Portanto, deu a ele a atenção que deveria, mesmo sem estar inteiramente disposta. Felizmente, a jornada da Catedral para a Vila dos Comensais era bem mais rápida feita de carro. Com todo o entretenimento que Edmond a proporcionou, mal teve tempo de apreciar a vista das novas avenidas da cidade. Longas, largas, bem urbanizadas, bem iluminadas. Tinham um ar completamente diferente do que ela se lembrava. Talvez essa fosse a intenção com toda a restauração do lugar.



 



Assim que passou pelos portões tudo foi familiar, do som das rodas se movendo contra as pedras soltas do pátio de chegada até as sombras que as árvores projetavam. A fachada daquela casa aqueceu seu coração e por um breve segundo, sentiu-se salva, aliviava, segura de si mesma, porque aquele havia sido seu refúgio por tanto tempo e estava retornando a ele.



 



Saltou do carro e encarou a beleza daquela casa que agora lhe parecia tão pequena, quando sabia que já havia lhe parecido tão gigante. Duas coisas apenas estavam diferentes. A primeira delas era o sol, batendo contra a fachada, a segunda era Luna Lovegood, muito bem vestida, de pé logo ao fim da escadaria da entrada. Subiu até encontrar a loira que carregava um bolho de chaves e um pequeno caderno. Hermione parou confusa diante da figura bem profissional dela.



 



- É bom te ver de pé. – Começou Luna. – Posso carregar suas coisas. – Ofereceu a mulher.



 



- O que está fazendo aqui?



 



Luna abriu um sorriso animada.



 



- Sou coordenadora da casa. Administro toda a logística de funcionamento. Os elfos, a limpeza, as governantas, o jardim, a segurança e outros serviços. – Explicou Luna.



 



- O que aconteceu com Tryn?



 



- Ela não conseguiria administrar duas casas e com o Ministério tomando Malfoy Manor, ela teria o triplo de serviço. Malfoy precisava de alguém de confiança para ficar perto das crianças e com o número de visitas que ele recebe, não queria elfos domésticos perambulando para cima e para baixo. E honestamente, acredito que Malfoy queira pagar pelo serviço que alguém como Tryn fazia. Acredito que ele queira criar um ambiente melhor onde as crianças vão crescer. Você sabe, elfos domésticos são praticamente escravos.



 



Hermione ficou imóvel por alguns segundos. Draco e ela haviam discutido sobre aquilo inúmeras vezes. Ela não queria elfos domésticos, se tivesse que tê-los por perto, queria pagar pelo serviço que faziam. Tentou convencer Draco um milhão de vezes, e ele em sua maldita cultura e o modo como havia sido criado não abria mão da conveniência. Dizia que famílias como a dele não conheciam nenhum outro modo em que uma casa poderia ser gerenciada, que havia sido assim por milhares de anos e que ela tinha se acostumar.



 



- O que Draco te disse? – Ela queria saber os termos daquele contrato.



 



Luna desfez o sorriso e limpou a garganta.



 



- Bem, na verdade não conversei com ele. Nunca consegui trocar mais do que algumas poucas palavras com ele. Quase nunca está em casa. Tina Miller quem cuidou de toda a contratação. – Explicou a loira.



 



Hermione demorou alguns segundos para processar aquilo e quando finalmente engoliu a situação, soltou:



 



- Não. – E continuou seu caminho sem passar o que carregava para Luna.



 



- Não o que? – A loira a parou.



 



- Não. – Repetiu Hermione. – Não quero você aqui.



 



- Como? – Luna gaguejou e passou pela mulher. – Hermione! Por que?



 



- Porque você é melhor do que isso! – Exclamou Hermione parando de frente a porta. – Eu não quero você me servindo. Eu não quero ter que te dar ordens. Eu não quero.



 



- Isso é bom para mim! – Apressou-se Luna. – Tem ideia de quantas pessoas estariam se matando para ter a posição que consegui! Estou me associando aos Malfoy, sou muito bem paga e ainda estou próximo das crianças! Eu me apeguei a elas! Isso me coloca num lugar muito bom.



 



- Luna! – Ela não entendia. – Esse lugar... – Hermione começou, mas antes mesmo que pudesse continuar, um nó subiu a sua garganta sem que quisesse. Seus olhos embaçaram e ela precisou olhar para cima e puxar o ar antes que perdesse o controle. – Esse lugar... – Tentou melhorar seu tom. – É para onde eu voltava depois de ter torturado inocentes, depois de ter assistido a mortes, depois de ter feito acordos sujos, depois de mentir, depois de ter ajudado a destruir interesses que antes haviam sido tão próximos a mim! Esse foi o lugar onde eu aprendi a lidar com tudo isso. O lugar onde eu mudei. O lugar que passei a amar um inimigo, onde eu criei uma família, onde eu gerei filhos! Esse é o meu santuário, Luna! Eu não quero você ou ninguém...



 



- Ninguém dos seus antigos amigos por perto, certo? – Cortou Luna, que mesmo séria ainda tinha aquela adorável voz suave. – Ninguém da sua antiga família. – Alfinetou ela. – Escute, Hermione. Acho que é hora de entender que você não foi a única que precisou mudar por causa de Voldemort. Não é a única que carrega cicatrizes, não é a única que precisou se vender, que precisou pagar caro por vitórias, não é a única que viveu debaixo de ameaças. Está agindo como se o tempo que passou conosco na Ordem também não tivesse sido difícil, como se também não tivesse precisado mudar e aceitar colocar a vida de outros em risco e lidar com a morte daqueles que sacrificávamos e se sacrificavam para poder dar a Harry a chance de chegar a Voldemort. A diferença é que quando estava conosco, tudo o que fazíamos era em nome do “bem” e isso te ajudava a dormir de noite quando encostava a cabeça no travesseiro. Todos nós mudamos, Hermione! Todos nós carregamos nossos próprios monstros. – Disse Luna e depois logo soltou o ar cansada. – Veja bem. Rony me trata diferente agora. É a primeira vez que temos a chance de pensar em nós dois como algo duradouro. Finalmente temos a chance de talvez considerar uma família. Queremos ficar juntos, e o mundo como está agora não é ideal para ninguém. O Ministério mal tem dinheiro para pagar seus funcionários, o comércio está fragilizado, a maioria de nós tem vivido graças a magia. Acabamos de sair de uma guerra. Eu preciso disso! É bom pra mim. Não quer dizer que vou ficar aqui pra sempre. É temporário. – Eles se encararam em silêncio depois de tudo que a loira havia vomitado. – Entende? – Luna quis saber.



 



Hermione suspirou. Ainda incomodada, olhou para os lados e com calma, passou o que carregava para Luna. As duas se olharam. Luna apenas moveu a boca para dizer um “obrigada” discreto e abriu a porta para Hermione. Luna não entenderia. Nunca entenderia o que Hermione havia passado, tudo que havia sido obrigada a encarar, as coisas que precisara engolir. Luna saberia o que era não dormir com medo de acordar e olhar para o berço vazio de seus filhos. Nunca saberia o que era torturar. A diferença dela para o resto das cicatrizes que o resto do mundo carregava por causa de Voldemort, era que ela havia se perdido que por inteiro.



 



- Nos mudamos no início da semana, então ainda estou organizando tudo da melhor forma possível. – Anunciou Luna.



 



Passou para o lado de dentro e o cheiro do lugar a confortou. O ar frio que circulava na casa a acolheu. As cores. Os móveis. As luzes. Texturas. Ela andou com calma fazendo o salto estalar contra o piso bem polido e caro. Tocou o boiserie da parede enquanto encara os ornamentos no teto. Aquela casa. Era tão... Especial.



 



Parou quando logo ao fim do vestíbulo, no hall de entrada, viu uma fila de não mais do que seis ou sete homens e mulheres bem uniformizados e alinhados. Luna tomou a frente e apresentou o primeiro deles como sendo o primeiro secretário dos funcionários e pediu para que ele direcionasse Edmond e Neville até o escritório do andar. Luna continuou a apresentar o restante das figuras ali de pé. O segundo secretário, a cozinheira, sua ajudante, o jardineiro, a limpadora e... O coração de Hermione apertou quando viu Narcisa aparecer acompanhada de suas mulheres também uniformizadas. Uma carregava Hera e a outra segurava a mão de Scorpius, o ajudando em sua caminhada pelo hall.



 



- Renée e Greta. As governantas. – Apresentou Narcisa.



 



Uma soltou um comprimento em francês, a outra em alemão. Hermione ergueu as sobrancelhas. Podia fingir que sabia francês, mas alemão definitivamente estava longe de sequer arranhar.



 



- Governantas? – Soltou.



 



- Sim. – Narcisa parecia decidida.



 



- Scorpius e Hera acabaram de fazer um ano. – Rebateu Hermione.



 



- E o que esperava? Que Molly Weasley fosse servir de babá? – Riu de sua própria ironia. – As crianças precisam de bons tutores e tomei a liberdade de escolher bons nomes para o cargo. Preciso lembra-la de que é Hermione Malfoy e que ter o dia para se dedicar aos filhos não é nada mais do que uma doce ilusão para você. – Narcisa ajeitou sua postura. – A propósito, bem-vinda de volta.



 



Hermione puxou o ar. Claro. Narcisa sempre seria Narcisa. Assentiu cansada, mas logo foi distraída por Scorpius, que ergueu a pequena mãozinha e apontou para Hermione. Soltou um “mama” do modo mais casual que alguém de sua idade era capaz de atuar. Hermione sentiu tudo dentro dela derreter. Abaixou-se ao nível do filho sentindo o nó em sua garganta apertar.



 



- Sim. – Sussurrou para ele. – Mama. – Confirmou. Scorpius riu e ela não conseguiu fazer com que suas bochechas apertassem seus olhos também. Mordeu os lábios e estendeu as mãos para o filho, que foi deixado pela governanta para caminhar até os braços dela. Os olhos de Hermione encheram-se d’água ao ver seu pequeno herói equilibrando-se de pé, sem a ajuda de ninguém, fazendo seu caminho até ela, que o apertou nos braços, sentindo seu cheiro familiar, doce. Seu corpinho mais robusto. Mais firme. Crianças mudavam rápido naquela fase e ela sentia que havia perdido tanto. – Perdi seus primeiros passos, meu menino. – Limpou a bochecha da lágrima que lhe escorreu e ergueu os olhos para Hera, que a encarava curiosa. – Acaso perdi os seus também? - Renée a colocou no chão e a menina caminhou até a mãe, mais curiosa do que qualquer outra coisa. Hermione passou os dedos pelos fios finos e loiros, afastando-os dos olhos dela. – Me desculpe, minha princesinha. Vocês me parecem tão grandes. – Puxou a menina para os seus braços. Beijou-os ao mesmo tempo que tentava não desmoronar. Céus! A dor do nó em sua garganta. – Me desculpem. – Sussurrou para eles, muito consciente da culpa do abandono.



 



- Hermione. – Escutou uma voz calma e firme logo ao seu Lado. Sentiu uma mão em seu ombro e quando olhou para o lado, Narcisa estava ali. – Você conseguiu. – Ela usou de uma voz quase pausada. – Eles são livres agora.



 



E a que custo? Hermione quis rebater. Apertou os lábios para lidar com a pressão em seu peito. Sabia que a mulher tentava mostrar a ela que não merecia se culpar por ter colocado os filhos nas mãos de terceiros para lutar uma guerra. Negou com a cabeça.



 



- Eles nunca vão ser livres. – Sempre haveria alguém interessado em explorá-los e agora ela tinha o dever de protege-los do mundo. Eles eram diferentes. Tinha muito o que aprender para poder ensiná-los. Tinha que camufla-los de um mundo curioso e perverso.



 



- Sra. Malfoy? – Uma voz masculina emergiu e tanto Hermione quanto Narcisa ergueram os olhos. O homem intitulado como secretário dos funcionários havia retornado. Ele limpou a garganta. – Hermione Malfoy. – Especificou. – Gostaria de servir chá aos convidados?



 



Hermione trocou olhares com Narcisa, um tanto quanto perdida. Passou os olhos pela sala e deu de ombros sem saber o que responder.



 



- Chá seria bastante conveniente, Porlock. Obrigada. – Luna interviu. Dispensou o resto dos funcionários e voltou-se para Hermione. – O Sr. Miller parecia bastante agitado em poder conversar com você mais cedo, portanto sei que ele deve estar se remoendo em ter que te esperar no escritório.



 



Hermione soltou o ar. Assentiu e afastou a mãozinha de Hera, que brincava com uma mecha de seu cabelo. Encarou o rostinho de seus filhos e distribuiu beijos outra vez não querendo distanciar-se deles. Sentiu a mão encorajadora de Narcisa em seu ombro, como se tentasse lhe passar a mensagem de que deveria achar conforto em assumir suas responsabilidades.



 



Levantou-se e as duas governantas avançaram para distraírem Scorpius e Hera para longe da mãe. As duas crianças não se mostraram afetadas o que partiu o coração de Hermione. Lembrava-se de seus filhos serem apegados a ela ao ponto de mal poder sequer se levantar para buscar algo do outro lado de um quarto.



 



- Eles passaram pela mão de bastante gente, Hermione. – Narcisa disse, parecendo ler exatamente o coração de Hermione naquele momento. – Scorpius principalmente. – Lembrou-a. – Eles acabaram de te ganhar de volta. Não se atormente.



 



Hermione apenas assentiu. Voltou seu olhar para a sogra. A que havia escondido dela a verdade por tanto tempo. Que sempre cumpria seu papel como Malfoy, mesmo que esse fosse contar ao filho sobre os planos de Lúcio em eliminá-la.



 



- O que eu sou para você? – Hermione precisava saber.



 



Narcisa apertou os lábios mostrando imediatamente que gostaria de fugir do peso de ter que responder aquela pergunta.



 



- Não é confortável para mim te ver com uma filha, cuidar de você como uma filha, me preocupar com você, querer sua companhia, seu afeto. Mas é muito mais forte do que eu. Me dê tempo. Vou precisar dele para poder me livrar da voz dentro de mim que constantemente me lembra que sou uma Malfoy e devo cumprir meu papel e te ver como um perigo, a voz que me lembra que Lúcio nunca errou em manter o nome dessa família.



 



Hermione concordou.



 



- Todos nós vamos precisar de tempo para muita coisa. – Concluiu ela, sentindo-se mais confortável por escutar a sinceridade da sogra a respeito da relação delas de agora em diante. Tudo estava fragilizado.



 



Hermione pediu licença e foi até o escritório onde estavam Edmond e Neville. Rapidamente eles a engajaram em elaborarem uma nota oficial sobre sua volta para casa e o que tinha a dizer sobre a queda de Voldemort, seu papel na última batalha, a destruição de Brampton e sua experiência de quase-morte. A peça bem elaborada que aquela nota deveria ser já estava majoritariamente esboçado por Edmond, que detinha o papel de passar em detalhes, a narrativa que entraria para os livros de história. Hermione dava pouco de sua opinião, sabendo que aquilo já havia sido acordado entre o time de Tina com Draco.



 



Teve a chance de ler os últimos jornais e seus títulos em destaque. “Primeiro Ministro pede mais confiança no papel das instituições.”; “Novos líderes se agrupam para reabertura do Parlamento.”; “Gringotes fecha extensões por tempo indeterminado; Sede no Beco Diagonal mantém funcionamento normal.”; “Nova diretora de Hogwarts faz discurso comovente e apresenta reforma no quadro de professores”; “Draco Malfoy e sua equipe apresentam novo acordo entre Ministério Britânico e Americano.”; “St. Mungus divulga nota que confirma melhora no quadro de Harry Potter”; “Extensão do Ministério discute derrubada da muralha ao redor do território de Brampton.”



 



 



Não muito tempo depois, eles foram interrompidos pela chegada de Dean Clifford, o primeiro treinador de Draco, que estava exilado na Ásia e agora retornava por um chamado de Draco em acordo com Neville. Hermione estranhava não atender mais a porta de sua casa, estranhava que convidados fossem trazidos até ela e estranhava que houvesse tanta gente naquele santuário que era só dela e de Draco.



 



Tentou ser a melhor anfitriã que conseguia ser naquele momento quando Clifford foi levado até o escritório. Já havia ouvido histórias sobre o primeiro treinador de Draco e a diferença que ele fizera na vida do marido. Ele quem havia transformado maior parte do Draco que ele fora em Hogwarts. Era um homem já de meia idade, baixo, cabelo escuto, boa forma. Parecia carregar uma densa carga de experiência e tinha uma voz forte. Mudara-se para a Ásia quando quis distanciar-se do coração do império de Voldemort com a justificativa de querer aperfeiçoar-se em magia e autocontrole sob técnicas asiáticas milenares de meditação. Aparentemente, Neville e Dean já estavam se correspondendo. Hermione sabia que ainda nenhum contrato havia sido firmado, mas a confiança que Draco tinha no homem já o permitira ter ideia do porque Draco tinha interesse em sua volta.



 



Edmond se retirou e ela, Neville e o antigo treinador puderam explorar mais sobre o interessante caso que ela era. Hermione sabia que precisava se acostumar com a ideia de ser um objeto de estudo, até para ela mesma. Sabia que ignorar ou querer fugir daquela jornada que teria que percorrer seria completamente imprudente. Apenas tentou estar aberta as melhores estratégias que os dois tinham. Escutou e por mais receio que tivesse das propostas apresentadas, aceitou tentar o treinamento e meditações diárias. Neville parecia animado e bastante confiante com os resultados que aquilo traria e começou a estipular metas e se animar sobre expectativas de quando fosse seguro o suficiente para começar a puxar mais dos limites dela. Hermione cresceu em seu receio, mas felizmente o tempo passou rápido e logo Luna interferiu para direcionar Dean Clifford ao aposento onde ficaria até encontrar sua nova locação no país. O jantar seria servido logo e todos precisavam de tempo para se prepararem para ele.



 



Hermione vagou calma até seu quarto, tocando os boiserie, os painéis de madeira das paredes, os ornamentos, as armações dos quadros pendurados. As lembranças daquele lugar. Eram tantas. Vinham juntos com os medos e as esperanças que havia vivido ali. Era diferente agora. Foi lembrada disso duas ou três vezes quando empregados cruzaram com ela pelo corredor, onde antes tinha liberdade para saber que era somente seu.



 



Recebeu a notícia, no meio do caminho, de que Draco não iria conseguir chegar para o jantar devido a histerias levantadas em uma de suas reuniões. Entrou no quarto e sentiu-se exausta por saber que teria que passar o jantar com Neville, o treinador, Narcisa. Ela não tinha cabeça para todo aquele trabalho social. Queria deitar no chão do quarto de Hera e Scorpius na companhia de Draco e ficar ali, se possível, sem ter que abrir a boca. Apenas viver a companhia da família que era sua.



 



Tomou outro banho, vestiu uma nova roupa própria para o jantar, colocou joias apropriadas, mudou de sapato, refez o penteado do cabelo. Respirou fundo diante do espelho, testou alguns sorrisos e desceu no horário marcado para o jantar. Sentou-se na mesa bem-posta na companhia de Narcisa e os outros convidados. Ficou grata pela sogra ter assumido o papel de fazer boa parte do social, permitindo que ela pudesse admirar mais quieta toda a estranheza de estar sentada em sua mesa de jantar sabendo que seus filhos já haviam comido e provavelmente estavam no banho naquele exato momento, dentro da casa onde ela costumeiramente havia feito tudo aquilo sozinha com Draco antes. O jantar se mais do que ela se lembrava, talvez pela presença dos convidados. A conversa foi levada para uma sala de jogos, onde Narcisa parecia mais do que animada para uma partida de cartas.



 



Hermione pediu licença para poder checar as crianças. Deixou Narcisa continuar a entreter Dean e Neville, que já parecia quase que completamente acostumado com as firulas e protocolos da alta classe. Subiu as escadas andou pelos corredores bem iluminados até o quarto de Hera e Scorpius. Suavizou o passo tentando fazer o eco de seu salto diminuir, vendo a porta do quarto deles entreaberta. Parou bem antes do vão e espiou a penumbra do lado de dentro. Greta organizava o quarto silenciosamente enquanto Renée cantava bem baixo, uma canção calma em sua língua bem ao lado do berço de Scorpius, que diferente da irmã, ainda estava acordado, brincando com a mamadeira. A voz da governanta era doce e bonita, diferente de quanto Hermione tentava ninar os filhos para dormir. Era certamente um talento que ela não tinha.



 



Foi difícil evitar aquela dor no peito outra vez ao ver seus filhos sendo cuidado por outras mãos quando ela estava bem ali. Era difícil saber que eles haviam estado ao cuidado de outros já por um tempo quando antes, tudo que existia na pequena bolha de Hera e Scorpius não passava muito dela e Draco. Assistiu as mulheres trabalharem de modo muito profissional. Sem dúvida eram experientes e sabiam o que estavam fazendo. Não duvidava da capacidade de Narcisa em ter feito uma seleção extremamente rigorosa.



 



Não queria atrapalhar o trabalho das mulheres, nem mesmo queria atrapalhar a rotina dos filhos. Estavam confortáveis, alimentados, limpos, saudáveis, contentes. Ficou ali. Cruzou os braços, encostou-se contra a parede e ficou na companhia do calor das lágrimas silenciosas que faziam o caminho de suas bochechas saber que era muito provável que os filhos não tivessem mais nem ela nem Draco como costumavam ter.



 



Não demorou para poder escutar a movimentação do andar de baixo. A voz de Draco chegou até ela muito distante, mas foi o suficiente para fazer suas mãos suarem e seu estomago esfriar. Parecia ter se passado uma década desde a última vez que o vira. Queria ter entendido a conversa e o que se passava lá embaixo, mas ficou exatamente onde estava. Viu Greta terminar seu serviço e ficar surpresa ao vê-la na porta quando deixou o quarto. Hermione apenas fez um sinal para que ela ficasse em silencio e a mulher assentiu, passou por ela e foi embora.



 



Continuou a ver Renée terminar mais uma canção. Dessa vez Scorpius já tinha os olhos fechados, encolhido contra um canto do berço em sua posição preferida. Assistiu a mulher diminuir o tom de voz com calma até finalmente levantar de sua cadeira de balanço e começar a arrumar o lado dele do quarto muito silenciosamente. Foi quando escutou passos as suas costas. Sabia que eram de Draco, mas mesmo assim, permaneceu a assistir Scorpius em seu sono ainda leve, sem se mover.



 



Notou a sombra dele quando parou muito próximo a ela, O familiar perfume do marido a envolveu e ela quis se desfazer no calor e conforto daquele cheiro. Ele enfiou as mãos nos bolsos da calça e espiou a mesma visão dela por cima de seu ombro. Eles ficaram em silêncio.



 



- Dói. Não é mesmo? – Ele quebrou o silêncio usando sua voz calma e baixa depois de um bom tempo. – Não cuidar deles como costumávamos fazer.



 



Hermione assentiu,



 



- Sinto tanta alta deles. – Sussurrou. – Sinto que perdi tanto deles. – Suspirou. Soltou o ar com calma balançou a cabeça tentando esquecer aquilo mesmo que fosse impossível.  - Sua mãe conseguiu finalmente arrumar a casa como sempre quis que eu fizesse. Governantas, empregados, jardineiros. Acho que finalmente somos verdadeiros aristocratas. – Ela comentou e ele soltou um riso fraco em resposta.



 



- Sabe que pode mudar o que quiser. Essa é sua casa.



 



Ela concordou com a cabeça.



 



- Sei. Mas também entendo que precisamos de toda a ajuda possível.



 



Renée deixou o quarto, fazendo uma breve reverencia para os dois ao passar por eles, mostrando-se pouco surpresa por vê-los ali. Hermione encostou as costas contra a parede e voltou-se para o marido. Draco piscou e abaixou o olhar para ela. Eles se encararam em silêncio por alguns segundos.



 



- Não faz ideia do que é te ter de volta, Hermione. – Ele finalmente disse. Hermione abriu um sorriso involuntário. Tocou a camisa dela e aproximou-se. Não demorou a ter os braços dele a envolvendo num abraço quente, familiar, confortável. Agora sim ela se sentia em casa. Agora sim estava completo – Minha cabeça parece me fazer esquecer o tanto que é linda só para me ver sem fôlego todas as vezes que coloco os olhos sobre você.



 



Ela soltou o ar por baixo da respiração num riso frágil. Ela queria poder zombar do romantismo que de nenhuma forma vestia Draco Malfoy bem, mas não conseguia. Ter o afeto dele era valioso demais.



 



- Eu te amo. – Ela sussurrou para ele. Parecia tão certo dizer aquilo. Tão natural. Parecia já ter dito a ele aquilo um milhão de vezes.



 



- Eu também. – Ele devolveu. Tão naturalmente quanto ela. Beijou o topo de sua cabeça. – Quis estar aqui quando chegasse. Quis ter te visitado mil vezes. Mas se soubesse o tanto de coisa pelo qual estou responsável. Preciso colocar o mundo em ordem. Está nas minhas mãos. O mundo tem olhado para nós. Temos que fazer isso. Não só por poder, mas pelos nossos filhos.



 



Ela assentiu.



 



- Eu sei. – Entendia. Estava disposta a mergulhar naquilo tanto quanto ele. Por mais indisposta que estivesse, precisava daquilo. Seria seu propósito tanto quanto o dele. Sabia a importância de terem seus objetivos alinhados. – Obrigada por trazer seu treinador. Neville parece muito otimista.



 



- Longbottom é uma boa pessoa. Ingênua, mas cheio de caráter. Ele é leal a você. Pareceu tomar partido disso com força quando ele e Ginevra discutiam fervorosamente sobre sua natureza. Está feliz pelo objetivo de poder se dedicar a você. Quanto a Dean temos que discutir uma aliança. Ele saberá muito sobre os segredos que carregamos, sobre você, sobre Hera e Scorpius, precisamos nos certificar que ele estará disposto a entrar em um acordo para guardar tudo isso.  – Hermione assentiu concordando. – Tenho que descer para vê-los. Soube que Dean teve complicações em sua vinda para cá e também não o vejo há anos. Quer que eu diga que está indisposta?



 



- Por favor. – Pediu ela sem hesitar.



 



Ele riu e ela sorriu sabendo que ele conhecia bem o quanto ela sempre havia odiado todo tipo de socialização formal. Eles se afastaram e Draco deu as costas para seguir seu caminho sem olhar para trás. Ele sempre seria uma general, sempre focado em seu dever, seu trabalho, suas responsabilidades. E ela amaria cada pedaço de tudo aquilo.



 



Se permitiu ficar ali por mais um bom tempo, velando o sono dos filhos, em paz por saber que eles ficariam bem, que nenhuma ameaça os roubaria do berço no meio da noite. Deu as costas quando se apegou a aquele pensamento e se sentiu leve como nunca havia se sentido antes. Foi para o quarto, e sem pressa alguma tirou seu vestido, vestiu sua camisola e robe, limpou o rosto e soltou os cabelos, exatamente como costumava fazer no fim do dia. Tudo estava no lugar exatamente como ela havia deixado. Achou, no mínimo, engraçado que o livro inacabado que deixara na gaveta de sua cabeceira ainda estava ali. Tirou-o de lá e sentou-se no sofá próximo a lareira. Chamou por Tryn, mas quem apareceu foi Kip. Pediu por uma taça de vinho que apressadamente lhe foi servida. Procurou pela marcação de onde havia parado e continuou a leitura mesmo achando difícil se concentrar. Precisava apreciar a ironia de estar naquela casa novamente, no mundo que Voldemort havia criado, com seus filhos dormindo não muito longe, carregando uma vitória que havia a deixado cheia de cicatrizes por todos os lados.



 



Era estranho que apesar de tudo que sabia que havia pela frente, sentia-se leve. Aquele era seu santuário e ela estava de volta. Tudo que precisava estava ali também. Draco no andar de baixo, seus filhos no quarto ao fim do corredor. Aquela vida não era nada utópica, nada do qual sempre havia sonhado. Não era nenhum amor idealizado. Nenhuma aspiração perfeita e imaculada. Aquela vida era sua realidade inusitada e cada pedaço perfeito e imperfeito era sagrado. Era sua história, seu propósito, e era real, concreto, palpável.



 



Esperou por Draco e ele demorou. Fez viagens até o quarto dos filhos uma ou duas vezes, sentindo aquele aperto no peito, a saudade de estar com eles, de cuidar deles. Sabia que se chorassem no meio da noite, quem iria acolhe-los seria Renée ou Greta e ela teria que mudar aquilo. Por mais que tivesse muito no que trabalhar, ela queria ser a figura de quem os dava cuidado. De quem os alimentava, de quem os colocava para dormir.



 



Draco apareceu tarde, ele carregava uma expressão exausta no rosto e um copo de conhaque na mão. Ela abaixou seu livro, cercou os joelhos contra o peito e apoiou a cabeça contra o braço encostado no espaldar do sofá para assistir a figura cansada do marido se movimentar pelo quarto. Ele deixou o copo na mesa de centro próximo a ela, livrou-se no cinto de sua calça, tirou os sapatos, abriu a camisa, bagunçou o cabelo e jogou-se ao lado dela, pensando a cabeça para trás, fechando os olhos e colocando os pés para cima, apoiados sobre a mesa. Draco não andava mais de farda como antes, mas sempre se vestia muito formalmente.



 



Eles ficaram em silêncio por alguns segundos, mas não foi um silêncio intimidador ou desconfortável. Parecia um fim de dia como qualquer outro, com a diferença de que agora o mundo havia virado de cabeça para baixo.



 



- Sente como se fossemos estranhos um para o outro? – Ela quebrou o silêncio curiosa. A voz calma e paciente.



 



Ele assentiu calado.



 



- Nos vemos sob luzes diferente agora. – Ele comentou depois de um tempo. – Parece que estamos começando tudo do zero, mesmo carregando a bagagem que temos. - Ela tinha que concordar. Viu Draco abrir os olhos e direcionar-se para ela, ao seu lado. Eles se encararam. – Não podemos falhar mais em comunicação, Hermione. Você é algo que eu não posso me dar o luxo de perder. – Ele foi sério.



 



Ela concordou com a cabeça. Estendeu o braço e pegou a mão dele, abriu a palma e colocou ali o anel da família Malfoy.



 



- Não posso usar mais esse anel. Ele representa uma aliança com o nome Malfoy e minha aliança é com você. Você é minha família.



 



Ela o observou pegar o anel para analisa-lo. Soltou um longo suspiro cansado.



 



- Somos Malfoys para o mundo, Hermione. Use você um anel ou não.



 



- Mas não somos Malfoys um para o outro. E não me diga que devemos ser, porque foi exatamente isso que nos quebrou.



 



Ele soltou o ar. Abaixou a perna, sentou-se e apoiou o perto do tronco sobre os cotovelos que se ajustaram um contra cada joelho. Ele passou a mão pelos cabelos e apertou os lábios incomodado.



 



- Eu sei. – Disse. Aquela era uma realidade dura para ele. Ela sabia que era. Ia contra tudo que ele havia sido ensinado a vida inteira. Ajeitou-se desconfortável. Ficou em silêncio por um tempo. Abriu a boca duas ou três vezes, mas nada saiu dela. Analisou o anel novamente e depois de alguns bons segundos, finalmente começou: - Talvez saiba que tudo que eu quis por muito tempo foi desvendar um caminho que eu pudesse trilhar como Malfoy, onde eu conseguisse alcançar o sucesso sem que eu precisasse ser como meu pai. – Disse calmo. Sem encará-la. – Te encontrar no meio dessa busca foi um alívio. Eu me senti forte com você ao mesmo tempo que me descobri vulnerável de outras mil formas. Eu me sinto humano demais com você por perto, do mesmo modo como sinto que somos duas forças indestrutíveis juntos. Nós nos encontramos, Hermione, e o significado disso reverbera entre nós. Somos os únicos a apreciarmos a verdadeira beleza do que somos de verdade, mesmo com toda a carga que vem com isso. – Ele pausou por um breve segundo para parecer colocar os pensamentos em ordem. - Mas o mundo não sou só eu e você. – Levantou os olhos para ela. - Estamos de pé num posto que nenhum Malfoy antes teve a chance de estar. Os sacrifícios que fizemos, todo trabalho que tivemos, as ameaças que enfrentamos, a influência que alcançamos, o poder que detemos. Tudo começou com meu pai. A ascensão dentro da hierarquia de Voldemort, a confiança dentro do ciclo, as cabeças que meu pai levou para dentro dele, as articulações no ministério, a descentralização do poder de Voldemort, a posição que eu ocupei e os homens que trouxe para o nosso lado. Estamos de pé numa fundação que ele construiu, e essa fundação está implantada no solo fértil de todo os nossos antecedentes que se sacrificaram igualmente pelo nome Malfoy. – Ele pegou o anel que ela deixou sobre a mesa. Encarou-o por alguns bons segundos. – Eu posso te dar um outro anel. Posso mandar fazer um da forma exata que sei que irá agradá-la. Posso coloca-lo no seu dedo e prometer todas as coisas que quero te prometer. Coisas que já prometi antes da boca para fora, no dia do nosso casamento. Sabemos o que somos um para o outro dentro das quatro paredes dessa casa, com nossos filhos, dentro do nosso lar. Mas para o mundo, nós detemos o controle das instituições, das opiniões, do futuro do mundo bruxo. A vitória que construímos é tão sólida, que depois de todo o mal que eu já fiz em nome de Voldemort, que nós já fizemos, o mundo ousa nos ver como algum tipo de salvação. A responsabilidade do que carregamos é gigantesca. Os sacrifícios que devemos fazer são inevitáveis e não são apenas para nos manter grandes, mas também são para nos proteger. A queda de onde estamos agora é grande. Não sei ser forte sem me refugiar no meu sobrenome. Tudo o que sei são lições Malfoys. Eu quero nos priorizar, quero nos colocar a frente de qualquer nome, de qualquer legado. Mas isso vai contra tudo que conheço e é difícil dar as costas a uma fórmula que provou apenas sucesso entre gerações.



 



Ela assentiu. O entendia. Entendia também que ele estava atrás de soluções e não de convencê-la sobre algo que também já sabia. Respirou pensativa. Arrastou-se até ele, abraçou seu tronco e descansou a cabeça em seu ombro. Vasculhou alguma de suas memórias e depois de um tempo optou por dizer:



 



- Draco, quando eu sentei no trono de Voldemort, não me senti eu mesma, mas a ideia do poder que aquilo me trazia nunca ultrapassou tudo que eu senti ao seu lado. Ter o seu nome, me sentir sua, conspirar com você, chamar essa casa de nossa, te dar herdeiros, ter sua atenção, sentir seu afeto. Estar com você me fez experimentar poder de uma forma que eu nunca imaginei. Eu não me importo para onde vamos, quão grande vamos ser, que influencia vamos ter. – Ela disse. - Mas me lembro bem do que Victor Krum gritou antes de morrer. Não fez o menor sentido para mim naquela época, mas hoje eu sei que ele não estava errado. Somos fortes juntos. Trabalhando juntos, sonhando juntos, planejando juntos. Quem venceu essa guerra fomos você e eu. Quem dividiu o império fomos eu e você. Nós quem nos fizemos, porque a verdade é que o nome Malfoy me quer morta e minha natureza te quer como inimigo. Mas nós quem nos fizemos indestrutíveis. Juntos. Quantas vezes já nos resolvemos e nos “desresolvemos” durante os anos que passamos juntos? Já viajamos várias vezes entre a vontade de matarmos um ao outro e de morrer um pelo outro. A vida sempre será difícil para nós dois. Sempre haverá uma guerra para lutar. Seja porque carregamos um alvo bem no meio de nossas testas. Seja entre as nossas diferenças, nossas desavenças, seja enfrentando o mundo, seja lidando com as figuras públicas que somos. Seja nas nossas tempestades, seja nos nossos melhores dias. Sempre vai ser difícil. Sempre. – Estava extremamente consciente daquilo. – Mas sempre fomos presentes. Sempre dormimos na mesma cama, sempre voltamos um para o outro no fim do dia, nos amando ou nos odiando. Essa foi a nossa fórmula e foi assim que nos construímos, nos encontramos, nos estruturamos, nos fortalecemos. Não precisamos do nome Malfoy, não precisamos do legado Malfoy, dos antepassados Malfoy, da influencia Malfoy. Somos Draco e Hermione e estamos escrevendo os livros de história.



 



Draco ponderou brevemente.



 



- Não podemos nos livrar do nome Malfoy. – Ele retrucou engajado.



 



- Sei que não. – Ela devolveu. – Por isso podemos usá-lo. Mas não é o que somos. – Ela se afastou e ele virou para encará-la. – Não seria libertador? Tanto para mim quanto para você? Nossa fórmula, nossa história, nosso legado. Eu e você. Para nós e para o mundo.



 



Ele tornou a encostar contra o sofá. Calmo e pensativo. Estendeu a mão e tocou o rosto dela, a contemplando.



 



- Posso fazer isso. – Usou um tom baixo. – Te dar um novo anel. Um que seja sobre você e eu, e não sobre o nome Malfoy, não sobre o nosso casamento forçado ou sobre a expectativa de terceiros em nos unir.



 



Tocou a mão dele em seu rosto.



 



- Não estamos rompendo com o nome Malfoy. Apenas estamos nos priorizando. Certo?



 



Ele assentiu. Ela sorriu. Ele sorriu.



 



- O que for necessário. – Ele disse e ela sentiu aquele aperto em seu peito. Aquela pressão em sua garganta que fez seus olhos embaçarem.



 



Céus! Não era dor. Não lhe doía. Era inacreditável ouvir da boca de Draco Malfoy que ele estava disposto a romper com o legado Malfoy para que eles se fortalecessem e tomassem aquele lugar. Sentia-se tão idiota de ter duvidado da profundidade daquilo que haviam vivido. Sentia-se idiota de nunca ter confiado completamente, de nunca ter se entregando inteiramente, de nunca ter apostado neles sem duvidar, de nuca ter acreditado em sua própria realidade. E saber que podia se fundir a ele sem reservas, sem que nenhum lado de sua alma machucada levantasse algum sinal vermelho, era como receber a revelação da entrega de sua maior aspiração, uma que ela nunca havia imaginado tão relevante, uma que ela até mesmo havia duvidado da existência.



 



- Agora sim somos um. – Ela sussurrou com a voz apertada.



 



Ele sorriu, inclinou-se e colou sua boca na dela sem pressa, num beijo simples, mas cheio de significado.



 



- Agora sim nós somos. – Draco sussurrou de volta. Puxou o corpo dela para próximo e ela passou uma perna por ele para se sentar em seu colo. – Acha que sou louco por dizer que viveria tudo isso mil vezes novamente se tivesse a certeza de que iria te encontrar?



 



Ela sorriu tendo a certeza de que ele não era nem um pouco louco por isso. Cercou o pescoço dele com os braços e usou seus lábios para brincar com os dele.



 



- Não. – Respondeu. – Porque sei que passaria por tudo isso mais um milhão de vezes se tivesse a certeza de que teria você.



 



Draco abriu um sorriso que a cativou, ele a puxou para si e a beijou. Eram a maior recompensa um do outro. E mesmo que a tivessem o mundo nas mãos para concertar, as opiniões públicas para lidar, dois filhos para proteger e criar, mil teorias de Longbottom para avaliar, um relacionamento naturalmente conflituoso para preservar e um legado para levantar, sabia que nem ela nem Draco iriam querer nada que fosse menos desafiador.



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



N/A: OKAAAAYYY!!!! Sei que devo explicações. Vamos lá. Logo depois que postei o capítulo 45, comecei a modificar algumas partes do 46. Foi pouca coisa, mais corrigindo erros de digitação do que qualquer outra coisa. Mas acabou que fiquei com uma parte de história incompleta ao reescrever alguns parágrafos. Daí acabou que eu me mudei de casa, fiz uma viagem suuuper longa, mil coisas ficaram atrasadas no trabalho, perdi quase todas as minhas deadlines e eu não consegui abrir o capítulo para terminar minhas modificações por um bom tempo. Daí qndo consegui finalmente terminar, sofri por alguns dias não querendo dar um fim definitivo a essa história ao postar. Me perdoem a demora, mas esse momento é um pouco difícil pra mim. É um tchau definitivo a Cidade das Pedras. Capítulo 47 é mais um epílogo do que qualquer outra coisa. Esse último parágrafo encerra uma história longaaaaa, que fez parte da minha imaginação por anos. A verdade, é que na minha cabeça, o dia-a-dia deles continua. Eu poderia literalmente escrever isso aqui pra sempre. Mas a gente tem que aprender a abandonar projetos ao dar um fim para eles.



Espero que vocês tenham gostado. Por mais que eu quisesse um fim dramático e cheio de profundidade, um que fosse chocante ou algo do tipo, a verdade é que me senti muuuuiiiiitoooo mais feliz quando fechei esse ciclo deles de modo leve e com esperança. Gostei desse tom de continuidade, de saber que eu posso continuar essa história na minha cabeça, dar outros tons, outros desafios a ela. Mesmo que eu nunca mais venha escrevê-la. Acho que assim vocês mesmos também podem continua-la na imaginação de vocês.



Obrigada por sempre terem esperado pacientemente por essa fanfic e espero que continuem acompanhando para quando postar outros projetos também. Pretendo terminar Confidencial logo.



Deixem seus comentários poooooorrrr favooooorrr!!! Esse é um momento mto especial e gostaria de saber o que está no coraçãozinho de vocês. :)



 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Laauras em 05/12/2019
Foi muito emocionante poder acompanhar essa história! A sua escrita é maravilhosa, faz a gente se envolver com os personagens, com a trama, com tudo! Parabéns!
Nota: 0

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por S.M.F. em 06/11/2019
Amei esse capítulo do início ao fim e a forma como encerrou tudo, foi incrível. Coração apertado de ter que dizer adeus a essa história tão intensa, lindamente escrita, envolvente e inspiração pra viver e ser forte. Aguardarei o epílogo já com saudades da espera por novos capítulos. Gostaria muito de ler outras histórias suas, impecáveis e intensas.
Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Byanca em 06/11/2019
E o momento do fim chegou, coração apertado demais de me despedir da fanfic que com certeza ganhou todo meu amor, você é maravilhosa, uma escritora incrivel, obg por esse presente
Nota: 0

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.