FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

29. Capítulo 29


Fic: CIDADE DAS PEDRAS - Draco e Hermione - Concluída


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

cdp_29












29. Capítulo 29


 


 


Draco Malfoy


 


 


Já havia parado seu pé de bater nervosamente no chão pela segunda vez enquanto escutava Severo Snape dar um relatório completo sobre como andava a comunicação com os administradores dos outros fortes. Draco estava impaciente com aquela enrolação. Não seria possível que aquilo fosse colocado em dia em uma visita particular ao gabinete do mestre como todos os outros faziam? Respirou fundo e parou o pé novamente quando percebeu que continuava a movimentá-lo incessantemente. Era como estar em uma sala de aula novamente com a voz constante e severa de Snape soando em um ritmo perturbadoramente entediante.


 


-       Lucio. – Voldemort voltou-se para seu pai assim que Snape calou a boca. – Como anda a mudança dos departamentos?


 


-       Perfeito. – adiantou-se seu pai.  – Exatamente como o Lorde queria. Conseguimos eliminar dois departamento e trocar as funções de mais dois nos últimos oito meses. Estou começando a introduzir os rumores absolutistas do novo governo. As pessoas tem aceitado a maquiagem dada no novo ideal. Estarão prontos para recebê-lo fora do forte dentro de mais alguns anos, se assim a guerra nos permitir.


 


-       Excelente. Estamos trabalhando nisso. – disse o mestre e Draco pensou que o próximo seria ele visto que a guerra fora mencionada, mas o nome do secretario do tesouro veio em seguida.


 


Mais um tedioso relatório que poderia ser tratado em particular começou a ser verbalizado ali. Draco já estava cansado de saber a movimentação da união de Gringotes e a forma como os duendes estavam caindo nas estratégias do mestre para entregarem o controle de todo o tesouro bruxo.


 


Seu pai se aproveitou da situação e se intrometeu quando viu uma oportunidade. Draco ficou surpreso de vê-lo querer agir logo ali, mas conseguiu entender com rapidez no momento em que secretario do tesouro se manifestou um tanto indignado:


 


-       Está querendo dizer que não sou capaz de exercer meu trabalho?


 


-       Mestre. – Lucio ignorou o homens voltando-se para Voldemort. – Estou apenas querendo dizer que centralizar a aplicação das estratégia com os duendes a alguém que tem contato direito no círculo interno pode torná-los resistentes...


 


-       Eu já faço isso há quatro anos! – o homem insistiu.


 


-       ...talvez se as estratégias viessem de vários lados diferentes. – Lucio continuou o ignorando. – Tenho propriedade para dizer isso. Ganhei o Ministério e estou conseguindo manipular a opinião da massa sem levantar suspeitas com essa proposta, mestre. Apenas considere. Estamos tratando de duendes, eles são muito mais espertos que a maioria das outras criaturas mágicas. Conseguem farejar conspiração há milhas de distância.


 


-       Eu os tenho sob controle!


 


Lucio riu.


 


-       É óbvio que não tem. – voltou-se para o homem pela primeira vez. – Por Merlin! Eles são duendes. Não se é possível ter controle sobre eles e se a ideia for essa acredito ser muito arriscada. Podem estar abrindo Gringotes para você agora, mas estão sempre com um pé atrás. – voltou-se para Voldemort. – Nós estamos falando de mudar o controle do tesouro bruxo, mestre. Gringotes é centenário. Não se pode confiar um trabalho desse a um homem apenas.


 


-       Teríamos que trazer mais gente para o círculo interno. – Voldemort comentou.


 


-       Eventualmente. – confirmou Lucio. – Mas não gosto da ideia de termos muitas cabeças aqui, sabe disso. Poderíamos abrir uma extensão que servisse de fachada na catedral, dentro de um departamento talvez. Alguma extensão que dependa dos serviços de Gringotes e do tesouro bruxo. – Draco pensou no Seção da Cidade. – Talvez no Departamento da Cidade. – disse seu pai e Draco quase sorriu. Ele era mesmo um maldito bastardo. Sabia jogar bem. – Isso diminuiria o número de pessoas que precisariam ser arrastadas para o círculo interno, talvez um. No máximo dois. Não mais do que isso.


 


-       Mestre! – o secretário do tesouro clamou pela atenção de Voldemort. – Acaso o decepcionei em algum momento para que desse ouvidos a alguém que não trabalha no que temos construído todos esses anos?


 


-       Tenho um objetivo claro. – Voldemort voltou-se para o homem. – Quero o domínio do tesouro bruxo. Como conseguirei não depende de você. Posso conseguir isso com você,  dando ouvidos a Lucio, da forma como eu bem quiser. Portanto não venha clamar pelo poder, a posição que tem ou seus feitos. Se quer sentar nessa mesa, se quer ter respeito e influência, se quer ter contato direto comigo. Prove que é capaz de cumprir com inteligência a tarefa para a qual eu o designei. O que Lucio disse deveria ter vindo de sua boca, em uma sessão privada onde teria me colocado a par de todo o relatório que perdeu tempo comentando aqui, em uma mesa aberta. – o homem se manteve calado e não ousaria abrir a boca novamente. Voldemort voltou-se para Lúcio. – Sei que não teve tempo para desenvolver o que disse, apenas manifestou-se ao encarar os fatos expostos aqui. Podemos desenvolver o que disse, mas estou cansado de adicionar pessoas ao círculo interno. Se tivermos uma mesa lotada, deixará de ser um círculo privado.


 


-       Sei que não deveria interromper, mas realmente não me importo. – Draco se manifestou, seu tédio era explícito, mas sabia que seu pai estava esperando por aquilo e por mais que nunca fosse uma boa ideia interromper uma sessão como aquela, Draco e Lucio eram Malfoys, sentavam-se nas duas laterais do mestre, estavam no topo da hierarquia. Tinham o poder de voz. – Não quero defender meu pai, sabe como me sinto com relação a ele, mas estamos falando de um império mundial. Precisa fazer com que suas mãos alcancem todos os lugares, vai precisar de gente, gente de dentro.


 


Voldemort não disse nada por um bom tempo. Draco sabia que ele estava ponderando a situação levantada ali por Lucio. Tinha que admitir que seu pai fazia um excelente trabalho contra o poder do mestre. A maioria daquelas cabeças sentadas ali na mesa do círculo interno dos comensais eram obra dele, uma obra que distribuía o controle e o poder do Lorde das Trevas nas mãos de muitos que se diziam e se mostravam confiáveis e fiéis, nada mais do que isso.


 


-       Sei que o círculo interno precisa crescer. – Voldemort se pronunciou. – Trabalhei numa estratégia para isso, mas não desmereço o esforço da importância do que dizem. – ele se referiu a Lucio e Draco.


 


-       Como quiser, milorde. – não queria ter usado seu tom tedioso, sabia que estava soando de forma rebelde, mas não conseguiu evitar. Ele deveria estar recebendo informações de sua casa naquele instante, deveria saber como Hermione estava.


 


Voldemort o encarou como se reprovasse a atitude e estivesse pronto para coloca-lo contra a parede. Draco estava pronto.


 


-       Me conte sobre a guerra.


 


-       Sabe tudo sobre a guerra.


 


-       Inclusive das suas duas últimas falhas tentativas em York.


 


-       Já discutimos isso. – diferente do que os outros líderes ali, ele não deixava para relatar nada em uma mesa aberta. Tratava disso em sessões particulares. – Os cuidados para a terceira tentativa também já foram discutidos. - ele não levaria nada daquilo para a mesa aberta, já era o suficiente ter os homens de seu conselho dando “pitacos” em suas decisões. – A mesa precisa apenas saber que assim que tomarmos York iremos seguir para a eliminação efetiva dos rebeldes, como já discutido aqui antes.


 


Voldemort abriu um sorriso.


 


-       Gosta de ser esperto, não gosta?


 


Draco mostrou as mãos.


 


-       Gosto. – apenas respondeu. Voldemort não questionaria. Ser esperto havia o feito vencer aquela guerra para ele.


 


-       E por isso eu sempre o testo. – finalizou o mestre. – Nott. – desviou o olhar de Draco para Theodoro sentado há algumas cadeiras. – Espero que tenha conseguido resolver o problema com a imprensa. Se continuarem soltando os comentários que fazem terei que encontrar outro governador para o seu lugar. Precisa acertar sua relação com a Sra. Malfoy.


 


-       A imprensa está sendo amenizada aos poucos, mestre. – Theodoro se manifestou. – Tenho soltado notas diárias sobre as atividades do departamento, fazendo com que tudo fique mais transparente ao público. Hermione e eu também estamos trabalhando em nossa relação.


 


Estão? Os olhos de Draco foram imediatamente até ele. Theodoro apenas piscou e o encarou calmamente de volta.


 


-       Perfeito. – Voldemort disse. Draco não desviou seu olhar de Theodoro e ele também fez o mesmo. – Acredito termos terminado por aqui, então. – foi o primeiro a se levantar e quando o fez todos os outros o seguiram em respeito. – Quero que saibam que o propósito da mesa aberta é discutirmos o império como um todo, vermos as ações de cada um e como elas estão contribuindo para o andamento do meu governo. A intenção nunca foi escutar como andam seus departamentos ou tarefas. Que passo devem seguir ou que estratégias devem tomar. Devem discutir isso comigo em particular. Que fique claro que se essas sessões continuarem nesse ritmo, me sentirei obrigado a trocar cada um de vocês e sabem bem o que faço com quem acabo descartando. – deu as costas e foi embora.


 


Draco não desgrudou os olhos de Theodoro em nenhum momento. Theodoro fez o mesmo. O comensais começaram a se dispersar e eles ficaram ali. Draco queria ver quem desistiria primeiro.


 


-       Será que você poderia ter sido um pouco menos rebelde? – Lucio vociferou ao se aproximar dele.


 


-       Não me diga como jogar o meu jogo. – seus olhos não desgrudaram do de Theodoro.


 


-       Nosso jogo. – seu pai concertou.


 


-       Meu jogo.  – disse e seu pai apenas soltou o ar impaciente e tratou de sumir. Theodoro se moveu e Draco fez o mesmo se colocando exatamente no caminho que ele tomaria até a porta. Aproximou-se. – Você não quer mesmo brincar de me desafiar.


 


-       Quem disse que estou te desafiando? – ele foi corajoso ao permanecer naquela postura.


 


-       Está mexendo com a minha mulher.


 


-       Sempre tão possessivo com o que pensa ser seu, Draco. – Theodoro abriu um sorriso discreto. – Só porque são casados não quer dizer que ela seja inteiramente sua. Não creio que ela se entregou totalmente a você. Ela nunca o faria. Você a possui apenas em um papel e Hermione é um ser humano. Ela é muito mais do que a assinatura que a faz ser uma Malfoy. – ele se aproximou mais e abaixou o tom da voz. – Pensa que Hermione é sua, mas não sei se Hermione também pensa o mesmo. – Nott abriu um pouco mais o sorriso e então passou por ele. Draco pensou estar livre da detestável imagem ao qual ele estava se apresentando ali, mas ainda escutou a aquela detestável voz continuar as suas costas: – Ela não parece ser um milhão de mulheres em uma? – riu - É uma pena que eu nunca tivesse me permitido aproveitar dela em Hogwarts. Não gostaria de perder a chance agora.


 


-       Se tocar minha mulher é um homem morto.


 


Theodoro riu novamente.


 


-       Você não me pareceu tão assustador o dia em que me viu beijá-la.


 


Draco sentiu suas entranhas revirarem, mas apenas cerrou os punhos e virou-se para ele.


 


-       Não é assim que eu trabalho. Me conhece. Não preciso parecer assustador, preciso apenas vê-lo encarar a morte tendo a consciência de que eu a coloquei lá. – o sorriso de Theodoro se desfez. – Desse jeito é melhor. – comentou a nova expressão dele e o deixou seguindo o mais rápido possível para sua torre. Assim que subiu todas as escadas e chegou ao hall do ambiente comum. Tina o esperava. Estalou os dedos para que ela o seguisse enquanto atravessava até sua sala. Quando sentou-se em sua cadeira, a mulher já de pé a frente de sua mesa. – Me informe. – ordenou abrindo a pilha de pastas que já haviam se acumulado em sua mesa. Ela já estava pronta com sua prancheta.


 


-       Os bruxos da Comissão acabaram de confirmar a elaboração de duas novas magias para a proteção do acampamento que pretende implantar no centro de Yor...


 


-       Não isso, Tina. – ele a cortou.


 


A mulher pareceu ficar confusa.


 


-       Hum... – ela mexeu apressada em seus papéis. – Seu grupo de conselheiros tem...


 


-       Isso não. – a cortou novamente e de forma mais severa tendo que erguer os olhos para encará-la.


 


Ela ficou ainda mais confusa. Mexeu em seus papéis franzindo o cenho como se tentasse descobrir o que ele queria. Acabou puxando um pedaço de pergaminho aberto.


 


-       Bem... Hum.. – ela começou como se estivesse apostando naquilo incerta. – Sua mãe mandou uma coruja com um recado sem selo.


 


Draco sentiu seus ouvidos apurarem instantaneamente e todos os seus sentidos de alerta levantarem guarda. Tina continuava o encarando confuso. Ele estava começando a se irritar.


 


-       Diga logo o que está escrito. – detestava quando alguém era devagar quando precisava que fosse rápido.


 


-       Diz... – ela apertou os olhos para ler novamente, como se tivesse se esquecido do que era. – “Ela acordou.” Só isso. Não me parece fazer nenhum sentido.


 


Draco se levantou imediatamente.


 


-       Faz para mim. – passou por ela. – Estou indo para casa.


 


-       O que? – ela saltou os olhos e o seguiu. – Não posso fechar seus compromissos! São muito! Além do mais, a Seção Financeira acabou de mandar um memorando informando que não financiará uma nova tentativa em York porque o Conselho não o apoia e se não atender a uma reunião com eles em menos de uma hora até mesmo nosso orçamento mensal pode ficar comprometido.


 


-       Apenas os atrase, vinte minutos, meia hora. – a cortou. - Não me peça para dizer como deve fazer seu trabalho. Preciso ir para casa, vire-se. – e foi embora.


 


Não esperou que aprontassem sua carruagem e pegou uma do Catedral pedindo para que fossem o mais rápido possível. Quando chegou aos portões dos terrenos de sua propriedade teve dificuldades para atravessá-lo. A imprensa estava amontoada ali desde que os carros da St. Mungus tomaram conta do pátio da frente.


 


Assim que passou para o lado de dentro de sua casa foi recebido por uma curandeira que carregava uma dúzia de pequenos frascos cheios de poções em uma bandeja de madeira envelhecida. A mulher disse que Hermione havia acordado não fazia mais do que duas horas, Draco pediu para que aprontassem a equipe de medibruxos responsável por Hermione em um dos escritórios de recepção daquele andar e apressou-se para subir as escadas e fazer o caminho até seu quarto.


 


Sua mãe estava de costas sentada em uma poltrona ao lado da cama e Hermione foi a primeira a o ver quando ele entrou. Ela estava sentada na beira do colchão de frente para sua mãe usando uma camisola de algodão e tocando os pés descalços no chão frio. Ela não teve nenhuma reação ao vê-lo, apenas não tornou a encarar Narcisa.


 


-       Draco. – sua mãe se levantou. – Não esperava que viesse.


 


-       Preciso voltar para a Catedral logo. – ele anunciou.


 


-       Então é melhor que eu deixe vocês conversarem. – ela disse e se afastou, passando por ele e fechando a porta ao sair.


 


Draco se aproximou e tomou a poltrona sentando-se. Hermione permaneceu em silêncio. Ele soltou o ar e acomodou-se colocando os braços sobre os braços da cadeira e cruzando a perna. Encararam-se em silêncio por um tempo até que ele finalmente perguntasse:


 


-       Como se sente?


 


Ela piscou com calma tirando as mãos do colo para segurar as laterais do colchão. Havia uma agulha em sua mão que era ligada a uma bolsa cheia de um líquido cintilante porém translúcido pendurado num suporte de madeira.


 


-       Estranha. – ela respondeu com uma voz fraca e rouca.


 


Era compreensível. Ela iria se sentir melhor depois alguns dias tomando as poções que deveria e seguindo as recomendações dos medibruxos.


 


-       Eles contaram o que aconteceu a você?


 


Ela assentiu.


 


-       Narcisa me explicou.


 


Hermione havia sido vítima da própria magia colocada para que ela tivesse mais chances de gravidez. Os medibruxos informaram que não era uma magia simples porque o mestre havia feito diversas especificações e uma delas era que a vida gerada por Hermione deveria ser protegida sob prioridade nas circunstâncias mais extremas. Na teoria realmente era excelente, o grande problema foi quando a magia reconheceu que Hermione estava gerando duas vidas e não apenas uma. A magia entrou em contradição com si mesma tentando identificar um deles como intruso para expulsá-lo embora preso a característica de proteção incondicional. O corpo de Hermione acabou por entrar em colapso como resposta a isso.


 


As chances de Hermione engravidar de gêmeos existiam, embora os medibruxos tivessem trabalhado para que fossem chances pequenas. Haviam dito que trabalharam na magia para que ela estivesse pronta para receber mais de uma vida, caso acontecesse, mas que as especificações de Voldemort haviam sido uma lista grande e que o tempo para verificar se tudo estava em perfeita ordem não fora muito, o que acabou por colocar alguma dessas especificações em conflito com outras. O importante é que Hermione estava bem depois de três dias desacordada, estava livre da droga daquela magia e precisava ser monitorada diariamente para que o crescimento dos dois fetos fossem acompanhados com cuidado para receberem o que precisassem. Voldemort não hesitaria em tirá-los de Hermione se caso algum deles tivesse sido comprometido pela guerra que a magia havia travado nela.


 


-       Gêmeos, certo? – Hermione comentou após desviar o olhar para longe do dele.


 


-       Gêmeos. – confirmou Draco.


 


O silêncio os seguiu por um tempo.


 


-       O que pensa sobre isso? – ela perguntou.


 


Na verdade, ele tentava não pensar sobre isso.


 


-       Espero que ao menos um deles seja menino. – acabou por dizer, mesmo sabendo que aquilo não era só o que realmente pensava sobre isso. – O que você pensa sobre isso?


 


-       Ainda não tive tempo para pensar. – ela disse e eles entraram no silêncio. Hermione trouxe novamente as mãos para o colo e as encarou analisando por um momento a agulha em sua veia. -  É realmente necessário que tenhamos toda essa gente morando aqui em casa?


 


-       Você passou por um trauma, está gerando duas vidas aí dentro e não a quero em um hospital. – Ele disse e ela não contestou. Sabia que estar em casa por mais grave que fosse seu caso, aliviava a situação para a imprensa. – Não será por muito tempo. – também não gostava da ideia de ter pessoas tirando a privacidade que tinha em sua casa. Lembrava-se de ter detestado Hermione por isso quando haviam se casado, mas aprendera a conviver com ela. Haviam criado a privacidade deles e não gostava da ideia de ter que abrir mão disso por um tempo.


 


O silêncio novamente. Céus, como ele queria tocá-la. Suas mãos coçavam. Era tão bom vê-la com as maças do rosto rosadas e os olhos vivos novamente. Queria tocá-la para ter certeza de que não se quebraria ou de que era realmente real, mas não se moveu. Apenas a observou quando ela se levantou e arrastou o suporte de madeira consigo até a janela onde sentou-se novamente.


 


-       Voldemort sabe que são dois? – ela perguntou sem encará-lo.


 


-       Sim. – ele respondeu.


 


Ela suspirou fechando os olhos.


 


-       O que ele disse? – ela o encarou.


 


Ele não estava certo se deveria passar aquela informação para ela.


 


-       Disse que precisará apenas de um. – foi tudo o que Voldemort disse.


 


Hermione apertou os lábios, fechou os olhos e cobriu o rosto com as mãos.


 


-       Ele vai matar o outro. Vai esperar que nasçam, e vai matar o outro. – ela disse com a voz apertada. – Especialmente se for uma menina. Irá matar os dois se os dois forem meninas.


 


-       Ainda não sabemos sobre isso...


 


-       Mas iremos! Pode parecer que temos tempo, mas não temos, Draco! – o encarou.


 


-       Hermione. – ele se levantou – Vamos cuidar disso. São dois bebês! Sei que temos apenas cinquenta por cento em cima dos dois por serem idênticos, mas tenho...


 


-       Não fale de porcentagens, Draco! São nossos filhos! Eles não são mercadoria, não são negócios, são vidas! Não pode apostar em cima deles! – ela tentou exaltar o tom da voz, mas saiu apenas um rouco cheio de indignação.


 


Draco soltou o ar cansado.


 


-       O que sugere então?


 


-       Você sabe o que eu sugiro.


 


-       Não, não sei.


 


Ela puxou o ar o encarando bem.


 


-       Sim, você sabe.


 


A encarou confuso por alguns segundos, mas não demorou para que sua mente clareasse. Puxou o ar e lutou para não revirar os olhos.


 


-       Potter? – soltou com desgosto. – Acredite, Hermione, você não vai querer carregar a culpa da morte de Harry Potter.


 


-       O que eu não quero é carregar a culpa da morte de mais um filho...


 


-       E também não quer a de Harry Potter!


 


-       Eu fiz um acordo com o mestre!


 


-       E acaso fizeram um Voto Perpétuo? Não acredito que seja ingênua de pensar que ele é um homem de palavra!


 


-       Eu não faria um Voto Perpétuo sem nem estar grávida ainda, Draco! – ela se levantou. - Mas agora que estou, posso barganhar um se caso estiver carregando uma menina ou até mesmo duas!


 


-       O que te faz pensar que o Lorde das Trevas esperaria nove meses até que você tivesse novamente a chance de lhe dar um herdeiro? Isso é importante para ele, Hermione! Acha que ele quer essa criança para brincar de casinha com minha tia Bella? Ele tem planos e sabe-se lá Deus o porque ele está com tanta pressa!


 


-       Eu acredito que Voldemort carrega uma maldita profecia com Harry a muito mais tempo do que deseja esse herdeiro, Draco!


 


-       E é por causa dessa profecia que nós precisamos de Harry Potter vivo! – disse e viu Hermione trocar de expressão no mesmo instante. Aproximou-se dela. Não gostava da ideia de falar sobre aquilo com pessoas desconhecidas rondando os corredores de sua casa. – Temos um interesse em comum, queremos que Voldemort caia. – abaixou o tom de voz. - Ele não irá descansar enquanto estiver vivo, portanto precisa morrer. Alguém terá que matá-lo e esse alguém não sou eu, nem você. Já há uma profecia que diz quem deve matar o Lorde das Trevas portanto guarde Potter para o momento certo, Hermione.


 


Ela abriu a boca para contestar, mas tornou a fechá-la. Ficou em silêncio um tempo embora não desviasse os olhos dele. Não parecia nada contente, mas ao mesmo tempo seu olhar era angustiante. Fechou os olhos desistindo do que quer que fosse protestar contra e soltou o ar um tanto frustrada, dando as costas para poder encarar o pátio externo.


 


-       Eu não sei o que fazer. – a voz dela soou baixa. – Como você consegue fazer isso? Ficar tão calmo, tão centrado! Parece sequer se preocupar! – havia um pouco de indignação junto com sua frustração. – Como consegue dizer que vamos encontrar uma forma de lidar com isso? – tornou a virar-se para ele. - Eu não consigo parar todos esses pensamentos. Não consigo parar de imaginar o que Voldemort faria ou o quão horrível seria ter uma criança minha sendo tirada dos meus braços, porque perder a vida que eu carregava da última vez já me pareceu terrivelmente doloroso para que eu já me sentisse suficientemente atormentada dessa vez. – ela puxou ar devido a sua corrida com as palavras e então começou a andar de um lado para o outro gesticulando como estivesse buscando as palavras para se expressar. – Eu tentei. Desde que comecei a desconfiar que eu pudesse estar grávida. Tentei deixar que as emoções, os medos e as inseguranças não tomassem conta de mim. Tentei me manter confiante e inabalável como você sempre se mantém. – puxou o ar novamente buscando oxigênio para continuar. - Quando te contei e nós viemos para casa eu tentei ser otimista, tentei olhar para toda essa preocupação, pressão e tensão sem deixar que elas me abalassem. Eu me permiti sorrir, me permiti ficar feliz por estar grávida ao invés de me martirizar por ter sido tão burra. Me permiti lembrar que na verdade eu queria isso. Me permiti tentar apreciar sua companhia. E... – os olhos dela brilharam e sua voz ficou apertada. – Foi bom. E... – ela puxou oxigênio novamente. – E parece que esse susto foi algum tipo de punição por isso. Como se os olhos de Voldemort estivessem a todo o segundo me vigiando a espreita do momento em que eu sorrir para que ele possa me derrubar. Agora tenho que ter uma casa cheia de medibruxos me cercando como seu eu pudesse vivenciar tudo de novo a qualquer momento, sem poder saber realmente se essas duas vidas estão mesmo bem, se estão se desenvolvendo corretamente, se a droga dessa magia os afetou de alguma forma ou se vou mesmo chegar a tê-los um dia em meus braços.  – Ela parou e apertou os pulsos contra os olhos. – Merlin. Eu odeio esses hormônios.


 


Ele sentiu uma urgência crescer. Queria ir até ela, segurá-la pelos pulsos, trazê-la para si, tocar seus cabelos, mesmo que parecessem não tão macios por aparentarem estar bastante embaraçados. Quis confortá-la e ter consciência disso o segurou bem onde estava.


 


Lembrou-se da noite em que passou o anel de noivado a ela. Lembrou-se de suas palavras. Lembrou-se de que não queria uma mulher derramando lágrimas em sua casa. A diferença do que queria naquela época e do que queria agora era baseado simplesmente na visão que tinha da mulher a sua frente. Naquele jantar ela estava perfeita, incrivelmente sexy, elegante e tudo que ele realmente conseguia enxergar era o belo e detestável pacote que ela era, cheio de sangue trouxa nas veias, que ele não sabia se seria capaz de suportar por mais de alguns minutos. Agora ele a via descalça, usando uma camisola de algodão que parecia maior que o corpo, cabelos emaranhados e o que ele via na verdade era uma mulher tão extremamente única que ele era incapaz de rotular, incapaz de definir, incapaz de processar. Ele não entendia como conhece-la a fazia parecer sempre mais incrível conforme os dias se passavam. Ele não se entediava. Não se cansava. Isso a fazia ser tão absurdamente interessante e tão loucamente mais linda, mesmo de camisola de algodão.


 


Ali ela não era a vaga imagem que ele tinha da Hermione que conhecera em Hogwarts nem a que havia enfrentado durante os anos de guerra. Ali ela era sua mulher, a que vivia debaixo do seu teto e sabia quais pratos ele preferia para o jantar, a que deitava ao seu lado na cama, que sabia quais os dias que mais o cansavam, a que horas levantava e a que horas dormia, a que conhecia até mesmo a qualidade de seu sono. Ali ela era a mulher que sempre deitaria em sua cama como uma Malfoy, a que sempre viveria na mesma casa que ele, a que sempre estaria ao seu lado e a que o acompanharia nos seus melhores e piores momentos. Ali ela era a única mulher com quem ele se via verbalizar coisas que jamais colocaria para fora, a única além de sua mãe que conheceria alguns dos segredos que ele jamais deixaria que ninguém soubesse e a única que estava carregando o laço de sangue entre eles em sua barriga. E a única que o fazia... sentir. Sentir demais.


 


-       Hermione. – ele disse calmamente deixando-se apreciar como era diferente toda vez que o nome dela saia de sua boca. – Preciso que olhe para mim. – ela só tirou as mãos dos olhos quando soube que estava pronta para fazer isso sem deixar que derramasse alguma lágrima. – Você já me conhece o suficiente para saber que não faço promessas com facilidade. – se aproximou mais. – Quero que saiba que é uma promessa quando eu digo que ninguém irá tocar nos filhos que carrega. Eles também são meus. Que sejam um ou vinte. Me arrependo o suficiente de não ter te feito essa promessa da última vez em que esteve grávida.


 


-       E como especificamente você pretende cumprir essa promessa quando na verdade...


 


-       PARE de pensar que é a única que é capaz de bolar uma estratégia aqui! – ele a cortou sério o suficiente para fazê-la engolir qualquer outra palavra que tivesse para rebater. A segurou pelos ombros e a fez encarar novamente através das vidraças. – Consegue ver todas aquelas pessoas amontoadas no nosso portão? Aquela será a nossa arma. A imprensa, o boca a boca, a imagem que já temos diante da mídia. Jornais, rádios, revistas. O povo será nossa arma.


 


Ela ficou em silêncio alguns segundos tentando entender o que ele havia dito.


 


-       Aonde quer chegar? – ela indagou.


 


Draco aproximou sua boca do ouvido dela para poder diminuir o tom de voz.


 


-       A imprensa saberá que está grávida logo. Faremos o favor de sermos descuidados para que eles descubram sobre isso e então nós vamos nos tornar as pessoas públicas mais ativas na mídia de todos os tempos. Seremos o casal mais apaixonado que essa cidade já viu. Mãos dadas, abraços, almoços e saídas ao parque. Deixem que nos fotografem, que nos façam perguntas, deixem que nos acompanhem. Mostre-se feliz, amigável, gentil. Iremos passar que nada poderia nos deixar mais feliz e nada poderia nos unir ainda mais do que a ideia de receber filhos. Faremos com que as pessoas deixem apenas de se simpatizar por nós para que passem a nos amar. Faremos com que os jornais e revistas mais vendidos sejam aqueles que nos tenham na primeira página. Faremos as pessoas esperarem ansiosamente pelo dia em que comprarão uma revista onde estaremos felizes e alegres num dia de primavera segurando nossos filhos nos braços bem na capa. Faremos com que nos amem tanto que a figura da nossa família perfeita se torne intocável. O mestre não agiria contra nós tão diretamente sem perder a qualidade de sua imagem para o público, o que é algo que ele não se daria ao luxo quando precisa ser aceito por ele para se livrar da proteção dos fortes e encarar o mundo. Até mesmo o Lorde das Trevas sabe que é necessário simpatia para governar um império. Não pode ter as pessoas apenas pelo temor, não todas, não o tempo inteiro. Precisa ganhar o apoio delas e ele vem trabalhando nisso a um bom tempo, não iria destruir esse trabalho para se tornar o terrível vilão novamente encostando na preciosa e encantadora família Malfoy, amada e admirada por todos.


 


Hermione pareceu precisar de alguns segundos para processar aquilo.


 


-       Voldemort saberia que estaríamos jogando com ele. – ela finalmente disse algo.


 


-       Deixe que ele saiba. Voldemort sabe que eu não sou como os outros comensais, sabe que eu desaprovo muita das decisões dele, mas já me testou o suficiente para não ousar questionar que estou do lado dele nessa guerra. Além do mais, posso defender meus filhos porque Vodemort conhece a relação que tenho com meu pai e foi ele quem aceitou o acordo de entregar meu herdeiro ao Lorde. Seria natural que eu lutasse contra uma vontade do meu pai.


 


-       Você não lutou quando ele induziu meu aborto bem na sua frente da última vez.


 


-       Porque eu posso muito bem não ter tido tempo de formar uma opinião forte sobre a ideia de filhos naquela época, mas agora tive e quero protegê-los. E não use esse tom acusador quando sabe como realmente me senti sobre a última vez.


 


Hermione soltou o ar e fechou os olhos.


 


-       Desculpe. – ela usou um tom muito baixo e mesmo assim ele ainda sentiu que poderia revirar os olhos ao escutar aquilo.


 


Ela se desculpava demais e isso a fazia ser compreensiva demais. Ninguém que ele conhecia ou que já conhecera era compreensiva como ela, nem mesmo sua mãe. As vezes ele achava um tremendo exagero, mas ao mesmo tempo não conseguia detestá-la por isso.


 


Deslizou sua mão dos ombros pelos braços dela. Estava a tocando e agora já era tarde demais para recuar. Passou um de seus braços pela cintura dela e aproximou-se ainda mais para colar seu corpo no dela. Céus! Ele não conseguia descobrir o que é que corria cada extensão do seu corpo quando a tinha assim tão próxima. Não era como o desejo por sexo, o desejo de olhar o suficiente para os detalhes de uma mulher e sentir a urgência de arrastá-la para um canto mais reservado, mas era tão forte e tão intenso quanto.


 


-       Sei que será bem mais complicado. Construiremos uma base forte com o público e ficaremos de olho para agir contra qualquer oportunidade que o mestre tiver de chegar até nós. – concluiu para ela.


 


Hermione ficou em silêncio como se estivesse considerando toda a ideia.


 


-       Nós... – ela sussurrou como se estivesse jogando ao vento e ele percebeu o peso do que havia dito. – É isso que somos agora? É isso que eu e você nos tornamos? Nós? – ela puxou o ar enchendo o pulmão e se afastou empurrando com cuidado o braço dele para se libertar. Afastou-se antes de girar sobre os calcanhares para encará-lo. – Me parece bastante para digerir. – ela começou. – Mas devo confessar que você conhece melhor o Lorde do que eu. Presumo que esteja certo do que está planejando. – ela concertou a postura como se estivesse tentando recobrar o orgulho. – Vamos ter que fingir bastante, espero mesmo que esteja pronto para isso. – soltou o ar. – Mas se algo acontecer, Draco. Eu não vou me importar com a droga da profecia o que você pretende com Harry.


 


Ele soltou o ar lutando para não revirar os olhos. Ela estava insistindo com Harry Potter.


 


-       Certo, Hermione. Potter será nossa última opção. Última opção. – ele se fez claro. – Enquanto isso iremos trabalhar com o que eu disse. Podemos ganhar tempo jogando com Voldemort.


 


Ela o encarou profundamente como se quisesse passar que nada era mais sério do que aquilo para ela. Quando pareceu ter certeza de que a mensagem daquele olhar fora passado, caminhou passando por ele e voltando até a cabeceira da cama onde puxou uma minúscula alavanca colocada do lado onde Hermione deitava. Ela teve apenas o tempo de se sentar com cuidado e ajeitar o suporte de madeira ao qual estava aprisionada antes de escutarem batidas educadas na porta para então receberem uma das curandeiras que entrou receosa e começou um atendimento cuidadoso em Hermione.


 


Draco apenas observou enquanto Hermione pedia pelas receitas daquilo que estavam lhe dando e uma explicação detalhada de qual o tratamento que estava recebendo. Ela era educada, sua voz saia completamente dócil e amável em respeito a profissional que a atendia. Qualquer outra mulher que ele conhecesse estaria lançando ordens no lugar dela e ainda exigindo que fossem atendidas imediatamente ou haveria consequências. Hermione era gentil até mesmo com elfos que não os serviam. No começo, ele achava que era uma patética encenação, mas com o tempo aprendeu que aquela era apenas quem ela era.


 


Enfiou as mãos no bolso e seus olhos se encontraram enquanto a curandeira tirava a agulha de sua veia e lhe estendia um frasco de poção informando que ela precisava daquilo para seguir para um exame dentro de alguns minutos.


 


-       Preciso voltar para a Catedral. – ele informou.


 


Hermione assentiu sem mudar sua expressão. Ele precisou respirar fundo e desviar o olhar rapidamente para curandeira para que ela finalmente entendesse. Quando sua ficha caiu ela abriu um sorriso. Um sorriso tão adorável que ele quase não se esqueceu de que ela estava fingindo. Ela estendeu o braço e a mão até ele que se aproximou e a segurou.


 


-       Queria que pudesse ficar. – sua voz doce quase o fazia sentir o mel deslizar por sua língua. Ele desejou que fosse verdade.


 


Ele abriu um sorriso convincente. Podia ser um bom ator. Fazia isso há anos.


 


-       Queria que pudesse vir comigo. – não era realmente uma mentira.


 


Hermione apenas sorriu.


 


-       Mantenha-me informada. – ela disse e ele soube pelo olhar dela que era um pedido sério.


 


Ele assentiu, segurou seu queixo e abaixou-se para beijá-la. Quando seus lábios estavam contra os dela inalou seu cheiro para guardá-lo em sua memória inconscientemente. Afastou-se e a observou abrir os olhos calmamente para que ele pudesse ver o misto do âmbar e dourado que formavam sua íris.


 


-       Te amo. – tentou soar o mais natural possível, como já tivesse aquilo mais de um milhão de vezes, mas a verdade é que ele sentiu como se estivesse vomitando um alienígena. Era a primeira vez que dizia aquilo e até mesmo sua língua pareceu formigar ao pronunciar aquilo.


 


O sorriso de Hermione começou a se desmanchar e ele teve que segurar seu queixo com mais firmeza para que se lembrasse que haviam olhos sobre eles. Ela recuperou o sorriso, mas ele estava tão próximo que conseguia ver o olhar intenso dela.


 


-       Também te amo. – ela soou quase inaudível e engoliu a saliva depois como se estivesse tentando passar pela garganta uma enorme pedra.


 


Ele selou rapidamente seus lábios nos dela mais uma vez e se afastou, virando-se para a curandeira que detinha um sorriso sonhador nos lábios e um olhar encantador. Era isso que ele queria, isso que ele precisava. Cada curandeiro naquela casa deveria sair falando para o mundo que Draco e Hermione Malfoy eram o casal mais apaixonado que já tiveram o prazer de observar.


 


-       Você cuide bem da minha esposa. – disse a ela e a viu corar e assentir a cabeça no mesmo segundo.


 


Deixou o quarto. Não contou dez passos e escutou a porta abrir e fechar as suas costas. Suspirou virou-se para encará-la. Ela tinha um olhar furioso e veio determinada até ele com os pés descalços sobre o carpete e a camisola de algodão tão larga que deixava um de seus ombros nu.


 


-       Não vamos dizer isso um para o outro. – ela cuspiu a ordem tomando cuidado para manter o tom de voz baixo.


 


-       Sim, nós vamos e...


 


-       Eu não vou! – ela estava muito determinada. – Não estou brincando, Draco. Podemos fingir o que for, mas não vamos dizer isso um para o outro.


 


-       São só palavras, Hermione!. – ele vociferou aproximando-se. – Quer colocar Harry Potter nas mãos de Voldemort para salvar nossos filhos mas não quer usar estúpidas palavras vazias para o mesmo fim? Você é mesmo alguém muito exótica!


 


-       Você não entende...


 


-       E não pretendo entender. – a cortou como ela havia feito antes. – Vamos fazer isso com autenticidade. Como deve ser feito. Acostume-se. Agora volte para o quarto, querida, e encha os ouvidos daquela curandeira de lindas histórias falsas sobre Hogwarts e nosso espírito aventureiro no amor.


 


Hermione o encarou com os olhos faiscando e a postura feita como se estivesse pronta para contra atacar. Por fim ela apenas bufou deu as costas e saiu marchando de volta para o quarto. Draco soltou o ar e continuou seu caminho. Desceu as escadas e encontrou sua mãe direcionando um grupo de jornalistas devidamente identificados para dentro de uma sala privada. Ela estava organizando a situação com a imprensa e ele se sentia grato o suficiente por isso para ir até ela agradecer por estar fazendo aquilo. Era algo a menos para se preocupar.


 


Seguiu para a seu escritório de recepção e assim que entrou a equipe de três medibruxos, que consistiam em dois homens e uma senhora de meia idade, se levantaram do sofá onde estavam sentados conversando aos cochichos. Draco apenas passou por eles e se sentou em sua cadeira inclinando-se no espaldar para se sentir confortável.


 


-       Li o que me passaram. – abriu uma das gaveta da mesa a sua frente e puxou a pasta que deixara ali. – Criação, inserção, funcionamento... bla-bla-bla... – disse enquanto folheava os pergaminhos. Fechou a pasta e a jogou sobre a mesa. Encarou os medibruxos a sua frente. Conhecia um deles. Havia trabalhado para a Comissão por pouco tempo. Os três estavam em suas perfeitas posturas, mas sabia que cada um deles temia pelo fim de tudo aquilo. – Parece algo que demoraram bastante tempo para desenvolver.


 


-       O mestre pediu com urgência. – um deles usou um tom exageradamente respeitoso para se manifestar.


 


-       Sim, sim. Já fizeram o favor de me dizerem isso mais de dez vezes nós últimos três dias.


 


A mulher soltou o ar e tomou a frente.


 


-       Sabemos que não há nenhum tipo de perdão pela nossa falha...


 


-       Perdão? – Draco soltou um riso fraco. – Vocês quase mataram minha esposa.


 


-       Se leu os documentos que o enviamos sabe que tudo estava em perfeita ondem.


 


-       Na verdade, não estava. Se realmente estivesse ela estaria bem agora e nada disso teria acontecido. Vocês claramente deixaram passar algo.


 


-       Sim, e nós admitimos nosso erro!


 


-       E acreditam que isso alivia a situação em que estão? – ele foi sério. Nenhum deles respondeu. O silêncio pesou entre eles. Draco precisava fazer com que se lembrassem que estavam com a corda no pescoço.


 


-       Nós... – o homem que costumava trabalhar para a Comissão se manifestou. Engoliu a saliva como se ela cortasse sua garganta e continuou: - Nós preparamos tudo com muito cuidado. A intenção nunca foi que ela atingisse esse ponto. Ficamos surpresos que isso chegou a acontecer, mas estamos dando nosso melhor para que ela fiquei bem e para que tudo acabe bem com os gêmeos que esta gerando. E sim, nós cometemos uma falha, deixamos passar algo que não deveríamos, mas já fui parte da Comissão e sei que não é um homem que sabe analisar muito bem as situações. Não teríamos nos envolvido com isso se não fosse ordens diretas do mestre. Tenho certeza de que já se sentiu encurralado dessa forma antes. Somos todos comensais aqui e todos estamos presos a ele. Estamos fazendo nosso melhor, estamos trabalhando com nossa melhor equipe e colocando todos os esforços nela. Sabemos que tem o direito e o poder de tomar a decisão que quiser com relação a nós, mas pedimos... – ele parecia desconcertado ou como se estivesse buscando coragem para dizer o que Draco já sabia que ele ia dizer. – Se talvez... – ele respirou fundo. – Talvez pudesse suavizar o nosso caso para o mestre. – e se calou.


 


O silêncio entre eles gerou uma expressão receosa no rosto dos dois homens e da mulher. Draco conseguia ver que eles preferiam muito mais estar no funeral de alguém próximo do que ali.


 


-       Devo lembrá-los de que quase mataram minha mulher mais uma vez?


 


-       Senhor, entendemos...


 


-       Me parece que não. – ele interrompeu. O silêncio novamente. Draco suspirou e se levantou. Deu a volta na mesa e enfiou as mãos no bolso para encara os medibruxos a sua frente. – O pedido que fazem exige de mim muita generosidade, se querem saber, e estão no lugar errado para encontrarem generosidade. Isso onde vivem é uma cidade de comensais, estamos todos debaixo de uma ditadura e sabem muito bem que não há lugar para misericórdia aqui.


 


-       Sabemos bem...


 


-       Não me interrompa novamente. – Draco usou de seu tom mais ríspido e o homem recuou piscando desajeitadamente e arrumando os óculos sobre o nariz. – Eu não sou um homem generoso. Se eu fosse essa guerra não estaria quase ganha. Também gostaria de poder punir pessoalmente cada um de vocês por quase me tirarem alguém que agora é o meu sangue, tem meu sobrenome e é minha família. Mas... – puxou o ar e refez a postura. Os olhos deles se tornaram atentos ao escutarem a última palavra. – Posso não ser generoso, mas isso não me impede de ser sensato. – o olhar de esperança que surgiu neles o fez enxergar o sucesso que conseguira ao coloca-los contra a parede. – Claramente não houve o desejo de se colocarem nessa situação por parte de nenhum de vocês, portanto não consigo deixar de imaginar que a punição que certamente terão será evidentemente... – puxou o ar. – injusta. – concluiu embora não achasse que fosse injusta. Injustiça é algo que eles há muito tempo eles deveriam ter esquecido. E era exatamente por isso que Draco precisava trazer de volta a eles esse conhecimento. – Sabemos que o senso de justiça do mundo que vivemos hoje é muito diferente de como costumava ser antes e obviamente concordamos com isso, se não concordássemos não seriamos comensais e não estaríamos seguros debaixo da proteção do mestre. – tinha que ser cuidadoso, claro. As cabeças a sua frente assentiram em concordância quase que imediatamente. Draco deu as costas e caminhou pela sala como se estivesse tomando tempo para pensar sobre o caso deles. Quando finalmente achou que havia dado tempo o suficiente, voltou-se para eles e disse: - Posso tomar conta do caso de vocês com o mestre. Estão fazendo um bom trabalho com Hermione até agora visto o estado em que ela estava antes e tenho certeza que terem o suficiente por outro deslize para que acabem errando novamente. – voltou a se sentar em sua cadeira enquanto os via conter o suspiro de alívio que queriam dar.


 


-       Certamente, senhor. Nos lembraremos da sua... sensatez. – ele não iria dizer bondade. – E o que quiser de nós estaremos a disposição para atende-lo. Qualquer coisa. Acaso existe algo que possamos fazer pelo senhor agora?


 


Draco poderia sorrir por escutar exatamente o que queria ouvir, mas apenas permaneceu neutro.


 


-       Não. – respondeu embora já tivesse uma lista de pedidos que seria atendida em seu devido tempo. Precisava que eles entendessem que Draco não estava negociando nada em troca. – Concentrem-se em Hermione. Isso é tudo que quero de vocês. – eles assentiram e Draco os liberou. Quando estavam próximos a porta de saída, voltou a se manifestar. – Na verdade... – disse e os medibruxos voltaram-se para ele com atenção. – Pode haver algo a mais que seria interessante ter de vocês.


 


-       Qualquer coisa, senhor. – disse o que parecia haver se tornado o porta-voz.


 


-       Quero ser o primeiro a receber toda e qualquer tipo de informação sobre Hermione e os gêmeos. Assim como também quero que a atendam em qualquer pedido que ela vier a fazer.


 


-       Como quiser, senhor. – respondeu o homem sem nem mesmo hesitar e todos os outros apressaram-se em concordar.


 


Draco tornou a dispensá-los e eles foram embora apressados como se precisassem desesperadamente de algum canto escuro onde pudessem livremente chorar o alívio das noites mal dormidas que vinham tendo. Draco poderia sorrir pelo sucesso que havia tido, mas não conseguiu ver a necessidade. Apenas levantou-se e seguiu seu caminho de volta para o pátio externo.


 


Sua mãe apareceu descendo as escadarias da entrada principal chamando por ele antes que entrasse em sua carruagem. Draco voltou-se para ela já impaciente por saber que deveria voltar logo para a Catedral.


 


-       Você deve falar com a imprensa. – ela disse assim que chegou até ele.


 


-       Pensei que estivesse cuidando disso.


 


-       Eles querem ouvir você, Draco. Eles querem respostas. Eu sou apenas a outra Malfoy que pede por privacidade e não tem autorização para responder perguntas pessoais.


 


Draco soltou o ar.


 


-       Sei disso, mas sabe que não posso dar respostas a ninguém agora enquanto Hermione estiver instável. Além do mais, eles sabem que eu tenho uma guerra nas mãos e uma mulher de cama. Tempo não é algo que tem me sobrado.


 


Narcisa suspirou.


 


-       Certo. Mas não pode adiar isso por muito tempo. É sua casa que está cercada por carros da St. Mungus. – ela disse e Draco assentiu. – Que horas pretende voltar para casa?


 


Draco estranhou a pergunta.


 


-       Ultimamente estou sem uma rotina. As coisas ainda andam um pouco intensas e o mestre não me autorizou deixar Brampton Fort até ter algo mais consistente sobre a gravidez de Hermione, portanto ainda tenho trabalhado em dobro.


 


-       Havia me dito que está dividindo mais as tarefas e que o novo plano com York exige menos de sua constante atenção.


 


-       Sei disso, mas...


 


-       Precisa voltar para casa.


 


Draco franziu o cenho não gostando de ter sido interrompido.


 


-       Eu quero voltar para casa, mãe. O que te faz pensar que eu iria preferir uma noite conturbada e cheia ao invés de uma lareira e uma cama?


 


-       Não é uma questão de preferência, Draco. Você tem uma esposa que não está bem e o mundo sabe disso, precisa ser o marido atencioso e preocupado mesmo que não queira.


 


Draco revirou os olhos.


 


-       Não se preocupe porque eu tenho certeza que vai se cansar de ver o marido atencioso daqui há alguns meses. – foi tudo que se prezou a dizer deixando para atualizá-la sobre sua nova estratégia com Hermione depois. – Apenas tente ficar com ela o máximo que puder.


 


Entrou na cabine e fez seu caminho de volta para a Catedral onde foi recebido por Tina que tratou de apressá-lo para dentro de uma reunião com o Financeiro que não estava nada amigável graças aos péssimos comentários que seu Conselho vinha soltando nos últimos dias. Saiu de lá direto para um encontro com a Comissão onde foi apresentado a nova magia que garantia uma melhor segurança para a fronteira estável que iria precisar ao estabelecer um acampamento no meio de uma zona dominada pela Ordem.


 


A Comissão estava desenvolvendo magias que ele nunca imaginara ser possível desenvolver. Hermione tinha uma grande participação naquilo porque estava passando a ter domínios sobre elementos identificados nas análises da nova magia que a Ordem vinha usando, dessa forma ela era capaz de introduzir ao grupo da Comissão o que vinha os fazendo avançar como nunca. Draco tinha absoluta certeza que aquilo entraria para os livros de história. As vezes ele simplesmente não entendia como Hermione podia ser tão brilhante. Eles estavam avançando anos e anos de estudos em alguns poucos meses.


 


Sabia que deveria acompanhar o grupo da Comissão até a sala de simulação onde provariam os benefícios da nova segurança junto com os planos para a tomada do edifício escolhido para se tornar o novo acampamento no centro de York, mas simplesmente não queria. Destinou um de seus líderes para essa tarefa, ordenando que fosse reportado todos os detalhes e voltou para sua sala assim que viu a chance.


 


Tina se surpreendeu por vê-lo novamente tão cedo e ele não deu nenhum esclarecimento, apenas se fechou em sua sala onde encheu um copo de bebida e se sentou em sua cadeira livrando-se da gravata e puxando as mangas da blusa. Fechou os olhos e inclinou-se no espaldar ajustando-se confortavelmente. A única imagem que não conseguia sair de sua cabeça quase materializou-se novamente e ele pode sentir a estranha sensação em seus lábios e sua língua. Algo como se estivessem dormentes ou formigando. Parecia o preço por ter dito algo tão estrangeiro.


 


A reação de Hermione ainda o perturbava tanto quanto a sensação que o perseguia por ter usado palavras que até poucos minutos atrás achara que jamais diria a nenhuma mulher. Nem mesmo sua mãe havia tido a chance de escutar aquilo de sua boca mais vezes do que o número de dedos que tinha em uma mão apenas.


 


Eram palavras vazias, ele sabia que eram, mas não deixava de incomodá-lo. Era quase como se fosse impossível dizer aquilo sem que não tivesse nenhum significado. Pareciam palavras fortes demais para serem vazias. Não eram. Ele sabia que não eram. Mas tentava se convencer de que eram.


 


E a reação de Hermione...


 


Abriu os olhos puxando o ar. Era incapaz de se deixar pensar naquilo sem ser dominado por uma agonia que beirava o insuportável. Deu um longo gole em sua bebida e puxou o Diário do Imperador dobrado de um canto de sua mesa. Precisava de distração. A ideia de que Hermione havia escutado aquilo de sua boca mesmo que não tivesse significado algum o perturbava loucamente. Não Hermione. Por que logo Hermione?


 


Não tinha tempo para se dedicar a leitura do principal jornal dos fortes de Voldemort fazia um bom tempo. Detestava não saber o que andava influenciando a mente do público, mas estipular prioridades nos últimos dias também era uma de suas prioridades e acabara descartando sua atualização diária de informação.


 


Passou a primeira página quando não conseguiu se entreter com os textos inúteis. Procurou por alguma atualização no caso sensacionalista que faziam sobre os carros da St. Mungus em sua casa e não encontrou nada além de uma nota sobre os Malfoy estarem segurando informações mais detalhadas sobre o caso. Mais algumas páginas, chegando a uma parte mais informal do informativo, achou algo realmente interessante quando visualizou a fachada dos fundos de sua casa. A imagem não estava muito boa  devido a neve que caía constante, mas havia um zoom da mesma imagem logo ao lado mostrava quem ele muito bem reconhecia como sendo ele e Hermione.


 


Não havia tido aquela visão dos dois, mas conseguia se lembrar bem daquele dia. O dia que Hermione havia dito achar estar grávida. O dia em que ele havia se cansado da louca rotina que vinha tendo e apenas foi para casa antes que chegasse a enlouquecer. O dia em que achara graça por ver Hermione incrivelmente linda mesmo usando uma bota de chuva vermelha maior que o pé. Se lembrava bem de como era vê-la ali, sentada nos degraus de sua casa, abraçando o próprio corpo ao tentar se proteger do frio e com os cabelos esvoaçando na direção do vento. Eles haviam criado uma intimidade que o assustava sempre que se dava conta. Era confortável tê-la por perto, vê-la não tentar parecer a melhor das mulheres ou não tentar esconder seus defeitos. Não tentar ser sexy para impressioná-lo nem fingir ser alguém que não é para ter sua atenção. Ele gostava disso, gostava que ela mostrasse realmente quem era sem ter receios, gostava de como isso a deixava tão absurdamente linda. Sentia que podia ser o mesmo, que podia ser ele mesmo, que podia despir-se de todas as suas máscaras e de todos os seus segredos mesmo que ela nem tivesse consciência de metade deles.


 


“...e para aqueles que duvidaram de toda a história entre Draco e Hermione Malfoy, para aqueles que julgaram que o romance entre eles não passava de uma farsa apenas por se comportarem, na maioria das vezes, friamente um com o outro em público. A mídia fez questão de divulgar uma história que mais se assemelha a um conto de fadas do que apenas uma história de romance. Isso gerou no público um apego pela figura do novo casal Malfoy de uma forma que os grandes observadores ficam sempre a espera daquele momento em que haverá uma troca de olhar amoroso, um momento em que vão dar as mãos de alguma forma especial ou se beijarem em público. A grande verdade é que Draco e Hermione Malfoy são apenas um casal apaixonado que se mantiveram em segredo por tanto tempo que guardam seus momentos românticos para espaços privados e reservados onde se sentem mais confortáveis, o que qualquer casal normal faria. Fontes diretas da Catedral também informam constantemente que o casal procura manter discrição em ambiente profissional tanto quanto...”


 


Ele leu apenas esse trecho antes de voltar a se focar na imagem com o zoom, onde conseguia distinguir a figura de Hermione, com as botas vermelhas, e a sua logo atrás dela a envolvendo com uma manta. Draco franziu o cenho um tanto confuso. Não havia nada romântico naquilo. Estavam apenas conversando e ele apenas queria protegê-la do frio. Fora erro dela levar apenas uma manta quando na verdade estava decidida a ficar exposta ao frio como ele. Obviamente que ele havia se sentido tentado a se aproximar, mas não havia nenhum tipo de intenção romântica naquele ato. Olhar aquela imagem entretanto o fazia ter duvidas.


 


Quase balançou a cabeça para espantar alguns questionamentos que lhe surgiram e se focou numa imagem diferente que havia logo ao fim do texto. Era escura e demorou para que ele conseguisse entender, mas logo que a entendeu quase largou o jornal sobre a mesa. Estava escuro, e o zoom não deixava a imagem em sua melhor qualidade, mas conseguia distinguir bem a sombra de sua figura e a de Hermione contra a luz do lado de dentro da casa. Havia sido no mesmo dia, logo que eles haviam entrado novamente para dentro de casa. Ele se aproximava calmamente, a cercava pela cintura e a beijava enquanto ela confortavelmente colocava os cotovelos sobre seus ombros e passava as mãos em seu cabelo. Eram apenas as sombras de seus corpos fazendo aquilo contra a luz amarela de um dos espaços internos que ligava para a varanda dos fundos, mas foi o suficiente para levá-lo de volta a lembrança daquele dia, do sorriso que Hermione tinha nos lábios que faziam as maças rosadas de seu rosto apertarem o canto de seus olhos e dar vida a cor dourada de sua íris, da linguagem corporal leve e espontânea que ela adquirira quando tudo entre eles ficou confortável e descontraído, do som do riso que vinha do fundo de sua garganta, da sensação de sentir que poderia desacelerar o tempo para observar os detalhes de tudo aquilo. Ele se lembrava perfeitamente dos flashes dele se movendo até ela e passando os braços por sua cintura. Se lembrava da sensação de ter seu corpo encostando no dela. Se lembrava de cheirar seus perfume antes de fechar os lábios sem pressa sobre os dela. Se lembrava da sensação em seu peito, como se pudesse sentir o calor de próprio coração com vida. Se lembrava da vontade única que fora apenas querer beijá-la sem nenhuma intenção que fosse de arrastá-la para cama ou nada relacionado. Queria apenas senti-la, tê-la em seus braços, sentir seus lábios macios e seu cheiro e calor de perto. Ele se lembrava bem e o fato de se lembrar de tudo aquilo enquanto encarava aquela imagem o assustou por inteiro. Acabou por realmente soltar o jornal sobre a mesa.


 


Aquilo era, de fato, romântico. Casais de verdade faziam aquilo e não era para convencerem ninguém de nada. Casais de verdade faziam aquilo porque sentiam vontade de fazer aquilo, porque fazia parte de serem casais de verdade. Ele continuou a encarar a imagem estampada na folha de jornal sobre a mesa. Ele e Hermione não eram um casal de verdade, por que haviam feito aquilo? Por que ele havia feito aquilo? Por que tivera vontade de fazer aquilo? Por que todas aquelas sensações?


 


Não podia continuar olhando aquilo. Fechou o jornal e o enfiou em uma das gavetas em que guardava coisas desnecessárias. Levantou-se, encheu um copo e o virou de uma vez. As sombras do jornal se movendo de encontro uma a outra e a lembrança de ter feito aquilo atormentavam sua cabeça. Era quase como sentir novamente o calor de Hermione e escutar o riso baixo preso em sua garganta...


 


-       Tina! – ele chamou pela secretaria. Precisava trabalhar, precisava se ocupar. Ir para seu escritório tentar colocar a cabeça no lugar não havia sido uma boa ideia.


 


A mulher não demorou para surgir preparada para receber as milhões de ordens que ele sempre cuspia. Ela ficou de pé, intacta em sua postura enquanto Draco apenas a observava vestida numa saia não tão curta, mas não era longa e num terninho não tão decotado, mas também não tão comportado. Ele manteve seus olhos sobre ela. Não era uma mulher comum, sem dúvidas, era bonita. Sempre arrumava os cabelos loiros e curtos de um único jeito o que valorizava o azul de seus olhos.


 


-       Me chamou, senhor? – ela soltou um tanto desconfortável quando o silêncio tomou lugar onde ela não esperava que tomasse. Ele apenas assentiu, mas continuou em silêncio. – E-eu tenho recebido recados daqueles que esperam alguma resposta com relação...


 


-       Sei disso. – ele a cortou. Queria observá-la de boca calada. – Não há necessidade de trabalhar nos meus compromisso de hoje. Apenas os cancele. – ela fez menção de protestar contra, mas ele tratou de tomar o lugar da fala dela. – Sei que estou cancelando muito os compromissos de ultimamente, mas sei o que estou fazendo. – sabia que precisava se ocupar, tinha trabalho em dobro para executar, mas talvez...


 


Deixou o copo e se aproximou dela. Tina Muller era uma mulher casada, ele sabia. Tinha um filho pequeno, ele também sabia. Era uma mulher presa a um homem que ele não conhecia e não se importava em conhecer. Eram uma família irrelevante. Mas se realmente sabia algo sobre a mulher a sua frente era que ela o desejava. Ela conseguia se vestir de modo que os detalhes estragavam um pouco do comportado ao qual ela deveria se apresentar sempre. Também costumava prender os cabelos sempre que sabia que ficaria com ele em sua sala revisando papéis por muito tempo para que assim ele pudesse ter a visão livre de seu pescoço até o decote simples, mas significativo.


 


-       Senhor? – ela soltou incerta, mas sem recuar e pareceu fazer a saliva descer rasgando sua garganta.


 


Draco parou exatamente de frente a ela. Seus olhos azuis pareciam ainda mais azuis de perto. Ela era realmente bonita. Deu mais um passo duvidando que ela recuasse. Ela não recuou. Foi corajosa e manteve seus olhos exatamente fixados nos dele. Draco ajustou-se de modo a ficar extremamente perto. Ele precisava fazer aquilo. Tinha que fazer aquilo. Ela não recuou, não piscou nem tentou desviar o olhar parecendo incomodada. Ele sabia que ela havia desejado aquilo por muito tempo. Apenas ergueu uma mãos e fez a ponta de seus dedos tocarem a base da garganta dela. Desviou seu olhar para encarar sua mão percorrer a pele dela e envolveu seu pescoço. Ela tinha a pele macia. Tornou a encará-la e ela agora tinha as maças do rosto bem rosadas, sua boca estava entreaberta como se precisasse de mais oxigênio e as pálpebras de seus olhos mexiam-se como se lutassem para não se fecharem.


 


-       Você me quer, não é mesmo? – usou sua voz profusa e quase pode sentir o corpo inteiro dela estremecer.


 


-       Quem não o quer? – ela usou uma voz quase falha e inaudível.


 


Desviou seu olhar para a boca dela. Parecia macia como sua pele e ele queria ter vontade de senti-la, mas não tinha. Os olhos dela não tinham o brilho do verão que os de Hermione tinham. A boca dela não era tão rosada quanto a de Hermione. Nem mesmo seu cheiro era tão bom quanto o de Hermione. E o mais importante de tudo, ela não causava nele o efeito que Hermione causava. Ela não o fazia sentir aquele calor em seu peito, um calor acolhedor e confortável. Certas vezes quando tocava Hermione, ele tinha a impressão de que conseguia sentir seu coração vivo e pulsando com intensidade.


 


Ali, encarando Tina, ele esperava pela ansiedade dominar cada pedaço de seu corpo, esperava pelas sensações que iriam o fazer querer tocá-la, penetrá-la e escutar os sons que fazia quando sentia prazer, mas nada daquilo chegava como antes. Sua cabeça não se libertava da incessante análise que seus olhos faziam. Não eram os olhos de Hermione, não era a boca de Hermione, não era os cabelos dela, o cheiro dela, a pele dela. Não era Hermione. Isso o irritava. Ela não podia ter tomando conta dele dessa forma. Ele costumava adorar mulheres, todos os tipos delas e não conseguia nem mesmo se lembrar da última vez que havia tido uma que não fosse Hermione. Não conseguia nem mesmo entender como ou quando Hermione se tornara a única mulher com quem se ocupava.


 


Passou seu polegar pelo lábio inferior de Tina. Ela fechou os olhos sem perceber e puxou o ar. Aquilo costumava ser muito apelativo para ele, costumava provocá-lo, mas nada aconteceu. Tudo que ela continuava sendo era apenas uma mulher que não o interessava a sua frente e completamente domada por ele. Sentia que do ponto em que ela estava já tinha o poder para fazer o que quisesse com ela.


 


-       O que quer que eu faça com você? – perguntou embora não tivesse o mínimo interesse de fazer nada.


 


-       O que quiser. – ela respondeu num tom quase inaudível novamente e abriu os olhos para encará-lo cheia de expectativas e com um desejo queimando em sua íris.


 


Draco poderia sorrir se não estivesse com raiva. Não achava possível que tivesse perdido o interesse por mulheres. Continuou sério a encarando e talvez isso tenha feito Tina finalmente perceber que embora a proximidade e o toque dele desse sinais de que a queria, não havia desejo ou interesse em seu olhar, o que a fez automaticamente recuar. Suas bochechas coraram violentamente e ela engoliu novamente a saliva como se estivesse fazendo descer pela garganta uma afiada navalha.


 


-       Q-qual o propósito disso, senhor? – ela perguntou pigarreando para ter sua voz de volta e tentando refazer sua postura profissional.


 


-       Ter certeza de algo eu já sabia. – respondeu e passou por ela. – Cancele meus compromissos. – e saiu de sua sala a deixando se questionar o que diabos ele havia feito.


 


Draco podia dizer que sua paciência não estava cooperando com seu estado de irritação naquele momento. Sua tentativa com Tina fora o pior colírio que poderia ter jogado nos olhos depois de se ver romanticamente envolvido com a única mulher que um dia havia desejado a matar e um jornal. Era como se finalmente estivesse encarando com os olhos completamente abertos e limpos quem ele costumava ser e quem ele era agora. Como tudo isso havia acontecido sem que ele tivesse dado importância? Claramente havia notado, de uma forma desleixada, mas havia notado. Por que não havia dado importância? Essa era a pergunta e só existia uma pessoa que poderia lhe dar uma resposta.


 


Não demorou a encontra-la quando sabia bem onde todo o entretenimento ao público acontecia na Catedral. Pansy parecia estar a meio caminho de uma das saídas para um pátio externo onde poderia barganhar por alguma atenção na mídia e se encontrava na companhia dos filhos do terrível casal Monet: Amélie e seu irmão Lavern. Duas criaturas tão igualmente terríveis.


 


Aproximou não conseguindo evitar os contatos e comprimentos alheios. Pansy logo e viu e parou no mesmo instante com os olhos travados sobre ele. Amélia foi a segunda a vê-lo e puxou um sorriso de lado com a mesma rapidez que seu irmão ajeitou a postura para mostrar seu refinado terno de milhões.


 


-       Temos que conversar. – foi direto ao ponto assim que chegou até ela.


 


Lavern não deu nem meio segundo e tratou de se manifestar antes que Pansy tivesse tempo:


 


-       Lembro-me bem que havia prometido me deixar desenhar seu traje para a Cerimônia de Inverno do ano passado. – ele usou de sua afeminada voz para deixar aquilo sair num arrastado sotaque francês.


 


-       Não faço promessas a ninguém. – foi tudo que Draco se limitou a responder.


 


-       Como vai o casamento, Draco? – Amélie foi quem não deixou que Pansy se manifestasse dessa vez também usando de seu mais sexy sotaque francês. Sua paciência estava se esgotando. Será que não haviam notado que a conversa não era com eles? Draco sabia bem que a pergunta dela era uma tremenda de uma indireta. Eles Haviam dividido algumas salas escuras no passado com e podia dizer que, embora ela não fosse o seu tipo de primeira escolha, a mulher tinha um tremendo poder de persuasão com o corpo. – Sua adorável esposa foi ao nosso ateliê faz algumas semanas com aquela amiga Astoria. Ela é uma mulher bastante interessante e educada, posso dizer. Sem dúvida bonita e bastante inocente embora saiba se impor, por assim dizer. – Amélie continuou a usar seu sotaque passando para um tom mais provocante.


 


Pansy a encarava fazendo sua expressão se transformar cada vez mais em desgosto ao notar o jogo de Amélie para cima dele.


 


-       Ele veio falar comigo. – Pansy a lembrou de forma nada amigável.


 


-       Meu casamento está perfeitamente bem, Amélie. Fico grato que tenho perguntado. – ele acabou sendo seco embora devesse ter soado educado. A menção a Hermione havia o afetado, principalmente quando Amélie zombou de seu espírito puro, e pensar nisso foi o suficiente para fazê-lo voltar-se rapidamente para Pansy. – Temos que conversar agora.


 


-       Estou numa reunião de negócios agora. – Pansy desdenhou voltando-se para Draco. – Parece estar com raiva. Não me lembro de ter te atrapalhado em nada.


 


-       Eu disse agora, Pansy. – foi toda a saliva que se permitiu gastar ali e passou por eles. Contou cinco segundos e Pansy já estava ao seu lado acompanhando seus passos.


 


-       Sua sala? – ela indagou.


 


-       Não. Seu quarto. – ele não hesitou e se privou de ter que ver o sorriso dela abrir ao escutar aquilo. Não queria se deparar com Tina novamente tão cedo e precisava de um lugar onde ninguém poderia colocar os olhos sobre eles.


 


Obviamente que a torre do quarto de Pansy não era muito distante do único lugar em que a vida da Catedral fervia. Não passou poucos minutos e ele já estava pisando no carpete púrpura do quarto dela. Tratou de se ocupar em trancar a porta dela e lançar um silenciador e no minuto que virou-se ela já estava fazendo o vestido que usava deslizar pelo seu corpo. Pansy não era o tipo de mulher que se podava a usar roupas íntimas nunca. Ela estava sempre pronta. Sempre.


 


-       O que está fazendo? – ele uniu as sobrancelhas.


 


Ela sorriu.


 


-       Nós não costumávamos perder tempo.


 


-       Eu disse que precisávamos conversar não que eu precisava do seu tempo.


 


Ela revirou os olhos.


 


-       Acha mesmo que eu iria perder tempo? – ela se aproximou depois de dar tempo o suficiente para que ele apreciasse seu corpo nu de onde estava. – Você tem me evitado por tempo demais para que eu perca qualquer chance. Além do mais, nós não conversamos. Conversar para nós é apenas uma consequência, Draco, ou se esqueceu de quem éramos? – ela ergue o braço para passar pelo seu pescoço, mas Draco segurou seu punho antes que ela pudesse concretizar seu ato com sucesso.


 


-       Leu o Diário do Imperador hoje?


 


Ela mudou seu olhar para um entediado.


 


-       Sim. – respondeu. – E não tenho o menor interesse de discutir noticiário.


 


-       Sabe bem o porque estou perguntando isso.


 


Ela revirou os olhos e aproximou-se colando seu corpo nu no dele. Seria hipócrita se dissesse que aquilo não o havia afetado. Não o afetara como antes, era obrigado a concordar, mas também não havia deixado de ser homem e como homem ainda era um alívio saber que de alguma forma podia reagir a insinuação de Pansy. Hermione não havia tomado conta daquilo. Pelo menos não daquilo.


 


-       Eu sei o que vi e não me importo. – ela usou a outra mão para começar a abrir os botões de sua camisa.


 


-       Eu sei que você se importa sim. – a soltou.


 


Ela sorriu e ficou na ponta dos pés para deixar que ele sentisse o hálito dela.


 


-       Certo, a verdade é que eu me importo sim. Fique satisfeito. Mas você está aqui agora e posso ter uma boa ideia do porque. – Ela o tocou entre as pernas ousadamente e ele decidiu que talvez não fosse uma má ideia o que quer que estivesse se passando pela cabeça dela. - Eu sei do que precisa. – ela sussurrou. – Precisa de uma mulher de verdade. Precisa do sexo que só eu e você sabemos fazer.


 


E talvez ela tivesse razão. Embora sua intenção de ir até ela fosse escutar sobre o que havia pensado da reportagem, no fundo sabia que era daquilo que realmente precisava. Precisava tocá-la, precisava tocar outra mulher e Pansy sabia fazer com que ele quisesse, mesmo que não fosse exatamente como antes, sabia que consideraria um crime negá-la quando ela estava ali, sem roupa nenhuma, o tocando e usando aquela voz.


 


Não foi mais do que alguns segundos de hesitação para fazer suas mãos e seu corpo trabalhar junto com ela. Embora sentir Pansy contra ele fosse familiar e não fosse nenhuma novidade, se havia alguém com quem ele deveria dar aquele passo era ela. Não que estivesse inseguro, mas se ver bem longe da tentação de tocar outra mulher que não fosse Hermione era o suficiente para deixa-lo mais do que em estado de alerta.


 


O sabor dela, ele conhecia. Os sons dela, ele conhecia. O corpo dela, conhecia muito. Assim como Hermione, Pansy era um campo inteiramente bem explorado, mas diferente de Hermione, faltava algo. Enquanto suas mãos tocavam cada parte exposta da pele quente de Pansy, enquanto seus hálitos e salivas se misturavam, enquanto a domava como sempre havia domado e batiam contra as coisas que haviam no caminho para cama, ele não se privou de se sentir acuado e uma parte de seu cérebro o alertava constantemente para esse fato. Não era nenhum desafio sentir desejo por uma mulher como Pansy e sim, ele precisava tocá-la, precisava sentir quem realmente era. Era um canalha, sempre havia sido, ser aquilo sempre havia lhe trazido algum tipo de conforto, havia o construído como homem, precisava encontrar em qual momento e porque havia imperceptivelmente deixado de ser um.


 


Quando ele a lançou na cama ela já estava completamente molhada para recebê-lo, gemia loucamente pedindo por ele e ele ainda nem havia tido o prazer de deslizar para dentro dela. Gostava de brincar com o corpo das mulheres e era exatamente isso que faria com Pansy. Aquilo o ajudou a ficar latejando para entrar nela. Ela se contorceu, puxou os lençóis, praguejou e soltou todo o tipo de palavra pesada. Ele se lembrava de gostar daquele lado dela na maioria das vezes, se lembrava de ficar excitado ao experimentar o desespero bem expressado de Pansy, mas aquilo o incomodou. Quando deslizou para dentro dela, o desejo lhe ardia pelo corpo inteiro e acabou por tapar a boca dela para que pudesse apreciar completamente a sensação daquele maravilhoso prazer físico. O ato obviamente fez Pansy ir a loucura, o que começou a deixa-lo irritado.


 


Ele foi bruto. Ela gostou. Ela gostaria de qualquer coisa de qualquer forma. O ápice de seu exagero verbal chegou quando ela começou a beirar seu orgasmo. Por algum motivo ele queria acabar logo com aquilo e isso também o ajudava a ficar mais irritado. Estava fazendo sexo e por mais que o desejo o consumisse naquele momento, ainda não era o suficiente para deixá-lo completamente alheio ao simples pensamento de que não estava apreciando aquele ato como costumava e como deveria. Aquela pequena parte de seu cérebro continuava o alertando que deveria se acuar.


 


Ela veio com um grito de que estava tento o melhor sexo de sua vida. Ele viu espaço para finalmente poder acabar com aquilo. Não demorou a terminar seu serviço sentindo-se aliviado por descarregar toda a energia que havia levantado naqueles minutos e ainda mais aliviado por ter chegado ao fim. Encarou Pansy abrir um sorriso tão satisfeito que parecia estar caminhando por algum tipo de paraíso naquele momento. Foi naquele exato momento que algo lhe pesou. Pesou em seus ombros, em sua cabeça e em seu corpo topo. Ele havia a usado para sexo. Havia a usado para sexo como usara toda e qualquer mulher antes de Hermione e nada havia ficado mais claro do que aquilo naquele momento. Era diferente com Hermione porque com ela não era só sexo. Ele não a usava para o prazer físico apenas já fazia um bom tempo, ele a usava para ter também todos os outros prazeres adicionais que vinham com isso, a sensação de satisfação, de liberdade, de leveza, de conforto e familiaridade de se sentir vazio e completo ao mesmo tempo, de calor e bem estar. Não era apenas sexo, era bem mais do que isso, o que estendia todas aquelas sensações para não só quando estavam na cama, mas para quando conversavam, o que quer que fosse, para quando permaneciam no mesmo ambiente mesmo que fosse em silêncio, para quando agiam juntos como cúmplices, para quando dormiam lado a lado, para quando até mesmo discutiam bravamente suas opiniões distintas ou colocavam as expostas na mesa suas rivalidades.


 


Draco saiu de dentro de Pansy e jogou-se de costas na cama encarando o teto de madeira escura. Nunca em sua vida havia tido a sensação de traição. Nem mesmo quando trocou para o lado de sua mãe, no relacionamento entre seu pai e ela, sentiu-se mal ou chegou a se desculpar com ela pelas mentiras que sentira prazer em conta-la quando criança e adolescente. Mas enquanto estava ali bem consciente da companhia de Pansy e do que haviam feito, sentia-se um traidor. Um traidor por ter agido contra o que tinha com Hermione, sendo o que tinha com ela o que quer que fosse. Ele se sentia um completo violador do laço que havia criado com ela.


 


-       Eu duvido que sua adorável mulher faça isso tão bem quanto eu. - Pansy gemeu um riso de satisfação ao seu lado. – Ela parece ser muito rígida para te satisfazer na cam...


 


-       Cale-se Pansy. -  foi tudo que ele se limitou a dizer ao interrompê-la severamente.


 


Hermione podia não ser como Pansy na arte da sedução. Pansy não media esforços e tinha muita consciência do que fazia e como fazia para chamar atenção ou acender qualquer olhar que estivesse sobre ela. Hermione era sutil e nas mínimas coisas ela superava qualquer decote ou rebolado de Pansy. Pansy não tinha ideia do que era ver Hermione coberta apenas com uma camisa sua aberta segurando em uma mão um pedaço de pergaminho e na outra uma taça de vinho andando descalça e distraidamente sob a luz de uma lareira. Pansy nunca havia tido a chance de ver a postura dela quando lia em voz altas andando de um lado para o outro, completamente distraída de sua própria sensualidade. Pansy não tinha a menor noção de como um único sorriso de Hermione era capaz de fazê-lo deseja-la mais do que já havia desejado qualquer outras mulher. Hermione era totalmente alheia ao fato de que tinha o poder de seduzir qualquer homem sem a menor intenção. Draco não entendia, mas havia algo no modo como Hermione se livrava dos sapatos, colocava o cabelo para cima e alongava o pescoço de um lado e do outro massageando um dos ombros assim que chegava em casa que ele simplesmente não conseguia resistir. Pansy jamais entenderia aquilo.


 


-       Você parece irritado. Sei que não está satisfeito com o que viu no jornal. - Ela rolou ficando de bruços e balançou os pés no ar ainda com seu sorriso no rosto.


 


Draco virou o rosto para encará-la.


 


-       E está zombando disso com esse sorriso patético no rosto. – ele sabia que Hermione jamais zombaria de qualquer coisa que ele estivesse sentindo, por mais ridículo que fosse, e estar acostumado a isso o fez abominar Pansy naquele momento, principalmente quando ela riu com vontade do que escutou. Talvez ter convivido com ela por tanto tempo o ajudara a se esconder ainda mais atrás de sua máscara fria e sua grossa camada de insensibilidade, como se não se importasse com nada além de seus próprios ganhos e todo o resto não passasse de uma grande roda de palhaços.


 


-       Estou zombando do que eu normalmente zombaria, Draco. Você parece sensível com o fato de estarem comentando sobre um envolvimento romântico relacionado ao seu nome. Claro que sabia que estavam tirando fotos suas com ela como sempre sabe quando a imprensa invade sua propriedade. Obviamente é patético, você queria que uma reportagem como essa viesse a tona para que pudessem ir contra aqueles que negam a “história” de vocês dois. – ela riu. - Eu realmente esperei que viesse até mim para se desintoxicar um pouco da sua árdua tarefa de cooperar com o mestre em sua péssima farsa com aquela mulher.


 


Ele a observou intrigado por alguns segundos e não deixou de observar que em qualquer outro momento do passado ele teria soltado uma risada daquilo que havia escutado da boca dela mesmo que agora para ele isso o irritasse. Ela estava falando de Hermione da mesma maneira que sempre falava, com desprezo, e ele se lembrava de não se importar com aquilo, nem minimamente sequer. Agora apenas queria apertar a garganta dela até que sua boca ficasse roxa. Além do mais, era isso que ela pensava sobre o que havia estampado no jornal? Que ele sabia que estavam tirando fotos dele e de Hermione? Que era essa sua intenção?


 


-       Eu não sabia. – ele disse.


 


-       Não sabia sobre o que? – ela pareceu confusa, mas ainda com aquele sorriso nos lábios.


 


-       Sobre estarem tirando fotos minha e de Hermione quando estávamos em casa.


 


Ela levou alguns segundos para processar aquilo, mas no momento em que cada palavra dele fez sentido para ela o sorriso que havia em seus lábios murchou.


 


-       O que quer dizer?


 


-       Exatamente o que escutou. Eu não sabia que haviam invadido minha propriedade e não sabia sobre estarem tirando fotos minha com dela.


 


-       Mas você sempre...


 


-       Eu não sabia, Pansy! Lide com isso!


 


Ela ficou estática por mais alguns segundos como se estivesse tentando acreditar. Como que num clique, ela deu as costas, se levantou, passou o robe de seda pelos braços e o amarrou na cintura enquanto procurava em suas gavetas pelo que logo apareceu. Era o Diário do Imperador daquele dia. Ela o abriu sobre a cama exatamente na página em que haviam as imagens com ele e Hermione e as observou atentamente. Draco sentou-se.


 


-       Você não agiria assim com ela. – ela disse quase que tentando convencer a si mesma. – Você a odeia, não a odeia? - Draco abriria a boca para dizer com prazer e muita vontade que “sim”, mas não tinha tanta certeza dessa declaração. Seu silêncio fez com que Pansy movesse seus olhos para ele. – A odeia, não é? – insistiu ela. – Por que está a tratando dessa forma? – tornou a olhar confusa as imagens. – Está a tratando como se... – ela pareceu repudiada com o pensamento que se passou em sua cabeça. O encarou novamente. – Gosta dela?


 


-       Não. – ele apressou-se a dizer e se arrependeu no mesmo segundo. Não é que não gostasse dela, mas também não era como se ainda a odiasse. O que diabos sentia por ela?


 


-       Então por que está a tratando... assim?– ela encarou as imagens com desgosto.


 


-       Eu não... – ele soltou o ar frustrado por ter que dizer aquilo. - ...sei. Eu não sei.


 


Pansy ficou inconformada de ouvir aquilo.


 


-       Você gosta dela... – soltou baixo para si mesma dando as costas e passando as mãos pelos cabelos curtos agora. Puxou o ar uma ou duas vezes até virar-se para ele furiosa. - ELA É UMA MALDITA SANGUE-RUIM! ACASO SE LEMBRA DISSO?


 


Ela ter gritado o fez se sentir mais raiva. Detestava o descontrole de Pansy, principalmente quando era completamente desnecessário, fora de hora e ridículo.


 


-       Ninguém aqui está gritando Pansy! – foi ríspido.


 


-       Você não trata mulheres assim, Draco! Nunca tratou! – jogou o jornal em cima dele.


 


-       Nós estávamos conversando! – ele empurrou o jornal e se levantou.


 


-       Não na última foto! – ela não parecia nem tentar diminuir seu estado alterado. – Vocês estão claramente se beijando!


 


-       Hermione e eu... – tentou pensar em qualquer coisa que justificasse enquanto colocava sua calça. - ...fazemos sexo com bastante frequência e você sabe disso.


 


-       Há quantos anos nos conhecemos, Draco?! – ela estava indignada. – Há quantos anos eu e você fazemos sexo? – ela puxou o ar e no mesmo segundo, repentinamente e inesperadamente, seus olhos inundaram. Draco não soube como reagir no momento em que ela não conteve aquela fraqueza. Pansy não era assim. Ele parou. – Há quantos anos eu te faço companhia na cama, Draco? – a voz dela tremeu. – Há quantos anos nós usamos um ao outro para se satisfazer? – ela parecia lutar contra as lágrimas. – Você nunca me beijou assim. – Draco encarou a imagem no jornal onde sua sombra se juntava com a de Hermione calmamente. Ele tendo tempo para apreciar a sensação de passar os braços em torno da cintura dela. Os flashes daquela lembrança o atingiram novamente e ele pode apreciar mais uma vez o sorriso lindo que ela tinha nos lábios, o brilho de seus olhos, o rosado das maças de seu rosto. O perfume que ele se dera tempo de inalar antes de fechar seus lábios calmamente sobre os dela muito consciente de que tinha um sorriso no rosto. Hermione o fazia bem. Ele sabia disso. – Esse beijo não tem nada a ver com sexo, Draco. Você não beija mulheres assim.


 


Ele sabia que não beijava mulheres daquela forma. Qualquer tipo de beijo que dava em uma mulher era para incitar desejo. Sentou-se na cama calmamente e puxou o jornal para poder observar mais uma vez aquela imagem. Aquele não havia sido o único beijo que dera em Hermione em que não tivera a finalidade de incitar nenhum desejo. Se lembrava bem agora de todas as vezes que caiam exaustos um sobre o outro na cama, sorriam rapidamente satisfeitos pelo desejo consumido e ele se deixava vencer pela tentação de se inclinar e colar seus lábios nos dela uma última vez antes de se moverem cada um para o seu lado. Se lembrava bem de quando estavam entrelaçados debaixo do chuveiro e ele encarava fundo seus olhos antes de beijá-la uma última vez para então seguir seu dia. Conseguia se lembrar de como se sentia grato ultimamente pelas vezes em que era necessário colar seus lábios nos dela em público para que pudessem disfarçar seu relacionamento para o resto do mundo.


 


-       Gosto de beijá-la. Me sinto tentando a fazer isso com frequência. Me sinto tentado a tocá-la, a ouvi-la e a tê-la por perto. Ela me faz bem. – ele soltou aquilo baixo  quando sabia que deveria guardar para si. Hermione gostava quando ele jogava para fora e ele estava começando a perceber o quanto isso ajudava em sua saúde mental. Ela sempre o escutava com atenção e nem todas as vezes opinava ou o julgava, mas estava sempre disposta a escutá-lo, dos seus pensamentos mais idiotas aos que mais o consumia.


 


Ela forçou um riso para mostrar sua incredulidade ao escutar aquilo.


 


-       Ela te enfeitiçou! Te envenenou!


 


-       Hermione não é a pessoa que você pensa que ela é, Pansy.


 


-       Ela é uma Sangue-Ruim! Uma rebelde! Ela não pertence ao nosso mundo!


 


-       E talvez seja por isso que ela é tão diferente!


 


-       Diferente? – ela exclamou como se quisesse lhe passar um sermão. Como se quisesse lhe abrir os olhos. – O que há de especial nela?


 


-       Ela é autêntica, Pansy! – ele soltou o jornal e ergueu os olhos para ela novamente. – Hermione é verdadeira! Ela não finge ser alguém que não é. A imagem que ela vende para os jornais é puramente ela. As coisas que ela pensa, as coisas que ela acredita, aquilo que ela defende. Não há mascaras, ela evita as máscaras! Eu não sou o centro dos interesses dela, ela não me trata bem quando não quer e se precisar soltar qualquer verdade na minha cara ela não irá pensar duas vezes. Eu aprendi a respeitá-la! Não porque ela exigiu respeito, mas porque ela demonstrou que o merecia! – soltou o ar. - Não é a beleza dela, não é o modo como se veste ou como se comporta na frente das câmeras, é quem ela é! A pessoa que ela é!


 


Pansy o encarou incrédula e em silêncio por alguns segundos.


 


-       Quem é você? – ela soltou quase sem voz. – No que tem se transformado? O Draco que eu conheço nunca deu valor a isso! Será que você ao menos poderia escutar as coisas que está dizendo?


 


-       Não tem o direito de falar isso, Pansy! O Draco que conhece é aquele que te procurou todos esses anos apenas para sexo e distração. Você não sabe sobre aquilo que dou ou não valor!


 


-       Não elabore esse discurso para mim! Você nunca se importou realmente com o que uma mulher tinha além de físico!


 


-       Porque nenhuma mulher nunca me provou que eu deveria me importar com algo a mais! Minha mãe até tentou me mostrar que eu deveria, Pansy! Sabe disso! Astoria é um grande exemplo de que eu tentei dar valor ao que parecia ter valor. A verdade é que nenhuma mulher até Hermione provou que tinha algo e realmente merecia atenção, algo que me interessasse, que me prendesse o pensamento, que me intrigasse, que me gerasse curiosidade. – ele soltou o ar e desviou os olhos. - Hermione... – ela era diferente.  – Ela é... diferente. – Não havia outra palavra. Ao mesmo tempo que ela as vezes parecia um grande livro aberto ela podia ser misteriosa ao ponto dele querer abrir mão de sua herança para saber um único pensamento seu. – Sabia que ela sabe cozinhar? – encarou Pansy novamente e a viu fazer uma enorme careta de nojo.


 


-       Como um elfo doméstico?


 


-       Não, não. Ela gosta e aprecia cozinhar. Ela é boa, na verdade. Muito boa. E não usa magia. – ele poderia sorrir ao se lembrar de como ela parecia se sentia bem quando se dava a chance de cozinhar um bom prato. – Sabia que ela gosta de ler de madrugada quando acorda sem sono? Que ela prefere caminhar descalça sempre que tem a chance? Que ela adora olhar o fogo queimar em uma lareira por horas? Que ela é fascinada pelo sol? Que ela sabe praticar magia sem varinha? Sabia que ela, mesmo depois de todo o tempo que passou aqui, ainda procura insistir no discurso que todo o mundo tem boas intenções até que se prove o contrário?


 


-       Ingênua.


 


-       Na verdade nem tanto. Não é tão fácil derrubar Hermione. Ela pode dar o benefício da dúvida a muita gente que não deveria, mas se realmente observar, esse estranho método faz com que ela ganhe respeito com muita facilidade, até mesmo de daqueles que você sabe que são os piores. – ele apenas deitou novamente e puxou as almofadas da cama para apoiarem sua cabeça. – As vezes até mesmo o som leve da respiração dela durante o sono parece gerar curiosidade e cansei de me pegar a observando por longos minutos me perguntando o que ela deveria estar pensando. – ele se permitiu esquecer que Pansy estava ali. - As vezes me sinto tentado a saber quais são todos os medos dela, todas as ansiedades, todas as expectativas. As vezes queria ter o poder de barganhar pelos pensamentos dela. As vezes sinto que tenho a necessidade de viver o mundo dela, enxergar através dos olhos dela e sentir as coisas que ela sente para saber se existe algum tipo de esperança fora desse círculo de pedras onde vivi a vida inteira.


 


Ele achou que iriam imergir em algum tipo de silêncio como costumava ser com Hermione, mas não demorou muito para que a voz de Pansy soasse o fazendo lembrar de que ela não era Hermione e de que ela não seria nem um pouco compreensiva.


 


-       Você não tem ideia do quanto está soando patético.


 


Hermione nunca teria dito aquilo de algum pensamento que ele tivesse colocado para fora.


 


-       Esse sou eu, Pansy. Você quem nunca teve o interesse de saber o que eu era além do sexo e da minha opinião geral sobre o resto do mundo.


 


-       Porque eu sei que não gosta de mostrar muito de você a ninguém!


 


-       Não! É porque você nunca teve o interesse de realmente saber o que eu sou. O que eu mostro ser é o suficiente para você e tudo com o que realmente se importa é você. Quer que eu a ame, que eu te coloque no centro do meu mundo assim como você me coloca no centro do seu. Quer que eu a queira, que você esteja acima de todas as outras para mim. Tudo com o que se importa, Pansy, é unicamente você. O seu mundo. A sua imagem. O seu poder e a sua influência.


 


Ela ficou em silêncio. Ele também se calou. Mas ambos continuaram se encarando. Poucas vezes na vida ele havia visto Pansy ressentida. Ela nunca derrubava sua máscara. Sempre estava orgulhosamente com o nariz levantado como se nada pudesse atingi-la, como se fosse de ferro e como se todo o resto do mundo fosse inferior e devesse se render a ela no exato momento em que aparecesse em cena. Draco não gostava desse lado dela e sempre que ela deixava mostrar seu frágil recheio ele ficava muitas vezes em dúvida sobre como lidar com aquilo.


 


Ela cruzou os braços trocando o peso de perna e tentou manter sua expressão ríspida embora já não conseguisse manter longe o brilho exagerado nos olhos e o nó apertado que engolia a cada quinze segundo.


 


-       Diz isso como se me desprezasse. Como se eu não tivesse nem um pingo de valor. – Dizer aquilo parecei machuca-la ainda mais, o que a fez precisar de um segundo para puxar fundo o ar e tentar com mais vontade se manter de pé sobre seu orgulho. – Sempre soube o que eu sou, Draco. Posso ser egoísta, mas você também é.


 


-       Eu nunca disse nem demonstrei ter orgulho de ser egoísta.


 


-       Não faz diferença. – ela soltou. Draco não gostou, mas não se pronunciou. Talvez para Hermione fizesse. – Não faz diferença porque nós somos iguais e eu estive com você desde o começo. Sempre estive do seu lado, crescemos juntos, nos divertimos, seguimos nossas vidas, mas sempre terminávamos em algum momento aqui. Eu, você e a cama. Não vou aceitar que depois de tudo que nós passamos você resolva se apaixonar por alguém que não o merece. Alguém que sempre odiou e desprezou.


 


-       Primeiro, eu não resolvi nada, Pansy. Tenho minhas dúvidas quanto a gostar ou não de Hermione e você quer rotular isso como paixão? Segundo, o que eu e você passamos de tão extraordinário todos esses anos? Nós convivemos bem todo esse tempo porque tínhamos sexo. O que eu e você passamos quando tudo o que realmente fazíamos de relevante era somente e apenas sexo? Passei, em um ano com Hermione, mais do que eu e você passamos desde que nos conhecemos!


 


-       Diz isso apenas porque perderam um filho. – ela fez uma expressão de descaso ao dizer aquilo e no mesmo segundo Draco soube que ela havia cometido o pior erro de sua vida.


 


Ele se levantou sentindo o sangue fervendo em suas veias.


 


-       Não abra a boca para falar sobre isso, Pansy. – Vociferou com o rosto a centímetros do dela. – Não ouse abrir a boca sequer para mencionar ou eu mesmo terei o prazer de cortar sua garganta.


 


Ela forçou um riso fraco e de desgosto.


 


-       Por que veio aqui, Draco? Por que veio atrás de mim se de repente me tornei tão desprezível e incapaz de compreender seu estado sensível e patético?


 


Ele deveria ter aquela resposta na ponta da língua. Na verdade a tinha sim, mas não sabia se poderia externá-la. Estava ali porque alguma parte de si não permitia que Hermione fosse a única. Ela não podia ser a única. Não ela.


 


Deu as costas soltando o ar sentindo a raiva ainda incrustrada em suas veias. Pegou seu cinto e começou a passá-lo pelo cós de sua calça. Precisava ir embora dali.


 


-       Vir até aqui não foi uma boa ideia. – foi tudo que concluiu. Atou o cinto e puxou sua camisa.


 


-       Draco! Acorda! Nós fizemos sexo! Quando sexo se tornou uma má ideia para você?


 


-       Eu não sei, Pansy! – ele exclamou voltando-se para ela já se sentindo bem farto de tanta troca de palavras e da insistência dela. – Procurei você pelo mesmo motivo que sempre a procurei. Sexo. Você o teve e assim será sempre que eu quiser.


 


-       Isso soa bem mais com o Draco que eu conheço!


 


-       Que bom. Era isso que te incomodava, não era? – disse enquanto ocupava-se com os botões de sua camisa.


 


-       Não. Me incomoda saber que existe uma mulher te domando, te moldando, te envenenando e você nem mesmo consegue perceber isso. Permitiu que ela conseguisse te deixar nesse estado sem nem mesmo notar! Me surpreende que você, de todas as mulheres que tem, foi cair nos encantos de uma que não o merece, que não chega nem aos seus pés, que nem mesmo o sangue que tem é puro. – Ela disse enquanto o observava se alinhar em suas roupas novamente. Draco tinha que confessar que era extremamente incomodo ouvir todas aquelas coisas de Hermione, mas apenas o fato de se incomodar com isso quando antes costumava rir e concordar o fazia dar ouvidos a ela. – Não sei como conseguiu enxergá-la como um tipo de anjo, Draco. Ela é venenosa e altamente de baixo nível. Ela me ameaçou na Cerimônia de Inverno.


 


Ele poderia ter facilmente soltado uma risada daquilo se não estivesse tentando manter sob controle seu estado de desgosto.


 


-       Hermione não faria isso. – disse quase que imediatamente.


 


Pansy riu.


 


-       Viu?! Ela te dominou, Draco! Está duvidando de uma acusação minha apenas porque é contra ela!


 


Ele parou e encarou Pansy já totalmente pronto e impecável novamente.


 


-       Estou duvidando porque sei que ela não faria, Pansy, não porque é uma acusação contra ela.


 


-       Como pode ter tanta certeza?


 


-       Por que ela não é uma de nós. Ela não é do tipo que faz ameaças de graça.


 


-       Mas ela se acha uma Malfoy agora.


 


-       Ela é uma Malfoy, Pansy.


 


Aquilo a calou. Draco sabia o quanto aquilo a machucava. Pansy teria dado a vida para ser uma Malfoy. A conclusão que ele via nos olhar feridos dela era apenas a pura e dolorosa verdade do mundo dela. Hermione agora era parte de sua família e parte de seu futuro independente do que acontecer. Ela não. Ela era apenas uma mulher do lado de fora daquele círculo.


 


-       Ela é sua família agora e vai defendê-la. Entendi. Ela deixou de ser Hermione Granger há muito tempo para você. – Pansy usou uma voz baixa. – Eu pensei que fosse ao menos ser sua amante como sempre fui todos esses anos, mas depois de todo esse tempo em que você foi só um nome e uma imagem que me olhava como se nunca tivesse me levado para cama antes, perdi as esperanças de que pudesse tê-lo como sempre o tive. Ela o roubou de tudo, inclusive de mim.


 


-       Por que dá tanto poder a ela? – ele se aproximou. – Por que a acusa como se ela tivesse o poder de me controlar, me dominar, me usar de fantoche? Entenda algo, Pansy, Hermione não tem poder sobre mim. Ela pode tentar o quanto quiser, mas eu quem tenho domínio sobre mim. Ela não me roubou de absolutamente nada e ela não me roubaria porque eu sei que ela não quer. Se eu não te procurei todo esse tempo é porque não quis. – soltou um riso de desgosto. – Depois de todos esses anos e tudo que conhece sobre mim não dá nem para encher metade de uma xícara de chá. – maneou a cabeça decepcionado. – Eu vou ter você quando eu quiser. Vou ter ela quando eu quiser. Vou ter a mulher que eu quiser, quando eu bem quiser. Foi sempre assim, sempre será assim e não tente me convencer de que ela está me domando. Ela não tem esse poder.


 


-       Eu não estou tentando te convencer de nada, estou apenas te mostrando! Será que o Diário do Imperador de hoje não foi o suficiente para jogar na sua cara? – ela se aproximou mais. - Por que veio até aqui? Eu sei que me procurou porque não consegue suportar a ideia de que ela está tomando conta da sua cabeça. – Tocou seu braço. – Eu estive sempre do seu lado, Draco. E talvez realmente não o conheça porque você se tornou tão intocável e inalcançável depois do retorno do mestre, depois que sua família se desfez, depois de todo o seu treino intensivo quando entrou para as zonas do quartel... mas eu não o conheço verdadeiramente porque sei que não quer que ninguém nunca o conheça. Eu sei disso e é o suficiente para mim porque você sempre quis que fosse o suficiente e eu não iria ousar tocar em algo que você não quer que seja tocado! Não consigo compreender o porque parece decepcionado com isso, mas eu só quero que entenda que quando ela diz que não o quer, ela mente. É parte do jogo dela.


 


-       Ela não tem um jogo, Pansy! Ela não joga! Ela não conhecesse esse mundo.


 


-       Todo mundo sempre tem um jogo aqui, Draco. Você, de todas as pessoas nesse lugar, sabe que todo mundo tem um jogo. Sempre há um jogo.


 


-       Não ela. – ele sabia qual era o único jogo dela ali.


 


-       Tem certeza?


 


Não. Seu ser racional sabia que nunca se podia ter certeza de ninguém.


 


-       Pare, Pansy! Você já mostrou o suficiente e já me cansou o suficiente. – afastou a mão dela, saiu de sua vista e deixou seu quarto.


 


Pensou que quando saísse dali iria se sentir melhor, iria se sentir exatamente como costumava se sentir antes, como se tivesse conseguido barganhar um bom pedaço de entretenimento para o seu dia. Mas não se sentia e em sua cabeça um milhão de pensamentos fervilhava. Ainda estava a beira daquele enorme precipício que só agora ele havia conseguido enxergar. E de todas as pessoas, se surpreendia consigo mesmo por não considerar que Hermione não tivesse um jogo, porque se havia algo que ser um Malfoy o ensinara, era que todo mundo sempre tinha um.


 


**


 


Já era noite quando conseguiu passar novamente pela imprensa empilhadas no portão de sua propriedade. Era absolutamente irritante tê-los ali e ainda mais irritante que entraria em sua casa e saberia que estava entulhada de funcionários do St. Mungus. Era quase a mesma sensação de quando havia se casado. Chegar em casa sabendo que havia alguém ali com o direito de ficar embora ele desejasse que fosse embora.


 


Havia tentado ocupar seu dia nas salas de simulação assim que deixara o quarto de Pansy. Não foi bem como o esperado. Mesmo tendo cancelado todos os seus encontros e discussões do dia, ter ido se distrair com o trabalho de suas zonas o mostrou o quanto aquele dia havia se tornado um pesadelo.  Seus homens não estavam acreditando na causa que ele estava apresentado. Draco sabia que era loucura tomar um edifício no meio de uma zona inimiga e fazer dele um acampamento, mas ele precisava daquela opção e tentou vendê-la mais uma vez aos seus homens. Ele costumava ser bom com as palavras, mas sua cabeça estava em outro lugar e embora ele tentasse estabilizar seus pensamentos como sempre conseguira para poder fazer seu trabalho como deveria, não obteve tanto sucesso.


 


No momento em que pisou dentro de casa tinha uma certeza bem clara em sua cabeça: Hermione não tinha o poder controlá-lo. Depois de deixar seu cérebro processar o suficiente do que vinha vivendo, as palavras de Pansy, o que vira no jornal e como sua perspectiva sobre muitas coisas vinham se distorcendo, culpar Hermione fora a maneira mais objetiva de lidar com a situação, embora soubesse bem que não fosse a mais racional.


 


Livrou-se de seu casaco no vestíbulo e avançou passando pelo hall até a sala principal. As luzes estavam todas acessas como Hermione sempre ordenava que estivessem. Parou em seu caminho para a escada escutando o som de uma conversa enquanto abria os botões em seu pulso e dobrava as mangas de sua blusa. Virou-se para encontrar uma das salas privadas daquele andar com as portas abertas, o que o fez poder visualizar os dois medibruxos que cuidavam do caso de Hermione conversando com a própria. Ela estava de costas, usava seu longo robe de seda verde escuro que chegava a arrastar no chão, seus cabelos estavam soltos revelando a cascata de cachos, ela assentia em concordância com o que os medibruxos falavam e não havia mais nenhuma agulha ligada a ela.


 


-       Mestre Malfoy. – era Tryn a sua frente e a voz da elfa chamou atenção de Hermione. Ela virou-se para olhá-lo quase que imediatamente e o sorriso que abriu ao vê-lo foi apenas lindo. – Tryn precisa de ordens para saber se deve ou não preparar a mesa de jantar.


 


Ele ignorou a elfa não entendendo o sorriso de Hermione embora estivesse bastante fascinado por ele. Ela não estava fingindo porque os medibruxos estavam ali. Aquele sorriso era verdadeiro porque faziam as maças de seu rosto apertarem seus olhos dourados brilhantes. Não era só sua boca que ela linda, seu sorriso também era, seus dentes, seus olhos, cada parte dela era simplesmente magnífica. Ele achava tão injusto que ela fosse tão perfeita.


 


Hermione pediu licença educadamente aos medibruxos e avançou indo até ele. Draco tentou focar que não deveria ser dominado ou tentado por ela, mas não foi muito simples. Quando ela o alcançou ele já sentia seus lábios pressionando suas bochechas num sorriso simples, discreto e sincero. Ele detestava como ela o contagiava, como aquele sorriso o contagiava.


 


-       Como está se sentindo? – ele automaticamente perguntou.


 


-       Melhor. – ela usou sua voz madura e suave para responder. - Desculpe, não tive tempo de falar com Tryn sobre o jantar. Não vou poder estar jantando, mas não acho que você tenha alguma pretensão em pular a refeição.


 


-       Por que não vai comer? – ele perguntou curioso.


 


-       Concordei em fazer um intensivo essa noite com os curandeiros. O tratamento vai ser um pouco pesado, vou ter que dormir em um quarto separado, mas vai me colocar em perfeito estado amanhã mesmo.


 


Ele ergueu uma sobrancelha não muito certo se a escolha dela fora a melhor, mas deixou passar ao se pegar preocupando com ela novamente. Voltou-se para a elfa.


 


-       Arrume a mesa só para mim.  – informou a criatura e ela logo foi embora com sua ordem.


 


Encarou Hermione e ela ainda estava ali as maças rosadas do rosto apertando seus olhos vivos como ele nunca vira antes. Ele queria perguntar o que estava a fazendo tão feliz. Se lembrava bem de ter deixado aquele casa pela manhã com a lembrança de um olhar furioso dela, mas a realidade de estar encarando aquele sorriso sentindo-se forçado a abrir um também era quase demais depois do dia que havia tido e dos pensamentos que atormentavam sua cabeça. Fez menção de dar as costas e seguir seu caminho, mas ela o parou colocando a mão calmamente sobre seu braço enquanto dizia seu nome para ter sua atenção. Ele parou e tornou a encará-la.


 


As maças do rosto dela rosaram ainda mais, ela desviou o olhar e seu sorriso abriu mais quando ela disse num tom baixo e bonito:


 


-       Vou completar doze semanas. - Foi o suficiente para fazer com que todo e qualquer pensamento que o atormentava fosse varrido de sua cabeça tão rápido quanto o fogo se apaga quando perde oxigênio. – Eu também... – ela fechou os olhos como se estivesse lembrando de algo capaz de arrebatar até mesmo seu fôlego. – Escutei o coraçãozinho deles.


 


-       Eles estão bem? – foi a primeira pergunta que veio em sua cabeça. – Digo, saudáveis.


 


Ela assentiu e o encarou novamente. Seus olhos brilhavam excessivamente. Ela se aproximou mais.


 


-       Preciso acreditar que são meninos. – ela quase sussurrou com aquele lindo sorriso.


 


Ele sorriu. Foi tão fácil. Sua vida inteira ele sempre achava sorrir tão difícil e desnecessário. Aproximou-se ainda mais, estendeu a mão e tocou seu rosto não resistindo a sensação de senti-la, sentir o calor dela, mesmo que fosse só com aquele simples toque.


 


-       Como você consegue ser sempre a melhor parte do meu dia? – ele queria que tivesse sido um pensamento apenas para ele, mas escutou sua voz baixa externar todas aquelas palavras.


 


Hermione puxou oxigênio, suavizou seu sorriso, fechou os olhos, soltar o ar calmamente e inclinou o rosto sobre a mão dele como se quisesse sentir mais de onde aquele toque vinha.


 


-       Eu queria que estivesse aqui. – ela abriu os olhos para encará-lo outra vez. – Queria que também tivesse escutado. Eles são saudáveis. Os curandeiros disseram que os dois estão saudáveis e estão se desenvolvendo bem embora um esteja recebendo mais nutrientes do que o outro. – ela soltou o ar fechando os olhos rapidamente outra vez. – Foi um alívio tão grande.


 


-       Vou estar aqui da próxima vez. – ele disse e ela sorriu assentindo.


 


Eles usavam um tom baixo, como se estivessem sussurrando um com o outro. Era bom, era o tom que usavam quando estavam na cama, no escuro, prontos para dormir ou quando apenas não conseguiam dormir. Era íntimo, era só deles e ninguém iria escutá-los, por mais que sua casa estivesse abarrotada de gente.


 


-       Obrigada. – ela sussurrou. – Eu sei que fez algo para que deixassem que eu tivesse informações, para que eu pudesse escutar, ver, saber o que estão fazendo comigo.


 


Ele assentiu. Sentiu uma enorme urgência em beijá-la. Queria sentir os lábios dela contra os dele, era quase uma fome pela vontade de sentir a boca dela, queria selar aquele momento que era só deles, só ela e só ele, trocando palavras que não seriam escutadas por mais ninguém, palavras que pareciam tão insignificantes, mas tão sagradas.


 


As vezes ele se sentia tão parte dela que era assustador. Tinha que haver uma explicação, tinha que haver o porque de momentos como aquele. Distanciou-se quando aquilo se tornou intimidador o suficiente, o que fizeram todas as informações das últimas horas caírem sobre ele novamente. Como ela conseguira fazer com que ele se livrasse delas por alguns minutos com tanta facilidade? Informou que precisava tomar seu banho e ela apenas assentiu liberando mais um de seus sorrisos dóceis, soltou seu braço e mover-se de volta para os medibruxos que a esperavam.


 


Subiu até seu quarto sentindo os músculos tensos. Tomou seu banho ainda com os músculos tensos. Desceu e comeu seu jantar sozinho com os músculos tensos e durante todo o tempo que passou em seu escritório, mesmo acompanhado de seu copo de whisky, seus músculos continuaram tensos.


 


Seus pensamentos giravam entre as palavras de Pansy e o quanto era mais difícil do que ele esperava resistir a Hermione. Ele queria culpa-la, era fácil, era prático, era o esperado e parecia a solução. Culpá-la a faria ser detestável, mas ela não era. Ele não conseguia detestá-la, não mais. Sabia quem ela era agora, a mulher que era, poderosa e frágil, sexy e doce, clássica e revolucionária. Theodoro estava certo quando dissera que ela parecia mil mulheres em uma. Pansy também estava certa porque ela o dominava, e ele a queria, todo o tempo. Até mesmo naquele exato momento ele a queria. Queria que ela estivesse ali sentada em alguma das poltronas com um livro na mão e uma taça de vinho na outra, vestida em seu robe de banho com os cabelos presos no topo da cabeça, o rosto corado sem a maquiagem que era obrigada a usar sempre. Queria apenas a companhia dela.


 


Precisava trabalhar, principalmente depois de ter cancelado sua agenda do dia, mas não era capaz de se concentrar. Isso o irritava. Ele tinha que voltar a ser com Hermione o que sempre havia sido. Indiferente. Como faria isso com ela em sua casa, carregando o título de sua esposa, gerando seus filhos, seus herdeiros? Como ele poderia regredir ao estado de indiferença depois do ano que haviam passado juntos, depois de conhece-la, conhecer seu coração, sua genialidade, suas peculiaridades? Ela estava começando a fazer parte dele assim como sabia que também estava começando a fazer parte dela.


 


Levantou-se frustrado deixando de lado a carta que fazia a Seção Financeira da Catedral. Poderia pedir para que Tina fizesse aquilo. Se deu conta do quão tarde era apenas quando regressou ao seu quarto e visualizou o relógio em cima da lareira. Era estranho não ter Hermione ali. Enfiou-se em sua calça de algodão tentando fazer com que a rotina do seu pré-cama fizesse algum efeito sobre os músculos ainda tensos de seu corpo.


 


Quando já não havia mais luz, sentia o conforto de sua cama, suas cobertas pesadas, seu travesseiro de penas e era obrigado a escutar o irritante barulho distante da eventual movimentação que ocorria no corredores do outro lado da porta de seu quarto, se pegou encarando o teto. Seus músculos ainda estavam tensos e ele sentia o sono muito longe de alcança-lo. Tentou fechar os olhos uma ou duas vezes mais sua cabeça não o libertava dos pensamentos que o mantinham acordado.


 


Sua cama era fria sem o calor do corpo de Hermione ao seu lado. Havia se acostumado a dormir com ela. Não era como se estivesse em algum acampamento ou em algum outro Forte a milhares de quilômetros de casa. Era completamente estranho deitar em sua própria cama, em sua casa e não ter o corpo de Hermione ao seu lado. Ela era parte de sua cama, parte de sua casa e chegava a ser incomodo não tê-la ali.


 


Sentia que precisava dela. Não somente porque parecia faltar algo quando ela não estava ali, mas porque ela sempre tinha uma estratégia para inconscientemente fazê-lo acabar dormindo sempre que tinha uma mente turbulenta. Hermione sempre sentia quando pensamentos demais zuniam em sua cabeça. Bastava somente ficarem no completo escuro debaixo da coberta e minutos depois ela sempre perguntava em uma voz sonolenta o porque ele ainda estava acordado. Ele dizia que estava pensando e ela sempre retrucava dizendo que era normal que os pensamentos que ele guardava tanto para si se revoltassem contra ele e não o deixasse dormir por ficarem sempre tão trancados em seu cérebro. Ele achava graça que ela nunca insistisse para que ele contasse nada a ela, mas encontrasse sempre uma forma ridícula de criticá-lo por não fazê-lo assim que enxergava uma oportunidade.


 


Acabava sempre abrindo a boca para colocar para fora suas dúvidas, seus ressentimentos e suas opiniões eventualmente. Na maioria das vezes era algo relacionado a guerra, ou a Catedral, ou a seus exército, ou a grande conspiração na qual ele havia a metido. No silêncio e no escuro ele despejava para ela uma montanha de informações tão cansativas que sempre apostava que ela acabaria caindo no próprio sono antes mesmo que ele chegasse a metade. Mas ela nunca dormia. Colocava-se em cena perguntando seus “por quês” ou expondo uma opinião sempre quando julgava necessário. Ele gostava de quando se permitia que passassem por esses debates noturnos. Costumava lhe trazer o sono que ele esperava que não chegaria. Também admirava Hermione por ser capaz de abrir a boca com facilidade para dizer algo que normalmente ele levaria dias para considerar em colocar para fora.


 


No momento em que ele se viu ali no silêncio, no escuto, com os minutos passando lentamente e percebeu que seu sono não chegaria nunca, sentou-se colocando as pernas para fora da cama e passou as mãos pelo cabelo. Lembrou-se que a última vez a qual suas preocupações não haviam o deixado dormir fora logo quando havia se casado com Hermione, quando os Dementadores haviam desaparecido e ele precisou barganhar com Harry Potter a retorno deles. O medo e a incerteza de que Potter não fosse a solução para aquele problema o manteve acordado assim como o peso de ter que carregar um colapso de Brampton Fort nas costas caso os Dementadores não regressassem.


 


Levantou-se e com os pés descalços e vestido somente em sua calça de algodão, abriu a porta da varanda passando para o lado de fora, esperando que o frio acalmasse um pouco de sua mente atormentada. Não estava frio o suficiente a olhar para a infernal imprensa amontoada em seu portão revirava ainda mais suas entranhas. Voltou para o lado de dentro soltando o ar já completamente impaciente. Ele precisava dela. Precisava de Hermione. Queria que ela estivesse ali, deitada na cama deles, onde ele poderia colocar para fora pelo menos um de seus pensamentos. Eles discutiriam até que finalmente se sentisse cansado e acabasse dormindo com o som baixo e melodiosos da voz dela sussurrando ao seu lado.


 


Saiu do quarto e no momento em que se deparou com uma curandeira cruzando silenciosamente o corredor se lembrou de que haviam mais pessoas ali além dele e de Hermione. Isso o irritava e ignorou a presença da mulher passando por ela como se não tivesse a visto, nem visto que ela ficara vermelha dos pés a cabeça.


 


Não sabia quais dos quartos Hermione estava, mas se fora ela quem havia escolhido onde passaria a noite, ele tinha em mente um que ficava no corredor oposto ao quarto deles. Draco cruzou o caminho passando pelo mezanino com vista para uma das salas do andar de baixo que ligava a área externa dos jardins e então encontrou o lugar com a porta aberta. Passou para o lado de dentro. Hermione estava deitada em um divã de couro branco próximo a lareira, que estava acesa exatamente como ela gostava. Havia uma curandeira drenando seu sangue para fora do corpo e no exato momento em que os olhos dourados dela voltaram-se para ele, Draco notou o quanto estavam opacos e pesados. Pensou que talvez não tivesse sido uma boa ideia ir até ali, mas assim que concluiu esse pensamento, Hermione abriu um sorriso fraco, porém bonito e receptivo.


 


-       Pensei que estivesse dormindo. – ela disse com a voz rouca. A curandeira finalmente notou a presença dele e recuou corando violentamente enquanto informava que aquele já era o último tubo de sangue.


 


-       Pensei que você fosse estar dormindo. – ele retrucou.


 


Ela abriu um pouco mais o sorriso.


 


-       Eu não posso dormir. Na verdade, não conseguiria nem se tentasse. – disse e mostrou a mão com uma agulha que estava ligada novamente a uma bolsa com um líquido cintilante.


 


Ele apenas se aproximou e observou a curandeira tirar o último tubo. No momento em que o serviço dela acabou ali, ela moveu-se para mexer em uma válvula próximo a bolsa ligada a Hermione e então apressou-se para sair do quarto, fechando a porta.


 


-       Ela vai voltar? – ele acabou perguntando.


 


Ela franziu o cenho curiosa pela pergunta, mas respondeu:


 


-       Dentro de uma ou duas horas. Talvez.


 


Ele colocou as mãos no bolso e observou a mão que recebia a agulha.


 


-       Isso a machuca? – ele perguntou.


 


Ela deu de ombros.


 


-       Um pouco. – respondeu. – Os efeitos que causam no meu corpo incomoda mais do que a agulha.


 


Ele pode notar que o rosa nas bochechas dela começavam a reaparecer. Talvez fosse o líquido na bolsa que estivesse fazendo o efeito de reanimá-la. Seus olhos gradualmente ganhavam brilho novamente.


 


-       Que tipo de tratamento é esse?


 


Ela encarou a bolsa com o líquido logo acima dela e acomodou-se mais confortavelmente em seu divã.


 


-       Um dos bebês está recebendo mais nutrientes do que o outro. Eles querem concertar isso. Também temem que o que aconteceu comigo possa afetá-los daqui para frente, portanto precisavam me deixar no melhor estado em que um ser humano saldável deve estar. Seria melhor que fizessem isso de forma gradativa, mas eu não tenho todo o tempo do mundo para ficar em casa com esse monte de estranhos. Receber doses altas de nutrientes de uma vez só me colocaria em um estado que eu poderia ser capaz de conduzir por mim mesma nos próximos dias até tudo voltar ao normal, mas precisa de um intenso monitoramento. Não é a melhor escolha porque é cansativo e um pouco doloroso, mas prefiro que as coisas voltem ao normal logo.


 


Ele tirou as mãos do bolso e sentou-se no divã próximo as pernas dela. Apoiou os cotovelos em cada joelhos e encarou o desenho do tapete que estavam sobre.


 


-       As coisas nunca vão voltar mais ao normal. – acabou comentando.


 


Ela ficou em silêncio por um tempo o observando. Estendeu uma mão não muito tempo depois e tocou uma de suas pernas com cuidado.


 


-       Você parece mentalmente exausto. – ela usou sua voz baixa para comentar. Ele tinha que confessar que se surpreendia todas as vezes que ela notava seu estado de espírito com uma facilidade que nem mesmo sua mãe tinha. Com uma dificuldade ainda aparente ela se sentou, continuou o encarando e passou a mão por suas costas uma única vez como se tentasse de alguma forma lhe passar um conforto rápido, mas muito consciente de que aquilo era invasivo e não fazia parte de quem eles eram. Ele gostava da sensação da mão dela em contato direto com sua pele, mesmo que fosse rápido. As vezes quando faziam sexo as mãos dela o tocavam e percorram seu corpo, braços, troncos e rosto como se ela estivesse lendo palavras gravadas em sua pele. Eles se tocavam muito mais agora e não era mais tão intimidador como antes. – As vezes eu acho que todos os pensamentos que guarda para você um dia irão te matar.


 


Ele sorriu já sabendo que ela soltaria algo parecido com aquilo. Também se surpreendia com o quanto ela o fazia sorrir em momentos que nem mesmo se sentia descontraído.


 


-       Estamos trabalhando para tomar um edifício em York para montar acampamento semana que vem. – ele começou ainda encarando os desenhos no tapete. - Apresentei ao Conselho a ideia que havia dito sobre consolidar um acampamento na zona da Ordem e ir expandindo até que tirássemos a área deles. O Conselho achou loucura, desperdício de forças, tempo e dinheiro, mas eu insisti. Agora são as zonas que não estão convencidas da tentativa.


 


-       Convença-as então. – ela disse confiante.


 


-       Estou tentando. – aquilo foi o suficiente para que ela entendesse que ele não estava tento muito sucesso.


 


Ela ficou em silêncio apenas alguns minutos, como se estivesse processando toda aquela situação e fazendo seu cérebro trabalhar com a eficiência de sempre.


 


-       Já considerou que alguém do Conselho esteja interferindo na opinião do seu exército?


 


-       Eles sempre tentaram interferir na opinião do exército, mas nunca tiveram tanto sucesso. As zonas reconhecem o trabalho que eu faço e o quanto luto contra o Conselho para tomar minhas decisões.


 


-       E você acredita que dessa vez o Conselho enteja ganhando seus homens?


 


-       Talvez. – ele ainda acreditava que a nova estratégia apenas soava diferente demais para ser aceita com a rapidez que ele precisava.


 


-       Isso é ótimo. – ela o pegou de surpresa ao dizer aquilo. Ele ergueu os olhos para ver um sorriso brando em seus lábios. Ficou confuso. – Não consegue ver a chance a sua frente?


 


Não. Pensou imediatamente.


 


-       O que quer dizer?


 


-       Você sempre quis derrubar o Conselho, Draco. Ele te segura, te atrasa e é sempre um elemento que você tem que saber manipular para vencer seus jogos. – ela disse e aquelas palavras acionaram um ‘clique’ em seu cérebro suficiente para conseguir fazê-lo enxergar finalmente o que estava na sua frente. Ele piscou e cerrou os olhos ao analisar tudo aquilo com muita rapidez. – O que Voldemort disse sobre o novo plano?


 


-       Ele disse que ficará do meu lado caso tudo acorra como o esperado.


 


Ela abriu o sorriso um pouco mais. O Conselho fora criado logo que ele assumira a guerra e o cargo de General. Algumas cabeças duvidosas e maliciosas não confiavam muito que um simples garoto tivesse a mente brilhante de vencer toda uma resistência e ganhar um império para Voldemort, o que causou conflito o suficiente dentro do círculo interno para fazer com que o Lorde criasse um Conselho que supostamente deveria guiá-lo, para conter os ânimos daqueles que queriam voar em seu pescoço por alcançar a cadeira ao lado do trono do grande mestre das trevas.


 


-       Eu estive presente em todas as reuniões do Conselho em que você insistiu que o método convencional que haviam usado para vencer a guerra não funcionaria agora que a Ordem não parecia tão frágil quanto aparentava. As duas tentativas foram falhas e agora o Conselho também está contra você porque está tentando um método diferente. Draco, se você tiver sucesso, pode usar isso contra o Conselho e também poderia facilmente fazer a opinião de suas zonas para que se revoltassem contra ele. – ela tinha muita razão. – Voldemort não pensaria duas vezes em desfazer o Conselho se você provar a ele quem realmente está o impedindo de consolidar seu império. Você ganharia um ponto com ele e ainda se viria livre do Conselho, o que te faria, de uma vez por todas, comandante direto do exército. Ninguém mais iria te segurar ou limitar seu poder.


 


Ele cerrou os olhos não acreditando que não havia enxergado aquilo antes. Encarou as próprias mãos e acabou por sorrir e tornar a encarar Hermione.


 


-       Eu te treinei bem. – disse com seu sorriso.


 


Ela riu um riso fraco, mas significativo.


 


-       A verdade é que me surpreende que não tenha visto isso antes. – ela disse – Sei que existe algo a mais o incomodando porque normalmente teria visto essa chance antes mesmo que ela existisse.


 


Tornou a encarar o tapete. Sim, existiam milhões de outras coisas que o incomodava. O fato de estar ali com ela tendo a certeza de que nem se estivessem fazendo sexo estaria se sentindo tão bem era um deles.


 


-       Você me deu um bom susto aquela noite. – optou por dizer.


 


Ela sorriu gostando de ouvi-lo dizer aquilo.


 


-       Estou bem agora. – sua voz foi doce, mas foi informação o suficiente para fazer com que ele entendesse que ela sabia que não era aquilo que realmente o incomodava.


 


-       E o fato de serem duas crianças...


 


Ela riu baixo.


 


-       Também estou processando essa parte. – sussurrou.


 


Sorriu com ela, mas não conseguiu mantê-lo quando percebeu que suas mãos suavam. Precisava dizer a ela. Precisava que ela soubesse. Isso o consumia. Por que precisava que ela soubesse? Uniu suas mãos sentindo que precisava se livrar do suor e respirou fundo. Hermione acompanhava aquilo com os olhos, em silêncio e obviamente na expectativa de entender qual era o problema.


 


-       Draco? – ela usou um tom baixo e incerto para chamar sua atenção.


 


Ele puxou o ar mais uma vez e usou seu tom mais neutro para dizer:


 


-       Fiz sexo com Pansy hoje.


 


O silêncio o seguiu. Hermione não seu moveu nem mesmo desviou o olhar dele. Segundos depois ela apenas afastou a mão que estava em sua perna. Ele esperou pelo momento em que ela fosse perguntar o porque ele estava dizendo aquilo, embora soubesse que Hermione seria muito mais inteligente do que aquela pergunta previsível, primeiro porque ela não iria demonstrar ciúmes ou nada relacionado, segundo porque ela já sabia que ele estava se permitindo externar aquilo que o incomodava. Ela apenas engoliu a saliva como se estivesse engolindo uma navalha e fez sua voz sair rouca e confusa:


 


-       Por que isso está o perturbando?


 


Ele deu de ombros, mostrou os mãos e negou com a cabeça.


 


-       Não sei. – o silêncio o seguiu novamente e ele massageou sua mão tentando se distrair do quanto ele o incomodava. O que será que estava se passando pela cabeça dela naquele exato momento, depois de ter escutado o que ele havia dito sobre Pansy? Será que ela estava tendo a sensação que ele tinha? A sensação de que havia quebrando um laço importante? De que havia feito algo estúpido? De que depois disso não havia como voltar atrás, não havia mais como concertar o que ele havia secretamente destruído entre eles? – Eu não toco em nenhuma outra mulher que não seja você faz um bom tempo, Hermione.


 


Hermione uniu as sobrancelhas um tanto surpresa.


 


-       Não?


 


Ele a encarou.


 


-       Como eu poderia? Eu tenho você. Surpreendentemente me tem sido o suficiente e também... somos casados e... - sua voz morreu não sabendo exatamente como terminar seu pensamento.


 


-       Somos casados e você não quer se sentir como seu pai. – ela fez o favor de concluir. Ele se viu obrigado a desviar seu olhar do dela tornando a encarar suas mãos. Ainda não entendia como o cérebro dela trabalhava tão perfeitamente, como ela conseguia captar tudo tão rápido, como ela conseguia compreendê-lo, entende-lo, enxergar sempre a frente. – Draco, eu não sou sua mãe e você não é seu pai.


 


-       Mas estamos na mesma situação que eles aqui nesse casamento.


 


-       Não, não estamos. Você não é o centro do meu universo. Eu não vivo por você.


 


-       Minha mãe não vive pelo meu pai.


 


-       Mas ela o ama e eu não amo você, Draco. – a voz dela saiu confiante pela primeira vez. Aquilo fez com que ele se lembrasse daquela manhã quando ela se vira obrigada a dizer que o amava para que uma simples curandeira ouvisse. Ele a encarou se lembrando de como ela se enfurecera com aquilo. Ela levava aquilo a sério. Draco apenas achava que ele não. Apenas achava. – Essa é a diferença. – a voz dela normalizou-se, mas ele conseguia enxergar o ressentimento no fundo de seu olhar. Por mais que ela estivesse começando a ficar boa em esconder suas emoções como uma Malfoy deveria, o olhar dela era sempre um livro aberto, ou talvez ele apenas tivesse aprendido a lê-la o suficientemente bem. Estendeu sua mão para tocá-la, mas ela se afastou. Havia sim um tipo de ressentimento naqueles olhos dourados. Como se estivesse decepcionada, mas não com ele, com ela mesma. – Nós dois sabemos que esse casamento é apenas um documento com nossas assinaturas e nada mais do que isso. Desde o começo sabíamos que não precisávamos ser fiéis um ao outro. Eu não espero que seja fiel. Nunca esperei. Não é necessário que se perturbe por ser apenas quem é só porque está ligado a mim agora. Pensei que havíamos deixado isso claro entre nós desde o começo. – surpreendentemente a voz dela fora fria e seca embora ainda tivesse um tom calmo.


 


Ela terminou seu discurso com os olhos fixos sobre ele, como se esperasse pelo momento em que ele fosse discordar de algo ali. Ele não discordava, eles haviam deixado aquilo bem claro desde o começo, mas o começo era diferente. E a forma como se tratavam agora? E a filha que haviam perdido? E a forma como faziam sexo, como se tocavam, como se olhavam? Ele se importava com ela agora, não se importava com ela antes. Será que ela não se importava com ele agora? Será que ela continuava a não se importar com ele como antes?


 


-       Hermione, nós vamos ter dois filhos. Dois filhos com os quais nós dois iremos nos importar. Eu cresci achando que tinha uma família perfeita, que meu pai era algum tipo de herói inteligente e esperto demais para esse mundo e que minha mãe era sortuda por tê-lo como família, por me ter, por ter todo o luxo que temos e ser parte de um sobrenome que já tem um legado na história do mundo. Você não tem ideia do quanto foi perturbador ver toda essa fantasia que eles criaram desmoronar.


 


-       Nós não vamos mentir para os nossos filhos, Draco. Eles vão crescer entendendo nosso relacionamento. – a voz dela ainda estava fria, como se estivesse jogando palavras que era obrigada a dizer.


 


-       Nenhuma criança quer viver em um lar com uma mãe e um pai que se suportam pelo bem de um documento e uma linhagem, Hermione.


 


Ela se calou o encarando dessa vez como se estivesse entendendo o que se passava na cabeça dele, como se estivesse enxergando que aquele era um problema que ele carregava consigo desde a infância, como se estivesse entendendo finalmente em qual terreno eles estavam pisando.


 


Draco não havia sido enganado pelos pais a vida inteira. Qualquer pessoa, sendo ela criança ou não, com discernimento e razão o suficiente para diferenciar frio e calor saberia que seu pai e sua mãe viviam atrás de uma fachada. Draco apenas se recusara a enxergar, olhar a ferida e lidar com ela por muito tempo. Esperou até que alguém fizesse isso por ele. Esperou até Voldemort.


 


-       Você nunca falou sobre isso antes. – ela foi cuidadosa.


 


-       Porque não gosto de falar sobre isso.


 


-       Não. – ela foi clara. – Não fala porque te machuca.


 


Ele soltou o ar e se levantou achando aquilo demais.


 


-       Não seja ridícula.


 


-       Você sabe que eu estou certa.


 


Foi até a janela e a escancarou precisando do vento gelado contra seu rosto ao invés do irritante calor da lareira que ela tanto gostava. Ele não gostava de pisar naquele terreno. Não gostava daquele assunto. Não se sentia confortável nem consigo mesmo quando pensava sobre ele.


 


-       Eu não quero parecer como o meu pai para os meus filhos. – disse depois de sentir vento o suficiente contra o seu rosto capaz de congelar pelo menos um pouco de seus pensamento.


 


-       Então não pareça.


 


-       Não é tão simples assim.


 


-       Por que?


 


Ele soltou o ar já farto daquilo.


 


-       Esse assunto vai acabar aqui, Hermione.


 


-       Nós estamos falando dos nossos filhos. Do nosso futuro. Não pode acabar aqui. – ela estava surpreendentemente fria e não havia nada do acolhedor ao qual ele era acostumado.


 


-       Vai acabar aqui. – ele voltou-se para ela mostrando que não tinha o menor interesse de continuar com aquilo. Ela recuou , talvez tivesse percebido que ele havia falado demais coisas que normalmente nunca sequer haviam saído de sua boca alguma vez na vida. Cruzou os braços encarando a figura que ela era ali sentada naquele divã. Absolutamente linda mesmo em seu estado mais pobre. Ela era invasiva e esperta. Sabia como fazê-lo abrir a boca da maneira mais sorrateira possível. Talvez Pansy estivesse certa sobre o jogo dela. Cruzou os braços. – Ameaçou Pansy na Cerimonia de Inverno?


 


Ela uniu as sobrancelhas estranhando a pergunta.


 


-       Por que eu ameaçaria Pan... – deixou sua voz morrer. Um segundo ela permaneceu em silêncio e então sua expressão mudou como se estivesse lembrando de algo importante. – Oh. – ela desviou o olhar por mais um segundo e depois tornou a encará-lo. – Sim, eu a ameacei. – falou como se não conseguisse acreditar no que estava admitindo.


 


-       O que disse a ela?


 


Ela franziu o cenho.


 


-       Eu não me lembro exatamente, Draco.


 


-       Então tente se lembrar agora. – ele foi frio também.


 


Ela se aborreceu com o tom.


 


-       Eu não me lembro! – foi decidida. - Eu estava com raiva, ela me segurou pelo braço como se tivesse me pego no flagra durante um assalto. Como se eu estivesse roubando algo dela porque havia me visto com você. Eu queria apenas que ela me deixasse em paz.


 


-       Não faça novamente. – ele foi claro.


 


-       Eu fiz o que um Malfoy faria. O que você me ensinou, o que sua mãe me ensinou!


 


-       Não faça com ela.


 


Ela uniu as sobrancelhas realmente aborrecida dessa vez. Inclinou a cabeça e o tom que usou mostrou sua indignação:


 


-       Acaso isso machucou sua princesinha, Draco? – finalmente ela parecia estar usando o tom que queria. - Ela se sentiu ferida e foi chorar no seu colo, é isso? Chorou o suficiente para que voltasse para casa, olhasse para sua patética esposa e ordenasse, como se ela fosse um de seus homens, que não ousasse mais mexer com ela.


 


-       Não se faça de vítima aqui, Hermione! Estou apenas dizendo para não fazer novamente. Pansy é meu problema, não seu!


 


-       Ela é meu problema sim, Draco! – ela se levantou, ele lutou contra a urgência de ir até ela ajudá-la. – Ela me persegue e me culpa por algo que eu nem mesmo me importo! Ela acha que eu jogo o mesmo jogo que ela, que a minha vida se baseia em te ganhar. Eu não preciso que você me ame ou me queira. – ela se aproximou. - Eu a quero fora do meu caminho sim, onde eu não vou precisar gastar minha paciência com ela! Parkinson me odeia porque consegui tudo que ela queria sem fazer esforço algum e não se engane pensando que ela queria você. Ela não o queria e continua não o querendo. O que ela realmente sempre quis foi o título do seu sobrenome e o homem que você é na cama porque se ela realmente o quisesse, quisesse você, Draco Malfoy, a pessoa que é, ela se importaria em realmente te conhecer e pelo pouco que que ela se gaba em te conhecer me faz pensar que talvez eu, em um ano, tenha aprendido mais sobre você do que ela aprendeu em todos os anos que vocês dois tiveram juntos. – ela puxou o ar cansada. – E por favor, não crie o hábito de me contar das mulheres com quem tem sexo. Já me fiz clara uma vez quanto a não ter o menor interesse de saber onde e quando as mãos que você usa para me tocar resolvem também tocam outras mulheres. Não gosto de me sentir um objeto mesmo sabendo que sou um, mesmo sabendo que tipo de relação nós dois temos.


 


Ela finalizou como se tivesse vomitado tudo que tentara engolir, mas que não lhe caíra bem. Até mesmo sua respiração estava acelerada.


 


-       Você não é um objeto. – a verdade é que ele sentia que ela havia sido a única mulher que não fora um objeto, porque todo o resto fora, até mesmo Astoria havia sido um quando ele a usara para tentar ser algo que não era. Hermione nunca havia sido algo de interesse dele para ser usado e no momento em que ela começara a fazer parte de sua vida ele se vira completamente desarmado com o quanto ela o envolvera numa atmosfera completamente diferente da qual era acostumado sem que nem mesmo pudesse ter notado essa mudança claramente. Como ela havia feito isso? Como ela havia conseguido administrar as circunstâncias, manipulá-lo,  fazer com que tudo parecesse ter tanto significado? Ele não gostava de como ela havia conseguido se enraizar, de como ela havia conseguido entrar tanto e tão profundo onde ele jamais imaginara que alguém pudesse alcançar. Aproximou-se dela unindo as sobrancelhas ao perceber o quanto era difícil não querer tocá-la. Como ela havia conseguido fazer com que ele chegasse nesse ponto? O que ela havia feito para que ele não a resistisse? Olhou bem em seus olhos. – Qual é o seu jogo, Hermione?


 


Ela pareceu confusa, como se aquela pergunta fosse completamente inesperada. Aquilo deveria fazer parte do jogo dela.


 


-       Eu não tenho um jogo, Draco. – sua voz soou incerta, não sabendo realmente se era aquilo que deveria responder, se era aquilo que ele estava mesmo perguntando. Deveria ser mesmo parte de seu jogo.


 


-       Todo mundo tem um jogo.


 


-       Que jogo? Para que finalidade? Com que proposito? Do que você está falando? Eu não tenho um jogo, Draco. – ela gesticulou rapidamente com as mãos como se quisesse apagar o que quer que estivesse tentando colocar no lugar em sua cabeça. – Quer saber?! Esqueça! – ela foi severa dessa vez. – Apenas saia. Volte apenas quando resolver agir normalmente.


 


Ela deu as costas dando por encerrado aquela conversa e ele a segurou pelo pulso impedindo que ela fosse muito longe. Obrigou-a a se virar para encará-lo. Ele se aproximou bem para encarar fundo em seus olhos. Ele conseguia ler os olhos dela. Hermione resistiu usando seu melhor olhar frio para a condição em que se encontrava.


 


-       Eu vou descobrir qual o seu jogo, Hermione.


 


Ela se livrou da mão dele em seu pulso.


 


-       Você é doente. – ela ainda parecia incerta por mais que sua voz fosse forte.


 


-       Talvez... – foi tudo que ele retrucou antes de serem interrompidos por uma curandeira.


 


Ela entrou pedindo mil desculpas e falando da forma mais formal e educada possível o quanto sentia muito por precisar tirar mais um tubo de sangue de Hermione. Hermione por sua vez apenas concordou como se já esperasse por aquilo.


 


-       Acaso o senhor pretende ficar? – a curandeira voltou-se para ele.


 


-       Não, ele já está de saída. – Hermione fez o favor de apressar-se para responder. Olhou para ele sorrindo amavelmente embora ele soubesse que fosse falso. Os olhos dela não brilhavam e as maças de seu rosto não apertavam o canto de seus olhos quando ela falsificava um daqueles. – Draco teve um dia cheio hoje e terá outro cheio amanha, ele precisa descansar. Só quis realmente saber como eu estava lidando com tudo isso, não é mesmo querido?


 


-       Sim. - Ele foi obrigado a concordar usando o vocabulário menos extenso e mais apropriado para o momento. A curandeira sorriu como se achasse aquilo um exemplo para uma geração. Draco aproximou-se de Hermione, a segurou seu queixo e selou seus lábios rapidamente nos dela. – Tenha uma boa noite, querida. – Sabia ser um bom ator. Atuava diariamente dentro de Brampton Fort. Havia se especializado naquilo.


 


-       Boa noite. – ela respondeu. Havia um sorriso doce em seus lábios, mas faísca em seus olhos.


 


Seguiu seu caminho de volta para o quarto julgando-se estúpido por ter saído de lá em primeiro lugar. Sua própria respiração denunciava o quanto se achava o pior dos estúpidos. A verdade era que se sentia encurralado e não sabia como havia chegado até aquele beco. Ele a queria. Queria voltar para ela naquele exato momento e dizer o quanto ela fazia sua cabeça ir a loucura e o quanto não conseguia suportar a vontade de senti-la a todo o momento, que fosse apenas o calor de seu corpo ou um simples toque displicente em seu braço ou o cheiro doce e cítrico que vinha de sua pele ou até mesmo a agonia de seus corpos buscando por alívio debaixo das faíscas selvagens de centenas de arfadas entre beijos, toques e sabores que o fazia sentir-se inteiramente dela.


 


Mas ele não faria isso, primeiro porque sabia que não seria verdadeiro. Ele não era movido por emoções, nunca havia sido. Emoções eram meras projeções de sentimentos que iam e vinham num piscar de olhos. Emoções eram um campo de incertezas e ele não apostava em nada incerto. Segundo porque ela não era exclusiva. Não poderia ser. Não ela.


 


Trancou-se em seu quarto como se quisesse que nem mesmo o oxigênio pudesse passar para o lado de dentro. Pegou uma garrafa de qualquer bebida forte ao seu alcance e jogou-se no sofá diante da lareira apagada. Ele não dormiria. Queria tanto que as coisas voltassem a ser como sempre haviam sido. Pois bem então, ali ele ficaria na companhia de sua garrafa sendo perturbado por todos os pensamentos em sua cabeça até que o dia amanhecesse e ele fosse segui-lo como deveria. Exatamente como sempre havia sido, sem Hermione, sem a paz que a voz dela tinha, sem a chance de ver o sono lhe alcançar. Ele realmente esperava que ela tivesse um jogo. Ela tinha que ter um. Ela precisava ter um. Não era lógico que não tivesse.















NA: Uau! Outro capítulo grande! E pessoal do céu, vocês são super atentos! Hahaha Fiquei de cara que tanta gente pegou que Hermione estava grávida de gêmeos capítulo passado. Isso mesmo, guys! Dois bebês de uma vez! Imagina o quanto a cabeça do Draco e da Hermione devem estar dando voltas e voltas sem parar com isso! Ah, e uma coisa que esqueci de falar sobre o capítulo passado, aquela parte em que o Draco conta sobre a Gina, sobre o passado curto que eles tiveram e derivados, aquilo será um tanto quanto importantezinho para as intrigas do futuro :)
Gente, eu sei que esse capítulo não foi lindo e muitos de vocês devem estar apenas querendo matar o Draco nesse momento. Mas vamos entrar um pouco no mundo dele e tentar entender o que ele está passando no momento. Ele acabou de descobrir que vai ser pai, não de um, mas de dois filhos/as, está enfrentando problemas na Catedral, a guerra, Hermione nesse estado, a mídia amontoada na porta de sua casa... Por mais estável que a mente racional de Draco tenha conseguido ficar todos esses anos, não acho que ele iria agir perfeitamente bem ao abrir os olhos para os sentimentos que ele tem desenvolvido pela Hermione. Principalmente quando esses sentimentos são completamente desconhecidos e tenham o "atacado" tão sorrateiramente. Ele precisa culpar a Hermione, ele precisa acreditar que isso de alguma forma foi um trabalho dela, porque por mais que os sentimentos sejam por ela, ela foi para ele uma figura detestável por muito mais tempo do que as novas formas que ele tem começado a enxergá-la. Não fica crível que esse ódio simplesmente evapore e desapareça só porque alguns sentimentos com relação a ela começaram a surgir, por mais fortes e intensos que eles sejam. Mas faz parte do processo, entendam. Hermione também precisa se decepcionar, não com ele, mas com ela mesmo, por chegar a acreditar e deixar se envolver com o Draco que ele vinha sendo nos últimos meses. Isso tudo faz parte da construção sincera em que a relação deles deve chegar. Eles são dois cabeça-dura. Personagens com muita força de espírito. Sem contar que o Draco é um grande mistério. Cheio de mimimi, de segredinho aqui e ali, de ninguém pode saber da minha vida pra lá e pra cá, de eu tenho probleminhas. hahahaha
Mas eu acho que isso vai levar a gente pra um estágio diferente no relacionamento deles agora para os próximos capítulos. Vamos ver como os dois vão reagir ao isso tendo uma guerra pra vencer, um Voldemort para derrubar, dois filhos para proteger, um pública pra conquistar com a nova farsa da família perfeita... Eu vejo os dois tentando puxar o relacionamento para o ponto inicial, mas tendo vários problemas porque eles não são mais as pessoas de quando se casaram, não se enxergam mais como se enxergavam quando se casaram, as coisas mudaram, as situações mudaram e eles não podem ignorar isso.
ANYWAYS!
Todo capítulo eu tenho colocado aqui nas notas coisas que gosto ou comentado sobre algo, assim vocês podem ver mais ou menos como minha cabeça funciona e daí vocês podem fazer a analogia de vocês sobre as minhas influências para fic. Eu já tinha selecionado algo para comentar com vocês, mas esqueci tipo completamente! haha Então por causa disso vou acabar falando de um livro que eu acabei de ler, tipo acabei de ler mesmo, exatamente há uns cinco minutos atrás. haha Então como ele ta fresco na memória vou acabar falando dele. Eu leio todo o tipo de coisa, se for livro eu to lendo e eu costumo não ter preconceitozinho não e também procuro nunca deixar me influênciar pelas críticas nem nada. Eu sempre tento apreciar um livro pelo que ele é, pelo público alvo e essas coisas, nem sempre eu acabo feliz, nem sempre acabo gostando, nem sempre acho a coisa mais linda dessa vida, mas acabo tendo minhas próprias opiniões sobre a obra, sobre o autor e também sobre a editora. (Pq vamos combinar que tem umas editoras por aí que deveriam desistir mesmo de viver!) Enfim, tudo isso pra dizer que te tudo que eu leio nessa vida, nada nunca supera o meu amor por YA‘s. (Pra quem não sabe é uma categoria chamada Young Adult que eu realmente não sei o nome ou como funciona no Brasil. Deve ser Jovem Adulto mas sei lá, se alguém souber me informe.) Sério, eu leio leio e leio livros, mas eu sempre acabo voltando pra algum YA pra refrescar um pouco o cérebro. Tenho uma paixão por essa categoria mesmo ela tendo todos os seus defeitos, defeitos que eu sempre reclamando comigo mesma tipo ‘ai, por que primeira pessoa de novo?‘ ou ‘outra distopia, que inovador.‘ ou ‘e fulano vai se apaixonar por fulano, porque será que eu já via isso se aproximando?‘ ou ‘lá vem mais um personagem com dezesseis anos...‘. Mesmo com todos os defeitos de um YA, esses livros sabem fazer com que eu os ame. haha Eu acabei de ler um chamado Red Queen, é lançamento desse ano e recebi umas recomendações falando que o livro iria super me surpreender. Mas pobres leigos não sabem que eu sou graduada em entrigas de Corte. haha Não sei se já li todos os livros que se passam entre cortes e monarquias e depois de George R. R. Martin também não tem como não se graduar no: nunca confie em ninguém dentro de um castelo. Eu já vi o final do livro no começo, mas mesmo assim isso não me impediu de ter uma leitura divertida. Gostei de como entrei na história apesar da precária construção do mundo e do arrastado início. Foi interessante. Recomendo. Não decepciona como YA, se encaixa bem na categoria.
Ah! Lembrei de algo, alguém aqui assiste House of Cards? Alguém viu a nova temporada? Gente, eu to chocada e devastada com aquele final! Eu amo torcer por anti-heróis! Francis e a Claire eram uma puta de uma inspiração pro meu Draco e Hermione de CDP! A cumplicidade, sinceridade, sagacidade, o controle que eles tinham, a busca pelo poder, como eles manipulavam as pessoas, como eles faziam o jogo de interesses sempre funcionar para o lado deles... :( #abalada

Pessoal, tenho que tirar um tempo também para agradecer o quanto vocês tem sido grandes apoios! Se não fosse toda a força de vocês eu nunca teria me sentido tão motivada por essa história. Eu sei que ela tem seus grandes defeitos, mas estou sempre procurando aperfeiçoar por mais que seja só um passatempo divertido pra mim. Acho super legal como eu acabo me comprometendo com isso por vocês. Obrigada mesmo, o comentário de todas é super essencial. Beijão a todos vocês porque todos vocês merecem!


Também não dá pra deixar de desejar Feliz Páscoa a todos!! 




CURTAM A PÁGINA NO FACEBOOK:
https://www.facebook.com/pages/Fran-Apple-Fanfics/1418910178418165





Mimi Potter: Humm! Você ainda não viu nada da Hermione estratégica! Essa fase dela ta no sangue, haha. Eu sempre fico surpresa com o quão bem você sempre consegue pegar a essência do contexto por inteiro, da figura toda, das coisas que estão acontecendo ou da reação de cada personagem diante de uma situação. É ótimo como você está sempre com um pé atrás com todo mundo e como não é fácil te comprar. hahaha Eu acho isso ótimo! Sempre quando estou lendo algo também fico pensando na reação dos personagens, pensando sobre como eles vão lidar se tal e tal coisa acontecer ou pensando "Hum... fulano não faria isso." ou "Fulano não chegaria nesse ponto." ou "Não faz o tipo de fulano agir assim... talvez algo esteja acontecendo..." haha Obrigada por se envolver com a fic assim! Me dá uma puta alegria!

Kanastra: Olá! Adoro quando os leitores novos se manifestam e principalmente quando aparecem cheios de perguntas! Desculpe não ter podido responder capítulo passado por falta de tempo, mas vou responder tudo direitinho pra vc agora e se ainda sobre dúvidas pergunte mais! :) Quanto a fic estar terminando, isso até pra mim é uma incógnita. Quando eu comecei a fic eu tinha a pretenção de fazer mesmo uma long, de fazer algo sem pressa, de me atentar aos detalhes, de descrever tudo muito bem, de passar sem pressa por momentos que eu achasse relevante, de apreciar bem a vontade de escrever três parágrafos só sobre alguém acordando. Essas coisas podem acabar alongando a fic mais do que o necessário, mas pensando pelo lado da plot, a história mesmo, o enrredo de como as coisas vão acontecer e terminar, eu diria que um pouco para além da metade, mas não sei o quão detalhista vou ser então não sei se vão ser muitos capítulos a partir desse até o final ou poucos. Quanto a Ordem não estar sendo bem explorada, bem, o nome da fic é Cidade das Pedras, então eu vou sempre manter o meu foco dentro de Brampton Fort e do quão frio e nada acolhedora ela pode ser, mas fique tranquila, a hora da Ordem vai chegar! :) Eu sei que vc deve ficar imaginando várias coisas e várias possibilidades! Pode compartilhá-las também! Eu ficaria muito feliz de saber seus pensamentos! Capítulo passado acho que vc também percebeu que muitas questões que vc levantou foram um pouco exploradas. O fato da Hermione estar querendo mesmo entregar o Harry e de isso ser um pouco preocupante, essa nova Hermione realmente pode assustar um pouco, mas fique tranquila porque ela sempre vai ter o coração puro, ela só esta se vendo obrigada a vestir uma casca grossa pra sobreviver a Brampton Fort. As pistas da linhagem dela também foram jogadas capítulo passado. Acho que você conseguiu notar bem isso. Se quiser uma dica, preste atenção no pássaro no final do capítulo passado e alguns personagens famosos do mundo mágico clássico. :) haha shiiii, mas não conta pra ninguém! haha Quanto ao ódio com Voldemort, é exatamente esse sentimento que quero criar em vocês. Odeiem com vontade, porque o segredo é que todos nós nunca odiamos de verdade o Voldemort da J.K Rowling. Nós sempre amamos odiar Voldemort, faz parte do amor pela sangue harry potter haha. Dessa vez eu quero que vocês odeiem odeiem mesmo. haha Espero ter respondido tudo! Se tiver mais pode perguntar! Obrigada pelo apoio!

Karla Dumbledore: Hum, depois desse capítulo eu não sei se o Theodoro rodou total não, e se ele não rodou vai ser tudo culpa do Draco. haha A preocupação toda que ele teve capítulo passado não ajudou nada a melhorar o estado dele com a Hermione. Acho que abriu demais os olhos dele e agora ele ta todo assustadinho sem saber o que fazer ou o que pensar. Tadinho. Mas enfim, se mês passado demorou passar imagina esse, hein! Credo que mês passado parecia que não ia acabar mais nunca! haha Obrigada pelo comentário e pelo apoio!

Norelle Pereira: É, eu também acredito que a Hermione chegou em um ponto que se a chance de deixar Draco fosse estendida para ela, ela pensaria duas vezes antes de aceitar ou não. E o fato dela estar vivendo o mundo de Draco, estar podendo ver que ele nunca teve muita escolha e as coisas são mais dificeis do que ela imaginava, está dando uma outra perspectiva sobre o Draco para ela. Por isso que ela sempre se vê sempre tão intrigada por ele, por achá-lo um bom mistério, por estar querendo desvendá-lo, encontrando formas de lidar com ele e de falar com ele e de se resolver com ele. Sempre quando eu penso em um Draco maduro eu penso em um Draco forte porque o Draco que da J.k é fragilizado e vive constantemente amedrontado e sempre se escondendo atrás do poder de seu sobrenome. Um Draco crescido e maduro seria um Draco que teve a capacidade de superar e lidar com isso de alguma forma, de criar uma casca, uma máscara, algo que pudesse o fazer forte, mesmo não sendo a melhor solução. De qualquer forma, eu fico feliz por você estar apreciando esse crescimento dos dois dentro desse casamento que tem tudo pra dar errado, mas a falta da opção da desistência tem o feito se tornar forte.

Anne Lizzy Bastos: Eu acho que sem dúvidas esse capítulo não vai entrar para a sua lista de preferidos. haha Não sendo mal, mas deve estar uma baita angústia esse Draco confuso durante todo o capítulo. Deve ter dado uma estragadinho em tudo que aconteceu capítulo passado, mas acho que capítulo passado a gente já puxou o relacionamento deles para um patamar que estava passando da hora de alguém abrir os olhos. E quanto a 50 tons de cinza, eu peguei emprestado o livro pra ler mas ele está lá na estante porque foram surgindo tantos outros livros bons pra ler que eu acabei passando. Eu nunca tive interesse mesmo de ler e to vendo que o pouco do interesse que me surgiu não foi o suficiente para me fazer pegar o livro mesmo. Mas eu ainda vou ler, como eu já disse, eu leio de tudo e acho que se alguém considera um livro da categoria de 50 tons de cinza o melhor livro do mundo precisa seriamente de tratamento para entender o conceito de clássicos e porque clássicos são clássicos e porque clássicos sempre serão clássicos e porque nenhuma outra categoria chegará aos pés de clássicos. haha Fim. haha Espero que tenho encontrado uma forma de apreciar esse capítulo, though. :)

jakelinealvesleal: Só tenho um comentário a fazer: sinto muito por ter estragado a sua reação do capítulo passado. haha Não acho que vai ser a mesma nesse.

C. Malfoy: Opa, desculpa ter sido a culpada pela sua vontade de matar o trabalho. haha E sim, gêmeos! Você acertou! Duas meninas ou dois meninos?

Elida: Ahhh, eu me sinto tão mal por atualizar um capítulo como esse depois do jardim florido de emoções que vocês tiveram com o passado. :( E você também acertou! Sim, gêmeos! Vocês são demais! Sempre se atentando aos pequenos detalhes. Eu pensei que quase ninguém fosse perceber! hahaha

Danielle17: Outro acerto sobre os gêmeos! Empolgados pela a gravidez dela dessa vez?

dann: Aw, Narcisa é uma pessoa tão atenciosa. Ela pode não ser a Sra. Weasley, mas definitivamente ela é a melhor coisa que Hermione vai ter em Brampton Fort. Eu voto pela felicidade dela também. E com relação ao Draco e a Hermione, eu creio que eles tem se permitido demais nesses últimos meses e isso acabou criando um vínculo que está começando a gerar sentimentos. Eu ainda não os vejo gostando 100% um do outro, até porque eles tem um histórico de ódio muito mais longo que não dá pra ser quebrado com algumas demonstrações de preocupação aqui e ali, mas de fato o sentimento existe e nesse capítulo deu pra ver o quanto Draco está começando a se sentir ameaçado por eles. E eu também acredito que nessa altura ainda do relacionamento deles ela deixaria ele se tivesse a oportunidade. Na verdade eu acho que ela pensaria muito, mas ainda estou convencida de que a escolha final seria deixá-lo. Isso quer dizer que ainda tem muito o que se trabalhar com eles. E achei ótimo que você comentou sobre o lado bem humorado do Draco capítulo passado. Realmente eu acho isso uma qualidade essencial e o Draco a tem, mas ele nunca teve mesmo a chance de explorar esse lado dele de forma verdadeira. Por que eu o vejo vivendo uma alegria uma tanto falsa todos esses anos que ele se limitou a se entreter e procurar algum divertimento com mulheres. Ele nunca foi feliz verdadeiramente, ele ainda não teve a chance de se ver alegre, de se ver feliz, de explorar esse lado dele que nem ele mesmo conhece. Acho que capítulo passado ele acabou tendo uma amostrinha miserável do que é realmente se sentir descontraído e nesse capítulo ele conseguiu perceber o quanto a Hermione faz ele sorrir com facilidade. Como um bom covarde que há na essência do Draco, nada mais justo do que ele se amedrontar diante disso. E também acredito que ele vai acabar sendo o pai bobo só entre eles, pro resto do mundo ele vai continuar sendo o intocável Draco Malfoy mesmo se Voldemort vier a cair. Ah, e sim, a parte da decoração da casa eu mostrei porque vc comentou e eu achei super interessante também. Faz parte do processo de construção de laços e vínculos da Hermione com o entorno, com o novo mundo, com as novas pessoas que a cercam e com a nova vida que ela tem como uma Malfoy. Foi ótimo da sua parte ter ligado essa lâmpada no meu cérebro. hahaha Agora com relação ao sangue da Hermione, o pássaro no final do capítulo diz muito. Aposte nas suas teorias. hahaha E quanto a 50 tons de cinza, bom, até hj eu nunca tive um livro pra odiar ao ponto de querer jogar na fogueira. Eu acho que todo livro tem seu lado positivo, seu público alvo e essas coisas. Se o negócio foi publicado, obviamente que foi bem revisado. (dependendo da editora, claro) Eu não sou muito por dentro da categoria de romance erótico e acho que se li um ou dois livros nessa categoria foi muito, até porque se eu li não consigo me lembrar do nome e não sei se 50 tons de cinza iria ser o melhor livro pra me introduzir a essa categoria de literatura. Tbm acho que meu lado feminista iria reclamar bastante, mas por mais feminista que eu seja, há muito de tradicional em mim que acaba distorcendo o feminismo do meu ponto de vista. Mas de qualquer forma eu vou acabar dando a chance, acho que vale a pena e muito provavelmente eu vou acabar gostando porque não consigo odiar livros. haha Mesmo Twilight que é a coisa mais tosca dessa vida e que a crítica caiu matando conseguiu me comprar. haha Como eu disse, YAs podem ter todo o defeito do mundo dentro do mundo literário, ser mto cheesy ou mto clichê, mas ainda assim não consege deixar de ser uma das minhas categorias favoritas. Eu acho que as pessoas deveriam entender um pouco mais de história antes de falar de algum livro. Mas sei lá, eu não sou especialista nem nada, mas Jane Austen deve ter sido uma piada pro mundo literário da época dela e hoje os novels dela são apenas clássicos. Enfim, como vc disse e eu disse, entretenimento é entretenimento e deve ser visto sempre como apenas entretenimento. hahaha Obrigada pelo comentário!

Sra. T:  Acordando o amigo dormindo do lado néééé.... "amigo"... ok. HAHA Ah, eu adoro construir essa relação da Hermione e da Narcisa porque a Narcisa é uma personagem muito peculiar. Ela é uma Malfoy e ao mesmo tempo ela tem um bom coração. Essas duas coisas acabam entrando em conflito e criando o que Narcisa é, fria, porém atenciosa. E acho que a falta de amor e atenção tem feito ela se apegar a Hermione. Espero não ter estragado por completo toda a emoção do capítulo passado nesse capítulo de hj :( haha Mas muito obrigada pelo comentário! Não foi nada confuso pra mim!

Renata Di-Lua Lovegood: Eu fico toda sem jeito quando vcs elogiam a fic assim! Mas fico tão animada que esse tipo de comentário super levanta minha bola pra continuar a fic pra vcs (e pro meu divertimento tbm). Ah, e muito obrigada pela recomendação dos livros, eu nunca ouvi falar antes, talvez tenha, não sei. Se vc puder me passar o título em inglês fica muito mais fácil para eu achar e saber se já li ou não, se já ouvi falar ou não. E se não li pode ter certeza que vou ler! haha Obrigada pelo comentário! :) 

Cerejinha: Seja muito bem vinda!! Adoro leitores novos que se manifestam e vem dar o apoio a fic! E uauuu, eu não sei nem o que falar por ter sido essa inspiração pra vc ter tido força para escrever! Meus parabéns por ter tomado essa decisão e espero que você se divirta bastante no meu mundo de criatividade! haha Obrigada mesmo pelo comentário e pelo apoio! Pessoas como você que me dão a motivação de continuar!

M R C: Eu achei excelente que você tenha comentado sobre ter achado que ele estava se apaixonando muito mais rápido que a Hermione. As vezes o leitor ter mais essa visão do que eu que to escrevendo. A gente nunca sabe se colocou as palavras certas para traduzir e externar o que realmente está se passando na cabeça. O capítulo passado da Hermione foi essencial pra mostrar o que ta acontecendo na cabeça dela e que ela também está se permitindo e que os sentimentos também estão surgindo nela sem que ela tenha algum tipo de controle. E desculpa se sua esperança do Draco ser bonzinho agora que ela está grávida e que eles tem que salvar as crianças tenha tomando um rumo não muito interessante nesse capítulo, mas entenda que é por um bem maior! hahaha Ele precisa passar pelos conflitos dele. haha E quanto ao Oscar, realmente tbm achei q a cerimônia foi sem graça e eu acho que parte disso foi mesmo por causa dos filmes indicados. Tá que 2014 não foi lá essas coisas pro cinema, mas tinha filme que merecia estar no oscar que não esteve. Putz, pra mim nightcrawler não ter entrado no negócio foi o fim. A progressão com que a história se desenvolveu é impagável...  Depois toda a sina com boyhood (q sim, filme de tv haha) e birdman. :( #decepção haha Enfim, muito obrigada pelo comentário! :)

Jess Mesquita: Adoro ver vcs se questionando sobre o passado da Hermione, a linhagem dela e essas coisas. Sei que pode paracer meio mal da minha parte, mas é muito legal ver vocês chegando cada vez mais perto de uma solução. Acho que amaciei capítulo passado pra vcs pra deixar o coração de vcs felizes pra receber esse capítulo de hj. Espero não ter estragado todas as emoções. haha E tbm concordo que 50 tons de cinza não seja nada de mais e que a trilha sonora foi, de fato o melhor do filme todo. haha Quando começou o filme com i put a spell on you eu já virei pra minha amiga "wohoo! Já vi que vou gostar." hahaha O livro vai entrar pra minha lista de próximos para ler e não acho que vou considerar um tempo gasto, acho até provavel que eu acabe gostando. hahaha #sempreconceito Ah, e não se importe com comentários grandes, eu amo. haha Obrigada pelo apoio!

Taysi: Vc não é a única que curte NCs, a maioria do pessoal curte e está sempre torcendo pra essas cenas acontecam. Eu não sou muito fã de como NCs são abordadas em fanfics. Eu não tenho um histórico extenso com fanfics e não li de tudo que já tem por aí, mas as fanfics que li me decepcionaram muito com a parte das NCs. Muito autor considera sexo fonte de amor e eu acho isso super errado. Sentimentos não devem surgir na cama ou no quanto fulano é bom de sexo e no quanto eu não paro de pensar em fulano pq ele me deixa toda molhada. Sexo com sentimentos é uma consequência de um envolvimento muito maior e eu não gosto de pensar que Draco e Hermione se envolvam tão superficialmente assim. Sexo sem sintimento é o que Draco tem com Pansy e que ele tentou ter com Hermione, mas outros fatores externos a cama fez com que as coisas mudassem. Eu acho que eles, Draco e Hermione, são dois personagens de caráter muito forte e que precisam de muito mais do que apenas sexo. Por isso fico feliz que você tenha enxergado o que eu tentei passar com o capítulo passado. Eles se aproximam um do outro muito mais e se apegam e criam sentimentos um com o outro muito mais quando estão apenas conversando do que quando estão fazendo sexo. E eu tbm to tão animada com vcs estão animados que sejam gêmeos. Eu não estava certa se era a melhor das ideias, mas vocês estão dando uma super força! hahaah E se vc se cansou de se surpreender positivamente com cada capítulo, eu já vou me apressar e pedir desculpas por acabar te surpreendendo negativamente com esse. :( E vc tbm perguntou da Pansy, aí está a maldita. haha Quanto a Hermione ajudar o Draco na guerra mesmo grávida, aguarda os próximos capítulos babe! haha E quanto ao Harry ver logo a senhora Malfoy, paciência que a Ordem vai entrar no momento certo! hahaha E quanto a 50 tons de cinza, não tem nada que me irrite mais do que diálogo tosco e desnecessário. Se o diálogo não vai acrescentar em nada na história, resume ele num parágrafo e fim, segue em frente! Eu fico indignada que existam revisores que não dão esse tipo de toque num autor porque as vezes nem tudo que vc se divertiu escrevendo vai ser divertido pra outra pessoa ler. Dura realidade, mas verdade. Fico indignada que essas coisas sejam publicadas como obras literárias quando poderiam ter sido melhor lapidadas. Bad bad publishers! Não é nem culpa do autor. Mas as vezes quando isso acontece, se o plot for bom eu até deixo passar. Eu tbm não me importo com a linguagem simples e repetitiva. Livros assim são bons pra quando você não está no clima de ler algo denso e profundo que vai mudar seu jeito de pensar ou enxergar a vida. haha De qualquer forma, concordo com você em deixar de lado as críticas e as partes ruins e apreciar a história das personagens. Vou ler e assim que terminar venho aqui contar pra vcs qual foi o resultado final. haha Obrigada pelo comentário!

the: Sua vontade é uma ordem! Aí está o um capítulo com a perspectiva do Draco! haha Não muito confortante, né? De qualquer forma, o capítulo vai como presente para o seu aniversário! Quantos anos? Um super parabéns e um super abraço! Espero que vc se divirta bastante no seu dia e muito obrigada por acompanhar e apoiar a fic com seu comentário!!








obs: Capítulo não revisado. 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 14

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Larii Malfoy em 12/11/2015

Pois bem, agora são 23:30, eu preciso acordar cedo amanhã, mas eu estou aqui lendo! kkkk

Uma das melhores que eu já li!! Se você algum dia escrever um livro, eu compro :) 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lisa Granger em 22/04/2015

Aii desculpa dei uma sumida, tava toda enrolada procurando um internship, todo meu tempo livre era mandando email rsrs. Eu to morando agora em illinois, em carbondale, ja ouviu falar? fica  5 hrs de chicago, to estudando na SIU. Eu fui no winter break pra california, fiz uma road trip, amei San Diego de paixão meu sonho era ficar morando por la mesmo. Eu vou embora agora em agosto :/.

Agora sobre a fic, eu li os três ultimos caps de uma vez,  estou meio abalada ainda. nos dois anterios tava tudo indo maravilhoso entre eles, a cena fofa da varanda, eu aqui pensando nossa agora vai, agora eles vão deslanchar, eis que acabo de ler esse capitulo e recebo essa BOMBAAAA!! tudo o q eu penso é que MERDA o Draco tem na cabeça, sério??? pq ele voltou para Pansy?? Eu sei que vc disse que tem o motivo, que precisa isso acontecer, mas acho q no momento estou tão ou mais desiludida da vida com ele que a Hermione. Estou até querendo que ela se envolva com o theodoro só pro Draco ter um gostinho tbm. Agora que ele se tocou dos sentimentos dele e depois do ele fez, eu quero que ele tenha que correr atrás da Hermione pra consquista-la.

GEMEOS???!! Ai meu deus, como o tio Vold vai reagir a isso, to com medo já por antecipação!!

Quanto esses sonhos loucos da Mione com uma mulher, to aqui pensando uma mulher poderosa que tem relação com Merlin, será que ela é filha da Morgana?? me diz se cheguei perto no chute, to morrendo de curiosidade com essa parte da história.

Bem nem preciso dizer né que como sempre os Capitulo ta MARAVILHOSO, ansiosa pelo próximo dia 4.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Anne Lizzy Bastos em 15/04/2015

Vc deve se lembrar da forma que eu insistir para que o Draco não traisse a Hermione. Naquela época, ao meu entender, isso causaria mais impacto na Hermione do que eu achei que causou. Pode ser que ela tenha fingindo, ou não, mas eu esperava que isso fosse mais forte pra ela. Não sei também se ela mentiu quanto ao dizer que não ama o Draco, e eu fiquei bem triste com isso. Ela é mais forte com sentimentos do que eu esperava. Principalmente depois desta recente ligação de ambos, pensei que ela já sentisse algum sentimento por ele. Pode ser que sinta, só não quiz falar não é mesmo?
Quanto a traição de Draco, eu fiquei bem feliz dele se sentir culpado depois. Melhor ainda foi ele ficar comparando a Pansy com a Hermione. Isso mostra que por mais que ele tente negar, ele prefere a Mione muito mais que qualquer mulher. Acho que esse acontecimento, poderá mudar o relacionamento deles, e eu ficaria grata em não presenciar ele traindo ela novamente.
Esse novo jogo de ambos, sobre fingir ser o casal 20, é perfeito! Achei essa idéia o máximo ! Tomara que isso torne mais frequente no próximo capitulos, e eles sejam tão bons na atuação que isso chame a atenção de todos. Eles serão tipo Brad Pitt e Angelina Jolie do mundo bruxo né?
Querendo saber o dia em que a Ordem descobrir que ela é senhora Malfoy. Eles por acaso não lêem Jornais? Pela amor de Merlin, já faz um ano e esse povo ainda não descobriu ?kkkkkk
#QuemorraVoldemort!!!
Bjs
Anne Lizzy Bastos 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por jakelinealvesleal em 08/04/2015

AI MEU DEUS!

que capitulo foi esse

pensei que fosse infartar,no meio da leitura.Que casal mais.............

é tanto amor reprimido(talvez amor seja um pouco forte mas...),que lindinhos 2 bebês OMG 2!

você não estragou nada minha reação não-talvez um pouuuco,mas isso foi legal,voce me derrubou do cavalo legal,mas acredite isso foi bom!

O capitulo ficou demais,amei(como sempre)

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Norelle Pereira em 08/04/2015
Esse foi um dos capítulos que passei do auge ao fundo do poço em minutos de tantas emoções. Os capítulos do ponto de vista de Draco são sempre intensos, cheios de tensões e incógnitas. Draco é um homem difícil, que apesar de forte passou por uma decepção grande na infância/adolescência de ver seu herói se tornar um vilão sem escrúpulos e sem caráter. Nasceu e cresceu com o peso de ser um Malfoy, sempre tendo que representar e atuar, quase tão vital quanto respirar. E essa relação com a Hermione, faz com que perceba que não precisa atuar o tempo todo, que certas convicções estão caindo e que ele não é o pai dele, por mais que fisicamente sejam semelhantes e criados nos mesmos ideais. Se não fosse isso ele não teria ficado com a consciência pesada, acredito que até um pouco de remorso e certamente lá no fundo arrependido de causar essa decepção a Hermione. A relação deles estava perfeita demais. E ele entrar em conflito com ele mesmo fará com que cresçam e perceberá que nem todo mundo precisa estar jogando o tempo todo. Hermione foi das nuvens ao inferno, mostra sempre a grifinória madura, guerreira e invencível que és. Ao se tornar uma Malfoy trouxe muita mais força e vitalidade a ela, que apenas aperfeiçoou o que já era bom. E acredito que apesar de Draco a decepcionar ela jamais será desleal ao casamento deles, por mais que ainda não se amem, não acredito que ela conseguiria ter qualquer relação extraconjugal. Seus princípios jamais deixariam isso, apenas de ter mudado, sua e essência e sua consciência não permitiriam. Theo gosta de testar Draco, né?! Oh ser petulante. Mas acredito que como Theo sabe que Hermione é uma pessoa que as emoções trabalham junto com a racionalidade, ele gosta de jogar com ela, a deixar mexida, mas sabe que no fundo não tem chance. E Pansy, hein?! Apesar de perceber a importância dela para a relação do casal, não consigo ir com a cara dela. Hermione dizendo que Pansy sempre quiz o status de ser uma Malfoy e não conhecer profundamente Draco, externou uma das opiniões que tenho sobre Pansy. Compreendo que ela foi educada, ensinada e cresceu pensando que deveria ser e pertencer a uma grande e renomada família. Mas não passa de uma simples acompanhante de luxo obcecada por um futuro com um homem impossível. Fico com pena dela, uma mulher que poderia ter tudo, criada com o melhor, elegante mas que uma obsessão fará com que termine sozinha e sem nada. Espero que ela amadureça e que quando for crucial consiga ser um pouco altruísta e pensar no melhor dos outros antes do dela própria. E não tem como terminar sem externar meu pensamento de mulher casada: Oh Draco cachorro!!! Pra quê fez isso homem?! Que decepção! Hehehehe
Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Jessyca Black Malfoy em 07/04/2015
 
 

Faço minhas palavras as da Christiane Martins: "Esse é exatamente o tipo de capítulo que faz os seus leitores surtarem. Eu estou surtada nesse momento!!!!! OMG!!! O fato do Draco cair na real e não saber lidar com isso foi incrível. Sério, dá pra sentir na pele todo esse conflito interno dele. A P ansy como voz da consciência também foi incrível. Esse para mim foi o melhor capítulo de todos".

Fic maravilhosa, todos os capitulos são maravilhosos.. e por favor... poste logo o próximo estou morrendo de ansiedade! :*

 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Sra.T em 06/04/2015

Eu preciso compartilhar minha indignação, eu fiz O comentário, com uma mega analise psicologica do Draco e tava começando o lado da Hermione quando a pagina do NADA deu um erro, ficou toda branca com umas letrinhas e eu fiquei "MDS, PORQ? EU NEM ATT A PAGINA" eu acho que vou chorar de frustração! Mas eu amei e odiei o capitulo e meio que consigo entender a cabeça do Draco e o lado da Herms,

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Christine Martins em 05/04/2015

Esse é exatamente o tipo de capítulo que faz os seus leitores surtarem. Eu estou surtada nesse momento!!!!! OMG!!! O fato do Draco cair na real e não saber lidar com isso foi incrível. Sério, dá pra sentir na pele todo esse conflito interno dele. A P ansy como voz da consciência também foi incrível. Esse para mim foi o melhor capítulo de todos!!!! Beijo
Ps: Montei até uma trilha sonora para ouvir enquanto leio  

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Annistorm em 05/04/2015

Primeiramente gostaria de dizer que após terminar de ler esse capítulo tive de tomar um tempo pra mim, pra pensar. Quando li os últimos pensamentos do Draco fiquei encarando a tela do computadorr por alguns segundos sem saber o que fazer até que decidi por tomar um banhso e só depois tecer meu comentário. 
Foi a terceira vez que acessei o site hoje em busca da sua atualização e você não tem noção do gritinho retardado que soltei ao ver att 04.04. 
Certamente esse capítulo está entre os meus 3 favoritos, sinceramente Fran, quando acho que você não pode me surpreender mais PAM levo um tapa na cara com esse capítulo simplesmente magnífico. 
GÊMEOS? SOCORRO juro que não estava esperando por essa, talvez eu seja um pouco lerda, mas a hipótese nem tinha passado pela minha cabeça. Imediatamente após a surpresa, comecei a sorrir feito boba porque a ideia de dois mini Malfoys é demais pra mim <3 mas devo confessar que os problemas dos dois dobraram e eu entendo a angústia da Herms. 
Draco apareceu com a solução P E R F E I T A usa da imprensa,da curiosidade e simpátia que as pessoas já sentem por eles, simplesmente BRILHANTE, uma saída de mestre. Estou louca pra ver essa "encenação" toda. Aliás, quase caí pra trás com a cena do quarto e dos "te amo". 
Juro que eu me afastei da tela do computador pra ver se eu tinha realmente lido aquilo.  
Não estou com raiva do Draco pelo que ele fez, na verdade, já esperava que ele fosse fazê-lo. É demais pra ele suportar e começar a perceber a proporção dos seus sentimentos por ela. Ao mesmo tempo, ele é ingênuo por classificar isso como "sentimento diferente" quando a verdade é que ele a está amando. Não está apaixonado, está amando. Ele tem todos os sintomas de um amor real, a sua própria maneira. Paixão se resume a algo urgente, louco, insando e, apesar dele estar perturbado com tudo isso, o sentimento que ele vem sendo construído por ele é muito mais forte que uma paixão, esta pautado nos detalhes do dia a dia. 
Me surpreendi com o fato dele ter contado pra ela, na hora pensei "Não. Você não fez isso seu idiota" mas ao mesmo tempo fiquei orgulhosa. A culpa que ele carregava era tão grande que só foi amenizada após o desabafo. 
Já sabemos que a Hermione também sente algo por ele, o sonho demostrou muito bem isso e a reação dela após o ‘eu te amo‘ foi típica de uma pessoa assustada, que se nega a usar as palavras porque aquilo tem sentido pra ela. 
A discussão do final apimentou as coisas e estou louca pelo próximo, pelo amor de deus. 
Enfim, a maneira como o capítulo foi escrito e desenvolvido merece todos os elogios do mundo, de verdade. Espero capítulo logo ( tenho certeza que vou reler esse pelo menos 5 vezes no decorrer do mês)
Beijos, Anni.

OBS: aqui o link da continuação da maravilhosa Hallelujah  XD https://www.fanfiction.net/s/6788102/1/The-Story-of-O

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Mimi Potter em 05/04/2015

Nesse loko mês de março eu fiquei super enrolada e meu comentário normal não saiu no capítulo passado, mas queria comentar sobre minha teoria sobre a linhagem da Hermione.

Fiquei pensando sobre isso por conta do sonho e com toda essa história sobre a Ordem de Merlin. E mesmo que eu tenha toda a paciência pra esperar o desenrolar dessa história não consegui deixar de pensar na relação possível entre a descendencia da Hermione com a Ordem de Merlin e como isso tudo pode estar relacionado a Avalon. É um chute bem no escuro, mas e se Hermione é uma descendente da linhagem que hoje seria de Merlin ou da Senhora do Lago...

Queria compartilhar e se tiver certa depois direi q chutei primeiro hahahaha

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Landa MS em 05/04/2015

Mega zangada agora. O site não registrou meu coments anterior.  Tinha sido o maior até agora e a nao registrou. Olha prometo responder melhpr agora que vou poder comprar meu note novo. Mas pra deixar mega claro. Amo demais p
os pontos de vista do Malfoy. Prometo responder mais decentemente  da proxima.

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Taysi em 05/04/2015

ATENÇÃO, COMENTÁRIO ENORMEEEE!

Eu sei que estou sendo, talvez, um pouco impulsiva e me deixando levar pelo momento, depois de acabar de ler esse capítulo. Só que eu não posso deixar de tê-lo, agora, nesse momento, como o meu capítulo preferido. Realmente, ele está em primeiro lugar na minha lista.

Fran, eu não sei o que vai ser de mim, quando CIDADES DAS PEDRAS chegar ao fim. Você chegou a comentar que pretender finalizar essa história ainda em 2015 e isso me deixa entristecida, tamanha a minha paixão por esta fanfic. Eu espero dia após dia, até a virada do mês e a chegada do bendito dia 04 para poder suprir essa necessidade de viver todas as fases e transformações desse relacionamento entre Draco e Hermione.

Nesse capítulo 29 eu senti tantas coisas! Eu demorei quase duas horas para terminar de lê-lo. Eu parei em algumas partes pra poder ficar bege e chocada sem limites hahaaha; Parei outros momentos para me emocionar e suspirar em relação às descobertas sentimentais de Draco por Hermione; Travei a leitura para fechar os olhos com as mãos em total descrença quanto à tentativa, deliciosamente, frustrada de Draco transar com Tina #adoreiqueelenãoconseguiu hahahaha ; parei com cautela e elevação total de pensamento quando Pansy entrou nesse capítulo (Um dos capítulos passados, eu comentei, em relação às muitas leitoras que imploravam para que Draco não traísse Hermione, muito menos com a Pansy. E escrevi que eu não gostaria de uma traição dele para Hermione, mas que eu adoraria que, se isso tivesse que acontecer, e ele quisesse bancar o macho alfa, que não queria aceitar os sentimentos que se transformavam nele, então que acontecesse e que ele percebesse o quanto Hermione era melhor e diferente de Pansy ou qualquer outra mulher. Que ele a traísse para começar a se dar conta que seria inútil). E não posso deixar de admitir que não sofri nenhum um pouquinho por ele ter mesmo transado com Pansy, a cada instante que ele lembrava de Hermione hahahahahahahahaha

Confesso que saber que agora Draco e Hermione, a princípio, vão começar nessa teimosia de quererem tentar voltar para como eram no início do casamento, me deixa um tanto quanto frustrada. Ok, isso não é o fim do mundo pra mim, mas eu adoraria que depois desse fracasso com a Pansy, e com tantos sentimentos e vontades por Hermione, que Draco ficou o capítulo inteiro remoendo, e até mesmo podendo constatar visualmente através das fotografias públicadas (P.S: o que me fez parar pela quarta vez de ler para simplesmente eu poder derreter de alegria e rir feito uma idiota hahaha), que ele por mais transtornado que estivesse, não fosse realmente querer acreditar que era um jogo de Hermione que estava fazendo ele se tranformar em um outro homem, com outros e melhores sentimentos e vontade. Pelo menos espero que não dure muito essa teimosia e medo dos dois.

A única coisa mesmo que não gostei foi o efeito das palavras de Pansy tendo efeito nele, sobre o tal jogo e tal... E também sobre ele recriminar Hermione por tê-la ameaçado - nesse momento eu não gostei nadinha do Sr. Malfoy. Aff!

Ah! E eu SABIA que ele até o fim do capítulo, ia confessar a traição! #acheidigno . Agora, to curiosa para saber os sentimentos da Hermione. Talvez, no próximo dia 04, saibamos a versão dela, depois de tantas novidades e acontecimentos. Espero que ela também esteja beeeeem doidinha em relação ao Draco hahaha

Quantos aos gêmeos, é amor demais por eles já! Em relação a ideia de Draco querer encenar a família feliz para todos, eu simplesmente amei e to achando que por mais que a ideia seja "atuar", vai ter muita cena feliz e de verdade entre essa família. Tipo, eu preciso acreditar, que está mais perto deles dois aceitarem as mudanças de relacionamento e sentimento um para com o outro. Eu sei, estamos falando de Dramione, mas a tendência é que melhore a relação deles, né?! Diz que sim, Fran!! hahaha

Outro momento em que tive pausar a leitura foi quando aconteceram os forçados "eu te amo". Pisquei várias vezes e reli. Não senti verdade mesmo hahaha - uma pena, já que eu torço por amor verdadeiro no fim da história de Draco e Hermione. Mas fiquei alegre quando nos pensamentos do loiro ele admitiu que tinha alguma verdade relacionada naquela encenação ... O formigamento ao falar para Hermione que ele a amava não era de todo uma mentira... Muito confuso e superficial esse nível de assunto e sentimento pra ele, mas, bom saber que lá no fundo, onde não dá pé, ele soube que um pinguinho de verdade existe hahahahaha

Acho que não esqueci de nada!! Capítulo passado, o 28, esquecei de dizer que fiquei BOLADASSA com a mulher do sonho da Hermione, mas eu sou meio lentinha para essa parte da história, não consegui chegar a uma conclusão certeira. E adorei a conversa de Hermione e Narcisa. Elas merecem ser amigas até o fim da fanfic, será ótimo para as duas. P.S: Hermione aprendeu com Draco a deixar o frio tomar conta dela para que ela possa pensar com mais clareza e não explodir com a cabeça quente! amei muitoooo isso

Mulher de Deus, AMO DEMAIS capítulos enormes... Tipo, é só levar em consideração a ENORMIDADE dos meus comentários hahhahahaha

(Se puder, faça a alegria de leitoras fanzaças de CIDADE DAS PEDRAS, e nos presentei com um capítulo no meio do mês!!!)  Eu entro praticamente todos os dias pelo cel, pra ver se não é o dia de sorte e antes do dia 04 ter atualização aqui!

OBRIGADA, MIL VEZES, OBRIGADA POR SER MARAVILHOSA!!!

Até o próximo capítulo, queridona! Beijos 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Cerejinha em 04/04/2015

Dizer que amei seria pouco... Esse capítulo esta demais *-* ver as coisas pelo lado do Draco ( nao pelo fato que amo demais os Malfoy) mais colocam as coisas mais nítidas e a história passa a ser mais eletrizante 
Garota nao demore a postar o próximo to supeeeer ansiosa

Beijinhos de Cereja! 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Mimi Potter em 04/04/2015

Nossa, pobre Draco. Sério,  deve ser altamente perturbador finalmete ser dar conta que caiu numa armadilha do destino, ainda mais com esse nível de ironia. Ele e Hermione não estão lidando nada bem com a noção que estão tendo dos sentimentos que tem pelo outro. Os dois estão entrando numa desconfiança que vai criar uma teoriz da conspiração para acharem aue isso é um jogo do outro. O que não faz qualquer sentido racional considerando a situação que eles estão,  mas beleza, vai ser muito divertido de ver eles brigando um com outro e nas situações extremas ficarem juntos e fofos de novo. Se a Pansy já tava chateada antes, então agora ninguém vai consegui segurar a mágoa dessa menina. Quero ver quando ela e hermione se encontrarem cara a cara de novo hahahaha E o querido casal bennet nisso? Eles vão bancar os super amigos nessa nova fase de gravidez da hermione com ela e draco "fingindo" serem o casal do século?  imagino até que ponto eles vão perceber que o mestre tem interesse nos dias gemeos malfoy...fiquei também me perguntando se o draco e o lúcio vão colocar o bennet no círculo interno. Se eles vão ter que dar esse golpe com tal velocidade vão precisar de mais e mais aliados.

Anarcisa  me parece tomar consciência cada dia mais da relação que draco e hermione tem. Imagino o quão satisfeita ela deve estar com isso. 

 

Mudando  de assunto... estou perturbada com a situação de house of cards. Essa temporsda foi muito inconclusiva e instável.  quero só ver no que isso vaidar. Tô achando que os 3 primeiros capítulos da próxima temporada vão ser muito decisivos.  Minha digitação tá péssima pq estou digitando no tablet em viagem hehe em casa comento melhor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.