FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

12. Capítulo 12


Fic: CIDADE DAS PEDRAS - Draco e Hermione - Concluída


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 12


 


 


Hermione Malfoy


 


 


Voltou a consciência e ainda de olhos fechados pode perceber o ambiente claro no qual se encontrava. Respirou fundo e soltou o ar com calma. Abriu os olhos devagar e encontrou o teto abobadado do quarto onde dormia todas as noites. Sentiu seu corpo exposto e descoberto. Tentou mover-se minimamente e sentiu-se dolorida. Seus lábios se esticaram num sorriso discreto sem que ela pudesse perceber. Havia perdido a conta de quantas vezes Draco havia feito com que ela atingisse seu clímax na noite passada. Aquilo estava acontecendo com frequência quase todas as noites já fazia mais de uma semana. Ela já não sabia mais onde buscar forças.


 


Virou a cabeça e o encontrou deitado sobre a barriga ao seu lado. Um de seus braços estava jogado desleixadamente sobre ela e sua respiração era a mesma pesada de todas as noites. Hermione achava incrível como ele sempre parecia tão inocente com as feições relaxadas, os olhos fechados, os cabelos bagunçados e o rosto liso. Ela suspirou e seu sorriso morreu. Ele não era inocente. Sabia que ele não era nem um pouco inocente.


 


Olhou a janela do lado oposto e viu o dia cinza do lado de fora. Por um segundo ela lamentou por não ter o sol e no segundo seguinte a realidade lhe bateu.


 


-       Draco. – o chamou escutando a própria voz fraca, fina e falha. Ele não respondeu, sequer se mexeu, e Hermione estranhou o quanto ele parecia estar tendo um sono pesado. Draco tinha um sono muito leve até onde ela havia notado. – Draco. – o chamou novamente e dessa vez ele soltou algo num murmúrio baixo, mas sem mover um músculo sequer. Hermione arrastou a mão hesitante até ele e o tocou nos cabelos fazendo seus dedos deslizarem sobre os fios loiros. – Draco. – o chamou com a voz mais limpa e clara dessa vez.


 


Demorou alguns segundos para que ele abrisse os olhos cinzas e tentasse se localizar no espaço e tempo. Eles trocaram olhares rápidos até ele conseguir recobrar por completo a consciência, desviou o olhar dela, ergueu um pouco do tronco para olhar a janela e perguntou:


 


-       Que horas são?


 


-       Tarde. – ela respondeu sabendo que não importavam as horas. Estavam muito atrasados de qualquer maneira.


 


Ele precisou se apoiar no colchão passando por cima dela para alcançar o relógio na cabeceira. Olhou as horas e soltou um palavrão. Saiu da cama e Hermione puxou os lençóis para se cobrir enquanto sentava-se para o ver andar nu pelo quarto tentando encontrar o casaco de sua farda. Ele não tinha nem idéia do quanto era sexy fazendo aquilo, e com o passar dos dias ela se descobria fascinada por observá-lo andar pelo quarto sem roupa, apenas como veio ao mundo. Não havia como expressar as sensações que seu corpo respondia ao ver a figura imponente e intimidadora que ele todo era. Tudo nele parecia bem trabalhado, bem esculpido, bem simétrico. Talvez fosse o sangue dele, a linhagem da qual vinha.


 


-       Vai a catedral comigo? – ele perguntou parando e a encarando como se já estivesse preparado para agredi-la verbalmente por estar parada na cama.


 


-       Não tenho planos de fazer com que você se atrase ainda mais. – ela resolveu não provocá-lo já que não tinha ânimo para começar e vencer uma discussão logo pela manhã. – Vou depois do meio-dia.


 


Eles trocaram olhares em silêncio por alguns segundos como se esperassem que em algum momento um deles fosse obrigado a começar a discussão e ali parecia que nenhum deles realmente estava disposto. Draco se aproximou, pegou o relógio do seu lado da cabeceira e seguiu para o banheiro. Hermione se viu sozinha no quarto, fechou os olhos e esperou ansiosamente pelo som das duchas. Não demorou e ela foi capaz de as escutar.


 


Quase que num pulo desceu da cama carregando os lençóis, abaixou-se e abriu a última gaveta de sua cabeceira. Puxou dali uma pequena caixa de madeira, a abriu e tirou o último frasco da ordem que ainda havia. Virou a poção de uma vez e sentou-se na cama novamente apertando os olhos sentindo o gosto amargo descer pela garganta e torceu para que o líquido pudesse fazer efeito mesmo depois das horas perdidas. Ela não podia engravidar. Não podia! E sua única opção era usar aquele método primitivo e ineficiente de poções individuais já que não podia deixar nenhuma pista em sua varinha de que andara fazendo feitiços de proteção. Sabia que poções como aquela eram de efeito imediato e deveriam ser consumidas logo após o ato, mas ela também não podia fazer aquilo na frente de Draco.


 


Não sabia o que iria fazer agora que seu estoque havia acabado. Ela mesma havia as fabricado após a primeira noite deles. Era uma poção fácil e rápida que não necessitava de muitos ingredientes em grandes quantidades, mas não podia arriscar fazê-las novamente, primeiro porque faltava um dos três ingredientes no estoque antigo e vazio da casa de poções, segundo porque comprá-lo numa das lojas do centro poderia ser uma grande pista que muito provavelmente chegaria aos ouvidos de Lorde Voldemort que parecia monitorar cada pedra de Brampton Fort, terceiro porque caldeirões sabem guardar um princípio mágico de poções feitas regularmente.


 


Hermione suspirou, empurrou tudo para dentro da gaveta novamente e a fechou com força. Levantou-se e sentiu seu corpo sujo. O suor da noite passada havia deixado sua pele pegajosa e o cheiro de tudo que haviam feito antes de caírem no sono parecia emanar dela. Largou os lençóis e foi até o banheiro descendo para detrás do paredão e encontrando-se com Draco ao chegar as duchas.


 


Os olhos dele seguiram ela, mas ela não se importou tratando-se de se colocar debaixo d’água sentindo o calor confortá-la e varrer seu corpo. A sensação de estar sendo limpa era gostosa e ela se deixou molhar os cabelos fechando os olhos e apreciando o momento.


 


-       Temos a Cerimônia de Inverno hoje. – ele disse fazendo-a se lembrar de que ele ainda estava ali. – Portanto não precisa...


 


-       Arrumar o jantar. – ela terminou para ele. – Sei disso.


 


-       Esteja em casa e pronta as nove em ponto. – ele concluiu e saiu antes que ela pudesse argumentar qualquer coisa.


 


Inverno era a estação mais adorada de Lorde Voldemort e como demonstração de seu imenso afeto pela paisagem cinza, a natureza morta, a noite prolongada e o vento gélido, era oferecido todo ano uma importante cerimônia de iniciação da estação para a alta sociedade de todos os fortes do grande imperador das trevas. Os Malfoy normalmente não participavam com frequência de comemorações festivas, mas aquela em especial era uma das quais não podiam simplesmente ignorar porque fazia parte da tradição do governo do mestre.


 


Hermione não estava animada para mais um evento social onde a mídia estaria presente. Teria que fazer o árduo trabalho de manter com frequência um sorriso no rosto, ser educada com uma lista de pessoa das quais odiava e procurar assuntos entediantes para discursar. Se ao menos Luna pudesse estar lá. Mas ela não estaria. Embora ela houvesse sido liberada a alguns dias atrás para morar em Whitehall, a loira não fazia parte da alta sociedade de Brampton Fort portanto estaria livre para fazer qualquer outra atividade dentro da catedral sem poder chegar perto da ala principal.


 


A água quente adormeceu seus músculos e lavou seu corpo. Ela abriu os olhos e passou os dedos ao redor do rosto. Um nó repentino subiu para sua garganta, seus olhos marejaram e ela se segurou. Tinha que parar de se martirizar. O que Harry pensaria dela se tivesse a chance de colocar os olhos nela agora? O que ele pensaria se soubesse que ela havia ido para cama com Draco Malfoy? E se ele soubesse que ela havia gostado e que gostava de todas as vezes em que eles duelavam durante o sexo? Na verdade, de todas as vezes que faziam sexo! Ah, se ele soubesse... Se ele soubesse a vida que ela tinha agora, as roupas que usava, o tesouro que tinha no seu cofre em Gringotes, as comidas que comia, os vinhos que bebia... Soluçou sabendo que qualquer lágrima que estivesse escapando de seus olhos estavam se misturando com a água do banho.


 


O sentimento de traição a acompanhava todos os dias junto com todos os outros desejos que seu corpo despertará desde a primeira vez que Draco e ela haviam estado juntos. Ela esperava o contrário de tudo que estava acontecendo. Nunca havia esperado que mesmo com todo ódio que tinha por Draco, seu corpo sentia que precisava entrar naquele jogo que começavam todas as vezes que se permitiam tocar um ao outro. Cobriu o rosto com as mãos sentindo vergonha. Seu coração apertou forte em seu peito e ela soluçou mais uma vez.


 


Era isso que Voldemort queria, não era? Era aquela vida que ele esperava que ela tivesse, não era? A vida carregada da culpa daquilo que ele a obrigava a fazer. Ela sentia que definharia não sabendo o que mais a consumia, a vergonha, o sentimento de traição ou a culpa. Aquilo era tão difícil de se viver. Naquele momento ela apenas preferiria ser jogada em uma masmorra, parecia muito mais fácil e ela havia se preparado para aquilo caso fosse pega, não para o que estava vivendo.


 


Permitiu que expressasse sua vulnerabilidade até conseguir juntar as forças para retomar a postura e terminar seu banho. Chorou sabendo que havia prometido a Harry que sempre estaria ao seu lado e agora simplesmente não podia mais estar.


 


Assim que seguiu para o closet tentou ocupar a mente na sua difícil tarefa diária de se vestir. Deixou-se quebrar a cabeça diante de suas roupas e quando finalmente encontrou uma adequada, a vestiu e se olhou no espelho. Estava ótimo como sempre. A cada dia ela demorava menos para finalizar aquele serviço. Logo que se moveu para móvel de suas jóias, sentindo-se um pouco melhor por ter percebido seu avanço miserável no mundo da moda que agora vivia, parou e sofreu alguns segundos de confusão ao ver uma pequena caixa de veludo com o emblema de uma das caras lojas do centro. Aquilo não estava ali antes. Hermione a pegou e a abiu podendo então ver a perfeita peça de ouro para seu pescoço. Era tão lindo que ela não pode deixar de perceber os músculos seus rosto se esticando para abrir um sorriso discreto. Quem quer que tivesse feito aquilo era um verdadeiro artista.


 


Ela fechou a caixa sabendo que Draco havia a posto ali. Ele normalmente ordenava a Tryn que entregasse seus presentes a Hermione e dissesse em que ocasião deveria usar, mas parece que dessa vez não foi preciso e ela foi capaz de entender perfeitamente que aquilo deveria ser para a cerimônia de inverno mais tarde. Obviamente que ele não estava tentando agradá-la, aquilo não passava de ordens que ele deveria cumprir. Muito provavelmente Narcisa havia dado algum toque a ele sobre seu baixo estoque de acessórios visto que ela mesma não tinha paciência para frequentar o centro e gastar o dinheiro que não era seu em artigos caros como aqueles. Seu estoque já era muito mais do que ela imaginara ter algum dia na vida, mas aos olhos de Narcisa, não importava a quantidade de brincos, colares e anéis, sempre seria precário.


 


Hermione terminou todo o serviço. Olhou-se no espelho, colocou-se de lado e desenhou seu perfil para constar de que tudo estava exatamente no formato que ela conhecia. Fechou os olhos e respirou fundo. Esperava realmente que aquela poção servisse para alguma coisa. As vezes pensava que não deveria se preocupar tanto. Nunca havia feito sexo com tanta frequência e sem proteção, mas uma semana e um vacilo aqui e ali como o da noite passada não poderia tão facilmente engravidá-la. Abriu os olhos e se encarou. Realmente esperava que não.


 


Deu as costas e saiu do quarto. Quando passou a descer as escadas Tryn apareceu carregando um bolo de pergaminhos lacrados. A elfa informou que havia recebido aquilo durante toda a manhã, mas não queria perturbá-la pois sabia que estava dormindo. Hermione pegou o pacote e passou a destrinchá-lo quando se sentou rapidamente para a refeição leve do almoço. Eram todos de Jodie. A mulher procurava por informações e perguntava muitas vezes se ela iria a Catedral ou se poderia dispensar os mentores. No final de tudo ela enviou que havia dispensado os mentores e que estaria na catedral aguardando por informações.


 


Hermione respondeu a mulher informando que estava a caminho e que se explicaria assim que pisasse os pés na Catedral, chamou Tryn e pediu que ela despachasse uma das corujas mais rápidas com sua resposta, se levantou, saiu de casa e tomou seu caminho diário entrando na cabine de sua carruagem e esperando pelo tempo que levaria até a colossal estrutura de Lorde Voldemort.


 


A catedral fervia em plena atividade quando ela desceu no pátio principal fazendo a alegria da mídia. Muitas pessoas voltavam do horário curto e livre do almoço e Hermione tentou se camuflar no meio delas. Subiu para a sessão das cidades e passou direto por todos os corredores sem perder tempo se identificando. Todos ali sabiam quem ela era e aquele protocolo de identificação sempre a irritava. Quando finalmente entrou em seu salão encontrou Jodie fechando o pergaminho que escrevera antes de deixar sua casa.


 


-       Bem, isso foi mais rápido do que eu imaginei. – Jodie disse erguendo os olhos para receber Hermione.


 


-       Jodie, eu sinto muito... – Hermione começou quase que imediatamente.


 


-       Não. Não sente. – ela retrucou. – Sei que não sente. – colocou a carta de Hermione sobre uma pilha de livros e se levantou dispensando a coruja ao seu lado. – Olha, eu entendo. Não sou estúpida ao ponto de acreditar no que o mestre quis vender a todos nós. – ela pausou e respirou fundo voltando atrás. – Quero dizer, confesso que sempre soou bem convincente as matérias da mídia e os discursos do mestre a seu respeito, e que depois de um tempo é até interessante e empolgante aceitar tudo isso. Mas estar perto de você me fez entender que tudo isso não passa de uma fachada, não é? – Hermione não soube o que responder ao ser pega de surpresa por aquilo. Ela apenas permaneceu imóvel enquanto o silêncio esperava pela sua fala. – Vamos, Hermione! É apenas uma fachada, não é?


 


Hermione respirou fundo e não viu a necessidade de perder seu tempo convencendo o cérebro de Jodie o contrário daquilo que ela já parecia bem convencida.


 


-       Eu jamais me aliaria a Voldemort se quer saber. Não por vontade própria. – seu coração apertou por querer dizer aquilo a Harry se caso ele soubesse de sua atual posição dentro do ciclo da morte. – Nunca. – terminou.


 


Os lábios finos de Jodie tremeram discretamente quanto ela os apertou.


 


-       Então o mestre está a forçando, não é? – ela começou após alguns segundos de silêncio. Se levantou em pausa e aproximou-se de Hermione. – Você e Draco Malfoy nunca tiveram um romance secreto em Hogwarts, tiveram?


 


-       Ainda não entendo como as pessoas acreditam que alguém como Draco Malfoy se permitiria olhar para uma Sangue-Ruim. – Hermione se limitou a dizer.


 


Jodie a encarou.


 


-       Uma história bem contada, usando as palavras certas e os arranjos corretos tem um poder de convencimento que ultrapassa fronteiras e ganha o coração de muita gente, Hermione. Ultrapassa até mesmo o preconceito. Deveria ler alguns livros de romance já que se limita bastante aos didáticos.


 


-       Continua sendo uma história louca e que não se cabe a realidade. – apressou-se Hermione.


 


-       Uma história muito bem contada. – recolocou Jodie. – Mas claramente é visto agora que foi forçada a se casar com ele assim como foi forçada a se tornar uma comensal. Me diga ao que mais foi forçada a fazer?


 


A pergunta que ela fez atingiu Hermione duramente. Ela desviou o olhar e recuou.


 


-       Cada passo que dou sinto que fui forçada a dá-lo. – disse mais para si mesma do que para a mulher. Recobrou a postura e encarou Jodie novamente. – Sou uma prisioneira, eu não faço nada além daquilo que me mandam fazer.


 


-       Eu não acredito nisso.


 


Ela era mesmo esperta de não acreditar.


 


-       Não tenho outra opção. – Hermione tentou convencê-la.


 


-       Se você é a mulher da qual a resistência tinha mais orgulho então não posso ser obrigada a acreditar que não está fazendo o seu movimento sorrateiro dentro dos limites possíveis que encontrar. – ela respondeu ao recuo de Hermione aproximando o passo que ela havia dado para trás. – Você é um perigo aqui dentro. Por que o mestre a quis colocar aqui? Por que ele poupou sua vida?


 


-       Causei irritações demais a ele e isso fez minha morte ser uma vingança muito fácil e rápida.


 


-       Isso foi o que ele te disse? É uma tola por acreditar nessa desculpa.


 


-       Esse é apenas um dos motivos. – Hermione disse embora não estivesse nem um pouco a fim de contar que teria que dar um herdeiro a ele.


 


-       Esse motivo não tem força o suficiente para deixar uma inimiga como você viva dentro de uma fortaleza como essa, sentando-se num dos patamares mais altos do trono e casada com o herdeiro da família mais poderosa e importante da história do mundo bruxo. – Jodie terminou e elas se olharam em silêncio por um longo minuto até que a mulher desviou o olhar e deu as costas para se concentrar em dar uma pequena volta pelo salão enquanto Hermione percebia que o cérebro dela fervia trabalhando rápido. – Quando Draco se tornou um comensal o mestre tinha planos em fazer com que ele fosse seu herdeiro. Todos esperaram pelo dia em que isso seria anunciado e por um bom tempo Lúcio e Narcisa esnobaram esse destino, mas Draco era alguém muito diferente naquela época. Ingênuo, esnobe, arrogante, orgulhoso, mimado e preconceituoso. Ele não passava de uma criança sem controle e o mestre fez questão de querer mudar isso colocando-o debaixo da autoridade de Elliot Singh para um treinamento pesado e intensivo que fez Draco crescer e mudar em muito pouco tempo. Mas então por motivos que eu apenas posso sugerir e não afirmar, o mestre desistiu da idéia de torná-lo herdeiro. Todos sabemos que ele procura por um agora. Ele quer que você dê um a ele, não é? Um seu e de Draco. - Hermione não soube exatamente o que fazer. Lembrou de Narcisa lhe ensinando que mesmo que estivesse sendo carregada para a forca não poderia desfazer sua postura e tudo que foi capaz de fazer foi permanecer intacta e firme. – Me diga. – insistiu Jodie. – Você irá dar a ele um herdeiro, não é? Um que ele criará desde pequeno para ser exatamente como ele. Isso é verdade?


 


Ela respirou, piscou mais do que deveria e disse sentindo seu coração ser esmagado:


 


-       Sim.


 


Jodie a olhou parecendo intrigada com tudo aquilo. Hermione apenas a achava esperta demais por ligar tudo aquilo nos minutos em que estavam ali.


 


-       Então porque ele escolheu você? – aquilo parecia realmente a consumir e a pergunta fez Hermione se questionar o porque ela havia parado de se questionar sobre aquilo também. – Entendo perfeitamente que Draco tenha sido a opção mais adequada para o mestre visto que ele era o mais novo dos comensais e de uma família de muito bom nome no passado e também consigo entender o porque ele tenha desistido da idéia. Faz sentido visto que Draco não se vê devoto ao mestre como se via no passado. – Hermione questionou aquilo também. – Mas você... – ela se aproximou – Uma Sangue-Ruim. Porque ele te quis? Por que ele escolheu você?


 


-       Fui uma péssima inimiga e ele sabe que os planos dele me fariam sofrer mais do que eu sofreria no inferno.


 


-       É uma tola por acreditar nisso também. – Jodie foi dura outra vez.


 


-       Acaso você tem o conhecimento de um motivo mais convincente? – irritou-se ela.


 


-       Não! Mas estamos falando sobre o herdeiro dele! Draco significa muito dentro do ciclo do mestre e ele o rejeitou. Por que ele escolheria logo você junto com Draco para dar a ele um herdeiro? – ela parecia realmente intrigada com aquilo e Hermione se preocupava pois pelo pouco que conhecia a mulher, sabia que quando ela tinha dúvidas sobre algo ela corria os quatro cantos da terra para ter suas respostas. – Se nunca se questionou isso, saiba que está na hora de começar, se não for esperta aqui dentro eles te engolirão, e se está tentando encontrar uma maneira de deixar esse lugar, deve parar imediatamente de jogar seu tempo no lixo. A marca em seu braço te liga a ele e você nunca será capaz de se desconectar. – Hermione não entendeu o porque a mulher havia dito aquilo, parecia uma forma muito sutil de dar um conselho. – Peço também que se atente em enviar avisos se caso vier a se atrasar novamente como hoje. – ela recuou e deixou de ser a mulher irreconhecível que estava sendo desde que Hermione entrara naquela sala. – Tenho permissão para encerrar a sessão de hoje já que liberei os mentores?


 


Hermione a encarou por um minuto em silêncio sem saber o que realmente dizer de tudo aquilo.


 


-       Sim. – foi tudo que saiu de sua boca e então observou a mulher dar as costas e começar a recolher suas coisas. Hermione não podia negar que estava surpresa que a única dica que havia dado a Jodie há um tempo atrás dizendo que não estava tão contente assim pelo retorno de Draco pudesse levar a mulher a tudo aquilo em um prazo tão curto de tempo. – Espere! – soltou quando ela estava quase saindo do salão. – Sabe que se espalhar isso...


 


-       Não passarão de rumores e fofocas. – ela terminou para Hermione. – Eu não seria estúpida de desmanchar a credibilidade do meu nome em rumores e fofocas. – ela disse. – E não apenas por isso, Hermione. Tirando o fato de ter escolhido o lado errado da guerra para lutar, a admiro pelo empenho que tem em tudo aquilo em que coloca as mãos, pelo conhecimento que carrega e pela apatia a futilidade da vida feminina desse lugar. A respeito agora por ser uma Malfoy também e pode ter certeza que isso só mudará se caso eu precise pisar nas suas costas para não ser pisada. São as regras de sobrevivência. Todos sabemos disso aqui. – ela disse e saiu.


 


Hermione soltou o ar e fechou os olhos. Teria a prova se Jodie era alguém de confiança com o tempo mas as pessoas eram tão incertas em Brampton Fort que sentia que para ser confundida bastava um segundo de alienação. Um apenas.


 


Caminhou e sentou-se em uma das cadeiras colocando os cotovelos sobre a mesa e cobrindo o rosto com as mãos. A vida ali era tão difícil. Encarar seu futuro era tão difícil. Sentiu o nó novamente em sua garganta e o engoliu. Pensou sobre as questões que Jodie havia levantando e considerou pensar nelas mais do que em todas as outras. Julgou-se irresponsável por isso e então lamentou por ser coisa demais para pensar e por não saber o que realmente deveria priorizar. Tinha que encontrar uma forma de tirar Luna de Brampton Fort, tinha que decifrar o homem com o qual dividia a cama, tinha que lidar com sua vida de casada, tinha que descobrir o porque Voldemort havia a escolhido, tinha que entender o porque Lúcio a queria casada com Draco, tinha que lutar contra Voldemort naquele novo jogo que haviam começado, tinha que estudar as milhões de coisas que seus mentores a ensinavam, tinha que encontrar uma forma de não engravidar, tinha que descobrir o veneno em seu sangue, tinha que se mostrar sempre impecável, tinha que entender o porque os dementadores eram tão importantes para aquela terra, tinha que conseguir encontrar onde Draco guardava as  moedas que possuía da Liga dos Alquimistas e mais incontáveis coisas que se ela fosse continuar sua lista sem dúvidas enlouqueceria.


 


A porta foi aberta e ela refez sua postura automaticamente na cadeira. Viu Luna entrar e antes que pudesse se sentir confortável pela presença da amiga seu cérebro a alertou que ela era um problema a mais. Tinha que tirar Luna de Brampton Forte o mais rápido que pudesse.


 


-       Onde você estava? Estive procurando por você aqui desde que o dia amanheceu! – Luna se aproximou. Hermione não podia negar que era um alívio ver a amiga saudável entretanto. – Fui ao quartel e me informaram que Malfoy também não colocou os pés aqui.


 


-       Perdemos a hora. – Hermione disse cansada.


 


Luna sorriu se sentando a mesa junto com ela.


 


-       Perderam a hora? – repetiu a loira interessada. – Perderam a hora fazendo o que?


 


Hermione encarou o sorriso maroto de Luna e percebeu que não tinha paciência para aquilo.


 


-       Sim, nós fizemos sexo a noite toda e perdemos a hora dormindo, Luna. – ela disse de uma vez.


 


Luna ficou um tempo em silêncio desmanchando o sorriso e absorvendo o que havia escutado.


 


-       Você não parece muito contente com isso. – ela disse.


 


Hermione curvou as sobrancelhas julgando a amiga insana. As vezes a mente exótica de Luna ultrapassava alguns limites.


 


-       Eu deixei o homem que eu odeio me tocar, o homem que me humilhou durante toda a minha adolescência, o homem que estava lá quando meus pais foram mortos, o homem que me ameaçou e ameaçou as pessoas que amo inúmeras vezes durante essa guerra, o homem que lançou ordens para te torturar na minha frente, Luna! Eu o deixei me tocar! – ela puxou o ar. - E adivinha? – sentiu o nó em sua garganta - Eu gostei tanto que foi como se eu estivesse redescobrindo como fazer sexo. Gostei tanto que nem consigo contar as vezes em que gozei descontroladamente com ele dentro de mim! – ela soltou com desgosto das próprias palavras. – Tenho que parecer contente com isso?


 


Luna parecia um pouco atordoada com o que ouvira.


 


-       Sexo faz as pessoas se sentirem melhor. – ela soltou.


 


-       Sim. Faz. – concordou Hermione. – Esse é o ponto, Luna! Dentro desse maldito inferno tudo que eu penso o dia todo é voltar para casa, para cama e fazer sexo com Draco Malfoy a noite toda. Mas isso tem me matado aos poucos.


 


-       Está se julgando.


 


-       Não seria eu se eu não estivesse. – ela soltou.


 


-       Deve parar. – Luna a aconselhou – Draco é o seu futuro agora. No que você pensa? Pensa em Harry?


 


-       Penso em tudo! Penso em mim, penso em Harry, penso em tudo pelo qual lutei toda a minha vida, penso na Ordem, penso em Rony, penso em Draco fazendo o que ele faz comigo com as outras mulheres que ele tem, penso em todos me julgando, penso em todas as circunstâncias, penso em ficar grávida e... – seu coração palpitou. – Oh, Luna! – ela sentiu que desmancharia. – Não tem nem idéia do quanto a idéia de engravidar me assusta!


 


-       Vocês estão se protegendo? – ela perguntou.


 


Hermione suspirou.


 


-       Sei que homens como Draco são ensinados sobre magias muito discretas para evitar que moças espertas encontrem um caminho fácil para entrar para a família, mas talvez ele não esteja usando já que o motivo pelo qual estamos fazendo sexo é cumprir a ordem de Voldemort. Tenho tentado tomar poções de urgência, mas tenho que esperar que ele durma antes de tomar e as vezes estou tão cansada que acabo dormindo na espera e você sabe que essas poções só funcionam algumas horas após o ato. – ela soltou o ar decepcionada. – E meu estoque de poções acabou. E não posso usar minha varinha para fazer nenhum tipo de feitiço protetor já que ele poderia ver.


 


Luna esticou o braço e tocou a amiga.


 


-       Posso tentar pegar algumas poções na ala das enfermarias se quiser. Talvez eles não venham sentir falta. – a loira tentou.


 


-       E se eles sentirem? – Hermione abaixou os olhos. – O que vai acontecer com você? O que aconteceria comigo? Eu encontrarei um jeito, talvez eu compre algumas ingredientes misturados no centro, talvez eu consigo encontrar algum feitiço que dure por bastante tempo...


 


-       E durante esse tempo ficará desprotegida.


 


-       E o que mais eu posso fazer, Luna? – ela se irritou e levantou os olhos novamente para a amiga. – Não se preocupe quanto a isso. Também vou encontrar um jeito de te tirar daqui o mais rápido possível. Sinto que aos poucos você se tornará inútil para Voldemort e sabe bem o que ele faz com peso morto aqui dentro, não sabe?


 


Luna revirou os olhos.


 


-       Não quero falar sobre isso. – ela apressou-se. – Estive te procurando para avisar que eles soltarão Viktor.


 


Não era bem uma novidade visto o andamento das sessões de interrogatório


 


-       Draco não ficará feliz com isso. – comentou Hermione.


 


-       Soube que ele que terá que assinar a procuração. – informou Luna. – Já que ele quem ordenou que o prendessem.


 


-       Talvez ele tenha sugerido isso. Manteria a paz. Viktor foi preso porque poderia significar uma ameaça, não porque era uma. – disse Hermione. – Acha que vão o usar como agente duplo novamente? Não faria sentido visto que a Ordem esteve esperando por ele todo esse tempo. O que acha que pensaríamos se depois de tudo isso e depois de todo o tempo que o prenderam aqui ele aparecesse na casa dos Black?


 


-       Entendi que parece que Voldemort quer afastá-lo da Ordem depois de algumas conversas privadas que teve com Draco. Voldemort quer tratar Viktor pessoalmente agora.


 


 


As duas ficaram em silêncio um tempo enquanto ponderavam sobre aquilo.


 


-       Talvez as coisas melhorem para a Ordem enquanto Draco não tiver nenhum informante dentro dela. – comentou Hermione.


 


-       Espero que sim. – disse Luna.


 


O silêncio durou mais um bom tempo até Hermione finalmente voltar a dizer algo.


 


-       Estive pensando por um tempo. – começou ela. – Juntar todos os grupos da resistência novamente pode ter sido a única tática que a Ordem encontrou depois do sacrifício que fiz em vão. – disse e respirou fundo soltando o ar com calma. - Mas penso que talvez não tenha sido realmente em vão. – as duas se olharam. – Luna, como que a Ordem conseguiu atrair todos os dementadores?


 


Luna ergueu as sobrancelhas.


 


-       Tenho feito essa pergunta desde o dia do seu casamento.


 


-       Tenho me feito essa pergunta por muito tempo também.


 


Então as duas entraram novamente no silêncio enquanto desviavam da possibilidade de começarem a levantar hipóteses esperançosas e sem embasamento.


 


-       Tem feito algum progresso com os arquivos que Nott lhe passou? – Luna mudou o assunto em resposta a aquilo.


 


Hermione fechou os olhos frustrada soltando o ar.


 


-       O único progresso que tenho feito é cumprir os cronogramas que Jodie trás para mim. – olhou Luna. – Estou completamente sem tempo para olhar aquelas pastas e sempre quando consigo um espaço para poder sentar com elas, não consigo absorver todas aquelas informações vagas, sem fundamento, e logo tenho que desviar minha atenção para outra coisa.


 


-       Hermione, sabe que é isso que Voldemort queria te oferecendo esse cargo. Te manter muito ocupada.


 


-       Eu sei! – Hermione sabia daquele maldito jogo. – Eu ainda preciso aprender a como lidar com isso. As coisas estão se tornando mais estáveis com o passar dos dias e acho que vou conseguir mais domínio sobre o meu tempo e sobre essa nova vida num futuro bem próximo. – tentou convencer a si mesma daquilo.


 


-       Espero que sim. – tornou a dizer Luna. – É importante saber o que mais a lenda dessas terras escondem.


 


Hermione uniu as sobrancelhas ao escutar aquilo.


 


-       Lenda? – questionou. Espere um minutos! O que ela havia deixado passar que não sabia? – Que lenda? – conseguiu se lembrar de Luna dizendo uma vez que Voldemort era louco de plantar o forte dele logo nas terras de Brampton.


 


-       Não sabe da história da família Brampton? – Luna parecia surpresa com aquilo. – Como não sabe da história da família Brampton? Todo mundo sabe da história deles.


 


-       Não, Luna! Não sei. E talvez metade do mundo bruxo também não saiba. – porque ela havia aprendido que algumas histórias apenas Luna e o pai dela conheciam no mundo bruxo.


 


-       Os Brampton eram uma das grandes famílias bruxas num desses séculos passados bem antigos. – começou Luna empolgada. – Dizem que eles eram donos de quase toda a metade da Escócia e produziam o melhor Whisky de Fogo do mundo bruxo. Mas por algum motivo econômico eles começaram a cair em decadência, perderam tudo, mas nunca venderam suas terras. Elas foram tomadas pelo Ministério Bruxo na caça as bruxas mais tarde na história e retidas por ele não passando a ninguém por algum motivo muito secreto. Sei que todos que carregavam o sobrenome Brampton foram queimados na fogueira na caça as bruxas e todos eles amaldiçoaram suas terras antes de serem queimadas.


 


Hermione achou uma história muito breve e confusa.


 


-       O Ministério ainda tem o poder dessas terras? – perguntou ela.


 


Luna deu de ombros.


 


-       Não sei. – respondeu ela. – Talvez as pastas de Nott digam algo sobre isso, não? Sei que com o passar dos anos eles foram obrigados a liberarem algumas por pressão trouxa com a união dos países do Reino Unido. Mas todos sabem sobre as terras amaldiçoadas da família Brampton. Lembro que meu pai costumava dizer que trouxas moravam numa das penínsulas que antes havia pertencido a eles e se falavam sobre rumores de que era a cidade mais assombrada da Escócia.


 


Hermione achou tudo aquilo muito vago. Com certeza aquela história não passava de contos para roda de criança e que foi se perdendo com o passar dos anos. As histórias de Luna nunca eram muito confiáveis, mas sempre tinham um ponto a provar.


 


-       Acho que posso trabalhar com isso, Luna. – forçou um sorriso para a amiga. – Obrigada.


 


Luna se levantou.


 


-       Certo. – ela parecia contente por ter ajudado em algo – Vou tentar me aproximar da cela de Krum hoje a noite já que sei que todos vão estar muito entretidos com essa tal cerimônia de inverno ou seja lá o que ela for. – Hermione percebeu que ela não parecia muito feliz por não poder participar.


 


-       Fará muito bem. – sorriu Hermione.


 


A loira assentiu, foi embora e assim que ela saiu Hermione imediatamente soltou o ar sentindo a pressão da responsabilidade que tinha sobre Luna. Era necessário tirá-la de lá o mais rápido possível senão Voldemort a mataria assim que tivesse a oportunidade. Ele não iria transformá-la em comensal, nem deixaria ela morar em Brampton Fort sem nenhuma pretensão de usá-la ainda mais com ela desfrutando de todo conforto quando deveria estar no escuro das masmorras passando frio e fome.


 


Isso era uma das outras coisas na qual deveria estar trabalhando dia e noite. Céus, ela se sentia mais atarefada agora do que quando estava na Ordem. Fechou os olhos, respirou fundo e começou a contar em sussurros até sentir que sua mente estava vazia. Abriu os olhos e tentou se concentrar no presente e no ambiente onde estava. Abaixou os olhos para a mesa e viu algumas pastas e pergaminhos que Jodie havia deixado. Os manuseou e se permitiu ficar ali por algumas horas reordenando os conteúdos para a semana seguinte de modo a não perderem o cronograma devido ao seu atraso de hoje. Quando finalmente olhou no relógio se assustou e se levantou num pulo. Céus! Ela poderia entrar em um grande problema por outro atraso.


 


Organizou as pastas com pressa, as fechou e as juntou num canto da mesa para o dia seguinte. Apertou o passo enquanto cruzava a catedral e então tomou sua carruagem num pátio reservado onde disse ao cocheiro para ir o mais rápido que pudesse.


 


O caminho para casa não ajudava muito e assim que parou de frente a mansão, subiu os degraus da varanda com pressa, passou para dentro de se desculpou pelo atraso no mínimo umas cinco vezes para a consultora que Narcisa havia indicado para escolher sua roupa da noite. Ambas subiram para o closet e passaram alguns bons minutos ali onde a mulher tratava de dar uma aula completa a Hermione que desejava urgentemente que ela fosse embora ou teria que enfrentar os olhares de Draco por estar atrasada.


 


Assim que finalmente se viu livre da mulher, tirou a roupa, tomou um banho rápido e chamou Tryn para tratar de seu cabelo e também de sua maquiagem. Quando a elfa terminou e deixou o lugar Draco apareceu atando o nó de sua gravata. Hermione se lembrou de que ele tinha treino aquele dia e havia começado a se arrumar dentro do Q.G da catedral.


 


-       Ainda não está pronta? – perguntou ele parando e a encarando não muito contente com o que via.


 


-       Ainda não são exatamente nove horas. – ela respondeu colocando os sapatos.


 


Hermione se livrou do roupão que vestia e percebeu os olhos de Draco sobre ela enquanto dava as costas, pegava o vestido que havia sido escolhido e o vestia. Se olhou no espelho antes de pegar a varinha para fechar a roupa e encontrou os olhos cinzas dele a encarando as suas costas como se pudesse devorá-la e fazê-la atingir seu ápice apenas com aquilo.


 


O silêncio entre eles os consumiu como sempre quando ele se aproximou por trás, postou as mãos uma de cada lado seu quadril e a puxou para colar nele. Hermione se lembrou de como as mãos dele conseguiam ser firmes explorando seu corpo e piscou mais do que deveria quando ele abaixou a boca para próximo de seu ouvido enquanto ainda mantinham contato visual pelo espelho.


 


-       Nós não temos tempo. – ela tratou de lembrá-lo também se lamentando por isso.


 


Ele abriu um sorriso safado como se quisesse chamá-la de ingênua.


 


-       Não aqui. – respondeu e uma de suas mãos a cercou pela cintura como suporte para a outra que subiu o zíper de seu vestido. – Esperarei por você do lado de fora. – informou ele, a soltou, se afastou pegando o casaco de seu terno e saindo do closet enquanto o vestia.


 


Hermione soltou o ar e fechou os olhos colocando as mãos sobre o estômago como se tentasse acalmar as milhões de borboletas que brincavam com as sensações dela. Abriu os olhos e puxou o ar se olhando no espelho. Ele é Draco Malfoy e você o odeia, sua mente a lembrou e ela se sentiu grata por aquilo. Ela não precisava ir muito longe para se lembrar que o odiava, ela não precisava nem mesmo fazer muito esforço. Por mais em momentos como aquele sua memória inteira se apagasse, ao fim de tudo ela precisava de apenas uma das milhões de lembranças da passagem de Draco Malfoy em sua vida para se lembrar que tinha motivos de sobra para odiá-lo.


 


Revirou os olhos se julgando fraca por cair nos encantos nojentos de um homem sem caráter e deu as costas ao espelho hesitando na escolha do perfume que deveria usar novamente. Brigou consigo mesma por não ter deixado a mulher escolher o perfume que deveria usar, olhou a hora e chutou um dos caríssimos que havia em seu estoque.


 


Colocou as jóias que deveria, pegou seus pertences e desceu com pressa olhando todos os relógios, das paredes, dos armários e dos móveis, entrou na carruagem e encontrou Draco a encarando. Sentou-se no banco oposto ao dele como sempre faziam e soltou o ar aliviada por saber que não iria ouvir o enjoativo tom que ele tinha para reclamar de atrasos.


 


-       Dia ruim? – perguntou ele enquanto dava duas batidas na cabine informando ao cocheira para seguir caminho.


 


Ela ergueu os olhos para encará-lo e guardou para si a surpresa pela pergunta.


 


-       Como sabe? – perguntou.


 


-       Está com a mesma expressão de todos os dias. – ele respondeu e ela estreitou os olhos.


 


-       Não tente me irritar. – ela apenas disse e desviou o olhar. Ele aparentava ter tido um bom treino, ela já havia notado que ele costumava agir assim quando tinha bons treinos.


 


Olhou pela janela enquanto deixavam o pátio e passavam pelo portão de saída da residência de Draco. Observou a noite por um bom tempo e lamentou pelo inverno. A estação fria nunca havia sido sua preferida. Voltou-se para o interior da cabine e encontrou os olhos de Draco ainda sobre ela. Merlin, ele a devorava! Ela queria entender como ele conseguia a seduzir sem ter a menor intenção. Talvez nem ele mesmo percebesse o poder de todo o seu potencial.


 


-       Eu não me importo realmente com o seu dia, mas... – ele olhou para o relógio em seu punho e então fechou as janelas. – Temos quinze minutos e nenhum tempo para pensar. – terminou como se estivesse comentando sobre o tempo e ela soube exatamente o que ele estava sugerindo, e Deus do céu, se ele dissesse aquilo mais uma vez com aquele olhar ela podia jurar que perderia a cabeça. – Eu disse que não temos tempo para pensar. – ele tornou a dizer quando ela hesitou.


 


Ela sempre hesitava. Claro que hesitava. Era aquela voz que chegaria em sua mente depois que tudo aquilo terminasse e ela visse o homem que ele realmente era. Olhos nos olhos, tudo que conseguiu pensar foi que no meio de tudo aquilo, Brampton Fort e ela prisioneira, merecia pela menos alguns segundos de anestesia de toda dor que passava. Mesmo que ele fosse Draco Malfoy.


 


Ela apenas precisou mover um músculo indicando que estava se movendo para perto que ele usou de seus surpreendentes movimentos para trazê-la muito mais rápido para seu colo.


 


-       Não rasgue meu vestido! – brigou ela.


 


-       Não deixe seu sangue-ruim fazer você esquecer que é uma bruxa! – provocou ele e ela sentiu a fúria subir pelo seu sangue. Draco abriu um sorriso sabendo que era exatamente aquilo que ele queria e quando ela brigou para sair de cima dele, ele a agarrou pelo pescoço e a beijou.


 


Ela lutou, tentou se afastar mas ele seguiu a boca dela e a prendeu fazendo seus corpos entrarem ainda mais em contato. O calor dele fez as borboletas aparecerem em seu estômago novamente e enquanto tentava cravar as unhas contra os braços dele como vingança sentiu aquela língua invadir a sua com toda a agilidade que ele tinha. Foi tarde demais para que ela pudesse se apoiar na cabine para sair de cima dele. Tentou se vingar enquanto o beijava, tentou morder seus lábios, tentou dominar a situação, tentou se afastar, mas os lábios dele eram lindos e macios demais para ser estragado por ela, ele era dominador demais para ceder a ela e aquele beijo era bom demais para que ela juntasse forças para acabá-lo.


 


Foi somente quando realmente aceitou que já era tarde demais para negar aquilo que ela desceu as mãos para o meio das calças dele e passou ousadamente os dedos ali. Ele se afastou minimamente para puxar o ar e olhar nos olhos dela que ainda estava furiosa.


 


-       Poderia matá-lo por aquilo que disse. – ela ofegou enchendo sua mão entre as pernas dele o apertando ameaçadoramente.


 


Ele sorriu com os lábios vermelhos e inchados.


 


-       Adoraria a ver tentando, mas podemos guardar isso para quando estivermos com mais tempo. – disse e tornou a beijá-la. Hermione se sentiu ser devorada por ele e passou mais uma vez a mão sobre ele, enchendo-a novamente e a apertando com menos cuidado. Draco soltou um gemido desgostoso e afastou-se. – Tome cuidado com aquilo que tem em mãos, Hermione! – ele soltou aborrecido e o tom dele a fez se sentir melhor. Pelo menos ele não estava com aquele sorriso superior no rosto.


 


-       Então freie sua língua da próxima vez que for soltar provocações, Draco! – ela jogou o alerta e foi suficiente. Quem o beijou dessa vez foi ela e quem pareceu não gostar da reação foi ele.


 


Aquela mínima vitória a fez sentir que podia continuar aquilo com muito mais vontade. Começou a sentir o membro dele ganhando vida debaixo de tecido de sua calça e do movimento sutil de sua mão ali. Juntou as duas mãos, afrouxou a gravata dele e abriu os botões de sua camisa enquanto ele se livrava do casaco do terno. Desceu novamente sua mão e o tocou sobre o tecido. Desatou o cinto da calça e abriu o zíper, mas antes que pudesse colocar sua mão para o lado de dentro para realmente tocá-lo, Draco usou de sua força e agilidade mais uma vez levantando-a e a girando dentro daquela cabine que de repente havia se tornado mais minúscula do que parecia.


 


Ela foi obrigada a colocar os joelhos contra o assento para se apoiar e segurou os fundo da cabine para manter a distância entre seu rosto. Ela odiou aquela posição, mas logo esqueceu o desconforto quando ele, por trás, separou suas pernas, colocou uma mão por dentro da fenda de seu vestido, subiu os dedos pela sua coxa e os deslizou para dentro de sua calcinha. Os movimento que ele começou ali a fez prender a respiração inicialmente, contendo-se para não soltar nenhum som. A outra mão dele empurrou o zíper do vestido que usava para baixo e ela deixou as alças escorrerem pelo seu braço até se verem livre deles. Draco encheu a mão com um seio dela, e intensificou os movimentos lá embaixo. Ela começou a ofegar em resposta.


 


Sentiu a boca dele em seu ombro, a língua quente em sua pele, a respiração abafada, mas não conseguia entender o que ele realmente fazia ali quando colocava pressão. Ele estava a entretendo tão bem com o movimento dos dedos em outro lugar que sua respiração acelerava cada vez mais e seu corpo começava a se agoniar com a urgência que ele estava provocando. Deus! Ela não conseguia entender como ficava tão molhada daquele jeito.


 


Seus dedos não conseguiram enterrar na madeira da cabine e ela levou uma das mãos aos cabelos dele e os puxou começando a soltar gemidos longos nos intervalos de sua respiração rápida. Seu corpo se contorceu e ela largou os cabelos loiros e desceu a mão para tocar a dele que trabalhava intensamente lá embaixo pedindo para que não parasse. Quando achou que já não aguentaria mais, ele a soltou e ela quis protestar e espancá-lo por aquilo.


 


Draco tratou de se exibir novamente mostrando o quanto podia movê-la e dominá-la quando a girou colocando-a de frente novamente. Hermione tentou se aproveitar cercando suas pernas ao redor dele forçando-o a se sentar para que ela pudesse estar sobre ele novamente, mas Draco facilmente encontrou o apoio de sua mão para isso, a puxou e então ela se viu deitada sobre o banco.


 


-       Já te dei liberdade demais noite passada. – ele disse e ela se enfureceu por saber que ele achava que era o rei de tudo aquilo.


 


Mas antes mesmo que pudesse retrucar qualquer coisa ele deslizou para dentro dela sem pressa, como se quisesse a torturar, e então ela se viu perder o compasso de toda a sua respiração se perguntando quando foi que ele havia ficado tão duro sem que ela percebesse.  Gemeu sentindo o quão fundo ele estava indo e curvou as costas apertando o estofado do banco e empurrando a parede da cabine acima de sua cabeça.


 


-       A quem está tentando convencer de que... – ela teve que gemer quando ele começou a se movimentar - ...tem algum domínio sobre mim... – soluçou e ofegou sentindo como era fácil para ele deslizar para dentro e para fora - ...quando fazemos sexo? – ele aumentou o ritmo, mas ainda parecia estar sem pressa e apenas aproveitando o prazer que sua área molhada e quente o proporcionava. – Nós dois sabemos que não é assim que funciona e Oh! – ela soltou um gemido longo de protestou. – Deus, Draco! Por que está indo tão devagar?


 


Ele apenas sorriu e ela colocou o salto sobre o outro banco para buscar apoio, o cercou com a outra perna e ergueu seu quadril começando um movimento muito mais ágil que o dele. Não se importou que estivesse por baixo. Fez seu quadril ir contra o dele inúmeras vezes rebolando e estimulando sua área mais sensível. Draco tomou seu tempo para descer até o pescoço dela, a lamber, seguir para seu seio e usar a boca para brincar com ele enquanto cravava os dedos no macio de sua nádega em sinal de que aprovava qualquer movimento dela.


 


O sôfrego dele aumentava cada vez mais e os ruídos que escapavam de sua garganta eram roucos e muito prazerosos de se ouvir. Hermione sentia que estava em um estágio muito mais avançado que o dele quando tentava conter seus gemidos e não era capaz. Seu corpo inteiro ardia em uma agonia imensamente prazerosa e intensificar seus movimentos parecia o caminho mais rápido para o alívio. Draco subiu e tomou sua boca fazendo suas línguas brincarem mais uma vez. Ele segurou o quadril dela soltando um som urgente, a pressionou contra o banco e estocou dentro dela com rapidez.


 


Hermione sorriu sabendo que era aquilo que precisava e sentiu que não estava muito longe de atingir o seu ápice. Draco parecia trabalhar para que o dele também não estivesse. Ela ergueu o tronco apoiando-se no banco com uma mão e segurando os cabelos da nuca dele com a outra. Ambos trocaram olhares com o peito subindo e descendo em compassos exagerados e fora do ritmo. Hermione tinha a respiração tão pesada que cada vez que soltava o ar emitia um som. Não tinha controle sobre isso e todas as vezes que tentava ter acabava segurando a respiração e não podia manter por muito tempo.


 


Draco parou quando ela sentiu que estava prestes a gozar, ele pressionou seu quadril contra o dela e eles se mexeram limitadamente quando Hermione tentou continuar por ela mesma estreitando os olhos irritada para ele.


 


-       Não pare, pelo amor de Deus! – suplicou ela puxando o cabelo dele.


 


Ele soltou um riso fraco.


 


-       Calma, Hermione. Não seja tão desesperada. Ainda temos alguns minutos a mais. – ele soltou de uma maneira tão sexy que Hermione achou que pudesse virar manteiga ali dentro daquela carruagem.


 


Ele começou novamente mais devagar segurando os quadril dela para impedir que ela tomasse alguma iniciativa. Hermione julgou aquilo tortura. Se contorceu pendendo a cabeça para trás gemendo em protesto e perdendo o contato visual com ele.


 


-       Você é doente! – ela soluçou tentando fazer seus quadris se moverem contra as mãos pesadas dele. Sua mente estava tão fora de sua consciência que talvez nem ela soubesse o que estava dizendo. – Vou te fazer pagar por isso!


 


Ele riu com vontade dessa vez.


 


-       Mal posso esperar por isso também. – disse e voltou a estocar forte como se também não estivesse aguentando manter aquele ritmo.


 


Ela gemeu alto e tornou a olhá-lo nos olhos. Seus sons se misturaram um sobre o outro acompanhando o ritmo ao qual iam. As investidas dele estavam tão suficientes para ela que não bastou muito e ela sentiu todo o corpo formigar, perdeu o controle sobre a respiração, tentou puxar o ar e não conseguiu. Sua boca aberta tentou soltar o som que não veio pela garganta e então seu corpo sofreu o primeiro espasmo quando seus músculos todos se contraíram e relaxaram de uma vez. Ela pendeu a cabeça para trás, sua garganta emitiu um som gostoso e ela tentou puxar o ar pela boca novamente mas não conseguiu. Seu corpo sofreu outro espasmo e ela sentiu que toda aquela agonia encontrava o fim mais delicioso de todos. Olhou-o nos olhos e foi no seu terceiro e último espasmo que ele soltou o som de seu clímax e jogou seus líquidos dentro dela.


 


Hermione deitou mole sobre o assento e deixou seu pulmão puxar o oxigênio que precisava. Por que aquilo tinha sempre que chegar ao fim? Ela desejou estar em casa com ele na cama para poderem se recuperar, se olharem novamente e começarem tudo de novo. Porque era assim quase todas as noites e ela precisava sentir aquela dormência em sua dor. Precisava daquela anestesia. Precisava esquecer de tudo e aquilo a fazia esquecer.


 


-       Seja rápida agora. Temos poucos minutos. – ele disse saindo de dentro dela.


 


Ela se viu obrigada a sentar. Estava toda bagunçada. Colocou os braços para dentro das alças do vestido e alongou as costas subindo o zíper novamente. Abriu a janela e usou a varinha para colocar no lugar os cabelos, repintar a maquiagem e limpar-se. Desceu a fenda de seu vestido para o lugar certo, ajeitou sua roupa de baixo e quando encarou Draco ele estava apertando a gravata novamente e terminando de colocar o terno. Seus olhos se encontraram e o silêncio os consumiu como nas muitas noites anteriores. O vento gelado entrou pela janela que ela havia aberto e soprou entre eles quando a carruagem diminuiu a velocidade e parou.


 


-       O que está preparada para ver hoje a noite? – ele quebrou o silêncio entre aquela troca de olhar.


 


Hermione ponderou por alguns segundos a resposta que deveria dar enquanto conseguia escutar o cocheiro descer de seu posto e a agitação do lado de fora.


 


-       Uma grande festa? – sugeriu ela. – Não faria sentido nos vestirmos assim para outra coisa que não fosse uma festa ou um baile.


 


Draco a encarou por um tempo com um olhar indecifrável.


 


-       Não se esqueça que nós chamamos isso de cerimônia. – ele terminou e a porta foi aberta. – Pronta? – ele apontou para o lado de fora indicando que ela deveria sair primeiro.


 


Hermione assentiu, passou o longo tecido de pele pelos braços cobrindo suas costas, sentiu os pelos fazerem cócegas em sua pele, respirou fundo e saiu para o banho de flashes no tapete vermelho que se estendia do lado de fora. Seria uma noite difícil e certamente entediante. Mas talvez, quem sabe, interessante.










NA: Olá, olá, olá! Feliz natal atrasado a todos! Então, estou numa correria louca porque vou sair pra viajar daqui a algumas horas, minhas malas não estão prontas e é madrugada e estou acordada desde as sete da manhã do dia 24! Eu estava esperando a betagem do capítulo, mas se eu não postasse agora eu só conseguiria postar depois da virada e passaria do prazo de um mês e eu ficaria com um super peso na conciência! Então aqui estou! Lamento por não ter resposta aos comentários individualmente pq estou correndo, mas prometo que soon irei responder a todos! Para não pular algumas coisas que estava esperando para responder e que também devo dizer aqui vai uma lista (que a caderninho azul me mostrou o quão práticas podem ser, hahaha):

1. Para quem perguntou sobre a frequência das postagens: Então, eu tento não passar de um mês sem post, mas ano que vem minha agenda está absolutamente apertada. Começo a ficar sem tempo pra nada a partir de 2 de janeiro pq estou começando um super novo desafio na minha vida e adicionando todo o resto das minhas atividades vai ser uma loucura, mas tentarei ao máximo manter um post por mês pelo menos!
2.  Não poderia deixar de dar as boas vindas aos adorados leitores novos que muito me alegram por se manifestarem e me deixarem saber que existem! :)
3. Feliz ano novo a todos e desejo que tenham um 2014 recheado de alegria!
4. A quem reparou na capa nova e elogiou: Obrigada! Sim, sou eu quem faço e uso Adobe Photoshop CS5 p/ mac. Não sou boa no negócio não, mas quando tenho tempo livre gosto de ficar inventando moda mesmo! Tinha enjoado da outra.
5. O tão esperado herdeiro aparecerá logo logo!
6. Meu comentário sobre esse capítulo: Jodie se provando ser uma assistente bem esperta pro meu gosto, será que ela representa a maioria de Brampton Fort ou podemos apostar numa diferença de caráter que pode cativar Hermione? Num futuro próximo também devemos explorar essa lenda da Luna, muito mal contada! E Draco Malfoy me matando com essa de "We have 15 minutes and no time to think!" quem iria msmo pensar com ele se oferecendo para sexo desse jeito tão sedutor?! Para né?! Ah! Preparem-se para essa cerimônia, Voldemort's oddity coming up next!
7. Próximo capítulo já está meio caminho andado! Adiantei bastante pois sei que não vou nem ter tempo de abrir o arquivo da fic até o ano novo!

No mais, todos já sabem:

COMENTEM (PELO AMOR DE DEUSSS!!!)
VOTEM
DIVULGUEM


Aqui vai uma música supimpinha pra vocês curtirem os feriados de final de ano! :)






Obs: Capítulo não revisado!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 13

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 01/06/2015

Como você espera que eu sobreviva??? 
Esse cap foi magnífico!!!! 
Amando essas trocas de olhares e as safadezas do Draco.
Nem sei dizer o quanto estou apaixonada por essa fic, espero ler tudo até a próxima atualização!!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Dark Moon em 16/02/2015

Draco e mione nesse capitulo estao explosivos rsrsrs! Nao se pode negar que eles podem não se gostar, mas quimica eles tem muito, muito mesmo! Também sempre me pergunto pq ele escolheu mione?! pq vams combinar que ela pode ser inteligente, pode ser tudo mas ela ainda é uma sangue ruim e nem mesmo pra punir ela, ele arriscaria seu herdeiro nisso. muito confuso. Sua históriaé fascinante

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por M R C em 05/01/2014

to embasbacada com esse fogo todo dele dentro da carruagem ! hahahahah

é tipo um ninfomaniaco adorável !

realmente gostei da sincerisade da Hermione ao conversar com Luna a respeito do Draco. Não imaginava que ela iria admitir isso tao cedo.

percebo claramente que ainda parece nao rolar nenhum sentimento mais forte entre os dois, além da atração fisica.

mas, tudo tem que começar por um lugar nao é ? e nada melhor que a cama ! ui ui ui

to muito curiosa pra saber se, agora que dividem a cama, o draco continuará sendo cruel com ela nas reunioes, ou se ele vai se importar mais com o sofrimento da esposa.

e qualquer forma, quero muito saber como o draco tá se sentindo em relação a tudo que começou a acontecer entre eles....foi bom saber o que a mione pensa mas.....saber o que o draco pensa é o que realmente me interessa! aahhahahaha pq nao minha opinião ele é o menos maleável.

aguardo mto o proximo capitulo.

beijos

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Nicole Ninfadora em 05/01/2014

Tinha lido faz tempo, mas com essa bagunça de ano novo e férias só vim deixar o comentário agora. Quase que não comento, mas seria uma puta de uma sacanagem não comentar depois de um capítulo desses neh? Olha, primeiro de tudo: sei não viu dessa Jodie! To sentindo que a Luna vai sumir das nossas vidas daqui em pouco tempo! e MENINA, que que foi isso dentro dessa carruagem mesmo? Pegou fogo!! A-DO-REI!! Eu concordo com a Landa, quero saber o que o Draco anda pensando de tudo isso capítulo que vem VIU!! kkkkk Não demora postar não, mesmo que vc esteja com toda essa correria! Não deixe de escrever não! Essa é minha fic preferida e uma das únicas que ano lendo por agora!! Feliz 2014!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por alexandra M. em 28/12/2013

AII MEU DEUUUS, não confio muito na Jodie, morro com Draco e Hermione, é tipo melhor casal e eu acho que a J.K. errou, mas voltando pra fic. MEU DEUS você escreve muuito bem, não sabe o quão me anima ver que tem capitulo novo aqui!! 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Helena Melbourne em 28/12/2013

Quase dei um grito de alegria aqui no quarto porque você postou mais um capítulo.
Foi meu presente de Natal... Até porque eu não ganhei o meu até agora.
Mas enfim... Perfeito o capítulo como todos os outros.
Judie está se tornando uma personagem interessante.
Como Draco é possessivo!
Posso ver um novo sentimento surgindo pelo desejo.
Mas além do lado carnal(ehehe) tem o lado sentimental...
Ou eles só vão começar a ter um sentimento puro depois de descobrirem que o herdeiro está a caminho?
Ok.. Muitas perguntas.
Amei o capítulo.
Esperarei anciosa pelo próximo.
Beijos da Leninha e Feliz Ano novo. 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por R Malfoy em 28/12/2013

Nossa é maravilhoso ler sua fic, muito bem escrita, apaixonante mesmo, nesse capitulo tambem senti falta da narração do Draco, vou esperar ansiosa pelo proximo... e a hermione me surpreendeu admitindo pra luna q não resiste ao Draco...rsrs!!!! um abraço e otimo ano novo, e please, continue postando !!!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Anne Lizzy Bastos em 27/12/2013

Bom demais! Quero ver a reação do Harry quando descobrir que ela se tornou uma Malfoy. .vai ser demais!!!

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Christine Martins em 27/12/2013

Capítulo sensacional! Fiquei curiosa em relação a essa Jodie, abrindo tanto o jogo para a Hermione e dando conselhos. Essa "tortura" que a Mione está sendo submetida também é bem intrigante, fiquei pensando se é só culpa que Voldemort quer que ela sinta. Quer ve-la ainda mais com o Draco! Aguardarei o próximo! Beijos 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por jakelinealvesleal em 27/12/2013

amei Oh My God capitulo muito bom

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Nina Potter Haruno em 26/12/2013

AAAAAAAAAAAAAAAAH , fiquei feliz agora! Estava super ansiosa por este post, todo dia dava uma olhada aqui haha! 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Landa MS em 26/12/2013

Sei que você já devia ter lido meu comentário, pois o escrevi de madrugada como sei que notou, mas tive que apagar o comentário anterior, por senti que ele não estava a altura do cap.  Eu precisava ser mais detalhista em relação a essa mudança de comportamento do casal. Aqui vc retratou como Hermione vem se sentindo durante a semana e deixou isso bem claro quando conversou com Luna. Mas e o Draco? Vem sentindo a mesma coisa , ou ele só tem transado com ela incansavelmente por que ela é uma fera indomável que instiga os sentidos dele? Espero que você retrate o comportamento dele também. Será mega interessante descobrir.  Quando li o cap anterior achei que o quarto deles pegou fogo, mas acho que eles ainda terão outros lugares para incendiar. Olha eu imaginando coisas kkkkkk
Ah, mas é verdade! Se tem alguém aqui que não imaginou eles se pegando no escritório do Draco, ou na cozinha, não sabe por a mente pra viajar quando lê uma preciosidade de fic como esse.  Bélissímo presente de Natal. Eu amei mesmo. Aguardando o cap seguinte.Mega ansiosa. Bjos.

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por RiemiSam em 26/12/2013

Que alegria em ver mais um capítulo. Capa show. Considero cada capítulo seu um presente, mas esse é de Natal. É especial. Eu fico cada vez mais intrigada com os mistérios a volta do Lorde e dos Malfoys. Chego a ler duas vezes cada capítulo e fico imaginando as alternativas. Tenho algumas suspeitas, mas sei que você sempre surpreende. Um grande abraço e um 2014 com muita Saúde, Paz e Realizações.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.