FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. My Star Girl rules the sky


Fic: Star Girl


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Star Girl
... make a little love in a moonlight...



Suspeito. MUITO suspeito. Na verdade eu estou com um teco de medo. Não, eu sou um homem e homens não tem medo, principalmente quando se é James Potter, o baterista sexy do Marauders. Uau, so hot, girls. Enfim, o fato é que você não ficaria assustado MESMO se você estivesse em outro mundo?

Tipo, é a coisa mais estranha que eu já vi. Nada que uns três anos de terapia intensiva possam melhorar, mas...

Bem, primeiramente eu preciso começar a contar a história, certo? Certo.

Lá estava eu no lugar-que-eu-não-faço-a-mínima-idéia-de-onde-seja, sentado numa pedra estranha. Cheia de morrinhos em cima dela, e digamos que minha bunda está começando a doer. É sério. Sabe aquela dor que parece que o membro está “dormindo”? Então, essa mesmo.

Eu olhava assustado para os lados, como se eu fosse um tira americano muito esperto que qualquer movimento estranho, eu iria sacar minha arma, rolar no chão e atirar. Mas venhamos e convenhamos, o máximo que eu tenho aqui é uma baqueta. Se bem que uma baqueta pode ser bem perigosa... Yep.

Eu olhei para frente e logo uma luz penetrou nos meus olhos, e (autch!) doeu, porque aqui estava meio escurinho, saca?

Foi então que eu senti uma mão tocar sobre meu ombro. Não era uma mão pesada, mas era uma mão macia e delicada. Olhei para aquela mão e vi que eram branquinhas e as unhas tinham como cor um rosa “ai-meu-zóio-tia”.

Eu sei um pulo e peguei minhas baquetas. Há, quando eu quero, eu posso parecer um homem perigoso e ao mesmo tempo muito sexy. Eu sou sexy, babies!

- Er... Calma. – ela disse com sua voz incrivelmente suave. – Quem é você?

- J-James Potter. E você?

- Lily Evans. – falou esboçando um belo sorriso no rosto. Seus dentes eram brancos e luminosos, nada que ofuscasse os olhos, sabe? – Bem, você não é daqui, certo?

Como ela sabe?

- Não. Eu sou de Londres.

- De onde?

- Londres. Inglaterra, Reino Unido, Europa, planeta Terra, Via Láctea, sabe?

- VOCÊ É TERRÁQUEO?! – ela gritou. Então nós pudemos ouvir um grande eco. Ela tapou a boca e arregalou os olhos.

- Bem, eu sou. Que lugar é esse?

- Littlestar Ville, planeta Manystars. Nunca ouviu falar? – indagou surpresa se sentando na pedra onde eu estava sentado.

- Hã-ham. – eu resmunguei fazendo um gesto negativo com a cabeça.

Ela fez uma cara de “cara, como você não conhece esse lugar?! É praticamente como nunca ter ouvido falar na Disney!”. Ok, eu conheço a Disney só por cima, e quando eu digo por cima, é porque foi por cima. Eu passei de jatinho por cima, entende?

Que idiota isso, mano.

- Uau. É, terráqueos são muito estranhos, bem que o papai disse e sabe o que eu realmente acho? Eu acho que... – ela continuou falando. Mas eu estava prestando a mínima atenção, porque eu estava olhando para os olhos dela. Eram... Lindos. Um verde esmeralda que se destacava em sua face, porque ela usava uma sombra rosa, que formava um belo desenho sobre seus olhos amendoados.

O cabelo dela estava preso um tipo estranho de coque e a franja cruzava na frente, sendo que de um dos lados, uma fina mecha de cabelo era mais clara do que o cabelo, que era ruivo e muito brilhante, sabe?

Será que eu estou babando? Bem, acho que a última vez que eu babei foi... Essa noite, enquanto eu dormia. Voltando...

- Ei! Você está me ouvindo? – ela perguntou estralando os dedos na minha frente.

- Hum...? – eu resmunguei vagamente

Ela arqueou uma sobrancelha. Isso é tortura para mim! Cara, eu não consigo fazer isso e o Sirius fica jogando na minha cara que eu sou um incompetente! Isso não é justo!

ESPERA!

Eu estou no planeta Manystars? Isso quer dizer que eu não estou na Terra, e isso quer dizer que eu fui... ABDUZIDO! Eu fui abduzido.

- Você... Não... – as palavras simplesmente não saiam da minha boca. – Vai me dizer que você é uma álien que se modificou para ficar em forma de gente, que foi até minha casa, me abduziu, me trouxe para cá e vai me fazer seu refém para todo o SEMPRE!

Ele ficou com uma cara de interrogação, tornando seu rosto ainda mais bonito.

- Você... Tá pirando na batatinha, é isso? – como é?

- Ahn, não exatamente, mas como é que eu vim parar aqui?

- Não faço a mínima idéia, mas o tráfico de terráqueos está cada vez maior. É um caso que eu vou ter que resolver logo-logo. – falou pesarosa.

- Você vai ter que resolver? Por quê?

- Porque eu sou a princesa daqui, entende? – o quê?! UMA PRINCESA? Uau.

- Aah. E o que Vossa Realeza está fazendo aqui fora, correndo o risco de ser seqüestrada.

- Para falar a verdade, eu estou proibida, pelo meu pai, de sair aqui fora. Porque os boatos de que ele irá abandonar o trono mais cedo estão cada vez maiores. Então, ele não quer me ver aqui fora, para evitar mais perguntar, rebuliços e aquela coisa.

- Aah, entendi.

O silêncio tomou conta por alguns instantes. Eu olhava para o céu, onde, de vez em quando, eu via alguns riscos luminosos.

Ela se mexeu, acho que estava desconfortável naquela posição. De repente senti o calor “humano” dela se esvair. Olhei para ela e vi que tinha levantado.

- Ah, que droga! – exclamou desgostosa. Sua meia calça havia desfiado. – Era a última das que eu gosto! Merda, mil vezes merda!

- Espera. – fui até ela, me abaixei em sua frente e desfiei a outra perna. – Bem mais estiloso assim não acha?

Ela abriu um largo sorriso revelando novamente aqueles lindos dentes.

- Ficou... Perfeito. – há, eu sei! Até quando eu faço merda, dá certo! – Amei! É sério!

Ela começou a se aproximar de mim. E confesso, fiquei com um pouco de medo. Desde quando um álien é tão simpático? Mesmo sendo um álien que não pareça um álien, dá para entender?

Foi então que eu senti seus quentes e macios lábios pousarem sobre a minha bochecha, logo seguido de um estalido gostoso. Ela voltou ao seu lugar e eu pousei a mão onde ela havia beijado.

- Você me... Beijou!

- Beijei? Eu acho que eu te clitei¹. – ela me o quê? Ah meu deus. ELA ME O QUÊ?! Só me digam que clitar não é fazer nada de ruim com a outra pessoa. Tipo, secar a pessoa até ela perder todos os membros. (?)

- Você me o quê?

- Clitei. Ato que encostar os lábios em outra pessoa e... Ah, fazer isso que eu fiz. Eu te clitei.

- Ok, clitar então é um sinônimo de beijar?

- Não sei. É? – er...

- Acho que sim. – respondi.

Olhei para frente e vi que ali adiante, havia uma concentração de estabelecimentos. Resolvi então perguntar o que era.

- O que é ali? – ela se virou para ver para onde eu apontava.

- Ali é a cidade. Ah, mas que grosseria a minha. Vem aqui. – disse pegando no meu braço e me puxando.

Começamos a correr, sempre com ela na frente me guiando pelo meu próprio braço.

De repente paramos no meio do nada, porém um pouco mais perto da cidade. Ela murmurou alguma coisa e uma ENORME construção apareceu na minha frente. Sabe, era um castelo meio esquisito, tipo castelo intergaláctico mesmo, sabe?

- O que você disse? – eu perguntei curioso como sou.

- Segredo e agora, por favor, não faça nenhum barulho, por favor. Para o seu próprio bem, sim?

Eu fiz que sim com a cabeça e voltei a andar atrás dela, tomando um pouco de cuidado para não fazer nenhum barulho. Ainda bem que meu tênis tem molas, e elas abafam o som da pisada. É isso ai!

Enfiei as baquetas do bolso de trás da minha calça e continuei seguindo ela até entrarmos numa espécie de galpão onde havia dezenas de naves de várias formas e jeitos. Bem, como eu sei que aquilo são naves? Você por acaso já assistiu Star Wars, Família do Futuro, ou algo assim?

Na verdade, não acredito que você tenha assistido a Família do Futuro porque é um desenho. E DAÍ?! Eu assisti, qual é o problema? O que você pode ficar fazendo em casa quando sua bateria está quebrada, quando na TV não tem porcaria nenhuma para se assistir, quando sua namorada te chifrou, quando se odeia computador, quando seus amigos não estão em casa, com a desculpa de terem ido falar com o produtor, quando você está se sentindo o pior cara do mundo, ainda mais agora que você tem um belo par de chifres na sua cabeça ou quando tudo isso acontece junto?

Assista desenho. É o melhor remédio para um cara chifrudo sem nada para fazer, ACREDITE!

Ela me levou está a maior nave. A nave era meio vermelha, meio branca. A Lily pegou um controlezinho em cima de uma mesinha que tinha ao lado de cada máquina e apertou o botão.

Pi-pi.

A porta da nave se abriu e ela me puxou para dentro.

- Vem logo! – exclamou parecendo estar um pouco nervosa.

Cara, por fora isso aqui parece tão pequeno, mas por dentro... MY GOD! É muito grande, sabe? Sério, dá para se perder aqui dentro, te juro! Que coisa doida!

- Isso... Aqui... É... Uma... Nave! – falei pausadamente ainda atordoado com o fato de eu estar dentro de uma NAVE!

- Não. Não é uma nave. É um Frisbee Intergaláctico.

- Aah. Mas é uma nave!

- Não, não é! Naves são aquelas bicudinha de guerra, isso aqui é um Frisbee Intergaláctico! ENTENDEU?!

- Entendi, entendi!

A nave, digo, frisbee intergaláctico começou a andar. Bem, eu tenho um pouco de medo de altura.

- Ahn... Dá para você voar baixo? – eu disse. Ela arqueou a sobrancelha de novo e abriu a boca para falar, mas eu fui mais rápido. – Não... Já sei.

Logo começamos a ganhar uma altura considerável. Minha boca começou a ficar seca e... Eu comecei a passar mal.

- Você está bem? – indagou com um ar preocupado. Um álien está preocupado comigo?

Ela se aproximou de mim e colocou sua mão quente sobre a minha. Só uma coisa, agora eu não estou mais enjoado! Sinto borboletas no meu estomago.

- Calma. – ela levantou, entrelaçou seus dedos aos meus e me puxou até o “pára-brisa” da nave, digo, frisbee intergaláctico para me mostrar a cidade. – Está vendo aquele lugar ali. Aquele prédio amarelo? Então, aquela é a escola onde eu estudei...

Ela continuou me mostrando a cidade. Aos poucos eu fui sentindo as borboletas sumirem.

- Ali é o Cine-Littlestar. Eu que fiz o projeto, legal né?

- Aham. E aquilo ali?

- Ah, ali é o parque de diversões da cidade. Chama Littlestar Cream. Chama assim porque o brinquedo principal tem a forma de um sorvete. Eu que inaugurei.

- Aaah. Que legal!

- E, por último, aquele lugar ali.

- Qual?

- Aquele ali. Tá vendo aquela pedra? A deformadinha. – eu olhei e reconheci a pedra. Era a mesma que eu estava sentado.

- O que tem aquela pedra? Não é a que nós estamos sentados?

- É sim. É, aquele lugar é o lugar onde eu... Eu... Te encontrei. E onde eu... Sempre vou observar as estrelar, e pedir para elas para que eu encontre o meu terráqueo. O meu terráqueo perfeito.

Preciso dizer que as borboletas voltaram?

Ela olhou para dentro dos meus olhos, fazendo com que eu olhasse os dela também. Uma luz branca e densa entrou na nave e eu pude ver a Lua.

Nós fomos chegando perto, um do outro e quando estávamos prestes a nos encostarmos ela murmurou:

- Meu Terráqueo.

- Minha Garota Estelar. – murmurei em troca.

Nossos lábios se encostaram. Meus lábios frios e secos, devido ao medo de altura, e os lábios quentes, macios e úmidos dela.

TRIIIIIIIIIIM!

Eu estendi a mão até alcançar algo sólido, joguei o que havia encontrado no chão e logo ouvi um barulho de vidro quebrando.

Abri meus olhos e logo voltei a fechá-los, por causa da claridade. Abri novamente, agora conseguindo suportar que a luz entrasse neles.

Olhei para o relógio espatifado no chão e olhei no criado mudo. Foi então que eu vi uma foto de uma garota, uma garota que eu sabia bem quem era. Virei a foto, para me certificar que aquilo não era mais uma das brincadeiras dos toscos dos meus amigos, e li:

“Eu não pude pedir para você ficar”.

Peguei uma caneta e pensei por alguns segundos. Decidi então escrever:

“Eu não quero desistir de você, porque simplesmente não faz sentido.

Minha garota estelar domina os céus.

Para sempre”.




¹: não me pergunte de onde eu tirei isso o.o


Luh, essa fic foi para você. Gente, originalmente, o shipper dessa fic era LuanaCaulfield/Harry Judd (baterista do McFLY para quem não sabe), e agora eu a transformei em J/L porque eu gostei pacas dela. Então, a minha homenagem para Luh está nos depoimentos dela do orkut. Essa fic é baseada na música star girl, e se você quiser ouvir, clique em cima do nome da música.

Ah, só para constar, Luh txâmo muitão.

E a fic está sendo postada sem a beta ter betado, né, Nine? .--. Depois você beta, tá boom? *--*

Beijo para vocês!


Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.