FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

4. A Iniciativa das Mães


Fic: Noivos em Fuga


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


 




~*2 Semanas depois, Salão de Eventos da Companhia de Vassouras Firebolt*~


A apresentação do novo modelo fora prefeita. O comercial não era lá muito inovador, mas exibia as qualidades da vassoura e era isso que importava. Mostrava manobras incríveis realizadas por um homem e uma mulher. Eles estavam em lugares diferentes e atravessavam povoados, desviavam de dragões, cruzavam bosques. No fim, eles estavam voando tão desesperadamente apenas para chegar na hora marcada pr’um encontro.

A idéia fora de Pansy, mais uma vez comprovando o fato de que ela sempre acabava salvando sua pele. Na mesma noite em que ela o ajudara, contara que tinha conhecido um tal Harry e que não conseguia parar de pensar nele. A morena chorara muito, dizendo que não era certo gostar de outro, estando noiva, mas Draco a tranqüilizara, garantindo que iriam desfazer o compromisso o quanto antes. A amizade de ambos era mesmo muito grande, eles sabiam que não seriam felizes juntos, então estavam dispostos a apoiar o outro se este se apaixonasse.

Após a apresentação do comercial, Draco recebeu os agradecimentos e dirigiu-os à Pansy, dizendo que ela era a dona da idéia. Os repórteres pediram que ela subisse ao palco e a moça não teve como recusar. Quase cometera um erro terrível, pois ao agradecer, dissera apenas que a idéia viera de uma grande amiga. Houve uma certa comoção na audiência e o louro chegou a ver os olhos de seus pais e seus “sogros” se estreitarem. Rapidamente acrescentou “Noiva”, abraçando a moça e beijando seu rosto. Foi o bastante para que os ânimos se acalmassem.

Ela não se sentia muito disposta a ficar na festa, ainda mais depois do agradecimento.

-Draco, posso ir embora?

-Agüenta só mais um pouco, tá? Não vai demorar muito mais.

-Tá bom. Vou dar uma circulada. – a morena se afastou um pouco, mas ele a puxou de volta e lhe deu um abraço apertado.

-Se você quiser se esconder da sua mãe, - disse em seu ouvido – pode ficar na minha sala.

-Obrigada. – Pansy gostou do abraço, lhe transmitia força e amizade. Sorriu pra ele, agradecida e saiu.

-Qual o problema da Pans? – perguntou Blaise, preocupado com a amiga – O noivado?

-É... mas não só isso. Ela me disse que conheceu um cara. Blaise, nunca vi os olhos dela brilharem tanto, nem quando a gente namorava de verdade.

-Eu sempre tive medo disso nessa história enrolada de vocês. Nada nunca impediu que seus coraçõezinhos livres, leves e soltos resolvessem se apaixonar. Quero ver vocês saírem dessa.

-Ah, não enche, Blaise! – mas o pior era que o amigo estava certo. Ele próprio já pensava na Weasley com mais freqüência do que seria saudável – Nós temos que fazer o que é melhor pra ela.

-E o que seria?

-Se você tivesse visto o jeito que ela falou do tal cara, concordaria comigo que o melhor pra ela é ficar com ele.

-E se vocês fossem um casal normal, eu diria que nada poderia impedi-la, já que o noivo está de acordo. Mas nós sabemos que a opinião de vocês é a que menos importa nesse relacionamento.

**

A morena decidiu não ir pra sala de Draco, não queria ficar em um lugar fechado. O que queria mesmo era fugir daquele lugar. Sua mãe estava particularmente insuportável naquela semana, falando sobre o casamento sem parar. E isso era a última coisa que lhe passava pela cabeça. Há tempos, o casamento não era prioridade, mas desde que conhecera Harry, ela sequer se importava com o sacramento.

Finalmente chegara ao jardim. Sentou numa área junto a um canteiro de margaridas e se distraiu com a beleza das flores. A aproximação de alguém lhe chamou a atenção. Ergueu a cabeça e se deparou com ninguém menos que o seu Harry.

-Você? – ela abriu um largo sorriso e se levantou. Tentou abraçá-lo, mas ele se afastou.

-É verdade o que o Malfoy disse? Você é noiva dele? – havia rancor na voz dele e incredulidade em seus olhos.

-Sou. – ele deu um sorriso sarcástico que a arrepiou – Mas é uma história complicada...

-Pelo contrário, tudo me parece muito simples. Você resolveu sair, encontrou um cara e quis brincar com ele.

-Não é nada disso! 

-E o que é então, Pansy Parkinson, futura senhora Malfoy? – o tom dele era carregado de desdém, o que trouxe lágrimas aos olhos dela.

-Eu não quis brincar com você! Não saí pra conhecer ninguém naquela noite, o que aconteceu foi... acaso!

-Antes você se contentava em ofender as pessoas, mas eu vejo que seu sadismo subiu de nível. Não sei como não te reconheci. 

-Você nunca iria esperar encontrar Pansy Parkinson numa boate trouxa. Nem você, nem a imprensa e muito menos, os meus pais. Por isso fui pra lá! Só queria dar um tempo da minha própria vida! – desabafou ela, em voz alta. Havia muito desespero em seus olhos, o que fez Harry pensar se não estava sendo injusto.

-O que tem de tão errado na sua vida?

Ela mostrou a mão direita, cujo dedo anelar estava adornado por uma bela aliança.

-Meu noivado.

-E porque você não termina?

-Se fosse tão fácil... Acha que eu nunca tentei? Sempre que eu levanto o assunto, alguma coisa mais importante acontece. Isso sempre fica pra segundo plano. Sem falar que me ver casada com o Draco é o maior sonho dos meus pais. 

-Eles não percebem que você não quer?

-Acho que não ligam... Ou então não percebem, não moro com eles. – ela o encarou – A questão é que eu nunca traí o Draco. Não o amo dessa forma há muito tempo. 

-E quanto a mim? O que sente?

-Acho que eu te amo...

Seja o que for que esperava ouvir dela, com certeza não era isso. Ergueu tanto as sobrancelhas que elas quase sumiram junto aos seus cabelos. Ela sorriu brevemente.

-Eu não sei o que dizer.

Ela soluçou e mais lágrimas correram por seu rosto alvo.

-Só não diga adeus...

Ao vê-la tão frágil e depois de ter passado tanto tempo pensando nela, Harry se arrependeu de estar tendo aquela conversa. E daí que ela era noiva? Ele só precisava olhá-la nos olhos pra saber que ela era sua. Assim como tinha certeza que nenhuma outra mulher o faria se sentir da forma que ela fazia. Ainda lembrava das sensações que o beijo dela lhe despertara. 

-Nunca. Não vou me afastar de você... – ele se adiantou e a abraçou com força. Pansy apoiou o rosto na curva de seu pescoço, aspirando o perfume – Não vai se livrar de mim tão facilmente. – brincou.

Ela ergueu o rosto e o beijou. Aquele beijo maravilhoso que os tirava do planeta.
Quando se afastaram, Harry encostou a testa na dela e disse:


-Te achei.

-Não me perca, tá?

-Nunca!

-Me tira daqui, por favor.

-Pra onde você quer ir?

-Pra um lugar seguro.

Ele a ergueu nos braços e desaparatou dali. Do canto do jardim, um par de olhos azuis acompanhava toda a ação. Sorriu ao ver a amiga beijando o Cabeça-Estragada. Achou uma grande ironia que o tal Harry que ela conhecera numa boate trouxa fosse Harry Potter. Mas ela estava feliz e isso era o mais importante.

Tomou o caminho de volta para o interior do Salão de eventos e se deparou com ninguém menos que Lucius Malfoy ladeado por Henry Parkinson, seu ‘sogro’. Apesar de ser da mesma altura deles, Draco sempre sentia-se como uma criança quando os dois apareciam assim, de surpresa.

-Draco, onde está minha filha?

-Foi pra casa. – respondeu, rezando para que seu pai não resolvesse dar uma de Legilimente, ou a amiga teria problemas sérios.

-Sozinha? Draco, porque não a levou?

-Ela insistiu que eu deveria ficar, afinal a Firebolt pertence à Malfoy Inc. Eu disse que não haveria problemas em acompanhá-la rapidamente, mas ela se preocupa muito com meu trabalho. 

-É, a minha Pansy é uma moça muito ajuizada. – comentou Henry, com um largo sorriso – Será uma excelente esposa... – ele passou o braço sobre os ombros de Draco e começou a caminhar, praticamente arrastando o louro – Minha menina é muito especial, não merece ser tratada com descaso...

Draco viu logo onde ele queria chegar com aquela conversa mole. Mais uma vez, ia cobrar que eles marcassem a data. Felizmente, já era vacinado quanto àquilo. Tinha todas as desculpas na ponta da língua. Só não gostava quando Henry o “abraçava” daquele jeito, o homem era forte e tinha um jeito de general do exército que assustava às vezes.

-Mas eu sei que você nunca faria isso à minha princesa, não? – ele apertou o abraço, quase quebrando as clavículas e omoplatas de Draco.

-Claro que não, Henry. Meu filho jamais aprontaria uma dessas. – Lucius cumprimentou o filho com um tapinha nas costas que ecoou em sua cavidade torácica. Em seguida, voltou pra festa acompanhado do amigo. O louro respirou fundo devagar, queria ter certeza que não sofrera nenhuma fratura.

-Esses dois estão estranhos. Tem alguma coisa acontecendo e eu tenho certeza de que não vou gostar... Bom, de qualquer forma, Pansy, você me deve uma. – lembrou de Gina e do beijo que tinha dado nela – E eu já sei como cobrar...

**

Harry chegou a uma sala bem arrumada, decorada em tons de cinza e azul-marinho.

-Bem vinda à minha casa. O lugar mais seguro que eu pude pensar.

-Obrigada.

Ele a pôs no chão e os dois ficaram se encarando. 

-Ah, não pense que eu te trouxe aqui com segundas intenções, tá? – ele deu um passo pra trás – É que você disse que queria sair de lá e... – calou-se ao sentir os dedos dela sobre seus lábios.

-Tudo bem. Não estou pensando mal de você.

-Mesmo? – ela confirmou com a cabeça – E o que pensaria se eu te beijasse?

-Vem descobrir.

Beijaram-se ansiosamente, esquecendo-se dos problemas e das complicações. 


~*Manhã seguinte, Mansão Malfoy*~


-Olá, Narcisa. Como está?

-Muito bem. E os preparativos?

-Vão maravilhosamente bem. As flores chegarão amanhã, o vestido já ficou pronto, a igreja está sendo decorada. 

-Ótimo. Desse final-se-semana, esse casamento não passa. Mas o mais importante é que as crianças não podem sequer suspeitar de que estamos organizando as coisas.

-Quanto a isso fique tranqüila. Nós sempre vamos ao campo nos fins de semana. A Pansy não vai perceber que dessa vez algo será diferente. Mas o Draco não vai achar estranho se o convidarmos?

-É aí que está. Nós vamos com o propósito de conhecer a nova casa de campo. Ele só vai descobrir quando for tarde demais. Não haverá nenhuma desculpa dessa vez!

-Ai, imagino minha filhinha com aquele vestido... Ela vai ficar tão feliz!

-O Draco também. Eles vão nos agradecer muito por ter organizado tudo. Do jeito que trabalham, não tem tempo pra nada, pobrezinhos.

-Finalmente veremos nossos filhos casados, Narcisa! Ainda não consigo acreditar...

-Nem eu. Mal posso esperar pra entrar com Draco na igreja... Acho que não vou agüentar de emoção.



*************************************************
N/a: Gente, vcs não fazem idéia de como mh conexão de internet está. Por isso ñ consegui att antes, simplesmente não conseguia conectar. Me desculpem, tá? O próx cap tá qz pronto, mas não sei qnd poderei entrar de novo pra postar. 
Sorry...
:-(
 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.