FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

6. Cap 6


Fic: NC-16 VINGANÇA - Dramione by LandaMS cap 9 e 10 on


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

                                                                Seis.


 


Comprou todas as revistas de fofocas da banca no final da rua. Sua imagem aparecia em todas elas e a maioria sendo o conteúdo principal.


Jogou-as em cima do acento do sofá e se sentou na outra ponta pegando a primeira.


Na capa viu sua foto e a dela. Em volta notícias de saúde, horóscopo, namoro e novela.


Mas a manchete principal é o que lhe interessava. Riu não acreditando muito no que fizera.


Olhou a matéria de uma segunda revista e sacudiu a cabeça percebendo que o jornalista alterara muito do que ele dissera, camuflando a verdade com palavras distorcidas.


Continuou olhando até a última revista deslizar sobre seus dedos até a pilha.


Levantou-se e caminhou pelo quarto do hotel onde estava. Olhou de novo para a pilha de revistas em cima do sofá. A manchete gritante saltava aos olhos.


Riu mais uma vez achando graça da situação que se encontrava.  Se metera em uma tremenda confusão.


 




(***)


 


Quando desceu do carro a primeira coisa que fez foi impedir que Pansy Parkinson


Avançasse com os paparazzi para dentro de sua casa.


Ela falava e gesticulava com eles como se esperasse que algum deles fizesse a tão esperada pergunta para que a reputação de sua atual esposa escorresse pelo esgoto.


_Ele tem algo a revelar aos senhores que fará com que toda a nossa sociedade estremeça. Então prepare suas câmeras e venham comigo.


_Não. Esperem.


Gritou, parando o grupo guiado por ela.


_O que foi agora Ronald?  - Perguntou já impaciente.


Queria entrar logo na casa e desmascarar Hermione para o mundo.


_Não será preciso que entrem na casa.


Ela fechou o semblante e se aproximou dele de maneira furiosa. Ronald havia previsto aquilo e por isso agiu rápido. Os fotógrafos começaram a trabalhar.


Passou na frente dela e fez com que todos começassem a tirar fotos enquanto ele começava a falar.


_O que tenho a dizer a vocês é que... Eu vou me casar.


Os flash’s aumentaram e uma chuva de perguntas entrou em seus ouvidos.


 



 


_Mas o senhor já não é casado?


_Com quem senhor?


_O senhor se divorciou da senhora Weasley?


_Isso é algum tipo de marketing do time por causa da derrota de ontem?...


As perguntas continuaram e ele não conseguiu responder a nenhuma.


Por outro lado Pansy puxou as vestes dele questionando.


Ele ignorou o “o que pensa que está fazendo?” dela e continuou.


Gesticulando com as mãos ele fez os jornalistas se calarem.


_Não foi há muito tempo... – Ele fez uma pausa dramática enquanto via as canetas correrem feito flechas sobre os bloquinhos de papel.  – Eu conheci uma mulher incrível. Ela entrou na minha vida de forma diferente e inesperada...


Quando terminou de falar Pansy Parkinson estava boquiaberta com a lorota que ele contava.


Ao longo do relato dele, ela sentiu como se uma força superior a impedisse de dizer qualquer coisa para impedi-lo de continuar mentindo daquela maneira e quando sua consciência voltou, ela ficou de olhos arregalados enquanto o via se ajoelhar na calçada e pedir que fosse sua esposa.


_Pansy Parkinson... Aceita se casar comigo?


Os lábios dela tremeram para pronunciar as palavras que desmentiriam tudo que ele havia dito, mas por alguma razão Ronald percebeu e a impediu levantando-se e a abraçando pela cintura, puxando-a para junto dele.


_Coitadinha. Ela ficou tão emocionada que ficou sem fala minha gente.


 _Eu não...


Mas a frase dela ficou apenas nisso, pois pressentindo o perigo, Ronald a calou com um beijo longo e afetuoso. Que lhe tirou o fôlego.


E quando suas bocas se desgrudaram ela estava atordoada demais para dizer qualquer coisa.


 _Agora se vocês me dão licença, vou levar minha adorável noiva para um jantar romântico para que possamos comemorar nosso compromisso.


As perguntas voltaram a chover enquanto ambos iam até o carro e os flash’s iluminavam o caminho de um Ronald aliviado e de uma Pansy estupefata e sem reação.


Antes de ligar o motor ele só disse que responderia a mais perguntas daqui a vinte e quatro horas, ou seja, daqui a dois dias.


Ligou o motor, deu a ré e acelerou, mudou a marcha e arrancou com o carro para fora do condomínio. Pelo retrovisor viu a pequena aglomeração se dispersar. Cada um indo para seus carros de reportagem.


Vinte quatro horas para colocar tudo nos eixos com Hermione. Agora só faltava encontrar com ela para resolverem tudo. De Pansy Parkinson ele cuidava depois.


 


 



 


(***)


 


Aquela noite havia sido muito estranha. Depois de praticamente se declarar para Draco Malfoy ela se via em uma encruzilhada.


Havia visto através das persianas da cozinha, Ronald e Pansy Parkinson – a mesma que já tinha visto em várias festas em que freqüentavam – no jardim da frente em meio a um monte de jornalistas, pensou claramente e entrou em pânico. Ele, de alguma maneira havia descoberto que ela estava em casa acompanhada por outro homem.  Sua mente gritou alto que fora aquela mulher que o levara ali. Ele tinha ido ali para pegá-la em flagrante e tudo ficou claro como cristal. Sentiu uma tontura sem igual e aquilo só piorou quando em seguida viu seu marido beijando a mulher enquanto milhares de luzes apagavam sua visão...


Draco estava chegando à cozinha quando viu Hermione se apoiar na pia e despencar para o lado. Apressou o passo e amparou-a antes que seu corpo viesse a se chocar contra o chão frio do ambiente.


O que tinha acontecido ele não fazia a mínima idéia. Apenas escutou o ronco de um motor e quando olhou pela janela viu Pansy Parkinson sair discutindo com alguém e um grupo grande de pessoas se espalharem pela rua. Depois vários carros saírem pelo mesmo caminho que o primeiro. Em um deles leu escrito no pára-brisa traseiro REPORTAGEM, Fechou o semblante. Hermione gemeu em seus braços, mas não despertou.


Fazendo um pouco de esforço, ele lutou para acomodar a mulher em seus braços e com cuidado para nãos esbarrar com ela em nenhuma quina de mesa ou de algum armário, ele a levou para o patamar onde se encontrava os quartos. Quando entrou no quarto dela, ele a acomodou na cama e buscou pelo celular no bolso do paletó.


Discou o numero de seu médico particular e com uma pequena orientação ele aplicou os primeiros socorros.


 



 


Aguardou meia hora até ouvir a campainha tocar. Desceu correndo as escadas e foi atender a porta.


Era o doutor McAlyster.


Levou-o diretamente a paciente.


Enquanto a examinava ele esperava impaciente sob o batente da porta.


McAlyster mediu a temperatura, a pressão e os batimentos cardíacos...


_Essa moça vai ficar bem. – Disse após se levantar da beirada cama dela. – Só precisa de um pouco de descanso. Ela tem pressão baixa, mas acho que ela controla muito bem seus sintomas. Pelo que vejo ela pode ter esquecido de tomar alguns de seus remédios hoje.


Ele tocou alguns frascos em cima do criado mudo indicando os medicamentos.


Só agora ele havia percebido os remédios ali.


Ela o tirava de órbita mesmo quando estavam ali sozinhos.


_E o que devo fazer doutor?


_Por enquanto nada. Ela acordará daqui a pouco. Dê-lhe um copo com água e um comprimido desses aqui – Ele apontou o vidro menor.


Draco assentiu.


_Não se preocupe. Ela ficará bem. – Draco assentiu. – Mas se houver qualquer coisa é só me ligar.


_Obrigado doutor.


Draco tirou o cartão de crédito do bolso e o médico usou daquelas maquinas de débito portátil para realizar a transação de pagamento.


Ele o acompanhou até a saída e voltou correndo até o quarto.


Hermione estava começando a sentar na cama. Ele pegou a jarra de água ao lado dos frascos do remédio e serviu meio copo.


Sentou ao lado dela e a viu passar a mão no cabelo ajeitando-os.


_Tome. Beba isto.


Ela pegou o copo e a cápsula e bebeu.


_O que houve?


 _Você desmaiou. Segurei-te antes que batesse a cabeça. O médico disse que sua pressão abaixou mais do que o necessário.


_Médico?... – Ela entendeu que ele havia chamado um médico para analisá-la. – Desculpe por ter lhe causado este transtorno.


Ele puxou os lábios em um sorriso e negou com a cabeça.


_Não foi transtorno nenhum.  Eu gosto de cuidar de você. Seu marido é que não sabe a mulher maravilhosa que está perdendo.


Hermione encarou-o e aquilo fez ele perceber que havia cometido um deslize ao falar.


De repente ela se lembrou o que a fizera desmaiar.


Ronald Weasley.


Ronald esteve ali perto de pegá-la em flagrante, mas ele beijara outra mulher no portão de sua casa e havia muitos pessoas e clarões esbranquiçados. Fotógrafos. Sim, eram fotógrafos... Paparazzi’s.


Deus! Aquilo sairia nas edições da revista do dia seguinte.


E se a tivessem fotografado também. Ronald havia estado ali para desmascará-la e levara um monte de fotógrafos para registrar sua infidelidade, mas por que não o fizera? E por que ele beijara aquela mulher na frente de todos eles?


Com certeza seria para humilhá-la.


Ela não conhecia a palavra desespero, mas achou que o que estava sentindo eram os sintomas agravados do sentimento. Se é que ela podia chamar aquilo de sentimento.


Meio zonza ela se apoiou na cabeceira da cama e cambaleou pelo quarto sob protestos de Draco Malfoy.


_ Ainda não pode se levantar... O médico disse que precisa descansar.


_Meu marido está aí fora. Veio desmascarar-me. Pegar-me em flagrante com outro homem.


Draco passou na frente dela e a segurou pelos ombros.


_Você quer se acalmar- Hermione o encarou. – Ele não está aqui. Vi todos eles irem embora. Não há mais ninguém aqui, apenas nós dois.


_ Mas eu o vi... Lá fora beijando outra mulher e um monte de fotógrafos registrando aquilo.


_Draco ergueu as sobrancelhas em divertimento, deixando-a mais e mais confusa.


_Por que está rindo. Meu marido veio aqui para nos pegar em flagrante e você ainda ri disso.


Agora ela estava exasperada.
_Você não entende? Vi a mulher que estava com ele.


_Eu também vi, e ele teve a canalhice de beijá-la na frente de todos eles.


Draco abriu ainda mais o sorriso. Compreendendo tudo.


_Oh, Deus! Minha vida virou um inferno e você ri de tudo?


_Você quer se acalmar?


_Você não compreende!


_É você que não está compreendendo.  Você não percebe? – Ela não conseguia entender onde ele queria chegar. – Seu marido veio aqui para pegá-la em flagrante, mas mostrou ao mundo que o infiel sempre foi ele.


Ela enrugou a testa percebendo que ele tinha razão.


E agora analisando um pouco melhor, ela realmente percebia que não havia ficado tão magoada assim quando vira Ronald beijar outra mulher.


Olhou para Draco parado a sua frente e viu que ele a avaliava de um jeitinho só dele.


Pelo pouco tempo de convivência com aquele homem, Hermione começara a prestar mais atenção. Ser mais observadora em relação às outras pessoas.


Draco tinha alguns elementos naturais em sua personalidade que pareciam fazer parte dele desde criança.


O modo como ele sorria, o modo como ele a olhava, o jeito como ele passava as mãos nos fios platinados na tentativa – ao modo dela ver, inúteis – para tentar retirar o cabelo dos olhos, e acima de tudo sua maneira inconfundível de fazer amor.


Pensar nisso fez uma pequena corrente elétrica subir por sua espinha.


E outros sentimentos ainda mais fortes aflorarem em seu ser.


Ela respirou fundo tentando controlar seus pensamentos. Não eram indecentes como as noites


de sexo que tivera com ele, mas eram confusos e que estavam fazendo seu corpo reagir de maneira estranha. O pensamento do que dissera para ele na sala de jantar veio como um míssil em sua mente. Hermione fechou os olhos na tentativa de se controlar.


Precisava ficar sozinha. Puxou os cabelos para trás tirando-os da curva do pescoço. Deu alguns passos para longe de Draco e se virou para encará-lo.


_Desculpe, mas preciso ficar sozinha.


_Eu posso esperar lá embaixo até você se acalmar.


_Não!... Digo... Não me leve a mal, mas eu preciso colocar meus pensamentos me ordem. Estou muito confusa.


Draco soltou um ruído de compreensão. Foi até a poltrona onde depositara o casaco que despira antes do médico chegar e o recolocara sobre o corpo.


_Você quer que eu ainda volte amanhã?


Se ela queria que ele voltasse amanhã?


Deus! Que espécie de pergunta era aquela?


Ela queria que voltasse todo dia. Sua mente gritava que ele ficasse ali para sempre.


_Eu não sei... Digo... – Ela balançou a cabeça. – Eu ligarei para Samanta quando me decidir.


_Eu não trabalho mais para ela. Desliguei-me da agência para sempre.


Hermione queria perguntar por que, mas no fundo ela tinha medo da resposta então resolveu que seu silêncio era o melhor argumento.


Draco olhou para ela e seu lábio se repuxou num pequeno sorriso.


Ele foi até uma mesinha no canto do quarto e rabiscou alguma coisa num bloquinho perto do telefone. Aproveitou que a distância entre o telefone e Hermione era mínima e se aproximou dela.


_Deixei meu numero novo, caso queria falar comigo.


Hermione desviou o olhar para o bloco de notas, mas seus olhos se detiveram apenas por cinco segundos no objeto.


_É claro. – Olhou para ele e percebeu a distância minúscula de seus corpos.


Draco pigarreou limpando a garganta.


_Acho melhor eu ir...


Ela não disse nada, mas sacudiu a cabeça concordando.


Agora a distancia parecia ter diminuído ainda mais e ela podia sentir o calor do corpo dele emanar de encontro ao seu. O perfume amadeirado de sua pele adentrar suas narinas. As matizes de seus olhos cinzentos se destacarem no tom azul formando aquela tonalidade única de suas íris.


O cheiro de hortelã tocar seu rosto à medida que ia se aproximando.


Hermione engoliu a saliva com dificuldade e abriu os lábios. Draco interpretou aquilo como o restante do convite que faltava.


Sem que seu corpo a tocasse ele a beijou de maneira suave e apaixonante. Hermione retribuiu deixando que ele aprofundasse o beijo o tanto que lhe fosse conveniente.


Sua mente gritando descontroladamente que ele a levasse para cama.


E os outros pensamentos descoordenados que estava tendo evaporaram subitamente.


Aquele beijo doce pareceu se estender por um século e Hermione desejou que fosse pela eternidade.


 



 


Mas uma eternidade é muito tempo para ficar sem oxigênio e Draco, mesmo a contra gosto, teve que se afastar quebrando – infelizmente – a magia que ele mesmo havia criado.


Lambeu os próprios lábios afim de guardar por mais tempo o sabor da boca dela em seu paladar.


Hermione manteve os olhos fechados por mais tempo na esperança de que ele voltasse a beijá-la. Inclusive deixou os lábios entreabertos para que ele já pudesse introduzir a língua direto em sua boca quando a tomasse em seus braços.


Mas uma pontada de decepção tomou conta do seu coração quando percebeu que ele não o faria. Abriu os olhos.


_Boa noite, Hermione.


Ela teve que se contentar em ouvir a voz rouca e sedutora dele lhe desejando uma noite tranqüila.


Ela não respondeu, embora sua mente pedia desesperada que ele ficasse ela não tinha coragem de pedir, principalmente depois de tê-lo mandado ir.


Com o coração aos pulos e o corpo desejando ardentemente por ele, Hermione o viu caminhar até a porta, abri-la, sair e fechá-la


Quando se viu sozinha no quarto, ela jogou a cabeça para trás e suspirou bem alto. Tinha que por os pensamentos em ordem ou iria enlouquecer. Mesmo sabendo que aquilo lhe causaria sofrimento, ela teria que falar com ele. Olhara pela janela. As luzes da rua estavam todas acesas e alguns carros entravam em suas garagens. Os maridos de suas vizinhas acabavam de chegar em casa. Certamente do trabalho. Ela riu pela ironia. Muitos deles com vidas conjugais fora do casamento original e só ela passando por aquele dilema.


Estava na hora de resolver aquele assunto de uma vez por todas.


_Ronald Weasley está na hora de resolvermos nossas vidas para sempre.


Ela deu outra risada, mas dessa vez sem vontade nenhuma.


A vida era mesmo injusta...


 


 


Continua...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 09/12/2013

Ameeeeeeeeeeeei!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Landa MS em 17/08/2013

na verdade me surpreendi também quando abri o cap e vi esse detalhe. Que
estranho!

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por M R C em 15/08/2013

sabiiiiiia q Ron nao ia fazer essa loucura!!

fiquei na duvida se ele de fato tem sentimentos pela pansy

gostei muito do capitulo
mas nao consegui abrir as fotos !!

beijos     

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.