FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

6. Pensando nas horcruxes!


Fic: A MAIOR AMIZADE DO MUNDO


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Os dormitórios haviam mudado muito. Agora eram duplos, não mais quádruplos. A lista de regras pregada no Salão Comunal era gigantesca. Não se pode andar pelos corredores sozinho; não é permitido fazer isso, ou fazer aquilo; é proibido o uso disso e disso. Enfim, um monte de baboseiras, concluiu Harry.

=____________________________________________________=

Harry Potter pensou que ao chegar em Hogwarts todos os sonhos que vinha tendo acabariam. Ainda mais depois de uma noite tão boa. No começo ficara preocupado com Hermione, mas depois relaxara e percebera que era só um ciuminho bobo de Rony, assim como ele sentira quando viu as amigos recebendo a notícia que seriam monitores e ele não. Mas não foi exatamente uma noite tão tranqüila como Harry imaginava. Pelo contrário, teve um sonho tão horrível quanto o resto dos dias. Dessa vez ele estava em uma sala mobiliada com móveis bastante chiques, que só uma família de bruxos ricos poderia comprar. Sentiu sua boca se mexendo quando uma voz fria e aguda falou através dele.


-COMO VOCÊ PÔDE DEIXAR ISTO ACONTECER, SEVERO?

-Milorde, e-eu n-n-não sei o que d-dizer...

-DIGA QUE FOI TUDO INVENÇÃO! QUE NÃO ACONTECEU NADA DO QUE ESTÁ ME CONTANDO! POR MERLIN! VOCÊ FOI O ÚNICO QUE EU CONFIEI O BASTANTE PARA CONTAR O QUE NAGINI CONTINHA! O QUE A COBRA CARREGAVA!! SABE A IMPORTÂNCIA DISSO? EU SÓ ESQUECI DE MENCIONAR UM FATO! HAVIA DUAS NELA! D-U-A-S!

-Não... Duas? Mas como é possível?

-LORD VOLDEMORT É CAPAZ DE TUDO.

-Eu sei... N-não foi isto que eu q-quis di-dizer... tenha misericórdia. Por favor, Milorde!

A sombra que transpassou os olhos de Voldemort naquele momento foi indescritível. Era uma mistura do ódio que ele sentira a vida toda, com o medo de perder alguma coisa realmente valiosa, junto com o desejo de matar, Por fim disse com o mesmo tom de voz cortante:

-Você não vale para mim morte. Mas vai pagar pelo seu erro, Severo, E muito caro. Crucio!

E Harry sentiu toda a dor de Snape junto com a raiva e crueldade de Voldemort. Abriu os olhos antes que aquilo continuasse. Sua pele estava queimando em febre. Seu corpo mal conseguia se mexer. E sua cicatriz, bom, essa era o que mais doía.

O menino fez uma força incondicional para mover os músculos. Sua cama estava molhada de tanto suor. Ele não queria que os outros percebessem que estava acordado... Não tinha feito muito barulho, naturalmente, se não Rony seria o primeiro a estar perguntando por ele. Harry levantou cautelosamente, e lembrou-se que agora seu único companheiro de quarto era o melhor amigo. Não ouviu ruído nenhum de Rony, então veio um súbito desejo de chamá-lo.

-Rony? Cara?

Harry aproximou-se da cama do amigo, e, surpreendentemente, ele não estava lá. Mas Harry nem se importou, foi até um alívio saber que poderia passar um tempo sozinho. Ele estava muito mais interessado em pensar no que aconteceu no sonho.

Tentou lembrar de tudo, puxar cada detalhe da sua mente, mas cada vez que tentava, sua cicatriz doía mais. Uma coisa era certa: algo de muito ruim tinha acontecido, por isso aquela raiva toda que Voldemort estava sentindo. E esse acontecimento tinha algo a ver com a cobra, portanto com um pedaço da alma de Voldemort. Ou dois, já que no sonho Harry se lembrava que Voldemort gritara insistentemente que havia “duas” em Nagini.
Assim se desenrolou a noite do garoto Potter, que buscava a solução para todas as perguntas que ele mesmo se fazia. Ele passou a noite inteira em claro, e Rony não voltou.

=_________________________________________________=

Hermione amanheceu muito melhor humorada do que ela estava na noite anterior. A garota estava sorridente e tinha um ar de espontaneidade.

-Bom dia, Harry! – Hermione disse, dando-lhe um carinhoso beijo na bochecha, fazendo Harry corar.

-Hm... Bom dia, Mi. O que causa o seu bom humor?

-Ah, nada especial. Encontrar você, e só. – a menina corou, levando a mão à boca. Parecia que não gostaria de ter dito a última frase. Harry nem percebeu, apenas sorriu e disse:

-Também fico feliz em encontrar você, Mione.

-Ei, por que o Rony não está com você?

-Não sei, ele nem dormiu no quarto.

-O que? E como você nem está preocupado?

-Acho que é algo com os monitores-chefes, por isso a gente não sabe. Falando em monitores-chefes, o que a Professora McGonagall queria com você ontem?

Hermione suspirou, estudou Harry com os olhos e disse por fim:

-Nada demais. Ela só disse que não era para eu me preocupar com o fato de Rony ser monitor. É questão de chance. É melhor que ele aprenda a ser responsável por conta própria e este tipo de coisa. Mas é claro que eu seria melhor para colocar ordem na escola, mas uma batalha está prestes a começar e Rony precisa de um pouco de espírito de liderança.

Estava explicado o bom humor de Hermione.

-Hum... acho que entendi – e Harry sorriu com o canto da boca.

Subitamente, o garoto lembrou-se do sonho. Ele queria contar para Rony, mas o amigo sumira sem dar nenhuma satisfação prévia. Então, ao olhar para Hermione, uma força de confiança subiu por sua garganta, e Harry decidiu contar absolutamente tudo.

-Mi, eu tive um sonho ontem. Um sonho a respeito de Voldemort.

-Ah não, Harry! Você devia ter apren...

-Calma! Deixa eu terminar de falar! – ele sempre se irritava com Hermione quando ela não o apoiava ou interrompia – Eu tive um sonho que falava de Nagini, como uma Horcrux.

E explicou detalhadamente tudo o que vira no sonho.

-Mas Harry! Isso não é óbvio? É claro que Você – Sabe – Quem estava se referindo a almas! Eu já ouvi falar de duas almas em uma mesma horcrux, mas deve ser realmente magia negra muito forte para fazer um objeto carregar dois fragmentos de alma de um bruxo tão maldoso!

-Mas o que aconteceu com a cobra?

-Pela expressão de Você – Sabe – Quem não foi coisa boa. Se tivermos sorte, ela foi morta. Mas se não, ela está somente desaparecida. Isto é, se o que você sonhou não seja apenas um sonho manipulado por Ele.

-Não, Mi. Desta vez não. Eu sinto. Eu, bem, Voldemort estava sentindo. Não é possível fabricar emoções tão intensas. Eu vi nos olhos dele!

O que mais surpreendeu Harry foi o que aconteceu a seguir, Hermione chegou próxima dele e murmurou:

-Tudo bem, Harry. Eu confio em você.

E o abraçou apertado, como se fosse a última vez.

-É bom ouvir isso – respondeu o garoto, se afastando. – Vamos descer para o café? Quem sabe assim nós vamos ter notícias do Rony.

-É, vamos.

E os dois seguiram caminho para o Salão Principal.

=______________________________________________=

-Hum, não coma isso, Hermione! Está realmente ruim. – disse Gina Weasley, ao chegar apressada ao Salão.

-Gina!

A menina piscou. Harry abaixou a cabeça.

-Oi para você também, Harry.

O menino se fez de desentendido.

-Ah, oi.

-Sabe Harry, você não precisa ficar me evitando toda vez que me vê.

-Ei, eu não estou te evit...

-A escolha foi sua, Harry. Exclusivamente sua. E eu não posso fazer nada para mudar o que você decide. Você quis terminar comigo por causa de Você – Sabe – Quem e eu não o culpo por isso. Só que não venha lamentar.

Gina pegou um bolinho e saiu, ainda com mais pressa do que entrara.

-Gina! Ei, Gina! Volta aqui! – gritava Harry.

Hermione pegou no braço dele.

-Deixa ela ir.

-Mas, Hermione, eu tenho que explicar que eu não lamento por nada e que eu não estou evitando ela!

-A Gina sabe, Harry.

-Não, ela acabou de me dizer que não sabe.

-Ela sabe. É que ela sente sua falta. Só isso... Ela queria que você voltasse a sair com ela.

-O que? Nós já conversamos sobre isso!

-Eu sei. Ela me disse. Mas parece que não está muito claro nem para você, nem para ela.

A conversa foi impedida de continuar por Rony, que entrou no Salão Principal naquele exato momento. Ele se sentou e começou a comer, mais feliz que nunca, aparentemente. Decorridos alguns segundos, Harry não se conteve e perguntou:

-Não tem nada para explicar, Rony?


-Eu?

-Não, acho que existe outro Rony sentado exatamente em cima de você.

Rony ignorou o comentário irônico.

-O que ele está querendo dizer é aonde você passou a noite e por que desapareceu? – disse Hermione.

-Eu estava com os monitores. – respondeu Rony taciturno.

-Com os monitores?

-É.

-A noite INTEIRA?

-É.

-Não aconteceu nada mais?

-É.

Hermione não pareceu convencida, e passou a fazer diversas perguntas seguidas.

-Os monitores falaram sobre a segurança de Hogwarts?

-É.

-O Draco Malfoy foi?

-É.

-Então eu vou ali perguntar para ele o que foi discutido lá, tá?

-É.

-QUER PARAR DE FALAR É? – perguntou Hermione irritada.

-É... Tá bom.

-Agora responda de verdade Ronald. Você estava com a Luna, não é?

-É! – mas o garoto no mesmo instante se arrependeu de dizer isso, e tentou negar rapidamente. - Quer dizer, não... eu estava o tempo todo com o Prof. Dumbledore...

-Rony, Dumbledore está morto.

-É, foi isso que eu disse, que eu fiquei a noite inteira ao com o túmulo do Prof. Dumbledore...

Rony estava cada vez mais confuso, nem ele mais agüentava sua própria mentira.

-Do lado do Lago Negro? Com os sereianos?

-É, eu e os sereianos conversamos. Eles são bem simpáticos.

Harry não conseguiu mais reprimir o riso e caiu na gargalhada, seguido logo após por Hermione. Rony riu também.

-Você não é nada bom de desculpas! – disse Harry.

-Não mesmo! – concordou Hermione.

Restou a Rony somente admitir:

-Tá bom... eu estava com a Luna mesmo. Ela é a minha namorada agora. Nós, bem, ficamos estudando Huprefect.

Harry e Hermione voltaram a rir.

-O que foi? Eles existem mesmo. São criaturinhas bem interessantes. A Luna até fez um amuleto da sorte para mim...

-E onde está esse amuleto da sorte? – caçoou Harry.

-Eu, bem, deixei no dormitório. Ele era meio indiscreto. Eu não sei como a Luninha esperava que eu usasse aquilo! É todo verde e cheio de penas...
E, mais uma vez, o trio colocou-se a rir incontrolavelmente.


N/A: amei esse cap *-*
AHSUAHSUAHSUAHS
pessoal que comentou, muito obriigada.
e pro pessoal que leu e não comentou, comentem, vaiii!
sugestões, críticas, elogios... qualquer coisa! Só um comentizinho :D

nuss, parece até que eu sou a maníaca por cometário. Daqui a pouco vai virar filme de terror: "então ela subitamente pegou o machadinho e correu atrás de cada pessoa que não comentava..."
*muahahahahua*

tah, esquece.
beijo.

~G. Snape :)

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.