FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo



______________________________
Visualizando o capítulo:

7. Conflitos?


Fic: Minha vida com Hermione Granger


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Harry POV.
Terceiro dia no Largo Grimmauldi, a manhã começava com fracos raios de sol que escapavam timidamente entre as pesadas nuvens cinzentas de meados de setembro. Um chuvisco frio e suave umedecia o ar e mais uma vez Harry despertou antes de Hermione, novamente com um plano para colocar em ação.
Esticando o corpo cansado e alcançando os óculos redondos na mesinha de cabeceira, o moreno não conseguiu evitar ficar mais alguns minutos deitado, fitando o teto com um sorriso bobo ao lembrar dos momentos que compartilhou com uma certa bruxa de cabelos espessos e olhos castanhos. Depois de um exaustivo dia de compras trouxa, ele finalmente a tinha somente para ele.
Recordando com riqueza e precisão de detalhes, a sensação de abraçá-la firmemente contra seu peito, o calor que sentia sempre que ela olhava para ele e sorria, um sorriso que era compartilhado tão somente por eles. Um sorriso doce, verdadeiro, as vezes misterioso e muito provocante, um sorriso que ela  sabia que pertencia somente à ele, e isso o deixava tão cheio de si.
Ele suspirou fechando os olhos, as mãos curvando-se cegamente no espaço vazio. Os longos cachos cor de chocolate e mel, desafiadores, tão macios, tão rebeldes, tão ela... Ele não a deixava mais prendê-los, não conseguia evitar o desejo de tocá-los, entrelaçar seus dedos entre as curvas de seus caracóis apreciando a suavidade e o perfume doce de baunilha.
Harry adorava os cabelos rebeldes de Hermione, assim como adorava quando ela passeava seus dedos pequenos e delicados entre seus escuros e revoltosos cabelos pretos. Cada toque, cada carícia de Hermione ficava marcada na sua memória como uma lembrança viva. Ainda podia sentir os arrepios subindo pela nuca quando ela raspava levemente a ponta das suas unhas perfeitas contra seus ombros, sempre que seus beijos ficavam mais ousados.
Bom Merlin! Aqueles lábios rosados, guardavam o sabor mais espetacularmente inebriante da face da terra, doces, ardentes, viciantes, sufocantes... Harry engoliu em seco, seus lábios apertados em uma linha reta, ansiando por mais dela, arfando por explorar a boca da sua melhor amiga, acariciar a pequena língua com sua própria, Hermione era a sua pequena dose de loucura e ele mal poderia esperar para prová-la novamente.
Sua pele pálida e ao mesmo tempo ardente era tão tentadora, quanto um poço de água em meio a um deserto febril.  Um ímã irresistível para suas carícias, como um manto de seda e algodão, um labirinto paradisíaco para seus lábios e mãos. A voz baixa e ofegante, extremamente sensual de Hermione o deixavam hipnotizado.
A pequena menina mandona e sabe-tudo, disposta a ajudar até mesmo aqueles que ela mal conhecia, como o próprio Neville a procurar seu sapo Trevor no trem escarlate que os levaria pela primeira vez em Hogwarts, cresceu e se tornou uma bruxa brilhante, corajosa, leal, amiga, protetora, determinada e incrivelmente bela mulher.
E Harry estava decidido a não dividi-la com ninguém mais. Hermione Granger era... Usando as palavras de Remus... O seu maior tesouro e a partir de agora não mediria esforços para transformar a "menina-que-salvou-o-menino-que-venceu" (título dado pelo próprio Harry) em sua namorada. O problema, seria como e quando fazer isso! Não poderia ser tão difícil não é? Claro que sim! Harry nunca teve um relacionamento normal antes... Nada que ele possuía veio de uma forma fácil...
Mas, nesses últimos dias, Harry não se lembrava de ter sido tão feliz em muito, muito, muito tempo! A paz, a ausência do peso da profecia sobre seus ombros, as noites de sono, agora pacíficas, a dor excruciante da cicatriz desapareceu completamente. A dor da perda dos seus amigos ainda existia, mas esses sentimentos sombrios, já não lhe pareciam mais ameaçadores, mas suportáveis.
A raiva que sentia, o medo, os desejos, cada pequeno sentimento seu era livre da presença do extremo mal de Voldemort. Agora finalmente Harry estava vivendo, apesar das lembranças dos seus parentes trouxas ainda constar como algo que ele deveria superar e se livrar de uma vez por todas.  Levantando-se com vigor renovado, ele trocou de roupa rapidamente abençoando sua sorte.
Os Dusleys se tratavam de uma etapa da sua vida que ele teria que lidar depois, sem pressa, pois como Hermione sempre lhe dizia, ele tinha toda uma vida pela frente. Uma nova, próspera e longa vida. Seguindo para o quarto de Bicuço, Harry entrega alguns petiscos enviados por Hagrid antes de descer para a cozinha disposto a preparar um café da manhã decente.
Nem mesmo Monstro com seu habitual mau-humor pareceu afetá-lo, seus pensamentos voltaram para o dia ao lado de Hermione. Ontem, quando os dois estavam no shopping, ele quase não percebeu o quão natural era entrelaçar seus dedos aos dela, se passando por um casal como quando visitaram pela primeira vez o túmulo dos seus pais no natal.
O coração do moreno apertou. Já se faziam meses desde que visitou Godric's Hollows. Naquela noite, muitas coisas mudaram na sua vida, uma delas foi a forma como ele e Hermione tornaram-se intimamente mais confortáveis e próximos um do outro, apesar de nada mais platônico acontecer.
Estava organizando as coisas em uma bandeja quando encontrou pendurado na parede da cozinha uma cópia perfeita do inseparável cronograma de Hermione. A letra impecável. As tarefas de cada um deles separadas em datas e horas cronometradas à risca. Levantando uma sobrancelha em diversão o moreno se aproximou examinando ligeiramente as suas "funções' quando engasgou em choque.
Ele não poderia ter esquecido!
Rony POV.
Rony POV.
Ele encarava a ponta felpuda do grosso e pesado pincel trouxa antes de olhar, com certa dose de desgosto, a imensa parede revestida de uma madeira velha e descascada a sua frente. "Faça isso do jeito trouxa, é mais confiável!" A voz autoritária de Hermione ecoando como um mantra doentio na sua mente.
Por quê ela tinha que voltar a ser tão mandona e controladora como quando a conheceram em seu primeiro ano em Hogwarts? Ele sinceramente pensou que ela já havia superado essa fase tempos atrás depois das intermináveis aventuras mortais do trio de ouro.
Mas, para quê discutir? O velho argumento de "somos bruxos, podemos usar a varinha" não serviria de nada além de despertar a ira da grifinória de cabelos espessos e ouvir horas de sermões a fio. Não adiantava mesmo!
Estava lidando com a garota mais inteligente da sua geração a pisar em Hogwarts, a garota que criou o infame FALE, a bruxa que salvou a sua pele bilhões de vezes por dia durante a caça às horcruxes... Se ela queria tudo do jeito trouxa, então assim seria! Suspirou ele, dando de ombros contrariado.
-Francamente Ronald! Nem pense em fazer isso!
Repreendia Hermione novamente discutindo furiosamente com seu melhor amigo de cabelos ruivos.
-Hermione, por Merlin! Não vai ficar ruim!
Insistia o Weasley jogando o pincel para o alto no susto e teve de engolir em seco com desespero, quando seus olhos azuis encontraram os olhos castanhos de Hermione faiscando perigosamente.
A velha e maldita lista com o cronograma quase esmagada entre os dedos finos da grifinória. Rony estremeceu mentalmente, Harry o havia alertado, ela não permitiria que nada nem ninguém desse um único passo ou a mínima pausa se isso estivesse fora da sua lista.
-Não vai ficar RUIM? Vai ficar PÉSSIMO!!!
Acusa Hermione tomando o balde de tinta laranja berrante das mãos do ruivo e puxando a varinha para transfigurar a cor em algo mais discreto e suave.
-Não é porque você não gosta da cor que signifique que vai ficar feio!
Desafia Rony puxando o balde de tinta laranja de volta para si antes que o feitiço estragasse a tinta mágica que acabara de trazer, à muito custo, diga-se de passagem, do Beco Diagonal.
-Não importa o que você ache Rony! Harry não quer a sala de estar nas cores do SEU time de quadribol!
Rebate Hermione agarrando a alça do balde de tinta puxando novamente para si. Os dois agora travavam uma batalha de cabo de guerra.
-Se ele não confiasse em mim não teria pedido a minha ajuda também!
Defende-se Rony puxando o balde com mais força quase derrubando Hermione no chão, porém a grifinória tinha um aperto de morte, não largava a alça do balde por nada para desagrado do ruivo.
-É exatamente por isso que ele ME pediu ajuda primeiro e me colocou no comando, Harry dificilmente deixaria você decorar uma casa, sozinho, nem mesmo a sua mãe concordaria com uma loucura dessas Rony!
Anuncia Hermione sentindo-se vitoriosa com a expressão indignada do Weasley que abriu e fechou a boca meia dúzia de vezes sem uma boa resposta à altura.
-Ao menos não sou eu que estou sufocando meu melhor amigo com uma obsessão por cronogramas malucos!
Murmura ele entre dentes, tão somente, para amargar em arrependimento segundos depois. Sem aviso ela solta a alça do balde e o ruivo cai para trás bruscamente no chão tomando um verdadeiro banho de tinta laranja berrante e fluorescente, quase tão escandalosamente chamativo quanto seus cabelos.
-Para sua informação RONALD BILIUS WEASLEY, Harry concordou em manter o cronograma à risca... Pelo bem de Teddy, temos que transformar esse casarão assombrado em uma casa feliz, e não é pintando as paredes de laranja que vamos conseguir esse efeito!
Esbravejava Hermione apontando ameaçadoramente a varinha em direção ao rosto trêmulo de Ron. Harry o tinha advertido a não contrariá-la, Hermione estava muito sensível depois da discussão com Kingsley e estava se dedicando de corpo e alma a reformar Largo Grimmauldi.
O que significava, que todo o foco, esforços, tempo, concentração, pensamentos e objetivos estavam naquela assustadora lista que ela insistia em carregar de um lado a outro enquanto supervisionava cada etapa, cada quarto, cada um dos andares.
-Eu não estou sufocado ninguém! Você só está aqui para nos ajudar com as coisas mágicas Ron, mas se acredita mesmo que pode fazer todo meu trabalho muito melhor do que eu e minha lista, fique à vontade!
Desafiava ela enfurecida, os cabelos mais revoltos do que nunca, as mãos fechadas em punhos, incluindo a que apontava a varinha em direção ao ruivo. Laranja dos pés à cabeça, o Weasley mordeu a língua com força para não revidar.
Harry o fez prometer que nada estaria errado quando ele voltasse, e Rony poderia abrir mão de tudo, mas não quebrara uma promessa ao eu melhor amigo.
-Acho que cheguei na hora errada...
Comenta Neville estupefato, piscando os olhos em choque diante da cena. Ronald Weasley completamente pintado de laranja e uma Hermione enraivecida lhe apontando a varinha como se o pobre ruivo fosse a reencarnação viva de Voldemort. 
-Oh não Neville! Chegou na hora certa!
Diz Hermione em uma voz perigosamente suave antes de voltar a sua atenção ao tímido colega grifinório com um sorriso forçado.
-Ron estava apenas discutindo o quanto pode ser melhor do que eu nos quesitos "decoração de uma lar" acho até que ele pode querer mudar de carreira no futuro e virar um decorador bruxo!
Vociferava ela friamente olhando de soslaio para o amigo ruivo que gemia dramaticamente esfregando os olhos para livrar-se da tinta já seca sobre a pele. Aquela coisa já estava lhe dando coceiras, malditas tintas mágicas, malditas ordens de Hermione, maldita promessa à Harry.
Neville hesitou, dando um passo para trás como quem espera uma explosão eminente, mas Hermione deixa o local, batendo com força os pés no chão e praguejando a "ajuda inútil" de Ron. O Longbottom mal teve tempo para processar em sua cabeça atordoada o que acabou de presenciar, quando Ron gritou por seu socorro.
-Maldição Neville! Eu não consigo me livrar dessa tinta!
Com um suspiro pesado, Neville sacou a  varinha apontando para o ruivo.
-Evanesco!
Nada aconteceu, a tinta anda permanecia nas roupas e rosto de Rony.
-Scorgify!
Proferiu o Longbottom e novamente sem sucesso em ajudar o Weasley.
-Purificiuos!
Insistia Neville franzindo a testa como se encontrasse em um teste muito difícil.
-Veterascent!
Bradou ele fervorosamente e em troca foi recompensado com um grunhido irritado do ruivo ao ser coberto por bolhas de sabão e escovas mágicas esfregando suas roupas e cabelos fortemente. Mas a tinta mágica permanecia intacta.
-CHEGA!
Gritou Rony desesperado.
-Desculpe!
Responde Neville sem jeito, anda intrigado com a tinta que resistia aos encantos de limpeza que conhecia. O Longbottom cresceu desajeitado, bagunçando tudo à sua volta, logo feitiços e encantos de reparo e limpeza estavam entre os seus mais conhecidos e utilizados. Dessa forma, significava que Rony estava com sérios problemas agora.
-Droga de tinta! Só pode ser praga de Hermione!!!
Choramingava o ruivo finalmente se levantando e encarando Neville de frente.
Hermione POV.
Andando nervosamente de um lado a outro no quarto que pertenceu a Harry e Rony, a grfinória recusava-se a descer e encarar o pobre Neville depois da confusão que Ron causou. SIM! Foi tudo culpa dele, ela havia deixado bem claro que ele estaria pintando a sala com as tintas que ela e Harry escolheram! Mas, ele tinha que ser teimoso e tentar estragar tudo!
Tinta mágica laranja! Francamente, quem em sã consciência desejaria uma casa nessas cores? Não acreditava que os bruxos puro-sangue teriam tamanho mau-gosto! Sinceramente, onde Harry poderia estar em uma hora dessas? Se ele estivesse aqui, ela não teria discutido com Rony, já que ele deixaria claro que ela tinha razão...
Ou não! Ponderou Hermione, jogando-se sentada com as cotas contra a cabeceira da cama, cruzando os braços e fechando os olhos, irritadiça. As palavras de Rony ecoando na sua mente. Ela estaria mesmo sufocando Harry mantendo o controle de tudo? Sua lista o deixara realmente cansado da última vez e Harry reclamou bastante das coisas que ela exigia.
Mordendo o lábio inferior, a raiva deixava Hermione e era aos poucos substituída pelo receio. O moreno de olhos verdes estava fora desde manhã. Mal se despediu dela e aparatou para longe sem dizer uma única palavra. Para seu desespero Monstro apareceu logo em seguida resmungando que o Potter tinha decidido sair depois que viu o pergaminho no meio da sala.
O coração de Hermione afundou dentro de peito. Se Harry realmente não quisesse seguir sua lista, ele teria dito para ela não é? Ou talvez preferisse se afastar um pouco para "respirar" longe dela e não disse nada para não ferir seus sentimentos. Provavelmente, Harry poderia ter aceitados todas as suas imposições em silêncio tão somente para satisfazê-la e deixa-la mais feliz depois que soube da situação de seus pais.
NÃO! Harry não faria nada disso por pena dela! Hermione se recusaria a aceitar algo assim e ele sabia muito bem disso. Na verdade, todo o péssimo estado de humor da grifinória se resumia na ausência inexplicada do seu melhor amigo de cabelos negros e óculos redondos. Rony apenas transformou em palavras, aquilo que já vinha martelando na sua cabeça desde cedo e isso a enfureceu.
Ela tinha aberto seu coração para ele. Tinha revelado o medo de não ser mais importante para ele, o medo de ficar sozinha. Dessa forma o maroto, desapareceu e enviou Rony para lhe fazer companhia enquanto estava sabe-se lá onde!
Ela estava desesperadamente sentindo sua falta, era a primeira manhã no Largo Grimmauldi que Harry não a acordava com um beijo, ou trocava qualquer sorriso com ela... Na verdade mal registrou nos olhos verdes que tanto amava, um brilho culpado por trás das lentes grossas.
Um nó estava se formando em seu estômago. Talvez finalmente Harry tenha caído em si e percebido que era um erro deixa-la cuidar de tudo. Agora com uma nova família e com a liberdade que nunca teve, ele não precisasse mais da garota obsessiva, sabe-tudo e mandona no seu pé quando estava conhecendo sua nova família.
A sensação de ser uma intrusa estava deixando Hermione ainda mais culpada e temerosa. Não seria justo impor suas regras sobre Harry. Ele pediu ajuda para preparar a casa para Teddy e Andromeda, não que ela se tornasse uma companhia insuportável com agora. Rony tinha razão. Nem mesmo Harry com toda paciência e boa vontade a aguentaria por muito tempo.
Piscando os olhos com força, Hermione se recusou a chorar. Não poderia presumir nada de forma correta enquanto Harry não retornasse... Ou ela poderia evitar outro confronto como o que teve com Rony e arrumar suas coisas, voltando para Hogwarts. Respirando fundo, ela decidiu estar preparada para qualquer opção possível.
Se for preciso, continuaria dando assistência à Harry, mesmo que à distância. Nunca o abandonaria, mas nunca iria impor a sua presença para alguém que não a desejasse por perto! SIM! Essa era a resposta! Determinou Hermione levantando-se e procurando suas malas no armário quando alguém a chama timidamente na porta.
-Hermione?
A voz hesitante de Neville chamou a atenção dela que corre para atender ao colega grifinório, amaldiçoando-se mentalmente por tê-lo ignorado de forma tão rude.
-Oh, Neville eu sinto muito!
Desculpa-se ela abrindo a porta e encarando o Longbottom, agora bem mais alto do que ela.
-Está tudo bem... Já estava acostumado a ver suas discussões com o Rony!
Responde ele sem jeito, desviando o olhar dela e fitando os próprios sapatos.
-Mesmo assim, se você veio até aqui é porque tem algo importante para dizer!
Insiste ela encorajando-o a olhá-la nos olhos e instantaneamente o grifinório corou com a intensidade daqueles magníficos olhos castanhos.
-Vamos, pode entrar! Estava arrumando as minhas coisas agora a pouc, mas pode me dizer o que houve... Algum problema em Hogwarts?
Diz a garota, puxando-o para dentro do quarto, ignorando o silêncio perturbador do colega de casa. Ela o arrastou até que estivesse sentado em uma cama e ela em outra. Ambos frente à frente.
-Errr... Bem, não... Não foi nenhum problema!
Começou hesitante o Longbottom, engolindo em seco. Hermione não sabia, mas era a primeira vez que Neville entrava no quarto de uma menina e ficava a sós com a mesma. O tempo que a grifinória passou na barraca com Harry e Rony a tinha feito deixar de lado certas "regras" que tinham em Hogwarts.
-É Gina? Luna?
Preocupa-se Hermione franzindo a testa e mordendo o lábio inferior com força. Pobre Neville ficou dez vezes mais vermelho quando seus olhos não conseguiam deixar a boca dela.
-Não! Estão todos bem!
Responde rapidamente o garoto, lutando para falar de uma vez a razão que o fez vir até ela.
-Se foi Rony que te mandou aqui pode dizer a ele que...
Começa Hermione enraivecida.
-Eu estou aqui porque queria falar com você Hermione! E Ron fi tomar um banho para se livrar da tinta mágica...
Desabafa o Longbottom encarando-a com determinação, e foi a vez de Hermione emudecer. O que é que Neville poderia querer falar com ela?
-Na verdade, eu estava esperando falar com você antes que deixasse Hogwarts... Mas, não tive chance!
Confessa ele respirando fundo antes de continuar.
-Estávamos todos muito ocupados e Harry precisava de ajuda para superar suas perdas!
Defende-se Hermione, apertando os olhos em direção à Neville que levanta as mãos em sinal de paz.
-Eu não estou julgando ninguém! Eu sei que Harry precisava de você!
Explica nervosamente Neville, não percebendo o olhar decepcionado de Hermione quando ele disse que Harry "precisava" dela... Talvez não precisasse mais.
-E te admiro muito por tudo que está fazendo por Harry e a família do professor Lupin!
Completa ele coçando a cabeça sem jeito a perceber um pequeno sorriso se formar no rosto da grifinória.
-Obrigada Neville! Mas...
A voz dela o fez sorrir também.
-Não tem que agradecer!
Interrompe o Longbottom tomando um impulso de coragem e sentando-se na ponta da cama para ficar mais próximo à ela.
-Você é a pessoa mais incrível que eu já conheci! Nunca mede esforços para ajudar os outros, está sempre disposta a enfrentar os perigos para proteger os mais fracos... Foi assim que nos conhecemos lembra?
Explica Neville com um brilho de nostalgia e ternura em seus olhos. Hermione sorriu, sem palavras pela admiração e reconhecimento demonstrados pelo colega grifinório, ninguém, além de Harry, e as vezes, Rony, reconhecia seus esforços para cuidar dos outros, pelo contrário, a maioria das pessoas a acusaria de mandona, feia e insuportável sabe-tudo.
-Sim Neville, você estava procurando Trevor! Parecia tão assustado quanto eu!
Concorda a garota puxando uma mecha de seu cabelo castanho do seu rosto, não percebendo a forma como Neville a observava fascinado.
-E eu estava assustado! Mas, você era uma nascida trouxa, nunca esteve o mundo mágico, não conhecia nada nem ninguém e se dispôs a procurar comigo pelo Trevor!
Comenta Neville com um imenso sorriso agradecido.
-Eu não poderia deixá-lo para trás, sendo puro-sangue ou nascido trouxa!
Protesta Hermione fervorosamente, por mais agradecida que ela estivesse depois de ouvir Neville, ainda não conseguia entender o que realmente o seu colega desejava dizer à ela.
-Eu sei! Você sempre está ajudando os outros sem esperar nada em troca, só porque é aquilo que acredita ser o certo a fazer... Por isso eu acho que está na hora de alguém te ajudar da mesma forma!
Hermione abriu a boca para rebater os argumentos de Neville, para se encontrar em silêncio absoluto. Quem era esse garoto? E o que diabos fizera com o tímido, doce e inseguro Neville Longbottom???
-Você já fez tudo que podia por Harry e Rony! Agora eu quero ser a pessoa que vai ajudar você!
A determinação na voz de Neville acordou Hermione de seu transe de choque.
-Neville, eu agradeço sua preocupação, mas eu não preciso que ninguém faça nada por mim!
Responde Hermione severamente, levantando e voltando-se em direção ao armário onde começou a separar suas roupas.
-Hermione, por favor, me escuta!
Insiste ele, levantando e seguindo atrás dela nervosamente.
-Não! Neville, todas as vezes que eu fiz alguma coisa por você, não estava desejando nada em troca, entendeu?! Todas as vezes que ofereci algum apoio ou auxílio, foi por que eu esperava que isso o ajudasse a melhorar seu desempenho e a se tornar mais confiante, não vou aceitar favores ou qualquer coisa do tipo, não preciso desse tipo de coisa para ser sua amiga!
Rebate furiosamente a grifinória.
-Eu não duvido disso Hermione!
Afirma o Longbottom empalidecendo pela fúria nos olhos da grifinória.
-Então vá direto ao ponto! O que quer comigo Neville?
Desafia Hermione com o que lhe restava de paciência.
-Bem... E eu estava pensando que... Em breve as aulas vão começar e logo Largo Grimmauldi vai estar pronto... E eu... Eu queria saber se não há nada para fazer voltar atrás e reconsiderar a proposta de McGonagall!
Falou tudo de uma vez encarando Hermione firmemente nos olhos. A grifinória foi pega de surpresa, de tudo que Neville poderia ter dito agora, essa seria a última coisa que ela esperava ouvir.
 -Neville... Eu...
Começa ainda incerta, Hermione, recuperando-se letamente do choque e processando o pedido do colega grifinório.
-Eu posso ajudar no que precisar, bem eu não sou tão bom quanto você e com certeza não tenho tantas experiências... Mas, garanto que me esforçarei!
Garante Neville em tom de promessa.
-McGonagall me explicou que faria um currículo escolar especial, que concederia os privilégios de monitores-chefe, aulas exclusivas com temas avançados e de níveis mágicos extremos! Você sendo a bruxa mais inteligente de Hogwarts não poderia perder essa oportunidade!
Hermione soltou as roupas que segurava nas mãos pisando os olhos amplos em surpresa um par de vezes antes de responder.
-Não vou voltar para Hogwarts, Neville!
Diz em um fio de voz.
-É porque Harry e Rony não estarão lá? Mesmo que cada um deles vá seguir um caminho diferente lá fora, ainda há Gina e como eu disse, posso não ser seu melhor amigo, mas me esforçarei bastante, podemos ficar na biblioteca por quanto tempo você quiser!
Insiste Neville, que é surpreendido por um abraço esmagador de Hermione, o fazendo ficar dez vezes mais vermelho que uma pimenta do reino. Tão confuso como estava não ouviu alguém abrir a porta atrás dele enquanto devolvia o abraço da grifinória.
-Oh, Neville!
Murmurava ela se afastando dele com lágrimas em seus olhos castanhos.
-Você vai para Hogwarts com ele?
A voz enfurecida interrompeu qualquer resposta que a grifinória pudesse dar à Neville. Ela sentiu o coração quebrar em milhões de pedacinhos quando encontrou os olhos verdes a encarando com revolta e dor.
-Harry!
Disseram Hermione e Neville ao mesmo tempo. Ambos encarando Harry entre a surpresa e inquietação.
Harry POV.
Seus olhos não podiam acreditar no que estavam vendo, o coração acelerado quase dolorosamente dentro do peito, a respiração presa na garganta a ponto de quase sufocar. Sua mão apertando com tamanha força a maçaneta da porta, pareia a ponto de arrancá-la a qualquer momento.
Seus lábios secaram, um sabor amargo em sua boca, substituindo o anseio de encontrar Hermione, de abraçá-la e dizer a ela o quanto sentiu sua falta nessas horas que estiveram separados. Desejava tomá-la em seus braços e reivindicar seus lábios em um beijo faminto, feroz e urgente.
Mas, cada célula da sua determinação ruiu ao encontrá-la sozinha no seu quart nos braços de Neville. Um monstro sem nome gritou dentro de Harry e um sentimento de possessividade agressiva o cegou. As únicas coisas que enxergava eram a mala e as roupas de Hermione fora do armário, lágrimas brilhando através dos seus olhos castanhos e os braços de outro a consolando.
NÃO!!! Aquele era o lugar dele, o papel dele, a garota dele! Aquela casa, tudo o que significava, a pequena e estranha família que se formava, com Hermione como parte fundamental dela, aquilo pertencia à Harry e nem mesmo Neville teria o direito de tirar isso dele, não depois de tudo o que o moreno precisou passar para consegui-los.
-Harry, não é o que você está pensando!
Alerta Hermione ciente das roupas e mala à vista do moreno assim como o abraço de Neville momentos atrás.
-Harry, eu... Eu apenas...
Começava Neville engasgando de medo com a expressão assassina de Harry.
-O que está fazendo aqui Neville? McGonagall ainda não desistiu de tentar afastar Hermione de mim e mandou você?
Desafia Harry entre dentes, sem mover um único músculo do lugar onde estava na porta do quarto.
-McGonagall não está tentando nos afastar, Harry!
Repreende Hermione severamente, o olhar intenso que trocou com ele deixou claro o tom de aviso. Era uma conversa que deveria acontecer somente entre eles, sem envolver ninguém mais, especialmente Neville.
No entanto o ciúmes de Harry não o permitiu aceitar as condições dela tão facilmente como antes, onde estava Rony afinal? Por que ela estava chorando? Por que suas roupas estavam fora do armário assim como sua mala? Onde Neville se encaixaria em meio a tudo isso, ainda mais depois que Harry já tinha escutado boa parte da conversa.
Seu velho companheiro grifinório estava deliberadamente tentando convencer Hermione a retornar à Hogwarts com ele! Harry sempre gostou de Neville, o jeito simples e pacífico do tímido garoto que arruinava suas poções e adorava estufas. Mas, nesse minuto, Neville era seu inimigo, qualquer um que ameaçasse levar Hermione o seria.
Era um pensamento egoísta e idiota em tantos níveis que o próprio Harry tinha que admitir. Porém, havia se acostumado a dividir sua vida com a bruxa de olhos castanhos durante mais de um ano. Ele a tinha ao seu lado nos últimos sete anos e agora mais do que nunca não suportaria deixá-la ir... Não enquanto não confessasse seus sentimentos à ela.
-Ela só quer o melhor para o futuro de Hermione, ela já perdeu demais nos últimos meses!
Interfere Neville pensando estar dizendo a coisa certa, mas o silêncio fúnebre que seguiu só demonstrou o quanto as coisas estavam ruins.
-Claro, estar a lado de Harry Potter não poderia ser a melhor coisa para a bruxa mais brilhante da nossa geração não é mesmo?
Argumentava Harry sentindo-se vazio de emoções. Neville não estava errado, Hermione abriu mão de muitas coisas por eles, e a maioria dessas coisas ele não poderia dar de volta para ela, por mais que desejasse poder.
Hermione era inegavelmente a melhor coisa que aconteceu na vida de Harry, mas será que ele poderia dizer o mesmo sobre ela? Que tipo de pessoa ele seria na vida dela? O que significava para ela? Essas perguntas atravessavam sua mente como flechas em chamas, espalhando caos e semeando dúvidas dentro dele.
Quase que de imediato, seus olhos buscaram Hermione. Segundos se passaram, mas Harry sentiu tudo acontecer em câmera lenta. Ela balançou negativamente a cabeça, como se negasse cada um daqueles tulmutuados pensamentos.
-Não diga besteiras Harry! Eu estava no único lugar que valia à pena para mim, eu nunca deixaria você independente das consequências e você sabe disso!
Acusa Hermione fervorosamente se colocando entre Harry e Neville. Com um sorriso frio ele deu de ombros antes de responder.
-Se você não está me deixando para trás, o que significa essa mala e suas roupas pelo chão?
Hermione mordeu o lábio inferior com força, Neville ofegou como tivesse se dado conta da situação somente agora e Harry encarou os dois ferozmente quando uma quarta voz ecou desesperara pelo corredor.
-HERMIONE NÃO VÁ EMBORAAAAAA!
Rony apareceu na porta do quarto, empurrando Harry do seu caminho, usando apenas uma toalha em volta da cintura, tão laranja quanto uma cenoura gigante. Neville quase desmaia com o susto, Harry tentava se levantar do chão completamente estupefato em choque por ter sido atropelado por um Rony laranja que agora estava de joelhos em frente à Hermione agarrando suas pernas.
-EU JURO QUE FAÇO O QUE VOCÊ QUISER!!! EU PINTO A ASA TODA DO JEITO TROUXA NAS CORES DO PUDDLEMERE UNITED!!!
Implorava o Weasley sem se importar com a plateia assistindo sua humilhante situação.  Hermione por outro lado parecia que iria explodir o ruivo em zilhões de pedacinhos.
-POR FAVOR, TIRA ESSA TINTA DE MIM!!!
Pedia Ron angustiado, já tentara de tudo e nada funcionava.
-Foi você que comprou essa coisa abominável Ronald, livre-se dela sozinho!
Responde Hermione entre dentes tentando escapar dos braços molhados do amigo ruivo.
-Só me falta arrancar a própria pele! Neville já usou todos os tipos de feitiços que existe!!!
Chorava dramaticamente o grifinório e Neville se encolheu por ter sido levado novamente ao centro da conversa.
-O problema é todo seu! Deveria ter pensado nisso antes de me acusar de estar sufocando Harry com a minha presença!
Essas palavras da Grifinória despertou a ira dentro de Harry. Em um segundo o moreno estava de pé arrancando Rony à força de Hermione apontando a varinha entre seus esbugalhados e aterrorizados olhos azuis.
-Eu peço para cuidar de Hermione por poucas horas enquanto estou fora e você a acusa de me sufocar???
Rony assim como Neville engoliu em seco antes de responder.
-Foi só uma briguinha boba, cara!
Defende-se o ruivo.
-Ela estava fazendo as malas!!!
Acusa Harry furioso.
-Eu não a mandei embora! Ela decidiu isso sozinha!
Protestou Rony empurrando a varinha de Harry indignado.
-Se eu não tivesse chagado agora ela teria ido embora com Neville!
Gritava Harry para choque de Rony que encarou ameaçadoramente o colega grifinório.
-Você veio levar a Mione?
Pergunta o ruivo incrédulo, ao que Neville encolheu-se ainda mais.
-CHEGA!!!
Gritou Hermione fora de si.
-FORA DO MEU QUARTO!!! Todos vocês, fora do meu quarto AGORA!!!!
Ordenou a grifinória apontando em direção à porta, rubra de raiva, os cabelos encaracolados mais desalinhados que nunca, os olhos castanhos emitindo uma luz mortal e a varinha à postos. Nenhum dos três grifinórios protestou. A visão de uma Hermione Granger envolta de uma aura maligna era o bastante para intimidar até a morte qualquer bruxo em seu juízo perfeito.
-Mas, eu ainda estou laranja!
Resmungou Rony recebendo um sapato voador o meio da testa como advertência. Assim que o ruivo deixou o quarto a porta bateu com força atrás de si, com certeza reforçada por meia dúzia de encantos.
Minutos mais tarde, Harry Rony e Neville se encontravam pesarosos, cabeças baixas, sentados na escadaria enquanto pesavam em como se desculparem com uma certa bruxa possessa no andar superior.
-Eu não deveria ter saído por tanto tempo!
Culpou-se Harry afundando o rosto entre as mãos, praguejando baixinho.
-Não foi sua culpa cara! Eu que trouxe essa droga de tinta mágica e estraguei tudo!
Interrompe Rony deprimido com seu novo tom de pele.
-E eu acho que falei a coisa errada na hora mais errada possível!
Sussurra Neville sem graça. Os três trocam olhares críticos antes de Harry quebrar o silêncio com determinação.
-Tudo bem! Será que algum de vocês poderia me explicar o que estava acontecendo até eu chegar?
Questiona o moreno seriamente, olhando de Ron para Neville desconfiado.
-Quando você mandou a mensagem pedindo para vir ajudar Hermione, e ela me apresentou à sua nova melhor amiga "lista de afazeres" eu pensei que poderia animar um pouco as coisas com a tinta oficial dos Chuddley Cannors!
Explicava Ron diante de um olhar pasmo de Neville e uma expressão ofendida de Harry.
-Você não devia contrariar uma lista de Hermione!
Pondera Neville.
-Chuddley Cannors? Sério Rony??? Você sabe para qual time eu torço???
Desafia Harry incrédulo.
-Hey, eu só queria animar um pouco essa casa dos horrores ok? E não ajudava muito com ela me interrogando para saber onde você estava!
Defende-se Ron impacientemente.
-Eu disse para não discutir com ela Ron! Eu precisava resolver algumas coisas antes de falar com vocês dois!
Responde Harry passando as mãos pelos cabelos negros em rebeldia.
-Ela não acreditou muito nessa história, nem eu acreditei, mas ela insistia que eu estava acobertando você em alguma coisa possivelmente arriscada e imatura e depois disso, qualquer besteira estávamos discutindo de novo!
Completa Ron desanimado.
-Fo aí que eu cheguei!
Começa Neville, nervoso com os olhares acusadores de Ron e Harry em sua direção.
-Ron tinha acabado de tomar um banho de tinta depois de acusar Hermione de enlouquecer todo mundo com seu cronograma e ela o ameaçou dizendo para cuidar de tudo sozinho sem ela e a sua lista!
Entrega Neville e agora Harry lançava um olhar fulminante em direção à Rony. Maldição, o universo estava contra ele de novo???
-Eu tentei ajudar ele, mas nada deu certo então decidi encontrar Hermione e conversar com ela!
Continuava Neville agora recebendo total atenção do moreno ciumento de olhos verdes.
-Então você veio aqui para convencê-la a voltar para a escola?
Pergunta obviamente Rony, levantando uma sobrancelha em suspeita, cruzando os braços sobre o peito molhado.
-Alguém o mandou vir procurá-la?
Questiona Harry severamente. A ideia de McGonagall tentando levar Hermione de volta à Hogwarts anda viva em seus pensamentos.
-Não! MGonagall não sabe que eu estou aqui!
Responde rapidamente o grifinório não deixando espaço para dúvidas, estava claro que Neville estava ali por sua conta e risco.
-Então por que veio?
Resmunga Ron esfregando os braços quando o frio começou a afetá-lo.
-Eu descobri a proposta de McGonagall para Hermione durante esse novo período letivo na escola assim como todas as oportunidades que ela poderia alcançar se voltasse a estudar!
Defende-se Neville, agora com mais coragem e determinação do que Harry ou Rony esperavam do grifinório.
-Se Hermione quisesse voltar não iríamos impedi-la!
Protesta Ron dando de ombros, mas Harry manteve-se em silêncio.
-Ela não voltaria sem você ou Harry por perto! Ela esteve protegendo e cuidando de vocês por anos e voltar lá sem seus melhores amigos pode ser difícil, Hermione sempre se dedicou aos estudos, mas nunca pensou duas vezes antes de ajudar a qualquer um de vocês!
Argumenta Neville vigorosamente para a surpresa da dupla.
-Se ela pensar que seria mais útil aqui fora, lidando com os problemas dos outros no lugar dos seus ela vai deixar o próprio futuro de lado por causa de vocês! E eu não acho que seja justo!
Rony abria a boca como um peixe fora d'água enquanto Harry apertava as mãos em punhos, obrigando-se a ouvir cada palavra de seu colega, afinal, ele não tinha como negar que tudo o que o Longbottom disse até o momento não correspondesse à realidade.
-Por isso eu vim aqui oferecer a minha amizade! Se Hermione precisar de um amigo, para estudar, para conversar, para se distrair, para o que for... Eu me esforçarei para ser seu apoio em Hogwarts!
Hermione POV.
Já era bastante tarde quando finalmente a grifinória teve coragem de sair do quarto. Estava exausta mentalmente e fisicamente. A confusão que começou com Rony, envolveu Neville e terminou com Harry drenou todas as suas forças, extinguindo sua paciência e confundindo suas próprias decisões.
Se esforçando ao máximo para não fazer barulho, ela seguiu para o banheiro, tomando um longo e bem merecido banho quente. Permitindo que a água corrente do chuveiro massageasse sua pele levando consigo as dores e cansaço do dia. Vagarosamente ela ensaboava o corpo, brincando com as espumas e bolhas que fazia a cada movimento.
Hoje ela mandou o controle sobre seu temperamento para o espaço, entrou em conflito com Rony e perdeu a cabeça quando ele a acusou de sufocar Harry. Não era segredo para o Potter que agora mais do que nunca, Hermione precisava de algo a que se dedicar para não entristecer com a possibilidade de não recuperar seus pais.
Tinha que admitir, desde que soube da sua discussão com Shacklebout, Harry não negava nada à ela. Estava cumprindo a sua promessa e não a deixava desanimar, mesmo quando ele estava no seu limite. Mas, essa manhã foi diferente. Harry estava tão distante... Que ela chegou a imaginar se não seria melhor se ele estivesse sozinho.
Grande erro! O olhar que viu no rosto de Harry quando viu a mala e as roupas fora do armário derrubou todas as suas dúvidas por terra. Ele parecia tão desesperado, assustado e ao mesmo tempo furioso acusando o pobre Neville de tentar levá-la embora. Merlin ele apontou a varinha para Ron.
Se isso não era prova de que ele a queria por perto o que mais seria? Questionava-se interiormente Hermione enquanto derramava uma generosa porção de shampoo sobre os cabelos encaracolados. Mas, algo ainda estava fora do lugar.
A saída repentina do moreno a deixou preocupada e extremamente insegura. Durante meses ela tinha se acostumado a saber onde ele estava e quando estaria de volta. Se readaptar à suas vidas normais não seria uma tarefa muito fácil. Agora ela teria que esclarecer tudo entre eles. Ponderou Hermione enquanto enxugava-se diante do espelho.
Com cautela ela procurou por Harry por todos os lados. Não o encontrou na cozinha, nem em seu quarto, também não estava na biblioteca, ou na sala, ou os armários e porão. Preocupada ela seguiu sua intuição. Harry nunca a deixaria sozinha no Largo Grimmauldi, ainda mais durante a noite.
Com o coração na mão, ela seguiu até o quarto de Bicuço. Onde abriu a porta suavemente, apenas o suficiente para ver Harry acariciando o bico do hippogrifo com um olhar melancólico no rosto pálido.
-Por que não entra Hermione? Ele também sentiu sua falta...
Murmura Harry tristemente, sem encará-la. Hermione sentiu o coração pular uma batida, respirando fundo, ela abriu a porta completamente e hesitante se aproximou de Harry até ficar do seu lado, estendendo a mão para acariciar o hippogrifo que ajudara a salvar durante o seu terceiro ano.
Nenhum dos dois conseguia olhar para o outro. As lembranças da confusão de horas atrás ainda atormentando seus pensamentos. Apesar a corrente elétrica que atravessava seu corpo cada vez que suas mãos se tocavam, apesar do coração acelerar somente pela proximidade deles, apesar do desejo de se jogar nos braços dele e repetir que nunca seria capaz de deixá-lo... Ela se manteve concentrada em Bicuço.
A luz esbranquiçada da lua, dava sinais de uma noite fria, mas sem chuva, as poucas estrelas que se encorajavam a aparecer davam um brilho singelo à noite. Bicuço fitava com nostalgia o céu noturno como se lembrasse que em uma noite como essa, anos atrás se tornara livre.
-Acho que nós três estamos pensando na mesma coisa!
Interrompe o pesaroso silêncio, Hermione com um sorriso tímido nos lábios, desviando o olhar para a janela. Harry e pego de surpresa pela declaração da melhor amiga e fica em silêncio.
-Lembra Harry? A noite em que usamos o vira-tempo e resgatamos Bicuço e Sírius?
Continua Hermione suavemente, agora virando o rosto para encontrar os olhos de Harry que incapaz de dizer nada apenas cofirmou com um aceno positivo do rosto. Bicuço, porém estava decidido a dar uma forcinha para o moreno empurrando Harry em direção a Hermione com uma de suas patas. Os dois riram da situação e finalmente o garoto teve coragem de falar.
-Lembro bem! Foi a note que encontramos Peter Petigrew, escapamos de um lobisomem, que foi um dos melhores amigos do meu pai e quando eu descobri que o patrono que me salvou não pertencia ao meu pai...
Relembra amargamente o grifnório. Hermione sentiu todo o ânimo ruir e logo atravessou o curto espaço que os separava, prendendo Harry em um abraço esmagador, que o moreno devolveu com igual fervor.
-Oh, Harry! Eu sinto muito!
Desculpava-se ela segurando as próprias lágrimas.
-Eu fiz tudo errado! Deixei a raiva levar o melhor de mim quando discuti com Rony, depois pensei que estava te fazendo mal com a lista e o cronograma e quando Neville apareceu as coisas só pioraram!
Começava divagando desesperadamente a grifinória até ser silenciada por um beijo possessivo de Harry, despertando e dominado imperiosamente todos os seus sentidos. O beijo era profundo, forte, exigente, os braços do moreno seguravam sua cintura a apertando contra si com ânsia. Hermione sentiu o corpo inteiro amolecer nos braços de Harry, quando ofegantes separaram-se encostando sua testa à dele enquanto lutavam para recuperar o ar.
-Não precisa me explicar nada Mione! Eu fui um idiota, fiquei louco quando imaginei que você partiria! Eu não suporto a ideia de perder você Mione!
Confessa Harry espalhando beijos molhados pelo rosto e pescoço da grifinória que morde com força o lábio inferior para não gemer prazerosamente a cada toque do seu melhor amigo.
-Acredita mesmo que eu conseguiria passar um dia inteiro longe de você?
Pergunta Hermione, recuperando um pouco do seu autocontrole e puxando o rosto de Harry entre suas mãos o obrigando a encará-la nos olhos. O moreno se perdeu nas profundezas chocolate dos olhos dela e foi recompensado com um sorriso que rivalizava com a beleza da lua.
-Você é muito mais do que eu merecia possuir na minha vida Hermione!
Revela Harry tocando a ponta do seu nariz ao dela levemente.
-Oh, Harry!!! Não faz ideia do quanto tive medo por não saber onde estava ou porque me deixou essa manhã sem dizer nada!
Diz Hermione enterrando o rosto o pescoço do Potter roçando o nariz abaixo da orelha do moreno o fazendo ofegar, fechando os olhos com força.
-Eu sinto muito Mione! Eu não tinha planejado nada assim, mas eu precisava ir!
Explica Harry acariciando ternamente os longos cabelos cacheados, fascinado pela forma suave contrastava sobre seus dedos ásperos.
-Mas, sem me dar nenhuma pista?
Reclama Hermione levantando o rosto apenas o bastante para encará-lo. Harry sorriu misteriosamente antes de soltá-la e estende a mão em sua direção.
-Me daria a honra senhorita Granger?
A grifinória simplesmente lhe lançou um olhar cético antes de aceitar.
-Para onde vamos Harry?
Questiona a bruxa com a testa franzida, surpresas não era seu forte e o sorriso misterioso de Harry a deixava ainda mais desconfiada, no entanto acabara de fazer as pazes com o moreno e não desejava outra discussão sem motivos realmente.
Antes que ela pudesse protestar, se encontrou abraçando Harry pelas costas com desespero enquanto Bicuço os levava para um pequeno passeio, pulando pela janela magicamente ampliada em direção à noite tranquila.
Harry ria gostosamente, apreciando a sensação única do vento frio contra seu rosto, var era uma das poucas coisas que o fazia verdadeiramente feliz. Hermione dedicara seu tempo de voo a ameaçá-lo e acusá-lo furiosamente, temendo por sua vida. o hippogrifo no entanto, nunca lhe pareceu mais satisfeito.
Quando retornaram ao Largo Grimmauldi, já se passava da meia noite. Um velho relógio bruxo badalou três vezes antes que a dupla desmontasse do hippogrifo. Hermione estava meio pálida, mas ainda sim sorriu para Bicuço antes de bater com força no braço de Harry.
-Isso foi covardia, Potter!
Acusou a garota, mas Harry permanecia com o mesmo irritante sorriso misterioso.
-Valeu a pena Mione, confesse que gostou de lembrar dos velhos tempos!
Provoca ele a abraçando de lado até vê-la ceder e sorrir novamente.
-Fo imprudente e arriscado! Poderíamos ter sido vistos!
Repreende Hermione em tom severo.
-Não com os encantos que eu lancei!
Defende-se o moreno com falsa ofensa ao que Hermione revira os olhos.
-Ok! Hora de ir para a cama!
Interfere Hermione para corar furiosamente com o olhar malicioso que Harry lhe enviou.
-Camas separadas Harry! Francamente!
Resmunga ela cruzando os braços e desviando o olhar para o corredor vazio.
-Hermione espere!
Pede Harry a puxando pelo braço até fazê-la voltar-se para ele.
-O que foi Har...
A pergunta ficou perdida no ar quando Harry a prensou contra a parede em um beijo ardente e apaixonado que a fez derreter novamente em seus braços. As mãos ganhavam vida, os corpos buscavam o calor do outro com avidez e aflição. Suas línguas duelavam em harmonia enquanto os dois mergulhavam num mar de sensações prazerosas e desconhecidas até então.
Séculos ou minutos, nenhum deles poderia dizer. Mas quando terminou o beijo mais fantástico da sua vida, Hermione se encontrou com um pacote pardo em sua mão. Anda sentindo-se tonta com o beijo, ela lançou um olhar interrogador ao grifinório.
-Feliz aniversário Hermione!
Sussurrou ele brindando-a com um selinho casto. Corando furiosamente, ela percebeu a razão para o desaparecimento repentino de Harry.
-Merlin! Foi por isso que você sumiu! Harry não era preciso!
Desespera-se ela quando ele a interrompe novamente com um beijo.
-Shhhh! Não diga nada até ver o presente!
Insiste ele docemente. Hermione sorriu ainda mais, parecia ser um livro bem pesado. Mas, não esperava encontrar em suas mãos a coisa mais doce que alguém teria feito por ela desde então. Rasgando o papel com cuidado, seus olhos ampliaram-se em choque absoluto.
Ela teve que reunir todas as suas forças para não cair no chão. Uma das mãos subiu até a boca em surpresa. Os olhos verdes brilharam em reconhecimento, foi a escolha certa!
-Oh, Harry... Eu não acredito!
Murmurou emocionada Hermione fitando o seu álbum de família, repleto de fotos dela com seus pais. Era um verdadeiro milagre. Ela mesma apagara cada evidência da sua existência com seus pais e Harry mais uma vez a surpreendia com esse presente.
-Como... Como foi possível? Como o encontrou? O que fez para reverter o feitiço?
Perguntava ansiosamente Hermione tão maravilhada quanto curiosa, as lágrimas brilhando em seus olhos castanhos e o sorriso de Harry enlanguesceu mais ainda.
-Fui até sua casa e pedi a ajuda do professor Flitwick! Ele ficou muito feliz em ajudar apesar do tempo que levou para identificar os feitiços que você usou... Ele parecia bastante impressionado no final!
Revela o moreno com ternura e Hermione o envolve em um abraço esmagador.
-Obrigada Harry! Não faz ideia do como isso foi importante para mim!
Confessa Hermione roubando-lhe um beijo apaixonado que Harry retribuiu com todo seu coração. Ele não contou para ela que foi até Hogwarts atrás de ajuda de Gina, mas nenhuma das suas ideia parecia agradá-lo, logo ele se encontrou com Hagrid que o fez lembrar do presente que ganhou dele, com fotos dos seus pais...
Decidido, ele aparatou na casa dos Granger e vasculhou cada centímetro atrás de fotos dela com seus pais, claro que ela estava "invisível" em cada uma delas, e por isso convenceu o professor Flitwick a ajudá-lo em troa de algumas pequenas visitas à Hogwarts... Mas isso era história para um outro momento, afinal, estava beijando a bruxa mais importante da sua vida e nada mais importava agora.
....................//...............
Terminando de escrever agoraaaaaaa O_O meu bom Merlin quase quatro da manhãaaa T_T estou morrida de morte matada!!! Venatrix, Coveiro-sense e Saito-san!!!! Espero que tenham gostado, prometo responder aos coments direitinho depois, mas agora tenho que correr ou minha mamy vai lançar avadas sobre mim T_T pleaseeee comenteeeem!!!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 4

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por RiemiSam em 25/06/2013

Eu so leio Dramiones praticamente, mas me interessei por sua Fic  e comecei a ler. Nao me arrependi, vc eh muito criativa e faz o leitor rir e sentir o coraçao ficar pequenininho. Acompanharei cada atualizaçao dela.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Laauras em 25/06/2013

Leitora nova! Tô completamente apaixonada pela fic, tem um enredo sensacional e faz meu coração pular a cada virada de cena! Cria-se muitas expectativas e vc nos surpreende com cada desfecho, bjão, esperando ansiosamente pelo próximo capítulo!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Saito em 25/06/2013

Nossa! que capitulo incrivel! Prevejo que este beijo posso terminar em algo mais.... kkkk 
Eu realmente adorei!
Parabens pelo capitulo maravilhoso 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Coveiro em 25/06/2013

Mais um capitulo fantastico. Adoro muito essa fic, mas foi maldade terminar o capitulo nesse ponto. Continua logo...

Pra compensar o tempo sem brigas, bastou o Harry sair e deixar a Mione e o Rony sozinhos pro tempo fechar... E o Neville ainda se metendo nessa briga foi engraçado... Fiquei preocupado quando ele quis conversar com a Mione, pensei que ele fosse se declarar...

O Harry chegando naquele momento e morrendo de ciumes realmente deixou claro que a Mione é dele e ponto final... Pelo menos valeu a pena o tempo fora... Não havia presente melhor do que aquele para a Mione... Quando esse casal vai se assumir, ja ta muito chove não molha...O Harry ta querendo o premio de lerdo do ano? Brincadeira, ta bem legal esse clima de romance deles...

Falando em romance parece que o Harry não quer ficar muito tempo dormindo longe da Mione, será que agora vai?

Que promessa foi essa ao professor de feitiços? Eles vão voltar para Hogwarts?

Se é possivel desfazer os feitiços das fotos então é possivel desfazer os feitiços de memoria que ela aplicou nos pais?

E onde Rita Skeeter entra nisso tudo?

Continua logo por que to muito curioso... 

Sobre minha fic, vou tentar postar outro capitulo logo, mas não prometo nada... Ainda to bem enrolado... Fiquei feliz em saber que gostou do roteiro que montei pelo Japão... Os proximos capitulos tem menos detalhes do lugar, mas algumas cenas engraçadas ainda prometem animar essa viagem... Vegas ainda vai demorar um pouco, mais 4 capitulos penso eu...

Posta mais por favor e posta logo, em velocidade da luz... 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.